SlideShare uma empresa Scribd logo
_________________________________________
1- Zootecnista
2- Aluna de graduação do Curso de Zootecnia - UFLA
3- Professora adjunta do Departamento de Zootecnia - UFLA
MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES
Paula Adriane Perez Ribeiro1
Juliana Sampaio Guedes Gomiero2
Priscila Vieira Rosa Logato3
1 Introdução
Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura,
aqueles envolvidos com a alimentação vêm sendo amplamente
discutidos, principalmente por representarem cerca de 70% dos
custos de produção em sistema de cultivo intensivo. Em relação
à criação de peixes, este problema é geralmente mais grave. Isto
porque suas exigências protéicas são maiores quando compara-
das às demais espécies. Torna-se necessário, então, uma ração
rica em proteína, o que aumenta ainda mais os custos de produ-
ção.
Portanto, o fornecimento de alimento adequado em quan-
tidade e qualidade é importante para o sucesso econômico da
piscicultura.
É importante o conhecimento dos hábitos alimentares dos
peixes para a adequação da ração a ser fornecida. O hábito ali-
6
mentar nos fornece uma idéia das necessidades nutricionais de
cada espécie. Por exemplo: peixes carnívoros aproveitam melhor
os alimentos de origem animal, necessitando de maior conteúdo
protéico na ração quando criados em cativeiro. Além disso, nor-
malmente costumam não aproveitar bem alimentos de origem
vegetal; peixes onívoros e herbívoros são menos exigentes em
conteúdo protéico e aproveitam bem uma variedade maior de
alimentos.
O manejo alimentar, portanto, deve levar em consideração
os hábitos do animal, o sistema de cultivo, a produtividade natu-
ral, as condições climáticas o manuseio do alimento, entre outros
aspectos.
Será descrito o manejo alimentar de carnívoros e onívoros,
principalmente. A classe dos peixes onívoros pode ser represen-
tada pela tilápia (Oreocrhomis niloticus), pacu (Piaractus mesopo-
tamicus), matrinxã (Brycon cephalus), piracanjuba (Brycon or-
bignyanus), carpa (Cyprinos sp.), piaçu (Leporinus macrocepha-
lus), entre outros. As espécies carnívoras podem ser representa-
das, principalmente pelo pintado (Pseudophastytomus coruscan),
sendo que os carnívoros ictiófagos têm como representantes o
dourado (Salminus brasilienses), pirarucu (Arapaima gygas), traí-
ra (Hoplias malabaricus), entre outros.
7
2 Sistemas de criação
Os peixes podem ser criados de várias maneiras, depen-
dendo das condições e qualidade da água, espécie e aceitação
de mercado. É possível dividir o sistema de criação em extensi-
vo, semi-intensivo, intensivo e superintensivo.
a) Sistema extensivo: tem como características principais a
alimentação natural, densidade de estocagem menor que
2.000 peixes/ha, sem monitoramento da qualidade de á-
gua, e viveiros sem planejamento (com dimensões varia-
das).
b) Sistema semi-intensivo: caracterizado por alimentação
natural e suplementar, densidade de estocagem de 5.000
a 20.000 peixes/ha, monitoramento parcial da qualidade
de água e viveiros construídos com planejamento prévio.
É o sistema mais difundido na criação de peixes no mun-
do, sendo que no Brasil cerca de 95% da produção de
peixes é proveniente deste sistema de criação.
c) Sistema intensivo: nele adota-se a alimentação comple-
ta, com densidade de estocagem de 10.000 a 100.000
peixes/ha, há monitoramento total da qualidade de água e
tanques construídos com planejamento. É normalmente
8
aplicado às espécies de monocultivo (criadas isoladamen-
te).
d) Sistema superintensivo: ocorre alta renovação de água
nos tanques, a densidade de estocagem não é considera-
da por m2
, mas sim por biomassa/m3
. A ração deve ser
nutricionalmente completa e ter estabilidade na água, pois
é a principal fonte de alimento. Exemplos: race way e tan-
ques-rede.
3 Alimentação dos peixes
O objetivo de alimentar os peixes é provê-los de forma e-
conômica uma nutrição adequada para o seu crescimento e per-
feito desenvolvimento. Para isto, devem ser utilizados alimentos
de qualidade e nas quantidades corretas, além de empregar téc-
nicas de alimentação apropriadas.
Os peixes, por serem organismos aquáticos, precisam que
as rações sejam processadas, para reduzirem as perdas de nu-
trientes por lixiviação. Portanto, em uma criação de peixe intensi-
va, a produção de ração na propriedade rural torna-se prática e
economicamente difícil, pela dificuldade de aquisição da matéria-
prima e de maquinário para o processamento. Entretanto, iremos
descrever alguns ingredientes que são normalmente utilizados
nas rações.
9
3.1 Fontes protéicas
a) Farelo de soja: amplamente empregado na formula-
ção de rações para peixes, pode ser encontrado nas
mais diversas regiões do país, com preço variável. A
qualidade deste alimento pode sofrer influências de fa-
tores chamados antinutricionais que podem comprome-
ter o desempenho dos animais. Portanto, a torragem
adequada da soja antes do preparo da ração é funda-
mental para bloquear a ação destes fatores.
b) Farinha de peixe: é um subproduto desidratado e mo-
ído, obtido pela cocção do peixe integral, do corte de
órgãos ou de ambos, após extração parcial do óleo.
Apresentam equilíbrio ideal em aminoácidos essenciais
e é importante fonte de fósforo e microminerais (zinco,
manganês, cobre, selênio e ferro) aos peixes.
c) Farelo de algodão: caracteriza-se por apresentar alto
nível de proteína; porém, também apresenta fatores
antinutricionais, o que limita sua utilização a níveis pre-
estabelecidos, de acordo com cada espécie.
d) Farelo de amendoim: este alimento, embora tenha ní-
veis bons de proteína, apresenta alguns problemas de
10
utilização, tais como: alto teor de óleo, tornando-se
susceptível à rancidez; pode apresentar contaminações
por fungos (aflatoxinas), entre outros.
e) Farelo de canola: o uso deste alimento nas rações de
peixe ainda não foi muito estudado, mas acredita-se
que seja uma fonte potencial de origem vegetal.
f) Concentrados protéicos de origem vegetal: em mui-
tos casos, estes concentrados se assemelham à fari-
nha de peixe quanto ao nível protéico. Geralmente, po-
dem ser incluídos nas rações em maior quantidade que
os farelos. Exemplos: concentrado protéico de soja,
concentrado protéico de colza, concentrado protéico de
folhas de diferentes plantas.
g) Farinha de carne e ossos: é um alimento protéico de
origem animal, que tem limitações quanto à sua inclu-
são nas rações, muitas vezes atribuída aos altos teores
de cálcio e fósforo nela presentes.
h) Farinha de sangue: na maioria das vezes, a digestibi-
lidade deste alimento é baixa para os peixes, devido ao
processamento inadequado. A qualidade do produto
deve ser a melhor possível, para evitar problemas pos-
teriores.
11
i) Levedura: trata-se de um subproduto da indústria al-
cooleira, sendo que sua disponibilidade no mercado
tem aumentado nos últimos anos.
3.2 Fontes energéticas
a) Milho: é uma das principais fontes de energia para pei-
xes onívoros e herbívoros. A forma mais utilizada é o
milho moído. Seu teor de inclusão é dado em função
da disponibilidade, da viabilidade econômica, analisan-
do sempre seu teor de umidade, presença de micotoxi-
nas, resíduos de pesticidas e sementes tóxicas.
b) Sorgo: substitui o milho em alguns casos, porém, apre-
senta problemas devido ao tanino, uma substância tó-
xica para os animais. Porém, atualmente já existem va-
riedades de sorgo com níveis de tanino mais baixos.
c) Farelo de arroz: no mercado existe o farelo de arroz
desengordurado, o farelo de arroz integral e o farelo de
arroz integral com casca. Podem ser usados em substi-
tuição ao milho, trigo aveia, sorgo, etc. Ao utilizá-lo em
rações para peixes, deve-se ter o cuidado de adicionar
12
junto um antioxidante, pois são sujeitos à rancificação,
devido ao alto teor de gordura.
3.3 Forma física da ração
Por viverem em meio aquático, os peixes têm problemas
de perda de nutrientes, principalmente os mais solúveis. Sendo
assim, o processamento adequado da ração é fundamental na
alimentação dos animais. As formas físicas nas quais pode se
fornecer a ração aos peixes são:
a) Ração farelada: os ingredientes da ração são apenas moídos
e misturados. Sua utilização não é recomendada, uma vez
que as perdas de nutrientes são muito grandes, causando
não só problemas aos peixes, como a poluição da água dos
tanques.
b) Ração peletizada: por meio da combinação de umidade, calor
e pressão, as partículas menores são aglomeradas, dando o-
rigem a partículas maiores. Sua estabilidade na superfície da
água deve estar em torno de 15 minutos, o que garante sua
qualidade. Este tipo de ração reduz as perdas de nutrientes
na água, pode eliminar alguns compostos tóxicos, diminui a
seleção de alimento pelos peixes, além de reduzir o volume
no transporte e armazenamento da ração. Porém, tem um
13
custo de produção mais elevado quando comparada à ração
farelada.
c) Ração extrusada: a extrusão consiste num processo de cozi-
mento em alta temperatura, pressão e umidade controlada.
Sua estabilidade na superfície da água é de cerca de 12 ho-
ras, tornando o manejo alimentar com este tipo de ração mais
fácil. Atualmente, tem sido a forma de ração mais indicada
para a piscicultura.
3.4 Formas de fornecimento de ração aos
peixes
Existem duas maneiras de se fornecer a ração aos peixes:
manualmente ou pelo uso de comedouros. O fornecimento ma-
nual é interessante para manter um contato visual com os peixes,
no tanque. Podem-se observar, por exemplo, possíveis proble-
mas de saúde dos animais, porém, requer maior mão-de-obra,
quando comparado ao sistema de comedouros. A alimentação
em comedouros pode ser feita em cochos (bastante usado em
sistemas tradicionais, no fornecimento de ração farelada), ou
mecanizada, no qual o alimento é lançado por um equipamento
acoplado a um trator. Este método permite uma alimentação rá-
pida de grandes áreas, apesar de limitar o contato entre o trata-
dor e os peixes. Existem ainda os comedouros automáticos, que
14
distribuem a ração de tempos em tempos no tanque, porém tam-
bém limitam o contato entre os peixes e o tratador. Este tipo de
comedouro se encontra disponível no mercado, sendo necessá-
rio analisar sua relação custo/benefício quando da sua utilização.
Na fase inicial de desenvolvimento dos peixes recomenda-
se o uso de uma ração finamente moída, em função do tamanho
da boca do animal. É importante que o alimento seja distribuído
de maneira uniforme pelo tanque.
A quantidade de ração fornecida aos peixes varia de acor-
do com a densidade de estocagem, a espécie, o tipo de ração, a
fase de crescimento, as condições ambientais do viveiro e com a
condição de saúde dos animais.
Normalmente, adota-se como parâmetro, o conceito de
"biomassa", que é traduzido pelo número estimado de peixes
existentes no tanque multiplicado pelo seu peso médio. Para is-
so, é necessária uma avaliação periódica dos peixes, a cada 30 a
45 dias. A oferta diária de ração deve aumentar à medida que os
peixes crescem. Sendo assim, esta quantidade deve ser ajustada
em intervalos de 7 a 14 dias.
Uma maneira prática de se verificar o consumo dos peixes
e a necessidade ou não de aumento da quantidade de alimento
fornecido é lançar a ração no tanque (no caso de rações peleti-
zadas ou extrusadas) e observar os animais se alimentando.
Quando começar a sobrar ração na superfície, significa que os
15
peixes estão saciados e que aquela quantidade de ração foi sufi-
ciente.
O número de vezes que os peixes devem ser alimentados
por dia varia em função da temperatura, da espécie criada, da
idade ou tamanho dos peixes e da qualidade da água do tanque.
Geralmente, quando a temperatura cai, o consumo de ração é
menor e, portanto, o seu fornecimento deve ser menor também.
Sabe-se também que, quanto mais jovem é o peixe, mais vezes
por dia ele deve ser alimentado. Assim, na fase de alevinagem, a
freqüência de alimentação é de duas a três vezes por dia. Já na
fase de engorda, essa freqüência cai para uma a duas vezes por
dia. Para peixes carnívoros, por exemplo, duas alimentações ao
dia são suficientes, porém, para peixes onívoros como a tilápia,
três alimentações ao dia mostram melhores resultados de de-
sempenho. A qualidade da água é influenciada pela freqüência
de alimentação, uma vez que o excesso de ração no tanque pro-
voca diminuição do oxigênio dissolvido na água, prejudicando os
peixes.
Quanto aos horários de fornecimento de ração, estes vari-
am conforme a espécie cultivada. Porém, para espécies carnívo-
ras e onívoras, recomendam-se as primeiras horas do dia e o
entardecer. O ideal é fornecer a ração sempre nos mesmos horá-
rios, todos os dias, para que haja um condicionamento dos pei-
xes. É importante, porém, não fornecer alimento aos peixes
quando as concentrações de oxigênio estiverem baixas, para não
16
agravar ainda mais a situação. Para espécies carnívoras ictiófa-
gas, por requererem um treino alimentar específico, é necessária
a aquisição de alevinos já adaptados ao alimento seco, devendo
ser fornecido preferencialmente à noite.
O mais importante é que o tratador seja um bom observa-
dor, pois dele irá depender a saúde e o desenvolvimento ade-
quado dos peixes.
4 Bibliografia consultada
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE ALIMEN-
TOS PARA ANIMAIS. Guia prático de orientação ao aqüicul-
tor. São Paulo, 2000. 32 p.
17
COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS. Princípios
básicos de piscicultura. Itutinga, 2000. 57 p.
CYRINO, J. E. P. Condicionamento alimentar e exigências
nutricionais de espécies carnívoras. Piracicaba: ESALQ, 2000.
200 p.
KUBITZA, F. Manejo nutricional e alimentar de tilápias. Revista
Panorama da Aqüicultura, Jundiaí, SP, v. 10, n. 60, p. 31-36,
julho/agosto, 2000.
KUBITZA, F. Nutrição e alimentação de peixes cultivados.
Campo Grande, MS, 1998. p. 45-47.
KUBITZA, F. Qualidade da alimentação, qualidade da água e
manejo alimentar na produção de peixes. In: SIMPÓSIO SOBRE
MANEJO ALIMENTAR E NUTRIÇÃO DE PEIXES. CBNA. Piraci-
caba, 1997. p. 63-101.
LOGATO, P. V. R. Nutrição e alimentação de peixes de água
doce. Lavras: Imp. Gráfica Univ. UFLA/FAEPE (CDD-639.31),
1999. 136 p.
TEIXEIRA, A. S. Alimentos e alimentação dos animais. Lavras:
Imp. Gráfica Univ. UFLA/FAEPE (CDD-636-084), 1998. p. 239-
240.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Malacocultura
MalacoculturaMalacocultura
Malacocultura
Patrícia Oliver
 
Piscicultura
Piscicultura Piscicultura
Piscicultura
Cíntia Garcia
 
Aula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquaculturaAula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquacultura
Ivaristo Americo
 
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de PescadoManual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Portal Canal Rural
 
Manual de Pescado Fresco
Manual de Pescado FrescoManual de Pescado Fresco
Manual de Pescado Fresco
Portal Canal Rural
 
Manual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em ViveirosManual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em Viveiros
Sérgio Amaral
 
Versão final livro processamento
Versão final livro processamentoVersão final livro processamento
Versão final livro processamento
Luiz Fernando
 
Pescados (2) (2) By Professor Delson.D
Pescados (2) (2) By Professor Delson.DPescados (2) (2) By Professor Delson.D
Pescados (2) (2) By Professor Delson.D
Adry Sifhord
 
Criação de peixes embrapa
Criação de peixes embrapaCriação de peixes embrapa
Criação de peixes embrapa
Fmodri3
 
Impactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da PisciculturaImpactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da Piscicultura
Guilherme Wolff Bueno
 
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
lrribeiro
 
Industria do pescado 1
Industria do pescado 1Industria do pescado 1
Industria do pescado 1
carlosantoniopontesgodinho
 
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescadoApresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
Carlos Eduardo de Farias Silva
 
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPBVisita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Cartilha Peixe
Cartilha PeixeCartilha Peixe
Cartilha Peixe
MaisVitamina
 
Matérias ..
Matérias ..Matérias ..
Matérias ..
escolajoseaniceto
 
Acudes filtros e_controle_de_nivel
Acudes filtros e_controle_de_nivelAcudes filtros e_controle_de_nivel
Acudes filtros e_controle_de_nivel
Marcello Cappio
 
Qualidade do pescado captura, conservação e contaminação
Qualidade do pescado captura, conservação e contaminaçãoQualidade do pescado captura, conservação e contaminação
Qualidade do pescado captura, conservação e contaminação
Kermedy Pinheiro
 
Agrodiário - Psicultura
Agrodiário - PsiculturaAgrodiário - Psicultura
Agrodiário - Psicultura
Agricultura Sao Paulo
 
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na secaNíveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
George Lucas
 

Mais procurados (20)

Malacocultura
MalacoculturaMalacocultura
Malacocultura
 
Piscicultura
Piscicultura Piscicultura
Piscicultura
 
Aula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquaculturaAula 1 2-introdução à aquacultura
Aula 1 2-introdução à aquacultura
 
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de PescadoManual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
 
Manual de Pescado Fresco
Manual de Pescado FrescoManual de Pescado Fresco
Manual de Pescado Fresco
 
Manual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em ViveirosManual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em Viveiros
 
Versão final livro processamento
Versão final livro processamentoVersão final livro processamento
Versão final livro processamento
 
Pescados (2) (2) By Professor Delson.D
Pescados (2) (2) By Professor Delson.DPescados (2) (2) By Professor Delson.D
Pescados (2) (2) By Professor Delson.D
 
Criação de peixes embrapa
Criação de peixes embrapaCriação de peixes embrapa
Criação de peixes embrapa
 
Impactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da PisciculturaImpactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da Piscicultura
 
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
 
Industria do pescado 1
Industria do pescado 1Industria do pescado 1
Industria do pescado 1
 
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescadoApresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
 
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPBVisita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
 
Cartilha Peixe
Cartilha PeixeCartilha Peixe
Cartilha Peixe
 
Matérias ..
Matérias ..Matérias ..
Matérias ..
 
Acudes filtros e_controle_de_nivel
Acudes filtros e_controle_de_nivelAcudes filtros e_controle_de_nivel
Acudes filtros e_controle_de_nivel
 
Qualidade do pescado captura, conservação e contaminação
Qualidade do pescado captura, conservação e contaminaçãoQualidade do pescado captura, conservação e contaminação
Qualidade do pescado captura, conservação e contaminação
 
Agrodiário - Psicultura
Agrodiário - PsiculturaAgrodiário - Psicultura
Agrodiário - Psicultura
 
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na secaNíveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
 

Semelhante a Bol 53

Criacao organica de_aves
Criacao organica de_avesCriacao organica de_aves
Criacao organica de_aves
Joyce Muzy
 
Manejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques redeManejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques rede
Rural Pecuária
 
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdfAula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
eriksilva4587
 
Seminário Planctologia
Seminário PlanctologiaSeminário Planctologia
Seminário Planctologia
Carlos Prana
 
Artigo soja i
Artigo soja iArtigo soja i
Artigo soja i
Arison Oliveira
 
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rjMaricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rj
Miguel Sepulveda
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Filgueira Nogueira
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Filgueira Nogueira
 
Aula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentarAula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentar
Marco Antonio Sousa
 
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque redeProdução de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Daphene Rodrigues
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Lilian De Rezende Jordão
 
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de OvinosUtilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Rural Pecuária
 
Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas
Tiago de Jesus Costa
 
SINPISI.pptx
SINPISI.pptxSINPISI.pptx
SINPISI.pptx
RobertoLima242838
 
Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03
gepaunipampa
 
A IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De Atuns
A IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De AtunsA IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De Atuns
A IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De Atuns
Samira Mantilla
 
Criacaode peixes
Criacaode peixesCriacaode peixes
Criacaode peixes
Renato Oliveira Villar
 
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
George Lucas
 
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptxAULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
BRENDACARLALUQUETTI
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 

Semelhante a Bol 53 (20)

Criacao organica de_aves
Criacao organica de_avesCriacao organica de_aves
Criacao organica de_aves
 
Manejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques redeManejo alimentar em tanques rede
Manejo alimentar em tanques rede
 
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdfAula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
Aula 6 - Alimentos e aditivos na nutrição animal.pdf
 
Seminário Planctologia
Seminário PlanctologiaSeminário Planctologia
Seminário Planctologia
 
Artigo soja i
Artigo soja iArtigo soja i
Artigo soja i
 
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rjMaricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rj
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Aula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentarAula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentar
 
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque redeProdução de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque rede
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
 
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de OvinosUtilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
 
Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas
 
SINPISI.pptx
SINPISI.pptxSINPISI.pptx
SINPISI.pptx
 
Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03
 
A IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De Atuns
A IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De AtunsA IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De Atuns
A IrradiaçãO Como MéTodo De ConservaçãO De Atuns
 
Criacaode peixes
Criacaode peixesCriacaode peixes
Criacaode peixes
 
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
 
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptxAULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 

Mais de WallaceZOO

Capítulo 02
Capítulo 02Capítulo 02
Capítulo 02
WallaceZOO
 
Capítulo 01
Capítulo 01Capítulo 01
Capítulo 01
WallaceZOO
 
Cap. 1 dez princípios da economia
Cap. 1   dez princípios da economiaCap. 1   dez princípios da economia
Cap. 1 dez princípios da economia
WallaceZOO
 
Cap. 1 dez princípios da economia (1)
Cap. 1   dez princípios da economia (1)Cap. 1   dez princípios da economia (1)
Cap. 1 dez princípios da economia (1)
WallaceZOO
 
Academica 2569
Academica 2569Academica 2569
Academica 2569
WallaceZOO
 
Agroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrirAgroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrir
WallaceZOO
 

Mais de WallaceZOO (6)

Capítulo 02
Capítulo 02Capítulo 02
Capítulo 02
 
Capítulo 01
Capítulo 01Capítulo 01
Capítulo 01
 
Cap. 1 dez princípios da economia
Cap. 1   dez princípios da economiaCap. 1   dez princípios da economia
Cap. 1 dez princípios da economia
 
Cap. 1 dez princípios da economia (1)
Cap. 1   dez princípios da economia (1)Cap. 1   dez princípios da economia (1)
Cap. 1 dez princípios da economia (1)
 
Academica 2569
Academica 2569Academica 2569
Academica 2569
 
Agroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrirAgroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrir
 

Último

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (6)

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

Bol 53

  • 1. _________________________________________ 1- Zootecnista 2- Aluna de graduação do Curso de Zootecnia - UFLA 3- Professora adjunta do Departamento de Zootecnia - UFLA MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero2 Priscila Vieira Rosa Logato3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos com a alimentação vêm sendo amplamente discutidos, principalmente por representarem cerca de 70% dos custos de produção em sistema de cultivo intensivo. Em relação à criação de peixes, este problema é geralmente mais grave. Isto porque suas exigências protéicas são maiores quando compara- das às demais espécies. Torna-se necessário, então, uma ração rica em proteína, o que aumenta ainda mais os custos de produ- ção. Portanto, o fornecimento de alimento adequado em quan- tidade e qualidade é importante para o sucesso econômico da piscicultura. É importante o conhecimento dos hábitos alimentares dos peixes para a adequação da ração a ser fornecida. O hábito ali-
  • 2. 6 mentar nos fornece uma idéia das necessidades nutricionais de cada espécie. Por exemplo: peixes carnívoros aproveitam melhor os alimentos de origem animal, necessitando de maior conteúdo protéico na ração quando criados em cativeiro. Além disso, nor- malmente costumam não aproveitar bem alimentos de origem vegetal; peixes onívoros e herbívoros são menos exigentes em conteúdo protéico e aproveitam bem uma variedade maior de alimentos. O manejo alimentar, portanto, deve levar em consideração os hábitos do animal, o sistema de cultivo, a produtividade natu- ral, as condições climáticas o manuseio do alimento, entre outros aspectos. Será descrito o manejo alimentar de carnívoros e onívoros, principalmente. A classe dos peixes onívoros pode ser represen- tada pela tilápia (Oreocrhomis niloticus), pacu (Piaractus mesopo- tamicus), matrinxã (Brycon cephalus), piracanjuba (Brycon or- bignyanus), carpa (Cyprinos sp.), piaçu (Leporinus macrocepha- lus), entre outros. As espécies carnívoras podem ser representa- das, principalmente pelo pintado (Pseudophastytomus coruscan), sendo que os carnívoros ictiófagos têm como representantes o dourado (Salminus brasilienses), pirarucu (Arapaima gygas), traí- ra (Hoplias malabaricus), entre outros.
  • 3. 7 2 Sistemas de criação Os peixes podem ser criados de várias maneiras, depen- dendo das condições e qualidade da água, espécie e aceitação de mercado. É possível dividir o sistema de criação em extensi- vo, semi-intensivo, intensivo e superintensivo. a) Sistema extensivo: tem como características principais a alimentação natural, densidade de estocagem menor que 2.000 peixes/ha, sem monitoramento da qualidade de á- gua, e viveiros sem planejamento (com dimensões varia- das). b) Sistema semi-intensivo: caracterizado por alimentação natural e suplementar, densidade de estocagem de 5.000 a 20.000 peixes/ha, monitoramento parcial da qualidade de água e viveiros construídos com planejamento prévio. É o sistema mais difundido na criação de peixes no mun- do, sendo que no Brasil cerca de 95% da produção de peixes é proveniente deste sistema de criação. c) Sistema intensivo: nele adota-se a alimentação comple- ta, com densidade de estocagem de 10.000 a 100.000 peixes/ha, há monitoramento total da qualidade de água e tanques construídos com planejamento. É normalmente
  • 4. 8 aplicado às espécies de monocultivo (criadas isoladamen- te). d) Sistema superintensivo: ocorre alta renovação de água nos tanques, a densidade de estocagem não é considera- da por m2 , mas sim por biomassa/m3 . A ração deve ser nutricionalmente completa e ter estabilidade na água, pois é a principal fonte de alimento. Exemplos: race way e tan- ques-rede. 3 Alimentação dos peixes O objetivo de alimentar os peixes é provê-los de forma e- conômica uma nutrição adequada para o seu crescimento e per- feito desenvolvimento. Para isto, devem ser utilizados alimentos de qualidade e nas quantidades corretas, além de empregar téc- nicas de alimentação apropriadas. Os peixes, por serem organismos aquáticos, precisam que as rações sejam processadas, para reduzirem as perdas de nu- trientes por lixiviação. Portanto, em uma criação de peixe intensi- va, a produção de ração na propriedade rural torna-se prática e economicamente difícil, pela dificuldade de aquisição da matéria- prima e de maquinário para o processamento. Entretanto, iremos descrever alguns ingredientes que são normalmente utilizados nas rações.
  • 5. 9 3.1 Fontes protéicas a) Farelo de soja: amplamente empregado na formula- ção de rações para peixes, pode ser encontrado nas mais diversas regiões do país, com preço variável. A qualidade deste alimento pode sofrer influências de fa- tores chamados antinutricionais que podem comprome- ter o desempenho dos animais. Portanto, a torragem adequada da soja antes do preparo da ração é funda- mental para bloquear a ação destes fatores. b) Farinha de peixe: é um subproduto desidratado e mo- ído, obtido pela cocção do peixe integral, do corte de órgãos ou de ambos, após extração parcial do óleo. Apresentam equilíbrio ideal em aminoácidos essenciais e é importante fonte de fósforo e microminerais (zinco, manganês, cobre, selênio e ferro) aos peixes. c) Farelo de algodão: caracteriza-se por apresentar alto nível de proteína; porém, também apresenta fatores antinutricionais, o que limita sua utilização a níveis pre- estabelecidos, de acordo com cada espécie. d) Farelo de amendoim: este alimento, embora tenha ní- veis bons de proteína, apresenta alguns problemas de
  • 6. 10 utilização, tais como: alto teor de óleo, tornando-se susceptível à rancidez; pode apresentar contaminações por fungos (aflatoxinas), entre outros. e) Farelo de canola: o uso deste alimento nas rações de peixe ainda não foi muito estudado, mas acredita-se que seja uma fonte potencial de origem vegetal. f) Concentrados protéicos de origem vegetal: em mui- tos casos, estes concentrados se assemelham à fari- nha de peixe quanto ao nível protéico. Geralmente, po- dem ser incluídos nas rações em maior quantidade que os farelos. Exemplos: concentrado protéico de soja, concentrado protéico de colza, concentrado protéico de folhas de diferentes plantas. g) Farinha de carne e ossos: é um alimento protéico de origem animal, que tem limitações quanto à sua inclu- são nas rações, muitas vezes atribuída aos altos teores de cálcio e fósforo nela presentes. h) Farinha de sangue: na maioria das vezes, a digestibi- lidade deste alimento é baixa para os peixes, devido ao processamento inadequado. A qualidade do produto deve ser a melhor possível, para evitar problemas pos- teriores.
  • 7. 11 i) Levedura: trata-se de um subproduto da indústria al- cooleira, sendo que sua disponibilidade no mercado tem aumentado nos últimos anos. 3.2 Fontes energéticas a) Milho: é uma das principais fontes de energia para pei- xes onívoros e herbívoros. A forma mais utilizada é o milho moído. Seu teor de inclusão é dado em função da disponibilidade, da viabilidade econômica, analisan- do sempre seu teor de umidade, presença de micotoxi- nas, resíduos de pesticidas e sementes tóxicas. b) Sorgo: substitui o milho em alguns casos, porém, apre- senta problemas devido ao tanino, uma substância tó- xica para os animais. Porém, atualmente já existem va- riedades de sorgo com níveis de tanino mais baixos. c) Farelo de arroz: no mercado existe o farelo de arroz desengordurado, o farelo de arroz integral e o farelo de arroz integral com casca. Podem ser usados em substi- tuição ao milho, trigo aveia, sorgo, etc. Ao utilizá-lo em rações para peixes, deve-se ter o cuidado de adicionar
  • 8. 12 junto um antioxidante, pois são sujeitos à rancificação, devido ao alto teor de gordura. 3.3 Forma física da ração Por viverem em meio aquático, os peixes têm problemas de perda de nutrientes, principalmente os mais solúveis. Sendo assim, o processamento adequado da ração é fundamental na alimentação dos animais. As formas físicas nas quais pode se fornecer a ração aos peixes são: a) Ração farelada: os ingredientes da ração são apenas moídos e misturados. Sua utilização não é recomendada, uma vez que as perdas de nutrientes são muito grandes, causando não só problemas aos peixes, como a poluição da água dos tanques. b) Ração peletizada: por meio da combinação de umidade, calor e pressão, as partículas menores são aglomeradas, dando o- rigem a partículas maiores. Sua estabilidade na superfície da água deve estar em torno de 15 minutos, o que garante sua qualidade. Este tipo de ração reduz as perdas de nutrientes na água, pode eliminar alguns compostos tóxicos, diminui a seleção de alimento pelos peixes, além de reduzir o volume no transporte e armazenamento da ração. Porém, tem um
  • 9. 13 custo de produção mais elevado quando comparada à ração farelada. c) Ração extrusada: a extrusão consiste num processo de cozi- mento em alta temperatura, pressão e umidade controlada. Sua estabilidade na superfície da água é de cerca de 12 ho- ras, tornando o manejo alimentar com este tipo de ração mais fácil. Atualmente, tem sido a forma de ração mais indicada para a piscicultura. 3.4 Formas de fornecimento de ração aos peixes Existem duas maneiras de se fornecer a ração aos peixes: manualmente ou pelo uso de comedouros. O fornecimento ma- nual é interessante para manter um contato visual com os peixes, no tanque. Podem-se observar, por exemplo, possíveis proble- mas de saúde dos animais, porém, requer maior mão-de-obra, quando comparado ao sistema de comedouros. A alimentação em comedouros pode ser feita em cochos (bastante usado em sistemas tradicionais, no fornecimento de ração farelada), ou mecanizada, no qual o alimento é lançado por um equipamento acoplado a um trator. Este método permite uma alimentação rá- pida de grandes áreas, apesar de limitar o contato entre o trata- dor e os peixes. Existem ainda os comedouros automáticos, que
  • 10. 14 distribuem a ração de tempos em tempos no tanque, porém tam- bém limitam o contato entre os peixes e o tratador. Este tipo de comedouro se encontra disponível no mercado, sendo necessá- rio analisar sua relação custo/benefício quando da sua utilização. Na fase inicial de desenvolvimento dos peixes recomenda- se o uso de uma ração finamente moída, em função do tamanho da boca do animal. É importante que o alimento seja distribuído de maneira uniforme pelo tanque. A quantidade de ração fornecida aos peixes varia de acor- do com a densidade de estocagem, a espécie, o tipo de ração, a fase de crescimento, as condições ambientais do viveiro e com a condição de saúde dos animais. Normalmente, adota-se como parâmetro, o conceito de "biomassa", que é traduzido pelo número estimado de peixes existentes no tanque multiplicado pelo seu peso médio. Para is- so, é necessária uma avaliação periódica dos peixes, a cada 30 a 45 dias. A oferta diária de ração deve aumentar à medida que os peixes crescem. Sendo assim, esta quantidade deve ser ajustada em intervalos de 7 a 14 dias. Uma maneira prática de se verificar o consumo dos peixes e a necessidade ou não de aumento da quantidade de alimento fornecido é lançar a ração no tanque (no caso de rações peleti- zadas ou extrusadas) e observar os animais se alimentando. Quando começar a sobrar ração na superfície, significa que os
  • 11. 15 peixes estão saciados e que aquela quantidade de ração foi sufi- ciente. O número de vezes que os peixes devem ser alimentados por dia varia em função da temperatura, da espécie criada, da idade ou tamanho dos peixes e da qualidade da água do tanque. Geralmente, quando a temperatura cai, o consumo de ração é menor e, portanto, o seu fornecimento deve ser menor também. Sabe-se também que, quanto mais jovem é o peixe, mais vezes por dia ele deve ser alimentado. Assim, na fase de alevinagem, a freqüência de alimentação é de duas a três vezes por dia. Já na fase de engorda, essa freqüência cai para uma a duas vezes por dia. Para peixes carnívoros, por exemplo, duas alimentações ao dia são suficientes, porém, para peixes onívoros como a tilápia, três alimentações ao dia mostram melhores resultados de de- sempenho. A qualidade da água é influenciada pela freqüência de alimentação, uma vez que o excesso de ração no tanque pro- voca diminuição do oxigênio dissolvido na água, prejudicando os peixes. Quanto aos horários de fornecimento de ração, estes vari- am conforme a espécie cultivada. Porém, para espécies carnívo- ras e onívoras, recomendam-se as primeiras horas do dia e o entardecer. O ideal é fornecer a ração sempre nos mesmos horá- rios, todos os dias, para que haja um condicionamento dos pei- xes. É importante, porém, não fornecer alimento aos peixes quando as concentrações de oxigênio estiverem baixas, para não
  • 12. 16 agravar ainda mais a situação. Para espécies carnívoras ictiófa- gas, por requererem um treino alimentar específico, é necessária a aquisição de alevinos já adaptados ao alimento seco, devendo ser fornecido preferencialmente à noite. O mais importante é que o tratador seja um bom observa- dor, pois dele irá depender a saúde e o desenvolvimento ade- quado dos peixes. 4 Bibliografia consultada ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE ALIMEN- TOS PARA ANIMAIS. Guia prático de orientação ao aqüicul- tor. São Paulo, 2000. 32 p.
  • 13. 17 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS. Princípios básicos de piscicultura. Itutinga, 2000. 57 p. CYRINO, J. E. P. Condicionamento alimentar e exigências nutricionais de espécies carnívoras. Piracicaba: ESALQ, 2000. 200 p. KUBITZA, F. Manejo nutricional e alimentar de tilápias. Revista Panorama da Aqüicultura, Jundiaí, SP, v. 10, n. 60, p. 31-36, julho/agosto, 2000. KUBITZA, F. Nutrição e alimentação de peixes cultivados. Campo Grande, MS, 1998. p. 45-47. KUBITZA, F. Qualidade da alimentação, qualidade da água e manejo alimentar na produção de peixes. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO ALIMENTAR E NUTRIÇÃO DE PEIXES. CBNA. Piraci- caba, 1997. p. 63-101. LOGATO, P. V. R. Nutrição e alimentação de peixes de água doce. Lavras: Imp. Gráfica Univ. UFLA/FAEPE (CDD-639.31), 1999. 136 p. TEIXEIRA, A. S. Alimentos e alimentação dos animais. Lavras: Imp. Gráfica Univ. UFLA/FAEPE (CDD-636-084), 1998. p. 239- 240.