SlideShare uma empresa Scribd logo
MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE
5.781 MINAS GERAIS
RELATOR : MIN. ROBERTO BARROSO
REQTE.(S) :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA
INTDO.(A/S) :GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS
PROC.(A/S)(ES) :ADVOGADO-GERAL DO ESTADO DE MINAS
GERAIS
INTDO.(A/S) :ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS
GERAIS
ADV.(A/S) :SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS
DECISÃO:
DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO.
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE.
ART. 119, XVIII E XX, DA LEI COMPLEMENTAR
34/1994, ACRESCENTADOS PELO ART. 14 DA
LEI COMPLEMENTAR 136/2014, DE MINAS
GERAIS. PAGAMENTO DE “AUXÍLIO AO
APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL” E
“AUXÍLIO-SAÚDE” A MEMBROS DO MINISTÉRIO
PÚBLICO ESTADUAL.
1. O art. 39, § 4°, da Constituição Federal,
inserido pela Emenda Constitucional nº 19,
de 04.06.1998, estabelece o regime
remuneratório de subsídio, caracterizado
pela unicidade da remuneração enquanto
regra constitucional, com explícita vedação
aos acréscimos de vantagens pecuniárias de
natureza remuneratória. Excetuam-se,
todavia, as verbas indenizatórias, consoante
o disposto no art. 37, § 11, também da
Constituição, que determina que verbas
desta índole não serão computadas, para
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
efeito dos limites remuneratórios
estabelecidos pelo constituinte.
2. Os auxílios impugnados na presente ação
não constituem, todavia, exceções legítimas
à regra do subsídio. Tanto no que diz
respeito ao “auxílio ao aperfeiçoamento
profissional”, como no que se relaciona ao
auxílio-saúde”, não há qualquer nexo causal
direto entre o cargo e a vantagem, na
medida em que tais gastos assumem caráter
indireto e subsidiário ao exercício da função
própria dos membros do Ministério Público
estadual.
3. Medida cautelar deferida para o fim de
suspender a eficácia do art. 119, XVII e XX,
da Lei Complementar nº 34/1994,
acrescentados pelo art. 14 da Lei
Complementar nº 136/2014, do Estado de
Minas Gerais, até o julgamento definitivo da
presente ação direta de
inconstitucionalidade.
1. Trata-se de ação direta de inconstitucionalidade, com
pedido de medida cautelar, proposta pela Procuradoria Geral da
República, contra o art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar nº 34, de
12.09.1994, incluído pelo art. 14 da Lei Complementar nº 136, de
27.06.2014, ambas do Estado de Minas Gerais, que tratam do pagamento
de “auxílio ao aperfeiçoamento profissional” e “auxílio-saúde” a
membros do Ministério Público estadual. Eis o teor dos atos normativos
impugnadas:
Art. 119. Além dos vencimentos, serão outorgadas ao
membro do Ministério Público as seguintes vantagens: [...]
XVII – auxílio ao aperfeiçoamento profissional,
mediante reembolso, para aquisição de livros jurídicos e
2
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
material de informática, no valor anual de até a metade do
subsídio mensal, conforme critérios estabelecidos em
resolução do Procurador-Geral de Justiça; [...]
XX – auxílio-saúde, limitado a 10% ([...]) do subsídio
mensal, conforme critérios estabelecidos em resolução do
Procurador-Geral de Justiça; [...].
2. Alega violação aos arts. 39, § 4°; 93, caput; 128, § 5°, I, c; e
129, § 4°, todos da Constituição Federal, por entender que os auxílios
inseridos na Lei Complementar contrariariam o atual modelo
constitucional de subsídio, instituído pela Emenda Constitucional nº
19/98. Por essa razão, entende que os atos normativos impugnados
ofenderiam os princípios da economicidade, isonomia, moralidade,
publicidade e legalidade, que norteariam a ideia de pagamento exclusivo
em parcela única presente na Constituição, com a expressa vedação de
acréscimo de outras espécies remuneratórias.
3. Sustenta que os atos normativos não contemplariam
exemplos de exceções justificadas à regra da unicidade remuneratória do
subsídio. Compreende inexistente o nexo direto entre o cargo e a
vantagem, quanto ao auxílio para aperfeiçoamento pessoal, e não
manifesto o caráter indenizatório quanto ao auxílio saúde, ao atestar que
a "nomenclatura poderia induzir à precipitada conclusão de se tratar de verba
indenizatória, cumulável com o subsídio de promotores e procuradores de
justiça."
4. Requer medida cautelar para a suspensão da eficácia dos
atos normativos impugnados e interrupção imediata de valores
correspondes aos auxílios referidos. Sustenta a presença do fumus boni
iuris por entender manifesta a violação aos mencionados dispositivos
constitucionais. Já quanto ao periculum in mora, afirma que a presença
desse requisito estaria evidenciada na medida em que "enquanto não
suspensa a eficácia da norma, continuarão a ser efetuados pagamentos indevidos
[...]". No mérito, requer seja julgado procedente o pedido no sentido de
3
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
declarar a inconstitucionalidade dos atos normativos questionados.
5. Tratando-se a medida cautelar de providência de caráter
excepcional, à vista da presunção de validade dos atos estatais,
determinei a oitiva do Exmo. Sr. Governador do Estado do Minas Gerais,
bem como do Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Legislativa do Estado
do Minas Gerais e do Exmo. Sr. Procurador-Geral de Justiça do Estado de
Minas Gerais, acerca do pedido de medida cautelar, nos termos do art. 10,
caput, da Lei nº 9.868/1999. Após, abri vista ao Advogado-Geral da União
e, sucessivamente, ao Procurador-Geral da República.
6. Ao prestar informações, o Governador do Estado de Minas
Gerais defendeu o não conhecimento da ação, ao suscitar preliminar
relacionada à impossibilidade de análise de circunstâncias fáticas em sede
de controle abstrato, sendo tal análise necessária no caso, segundo o
requerido, assim como preliminar por suposta falta de interesse
processual, em sentido de inadequação da via eleita: alega inexistência de
ofensa imediata à Constituição Federal e que a impugnação foi feita
tãosomente em face de normas federais. Em relação à medida cautelar,
pugna pelo indeferimento ao arguir inexistentes o fumus boni iuris e o
periculum in mora, diante do suposto caráter indenizatório dos auxílios e
pelo lapso temporal entre a data de vigência da lei e a propositura da
ação direta. Por fim, requer seja adotado o rito do art. 12 da Lei nº
9.868/1999, em julgamento conjunto com a ADI nº 5407, na qual se
discutem auxílios semelhantes garantidos aos magistrados de Minas
Gerais.
7. A Assembleia Legislativa de Minas Gerais também
suscitou preliminar pelo não conhecimento da ação, alegando
inexistência de ofensa direta à Constituição Federal, mas tão-somente
eventual ofensa reflexa. Pugna pela manutenção dos dispositivos
contestados e pelo indeferimento da cautelar, ao afirmar não verificados
os requisitos da medida requerida.
4
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
8. O Procurador-Geral de Justiça de Minas Gerais prestou
informações defendendo a constitucionalidade das normas e o caráter
indenizatório dos auxílios, pleiteando o indeferimento da cautelar, ao
alegar suposta ausência do fumus boni iuris e periculum in mora. Também
houve manifestação pelo não conhecimento da ação, em preliminar
indicando suposta necessidade de análise de circunstâncias fáticas e
normas infraconstitucionais, inadequada em controle abstrato, e pedido
de aplicação do rito abreviado do art. 12 da Lei nº 9.868/1999, com
julgamento conjunto com a ADI nº 5407.
9. A Advocacia-Geral da União manifestou-se pelo
indeferimento da cautelar, por não entender presentes os requisitos do
fumus boni iuris e periculum in mora. Em relação ao primeiro, por
compreender os auxílios enquanto verbas indenizatórias. Quanto ao
segundo requisito, por entender injustificada a interrupção repentina dos
pagamentos pela alegação de prejuízo ao erário, por inexistirem
pagamentos ligados ao auxílio ao aperfeiçoamento profissional e,
também, pelo argumento do intervalo temporal entre promulgação das
leis e o ajuizamento da presente ação direta.
10. Em manifestação, a Procuradora-Geral da República
reiterou os argumentos constantes da inicial, ao ratificar o pleito de
deferimento da cautelar e, em definitivo, de procedência desta ação
direta.
É o relatório. Decido.
11. Estão presentes, a meu ver, os requisitos de plausibilidade
jurídica e de perigo na demora que recomendam o deferimento da
cautelar para suspender os efeitos do artigo 119, incisos XVII e XX, da Lei
Complementar 34/1994, do Estado de Minas Gerais, que tratam do
pagamento de “auxílio ao aperfeiçoamento profissional” e “auxílio-
5
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
saúde” a membros do Ministério Público estadual. A plausibilidade
jurídica do pedido está na manifesta violação ao art. 39, § 4º, da
Constituição Federal, bem como aos arts. 93, caput, 128, § 5°, I, c, e 129, §
4°. Já o perigo da demora revela-se evidente na problemática manutenção
do pagamento dos auxílios em questão, tanto pela perspectiva de grave
dano ao erário e eventual irreptibilidade de tais valores, quanto pela
indesejável ratificação de um sistema contraposto ao constitucionalmente
previsto.
I – PRELIMINARES
12. Antes, porém, de tratar dos requisitos para a concessão da
medida cautelar requerida, importa analisar as preliminares suscitadas
nas manifestações apresentadas. A argumentação deduzida acentua, em
síntese, a necessidade de análise de circunstâncias fáticas em sede de
controle abstrato, bem como a suposta falta de interesse processual, por
inadequação da via eleita. Também se alegou não haver ofensa direta à
Constituição Federal, requisito necessário para acionar a jurisdição
constitucional desta Corte.
13. As argumentações não devem ser acolhidas. Conforme
será demonstrado adiante, há clara ofensa direta ao texto constitucional,
especialmente ao disposto em seu art. 39 §, 4°, que fixa o parâmetro
remuneratório do subsídio e explícita vedação aos acréscimos de
vantagens pecuniárias de natureza remuneratória. A análise da natureza
jurídica dos auxílios aqui contestados permite, sem maiores dificuldades,
a percepção da violação à Constituição Federal nesse particular. Também
não considero necessária a inclusão de elementos fáticos para a solução
da questão presente nos autos. A controvérsia envolve apenas a correta
compreensão do regime constitucional de subsídios e de suas exceções.
6
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
II – DA VIOLAÇÃO AOS ARTS. 39, § 4°, 93, CAPUT, 128, § 5°, I, “C”, E
129, § 4°, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
14. O art. 39, § 4°, da Constituição Federal estabelece o modelo
constitucional de subsídio. O atual paradigma remuneratório, vigente
desde a Emenda Constitucional nº 19/98, é caracterizado, notadamente,
pelo exclusivo pagamento de parcela única aos respectivos agentes
públicos sob os quais ele incide. Sob fundamentos de moralidade e
publicidade, bem como de economicidade, isonomia e legalidade, fixou-
se um parâmetro com o legítimo propósito de repelir acréscimos de
abonos, prêmios, verbas de representação, enfim, quaisquer gratificações
ou outras espécies remuneratórias.
15. Assim, o constituinte, ao contrapor o regime de
remuneração com base em vencimentos, fixou o elemento da unicidade
enquanto regra constitucional expressa, excetuadas breves hipóteses de
legítimo acréscimo pecuniário à parcela única. No entanto, se a norma do
art. 39, § 4°, repele acréscimos ligados ao expediente ordinário dos
respectivos agentes, por certo constituirá elemento intrínseco às exceções
o caráter extraordinário: o exercício de funções extraordinárias ou verbas
genuinamente indenizatórias, cuja finalidade seja o devido ressarcimento.
Por essa razão, previu o constituinte que não devem ser computadas,
para efeitos dos limites remuneratórios de que trata o art. 37, XI, as
parcelas de caráter indenizatório previstas em lei, conforme o disposto no
art. 37, § 11, da Constituição Federal. Não existem acasos no texto
constitucional: de forma acertada, a disposição impede os acréscimos de
natureza remuneratória, mantendo a possibilidade, porém, de verbas
indenizatórias, tendo em vista a necessidade de eventuais ressarcimentos
aos agentes públicos.
16. Mas os princípios republicano e da moralidade também
devem ser considerados nessa questão. O primeiro impõe justamente a
7
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
vedação aos privilégios, constituindo norte, nesse sentido, para
caracterizar, como válidos ou não, os eventuais acréscimos e gratificações
à parcela mensal única dos agentes públicos. O segundo – o princípio da
moralidade – compõe o denominado regime jurídico administrativo,
enquanto princípio basilar da administração pública brasileira como um
todo. Consta expressamente no art. 37, caput, da Constituição Federal, e
impõe à administração e aos seus agentes atuação eticamente adequada.
No caso da presente ação, é bom parâmetro para demonstrar e ratificar
que qualquer vantagem funcional só pode e deve ser paga quando ela
constituir estritamente uma indenização e quando paga seguindo-se
regras concretizadoras do ideal de moralidade pensado pelo constituinte.
Se vier a ser excetuada a regra do subsídio por indicação de natureza
indenizatória, necessário será averiguar se, de fato, este é o teor do
benefício.
17. Trata-se de necessário juízo de extraordinariedade de
determinada gratificação, ou de seu teor indenizatório, quando presente a
finalidade de compensação do agente por despesas não cotidianas
efetivamente atreladas ao estrito cumprimento da respectiva função
pública. A aplicação estrita do dispositivo constitucional em voga
encontra respaldo nos seguintes julgados, nos quais se observa o
afastamento de acréscimos indevidos e a ratificação da regra
constitucional do subsídio:
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE.
ART. 147, 5º, DO REGIMENTO INTERNO DA
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS.
PAGAMENTO DE REMUNERAÇÃO AOS
PARLAMENTARES EM RAZÃO DA CONVOCAÇÃO DE
SESSÃO EXTRAORDINÁRIA. AFRONTA AOS ARTS. 39,
§ 4º, E 57, § 7º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, QUE
VEDAM O PAGAMENTO DE PARCELA
INDENIZATÓRIA EM VIRTUDE DESSA
CONVOCAÇÃO. AÇÃO JULGADA PROCEDENTE. I – O
art. 57, § 7º, do Texto Constitucional veda o pagamento de
8
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
parcela indenizatória aos parlamentares em razão de
convocação extraordinária. Essa norma é de reprodução
obrigatória pelos Estados-membros por força do art. 27, §
2º, da Carta Magna. II – A Constituição é expressa, no art.
39, § 4º, ao vedar o acréscimo de qualquer gratificação,
adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra
espécie remuneratória ao subsídio percebido pelos
parlamentares. III – Ação direta julgada procedente. (ADI
4.587/GO, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, Plenário, j. em
22.05.2014, DJe 18.6.2014). (Grifou-se)
AGRAVO REGIMENTAL. SUSPENSÃO DE
SEGURANÇA. OCORRÊNCIA DE GRAVE LESÃO À
ORDEM E À ECONOMIA PÚBLICAS. MAGISTRADO.
ACRÉSCIMO DE 20% SOBRE OS PROVENTOS DA
APOSENTADORIA (art. 184, II, da Lei 1.711/52 c/c o art.
250 da Lei 8.112/90) ABSORVIDO PELA
IMPLEMENTAÇÃO DO SUBSÍDIO. DETERMINAÇÃO
DE INCIDÊNCIA SOBRE O SUBSÍDIO MENSAL
DEVIDO AO OCUPANTE DO CARGO DE JUIZ DO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO.
VIOLAÇÃO AO ART. 39, § 4º, DA CONSTITUIÇÃO DA
REPÚBLICA. INOCORRÊNCIA, NO CASO, DE
DECRÉSCIMO REMUNERATÓRIO. 1. Lei 4.348/64, art. 4º:
configuração de grave lesão à ordem e à economia
públicas. Deferimento do pedido de contracautela. 2. O
acórdão impugnado, ao determinar a incidência da
vantagem pessoal de 20%, prevista no art. 184, II, da Lei
1.771/52, sobre o valor do subsídio mensal devido ao
ocupante do cargo de juiz do Tribunal Regional Federal da
2ª Região, violou o disposto no art. 39, § 4º, da
Constituição da República, o qual fixa a remuneração dos
membros de Poder em parcela única. 3. Agravo regimental
improvido (SS 3.108-AgR, Rel. Min. Ellen Gracie, Plenário,
j. em 10.03.2008, DJe 25.4.2008). (Grifou-se)
9
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
CONSTITUCIONAL. MEDIDA CAUTELAR. AÇÃO
DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ARTIGO 2º
DA LEI Nº 1.572, DE 13 DE JANEIRO DE 2006, DO
ESTADO DE RONDÔNIA. Num juízo prévio e sumário -
próprio das cautelares -, afigura-se contrário ao § 4º do
artigo 39 da Constituição Federal o artigo 2º da Lei
rondoniense nº 1.572/06, que prevê o pagamento de verba
de representação ao Governador do Estado e ao
ViceGovernador. Medida liminar deferida para suspender
a eficácia do dispositivo impugnado, até o julgamento de
mérito da presente ação direta de inconstitucionalidade
(ADI 3.771-MC, Rel. o Min. Ayres Britto, Plenário, j. em
10.08.2016, DJ 25.8.2006). (Grifou-se)
18. Em síntese, entendo que, em alguns casos, de fato,
vantagens funcionais concedidas por meio de lei são justas, legítimas e
compatíveis com os princípios republicano e da moralidade, exatamente
por se revestirem de caráter manifestamente indenizatório, e por
constituírem efetivamente um ressarcimento. Nessas hipóteses, não há
que falar em verba remuneratória, abono, vantagem, benesse, privilégio
ou termos conexos. Tratar-se-ia tão-somente de justo ressarcimento ao
agente público que tem de assumir gastos excepcionais com despesas
comprovadamente realizadas. Num juízo preliminar, próprio das
medidas cautelares, penso, todavia, que os auxílios previstos nos atos
normativos impugnados instituem dois acréscimos remuneratórios aos
quais faltam tanto a excepcionalidade como a extraordinariedade para
excetuar a regra remuneratória de parcela única e exclusiva.
19. Sobre o “auxílio ao aperfeiçoamento profissional” não há
qualquer nexo causal direto entre o cargo e a vantagem, na medida em
que tais gastos assumem caráter indireto e subsidiário ao exercício da
função. Por certo, não se está a discutir aqui a relevância do
aprimoramento profissional dos referidos membros do Ministério
Público, cuja função detém inquestionável relevância constitucional. O
objeto da presente ação direta de inconstitucionalidade questiona a
10
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
natureza jurídica da vantagem, diante de um parâmetro constitucional
que veda categoricamente os acréscimos genéricos.
20. O mesmo pode ser dito quanto ao “auxílio-saúde”. Acerca
deste último, registre-se preliminarmente que este foi regulamentado
mediante a Resolução nº 109 PGJ/MG, de 17.12.2014, na qual a verba é
denomina verba indenizatória. Revela-se de suma relevância questionar o
eventual caráter indenizatório e cumulável deste segundo auxílio, de
modo que não basta a resolução dizer que a verba é indenizatória, se não
efetivamente o é. Se verificada a ausência de tal característica, justificar-
se-á a declaração de inconstitucionalidade da norma em tela, sob pena de
manutenção de um privilégio, este em si incompatível com a Constituição
Federal. Esta Corte, inclusive, já se deparou com casos semelhantes.
Confira-se, a título de exemplo, o seguinte precedente representativo:
RECURSO EXTRAORDINÁRIO. REPERCUSSÃO
GERAL. AÇÃO DIRETA DE
INCONSTITUCIONALIDADE ESTADUAL.
PARÂMETRO DE CONTROLE. REGIME DE SUBSÍDIO.
VERBA DE REPRESENTAÇÃO, 13º SALÁRIO E TERÇO
CONSTITUCIONAL DE FÉRIAS.
[...]
3. A “verba de representação” impugnada tem
natureza remuneratória, independentemente de a lei
municipal atribuir-lhe nominalmente natureza
indenizatória. Como consequência, não é compatível com
o regime constitucional de subsídio.
4. Recurso parcialmente provido. (RE 650.898/RS,
Rel. Min. Marco Aurélio, Plenário, j. em 01.02.2017, DJe
24.8.2017). (Grifou-se)
21. Tendo em vista que as verbas indenizatórias que justificam
a exceção legítima devem, necessariamente, se destinar a compensar o
servidor com despesas efetuadas no exercício da função, resta
evidenciada a inexistência de caráter indenizatório das vantagens
11
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
funcionais previstas no art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar nº 34,
de 12.09.1994, incluído pelo art. 14 da Lei Complementar nº 136, de
27.06.2014, ambas do Estado de Minas Gerais.
22. Por essas razões, entendo presente o requisito do fumus
boni iuris.
III – DO PERICULUM IN MORA
23. Não resta dúvida acerca do perigo na demora no presente
caso. Se não suspensas as normas, pagamentos potencialmente indevidos
continuarão sendo efetuados. Como devidamente indicado pelo
requerente, deve ser considerado aqui o dano ao erário e a improvável
repetibilidade, diante de eventuais arguições de caráter alimentar das
verbas e boa-fé no recebimento.
24. Ademais, a manutenção em si dos auxílios previstos na
atual redação do art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar 34/1994 do
Estado de Minas Gerais, apresenta-se como permanente descrédito ao
modelo constitucional de remuneração por meio de subsídio. Em juízo
cautelar, penso que a manutenção de tais auxílios representaria a
continuidade de um sistema indevido de vantagens inconstitucionais.
25. Portanto, entendo também presente o periculum in mora.
CONCLUSÃO
26. Diante do exposto, determino, ad referendum do Plenário
(RI/STF, art. 21, V), a suspensão da eficácia do art. 119, XVII e XX, da Lei
Complementar 34, de 12 de setembro de 1994, acrescentados pelo art. 14
da Lei Complementar 136, de 27 de junho de 2014, do Estado de Minas
12
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
ADI 5781 MC / MG
Gerais, até o julgamento definitivo da presente ação direta de
inconstitucionalidade. Solicito inclusão em pauta com a máxima
brevidade possível.
Publique-se. Intimem-se.
Brasília, 08 de fevereiro de 2018.
MINISTRO LUÍS ROBERTO BARROSO
Relator
13
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Janot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civil
Janot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civilJanot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civil
Janot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civil
José Ripardo
 
suspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravo
suspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravosuspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravo
suspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravo
Portal NE10
 
14. do processo da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...
14. do processo   da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...14. do processo   da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...
14. do processo da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...
walkir
 
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão n.º 0008254-30.2018.8.19...
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão  n.º 0008254-30.2018.8.19...ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão  n.º 0008254-30.2018.8.19...
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão n.º 0008254-30.2018.8.19...
Jerbialdo
 
Vantobrax jisandro inicial trabalhista
Vantobrax jisandro  inicial trabalhistaVantobrax jisandro  inicial trabalhista
Vantobrax jisandro inicial trabalhista
Eliseu Koller
 
Modelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de SentençaModelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de Sentença
Consultor JRSantana
 
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicosSTF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
R7dados
 
1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO
1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO
1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO
Consultor JRSantana
 
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Waldemar Ramos Junior
 
1133- Contestação - IV
1133- Contestação - IV1133- Contestação - IV
1133- Contestação - IV
Consultor JRSantana
 
Seminario v segurança juridica e processo
Seminario v   segurança juridica e processoSeminario v   segurança juridica e processo
Seminario v segurança juridica e processo
Heitor Carvalho
 
Aula V - segurança juridica e processo
Aula V -  segurança juridica e processoAula V -  segurança juridica e processo
Aula V - segurança juridica e processo
Heitor Carvalho
 
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Fernando Sousa
 
A sentença
A sentençaA sentença
A sentença
Jamildo Melo
 
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...
Fabio Motta
 
Oab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicos
Oab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicosOab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicos
Oab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicos
José Ripardo
 
Resp 1800277
Resp 1800277Resp 1800277
O mandado de segurança impetrado
O mandado de segurança impetradoO mandado de segurança impetrado
O mandado de segurança impetrado
Jamildo Melo
 
Contestacao
ContestacaoContestacao
Contestacao
Caio Oliveira
 

Mais procurados (19)

Janot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civil
Janot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civilJanot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civil
Janot recomenda que stf anule nomeação de lula para casa civil
 
suspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravo
suspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravosuspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravo
suspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravo
 
14. do processo da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...
14. do processo   da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...14. do processo   da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...
14. do processo da fase de conhecimento - peticao inicial - resposta do reu...
 
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão n.º 0008254-30.2018.8.19...
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão  n.º 0008254-30.2018.8.19...ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão  n.º 0008254-30.2018.8.19...
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão n.º 0008254-30.2018.8.19...
 
Vantobrax jisandro inicial trabalhista
Vantobrax jisandro  inicial trabalhistaVantobrax jisandro  inicial trabalhista
Vantobrax jisandro inicial trabalhista
 
Modelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de SentençaModelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de Sentença
 
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicosSTF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
STF barra decisão que impedia Crivella de utilizar prédios públicos
 
1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO
1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO
1137- CONTESTAÇÃO A INDENIZATÓRIA - MUNICÍPIO
 
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
 
1133- Contestação - IV
1133- Contestação - IV1133- Contestação - IV
1133- Contestação - IV
 
Seminario v segurança juridica e processo
Seminario v   segurança juridica e processoSeminario v   segurança juridica e processo
Seminario v segurança juridica e processo
 
Aula V - segurança juridica e processo
Aula V -  segurança juridica e processoAula V -  segurança juridica e processo
Aula V - segurança juridica e processo
 
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
Parecer do deputado Jovair Arantes sobre o processo de impeachment da preside...
 
A sentença
A sentençaA sentença
A sentença
 
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL ...
 
Oab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicos
Oab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicosOab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicos
Oab requer ao supremo medida em defesa de usuário de serviços públicos
 
Resp 1800277
Resp 1800277Resp 1800277
Resp 1800277
 
O mandado de segurança impetrado
O mandado de segurança impetradoO mandado de segurança impetrado
O mandado de segurança impetrado
 
Contestacao
ContestacaoContestacao
Contestacao
 

Semelhante a Barroso suspende pagamento de auxílios a membros do MP de MG

Apelação Cível - 2014.024793-1
Apelação Cível - 2014.024793-1Apelação Cível - 2014.024793-1
Apelação Cível - 2014.024793-1
Ministério Público de Santa Catarina
 
Recurso especial - 1.377.340
Recurso especial - 1.377.340Recurso especial - 1.377.340
Recurso especial - 1.377.340
Ministério Público de Santa Catarina
 
20 Adi Julgados Stf
20 Adi Julgados Stf20 Adi Julgados Stf
20 Adi Julgados Stf
DeSordi
 
Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...
Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...
Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...
Leandro Marques Negrão Silva
 
Apelação cível - 2011.006036-1
Apelação cível - 2011.006036-1Apelação cível - 2011.006036-1
Apelação cível - 2011.006036-1
Ministério Público de Santa Catarina
 
Transporte
TransporteTransporte
Transporte
Fabio Motta
 
Recurso especial n. 1.550.053
Recurso especial n. 1.550.053Recurso especial n. 1.550.053
Recurso especial n. 1.550.053
Ministério Público de Santa Catarina
 
Poderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidor
Poderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidorPoderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidor
Poderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidor
Eduardo Sens Dos Santos
 
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurançaDilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
Francisco Luz
 
Blairo maggi
Blairo maggiBlairo maggi
Blairo maggi
Miguel Rosario
 
Decisão Defensoria Pública
Decisão Defensoria PúblicaDecisão Defensoria Pública
Decisão Defensoria Pública
Luis Antonio Hangai
 
Beneficio de prestacao_continuada
Beneficio de prestacao_continuadaBeneficio de prestacao_continuada
Beneficio de prestacao_continuada
Leuas23
 
Decisao Dias Toffoli - Paulista
Decisao Dias Toffoli - PaulistaDecisao Dias Toffoli - Paulista
Decisao Dias Toffoli - Paulista
FillipeJdm
 
Decisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de Paulista
Decisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de PaulistaDecisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de Paulista
Decisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de Paulista
MatheusSantos699
 
João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...
João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...
João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...
Maurílio Júnior
 
ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes
ComunicaoPT
 
Pagina 3
Pagina 3Pagina 3
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian brunoSentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
douglasvelasques
 
Decisão do ministro Lewandowski na ADI 5595
Decisão do ministro Lewandowski  na ADI 5595Decisão do ministro Lewandowski  na ADI 5595
Decisão do ministro Lewandowski na ADI 5595
Conceição Lemes
 
Blog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de Ingazeira
Blog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de IngazeiraBlog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de Ingazeira
Blog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de Ingazeira
Jamildo Melo
 

Semelhante a Barroso suspende pagamento de auxílios a membros do MP de MG (20)

Apelação Cível - 2014.024793-1
Apelação Cível - 2014.024793-1Apelação Cível - 2014.024793-1
Apelação Cível - 2014.024793-1
 
Recurso especial - 1.377.340
Recurso especial - 1.377.340Recurso especial - 1.377.340
Recurso especial - 1.377.340
 
20 Adi Julgados Stf
20 Adi Julgados Stf20 Adi Julgados Stf
20 Adi Julgados Stf
 
Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...
Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...
Defensoria pública da_união_ba_nega_atendimento_a_jurisdicionado_e_é_condenad...
 
Apelação cível - 2011.006036-1
Apelação cível - 2011.006036-1Apelação cível - 2011.006036-1
Apelação cível - 2011.006036-1
 
Transporte
TransporteTransporte
Transporte
 
Recurso especial n. 1.550.053
Recurso especial n. 1.550.053Recurso especial n. 1.550.053
Recurso especial n. 1.550.053
 
Poderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidor
Poderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidorPoderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidor
Poderes do Procon - aplicação de multa - sistema de defesa do consumidor
 
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurançaDilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
Dilma Rousseff no STF: negada cautelar em mandado de segurança
 
Blairo maggi
Blairo maggiBlairo maggi
Blairo maggi
 
Decisão Defensoria Pública
Decisão Defensoria PúblicaDecisão Defensoria Pública
Decisão Defensoria Pública
 
Beneficio de prestacao_continuada
Beneficio de prestacao_continuadaBeneficio de prestacao_continuada
Beneficio de prestacao_continuada
 
Decisao Dias Toffoli - Paulista
Decisao Dias Toffoli - PaulistaDecisao Dias Toffoli - Paulista
Decisao Dias Toffoli - Paulista
 
Decisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de Paulista
Decisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de PaulistaDecisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de Paulista
Decisão do STF sobre retorno de Júnior Matuto à Prefeitura de Paulista
 
João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...
João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...
João Azevêdo recorre contra decisão que autoriza academias a cobrar entrada d...
 
ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes ADI - Partido dos Trabalhadoes
ADI - Partido dos Trabalhadoes
 
Pagina 3
Pagina 3Pagina 3
Pagina 3
 
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian brunoSentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
Sentença tjsp proc 0002028 12.2010.8.26.0059 prefeita mirian bruno
 
Decisão do ministro Lewandowski na ADI 5595
Decisão do ministro Lewandowski  na ADI 5595Decisão do ministro Lewandowski  na ADI 5595
Decisão do ministro Lewandowski na ADI 5595
 
Blog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de Ingazeira
Blog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de IngazeiraBlog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de Ingazeira
Blog de Jamildo - Sentença sobre Afogado de Ingazeira
 

Mais de R7dados

geladeira eficiência.pdf
geladeira eficiência.pdfgeladeira eficiência.pdf
geladeira eficiência.pdf
R7dados
 
Refrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdf
Refrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdfRefrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdf
Refrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdf
R7dados
 
Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...
Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...
Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...
R7dados
 
Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023
Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023
Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023
R7dados
 
Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?
Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?
Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?
R7dados
 
DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...
DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...
DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...
R7dados
 
Relatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar MendesRelatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar Mendes
R7dados
 
Decreto - Governo do Distrito Federal
Decreto - Governo do Distrito FederalDecreto - Governo do Distrito Federal
Decreto - Governo do Distrito Federal
R7dados
 
ADO 68
ADO 68ADO 68
ADO 68
R7dados
 
Veja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemia
Veja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemiaVeja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemia
Veja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemia
R7dados
 
Requerimentos de governadores pautados na CPI da Covid
Requerimentos de governadores pautados na CPI da CovidRequerimentos de governadores pautados na CPI da Covid
Requerimentos de governadores pautados na CPI da Covid
R7dados
 
Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021
Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021
Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021
R7dados
 
Veja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPI
Veja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPIVeja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPI
Veja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPI
R7dados
 
Continuação da carta de Monique Medeiros
Continuação da carta de Monique MedeirosContinuação da carta de Monique Medeiros
Continuação da carta de Monique Medeiros
R7dados
 
Mãe de Henry também mandou carta para familiares
Mãe de Henry também mandou carta para familiaresMãe de Henry também mandou carta para familiares
Mãe de Henry também mandou carta para familiares
R7dados
 
Em carta, Monique relata brigas com Dr. Jairinho
Em carta, Monique relata brigas com Dr. JairinhoEm carta, Monique relata brigas com Dr. Jairinho
Em carta, Monique relata brigas com Dr. Jairinho
R7dados
 
Veja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do caso
Veja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do casoVeja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do caso
Veja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do caso
R7dados
 
Veja a carta enviada por Monique Medeiros a Leniel
Veja a carta enviada por Monique Medeiros a LenielVeja a carta enviada por Monique Medeiros a Leniel
Veja a carta enviada por Monique Medeiros a Leniel
R7dados
 
Governo do ES envia documento para comprar ButanVac
Governo do ES envia documento para comprar ButanVacGoverno do ES envia documento para comprar ButanVac
Governo do ES envia documento para comprar ButanVac
R7dados
 
Leia a carta de Monique Medeiros na íntegra
Leia a carta de Monique Medeiros na íntegraLeia a carta de Monique Medeiros na íntegra
Leia a carta de Monique Medeiros na íntegra
R7dados
 

Mais de R7dados (20)

geladeira eficiência.pdf
geladeira eficiência.pdfgeladeira eficiência.pdf
geladeira eficiência.pdf
 
Refrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdf
Refrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdfRefrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdf
Refrigeradores-e-assemelhados_2023-01-31.pdf
 
Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...
Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...
Programa para baratear carros zero-km populares tem 31 modelos de nove montad...
 
Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023
Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023
Fuvest divulga notas de corte da primeira fase do vestibular 2023
 
Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?
Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?
Desaparecimento de Crianças e Adolescentes - O que fazer para evitar?
 
DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...
DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...
DF e 12 estados processam Petrobras por 'propaganda enganosa' sobre preço da ...
 
Relatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar MendesRelatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar Mendes
 
Decreto - Governo do Distrito Federal
Decreto - Governo do Distrito FederalDecreto - Governo do Distrito Federal
Decreto - Governo do Distrito Federal
 
ADO 68
ADO 68ADO 68
ADO 68
 
Veja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemia
Veja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemiaVeja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemia
Veja as operações nos estados contra fraudes e corrupção na pandemia
 
Requerimentos de governadores pautados na CPI da Covid
Requerimentos de governadores pautados na CPI da CovidRequerimentos de governadores pautados na CPI da Covid
Requerimentos de governadores pautados na CPI da Covid
 
Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021
Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021
Governo antecipa pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021
 
Veja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPI
Veja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPIVeja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPI
Veja o documento que libera as servidoras do TCU para a CPI
 
Continuação da carta de Monique Medeiros
Continuação da carta de Monique MedeirosContinuação da carta de Monique Medeiros
Continuação da carta de Monique Medeiros
 
Mãe de Henry também mandou carta para familiares
Mãe de Henry também mandou carta para familiaresMãe de Henry também mandou carta para familiares
Mãe de Henry também mandou carta para familiares
 
Em carta, Monique relata brigas com Dr. Jairinho
Em carta, Monique relata brigas com Dr. JairinhoEm carta, Monique relata brigas com Dr. Jairinho
Em carta, Monique relata brigas com Dr. Jairinho
 
Veja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do caso
Veja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do casoVeja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do caso
Veja a carta de Monique Medeiros enviada ao delegado do caso
 
Veja a carta enviada por Monique Medeiros a Leniel
Veja a carta enviada por Monique Medeiros a LenielVeja a carta enviada por Monique Medeiros a Leniel
Veja a carta enviada por Monique Medeiros a Leniel
 
Governo do ES envia documento para comprar ButanVac
Governo do ES envia documento para comprar ButanVacGoverno do ES envia documento para comprar ButanVac
Governo do ES envia documento para comprar ButanVac
 
Leia a carta de Monique Medeiros na íntegra
Leia a carta de Monique Medeiros na íntegraLeia a carta de Monique Medeiros na íntegra
Leia a carta de Monique Medeiros na íntegra
 

Barroso suspende pagamento de auxílios a membros do MP de MG

  • 1. MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5.781 MINAS GERAIS RELATOR : MIN. ROBERTO BARROSO REQTE.(S) :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA INTDO.(A/S) :GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS PROC.(A/S)(ES) :ADVOGADO-GERAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS INTDO.(A/S) :ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ADV.(A/S) :SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS DECISÃO: DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ART. 119, XVIII E XX, DA LEI COMPLEMENTAR 34/1994, ACRESCENTADOS PELO ART. 14 DA LEI COMPLEMENTAR 136/2014, DE MINAS GERAIS. PAGAMENTO DE “AUXÍLIO AO APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL” E “AUXÍLIO-SAÚDE” A MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL. 1. O art. 39, § 4°, da Constituição Federal, inserido pela Emenda Constitucional nº 19, de 04.06.1998, estabelece o regime remuneratório de subsídio, caracterizado pela unicidade da remuneração enquanto regra constitucional, com explícita vedação aos acréscimos de vantagens pecuniárias de natureza remuneratória. Excetuam-se, todavia, as verbas indenizatórias, consoante o disposto no art. 37, § 11, também da Constituição, que determina que verbas desta índole não serão computadas, para Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 2. ADI 5781 MC / MG efeito dos limites remuneratórios estabelecidos pelo constituinte. 2. Os auxílios impugnados na presente ação não constituem, todavia, exceções legítimas à regra do subsídio. Tanto no que diz respeito ao “auxílio ao aperfeiçoamento profissional”, como no que se relaciona ao auxílio-saúde”, não há qualquer nexo causal direto entre o cargo e a vantagem, na medida em que tais gastos assumem caráter indireto e subsidiário ao exercício da função própria dos membros do Ministério Público estadual. 3. Medida cautelar deferida para o fim de suspender a eficácia do art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar nº 34/1994, acrescentados pelo art. 14 da Lei Complementar nº 136/2014, do Estado de Minas Gerais, até o julgamento definitivo da presente ação direta de inconstitucionalidade. 1. Trata-se de ação direta de inconstitucionalidade, com pedido de medida cautelar, proposta pela Procuradoria Geral da República, contra o art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar nº 34, de 12.09.1994, incluído pelo art. 14 da Lei Complementar nº 136, de 27.06.2014, ambas do Estado de Minas Gerais, que tratam do pagamento de “auxílio ao aperfeiçoamento profissional” e “auxílio-saúde” a membros do Ministério Público estadual. Eis o teor dos atos normativos impugnadas: Art. 119. Além dos vencimentos, serão outorgadas ao membro do Ministério Público as seguintes vantagens: [...] XVII – auxílio ao aperfeiçoamento profissional, mediante reembolso, para aquisição de livros jurídicos e 2 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 3. ADI 5781 MC / MG material de informática, no valor anual de até a metade do subsídio mensal, conforme critérios estabelecidos em resolução do Procurador-Geral de Justiça; [...] XX – auxílio-saúde, limitado a 10% ([...]) do subsídio mensal, conforme critérios estabelecidos em resolução do Procurador-Geral de Justiça; [...]. 2. Alega violação aos arts. 39, § 4°; 93, caput; 128, § 5°, I, c; e 129, § 4°, todos da Constituição Federal, por entender que os auxílios inseridos na Lei Complementar contrariariam o atual modelo constitucional de subsídio, instituído pela Emenda Constitucional nº 19/98. Por essa razão, entende que os atos normativos impugnados ofenderiam os princípios da economicidade, isonomia, moralidade, publicidade e legalidade, que norteariam a ideia de pagamento exclusivo em parcela única presente na Constituição, com a expressa vedação de acréscimo de outras espécies remuneratórias. 3. Sustenta que os atos normativos não contemplariam exemplos de exceções justificadas à regra da unicidade remuneratória do subsídio. Compreende inexistente o nexo direto entre o cargo e a vantagem, quanto ao auxílio para aperfeiçoamento pessoal, e não manifesto o caráter indenizatório quanto ao auxílio saúde, ao atestar que a "nomenclatura poderia induzir à precipitada conclusão de se tratar de verba indenizatória, cumulável com o subsídio de promotores e procuradores de justiça." 4. Requer medida cautelar para a suspensão da eficácia dos atos normativos impugnados e interrupção imediata de valores correspondes aos auxílios referidos. Sustenta a presença do fumus boni iuris por entender manifesta a violação aos mencionados dispositivos constitucionais. Já quanto ao periculum in mora, afirma que a presença desse requisito estaria evidenciada na medida em que "enquanto não suspensa a eficácia da norma, continuarão a ser efetuados pagamentos indevidos [...]". No mérito, requer seja julgado procedente o pedido no sentido de 3 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 4. ADI 5781 MC / MG declarar a inconstitucionalidade dos atos normativos questionados. 5. Tratando-se a medida cautelar de providência de caráter excepcional, à vista da presunção de validade dos atos estatais, determinei a oitiva do Exmo. Sr. Governador do Estado do Minas Gerais, bem como do Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Minas Gerais e do Exmo. Sr. Procurador-Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais, acerca do pedido de medida cautelar, nos termos do art. 10, caput, da Lei nº 9.868/1999. Após, abri vista ao Advogado-Geral da União e, sucessivamente, ao Procurador-Geral da República. 6. Ao prestar informações, o Governador do Estado de Minas Gerais defendeu o não conhecimento da ação, ao suscitar preliminar relacionada à impossibilidade de análise de circunstâncias fáticas em sede de controle abstrato, sendo tal análise necessária no caso, segundo o requerido, assim como preliminar por suposta falta de interesse processual, em sentido de inadequação da via eleita: alega inexistência de ofensa imediata à Constituição Federal e que a impugnação foi feita tãosomente em face de normas federais. Em relação à medida cautelar, pugna pelo indeferimento ao arguir inexistentes o fumus boni iuris e o periculum in mora, diante do suposto caráter indenizatório dos auxílios e pelo lapso temporal entre a data de vigência da lei e a propositura da ação direta. Por fim, requer seja adotado o rito do art. 12 da Lei nº 9.868/1999, em julgamento conjunto com a ADI nº 5407, na qual se discutem auxílios semelhantes garantidos aos magistrados de Minas Gerais. 7. A Assembleia Legislativa de Minas Gerais também suscitou preliminar pelo não conhecimento da ação, alegando inexistência de ofensa direta à Constituição Federal, mas tão-somente eventual ofensa reflexa. Pugna pela manutenção dos dispositivos contestados e pelo indeferimento da cautelar, ao afirmar não verificados os requisitos da medida requerida. 4 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 5. ADI 5781 MC / MG 8. O Procurador-Geral de Justiça de Minas Gerais prestou informações defendendo a constitucionalidade das normas e o caráter indenizatório dos auxílios, pleiteando o indeferimento da cautelar, ao alegar suposta ausência do fumus boni iuris e periculum in mora. Também houve manifestação pelo não conhecimento da ação, em preliminar indicando suposta necessidade de análise de circunstâncias fáticas e normas infraconstitucionais, inadequada em controle abstrato, e pedido de aplicação do rito abreviado do art. 12 da Lei nº 9.868/1999, com julgamento conjunto com a ADI nº 5407. 9. A Advocacia-Geral da União manifestou-se pelo indeferimento da cautelar, por não entender presentes os requisitos do fumus boni iuris e periculum in mora. Em relação ao primeiro, por compreender os auxílios enquanto verbas indenizatórias. Quanto ao segundo requisito, por entender injustificada a interrupção repentina dos pagamentos pela alegação de prejuízo ao erário, por inexistirem pagamentos ligados ao auxílio ao aperfeiçoamento profissional e, também, pelo argumento do intervalo temporal entre promulgação das leis e o ajuizamento da presente ação direta. 10. Em manifestação, a Procuradora-Geral da República reiterou os argumentos constantes da inicial, ao ratificar o pleito de deferimento da cautelar e, em definitivo, de procedência desta ação direta. É o relatório. Decido. 11. Estão presentes, a meu ver, os requisitos de plausibilidade jurídica e de perigo na demora que recomendam o deferimento da cautelar para suspender os efeitos do artigo 119, incisos XVII e XX, da Lei Complementar 34/1994, do Estado de Minas Gerais, que tratam do pagamento de “auxílio ao aperfeiçoamento profissional” e “auxílio- 5 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 6. ADI 5781 MC / MG saúde” a membros do Ministério Público estadual. A plausibilidade jurídica do pedido está na manifesta violação ao art. 39, § 4º, da Constituição Federal, bem como aos arts. 93, caput, 128, § 5°, I, c, e 129, § 4°. Já o perigo da demora revela-se evidente na problemática manutenção do pagamento dos auxílios em questão, tanto pela perspectiva de grave dano ao erário e eventual irreptibilidade de tais valores, quanto pela indesejável ratificação de um sistema contraposto ao constitucionalmente previsto. I – PRELIMINARES 12. Antes, porém, de tratar dos requisitos para a concessão da medida cautelar requerida, importa analisar as preliminares suscitadas nas manifestações apresentadas. A argumentação deduzida acentua, em síntese, a necessidade de análise de circunstâncias fáticas em sede de controle abstrato, bem como a suposta falta de interesse processual, por inadequação da via eleita. Também se alegou não haver ofensa direta à Constituição Federal, requisito necessário para acionar a jurisdição constitucional desta Corte. 13. As argumentações não devem ser acolhidas. Conforme será demonstrado adiante, há clara ofensa direta ao texto constitucional, especialmente ao disposto em seu art. 39 §, 4°, que fixa o parâmetro remuneratório do subsídio e explícita vedação aos acréscimos de vantagens pecuniárias de natureza remuneratória. A análise da natureza jurídica dos auxílios aqui contestados permite, sem maiores dificuldades, a percepção da violação à Constituição Federal nesse particular. Também não considero necessária a inclusão de elementos fáticos para a solução da questão presente nos autos. A controvérsia envolve apenas a correta compreensão do regime constitucional de subsídios e de suas exceções. 6 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 7. ADI 5781 MC / MG II – DA VIOLAÇÃO AOS ARTS. 39, § 4°, 93, CAPUT, 128, § 5°, I, “C”, E 129, § 4°, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 14. O art. 39, § 4°, da Constituição Federal estabelece o modelo constitucional de subsídio. O atual paradigma remuneratório, vigente desde a Emenda Constitucional nº 19/98, é caracterizado, notadamente, pelo exclusivo pagamento de parcela única aos respectivos agentes públicos sob os quais ele incide. Sob fundamentos de moralidade e publicidade, bem como de economicidade, isonomia e legalidade, fixou- se um parâmetro com o legítimo propósito de repelir acréscimos de abonos, prêmios, verbas de representação, enfim, quaisquer gratificações ou outras espécies remuneratórias. 15. Assim, o constituinte, ao contrapor o regime de remuneração com base em vencimentos, fixou o elemento da unicidade enquanto regra constitucional expressa, excetuadas breves hipóteses de legítimo acréscimo pecuniário à parcela única. No entanto, se a norma do art. 39, § 4°, repele acréscimos ligados ao expediente ordinário dos respectivos agentes, por certo constituirá elemento intrínseco às exceções o caráter extraordinário: o exercício de funções extraordinárias ou verbas genuinamente indenizatórias, cuja finalidade seja o devido ressarcimento. Por essa razão, previu o constituinte que não devem ser computadas, para efeitos dos limites remuneratórios de que trata o art. 37, XI, as parcelas de caráter indenizatório previstas em lei, conforme o disposto no art. 37, § 11, da Constituição Federal. Não existem acasos no texto constitucional: de forma acertada, a disposição impede os acréscimos de natureza remuneratória, mantendo a possibilidade, porém, de verbas indenizatórias, tendo em vista a necessidade de eventuais ressarcimentos aos agentes públicos. 16. Mas os princípios republicano e da moralidade também devem ser considerados nessa questão. O primeiro impõe justamente a 7 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 8. ADI 5781 MC / MG vedação aos privilégios, constituindo norte, nesse sentido, para caracterizar, como válidos ou não, os eventuais acréscimos e gratificações à parcela mensal única dos agentes públicos. O segundo – o princípio da moralidade – compõe o denominado regime jurídico administrativo, enquanto princípio basilar da administração pública brasileira como um todo. Consta expressamente no art. 37, caput, da Constituição Federal, e impõe à administração e aos seus agentes atuação eticamente adequada. No caso da presente ação, é bom parâmetro para demonstrar e ratificar que qualquer vantagem funcional só pode e deve ser paga quando ela constituir estritamente uma indenização e quando paga seguindo-se regras concretizadoras do ideal de moralidade pensado pelo constituinte. Se vier a ser excetuada a regra do subsídio por indicação de natureza indenizatória, necessário será averiguar se, de fato, este é o teor do benefício. 17. Trata-se de necessário juízo de extraordinariedade de determinada gratificação, ou de seu teor indenizatório, quando presente a finalidade de compensação do agente por despesas não cotidianas efetivamente atreladas ao estrito cumprimento da respectiva função pública. A aplicação estrita do dispositivo constitucional em voga encontra respaldo nos seguintes julgados, nos quais se observa o afastamento de acréscimos indevidos e a ratificação da regra constitucional do subsídio: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ART. 147, 5º, DO REGIMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS. PAGAMENTO DE REMUNERAÇÃO AOS PARLAMENTARES EM RAZÃO DA CONVOCAÇÃO DE SESSÃO EXTRAORDINÁRIA. AFRONTA AOS ARTS. 39, § 4º, E 57, § 7º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, QUE VEDAM O PAGAMENTO DE PARCELA INDENIZATÓRIA EM VIRTUDE DESSA CONVOCAÇÃO. AÇÃO JULGADA PROCEDENTE. I – O art. 57, § 7º, do Texto Constitucional veda o pagamento de 8 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 9. ADI 5781 MC / MG parcela indenizatória aos parlamentares em razão de convocação extraordinária. Essa norma é de reprodução obrigatória pelos Estados-membros por força do art. 27, § 2º, da Carta Magna. II – A Constituição é expressa, no art. 39, § 4º, ao vedar o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória ao subsídio percebido pelos parlamentares. III – Ação direta julgada procedente. (ADI 4.587/GO, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, Plenário, j. em 22.05.2014, DJe 18.6.2014). (Grifou-se) AGRAVO REGIMENTAL. SUSPENSÃO DE SEGURANÇA. OCORRÊNCIA DE GRAVE LESÃO À ORDEM E À ECONOMIA PÚBLICAS. MAGISTRADO. ACRÉSCIMO DE 20% SOBRE OS PROVENTOS DA APOSENTADORIA (art. 184, II, da Lei 1.711/52 c/c o art. 250 da Lei 8.112/90) ABSORVIDO PELA IMPLEMENTAÇÃO DO SUBSÍDIO. DETERMINAÇÃO DE INCIDÊNCIA SOBRE O SUBSÍDIO MENSAL DEVIDO AO OCUPANTE DO CARGO DE JUIZ DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO. VIOLAÇÃO AO ART. 39, § 4º, DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. INOCORRÊNCIA, NO CASO, DE DECRÉSCIMO REMUNERATÓRIO. 1. Lei 4.348/64, art. 4º: configuração de grave lesão à ordem e à economia públicas. Deferimento do pedido de contracautela. 2. O acórdão impugnado, ao determinar a incidência da vantagem pessoal de 20%, prevista no art. 184, II, da Lei 1.771/52, sobre o valor do subsídio mensal devido ao ocupante do cargo de juiz do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, violou o disposto no art. 39, § 4º, da Constituição da República, o qual fixa a remuneração dos membros de Poder em parcela única. 3. Agravo regimental improvido (SS 3.108-AgR, Rel. Min. Ellen Gracie, Plenário, j. em 10.03.2008, DJe 25.4.2008). (Grifou-se) 9 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 10. ADI 5781 MC / MG CONSTITUCIONAL. MEDIDA CAUTELAR. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ARTIGO 2º DA LEI Nº 1.572, DE 13 DE JANEIRO DE 2006, DO ESTADO DE RONDÔNIA. Num juízo prévio e sumário - próprio das cautelares -, afigura-se contrário ao § 4º do artigo 39 da Constituição Federal o artigo 2º da Lei rondoniense nº 1.572/06, que prevê o pagamento de verba de representação ao Governador do Estado e ao ViceGovernador. Medida liminar deferida para suspender a eficácia do dispositivo impugnado, até o julgamento de mérito da presente ação direta de inconstitucionalidade (ADI 3.771-MC, Rel. o Min. Ayres Britto, Plenário, j. em 10.08.2016, DJ 25.8.2006). (Grifou-se) 18. Em síntese, entendo que, em alguns casos, de fato, vantagens funcionais concedidas por meio de lei são justas, legítimas e compatíveis com os princípios republicano e da moralidade, exatamente por se revestirem de caráter manifestamente indenizatório, e por constituírem efetivamente um ressarcimento. Nessas hipóteses, não há que falar em verba remuneratória, abono, vantagem, benesse, privilégio ou termos conexos. Tratar-se-ia tão-somente de justo ressarcimento ao agente público que tem de assumir gastos excepcionais com despesas comprovadamente realizadas. Num juízo preliminar, próprio das medidas cautelares, penso, todavia, que os auxílios previstos nos atos normativos impugnados instituem dois acréscimos remuneratórios aos quais faltam tanto a excepcionalidade como a extraordinariedade para excetuar a regra remuneratória de parcela única e exclusiva. 19. Sobre o “auxílio ao aperfeiçoamento profissional” não há qualquer nexo causal direto entre o cargo e a vantagem, na medida em que tais gastos assumem caráter indireto e subsidiário ao exercício da função. Por certo, não se está a discutir aqui a relevância do aprimoramento profissional dos referidos membros do Ministério Público, cuja função detém inquestionável relevância constitucional. O objeto da presente ação direta de inconstitucionalidade questiona a 10 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 11. ADI 5781 MC / MG natureza jurídica da vantagem, diante de um parâmetro constitucional que veda categoricamente os acréscimos genéricos. 20. O mesmo pode ser dito quanto ao “auxílio-saúde”. Acerca deste último, registre-se preliminarmente que este foi regulamentado mediante a Resolução nº 109 PGJ/MG, de 17.12.2014, na qual a verba é denomina verba indenizatória. Revela-se de suma relevância questionar o eventual caráter indenizatório e cumulável deste segundo auxílio, de modo que não basta a resolução dizer que a verba é indenizatória, se não efetivamente o é. Se verificada a ausência de tal característica, justificar- se-á a declaração de inconstitucionalidade da norma em tela, sob pena de manutenção de um privilégio, este em si incompatível com a Constituição Federal. Esta Corte, inclusive, já se deparou com casos semelhantes. Confira-se, a título de exemplo, o seguinte precedente representativo: RECURSO EXTRAORDINÁRIO. REPERCUSSÃO GERAL. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE ESTADUAL. PARÂMETRO DE CONTROLE. REGIME DE SUBSÍDIO. VERBA DE REPRESENTAÇÃO, 13º SALÁRIO E TERÇO CONSTITUCIONAL DE FÉRIAS. [...] 3. A “verba de representação” impugnada tem natureza remuneratória, independentemente de a lei municipal atribuir-lhe nominalmente natureza indenizatória. Como consequência, não é compatível com o regime constitucional de subsídio. 4. Recurso parcialmente provido. (RE 650.898/RS, Rel. Min. Marco Aurélio, Plenário, j. em 01.02.2017, DJe 24.8.2017). (Grifou-se) 21. Tendo em vista que as verbas indenizatórias que justificam a exceção legítima devem, necessariamente, se destinar a compensar o servidor com despesas efetuadas no exercício da função, resta evidenciada a inexistência de caráter indenizatório das vantagens 11 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 12. ADI 5781 MC / MG funcionais previstas no art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar nº 34, de 12.09.1994, incluído pelo art. 14 da Lei Complementar nº 136, de 27.06.2014, ambas do Estado de Minas Gerais. 22. Por essas razões, entendo presente o requisito do fumus boni iuris. III – DO PERICULUM IN MORA 23. Não resta dúvida acerca do perigo na demora no presente caso. Se não suspensas as normas, pagamentos potencialmente indevidos continuarão sendo efetuados. Como devidamente indicado pelo requerente, deve ser considerado aqui o dano ao erário e a improvável repetibilidade, diante de eventuais arguições de caráter alimentar das verbas e boa-fé no recebimento. 24. Ademais, a manutenção em si dos auxílios previstos na atual redação do art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar 34/1994 do Estado de Minas Gerais, apresenta-se como permanente descrédito ao modelo constitucional de remuneração por meio de subsídio. Em juízo cautelar, penso que a manutenção de tais auxílios representaria a continuidade de um sistema indevido de vantagens inconstitucionais. 25. Portanto, entendo também presente o periculum in mora. CONCLUSÃO 26. Diante do exposto, determino, ad referendum do Plenário (RI/STF, art. 21, V), a suspensão da eficácia do art. 119, XVII e XX, da Lei Complementar 34, de 12 de setembro de 1994, acrescentados pelo art. 14 da Lei Complementar 136, de 27 de junho de 2014, do Estado de Minas 12 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.
  • 13. ADI 5781 MC / MG Gerais, até o julgamento definitivo da presente ação direta de inconstitucionalidade. Solicito inclusão em pauta com a máxima brevidade possível. Publique-se. Intimem-se. Brasília, 08 de fevereiro de 2018. MINISTRO LUÍS ROBERTO BARROSO Relator 13 Supremo Tribunal Federal Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 14328349.