SlideShare uma empresa Scribd logo
BARTOLOMEUBoa Nova - Humberto de Campos
Dubai, 06 de Agosto, 2017
Bom ânimo
1
HUMBERTO
DE CAMPOS
2
8 -
Bom
Ânimo
3
-
Bartolomeu 4
5
Diálogo entre
Jesus e Bartolomeu
6
– Mestre – exclamou, timidamente –, não saberia
nunca explicar-vos o porquê de minhas tristezas
amargurosas. Só sei dizer que o vosso Evangelho
me enche de esperanças para o Reino de luz que
nos espera os corações, além, nas alturas...
Quando esclarecestes que o vosso Reino não é
deste mundo, experimentei uma nova coragem
para atravessar as misérias do caminho da
Terra, pois, aqui, o selo do mal parece obscurecer
as coisas mais puras!... Por toda parte, é o
triunfo do crime, o jogo das ambições, a colheita
dos desenganos!..
7
– A nossa Doutrina, entretanto, é a do
Evangelho ou da Boa Nova e já viste,
Bartolomeu, uma boa notícia não produzir
alegria? Fazes bem, conservando a tua
esperança em face dos novos ensinamentos,
mas não quero senão acender o bom ânimo no
espírito dos meus discípulos. Se já tive ocasião
de ensinar que o meu Reino ainda não é deste
mundo, isso não quer dizer que eu desdenhe o
trabalho de estendê-lo, um dia, aos corações
que mourejam na Terra. Achas, então, que eu
teria vindo a este mundo, sem essa certeza
confortadora?
8
O Evangelho terá de florescer, primeiramente,
na alma das criaturas, antes de frutificar para
o espírito dos povos. No entanto, venho de meu
Pai, cheio de fortaleza e confiança, e a minha
mensagem há de proporcionar grande júbilo a
quantos a receberem de coração.
9
– A vida terrestre é uma estrada prodigiosa,
que conduz aos braços amorosos de Deus. O
trabalho é a marcha. A luta comum é a
caminhada de cada dia. Os instantes deliciosos
da manhã e as horas noturnas de serenidade
são os pontos de repouso, mas ouve-me bem:
na atividade ou no descanso físico, a
oportunidade de uma hora, de uma leve
ação, de uma palavra humilde, é o convite
de nosso Pai para que semeemos as suas
bênçãos sacrossantas.
10
– Mestre, os vossos esclarecimentos dissipam os
meus pesares, mas o Evangelho exige de nós a
fortaleza permanente?
– A Verdade não exige: transforma. O
Evangelho não poderia reclamar estados
especiais de seus discípulos; porém, é preciso
considerar que a alegria, a coragem e a
esperança devem ser traços constantes de suas
atividades em cada dia. Por que nos firmarmos
no pesadelo de uma hora, se conhecemos a
realidade gloriosa da
eternidade com o nosso Pai?
11
– E quando os negócios do mundo nos são
adversos? E quando tudo parece em luta contra
nós?
12
– Qual o melhor negócio do mundo,
Bartolomeu? Será a aventura que se efetua a
peso de ouro, muita vez amordaçando-se o
coração e a consciência, para aumentar as
preocupações da vida material, ou a
iluminação definitiva da alma para Deus, que
se realiza tão só pela boa vontade do homem,
que deseje marchar para o seu amor, por entre
as luzes do caminho? Não será a
adversidade nos negócios do mundo um
convite amigo para a criatura semear com
mais amor, um apelo indireto que a arranque
às ilusões da Terra para as verdades do Reino
de Deus?
13
– Mestre, e não será justificável a tristeza
quando perdemos um ente amado?
Bartolomeu guardou aquela resposta no
coração, não, todavia, sem experimentar certa
estranheza. E logo, lembrando-se de que sua
progenitora partira, havia pouco tempo, para
a sombra do túmulo, interpelou ainda,
ansioso:
14
– Mas quem estará perdido, se Deus é o
Pai de todos nós?... Se os que estão
sepultados no lodo dos crimes hão de
vislumbrar, um dia, a alvorada da redenção,
por que lamentarmos, em desespero, o amigo
que partiu ao chamado do Todo-Poderoso? A
morte do corpo abre as portas de um mundo
novo para a alma. Ninguém fica
verdadeiramente órfão sobre a Terra, como
nenhum ser está abandonado, porque tudo é
de Deus e todos somos seus filhos. Eis por
que todo discípulo do Evangelho tem de
ser um semeador de paz e de alegria!...
15
“Fundamentalmente considerada, a dor é uma
lei de equilíbrio e educação. Sem dúvida, as
falhas do passado recaem sobre nós com todo o
seu peso e determinam as condições de nosso
destino. O sofrimento não é, muitas vezes,
mais do que a repercussão das violações
da ordem eterna cometidas; mas, sendo
partilha de todos, deve ser considerado
como necessidade de ordem geral, como
agente de desenvolvimento, condições do
progresso. Todos os seres têm de, por sua vez,
passar por ele. Sua ação é benfazeja para quem
sabe compreendê-lo, mas somente podem
compreendê-lo aqueles que lhe sentiram os
poderosos efeitos.”
“A DOR”
16
A corrigenda é sempre rude, desagradável,
amargurosa; mas, naqueles que lhe aceitam a
luz, resulta sempre em frutos abençoados de
experiência, conhecimento, compreensão e
justiça. (…)
O problema da felicidade pessoal, por isso
mesmo, nunca será resolvido pela fuga ao
processo reparador. (…)
A dor e o obstáculo, o trabalho e a luta são
recursos de sublimação que nos compete
aproveitar.
“ACEITA A CORREÇÃO”
O RETORNO AO LAR 17
O RETORNO AO LAR 18
Bartolomeu começou a recordar as razões de suas tristezas
intraduzíveis, mas, com surpresa, não mais as encontrou no coração.
Lembrava-se de haver perdido a afetuosa progenitora; refletiu, porém,
com mais amplitude, quanto aos desígnios da Providência divina. Deus
não lhe era pai e mãe nos céus? Recordou os contratempos da vida e
ponderou que seus irmãos pelo sangue o aborreciam e caluniavam.
Entretanto, Jesus não lhe era um irmão generoso e sincero? Passou em
revista os insucessos materiais. Contudo, que eram as suas pescarias
ou a avareza dos negociantes de Betsaida e de Cafarnaum, comparados
à luz do Reino de Deus, que ele trabalhava por edificar no coração?
O RETORNO AO LAR 19
O RETORNO AO LAR 20
“Não conseguindo esclarecê-los, guardou os bens do
silêncio e achou-se na posse de uma alegria nova.”
“A ideia que fazemos da felicidade e da
desgraça, da alegria e da dor, varia ao
infinito segundo a evolução
individual.
21
O DIA SEGUINTE
22
A PREGAÇÃO SEGUINTE 23
A PREGAÇÃO NO DIA SEGUINTE 24
“o Reino dos céus é semelhante a um tesouro que,
oculto num campo, foi achado e escondido por um
homem que, movido de gozo, vendeu tudo o que
possuía e comprou aquele campo”.
A PREGAÇÃO NO DIA SEGUINTE 25
Nesse instante, o olhar do Mestre pousou sobre
Bartolomeu, que o contemplava, embevecido; (…)
Enviando a Jesus um olhar de amor e reconhecimento,
Bartolomeu limpou uma lágrima. Era a primeira vez
que chorava de alegria. O pescador de Dalmanuta
aderira, para sempre, aos eternos júbilos do
Evangelho do Reino.
26
Assevera Jesus que se nos dispomos a encontrá-lo, é
preciso renunciar a nós mesmos e tomar nossa cruz.
27
Os fardos que nos cabem transportar, a fim de que
venhamos a merecer o convívio do Mestre, bastas vezes
contêm as dores das grandes separações, as farpas do
desencanto, as provações em família, os sacrifícios mudos,
em que os entes amados nos pedem largos períodos de
aflição, os desastres do plano físico que nos cortam a alma,
o abandono daqueles mesmos que nos baseavam todas as
esperanças, o cativeiro a compromissos pela sustentação da
harmonia comum, as tarefas difíceis, em cuja execução,
quase sempre, somos constrangidos a marchar, aguardando
debalde (inutilmente) o concurso (ajuda) alheio.
28
(…)Sendo divino em sua essência, o
espirito traz em si a marca do Pai que
lhe direciona e orienta na revelação de
sua grandeza natural como filho de
Deus, expressa nas potências da alma,
qual espelho refletindo a grandeza
primeira que o impressionou. (…)
“ Vinde a mim, todos os que estais cansados e
oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o
meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e
humilde de coração; e encontrareis descanso para
as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e o meu
fardo é leve.”
Mateus 11:28-30
29
BARTOLOMEUBoa Nova - Humberto de Campos
Dubai, 06 de Agosto, 2017
Bom ânimo
30
Dubai, 30 de Julho, 2017
31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste out20
Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste  out20Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste  out20
Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste out20
manumino
 
Parábola das Bodas
Parábola das BodasParábola das Bodas
Parábola das Bodas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
Patricia Farias
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
igmateus
 
FéFé
Sermão do Monte
Sermão do Monte Sermão do Monte
Sermão do Monte
Ponte de Luz ASEC
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
grupodepaisceb
 
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNOO TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
Jorge Luiz dos Santos
 
Os superiores e os inferiores
Os superiores e os inferioresOs superiores e os inferiores
Os superiores e os inferiores
Izabel Cristina Fonseca
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?
Ricardo Azevedo
 
Palestra a poder da oração
Palestra a poder da oraçãoPalestra a poder da oração
Palestra a poder da oração
Ângela Moraes
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Fábio Paiva
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
Deixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninosDeixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninos
Henrique Vieira
 
A Coragem da Fé
A Coragem da FéA Coragem da Fé
A Coragem da Fé
Izabel Cristina Fonseca
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
igmateus
 
Caminho verdade e vida
Caminho verdade e vidaCaminho verdade e vida
Caminho verdade e vida
Sebastião Luiz Chagas
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
1.o paralítico de cafarnaum
1.o paralítico de cafarnaum1.o paralítico de cafarnaum
1.o paralítico de cafarnaum
Ronaldo Gomes
 

Mais procurados (20)

Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste out20
Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste  out20Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste  out20
Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste out20
 
Parábola das Bodas
Parábola das BodasParábola das Bodas
Parábola das Bodas
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
 
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
 
FéFé
 
Sermão do Monte
Sermão do Monte Sermão do Monte
Sermão do Monte
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
 
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNOO TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
 
Os superiores e os inferiores
Os superiores e os inferioresOs superiores e os inferiores
Os superiores e os inferiores
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 16 - A quem obedeces?
 
Palestra a poder da oração
Palestra a poder da oraçãoPalestra a poder da oração
Palestra a poder da oração
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
Deixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninosDeixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninos
 
A Coragem da Fé
A Coragem da FéA Coragem da Fé
A Coragem da Fé
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
 
Caminho verdade e vida
Caminho verdade e vidaCaminho verdade e vida
Caminho verdade e vida
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
1.o paralítico de cafarnaum
1.o paralítico de cafarnaum1.o paralítico de cafarnaum
1.o paralítico de cafarnaum
 

Semelhante a (Boa nova), Cap 8, Bom Animo

Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18
Patricia Farias
 
Bom ânimo
Bom ânimoBom ânimo
Bom ânimo
Fatoze
 
Sofrimento e Seus BenefíCios
Sofrimento e Seus BenefíCiosSofrimento e Seus BenefíCios
Sofrimento e Seus BenefíCios
lucena
 
I Corintios cap 9
I Corintios cap 9I Corintios cap 9
I Corintios cap 9
Andreia Quesada
 
Sofrimento e seus beneficios
Sofrimento e seus beneficiosSofrimento e seus beneficios
Sofrimento e seus beneficios
Pastor Robson Colaço
 
Jormi - Jornal Missionário n° 44
Jormi - Jornal Missionário n° 44Jormi - Jornal Missionário n° 44
Jormi - Jornal Missionário n° 44
trabalho como autonomo
 
Superando o sofrimento
Superando o sofrimentoSuperando o sofrimento
Superando o sofrimento
Pastor Robson Colaço
 
O porque do sofrimento
O porque do sofrimentoO porque do sofrimento
O porque do sofrimento
Pastor Robson Colaço
 
Por que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o Natal
Por que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o NatalPor que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o Natal
Por que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o Natal
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
Chico xavier jesus no lar
Chico xavier   jesus no larChico xavier   jesus no lar
Chico xavier jesus no lar
havatar
 
Conduta evangelica
Conduta evangelicaConduta evangelica
Conduta evangelica
Eduardo Manoel Araujo
 
Ceifa de luz emmanuel - chico xavier
Ceifa de luz   emmanuel - chico xavierCeifa de luz   emmanuel - chico xavier
Ceifa de luz emmanuel - chico xavier
Henrique Garcia Cardoso
 
Nossolar
NossolarNossolar
Nossolar
Renato Cardoso
 
Missa do beato giácomo cusmano
Missa do beato giácomo cusmanoMissa do beato giácomo cusmano
Missa do beato giácomo cusmano
Gleison Servo
 
Ansiedades. Jrcordeiro.
Ansiedades. Jrcordeiro.Ansiedades. Jrcordeiro.
Ansiedades. Jrcordeiro.
José Roberto Cordeiro
 
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Candice Gunther
 
C1319 fe vigilante
C1319 fe vigilanteC1319 fe vigilante
C1319 fe vigilante
Paroquia Arronches
 
Fé Vigilante
Fé VigilanteFé Vigilante
Fé Vigilante
Mauro Moraes
 
Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)
Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)
Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)
José Luiz Silva Pinto
 
Oração Dominical
Oração DominicalOração Dominical
Oração Dominical
Fatoze
 

Semelhante a (Boa nova), Cap 8, Bom Animo (20)

Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18Evangelho Cap5 item18
Evangelho Cap5 item18
 
Bom ânimo
Bom ânimoBom ânimo
Bom ânimo
 
Sofrimento e Seus BenefíCios
Sofrimento e Seus BenefíCiosSofrimento e Seus BenefíCios
Sofrimento e Seus BenefíCios
 
I Corintios cap 9
I Corintios cap 9I Corintios cap 9
I Corintios cap 9
 
Sofrimento e seus beneficios
Sofrimento e seus beneficiosSofrimento e seus beneficios
Sofrimento e seus beneficios
 
Jormi - Jornal Missionário n° 44
Jormi - Jornal Missionário n° 44Jormi - Jornal Missionário n° 44
Jormi - Jornal Missionário n° 44
 
Superando o sofrimento
Superando o sofrimentoSuperando o sofrimento
Superando o sofrimento
 
O porque do sofrimento
O porque do sofrimentoO porque do sofrimento
O porque do sofrimento
 
Por que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o Natal
Por que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o NatalPor que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o Natal
Por que, Senhor? - O Olhar de Jesus e o Natal
 
Chico xavier jesus no lar
Chico xavier   jesus no larChico xavier   jesus no lar
Chico xavier jesus no lar
 
Conduta evangelica
Conduta evangelicaConduta evangelica
Conduta evangelica
 
Ceifa de luz emmanuel - chico xavier
Ceifa de luz   emmanuel - chico xavierCeifa de luz   emmanuel - chico xavier
Ceifa de luz emmanuel - chico xavier
 
Nossolar
NossolarNossolar
Nossolar
 
Missa do beato giácomo cusmano
Missa do beato giácomo cusmanoMissa do beato giácomo cusmano
Missa do beato giácomo cusmano
 
Ansiedades. Jrcordeiro.
Ansiedades. Jrcordeiro.Ansiedades. Jrcordeiro.
Ansiedades. Jrcordeiro.
 
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
Aprender com perguntas - Paulo e Estevão 03
 
C1319 fe vigilante
C1319 fe vigilanteC1319 fe vigilante
C1319 fe vigilante
 
Fé Vigilante
Fé VigilanteFé Vigilante
Fé Vigilante
 
Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)
Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)
Roteiro homilético do 19.º domingo do tempo comum – ano c (1)
 
Oração Dominical
Oração DominicalOração Dominical
Oração Dominical
 

Mais de Antonio Braga

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Antonio Braga
 
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Antonio Braga
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
Antonio Braga
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicao
Antonio Braga
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
Antonio Braga
 
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samariaBoa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Antonio Braga
 
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Antonio Braga
 
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of ExistencesThe Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
Antonio Braga
 
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book,   Chap I (part two) - spirit-worldSpirits book,   Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Antonio Braga
 
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Antonio Braga
 
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova,   Cap 12 - Amor e RenunciaBoa nova,   Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Antonio Braga
 
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Antonio Braga
 
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Antonio Braga
 
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Antonio Braga
 
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...
Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...
Antonio Braga
 

Mais de Antonio Braga (20)

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficencia
 
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
Livro dos espiritos - questoes 803 a 805 - igualdade natural e desigualdade d...
 
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
Anjos Guardioes Protetores - Livro dos Espiritos - Questoes 489-521 / O Evang...
 
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
(BOA NOVA) 26 - A Negacao de pedro
 
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
(BOA NOVA) 24 - A Ilusao do Discipulo
 
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
(BOA NOVA) 20 - Maria de Magdala
 
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
(BOA NOVA) 19 - Comunhao com Deus
 
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
(BOA NOVA) 16 - O testemunho de Tome
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicao
 
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
(BOA NOVA) 11 - O Sermao do Monte
 
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samariaBoa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
Boa Nova, Cap 17, Jesus na samaria
 
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...Livro dos espiritos   questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
Livro dos espiritos questoes 667 e 668 - politeismo + bem-aventurados os po...
 
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of ExistencesThe Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
The Spirits Book Chapter IV - Plurality of Existences
 
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book,   Chap I (part two) - spirit-worldSpirits book,   Chap I (part two) - spirit-world
Spirits book, Chap I (part two) - spirit-world
 
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits Spirits book,   Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
Spirits book, Chap I (part two) - Hierarchy and Progression of Spirits
 
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova,   Cap 12 - Amor e RenunciaBoa nova,   Cap 12 - Amor e Renuncia
Boa nova, Cap 12 - Amor e Renuncia
 
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
Spirits book, Chap III gospel ac. spiritism - Chap III (the creation of many ...
 
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...Livro dos espiritos   cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
Livro dos espiritos cap. vi questoes 742 - 745 - flagelos destruidores: gue...
 
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
Livro dos Espiritos Questões 766 768 - lei de sociedade + Evangelho Segundo o...
 
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...
Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...Livro dos Espíritos Questões 790  a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo -  ...
Livro dos Espíritos Questões 790 a 793 + Evangelho Segundo o Espiritismo - ...
 

Último

ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
Nilson Almeida
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
André Luiz Marques
 

Último (15)

ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
 

(Boa nova), Cap 8, Bom Animo

  • 1. BARTOLOMEUBoa Nova - Humberto de Campos Dubai, 06 de Agosto, 2017 Bom ânimo 1
  • 6. 6 – Mestre – exclamou, timidamente –, não saberia nunca explicar-vos o porquê de minhas tristezas amargurosas. Só sei dizer que o vosso Evangelho me enche de esperanças para o Reino de luz que nos espera os corações, além, nas alturas... Quando esclarecestes que o vosso Reino não é deste mundo, experimentei uma nova coragem para atravessar as misérias do caminho da Terra, pois, aqui, o selo do mal parece obscurecer as coisas mais puras!... Por toda parte, é o triunfo do crime, o jogo das ambições, a colheita dos desenganos!..
  • 7. 7 – A nossa Doutrina, entretanto, é a do Evangelho ou da Boa Nova e já viste, Bartolomeu, uma boa notícia não produzir alegria? Fazes bem, conservando a tua esperança em face dos novos ensinamentos, mas não quero senão acender o bom ânimo no espírito dos meus discípulos. Se já tive ocasião de ensinar que o meu Reino ainda não é deste mundo, isso não quer dizer que eu desdenhe o trabalho de estendê-lo, um dia, aos corações que mourejam na Terra. Achas, então, que eu teria vindo a este mundo, sem essa certeza confortadora?
  • 8. 8 O Evangelho terá de florescer, primeiramente, na alma das criaturas, antes de frutificar para o espírito dos povos. No entanto, venho de meu Pai, cheio de fortaleza e confiança, e a minha mensagem há de proporcionar grande júbilo a quantos a receberem de coração.
  • 9. 9 – A vida terrestre é uma estrada prodigiosa, que conduz aos braços amorosos de Deus. O trabalho é a marcha. A luta comum é a caminhada de cada dia. Os instantes deliciosos da manhã e as horas noturnas de serenidade são os pontos de repouso, mas ouve-me bem: na atividade ou no descanso físico, a oportunidade de uma hora, de uma leve ação, de uma palavra humilde, é o convite de nosso Pai para que semeemos as suas bênçãos sacrossantas.
  • 10. 10 – Mestre, os vossos esclarecimentos dissipam os meus pesares, mas o Evangelho exige de nós a fortaleza permanente? – A Verdade não exige: transforma. O Evangelho não poderia reclamar estados especiais de seus discípulos; porém, é preciso considerar que a alegria, a coragem e a esperança devem ser traços constantes de suas atividades em cada dia. Por que nos firmarmos no pesadelo de uma hora, se conhecemos a realidade gloriosa da eternidade com o nosso Pai?
  • 11. 11 – E quando os negócios do mundo nos são adversos? E quando tudo parece em luta contra nós?
  • 12. 12 – Qual o melhor negócio do mundo, Bartolomeu? Será a aventura que se efetua a peso de ouro, muita vez amordaçando-se o coração e a consciência, para aumentar as preocupações da vida material, ou a iluminação definitiva da alma para Deus, que se realiza tão só pela boa vontade do homem, que deseje marchar para o seu amor, por entre as luzes do caminho? Não será a adversidade nos negócios do mundo um convite amigo para a criatura semear com mais amor, um apelo indireto que a arranque às ilusões da Terra para as verdades do Reino de Deus?
  • 13. 13 – Mestre, e não será justificável a tristeza quando perdemos um ente amado? Bartolomeu guardou aquela resposta no coração, não, todavia, sem experimentar certa estranheza. E logo, lembrando-se de que sua progenitora partira, havia pouco tempo, para a sombra do túmulo, interpelou ainda, ansioso:
  • 14. 14 – Mas quem estará perdido, se Deus é o Pai de todos nós?... Se os que estão sepultados no lodo dos crimes hão de vislumbrar, um dia, a alvorada da redenção, por que lamentarmos, em desespero, o amigo que partiu ao chamado do Todo-Poderoso? A morte do corpo abre as portas de um mundo novo para a alma. Ninguém fica verdadeiramente órfão sobre a Terra, como nenhum ser está abandonado, porque tudo é de Deus e todos somos seus filhos. Eis por que todo discípulo do Evangelho tem de ser um semeador de paz e de alegria!...
  • 15. 15 “Fundamentalmente considerada, a dor é uma lei de equilíbrio e educação. Sem dúvida, as falhas do passado recaem sobre nós com todo o seu peso e determinam as condições de nosso destino. O sofrimento não é, muitas vezes, mais do que a repercussão das violações da ordem eterna cometidas; mas, sendo partilha de todos, deve ser considerado como necessidade de ordem geral, como agente de desenvolvimento, condições do progresso. Todos os seres têm de, por sua vez, passar por ele. Sua ação é benfazeja para quem sabe compreendê-lo, mas somente podem compreendê-lo aqueles que lhe sentiram os poderosos efeitos.” “A DOR”
  • 16. 16 A corrigenda é sempre rude, desagradável, amargurosa; mas, naqueles que lhe aceitam a luz, resulta sempre em frutos abençoados de experiência, conhecimento, compreensão e justiça. (…) O problema da felicidade pessoal, por isso mesmo, nunca será resolvido pela fuga ao processo reparador. (…) A dor e o obstáculo, o trabalho e a luta são recursos de sublimação que nos compete aproveitar. “ACEITA A CORREÇÃO”
  • 17. O RETORNO AO LAR 17
  • 18. O RETORNO AO LAR 18 Bartolomeu começou a recordar as razões de suas tristezas intraduzíveis, mas, com surpresa, não mais as encontrou no coração. Lembrava-se de haver perdido a afetuosa progenitora; refletiu, porém, com mais amplitude, quanto aos desígnios da Providência divina. Deus não lhe era pai e mãe nos céus? Recordou os contratempos da vida e ponderou que seus irmãos pelo sangue o aborreciam e caluniavam. Entretanto, Jesus não lhe era um irmão generoso e sincero? Passou em revista os insucessos materiais. Contudo, que eram as suas pescarias ou a avareza dos negociantes de Betsaida e de Cafarnaum, comparados à luz do Reino de Deus, que ele trabalhava por edificar no coração?
  • 19. O RETORNO AO LAR 19
  • 20. O RETORNO AO LAR 20 “Não conseguindo esclarecê-los, guardou os bens do silêncio e achou-se na posse de uma alegria nova.”
  • 21. “A ideia que fazemos da felicidade e da desgraça, da alegria e da dor, varia ao infinito segundo a evolução individual. 21
  • 24. A PREGAÇÃO NO DIA SEGUINTE 24 “o Reino dos céus é semelhante a um tesouro que, oculto num campo, foi achado e escondido por um homem que, movido de gozo, vendeu tudo o que possuía e comprou aquele campo”.
  • 25. A PREGAÇÃO NO DIA SEGUINTE 25 Nesse instante, o olhar do Mestre pousou sobre Bartolomeu, que o contemplava, embevecido; (…) Enviando a Jesus um olhar de amor e reconhecimento, Bartolomeu limpou uma lágrima. Era a primeira vez que chorava de alegria. O pescador de Dalmanuta aderira, para sempre, aos eternos júbilos do Evangelho do Reino.
  • 26. 26 Assevera Jesus que se nos dispomos a encontrá-lo, é preciso renunciar a nós mesmos e tomar nossa cruz.
  • 27. 27 Os fardos que nos cabem transportar, a fim de que venhamos a merecer o convívio do Mestre, bastas vezes contêm as dores das grandes separações, as farpas do desencanto, as provações em família, os sacrifícios mudos, em que os entes amados nos pedem largos períodos de aflição, os desastres do plano físico que nos cortam a alma, o abandono daqueles mesmos que nos baseavam todas as esperanças, o cativeiro a compromissos pela sustentação da harmonia comum, as tarefas difíceis, em cuja execução, quase sempre, somos constrangidos a marchar, aguardando debalde (inutilmente) o concurso (ajuda) alheio.
  • 28. 28 (…)Sendo divino em sua essência, o espirito traz em si a marca do Pai que lhe direciona e orienta na revelação de sua grandeza natural como filho de Deus, expressa nas potências da alma, qual espelho refletindo a grandeza primeira que o impressionou. (…)
  • 29. “ Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” Mateus 11:28-30 29
  • 30. BARTOLOMEUBoa Nova - Humberto de Campos Dubai, 06 de Agosto, 2017 Bom ânimo 30
  • 31. Dubai, 30 de Julho, 2017 31