SlideShare uma empresa Scribd logo
Aves de Portugal
Raras ou Acidentais
Todas as Fotos são
retiradas da Internet
• Os textos são pesquisas na
internet e em livros…..
Mergulhão-de-pescoço-
castanho
Podiceps auritus
• As observações desta espécie encontram-se
sujeitas a homologação pelo Comité Português
de Raridades.
Até final de 2007 foram homologadas duas
em Portugal Continental:
1993, 1-Nov, estuário do Minho.
• 2006, 7-Jan a 11-Fev, lagoa de Óbidos.
Outras observações:
2010 - lagoa de Albufeira, 24-Dez.
• 2011 - Cais Comercial de Faro, 5-Fev.
• 2011 - Peniche, 13-Fev.
• 2011 - estuário do Cávado, 18-Nov.
• 2012 - estuário do Sado - Ilha do Cavalo, 24-Mar.
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Podicipedidae
Género Podiceps
Espécie P. auritus
Nome Científico
Podiceps auritus (Linnaeus, 1758)
Este mergulhão nidifica no norte da
Europa e inverna nas costas das
latitudes temperadas, sendo muito raro
em Portugal.
É praticamente do
mesmo tamanho que o
mergulhão-de-pescoço-
preto, com o qual pode
confundir-se facilmente
quando em plumagem de
Inverno. Distingue-se
sobretudo pelas faces mais
brancas e pelo perfil da
cabeça.
Mergulhão-de-pescoço-
castanho
Podiceps auritus
Mergulhão-de-pescoço-castanho
Podiceps auritus - 05-Fev-2011
foto de M. Mendes
Uma boa notícia para o mergulhão-de-pescoço-castanho (Podiceps
auritus), uma das espécies protegidas por um acordo de
conservação entre os países da União Europeia: a sua população
cresceu significativamente na última década, diminuindo o risco de
que a ave desapareça. Uma pesquisa feita por pesquisadores
britânicos mostrou que o acordo, iniciado em 1979 para aumentar o
habitat protegido por lei das aves europeias sob risco de extinção,
teve um efeito muito positivo sobre a população delas. (Foto:
www.rspb-images.com
Mergulhão-de-
pescoço-castanho
Podiceps auritus
Fulmar
Fulmarus glacialis
Identificação
Pela plumagem prateada
pode fazer lembrar uma
gaivota-argêntea, contudo a
forma das asas e o voo são
muito diferentes. Voa sobre o
mar com as asas direitas,
alternando séries de batidas
rápidas com voo planado. O
pescoço é curto e o bico é
amarelo e cinzento. Tem
geralmente uma mancha
branca nas primárias
interiores.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Procellariidae
Género Fulmarus
Espécie F.glacialis
Nome Científico
Fulmarus glacialis (Linnaeus, 1761)
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a homologação
pelo Comité Português de Raridades.
•Até final de 2010 foram homologadas nove
observações em Portugal:
1997, 4-Ago, Ponta da Atalaia, Aljezur.
•2003, 31-Dez, Praia da Torreira, Murtosa, morto.
•2009, 7-Fev, praia da lagoa de Santo André, morto.
•2009, 9-Fev, Peniche, morto.
•2009, 7-Mar, foz da ribeira de Anha, Viana do
Castelo, morto.
•2010, 9-Jan, praia de Faro, Faro, morto.
•2010, 7-Ago, cabo Carvoeiro, adulto.
•Outras observações:
2008, 19-Abr, Cabo Raso.
•2013, 25-Dez, Quebrado-Peniche.
Fulmar
Fulmarus glacialis
Fulmar-glacial nidifica ao longo das
costas da Islândia, Grã-
Bretanha e Irlanda e em alguns
locais da França e Noruega. No
Inverno, distribui-se por todo
o Atlântico e Mar do Norte. Esta
espécie de ave confunde-se
facilmente com as gaivotas, em
especial quando pousada nos
rochedos.
Instituto Nacional de Gestão Costeira e
Marinha Holandês
(RIKZ), http://www.rikz.nl/
Fulmar
Fulmarus glacialis
Freira-das-bermudas
Pterodroma cahow
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Procellariidae
Género Pterodroma
Espécie P. cahow
Nome Científico
Pterodroma cahow ( Nichols & Mowbray,
1916)
Pequeno petrel ( 38 cm,
comprimento total).
Freira-das-bermudas
Pterodroma cahow
A Freira-das-Bermudas é uma
espécie endémica das ilhas
Bermudas, com uma população
muito reduzida. Foi considerada
extinta desde o fim do século XVII
até o início dos anos 1950, altura
em que foram descobertos os
últimos 18 casais. Um programa de
conservação, juntando a erradicação
dos mamíferos introduzidos com a
colocação de ninhos artificiais, fez
com que a população ultrapasse os
80 casais hoje em dia.
Não há diferenças sexuais na
morfologia.
2002-11-17, Ilhéu da
Vila, Santa Maria -Açores
© Joël Bried, France
2002-11-17, Ilhéu da
Vila, Santa Maria-Açores
© Joël Bried, France
Freira-das-bermudas
Pterodroma cahow
Rabo-de-palha-de-
bico-vermelho
Phaethon aethereus
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Phaethontidae
Género Phaethon
Espécie P. aethereus
Nome Científico
Phaethon aethereus (Linnaeus, 1758)
Rabo-de-palha-de-bico-vermelho
Phaethon aethereus
• Ave branca com as costas
listradas de negro e ponta das
asas também negras . Faixa
negra transocular indo em
direção à nuca. Retrizes
medianas extremamente longas
e adelgaçadas do meio para a
extremidade. Bico vermelho
coral, robusto e ligeiramente
curvo para baixo. Pés com
membranas natatórias.
• É uma ave intimamente envolvida com as aves marinhas dos oceanos
tropicais. Esta espécie pode medir de 90 a 105 cm de comprimento.
Prefere mares tropicais ou subtropicais.
• As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a
homologação pelo Comité
Português de Raridades.
Até final de 2005 foi
homologada apenas uma
observação nas águas de
Portugal Continental:
1988, 13-Ago.
Rabo-de-palha-
de-bico-
vermelho( jovem)
Ninho de rabo-
de-palha-de-
bico-vermelho Casal de rabo-
de-palha-de-
bico-vermelho
http://www.wikiaves.com.br/
Enorme, caracteriza-
se pelo seu bico com
uma grande bolsa na
mandíbula inferior, e
pela plumagem preta e
branca. As patas e o
bico são amarelos
Pelicano branco en Walvis Bay
Pelicano-vulgar
Pelecanus onocrotalus
Pelicanos vulgares poisando
num lago para se alimentar…
Foto: G. Doval
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Pelecanidae
Género Pelecanus
Espécie P. onocrotalus
Nome Científico
Pelecanus onocrotalus (Linnaeus, 1758)
Pelicano Vulgar - Pelecanus onocrotalus
Foto: G. Doval
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a
homologação pelo Comité
Português de Raridades.
•1995, 19-Ago, lagoa de Santo André, imaturo.
•1995, 8 e 13-Out, Ponta da Erva, e zona de
Samora Correia.
•1996, 3-Jul, paul de Belmonte (Benavente).
•1998, 22-Ago, lagoa de Santo André.
•1998, 16-Set, paul do Boquilobo.
•2006, 10 e 11-Mar, albufeira do Caia, imaturo.
•2006, 30-Dez, estuário do Sado.
•2007, 20-Jan, estuário do Mondego, adulto.
•2007, 14-Mar e 13-Mai, Salreu, adulto.
Flamingo-pequeno
Phoenicopterus
minor
As aves imaturas têm coloração
castanho-acinzentada, com
cabeça e pescoço mais escuros.
Os adultos apresentam bico,
pernas e plumagem de cor
rosa. Esta espécie é a mais
pequena entre os flamingos e a
que apresenta a plumagem
mais brilhante. Têm cabeça
pequena, pescoço longo, corpo
relativamente grande e pernas
altas. O bico é comprido e
escuro. Os machos são
ligeiramente maiores do que as
fêmeas.
Este flamingo distribui-se pela
África tropical, sendo muito
raro na Europa. Existem
algumas observações em
Portugal, mas não se sabe se
as aves em causa eram
genuinamente selvagens.
Site: Fascinados por Aves As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a
homologação pelo Comité
Português de Raridades.
Até final de 2010 foram
homologadas 10 observações
em Portugal Continental:
Flamingo-pequeno - Phoenicopterus minor
•2000, 13-Mai, Vasa-Sacos, estuário do Tejo.
•2001, 21-Jan, Samouco, estuário do Tejo.
•2005, 15-Jun, Murraceira, estuário do Mondego.
•2005, 2 a 13-Dez, Samouco, estuário do Tejo.
•2007, 23 a 27-Mar, lagoa dos Salgados, adulto.
•2007, 3-Jun a 28-Ago, Castro Marim, adulto.
•2008, 16-Fev, salinas de Castro Marim, adulto.
•2009, 23-Fev, salinas de Castro Marim, 2 adultos.
•2009, 16-Jun, salinas da ribeira das Enguias, 2 inds..
•2010, 24-Jan, salinas da ribeira das Enguias, 1 ind.
•Outras observações:
2008, 16-Fev, Castro Marim.
•2009, 23-Fev, Castro Marim, 2 adultos.
•2011, 25-Nov, Ponta da Erva, 1 ad..
•2011, 14-Dez, Ponta da Erva, 1 ind.
•2012, 28-Abr, Ponta da Erva, 1 ind..
•2012, 18-Mai, Ponta da Erva, 1 ind.
•2012, 3 e 4-Nov, Vasa-sacos-Benavente, 1
ind..
•2012, 29-Dez, Ponta da Erva, 1 ind.
•2013, 7-Set, Cerro do Bufo-Castro Marim.
Site: Portugal torrão natal
Site: Portugal torrão natal
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Phoenicopteridae
Género Phoenicopterus
Espécie P. minor
Nome Científico
Phoenicopterus minor ( Geoffrou Saint-
Hilaire, 1798)
Flamingo-pequeno
Phoenicopterus
minor
Garça-dos-recifes
Egretta gularis
Tamanho semelhante a uma garça-
branca-pequena. Na fase escura (a
mais fácil de identificar), distingue-
se pela plumagem escura, quase
negra, pelo queixo branco, pelo bico
ligeiramente mais longo e
pelas tonalidades amareladas no
bico e nos tarsos.
Garça-dos-recifes
Egretta gularis
• As observações desta
espécie encontram-se
sujeitas a homologação
pelo Comité Português
de Raridades.
• Até final de 2005 foram homologadas 5
observações em Portugal Continental:
1995, 18-Mai, reserva de Castro Marim,
A Severo, A Resende, M Armelin
(Pardela 5)
• 2000, 13-Mai, Carrapateira, R Tipper
(Anuário 1)
• 2003, 4 a 9-Fev, paul do Boquilobo, A.
Palavra e outros (Anuário 5)
• 2004, 8 e 19-Ago, estuário do Tejo,
subespécie nominal, CC Moore, C Noivo,
A Tavares (Anuário 4)
• 2005, 11-Set, Vasa-sacos, estuário do
Tejo, fase escura, CCMoore (Anuário 5)
•Outras observações:
2008, 10-Mar, praia das 4 águas, Tavira,
por A. Tomás
•2008, 28-Set, estuário do Tejo (moinho
maré Montijo), por P. Fernandes e C. D.
Santos
• Garça-dos-recifes
Egretta gularis
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Ardeidae
Género Egretta
Espécie E. gularis
Nome Científico
Egretta gularis ( Bosc, 1792)
Penatos Ambientalistas
Águia-pomarina
Aquila pomarina
É uma águia de tamanho médio,
com cerca de 60–65 cm de
comprimento e uma envergadura
de asas de 150 cm. A sua cabeça e
as coberturas das asas são
castanhas claras contrastando com
a restante plumagem escura. A
cabeça e o bico são relativamente
pequenos para uma águia. O bico é
amarelo com extremidade preta.
Patas amarelas. Exibe normalmente
uma mancha branca nas grandes
coberturas primárias e o uropígio
branco, formando um U ou
"ferradura" na base da cauda, mais
evidente nos juvenis..
A sua vocalização consiste em
latidos agudos, como de um
pequeno cão.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiforme
s
Família Accipitridae
Género Aquila
Espécie A. pomarina
Nome Científico
Aquila pomarina ( Brehm,
1831)
•As observações desta
espécie encontram-se sujeitas
a homologação pelo Comité
Português de Raridades
Até final de 2009 não existem
observações homologadas,
contudo conhecem-se
diversas observações
atribuídas a esta espécie:
2009, 3 a 5-Out, Sagres e
zonas adjacentes, diversos
observadores (Not. Orni. 403-
404)
•2011, 25-Set, Sagres, 1 Ind.,
por P. Fernandes e C. Vilhena
•2012, 13-Nov, Barão de São
João-Vila do Bispo, 1 ind., por
Equipa da Strix
•2013, 28-Out, Sagres, 1
imaturo, por equipa da Strix
Borrelho-mongol
Charadrius mongolus
A plumagem de Verão, com tons
alaranjados, permite distingui-lo
facilmente dos outros borrelhos
europeus
•As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a
homologação pelo Comité
Português de Raridades.
Até final de 2005 foi homologada
uma única observação em Portugal:
2003, 12 a 15-Ago, estuário do
Sado, plumagem de Verão, J
Ministro e outros (Anuário 3)
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Charadriidae
Género Charadrius
Espécie C. mongolus
Nome Científico
Charadrius mongolus( Pallas, 1776)
Borrelho-mongol
Charadrius mongolus
Borrelho-mongol
Charadrius mongolus
Corredor
Cursorius cursor
O corredor é uma ave limícola da família
das perdizes-do-mar. Tem um tamanho
intermédio entre os borrelhos e as
tarambolas. Distingue-se pela
plumagem de cor creme e pela lista
supraciliar branca e preta.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Glareolidae
Género Cursorius
Espécie C. cursor
Nome Científico
Cursorius cursor (Latham, 1787)
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a
homologação pelo Comité
Português de Raridades.
•Até final de 2004 foram homologadas 6 observações:
1987, 6-Mai, Carrapateira, R Gohier (Airo 4-1)
•1993, 19-Mar, praia do Guincho, G Martins, N Farinha
(Airo 6-1,2)
•1996, 9-Jun, Luz, Lagos, PA McLean (Pardela 8)
•1997, 7 e 25-Ago, Castro Verde, R Tomé, C Santos, C
Martins, A Delgado, R Morgado (Pardela 11)
•1998, 11-Mar, lagoa de Santo André, T Catry, I Catry,
M Ferreira (Pardela 11)
•2001, 21 e 22-Abr, Ludo, CC Moore, A Smith, S Wates,
M Mendes, J Pereira (Anuário 1)
•Outras observações:
2013, 8-Mar, ria de Alvor, 1 adulto, 8-Mar, por E. Mackrill
•2013, 11-Mai, praia do Guincho, 1 ind., por J. Correia
Foto: J.M. Baena.
Publicada por dosantos
Tarambola-dourada-
pequena
Pluvialis dominica
É parecida com a tarambola-dourada,
distinguindo-se principalmente pela
contra-asa cinzenta e não branca.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Charadriidae
Género Pluvialis
Espécie P. dominica
Nome Científico
Pluvialis dominica ( Statius Muller, 1776)
Tarambola-dourada-
siberiana
Pluvialis fulva
Identificação
Um pouco mais pequena que a tarambola-
dourada, à qual se assemelha.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Charadriidae
Género Pluvialis
Espécie P. fulva
Nome Científico
Pluvialis fulva ( Gmelin, 1789 )
•Até final de 2007 foram homologadas duas
observações em Portugal Continental:
2005, 12 a 17-Ago, estuário do Tejo, CC Moore,
C Noivo, P Faria (Anuário 5)
•2007, 22-Jul, lagoa dos Salgados, G. Schreier,
R. Eufrásia (Anuário 6)
Photo: (c) Caleb Slemmons, some
rights reserved (CC BY-NC)
Carla Kishinami, some rights
reserved (CC BY-NC-ND)
As observações desta espécie encontram-
se sujeitas a homologação pelo Comité
Português de Raridades
Embora os registos históricos apenas
refiram aves, abatidas, a norte do
Tejo, os únicos registos
homologados pelo Comité Português
de Raridades sugerem o contrário.
•Até final de 2005 foram homologadas
três observações em Portugal
Continental:
1997, 23-Fev, Herdade dos Fartos,
perto de São Cristóvão, Montemor-o-
Novo, C Pereira (Anuário 1)
•2003, 1-Dez, Herdade do Lombo do
Touro, Vila Franca de Xira, abatido, C
Pereira (Anuário 3)
•2004, 16-Out, Bate-Orelha, estuário
do Tejo, CC Moore (Anuário 4)
Identificação
Ligeiramente maior que a narceja-comum, à qual
se assemelha. Levanta habitualmente próximo do
intruso. O voo, habitualmente silencioso, é mais
pesado e direto que na narceja-comum. As aves
pousadas fazem-se notar pelo evidente
"gigantismo", por terem um bico mais curto e
forte (só possível de observar
quando as duas espécies se encontram lado a
lado), assim como pelo prolongamento do
barrado castanho no ventre, sendo a parte interior
das asas mais escura.
Narceja-real - Gallinago media
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a homologação
pelo Comité Português de Raridades.
Publicada por
Monstro do lago ness
photo ©Langham Birder
Narceja-real - Gallinago mediaClassificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Gallinago
Espécie G. media
Nome Científico
Gallinago media ( Latham , 1787 )
Maçarico-escolopáceo-americano -
Limnodromus scolopaceus
É um pouco maior que uma narceja e
destaca-se pelo seu bico muito
comprido.
photo ©PhotoGuy1951
Wikipédia, a enciclopédia livre.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Limnodromus
Espécie L. scolopaceus
Nome Científico
Limnodromus scolopaceus ( Sal,
1823 )
Credit: Bowman, Tim - U.S. Fish and
Wildlife Service
Maçarico-escolopáceo-americano -
Limnodromus scolopaceus
Maçarico-do-campo
Bartramia longicauda
Identificação
Do tamanho de um perna-vermelha-comum, distingue-se
pelas patas amarelas, pelo bico curto, pela cauda
comprida e pela ausência de qualquer mancha branca na
asa.
As observações desta espécie encontram-se
sujeitas a homologação pelo Comité Português de
Raridades.
•Até final de 2010 foram homologadas duas observações em Portugal
Continental:
1999, 22 e 23-Set, Ludo, juvenil, J Ministo, M Mendes (Anuário 1)
•2010, 29-Set a 2-Out, Santa Luzia, Tavira , 1 juv., N. Jackson e outros
(Anuário 8)
•
Observações recentes:
2011, 13-Set, Sintra, 1 ind. ouvido em migração, por M. Robb
•
Adicionalmente, conhece-se um registo antigo:
1932, 12-Fev, Leça da Palmeira, Matosinhos (Reis Junior)
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Bartramia
Espécie B. longicauda
Nome Científico
Bartramia longicauda ( Bechstein,
1812 )
O Maçarico-do-campo Bartramia longicauda
é originário da América do Norte, ocorrendo
acidentalmente na Europa.
Maçarico-do-campo Bartramia longicauda
observado em Santa Luzia, Tvira - Foto de P.
Dedicoat
Perna-amarela-grande
Tringa melanoleuca
Identificação
Ligeiramente maior que o perna-amarela-pequeno ,
distinguindo-se sobretudo pelo bico recurvado para
cima e não tanto pelo tamanho.
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a homologação
pelo Comité Português de Raridades.
•Até final de 2005 foram homologadas duas
observações em Portugal Continental:
1995, 13-Out, Salinas da Comporta,
estuário do Sado, R Rufino (Pardela 5)
•2001, 6 a 11-Fev, Gâmbia, estuário do
Sado, pl. Inv., M Armelin, V Encarnação,
CC Moore (Anuário 1)
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Tringa
Espécie T. melanoleuca
Nome Científico
Tringa melanoleuca ( Gmelin, 1789 )
Perna-amarela-grande
Tringa melanoleuca
Perna-amarela-pequeno
Tringa flavipes
Identificação
Dimensões semelhantes às de um perna-
vermelha-comum, distinguindo-se desta
espécie pelas patas amarelas e pela
ausência de barra branca nas secundárias.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Tringa
Espécie T. flavipes
Nome Científico
Tringa flavipes ( Gmelin, 1789 )
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a homologação
pelo Comité Português de Raridades.
Até final de 2010 foram homologadas 18
observações em Portugal Continental:
Perna-amarela-pequeno
Tringa flavipes
Pedro Rodrigues
Maçarico-solitário
Tringa solitaria
Identificação
Muito parecido com o maçarico-bique-
bique, distinguindo-se desta espécie
devido à ausência de uropígio branco.
A cauda é escura no centro, sendo
barrada nas penas exteriores. A parte
inferior da asa é escura.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Tringa
Espécie T. solitaria
Nome Científico
Tringa solitaria (Wilson, 1813 )
As observações desta
espécie encontram-se
sujeitas a homologação pelo
Comité Português de
Raridades.
•Até final de 2005 foi
homologada apenas uma
observação em Portugal
Continental:
1989, 26-Jun, ria de Alvor, P
Callaway (Airo 5-1)
Maçarico-maculado
Actitis macularius
Identificação
Este maçarico é muito
semelhante ao maçarico-
das-rochas, distinguindo-se
desta última espécie pelas
patas amareladas, pela
cauda relativamente mais
curta e pela barra alar
branca mais curta e restrita
à parte interior da asa.
•As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a homologação
pelo Comité Português de Raridades.
Até final de 2010 foram homologadas duas
observações em Portugal Continental:
1995, 4-Jan a 28-Fev, Herdade do Pinheiro, estuário do
Sado, CC Moore (Pardela 5)
•2010, 15-Set, Vilamoura, 1 juv., I. Ellison (Anuário 8)
•
Outras observações:
2008, 12-Set, lagoa de Óbidos, por J. L. Santos e F. L.
Santos
•2010, 25-Set, ribeira das Enguias, por P. Fernandes
•2012, 15-Set, lagoa de Albufeira, 1 juvenil, por J. L. Santos
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Actitis
Espécie A. macularius
Nome Científico
Actitis macularius ( Linnaeu, 1766 )
Maçarico-maculado
Actitis macularius
Pilrito-semipalmado
Calidris pusilla
Identificação
Pequeno pilrito de patas
pretas, muito semelhante
ao pilrito-pequeno.
Distingue-se desta última
espécie pela existência de
pequenas palmações entre
os dedos, contudo esta
característica só é visível
com a ave na mão ou a
muito pequena distância.
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Calidris
Espécie C.pusilla
Nome Científico
Calidris pusilla ( Linnaeu, 1766 )
O 2º "americano" da nova temporada"
Calidris pusilla - Pilrito semipalmado
Ilha de S. Miguel/Açores
05/09/2013
•As
observações
desta
espécie
encontram-
se sujeitas a
homologaçã
o pelo
Comité
Português
de
Raridades.
Pilrito-de-uropigio-branco
Calidris fuscicollis
Identificação
Pilrito de dimensão
intermédia, ligeiramente
menor que o pilrito-
comum, que se
identifica facilmente em
voo pelo uropígio
totalmente branco.
Quando está pousado é
visível a lista supraciliar
branca
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a homologação
pelo Comité Português de Raridades.
•Até final de 2009 foram homologadas
3 observações deste pilrito em Portugal
Continental:
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Calidris
Espécie C. fuscicollis
Nome Científico
Calidris fuscicollis ( Vieillot,1819 )
Pilrito-de-uropígio-branco Calidris
fuscicollis fotografado no Martinhal -
22-Nov-2009 - foto de P. Dedicoat
Pilrito-acuminado - Calidris acuminata
Identificação
Assemelha-se ao pilrito-de-
colete, distinguindo-se
pelo padrão menos distinto
no peito e pela lista
supraciliar mais branca.
As observações desta espécie
encontram-se sujeitas a homologação
pelo Comité Português de Raridades.
•Até final de 2007 foi homologada uma
observação em Portugal Continental:
2007, 21-Mar, ria de Aveiro, adulto em
muda, P Hottola (Anuário 6)
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Calidris
Espécie C. acuminata
Nome Científico
Calidris acuminata ( Horsfield,1821 )
Pilrito-acuminado - Calidris acuminata
Pilrito-de-bico-grosso
Limicola falcinellus
Identificação
Um pouco mais pequeno que o
pilrito-comum, com o qual se
confunde facilmente. Distingue-se
sobretudo pelo seu modo de
alimentação mais lento, pelas
patas um pouco mais curtas e
pelo padrão diferente na
cabeça, destacando-se a lista
supraciliar branca e as riscas na
coroa.
•As observações desta espécie encontram-se sujeitas
a homologação pelo Comité Português de Raridades.
Até final de 2009 foram homologadas duas
observações em Portugal:
1997, 25-Abr, Ria Formosa, 1 em plum. de Verão, A
Booth e outros (Pardela 11)
•2009, 23-Fev, Faralhão, estuário do Sado, J. Viana
(Anuário 7)
•
Outras observações:
2012, 24-Jul, Castro Marim, Cerro do Bufo, 1 adulto,
por J. Jara
•2012, 15-Out, lagoa de Óbidos, 1 ind., 15-Out, por H.
Cardoso
•
Pilrito-de-bico-grosso
Limicola falcinellus
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Limicola
Espécie L.falcinellus
Nome Científico
Limicola falcinellus
( Pontoppidan,1763 )
Pilrito-de-bico-grosso
Limicola falcinellus
Pilrito-canela
Tryngites subruficollis
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Tryngites
Espécie T.subruficollis
Nome Científico
Tryngites subruficollis
( Vieillot,1819)
Identificação
Um pouco mais pequeno que o combatente, distinguindo-se desta espécie pela
ausência de branco nas asas e no uropígio.
 As observações desta espécie encontram-se
sujeitas a homologação pelo Comité
Português de Raridades.
Até final de 2009 foram homologadas 9
observações em Portugal Continental:
Pilrito-canela
Tryngites subruficollis
Falaropo de Wilson
Phalaropus tricolor
Classificação Científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Ciconiiformes
Família Scolopacidae
Género Phalaropus
Espécie P.tricolor
Nome Científico
Phalaropus tricolor
( Vieillot,1819)
Identificação
Um pouco maior que o falaropo-de-bico-
fino, distinguindo-se principalmente pelo
pescoço mais longo, pelo bico mais
longo e fino e pelas patas mais longas.
Contrariamente aos outros falaropos, é
visto frequentemente fora de água.
As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité
Português de Raridades.
Até final de 2010 foram homologadas 5 observações em Portugal Continental.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aves
AvesAves
Animais
AnimaisAnimais
Bichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteisBichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteis
Andre Benedito
 
Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2
Andre Benedito
 
Bichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferosBichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferos
Andre Benedito
 
O Mundo Natural e o Mundo Humanizado
O Mundo Natural e o Mundo Humanizado O Mundo Natural e o Mundo Humanizado
O Mundo Natural e o Mundo Humanizado
TICaenrs
 
Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3
Andre Benedito
 
Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1
Andre Benedito
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRAApresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
ecolealcamara
 
As mais belas espécies de corujas
As mais belas espécies de corujasAs mais belas espécies de corujas
As mais belas espécies de corujas
Luzia Bernardete Medeiros
 
Bichosdoparana anfibios
Bichosdoparana anfibiosBichosdoparana anfibios
Bichosdoparana anfibios
Andre Benedito
 
Chave Interactiva
Chave InteractivaChave Interactiva
Chave Interactiva
José Carlos Morais
 
Trabalho de ap
Trabalho de apTrabalho de ap
Trabalho de ap
marianasantosj
 
Corujas A5
Corujas A5Corujas A5
Corujas
CorujasCorujas
Apres peixes para blog
Apres peixes para blogApres peixes para blog
Apres peixes para blog
ecolealcamara
 
Serra da Bodoquena
Serra da BodoquenaSerra da Bodoquena
Serra da Bodoquena
unesp
 
Fauna e flora em crestuma
Fauna e flora em crestumaFauna e flora em crestuma
Fauna e flora em crestuma
bibliotecadm
 
Anfibius
AnfibiusAnfibius

Mais procurados (20)

Aves
AvesAves
Aves
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Bichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteisBichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteis
 
Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2
 
Bichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferosBichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferos
 
O Mundo Natural e o Mundo Humanizado
O Mundo Natural e o Mundo Humanizado O Mundo Natural e o Mundo Humanizado
O Mundo Natural e o Mundo Humanizado
 
Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3
 
Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRAApresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
Apresentação peixes SERMÃO Pd ANTÓNIO VIEIRA
 
As mais belas espécies de corujas
As mais belas espécies de corujasAs mais belas espécies de corujas
As mais belas espécies de corujas
 
Bichosdoparana anfibios
Bichosdoparana anfibiosBichosdoparana anfibios
Bichosdoparana anfibios
 
Chave Interactiva
Chave InteractivaChave Interactiva
Chave Interactiva
 
Trabalho de ap
Trabalho de apTrabalho de ap
Trabalho de ap
 
Corujas A5
Corujas A5Corujas A5
Corujas A5
 
Corujas
CorujasCorujas
Corujas
 
Apres peixes para blog
Apres peixes para blogApres peixes para blog
Apres peixes para blog
 
Serra da Bodoquena
Serra da BodoquenaSerra da Bodoquena
Serra da Bodoquena
 
Fauna e flora em crestuma
Fauna e flora em crestumaFauna e flora em crestuma
Fauna e flora em crestuma
 
Anfibius
AnfibiusAnfibius
Anfibius
 

Semelhante a Aves raras

Origem das Codornas
Origem das CodornasOrigem das Codornas
Origem das Codornas
João Felix
 
O mocho sábio turmas 4º c prof. arminda
O mocho sábio   turmas 4º c prof. armindaO mocho sábio   turmas 4º c prof. arminda
O mocho sábio turmas 4º c prof. arminda
BibEscolar Ninho Dos Livros
 
Aves
AvesAves
7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves
ISJ
 
O perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafilia
O perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafiliaO perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafilia
O perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafilia
Museu Filatelia Sérgio Pedro
 
Introdução de espécies exóticas
Introdução de espécies exóticasIntrodução de espécies exóticas
Introdução de espécies exóticas
Grupo2apcm
 
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdfESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
andreiaalbuquerque17
 
Inês e sofia
Inês e sofiaInês e sofia
Inês e sofia
cs
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
sophiapaulo
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
sophiapaulo
 
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvorAlgumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Museu Filatelia Sérgio Pedro
 
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvorAlgumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Museu Filatelia Sérgio Pedro
 
Ordem apodiforme
Ordem apodiformeOrdem apodiforme
Ordem apodiforme
Alexandre Queiroz
 
Arara azul
Arara azulArara azul
Arara azul
Kerolaine Santos
 
aves do paraíso
aves do paraísoaves do paraíso
aves do paraíso
joana faustino
 
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Carlos2856
 
Anfíbios.pdf
Anfíbios.pdfAnfíbios.pdf
Anfíbios.pdf
AntsMirmecofauna
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Clélia Kaneda
 
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo PereiraAnimais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
profgaspar
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
Giulia Soares
 

Semelhante a Aves raras (20)

Origem das Codornas
Origem das CodornasOrigem das Codornas
Origem das Codornas
 
O mocho sábio turmas 4º c prof. arminda
O mocho sábio   turmas 4º c prof. armindaO mocho sábio   turmas 4º c prof. arminda
O mocho sábio turmas 4º c prof. arminda
 
Aves
AvesAves
Aves
 
7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves
 
O perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafilia
O perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafiliaO perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafilia
O perna longo ou pernilongo visto atraves da maximafilia
 
Introdução de espécies exóticas
Introdução de espécies exóticasIntrodução de espécies exóticas
Introdução de espécies exóticas
 
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdfESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
ESPECIALIDADE DE ANFIBIOS (2).pdf
 
Inês e sofia
Inês e sofiaInês e sofia
Inês e sofia
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvorAlgumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
 
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvorAlgumas aves limicolas presentes na ria de alvor
Algumas aves limicolas presentes na ria de alvor
 
Ordem apodiforme
Ordem apodiformeOrdem apodiforme
Ordem apodiforme
 
Arara azul
Arara azulArara azul
Arara azul
 
aves do paraíso
aves do paraísoaves do paraíso
aves do paraíso
 
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
 
Anfíbios.pdf
Anfíbios.pdfAnfíbios.pdf
Anfíbios.pdf
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo PereiraAnimais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
 

Mais de Conceição Raposo

Prémio nobel 3
Prémio nobel   3Prémio nobel   3
Prémio nobel 3
Conceição Raposo
 
Opções que interferem no equilíbrio do organismo
Opções que interferem no equilíbrio do organismoOpções que interferem no equilíbrio do organismo
Opções que interferem no equilíbrio do organismo
Conceição Raposo
 
Prémio nobel 2
Prémio nobel   2Prémio nobel   2
Prémio nobel 2
Conceição Raposo
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
Conceição Raposo
 
Prémio nobel
Prémio nobelPrémio nobel
Prémio nobel
Conceição Raposo
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
Conceição Raposo
 
Organismo humano em equilíbrio (continuação)
Organismo humano em equilíbrio (continuação)Organismo humano em equilíbrio (continuação)
Organismo humano em equilíbrio (continuação)
Conceição Raposo
 
Organismo humano em equilíbrio sistema cardio-respiratório
Organismo humano em equilíbrio   sistema cardio-respiratórioOrganismo humano em equilíbrio   sistema cardio-respiratório
Organismo humano em equilíbrio sistema cardio-respiratório
Conceição Raposo
 
5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal
Conceição Raposo
 
4 noções bàsicas de hereditariedade
4  noções bàsicas de hereditariedade4  noções bàsicas de hereditariedade
4 noções bàsicas de hereditariedade
Conceição Raposo
 

Mais de Conceição Raposo (10)

Prémio nobel 3
Prémio nobel   3Prémio nobel   3
Prémio nobel 3
 
Opções que interferem no equilíbrio do organismo
Opções que interferem no equilíbrio do organismoOpções que interferem no equilíbrio do organismo
Opções que interferem no equilíbrio do organismo
 
Prémio nobel 2
Prémio nobel   2Prémio nobel   2
Prémio nobel 2
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Prémio nobel
Prémio nobelPrémio nobel
Prémio nobel
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
Organismo humano em equilíbrio (continuação)
Organismo humano em equilíbrio (continuação)Organismo humano em equilíbrio (continuação)
Organismo humano em equilíbrio (continuação)
 
Organismo humano em equilíbrio sistema cardio-respiratório
Organismo humano em equilíbrio   sistema cardio-respiratórioOrganismo humano em equilíbrio   sistema cardio-respiratório
Organismo humano em equilíbrio sistema cardio-respiratório
 
5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal
 
4 noções bàsicas de hereditariedade
4  noções bàsicas de hereditariedade4  noções bàsicas de hereditariedade
4 noções bàsicas de hereditariedade
 

Aves raras

  • 1. Aves de Portugal Raras ou Acidentais
  • 2. Todas as Fotos são retiradas da Internet • Os textos são pesquisas na internet e em livros…..
  • 3. Mergulhão-de-pescoço- castanho Podiceps auritus • As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2007 foram homologadas duas em Portugal Continental: 1993, 1-Nov, estuário do Minho. • 2006, 7-Jan a 11-Fev, lagoa de Óbidos. Outras observações: 2010 - lagoa de Albufeira, 24-Dez. • 2011 - Cais Comercial de Faro, 5-Fev. • 2011 - Peniche, 13-Fev. • 2011 - estuário do Cávado, 18-Nov. • 2012 - estuário do Sado - Ilha do Cavalo, 24-Mar. Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Podicipedidae Género Podiceps Espécie P. auritus Nome Científico Podiceps auritus (Linnaeus, 1758) Este mergulhão nidifica no norte da Europa e inverna nas costas das latitudes temperadas, sendo muito raro em Portugal.
  • 4. É praticamente do mesmo tamanho que o mergulhão-de-pescoço- preto, com o qual pode confundir-se facilmente quando em plumagem de Inverno. Distingue-se sobretudo pelas faces mais brancas e pelo perfil da cabeça. Mergulhão-de-pescoço- castanho Podiceps auritus
  • 5. Mergulhão-de-pescoço-castanho Podiceps auritus - 05-Fev-2011 foto de M. Mendes Uma boa notícia para o mergulhão-de-pescoço-castanho (Podiceps auritus), uma das espécies protegidas por um acordo de conservação entre os países da União Europeia: a sua população cresceu significativamente na última década, diminuindo o risco de que a ave desapareça. Uma pesquisa feita por pesquisadores britânicos mostrou que o acordo, iniciado em 1979 para aumentar o habitat protegido por lei das aves europeias sob risco de extinção, teve um efeito muito positivo sobre a população delas. (Foto: www.rspb-images.com Mergulhão-de- pescoço-castanho Podiceps auritus
  • 6. Fulmar Fulmarus glacialis Identificação Pela plumagem prateada pode fazer lembrar uma gaivota-argêntea, contudo a forma das asas e o voo são muito diferentes. Voa sobre o mar com as asas direitas, alternando séries de batidas rápidas com voo planado. O pescoço é curto e o bico é amarelo e cinzento. Tem geralmente uma mancha branca nas primárias interiores.
  • 7. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Procellariidae Género Fulmarus Espécie F.glacialis Nome Científico Fulmarus glacialis (Linnaeus, 1761) As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •Até final de 2010 foram homologadas nove observações em Portugal: 1997, 4-Ago, Ponta da Atalaia, Aljezur. •2003, 31-Dez, Praia da Torreira, Murtosa, morto. •2009, 7-Fev, praia da lagoa de Santo André, morto. •2009, 9-Fev, Peniche, morto. •2009, 7-Mar, foz da ribeira de Anha, Viana do Castelo, morto. •2010, 9-Jan, praia de Faro, Faro, morto. •2010, 7-Ago, cabo Carvoeiro, adulto. •Outras observações: 2008, 19-Abr, Cabo Raso. •2013, 25-Dez, Quebrado-Peniche. Fulmar Fulmarus glacialis
  • 8. Fulmar-glacial nidifica ao longo das costas da Islândia, Grã- Bretanha e Irlanda e em alguns locais da França e Noruega. No Inverno, distribui-se por todo o Atlântico e Mar do Norte. Esta espécie de ave confunde-se facilmente com as gaivotas, em especial quando pousada nos rochedos. Instituto Nacional de Gestão Costeira e Marinha Holandês (RIKZ), http://www.rikz.nl/ Fulmar Fulmarus glacialis
  • 9. Freira-das-bermudas Pterodroma cahow Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Procellariidae Género Pterodroma Espécie P. cahow Nome Científico Pterodroma cahow ( Nichols & Mowbray, 1916) Pequeno petrel ( 38 cm, comprimento total).
  • 10. Freira-das-bermudas Pterodroma cahow A Freira-das-Bermudas é uma espécie endémica das ilhas Bermudas, com uma população muito reduzida. Foi considerada extinta desde o fim do século XVII até o início dos anos 1950, altura em que foram descobertos os últimos 18 casais. Um programa de conservação, juntando a erradicação dos mamíferos introduzidos com a colocação de ninhos artificiais, fez com que a população ultrapasse os 80 casais hoje em dia. Não há diferenças sexuais na morfologia.
  • 11. 2002-11-17, Ilhéu da Vila, Santa Maria -Açores © Joël Bried, France 2002-11-17, Ilhéu da Vila, Santa Maria-Açores © Joël Bried, France Freira-das-bermudas Pterodroma cahow
  • 12. Rabo-de-palha-de- bico-vermelho Phaethon aethereus Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Phaethontidae Género Phaethon Espécie P. aethereus Nome Científico Phaethon aethereus (Linnaeus, 1758)
  • 13. Rabo-de-palha-de-bico-vermelho Phaethon aethereus • Ave branca com as costas listradas de negro e ponta das asas também negras . Faixa negra transocular indo em direção à nuca. Retrizes medianas extremamente longas e adelgaçadas do meio para a extremidade. Bico vermelho coral, robusto e ligeiramente curvo para baixo. Pés com membranas natatórias. • É uma ave intimamente envolvida com as aves marinhas dos oceanos tropicais. Esta espécie pode medir de 90 a 105 cm de comprimento. Prefere mares tropicais ou subtropicais. • As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2005 foi homologada apenas uma observação nas águas de Portugal Continental: 1988, 13-Ago.
  • 14. Rabo-de-palha- de-bico- vermelho( jovem) Ninho de rabo- de-palha-de- bico-vermelho Casal de rabo- de-palha-de- bico-vermelho http://www.wikiaves.com.br/
  • 15. Enorme, caracteriza- se pelo seu bico com uma grande bolsa na mandíbula inferior, e pela plumagem preta e branca. As patas e o bico são amarelos Pelicano branco en Walvis Bay Pelicano-vulgar Pelecanus onocrotalus
  • 16. Pelicanos vulgares poisando num lago para se alimentar… Foto: G. Doval Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Pelecanidae Género Pelecanus Espécie P. onocrotalus Nome Científico Pelecanus onocrotalus (Linnaeus, 1758)
  • 17. Pelicano Vulgar - Pelecanus onocrotalus Foto: G. Doval As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •1995, 19-Ago, lagoa de Santo André, imaturo. •1995, 8 e 13-Out, Ponta da Erva, e zona de Samora Correia. •1996, 3-Jul, paul de Belmonte (Benavente). •1998, 22-Ago, lagoa de Santo André. •1998, 16-Set, paul do Boquilobo. •2006, 10 e 11-Mar, albufeira do Caia, imaturo. •2006, 30-Dez, estuário do Sado. •2007, 20-Jan, estuário do Mondego, adulto. •2007, 14-Mar e 13-Mai, Salreu, adulto.
  • 18. Flamingo-pequeno Phoenicopterus minor As aves imaturas têm coloração castanho-acinzentada, com cabeça e pescoço mais escuros. Os adultos apresentam bico, pernas e plumagem de cor rosa. Esta espécie é a mais pequena entre os flamingos e a que apresenta a plumagem mais brilhante. Têm cabeça pequena, pescoço longo, corpo relativamente grande e pernas altas. O bico é comprido e escuro. Os machos são ligeiramente maiores do que as fêmeas.
  • 19. Este flamingo distribui-se pela África tropical, sendo muito raro na Europa. Existem algumas observações em Portugal, mas não se sabe se as aves em causa eram genuinamente selvagens. Site: Fascinados por Aves As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2010 foram homologadas 10 observações em Portugal Continental: Flamingo-pequeno - Phoenicopterus minor
  • 20. •2000, 13-Mai, Vasa-Sacos, estuário do Tejo. •2001, 21-Jan, Samouco, estuário do Tejo. •2005, 15-Jun, Murraceira, estuário do Mondego. •2005, 2 a 13-Dez, Samouco, estuário do Tejo. •2007, 23 a 27-Mar, lagoa dos Salgados, adulto. •2007, 3-Jun a 28-Ago, Castro Marim, adulto. •2008, 16-Fev, salinas de Castro Marim, adulto. •2009, 23-Fev, salinas de Castro Marim, 2 adultos. •2009, 16-Jun, salinas da ribeira das Enguias, 2 inds.. •2010, 24-Jan, salinas da ribeira das Enguias, 1 ind. •Outras observações: 2008, 16-Fev, Castro Marim. •2009, 23-Fev, Castro Marim, 2 adultos. •2011, 25-Nov, Ponta da Erva, 1 ad.. •2011, 14-Dez, Ponta da Erva, 1 ind. •2012, 28-Abr, Ponta da Erva, 1 ind.. •2012, 18-Mai, Ponta da Erva, 1 ind. •2012, 3 e 4-Nov, Vasa-sacos-Benavente, 1 ind.. •2012, 29-Dez, Ponta da Erva, 1 ind. •2013, 7-Set, Cerro do Bufo-Castro Marim. Site: Portugal torrão natal
  • 21. Site: Portugal torrão natal Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Phoenicopteridae Género Phoenicopterus Espécie P. minor Nome Científico Phoenicopterus minor ( Geoffrou Saint- Hilaire, 1798) Flamingo-pequeno Phoenicopterus minor
  • 22. Garça-dos-recifes Egretta gularis Tamanho semelhante a uma garça- branca-pequena. Na fase escura (a mais fácil de identificar), distingue- se pela plumagem escura, quase negra, pelo queixo branco, pelo bico ligeiramente mais longo e pelas tonalidades amareladas no bico e nos tarsos.
  • 23. Garça-dos-recifes Egretta gularis • As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. • Até final de 2005 foram homologadas 5 observações em Portugal Continental: 1995, 18-Mai, reserva de Castro Marim, A Severo, A Resende, M Armelin (Pardela 5) • 2000, 13-Mai, Carrapateira, R Tipper (Anuário 1) • 2003, 4 a 9-Fev, paul do Boquilobo, A. Palavra e outros (Anuário 5) • 2004, 8 e 19-Ago, estuário do Tejo, subespécie nominal, CC Moore, C Noivo, A Tavares (Anuário 4) • 2005, 11-Set, Vasa-sacos, estuário do Tejo, fase escura, CCMoore (Anuário 5) •Outras observações: 2008, 10-Mar, praia das 4 águas, Tavira, por A. Tomás •2008, 28-Set, estuário do Tejo (moinho maré Montijo), por P. Fernandes e C. D. Santos
  • 24. • Garça-dos-recifes Egretta gularis Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Ardeidae Género Egretta Espécie E. gularis Nome Científico Egretta gularis ( Bosc, 1792)
  • 25. Penatos Ambientalistas Águia-pomarina Aquila pomarina É uma águia de tamanho médio, com cerca de 60–65 cm de comprimento e uma envergadura de asas de 150 cm. A sua cabeça e as coberturas das asas são castanhas claras contrastando com a restante plumagem escura. A cabeça e o bico são relativamente pequenos para uma águia. O bico é amarelo com extremidade preta. Patas amarelas. Exibe normalmente uma mancha branca nas grandes coberturas primárias e o uropígio branco, formando um U ou "ferradura" na base da cauda, mais evidente nos juvenis.. A sua vocalização consiste em latidos agudos, como de um pequeno cão.
  • 26. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiforme s Família Accipitridae Género Aquila Espécie A. pomarina Nome Científico Aquila pomarina ( Brehm, 1831) •As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades Até final de 2009 não existem observações homologadas, contudo conhecem-se diversas observações atribuídas a esta espécie: 2009, 3 a 5-Out, Sagres e zonas adjacentes, diversos observadores (Not. Orni. 403- 404) •2011, 25-Set, Sagres, 1 Ind., por P. Fernandes e C. Vilhena •2012, 13-Nov, Barão de São João-Vila do Bispo, 1 ind., por Equipa da Strix •2013, 28-Out, Sagres, 1 imaturo, por equipa da Strix
  • 27. Borrelho-mongol Charadrius mongolus A plumagem de Verão, com tons alaranjados, permite distingui-lo facilmente dos outros borrelhos europeus •As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2005 foi homologada uma única observação em Portugal: 2003, 12 a 15-Ago, estuário do Sado, plumagem de Verão, J Ministro e outros (Anuário 3)
  • 28. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Charadriidae Género Charadrius Espécie C. mongolus Nome Científico Charadrius mongolus( Pallas, 1776) Borrelho-mongol Charadrius mongolus
  • 30. Corredor Cursorius cursor O corredor é uma ave limícola da família das perdizes-do-mar. Tem um tamanho intermédio entre os borrelhos e as tarambolas. Distingue-se pela plumagem de cor creme e pela lista supraciliar branca e preta. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Glareolidae Género Cursorius Espécie C. cursor Nome Científico Cursorius cursor (Latham, 1787)
  • 31. As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •Até final de 2004 foram homologadas 6 observações: 1987, 6-Mai, Carrapateira, R Gohier (Airo 4-1) •1993, 19-Mar, praia do Guincho, G Martins, N Farinha (Airo 6-1,2) •1996, 9-Jun, Luz, Lagos, PA McLean (Pardela 8) •1997, 7 e 25-Ago, Castro Verde, R Tomé, C Santos, C Martins, A Delgado, R Morgado (Pardela 11) •1998, 11-Mar, lagoa de Santo André, T Catry, I Catry, M Ferreira (Pardela 11) •2001, 21 e 22-Abr, Ludo, CC Moore, A Smith, S Wates, M Mendes, J Pereira (Anuário 1) •Outras observações: 2013, 8-Mar, ria de Alvor, 1 adulto, 8-Mar, por E. Mackrill •2013, 11-Mai, praia do Guincho, 1 ind., por J. Correia Foto: J.M. Baena. Publicada por dosantos
  • 32. Tarambola-dourada- pequena Pluvialis dominica É parecida com a tarambola-dourada, distinguindo-se principalmente pela contra-asa cinzenta e não branca. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Charadriidae Género Pluvialis Espécie P. dominica Nome Científico Pluvialis dominica ( Statius Muller, 1776)
  • 33. Tarambola-dourada- siberiana Pluvialis fulva Identificação Um pouco mais pequena que a tarambola- dourada, à qual se assemelha. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Charadriidae Género Pluvialis Espécie P. fulva Nome Científico Pluvialis fulva ( Gmelin, 1789 )
  • 34. •Até final de 2007 foram homologadas duas observações em Portugal Continental: 2005, 12 a 17-Ago, estuário do Tejo, CC Moore, C Noivo, P Faria (Anuário 5) •2007, 22-Jul, lagoa dos Salgados, G. Schreier, R. Eufrásia (Anuário 6) Photo: (c) Caleb Slemmons, some rights reserved (CC BY-NC) Carla Kishinami, some rights reserved (CC BY-NC-ND) As observações desta espécie encontram- se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades
  • 35. Embora os registos históricos apenas refiram aves, abatidas, a norte do Tejo, os únicos registos homologados pelo Comité Português de Raridades sugerem o contrário. •Até final de 2005 foram homologadas três observações em Portugal Continental: 1997, 23-Fev, Herdade dos Fartos, perto de São Cristóvão, Montemor-o- Novo, C Pereira (Anuário 1) •2003, 1-Dez, Herdade do Lombo do Touro, Vila Franca de Xira, abatido, C Pereira (Anuário 3) •2004, 16-Out, Bate-Orelha, estuário do Tejo, CC Moore (Anuário 4) Identificação Ligeiramente maior que a narceja-comum, à qual se assemelha. Levanta habitualmente próximo do intruso. O voo, habitualmente silencioso, é mais pesado e direto que na narceja-comum. As aves pousadas fazem-se notar pelo evidente "gigantismo", por terem um bico mais curto e forte (só possível de observar quando as duas espécies se encontram lado a lado), assim como pelo prolongamento do barrado castanho no ventre, sendo a parte interior das asas mais escura. Narceja-real - Gallinago media As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades.
  • 36. Publicada por Monstro do lago ness photo ©Langham Birder Narceja-real - Gallinago mediaClassificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Gallinago Espécie G. media Nome Científico Gallinago media ( Latham , 1787 )
  • 37. Maçarico-escolopáceo-americano - Limnodromus scolopaceus É um pouco maior que uma narceja e destaca-se pelo seu bico muito comprido. photo ©PhotoGuy1951 Wikipédia, a enciclopédia livre. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Limnodromus Espécie L. scolopaceus Nome Científico Limnodromus scolopaceus ( Sal, 1823 )
  • 38. Credit: Bowman, Tim - U.S. Fish and Wildlife Service Maçarico-escolopáceo-americano - Limnodromus scolopaceus
  • 39. Maçarico-do-campo Bartramia longicauda Identificação Do tamanho de um perna-vermelha-comum, distingue-se pelas patas amarelas, pelo bico curto, pela cauda comprida e pela ausência de qualquer mancha branca na asa. As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •Até final de 2010 foram homologadas duas observações em Portugal Continental: 1999, 22 e 23-Set, Ludo, juvenil, J Ministo, M Mendes (Anuário 1) •2010, 29-Set a 2-Out, Santa Luzia, Tavira , 1 juv., N. Jackson e outros (Anuário 8) • Observações recentes: 2011, 13-Set, Sintra, 1 ind. ouvido em migração, por M. Robb • Adicionalmente, conhece-se um registo antigo: 1932, 12-Fev, Leça da Palmeira, Matosinhos (Reis Junior) Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Bartramia Espécie B. longicauda Nome Científico Bartramia longicauda ( Bechstein, 1812 )
  • 40. O Maçarico-do-campo Bartramia longicauda é originário da América do Norte, ocorrendo acidentalmente na Europa. Maçarico-do-campo Bartramia longicauda observado em Santa Luzia, Tvira - Foto de P. Dedicoat
  • 41. Perna-amarela-grande Tringa melanoleuca Identificação Ligeiramente maior que o perna-amarela-pequeno , distinguindo-se sobretudo pelo bico recurvado para cima e não tanto pelo tamanho. As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •Até final de 2005 foram homologadas duas observações em Portugal Continental: 1995, 13-Out, Salinas da Comporta, estuário do Sado, R Rufino (Pardela 5) •2001, 6 a 11-Fev, Gâmbia, estuário do Sado, pl. Inv., M Armelin, V Encarnação, CC Moore (Anuário 1) Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Tringa Espécie T. melanoleuca Nome Científico Tringa melanoleuca ( Gmelin, 1789 )
  • 43. Perna-amarela-pequeno Tringa flavipes Identificação Dimensões semelhantes às de um perna- vermelha-comum, distinguindo-se desta espécie pelas patas amarelas e pela ausência de barra branca nas secundárias. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Tringa Espécie T. flavipes Nome Científico Tringa flavipes ( Gmelin, 1789 ) As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2010 foram homologadas 18 observações em Portugal Continental:
  • 46. Maçarico-solitário Tringa solitaria Identificação Muito parecido com o maçarico-bique- bique, distinguindo-se desta espécie devido à ausência de uropígio branco. A cauda é escura no centro, sendo barrada nas penas exteriores. A parte inferior da asa é escura. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Tringa Espécie T. solitaria Nome Científico Tringa solitaria (Wilson, 1813 )
  • 47. As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •Até final de 2005 foi homologada apenas uma observação em Portugal Continental: 1989, 26-Jun, ria de Alvor, P Callaway (Airo 5-1)
  • 48. Maçarico-maculado Actitis macularius Identificação Este maçarico é muito semelhante ao maçarico- das-rochas, distinguindo-se desta última espécie pelas patas amareladas, pela cauda relativamente mais curta e pela barra alar branca mais curta e restrita à parte interior da asa.
  • 49. •As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2010 foram homologadas duas observações em Portugal Continental: 1995, 4-Jan a 28-Fev, Herdade do Pinheiro, estuário do Sado, CC Moore (Pardela 5) •2010, 15-Set, Vilamoura, 1 juv., I. Ellison (Anuário 8) • Outras observações: 2008, 12-Set, lagoa de Óbidos, por J. L. Santos e F. L. Santos •2010, 25-Set, ribeira das Enguias, por P. Fernandes •2012, 15-Set, lagoa de Albufeira, 1 juvenil, por J. L. Santos Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Actitis Espécie A. macularius Nome Científico Actitis macularius ( Linnaeu, 1766 ) Maçarico-maculado Actitis macularius
  • 50. Pilrito-semipalmado Calidris pusilla Identificação Pequeno pilrito de patas pretas, muito semelhante ao pilrito-pequeno. Distingue-se desta última espécie pela existência de pequenas palmações entre os dedos, contudo esta característica só é visível com a ave na mão ou a muito pequena distância. Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Calidris Espécie C.pusilla Nome Científico Calidris pusilla ( Linnaeu, 1766 )
  • 51. O 2º "americano" da nova temporada" Calidris pusilla - Pilrito semipalmado Ilha de S. Miguel/Açores 05/09/2013 •As observações desta espécie encontram- se sujeitas a homologaçã o pelo Comité Português de Raridades.
  • 52. Pilrito-de-uropigio-branco Calidris fuscicollis Identificação Pilrito de dimensão intermédia, ligeiramente menor que o pilrito- comum, que se identifica facilmente em voo pelo uropígio totalmente branco. Quando está pousado é visível a lista supraciliar branca As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •Até final de 2009 foram homologadas 3 observações deste pilrito em Portugal Continental: Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Calidris Espécie C. fuscicollis Nome Científico Calidris fuscicollis ( Vieillot,1819 )
  • 53. Pilrito-de-uropígio-branco Calidris fuscicollis fotografado no Martinhal - 22-Nov-2009 - foto de P. Dedicoat
  • 55. Identificação Assemelha-se ao pilrito-de- colete, distinguindo-se pelo padrão menos distinto no peito e pela lista supraciliar mais branca. As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. •Até final de 2007 foi homologada uma observação em Portugal Continental: 2007, 21-Mar, ria de Aveiro, adulto em muda, P Hottola (Anuário 6) Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Calidris Espécie C. acuminata Nome Científico Calidris acuminata ( Horsfield,1821 ) Pilrito-acuminado - Calidris acuminata
  • 56. Pilrito-de-bico-grosso Limicola falcinellus Identificação Um pouco mais pequeno que o pilrito-comum, com o qual se confunde facilmente. Distingue-se sobretudo pelo seu modo de alimentação mais lento, pelas patas um pouco mais curtas e pelo padrão diferente na cabeça, destacando-se a lista supraciliar branca e as riscas na coroa. •As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2009 foram homologadas duas observações em Portugal: 1997, 25-Abr, Ria Formosa, 1 em plum. de Verão, A Booth e outros (Pardela 11) •2009, 23-Fev, Faralhão, estuário do Sado, J. Viana (Anuário 7) • Outras observações: 2012, 24-Jul, Castro Marim, Cerro do Bufo, 1 adulto, por J. Jara •2012, 15-Out, lagoa de Óbidos, 1 ind., 15-Out, por H. Cardoso •
  • 57. Pilrito-de-bico-grosso Limicola falcinellus Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Limicola Espécie L.falcinellus Nome Científico Limicola falcinellus ( Pontoppidan,1763 )
  • 59. Pilrito-canela Tryngites subruficollis Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Tryngites Espécie T.subruficollis Nome Científico Tryngites subruficollis ( Vieillot,1819)
  • 60. Identificação Um pouco mais pequeno que o combatente, distinguindo-se desta espécie pela ausência de branco nas asas e no uropígio.  As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2009 foram homologadas 9 observações em Portugal Continental: Pilrito-canela Tryngites subruficollis
  • 61. Falaropo de Wilson Phalaropus tricolor Classificação Científica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Ciconiiformes Família Scolopacidae Género Phalaropus Espécie P.tricolor Nome Científico Phalaropus tricolor ( Vieillot,1819) Identificação Um pouco maior que o falaropo-de-bico- fino, distinguindo-se principalmente pelo pescoço mais longo, pelo bico mais longo e fino e pelas patas mais longas. Contrariamente aos outros falaropos, é visto frequentemente fora de água.
  • 62. As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades. Até final de 2010 foram homologadas 5 observações em Portugal Continental.