SlideShare uma empresa Scribd logo
Bloco K
Abril de 2015
Agenda
Câmara
do Japão
►Breve histórico
►Estrutura
►“Road blocks”
►Framework sugerido
►Evolução das autuações
►Perguntas
Breve histórico
BLOCO K
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
4
Breve histórico - Timeline
BLOCO K
2016
2015
2013
2009
2006
2001
1995
1970
Instituição do Bloco K
Obrigatoriedade do Bloco K
Previsão inicial da obrigatoriedade do Bloco K
Processamento eletrônico de dados
Obrigatoriedade da EFD
Controle de estoque e insumos relacionados – IN 86
SINIEF: Registro de controle de produção e estoque
Instituição da EFD
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
5
Breve histórico - Bloco K
BLOCO K
► O Livro “P3” é substituído pela EFD
► A IN86/01 fica mantida caso o contribuinte seja
intimado a entregar:
►4.5.1 – Controle de Estoque
►4.6.1 – Insumos relacionados
► A entrega do Bloco K dispensa a escrituração do
Livro Registro de Controle da Produção e do
Estoque (P3)
O Bloco K não contém informações de valor, ao
contrário do registro 4.5.1 do Ato Cofis 25/10 da
IN86/01 e do Bloco H que requerem quantidade e
valor unitário
Abertura ao Fisco de
todo o processo
produtivo e acesso a
movimentação
completa de cada
item de estoque,
possibilitando o
cruzamento
quantitativo dos
saldos apurados de
estoque informados no
Livro de Inventário
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
6
Breve histórico - Controles da Produção e Estoque
BLOCO K
BLOCO K
Controle quantitativo de
movimentação mercadorias.
MENSAL*
BLOCO H
Controle quantitativo e de custos de
movimentação de mercadorias
ANUAL*
EFD
CONVERGÊNCIA
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
7
Breve histórico - Blocos do SPED Fiscal
BLOCO K
Bloco Descrição Vigência
0 Abertura, Identificação e Referências
01/06/08
C Documentos Fiscais I - Mercadorias (ICMS/IPI)
D Documentos Fiscais II - Serviços (ICMS)
E Apuração do ICMS e do IPI
H Inventário Físico
I Outras Informações
9 Controle e Encerramento do Arquivo
G Crédito de ICMS do Ativo Permanente - CIAP 01/01/11
K Controle da Produção e do estoque 01/01/16
Estrutura do Bloco K
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
9
Blocos H e K - Controles da Produção e Estoque
BLOCO K
Bloco K
K001
Abertura
K100
Per. Apuração
K200
Estoque
Escriturado
K220
Movimentações
Internas
K230
Itens Produzidos
K235
Insumos
Consumidos
K250
Itens Produzidos por
Terceiros
K255
Itens Consumidos
por Terceiros
0200
Tabela de Identificação
do Item
0210
Consumo Específico
Padronizado
Bloco H
ECD
CPC26
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
No Registro 0210
deverá ser informada
a relação dos insumos
ou componentes
necessários para a
produção de uma
unidade do produto
10 BLOCO K
No Campo Descrição
01 REG Texto fixo “0210”
02 Cod_Item_Comp Código do item
03 QTD_COMP
Quant. do item para se produzir uma
unidade de item
04 PERDA *
Perda/quebra normal % do insumo
para se produzir
* Será relacionado com a dedutibilidade do IRPJ ?
* Possível questionamento das perdas com divergência de
consumo e sua efetiva relação ao processo produtivo: pode
acarretar em ajustes de inventário (baixas de estoque) e
necessidade do estorno dos créditos de ICMS e IPI
Registro 0210: Consumo específico padronizado
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
11 BLOCO K
Registro 0210: Consumo específico padronizado
No Registro 0210,
deverão ser informados
os insumos
interdependentes, que
são aqueles cujo
aumento da
participação de um
resulta na diminuição
da participação de
outro insumo.
Para exemplificar, consideremos uma mesma matéria
prima que é controlada por três diferentes códigos:
Insumo
Nacional
Fornecedor 1
Insumo
Nacional
Fornecedor 2
Insumo
Importado
Para preenchimento do registro 0210, deverá ser escolhido
um dos três insumos para relacionar como composição do
produto acabado. O critério de escolha pode ser
determinado pela empresa, considerando fatores como
maior volume, maior frequência, ou outro critério.
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
No Registro K200
deverão ser
informados os tipos de
materiais
00 – Revenda
01 – Matéria Prima
02 – Embalagem
03 – Processo
04 – Acabado
05 – Subproduto
10 – Outros Insumos
12 BLOCO K
No registro K220 devem ser apresentadas apenas as
movimentações internas não relacionadas à produção
acabada e consumo no processo produtivo. Como
exemplo, a empresa precisa verificar se realiza
ajuste/alteração do código do item em função de seus
compradores.
►Além do tipo de material, deverá ser informado neste
registro a quantidade, e o tipo de estoque (próprio, de
3os ou em 3os).
►Quando necessário movimentar quantidades de um
código para outro, deve ser utilizado o registro K220.
Registro K200: Estoque escriturado
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
No Registro K230
deverão ser
informados os itens
produzidos –
produção acabada,
conforme ordens de
produção
13 BLOCO K
Pela data de conclusão, será possível controlar o que
está em processo produtivo e o que já foi acabado.
Deverá existir mesmo que a quantidade de produção
acabada seja igual a zero, nas situações em que
exista o consumo de item no registro filho K235. Nessa
situação a produção permanece em elaboração.
As informações solicitadas neste registro são:
►Número da ordem de produção
►Data de início e de fim
►Código do material e Quantidade
Registro K230: Itens produzidos
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
No Registro K250
deverão ser
informados os itens
produzidos – por
terceiros, conforme
identificação do item
produzido
14 BLOCO K
As informações solicitadas neste registro são:
►Data do reconhecimento da produção
(compreendida na data de apuração)
►Código do material
►Quantidade (quant. que retornou do 3o)
A data do reconhecimento da produção não está vinculada a data de
entrada da Nota Fiscal.
Não existem campos para controle dos serviços realizados pelos
terceiros.
Relacionado ao K250 está o registro K255 (Insumos Consumidos),
para identificação dos itens consumidos para o produzido.
Registro K250: Itens produzidos – por terceiros
“Road
blocks”
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
16
“Road blocks” - Contexto de controle
BLOCO K
►Ausência ou fragilidade de controles nos processos
►Divergências entre as ordens de produção e itens produzidos
►Problemas sistêmicos (migração de dados, implementação indevida de
parametrizações, atualização de patches ou novos produtos, ajustes manuais).
►Divergências entre inventário e movimentação de entrada e saída
►Divergências entre estoque físico e documentos fiscais
►Divergências e conversões de unidades de medida. Estoque negativo
►Convergência das informações dos Blocos H e K com os demais blocos do SPED
►Falta de controle de estoque/produção em poder de terceiros
►Exposição da composição ou fórmula do produto; e grau de detalhamento da
composição do produto
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
17
“Road blocks” - Contexto de integração
BLOCO K
CONTÁBIL
COMPRAS TI
CADASTRO
DE ITENS
CONTROLE DA
PRODUÇÃO
ESTOQUE
SPED
FISCAL
BLOCO K
FISCAL
“Uma mudança
cultural que resulta na
melhoria do controle
sobre os processos da
empresa”
Framework Sugerido
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
19
Framework Sugerido
BLOCO K
Gaps e impactos tributários Roadmap de
implementação
Recomendações melhoria
Avaliar status, sinalizar
pontos de impactos
tributários
Identificar oportunidades
de melhoria
Planejar implementação
Realizar os
testes dos
arquivos EFD
com o Bloco
K
ObjetivosFasesResultados
Fase 1
Diagnóstico/Desenho
Fase 2
Implementação
Fase 3
Testes
Interfaces e
documentação
Codificar e Testar
Relatório de
ocorrências
Sumário
Executivo
Evolução das autuações
fiscais
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
21 BLOCO K
Fonte: Plano Anual da Fiscalização 2015 - RFB.
Evolução dos valores autuados pela Receita Federal
Perguntas
Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil
23
Contatos
Rodrigo Otero
Diretor – Indirect Tax
Tel: (11) 2573-3517
rodrigo.otero@br.ey.com
Marina Mori
Gerente Sênior - Indirect Tax
Tel: (11) 2573-5874
marina.mori@br.ey.com
EY | Auditoria | Impostos | Transações Corporativas | Consultoria
Sobre a EY
A EY é líder global em serviços de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e Consultoria. Nossos
insights e os serviços de qualidade que prestamos ajudam a criar confiança nos mercados de capitais e
nas economias ao redor do mundo. Desenvolvemos líderes excepcionais que trabalham em equipe para
cumprir nossos compromissos perante todas as partes interessadas. Com isso, desempenhamos papel
fundamental na construção de um mundo de negócios melhor para nossas pessoas, nossos clientes e
nossas comunidades.
No Brasil, a EY é a mais completa empresa de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e
Consultoria, com 5.000 profissionais que dão suporte e atendimento a mais de 3.400 clientes de
pequeno, médio e grande portes.
Em 2012, a EY Brasil tornou-se Apoiadora Oficial dos Jogos Olímpicos Rio 2016TM e fornecedora
exclusiva de serviços de Consultoria para o Comitê Organizador. O alinhamento dos valores do
Movimento Olímpico e da EY foi decisivo nessa iniciativa.
EY refere-se à organização global e pode referir-se também a uma ou mais firmas-membro da Ernst &
Young Global Limited (EYG), cada uma das quais é uma entidade legal independente. A Ernst &
Young Global Limited, companhia privada constituída no Reino Unido e limitada por garantia, não
presta serviços a clientes. Para mais informações sobre nossa organização, visite ey.com.br.
© 2015 EYGM Limited. Todos os direitos reservados.
www.ey.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Bloco K
Apresentação Bloco KApresentação Bloco K
Apresentação Bloco K
Julio Rivero
 
EFD ICMS/IPI - Bloco K
EFD ICMS/IPI - Bloco KEFD ICMS/IPI - Bloco K
EFD ICMS/IPI - Bloco K
Edgar Gonçalves
 
Geração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do Estoque
Geração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do EstoqueGeração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do Estoque
Geração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do Estoque
Edgar Gonçalves
 
Apresentação Cicluss SPED EFD Bloco K
Apresentação Cicluss SPED EFD Bloco KApresentação Cicluss SPED EFD Bloco K
Apresentação Cicluss SPED EFD Bloco K
Eliton Luiz de Assis
 
Apresentacao EFD PIS-COFINS
Apresentacao EFD PIS-COFINSApresentacao EFD PIS-COFINS
Apresentacao EFD PIS-COFINS
TOTVS Connect
 
Apresentação EFD - PIS COFINS
Apresentação EFD - PIS COFINSApresentação EFD - PIS COFINS
Apresentação EFD - PIS COFINS
TOTVS Connect
 
Apresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoque
Apresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoqueApresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoque
Apresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoque
Alexandre Oliveira Barbosa
 
Papo de produção #2: Bloco K do SPED Fiscal
Papo de produção #2: Bloco K do SPED FiscalPapo de produção #2: Bloco K do SPED Fiscal
Papo de produção #2: Bloco K do SPED Fiscal
Nomus Software Industrial
 
Webseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar já
Webseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar jáWebseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar já
Webseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar já
Nomus Software Industrial
 
FARO - BLOCO K
FARO - BLOCO K FARO - BLOCO K
FARO - BLOCO K
Eduardo da Fonte
 
Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)
Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)
Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)
Infofisco
 
Palestra sped fiscal
Palestra sped fiscalPalestra sped fiscal
Palestra sped fiscal
Danilo Ferreira
 
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPITOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Connect
 
Sped fiscal
Sped fiscalSped fiscal
Sped fiscal
Adelly27
 
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração DigitalSped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Nilton Maciel
 
BLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITAL
BLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITALBLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITAL
BLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITAL
Lauro Jorge Prado
 
Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1
Cezar Maciel
 
Bloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped Fiscal
Bloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped FiscalBloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped Fiscal
Bloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped Fiscal
Linx
 
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciaisCurso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Professor Edgar Madruga
 
2 forum sped fabio almeida
2 forum sped   fabio almeida2 forum sped   fabio almeida
2 forum sped fabio almeida
Professor Edgar Madruga
 

Mais procurados (20)

Apresentação Bloco K
Apresentação Bloco KApresentação Bloco K
Apresentação Bloco K
 
EFD ICMS/IPI - Bloco K
EFD ICMS/IPI - Bloco KEFD ICMS/IPI - Bloco K
EFD ICMS/IPI - Bloco K
 
Geração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do Estoque
Geração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do EstoqueGeração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do Estoque
Geração do Bloco K no SPED Fiscal: Registro de Controle da Produção e do Estoque
 
Apresentação Cicluss SPED EFD Bloco K
Apresentação Cicluss SPED EFD Bloco KApresentação Cicluss SPED EFD Bloco K
Apresentação Cicluss SPED EFD Bloco K
 
Apresentacao EFD PIS-COFINS
Apresentacao EFD PIS-COFINSApresentacao EFD PIS-COFINS
Apresentacao EFD PIS-COFINS
 
Apresentação EFD - PIS COFINS
Apresentação EFD - PIS COFINSApresentação EFD - PIS COFINS
Apresentação EFD - PIS COFINS
 
Apresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoque
Apresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoqueApresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoque
Apresentação Sped com ênfase no controle de produção e estoque
 
Papo de produção #2: Bloco K do SPED Fiscal
Papo de produção #2: Bloco K do SPED FiscalPapo de produção #2: Bloco K do SPED Fiscal
Papo de produção #2: Bloco K do SPED Fiscal
 
Webseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar já
Webseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar jáWebseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar já
Webseminário: Bloco K - 11 processos para sua indústria se preparar já
 
FARO - BLOCO K
FARO - BLOCO K FARO - BLOCO K
FARO - BLOCO K
 
Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)
Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)
Curso Sped Contribuições (PIS/COFINS)
 
Palestra sped fiscal
Palestra sped fiscalPalestra sped fiscal
Palestra sped fiscal
 
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPITOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
 
Sped fiscal
Sped fiscalSped fiscal
Sped fiscal
 
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração DigitalSped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
 
BLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITAL
BLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITALBLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITAL
BLOCO K, RIGOR NA FISCALIZAÇÃO DIGITAL
 
Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1Manual sped csm versao1
Manual sped csm versao1
 
Bloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped Fiscal
Bloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped FiscalBloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped Fiscal
Bloco K: entenda a nova obrigatoriedade do Sped Fiscal
 
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciaisCurso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
 
2 forum sped fabio almeida
2 forum sped   fabio almeida2 forum sped   fabio almeida
2 forum sped fabio almeida
 

Semelhante a Bloco K

Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015
Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015
Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015
Fernando Palhares
 
Bloco k
Bloco kBloco k
GlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINS
GlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINSGlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINS
GlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINS
GlobalDox
 
e-Book: Entendendo o Bloco K
e-Book: Entendendo o Bloco Ke-Book: Entendendo o Bloco K
e-Book: Entendendo o Bloco K
ASIS Projetos
 
Apresentacao blocok ibef17-6-15-pwc
Apresentacao blocok ibef17-6-15-pwcApresentacao blocok ibef17-6-15-pwc
Apresentacao blocok ibef17-6-15-pwc
Leonardo Collaça
 
Bloco k
Bloco kBloco k
Bloco K
Bloco KBloco K
Bloco K
Jose Nunes
 
SAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO K
SAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO KSAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO K
SAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO K
Martcom Digital
 
SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7
SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7
SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7
Roberto Dias Duarte
 
I Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José Adriano
I Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José AdrianoI Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José Adriano
I Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José Adriano
Jose Adriano Pinto
 
Bloco K entrevista Tânia Gurgel
Bloco K entrevista Tânia GurgelBloco K entrevista Tânia Gurgel
Bloco K entrevista Tânia Gurgel
Tania Gurgel
 
Soluções Fiscais SAP
Soluções Fiscais SAPSoluções Fiscais SAP
Soluções Fiscais SAP
Jose Nunes
 
Manual sped fiscal_1
Manual sped fiscal_1Manual sped fiscal_1
Manual sped fiscal_1
Pasquale Neto
 
Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011
Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011
Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011
Fernando Oliveira
 
Pinga fogo 16 03 2011 sped fiscal
Pinga fogo 16 03 2011  sped fiscalPinga fogo 16 03 2011  sped fiscal
Pinga fogo 16 03 2011 sped fiscal
FeconMG
 
Guia Prático EFD Versão 2.0.8
Guia Prático EFD Versão 2.0.8Guia Prático EFD Versão 2.0.8
Guia Prático EFD Versão 2.0.8
Fernando Oliveira
 
Guia pratico efd_versao_2_0_8
Guia pratico efd_versao_2_0_8Guia pratico efd_versao_2_0_8
Guia pratico efd_versao_2_0_8
Fernando Oliveira
 
Totvs sped pis cofins
Totvs sped pis cofinsTotvs sped pis cofins
Totvs sped pis cofins
Luiz Gustavo Padrão França
 
ECF – Desafios
ECF – DesafiosECF – Desafios
ECF – Desafios
Edgar Gonçalves
 
Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012
Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012
Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012
Roberto Dias Duarte
 

Semelhante a Bloco K (20)

Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015
Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015
Apresentação sobre BLOCO K no Senai Cascavel 2015
 
Bloco k
Bloco kBloco k
Bloco k
 
GlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINS
GlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINSGlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINS
GlobalDox - Mapeando SPED PIS e COFINS
 
e-Book: Entendendo o Bloco K
e-Book: Entendendo o Bloco Ke-Book: Entendendo o Bloco K
e-Book: Entendendo o Bloco K
 
Apresentacao blocok ibef17-6-15-pwc
Apresentacao blocok ibef17-6-15-pwcApresentacao blocok ibef17-6-15-pwc
Apresentacao blocok ibef17-6-15-pwc
 
Bloco k
Bloco kBloco k
Bloco k
 
Bloco K
Bloco KBloco K
Bloco K
 
SAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO K
SAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO KSAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO K
SAGE | IOB CORPORATE - MAPEAMENTO DE RISCOS - BLOCO K
 
SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7
SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7
SPED: EFD ICMS/IPI: Guia Prático versão 2.0.7
 
I Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José Adriano
I Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José AdrianoI Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José Adriano
I Fórum Mineiro de Sped - Bloco K do SPED Fiscal com José Adriano
 
Bloco K entrevista Tânia Gurgel
Bloco K entrevista Tânia GurgelBloco K entrevista Tânia Gurgel
Bloco K entrevista Tânia Gurgel
 
Soluções Fiscais SAP
Soluções Fiscais SAPSoluções Fiscais SAP
Soluções Fiscais SAP
 
Manual sped fiscal_1
Manual sped fiscal_1Manual sped fiscal_1
Manual sped fiscal_1
 
Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011
Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011
Guia Prático EFD – Versão 2.0.7 Atualização: dezembro de 2011
 
Pinga fogo 16 03 2011 sped fiscal
Pinga fogo 16 03 2011  sped fiscalPinga fogo 16 03 2011  sped fiscal
Pinga fogo 16 03 2011 sped fiscal
 
Guia Prático EFD Versão 2.0.8
Guia Prático EFD Versão 2.0.8Guia Prático EFD Versão 2.0.8
Guia Prático EFD Versão 2.0.8
 
Guia pratico efd_versao_2_0_8
Guia pratico efd_versao_2_0_8Guia pratico efd_versao_2_0_8
Guia pratico efd_versao_2_0_8
 
Totvs sped pis cofins
Totvs sped pis cofinsTotvs sped pis cofins
Totvs sped pis cofins
 
ECF – Desafios
ECF – DesafiosECF – Desafios
ECF – Desafios
 
Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012
Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012
Palestra da RFB sobre EFD-Contribuiçóes - junho 2012
 

Mais de Edgar Gonçalves

Substituição Tributária do ICMS/SP
Substituição Tributária do ICMS/SPSubstituição Tributária do ICMS/SP
Substituição Tributária do ICMS/SP
Edgar Gonçalves
 
RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)
RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)
RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)
Edgar Gonçalves
 
A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação
A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de TransformaçãoA Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação
A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação
Edgar Gonçalves
 
Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'
Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'
Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'
Edgar Gonçalves
 
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMSEmenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Edgar Gonçalves
 
NOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP
NOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEPNOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP
NOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP
Edgar Gonçalves
 
Maturidade do Compliance no Brasil
Maturidade do Compliance no BrasilMaturidade do Compliance no Brasil
Maturidade do Compliance no Brasil
Edgar Gonçalves
 
ECF/ECD - Infográfico
ECF/ECD - InfográficoECF/ECD - Infográfico
ECF/ECD - Infográfico
Edgar Gonçalves
 
Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015
Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015
Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015
Edgar Gonçalves
 
DRAWBACK
DRAWBACKDRAWBACK
DCTF Web
DCTF WebDCTF Web
BIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outros
BIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outrosBIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outros
BIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outros
Edgar Gonçalves
 
OEA - Operador Economico Autorizado
OEA - Operador Economico AutorizadoOEA - Operador Economico Autorizado
OEA - Operador Economico Autorizado
Edgar Gonçalves
 
Construindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimentoConstruindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimento
Edgar Gonçalves
 
Desafios do Contencioso
Desafios do ContenciosoDesafios do Contencioso
Desafios do Contencioso
Edgar Gonçalves
 
Aspectos Tributários no Comércio Exterior de Serviços
Aspectos Tributários no Comércio Exterior de ServiçosAspectos Tributários no Comércio Exterior de Serviços
Aspectos Tributários no Comércio Exterior de Serviços
Edgar Gonçalves
 
Entendendo o eSocial
Entendendo o eSocialEntendendo o eSocial
Entendendo o eSocial
Edgar Gonçalves
 
Alterações no SPED para 2015
Alterações no SPED para 2015Alterações no SPED para 2015
Alterações no SPED para 2015
Edgar Gonçalves
 
SISCOSERV
SISCOSERVSISCOSERV
SISCOSERV
Edgar Gonçalves
 
Recentes decisões sobre responsabilidade tributária
Recentes decisões sobre responsabilidade tributáriaRecentes decisões sobre responsabilidade tributária
Recentes decisões sobre responsabilidade tributária
Edgar Gonçalves
 

Mais de Edgar Gonçalves (20)

Substituição Tributária do ICMS/SP
Substituição Tributária do ICMS/SPSubstituição Tributária do ICMS/SP
Substituição Tributária do ICMS/SP
 
RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)
RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)
RETENÇÃO de TRIBUTOS (IR, PIS, COFINS, CSLL, INSS e ISS)
 
A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação
A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de TransformaçãoA Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação
A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação
 
Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'
Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'
Emenda Constitucional 87/2015 - DIFAL - Perguntas e Respostas'
 
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMSEmenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
Emenda Constitucional 87/2015 - Adequações paulistas à nova legislação do ICMS
 
NOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP
NOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEPNOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP
NOVA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP
 
Maturidade do Compliance no Brasil
Maturidade do Compliance no BrasilMaturidade do Compliance no Brasil
Maturidade do Compliance no Brasil
 
ECF/ECD - Infográfico
ECF/ECD - InfográficoECF/ECD - Infográfico
ECF/ECD - Infográfico
 
Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015
Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015
Painel Escrituração Contábil Fiscal 2015
 
DRAWBACK
DRAWBACKDRAWBACK
DRAWBACK
 
DCTF Web
DCTF WebDCTF Web
DCTF Web
 
BIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outros
BIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outrosBIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outros
BIPBOP - Automação de consultas à CNPJ, CPF e outros
 
OEA - Operador Economico Autorizado
OEA - Operador Economico AutorizadoOEA - Operador Economico Autorizado
OEA - Operador Economico Autorizado
 
Construindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimentoConstruindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimento
 
Desafios do Contencioso
Desafios do ContenciosoDesafios do Contencioso
Desafios do Contencioso
 
Aspectos Tributários no Comércio Exterior de Serviços
Aspectos Tributários no Comércio Exterior de ServiçosAspectos Tributários no Comércio Exterior de Serviços
Aspectos Tributários no Comércio Exterior de Serviços
 
Entendendo o eSocial
Entendendo o eSocialEntendendo o eSocial
Entendendo o eSocial
 
Alterações no SPED para 2015
Alterações no SPED para 2015Alterações no SPED para 2015
Alterações no SPED para 2015
 
SISCOSERV
SISCOSERVSISCOSERV
SISCOSERV
 
Recentes decisões sobre responsabilidade tributária
Recentes decisões sobre responsabilidade tributáriaRecentes decisões sobre responsabilidade tributária
Recentes decisões sobre responsabilidade tributária
 

Bloco K

  • 2. Agenda Câmara do Japão ►Breve histórico ►Estrutura ►“Road blocks” ►Framework sugerido ►Evolução das autuações ►Perguntas
  • 4. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 4 Breve histórico - Timeline BLOCO K 2016 2015 2013 2009 2006 2001 1995 1970 Instituição do Bloco K Obrigatoriedade do Bloco K Previsão inicial da obrigatoriedade do Bloco K Processamento eletrônico de dados Obrigatoriedade da EFD Controle de estoque e insumos relacionados – IN 86 SINIEF: Registro de controle de produção e estoque Instituição da EFD
  • 5. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 5 Breve histórico - Bloco K BLOCO K ► O Livro “P3” é substituído pela EFD ► A IN86/01 fica mantida caso o contribuinte seja intimado a entregar: ►4.5.1 – Controle de Estoque ►4.6.1 – Insumos relacionados ► A entrega do Bloco K dispensa a escrituração do Livro Registro de Controle da Produção e do Estoque (P3) O Bloco K não contém informações de valor, ao contrário do registro 4.5.1 do Ato Cofis 25/10 da IN86/01 e do Bloco H que requerem quantidade e valor unitário Abertura ao Fisco de todo o processo produtivo e acesso a movimentação completa de cada item de estoque, possibilitando o cruzamento quantitativo dos saldos apurados de estoque informados no Livro de Inventário
  • 6. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 6 Breve histórico - Controles da Produção e Estoque BLOCO K BLOCO K Controle quantitativo de movimentação mercadorias. MENSAL* BLOCO H Controle quantitativo e de custos de movimentação de mercadorias ANUAL* EFD CONVERGÊNCIA
  • 7. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 7 Breve histórico - Blocos do SPED Fiscal BLOCO K Bloco Descrição Vigência 0 Abertura, Identificação e Referências 01/06/08 C Documentos Fiscais I - Mercadorias (ICMS/IPI) D Documentos Fiscais II - Serviços (ICMS) E Apuração do ICMS e do IPI H Inventário Físico I Outras Informações 9 Controle e Encerramento do Arquivo G Crédito de ICMS do Ativo Permanente - CIAP 01/01/11 K Controle da Produção e do estoque 01/01/16
  • 9. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 9 Blocos H e K - Controles da Produção e Estoque BLOCO K Bloco K K001 Abertura K100 Per. Apuração K200 Estoque Escriturado K220 Movimentações Internas K230 Itens Produzidos K235 Insumos Consumidos K250 Itens Produzidos por Terceiros K255 Itens Consumidos por Terceiros 0200 Tabela de Identificação do Item 0210 Consumo Específico Padronizado Bloco H ECD CPC26
  • 10. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil No Registro 0210 deverá ser informada a relação dos insumos ou componentes necessários para a produção de uma unidade do produto 10 BLOCO K No Campo Descrição 01 REG Texto fixo “0210” 02 Cod_Item_Comp Código do item 03 QTD_COMP Quant. do item para se produzir uma unidade de item 04 PERDA * Perda/quebra normal % do insumo para se produzir * Será relacionado com a dedutibilidade do IRPJ ? * Possível questionamento das perdas com divergência de consumo e sua efetiva relação ao processo produtivo: pode acarretar em ajustes de inventário (baixas de estoque) e necessidade do estorno dos créditos de ICMS e IPI Registro 0210: Consumo específico padronizado
  • 11. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 11 BLOCO K Registro 0210: Consumo específico padronizado No Registro 0210, deverão ser informados os insumos interdependentes, que são aqueles cujo aumento da participação de um resulta na diminuição da participação de outro insumo. Para exemplificar, consideremos uma mesma matéria prima que é controlada por três diferentes códigos: Insumo Nacional Fornecedor 1 Insumo Nacional Fornecedor 2 Insumo Importado Para preenchimento do registro 0210, deverá ser escolhido um dos três insumos para relacionar como composição do produto acabado. O critério de escolha pode ser determinado pela empresa, considerando fatores como maior volume, maior frequência, ou outro critério.
  • 12. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil No Registro K200 deverão ser informados os tipos de materiais 00 – Revenda 01 – Matéria Prima 02 – Embalagem 03 – Processo 04 – Acabado 05 – Subproduto 10 – Outros Insumos 12 BLOCO K No registro K220 devem ser apresentadas apenas as movimentações internas não relacionadas à produção acabada e consumo no processo produtivo. Como exemplo, a empresa precisa verificar se realiza ajuste/alteração do código do item em função de seus compradores. ►Além do tipo de material, deverá ser informado neste registro a quantidade, e o tipo de estoque (próprio, de 3os ou em 3os). ►Quando necessário movimentar quantidades de um código para outro, deve ser utilizado o registro K220. Registro K200: Estoque escriturado
  • 13. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil No Registro K230 deverão ser informados os itens produzidos – produção acabada, conforme ordens de produção 13 BLOCO K Pela data de conclusão, será possível controlar o que está em processo produtivo e o que já foi acabado. Deverá existir mesmo que a quantidade de produção acabada seja igual a zero, nas situações em que exista o consumo de item no registro filho K235. Nessa situação a produção permanece em elaboração. As informações solicitadas neste registro são: ►Número da ordem de produção ►Data de início e de fim ►Código do material e Quantidade Registro K230: Itens produzidos
  • 14. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil No Registro K250 deverão ser informados os itens produzidos – por terceiros, conforme identificação do item produzido 14 BLOCO K As informações solicitadas neste registro são: ►Data do reconhecimento da produção (compreendida na data de apuração) ►Código do material ►Quantidade (quant. que retornou do 3o) A data do reconhecimento da produção não está vinculada a data de entrada da Nota Fiscal. Não existem campos para controle dos serviços realizados pelos terceiros. Relacionado ao K250 está o registro K255 (Insumos Consumidos), para identificação dos itens consumidos para o produzido. Registro K250: Itens produzidos – por terceiros
  • 16. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 16 “Road blocks” - Contexto de controle BLOCO K ►Ausência ou fragilidade de controles nos processos ►Divergências entre as ordens de produção e itens produzidos ►Problemas sistêmicos (migração de dados, implementação indevida de parametrizações, atualização de patches ou novos produtos, ajustes manuais). ►Divergências entre inventário e movimentação de entrada e saída ►Divergências entre estoque físico e documentos fiscais ►Divergências e conversões de unidades de medida. Estoque negativo ►Convergência das informações dos Blocos H e K com os demais blocos do SPED ►Falta de controle de estoque/produção em poder de terceiros ►Exposição da composição ou fórmula do produto; e grau de detalhamento da composição do produto
  • 17. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 17 “Road blocks” - Contexto de integração BLOCO K CONTÁBIL COMPRAS TI CADASTRO DE ITENS CONTROLE DA PRODUÇÃO ESTOQUE SPED FISCAL BLOCO K FISCAL “Uma mudança cultural que resulta na melhoria do controle sobre os processos da empresa”
  • 19. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 19 Framework Sugerido BLOCO K Gaps e impactos tributários Roadmap de implementação Recomendações melhoria Avaliar status, sinalizar pontos de impactos tributários Identificar oportunidades de melhoria Planejar implementação Realizar os testes dos arquivos EFD com o Bloco K ObjetivosFasesResultados Fase 1 Diagnóstico/Desenho Fase 2 Implementação Fase 3 Testes Interfaces e documentação Codificar e Testar Relatório de ocorrências Sumário Executivo
  • 21. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 21 BLOCO K Fonte: Plano Anual da Fiscalização 2015 - RFB. Evolução dos valores autuados pela Receita Federal
  • 23. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 23 Contatos Rodrigo Otero Diretor – Indirect Tax Tel: (11) 2573-3517 rodrigo.otero@br.ey.com Marina Mori Gerente Sênior - Indirect Tax Tel: (11) 2573-5874 marina.mori@br.ey.com
  • 24. EY | Auditoria | Impostos | Transações Corporativas | Consultoria Sobre a EY A EY é líder global em serviços de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e Consultoria. Nossos insights e os serviços de qualidade que prestamos ajudam a criar confiança nos mercados de capitais e nas economias ao redor do mundo. Desenvolvemos líderes excepcionais que trabalham em equipe para cumprir nossos compromissos perante todas as partes interessadas. Com isso, desempenhamos papel fundamental na construção de um mundo de negócios melhor para nossas pessoas, nossos clientes e nossas comunidades. No Brasil, a EY é a mais completa empresa de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e Consultoria, com 5.000 profissionais que dão suporte e atendimento a mais de 3.400 clientes de pequeno, médio e grande portes. Em 2012, a EY Brasil tornou-se Apoiadora Oficial dos Jogos Olímpicos Rio 2016TM e fornecedora exclusiva de serviços de Consultoria para o Comitê Organizador. O alinhamento dos valores do Movimento Olímpico e da EY foi decisivo nessa iniciativa. EY refere-se à organização global e pode referir-se também a uma ou mais firmas-membro da Ernst & Young Global Limited (EYG), cada uma das quais é uma entidade legal independente. A Ernst & Young Global Limited, companhia privada constituída no Reino Unido e limitada por garantia, não presta serviços a clientes. Para mais informações sobre nossa organização, visite ey.com.br. © 2015 EYGM Limited. Todos os direitos reservados. www.ey.com.br