SlideShare uma empresa Scribd logo
Biogeografia
Vegetação natural
No Brasil, o processo de ocupação do território e da
construção do espaço geográfico levou à devastação de
grande parte da vegetação original.
Mesmo proibido por lei, o desmatamento ainda é praticado,
colocando em risco:
• o equilíbrio dos diferentes ecossistemas;
• o equilíbrio do ciclo hidrológico;
• a fertilidade dos solos ou a quantidade de terras agricultáveis
devido ao processo erosivo;
• o controle climático em pequena, média e, por vezes, grande
escala.
Derrubada de
castanheira,
Pará, 2001
A expansão das fronteiras econômicas e a devastação
Paisagens Vegetais do Brasil
FLORESTA AMAZÔNICA
(Floresta pluvial)
É úmida, ou
seja,
higrófila. É heterogênea,
com grande
quantidade de
árvores e
trepadeiras.
Vegetação
latifoliada, ou
seja, com folhas
largas e grandes.
É estratificada,
apresentando vegetais
de porte variado no
interior da árvores de
grande porte.
É compacta
Vegetação perenifólias, sempre
verde.
Área de 5,5 milhões de Km2. . no
Brasil 3 milhões de Km2
Representação dos três degraus da vegetação da Amazônia
Mata de terra firme: localizam-se em solos elevados, onde
geralmente não há inundações.
Grande
variedade
de espécies
vegetais.
Copa das
árvores é fechada.
Floresta escura,
úmida,densa e mal
ventilada.
Árvores altas
de 60 a 65 m
de altura.
Mata de várzea: se estabelece em áreas mais elevadas em relação às matas de
igapó, mesmo assim sofre inundações, porém somente nos períodos de cheias.
Copa das
árvores
é fechada
com uma imensa
quantidade de galhos.
Floresta escura,
úmida,densa e mal
Ventilada de difícil acesso.
Árvores medias
de 20 a 30 m
de altura.
Matas dos igapós: localizam-se nos terrenos mais baixos próximos
aos rios, permanentemente inundados.
Vegetação adaptada
ao solo alagado e mal
ventilado.
Árvores de 20 a
25 m de altura.
MATA ATLÂNTICA
É um floresta
tropical,
úmida de
encosta.
Vegetação
latifoliada, ou seja,
com folhas largas e
grandes.
Das 200 espécies vegetais brasileiras
ameaçadas, 117 são desse bioma e abriga
383 dos 633 animais ameaçados de
extinção no Brasil.
Queimadas
Exploração
madeireira
Área de
pastos,
cidades e
cultivo
É exuberante ainda em
alguns trechos: sul da
Bahia,norte do E. Santo
e na Serra do Mar.
Desaparecimento
De espécies
Como o pau-brasil
A Mata Atlântica estendia-se
originalmente ao longo de 17
Estados desde do RN ao RS.
Hoje, restam 7,91 % de
remanescentes florestais acima de
100 hectares do que existia
originalmente. Somados todos os
fragmentos de floresta nativa acima
de 3 hectares, temos atualmente
11%.
Mata atlântica em Ubatuba, São Paulo, 2008
FABIOCOLOMBINI
Hot Spots Ambientais
• Formação EXCLUSIVAMENTE brasileira.
• Vegetação de transição entre:
CAATINGA
CERRADO
FLORESTA
AMAZÔNICA
PRINCIPAIS EXEMPLOS
DE VEGETAIS:
BABAÇU: matas
densas e (árvores
próximas).
CARNAÚBA: local
espaçado e
ensolarado.
Mata dos cocais
Mata de araucárias
Encontra se nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul
e Santa Catarina;
De modo geral pode se dizer que seu aparecimento se
acha ligado ao clima (subtropical ), que é
condicionado pelo relevo e pela latitude;
Constitui uma formação aberta, homogênea, que
permite facilmente a extração de madeiras (chamadas
mole), as Araucárias, constituem a nossa única
floresta subtropical do Brasil.
Aciculifoliada (Folhas em forma de agulha)
Temperatura média
Alta = 250C
Muitos ventos,umidade
do ar baixa e muita
evaporação.
Solo cristalino,
impermeável. Não
armazena água.
Época da seca,
vegetação perde
as folhas (
caducifólias),
aspecto seco e
espinhoso
(Plantas
xerófitas).
CAATINGA
Sertão nordestino 11% do
território brasileiro
Vegetação típica do Nordeste semiárido
JUANPRATGINESTÓS/SAMBAPHOTO
Vegetação composta de
arbustos e pequenas árvores.Galhos retorcidos,
casca grossa e folhas
espessas.
Aparência geral de
região xeromórfica
Chuvas frequentes.
Árvores com raízes
profundas que atingem o
lençol freático
Solo ácido, com baixo
teor de nutrientes e
excesso de alumínio.
CERRADO
25% do território
brasileiro
Para ser adequado à
agricultura, o solo do
cerrado precisa do
acréscimo de nutrientes e
de correção que reduza
sua acidez.
PAMPAS/CAMPOS Também conhecidos como: Campos do Sul,
Campos Sulinos ou Campanha Gaúcha.
Vegetação de
Gramíneas
Pecuária extensiva
PANTANAL
ÉPOCA DAS CHUVAS
(outubro a março): nessa
época seus rios
transbordam, extravasam
suas águas, inundando
grandes áreas de solo.
Maior estoque de peixes do
mundo
Maior
concentração de
aves do
continente.
Vegetação aquática, florestas,
campos e cerrado.
O Pantanal é considerado Patrimônio Mundial pela Unesco. Na foto, Mato
Grosso do Sul.
ARAQUÉMALCÂNTARA/SAMBAPHOTO
Formações Litorâneas
Ao longo do litoral, submetidas aos climas úmidos e a salinidade,
existem formações vegetais características, como mangue, as restingas.
Jundus
fixam em areia .
Mata baixa
Raízes profundas
cresce em áreas não alagadas
MANGUEZAL
ÁGUA DOCE
(Sedimentos dos rios)
ÁGUA
SALGADA
MANGUE
Solo rico em matéria orgânica
(rios, mares, chuva), porém
pobre em O2..
Berçário para muitas espécies de
animais, que se deslocam para o
mangue na época reprodutiva;
põem os ovos e os filhotes passam
aí toda a sua fase juvenil,
migrando posteriormente para o
mar.
RESTINGAS
• Localizam-se atrás das dunas.
• Vegetação mista: árvores das matas, gramíneas das dunas, etc.
• Solo extremamente arenoso, pobre em água e nutrientes.
Lagarto
1-(UPE) O cerrado é um bioma brasileiro bastante
peculiar, sobretudo por sua constituição em mosaicos
de formações vegetais. Observe os mapas a seguir e
assinale aquele que exibe delimitação espacial mais
aproximada desse bioma.
2-(FMJ) É um mosaico de coberturas vegetais que formam uma diagonal
que separa as duas florestas tropicais do Brasil: a noroeste a Floresta
Amazônica e a leste a Mata Atlântica. Esse mosaico se desenvolve numa
área de baixas pluviosidades. As causas da pouca chuva e sua distribuição
irregular estão associadas aos fortes ventos alísios, que não trazem
umidade para a região.
(José Bueno Conti e Sueli Angelo Furlan. Geografia do Brasil, 2005. Adaptado.)
O domínio morfoclimático tratado pelo texto é o
a) das pradarias.
b) das caatingas.
c) das araucárias.
d) dos cerrados.
e) dos mares de morros.
3-(CEDERJ) Analise a imagem a seguir:
Disponível em: principaisflorestasmundiais.blogspot.com.
Acesso em: 15 out. 2013.
Na imagem, registra-se a seguinte vegetação natural do Brasil:
a) Cerrado, com prevalência de espécies epífitas.
b) Caatinga, com abundância de espécies xerófitas.
c) Mata de Araucárias, com adensamento de tipos de pinhais.
d) Mata de Cocais, com predominância de extensos babaçuais.
4- (UNESP) A extração de madeira, especialmente do
pau-brasil, os ciclos do açúcar e café e o desmatamento
para instalação de indústrias são eventos de nossa
história que contribuíram para a degradação
desse bioma.
O texto refere-se ao bioma
a) Mata Atlântica.
b) Caatinga.
c) Cerrado.
d) Pantanal.
e) Floresta Amazônica.
5- (UFSJ) Observe a figura abaixo.
As APPs estiveram no centro do debate sobre a reformulação
do Código Florestal Brasileiro.S obre a função ambiental das
APPs, é INCORRETO afirmar que estas garantem a:
a) margem dos cursos d'água e aumentam o assoreamento.
b) estabilidade do solo e previnem deslizamentos.
c) fixação de dunas e a proteção de manguezais.
d) recomposição de aquíferos.
6-(PUCPR) Chamam-se HOTSPOTS as áreas ricas
em biodiversidade, com pelo menos 1500 espécies
endêmicas e fortemente ameaçadas pelas atividades
humanas. Esse conceito foi criado pelo ecólogo
Norman Myers (1988) como indicador para priorizar
quais locais do mundo receberiam maior atenção para
os programas de conservação. Há 34 hotspots no mundo,
dois estão em território brasileiro. São eles:
a) Floresta Amazônica e Cerrado.
b) Floresta Amazônica e Caatinga.
c) Cerrado e Mata Atlântica
d) Floresta Amazônica e Mata Atlântica.
e) Caatinga e Cerrado.
7-(UECE) Dentre as medidas mais polêmicas do novo
código florestal está
a) a redução das áreas de preservação permanente (APP)
de 30 metros para 15 metros nas margens de riachos com
até 5 metros de largura.
b) o aumento das APPs de 30 para 50 metros nas margens
de rios e riachos, independente do seu comprimento e da
sua extensão.
c) a transformação das unidades de conservação menores
que 10 ha em áreas destinadas exclusivamente à atividade
agroindustrial.
d) o fim da exploração e da extração mineral no estado
do Pará.
Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
Prof. Francesco Torres
 
Aquífero Guarani
Aquífero GuaraniAquífero Guarani
Aquífero Guarani
Prof. Oliveira Andrade
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Prof. Francesco Torres
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
André Luiz Marques
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
André Luiz Marques
 
Região nordeste 7º ano
Região nordeste  7º anoRegião nordeste  7º ano
Região nordeste 7º ano
alessandra bassani
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Prof. Francesco Torres
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
Fatima Freitas
 
Mata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - BiomasMata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - Biomas
Beatriz Monteiro
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Josecler Rocha
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
Stéfano Silveira
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
Prof.Paulo/geografia
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
Omar Fürst
 
Conflitos Territoriais
Conflitos TerritoriaisConflitos Territoriais
Conflitos Territoriais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Tectonica Placas
Tectonica PlacasTectonica Placas
Tectonica Placas
Sérgio Luiz
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
Professor
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Rogerio Silveira
 
Regionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundialRegionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundial
LUIS ABREU
 

Mais procurados (20)

Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Aquífero Guarani
Aquífero GuaraniAquífero Guarani
Aquífero Guarani
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
Região nordeste 7º ano
Região nordeste  7º anoRegião nordeste  7º ano
Região nordeste 7º ano
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
Mata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - BiomasMata Atlântica - Biomas
Mata Atlântica - Biomas
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
 
Conflitos Territoriais
Conflitos TerritoriaisConflitos Territoriais
Conflitos Territoriais
 
Tectonica Placas
Tectonica PlacasTectonica Placas
Tectonica Placas
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
 
Regionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundialRegionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundial
 

Semelhante a Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais

Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Conceição Fontolan
 
Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
rdbtava
 
Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil
Colégio Nova Geração COC
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
Maria Lima
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Estude Mais
 
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas BrasilierosUE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
Silvio Araujo de Sousa
 
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território BrasileiroUE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
Silvio Araujo de Sousa
 
Modulo biomas
Modulo biomasModulo biomas
Modulo biomas
itamyr
 
natureza é vida.pdf
natureza é vida.pdfnatureza é vida.pdf
natureza é vida.pdf
repos itorio
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
norivalfp
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
Fatima Freitas
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Deto - Geografia
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
AndressaCosta90
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
Os biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.pptOs biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.ppt
Jones Godinho
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Esequias Bueno
 
Biomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do MundoBiomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do Mundo
Washington sucupira
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 

Semelhante a Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais (20)

Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
 
Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
 
Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil Paisagens vegetais do brasil
Paisagens vegetais do brasil
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
 
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIOVEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
VEGETAÇÃO BRASILEIRA-TRABALHO REALIZADO PELO 3ºANO ENS.MÉDIO
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas BrasilierosUE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
 
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território BrasileiroUE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
UE5 - EF - 6º série - A Natureza do Território Brasileiro
 
Modulo biomas
Modulo biomasModulo biomas
Modulo biomas
 
natureza é vida.pdf
natureza é vida.pdfnatureza é vida.pdf
natureza é vida.pdf
 
Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.Biomas brasileiros.
Biomas brasileiros.
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
 
Ecossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdfEcossistemas Brasileiros.pdf
Ecossistemas Brasileiros.pdf
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
Os biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.pptOs biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.ppt
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do MundoBiomas do Brasil e do Mundo
Biomas do Brasil e do Mundo
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 

Mais de Saulo Lucena

Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas BrasileirasHidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Saulo Lucena
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Saulo Lucena
 
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Saulo Lucena
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Saulo Lucena
 
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercíciosGeologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Saulo Lucena
 
Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.
Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.
Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.
Saulo Lucena
 
Espaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de Geografia
Espaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de GeografiaEspaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de Geografia
Espaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de Geografia
Saulo Lucena
 
Geopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo Lucena
Geopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo LucenaGeopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo Lucena
Geopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo Lucena
Saulo Lucena
 
Fundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completa
Fundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completaFundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completa
Fundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completa
Saulo Lucena
 
Tecnologia e educacao
Tecnologia e educacaoTecnologia e educacao
Tecnologia e educacao
Saulo Lucena
 

Mais de Saulo Lucena (10)

Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas BrasileirasHidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
 
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercíciosGeologia e geomorfologia - Aula e exercícios
Geologia e geomorfologia - Aula e exercícios
 
Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.
Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.
Blocos e Globalização; Tipos de Blocos Econômicos.
 
Espaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de Geografia
Espaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de GeografiaEspaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de Geografia
Espaco global e a ordem mundial - Aula do prof. Saulo Lucena de Geografia
 
Geopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo Lucena
Geopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo LucenaGeopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo Lucena
Geopolitica global - Aula de Geografia do Prof. Saulo Lucena
 
Fundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completa
Fundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completaFundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completa
Fundamentos da cartografia - Saulo Lucena- Aula completa
 
Tecnologia e educacao
Tecnologia e educacaoTecnologia e educacao
Tecnologia e educacao
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Biogeografia- biomas brasileiros e impactos ambientais

  • 2. Vegetação natural No Brasil, o processo de ocupação do território e da construção do espaço geográfico levou à devastação de grande parte da vegetação original. Mesmo proibido por lei, o desmatamento ainda é praticado, colocando em risco: • o equilíbrio dos diferentes ecossistemas; • o equilíbrio do ciclo hidrológico; • a fertilidade dos solos ou a quantidade de terras agricultáveis devido ao processo erosivo; • o controle climático em pequena, média e, por vezes, grande escala.
  • 3. Derrubada de castanheira, Pará, 2001 A expansão das fronteiras econômicas e a devastação
  • 5. FLORESTA AMAZÔNICA (Floresta pluvial) É úmida, ou seja, higrófila. É heterogênea, com grande quantidade de árvores e trepadeiras. Vegetação latifoliada, ou seja, com folhas largas e grandes. É estratificada, apresentando vegetais de porte variado no interior da árvores de grande porte. É compacta Vegetação perenifólias, sempre verde. Área de 5,5 milhões de Km2. . no Brasil 3 milhões de Km2
  • 6. Representação dos três degraus da vegetação da Amazônia
  • 7. Mata de terra firme: localizam-se em solos elevados, onde geralmente não há inundações. Grande variedade de espécies vegetais. Copa das árvores é fechada. Floresta escura, úmida,densa e mal ventilada. Árvores altas de 60 a 65 m de altura.
  • 8. Mata de várzea: se estabelece em áreas mais elevadas em relação às matas de igapó, mesmo assim sofre inundações, porém somente nos períodos de cheias. Copa das árvores é fechada com uma imensa quantidade de galhos. Floresta escura, úmida,densa e mal Ventilada de difícil acesso. Árvores medias de 20 a 30 m de altura.
  • 9. Matas dos igapós: localizam-se nos terrenos mais baixos próximos aos rios, permanentemente inundados. Vegetação adaptada ao solo alagado e mal ventilado. Árvores de 20 a 25 m de altura.
  • 10. MATA ATLÂNTICA É um floresta tropical, úmida de encosta. Vegetação latifoliada, ou seja, com folhas largas e grandes. Das 200 espécies vegetais brasileiras ameaçadas, 117 são desse bioma e abriga 383 dos 633 animais ameaçados de extinção no Brasil. Queimadas Exploração madeireira Área de pastos, cidades e cultivo É exuberante ainda em alguns trechos: sul da Bahia,norte do E. Santo e na Serra do Mar. Desaparecimento De espécies Como o pau-brasil A Mata Atlântica estendia-se originalmente ao longo de 17 Estados desde do RN ao RS. Hoje, restam 7,91 % de remanescentes florestais acima de 100 hectares do que existia originalmente. Somados todos os fragmentos de floresta nativa acima de 3 hectares, temos atualmente 11%.
  • 11. Mata atlântica em Ubatuba, São Paulo, 2008 FABIOCOLOMBINI Hot Spots Ambientais
  • 12. • Formação EXCLUSIVAMENTE brasileira. • Vegetação de transição entre: CAATINGA CERRADO FLORESTA AMAZÔNICA PRINCIPAIS EXEMPLOS DE VEGETAIS: BABAÇU: matas densas e (árvores próximas). CARNAÚBA: local espaçado e ensolarado. Mata dos cocais
  • 13. Mata de araucárias Encontra se nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina; De modo geral pode se dizer que seu aparecimento se acha ligado ao clima (subtropical ), que é condicionado pelo relevo e pela latitude; Constitui uma formação aberta, homogênea, que permite facilmente a extração de madeiras (chamadas mole), as Araucárias, constituem a nossa única floresta subtropical do Brasil. Aciculifoliada (Folhas em forma de agulha)
  • 14.
  • 15. Temperatura média Alta = 250C Muitos ventos,umidade do ar baixa e muita evaporação. Solo cristalino, impermeável. Não armazena água. Época da seca, vegetação perde as folhas ( caducifólias), aspecto seco e espinhoso (Plantas xerófitas). CAATINGA Sertão nordestino 11% do território brasileiro
  • 16. Vegetação típica do Nordeste semiárido JUANPRATGINESTÓS/SAMBAPHOTO
  • 17. Vegetação composta de arbustos e pequenas árvores.Galhos retorcidos, casca grossa e folhas espessas. Aparência geral de região xeromórfica Chuvas frequentes. Árvores com raízes profundas que atingem o lençol freático Solo ácido, com baixo teor de nutrientes e excesso de alumínio. CERRADO 25% do território brasileiro Para ser adequado à agricultura, o solo do cerrado precisa do acréscimo de nutrientes e de correção que reduza sua acidez.
  • 18. PAMPAS/CAMPOS Também conhecidos como: Campos do Sul, Campos Sulinos ou Campanha Gaúcha. Vegetação de Gramíneas Pecuária extensiva
  • 19. PANTANAL ÉPOCA DAS CHUVAS (outubro a março): nessa época seus rios transbordam, extravasam suas águas, inundando grandes áreas de solo. Maior estoque de peixes do mundo Maior concentração de aves do continente. Vegetação aquática, florestas, campos e cerrado.
  • 20. O Pantanal é considerado Patrimônio Mundial pela Unesco. Na foto, Mato Grosso do Sul. ARAQUÉMALCÂNTARA/SAMBAPHOTO
  • 21. Formações Litorâneas Ao longo do litoral, submetidas aos climas úmidos e a salinidade, existem formações vegetais características, como mangue, as restingas.
  • 22. Jundus fixam em areia . Mata baixa Raízes profundas cresce em áreas não alagadas
  • 23. MANGUEZAL ÁGUA DOCE (Sedimentos dos rios) ÁGUA SALGADA MANGUE Solo rico em matéria orgânica (rios, mares, chuva), porém pobre em O2.. Berçário para muitas espécies de animais, que se deslocam para o mangue na época reprodutiva; põem os ovos e os filhotes passam aí toda a sua fase juvenil, migrando posteriormente para o mar.
  • 24. RESTINGAS • Localizam-se atrás das dunas. • Vegetação mista: árvores das matas, gramíneas das dunas, etc. • Solo extremamente arenoso, pobre em água e nutrientes. Lagarto
  • 25.
  • 26. 1-(UPE) O cerrado é um bioma brasileiro bastante peculiar, sobretudo por sua constituição em mosaicos de formações vegetais. Observe os mapas a seguir e assinale aquele que exibe delimitação espacial mais aproximada desse bioma.
  • 27. 2-(FMJ) É um mosaico de coberturas vegetais que formam uma diagonal que separa as duas florestas tropicais do Brasil: a noroeste a Floresta Amazônica e a leste a Mata Atlântica. Esse mosaico se desenvolve numa área de baixas pluviosidades. As causas da pouca chuva e sua distribuição irregular estão associadas aos fortes ventos alísios, que não trazem umidade para a região. (José Bueno Conti e Sueli Angelo Furlan. Geografia do Brasil, 2005. Adaptado.) O domínio morfoclimático tratado pelo texto é o a) das pradarias. b) das caatingas. c) das araucárias. d) dos cerrados. e) dos mares de morros.
  • 28. 3-(CEDERJ) Analise a imagem a seguir: Disponível em: principaisflorestasmundiais.blogspot.com. Acesso em: 15 out. 2013. Na imagem, registra-se a seguinte vegetação natural do Brasil: a) Cerrado, com prevalência de espécies epífitas. b) Caatinga, com abundância de espécies xerófitas. c) Mata de Araucárias, com adensamento de tipos de pinhais. d) Mata de Cocais, com predominância de extensos babaçuais.
  • 29. 4- (UNESP) A extração de madeira, especialmente do pau-brasil, os ciclos do açúcar e café e o desmatamento para instalação de indústrias são eventos de nossa história que contribuíram para a degradação desse bioma. O texto refere-se ao bioma a) Mata Atlântica. b) Caatinga. c) Cerrado. d) Pantanal. e) Floresta Amazônica.
  • 30. 5- (UFSJ) Observe a figura abaixo. As APPs estiveram no centro do debate sobre a reformulação do Código Florestal Brasileiro.S obre a função ambiental das APPs, é INCORRETO afirmar que estas garantem a: a) margem dos cursos d'água e aumentam o assoreamento. b) estabilidade do solo e previnem deslizamentos. c) fixação de dunas e a proteção de manguezais. d) recomposição de aquíferos.
  • 31. 6-(PUCPR) Chamam-se HOTSPOTS as áreas ricas em biodiversidade, com pelo menos 1500 espécies endêmicas e fortemente ameaçadas pelas atividades humanas. Esse conceito foi criado pelo ecólogo Norman Myers (1988) como indicador para priorizar quais locais do mundo receberiam maior atenção para os programas de conservação. Há 34 hotspots no mundo, dois estão em território brasileiro. São eles: a) Floresta Amazônica e Cerrado. b) Floresta Amazônica e Caatinga. c) Cerrado e Mata Atlântica d) Floresta Amazônica e Mata Atlântica. e) Caatinga e Cerrado.
  • 32. 7-(UECE) Dentre as medidas mais polêmicas do novo código florestal está a) a redução das áreas de preservação permanente (APP) de 30 metros para 15 metros nas margens de riachos com até 5 metros de largura. b) o aumento das APPs de 30 para 50 metros nas margens de rios e riachos, independente do seu comprimento e da sua extensão. c) a transformação das unidades de conservação menores que 10 ha em áreas destinadas exclusivamente à atividade agroindustrial. d) o fim da exploração e da extração mineral no estado do Pará.

Notas do Editor

  1. Professor: das florestas tropicais remanescentes no mundo, a floresta amazônica é a de maior extensão, ocupando cerca de 5,5 milhões de km2. Desse total, perto de 3,3 milhões de km2, ou 60%, localizam-se no território brasileiro; o restante cobre terras da Guiana Francesa, Guiana, Suriname, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. A floresta amazônica apresenta três degraus de vegetação conforme a altitude: a mata de igapó, a mata de várzea e a mata de terra firme.
  2. Professor: originalmente a mata atlântica recobria extensa faixa do litoral brasileiro, desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul, com largura média de 200 km, ultrapassando, em alguns trechos, 500 km, atingindo o vale do rio Paraná e outras porções de território, com o nome de Floresta Tropical do Interior. Ao longo dos vales fluviais, formava extensas matas galerias. Calcula-se que a mata atlântica e a floresta tropical cobriam cerca de 15% da área territorial do Brasil, o que seria, aproximadamente, 1,3 milhão de km2. Hoje estima-se que há apenas cerca de 8% de áreas remanescentes da vegetação em todo o país. No Nordeste, a devastação dessas matas atingiu taxas tão elevadas, desde o início da colonização portuguesa, que a floresta praticamente não existe mais. Resta hoje apenas o nome Zona da Mata para referir-se à área que ela ocupava e que hoje ainda é coberta, principalmente, pelas plantações de cana-de-açúcar.
  3. Professor: vegetação típica do Nordeste semiárido, a caatinga é bastante heterogênea. Na caatinga seca não arbórea predominam as cactáceas e não há árvores; na caatinga seca arbórea predominam as árvores como o pau-pereiro e arbustos isolados; na caatinga arbustiva densa, árvores isoladas formam bosques; na caatinga localizada em regiões de relevo mais elevado, em áreas de maior pluviosidade, os bosques são mais densos.