SlideShare uma empresa Scribd logo
A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU
Israel Serique dos Santos
Educação e Cultura
Pierre Bourdieu
Israel Serique
A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU
Israel Serique dos Santos
Para Veiga-Neto (2003) tratar sobre o conceito de cultura não é tarefa simples de realizar visto que tais
vocábulos estão envolvidos por uma complexa teia conceitual, na qual não há unanimidade.
Segundo Wilhiams (1992, p. 3), a cultura seria um conjunto de significações através das quais certa ordem
social é comunicada, reproduzida, vivenciada e estudada.
A cultura é elemento importante para a análise dos fenômenos sociais e tem se mostrado relevante na
problematização de questões de caráter especificamente educacional e pedagógico.
A cultura como fator preponderante à análise das questões educativas, se dá, segundo Hall (apud VEIGA-
NETO, 2003, p. 6), não pelo entendimento que a cultura seja um elemento central ou que ela ocupe uma
posição singular e de destaque, todavia porque ela perpassa todas as construções e relações e as
representações das mesmas.
E foi no contexto, de reflexões sobre a educação como atividade humana e as suas mais variadas formas
de existir nos espaços sociais e sua relação com a cultura, que o sociólogo francês Pierre Bourdieu deu sua
contribuição à educação.
Segundo Nogueira, a contribuição de Bourdieu se deu especialmente em suas pesquisas e teorizações
sobre os mecanismos das relações de poder no campo cultural.
Os estudos produzidos por ele são hoje referências, dada à fertilidade de instrumentos conceituais para a
compreensão das estratégias de reprodução da sociedade, das lutas simbólicas travadas pela apropriação de
bens que, no plano cultural, são realizadas por agentes sociais visando ao monopólio da competência e poder.
A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU
Israel Serique dos Santos
O “propósito obstinado de desvendar, de maneira fértil, os mecanismos de poder que permeiam as
intrincadas redes de relações sociais” (GUIMARÃES, 2002, p. 86), conduziu Bourdieu a realizar análises críticas
à educação tendo como foco as relações de poder oriundas do complexo mundo do capital cultural e sua
relação direta com o êxito e reprovação no sistema educacional.
O sistema escolar, longe de ser um fator de mobilidade social, é representado como um dos componentes
sociais mais eficazes na tarefa de perpetuação das relações sociais de poder. E a justificativa para isto, segundo
Bourdieu, é que o sistema escolar oferece toda aparência e argumentos legitimadores das diferenças sociais,
além do que, confirma a herança cultural, e o status social é posto como pertencente à esfera do natural
(BOURDIEU apud NOGUEIRA, CATANI, 1998, p. 41).
Estas diferenças, contudo, não são nem primárias, nem unicamente reforçadas pelo sistema escolar. O
primeiro espaço social no qual os indivíduos são postos em diferenciação como outra coletividade é a família.
Segundo Bourdieu, “Na realidade, cada família transmite a seus filhos mais por vias indiretas que diretas,
um certo capital cultural e um certo ethos, sistema de valores implícitos e profundamente interiorizados que
contribuem para definir, entre coisas, as atitudes face ao capital cultural e à instituição escolar. A herança
cultural, que difere, sob dois aspectos, segundo as classes sociais, é a responsável pela diferença inicial das
crianças diante da experiência escolar e, consequentemente, pelas taxas de êxito” (apud NOGUEIRA, CATANI,
1998, p. 41,42).
Para Bourdieu o capital cultural está presente na vida dos indivíduos sob três formas:
No estado incorporado sua presença se mostra por meio das disposições duráveis do
organismo, presentes nos gostos, na habilidade maior ou menor de verbalização ou escrita da
língua culta e nas informações sobre o mundo escolar. Tais caracteres na vida dos indivíduos
atual de maneira marcante no delineamento do futuro acadêmico.
No estado objetivado, este capital cultural se evidencia na posse de bens culturais tais como
livros, artefatos antigos, instrumentos musicais, esculturas, pinturas etc.
No estado institucionalizado, o capital cultural materializa-se através da posse dos diplomas
escolares. Contudo, as qualificações e status conferidos por estes diplomas dependem de quem
os chancela.
A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU
Israel Serique dos Santos
Para Bourdieu, em sua estrutura de análise das relações de poder, o conceito de capital cultural emerge
da necessidade de se entender as discrepâncias do desempenho escolar existente entre indivíduos provindos
de diferentes grupos sociais.
O fator cultural é um elemento significativo na construção e legitimação das desigualdades escolares.
A cultura é tanto uma forma tanto de identificação de uma coletividade, como, também, de perpetuação
das estruturas vigentes de êxito na vida.
Presente e fomentada tanto na família como no sistema escolar, a cultura é o conjunto complexo de
significações que, por sua hierarquização e relação direta com determinada classe social, estão distribuídas de
forma desigual pelos agentes sociais, dentro da estrutura social desejável por estes.
O aspecto valorativo destas significações torna-se meio através do qual as classificações e
hierarquizações sociais se fazem e se perpetuam.
Segundo Almeida (2011, p. 46) “para Bourdieu, a classificação dos valores é objeto de uma luta entre
grupos sociais que ocupam posições diferentes num espaço social hierarquizado”. Ou seja, quanto mais um
grupo social engendra meios para que suas práticas, criações, formação e conceitos sejam valorizados, ainda
mais ele alcançará eficácia na elevação de seus status quo diante de uma coletividade.
Na visão bourdieusiana, o grupo que vence a luta pela definição dos valores legítimos consegue impor
para o conjunto da sociedade uma justificativa moral para a sua própria posição dominante.
Os valores podem, então, se constituir em instrumentos de dominação e, assim, relações de opressão e
de exploração podem ser disfarçadas, passando a ser percebidas como princípios de distinção e hierarquização
naturais, isto é, inscritos naquilo que é percebido como a ordem natural das coisas (ALMEIDA, 2011, p. 47).
A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU
Israel Serique dos Santos
Este ocultamento das relações de opressão e exploração, além de ser fomentado no seio familiar e por
meio das instituições religiosas, encontra sua materialização orgânica e socialmente justiçada e legitimada nos
estabelecimentos de ensino.
Tal escolarização obrigatória, sob a égide da busca do bem comum e elevação do nível cultural do povo,
camufla perversamente os conflitos sociais existentes na sociedade, na medida em que incute nos educandos
os valores da classe dominante sem, contudo, dar-lhes as condições necessárias para alcançar tais valores.
Este é o caso da supervalorização concedida aos cursos de medicina, direito e engenharia, culturalmente
reconhecidos como símbolos de status, e que estão à disposição de apenas uma pequena parcela da população
brasileira que tem o capital financeiro adequado para se formar em tais especialidades.
Embora ser ensinada a valorizar determinadas áreas do saber e campos de trabalho, a maior parte da
população brasileira não possui recursos suficientes para conceder aos seus filhos uma boa formação no ensino
fundamental e médio, ao ponto de torná-los adequadamente competitivos como aqueles outros jovens da classe
média e alta.
Neste contexto, ideologicamente é repassado o valor da classe dominante e a aparente oferta igualitária
de aceso ao conhecimento. Contudo, as condições reais de acesso a esse capital cultural, de fato, são parcos e,
em certas situações, quase nulas. Além do que, parte significativa deste também se herda e aprende no recesso
do lar.
E somada a esta questão, aqueles que conseguem adentrar ao nível superior de ensino, naqueles cursos
ideologicamente valorizados, ao término dos estudos, padecem do constrangimento público e não possuírem a
chancela deste ou daquele estabelecimento de ensino superior reconhecido socialmente pela classe dominante.
Por esta conjuntura fica evidente que o sistema educacional não é neutro. Este está comprometido como
determinada classe social, que ao mesmo tempo incute seus valores às massas e lhes restringe as condições
mais básicas de ascensão social.
A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU
Israel Serique dos Santos
Embora Considerar a escola como pertencente à esfera das relações de poder, o pensamento
bourdieusiano vê no espaço escolar um ponto de tensão contínuo, no qual a subversão torna-se possível e a
transformação histórica palpável.
Para Bourdieu todos os espaços socais estão em contínua tensão. Os vários indivíduos de um dado
campo estão em constantes conflitos pelo capital cultural e social, e os campos igualmente se imbricam através
da busca por reafirmarem seus interesses e valores. Isto, aplicado ao espaço escolar, aponta para o fato que as
contradições no sistema de ensino podem ser meios conducentes para mudanças, tanto em sua esfera de
influência e ação, bem como, também, no espaço social para além de seus muros institucionais.
Sendo assim, pode-se concluir que as instituições escolares são aparelhos reacionários envolvidos em
uma contínua tensão entre aquilo que o poder hegemônico deseja perpetuar e aquela realidade transformadora
que advém de uma prática educativa e pedagógica reflexiva a respeito das relações de poder, dominação e
reprodução das subjetividades e objetividades históricas.
A autonomia relativa do sistema de ensino quer dizer que a educação formal sempre está associada às
relações de poder, à valorização do capital cultural de uma determinada coletividade de status elevado, às
necessidades do mercado etc.
Todavia, o espaço escolar pode ser um local democrático no qual os alunos podem ser valorizados como
sujeitos que potencialmente podem romper com as amarras do sistema de alienação e abrir novas possiblidades
de ser, ter e produzir no mundo.
Nisto, cabe aos sujeitos da instituição escolar o papel de trabalhar a fim de que os jovens das classes não
privilegiadas com o capital cultural legitimado, desde o seu nascimento, venham a obter mais êxito na vida
escolar.
A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU
Israel Serique dos Santos
Tal prática deve ocorrer, dentre outros momentos do processo educativo, na avaliação, pois é por esta que
o sistema educacional toma para si a complexa e suspeita tarefa de considerar qualificados ou desqualificados
os indivíduos, a partir de um conjunto de ações, habilidades intelectuais e conhecimentos que foram
previamente delineados por uma classe seleta de pessoas que já possuem desde o nascimento estes
elementos fazendo parte de suas vidas.
A separação, discriminação e qualificação dos indivíduos, tendo como base certos aspectos culturais
elitistas, tornam o processo educativo um esquema mau, de cartas marcadas e chancelado por aqueles que
deveriam usá-lo como forma de libertação das marras sociais injustas e condicionantes.
Para que tal conjuntura seja modificada é preciso:
a. Que os educadores tenham consciência a respeito das questões ideológicas e relações de poder que
subjazem à escolha dos elementos culturais (conhecimentos, habilidades, disposições etc.) a serem
transmitidos e reforçados pelo sistema de ensino.
b. Que aqueles que possuem a tarefa de avaliar o grau de rendimento e absorção do capital cultural
legitimado, tenham sensibilidade para usar o processo de avaliação como meio de estímulo às
qualidades individuais, valorizem o capital cultural que cada sujeito trás para a sala de aula e
considerem atentamente que este capital incorporado desde a infância, ou a sua falta, influencia
diretamente tanto no processo ensino-aprendizagem como na ação avaliativa, visto que os indivíduos
tendem a obterem melhores desempenhos naquilo com o qual já estão familiarizados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
joao jose saraiva da fonseca
 
Educação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e TrabalhoEducação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e Trabalho
lucavao2010
 
Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
Magno Oliveira
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
Andreia Regina Moura Mendes
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Educaçao e Trabalho
Educaçao e TrabalhoEducaçao e Trabalho
Educaçao e Trabalho
Adriana Sales Zardini
 
História da educação
História da educação História da educação
História da educação
Valéria Poubell
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Ralf Siebiger
 
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLARSLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
ProfRibamar Campos
 
Sociologia da educação
Sociologia da educação Sociologia da educação
Sociologia da educação
Prof Bernardo Camblor
 
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre BourdieuEscritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
Governo do Estado de São Paulo
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
Bruno Carrasco
 
Pierre Bourdieu: Escritos de Educação
Pierre Bourdieu: Escritos de EducaçãoPierre Bourdieu: Escritos de Educação
Pierre Bourdieu: Escritos de Educação
Governo do Estado de São Paulo
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Políticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas EducacionaisPolíticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas Educacionais
Alairton Luis Araujo Soares
 
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
George Júnior Soares Dantas
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
Cintia Dozono
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Teoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacionalTeoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacional
Jackson Silveira
 
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e SilvaTeoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Lucila Pesce
 

Mais procurados (20)

Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Educação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e TrabalhoEducação, Sociedade e Trabalho
Educação, Sociedade e Trabalho
 
Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Educaçao e Trabalho
Educaçao e TrabalhoEducaçao e Trabalho
Educaçao e Trabalho
 
História da educação
História da educação História da educação
História da educação
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
 
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLARSLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
 
Sociologia da educação
Sociologia da educação Sociologia da educação
Sociologia da educação
 
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre BourdieuEscritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
 
Pierre Bourdieu: Escritos de Educação
Pierre Bourdieu: Escritos de EducaçãoPierre Bourdieu: Escritos de Educação
Pierre Bourdieu: Escritos de Educação
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Políticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas EducacionaisPolíticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas Educacionais
 
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Teoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacionalTeoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacional
 
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e SilvaTeoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
 

Destaque

Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
Carminha
 
Educação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogiaEducação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogia
Mariana Dias
 
Palestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educaçãoPalestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educação
Junior Lima
 
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera CandauEducação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Seduc MT
 
Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]
Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]
Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]
SER_2011
 
Cultura e lazer
Cultura e lazerCultura e lazer
Cultura e lazer
andre barbosa
 
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
Wallace Melo Gonçalves Barbosa
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
Claudenilson da Silva
 
Diversidade na escola
Diversidade na escolaDiversidade na escola
Diversidade na escola
Kellona Christina
 
Aula 2 sociedade e cultura
Aula 2   sociedade e culturaAula 2   sociedade e cultura
Aula 2 sociedade e cultura
Fábio Nogueira, PhD
 
Educação em direitos humanos
Educação em direitos humanosEducação em direitos humanos
Educação em direitos humanos
escolamuller
 
Ldb Resumo
Ldb ResumoLdb Resumo
Ldb Resumo
Karina Reimberg
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
Jose Wilson Melo
 
História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumo
zildamisseno
 

Destaque (15)

Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
 
Educação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogiaEducação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogia
 
Palestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educaçãoPalestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educação
 
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera CandauEducação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
 
Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]
Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]
Ib ser 7_outubro11 [modo de compatibilidade]
 
Cultura e lazer
Cultura e lazerCultura e lazer
Cultura e lazer
 
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
 
Diversidade na escola
Diversidade na escolaDiversidade na escola
Diversidade na escola
 
Aula 2 sociedade e cultura
Aula 2   sociedade e culturaAula 2   sociedade e cultura
Aula 2 sociedade e cultura
 
Educação em direitos humanos
Educação em direitos humanosEducação em direitos humanos
Educação em direitos humanos
 
Ldb Resumo
Ldb ResumoLdb Resumo
Ldb Resumo
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumo
 

Semelhante a Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)

Artigo: Cultura e educação em Bourdieu
Artigo: Cultura e educação em BourdieuArtigo: Cultura e educação em Bourdieu
Artigo: Cultura e educação em Bourdieu
Israel serique
 
Cultura e Educação em Bourdieu
Cultura e Educação em BourdieuCultura e Educação em Bourdieu
Cultura e Educação em Bourdieu
Israel serique
 
Reprodução cultural
Reprodução culturalReprodução cultural
Reprodução cultural
Joaquim Lemane
 
Excluidos no interior
Excluidos no interiorExcluidos no interior
Excluidos no interior
Kelly da Silva
 
Nossas escolas não são as vossas as diferenças de classe
Nossas escolas não são as vossas as diferenças de classeNossas escolas não são as vossas as diferenças de classe
Nossas escolas não são as vossas as diferenças de classe
Marcelo Batista
 
Papel da escola na reprodução social trabalho
Papel da escola na reprodução social   trabalhoPapel da escola na reprodução social   trabalho
Papel da escola na reprodução social trabalho
carlonaviola
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
Israel serique
 
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Wellington Oliveira
 
Resumo max weber - e pierre bourdieu
Resumo   max weber - e pierre bourdieuResumo   max weber - e pierre bourdieu
Resumo max weber - e pierre bourdieu
Joyce Mourão
 
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
Jomari
 
Reprodução e desigualdade
Reprodução e desigualdadeReprodução e desigualdade
Reprodução e desigualdade
roberto mosca junior
 
Faces currículo
Faces currículoFaces currículo
Faces currículo
Daniela Menezes
 
Compreensao soc da ed text2
Compreensao soc da ed text2Compreensao soc da ed text2
Compreensao soc da ed text2
Ana Deisi
 
87 158-1-sm
87 158-1-sm87 158-1-sm
87 158-1-sm
Felipe Morgantini
 
87 158-1-sm
87 158-1-sm87 158-1-sm
87 158-1-sm
Felipe Morgantini
 
17. teorias do curriculo.docx
17. teorias  do curriculo.docx17. teorias  do curriculo.docx
17. teorias do curriculo.docx
AlineMelo123
 
Resenha documentos de identidade
Resenha documentos de identidadeResenha documentos de identidade
Resenha documentos de identidade
Nertan Dias
 
ARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegattARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegatt
claudete menegatt
 
marianass,+03.pdf
marianass,+03.pdfmarianass,+03.pdf
marianass,+03.pdf
ADEMARDOSSANTOSSILVA
 
Slide Bourdieu.pptx
Slide Bourdieu.pptxSlide Bourdieu.pptx
Slide Bourdieu.pptx
Leonardo Ampessan
 

Semelhante a Bourdieu: Educação e cultura (Resumo) (20)

Artigo: Cultura e educação em Bourdieu
Artigo: Cultura e educação em BourdieuArtigo: Cultura e educação em Bourdieu
Artigo: Cultura e educação em Bourdieu
 
Cultura e Educação em Bourdieu
Cultura e Educação em BourdieuCultura e Educação em Bourdieu
Cultura e Educação em Bourdieu
 
Reprodução cultural
Reprodução culturalReprodução cultural
Reprodução cultural
 
Excluidos no interior
Excluidos no interiorExcluidos no interior
Excluidos no interior
 
Nossas escolas não são as vossas as diferenças de classe
Nossas escolas não são as vossas as diferenças de classeNossas escolas não são as vossas as diferenças de classe
Nossas escolas não são as vossas as diferenças de classe
 
Papel da escola na reprodução social trabalho
Papel da escola na reprodução social   trabalhoPapel da escola na reprodução social   trabalho
Papel da escola na reprodução social trabalho
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
 
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
 
Resumo max weber - e pierre bourdieu
Resumo   max weber - e pierre bourdieuResumo   max weber - e pierre bourdieu
Resumo max weber - e pierre bourdieu
 
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
 
Reprodução e desigualdade
Reprodução e desigualdadeReprodução e desigualdade
Reprodução e desigualdade
 
Faces currículo
Faces currículoFaces currículo
Faces currículo
 
Compreensao soc da ed text2
Compreensao soc da ed text2Compreensao soc da ed text2
Compreensao soc da ed text2
 
87 158-1-sm
87 158-1-sm87 158-1-sm
87 158-1-sm
 
87 158-1-sm
87 158-1-sm87 158-1-sm
87 158-1-sm
 
17. teorias do curriculo.docx
17. teorias  do curriculo.docx17. teorias  do curriculo.docx
17. teorias do curriculo.docx
 
Resenha documentos de identidade
Resenha documentos de identidadeResenha documentos de identidade
Resenha documentos de identidade
 
ARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegattARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegatt
 
marianass,+03.pdf
marianass,+03.pdfmarianass,+03.pdf
marianass,+03.pdf
 
Slide Bourdieu.pptx
Slide Bourdieu.pptxSlide Bourdieu.pptx
Slide Bourdieu.pptx
 

Mais de Israel serique

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
Israel serique
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
Israel serique
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
Israel serique
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
Israel serique
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
Israel serique
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
Israel serique
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
Israel serique
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
Israel serique
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
Israel serique
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
Israel serique
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
Israel serique
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
Israel serique
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Israel serique
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
Israel serique
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
Israel serique
 

Mais de Israel serique (20)

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 

Bourdieu: Educação e cultura (Resumo)

  • 1. A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU Israel Serique dos Santos Educação e Cultura Pierre Bourdieu Israel Serique
  • 2. A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU Israel Serique dos Santos Para Veiga-Neto (2003) tratar sobre o conceito de cultura não é tarefa simples de realizar visto que tais vocábulos estão envolvidos por uma complexa teia conceitual, na qual não há unanimidade. Segundo Wilhiams (1992, p. 3), a cultura seria um conjunto de significações através das quais certa ordem social é comunicada, reproduzida, vivenciada e estudada. A cultura é elemento importante para a análise dos fenômenos sociais e tem se mostrado relevante na problematização de questões de caráter especificamente educacional e pedagógico. A cultura como fator preponderante à análise das questões educativas, se dá, segundo Hall (apud VEIGA- NETO, 2003, p. 6), não pelo entendimento que a cultura seja um elemento central ou que ela ocupe uma posição singular e de destaque, todavia porque ela perpassa todas as construções e relações e as representações das mesmas. E foi no contexto, de reflexões sobre a educação como atividade humana e as suas mais variadas formas de existir nos espaços sociais e sua relação com a cultura, que o sociólogo francês Pierre Bourdieu deu sua contribuição à educação. Segundo Nogueira, a contribuição de Bourdieu se deu especialmente em suas pesquisas e teorizações sobre os mecanismos das relações de poder no campo cultural. Os estudos produzidos por ele são hoje referências, dada à fertilidade de instrumentos conceituais para a compreensão das estratégias de reprodução da sociedade, das lutas simbólicas travadas pela apropriação de bens que, no plano cultural, são realizadas por agentes sociais visando ao monopólio da competência e poder.
  • 3. A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU Israel Serique dos Santos O “propósito obstinado de desvendar, de maneira fértil, os mecanismos de poder que permeiam as intrincadas redes de relações sociais” (GUIMARÃES, 2002, p. 86), conduziu Bourdieu a realizar análises críticas à educação tendo como foco as relações de poder oriundas do complexo mundo do capital cultural e sua relação direta com o êxito e reprovação no sistema educacional. O sistema escolar, longe de ser um fator de mobilidade social, é representado como um dos componentes sociais mais eficazes na tarefa de perpetuação das relações sociais de poder. E a justificativa para isto, segundo Bourdieu, é que o sistema escolar oferece toda aparência e argumentos legitimadores das diferenças sociais, além do que, confirma a herança cultural, e o status social é posto como pertencente à esfera do natural (BOURDIEU apud NOGUEIRA, CATANI, 1998, p. 41). Estas diferenças, contudo, não são nem primárias, nem unicamente reforçadas pelo sistema escolar. O primeiro espaço social no qual os indivíduos são postos em diferenciação como outra coletividade é a família. Segundo Bourdieu, “Na realidade, cada família transmite a seus filhos mais por vias indiretas que diretas, um certo capital cultural e um certo ethos, sistema de valores implícitos e profundamente interiorizados que contribuem para definir, entre coisas, as atitudes face ao capital cultural e à instituição escolar. A herança cultural, que difere, sob dois aspectos, segundo as classes sociais, é a responsável pela diferença inicial das crianças diante da experiência escolar e, consequentemente, pelas taxas de êxito” (apud NOGUEIRA, CATANI, 1998, p. 41,42). Para Bourdieu o capital cultural está presente na vida dos indivíduos sob três formas: No estado incorporado sua presença se mostra por meio das disposições duráveis do organismo, presentes nos gostos, na habilidade maior ou menor de verbalização ou escrita da língua culta e nas informações sobre o mundo escolar. Tais caracteres na vida dos indivíduos atual de maneira marcante no delineamento do futuro acadêmico. No estado objetivado, este capital cultural se evidencia na posse de bens culturais tais como livros, artefatos antigos, instrumentos musicais, esculturas, pinturas etc. No estado institucionalizado, o capital cultural materializa-se através da posse dos diplomas escolares. Contudo, as qualificações e status conferidos por estes diplomas dependem de quem os chancela.
  • 4. A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU Israel Serique dos Santos Para Bourdieu, em sua estrutura de análise das relações de poder, o conceito de capital cultural emerge da necessidade de se entender as discrepâncias do desempenho escolar existente entre indivíduos provindos de diferentes grupos sociais. O fator cultural é um elemento significativo na construção e legitimação das desigualdades escolares. A cultura é tanto uma forma tanto de identificação de uma coletividade, como, também, de perpetuação das estruturas vigentes de êxito na vida. Presente e fomentada tanto na família como no sistema escolar, a cultura é o conjunto complexo de significações que, por sua hierarquização e relação direta com determinada classe social, estão distribuídas de forma desigual pelos agentes sociais, dentro da estrutura social desejável por estes. O aspecto valorativo destas significações torna-se meio através do qual as classificações e hierarquizações sociais se fazem e se perpetuam. Segundo Almeida (2011, p. 46) “para Bourdieu, a classificação dos valores é objeto de uma luta entre grupos sociais que ocupam posições diferentes num espaço social hierarquizado”. Ou seja, quanto mais um grupo social engendra meios para que suas práticas, criações, formação e conceitos sejam valorizados, ainda mais ele alcançará eficácia na elevação de seus status quo diante de uma coletividade. Na visão bourdieusiana, o grupo que vence a luta pela definição dos valores legítimos consegue impor para o conjunto da sociedade uma justificativa moral para a sua própria posição dominante. Os valores podem, então, se constituir em instrumentos de dominação e, assim, relações de opressão e de exploração podem ser disfarçadas, passando a ser percebidas como princípios de distinção e hierarquização naturais, isto é, inscritos naquilo que é percebido como a ordem natural das coisas (ALMEIDA, 2011, p. 47).
  • 5. A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU Israel Serique dos Santos Este ocultamento das relações de opressão e exploração, além de ser fomentado no seio familiar e por meio das instituições religiosas, encontra sua materialização orgânica e socialmente justiçada e legitimada nos estabelecimentos de ensino. Tal escolarização obrigatória, sob a égide da busca do bem comum e elevação do nível cultural do povo, camufla perversamente os conflitos sociais existentes na sociedade, na medida em que incute nos educandos os valores da classe dominante sem, contudo, dar-lhes as condições necessárias para alcançar tais valores. Este é o caso da supervalorização concedida aos cursos de medicina, direito e engenharia, culturalmente reconhecidos como símbolos de status, e que estão à disposição de apenas uma pequena parcela da população brasileira que tem o capital financeiro adequado para se formar em tais especialidades. Embora ser ensinada a valorizar determinadas áreas do saber e campos de trabalho, a maior parte da população brasileira não possui recursos suficientes para conceder aos seus filhos uma boa formação no ensino fundamental e médio, ao ponto de torná-los adequadamente competitivos como aqueles outros jovens da classe média e alta. Neste contexto, ideologicamente é repassado o valor da classe dominante e a aparente oferta igualitária de aceso ao conhecimento. Contudo, as condições reais de acesso a esse capital cultural, de fato, são parcos e, em certas situações, quase nulas. Além do que, parte significativa deste também se herda e aprende no recesso do lar. E somada a esta questão, aqueles que conseguem adentrar ao nível superior de ensino, naqueles cursos ideologicamente valorizados, ao término dos estudos, padecem do constrangimento público e não possuírem a chancela deste ou daquele estabelecimento de ensino superior reconhecido socialmente pela classe dominante. Por esta conjuntura fica evidente que o sistema educacional não é neutro. Este está comprometido como determinada classe social, que ao mesmo tempo incute seus valores às massas e lhes restringe as condições mais básicas de ascensão social.
  • 6. A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU Israel Serique dos Santos Embora Considerar a escola como pertencente à esfera das relações de poder, o pensamento bourdieusiano vê no espaço escolar um ponto de tensão contínuo, no qual a subversão torna-se possível e a transformação histórica palpável. Para Bourdieu todos os espaços socais estão em contínua tensão. Os vários indivíduos de um dado campo estão em constantes conflitos pelo capital cultural e social, e os campos igualmente se imbricam através da busca por reafirmarem seus interesses e valores. Isto, aplicado ao espaço escolar, aponta para o fato que as contradições no sistema de ensino podem ser meios conducentes para mudanças, tanto em sua esfera de influência e ação, bem como, também, no espaço social para além de seus muros institucionais. Sendo assim, pode-se concluir que as instituições escolares são aparelhos reacionários envolvidos em uma contínua tensão entre aquilo que o poder hegemônico deseja perpetuar e aquela realidade transformadora que advém de uma prática educativa e pedagógica reflexiva a respeito das relações de poder, dominação e reprodução das subjetividades e objetividades históricas. A autonomia relativa do sistema de ensino quer dizer que a educação formal sempre está associada às relações de poder, à valorização do capital cultural de uma determinada coletividade de status elevado, às necessidades do mercado etc. Todavia, o espaço escolar pode ser um local democrático no qual os alunos podem ser valorizados como sujeitos que potencialmente podem romper com as amarras do sistema de alienação e abrir novas possiblidades de ser, ter e produzir no mundo. Nisto, cabe aos sujeitos da instituição escolar o papel de trabalhar a fim de que os jovens das classes não privilegiadas com o capital cultural legitimado, desde o seu nascimento, venham a obter mais êxito na vida escolar.
  • 7. A RELAÇÃO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO EM BOURDIEU Israel Serique dos Santos Tal prática deve ocorrer, dentre outros momentos do processo educativo, na avaliação, pois é por esta que o sistema educacional toma para si a complexa e suspeita tarefa de considerar qualificados ou desqualificados os indivíduos, a partir de um conjunto de ações, habilidades intelectuais e conhecimentos que foram previamente delineados por uma classe seleta de pessoas que já possuem desde o nascimento estes elementos fazendo parte de suas vidas. A separação, discriminação e qualificação dos indivíduos, tendo como base certos aspectos culturais elitistas, tornam o processo educativo um esquema mau, de cartas marcadas e chancelado por aqueles que deveriam usá-lo como forma de libertação das marras sociais injustas e condicionantes. Para que tal conjuntura seja modificada é preciso: a. Que os educadores tenham consciência a respeito das questões ideológicas e relações de poder que subjazem à escolha dos elementos culturais (conhecimentos, habilidades, disposições etc.) a serem transmitidos e reforçados pelo sistema de ensino. b. Que aqueles que possuem a tarefa de avaliar o grau de rendimento e absorção do capital cultural legitimado, tenham sensibilidade para usar o processo de avaliação como meio de estímulo às qualidades individuais, valorizem o capital cultural que cada sujeito trás para a sala de aula e considerem atentamente que este capital incorporado desde a infância, ou a sua falta, influencia diretamente tanto no processo ensino-aprendizagem como na ação avaliativa, visto que os indivíduos tendem a obterem melhores desempenhos naquilo com o qual já estão familiarizados.