SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Biossegurança
Profª.Ms. Ana Célia Cavalcante
Lima
2
Objetivo da aula
Após o termino da aula o aluno deverá ser
capaz de:
Definir biossegurança;
Conhecer os riscos de contaminação
hospitalar;
Métodos de higienização;
Conhecer os EPIs, utilizados no hospital
3
Biossegurança
Ciência surgida no século XX, voltada
para o controle e a minimização de
risco advindos da prática de diferentes
tecnologias. (ComissãoTécnica
Nacional de Biossegurança – CTNBio).
4
Biossegurança na Saúde
Significa um conjunto de normas
relativas à segurança do trabalhador
de saúde, submetido ao risco
potencial de acidente com material
ou instrumentos contaminados com
material biológico.
5
Atividade de risco são as capazes de
proporcionar dano, doença ou morte.
RISCO e PERIGO
RISCO é o perigo mediado pelo
conhecimento que se tem da
situação. É o que temos como
prevenir.
PERIGO existe enquanto não se
conhece a situação. É o
desconhecido ou mal conhecido.
6
Biossegurança
No ambiente hospitalar há RISCOS
FÍSICOS , QUÍMICOS e BIOLÓGICOS
e para cada um deles há NORMAS
específicas disponíveis visando
proteger a CLIENTELA dos
estabelecimentos a saber: o paciente,
o trabalhador de saúde, o
acompanhante e a preservação do
meio ambiente.
7
Riscos Físicos (formas de energia como
ruídos, vibrações, pressões anormais,
radiações ionizantes ou não, ultra e infra-
som (NR-09 e NR-15).
Riscos Biológicos: bactérias, fungos,
bacilos, parasitas, protozoários, vírus, etc
(NR- 09)
8
Riscos Químicos (substâncias,
compostos ou produtos que podem
penetrar no organismo por via
respiratória, absorvidos pela pele ou por
ingestão, na forma de gases, vapores,
neblinas, poeiras ou fumos (NR-09, NR-
15 e NR-32).
9
Mais procedimentos nos paciente
Mais tempo com o ambiente
Maior equipe dos servidores de saúde
Equipe de enfermagem: maior nº de
Exposição entre os profissionais
EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS
10
EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS
Os odontólogos também são uma
categoria profissional com grande risco
de exposição a material biológico.
Os estudos mostram que a maioria dos
dentistas (quase 85%) tem pelo menos
uma exposição percutânea a cada
período de cinco anos.
11
EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS
 Médicos = varia com as especialidades.
 Médicos de enfermarias clínicas:
 Exposições percutâneas = 0,5 a 3,0 ao ano;
 Exposições mucocutâneas = 0,5 a 7,0 ao ano
 Médicos cirurgiões:
São estimados 80 a 135 contatos com sangue por
ano, sendo 8 a 15 exposições percutâneas.
12
COMO NOS PROTEGER DURANTE
O TRABALHO EM SAÚDE - Cuidados
PRECAUÇÕES PADRÃO
Lavagem das Mãos
Manipulação de Instrumentos e Materiais
Manipulação de Materiais Cortantes e de
Punção
Ambiente e Equipamentos
Roupas e Campos de Uso no Paciente
Vacinação
13
Manipulação de Instrumentos e
Materiais Cortantes e de Punção
Instrumentos pérfuro-cortantes devem
ser descartados em caixas
apropriadas, rígidas e impermeáveis
que devem ser colocadas próximo a
área em que os materiais são
usados.
14
15
Manipulação de Instrumentos e
Materiais Cortantes e de Punção
 Nunca deve-se reencapar agulhas após o uso.
 Não remover com as mãos agulhas usadas das
seringas descartáveis e não as quebrar ou
entortar.
 Para a reutilização de seringa anestésica
descartável reencapar a agulha introduzindo-a
no interior da tampa e pressionando a tampa ao
encontro da parede da bandeja clínica de forma
a nunca utilizar a mão
16
BIOSSEGURANÇA
17
Como e quando usar luvas?
 Usar luvas de procedimento, não estéril, quando
houver possibilidade de tocar em sangue, fluídos
corporais, membranas mucosas, pele não
íntegra e qualquer item contaminado, de todos
os clientes;
 Lavar as mãos imediatamente após a retirada
das luvas;
 Trocar as luvas entre um procedimento e outro;
 Calçar as luvas imediatamente antes do cuidado
a ser executado, evitando contaminação prévia
das mesmas;
18
 Estando de luvas, não manipule objetos fora do
campo de trabalho;
 Retirar as luvas imediatamente após o término
da atividade;
 Removê-las sem tocar na parte externa das
mesmas;
 Usar luvas adequadas para cada procedimento.
- Luvas cirúrgicas estéreis;
- Luvas de procedimentos não estéreis.
19
Luvas
Luvas de procedimentos
Luvas de borracha
 Luvas cirúrgicas
20
Aventais, máscaras, óculos,
calçados e gorros.
21
O uso do Jaleco
hospitalar é uma
exigência das
Comissões de
Infecções
hospitalares
A MELHOR PREVENÇÃOA MELHOR PREVENÇÃO
É NÃOÉ NÃO
SE ACIDENTAR!SE ACIDENTAR!
BIOSSEGURANÇA
23
Higienização das mãos
24
O QUE É HIGIENIZAÇÃO DAS
MÃOS?
É a medida individual mais simples e
menos dispendiosa para prevenir a
propagação das infecções
relacionadas à assistência à saúde.
Higienização das mãos = lavagem das
mãos
25
Indicação da lavagem das mãos
após tocar fluidos, secreções e itens
contaminados;
após a retirada das luvas;
antes de procedimentos no paciente;
entre contatos com pacientes;
entre procedimentos num mesmo
paciente;
antes e depois de atos fisiológicos;
antes do preparo de soros e medicações.
26
As técnicas de higienização das mãos podem
variar, dependendo do objetivo ao qual se
destinam. Podem ser divididas em:
Higienização simples das mãos.
Higienização anti-séptica das mãos.
Fricção de anti-séptico nas mãos.
Anti-sepsia cirúrgica ou preparo pré-
operatório
A eficácia da higienização das mãos depende
da duração e da técnica empregada.
27
Antes de iniciar qualquer uma dessas
técnicas, é necessário retirar jóias (anéis,
pulseiras, relógio), pois sob tais objetos
podem acumular microrganismos.
(Exigência da NR-32)
28
Higienização Simples das Mãos
Finalidade
Remover os microrganismos que
colonizam as camadas superficiais da
pele, assim como o suor, a oleosidade e
as células mortas, retirando a sujidade
que propícia à permanência e à
proliferação de microrganismos.
Duração do procedimento: 40 a 60 seg.
29
Lavagem das mãos
Na lavagem rotineira das mão o uso de
sabão neutro é o suficiente para a
remoção da sujeira, da flora transitória e
parte da flora residente.
Maior concentração bacteriana: pontas
dos dedos, meio dos dedos e polegares.
30
Higienização Anti-séptica das Mãos
Finalidade
Promover a remoção de sujidades e de
microrganismos, reduzindo a carga
microbiana das mãos, com auxílio de um
anti-séptico.
Duração do procedimento: 40 a 60
segundos
31
Técnica
A técnica de higienização anti-séptica é
igual àquela utilizada para higienização
simples das mãos, substituindo-se o
sabão por um anti-séptico.
 Exemplo: anti-séptico degermante.
32
Fricção anti-séptica das mãos
(com preparações alcoólicas)
Álcool Gel ou álcool glicerinado
Finalidade
 Reduzir a carga microbiana das mãos (não há
remoção de sujidades). A utilização de gel
alcoólico a 70% ou de solução alcoólica a 70%
com 1-3% de glicerina pode substituir a
higienização com água e sabão quando as mãos
não estiverem visivelmente sujas.
 Duração do Procedimento: 20 a 30 segundos.
33
Anti-sepsia das mãos
A anti-sepsia é a utilização de um anti-
séptico com ação bactericida ou
bacteriostática que irá agir na flora
residente da pele.
Os anti-sépticos são indicados para a
anti-sepsia das mãos dos profissionais e
para pele ou mucosa do paciente em
áreas onde serão realizados
procedimentos invasivos ou cirúrgicos.
34
Agentes anti-sépticos
São substâncias aplicadas à pele para
reduzir o número de agentes da
microbiota transitória e residente.
Entre os principais anti-sépticos utilizados
para a higienização das mãos, destacam-
se: Álcoois, Clorexidina, Compostos de
iodo, Iodóforos e Triclosan.
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
Importante
No caso de torneiras com contato manual
para fechamento, sempre utilize papel-
toalha
46
47
BIOSSEGURANÇA
48
BIBLIOGRAFIA
OPPERMANN, Carla Maria, Lia Capsi
Pires. Manual de biossegurança para
serviços de saúde. Porto Alegre,PMPA /
SMS/CGVS, 2003.
PIANUCCI. Ana, Saber cuidar –
Procedimentos Básicos em
Enfermagem. Senac – SP, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Janaína Lassala
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dna
anadeiva
 
introdução semiologia
introdução semiologiaintrodução semiologia
introdução semiologia
Deniziele Bruna
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
Silvania Fatima Américo
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Flavio Salomao-Miranda
 
Controle de infecção
Controle de infecçãoControle de infecção
Controle de infecção
Andréa Dantas
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Higienização das mãos
Higienização das mãos Higienização das mãos
Higienização das mãos
micaelaneves
 
Prevenção e controle influenza 2012
Prevenção e controle influenza 2012Prevenção e controle influenza 2012
Prevenção e controle influenza 2012
Hosana maniero
 
Guia KaVo de Biossegurança
Guia KaVo de Biossegurança Guia KaVo de Biossegurança
Guia KaVo de Biossegurança
KaVo do Brasil
 
Orientação enf. juliana e patricia
Orientação enf. juliana e patriciaOrientação enf. juliana e patricia
Orientação enf. juliana e patricia
Luiz Carlos Aguiar
 
5ª aula desinfecção e esterilização
5ª aula   desinfecção e esterilização5ª aula   desinfecção e esterilização
5ª aula desinfecção e esterilização
Jeremias Salomão
 
Aula técnica de higiene das mãos
Aula  técnica de higiene das mãosAula  técnica de higiene das mãos
Aula técnica de higiene das mãos
Áurea Fabrícia Amâncio Quirino
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
resenfe2013
 
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp0201biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
malu ramos
 
Normas biosseguranca
Normas biossegurancaNormas biosseguranca
Normas biosseguranca
diogoina
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
Bianca Mota Machado Araújo
 
Treinamento de política de higienização das mãos
Treinamento de política de higienização das mãos Treinamento de política de higienização das mãos
Treinamento de política de higienização das mãos
Fonte Medicina Diagnóstica
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
Guilherme Terra
 

Mais procurados (20)

Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Aula biossegurança dna
Aula biossegurança   dnaAula biossegurança   dna
Aula biossegurança dna
 
introdução semiologia
introdução semiologiaintrodução semiologia
introdução semiologia
 
Biossegurana 2012
Biossegurana 2012Biossegurana 2012
Biossegurana 2012
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Controle de infecção
Controle de infecçãoControle de infecção
Controle de infecção
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Assepsia+e
 
Higienização das mãos
Higienização das mãos Higienização das mãos
Higienização das mãos
 
Prevenção e controle influenza 2012
Prevenção e controle influenza 2012Prevenção e controle influenza 2012
Prevenção e controle influenza 2012
 
Guia KaVo de Biossegurança
Guia KaVo de Biossegurança Guia KaVo de Biossegurança
Guia KaVo de Biossegurança
 
Orientação enf. juliana e patricia
Orientação enf. juliana e patriciaOrientação enf. juliana e patricia
Orientação enf. juliana e patricia
 
5ª aula desinfecção e esterilização
5ª aula   desinfecção e esterilização5ª aula   desinfecção e esterilização
5ª aula desinfecção e esterilização
 
Aula técnica de higiene das mãos
Aula  técnica de higiene das mãosAula  técnica de higiene das mãos
Aula técnica de higiene das mãos
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp0201biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
01biosseguranahigienedasmoschai 130416210239-phpapp02
 
Normas biosseguranca
Normas biossegurancaNormas biosseguranca
Normas biosseguranca
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
 
Treinamento de política de higienização das mãos
Treinamento de política de higienização das mãos Treinamento de política de higienização das mãos
Treinamento de política de higienização das mãos
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 

Semelhante a Biossegurana 2012

2ªaula - biossegurana.ppt
2ªaula  -  biossegurana.ppt2ªaula  -  biossegurana.ppt
2ªaula - biossegurana.ppt
monicamamedes1
 
BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
AndriellyFernandadeS
 
Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
CAMPANHA MÃOS.pptx
CAMPANHA MÃOS.pptxCAMPANHA MÃOS.pptx
CAMPANHA MÃOS.pptx
EritonGutierrez
 
BIOSSEGURANÇA slides PDF.pdf
BIOSSEGURANÇA slides PDF.pdfBIOSSEGURANÇA slides PDF.pdf
BIOSSEGURANÇA slides PDF.pdf
KeniaSilvaCosta
 
Biosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédicaBiosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédica
foconavida
 
hAula 5 higienização de maos
hAula 5   higienização de maoshAula 5   higienização de maos
hAula 5 higienização de maos
José Vitor Alves
 
AULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdf
AULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdfAULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdf
AULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdf
lorenaribeiroenferme
 
Aula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdfAula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdf
CarolinaMalburg2
 
03 específicos auxiliar de saúde bucal
03   específicos auxiliar de saúde bucal 03   específicos auxiliar de saúde bucal
03 específicos auxiliar de saúde bucal
Janice Ferreira Ferreira
 
BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
AndriellyFernanda1
 
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
keyzsilva
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Douglas Oliveira
 
Higienização das mãos zenilda
Higienização das mãos zenildaHigienização das mãos zenilda
Higienização das mãos zenilda
Luiz Fernandes
 
biossegurança (1) (1) (1).pptx
biossegurança (1) (1) (1).pptxbiossegurança (1) (1) (1).pptx
biossegurança (1) (1) (1).pptx
BrendaBarbosa48
 
Aula 02.pptx
Aula 02.pptxAula 02.pptx
Aula 02.pptx
MarcosSaraiva26
 
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptxESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
ElissandraMalaquias
 
Lavadodemanoshgm pt
Lavadodemanoshgm ptLavadodemanoshgm pt
Lavadodemanoshgm pt
University of Miami
 
Aula o processo infeccioso - cl ii
Aula   o processo infeccioso - cl iiAula   o processo infeccioso - cl ii
Aula o processo infeccioso - cl ii
Keila Rafaela
 
Biossegurança dental care
Biossegurança dental careBiossegurança dental care
Biossegurança dental care
Cristian Dunker, BDS, MBA
 

Semelhante a Biossegurana 2012 (20)

2ªaula - biossegurana.ppt
2ªaula  -  biossegurana.ppt2ªaula  -  biossegurana.ppt
2ªaula - biossegurana.ppt
 
BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
 
Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
Biossegurança
 
CAMPANHA MÃOS.pptx
CAMPANHA MÃOS.pptxCAMPANHA MÃOS.pptx
CAMPANHA MÃOS.pptx
 
BIOSSEGURANÇA slides PDF.pdf
BIOSSEGURANÇA slides PDF.pdfBIOSSEGURANÇA slides PDF.pdf
BIOSSEGURANÇA slides PDF.pdf
 
Biosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédicaBiosegurança em imobilização ortopédica
Biosegurança em imobilização ortopédica
 
hAula 5 higienização de maos
hAula 5   higienização de maoshAula 5   higienização de maos
hAula 5 higienização de maos
 
AULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdf
AULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdfAULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdf
AULA TÉCNICA DE HIGIENE DAS MÃOS PARA ENFERMEIROS.pdf
 
Aula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdfAula Biossegurança[5473].pdf
Aula Biossegurança[5473].pdf
 
03 específicos auxiliar de saúde bucal
03   específicos auxiliar de saúde bucal 03   específicos auxiliar de saúde bucal
03 específicos auxiliar de saúde bucal
 
BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
 
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
 
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagemApostila de biossegurança nas ações de enfermagem
Apostila de biossegurança nas ações de enfermagem
 
Higienização das mãos zenilda
Higienização das mãos zenildaHigienização das mãos zenilda
Higienização das mãos zenilda
 
biossegurança (1) (1) (1).pptx
biossegurança (1) (1) (1).pptxbiossegurança (1) (1) (1).pptx
biossegurança (1) (1) (1).pptx
 
Aula 02.pptx
Aula 02.pptxAula 02.pptx
Aula 02.pptx
 
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptxESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
ESCOVAÇÃO CIRURGICA DAS MÃOS-convertido.pptx
 
Lavadodemanoshgm pt
Lavadodemanoshgm ptLavadodemanoshgm pt
Lavadodemanoshgm pt
 
Aula o processo infeccioso - cl ii
Aula   o processo infeccioso - cl iiAula   o processo infeccioso - cl ii
Aula o processo infeccioso - cl ii
 
Biossegurança dental care
Biossegurança dental careBiossegurança dental care
Biossegurança dental care
 

Biossegurana 2012

  • 2. 2 Objetivo da aula Após o termino da aula o aluno deverá ser capaz de: Definir biossegurança; Conhecer os riscos de contaminação hospitalar; Métodos de higienização; Conhecer os EPIs, utilizados no hospital
  • 3. 3 Biossegurança Ciência surgida no século XX, voltada para o controle e a minimização de risco advindos da prática de diferentes tecnologias. (ComissãoTécnica Nacional de Biossegurança – CTNBio).
  • 4. 4 Biossegurança na Saúde Significa um conjunto de normas relativas à segurança do trabalhador de saúde, submetido ao risco potencial de acidente com material ou instrumentos contaminados com material biológico.
  • 5. 5 Atividade de risco são as capazes de proporcionar dano, doença ou morte. RISCO e PERIGO RISCO é o perigo mediado pelo conhecimento que se tem da situação. É o que temos como prevenir. PERIGO existe enquanto não se conhece a situação. É o desconhecido ou mal conhecido.
  • 6. 6 Biossegurança No ambiente hospitalar há RISCOS FÍSICOS , QUÍMICOS e BIOLÓGICOS e para cada um deles há NORMAS específicas disponíveis visando proteger a CLIENTELA dos estabelecimentos a saber: o paciente, o trabalhador de saúde, o acompanhante e a preservação do meio ambiente.
  • 7. 7 Riscos Físicos (formas de energia como ruídos, vibrações, pressões anormais, radiações ionizantes ou não, ultra e infra- som (NR-09 e NR-15). Riscos Biológicos: bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, etc (NR- 09)
  • 8. 8 Riscos Químicos (substâncias, compostos ou produtos que podem penetrar no organismo por via respiratória, absorvidos pela pele ou por ingestão, na forma de gases, vapores, neblinas, poeiras ou fumos (NR-09, NR- 15 e NR-32).
  • 9. 9 Mais procedimentos nos paciente Mais tempo com o ambiente Maior equipe dos servidores de saúde Equipe de enfermagem: maior nº de Exposição entre os profissionais EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS
  • 10. 10 EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS Os odontólogos também são uma categoria profissional com grande risco de exposição a material biológico. Os estudos mostram que a maioria dos dentistas (quase 85%) tem pelo menos uma exposição percutânea a cada período de cinco anos.
  • 11. 11 EXPOSIÇÕES PROFISSIONAIS  Médicos = varia com as especialidades.  Médicos de enfermarias clínicas:  Exposições percutâneas = 0,5 a 3,0 ao ano;  Exposições mucocutâneas = 0,5 a 7,0 ao ano  Médicos cirurgiões: São estimados 80 a 135 contatos com sangue por ano, sendo 8 a 15 exposições percutâneas.
  • 12. 12 COMO NOS PROTEGER DURANTE O TRABALHO EM SAÚDE - Cuidados PRECAUÇÕES PADRÃO Lavagem das Mãos Manipulação de Instrumentos e Materiais Manipulação de Materiais Cortantes e de Punção Ambiente e Equipamentos Roupas e Campos de Uso no Paciente Vacinação
  • 13. 13 Manipulação de Instrumentos e Materiais Cortantes e de Punção Instrumentos pérfuro-cortantes devem ser descartados em caixas apropriadas, rígidas e impermeáveis que devem ser colocadas próximo a área em que os materiais são usados.
  • 14. 14
  • 15. 15 Manipulação de Instrumentos e Materiais Cortantes e de Punção  Nunca deve-se reencapar agulhas após o uso.  Não remover com as mãos agulhas usadas das seringas descartáveis e não as quebrar ou entortar.  Para a reutilização de seringa anestésica descartável reencapar a agulha introduzindo-a no interior da tampa e pressionando a tampa ao encontro da parede da bandeja clínica de forma a nunca utilizar a mão
  • 17. 17 Como e quando usar luvas?  Usar luvas de procedimento, não estéril, quando houver possibilidade de tocar em sangue, fluídos corporais, membranas mucosas, pele não íntegra e qualquer item contaminado, de todos os clientes;  Lavar as mãos imediatamente após a retirada das luvas;  Trocar as luvas entre um procedimento e outro;  Calçar as luvas imediatamente antes do cuidado a ser executado, evitando contaminação prévia das mesmas;
  • 18. 18  Estando de luvas, não manipule objetos fora do campo de trabalho;  Retirar as luvas imediatamente após o término da atividade;  Removê-las sem tocar na parte externa das mesmas;  Usar luvas adequadas para cada procedimento. - Luvas cirúrgicas estéreis; - Luvas de procedimentos não estéreis.
  • 19. 19 Luvas Luvas de procedimentos Luvas de borracha  Luvas cirúrgicas
  • 21. 21 O uso do Jaleco hospitalar é uma exigência das Comissões de Infecções hospitalares
  • 22. A MELHOR PREVENÇÃOA MELHOR PREVENÇÃO É NÃOÉ NÃO SE ACIDENTAR!SE ACIDENTAR! BIOSSEGURANÇA
  • 24. 24 O QUE É HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS? É a medida individual mais simples e menos dispendiosa para prevenir a propagação das infecções relacionadas à assistência à saúde. Higienização das mãos = lavagem das mãos
  • 25. 25 Indicação da lavagem das mãos após tocar fluidos, secreções e itens contaminados; após a retirada das luvas; antes de procedimentos no paciente; entre contatos com pacientes; entre procedimentos num mesmo paciente; antes e depois de atos fisiológicos; antes do preparo de soros e medicações.
  • 26. 26 As técnicas de higienização das mãos podem variar, dependendo do objetivo ao qual se destinam. Podem ser divididas em: Higienização simples das mãos. Higienização anti-séptica das mãos. Fricção de anti-séptico nas mãos. Anti-sepsia cirúrgica ou preparo pré- operatório A eficácia da higienização das mãos depende da duração e da técnica empregada.
  • 27. 27 Antes de iniciar qualquer uma dessas técnicas, é necessário retirar jóias (anéis, pulseiras, relógio), pois sob tais objetos podem acumular microrganismos. (Exigência da NR-32)
  • 28. 28 Higienização Simples das Mãos Finalidade Remover os microrganismos que colonizam as camadas superficiais da pele, assim como o suor, a oleosidade e as células mortas, retirando a sujidade que propícia à permanência e à proliferação de microrganismos. Duração do procedimento: 40 a 60 seg.
  • 29. 29 Lavagem das mãos Na lavagem rotineira das mão o uso de sabão neutro é o suficiente para a remoção da sujeira, da flora transitória e parte da flora residente. Maior concentração bacteriana: pontas dos dedos, meio dos dedos e polegares.
  • 30. 30 Higienização Anti-séptica das Mãos Finalidade Promover a remoção de sujidades e de microrganismos, reduzindo a carga microbiana das mãos, com auxílio de um anti-séptico. Duração do procedimento: 40 a 60 segundos
  • 31. 31 Técnica A técnica de higienização anti-séptica é igual àquela utilizada para higienização simples das mãos, substituindo-se o sabão por um anti-séptico.  Exemplo: anti-séptico degermante.
  • 32. 32 Fricção anti-séptica das mãos (com preparações alcoólicas) Álcool Gel ou álcool glicerinado Finalidade  Reduzir a carga microbiana das mãos (não há remoção de sujidades). A utilização de gel alcoólico a 70% ou de solução alcoólica a 70% com 1-3% de glicerina pode substituir a higienização com água e sabão quando as mãos não estiverem visivelmente sujas.  Duração do Procedimento: 20 a 30 segundos.
  • 33. 33 Anti-sepsia das mãos A anti-sepsia é a utilização de um anti- séptico com ação bactericida ou bacteriostática que irá agir na flora residente da pele. Os anti-sépticos são indicados para a anti-sepsia das mãos dos profissionais e para pele ou mucosa do paciente em áreas onde serão realizados procedimentos invasivos ou cirúrgicos.
  • 34. 34 Agentes anti-sépticos São substâncias aplicadas à pele para reduzir o número de agentes da microbiota transitória e residente. Entre os principais anti-sépticos utilizados para a higienização das mãos, destacam- se: Álcoois, Clorexidina, Compostos de iodo, Iodóforos e Triclosan.
  • 35. 35
  • 36. 36
  • 37. 37
  • 38. 38
  • 39. 39
  • 40. 40
  • 41. 41
  • 42. 42
  • 43. 43
  • 44. 44
  • 45. 45 Importante No caso de torneiras com contato manual para fechamento, sempre utilize papel- toalha
  • 46. 46
  • 48. 48 BIBLIOGRAFIA OPPERMANN, Carla Maria, Lia Capsi Pires. Manual de biossegurança para serviços de saúde. Porto Alegre,PMPA / SMS/CGVS, 2003. PIANUCCI. Ana, Saber cuidar – Procedimentos Básicos em Enfermagem. Senac – SP, 2003.