SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª : CONCEIÇÃO APARECIDA FONTOLAN
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Podemos definir bioma como um conjunto de
ecossistemas que funcionam de forma
estável. Um bioma é caracterizado por um
tipo principal de vegetação (num mesmo
bioma podem existir diversos tipos de
vegetação). Os seres vivos de um bioma
vivem de forma adaptada as condições da
natureza (vegetação, chuva, umidade, calor,
etc) existentes. Os biomas brasileiros
caracterizam-se, no geral, por uma grande
diversidade de animais e vegetais
(biodiversidade).
FLORESTA AMAZÔNICA
O desmatamento, as queimadas, a garimpagem, o
agropastoreio e a biopirataria representam os
principais problemas ambientais enfrentados pelo
bioma amazônico. O conjunto formado por essas
ações devastadoras é responsável por graves
mudanças climáticas em todo o planeta, pois a
Amazônia é um grande “resfriador” atmosférico,
removendo o excesso de gás carbônico disperso na
atmosfera, que provoca o aquecimento global.
Atualmente a proliferação de culturas de soja tem
sido motivo de grande preocupação por estar
gerando inúmeras áreas de desmatamento, a
maioria ilegais.
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Felizmente a Amazônia possui dois fatores de
proteção que dificultam sua rápida degradação,
que são: sua enorme extensão e sua intrincada
rede de rios e igarapés. Características que
dificultam o acesso à área e encarecem
excessivamente qualquer obra de engenharia,
como, por exemplo, a construção de usinas
hidrelétricas.
Mesmo sendo o nosso bioma mais preservado,
cerca de 16% de sua área já foi devastado, o que
equivale a duas vezes e meia a área do estado de
São Paulo, por exemplo.
DRENAGEM DA AMAZÔNIA
Meandros
abandona
dos
meandros
paraná
igara
péfuros
CARACTERÍSTICAS DA REDE
 1- Igarapés.Pequenos rios usados pela população.
 2- furos. Pequenos rios que unem os rios entre si
ou a um lago.
 3- Paranás. Extensos braços de rios que formam
ilhas. Paranás mirins ( menor tamanho).
 4-Meandros. Curvas dos rios
 5- Meandros Abandonados. Rios formam outros
caminhos.
É a maior floresta pluvial tropical do mundo,
pois abrange grande parte da região Norte do
Brasil e está presente nos estados do Acre,
Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso,
Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Portanto,
a Floresta Amazônica ocupa quase metade do
território brasileiro, o que faz com que o Brasil
seja um campeão de biodiversidade,
encabeçando a lista dos países megadiversos.
FLORESTA AMAZÔNICA
AMAZÔNIA LEGAL
A Floresta Amazônica é a grande responsável por boa parte da
riqueza natural do país. Com 5,5 milhões de quilômetros
quadrados, possui nada menos que um terço de todas as
espécies vivas do planeta. No Rio Amazonas e em seus mais
de 1 000 afluentes, estima-se que haja quinze vezes mais
peixes que em todo o continente europeu. Apenas 1 hectare
da floresta pode trazer até 300 tipos de árvore. A floresta
temperada dos Estados Unidos possui 13% do número de
espécies de árvores da Amazônia. A Floresta Amazônica é
considerada a grande "caixa-preta" da biodiversidade
mundial. Há estimativas que indicam existir mais de 10
milhões de espécies vivas em toda a floresta, mas o número
real é incalculável.
BIODIVERSIDADE
PULMÃO DO
MUNDO
INFERNO VERDE
HILÉIA AMAZÔNICA
APELIDOS
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
MATA DE IGAPÓ
MATA DE IGAPÓ: compreende uma cobertura
vegetal que ocorre nas áreas de relevo
suave (planícies) que se encontram às
margens de rios, portanto, sofre
inundações frequentes. A mata de igapó
possui aspecto de difícil acesso devido à
incidência de árvores baixas que não
superam 20 m, além de cipós , epífitas e
plantas aquáticas, seu destaque é a Vitória-
Régia.
mata de várzea: mata
de inundação temporária, de
composição vegetal variável.
Ex.: Seringueira, Jatobá e
Maçaranduba.
•
MMAATA
• MATA DE TERRA FIRME: ocupam a
maior parte da região e não são
inundadas pelas cheias dos rios. É uma
formação densa, úmida e escura (a
copa das árvores forma um telhado que
pode reter até 95% da luz solar). Ex:
Castanha-do-Pará, Caucho e guaraná.
Também é considerada a mais rica em
biodiversidade: em uma área de 2km2
de mata chegam a ser encontradas 300
espécies vegetais diferentes.
Caracterização
A Amazônia possui grande importância
para a estabilidade ambiental do Planeta.
Nela estão fixadas mais de uma centena de
trilhões de toneladas de carbono. Sua
massa vegetal libera algo em torno de sete
trilhões de toneladas de água anualmente
para a atmosfera, via evapotranspiração, e
seus rios descarregam cerca de 20% de
toda a água doce que é despejada nos
oceanos.
Durante muito tempo, atribuiu-se à
Amazônia o papel de “pulmão do
mundo”. Hoje, sabe-se que a
quantidade de oxigênio que a floresta
produz durante o dia, pelo processo da
fotossíntese, é consumida à noite. Mas,
devido às alterações climáticas que
causa no planeta, a Floresta Amazônica
vem sendo chamada como “o
condicionador de ar do mundo”.
Enorme riqueza sobre solo pobres
O solo amazônico apresenta baixos índices
de nutrientes, é ligeiramente ácido e
bastante arenoso, características que
permitem classificá-lo como extremamente
pobre. A presença de grande quantidade de
matéria orgânica, carregada desde os
Andes pelos rios, faz das várzeas as únicas
áreas agricultáveis da Amazônia.
Na verdade, como em toda mata tropical, os
nutrientes minerais encontram-se quase
totalmente na biomassa vegetal ficando uma
pequena quantidade no solo, sobretudo na
camada superficial de húmus. A rápida
reciclagem desses nutrientes, decompostos
pelos microorganismo do solo e reabsorvido
pelas árvores, garante o equilíbrio necessário a
manutenção da floresta. A única função relevante
do solo é a de dar suporte físico à vegetação. De
acordo com estudos do projeto Radam – Brasil,
apenas pouco mais de 10% da Amazônia
possuem solo de fertilidade compatível com as
atividades agrícolas.
Vegetação
Em geral, a vegetação amazônica é
HIGRÓFILA : adaptada à vida em
condições com excesso de água.
PERENE : sempre verde.
LATIFOLIADA : folhas largas .
DENSA: mata fechada.
FLORESTA OMBRÓFILA: grande
umidade da região.
FLORESTA PLUVIAL: chuvas.
FLORESTA EQUATORIAL : clima quente
e úmido.
Eco-92
Foi marcada por divergências,onde durante o
governo de George Bush ( 1988-1992),
recusou-se a assinar o reconhecimento da
soberania dos países possuidores de
biodiversidade, como o Brasil.Somente em
1993 , com Bill Clinton na presidência dos
EUA, é que houve esse reconhecimento,
dando a esses países o direito de participar
dos lucros oriundos da exploração de sua
biodiversidade.
MATA ATLÂNTICA
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
MATA ATLÂNTICA - 2009
ORIGINAL 2OO9
DADOS DE 2010
MARES DE MORROS
MARES DE MORROS
A erosão, provocada pelo clima tropical
úmido, associada a um intemperismo
químico significativo sobre os terrenos
cristalinos (granito/gnaisse), é um dos
fatores responsáveis pela conformação do
relevo, com a presença de morros com
vertentes arredondadas (morros em Meia
Laranja,Pão-de-Açúcar).Relevo Mamelonar
MATA CILIAR
Mata ciliar ou ripária é a vegetação que margeia os
cursos d’água, caracterizada por espécies bem
adaptadas à abundância de água, e às frequentes
inundações. São importantes na proteção das
margens contra a erosão e na manutenção da fauna.
Servem também como barreira, evitando que
detritos das margens atinjam a calha do rio.
A arborização das margens também é um fator
importante para evitar o aquecimento de suas
águas, mantendo um bom nível de aeração
(oxigênio dissolvido).
MATA CILIAR
Exploração das riquezas naturais da Mata
Atlântica
A Mata Atlântica brasileira foi o primeiro ambiente a ser
ocupado e explorado pelos colonizadores portugueses.
Desde então, este ecossistema, que abriga grande parte da
biodiversidade brasileira, vem sendo amplamente ocupado e
explorado. Atualmente restam apenas 7% da área original
deste ambiente que margeava o litoral do Rio Grande do
Norte ao Rio Grande do Sul. A extração do pigmento
vermelho da árvore pau-brasil (Cesalpinia echinata) pelos
indígenas e colonizadores foi apenas o começo de uma longa
história que ainda não chegou ao fim.
O ciclo da cana-de-açúcar, uma espécie
exótica, exerceu pressão distinta, pois a
sua produção implicava no desmatamento
em áreas férteis, principalmente no
nordeste brasileiro, conduzindo ao longo
dos cinco séculos regiões ao extremo da
perda e fragmentação da Mata Atlântica,
como os estados de Alagoas e
Pernambuco. Neste, há apenas 5% de sua
cobertura original (GALINDO-LEAL &
CÂMARA 2005).
PAU-BRASIL
CANA DE AÇÚCAR
O ciclo do café segue o padrão da cana-de-
açúcar, porém ocorre mais no sudeste do país.
Depois temos o ciclo com o gado que alternava-
se entre os altos e baixos das monoculturas ou
mineração.
Hoje, após cinco séculos de exploração e
ocupação, a área de domínio da Mata Atlântica,
que, inicialmente, correspondia a 15% do
território brasileiro, está reduzida a 1,06% desta
área, totalizando cerca de 91,4 mil km². Isto
significa que, agora, ocupa apenas 7,3% de sua
área original (AGUSTINI, 2004)
CAFÉ
PLANTAÇÃO DE CAFÉ
Nos últimos 10 anos a produção de café
aumentou de 6,2 para 7,8 milhões de
toneladas, com mais hectares sendo
cultivados principalmente no Brasil,
Indonésia e Vietnã (Fig.1).
GRÃOS DE CAFÉ
Hoje, muitas espécies vegetais e animais da
Mata Atlântica constam da imensa lista de
espécies ameaçadas de extinção. Apenas entre
o grupo dos primatas, são 25 espécies
brasileiras ameaçadas de extinção, sendo
algumas delas típicas da Mata Atlântica, como é
o caso do Muriqui. As grandes alterações da
Floresta Atlântica ocorreram devido à ocupação
das terras, especialmente no Sudeste, e ao
comércio das riquezas naturais da região. A
região litorânea do Brasil, que abriga a Mata
Atlântica, foi a primeira a ser explorada, devido
à facilidade de acesso ao território e à riqueza
natural da região.
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
A Mata Atlântica é um dos Biomas mais
ricos em biodiversidade do mundo e
também o segundo mais ameaçado de
extinção. 70% da população brasileira
mora em seu domínio. Por isso, viver na
Mata Atlântica é um grande privilégio,
mas também uma grande
responsabilidade
Distribuído ao longo de mais de 23 graus de latitude sul,
com grandes variações no relevo e regimes
pluviométricos, a Mata Atlântica é composta de uma
série de tipologias ou unidades fitogeográficas,
constituindo um mosaico vegetacional que proporciona
a grande biodiversidade reconhecida para o bioma.
Apesar da devastação acentuada, a Mata Atlântica
ainda abriga uma parcela significativa de diversidade
biológica do Brasil, com altíssimos níveis de
endemismo. A riqueza pontual é tão significativa que os
dois maiores recordes mundiais de diversidade botânica
para plantas lenhosas foram registrados nesse bioma
(454 espécies em um único hectare do sul da Bahia e
476 espécies em amostra de mesmo tamanho na região
serrana do Espírito Santo).
As estimativas indicam ainda que a Mata Atlântica
abriga 261 espécies de mamíferos (73 deles
endêmicos), 340 de anfíbios (253 endêmicos), 192 de
répteis (60 endêmicos), 1.020 de aves (188 endêmicas),
além de aproximadamente 20.000 espécies de plantas
vasculares, das quais aproximadamente metade estão
restritas ao bioma. Para alguns grupos, como os
primatas, mais de 2/3 das formas são endêmicas. Em
virtude da sua riqueza biológica e níveis de ameaça, a
Mata Atlântica, ao lado de outros 33 biomas localizados
em diferentes partes do planeta, foi indicada por
especialistas, em um estudo coordenado pela
Conservation International, como um dos hotspots
mundiais, ou seja, uma das prioridades para a
conservação de biodiversidade em todo o mundo.
CARACTERÍSTICAS DA MATA
ATLÂNTICA
- presença de árvores de médio e grande porte, formando
uma floresta fechada e densa;
- rica biodiversidade, com presença de diversas espécies
animais e vegetais;
- as árvores de grande porte formam um microclima na mata,
gerando sombra e umidade
- fauna rica com presença de diversas espécies de
mamíferos, anfíbios, aves, insetos, peixes e répteis.
- na região da Serra do Mar, forma-se na Mata Atlântica uma
constante neblina.
Flora - Exemplos de vegetação
da Mata Atlântica :
-Palmeiras
- Bromélias, begônias, orquídeas,
cipós e briófitas
- Pau-brasil, jacarandá, peroba,
jequitibá-rosa, cedro
- Tapiriria
- Andira
- Ananas
- Figueiras
Fauna - Exemplos de espécies animais
da Mata Atlântica:
- Mico-leão-dourado (risco de extinção)
- Bugio (risco de extinção)
- Tamanduá bandeira (risco de extinção)
- Tatu-canastra (risco de extinção)
- Arara-azul-pequena (risco de extinção)
- Muriqui
- Anta
- Onça Pintada (risco de extinção)
- Jaguatirica
- Capivara
NOMES DA MATA ATLÂNTICA :
FLORESTA LATIFOLIADA TROPICAL E,
NAS ENCOSTAS ÚMIDAS:
FLORESTA LATIFOLIADA ÚMIDA DE
ENCOSTA ( UMIDADE DA MASSA DE AR
TROPICAL ATLÂNTICA OU DOS VENTOS
ALÍSIOS DE SUDESTE
FLORESTA OMBRÓFILA DENSA
(OMBRÓFILA – MUITA PLUVIOSIDADE)
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
CERRADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
É a segunda maior formação vegetal brasileira. Estendia-
se originalmente por uma área de 2 milhões de km²,
abrangendo dez estados do Brasil Central. Hoje, restam
apenas 20% desse total.Típico de regiões tropicais, o
cerrado apresenta duas estações bem marcadas: inverno
seco e verão chuvoso. Com solo de savana tropical,
deficiente em nutrientes e rico em ferro e alumínio, abriga
plantas de aparência seca, entre arbustos esparsos e
gramíneas, e o cerradão, um tipo mais denso de
vegetação, de formação florestal. A presença de três das
maiores bacias hidrográficas da América do Sul
(Tocantins-Araguaia, São Francisco e Prata) na região
favorece sua biodiversidade .
CERRADO
A flora do Distrito Federal caracteriza-se pelo
cerrado, cuja a vegetação é resistente e
evoluída, com plantas adaptadas ao clima. Os
fatores determinantes na fisionomia do cerrado
são a escassez de água, acidez do solo e falta de
umidade do ar. Os principais tipos de vegetação
do cerrado de Brasília são a mata ciliar, o
cerrado, o cerradão, campos e veredas.
CARACTERÍSTICAS DO CERRADO
A mata ciliar pode ser encontrada ao
longo de rios e riachos e distribui-se em
locais com umidade e solo adequados
para o desenvolvimento das espécies
nativas como a pindaíba e o ipê-roxo.
O cerrado é caracterizado por pequenas
árvores e arbustos, retorcidos, de casca
grossa, folhas cariáceas e esparsamente
distribuídas. Entre suas árvores nativas
estão o pau-terra, o pequi e o
barbatimão.
CERRADO MATA CILIAR
O cerradão é muito semelhante à mata ciliar,
diferenciando-se pela composição florística e
árvores com grandes copas dando uma
aparência fechada.
Existem dois tipos de campos, o campo sujo
e o campo limpo. Campos são basicamente
compostos por grama e poucas árvores, a
diferença entre os dois tipos é que o campo
sujo tem algumas árvores e arbustos
esparsos. São encontrados nas bordas de
chapadas e cabeceiras.
CERRADÃO
CAMPOS LIMPOS
CAMPOS SUJOS
As veredas são como pântanos, com solo
cheio de água. Encontrados em lugares com
solos rasos, afloramentos rochosos e encosta
de morros. Normalmente são longas, largas.
Sua planta típica no DF é a palmeira-buriti.
Brasília além de possuir sua flora nativa
formando um tapete verde, possui espécies
originárias de outras regiões como o pau-
brasil e buganvílias lilases,brancas,
vermelhas, alaranjadas e cor-de-rosa
aumentando a beleza do cerrado.
VEREDAS
VEGETAÇÃO DE CAMPOS
O domínio das florestas e dos campos
meridionais se estende desde o Rio
Grande do Sul até parte dos estados de
Mato Grosso do Sul e São Paulo. O clima
é ameno e o solo naturalmente fértil. A
junção destes dois fatores favoreceram à
colonização acelerada no último século,
principalmente por imigrantes europeus e
japoneses que alcançaram elevados
índices de produtividade na região.
Esse tipo de vegetação é encontrada em dois
lugares distintos: os campos de terra firme
(savanas de gramíneas baixas) são
característicos do norte da Amazônia, Roraima,
Pará e ilhas do Bananal e de Marajó, enquanto os
campos limpos (estepes úmidas) são típicos da
região sul. De um modo geral, o campo limpo é
destituído de árvores, bastante uniforme e com
arbustos espalhados e dispersos. Já nos campos
de terra firme as árvores, baixas e espaçadas, se
integram totalmente à paisagem. Em ambos os
casos o solo é revestido de gramíneas,
subarbustos e ervas.
ILHA DO BANANAL
Estima-se que 10 mil espécies de vegetais, 837 de aves e
161 de mamíferos vivam ali. Essa riqueza biológica, porém, é
seriamente afetada pela caça e pelo comércio ilegal.O
cerrado é o sistema ambiental brasileiro que mais sofreu
alteração com a ocupação humana. Atualmente, vivem ali
cerca de 20 milhões de pessoas. Essa população é
majoritariamente urbana e enfrenta problemas como
desemprego, falta de habitação e poluição, entre outros. A
atividade garimpeira, por exemplo, intensa na região,
contaminou os rios de mercúrio e contribuiu para seu
assoreamento. A mineração favoreceu o desgaste e a erosão
dos solos. Na economia, também se destaca a agricultura
mecanizada de soja, milho e algodão, que começa a se
expandir principalmente a partir da década de 80. Nos
últimos 30 anos, a pecuária extensiva, as monoculturas e a
abertura de estradas destruíram boa parte do cerrado. Hoje,
menos de 2% está protegido em parques ou reservas.
O
C
U
P
A
Ç
C
Ã
O
N
O
C
E
R
R
A
D
O
Pequenas árvores de troncos torcidos e
recurvados e de folhas grossas, esparsas
em meio a uma vegetação rala e rasteira,
misturando-se, às vezes, com campos
limpos ou matas de árvores não muito altas
– esses são os Cerrados, uma extensa área
de cerca de 200 milhões de hectares,
equivalente, em tamanho, a toda a Europa
Ocidental. A paisagem é agressiva, e por
isso, durante muito tempo, foi considerada
uma área perdida para a economia do país.
75
125
175
225
275
325
375
425
1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
MT CO BR DF GO MS
Índice de crescimento do PIB do Centro-
Oeste e Estados da Região (1985 =100)
0,0
0,2
0,4
0,6
0,8
1,0
1,2
1,4
1,6
1,8
1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
1,4%
1,6%
1,8%
2,0%
2,2%
2,4%
2,6%
2,8%
3,0%
3,2%
2005 2010 2015 2020 2026
Elevação da participação da economia mato-grossense no PIB brasileiro,
dos atuais 1,60% para cerca de 2,98%, em 2026.
META:
MATA DE ARAUCÁRIA
A Mata de Araucária, também chamada de
Pinheiros-do-paraná (Araucária angustifolia) , ou,
cientificamente, de Floresta Ombrófila Mista,
está seriamente ameaçada de extinção. Apenas
1,2% de sua cobertura original encontra-se
preservada, e apenas 0,22% (40.774 hectares)
está sob a proteção de Unidades de conservação
(UC), o que põe em risco a preservação da
floresta.
Originalmente as Matas de Araucárias se
estendiam entre os Estados do Rio Grande do
Sul e Paraná, com incidências em áreas
esparsas de São Paulo e Minas Gerais em
regiões altas e de clima frio com chuvas
regulares o ano todo, fazendo parte do domínio
da Mata Atlântica. Geralmente a Floresta
Ombrófila Mista se desenvolve em locais com
uma altitude maior que 500 metros e menor que
800 metros, mas, em alguns lugares, podem ser
encontradas em altitudes de 1.000 metros.
A Araucária angustifólia pode atingir até 50
metros de altura e produz sementes comestíveis
conhecidas como “pinhão” (existe até a "
FESTA do Pinhão", em Lages-SC, que contribui
para o desaparecimento desta espécie). Uma
característica comum nos pinheiros e que foi
um dos fatores a contribuir para a quase
extinção da espécie é a “alelopatia”, ou, a
tendência que essas plantas têm de inibir o
crescimento de outras plantas próximas a elas
facilitando sua extração.
Outro fator que contribuiu para a exploração da
araucária foi o fato de ela se encontrar quase que
totalmente em regiões de solo muito fértil, a
famosa “terra-roxa” (solo de origem vulcânica e
altamente produtivo presente em apenas 1% do
território nacional), fazendo com que a Araucária
fosse suprimida, na maior parte da região onde
incide, para o plantio de monoculturas e
pastoreio.
A Araucária pertence à família das Coníferas
(plantas gimnospermas – sem fruto – presentes
nas regiões temperadas) que é a espécie que
atinge maior longevidade entre todas as outras
espécies de plantas. Outras plantas podem ser
encontradas em uma Floresta Ombrófila Mista,
como a erva-mate que se beneficia da
alelopatia da Araucária, ou a imbuia .
A Araucária angustifolia é uma árvore útil: pode-se dizer
que tudo nela é aproveitável, desde a amêndoa, no
interior dos pinhões, até a resina que, destilada fornece
alcatrão, óleos diversos, terebintina e breu, para
variadas aplicações industriais. As sementes são ricas
em amido, proteínas e gorduras, constituindo um
alimento bastante nutritivo. É comum ver bandos de
pássaros, principalmente periquitos e papagaios,
pousados nos galhos das araucárias, bicando as
amêndoas. Mas é a madeira que reúne maior variedade
de aplicações. Em construção, já foi usada para forros,
assoalhos, e vigas. Vastas áreas de pinheirais foram
cultivadas exclusivamente para a confecção de caixas e
palitos de fósforos. E a madeira serviu até como mastros
em embarcações. Em aplicações rústicas, os galhos
eram apenas descascados e polidos, transformando-se
em cabos de ferramentas agrícolas
A araucária interage intensamente com a fauna, que constitui um
elemento muito importante para a dispersão das sementes. Entre
estes animais destacam-se os roedores e as aves. Alberts (1992)
cita, entre os roedores, as cotias, as pacas, os ouriços, os
camundongos e os esquilos. Entre as aves são citados o papagaio-
de-peito-roxo (Solórzano ,1999), a gralha-picaça e, em Minas Gerais,
Bustamante (1948) cita os airus, a gralha azul e os tucanos.
22 DE MARÇO DE 2009
A Lumber, o
Contestado e a
história do
desmatamento da
floresta de
Araucária(1911-1950)
A Guerra do Contestado foi um conflito
que alcançou enormes proporções na
história do Brasil e, particularmente, dos
Estados do Paraná e de Santa Catarina.
GUERRA DO CONTESTADO
CORTE ILEGAL DAS ARAUCÁRIAS
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Semelhante a outros graves
momentos de crise, interesses
político-econômicos e messianismo
se misturaram ao contexto explosivo.
Ocorrido entre 1912 e 1916, o conflito
envolveu, de um lado, a população
cabocla daqueles Estados, e, de outro,
os dois governos estaduais, apoiados
pelo presidente da República, Hermes
da Fonseca.
A região do conflito, localizada entre os
dois Estados, era disputada pelos
governos paranaense e catarinense.
Afinal, era uma área rica em erva-mate
e, sobretudo, madeira. Originalmente, os
moradores da região eram posseiros
caboclos e pequenos fazendeiros que
viviam da comercialização daqueles
produtos.
No final do século 19, o governo brasileiro
autorizou a construção de uma estrada de
ferro ligando os Estados de São Paulo e
Rio Grande do Sul. Para isso,
desapropriou uma faixa de terra, de
aproximadamente 30 km de largura, que
atravessava os Estados do Paraná e de
Santa Catarina - uma espécie de
"corredor" por onde passaria a linha
férrea.
A CONSTRUÇÃO DA ESTRADA DE FERRO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
A responsável pela construção foi a empresa
norte-americana Brazil Railway Company, de
propriedade do empresário Percival Farquhar,
que também era dono da Southern Brazil
Lumber and Colonization Company, uma
empresa de extração madeireira. A construção
da estrada acabou atraindo muitos
trabalhadores para a região onde ocorreria a
Guerra do Contestado. Com o fim das obras, o
grande número de migrantes que se deslocou
para o local ficou sem emprego e,
consequentemente, numa situação econômica
bastante precária.
MADEIREIRA LUMBER
Além de construir a estrada de ferro,
Farquhar, por meio da Southern Brazil
Lumber, passou a exportar para os Estados
Unidos a madeira extraída ao longo da
faixa de terra concedida pelo governo
brasileiro. Com isso, os pequenos
fazendeiros que trabalhavam na extração
da madeira foram arruinados pelo domínio
da Lumber sobre as florestas da região.
A ESTRADA DE FERRO
A construção da estrada de ferro ligando São
Paulo ao Rio Grande do Sul trouxe consigo os
principais elementos político-econômicos que
levaram à eclosão da Guerra do Contestado.
Afinal, a presença das empresas de Farquhar na
região e os termos do acordo firmado com o
governo brasileiro levaram, de uma só vez, à
expulsão dos posseiros que trabalhavam no local,
à falência de vários pequenos fazendeiros que
viviam da extração da madeira e à formação de
um contingente de mão-de-obra disponível e
desempregada ao fim da construção.
ERVA – MATE ( CONGONHA)
ERVA- MATE
TORA DE IMBUIA
EMBUIA OU IMBUIA
Entretanto, havia também um outro
elemento importante para o início do
conflito: o messianismo. A região era
frequentada por monges que faziam
trabalhos sociais e espirituais e, vez ou
outra, envolviam-se também com questões
políticas - o que lhes dava certo destaque
entre os moradores daquela localidade.
Em 1912, apareceu na região um monge chamado José
Maria de Santo Agostinho, nome que mais tarde a polícia
descobriria ser falso. José Maria foi saudado pelos
habitantes do local como a ressurreição de outro monge
que vivera ali até 1908, o monge João Maria: era como se
o antigo líder espiritual tivesse voltado.
José Maria rapidamente ganhou fama na região por seu
suposto dom de cura. Em meio aos problemas político-
econômicos provocados pelas atividades das empresas
de Percival Fraquhar, o monge passou a envolver-se
também com questões que estavam muito além dos
problemas espirituais dos seus seguidores.
A GUERRA
Sob a liderança de José Maria, os camponeses
expulsos de suas terras e os antigos trabalhadores
da Brazil Railway organizaram uma comunidade no
intuito de solucionar os problemas ocasionados
pela tomada das terras e pelo desemprego. Uniram-
se ao grupo os fazendeiros prejudicados pela
presença da Lumber na região. Tudo isso reforçado
pelo discurso messiânico do monge José Maria, que
logo declarou a comunidade sob sua liderança
como um governo independente.
A mobilização na região passou a
incomodar o governo federal não apenas
por crescer rapidamente, com a formação
de novas comunidades, mas também
porque os rebeldes passaram a associar
os problemas econômicos e sociais à
República. Ao mesmo tempo, os coronéis
locais ficaram incomodados com o
surgimento de lideranças paralelas, como
José Maria. Já a Igreja, diante do
messianismo que envolvia o movimento,
também defendeu a intervenção na região.
De forma autoritária e repressiva, os
governos do Paraná e de Santa Catarina,
articulados com o presidente Hermes da
Fonseca, começaram a combater os
rebeldes. Embora tenham tido pouco
sucesso nos dois primeiros anos do
conflito, as forças oficiais obtiveram, a
partir de 1914, sucessivas vitórias sobre
os revoltosos - graças à truculência das
tropas e ao seu numeroso efetivo, que
contava com homens do Exército
brasileiro e das polícias dos dois estados.
Com quase 46 meses de conflito, a
Guerra do Contestado superou até
mesmo Canudos em duração e número
de mortes. Famintos e com cada vez
mais baixas, diante do conflito
prolongado, da força e crueldade das
tropas oficiais e da epidemia de tifo, os
revoltos caminharam para a derrota
final, consumada em agosto de 1916
com a prisão de Deodato Manuel
Ramos, último líder do Contestado.
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
IMPORTANTE
 PINHEIRO DO PARANÁ
 ARAUCÁRIA ANGUSTIFOLIA
 FLORESTA OMBRÓFILA MISTA
 FLORESTA SUBCADUCIFOLIA OU
DECÍDUA
 ACICULIFOLIADA – PEQUENA AGULHA
 MATA SUBTROPICAL
 PERTENCENTE AO BIOMA MATA
ATLÂNTICA
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
LOCALIZAÇÃO
A Caatinga é uma cobertura vegetal
genuinamente brasileira, ou seja, endêmica, uma
vez que as espécies que a compõe não são
encontradas em outra parte do mundo. Essa
vegetação, originalmente, cobria uma área de
734.478 km², o que equivale a cerca de 11% do
território brasileiro. No interior dessa imensa
região se encontram os Estados do Maranhão,
Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba,
Pernambuco, Alagoas, Sergipe e a porção norte
de Minas Gerais.
CAATINGA
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Os vegetais que formam a Caatinga, em
geral, possuem folhas atrofiadas, que
permitem enfrentar os extensos períodos
sem chuva. Atualmente, existe somente
50% da vegetação original. Algumas áreas
da Caatinga, que se encontram
degradadas, estão ingressando no
processo de desertificação, formando
manchas de desertos entre a vegetação
original
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Na Caatinga, a atividade econômica
mais praticada é a agropecuária,
desenvolvida de maneira tradicional,
alcançando uma baixa produtividade.
A falta de manejo técnico na utilização
do solo promove impactos negativos
nesse ecossistema.
A caatinga tem uma fisionomia de deserto, com
índices pluviométricos muito baixos, em torno de
500 a 700 mm anuais. Em certas regiões do Ceará,
por exemplo, embora a média para anos ricos em
chuvas seja de 1.000 mm, pode chegar a apenas
200 mm nos anos secos.
A temperatura se situa entre 24 e 26 graus e varia
pouco durante o ano. Além dessas condições
climáticas rigorosas, a região das caatingas está
submetida a ventos fortes e secos, que
contribuem para a aridez da paisagem nos meses
de seca.
As plantas da caatinga possuem adaptações ao
clima, tais como folhas transformadas em
espinhos, cutículas altamente impermeáveis,
caules suculentos etc. Todas essas adaptações
lhes conferem um aspecto característico
denominado xeromorfismo (do grego xeros,
seco, e morphos, forma, aspecto).
Duas adaptações importantes à vida das plantas
nas caatingas são a queda das folhas na
estação seca e a presença de sistemas de raízes
bem desenvolvidos. A perda das folhas é uma
adaptação para reduzir a perda de água por
transpiração e raízes bem desenvolvidas
aumentam a capacidade de obter água do solo.
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
MANDACARU
XIQUE - XIQUE
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
CARACTERÍSTICAS
XERÓFITAS
XEROMORFISMO
O solo da caatinga é raso,
pedregoso e alcalino e não
armazena a chuva que cai.
RAÍZES PROFUNDAS
FOLHAS ATROFIADAS -
ESPINHOS
MATA DOS COCAIS
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Fitofisionomia da mata dos cocais.
Mata dos cocais é um tipo de vegetação brasileira que ocorre
entre a região norte e nordeste do Brasil, região denominada
de meio-norte. Corresponde a uma área de transição
envolvendo vários estados e vegetações distintas. Na região
onde se encontra o meio-norte é possível identificar climas
totalmente diferentes, como equatorial superúmido e
semiárido.
A mata dos cocais é composta por babaçu,
carnaúba, oiticica e buriti; se estabelece entre a
Amazônia e a caatinga.
Nas áreas mais úmidas do meio-norte, que se
encontram no Maranhão, norte do Tocantins e
oeste do Piauí, ocorre o desenvolvimento de
uma espécie de coqueiro ou palmeira chamada
de babaçu. Essa planta possui uma altura que
oscila entre 15 e 20 metros. O babaçu produz
amêndoas que são retiradas de cachos de
coquinhos do qual é extraído um óleo com uso
difundido na indústria de cosméticos e
alimentos.
Considerada a mais rica palmeira utilizada na
indústria extrativista brasileira, o babaçu
serve de fonte de renda para pelo menos 400
mil quebradeiras de coco no Brasil, segundo
estimativas do Ministério do Meio Ambiente.
Da folha da palmeira, que pode chegar a 20
metros de altura, pode se fazer telhado para
as casas e artesanato; do caule, adubo e
estrutura de construções; da casca do coco,
carvão para alimentar as caldeiras da
indústria; do mesocarpo, a multimistura usada
na nutrição infantil; da amêndoa pode obter-se
ainda o óleo, empregado na alimentação e na
produção de combustível, lubrificante e até
mesmo sabão.
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
A Carnaúba é uma árvore endêmica no semi-árido do
nordeste brasileiro, árvore símbolo dos Estados do Piauí e
Ceará, conhecida como árvore da vida, pois oferece uma
infinidade de usos ao homem: as raízes têm uso medicinal
como eficiente diurético; os frutos são um rico nutriente para a
ração animal; o tronco é madeira de qualidade para
construções; as palhas servem para a produção artesanal,
adubação do solo e extração de cera, um insumo valioso que
entra na composição de diversos produtos industriais como
cosméticos, cápsulas de remédios, componentes eletrônicos,
produtos alimentícios, ceras polidoras e revestimentos
CARNAÚBA
CARNAÚBA
OITICICA
BURITI
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Um dos ecossistemas mais ricos do Brasil,
o Pantanal, estende-se pelos territórios do
Mato-Grosso (região sul), Mato-Grosso do
Sul (noroeste), Paraguai (norte) e Bolívia
(leste). Ao todo são aproximadamente 228
mil quilômetros quadrados. Em função de
sua importância e diversidade ecológica, o
Pantanal é considerado pela UNESCO como
um Patrimônio Natural Mundial e Reserva
da Biosfera.
Aspectos Geográficos
O Pantanal é formado por uma planície e está
situado na Bacia Hidrográfica do Alto
Paraguai. Recebe uma grande influência do
Rio Paraguai e seus afluentes, que alagam a
região formando extensas áreas alagadiças
(pântanos) e favorecendo a existência de
uma rica biodiversidade. A época de chuvas e
cheias dos rios ocorre durante os meses de
novembro a abril.
O clima do Pantanal é úmido (alto índice
pluviométrico), quente no verão e seco e frio
na época do inverno.
Flora do Pantanal
Assim como ocorre com a vida animal, o Pantanal possui
uma extensa variedade de árvores, plantas, ervas e outros
tipos de vegetação. Nesta região, podemos encontrar
espécies da Amazônia, do Cerrado e do Chaco Boliviano.
Nas planícies (região que alaga na época das cheias)
encontramos uma vegetação de gramíneas. Nas regiões
intermediárias, desenvolvem-se pequenos arbustos e
vegetação rasteira. Já nas regiões mais altas, podemos
encontrar árvores de grande porte.
As principais árvores do Pantanal são: aroeira, ipê,
figueira, palmeira e angico.
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
As chuvas fortes são comuns nesse
bioma. Os terrenos, quase sempre planos,
são alagados periodicamente por
inúmeros corixos e vazantes entremeados
de lagoas e leques aluviais. Na época das
cheias estes corpos comunicam-se e
mesclam-se com as águas do Rio
Paraguai, renovando e fertilizando a
região.
BAÍAS E CORIXOS SÃO DECORADOS
COM VEGETAÇÃO FLUTUANTE
COMO AGUAPÉ E VITÓRIA-RÉGIA
Ameaças ao Pantanal
Embora boa parte da região continue inexplorada,
muitas ameaças surgem em decorrência do interesse
econômico que existe sobre essa área. A situação
começou a se agravar nos últimos 20 anos, sobretudo
pela introdução de pastagens artificiais e pela
exploração das áreas de mata. O Pantanal tem passado
por transformações lentas, mas significativas, nas
últimas décadas. O avanço das populações e o
crescimento das cidades são uma ameaça constante. A
ocupação desordenada das regiões mais altas, onde
nasce a maioria dos rios, é o risco mais grave.
A agricultura indiscriminada está
provocando a erosão do solo, além de
contaminá-lo com o uso excessivo de
agrotóxicos. O resultado da destruição
do solo é o assoreamento dos rios
(bloqueio por terra), fenômeno que tem
mudado a vida na região. Áreas que
antes ficavam alagadas nas cheias e
completamente secas quando as chuvas
paravam, agora ficam permanentemente
sob as águas.
Curiosidades sobre o Pantanal
· A maior cobra do Pantanal é a sucuri
amarela. Mede até 4,5 metros e se alimenta de
peixes, aves e pequenos mamíferos.
· Tuiuiú, ave-símbolo do Pantanal, tem mais
de 2 metros de envergadura com as asas
abertas.
· O jacaré do Pantanal mede até 2,5 metros de
comprimento, alimentando-se principalmente
de peixes.
· O maior peixe do Pantanal é o jaú, um bagre
gigante que chega a 1,5 metro de
comprimento, pesando até 120 quilos.
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
TUIUIÚ
HIDROVIA DO RIO PARAGUAI
Hidrovia Paraguai-Paraná
A Hidrovia Paraguai-Paraná é um dos mais
extensos e importantes eixos continentais de
integração política, social e econômica. Ela
corta metade da América do Sul, vai desde a
cidade de Cáceres, no estado de Mato Grosso,
até Nova Palmira, no Uruguai. São 3.442 km,
sendo 2.202 km até a divisa com o Paraguai e
Argentina, e servem a cinco países: Brasil,
Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.
VEGETAÇÃO LITORÂNEA
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Os mangues correspondem a uma
característica vegetativa que se
apresenta em áreas costeiras,
compreende uma faixa de transição
entre aspectos terrestres e marinhos,
esse tipo de cobertura vegetal se
estabelece em lugares no qual
predominam o clima tropical e
subtropical.
Os mangues se encontram em ambientes
alagados com águas salobras, os vegetais
do mangue são constituídos por raízes
expostas favorecendo uma maior retirada
de oxigênio e também proporcionando
maior fixação.
O mangue é formado por plantas com aspecto
arbustivo e também arbóreo, no entanto, os
manguezais não são homogêneos, uma vez
que há diferenças entre eles, desse modo são
classificados ou divididos em: mangue
vermelho, mangue branco e mangue-siriuba.
VEGETAÇÃO DE PRAIA
Vegetação de praia: ocorrem vegetações do
tipo arbóreo e arbustivo adaptadas a
lugares com grande concentração de sal,
como a salsa-da-praia, grama-da-praia,
pinheirinho-da-praia, feijão-boi, jundu etc.
Vegetação de dunas: desenvolve uma
vegetação rasteira, cujas raízes são
extensas e profundas. Em dunas semi-
fixas ocorre aroeira-vermelha, pau-de-
bruge, além da capororoca, maria-mole,
guamirim entre outras.
Restinga: apresenta diversas
características vegetais, como espécies
herbáceas, arbustivas e arbóreas.
VEGETAÇÃO DAS DUNAS
RESTINGAS
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Região Centro-Oeste do Brasil
Região Centro-Oeste do BrasilRegião Centro-Oeste do Brasil
Região Centro-Oeste do Brasil
Celia Carraro
 
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
Hávila Said
 
Trabalho de geo CERRADO
Trabalho de geo CERRADOTrabalho de geo CERRADO
Trabalho de geo CERRADO
William Barcellos
 
Mata dos Cocais
Mata dos CocaisMata dos Cocais
Mata dos Cocais
Maria Olandina Machado
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
Edmar Souza
 
Bioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata AtlânticaBioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata Atlântica
Anderson Silva
 
Domínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - AraucáriaDomínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - Araucária
Vera Santos
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Andre Luiz Nascimento
 
Mata AtlâNtica
Mata AtlâNticaMata AtlâNtica
Mata AtlâNtica
diegovicari
 
Biomas mundiais
Biomas mundiaisBiomas mundiais
Biomas mundiais
igor-oliveira
 
Brasil características gerais
Brasil características geraisBrasil características gerais
Brasil características gerais
Salageo Cristina
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
Euna Machado
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
Marina Godoy
 
Savana e serengueti
Savana e serenguetiSavana e serengueti
Savana e serengueti
Bárbara Lopes
 
Bioma Mata Atlantica
Bioma Mata AtlanticaBioma Mata Atlantica
Bioma Mata Atlantica
Jean Leão
 
África
África África
África
Camila Brito
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Italo Alan
 
Dominio Amazonico
Dominio AmazonicoDominio Amazonico
Dominio Amazonico
Laguat
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Ademir Aquino
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
David Cavalcante
 

Mais procurados (20)

Região Centro-Oeste do Brasil
Região Centro-Oeste do BrasilRegião Centro-Oeste do Brasil
Região Centro-Oeste do Brasil
 
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
 
Trabalho de geo CERRADO
Trabalho de geo CERRADOTrabalho de geo CERRADO
Trabalho de geo CERRADO
 
Mata dos Cocais
Mata dos CocaisMata dos Cocais
Mata dos Cocais
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
 
Bioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata AtlânticaBioma da Mata Atlântica
Bioma da Mata Atlântica
 
Domínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - AraucáriaDomínios morfoclimático - Araucária
Domínios morfoclimático - Araucária
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Mata AtlâNtica
Mata AtlâNticaMata AtlâNtica
Mata AtlâNtica
 
Biomas mundiais
Biomas mundiaisBiomas mundiais
Biomas mundiais
 
Brasil características gerais
Brasil características geraisBrasil características gerais
Brasil características gerais
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Savana e serengueti
Savana e serenguetiSavana e serengueti
Savana e serengueti
 
Bioma Mata Atlantica
Bioma Mata AtlanticaBioma Mata Atlantica
Bioma Mata Atlantica
 
África
África África
África
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Dominio Amazonico
Dominio AmazonicoDominio Amazonico
Dominio Amazonico
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
 

Destaque

SANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUESANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUE
Conceição Fontolan
 
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
Conceição Fontolan
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
Conceição Fontolan
 
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCARPRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
Conceição Fontolan
 
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICASTEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
Conceição Fontolan
 
REVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDEREVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDE
Conceição Fontolan
 
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
Conceição Fontolan
 
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
Conceição Fontolan
 
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
Conceição Fontolan
 
AQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBALAQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBAL
Conceição Fontolan
 
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
Conceição Fontolan
 
MIGRAÇÕES
MIGRAÇÕESMIGRAÇÕES
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIALPRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
Conceição Fontolan
 
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICASPROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
Conceição Fontolan
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Douglas Barraqui
 
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
Conceição Fontolan
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOREVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Relevo brasileiro
 Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
Conceição Fontolan
 
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
Srta Gecy
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
Tânia Reis
 

Destaque (20)

SANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUESANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUE
 
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
 
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCARPRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
 
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICASTEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
 
REVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDEREVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDE
 
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
 
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
 
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
 
AQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBALAQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBAL
 
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
 
MIGRAÇÕES
MIGRAÇÕESMIGRAÇÕES
MIGRAÇÕES
 
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIALPRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
 
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICASPROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOREVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
 
Relevo brasileiro
 Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
O bioma Pampas e sua Flora e Fauna.
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 

Semelhante a Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO

Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
AndressaCosta90
 
BIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdfBIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdf
JooPedroMapurungadeS
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Esequias Bueno
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
Maria Lima
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
Amazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMASAmazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMAS
Danillo Rodrigues
 
Trab12092013
Trab12092013Trab12092013
Trab12092013
americanasexpress
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
norivalfp
 
9 c 2
9 c 29 c 2
Principais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosPrincipais biomas brasileiros
Principais biomas brasileiros
Luis Augusto
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
Raquel Avila
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Raquel Avila
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
KELSON DA LUZ OLIVEIRA
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
Amazônia
AmazôniaAmazônia
Amazônia
Edmar Souza
 
kkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkk
Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2
Altair Hoepers
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Alano Hellery Alano
 
Domínio Morfoclimático da Amazônia - 31C
Domínio Morfoclimático da Amazônia - 31CDomínio Morfoclimático da Amazônia - 31C
Domínio Morfoclimático da Amazônia - 31C
Fábio Luz
 
31 c amazonia
31 c   amazonia31 c   amazonia
31 c amazonia
Alice Barros
 

Semelhante a Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO (20)

Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
 
BIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdfBIOMA AMAZONIA.pdf
BIOMA AMAZONIA.pdf
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
Amazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMASAmazônia - BIOMAS
Amazônia - BIOMAS
 
Trab12092013
Trab12092013Trab12092013
Trab12092013
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
 
9 c 2
9 c 29 c 2
9 c 2
 
Principais biomas brasileiros
Principais biomas brasileirosPrincipais biomas brasileiros
Principais biomas brasileiros
 
Biomas do brasileiros
Biomas do brasileirosBiomas do brasileiros
Biomas do brasileiros
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
4 biomas
 
Amazônia
AmazôniaAmazônia
Amazônia
 
kkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkk
 
Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2Biomas brasileiros 2
Biomas brasileiros 2
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Domínio Morfoclimático da Amazônia - 31C
Domínio Morfoclimático da Amazônia - 31CDomínio Morfoclimático da Amazônia - 31C
Domínio Morfoclimático da Amazônia - 31C
 
31 c amazonia
31 c   amazonia31 c   amazonia
31 c amazonia
 

Mais de Conceição Fontolan

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
Conceição Fontolan
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
Conceição Fontolan
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
Conceição Fontolan
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
Conceição Fontolan
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ

Mais de Conceição Fontolan (20)

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ
CANADÁ
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO

  • 1. Profª : CONCEIÇÃO APARECIDA FONTOLAN
  • 6. Podemos definir bioma como um conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos de vegetação). Os seres vivos de um bioma vivem de forma adaptada as condições da natureza (vegetação, chuva, umidade, calor, etc) existentes. Os biomas brasileiros caracterizam-se, no geral, por uma grande diversidade de animais e vegetais (biodiversidade).
  • 8. O desmatamento, as queimadas, a garimpagem, o agropastoreio e a biopirataria representam os principais problemas ambientais enfrentados pelo bioma amazônico. O conjunto formado por essas ações devastadoras é responsável por graves mudanças climáticas em todo o planeta, pois a Amazônia é um grande “resfriador” atmosférico, removendo o excesso de gás carbônico disperso na atmosfera, que provoca o aquecimento global. Atualmente a proliferação de culturas de soja tem sido motivo de grande preocupação por estar gerando inúmeras áreas de desmatamento, a maioria ilegais.
  • 14. Felizmente a Amazônia possui dois fatores de proteção que dificultam sua rápida degradação, que são: sua enorme extensão e sua intrincada rede de rios e igarapés. Características que dificultam o acesso à área e encarecem excessivamente qualquer obra de engenharia, como, por exemplo, a construção de usinas hidrelétricas. Mesmo sendo o nosso bioma mais preservado, cerca de 16% de sua área já foi devastado, o que equivale a duas vezes e meia a área do estado de São Paulo, por exemplo.
  • 16. CARACTERÍSTICAS DA REDE  1- Igarapés.Pequenos rios usados pela população.  2- furos. Pequenos rios que unem os rios entre si ou a um lago.  3- Paranás. Extensos braços de rios que formam ilhas. Paranás mirins ( menor tamanho).  4-Meandros. Curvas dos rios  5- Meandros Abandonados. Rios formam outros caminhos.
  • 17. É a maior floresta pluvial tropical do mundo, pois abrange grande parte da região Norte do Brasil e está presente nos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Portanto, a Floresta Amazônica ocupa quase metade do território brasileiro, o que faz com que o Brasil seja um campeão de biodiversidade, encabeçando a lista dos países megadiversos. FLORESTA AMAZÔNICA
  • 19. A Floresta Amazônica é a grande responsável por boa parte da riqueza natural do país. Com 5,5 milhões de quilômetros quadrados, possui nada menos que um terço de todas as espécies vivas do planeta. No Rio Amazonas e em seus mais de 1 000 afluentes, estima-se que haja quinze vezes mais peixes que em todo o continente europeu. Apenas 1 hectare da floresta pode trazer até 300 tipos de árvore. A floresta temperada dos Estados Unidos possui 13% do número de espécies de árvores da Amazônia. A Floresta Amazônica é considerada a grande "caixa-preta" da biodiversidade mundial. Há estimativas que indicam existir mais de 10 milhões de espécies vivas em toda a floresta, mas o número real é incalculável. BIODIVERSIDADE
  • 22. MATA DE IGAPÓ MATA DE IGAPÓ: compreende uma cobertura vegetal que ocorre nas áreas de relevo suave (planícies) que se encontram às margens de rios, portanto, sofre inundações frequentes. A mata de igapó possui aspecto de difícil acesso devido à incidência de árvores baixas que não superam 20 m, além de cipós , epífitas e plantas aquáticas, seu destaque é a Vitória- Régia.
  • 23. mata de várzea: mata de inundação temporária, de composição vegetal variável. Ex.: Seringueira, Jatobá e Maçaranduba.
  • 25. • MATA DE TERRA FIRME: ocupam a maior parte da região e não são inundadas pelas cheias dos rios. É uma formação densa, úmida e escura (a copa das árvores forma um telhado que pode reter até 95% da luz solar). Ex: Castanha-do-Pará, Caucho e guaraná. Também é considerada a mais rica em biodiversidade: em uma área de 2km2 de mata chegam a ser encontradas 300 espécies vegetais diferentes.
  • 26. Caracterização A Amazônia possui grande importância para a estabilidade ambiental do Planeta. Nela estão fixadas mais de uma centena de trilhões de toneladas de carbono. Sua massa vegetal libera algo em torno de sete trilhões de toneladas de água anualmente para a atmosfera, via evapotranspiração, e seus rios descarregam cerca de 20% de toda a água doce que é despejada nos oceanos.
  • 27. Durante muito tempo, atribuiu-se à Amazônia o papel de “pulmão do mundo”. Hoje, sabe-se que a quantidade de oxigênio que a floresta produz durante o dia, pelo processo da fotossíntese, é consumida à noite. Mas, devido às alterações climáticas que causa no planeta, a Floresta Amazônica vem sendo chamada como “o condicionador de ar do mundo”.
  • 28. Enorme riqueza sobre solo pobres O solo amazônico apresenta baixos índices de nutrientes, é ligeiramente ácido e bastante arenoso, características que permitem classificá-lo como extremamente pobre. A presença de grande quantidade de matéria orgânica, carregada desde os Andes pelos rios, faz das várzeas as únicas áreas agricultáveis da Amazônia.
  • 29. Na verdade, como em toda mata tropical, os nutrientes minerais encontram-se quase totalmente na biomassa vegetal ficando uma pequena quantidade no solo, sobretudo na camada superficial de húmus. A rápida reciclagem desses nutrientes, decompostos pelos microorganismo do solo e reabsorvido pelas árvores, garante o equilíbrio necessário a manutenção da floresta. A única função relevante do solo é a de dar suporte físico à vegetação. De acordo com estudos do projeto Radam – Brasil, apenas pouco mais de 10% da Amazônia possuem solo de fertilidade compatível com as atividades agrícolas.
  • 30. Vegetação Em geral, a vegetação amazônica é HIGRÓFILA : adaptada à vida em condições com excesso de água. PERENE : sempre verde. LATIFOLIADA : folhas largas . DENSA: mata fechada. FLORESTA OMBRÓFILA: grande umidade da região. FLORESTA PLUVIAL: chuvas. FLORESTA EQUATORIAL : clima quente e úmido.
  • 31. Eco-92 Foi marcada por divergências,onde durante o governo de George Bush ( 1988-1992), recusou-se a assinar o reconhecimento da soberania dos países possuidores de biodiversidade, como o Brasil.Somente em 1993 , com Bill Clinton na presidência dos EUA, é que houve esse reconhecimento, dando a esses países o direito de participar dos lucros oriundos da exploração de sua biodiversidade.
  • 34. MATA ATLÂNTICA - 2009 ORIGINAL 2OO9
  • 37. MARES DE MORROS A erosão, provocada pelo clima tropical úmido, associada a um intemperismo químico significativo sobre os terrenos cristalinos (granito/gnaisse), é um dos fatores responsáveis pela conformação do relevo, com a presença de morros com vertentes arredondadas (morros em Meia Laranja,Pão-de-Açúcar).Relevo Mamelonar
  • 38. MATA CILIAR Mata ciliar ou ripária é a vegetação que margeia os cursos d’água, caracterizada por espécies bem adaptadas à abundância de água, e às frequentes inundações. São importantes na proteção das margens contra a erosão e na manutenção da fauna. Servem também como barreira, evitando que detritos das margens atinjam a calha do rio. A arborização das margens também é um fator importante para evitar o aquecimento de suas águas, mantendo um bom nível de aeração (oxigênio dissolvido).
  • 40. Exploração das riquezas naturais da Mata Atlântica A Mata Atlântica brasileira foi o primeiro ambiente a ser ocupado e explorado pelos colonizadores portugueses. Desde então, este ecossistema, que abriga grande parte da biodiversidade brasileira, vem sendo amplamente ocupado e explorado. Atualmente restam apenas 7% da área original deste ambiente que margeava o litoral do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. A extração do pigmento vermelho da árvore pau-brasil (Cesalpinia echinata) pelos indígenas e colonizadores foi apenas o começo de uma longa história que ainda não chegou ao fim.
  • 41. O ciclo da cana-de-açúcar, uma espécie exótica, exerceu pressão distinta, pois a sua produção implicava no desmatamento em áreas férteis, principalmente no nordeste brasileiro, conduzindo ao longo dos cinco séculos regiões ao extremo da perda e fragmentação da Mata Atlântica, como os estados de Alagoas e Pernambuco. Neste, há apenas 5% de sua cobertura original (GALINDO-LEAL & CÂMARA 2005).
  • 44. O ciclo do café segue o padrão da cana-de- açúcar, porém ocorre mais no sudeste do país. Depois temos o ciclo com o gado que alternava- se entre os altos e baixos das monoculturas ou mineração. Hoje, após cinco séculos de exploração e ocupação, a área de domínio da Mata Atlântica, que, inicialmente, correspondia a 15% do território brasileiro, está reduzida a 1,06% desta área, totalizando cerca de 91,4 mil km². Isto significa que, agora, ocupa apenas 7,3% de sua área original (AGUSTINI, 2004)
  • 45. CAFÉ
  • 47. Nos últimos 10 anos a produção de café aumentou de 6,2 para 7,8 milhões de toneladas, com mais hectares sendo cultivados principalmente no Brasil, Indonésia e Vietnã (Fig.1).
  • 49. Hoje, muitas espécies vegetais e animais da Mata Atlântica constam da imensa lista de espécies ameaçadas de extinção. Apenas entre o grupo dos primatas, são 25 espécies brasileiras ameaçadas de extinção, sendo algumas delas típicas da Mata Atlântica, como é o caso do Muriqui. As grandes alterações da Floresta Atlântica ocorreram devido à ocupação das terras, especialmente no Sudeste, e ao comércio das riquezas naturais da região. A região litorânea do Brasil, que abriga a Mata Atlântica, foi a primeira a ser explorada, devido à facilidade de acesso ao território e à riqueza natural da região.
  • 55. A Mata Atlântica é um dos Biomas mais ricos em biodiversidade do mundo e também o segundo mais ameaçado de extinção. 70% da população brasileira mora em seu domínio. Por isso, viver na Mata Atlântica é um grande privilégio, mas também uma grande responsabilidade
  • 56. Distribuído ao longo de mais de 23 graus de latitude sul, com grandes variações no relevo e regimes pluviométricos, a Mata Atlântica é composta de uma série de tipologias ou unidades fitogeográficas, constituindo um mosaico vegetacional que proporciona a grande biodiversidade reconhecida para o bioma. Apesar da devastação acentuada, a Mata Atlântica ainda abriga uma parcela significativa de diversidade biológica do Brasil, com altíssimos níveis de endemismo. A riqueza pontual é tão significativa que os dois maiores recordes mundiais de diversidade botânica para plantas lenhosas foram registrados nesse bioma (454 espécies em um único hectare do sul da Bahia e 476 espécies em amostra de mesmo tamanho na região serrana do Espírito Santo).
  • 57. As estimativas indicam ainda que a Mata Atlântica abriga 261 espécies de mamíferos (73 deles endêmicos), 340 de anfíbios (253 endêmicos), 192 de répteis (60 endêmicos), 1.020 de aves (188 endêmicas), além de aproximadamente 20.000 espécies de plantas vasculares, das quais aproximadamente metade estão restritas ao bioma. Para alguns grupos, como os primatas, mais de 2/3 das formas são endêmicas. Em virtude da sua riqueza biológica e níveis de ameaça, a Mata Atlântica, ao lado de outros 33 biomas localizados em diferentes partes do planeta, foi indicada por especialistas, em um estudo coordenado pela Conservation International, como um dos hotspots mundiais, ou seja, uma das prioridades para a conservação de biodiversidade em todo o mundo.
  • 58. CARACTERÍSTICAS DA MATA ATLÂNTICA - presença de árvores de médio e grande porte, formando uma floresta fechada e densa; - rica biodiversidade, com presença de diversas espécies animais e vegetais; - as árvores de grande porte formam um microclima na mata, gerando sombra e umidade - fauna rica com presença de diversas espécies de mamíferos, anfíbios, aves, insetos, peixes e répteis. - na região da Serra do Mar, forma-se na Mata Atlântica uma constante neblina.
  • 59. Flora - Exemplos de vegetação da Mata Atlântica : -Palmeiras - Bromélias, begônias, orquídeas, cipós e briófitas - Pau-brasil, jacarandá, peroba, jequitibá-rosa, cedro - Tapiriria - Andira - Ananas - Figueiras
  • 60. Fauna - Exemplos de espécies animais da Mata Atlântica: - Mico-leão-dourado (risco de extinção) - Bugio (risco de extinção) - Tamanduá bandeira (risco de extinção) - Tatu-canastra (risco de extinção) - Arara-azul-pequena (risco de extinção) - Muriqui - Anta - Onça Pintada (risco de extinção) - Jaguatirica - Capivara
  • 61. NOMES DA MATA ATLÂNTICA : FLORESTA LATIFOLIADA TROPICAL E, NAS ENCOSTAS ÚMIDAS: FLORESTA LATIFOLIADA ÚMIDA DE ENCOSTA ( UMIDADE DA MASSA DE AR TROPICAL ATLÂNTICA OU DOS VENTOS ALÍSIOS DE SUDESTE FLORESTA OMBRÓFILA DENSA (OMBRÓFILA – MUITA PLUVIOSIDADE)
  • 67. É a segunda maior formação vegetal brasileira. Estendia- se originalmente por uma área de 2 milhões de km², abrangendo dez estados do Brasil Central. Hoje, restam apenas 20% desse total.Típico de regiões tropicais, o cerrado apresenta duas estações bem marcadas: inverno seco e verão chuvoso. Com solo de savana tropical, deficiente em nutrientes e rico em ferro e alumínio, abriga plantas de aparência seca, entre arbustos esparsos e gramíneas, e o cerradão, um tipo mais denso de vegetação, de formação florestal. A presença de três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Tocantins-Araguaia, São Francisco e Prata) na região favorece sua biodiversidade . CERRADO
  • 68. A flora do Distrito Federal caracteriza-se pelo cerrado, cuja a vegetação é resistente e evoluída, com plantas adaptadas ao clima. Os fatores determinantes na fisionomia do cerrado são a escassez de água, acidez do solo e falta de umidade do ar. Os principais tipos de vegetação do cerrado de Brasília são a mata ciliar, o cerrado, o cerradão, campos e veredas. CARACTERÍSTICAS DO CERRADO
  • 69. A mata ciliar pode ser encontrada ao longo de rios e riachos e distribui-se em locais com umidade e solo adequados para o desenvolvimento das espécies nativas como a pindaíba e o ipê-roxo. O cerrado é caracterizado por pequenas árvores e arbustos, retorcidos, de casca grossa, folhas cariáceas e esparsamente distribuídas. Entre suas árvores nativas estão o pau-terra, o pequi e o barbatimão.
  • 71. O cerradão é muito semelhante à mata ciliar, diferenciando-se pela composição florística e árvores com grandes copas dando uma aparência fechada. Existem dois tipos de campos, o campo sujo e o campo limpo. Campos são basicamente compostos por grama e poucas árvores, a diferença entre os dois tipos é que o campo sujo tem algumas árvores e arbustos esparsos. São encontrados nas bordas de chapadas e cabeceiras.
  • 75. As veredas são como pântanos, com solo cheio de água. Encontrados em lugares com solos rasos, afloramentos rochosos e encosta de morros. Normalmente são longas, largas. Sua planta típica no DF é a palmeira-buriti. Brasília além de possuir sua flora nativa formando um tapete verde, possui espécies originárias de outras regiões como o pau- brasil e buganvílias lilases,brancas, vermelhas, alaranjadas e cor-de-rosa aumentando a beleza do cerrado.
  • 78. O domínio das florestas e dos campos meridionais se estende desde o Rio Grande do Sul até parte dos estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo. O clima é ameno e o solo naturalmente fértil. A junção destes dois fatores favoreceram à colonização acelerada no último século, principalmente por imigrantes europeus e japoneses que alcançaram elevados índices de produtividade na região.
  • 79. Esse tipo de vegetação é encontrada em dois lugares distintos: os campos de terra firme (savanas de gramíneas baixas) são característicos do norte da Amazônia, Roraima, Pará e ilhas do Bananal e de Marajó, enquanto os campos limpos (estepes úmidas) são típicos da região sul. De um modo geral, o campo limpo é destituído de árvores, bastante uniforme e com arbustos espalhados e dispersos. Já nos campos de terra firme as árvores, baixas e espaçadas, se integram totalmente à paisagem. Em ambos os casos o solo é revestido de gramíneas, subarbustos e ervas.
  • 81. Estima-se que 10 mil espécies de vegetais, 837 de aves e 161 de mamíferos vivam ali. Essa riqueza biológica, porém, é seriamente afetada pela caça e pelo comércio ilegal.O cerrado é o sistema ambiental brasileiro que mais sofreu alteração com a ocupação humana. Atualmente, vivem ali cerca de 20 milhões de pessoas. Essa população é majoritariamente urbana e enfrenta problemas como desemprego, falta de habitação e poluição, entre outros. A atividade garimpeira, por exemplo, intensa na região, contaminou os rios de mercúrio e contribuiu para seu assoreamento. A mineração favoreceu o desgaste e a erosão dos solos. Na economia, também se destaca a agricultura mecanizada de soja, milho e algodão, que começa a se expandir principalmente a partir da década de 80. Nos últimos 30 anos, a pecuária extensiva, as monoculturas e a abertura de estradas destruíram boa parte do cerrado. Hoje, menos de 2% está protegido em parques ou reservas.
  • 83. Pequenas árvores de troncos torcidos e recurvados e de folhas grossas, esparsas em meio a uma vegetação rala e rasteira, misturando-se, às vezes, com campos limpos ou matas de árvores não muito altas – esses são os Cerrados, uma extensa área de cerca de 200 milhões de hectares, equivalente, em tamanho, a toda a Europa Ocidental. A paisagem é agressiva, e por isso, durante muito tempo, foi considerada uma área perdida para a economia do país.
  • 84. 75 125 175 225 275 325 375 425 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 MT CO BR DF GO MS Índice de crescimento do PIB do Centro- Oeste e Estados da Região (1985 =100)
  • 85. 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 1,8 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
  • 86. 1,4% 1,6% 1,8% 2,0% 2,2% 2,4% 2,6% 2,8% 3,0% 3,2% 2005 2010 2015 2020 2026 Elevação da participação da economia mato-grossense no PIB brasileiro, dos atuais 1,60% para cerca de 2,98%, em 2026. META:
  • 88. A Mata de Araucária, também chamada de Pinheiros-do-paraná (Araucária angustifolia) , ou, cientificamente, de Floresta Ombrófila Mista, está seriamente ameaçada de extinção. Apenas 1,2% de sua cobertura original encontra-se preservada, e apenas 0,22% (40.774 hectares) está sob a proteção de Unidades de conservação (UC), o que põe em risco a preservação da floresta.
  • 89. Originalmente as Matas de Araucárias se estendiam entre os Estados do Rio Grande do Sul e Paraná, com incidências em áreas esparsas de São Paulo e Minas Gerais em regiões altas e de clima frio com chuvas regulares o ano todo, fazendo parte do domínio da Mata Atlântica. Geralmente a Floresta Ombrófila Mista se desenvolve em locais com uma altitude maior que 500 metros e menor que 800 metros, mas, em alguns lugares, podem ser encontradas em altitudes de 1.000 metros.
  • 90. A Araucária angustifólia pode atingir até 50 metros de altura e produz sementes comestíveis conhecidas como “pinhão” (existe até a " FESTA do Pinhão", em Lages-SC, que contribui para o desaparecimento desta espécie). Uma característica comum nos pinheiros e que foi um dos fatores a contribuir para a quase extinção da espécie é a “alelopatia”, ou, a tendência que essas plantas têm de inibir o crescimento de outras plantas próximas a elas facilitando sua extração.
  • 91. Outro fator que contribuiu para a exploração da araucária foi o fato de ela se encontrar quase que totalmente em regiões de solo muito fértil, a famosa “terra-roxa” (solo de origem vulcânica e altamente produtivo presente em apenas 1% do território nacional), fazendo com que a Araucária fosse suprimida, na maior parte da região onde incide, para o plantio de monoculturas e pastoreio.
  • 92. A Araucária pertence à família das Coníferas (plantas gimnospermas – sem fruto – presentes nas regiões temperadas) que é a espécie que atinge maior longevidade entre todas as outras espécies de plantas. Outras plantas podem ser encontradas em uma Floresta Ombrófila Mista, como a erva-mate que se beneficia da alelopatia da Araucária, ou a imbuia .
  • 93. A Araucária angustifolia é uma árvore útil: pode-se dizer que tudo nela é aproveitável, desde a amêndoa, no interior dos pinhões, até a resina que, destilada fornece alcatrão, óleos diversos, terebintina e breu, para variadas aplicações industriais. As sementes são ricas em amido, proteínas e gorduras, constituindo um alimento bastante nutritivo. É comum ver bandos de pássaros, principalmente periquitos e papagaios, pousados nos galhos das araucárias, bicando as amêndoas. Mas é a madeira que reúne maior variedade de aplicações. Em construção, já foi usada para forros, assoalhos, e vigas. Vastas áreas de pinheirais foram cultivadas exclusivamente para a confecção de caixas e palitos de fósforos. E a madeira serviu até como mastros em embarcações. Em aplicações rústicas, os galhos eram apenas descascados e polidos, transformando-se em cabos de ferramentas agrícolas
  • 94. A araucária interage intensamente com a fauna, que constitui um elemento muito importante para a dispersão das sementes. Entre estes animais destacam-se os roedores e as aves. Alberts (1992) cita, entre os roedores, as cotias, as pacas, os ouriços, os camundongos e os esquilos. Entre as aves são citados o papagaio- de-peito-roxo (Solórzano ,1999), a gralha-picaça e, em Minas Gerais, Bustamante (1948) cita os airus, a gralha azul e os tucanos.
  • 95. 22 DE MARÇO DE 2009
  • 96. A Lumber, o Contestado e a história do desmatamento da floresta de Araucária(1911-1950)
  • 97. A Guerra do Contestado foi um conflito que alcançou enormes proporções na história do Brasil e, particularmente, dos Estados do Paraná e de Santa Catarina. GUERRA DO CONTESTADO
  • 98. CORTE ILEGAL DAS ARAUCÁRIAS
  • 100. Semelhante a outros graves momentos de crise, interesses político-econômicos e messianismo se misturaram ao contexto explosivo. Ocorrido entre 1912 e 1916, o conflito envolveu, de um lado, a população cabocla daqueles Estados, e, de outro, os dois governos estaduais, apoiados pelo presidente da República, Hermes da Fonseca.
  • 101. A região do conflito, localizada entre os dois Estados, era disputada pelos governos paranaense e catarinense. Afinal, era uma área rica em erva-mate e, sobretudo, madeira. Originalmente, os moradores da região eram posseiros caboclos e pequenos fazendeiros que viviam da comercialização daqueles produtos.
  • 102. No final do século 19, o governo brasileiro autorizou a construção de uma estrada de ferro ligando os Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul. Para isso, desapropriou uma faixa de terra, de aproximadamente 30 km de largura, que atravessava os Estados do Paraná e de Santa Catarina - uma espécie de "corredor" por onde passaria a linha férrea. A CONSTRUÇÃO DA ESTRADA DE FERRO
  • 104. A responsável pela construção foi a empresa norte-americana Brazil Railway Company, de propriedade do empresário Percival Farquhar, que também era dono da Southern Brazil Lumber and Colonization Company, uma empresa de extração madeireira. A construção da estrada acabou atraindo muitos trabalhadores para a região onde ocorreria a Guerra do Contestado. Com o fim das obras, o grande número de migrantes que se deslocou para o local ficou sem emprego e, consequentemente, numa situação econômica bastante precária.
  • 106. Além de construir a estrada de ferro, Farquhar, por meio da Southern Brazil Lumber, passou a exportar para os Estados Unidos a madeira extraída ao longo da faixa de terra concedida pelo governo brasileiro. Com isso, os pequenos fazendeiros que trabalhavam na extração da madeira foram arruinados pelo domínio da Lumber sobre as florestas da região.
  • 107. A ESTRADA DE FERRO A construção da estrada de ferro ligando São Paulo ao Rio Grande do Sul trouxe consigo os principais elementos político-econômicos que levaram à eclosão da Guerra do Contestado. Afinal, a presença das empresas de Farquhar na região e os termos do acordo firmado com o governo brasileiro levaram, de uma só vez, à expulsão dos posseiros que trabalhavam no local, à falência de vários pequenos fazendeiros que viviam da extração da madeira e à formação de um contingente de mão-de-obra disponível e desempregada ao fim da construção.
  • 108. ERVA – MATE ( CONGONHA)
  • 112. Entretanto, havia também um outro elemento importante para o início do conflito: o messianismo. A região era frequentada por monges que faziam trabalhos sociais e espirituais e, vez ou outra, envolviam-se também com questões políticas - o que lhes dava certo destaque entre os moradores daquela localidade.
  • 113. Em 1912, apareceu na região um monge chamado José Maria de Santo Agostinho, nome que mais tarde a polícia descobriria ser falso. José Maria foi saudado pelos habitantes do local como a ressurreição de outro monge que vivera ali até 1908, o monge João Maria: era como se o antigo líder espiritual tivesse voltado. José Maria rapidamente ganhou fama na região por seu suposto dom de cura. Em meio aos problemas político- econômicos provocados pelas atividades das empresas de Percival Fraquhar, o monge passou a envolver-se também com questões que estavam muito além dos problemas espirituais dos seus seguidores.
  • 114. A GUERRA Sob a liderança de José Maria, os camponeses expulsos de suas terras e os antigos trabalhadores da Brazil Railway organizaram uma comunidade no intuito de solucionar os problemas ocasionados pela tomada das terras e pelo desemprego. Uniram- se ao grupo os fazendeiros prejudicados pela presença da Lumber na região. Tudo isso reforçado pelo discurso messiânico do monge José Maria, que logo declarou a comunidade sob sua liderança como um governo independente.
  • 115. A mobilização na região passou a incomodar o governo federal não apenas por crescer rapidamente, com a formação de novas comunidades, mas também porque os rebeldes passaram a associar os problemas econômicos e sociais à República. Ao mesmo tempo, os coronéis locais ficaram incomodados com o surgimento de lideranças paralelas, como José Maria. Já a Igreja, diante do messianismo que envolvia o movimento, também defendeu a intervenção na região.
  • 116. De forma autoritária e repressiva, os governos do Paraná e de Santa Catarina, articulados com o presidente Hermes da Fonseca, começaram a combater os rebeldes. Embora tenham tido pouco sucesso nos dois primeiros anos do conflito, as forças oficiais obtiveram, a partir de 1914, sucessivas vitórias sobre os revoltosos - graças à truculência das tropas e ao seu numeroso efetivo, que contava com homens do Exército brasileiro e das polícias dos dois estados.
  • 117. Com quase 46 meses de conflito, a Guerra do Contestado superou até mesmo Canudos em duração e número de mortes. Famintos e com cada vez mais baixas, diante do conflito prolongado, da força e crueldade das tropas oficiais e da epidemia de tifo, os revoltos caminharam para a derrota final, consumada em agosto de 1916 com a prisão de Deodato Manuel Ramos, último líder do Contestado.
  • 125. IMPORTANTE  PINHEIRO DO PARANÁ  ARAUCÁRIA ANGUSTIFOLIA  FLORESTA OMBRÓFILA MISTA  FLORESTA SUBCADUCIFOLIA OU DECÍDUA  ACICULIFOLIADA – PEQUENA AGULHA  MATA SUBTROPICAL  PERTENCENTE AO BIOMA MATA ATLÂNTICA
  • 128. A Caatinga é uma cobertura vegetal genuinamente brasileira, ou seja, endêmica, uma vez que as espécies que a compõe não são encontradas em outra parte do mundo. Essa vegetação, originalmente, cobria uma área de 734.478 km², o que equivale a cerca de 11% do território brasileiro. No interior dessa imensa região se encontram os Estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e a porção norte de Minas Gerais. CAATINGA
  • 130. Os vegetais que formam a Caatinga, em geral, possuem folhas atrofiadas, que permitem enfrentar os extensos períodos sem chuva. Atualmente, existe somente 50% da vegetação original. Algumas áreas da Caatinga, que se encontram degradadas, estão ingressando no processo de desertificação, formando manchas de desertos entre a vegetação original
  • 133. Na Caatinga, a atividade econômica mais praticada é a agropecuária, desenvolvida de maneira tradicional, alcançando uma baixa produtividade. A falta de manejo técnico na utilização do solo promove impactos negativos nesse ecossistema.
  • 134. A caatinga tem uma fisionomia de deserto, com índices pluviométricos muito baixos, em torno de 500 a 700 mm anuais. Em certas regiões do Ceará, por exemplo, embora a média para anos ricos em chuvas seja de 1.000 mm, pode chegar a apenas 200 mm nos anos secos. A temperatura se situa entre 24 e 26 graus e varia pouco durante o ano. Além dessas condições climáticas rigorosas, a região das caatingas está submetida a ventos fortes e secos, que contribuem para a aridez da paisagem nos meses de seca.
  • 135. As plantas da caatinga possuem adaptações ao clima, tais como folhas transformadas em espinhos, cutículas altamente impermeáveis, caules suculentos etc. Todas essas adaptações lhes conferem um aspecto característico denominado xeromorfismo (do grego xeros, seco, e morphos, forma, aspecto). Duas adaptações importantes à vida das plantas nas caatingas são a queda das folhas na estação seca e a presença de sistemas de raízes bem desenvolvidos. A perda das folhas é uma adaptação para reduzir a perda de água por transpiração e raízes bem desenvolvidas aumentam a capacidade de obter água do solo.
  • 140. CARACTERÍSTICAS XERÓFITAS XEROMORFISMO O solo da caatinga é raso, pedregoso e alcalino e não armazena a chuva que cai. RAÍZES PROFUNDAS FOLHAS ATROFIADAS - ESPINHOS
  • 143. Fitofisionomia da mata dos cocais. Mata dos cocais é um tipo de vegetação brasileira que ocorre entre a região norte e nordeste do Brasil, região denominada de meio-norte. Corresponde a uma área de transição envolvendo vários estados e vegetações distintas. Na região onde se encontra o meio-norte é possível identificar climas totalmente diferentes, como equatorial superúmido e semiárido.
  • 144. A mata dos cocais é composta por babaçu, carnaúba, oiticica e buriti; se estabelece entre a Amazônia e a caatinga. Nas áreas mais úmidas do meio-norte, que se encontram no Maranhão, norte do Tocantins e oeste do Piauí, ocorre o desenvolvimento de uma espécie de coqueiro ou palmeira chamada de babaçu. Essa planta possui uma altura que oscila entre 15 e 20 metros. O babaçu produz amêndoas que são retiradas de cachos de coquinhos do qual é extraído um óleo com uso difundido na indústria de cosméticos e alimentos.
  • 145. Considerada a mais rica palmeira utilizada na indústria extrativista brasileira, o babaçu serve de fonte de renda para pelo menos 400 mil quebradeiras de coco no Brasil, segundo estimativas do Ministério do Meio Ambiente. Da folha da palmeira, que pode chegar a 20 metros de altura, pode se fazer telhado para as casas e artesanato; do caule, adubo e estrutura de construções; da casca do coco, carvão para alimentar as caldeiras da indústria; do mesocarpo, a multimistura usada na nutrição infantil; da amêndoa pode obter-se ainda o óleo, empregado na alimentação e na produção de combustível, lubrificante e até mesmo sabão.
  • 147. A Carnaúba é uma árvore endêmica no semi-árido do nordeste brasileiro, árvore símbolo dos Estados do Piauí e Ceará, conhecida como árvore da vida, pois oferece uma infinidade de usos ao homem: as raízes têm uso medicinal como eficiente diurético; os frutos são um rico nutriente para a ração animal; o tronco é madeira de qualidade para construções; as palhas servem para a produção artesanal, adubação do solo e extração de cera, um insumo valioso que entra na composição de diversos produtos industriais como cosméticos, cápsulas de remédios, componentes eletrônicos, produtos alimentícios, ceras polidoras e revestimentos
  • 151. BURITI
  • 154. Um dos ecossistemas mais ricos do Brasil, o Pantanal, estende-se pelos territórios do Mato-Grosso (região sul), Mato-Grosso do Sul (noroeste), Paraguai (norte) e Bolívia (leste). Ao todo são aproximadamente 228 mil quilômetros quadrados. Em função de sua importância e diversidade ecológica, o Pantanal é considerado pela UNESCO como um Patrimônio Natural Mundial e Reserva da Biosfera.
  • 155. Aspectos Geográficos O Pantanal é formado por uma planície e está situado na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai. Recebe uma grande influência do Rio Paraguai e seus afluentes, que alagam a região formando extensas áreas alagadiças (pântanos) e favorecendo a existência de uma rica biodiversidade. A época de chuvas e cheias dos rios ocorre durante os meses de novembro a abril. O clima do Pantanal é úmido (alto índice pluviométrico), quente no verão e seco e frio na época do inverno.
  • 156. Flora do Pantanal Assim como ocorre com a vida animal, o Pantanal possui uma extensa variedade de árvores, plantas, ervas e outros tipos de vegetação. Nesta região, podemos encontrar espécies da Amazônia, do Cerrado e do Chaco Boliviano. Nas planícies (região que alaga na época das cheias) encontramos uma vegetação de gramíneas. Nas regiões intermediárias, desenvolvem-se pequenos arbustos e vegetação rasteira. Já nas regiões mais altas, podemos encontrar árvores de grande porte. As principais árvores do Pantanal são: aroeira, ipê, figueira, palmeira e angico.
  • 158. As chuvas fortes são comuns nesse bioma. Os terrenos, quase sempre planos, são alagados periodicamente por inúmeros corixos e vazantes entremeados de lagoas e leques aluviais. Na época das cheias estes corpos comunicam-se e mesclam-se com as águas do Rio Paraguai, renovando e fertilizando a região.
  • 159. BAÍAS E CORIXOS SÃO DECORADOS COM VEGETAÇÃO FLUTUANTE COMO AGUAPÉ E VITÓRIA-RÉGIA
  • 160. Ameaças ao Pantanal Embora boa parte da região continue inexplorada, muitas ameaças surgem em decorrência do interesse econômico que existe sobre essa área. A situação começou a se agravar nos últimos 20 anos, sobretudo pela introdução de pastagens artificiais e pela exploração das áreas de mata. O Pantanal tem passado por transformações lentas, mas significativas, nas últimas décadas. O avanço das populações e o crescimento das cidades são uma ameaça constante. A ocupação desordenada das regiões mais altas, onde nasce a maioria dos rios, é o risco mais grave.
  • 161. A agricultura indiscriminada está provocando a erosão do solo, além de contaminá-lo com o uso excessivo de agrotóxicos. O resultado da destruição do solo é o assoreamento dos rios (bloqueio por terra), fenômeno que tem mudado a vida na região. Áreas que antes ficavam alagadas nas cheias e completamente secas quando as chuvas paravam, agora ficam permanentemente sob as águas.
  • 162. Curiosidades sobre o Pantanal · A maior cobra do Pantanal é a sucuri amarela. Mede até 4,5 metros e se alimenta de peixes, aves e pequenos mamíferos. · Tuiuiú, ave-símbolo do Pantanal, tem mais de 2 metros de envergadura com as asas abertas. · O jacaré do Pantanal mede até 2,5 metros de comprimento, alimentando-se principalmente de peixes. · O maior peixe do Pantanal é o jaú, um bagre gigante que chega a 1,5 metro de comprimento, pesando até 120 quilos.
  • 165. HIDROVIA DO RIO PARAGUAI
  • 166. Hidrovia Paraguai-Paraná A Hidrovia Paraguai-Paraná é um dos mais extensos e importantes eixos continentais de integração política, social e econômica. Ela corta metade da América do Sul, vai desde a cidade de Cáceres, no estado de Mato Grosso, até Nova Palmira, no Uruguai. São 3.442 km, sendo 2.202 km até a divisa com o Paraguai e Argentina, e servem a cinco países: Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.
  • 169. Os mangues correspondem a uma característica vegetativa que se apresenta em áreas costeiras, compreende uma faixa de transição entre aspectos terrestres e marinhos, esse tipo de cobertura vegetal se estabelece em lugares no qual predominam o clima tropical e subtropical.
  • 170. Os mangues se encontram em ambientes alagados com águas salobras, os vegetais do mangue são constituídos por raízes expostas favorecendo uma maior retirada de oxigênio e também proporcionando maior fixação. O mangue é formado por plantas com aspecto arbustivo e também arbóreo, no entanto, os manguezais não são homogêneos, uma vez que há diferenças entre eles, desse modo são classificados ou divididos em: mangue vermelho, mangue branco e mangue-siriuba.
  • 172. Vegetação de praia: ocorrem vegetações do tipo arbóreo e arbustivo adaptadas a lugares com grande concentração de sal, como a salsa-da-praia, grama-da-praia, pinheirinho-da-praia, feijão-boi, jundu etc.
  • 173. Vegetação de dunas: desenvolve uma vegetação rasteira, cujas raízes são extensas e profundas. Em dunas semi- fixas ocorre aroeira-vermelha, pau-de- bruge, além da capororoca, maria-mole, guamirim entre outras. Restinga: apresenta diversas características vegetais, como espécies herbáceas, arbustivas e arbóreas.