SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
CONSELHO TUTELAR – BOLETIM INFORMATIVO | Edição Nº 01 Elaboração: Aghata Gonsalves e Indianara Trainotti
ZELANDO PELOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUEM SOMOS
Este boletim informativo possui
como objetivo divulgar e
compartilhar algumas atividades
realizadas em reuniões colegiadas
dos conselheiros tutelares da
cidade de Florianópolis.
CONSELHO TUTELAR FLORIANÓPOLIS
De acordo com a resolução do CONANDA
139/2012, a cada 100 mil habitantes, o
município deve ter um Conselho Tutelar
instalado, com cinco conselheiros
tutelares. Florianópolis possui uma
população estimada de 461.524 mil
habitantes (IBGE, 2014). Atualmente há
quatro Conselhos Tutelares, localizados
nas Regiões: Sul, Norte, Centro,
Continental.
Como definido no Estatuto da Criança e
do Adolescente (BRASIL, 1990), o
Conselho Tutelar é um “órgão
permanente e autônomo, não
jurisdicional, encarregado pela sociedade
de zelar pelo cumprimento dos direitos
da criança e do adolescente” (art. 131).
As atribuições do Conselho
Tutelar podem ser agrupadas em
sete categorias, de acordo com o
art. 136 do ECA (BRASIL, 1990):
1. Atender crianças e adolescentes e
aplicar medidas de proteção
2. Atender e aconselhar os pais ou
responsável e aplicar medidas de
proteção
3. Promover a execução de suas
decisões
4. Encaminhar ao Ministério Público
notícia e fato que constitua infração
administrativa ou penal contra os
direitos da criança ou do adolescente
5. Encaminhar à autoridade judiciária os
casos de sua competência
6. Tomar providências para que sejam
cumpridas medidas protetivas
aplicadas pela justiça a adolescentes
infratores
7. Expedir notificações
8. Requisitar certidões de nascimento e
de óbito de criança ou de adolescente
quando necessário.
9. Assessorar o Poder Executivo local na
elaboração da proposta orçamentária
para planos e programas de
atendimento dos direitos da criança e
do adolescente.
10. Representar, em nome da pessoa e
da família, contra a violação dos
direitos previstos no artigo 220, §3.º,
Inciso II, da Constituição Federal.
11. Representar ao Ministério Público,
para efeito de ações de perda ou
suspensão do poder familiar.
12. Fiscalizar as entidades
governamentais e não
governamentais
Legenda
Norte
Centro
Continente
Sul
DIREITOS DA CRIANÇA
E DO ADOLESCENTE:
Vida, Saúde,
Alimentação,
Educação, Esporte,
Lazer,
Profissionalização,
Cultura, Dignidade,
Respeito, Liberdade,
Convivência familiar e
comunitária.
CONSELHO TUTELAR
FLORIANÓPOLIS
BoletimInformativo
LOCALIZAÇÃO
WWW.FACEBOOK.COM/CTFLORIANOPOLIS
CONSELHO TUTELAR – BOLETIM INFORMATIVO | Edição Nº 01 Elaboração: Aghata Gonsalves e Indianara Trainotti
É vital que o Conselho Tutelar
atue de maneira articulada e
integrada como os demais
agentes que compõem a rede de
proteção a crianças e
adolescentes.
Para tanto, o Colegiado Ampliado1
do Conselho Tutelar de
Florianópolis, deliberou no mês
de Abril de 2015, que suas
reuniões mensais ocorrerão em
período integral.
Um destes períodos foi reservado
para momentos de formação
continuada e articulação com a
rede.
Para viabilizar tal estratégia, um
serviço da rede de atendimento é
convidado com o objetivo de
apresentar como desenvolve seu
trabalho a crianças e adolescentes
do município.
Esta atividade, deliberada pelos
Conselheiros Tutelares, foi
motivada pela observação dos
próprios Conselheiros sobre a
necessidade de capacitações
continuadas, para que os mesmos
pudessem realizar
encaminhamentos mais precisos e
também como forma de
fortalecer e articular a rede de
atendimento, a fim de assegurar
os direitos das crianças e
adolescentes de Florianópolis.
Desde Maio de 2015, o Conselho
Tutelar já realizou 04 formações
continuadas com os serviços:
 PSE - Programa Saúde na
Escola
 CRAS - Centro de
Referência de Assistência
Social;
 PAEFI - Serviço de
Proteção e Atendimento
Especializado a Famílias e
Indivíduos;
 NASF - Núcleos de Apoio à
Saúde da Família;
FORMAÇÃO CONTINUADA COM OS ATORES DA REDE DE ATENDIMENTO A
CRIANÇA E AO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS
O ECA destaca a
importância do trabalho
articulado em seu art. 86:
A política de
atendimento dos direitos
da criança e do
adolescente far-se-á
através de um conjunto
articulado de ações
governamentais e não
governamentais, da
União, dos estados, do
Distrito Federal e dos
municípios (BRASIL, 1990).
1
Colegiado Ampliado: reuniões mensais formadas pela totalidade dos Conselheiros Tutelares do Município. Reúne-se em sessões ordinárias e extraordinárias, sem prejuízo
no atendimento emergencial, em regime de plantão de sobreaviso. Ocorre com quorum mínimo de três representantes de cada sede dos Conselhos Tutelares. Tem como
objetivo disciplinar o funcionamento interno dos Conselhos Tutelares e apreciar os casos em atendimento, em discussões.
CONSELHO TUTELAR – BOLETIM INFORMATIVO | Edição Nº 01 Elaboração: Aghata Gonsalves e Indianara Trainotti
Data: 12 Maio de 2015
Local: CEC - Centro de Educação Continuada
Convidado: Ana Cristina (Articuladora/
Coordenadora do PSE)
O Programa Saúde na Escola (PSE) é uma
política intersetorial da Saúde e da Educação,
que tem como objetivo contribuir para a
formação integral dos estudantes por meio de
ações de promoção, prevenção e atenção à
saúde.
Data: 04 de Agosto de 2015
Local: Auditório da Loja Maçônica- Campeche
Convidados: Ana Beatriz Cardoso Luz-
(Coordenadora NASF – Sul) e Vileide Euzébio-
(Assistente Social NASF – Sul).
O Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF) é
formado por equipes multiprofissionais que
atuam de forma integrada com as equipes de
Saúde da Família, de atenção básica e com o
Programa Academia da Saúde, compartilhando as
práticas e saberes em saúde nos territórios.
Data: 02 de Junho de 2015
Local: Auditório Policlínica - UPA Norte
Convidados: Felipe Chittoni (Coord. de Proteção
Básica) e Letícia S. Haeser (Coord. do CRAS – Inglês)
O Centro de Referência de Assistência Social
(CRAS) é o responsável pela organização e
oferta de serviços da Proteção Social Básica nas
áreas de vulnerabilidade e risco social. Possui
também a função de gestão territorial da rede
de assistência social básica.
Data: 30 de Maio de 2015
Local: CEC - Centro de Educação Continuada
Convidado: Kátia Carvalho Figueiredo
(Coordenadora do PAEFI - Ilha)
O Serviço de Proteção e Atendimento
Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI)
configura-se como serviço de apoio, orientação
e acompanhamento a famílias com um ou mais
de seus membros em situação de ameaça ou
violação de direitos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasilguestb74f0c
 
GEO PSC1 - Questão Indígena
GEO PSC1 - Questão IndígenaGEO PSC1 - Questão Indígena
GEO PSC1 - Questão IndígenaDiego Lopes
 
Oficio n° 090 2015 Consulta CT Boa Nova
Oficio n° 090 2015 Consulta CT Boa NovaOficio n° 090 2015 Consulta CT Boa Nova
Oficio n° 090 2015 Consulta CT Boa NovaACTEBA
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Educação
 
Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...
Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...
Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...Gesaworld do Brasil
 
íNdios kaingangs. blog
íNdios kaingangs. blogíNdios kaingangs. blog
íNdios kaingangs. blogWagner Desiró
 
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...TCC_FARMACIA_FEF
 
Grandes Mestres das Ciências Sociais
Grandes Mestres das Ciências SociaisGrandes Mestres das Ciências Sociais
Grandes Mestres das Ciências SociaisAdriano Capilupe
 
Conselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista páginaConselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista páginaJhosyrene Oliveira
 
A História da Origem de Bom Jardim (Aspectos Gerais)
A História da Origem de Bom Jardim   (Aspectos Gerais)A História da Origem de Bom Jardim   (Aspectos Gerais)
A História da Origem de Bom Jardim (Aspectos Gerais)Adilson P Motta Motta
 
Memória e Ancestralidade
Memória e AncestralidadeMemória e Ancestralidade
Memória e AncestralidadeAva Augustina
 
10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of Trouble
10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of Trouble10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of Trouble
10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of TroubleCross Channel Marketing Consultants
 
Trabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileiraTrabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileiraGabriel Mayer
 
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do CordaConhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do CordaLeonardo Delgado
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaEmef Madalena
 
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitosivone guedes borges
 

Mais procurados (20)

InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
 
GEO PSC1 - Questão Indígena
GEO PSC1 - Questão IndígenaGEO PSC1 - Questão Indígena
GEO PSC1 - Questão Indígena
 
Oficio n° 090 2015 Consulta CT Boa Nova
Oficio n° 090 2015 Consulta CT Boa NovaOficio n° 090 2015 Consulta CT Boa Nova
Oficio n° 090 2015 Consulta CT Boa Nova
 
Povos indígenas do Tocantins
Povos indígenas do TocantinsPovos indígenas do Tocantins
Povos indígenas do Tocantins
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
 
Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...
Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...
Apresentação da Dra. Catherine Moura "Redes de atenção à saúde: Do concei...
 
íNdios kaingangs. blog
íNdios kaingangs. blogíNdios kaingangs. blog
íNdios kaingangs. blog
 
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...Tcc 2012   o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
Tcc 2012 o uso de anticoncepcionais por mulheres de uma escola técnica de f...
 
Grandes Mestres das Ciências Sociais
Grandes Mestres das Ciências SociaisGrandes Mestres das Ciências Sociais
Grandes Mestres das Ciências Sociais
 
O candomble
O candombleO candomble
O candomble
 
Slide quem são os povos indígenas do brasil
Slide quem são os povos indígenas do brasilSlide quem são os povos indígenas do brasil
Slide quem são os povos indígenas do brasil
 
Conselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista páginaConselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista página
 
A História da Origem de Bom Jardim (Aspectos Gerais)
A História da Origem de Bom Jardim   (Aspectos Gerais)A História da Origem de Bom Jardim   (Aspectos Gerais)
A História da Origem de Bom Jardim (Aspectos Gerais)
 
Memória e Ancestralidade
Memória e AncestralidadeMemória e Ancestralidade
Memória e Ancestralidade
 
10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of Trouble
10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of Trouble10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of Trouble
10 Copyright Commandments that Keep Real Estate Bloggers Out of Trouble
 
Trabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileiraTrabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileira
 
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do CordaConhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
 
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
 
EBSERH Lei 12.550
EBSERH Lei 12.550EBSERH Lei 12.550
EBSERH Lei 12.550
 

Semelhante a Boletim Informativo do Conselho Tutelar de Florianópolis

Os direitos da criança cartilha
Os direitos da criança   cartilhaOs direitos da criança   cartilha
Os direitos da criança cartilhaOnésimo Remígio
 
Arq 818 guia_direitos_gestante-bebe
Arq 818 guia_direitos_gestante-bebeArq 818 guia_direitos_gestante-bebe
Arq 818 guia_direitos_gestante-bebedeborawilbert
 
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho InfantilPapel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho InfantilAlex Sales
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaJuninho Spina
 
Dr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorge
Dr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorgeDr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorge
Dr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorgeefaturmag2011
 
SGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdf
SGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdfSGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdf
SGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdfJedsonCosta2
 
promoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdfpromoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdfKethelyMotta
 
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSValdirene1977
 
Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilLeandro Silva
 
Guia direitos idosos
Guia direitos idososGuia direitos idosos
Guia direitos idososMauro Moraes
 
Manual basico saude_publica
Manual basico saude_publicaManual basico saude_publica
Manual basico saude_publicaCássimo Saide
 
Festival 2019 - Conquistando Sorrisos
Festival 2019 - Conquistando SorrisosFestival 2019 - Conquistando Sorrisos
Festival 2019 - Conquistando SorrisosABCR
 
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, BrasilSAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, BrasilProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Ações de responsabilidade social
Ações de responsabilidade socialAções de responsabilidade social
Ações de responsabilidade socialtommymarras
 

Semelhante a Boletim Informativo do Conselho Tutelar de Florianópolis (20)

Os direitos da criança cartilha
Os direitos da criança   cartilhaOs direitos da criança   cartilha
Os direitos da criança cartilha
 
Cartilha Jpg Final
Cartilha Jpg FinalCartilha Jpg Final
Cartilha Jpg Final
 
Arq 818 guia_direitos_gestante-bebe
Arq 818 guia_direitos_gestante-bebeArq 818 guia_direitos_gestante-bebe
Arq 818 guia_direitos_gestante-bebe
 
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho InfantilPapel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
 
JORNAL
JORNAL JORNAL
JORNAL
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
 
Dr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorge
Dr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorgeDr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorge
Dr 3 trab. de grupo andreia; fernando; jorge
 
SGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdf
SGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdfSGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdf
SGD-E-CONSELHO-TUTELAR.pdf
 
promoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdfpromoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdf
 
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
 
ECA_2015_150dpi.pdf
ECA_2015_150dpi.pdfECA_2015_150dpi.pdf
ECA_2015_150dpi.pdf
 
Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasil
 
Guia direitos idosos
Guia direitos idososGuia direitos idosos
Guia direitos idosos
 
Manual basico saude_publica
Manual basico saude_publicaManual basico saude_publica
Manual basico saude_publica
 
Manual basico saude_publica
Manual basico saude_publicaManual basico saude_publica
Manual basico saude_publica
 
Manual basico de saude publica
Manual basico de saude publicaManual basico de saude publica
Manual basico de saude publica
 
Festival 2019 - Conquistando Sorrisos
Festival 2019 - Conquistando SorrisosFestival 2019 - Conquistando Sorrisos
Festival 2019 - Conquistando Sorrisos
 
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, BrasilSAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
 
Ações de responsabilidade social
Ações de responsabilidade socialAções de responsabilidade social
Ações de responsabilidade social
 
Fred.,m
Fred.,mFred.,m
Fred.,m
 

Mais de Aghata Gonsalves

Plano de Ação CMDCA - 2015
Plano de Ação CMDCA - 2015Plano de Ação CMDCA - 2015
Plano de Ação CMDCA - 2015Aghata Gonsalves
 
GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"
GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"
GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"Aghata Gonsalves
 
Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016
Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016
Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016Aghata Gonsalves
 
Linha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no Brasil
Linha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no BrasilLinha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no Brasil
Linha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no BrasilAghata Gonsalves
 
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...Aghata Gonsalves
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012Aghata Gonsalves
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2014
 Relatório Anual SocioAmbientar 2014 Relatório Anual SocioAmbientar 2014
Relatório Anual SocioAmbientar 2014Aghata Gonsalves
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2013
Relatório Anual SocioAmbientar 2013Relatório Anual SocioAmbientar 2013
Relatório Anual SocioAmbientar 2013Aghata Gonsalves
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012Aghata Gonsalves
 
Newsletter SocioAmbientar 2014/1
Newsletter SocioAmbientar 2014/1Newsletter SocioAmbientar 2014/1
Newsletter SocioAmbientar 2014/1Aghata Gonsalves
 
Newsletter SocioAmbientar - 2013/1
Newsletter SocioAmbientar - 2013/1Newsletter SocioAmbientar - 2013/1
Newsletter SocioAmbientar - 2013/1Aghata Gonsalves
 

Mais de Aghata Gonsalves (17)

Plano de Ação CMDCA - 2015
Plano de Ação CMDCA - 2015Plano de Ação CMDCA - 2015
Plano de Ação CMDCA - 2015
 
GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"
GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"
GESTÃO DE PARCERIAS - "Com quem fazemos"
 
Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016
Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016
Elaboração de Projetos - CMDCA FLORIPA 01/08/2016
 
Linha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no Brasil
Linha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no BrasilLinha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no Brasil
Linha do Tempo: História da Criança e do Adolescente no Brasil
 
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2014
 Relatório Anual SocioAmbientar 2014 Relatório Anual SocioAmbientar 2014
Relatório Anual SocioAmbientar 2014
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2013
Relatório Anual SocioAmbientar 2013Relatório Anual SocioAmbientar 2013
Relatório Anual SocioAmbientar 2013
 
Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012Relatório Anual SocioAmbientar 2012
Relatório Anual SocioAmbientar 2012
 
Newsletter SocioAmbientar 2014/1
Newsletter SocioAmbientar 2014/1Newsletter SocioAmbientar 2014/1
Newsletter SocioAmbientar 2014/1
 
Newsletter SocioAmbientar - 2013/1
Newsletter SocioAmbientar - 2013/1Newsletter SocioAmbientar - 2013/1
Newsletter SocioAmbientar - 2013/1
 
Manual do Voluntário
Manual do VoluntárioManual do Voluntário
Manual do Voluntário
 
Aula 06 07-08-2015
Aula 06   07-08-2015Aula 06   07-08-2015
Aula 06 07-08-2015
 
Aula 04 03-07-2015
Aula 04   03-07-2015Aula 04   03-07-2015
Aula 04 03-07-2015
 
Aula 03 26-06-2015
Aula 03   26-06-2015Aula 03   26-06-2015
Aula 03 26-06-2015
 
Aula 01 - 12-06-2015
Aula 01 - 12-06-2015Aula 01 - 12-06-2015
Aula 01 - 12-06-2015
 
Aula 02 19-06-2015
Aula 02   19-06-2015Aula 02   19-06-2015
Aula 02 19-06-2015
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfViagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfRevista Sociedade Militar
 
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Revista Sociedade Militar
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                         o.pdfrelatorio para alun                         o.pdf
relatorio para alun o.pdfHELLEN CRISTINA
 
IA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptx
IA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptxIA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptx
IA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptxDiego Galofero
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfdiyij69533
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (9)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfViagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
 
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                         o.pdfrelatorio para alun                         o.pdf
relatorio para alun o.pdf
 
IA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptx
IA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptxIA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptx
IA e Reconhecimento Facial no Governo Aberto.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Boletim Informativo do Conselho Tutelar de Florianópolis

  • 1. CONSELHO TUTELAR – BOLETIM INFORMATIVO | Edição Nº 01 Elaboração: Aghata Gonsalves e Indianara Trainotti ZELANDO PELOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUEM SOMOS Este boletim informativo possui como objetivo divulgar e compartilhar algumas atividades realizadas em reuniões colegiadas dos conselheiros tutelares da cidade de Florianópolis. CONSELHO TUTELAR FLORIANÓPOLIS De acordo com a resolução do CONANDA 139/2012, a cada 100 mil habitantes, o município deve ter um Conselho Tutelar instalado, com cinco conselheiros tutelares. Florianópolis possui uma população estimada de 461.524 mil habitantes (IBGE, 2014). Atualmente há quatro Conselhos Tutelares, localizados nas Regiões: Sul, Norte, Centro, Continental. Como definido no Estatuto da Criança e do Adolescente (BRASIL, 1990), o Conselho Tutelar é um “órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente” (art. 131). As atribuições do Conselho Tutelar podem ser agrupadas em sete categorias, de acordo com o art. 136 do ECA (BRASIL, 1990): 1. Atender crianças e adolescentes e aplicar medidas de proteção 2. Atender e aconselhar os pais ou responsável e aplicar medidas de proteção 3. Promover a execução de suas decisões 4. Encaminhar ao Ministério Público notícia e fato que constitua infração administrativa ou penal contra os direitos da criança ou do adolescente 5. Encaminhar à autoridade judiciária os casos de sua competência 6. Tomar providências para que sejam cumpridas medidas protetivas aplicadas pela justiça a adolescentes infratores 7. Expedir notificações 8. Requisitar certidões de nascimento e de óbito de criança ou de adolescente quando necessário. 9. Assessorar o Poder Executivo local na elaboração da proposta orçamentária para planos e programas de atendimento dos direitos da criança e do adolescente. 10. Representar, em nome da pessoa e da família, contra a violação dos direitos previstos no artigo 220, §3.º, Inciso II, da Constituição Federal. 11. Representar ao Ministério Público, para efeito de ações de perda ou suspensão do poder familiar. 12. Fiscalizar as entidades governamentais e não governamentais Legenda Norte Centro Continente Sul DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: Vida, Saúde, Alimentação, Educação, Esporte, Lazer, Profissionalização, Cultura, Dignidade, Respeito, Liberdade, Convivência familiar e comunitária. CONSELHO TUTELAR FLORIANÓPOLIS BoletimInformativo LOCALIZAÇÃO WWW.FACEBOOK.COM/CTFLORIANOPOLIS
  • 2. CONSELHO TUTELAR – BOLETIM INFORMATIVO | Edição Nº 01 Elaboração: Aghata Gonsalves e Indianara Trainotti É vital que o Conselho Tutelar atue de maneira articulada e integrada como os demais agentes que compõem a rede de proteção a crianças e adolescentes. Para tanto, o Colegiado Ampliado1 do Conselho Tutelar de Florianópolis, deliberou no mês de Abril de 2015, que suas reuniões mensais ocorrerão em período integral. Um destes períodos foi reservado para momentos de formação continuada e articulação com a rede. Para viabilizar tal estratégia, um serviço da rede de atendimento é convidado com o objetivo de apresentar como desenvolve seu trabalho a crianças e adolescentes do município. Esta atividade, deliberada pelos Conselheiros Tutelares, foi motivada pela observação dos próprios Conselheiros sobre a necessidade de capacitações continuadas, para que os mesmos pudessem realizar encaminhamentos mais precisos e também como forma de fortalecer e articular a rede de atendimento, a fim de assegurar os direitos das crianças e adolescentes de Florianópolis. Desde Maio de 2015, o Conselho Tutelar já realizou 04 formações continuadas com os serviços:  PSE - Programa Saúde na Escola  CRAS - Centro de Referência de Assistência Social;  PAEFI - Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos;  NASF - Núcleos de Apoio à Saúde da Família; FORMAÇÃO CONTINUADA COM OS ATORES DA REDE DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE DE FLORIANÓPOLIS O ECA destaca a importância do trabalho articulado em seu art. 86: A política de atendimento dos direitos da criança e do adolescente far-se-á através de um conjunto articulado de ações governamentais e não governamentais, da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios (BRASIL, 1990). 1 Colegiado Ampliado: reuniões mensais formadas pela totalidade dos Conselheiros Tutelares do Município. Reúne-se em sessões ordinárias e extraordinárias, sem prejuízo no atendimento emergencial, em regime de plantão de sobreaviso. Ocorre com quorum mínimo de três representantes de cada sede dos Conselhos Tutelares. Tem como objetivo disciplinar o funcionamento interno dos Conselhos Tutelares e apreciar os casos em atendimento, em discussões.
  • 3. CONSELHO TUTELAR – BOLETIM INFORMATIVO | Edição Nº 01 Elaboração: Aghata Gonsalves e Indianara Trainotti Data: 12 Maio de 2015 Local: CEC - Centro de Educação Continuada Convidado: Ana Cristina (Articuladora/ Coordenadora do PSE) O Programa Saúde na Escola (PSE) é uma política intersetorial da Saúde e da Educação, que tem como objetivo contribuir para a formação integral dos estudantes por meio de ações de promoção, prevenção e atenção à saúde. Data: 04 de Agosto de 2015 Local: Auditório da Loja Maçônica- Campeche Convidados: Ana Beatriz Cardoso Luz- (Coordenadora NASF – Sul) e Vileide Euzébio- (Assistente Social NASF – Sul). O Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF) é formado por equipes multiprofissionais que atuam de forma integrada com as equipes de Saúde da Família, de atenção básica e com o Programa Academia da Saúde, compartilhando as práticas e saberes em saúde nos territórios. Data: 02 de Junho de 2015 Local: Auditório Policlínica - UPA Norte Convidados: Felipe Chittoni (Coord. de Proteção Básica) e Letícia S. Haeser (Coord. do CRAS – Inglês) O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) é o responsável pela organização e oferta de serviços da Proteção Social Básica nas áreas de vulnerabilidade e risco social. Possui também a função de gestão territorial da rede de assistência social básica. Data: 30 de Maio de 2015 Local: CEC - Centro de Educação Continuada Convidado: Kátia Carvalho Figueiredo (Coordenadora do PAEFI - Ilha) O Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI) configura-se como serviço de apoio, orientação e acompanhamento a famílias com um ou mais de seus membros em situação de ameaça ou violação de direitos.