SlideShare uma empresa Scribd logo
Relatório Teórico
Biologia Molecular e Celular
Aula 6
Química Industrial 1º Ano
2017/2018
GUSTAVO PINHO MAIA 2
Índice
Organização Das Células Em Tecidos.................................................................................................... 3
Tecido Epitelial.......................................................................................................................................... 3
Introdução ao Tecido Epitelial......................................................................................................... 4
Tecido Conjuntivo..................................................................................................................................... 7
Matriz Extracelular............................................................................................................................. 7
Moléculas de Adesão Celular.............................................................................................................10
Integrinas .............................................................................................................................................11
Caderinas .............................................................................................................................................11
Tecido Muscular......................................................................................................................................12
Tecido Nervoso .......................................................................................................................................12
Junções Celulares .................................................................................................................................13
Renovação Dos Tecidos............................................................................................................................14
Células Estaminais .................................................................................................................................14
Clonagem Terapêutica Vs Reprodutiva ...........................................................................................15
Clonagem Terapêutica.....................................................................................................................15
Clonagem Reprodutiva....................................................................................................................15
GUSTAVO PINHO MAIA 3
Organização Das Células Em Tecidos
No nosso corpo, existem muitos tipos de células, com diferentes formas e funções. As
células estão organizadas em grupos, que ao trabalharem de maneira integrada,
desempenham, juntos, uma determinada função. Esses grupos de células são os tecidos.
Os tecidos do corpo humano podem ser classificados em quatro grupos principais:
• Tecido Epitelial
• Tecido Conjuntivo
• Tecido Muscular
• Tecido Nervoso.
Tecido Epitelial
É um dos principais grupos de tecidos celulares, sendo sua principal função a de
revestimento da superfície externa e de diversas cavidades internas do organismo.
Caracteriza-se pela pouca quantidade de material intercelular e por apresentar células
extremamente unidas (justapostas). Esse tecido não apresenta vasos sanguíneos, sendo
que sua nutrição e oxigenação, assim como a remoção de detritos, são feitas através de
capilares do tecido conjuntivo adjacente.
O tecido epitelial desenvolve variadas funções, tais como proteção, absorção, secreção e
excreção. Ele é encontrado revestindo órgãos, além de ser responsável pela formação das
glândulas.
GUSTAVO PINHO MAIA 4
Introdução ao Tecido Epitelial
Na interface das células epiteliais com o tecido conjuntivo há uma delgada lâmina de um
complexo de macromoléculas denominada lâmina basal. O conjunto constituído pela lâmina
basal e pelas fibras do tecido conjuntivo que estão muito próximas à lâmina basal é visível
ao microscópio de luz e é denominado membrana basal. As células epiteliais estão, portanto,
sempre apoiadas sobre uma lâmina basal.
O contacto das células epiteliais com a lâmina basal provoca uma organização específica
na grande maioria das células epiteliais, denominada polaridade. Com a polaridade as
várias regiões dos diferentes tipos de células têm uma organização específica e um
conteúdo de organelas característico e, portanto, diferentes funções. A porção da célula que
se apoia na lâmina basal é denominada região basal e a porção oposta, frequentemente
voltada para uma cavidade, é denominada região apical.
Resumindo:
• Suportados por uma lamina basal (colagénio tio IV e lamininas) que o liga ao tecido
conjuntivo.
• Apresentam uma organização polarizada: domínio apical e domínio basal.
GUSTAVO PINHO MAIA 5
O tecido epitelial tem as seguintes funções e características:
• Cobrem ou revestem as superfícies corporais
• Formam diversos tipos de junções
• Proteção, absorção, filtração, secreção e excreção
• Apresentam polaridade: Domínio apical e baso-lateral
• Avascular (não tem vasos sanguíneos), mas inervado
• Suporte pelo tecido conjuntivo
• Capacidade de regeneração
Pode-se classificar o tecido epitelial pelo número de camadas:
• Simples: Possuem apenas uma camada de células
• Estratificado: Possuem mais de uma camada de células
• Pseudo-Estratificado: Tecido formado apenas por uma camada de células,
entretanto, a posição variada dos núcleos promove a falsa sensação de que ele
apresenta várias camadas. Apesar de todas as células estarem apoiadas na lâmina
basal, elas diferenciam-se em altura e, portanto, nem todas chegam à superfície do
tecido.
Morfologicamente as células podem ser:
• Epitélio Pavimentoso: Células são achatadas
• Epitélio Cúbico: Células são cúbicas
• Epitélio Prismático: Células são prismáticas
• Epitélio Cilíndrico: Células são cilíndricas ou colunares
GUSTAVO PINHO MAIA 6
As especializações no domínio apical de alguns tecidos são as seguintes:
• Queratina - Proteína sintetizada por muitos animais para formar diversas estruturas
do corpo
• Cílios - Cílios são protuberâncias finas que projetam um corpo celular muito maior
• Estereocílios - Prolongamentos imóveis e longos de células que aumentam a
superfície de contato da célula
• Microvilosidades - Projeção microscópica da membrana celular cujo interior é
formado de 25 a 40 filamentos de Actina
Resumindo:
GUSTAVO PINHO MAIA 7
Tecido Conjuntivo
Tecido conjuntivo ou tecido conectivo caracteriza-se por apresentar variados tipos celulares,
que são separados por uma matriz extracelular composta de fibras e substância fundamental.
Também se refere ao grupo de tecidos orgânicos responsáveis por unir, ligar, nutrir, proteger
e sustentar os outros tecidos. São responsáveis pelo estabelecimento e pela manutenção
da forma do corpo. Tipo de tecido de suporte. Tem como principais funções:
• Suporte Estrutural
• Amortecer Impactos
• Transportar Nutrientes
• Espalhar células de defesa pelo corpo
• Armazenar gordura
Matriz Extracelular
Conjunto de moléculas secretadas por células do tecido conjuntivo (fibroblastos,
osteoblastos, condrócitos), cuja organização tridimensional desempenha diversas funções:
• Suporte Mecânico
• Resistência á tração/tensão
• Resistência á compressão
• Lubrificação (corpo vítreo do olho, articulações, etc)
• Sinalização celular
GUSTAVO PINHO MAIA 8
Os principais constituintes da matriz extracelular são:
• Colagénios
• Proteoglicanos
• Glicoproteínas
• Integrinas
Colagénios:
Proteína de importância fundamental na
constituição da matriz extracelular do
tecido conjuntivo, sendo responsável por
grande parte de suas propriedades físicas.
É sintetizado nos fibroblastos, como um
percursor inativo (pró-colagénio). No
exterior da célula, polimerizam-se
formando fibrilas e fibras de colagénio.
Proteoglicanos
São glicoproteínas (GAGs) extracelulares,
cuja estrutura consiste em uma proteína
central ligada a vários glicosaminoglicanos.
Os GAGs são moléculas
predominantemente aniónicas e hidrofílicas.
GUSTAVO PINHO MAIA 9
Formam uma substância fundamental da matriz (forma géis devido á capacidade de
retenção de moléculas de água).
Desempenham diversas funções, tais como:
• Hidratação
• Filtros (regula a passagem de moléculas para a matriz extracelular)
• Sinalização Celular (controlam a passagem de moléculas sinalizadoras)
• Resistência á compressão
Glicoproteínas
Proteínas que contêm cadeias de oligossacarídeos (glicanos) covalentemente ligados a
cadeias laterais de polipeptídeos. O
hidrato de carbono é ligado à
proteína numa modificação
translacional ou pós-traducional.
Este processo é conhecido como a
glicosilação.
Promovem interações moleculares
especificas na matriz ligando-se a
células, a macromoléculas da
matriz, ou a ambas. A fibronectina (família de glicoproteínas de elevado peso molecular)
permite unir as fibrilas de colagénio á célula através de um recetor denominado de integrina.
GUSTAVO PINHO MAIA 10
Integrinas
Proteínas de adesão presentes na membrana celular inseridas de forma transmembrânica,
com uma extremidade externa
que se liga a componentes da
matriz e outra extremidade que
se liga, através da proteína talina
à porção do citoesqueleto
constituído de actina. São os
principais recetores para a matriz
extracelular.
São heterodímeros de dois polipéptidos transmembranares chamados de cadeias αe.
Ligam-se a diversos tipos de ligandos da matriz extracelular (Ex.: lamininas, fibronectina,
colagénio).
A região citoplasmática das integrinas ligam-se a elementos do citoesqueleto (Ex.:
filamentos intermédios (queratina) e/ou filamentos de actina). Alterações conformacionais
nas integrinas podem desencadear vias de sinalização especificas.
Moléculas de Adesão Celular
As moléculas de adesão celular ou CAM's são moléculas que permitem a ligação entre as
células ou entre células e a matriz extracelular. As principais moléculas são:
• Integrinas
• Caderinas
GUSTAVO PINHO MAIA 11
Integrinas
Como dito anteriormente, as integrinas são proteínas de adesão presentes na membrana
celular inseridas de forma transmembrânica. São independentes do cálcio ou magnésio que
ligam as células à matriz extracelular.
Caderinas
São moléculas de adesão dependentes do cálcio que permitem a ligação entre células
vizinhas. Cada uma das células que são ligadas possuem sempre o mesmo tipo de caderina
que a outra sendo as interações entre elas homofílicas. Ligam-se à célula através de
cateninas. Possuem função de formação e manutenção da integridade dos tecidos. São
especializadas na adesão célula-célula, e a sua região intracelular interage com os
filamentos intermediários ou filamentos de actina. São importantes para o
desencadeamento de vias de sinalização.
GUSTAVO PINHO MAIA 12
Tecido Muscular
O tecido muscular é um tecido dos animais caracterizado pela sua contratilidade, ou seja,
pela capacidade de se contrair segundo alguns estímulos claros de energia nas suas
ligações químicas e pela sua excitabilidade, ou seja, capacidade de responder a um
estímulo nervoso.
As células do tecido muscular são denominadas fibras musculares e possuem a capacidade
de se contrair e alongar. A essa propriedade chamamos contratilidade. Essas células têm o
formato alongado e promovem a contração muscular, o que permite os diversos
movimentos do corpo.
O tecido muscular pode ser de três tipos:
• Tecido Muscular Liso: Os lisos dispõem-se em camadas dentro de órgãos (Ex.:
Intestinos).
• Tecido Muscular Estriado Esquelético: Os esqueléticos que forma a carne do corpo,
“puxam” os ossos nos movimentos voluntários.
• Tecido Muscular Estriado Cardíaco: O cardíaco, exclusivo do coração, nunca se
cansa no trabalho de bombear sangue para o corpo.
Tecido Nervoso
O tecido nervoso trata-se de um dos tecidos mais especializados do organismo animal e é
o principal tecido responsável pela troca rápida de informações dentro do corpo. Esse tecido
é sensível aos vários tipos de estímulos que se originam de fora ou do interior do organismo.
GUSTAVO PINHO MAIA 13
Ao ser estimulado, torna-se capaz de conduzir os impulsos nervosos de maneira rápida e,
às vezes, por distâncias relativamente grandes. Aos estímulos externos o tecido nervoso
permite que animais percebam em seu organismo mudanças ambientais como calor, frio e
choque e reagem adotando posturas a partir de determinado estímulo.
Junções Celulares
Uma junção celular (ou ponte intracelular) é um tipo de estrutura que existe dentro do
tecido de alguns organismos multicelulares, como os animais. As junções celulares
consistem de complexos multiproteicos, que proporcionam o contacto entre as células
vizinhas, ou entre uma célula e a matriz extracelular. Elas também controlam o transporte
intracelular. As junções celulares são especialmente abundantes em tecidos epiteliais.
Existem 5 tipos de junções celulares:
• Junções de Oclusão: Formadas por proteínas denominadas claudinas e ocludinas
• Junções Aderentes: Formadas por interações caderina-caderina
• Desmossomas: Formadas por caderinas especiais (desmocolinas e desmogleínas)
• Junções de Comunicação: Formadas por proteínas denominadas coneximas
• Hemidesmossomas: Formados pelas ligação de integrinas á lâmina basal
GUSTAVO PINHO MAIA 14
Renovação Dos Tecidos
Células Estaminais
As células estaminais são células indiferenciadas que podem proliferar indefinidamente e
retêm um amplo potencial de diferenciação. São utilizadas para renovação do tecido normal,
assim como para substituir tecido danificado. Podem ser divididas em três tipos:
• Células Totipotentes (zigoto)
• Células Pluripotentes (blastocisto)
• Células Multipotentes (adultos)
GUSTAVO PINHO MAIA 15
Clonagem Terapêutica Vs Reprodutiva
Clonagem Terapêutica
A Clonagem Reprodutiva é pretendida para
produzir uma duplicata de um indivíduo
existente. É utilizada a técnica chamada de
Transferência Nuclear (TN): Baseia-se na
remoção do núcleo de um óvulo e
substituição por um outro núcleo de outra
célula somática. Após a fusão, há a
diferenciação das células. Após cinco dias de
fecundação, o embrião agora com 200 a 250 células, forma um cisto chamado blastocisto.
É nesta fase que ocorre a implantação do embrião na cavidade uterina.
Clonagem Reprodutiva
A Clonagem Terapêutica é um
procedimento cujos estágios iniciais são
idênticos a clonagem para fins reprodutivo,
difere somente no fato do blastocisto não
ser introduzido em um útero. Ele é utlizado
em laboratório para a produção de células-
tronco (totipotentes) a fim de produzir
tecidos ou órgão para transplante. Esta
técnica tem como objetivo produzir uma cópia saudável do tecido ou do órgão de uma
pessoa doente para transplante.
GUSTAVO PINHO MAIA 16
Na seguinte imagem visualiza-se as aplicações da clonagem terapêutica:
Resumindo:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Matriz extra celelular
Matriz extra celelularMatriz extra celelular
Matriz extra celelular
Filipe Simão Kembo
 
Célula 2
Célula 2Célula 2
Célula 2
Jac Costa
 
Colágeno
Colágeno Colágeno
Colágeno
TBQ-RLORC
 
Colágeno
ColágenoColágeno
Colágeno
TBQ-RLORC
 
Citologia i
Citologia iCitologia i
Citologia i
Alessandra Firmino
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Karol Matiolli
 
membrana celular e citoesqueleto
 membrana celular e citoesqueleto membrana celular e citoesqueleto
membrana celular e citoesqueleto
maxmiller18
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
Paulo Roberto
 
Citoesqueleto ppt
Citoesqueleto pptCitoesqueleto ppt
Citoesqueleto ppt
Renato Machado
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
Joyce Wadna
 
Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal
flaviajulianee
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIA
KATIA CAVALCANTI
 
Organelas
OrganelasOrganelas
Organelas
marcelo Ferreira
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animal
emanuel
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
Daniela Silveira
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
Nathalia Fuga
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
ProfMychelle
 

Mais procurados (17)

Matriz extra celelular
Matriz extra celelularMatriz extra celelular
Matriz extra celelular
 
Célula 2
Célula 2Célula 2
Célula 2
 
Colágeno
Colágeno Colágeno
Colágeno
 
Colágeno
ColágenoColágeno
Colágeno
 
Citologia i
Citologia iCitologia i
Citologia i
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
membrana celular e citoesqueleto
 membrana celular e citoesqueleto membrana celular e citoesqueleto
membrana celular e citoesqueleto
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
 
Citoesqueleto ppt
Citoesqueleto pptCitoesqueleto ppt
Citoesqueleto ppt
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
 
Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE BIOLOGIA
 
Organelas
OrganelasOrganelas
Organelas
 
Lista de Histologia Animal
Lista de Histologia AnimalLista de Histologia Animal
Lista de Histologia Animal
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
 

Semelhante a Biologia Molecular e Celular - Aula 6

Processos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, TecidosProcessos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, Tecidos
Hugo Pedrosa
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
CristianaLealSabel
 
Martiz extracelular biologia
Martiz extracelular   biologiaMartiz extracelular   biologia
Martiz extracelular biologia
Filipe Simão Kembo
 
Função dos organelos da célula
Função dos organelos da célulaFunção dos organelos da célula
Função dos organelos da célula
Timoteo2017
 
Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
jandesonbiologo
 
Ciências biológica citologia
Ciências  biológica   citologiaCiências  biológica   citologia
Ciências biológica citologia
Karina Rayne
 
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
Maria Jaqueline Mesquita
 
Tema 0 biologia pdf
Tema 0   biologia pdfTema 0   biologia pdf
Tema 0 biologia pdf
Silvia Couto
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
Daniela Silveira
 
Citologia.ppt
Citologia.pptCitologia.ppt
Citologia.ppt
HerictonRaiol2
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
Tarquin Trescher
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Estruturas Celulares
Estruturas CelularesEstruturas Celulares
Estruturas Celulares
Daniela Silveira
 
Aula celulas 8ano
Aula celulas 8anoAula celulas 8ano
Aula celulas 8ano
AndreiaAmiga
 
Organoides2
Organoides2Organoides2
Organoides2
Magali Feldmann
 
tecido conjuntivo.pptx
tecido conjuntivo.pptxtecido conjuntivo.pptx
tecido conjuntivo.pptx
rickriordan
 
tecido conjuntivo.pdf
tecido conjuntivo.pdftecido conjuntivo.pdf
tecido conjuntivo.pdf
rickriordan
 
Membrana completa
Membrana completaMembrana completa
Membrana completa
Dalu Barreto
 

Semelhante a Biologia Molecular e Celular - Aula 6 (20)

Processos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, TecidosProcessos Vitais, Celula, Tecidos
Processos Vitais, Celula, Tecidos
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
 
Martiz extracelular biologia
Martiz extracelular   biologiaMartiz extracelular   biologia
Martiz extracelular biologia
 
Função dos organelos da célula
Função dos organelos da célulaFunção dos organelos da célula
Função dos organelos da célula
 
Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
 
Ciências biológica citologia
Ciências  biológica   citologiaCiências  biológica   citologia
Ciências biológica citologia
 
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
 
Tema 0 biologia pdf
Tema 0   biologia pdfTema 0   biologia pdf
Tema 0 biologia pdf
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
 
Citologia.ppt
Citologia.pptCitologia.ppt
Citologia.ppt
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Estruturas Celulares
Estruturas CelularesEstruturas Celulares
Estruturas Celulares
 
Aula celulas 8ano
Aula celulas 8anoAula celulas 8ano
Aula celulas 8ano
 
Organoides2
Organoides2Organoides2
Organoides2
 
tecido conjuntivo.pptx
tecido conjuntivo.pptxtecido conjuntivo.pptx
tecido conjuntivo.pptx
 
tecido conjuntivo.pdf
tecido conjuntivo.pdftecido conjuntivo.pdf
tecido conjuntivo.pdf
 
Membrana completa
Membrana completaMembrana completa
Membrana completa
 

Mais de Gustavo Maia

Biologia Molecular e Celular - Aula 11
Biologia Molecular e Celular - Aula 11Biologia Molecular e Celular - Aula 11
Biologia Molecular e Celular - Aula 11
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 10
Biologia Molecular e Celular - Aula 10Biologia Molecular e Celular - Aula 10
Biologia Molecular e Celular - Aula 10
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 9
Biologia Molecular e Celular - Aula 9Biologia Molecular e Celular - Aula 9
Biologia Molecular e Celular - Aula 9
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 5
Biologia Molecular e Celular - Aula 5Biologia Molecular e Celular - Aula 5
Biologia Molecular e Celular - Aula 5
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 4
Biologia Molecular e Celular - Aula 4Biologia Molecular e Celular - Aula 4
Biologia Molecular e Celular - Aula 4
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 2
Biologia Molecular e Celular - Aula 2Biologia Molecular e Celular - Aula 2
Biologia Molecular e Celular - Aula 2
Gustavo Maia
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 1
Biologia Molecular e Celular - Aula 1Biologia Molecular e Celular - Aula 1
Biologia Molecular e Celular - Aula 1
Gustavo Maia
 

Mais de Gustavo Maia (10)

Biologia Molecular e Celular - Aula 11
Biologia Molecular e Celular - Aula 11Biologia Molecular e Celular - Aula 11
Biologia Molecular e Celular - Aula 11
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 10
Biologia Molecular e Celular - Aula 10Biologia Molecular e Celular - Aula 10
Biologia Molecular e Celular - Aula 10
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 9
Biologia Molecular e Celular - Aula 9Biologia Molecular e Celular - Aula 9
Biologia Molecular e Celular - Aula 9
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 5
Biologia Molecular e Celular - Aula 5Biologia Molecular e Celular - Aula 5
Biologia Molecular e Celular - Aula 5
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 4
Biologia Molecular e Celular - Aula 4Biologia Molecular e Celular - Aula 4
Biologia Molecular e Celular - Aula 4
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3Biologia Molecular e Celular - Aula 3
Biologia Molecular e Celular - Aula 3
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 2
Biologia Molecular e Celular - Aula 2Biologia Molecular e Celular - Aula 2
Biologia Molecular e Celular - Aula 2
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 1
Biologia Molecular e Celular - Aula 1Biologia Molecular e Celular - Aula 1
Biologia Molecular e Celular - Aula 1
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Biologia Molecular e Celular - Aula 6

  • 1. Relatório Teórico Biologia Molecular e Celular Aula 6 Química Industrial 1º Ano 2017/2018
  • 2. GUSTAVO PINHO MAIA 2 Índice Organização Das Células Em Tecidos.................................................................................................... 3 Tecido Epitelial.......................................................................................................................................... 3 Introdução ao Tecido Epitelial......................................................................................................... 4 Tecido Conjuntivo..................................................................................................................................... 7 Matriz Extracelular............................................................................................................................. 7 Moléculas de Adesão Celular.............................................................................................................10 Integrinas .............................................................................................................................................11 Caderinas .............................................................................................................................................11 Tecido Muscular......................................................................................................................................12 Tecido Nervoso .......................................................................................................................................12 Junções Celulares .................................................................................................................................13 Renovação Dos Tecidos............................................................................................................................14 Células Estaminais .................................................................................................................................14 Clonagem Terapêutica Vs Reprodutiva ...........................................................................................15 Clonagem Terapêutica.....................................................................................................................15 Clonagem Reprodutiva....................................................................................................................15
  • 3. GUSTAVO PINHO MAIA 3 Organização Das Células Em Tecidos No nosso corpo, existem muitos tipos de células, com diferentes formas e funções. As células estão organizadas em grupos, que ao trabalharem de maneira integrada, desempenham, juntos, uma determinada função. Esses grupos de células são os tecidos. Os tecidos do corpo humano podem ser classificados em quatro grupos principais: • Tecido Epitelial • Tecido Conjuntivo • Tecido Muscular • Tecido Nervoso. Tecido Epitelial É um dos principais grupos de tecidos celulares, sendo sua principal função a de revestimento da superfície externa e de diversas cavidades internas do organismo. Caracteriza-se pela pouca quantidade de material intercelular e por apresentar células extremamente unidas (justapostas). Esse tecido não apresenta vasos sanguíneos, sendo que sua nutrição e oxigenação, assim como a remoção de detritos, são feitas através de capilares do tecido conjuntivo adjacente. O tecido epitelial desenvolve variadas funções, tais como proteção, absorção, secreção e excreção. Ele é encontrado revestindo órgãos, além de ser responsável pela formação das glândulas.
  • 4. GUSTAVO PINHO MAIA 4 Introdução ao Tecido Epitelial Na interface das células epiteliais com o tecido conjuntivo há uma delgada lâmina de um complexo de macromoléculas denominada lâmina basal. O conjunto constituído pela lâmina basal e pelas fibras do tecido conjuntivo que estão muito próximas à lâmina basal é visível ao microscópio de luz e é denominado membrana basal. As células epiteliais estão, portanto, sempre apoiadas sobre uma lâmina basal. O contacto das células epiteliais com a lâmina basal provoca uma organização específica na grande maioria das células epiteliais, denominada polaridade. Com a polaridade as várias regiões dos diferentes tipos de células têm uma organização específica e um conteúdo de organelas característico e, portanto, diferentes funções. A porção da célula que se apoia na lâmina basal é denominada região basal e a porção oposta, frequentemente voltada para uma cavidade, é denominada região apical. Resumindo: • Suportados por uma lamina basal (colagénio tio IV e lamininas) que o liga ao tecido conjuntivo. • Apresentam uma organização polarizada: domínio apical e domínio basal.
  • 5. GUSTAVO PINHO MAIA 5 O tecido epitelial tem as seguintes funções e características: • Cobrem ou revestem as superfícies corporais • Formam diversos tipos de junções • Proteção, absorção, filtração, secreção e excreção • Apresentam polaridade: Domínio apical e baso-lateral • Avascular (não tem vasos sanguíneos), mas inervado • Suporte pelo tecido conjuntivo • Capacidade de regeneração Pode-se classificar o tecido epitelial pelo número de camadas: • Simples: Possuem apenas uma camada de células • Estratificado: Possuem mais de uma camada de células • Pseudo-Estratificado: Tecido formado apenas por uma camada de células, entretanto, a posição variada dos núcleos promove a falsa sensação de que ele apresenta várias camadas. Apesar de todas as células estarem apoiadas na lâmina basal, elas diferenciam-se em altura e, portanto, nem todas chegam à superfície do tecido. Morfologicamente as células podem ser: • Epitélio Pavimentoso: Células são achatadas • Epitélio Cúbico: Células são cúbicas • Epitélio Prismático: Células são prismáticas • Epitélio Cilíndrico: Células são cilíndricas ou colunares
  • 6. GUSTAVO PINHO MAIA 6 As especializações no domínio apical de alguns tecidos são as seguintes: • Queratina - Proteína sintetizada por muitos animais para formar diversas estruturas do corpo • Cílios - Cílios são protuberâncias finas que projetam um corpo celular muito maior • Estereocílios - Prolongamentos imóveis e longos de células que aumentam a superfície de contato da célula • Microvilosidades - Projeção microscópica da membrana celular cujo interior é formado de 25 a 40 filamentos de Actina Resumindo:
  • 7. GUSTAVO PINHO MAIA 7 Tecido Conjuntivo Tecido conjuntivo ou tecido conectivo caracteriza-se por apresentar variados tipos celulares, que são separados por uma matriz extracelular composta de fibras e substância fundamental. Também se refere ao grupo de tecidos orgânicos responsáveis por unir, ligar, nutrir, proteger e sustentar os outros tecidos. São responsáveis pelo estabelecimento e pela manutenção da forma do corpo. Tipo de tecido de suporte. Tem como principais funções: • Suporte Estrutural • Amortecer Impactos • Transportar Nutrientes • Espalhar células de defesa pelo corpo • Armazenar gordura Matriz Extracelular Conjunto de moléculas secretadas por células do tecido conjuntivo (fibroblastos, osteoblastos, condrócitos), cuja organização tridimensional desempenha diversas funções: • Suporte Mecânico • Resistência á tração/tensão • Resistência á compressão • Lubrificação (corpo vítreo do olho, articulações, etc) • Sinalização celular
  • 8. GUSTAVO PINHO MAIA 8 Os principais constituintes da matriz extracelular são: • Colagénios • Proteoglicanos • Glicoproteínas • Integrinas Colagénios: Proteína de importância fundamental na constituição da matriz extracelular do tecido conjuntivo, sendo responsável por grande parte de suas propriedades físicas. É sintetizado nos fibroblastos, como um percursor inativo (pró-colagénio). No exterior da célula, polimerizam-se formando fibrilas e fibras de colagénio. Proteoglicanos São glicoproteínas (GAGs) extracelulares, cuja estrutura consiste em uma proteína central ligada a vários glicosaminoglicanos. Os GAGs são moléculas predominantemente aniónicas e hidrofílicas.
  • 9. GUSTAVO PINHO MAIA 9 Formam uma substância fundamental da matriz (forma géis devido á capacidade de retenção de moléculas de água). Desempenham diversas funções, tais como: • Hidratação • Filtros (regula a passagem de moléculas para a matriz extracelular) • Sinalização Celular (controlam a passagem de moléculas sinalizadoras) • Resistência á compressão Glicoproteínas Proteínas que contêm cadeias de oligossacarídeos (glicanos) covalentemente ligados a cadeias laterais de polipeptídeos. O hidrato de carbono é ligado à proteína numa modificação translacional ou pós-traducional. Este processo é conhecido como a glicosilação. Promovem interações moleculares especificas na matriz ligando-se a células, a macromoléculas da matriz, ou a ambas. A fibronectina (família de glicoproteínas de elevado peso molecular) permite unir as fibrilas de colagénio á célula através de um recetor denominado de integrina.
  • 10. GUSTAVO PINHO MAIA 10 Integrinas Proteínas de adesão presentes na membrana celular inseridas de forma transmembrânica, com uma extremidade externa que se liga a componentes da matriz e outra extremidade que se liga, através da proteína talina à porção do citoesqueleto constituído de actina. São os principais recetores para a matriz extracelular. São heterodímeros de dois polipéptidos transmembranares chamados de cadeias αe. Ligam-se a diversos tipos de ligandos da matriz extracelular (Ex.: lamininas, fibronectina, colagénio). A região citoplasmática das integrinas ligam-se a elementos do citoesqueleto (Ex.: filamentos intermédios (queratina) e/ou filamentos de actina). Alterações conformacionais nas integrinas podem desencadear vias de sinalização especificas. Moléculas de Adesão Celular As moléculas de adesão celular ou CAM's são moléculas que permitem a ligação entre as células ou entre células e a matriz extracelular. As principais moléculas são: • Integrinas • Caderinas
  • 11. GUSTAVO PINHO MAIA 11 Integrinas Como dito anteriormente, as integrinas são proteínas de adesão presentes na membrana celular inseridas de forma transmembrânica. São independentes do cálcio ou magnésio que ligam as células à matriz extracelular. Caderinas São moléculas de adesão dependentes do cálcio que permitem a ligação entre células vizinhas. Cada uma das células que são ligadas possuem sempre o mesmo tipo de caderina que a outra sendo as interações entre elas homofílicas. Ligam-se à célula através de cateninas. Possuem função de formação e manutenção da integridade dos tecidos. São especializadas na adesão célula-célula, e a sua região intracelular interage com os filamentos intermediários ou filamentos de actina. São importantes para o desencadeamento de vias de sinalização.
  • 12. GUSTAVO PINHO MAIA 12 Tecido Muscular O tecido muscular é um tecido dos animais caracterizado pela sua contratilidade, ou seja, pela capacidade de se contrair segundo alguns estímulos claros de energia nas suas ligações químicas e pela sua excitabilidade, ou seja, capacidade de responder a um estímulo nervoso. As células do tecido muscular são denominadas fibras musculares e possuem a capacidade de se contrair e alongar. A essa propriedade chamamos contratilidade. Essas células têm o formato alongado e promovem a contração muscular, o que permite os diversos movimentos do corpo. O tecido muscular pode ser de três tipos: • Tecido Muscular Liso: Os lisos dispõem-se em camadas dentro de órgãos (Ex.: Intestinos). • Tecido Muscular Estriado Esquelético: Os esqueléticos que forma a carne do corpo, “puxam” os ossos nos movimentos voluntários. • Tecido Muscular Estriado Cardíaco: O cardíaco, exclusivo do coração, nunca se cansa no trabalho de bombear sangue para o corpo. Tecido Nervoso O tecido nervoso trata-se de um dos tecidos mais especializados do organismo animal e é o principal tecido responsável pela troca rápida de informações dentro do corpo. Esse tecido é sensível aos vários tipos de estímulos que se originam de fora ou do interior do organismo.
  • 13. GUSTAVO PINHO MAIA 13 Ao ser estimulado, torna-se capaz de conduzir os impulsos nervosos de maneira rápida e, às vezes, por distâncias relativamente grandes. Aos estímulos externos o tecido nervoso permite que animais percebam em seu organismo mudanças ambientais como calor, frio e choque e reagem adotando posturas a partir de determinado estímulo. Junções Celulares Uma junção celular (ou ponte intracelular) é um tipo de estrutura que existe dentro do tecido de alguns organismos multicelulares, como os animais. As junções celulares consistem de complexos multiproteicos, que proporcionam o contacto entre as células vizinhas, ou entre uma célula e a matriz extracelular. Elas também controlam o transporte intracelular. As junções celulares são especialmente abundantes em tecidos epiteliais. Existem 5 tipos de junções celulares: • Junções de Oclusão: Formadas por proteínas denominadas claudinas e ocludinas • Junções Aderentes: Formadas por interações caderina-caderina • Desmossomas: Formadas por caderinas especiais (desmocolinas e desmogleínas) • Junções de Comunicação: Formadas por proteínas denominadas coneximas • Hemidesmossomas: Formados pelas ligação de integrinas á lâmina basal
  • 14. GUSTAVO PINHO MAIA 14 Renovação Dos Tecidos Células Estaminais As células estaminais são células indiferenciadas que podem proliferar indefinidamente e retêm um amplo potencial de diferenciação. São utilizadas para renovação do tecido normal, assim como para substituir tecido danificado. Podem ser divididas em três tipos: • Células Totipotentes (zigoto) • Células Pluripotentes (blastocisto) • Células Multipotentes (adultos)
  • 15. GUSTAVO PINHO MAIA 15 Clonagem Terapêutica Vs Reprodutiva Clonagem Terapêutica A Clonagem Reprodutiva é pretendida para produzir uma duplicata de um indivíduo existente. É utilizada a técnica chamada de Transferência Nuclear (TN): Baseia-se na remoção do núcleo de um óvulo e substituição por um outro núcleo de outra célula somática. Após a fusão, há a diferenciação das células. Após cinco dias de fecundação, o embrião agora com 200 a 250 células, forma um cisto chamado blastocisto. É nesta fase que ocorre a implantação do embrião na cavidade uterina. Clonagem Reprodutiva A Clonagem Terapêutica é um procedimento cujos estágios iniciais são idênticos a clonagem para fins reprodutivo, difere somente no fato do blastocisto não ser introduzido em um útero. Ele é utlizado em laboratório para a produção de células- tronco (totipotentes) a fim de produzir tecidos ou órgão para transplante. Esta técnica tem como objetivo produzir uma cópia saudável do tecido ou do órgão de uma pessoa doente para transplante.
  • 16. GUSTAVO PINHO MAIA 16 Na seguinte imagem visualiza-se as aplicações da clonagem terapêutica: Resumindo: