SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 
Disciplina:​ Cognição e processos de subjetivação 
Professora:​ Cleci Maraschin 
Estudante:​ Raquel Salcedo Gomes 
Data:​ 29/06/2016 
 
Bergson e Maturana em minha tese sobre o linguajar e as tecnologias móveis 
 
Quais as especificidades do linguajar em tecnologias móveis? Este é meu problema de                         
pesquisa. Penso que é um problema verdadeiro, segundo o sistema filosófico de Bergson                         
(2006) e seu método da intuição, pois procurei formulá­lo em termos de duração, no intuito de                               
acompanhar processos linguageiros engendrados com celulares e tablets e, assim, “captar                     
realidades”, como diz Bergson, e “não aperfeiçoar convenções” (2006, p. 21). Busquei construir                         
um problema positivo, isto é, me perguntar sobre a natureza do uso da linguagem nessas                             
tecnologias, querendo investigar o que acontece ao usarmos tais dispositivos para nos                       
comunicarmos. Acredito não ser um pseudoproblema, pois não estou concebendo uma falta,                       
um vazio, um nada, não estou visando à produção de uma crítica ou ao mero encaixe, ​a                                 
posteriori​, de possíveis. Estou tentando "ver para ver e não para agir" (BERGSON, 2006, p.                             
29). Essa forma de ver pode me colocar, portanto, na duração. A duração é, para Bergson, o                                 
absoluto, o tudo em que somos. Esse tudo é uno e múltiplo. É uno porque indivisível,                               
inquantificável na experiência da vida, a não ser que o espacializemos, transformando­o numa                         
representação de si mesmo. E é múltiplo porque difere. Difere constantemente de si a fim de                               
seguir sendo. 
Como a vida psicológica está na duração, assim também está o linguajar. Pensado                         
como virtualidade, mais em termos mais de tempo do que de espaço, o linguajar dura. Dura                               
porque é decorrência do elán vital e da memória, que também estão na duração. A memória                               
empurra o passado para o presente. Não há formatação do HD. Tudo o que foi experimentado                               
permanece conosco como memória. O elán vital subverte a matéria inerte em matéria                         
organizada. Com a formação do ente biológico, emerge o linguajar como potência. 
O linguajar é como Maturana denomina a linguagem. Ele toma esse verbo como                         
substantivo para enfatizar o caráter acional desse fenômeno humano. O linguajar é uma forma                           
de ação. É um operar sons, gestos e formas para fazer coisas com os outros e consigo mesmo.                                   
Maturana (2001, p. 70) fala em “coordenações de coordenações de ações”, ou seja, fazer                           
coisas juntos para se remeter a coisas que são feitas junto. Assim, o linguajar também é                               
recursivo e recorrente, como a própria autopoiese. Como linguista de formação, a vantagem                         
inicial que vejo em adotar a concepção de linguagem da teoria autopoiética reside no fato de                               
que o linguajar abriga todos os sistemas de comunicação, não apenas a linguagem oral ou a                               
escrita, como geralmente ocorre nas teorias que estudei da área. Sempre cultivei um apreço                           
pelo estudo da linguagem em um sentido mais amplo, e tive de me munir de certas justificativas                                 
teóricas para fazê­lo. Adotando uma epistemologia da imanência, como a que é suscitada em                           
Bergson e Maturana, tais justificativas são desnecessárias, pois a linguagem já é mais que a                             
fala e a escrita em sua origem. 
Os objetos empíricos de minha tese serão atividades de linguagem produzidas no                       
âmbito de três projetos de pesquisa dos quais venho participando nos últimos anos. São os                             
projetos: 1) “Oficinando em rede: processos de aprendizagem e jogos locativos”, desenvolvido                       
pelo grupo de pesquisa NUCOGS (Núcleo de Ecologias e Políticas Cognitivas), coordenado por                         
minha orientadora, Profa. Dra. Cleci Maraschin; 2) “Intercâmbio Brasil­Moçambique­Portugal:                 
conversas virtuais”, desenvolvido pelo grupo de pesquisa Escrita na Tela, coordenado por                       
minha orientadora de mestrado, Profa. Dra. Dinorá Moraes de Fraga; e, 3)                       
“Perambulinguajando pelo câmpus com tecnologias móveis”, desenvolvido por um grupo de                     
professores e estudantes do qual faço parte no Instituto Federal Sul Rio­Grandense. 
Os três projetos abordam, de alguma maneira, a relação entre tecnologias digitais                       
móveis e a educação. No projeto n. 1, foi desenvolvido um jogo móvel de localização para ser                                 
jogado com tablets percorrendo­se o território do Jardim Botânico de Porto Alegre e plantando                           
sementes digitais, um objeto de aprendizagem lúdico sobre o parque, que é, em si, um espaço                               
educativo. No projeto 2, estamos propondo abordar a relação entre a vida urbana, o trabalho e                               
as tecnologias digitais junto a um grupo de estudantes adultos dos três países, criando uma                             
comunidade de troca de experiências e de saberes culturais, na perspectiva de uma                         
internacionalização da língua portuguesa. No projeto 3, estamos produzindo uma cartografia do                       
uso das tecnologias móveis no câmpus do instituto, elaborando relatos, gravações e conversas                         
sobre vivências em que estas tecnologias se fizeram presentes no cotidiano daquele território.                         
Minha intenção é estudar de que forma o uso linguageiro de tecnologias móveis produz outros                             
sentidos sobre os espaços, sobre o próprio linguajar e sobre os processos de ensino e                             
aprendizagem. Assim, os espaços, os sistemas semióticos e os processos de ensino e                         
aprendizagem são meus eixos de pesquisa. 
No que concerne aos espaços, quero refletir sobre a relação entre o físico e o digital e                                 
sua hibridização a partir das tecnologias móveis, como argumentam alguns autores (LEMOS,                       
2010; DE SOUZA E SILVA, 2004, 2013). Me interessam as telas como superfícies planas                           
bidimensionais com conteúdos moventes, as quais são por vezes transportadas por territórios                       
físicos, nos quais são capturados conteúdos sobre esses territórios e transpostos para as telas,                           
e nas quais se criam territórios digitais que representam um adendo aos territórios físicos, em                             
uma metonímia espaço­temporal.  
 
Figura 1 ­ Para o desenvolvimento do jogo, fotografamos espaços físicos do Jardim Botânico e os inserimos 
nas telas que contêm as missões a serem realizadas. 
 
 
 
Figuras 2, 3 e 4 ­ Metonímia espaço­temporal: o grupo no WhatsApp foi confundido com o grupo que se 
reúne semanalmente, tomando­se a parte pelo todo. 
 
No que diz respeito aos sistemas semióticos, minha maior curiosidade recai sobre o                         
sincretismo de linguagens nas telas e as modalidades conversacionais proporcionadas por                     
aplicativos de mensagens instantâneas, como Messenger, WhatsApp, Skype, FaceTime e os                     
próprios fóruns e chats do MOODLE. Nesses ambientes, recriamos espaços conversacionais,                     
mas o formato das conversas possui características específicas, moduladas pelos sistemas                     
informáticos que lhes produziram. As conversas online atuais são repletas de emojis,                       
emoticons, abreviaturas, interjeições e onomatopéias, que produzem um linguajar singular. 
 
 
 
Figuras 5, 6, 7 e 8 ­ Emojis incompatíveis entre o Android e o IOS provocam uma situação inusitada. 
 
Por fim, me interessam os sentidos produzidos sobre os próprios processos de ensino e                           
aprendizagem dentro e fora das salas de aula. O que se aprende jogando com tablets no                               
Jardim Botânico? O que os professores dizem que se aprende? O que dizem os estudantes? E                               
os pesquisadores? E, na escola, o que muda nos processos em sala de aula, quando se pode                                 
tirar uma foto do conteúdo do quadro, de um recado do professor? Quando se pode agendar a                                 
data da prova no calendário e colocar um alarme para despertar um dia antes para estudar?                               
Quando se fotografa a resposta de um exercício e se distribui essa foto no grupo online da                                 
turma? Quando se usa o celular como “cola” durante uma apresentação oral? 
 
"Um número grande de alunos da turma foi mal na prova porque estudaram                         
apenas uma parte do processo de resolução dos exercícios de estatística, que                       
geralmente têm mais do que uma etapa. Eles tiraram foto só da primeira parte                           
do cálculo que estava no quadro, compartilhando no WhatsApp e, na hora da                         
prova, não conseguiram resolver o problema até o final. Tive que fazer uma                         
revisão e recuperação na semana seguinte. Mas, tem muitos momentos em que                       
o celular é bom, porque às vezes os alunos faltam e eles conseguem acesso ao                             
conteúdo através do grupo no Whats." 
 
Esse relato foi feito pelo professor de estatística do Instituto Federal, que contou sobre                           
efeitos positivos e negativos do uso dos grupos no WhatsApp para a aprendizagem de sua                             
disciplina. O celular exerce agência nesses processos, pois permite uma “presença ausente”                       
dos estudantes na aula, que têm acesso aos conteúdos expostos no quadro­negro pela                         
divulgação de colegas, mas cujo acesso por vezes implica em resultados negativos nas                         
avaliações, quando a reprodução dos conteúdos é incompleta. O uso linguageiro do celular                         
parece fomentar outras situações de aprendizagem, em que releva sobremaneira o modo como                         
é feita e divulgada a reprodução/simulação do que foi visto em aula. 
Enfim, espero, com minha tese, cartografar, compilar, aglutinar e produzir sentidos                     
sobre a produção de sentidos que emergem com o uso linguageiro de dispositivos digitais                           
móveis em contextos educacionais, olhando para essas produções como processos                   
virtualizados do linguajar que se atualizam nessas mídias em diferentes contextos de ensino e                           
aprendizagem, engendrando espaços, linguagens e processos sucessivos, que               
constantemente prosseguem e diferem. 
 
Referências 
 
BERGSON, Henri. ​Memória e vida​. Textos escolhidos por Gilles Deleuze. São Paulo: Martins 
Fontes, 2006. 
 
DE SOUZA E SILVA, Adriana Araujo. ​Interfaces móveis de comunicação e subjetividade 
contemporânea: de ambientes de multiusuários como espaços (virtuais) a espaços (híbridos) 
como ambientes de multiusuários​. Tese de Doutorado em Comunicação e Cultura. Rio de 
Janeiro: UFRJ/CFCH/ECO, 2004. 
 
_____________. Tecnologias móveis de posicionamento: abordagens históricas, sociais e 
espaciais. ​Verso e Reverso​. Volume 27, número 64, p. 19­23, janeiro­abril, 2013. 
 
LEMOS, A​ndré. Jogos Móveis Locativos. Cibercultura, espaço urbano e mídia locativa. ​Revista 
USP​. Volume 86, p. 54­65, 2010. 
 
MATURANA, Humberto. ​Cognição, ciência e vida cotidiana​. Organização de Cristina Magro e 
Victor Paredes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001. 
 
 
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
Letícia J. Storto
 
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de AulaPráticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Casa da Árvore - Cultura Digital e Aprendizagem Criativa
 
Docência na Cibercultura
Docência na CiberculturaDocência na Cibercultura
Docência na Cibercultura
Edmea Santos
 
A tessitura colaborativa de atos (artigo)
A tessitura colaborativa de atos (artigo)A tessitura colaborativa de atos (artigo)
A tessitura colaborativa de atos (artigo)
Cristiane Marcelino
 
A linguagem virtual
A linguagem virtualA linguagem virtual
A linguagem virtual
Mariangela Santos
 
A sala de aula
A sala de aulaA sala de aula
A sala de aula
Marcos Mendes
 
Reconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof eliane
Reconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof elianeReconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof eliane
Reconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof eliane
Cynthia Salvato
 
Eebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15a
Eebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15aEebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15a
Eebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15a
ProfCarpes
 
Pesquisa formação
Pesquisa formaçãoPesquisa formação
Pesquisa formação
Edmea Santos
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
computacaoufjf
 
Aprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhada
Aprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhadaAprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhada
Aprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhada
Sónia Abreu
 
Ambientes virtuais
Ambientes virtuaisAmbientes virtuais
Ambientes virtuais
computacaoufjf
 

Mais procurados (12)

A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
A influência da linguagem virtual em redações escolares de alunos do ensino f...
 
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de AulaPráticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
Práticas pedagógicas inovadoras- Plano de Aula
 
Docência na Cibercultura
Docência na CiberculturaDocência na Cibercultura
Docência na Cibercultura
 
A tessitura colaborativa de atos (artigo)
A tessitura colaborativa de atos (artigo)A tessitura colaborativa de atos (artigo)
A tessitura colaborativa de atos (artigo)
 
A linguagem virtual
A linguagem virtualA linguagem virtual
A linguagem virtual
 
A sala de aula
A sala de aulaA sala de aula
A sala de aula
 
Reconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof eliane
Reconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof elianeReconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof eliane
Reconfigurando a sala de aula em ambientes virtuais, prof eliane
 
Eebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15a
Eebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15aEebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15a
Eebluizdelfino ativ5 plac2_30.03.15a
 
Pesquisa formação
Pesquisa formaçãoPesquisa formação
Pesquisa formação
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
 
Aprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhada
Aprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhadaAprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhada
Aprendizagem Colaborativa no Português - Ferramentas para a escrita partilhada
 
Ambientes virtuais
Ambientes virtuaisAmbientes virtuais
Ambientes virtuais
 

Destaque

Apresentação pp nilbo raquel nomoves
Apresentação pp nilbo raquel nomovesApresentação pp nilbo raquel nomoves
Apresentação pp nilbo raquel nomoves
Raquel Salcedo Gomes
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Raquel Salcedo Gomes
 
Vygotsky e o jogo
Vygotsky e o jogoVygotsky e o jogo
Vygotsky e o jogo
Raquel Salcedo Gomes
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
Wany Goes Dias
 
Livro 3:A Pedagogia de Projetos
Livro 3:A Pedagogia de ProjetosLivro 3:A Pedagogia de Projetos
Livro 3:A Pedagogia de Projetos
Natália Belchior
 
Pedagogia De Projetos Curso
Pedagogia De Projetos CursoPedagogia De Projetos Curso
Pedagogia De Projetos Curso
Nadia Nair Costa Peres
 
Modelo projeto didático rose
Modelo projeto didático  roseModelo projeto didático  rose
Modelo projeto didático rose
Janete Garcia de Freitas
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
marisa liotti
 
Unidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências Didáticas
Unidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências DidáticasUnidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências Didáticas
Unidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências Didáticas
Elaine Cruz
 

Destaque (9)

Apresentação pp nilbo raquel nomoves
Apresentação pp nilbo raquel nomovesApresentação pp nilbo raquel nomoves
Apresentação pp nilbo raquel nomoves
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 
Vygotsky e o jogo
Vygotsky e o jogoVygotsky e o jogo
Vygotsky e o jogo
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
Livro 3:A Pedagogia de Projetos
Livro 3:A Pedagogia de ProjetosLivro 3:A Pedagogia de Projetos
Livro 3:A Pedagogia de Projetos
 
Pedagogia De Projetos Curso
Pedagogia De Projetos CursoPedagogia De Projetos Curso
Pedagogia De Projetos Curso
 
Modelo projeto didático rose
Modelo projeto didático  roseModelo projeto didático  rose
Modelo projeto didático rose
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
 
Unidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências Didáticas
Unidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências DidáticasUnidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências Didáticas
Unidade 6 - PNAIC - Projetos e Sequências Didáticas
 

Semelhante a Bergson e Maturana em minha tese

CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...
CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...
CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...
Maria Salete Dias Antônio
 
Trilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMESTrilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMES
Denise Oliveira
 
Generos Textuais Mediados por Computadormp Proj Pesq
Generos Textuais Mediados por Computadormp Proj PesqGeneros Textuais Mediados por Computadormp Proj Pesq
Generos Textuais Mediados por Computadormp Proj Pesq
Luciane Oliveira
 
Ana regina bresolin ufmt dissertaçao
Ana regina bresolin ufmt dissertaçaoAna regina bresolin ufmt dissertaçao
Ana regina bresolin ufmt dissertaçao
Ana Regina Bresolin
 
Projeto com o gênero bate papo no computador
Projeto com o gênero bate papo no computadorProjeto com o gênero bate papo no computador
Projeto com o gênero bate papo no computador
paulocesar2011
 
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
Rosemary Santos
 
Restinga Sêca - Fabrícia Cavichioli Braida
Restinga Sêca - Fabrícia Cavichioli BraidaRestinga Sêca - Fabrícia Cavichioli Braida
Restinga Sêca - Fabrícia Cavichioli Braida
CursoTICs
 
Articulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidade
Articulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidadeArticulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidade
Articulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidade
SEJUD
 
Projeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucessoProjeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucesso
Marcos Felipe Silva
 
A evolução da comunicação ao longo dos tempos
A evolução da comunicação ao longo dos temposA evolução da comunicação ao longo dos tempos
A evolução da comunicação ao longo dos tempos
Flavia Belem
 
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
UNEB
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Mariana Correia
 
Aprendizagem Integrada
Aprendizagem IntegradaAprendizagem Integrada
Aprendizagem Integrada
Adriana Bruno
 
Apresentação de TCC
Apresentação de TCCApresentação de TCC
Apresentação de TCC
Isabella Tavares Sozza Moraes
 
As universidades abertas Brasil
As universidades abertas BrasilAs universidades abertas Brasil
As universidades abertas Brasil
Maria Amador
 
Francieli regina garlet
Francieli regina garletFrancieli regina garlet
Francieli regina garlet
equipetics
 
Agudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela PozzebonAgudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela Pozzebon
CursoTICs
 
reitorica digital
reitorica digitalreitorica digital
reitorica digital
marcos carneiro
 
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
Elaine Teixeira
 
A oralidade nas relações com a escrita
A oralidade nas relações com a escritaA oralidade nas relações com a escrita
A oralidade nas relações com a escrita
Antonio Silva
 

Semelhante a Bergson e Maturana em minha tese (20)

CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...
CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...
CADERNO PEDAGÓGICO - Radioface e Multiletramentos: Ferramentas Pedagógicas pa...
 
Trilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMESTrilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMES
 
Generos Textuais Mediados por Computadormp Proj Pesq
Generos Textuais Mediados por Computadormp Proj PesqGeneros Textuais Mediados por Computadormp Proj Pesq
Generos Textuais Mediados por Computadormp Proj Pesq
 
Ana regina bresolin ufmt dissertaçao
Ana regina bresolin ufmt dissertaçaoAna regina bresolin ufmt dissertaçao
Ana regina bresolin ufmt dissertaçao
 
Projeto com o gênero bate papo no computador
Projeto com o gênero bate papo no computadorProjeto com o gênero bate papo no computador
Projeto com o gênero bate papo no computador
 
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
A tessitura do conhecimento via mídias e redes sociais da internet: Notas de ...
 
Restinga Sêca - Fabrícia Cavichioli Braida
Restinga Sêca - Fabrícia Cavichioli BraidaRestinga Sêca - Fabrícia Cavichioli Braida
Restinga Sêca - Fabrícia Cavichioli Braida
 
Articulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidade
Articulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidadeArticulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidade
Articulação de saberes no currículo escolar. desafios da contemporaneidade
 
Projeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucessoProjeto de ensino - Um pitch de sucesso
Projeto de ensino - Um pitch de sucesso
 
A evolução da comunicação ao longo dos tempos
A evolução da comunicação ao longo dos temposA evolução da comunicação ao longo dos tempos
A evolução da comunicação ao longo dos tempos
 
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
 
Aprendizagem Integrada
Aprendizagem IntegradaAprendizagem Integrada
Aprendizagem Integrada
 
Apresentação de TCC
Apresentação de TCCApresentação de TCC
Apresentação de TCC
 
As universidades abertas Brasil
As universidades abertas BrasilAs universidades abertas Brasil
As universidades abertas Brasil
 
Francieli regina garlet
Francieli regina garletFrancieli regina garlet
Francieli regina garlet
 
Agudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela PozzebonAgudo - Rafaela Pozzebon
Agudo - Rafaela Pozzebon
 
reitorica digital
reitorica digitalreitorica digital
reitorica digital
 
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
 
A oralidade nas relações com a escrita
A oralidade nas relações com a escritaA oralidade nas relações com a escrita
A oralidade nas relações com a escrita
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Raquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Raquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
Raquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
Raquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
Raquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
Raquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Raquel Salcedo Gomes
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
Raquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Raquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Raquel Salcedo Gomes
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Raquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
Raquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Raquel Salcedo Gomes
 
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Raquel Salcedo Gomes
 
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LEUma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Raquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
 
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LEUma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
 

Último

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Bergson e Maturana em minha tese

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL  Disciplina:​ Cognição e processos de subjetivação  Professora:​ Cleci Maraschin  Estudante:​ Raquel Salcedo Gomes  Data:​ 29/06/2016    Bergson e Maturana em minha tese sobre o linguajar e as tecnologias móveis    Quais as especificidades do linguajar em tecnologias móveis? Este é meu problema de                          pesquisa. Penso que é um problema verdadeiro, segundo o sistema filosófico de Bergson                          (2006) e seu método da intuição, pois procurei formulá­lo em termos de duração, no intuito de                                acompanhar processos linguageiros engendrados com celulares e tablets e, assim, “captar                      realidades”, como diz Bergson, e “não aperfeiçoar convenções” (2006, p. 21). Busquei construir                          um problema positivo, isto é, me perguntar sobre a natureza do uso da linguagem nessas                              tecnologias, querendo investigar o que acontece ao usarmos tais dispositivos para nos                        comunicarmos. Acredito não ser um pseudoproblema, pois não estou concebendo uma falta,                        um vazio, um nada, não estou visando à produção de uma crítica ou ao mero encaixe, ​a                                  posteriori​, de possíveis. Estou tentando "ver para ver e não para agir" (BERGSON, 2006, p.                              29). Essa forma de ver pode me colocar, portanto, na duração. A duração é, para Bergson, o                                  absoluto, o tudo em que somos. Esse tudo é uno e múltiplo. É uno porque indivisível,                                inquantificável na experiência da vida, a não ser que o espacializemos, transformando­o numa                          representação de si mesmo. E é múltiplo porque difere. Difere constantemente de si a fim de                                seguir sendo.  Como a vida psicológica está na duração, assim também está o linguajar. Pensado                          como virtualidade, mais em termos mais de tempo do que de espaço, o linguajar dura. Dura                                porque é decorrência do elán vital e da memória, que também estão na duração. A memória                                empurra o passado para o presente. Não há formatação do HD. Tudo o que foi experimentado                                permanece conosco como memória. O elán vital subverte a matéria inerte em matéria                          organizada. Com a formação do ente biológico, emerge o linguajar como potência.  O linguajar é como Maturana denomina a linguagem. Ele toma esse verbo como                          substantivo para enfatizar o caráter acional desse fenômeno humano. O linguajar é uma forma                            de ação. É um operar sons, gestos e formas para fazer coisas com os outros e consigo mesmo.                                    Maturana (2001, p. 70) fala em “coordenações de coordenações de ações”, ou seja, fazer                            coisas juntos para se remeter a coisas que são feitas junto. Assim, o linguajar também é                                recursivo e recorrente, como a própria autopoiese. Como linguista de formação, a vantagem                          inicial que vejo em adotar a concepção de linguagem da teoria autopoiética reside no fato de                                que o linguajar abriga todos os sistemas de comunicação, não apenas a linguagem oral ou a                                escrita, como geralmente ocorre nas teorias que estudei da área. Sempre cultivei um apreço                            pelo estudo da linguagem em um sentido mais amplo, e tive de me munir de certas justificativas                                  teóricas para fazê­lo. Adotando uma epistemologia da imanência, como a que é suscitada em                            Bergson e Maturana, tais justificativas são desnecessárias, pois a linguagem já é mais que a                              fala e a escrita em sua origem. 
  • 2. Os objetos empíricos de minha tese serão atividades de linguagem produzidas no                        âmbito de três projetos de pesquisa dos quais venho participando nos últimos anos. São os                              projetos: 1) “Oficinando em rede: processos de aprendizagem e jogos locativos”, desenvolvido                        pelo grupo de pesquisa NUCOGS (Núcleo de Ecologias e Políticas Cognitivas), coordenado por                          minha orientadora, Profa. Dra. Cleci Maraschin; 2) “Intercâmbio Brasil­Moçambique­Portugal:                  conversas virtuais”, desenvolvido pelo grupo de pesquisa Escrita na Tela, coordenado por                        minha orientadora de mestrado, Profa. Dra. Dinorá Moraes de Fraga; e, 3)                        “Perambulinguajando pelo câmpus com tecnologias móveis”, desenvolvido por um grupo de                      professores e estudantes do qual faço parte no Instituto Federal Sul Rio­Grandense.  Os três projetos abordam, de alguma maneira, a relação entre tecnologias digitais                        móveis e a educação. No projeto n. 1, foi desenvolvido um jogo móvel de localização para ser                                  jogado com tablets percorrendo­se o território do Jardim Botânico de Porto Alegre e plantando                            sementes digitais, um objeto de aprendizagem lúdico sobre o parque, que é, em si, um espaço                                educativo. No projeto 2, estamos propondo abordar a relação entre a vida urbana, o trabalho e                                as tecnologias digitais junto a um grupo de estudantes adultos dos três países, criando uma                              comunidade de troca de experiências e de saberes culturais, na perspectiva de uma                          internacionalização da língua portuguesa. No projeto 3, estamos produzindo uma cartografia do                        uso das tecnologias móveis no câmpus do instituto, elaborando relatos, gravações e conversas                          sobre vivências em que estas tecnologias se fizeram presentes no cotidiano daquele território.                          Minha intenção é estudar de que forma o uso linguageiro de tecnologias móveis produz outros                              sentidos sobre os espaços, sobre o próprio linguajar e sobre os processos de ensino e                              aprendizagem. Assim, os espaços, os sistemas semióticos e os processos de ensino e                          aprendizagem são meus eixos de pesquisa.  No que concerne aos espaços, quero refletir sobre a relação entre o físico e o digital e                                  sua hibridização a partir das tecnologias móveis, como argumentam alguns autores (LEMOS,                        2010; DE SOUZA E SILVA, 2004, 2013). Me interessam as telas como superfícies planas                            bidimensionais com conteúdos moventes, as quais são por vezes transportadas por territórios                        físicos, nos quais são capturados conteúdos sobre esses territórios e transpostos para as telas,                            e nas quais se criam territórios digitais que representam um adendo aos territórios físicos, em                              uma metonímia espaço­temporal.  
  • 3.   Figura 1 ­ Para o desenvolvimento do jogo, fotografamos espaços físicos do Jardim Botânico e os inserimos  nas telas que contêm as missões a serem realizadas.        Figuras 2, 3 e 4 ­ Metonímia espaço­temporal: o grupo no WhatsApp foi confundido com o grupo que se  reúne semanalmente, tomando­se a parte pelo todo.    No que diz respeito aos sistemas semióticos, minha maior curiosidade recai sobre o                          sincretismo de linguagens nas telas e as modalidades conversacionais proporcionadas por                      aplicativos de mensagens instantâneas, como Messenger, WhatsApp, Skype, FaceTime e os                      próprios fóruns e chats do MOODLE. Nesses ambientes, recriamos espaços conversacionais,                      mas o formato das conversas possui características específicas, moduladas pelos sistemas                      informáticos que lhes produziram. As conversas online atuais são repletas de emojis,                        emoticons, abreviaturas, interjeições e onomatopéias, que produzem um linguajar singular.   
  • 4.     Figuras 5, 6, 7 e 8 ­ Emojis incompatíveis entre o Android e o IOS provocam uma situação inusitada.    Por fim, me interessam os sentidos produzidos sobre os próprios processos de ensino e                            aprendizagem dentro e fora das salas de aula. O que se aprende jogando com tablets no                                Jardim Botânico? O que os professores dizem que se aprende? O que dizem os estudantes? E                                os pesquisadores? E, na escola, o que muda nos processos em sala de aula, quando se pode                                  tirar uma foto do conteúdo do quadro, de um recado do professor? Quando se pode agendar a                                  data da prova no calendário e colocar um alarme para despertar um dia antes para estudar?                                Quando se fotografa a resposta de um exercício e se distribui essa foto no grupo online da                                  turma? Quando se usa o celular como “cola” durante uma apresentação oral?    "Um número grande de alunos da turma foi mal na prova porque estudaram                          apenas uma parte do processo de resolução dos exercícios de estatística, que                       
  • 5. geralmente têm mais do que uma etapa. Eles tiraram foto só da primeira parte                            do cálculo que estava no quadro, compartilhando no WhatsApp e, na hora da                          prova, não conseguiram resolver o problema até o final. Tive que fazer uma                          revisão e recuperação na semana seguinte. Mas, tem muitos momentos em que                        o celular é bom, porque às vezes os alunos faltam e eles conseguem acesso ao                              conteúdo através do grupo no Whats."    Esse relato foi feito pelo professor de estatística do Instituto Federal, que contou sobre                            efeitos positivos e negativos do uso dos grupos no WhatsApp para a aprendizagem de sua                              disciplina. O celular exerce agência nesses processos, pois permite uma “presença ausente”                        dos estudantes na aula, que têm acesso aos conteúdos expostos no quadro­negro pela                          divulgação de colegas, mas cujo acesso por vezes implica em resultados negativos nas                          avaliações, quando a reprodução dos conteúdos é incompleta. O uso linguageiro do celular                          parece fomentar outras situações de aprendizagem, em que releva sobremaneira o modo como                          é feita e divulgada a reprodução/simulação do que foi visto em aula.  Enfim, espero, com minha tese, cartografar, compilar, aglutinar e produzir sentidos                      sobre a produção de sentidos que emergem com o uso linguageiro de dispositivos digitais                            móveis em contextos educacionais, olhando para essas produções como processos                    virtualizados do linguajar que se atualizam nessas mídias em diferentes contextos de ensino e                            aprendizagem, engendrando espaços, linguagens e processos sucessivos, que                constantemente prosseguem e diferem.    Referências    BERGSON, Henri. ​Memória e vida​. Textos escolhidos por Gilles Deleuze. São Paulo: Martins  Fontes, 2006.    DE SOUZA E SILVA, Adriana Araujo. ​Interfaces móveis de comunicação e subjetividade  contemporânea: de ambientes de multiusuários como espaços (virtuais) a espaços (híbridos)  como ambientes de multiusuários​. Tese de Doutorado em Comunicação e Cultura. Rio de  Janeiro: UFRJ/CFCH/ECO, 2004.    _____________. Tecnologias móveis de posicionamento: abordagens históricas, sociais e  espaciais. ​Verso e Reverso​. Volume 27, número 64, p. 19­23, janeiro­abril, 2013.    LEMOS, A​ndré. Jogos Móveis Locativos. Cibercultura, espaço urbano e mídia locativa. ​Revista  USP​. Volume 86, p. 54­65, 2010.    MATURANA, Humberto. ​Cognição, ciência e vida cotidiana​. Organização de Cristina Magro e  Victor Paredes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.