SlideShare uma empresa Scribd logo
BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS
(POP)
Indústrias de alimentos no mundo
ModificaçõesModificações (últimas décadas):(últimas décadas):
 Operações automatizadas e de alta velocidadeOperações automatizadas e de alta velocidade
 Novas embalagensNovas embalagens
 Novas formulaçõesNovas formulações
 Novos sistemas de distribuiçãoNovos sistemas de distribuição
 Grandes volumes de produtos enviados aos centrosGrandes volumes de produtos enviados aos centros
de distribuição e comercialização logo após ade distribuição e comercialização logo após a
produçãoprodução
ETAPA DO PROCESSO
TECNOLÓGICO DE AVES:
CORTE ABDOMINAL
Mercado Nacional e Internacional
 Demanda de grandes volumes de alimentosDemanda de grandes volumes de alimentos
processados e “processados e “in natura”in natura”
 Alimentos seguros como condição para oAlimentos seguros como condição para o
comércio dos produtoscomércio dos produtos
 Restrições impostas por países importadoresRestrições impostas por países importadores
quanto aoquanto ao controle da qualidade e segurançacontrole da qualidade e segurança
dos produtosdos produtos
DOENÇA TRANSMITIDA POR
ALIMENTO - DTA
 Ingestão de alimentos ou águaIngestão de alimentos ou água
contaminadoscontaminados
 Estão AUMENTANDO independente deEstão AUMENTANDO independente de
toda a tecnologiatoda a tecnologia
 OMS: + de 60% das DTA sãoOMS: + de 60% das DTA são provocadasprovocadas
por agentes microbiológicospor agentes microbiológicos
(RÊGO(RÊGO et al, 2001)et al, 2001)
DTA – PAÍSES DESENVOLVIDOS
 + 30% da população contrai algum tipo+ 30% da população contrai algum tipo
de DTA/anode DTA/ano
 22oo
causa de morbidadecausa de morbidade
 Estima-se que o custo das DTA nosEstima-se que o custo das DTA nos
EUA é de 5 a 6 bilhões de dólares emEUA é de 5 a 6 bilhões de dólares em
gastos diretos e perda degastos diretos e perda de
produtividadeprodutividade
DTA - BRASIL
 Notificações abaixo da ocorrênciaNotificações abaixo da ocorrência
realreal
 Distúrbios leves: auto - medicação !!!Distúrbios leves: auto - medicação !!!
 Distúrbios graves: não atribui aoDistúrbios graves: não atribui ao
alimento,alimento, sem notificação esem notificação e
investigaçãoinvestigação
 1999 – 1677 casos1999 – 1677 casos
 2000 – 3339 casos2000 – 3339 casos
DTA – CONSEQUÊNCIAS PARA A
EMPRESA
 Prejuízo por perda do produtoPrejuízo por perda do produto
 Divulgação pela mídia – Perda de ClientesDivulgação pela mídia – Perda de Clientes
 Custos hospitalaresCustos hospitalares
 Custos com processos, multas eCustos com processos, multas e
indenizaçõesindenizações
 Fechamento da empresaFechamento da empresa
Biológicos Químicos Físicos
Perigos em Alimentos
Agente biológico, químico ou físico, ou
condição do alimento, com potencial de causar
um efeito adverso à saúde (ISO 22000:2006).
Perigos Físicos
• Madeira;
• Metais;
• Pregos, grampos;
• Plásticos e vidros;
• Pedras;
• Etc.
Parafusos
Lascas de madeira
Pregos
Pedras e vidros
Perigos Biológicos
• Bactérias;
• Leveduras e bolores;
• Protozoários;
• Vírus;
• Etc.
Leishmania sp.
Salmonella sp.
Penicillum sp.
Sacharomices sp.
Virus
Perigos Químicos
• Pesticidas;
• Defensivos;
• Drogas e Antibióticos;
• Metais pesados;
• Desinfetantes;
• Etc.
Mercúrio
Pesticidas
Herbicidas
Drogas veterinárias
Operações sanitárias
COMO CONTROLAR?
TRABALHAR COM ALIMENTO É TRABALHAR COM
SAÚDE!
Boas Práticas de Fabricação (BPF)
ou
Good Manufacture Practice (GMP)
PROGRAMAS DE HIGIENE
Procedimentos Operacionais Padronizados (POP)
ou
Standard Sanitation Operating Procedures(SSOP)
ee
BOAS PRÁTICAS DE
FABRICAÇÃO E
MANIPULAÇÃO DE
ALIMENTOS
O QUE É?
São os procedimentos
efetuados sobre a matéria-
prima e insumos até a obtenção
de um produto final, em
qualquer etapa de seu
processamento, armazenamento
e transporte, necessários para
garantir a qualidade e
segurança dos alimentos.
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
QUE REGULAMENTA AS BPF
 Portaria MS n° 1.428, de 26 de novembro de 1993Portaria MS n° 1.428, de 26 de novembro de 1993
as Boas Práticas de Fabricação (BPF): são normasas Boas Práticas de Fabricação (BPF): são normas
de procedimento que estabelecem condiçõesde procedimento que estabelecem condições
higiênico-sanitária e tecnológicas adequadas de umhigiênico-sanitária e tecnológicas adequadas de um
processo e/ou de um serviço na área de alimentos,processo e/ou de um serviço na área de alimentos,
cuja eficácia e efetividade deve ser avaliadacuja eficácia e efetividade deve ser avaliada
através da inspeção e/ou da investigação. Oatravés da inspeção e/ou da investigação. O
Programa é aplicado também à produção dePrograma é aplicado também à produção de
bebidas, aditivos, embalagens, utensílios ebebidas, aditivos, embalagens, utensílios e
materiais em contato com alimentos (BRASIL,materiais em contato com alimentos (BRASIL,
1993).1993).
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
QUE REGULAMENTA AS BPF
Portaria nPortaria noo
326 de 30/07/97 da Secretaria de Vigilância326 de 30/07/97 da Secretaria de Vigilância
Sanitária – Ministério da Saúde D.O.U. de 01/08/97Sanitária – Ministério da Saúde D.O.U. de 01/08/97
Portaria nPortaria noo
368 de 04/09/97 do Ministério de Estado da368 de 04/09/97 do Ministério de Estado da
Agricultura e do Abastecimento D.O.U. de 08/09/97Agricultura e do Abastecimento D.O.U. de 08/09/97
Estabelecem os requisitos gerais (essenciais) de higieneEstabelecem os requisitos gerais (essenciais) de higiene
de Boas Práticas de Fabricação para alimentosde Boas Práticas de Fabricação para alimentos
produzidos/fabricados, para o consumo humano.produzidos/fabricados, para o consumo humano.
LEGISLAÇÃO
 Resolução ANVISA RDC nº 275 (21/10/2002) -Resolução ANVISA RDC nº 275 (21/10/2002) -
complementar a Portaria 326 – Lista decomplementar a Portaria 326 – Lista de VerificaçãoVerificação
para BPF e os POPs (8)para BPF e os POPs (8)
 Resolução ANVISA – RDC nº 216 (15/09/04) -Resolução ANVISA – RDC nº 216 (15/09/04) - BPBP
para Serviços de Alimentação, e recomendapara Serviços de Alimentação, e recomenda os POPsos POPs
específicos (4:específicos (4: Limpeza das instalações, equipamentos eLimpeza das instalações, equipamentos e
móveis; Controle de vetores e pragas; Limpeza domóveis; Controle de vetores e pragas; Limpeza do
reservatório de água; Higiene e saúde dos manipuladoresreservatório de água; Higiene e saúde dos manipuladores))
BPF
 O programa de BPF deve contemplar:O programa de BPF deve contemplar:
 Edificação, instalações, equipamentos, móveis e utensílios
 Higienização de instalações e equipamentos
 Potabilidade da água
 Controle Integrado de vetores e pragas urbanas
 Manejo dos resíduos
 Manipuladores
 Matérias-primas, ingredientes e embalagens (Seleção,
Recepção e Armazenamento)
 Produção/Fabricação/Processo
 Distribuição Armazenamento e transporte do alimento
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
QUE REGULAMENTA OS POP
RESOLUÇÃO-RESOLUÇÃO-RDC Nº 275 DE 21/10/2002RDC Nº 275 DE 21/10/2002
POP:POP: Procedimento escrito de forma objetiva queProcedimento escrito de forma objetiva que
estabelece instruções seqüenciais para a realizaçãoestabelece instruções seqüenciais para a realização
de operações rotineiras e específicas na produção,de operações rotineiras e específicas na produção,
armazenamento e transporte de alimentos.armazenamento e transporte de alimentos.
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS
PADRONIZADOS - POP
OBJETIVOSOBJETIVOS
 Estabelecer procedimentos padronizados queEstabelecer procedimentos padronizados que
contribuam para a garantia das condiçõescontribuam para a garantia das condições
higiênico-sanitárias necessárias ao processamentohigiênico-sanitárias necessárias ao processamento
e industrialização de alimentos,e industrialização de alimentos,
complementando as Boas Práticas decomplementando as Boas Práticas de
Fabricação.Fabricação.
RDC Nº 275 DE 21/10/2002RDC Nº 275 DE 21/10/2002
REQUISITOS PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS
OPERACIONAIS PADRONIZADOS
 POP1-POP1- Higienização das instalações, equipamentos eHigienização das instalações, equipamentos e
utensíliosutensílios
 POP2POP2--Controle da potabilidade da águaControle da potabilidade da água
 POP3POP3--Higiene e saúde dos manipuladoresHigiene e saúde dos manipuladores
 POP4-POP4-Manejo dos resíduosManejo dos resíduos
 POP5-POP5-Manutenção preventiva e calibração deManutenção preventiva e calibração de
equipamentosequipamentos
 POP6POP6--Controle integrado de vetores e pragasControle integrado de vetores e pragas
urbanas.urbanas.
 POP7-POP7-Seleção das matérias-primas, ingredientes eSeleção das matérias-primas, ingredientes e
embalagensembalagens
 POP8-POP8-Programa de recolhimento de alimentosPrograma de recolhimento de alimentos
SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS
PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS
 O estabelecimento deveO estabelecimento deve
dispor dedispor de procedimentosprocedimentos
operacionaisoperacionais especificandoespecificando
os critérios utilizadosos critérios utilizados
para a seleção epara a seleção e
recebimento da matéria-recebimento da matéria-
prima,prima, embalagens eembalagens e
ingredientes.ingredientes.
 Esses procedimentosEsses procedimentos
devem prever odevem prever o destinodestino
dado às matérias-primas,dado às matérias-primas,
embalagens e ingredientesembalagens e ingredientes
reprovados no controlereprovados no controle
efetuado.efetuado.
SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS
PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS
 Para aprovar umPara aprovar um
fornecedor quanto àfornecedor quanto à
segurança de alimentossegurança de alimentos
pode-se optar pelospode-se optar pelos
seguintes métodos deseguintes métodos de
controle e avaliação,controle e avaliação,
isoladamente ou emisoladamente ou em
conjunto:conjunto:
 Auditoria do sistema deAuditoria do sistema de
segurança desegurança de alimentos doalimentos do
fornecedorfornecedor
SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS
PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS
 Laudo de análises físico-Laudo de análises físico-
química e microbiológicas daquímica e microbiológicas da
matéria-prima, ingredientematéria-prima, ingrediente
ou embalagem adquiridos;ou embalagem adquiridos;
 Histórico de fornecimento;Histórico de fornecimento;
 Questionário de avaliação;Questionário de avaliação;
 Avaliação sensorial.Avaliação sensorial.
SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS
PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS
 Devem ser estabelecidos critériosDevem ser estabelecidos critérios
parapara o recebimentos dos insumos.o recebimentos dos insumos.
 Práticas de BPF devem serPráticas de BPF devem ser
consideradas, tal como a inspeçãoconsideradas, tal como a inspeção
antes do descarregamento, sendoantes do descarregamento, sendo
queque recomendamos estabelecerrecomendamos estabelecer
uma listauma lista de verificação dede verificação de
recebimento erecebimento e manutenção demanutenção de
registros destas inspeções.registros destas inspeções.
 O destino final de matérias-O destino final de matérias-
primas,primas, ingredientes e embalagensingredientes e embalagens
reprovados no recebimento tambémreprovados no recebimento também
deve estar previsto ao estabelecerdeve estar previsto ao estabelecer
este POP.este POP.
SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS
PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS
 As matérias-primas e osAs matérias-primas e os
ingredientes armazenadosingredientes armazenados
nas áreas do estabelecimentonas áreas do estabelecimento
devem ser mantidos emdevem ser mantidos em
condições tais que evitem suacondições tais que evitem sua
deterioração, protejamdeterioração, protejam
contra a contaminação econtra a contaminação e
reduzam os danos ao mínimoreduzam os danos ao mínimo
possível.possível.
 Deve-se assegurar, atravésDeve-se assegurar, através
do controle, a adequadado controle, a adequada
rotatividade das matérias-rotatividade das matérias-
primas e ingredientes.primas e ingredientes.
Locais para estocagem de alimentos / ingredientes
Alimentos e Ingredientes:Alimentos e Ingredientes:
 Evitar o acesso e instalação de pragasEvitar o acesso e instalação de pragas
 Proteger de contaminações durante a estocagemProteger de contaminações durante a estocagem
 Permitir manutenção e limpeza durante a estocagemPermitir manutenção e limpeza durante a estocagem
 Evitar deterioração (controle de temperatura e umidade)Evitar deterioração (controle de temperatura e umidade)
EDIFICAÇÕES e INSTALAÇÕES
 Os estabelecimentos devem se situar em zonas isentasOs estabelecimentos devem se situar em zonas isentas
de odores indesejáveis, fumaça, pó e outrosde odores indesejáveis, fumaça, pó e outros
contaminantes e não devem estar expostos a inundaçõescontaminantes e não devem estar expostos a inundações
 As vias e áreas utilizadas para circulação devem ter umaAs vias e áreas utilizadas para circulação devem ter uma
superfície dura/ou pavimentada, adequada para osuperfície dura/ou pavimentada, adequada para o
trânsito sobre rodas.trânsito sobre rodas.
 Para aprovação das plantas, os edifícios e instalaçõesPara aprovação das plantas, os edifícios e instalações
devem ter construção sólida e sanitariamente adequada .devem ter construção sólida e sanitariamente adequada .
 Todos os materiais usados na construção e naTodos os materiais usados na construção e na
manutenção não devem transmitir nenhuma substânciamanutenção não devem transmitir nenhuma substância
indesejável ao alimento.indesejável ao alimento.
 Os edifícios e instalações devem impedir a entrada e oOs edifícios e instalações devem impedir a entrada e o
alojamento de insetos, roedores e ou pragas e também aalojamento de insetos, roedores e ou pragas e também a
entrada de contaminantes do meio, tais como: fumaça,entrada de contaminantes do meio, tais como: fumaça,
pó, vapor, e outros.pó, vapor, e outros.
LAY OUT OPERACIONAL:
É O MELHOR POSICIONAMENTO OBTIDO
DAS DEPENDÊNCIAS, INSTALAÇÕES E
EQUIPAMENTOS QUE PROPICIE CONDIÇÕES
PARA AS OPERAÇÕES DE ELABORAÇÃO DE
UM PRODUTO, SEM ESTRANGULAMENTOS E
PONTOS DE CONTAMINAÇÃO CRUZADA QUE
POSSAM PREJUDICAR A QUALIDADE
ALMEJADA.
Estruturas interioresEstruturas interiores
e conexõese conexões
 Superfícies eSuperfícies e
cor das paredescor das paredes
e pisos.e pisos.
 RalosRalos
 TetoTeto
- Material liso,- Material liso,
lavável elavável e
impermeávelimpermeável
CONDIÇÕES E HIGIENE DAS INSTALAÇÕES,
EQUIPAMENTOS, MÓVEIS E UTENSÍLIOS
 O POP deste item deve conterO POP deste item deve conter
informações sobre:informações sobre:
 A natureza da superfície a serA natureza da superfície a ser
higienizada;higienizada;
 Método de higienização;Método de higienização;
 Especificação e controle dasEspecificação e controle das
substâncias detergentes esubstâncias detergentes e
sanitizantessanitizantes utilizados e de suautilizados e de sua
forma de uso, bem como, oforma de uso, bem como, o
princípio ativo selecionado eprincípio ativo selecionado e suasua
concentração;concentração;
 Tempo de contato dos agentesTempo de contato dos agentes
 Temperaturas;Temperaturas;
 FrequenciaFrequencia
ETAPAS DE HIGIENIZAÇÃO
 REMOÇÃO DE RESÍDUOSREMOÇÃO DE RESÍDUOS
 Limpeza grosseira dosLimpeza grosseira dos
resíduos em contato com aresíduos em contato com a
superfície com o auxílio desuperfície com o auxílio de
abrasivos físicos.abrasivos físicos.
 PRE-LAVAGEMPRE-LAVAGEM
 Remoção dos ResíduosRemoção dos Resíduos
através da águaatravés da água
 LAVAGEMLAVAGEM
 Remoção dos resíduos peloRemoção dos resíduos pelo
uso de soluçõesuso de soluções
detergentes com ou semdetergentes com ou sem
auxílio de abrasivosauxílio de abrasivos
ETAPAS DE HIGIENIZAÇÃO
 ENXÁGUEENXÁGUE
 Remoção de resíduos deRemoção de resíduos de
detergentes da superfície,detergentes da superfície,
através da água.através da água.
 SANITIZAÇÃOSANITIZAÇÃO
 Aplicação da soluçãoAplicação da solução
sanitizantesanitizante para redução dospara redução dos
microrganismos presentes namicrorganismos presentes na
superfície.superfície.
 ENXÁGUEENXÁGUE
 Remoção dos resíduos daRemoção dos resíduos da
soluçãosolução sanitizante quandosanitizante quando
necessárionecessário
Local para limpeza de equipamentos e utensílios
Deve dispor de água potável naDeve dispor de água potável na
temperatura indicada para substânciastemperatura indicada para substâncias
químicas de uso na limpeza (água quentequímicas de uso na limpeza (água quente
e/ou fria).e/ou fria).
Local e equipamentos de limpezaLocal e equipamentos de limpeza
devidamente separados das áreas dedevidamente separados das áreas de
estocagem, processamento e estocagemestocagem, processamento e estocagem
dos alimentosdos alimentos
Qualidade do ar e ventilação / Iluminação
Qualidade do ar e ventilação:Qualidade do ar e ventilação:
 Evitar circulação de ar de áreas mais contaminadas paraEvitar circulação de ar de áreas mais contaminadas para
áreas menos contaminadasáreas menos contaminadas
 Evitar formação de aerossóis e gotículas de condensaçãoEvitar formação de aerossóis e gotículas de condensação
 Controlar odores que possam afetar o alimentoControlar odores que possam afetar o alimento
Iluminação:Iluminação:
 Intensidade adequada a natureza das operações deIntensidade adequada a natureza das operações de
processamento (em torno de 200 lux) e procedimentos deprocessamento (em torno de 200 lux) e procedimentos de
controle e inspeção.(em torno de 500 lux)controle e inspeção.(em torno de 500 lux)
 Uso de lâmpadas com protetores contra estilhaçamentoUso de lâmpadas com protetores contra estilhaçamento
EQUIPAMENTOS
GENERALIDADESGENERALIDADES
Devem ser móveis ou fáceis de desmontarDevem ser móveis ou fáceis de desmontar
permitindo adequada limpeza, desinfecção,permitindo adequada limpeza, desinfecção,
manutenção, facilidade de inspeção (limpeza emanutenção, facilidade de inspeção (limpeza e
pragas)pragas)
..
Devem possuir programa de manutençãoDevem possuir programa de manutenção
preventiva fornecido pelo fabricante.preventiva fornecido pelo fabricante.
EQUIPAMENTOS – Manutenção
Preventiva
 Os estabelecimentos devemOs estabelecimentos devem
dispor dos Procedimentosdispor dos Procedimentos
que especifiquem aque especifiquem a
periodicidade e responsáveisperiodicidade e responsáveis
pela manutenção dospela manutenção dos
equipamentos envolvidos noequipamentos envolvidos no
processo produtivo doprocesso produtivo do
alimentoalimento..
EQUIPAMENTOS -EQUIPAMENTOS - Calibração
TERMÔMETRO MANÔMETRO
AUTOCLAVE
pHMETRO ESTUFA
EQUIPAMENTOS - Calibração
 O POP deve especificar:O POP deve especificar:
 Instrumentos de medição que afetam diretamenteInstrumentos de medição que afetam diretamente
a qualidade ea qualidade e segurança do produto fabricado;segurança do produto fabricado;
 Padrões a serem atendidos;Padrões a serem atendidos;
 Tipo de calibração;Tipo de calibração;
 Freqüência;Freqüência;
 Registros.Registros.
Suprimento de água
ÁGUA POTÁVELÁGUA POTÁVEL (contato com alimento):(contato com alimento):
 Controle da estocagemControle da estocagem
 Controle da distribuiçãoControle da distribuição
 Padrão de potabilidade oficial (Padrão de potabilidade oficial (MS – Portaria 518MS – Portaria 518
de 25/03/2004)de 25/03/2004)
 Vapor e geloVapor e gelo
 Tratamento químico monitorizado (hipercloração)Tratamento químico monitorizado (hipercloração)
CONTROLE DA
POTABILIDADE DA ÁGUA
 O POP deve contemplar:O POP deve contemplar:
 os locais de coleta dasos locais de coleta das
amostras,amostras,
 a freqüência de suaa freqüência de sua
execução,execução,
 as determinações analíticas,as determinações analíticas,
 a metodologia aplicada e,a metodologia aplicada e,
 os responsáveisos responsáveis
 Deve contemplar também aDeve contemplar também a
higienização do reservatóriohigienização do reservatório
de água bem como dode água bem como do
sistema de distribuiçãosistema de distribuição
Suprimento de água
VERIFICAÇÃO DA POTABILIDADE
POTABILIDADE DA ÁGUA
 ÁGUA POTÁVELÁGUA POTÁVEL
 água para consumoágua para consumo
humano cujos parâmetroshumano cujos parâmetros
microbiológicos, físicos,microbiológicos, físicos,
químicos e radioativosquímicos e radioativos
atendam ao padrão deatendam ao padrão de
potabilidade e que nãopotabilidade e que não
ofereça riscos à saúde.ofereça riscos à saúde.
POTABILIDADE DA ÁGUA
 Especificações Microbiológicas paraEspecificações Microbiológicas para
ÁguaÁgua Potável (MS – Portaria 518Potável (MS – Portaria 518
de 25/03/2004)de 25/03/2004)
 ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO:ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO:
 Escherichia coli ou coliformesEscherichia coli ou coliformes
termotolerantes – Ausência emtermotolerantes – Ausência em
100ml100ml
 ÁGUA NA SAÍDA DOÁGUA NA SAÍDA DO
TRATAMENTOTRATAMENTO
 Coliformes totais - Ausência emColiformes totais - Ausência em
100 ml100 ml
 ÁGUA TRATADA NO SISTEMA DEÁGUA TRATADA NO SISTEMA DE
DISTRIBUIÇÃODISTRIBUIÇÃO
 (RESERVATÓRIOS E REDE)(RESERVATÓRIOS E REDE)
 Escherichia coli ou coliformesEscherichia coli ou coliformes
termotolerantes - Ausência emtermotolerantes - Ausência em
100ml100ml
Suprimento de água
Segurança nos Reservatórios de Água
Potável
RESÍDUOS
 O QUE SÃO RESÍDUOS?O QUE SÃO RESÍDUOS?
 Materiais ou restos deMateriais ou restos de
materiaismateriais considerado semconsiderado sem
valor suficiente para conserva-valor suficiente para conserva-
los.los.
 Alguns tipos de resíduos sãoAlguns tipos de resíduos são
considerados altamenteconsiderados altamente
perigosos e requerem cuidadosperigosos e requerem cuidados
especiais quantoespeciais quanto à coleta,à coleta,
transporte e destinação final,transporte e destinação final,
pois apresentam substancialpois apresentam substancial
periculosidade, ou potencial, àpericulosidade, ou potencial, à
saúde humana e aos organismossaúde humana e aos organismos
vivos.vivos.
Esgoto e disposição do lixo
Os sistemas de esgoto e disposição do lixoOs sistemas de esgoto e disposição do lixo
devem ser projetados e adequadamentedevem ser projetados e adequadamente
construídos de forma a evitar o risco deconstruídos de forma a evitar o risco de
contaminação do alimento, do sistema decontaminação do alimento, do sistema de
água potável e o acesso de pragaságua potável e o acesso de pragas
MANEJO DE RESÍDUOS
 Deve-se estabelecer aDeve-se estabelecer a
freqüência de coleta de lixofreqüência de coleta de lixo
de forma a evitarde forma a evitar possíveispossíveis
contaminações.contaminações.
 Os responsáveis por estaOs responsáveis por esta
atividadeatividade devem serdevem ser
definidos.definidos.
 Discriminar os procedimentosDiscriminar os procedimentos
de higienização de coletoresde higienização de coletores
dede resíduos e da área deresíduos e da área de
armazenamento.armazenamento.
MANEJO DE RESÍDUOS
 É recomendável que:É recomendável que:
 O lixo seja mantido emO lixo seja mantido em
recipientes com tampa,recipientes com tampa,
com pedal, constituídocom pedal, constituído dede
material de fácil higienematerial de fácil higiene
 As áreas de guarda deAs áreas de guarda de
lixo sejam isoladas , delixo sejam isoladas , de
fácil limpeza e exclusivasfácil limpeza e exclusivas
para estepara este fim de forma afim de forma a
não senão se tornarem atrativostornarem atrativos
de pragas.de pragas.
Disposição do lixo
Errado
Correto
MANEJO DE RESÍDUOS
 Cuidado importante: o lixo não deveCuidado importante: o lixo não deve
ser retirado pelo mesmo local ondeser retirado pelo mesmo local onde
entram as matérias primas,entram as matérias primas,
embalagens e produtosembalagens e produtos acabados.acabados.
 Na total impossibilidade de áreasNa total impossibilidade de áreas
distintas,distintas, determinar horáriosdeterminar horários
diferenciados ediferenciados e práticas que impeçampráticas que impeçam
a contaminaçãoa contaminação cruzada.cruzada.
CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS
URBANAS
CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS
URBANAS
 locais de entradalocais de entrada
 inspeções internas e externasinspeções internas e externas
 Em caso de adoção de controle químicoEm caso de adoção de controle químico
existência de comprovante de execuçãoexistência de comprovante de execução
do serviço por empresa especializada.do serviço por empresa especializada.
CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E
PRAGAS URBANAS
 Indispensável na prevençãoIndispensável na prevenção
de toxinfecçõesde toxinfecções
alimentares.alimentares.
 Têm importância naTêm importância na
transmissão detransmissão de
microorganismosmicroorganismos
patogênicos.patogênicos.
 Sentimentos de repulsaSentimentos de repulsa
que estes animais causam.que estes animais causam.
 Associa-se a presença deAssocia-se a presença de
pragas, com a falta depragas, com a falta de
higiene.higiene.
HIGIENE PESSOAL
Pessoal que entra em contato direto ouPessoal que entra em contato direto ou
indireto com o alimento deve:indireto com o alimento deve:
Estar em bom estado de saúdeEstar em bom estado de saúde
Manter nível apropriado de higiene pessoalManter nível apropriado de higiene pessoal
Ter comportamento e trabalhar de maneiraTer comportamento e trabalhar de maneira
corretacorreta
HIGIENE PESSOAL
 Roupas protetoras,Roupas protetoras,
toucas, botas etoucas, botas e
luvas adequadasluvas adequadas
HIGIENE PESSOAL
 COMPORTAMENTO PESSOALCOMPORTAMENTO PESSOAL
 ATITUDES QUE SÃOATITUDES QUE SÃO
PROIBIDAS:PROIBIDAS:
 FumarFumar
 Mastigar ou comerMastigar ou comer
 Espirrar ou tossir sobre oEspirrar ou tossir sobre o
produto (Alimento)produto (Alimento)
 Tocar as partes do corpo comoTocar as partes do corpo como
nariz, boca e cabelosnariz, boca e cabelos
 Falar, assobiar ou cantarFalar, assobiar ou cantar
 O uso de adornosO uso de adornos
 Manutenção de artigos de usoManutenção de artigos de uso
pessoal e roupas usadas na viapessoal e roupas usadas na via
pública, nas áreas depública, nas áreas de
manipulaçãomanipulação
HIGIENE PESSOAL – Lavagem das mãos
 Antes de iniciar a atividadeAntes de iniciar a atividade
ou antes de entrar nas áreasou antes de entrar nas áreas
de processamentode processamento
 Após usar o banheiroApós usar o banheiro
 Na mudança de atividadeNa mudança de atividade
 Ao tocar partes do corpoAo tocar partes do corpo
(cabelo, nariz,(cabelo, nariz, boca)boca)
 Após espirrar ou tossirApós espirrar ou tossir
 Após mexer com lixoApós mexer com lixo
 Após tirar ou antes deApós tirar ou antes de
colocar um novocolocar um novo par de luvaspar de luvas
 Após comer ou beber.Após comer ou beber.
HIGIENE PESSOAL – Lesão nas mãos
 Medidas adotadasMedidas adotadas
nos casos em que osnos casos em que os
manipuladoresmanipuladores
apresentem lesão nasapresentem lesão nas
mãos:mãos:
 Afastamento doAfastamento do
processamento,processamento,
 Licença médicaLicença médica
HIGIENE PESSOAL – Saúde
 Controle de SaúdeControle de Saúde
 •• Exames:Exames:
 MédicosMédicos
 LaboratoriaisLaboratoriais
 Admissionais,Admissionais,
Revisionais eRevisionais e
DemissionaisDemissionais
 Retorno aoRetorno ao
trabalhotrabalho
 Mudança de funçãoMudança de função
HIGIENE PESSOAL – Saúde
 Afastamento daAfastamento da
manipulação de alimentosmanipulação de alimentos
 ColaboradoresColaboradores
apresentandoapresentando infecçõesinfecções
(Hepatite Viral A, diarréia,(Hepatite Viral A, diarréia,
vômito, febre, naso-vômito, febre, naso-
faríngeas comfaríngeas com febre,febre,
secreções nos ouvidos esecreções nos ouvidos e
olhos).olhos).
 ColaboradoresColaboradores
apresentando lesões:apresentando lesões:
irritações, cortesirritações, cortes
infeccionados, feridasinfeccionados, feridas
TREINAMENTO
TREINAMENTO É FUNDAMENTAL ! ! !TREINAMENTO É FUNDAMENTAL ! ! !
 Determinar a carga horária,Determinar a carga horária,
 O conteúdo programático e aO conteúdo programático e a freqüência de suafreqüência de sua
realização,realização,
 Manter em arquivo osManter em arquivo os registros da participaçãoregistros da participação
nominal dos funcionários.nominal dos funcionários.
PROGRAMAS DE TREINAMENTO
Devem incluir:Devem incluir:
 natureza dos alimentos enatureza dos alimentos e
possibilidade de crescimentopossibilidade de crescimento
de microrganismosde microrganismos
patogênicos e deteriorantespatogênicos e deteriorantes
 forma como o alimento éforma como o alimento é
manipulado e embalado e amanipulado e embalado e a
probabilidade de contaminaçãoprobabilidade de contaminação
 extensão e natureza doextensão e natureza do
processamento.processamento.
HIGIENE
PESSOAL
HIGIENE NAS
MÁQUINAS E
INSTALAÇÕES
MATERIAL DE TREINAMENTO DE
FUNCIONÁRIOS - BPF
 MICRORGANISMOS X TEMPERATURA
MATERIAL TREINAMENTO DE FUNCIONÁRIOS
TRANSPORTE
Proteger os alimentos embalados ou não deProteger os alimentos embalados ou não de
contaminações durante o transportecontaminações durante o transporte
Proteger o produto pronto para comercialização deProteger o produto pronto para comercialização de
avarias que o tornem impróprios para o consumo ouavarias que o tornem impróprios para o consumo ou
que determine perdasque determine perdas
Prover um ambiente capaz de controlar oProver um ambiente capaz de controlar o
crescimento de microrganismos patogênicos ecrescimento de microrganismos patogênicos e
deteriorantes.deteriorantes.
INFORMAÇÕES DO PRODUTO E
ORIENTAÇÃO AO CONSUMIDOR
Produtos devem fornecer :Produtos devem fornecer :
 Informação acessível e adequada para o próximoInformação acessível e adequada para o próximo
segmento da cadeia produtiva.segmento da cadeia produtiva.
 Fácil identificação do lote e recollhimento seFácil identificação do lote e recollhimento se
necessárionecessário
 Informações aos consumidores para a prevenção daInformações aos consumidores para a prevenção da
contaminação, crescimento ou sobrevivência decontaminação, crescimento ou sobrevivência de
patógenos pela estocagem, preparo e uso corretopatógenos pela estocagem, preparo e uso correto
PROGRAMA DE RECOLHIMENTO DE
ALIMENTOS - RECALL
 Este programaEste programa
correlaciona o lotecorrelaciona o lote
do insumo oudo insumo ou
matéria-primamatéria-prima comcom
o produto acabadoo produto acabado
ee a localização doa localização do
produto terminadoproduto terminado
nos pontos denos pontos de
venda.venda.
Procedimento para Reclamação
de consumidor
A AMOSTRA SEGUE
PARA ANÁLISE
LABORATORIAL
O RESULTADO DA ANÁLISE É
ENCAMINHADO AO SAC PARA
ATENDIMENTO E
ESCLARECIMENTO
AO CONSUMIDOR
CONSUMIDOR
SAC
O SAC RECEBE INFORMAÇÕES
TÉCNICAS DO DEPARTAMENTO DE
GARANTIA DA QUALIDADE DA FÁBRICA
EMPRESA TERCEIRIZADA
RETIRA A AMOSTRA E FAZ
A REPOSIÇÃO
DO PRODUTO
RECLAMADO
CONSUMIDOR
SAC
AS INFORMAÇÕES TÉCNICAS
SÃO REPASSADAS AO SAC
PARA ATENDIMENTO DAS
EXPECTATIVAS DO
CONSUMIDOR
REGISTROS
 Os registros devem ser legíveis, permanentes eOs registros devem ser legíveis, permanentes e
exatos;exatos;
 Os erros ou mudanças devem ser identificados;Os erros ou mudanças devem ser identificados;
 O registro completo deve ser datado eO registro completo deve ser datado e assinado porassinado por
pessoa responsável;pessoa responsável;
 Os registros devem ser mantidos pela plantaOs registros devem ser mantidos pela planta
produtora e devem estar disponíveis, quandoprodutora e devem estar disponíveis, quando
solicitados.solicitados.
 Os registros devem ser mantidos por um ano depoisOs registros devem ser mantidos por um ano depois
de expirar a data contida no rótulo ou embalagemde expirar a data contida no rótulo ou embalagem
ou, caso não haja esta data, por dois anos após aou, caso não haja esta data, por dois anos após a
venda dovenda do produtoproduto
DIAGNÓSTICO
 Check List = Lista de Verificação = ListaCheck List = Lista de Verificação = Lista
de Avaliaçãode Avaliação
 Levantamento detalhado dasLevantamento detalhado das NãoNão
ConformidadesConformidades
 Comparação com a LegislaçãoComparação com a Legislação
Check-list
CAMPO A – IDENTIFICAÇÃOCAMPO A – IDENTIFICAÇÃO
 Nome do estabelecimento:Nome do estabelecimento:
 Endereço do estabelecimento:Endereço do estabelecimento:
 Bairro:Bairro:
 Telefone:Telefone:
 Fax:Fax:
 E-mail:E-mail:
 Nome do responsável pelo estabelecimento:Nome do responsável pelo estabelecimento:
Check-list
 Campo B - AvaliaçãoCampo B - Avaliação
BLOCO 1: EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES
SIM NÃO N.AN.A
Área externa
(Ae) Ausência de focos de contaminação na área externa; área livre de focos de
insalubridade, de objetos em desuso ou estranho ao ambiente, de animais
(inclusive insetos e roedores) no pátio e vizinhança; ausência de poeira; ausência
de depósito de lixo nas imediações, ausência de água estagnada, dentre outros.
(4) (0)
X
(4)
Acesso
Ac1 Armazenamento – Direto e não comum a outros usos (4) (0)
X
(4)
Ac2 Refeitório – Direto e não comum a outros usos (4) (0) (4)
X
Ac3 Cozinha – Direto e não comum a outros usos. (6)
X
(0) (6)
Piso
Pi1 Material que permite fácil e apropriada limpeza (liso, resistente, drenado e
impermeável).
(2) (0)
X
(2)
Pi2 Em adequado estado de conservação (livre de defeitos, rachaduras, trincas e
buracos).
(1) (0)
X
(1)
Teto
T1 Acabamento liso, impermeável, de fácil limpeza, lavável e em cor clara. (2) (0)
X
(2)
T2 Em adequado estado de conservação (livre de trincas, rachaduras, umidade,
bolor e descascamentos).
(1)
X
(0) (1)
Campo C – Pontuação
 Equação para cálculo de cada blocoEquação para cálculo de cada bloco
 PBn =PBn = TSnTSn x Pnx Pn
 Kn – TNAnKn – TNAn
 onde,onde,
 PBn = pontuação da UAN para o bloco n.PBn = pontuação da UAN para o bloco n.
 TSn = somatório das notas “sim” obtidas.TSn = somatório das notas “sim” obtidas.
 Kn =constante do bloco, numericamente igual aoKn =constante do bloco, numericamente igual ao
valor máximo atribuível.valor máximo atribuível.
 TNAn = somatório das notas “não aplicável” .TNAn = somatório das notas “não aplicável” .
 Pn = peso atribuído a cada bloco.Pn = peso atribuído a cada bloco.
 n= numeração referente a cada bloco.n= numeração referente a cada bloco.
Campo C – Pontuação
BLOCOS VALORES DE K (n= 1,
2, 3 e 4)
1 - Edificação e
Instalações
60
2 - Equipamentos e
utensílios
50
3 - Manipuladores 32
4 - Produção de
alimentos
24
Campo C – Pontuação
BLOCOS PESO ESPECÍFICO P
(n=1, 2, 3 e 4)
1 - Edificação e
Instalações
10
2 - Equipamentos e
utensílios
15
3 - Manipuladores 25
4 - Produção de
alimentos
20
CLASSIFICAÇÃO
HIGIÊNICO-SANITÁRIA
PONTUAÇÃO RESULTADO
OBTIDO
Precária 0-30
Deficiente 31-60
Regular 61-90
Boa 91-120
Muito boa 121-150
Excelente 151-175
PLANO DE AÇÃO
 Planejamento das Adequações:Planejamento das Adequações:
 O QUE ? Problema - NãoO QUE ? Problema - Não
conformidadeconformidade
 COMO ? Solução - AdequaçãoCOMO ? Solução - Adequação
 QUEM ? ResponsávelQUEM ? Responsável
 QUANDO ? Prazo - importanteQUANDO ? Prazo - importante
 QUANTO ? Custos - OrçamentosQUANTO ? Custos - Orçamentos
 PORQUÊ ? RelevânciaPORQUÊ ? Relevância
 ONDE ? LocalizaçãoONDE ? Localização

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bpf Treinamento
Bpf TreinamentoBpf Treinamento
Bpf Treinamento
Lidiane Marcele Scandelai
 
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Fábio Baía
 
Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275
Rherysonn Pantoja
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
José Vitor Alves
 
Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)
Bull Marketing
 
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústriaSegurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
senaimais
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
Treinamento appcc
Treinamento appccTreinamento appcc
Treinamento appcc
Tiago Merlo
 
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaPop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Meire Yumi Yamada
 
e-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar
e-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentare-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar
e-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar
ZONAVERDE - Formação e Consultoria
 
Procedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional PadronizadoProcedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional Padronizado
Geraldo Neves
 
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15
Jossiane Araújo
 
Copia Bpf Itabira
Copia Bpf ItabiraCopia Bpf Itabira
Appcc
AppccAppcc
Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
Alexandre Oliveira
 
Manual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação iManual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação i
Qualikadi Assessoria Técnica
 
Boas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.pptBoas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.ppt
JaquelineSantosBasto
 
UTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS
UTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOSUTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS
UTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS
anaflaviaciriaco
 
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOSMANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
VMG CONSULTORIA E ASSESSORIA EM VIGILANCIA SANITARIA
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Daniel Jovana Joaquim
 

Mais procurados (20)

Bpf Treinamento
Bpf TreinamentoBpf Treinamento
Bpf Treinamento
 
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)
 
Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275Rdc 216 e 275
Rdc 216 e 275
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
 
Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)Treinamento imprimir (1)
Treinamento imprimir (1)
 
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústriaSegurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Treinamento appcc
Treinamento appccTreinamento appcc
Treinamento appcc
 
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaPop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
 
e-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar
e-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentare-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar
e-book - ISO 22000: Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar
 
Procedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional PadronizadoProcedimento Operacional Padronizado
Procedimento Operacional Padronizado
 
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15
 
Copia Bpf Itabira
Copia Bpf ItabiraCopia Bpf Itabira
Copia Bpf Itabira
 
Appcc
AppccAppcc
Appcc
 
Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
 
Manual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação iManual de boas práticas de fabricação i
Manual de boas práticas de fabricação i
 
Boas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.pptBoas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.ppt
 
UTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS
UTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOSUTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS
UTILIZAÇÃO DE APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS
 
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOSMANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
MANUAL DE BOAS PRATICAS DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
 

Destaque

Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para AlimentosBoas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Safia Naser
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Luis Antonio Cezar Junior
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
Dennis Moliterno
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
Bruno Andrade
 
Boas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSEBoas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSE
SMEdeItabaianinha
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrão
jeborges
 
Curso de boas praticas
Curso de boas praticasCurso de boas praticas
Curso de boas praticas
Carima Atiyel
 
Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2
Carima Atiyel
 
1 pop’s
1 pop’s1 pop’s
1 pop’s
Fernanda Sloto
 
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop   limpeza e sanitização da caixa d'águaPop   limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Juciê Vasconcelos
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Deisi Colombo
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
UFU - Universidade Federal de Uberlândia
 
James portaria 2914
James portaria 2914James portaria 2914
James portaria 2914
James Pinho Ladislau Pinho
 
Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006
DanielCyvan
 
Manual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrialManual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrial
EcoHospedagem
 
Resolucao rdc no 275 de 21 de outubro de 2002 - anvisa
Resolucao rdc no 275  de 21 de outubro de 2002 - anvisaResolucao rdc no 275  de 21 de outubro de 2002 - anvisa
Resolucao rdc no 275 de 21 de outubro de 2002 - anvisa
Flavia Lopes
 
Trabalho original 5 s 2013
Trabalho original 5 s 2013Trabalho original 5 s 2013
Trabalho original 5 s 2013
Thais Souza
 
Fatores que influenciam a Saúde individual e comunitária
Fatores que influenciam a Saúde individual e comunitáriaFatores que influenciam a Saúde individual e comunitária
Fatores que influenciam a Saúde individual e comunitária
Cristina Couto Varela
 
Mas aula04
Mas aula04Mas aula04
Mas aula04
Plínio Okamoto
 
N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.
N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.
N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.
visa343302010
 

Destaque (20)

Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para AlimentosBoas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
 
Boas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSEBoas práticas de fabricação PSE
Boas práticas de fabricação PSE
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrão
 
Curso de boas praticas
Curso de boas praticasCurso de boas praticas
Curso de boas praticas
 
Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2
 
1 pop’s
1 pop’s1 pop’s
1 pop’s
 
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop   limpeza e sanitização da caixa d'águaPop   limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
James portaria 2914
James portaria 2914James portaria 2914
James portaria 2914
 
Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006
 
Manual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrialManual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrial
 
Resolucao rdc no 275 de 21 de outubro de 2002 - anvisa
Resolucao rdc no 275  de 21 de outubro de 2002 - anvisaResolucao rdc no 275  de 21 de outubro de 2002 - anvisa
Resolucao rdc no 275 de 21 de outubro de 2002 - anvisa
 
Trabalho original 5 s 2013
Trabalho original 5 s 2013Trabalho original 5 s 2013
Trabalho original 5 s 2013
 
Fatores que influenciam a Saúde individual e comunitária
Fatores que influenciam a Saúde individual e comunitáriaFatores que influenciam a Saúde individual e comunitária
Fatores que influenciam a Saúde individual e comunitária
 
Mas aula04
Mas aula04Mas aula04
Mas aula04
 
N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.
N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.
N.Alimento-Rdc nº 173 2006 agua mineral.
 

Semelhante a Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo

PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................
GUILHERMEGOULART32
 
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Cooperrita
 
Júlio britto a
Júlio britto aJúlio britto a
Júlio britto a
Boas Práticas Agrícolas
 
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
PIFOZ
 
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizadosManual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Fernando Rufus
 
Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009
Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009
Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009
SEBRAE MS
 
Monitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdf
Monitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdfMonitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdf
Monitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdf
Suzie Marie Gomes
 
Vigilância sanitária pinheral corrigido
Vigilância sanitária   pinheral corrigidoVigilância sanitária   pinheral corrigido
Vigilância sanitária pinheral corrigido
Rejane Dias
 
Curso boas praticas de fabricacao de alimentos
Curso boas praticas de fabricacao de alimentosCurso boas praticas de fabricacao de alimentos
Curso boas praticas de fabricacao de alimentos
José Armando Dos Santos Souza
 
Regulamentação de Alimentos
Regulamentação de AlimentosRegulamentação de Alimentos
Regulamentação de Alimentos
Cinara Tanhote Sousa
 
Rosilene moura
Rosilene mouraRosilene moura
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
PIFOZ
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
Marcos Boaventura
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
Marcos Boaventura
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
LuaraGarcia3
 
1860
18601860
1860
Pelo Siro
 
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentosRegulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Adoilson Amorim Carvalhedo
 
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Templum Consultoria Online
 
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveigaBoas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
VMG CONSULTORIA E ASSESSORIA EM VIGILANCIA SANITARIA
 
Indústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e Estabilidade
Indústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e EstabilidadeIndústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e Estabilidade
Indústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e Estabilidade
Thiago Abílio Lopes Rocha
 

Semelhante a Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo (20)

PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................
 
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
 
Júlio britto a
Júlio britto aJúlio britto a
Júlio britto a
 
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
 
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizadosManual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
 
Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009
Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009
Boas Práticas na Produção de Alimentos 2009
 
Monitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdf
Monitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdfMonitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdf
Monitoramento_plano-ação-pós-mercado-delegação Bahia-Suzie.pdf
 
Vigilância sanitária pinheral corrigido
Vigilância sanitária   pinheral corrigidoVigilância sanitária   pinheral corrigido
Vigilância sanitária pinheral corrigido
 
Curso boas praticas de fabricacao de alimentos
Curso boas praticas de fabricacao de alimentosCurso boas praticas de fabricacao de alimentos
Curso boas praticas de fabricacao de alimentos
 
Regulamentação de Alimentos
Regulamentação de AlimentosRegulamentação de Alimentos
Regulamentação de Alimentos
 
Rosilene moura
Rosilene mouraRosilene moura
Rosilene moura
 
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
 
Slides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdfSlides da aula de PPHO.pdf
Slides da aula de PPHO.pdf
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
 
1860
18601860
1860
 
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentosRegulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
 
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
 
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveigaBoas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
Boas práticas na panificação 2004 marjorie stemlerveiga
 
Indústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e Estabilidade
Indústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e EstabilidadeIndústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e Estabilidade
Indústria Farmacêutica: Desenvolvimento de Produtos e Estabilidade
 

Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo

  • 1. BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POP)
  • 2. Indústrias de alimentos no mundo ModificaçõesModificações (últimas décadas):(últimas décadas):  Operações automatizadas e de alta velocidadeOperações automatizadas e de alta velocidade  Novas embalagensNovas embalagens  Novas formulaçõesNovas formulações  Novos sistemas de distribuiçãoNovos sistemas de distribuição  Grandes volumes de produtos enviados aos centrosGrandes volumes de produtos enviados aos centros de distribuição e comercialização logo após ade distribuição e comercialização logo após a produçãoprodução
  • 3. ETAPA DO PROCESSO TECNOLÓGICO DE AVES: CORTE ABDOMINAL
  • 4. Mercado Nacional e Internacional  Demanda de grandes volumes de alimentosDemanda de grandes volumes de alimentos processados e “processados e “in natura”in natura”  Alimentos seguros como condição para oAlimentos seguros como condição para o comércio dos produtoscomércio dos produtos  Restrições impostas por países importadoresRestrições impostas por países importadores quanto aoquanto ao controle da qualidade e segurançacontrole da qualidade e segurança dos produtosdos produtos
  • 5. DOENÇA TRANSMITIDA POR ALIMENTO - DTA  Ingestão de alimentos ou águaIngestão de alimentos ou água contaminadoscontaminados  Estão AUMENTANDO independente deEstão AUMENTANDO independente de toda a tecnologiatoda a tecnologia  OMS: + de 60% das DTA sãoOMS: + de 60% das DTA são provocadasprovocadas por agentes microbiológicospor agentes microbiológicos (RÊGO(RÊGO et al, 2001)et al, 2001)
  • 6. DTA – PAÍSES DESENVOLVIDOS  + 30% da população contrai algum tipo+ 30% da população contrai algum tipo de DTA/anode DTA/ano  22oo causa de morbidadecausa de morbidade  Estima-se que o custo das DTA nosEstima-se que o custo das DTA nos EUA é de 5 a 6 bilhões de dólares emEUA é de 5 a 6 bilhões de dólares em gastos diretos e perda degastos diretos e perda de produtividadeprodutividade
  • 7. DTA - BRASIL  Notificações abaixo da ocorrênciaNotificações abaixo da ocorrência realreal  Distúrbios leves: auto - medicação !!!Distúrbios leves: auto - medicação !!!  Distúrbios graves: não atribui aoDistúrbios graves: não atribui ao alimento,alimento, sem notificação esem notificação e investigaçãoinvestigação  1999 – 1677 casos1999 – 1677 casos  2000 – 3339 casos2000 – 3339 casos
  • 8. DTA – CONSEQUÊNCIAS PARA A EMPRESA  Prejuízo por perda do produtoPrejuízo por perda do produto  Divulgação pela mídia – Perda de ClientesDivulgação pela mídia – Perda de Clientes  Custos hospitalaresCustos hospitalares  Custos com processos, multas eCustos com processos, multas e indenizaçõesindenizações  Fechamento da empresaFechamento da empresa
  • 9. Biológicos Químicos Físicos Perigos em Alimentos Agente biológico, químico ou físico, ou condição do alimento, com potencial de causar um efeito adverso à saúde (ISO 22000:2006).
  • 10. Perigos Físicos • Madeira; • Metais; • Pregos, grampos; • Plásticos e vidros; • Pedras; • Etc. Parafusos Lascas de madeira Pregos Pedras e vidros
  • 11. Perigos Biológicos • Bactérias; • Leveduras e bolores; • Protozoários; • Vírus; • Etc. Leishmania sp. Salmonella sp. Penicillum sp. Sacharomices sp. Virus
  • 12. Perigos Químicos • Pesticidas; • Defensivos; • Drogas e Antibióticos; • Metais pesados; • Desinfetantes; • Etc. Mercúrio Pesticidas Herbicidas Drogas veterinárias Operações sanitárias
  • 13. COMO CONTROLAR? TRABALHAR COM ALIMENTO É TRABALHAR COM SAÚDE!
  • 14. Boas Práticas de Fabricação (BPF) ou Good Manufacture Practice (GMP) PROGRAMAS DE HIGIENE Procedimentos Operacionais Padronizados (POP) ou Standard Sanitation Operating Procedures(SSOP) ee
  • 15. BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS O QUE É? São os procedimentos efetuados sobre a matéria- prima e insumos até a obtenção de um produto final, em qualquer etapa de seu processamento, armazenamento e transporte, necessários para garantir a qualidade e segurança dos alimentos.
  • 16. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA QUE REGULAMENTA AS BPF  Portaria MS n° 1.428, de 26 de novembro de 1993Portaria MS n° 1.428, de 26 de novembro de 1993 as Boas Práticas de Fabricação (BPF): são normasas Boas Práticas de Fabricação (BPF): são normas de procedimento que estabelecem condiçõesde procedimento que estabelecem condições higiênico-sanitária e tecnológicas adequadas de umhigiênico-sanitária e tecnológicas adequadas de um processo e/ou de um serviço na área de alimentos,processo e/ou de um serviço na área de alimentos, cuja eficácia e efetividade deve ser avaliadacuja eficácia e efetividade deve ser avaliada através da inspeção e/ou da investigação. Oatravés da inspeção e/ou da investigação. O Programa é aplicado também à produção dePrograma é aplicado também à produção de bebidas, aditivos, embalagens, utensílios ebebidas, aditivos, embalagens, utensílios e materiais em contato com alimentos (BRASIL,materiais em contato com alimentos (BRASIL, 1993).1993).
  • 17. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA QUE REGULAMENTA AS BPF Portaria nPortaria noo 326 de 30/07/97 da Secretaria de Vigilância326 de 30/07/97 da Secretaria de Vigilância Sanitária – Ministério da Saúde D.O.U. de 01/08/97Sanitária – Ministério da Saúde D.O.U. de 01/08/97 Portaria nPortaria noo 368 de 04/09/97 do Ministério de Estado da368 de 04/09/97 do Ministério de Estado da Agricultura e do Abastecimento D.O.U. de 08/09/97Agricultura e do Abastecimento D.O.U. de 08/09/97 Estabelecem os requisitos gerais (essenciais) de higieneEstabelecem os requisitos gerais (essenciais) de higiene de Boas Práticas de Fabricação para alimentosde Boas Práticas de Fabricação para alimentos produzidos/fabricados, para o consumo humano.produzidos/fabricados, para o consumo humano.
  • 18. LEGISLAÇÃO  Resolução ANVISA RDC nº 275 (21/10/2002) -Resolução ANVISA RDC nº 275 (21/10/2002) - complementar a Portaria 326 – Lista decomplementar a Portaria 326 – Lista de VerificaçãoVerificação para BPF e os POPs (8)para BPF e os POPs (8)  Resolução ANVISA – RDC nº 216 (15/09/04) -Resolução ANVISA – RDC nº 216 (15/09/04) - BPBP para Serviços de Alimentação, e recomendapara Serviços de Alimentação, e recomenda os POPsos POPs específicos (4:específicos (4: Limpeza das instalações, equipamentos eLimpeza das instalações, equipamentos e móveis; Controle de vetores e pragas; Limpeza domóveis; Controle de vetores e pragas; Limpeza do reservatório de água; Higiene e saúde dos manipuladoresreservatório de água; Higiene e saúde dos manipuladores))
  • 19. BPF  O programa de BPF deve contemplar:O programa de BPF deve contemplar:  Edificação, instalações, equipamentos, móveis e utensílios  Higienização de instalações e equipamentos  Potabilidade da água  Controle Integrado de vetores e pragas urbanas  Manejo dos resíduos  Manipuladores  Matérias-primas, ingredientes e embalagens (Seleção, Recepção e Armazenamento)  Produção/Fabricação/Processo  Distribuição Armazenamento e transporte do alimento
  • 20. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA QUE REGULAMENTA OS POP RESOLUÇÃO-RESOLUÇÃO-RDC Nº 275 DE 21/10/2002RDC Nº 275 DE 21/10/2002 POP:POP: Procedimento escrito de forma objetiva queProcedimento escrito de forma objetiva que estabelece instruções seqüenciais para a realizaçãoestabelece instruções seqüenciais para a realização de operações rotineiras e específicas na produção,de operações rotineiras e específicas na produção, armazenamento e transporte de alimentos.armazenamento e transporte de alimentos.
  • 21. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS - POP OBJETIVOSOBJETIVOS  Estabelecer procedimentos padronizados queEstabelecer procedimentos padronizados que contribuam para a garantia das condiçõescontribuam para a garantia das condições higiênico-sanitárias necessárias ao processamentohigiênico-sanitárias necessárias ao processamento e industrialização de alimentos,e industrialização de alimentos, complementando as Boas Práticas decomplementando as Boas Práticas de Fabricação.Fabricação. RDC Nº 275 DE 21/10/2002RDC Nº 275 DE 21/10/2002
  • 22. REQUISITOS PARA ELABORAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS  POP1-POP1- Higienização das instalações, equipamentos eHigienização das instalações, equipamentos e utensíliosutensílios  POP2POP2--Controle da potabilidade da águaControle da potabilidade da água  POP3POP3--Higiene e saúde dos manipuladoresHigiene e saúde dos manipuladores  POP4-POP4-Manejo dos resíduosManejo dos resíduos  POP5-POP5-Manutenção preventiva e calibração deManutenção preventiva e calibração de equipamentosequipamentos  POP6POP6--Controle integrado de vetores e pragasControle integrado de vetores e pragas urbanas.urbanas.  POP7-POP7-Seleção das matérias-primas, ingredientes eSeleção das matérias-primas, ingredientes e embalagensembalagens  POP8-POP8-Programa de recolhimento de alimentosPrograma de recolhimento de alimentos
  • 23. SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS  O estabelecimento deveO estabelecimento deve dispor dedispor de procedimentosprocedimentos operacionaisoperacionais especificandoespecificando os critérios utilizadosos critérios utilizados para a seleção epara a seleção e recebimento da matéria-recebimento da matéria- prima,prima, embalagens eembalagens e ingredientes.ingredientes.  Esses procedimentosEsses procedimentos devem prever odevem prever o destinodestino dado às matérias-primas,dado às matérias-primas, embalagens e ingredientesembalagens e ingredientes reprovados no controlereprovados no controle efetuado.efetuado.
  • 24. SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS  Para aprovar umPara aprovar um fornecedor quanto àfornecedor quanto à segurança de alimentossegurança de alimentos pode-se optar pelospode-se optar pelos seguintes métodos deseguintes métodos de controle e avaliação,controle e avaliação, isoladamente ou emisoladamente ou em conjunto:conjunto:  Auditoria do sistema deAuditoria do sistema de segurança desegurança de alimentos doalimentos do fornecedorfornecedor
  • 25. SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS  Laudo de análises físico-Laudo de análises físico- química e microbiológicas daquímica e microbiológicas da matéria-prima, ingredientematéria-prima, ingrediente ou embalagem adquiridos;ou embalagem adquiridos;  Histórico de fornecimento;Histórico de fornecimento;  Questionário de avaliação;Questionário de avaliação;  Avaliação sensorial.Avaliação sensorial.
  • 26. SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS  Devem ser estabelecidos critériosDevem ser estabelecidos critérios parapara o recebimentos dos insumos.o recebimentos dos insumos.  Práticas de BPF devem serPráticas de BPF devem ser consideradas, tal como a inspeçãoconsideradas, tal como a inspeção antes do descarregamento, sendoantes do descarregamento, sendo queque recomendamos estabelecerrecomendamos estabelecer uma listauma lista de verificação dede verificação de recebimento erecebimento e manutenção demanutenção de registros destas inspeções.registros destas inspeções.  O destino final de matérias-O destino final de matérias- primas,primas, ingredientes e embalagensingredientes e embalagens reprovados no recebimento tambémreprovados no recebimento também deve estar previsto ao estabelecerdeve estar previsto ao estabelecer este POP.este POP.
  • 27. SELEÇÃO E RECEBIMENTO DAS MATÉRIAS PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS  As matérias-primas e osAs matérias-primas e os ingredientes armazenadosingredientes armazenados nas áreas do estabelecimentonas áreas do estabelecimento devem ser mantidos emdevem ser mantidos em condições tais que evitem suacondições tais que evitem sua deterioração, protejamdeterioração, protejam contra a contaminação econtra a contaminação e reduzam os danos ao mínimoreduzam os danos ao mínimo possível.possível.  Deve-se assegurar, atravésDeve-se assegurar, através do controle, a adequadado controle, a adequada rotatividade das matérias-rotatividade das matérias- primas e ingredientes.primas e ingredientes.
  • 28. Locais para estocagem de alimentos / ingredientes Alimentos e Ingredientes:Alimentos e Ingredientes:  Evitar o acesso e instalação de pragasEvitar o acesso e instalação de pragas  Proteger de contaminações durante a estocagemProteger de contaminações durante a estocagem  Permitir manutenção e limpeza durante a estocagemPermitir manutenção e limpeza durante a estocagem  Evitar deterioração (controle de temperatura e umidade)Evitar deterioração (controle de temperatura e umidade)
  • 29. EDIFICAÇÕES e INSTALAÇÕES  Os estabelecimentos devem se situar em zonas isentasOs estabelecimentos devem se situar em zonas isentas de odores indesejáveis, fumaça, pó e outrosde odores indesejáveis, fumaça, pó e outros contaminantes e não devem estar expostos a inundaçõescontaminantes e não devem estar expostos a inundações  As vias e áreas utilizadas para circulação devem ter umaAs vias e áreas utilizadas para circulação devem ter uma superfície dura/ou pavimentada, adequada para osuperfície dura/ou pavimentada, adequada para o trânsito sobre rodas.trânsito sobre rodas.  Para aprovação das plantas, os edifícios e instalaçõesPara aprovação das plantas, os edifícios e instalações devem ter construção sólida e sanitariamente adequada .devem ter construção sólida e sanitariamente adequada .  Todos os materiais usados na construção e naTodos os materiais usados na construção e na manutenção não devem transmitir nenhuma substânciamanutenção não devem transmitir nenhuma substância indesejável ao alimento.indesejável ao alimento.  Os edifícios e instalações devem impedir a entrada e oOs edifícios e instalações devem impedir a entrada e o alojamento de insetos, roedores e ou pragas e também aalojamento de insetos, roedores e ou pragas e também a entrada de contaminantes do meio, tais como: fumaça,entrada de contaminantes do meio, tais como: fumaça, pó, vapor, e outros.pó, vapor, e outros.
  • 30. LAY OUT OPERACIONAL: É O MELHOR POSICIONAMENTO OBTIDO DAS DEPENDÊNCIAS, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS QUE PROPICIE CONDIÇÕES PARA AS OPERAÇÕES DE ELABORAÇÃO DE UM PRODUTO, SEM ESTRANGULAMENTOS E PONTOS DE CONTAMINAÇÃO CRUZADA QUE POSSAM PREJUDICAR A QUALIDADE ALMEJADA.
  • 31. Estruturas interioresEstruturas interiores e conexõese conexões  Superfícies eSuperfícies e cor das paredescor das paredes e pisos.e pisos.  RalosRalos  TetoTeto - Material liso,- Material liso, lavável elavável e impermeávelimpermeável
  • 32. CONDIÇÕES E HIGIENE DAS INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS, MÓVEIS E UTENSÍLIOS  O POP deste item deve conterO POP deste item deve conter informações sobre:informações sobre:  A natureza da superfície a serA natureza da superfície a ser higienizada;higienizada;  Método de higienização;Método de higienização;  Especificação e controle dasEspecificação e controle das substâncias detergentes esubstâncias detergentes e sanitizantessanitizantes utilizados e de suautilizados e de sua forma de uso, bem como, oforma de uso, bem como, o princípio ativo selecionado eprincípio ativo selecionado e suasua concentração;concentração;  Tempo de contato dos agentesTempo de contato dos agentes  Temperaturas;Temperaturas;  FrequenciaFrequencia
  • 33. ETAPAS DE HIGIENIZAÇÃO  REMOÇÃO DE RESÍDUOSREMOÇÃO DE RESÍDUOS  Limpeza grosseira dosLimpeza grosseira dos resíduos em contato com aresíduos em contato com a superfície com o auxílio desuperfície com o auxílio de abrasivos físicos.abrasivos físicos.  PRE-LAVAGEMPRE-LAVAGEM  Remoção dos ResíduosRemoção dos Resíduos através da águaatravés da água  LAVAGEMLAVAGEM  Remoção dos resíduos peloRemoção dos resíduos pelo uso de soluçõesuso de soluções detergentes com ou semdetergentes com ou sem auxílio de abrasivosauxílio de abrasivos
  • 34. ETAPAS DE HIGIENIZAÇÃO  ENXÁGUEENXÁGUE  Remoção de resíduos deRemoção de resíduos de detergentes da superfície,detergentes da superfície, através da água.através da água.  SANITIZAÇÃOSANITIZAÇÃO  Aplicação da soluçãoAplicação da solução sanitizantesanitizante para redução dospara redução dos microrganismos presentes namicrorganismos presentes na superfície.superfície.  ENXÁGUEENXÁGUE  Remoção dos resíduos daRemoção dos resíduos da soluçãosolução sanitizante quandosanitizante quando necessárionecessário
  • 35. Local para limpeza de equipamentos e utensílios Deve dispor de água potável naDeve dispor de água potável na temperatura indicada para substânciastemperatura indicada para substâncias químicas de uso na limpeza (água quentequímicas de uso na limpeza (água quente e/ou fria).e/ou fria). Local e equipamentos de limpezaLocal e equipamentos de limpeza devidamente separados das áreas dedevidamente separados das áreas de estocagem, processamento e estocagemestocagem, processamento e estocagem dos alimentosdos alimentos
  • 36. Qualidade do ar e ventilação / Iluminação Qualidade do ar e ventilação:Qualidade do ar e ventilação:  Evitar circulação de ar de áreas mais contaminadas paraEvitar circulação de ar de áreas mais contaminadas para áreas menos contaminadasáreas menos contaminadas  Evitar formação de aerossóis e gotículas de condensaçãoEvitar formação de aerossóis e gotículas de condensação  Controlar odores que possam afetar o alimentoControlar odores que possam afetar o alimento Iluminação:Iluminação:  Intensidade adequada a natureza das operações deIntensidade adequada a natureza das operações de processamento (em torno de 200 lux) e procedimentos deprocessamento (em torno de 200 lux) e procedimentos de controle e inspeção.(em torno de 500 lux)controle e inspeção.(em torno de 500 lux)  Uso de lâmpadas com protetores contra estilhaçamentoUso de lâmpadas com protetores contra estilhaçamento
  • 37. EQUIPAMENTOS GENERALIDADESGENERALIDADES Devem ser móveis ou fáceis de desmontarDevem ser móveis ou fáceis de desmontar permitindo adequada limpeza, desinfecção,permitindo adequada limpeza, desinfecção, manutenção, facilidade de inspeção (limpeza emanutenção, facilidade de inspeção (limpeza e pragas)pragas) .. Devem possuir programa de manutençãoDevem possuir programa de manutenção preventiva fornecido pelo fabricante.preventiva fornecido pelo fabricante.
  • 38. EQUIPAMENTOS – Manutenção Preventiva  Os estabelecimentos devemOs estabelecimentos devem dispor dos Procedimentosdispor dos Procedimentos que especifiquem aque especifiquem a periodicidade e responsáveisperiodicidade e responsáveis pela manutenção dospela manutenção dos equipamentos envolvidos noequipamentos envolvidos no processo produtivo doprocesso produtivo do alimentoalimento..
  • 39. EQUIPAMENTOS -EQUIPAMENTOS - Calibração TERMÔMETRO MANÔMETRO AUTOCLAVE pHMETRO ESTUFA
  • 40. EQUIPAMENTOS - Calibração  O POP deve especificar:O POP deve especificar:  Instrumentos de medição que afetam diretamenteInstrumentos de medição que afetam diretamente a qualidade ea qualidade e segurança do produto fabricado;segurança do produto fabricado;  Padrões a serem atendidos;Padrões a serem atendidos;  Tipo de calibração;Tipo de calibração;  Freqüência;Freqüência;  Registros.Registros.
  • 41. Suprimento de água ÁGUA POTÁVELÁGUA POTÁVEL (contato com alimento):(contato com alimento):  Controle da estocagemControle da estocagem  Controle da distribuiçãoControle da distribuição  Padrão de potabilidade oficial (Padrão de potabilidade oficial (MS – Portaria 518MS – Portaria 518 de 25/03/2004)de 25/03/2004)  Vapor e geloVapor e gelo  Tratamento químico monitorizado (hipercloração)Tratamento químico monitorizado (hipercloração)
  • 42. CONTROLE DA POTABILIDADE DA ÁGUA  O POP deve contemplar:O POP deve contemplar:  os locais de coleta dasos locais de coleta das amostras,amostras,  a freqüência de suaa freqüência de sua execução,execução,  as determinações analíticas,as determinações analíticas,  a metodologia aplicada e,a metodologia aplicada e,  os responsáveisos responsáveis  Deve contemplar também aDeve contemplar também a higienização do reservatóriohigienização do reservatório de água bem como dode água bem como do sistema de distribuiçãosistema de distribuição
  • 44. POTABILIDADE DA ÁGUA  ÁGUA POTÁVELÁGUA POTÁVEL  água para consumoágua para consumo humano cujos parâmetroshumano cujos parâmetros microbiológicos, físicos,microbiológicos, físicos, químicos e radioativosquímicos e radioativos atendam ao padrão deatendam ao padrão de potabilidade e que nãopotabilidade e que não ofereça riscos à saúde.ofereça riscos à saúde.
  • 45. POTABILIDADE DA ÁGUA  Especificações Microbiológicas paraEspecificações Microbiológicas para ÁguaÁgua Potável (MS – Portaria 518Potável (MS – Portaria 518 de 25/03/2004)de 25/03/2004)  ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO:ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO:  Escherichia coli ou coliformesEscherichia coli ou coliformes termotolerantes – Ausência emtermotolerantes – Ausência em 100ml100ml  ÁGUA NA SAÍDA DOÁGUA NA SAÍDA DO TRATAMENTOTRATAMENTO  Coliformes totais - Ausência emColiformes totais - Ausência em 100 ml100 ml  ÁGUA TRATADA NO SISTEMA DEÁGUA TRATADA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃODISTRIBUIÇÃO  (RESERVATÓRIOS E REDE)(RESERVATÓRIOS E REDE)  Escherichia coli ou coliformesEscherichia coli ou coliformes termotolerantes - Ausência emtermotolerantes - Ausência em 100ml100ml
  • 46. Suprimento de água Segurança nos Reservatórios de Água Potável
  • 47. RESÍDUOS  O QUE SÃO RESÍDUOS?O QUE SÃO RESÍDUOS?  Materiais ou restos deMateriais ou restos de materiaismateriais considerado semconsiderado sem valor suficiente para conserva-valor suficiente para conserva- los.los.  Alguns tipos de resíduos sãoAlguns tipos de resíduos são considerados altamenteconsiderados altamente perigosos e requerem cuidadosperigosos e requerem cuidados especiais quantoespeciais quanto à coleta,à coleta, transporte e destinação final,transporte e destinação final, pois apresentam substancialpois apresentam substancial periculosidade, ou potencial, àpericulosidade, ou potencial, à saúde humana e aos organismossaúde humana e aos organismos vivos.vivos.
  • 48. Esgoto e disposição do lixo Os sistemas de esgoto e disposição do lixoOs sistemas de esgoto e disposição do lixo devem ser projetados e adequadamentedevem ser projetados e adequadamente construídos de forma a evitar o risco deconstruídos de forma a evitar o risco de contaminação do alimento, do sistema decontaminação do alimento, do sistema de água potável e o acesso de pragaságua potável e o acesso de pragas
  • 49. MANEJO DE RESÍDUOS  Deve-se estabelecer aDeve-se estabelecer a freqüência de coleta de lixofreqüência de coleta de lixo de forma a evitarde forma a evitar possíveispossíveis contaminações.contaminações.  Os responsáveis por estaOs responsáveis por esta atividadeatividade devem serdevem ser definidos.definidos.  Discriminar os procedimentosDiscriminar os procedimentos de higienização de coletoresde higienização de coletores dede resíduos e da área deresíduos e da área de armazenamento.armazenamento.
  • 50. MANEJO DE RESÍDUOS  É recomendável que:É recomendável que:  O lixo seja mantido emO lixo seja mantido em recipientes com tampa,recipientes com tampa, com pedal, constituídocom pedal, constituído dede material de fácil higienematerial de fácil higiene  As áreas de guarda deAs áreas de guarda de lixo sejam isoladas , delixo sejam isoladas , de fácil limpeza e exclusivasfácil limpeza e exclusivas para estepara este fim de forma afim de forma a não senão se tornarem atrativostornarem atrativos de pragas.de pragas.
  • 52. MANEJO DE RESÍDUOS  Cuidado importante: o lixo não deveCuidado importante: o lixo não deve ser retirado pelo mesmo local ondeser retirado pelo mesmo local onde entram as matérias primas,entram as matérias primas, embalagens e produtosembalagens e produtos acabados.acabados.  Na total impossibilidade de áreasNa total impossibilidade de áreas distintas,distintas, determinar horáriosdeterminar horários diferenciados ediferenciados e práticas que impeçampráticas que impeçam a contaminaçãoa contaminação cruzada.cruzada.
  • 53. CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBANAS
  • 54. CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBANAS  locais de entradalocais de entrada  inspeções internas e externasinspeções internas e externas  Em caso de adoção de controle químicoEm caso de adoção de controle químico existência de comprovante de execuçãoexistência de comprovante de execução do serviço por empresa especializada.do serviço por empresa especializada.
  • 55. CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBANAS  Indispensável na prevençãoIndispensável na prevenção de toxinfecçõesde toxinfecções alimentares.alimentares.  Têm importância naTêm importância na transmissão detransmissão de microorganismosmicroorganismos patogênicos.patogênicos.  Sentimentos de repulsaSentimentos de repulsa que estes animais causam.que estes animais causam.  Associa-se a presença deAssocia-se a presença de pragas, com a falta depragas, com a falta de higiene.higiene.
  • 56. HIGIENE PESSOAL Pessoal que entra em contato direto ouPessoal que entra em contato direto ou indireto com o alimento deve:indireto com o alimento deve: Estar em bom estado de saúdeEstar em bom estado de saúde Manter nível apropriado de higiene pessoalManter nível apropriado de higiene pessoal Ter comportamento e trabalhar de maneiraTer comportamento e trabalhar de maneira corretacorreta
  • 57. HIGIENE PESSOAL  Roupas protetoras,Roupas protetoras, toucas, botas etoucas, botas e luvas adequadasluvas adequadas
  • 58. HIGIENE PESSOAL  COMPORTAMENTO PESSOALCOMPORTAMENTO PESSOAL  ATITUDES QUE SÃOATITUDES QUE SÃO PROIBIDAS:PROIBIDAS:  FumarFumar  Mastigar ou comerMastigar ou comer  Espirrar ou tossir sobre oEspirrar ou tossir sobre o produto (Alimento)produto (Alimento)  Tocar as partes do corpo comoTocar as partes do corpo como nariz, boca e cabelosnariz, boca e cabelos  Falar, assobiar ou cantarFalar, assobiar ou cantar  O uso de adornosO uso de adornos  Manutenção de artigos de usoManutenção de artigos de uso pessoal e roupas usadas na viapessoal e roupas usadas na via pública, nas áreas depública, nas áreas de manipulaçãomanipulação
  • 59. HIGIENE PESSOAL – Lavagem das mãos  Antes de iniciar a atividadeAntes de iniciar a atividade ou antes de entrar nas áreasou antes de entrar nas áreas de processamentode processamento  Após usar o banheiroApós usar o banheiro  Na mudança de atividadeNa mudança de atividade  Ao tocar partes do corpoAo tocar partes do corpo (cabelo, nariz,(cabelo, nariz, boca)boca)  Após espirrar ou tossirApós espirrar ou tossir  Após mexer com lixoApós mexer com lixo  Após tirar ou antes deApós tirar ou antes de colocar um novocolocar um novo par de luvaspar de luvas  Após comer ou beber.Após comer ou beber.
  • 60. HIGIENE PESSOAL – Lesão nas mãos  Medidas adotadasMedidas adotadas nos casos em que osnos casos em que os manipuladoresmanipuladores apresentem lesão nasapresentem lesão nas mãos:mãos:  Afastamento doAfastamento do processamento,processamento,  Licença médicaLicença médica
  • 61. HIGIENE PESSOAL – Saúde  Controle de SaúdeControle de Saúde  •• Exames:Exames:  MédicosMédicos  LaboratoriaisLaboratoriais  Admissionais,Admissionais, Revisionais eRevisionais e DemissionaisDemissionais  Retorno aoRetorno ao trabalhotrabalho  Mudança de funçãoMudança de função
  • 62. HIGIENE PESSOAL – Saúde  Afastamento daAfastamento da manipulação de alimentosmanipulação de alimentos  ColaboradoresColaboradores apresentandoapresentando infecçõesinfecções (Hepatite Viral A, diarréia,(Hepatite Viral A, diarréia, vômito, febre, naso-vômito, febre, naso- faríngeas comfaríngeas com febre,febre, secreções nos ouvidos esecreções nos ouvidos e olhos).olhos).  ColaboradoresColaboradores apresentando lesões:apresentando lesões: irritações, cortesirritações, cortes infeccionados, feridasinfeccionados, feridas
  • 63. TREINAMENTO TREINAMENTO É FUNDAMENTAL ! ! !TREINAMENTO É FUNDAMENTAL ! ! !  Determinar a carga horária,Determinar a carga horária,  O conteúdo programático e aO conteúdo programático e a freqüência de suafreqüência de sua realização,realização,  Manter em arquivo osManter em arquivo os registros da participaçãoregistros da participação nominal dos funcionários.nominal dos funcionários.
  • 64. PROGRAMAS DE TREINAMENTO Devem incluir:Devem incluir:  natureza dos alimentos enatureza dos alimentos e possibilidade de crescimentopossibilidade de crescimento de microrganismosde microrganismos patogênicos e deteriorantespatogênicos e deteriorantes  forma como o alimento éforma como o alimento é manipulado e embalado e amanipulado e embalado e a probabilidade de contaminaçãoprobabilidade de contaminação  extensão e natureza doextensão e natureza do processamento.processamento.
  • 65. HIGIENE PESSOAL HIGIENE NAS MÁQUINAS E INSTALAÇÕES MATERIAL DE TREINAMENTO DE FUNCIONÁRIOS - BPF
  • 66.  MICRORGANISMOS X TEMPERATURA MATERIAL TREINAMENTO DE FUNCIONÁRIOS
  • 67. TRANSPORTE Proteger os alimentos embalados ou não deProteger os alimentos embalados ou não de contaminações durante o transportecontaminações durante o transporte Proteger o produto pronto para comercialização deProteger o produto pronto para comercialização de avarias que o tornem impróprios para o consumo ouavarias que o tornem impróprios para o consumo ou que determine perdasque determine perdas Prover um ambiente capaz de controlar oProver um ambiente capaz de controlar o crescimento de microrganismos patogênicos ecrescimento de microrganismos patogênicos e deteriorantes.deteriorantes.
  • 68. INFORMAÇÕES DO PRODUTO E ORIENTAÇÃO AO CONSUMIDOR Produtos devem fornecer :Produtos devem fornecer :  Informação acessível e adequada para o próximoInformação acessível e adequada para o próximo segmento da cadeia produtiva.segmento da cadeia produtiva.  Fácil identificação do lote e recollhimento seFácil identificação do lote e recollhimento se necessárionecessário  Informações aos consumidores para a prevenção daInformações aos consumidores para a prevenção da contaminação, crescimento ou sobrevivência decontaminação, crescimento ou sobrevivência de patógenos pela estocagem, preparo e uso corretopatógenos pela estocagem, preparo e uso correto
  • 69. PROGRAMA DE RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS - RECALL  Este programaEste programa correlaciona o lotecorrelaciona o lote do insumo oudo insumo ou matéria-primamatéria-prima comcom o produto acabadoo produto acabado ee a localização doa localização do produto terminadoproduto terminado nos pontos denos pontos de venda.venda.
  • 70. Procedimento para Reclamação de consumidor A AMOSTRA SEGUE PARA ANÁLISE LABORATORIAL O RESULTADO DA ANÁLISE É ENCAMINHADO AO SAC PARA ATENDIMENTO E ESCLARECIMENTO AO CONSUMIDOR CONSUMIDOR SAC O SAC RECEBE INFORMAÇÕES TÉCNICAS DO DEPARTAMENTO DE GARANTIA DA QUALIDADE DA FÁBRICA EMPRESA TERCEIRIZADA RETIRA A AMOSTRA E FAZ A REPOSIÇÃO DO PRODUTO RECLAMADO CONSUMIDOR SAC AS INFORMAÇÕES TÉCNICAS SÃO REPASSADAS AO SAC PARA ATENDIMENTO DAS EXPECTATIVAS DO CONSUMIDOR
  • 71. REGISTROS  Os registros devem ser legíveis, permanentes eOs registros devem ser legíveis, permanentes e exatos;exatos;  Os erros ou mudanças devem ser identificados;Os erros ou mudanças devem ser identificados;  O registro completo deve ser datado eO registro completo deve ser datado e assinado porassinado por pessoa responsável;pessoa responsável;  Os registros devem ser mantidos pela plantaOs registros devem ser mantidos pela planta produtora e devem estar disponíveis, quandoprodutora e devem estar disponíveis, quando solicitados.solicitados.  Os registros devem ser mantidos por um ano depoisOs registros devem ser mantidos por um ano depois de expirar a data contida no rótulo ou embalagemde expirar a data contida no rótulo ou embalagem ou, caso não haja esta data, por dois anos após aou, caso não haja esta data, por dois anos após a venda dovenda do produtoproduto
  • 72. DIAGNÓSTICO  Check List = Lista de Verificação = ListaCheck List = Lista de Verificação = Lista de Avaliaçãode Avaliação  Levantamento detalhado dasLevantamento detalhado das NãoNão ConformidadesConformidades  Comparação com a LegislaçãoComparação com a Legislação
  • 73. Check-list CAMPO A – IDENTIFICAÇÃOCAMPO A – IDENTIFICAÇÃO  Nome do estabelecimento:Nome do estabelecimento:  Endereço do estabelecimento:Endereço do estabelecimento:  Bairro:Bairro:  Telefone:Telefone:  Fax:Fax:  E-mail:E-mail:  Nome do responsável pelo estabelecimento:Nome do responsável pelo estabelecimento:
  • 74. Check-list  Campo B - AvaliaçãoCampo B - Avaliação
  • 75. BLOCO 1: EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES SIM NÃO N.AN.A Área externa (Ae) Ausência de focos de contaminação na área externa; área livre de focos de insalubridade, de objetos em desuso ou estranho ao ambiente, de animais (inclusive insetos e roedores) no pátio e vizinhança; ausência de poeira; ausência de depósito de lixo nas imediações, ausência de água estagnada, dentre outros. (4) (0) X (4) Acesso Ac1 Armazenamento – Direto e não comum a outros usos (4) (0) X (4) Ac2 Refeitório – Direto e não comum a outros usos (4) (0) (4) X Ac3 Cozinha – Direto e não comum a outros usos. (6) X (0) (6) Piso Pi1 Material que permite fácil e apropriada limpeza (liso, resistente, drenado e impermeável). (2) (0) X (2) Pi2 Em adequado estado de conservação (livre de defeitos, rachaduras, trincas e buracos). (1) (0) X (1) Teto T1 Acabamento liso, impermeável, de fácil limpeza, lavável e em cor clara. (2) (0) X (2) T2 Em adequado estado de conservação (livre de trincas, rachaduras, umidade, bolor e descascamentos). (1) X (0) (1)
  • 76. Campo C – Pontuação  Equação para cálculo de cada blocoEquação para cálculo de cada bloco  PBn =PBn = TSnTSn x Pnx Pn  Kn – TNAnKn – TNAn  onde,onde,  PBn = pontuação da UAN para o bloco n.PBn = pontuação da UAN para o bloco n.  TSn = somatório das notas “sim” obtidas.TSn = somatório das notas “sim” obtidas.  Kn =constante do bloco, numericamente igual aoKn =constante do bloco, numericamente igual ao valor máximo atribuível.valor máximo atribuível.  TNAn = somatório das notas “não aplicável” .TNAn = somatório das notas “não aplicável” .  Pn = peso atribuído a cada bloco.Pn = peso atribuído a cada bloco.  n= numeração referente a cada bloco.n= numeração referente a cada bloco.
  • 77. Campo C – Pontuação BLOCOS VALORES DE K (n= 1, 2, 3 e 4) 1 - Edificação e Instalações 60 2 - Equipamentos e utensílios 50 3 - Manipuladores 32 4 - Produção de alimentos 24
  • 78. Campo C – Pontuação BLOCOS PESO ESPECÍFICO P (n=1, 2, 3 e 4) 1 - Edificação e Instalações 10 2 - Equipamentos e utensílios 15 3 - Manipuladores 25 4 - Produção de alimentos 20
  • 79. CLASSIFICAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA PONTUAÇÃO RESULTADO OBTIDO Precária 0-30 Deficiente 31-60 Regular 61-90 Boa 91-120 Muito boa 121-150 Excelente 151-175
  • 80. PLANO DE AÇÃO  Planejamento das Adequações:Planejamento das Adequações:  O QUE ? Problema - NãoO QUE ? Problema - Não conformidadeconformidade  COMO ? Solução - AdequaçãoCOMO ? Solução - Adequação  QUEM ? ResponsávelQUEM ? Responsável  QUANDO ? Prazo - importanteQUANDO ? Prazo - importante  QUANTO ? Custos - OrçamentosQUANTO ? Custos - Orçamentos  PORQUÊ ? RelevânciaPORQUÊ ? Relevância  ONDE ? LocalizaçãoONDE ? Localização