SlideShare uma empresa Scribd logo
Avaliação parcial de Biologia II - 27 de agosto de 2012

Conteúdo:

       Reino Fungi
       Reino Plantae



                                          Reino Fungi

Durante muito tempo os fungos foram considerados plantas, mas atualmente sabe-se que eles
são tão diferentes das plantas como dos animais, merecendo, por isso, o seu próprio reino –
 Reino Fungi.

Motivos marcantes pelo qual os fungos foram expulsos do reino vegetal:

     Estrutura: Assim como as células vegetais, as dos fungos também são envolvidas por
      uma parede celular, porém a parede destes é composta por quitina e não por celulose.
     Os vegetais são autótrofos, os fungos são heterótrofos (precisam da matéria orgânica
      que pode ser obtida por parasitismo, mutualismo como os liquens, decomposição -
      saprófagos, entre outras formas).

Os fungos podem ser tanto uni quanto pluricelulares. Se forem uni são chamados de leveduras
e se reproduzem comumente por brotamento. Os pluri formam filamentos chamados hifas.
Essas hifas podem apresentar os núcleos todos em um mesmo compartimento; sem separação
– são as chamadas hifas não septadas ou cenocíticas. Já outros fungos apresentam septos
dentro das hifas – são as chamadas hifas septadas. O corpo de um cogumelo é todo feito de
hifas. Esse conjunto de hifas é chamado de micélio. Os fungos não formam tecidos assim o
corpo de um fungo pluricelular é um corpo micelial. O micélio pode ser chamado reprodutor
(que é responsável pela reprodução) ou vegetativo (que é responsável pela nutrição e fixação).

Fisiologia dos fungos:

     Alimentação: os fungos são heterótrofos por absorção. Como os fungos possuem a
      parede celular de quitina eles não conseguem realizar processos como o de fagocitose,
      assim, para se alimentar, eles secretam enzimas para fora de seu corpo e essas
      enzimas quebram as macromoléculas em micromoléculas e então absorvem as
      micromoléculas.
     Reprodução: Pode acontecer de forma assexuada por brotamento como nas leveduras
      ou por fragmentação. A reprodução pode ocorrer também por meio de esporos (o que
      é mais usual). Estes esporos podem ser produzidos por meio assexuado ou por meio
      sexuado. Assexuados e não meióticos: Zoósporos (aquático), Aplanósporos (terrestre)
      e Conidiósporos (forma conídica). Sexuados e surgem de uma meiose: Ascósporos e
      Basidiósporos. No meio sexuado (ciclo haplodiplobionte) eles são produzidos
      inicialmente pela fusão de hifas (plasmogamia) que formam uma única hifa dicariótica
      por possuir os dois núcleos. Depois é formada uma estrutura denominada corpo de
      frutificação, todo formado por hifas dicarióticas. Na ponta dessas hifas ocorre um
      fenômeno chamado de cariogamia, que é a fusão dos dois núcleos (os núcleos dos dois
      fungos se fundem e formam um núcleo diploide). Esse núcleo sofre uma meiose
gerando quatro núcleos haploides e cada um desses núcleos haploides irá formam um
        esporo. Para esse esporo germinar ele deve cair em um terreno rico em água e
        matéria orgânica.




Os fungos geralmente habitam em locais úmidos ou ambientes aquáticos.

A disciplina dentro da biologia que estuda os fungos é a micologia.

Os fungos possuem reservas de glicogênio.

Os fungos desempenham um papel essencial na decomposição da matéria orgânica e têm
papéis fundamentais nas trocas e ciclos de nutrientes. São desde há muito tempo utilizados
como uma fonte direta de alimentação, como no caso dos cogumelos e trufas, como agentes
levedantes no pão, e na fermentação de vários produtos alimentares, como o vinho, a cerveja,
e o molho de soja. Desde a década de 1940, os fungos são usados na produção de antibióticos,
e, mais recentemente, várias enzimas produzidas por fungos são usadas industrialmente e em
detergentes. São também usados como agentes biológicos no controlo de ervas daninhas e
pragas agrícolas.

O reino dos fungos abrange uma enorme diversidade de táxons, com ecologias, estratégias
de ciclos de vida e morfologias variadas, que vão desde os quitrídios aquáticos unicelulares aos
grandes cogumelos.

A classificação dos fungos é feita principalmente á base das estruturas reprodutoras, que são
as mais diferenciadas do seu ciclo de vida, e no tipo de hifas.

Deste modo, têm-se os seguintes filos:

Filo Oomycota: Contendo cerca de 580 espécies, inclui os chamados fungos aquáticos, na sua
maioria saprófitos. Estes fungos são filamentosos, com hifas multinucleadas. Apresentam
celulose na parede celular, não quitina, ao contrário do que seria de esperar. A reprodução
destes fungos difere bastante da dos restantes grupos. Produzem esporos assexuados
biflagelados, que os verdadeiros fungos nunca produzem. A reprodução sexuada inclui a
produção de oogónios com oosferas e anterídeos com núcleos masculinos. Da fecundação
resulta o oósporo, um esporo de parede resistente, que dá nome ao táxon.

Filo Zygomycota: Com 765 espécies conhecidas, são fungos terrestres, a maioria saprófita ou
parasita. Apresentam parede celular com quitina e hifas cenocíticas. A reprodução sexuada
origina zigosporos no interior de um zigosporângio, de estrutura muito semelhante a um
esporângioforo. Pertence a este filo o bolor negro do pão ou da fruta, uma séria ameaça a
qualquer material armazenado úmido e rico em glicídos.

Filo Ascomycota: Apresentam hifas septadas dicarióticas ou parcialmente septadas. Parede
celular com quitina. Produzem assexuadamente conídios ou exósporos em conidióforos. A
designação do filo deriva da estrutura produtora dos esporos sexuados, o ascocarpo, em forma
de saco. Pertencem a este filo as leveduras, os únicos fungos deste grupo não filamentosos;

Filo Basidiomycota: Muito importantes na decomposição de substratos vegetais, atingem 2/3
da biomassa não animal dos solos. São fungos filamentosos, com hifas septadas perfuradas e
dicarióticas e com parede quitinosa. A estrutura produtora de esporos sexuados, o
basidiocarpo, é vulgarmente conhecida por cogumelo. Este resulta da fusão de dois micélios
diferentes e irá produzir basídios, células em forma de clava e separadas do restante micélio
por septos. Deles, formam-se os basidiósporos, grupos de 4 e presos por pequenos
pedúnculos;

Filo Deuteromycota: Este filo inclui todos os fungos em que não seja conhecida, ou esta seja
ignorada para motivos taxonômicos, a reprodução sexuada, como por exemplo, os fungos
pertencentes ao gênero Penicillium. Este gênero é um dos casos em que a fase sexuada é
conhecida, mas não é considerada na sua classificação devido a sua elevada semelhança com
outros organismos deste filo. Por este motivo este filo também é designado por Fungi
Imperfecti ou fungos imperfeitos.

Doenças causadas por fungos: As micoses que aparecem comumente nos homens são doenças
provocadas por fungos. As mais comuns ocorrem na pele, podendo-se manifestar em qualquer
parte da superfície do corpo. São comuns as micoses do couro cabeludo e da barba (ptiríase),
das unhas e as que causam as frieiras (pé-de-atleta). As micoses podem afetar também as
mucosas como a da boca. É o caso do sapinho, muito comum em crianças. Essa doença se
manifesta por múltiplos pontos brancos na mucosa. Existem, também, fungos que parasitam o
interior do organismo, como é o caso do fungo causador da histoplasmose, doença grave que
ataca os pulmões.

                                        Reino Plantae

As plantas são seres pluricelulares e eucariontes. Nesses aspectos elas são semelhantes aos
animais e a muitos tipos de fungos; entretanto, têm uma característica que as distingue desses
seres - são autotróficas (produzem o próprio alimento pelo processo da fotossíntese).

Utilizando a luz, ou seja, a energia luminosa, as plantas produzem a glicose, matéria orgânica
formada a partir da água e do gás carbônico que obtêm do alimento, e liberam o gás oxigênio.
As plantas, juntamente com outros seres fotossintetizantes, são produtoras de matéria
orgânica que nutre a maioria dos seres vivos da Terra, atuando na base das cadeias
alimentares. Ao fornecer o gás oxigênio ao ambiente, as plantas também contribuem para a
manutenção da vida dos seres que, assim como elas próprias, utilizam esse gás na respiração.

Fotossíntese – é um processo físico-químico realizado pelos seres vivos clorofilados, em que
eles utilizam dióxido de carbono e água, para obter glicose através da energia da luz.

Etapas da fotossíntese:

     Fase clara ou fotoquímica – acontece na presença da luz.
      Quebra da molécula de água (realizada nos tilacóides) e consumo do CO2
     Fase escura (ocorre no estroma) – só ocorrem reações químicas sem a presença de luz
      – acontece durante o dia e a noite
      Produção de oxigênio / produção de energia da célula
      Consumo dos produtos metabolizados na 1ª etapa e formação da energia para a
      planta resultando na formação da molécula de água e na liberação do oxigênio.

ATP – energia da planta – é gerado pela quebra da glicose

FÓRMULA DA FOTOSSÍNTESE:

                                           LUZ
                          CO2 + H2O                    C6H12O6 + H2O + O2
                                        CLOROPLASTOS



Segundo a hipótese mais aceita, elas evoluíram a partir de ancestrais protistas. Provavelmente,
esses ancestrais seriam tipos de algas pertencentes ao grupo dos protistas que se
desenvolveram na água. Foram observadas semelhanças entre alguns tipos de clorofila que
existem tanto nas algas verdes como nas plantas.

A partir dessas e de outras semelhanças, supõe-se que as algas verdes aquáticas são ancestrais
diretas das plantas.

Há cerca de 500 milhões de anos, as plantas iniciaram a ocupação do ambiente terrestre. Este
ambiente oferece às plantas vantagens como: maior facilidade na captação da luz, já que ela
não chega às grandes profundidades da água, e facilidade da troca de gases, devido à maior
concentração de gás carbônico e gás oxigênio na atmosfera. Esses fatores são importantes no
processo da respiração e da fotossíntese.

Mas e quanto a presença da água, tão necessária à vida?

     Ao compararmos o ambiente terrestre com o ambiente aquático, verificamos que no
      terrestre a quantidade de água sob a forma líquida é bem menor e também que a
      maior parte dela está acumulada no interior do solo.

Como, então, as plantas sobrevivem no ambiente terrestre?

     Isso é possível porque elas apresentam adaptações que lhes possibilitam desenvolver
      no ambiente terrestre e ocupá-lo eficientemente. As plantas adaptadas ao ambiente
      terrestre apresentam, por exemplo, estruturas que permitem a absorção de água
presente no solo e outras estruturas que impedem a perda excessiva se água. Veremos
        mais adiante como isso ocorre.

Devemos lembrar que alguns grupos de plantas continuaram sobrevivendo em ambiente
aquático.

Características gerais para a conquista do meio terrestre:

       Independência da água para a reprodução
       Formação de talo – estrutura rígida de sustentação
       Retirada de água e nutrientes do solo por meio de estruturas bem definidas
       Dispersão vegetal por várias formas – adaptação e conquista
       Impermeabilização vegetal – ceras
       Embrião protegido
       Diferentes formas de reprodução

O reino das plantas é constituído de organismos pluricelulares, eucariontes, autótrofos
fotossintetizantes.

É necessário definir outros critérios que possibilitem a classificação das plantas para organizá-
las em grupos menos abrangentes que o reino.

Em geral, os cientistas consideram como critérios importantes:

     A característica da planta ser vascular ou avascular, isto é, a presença ou não de vasos
      condutores de água e sais minerais (seiva bruta) e matéria orgânica (a seiva
      elaborada);
     Ter ou não estruturas reprodutoras (semente, fruto e flor) ou ausência delas.

Componentes do reino Plantae

       Algas Pluricelulares – clorófitas
       Briófitas – musgos e hepáticas
       Pteridófitas – samambaias e avencas
       Gimnospermas – pinheiros e cipestres
       Angiospermas – lírio, milho, amendoim, laranjeira...

Algas Clorófitas – precursoras das plantas terrestres – características da evolução:

       Talo
       Caule
       Tecidos verdadeiros
       Estrutura de reprodução

Briófitas:

       Pequeno porte
       Solos úmidos e sombreados
       Também existem espécies de água doce. São avasculares
       Corpo é dotado de rizóide, caulóide e filóide
       Dependem da água para reprodução
Pteridófitas:

       Locais úmidos e sombreados
       Dependem da água para fecundação
       Raízes, caules e folhas
       São vasculares – vasos condutores
       Estrutura de reprodução visível
       Ex.: samambaias, avencas e cavalinhas

Gminosperma:

       Vegetais intermediários
       Médio e grande porte
       Excelentes tecidos condutores
       Locais de clima frio e temperado
       Raiz, caule e folha, sementes, mas não tem frutos
       Reprodução: estróbilos (cones)
       Semente: proteção, reserva – adaptação à vida terrestre
       Ex.: pinheiros e cipestres.

Angiosperma:

       Vegatais superiores
       Distribuídos em todo o globo
       Raiz, caule, folha, flor, fruto e semente
       Semente protegida pelo fruto:
            1. Monocotiledônea: apenas um cotilédone. Nutrição: endosperma
            2. Dicotiledônea: dois cotilédones, que nutrem o embrião.

Classificação:

     Organização do corpo:
    1. Talófita: não apresentam raiz, caule e folha. Algas e Briófitas*
    2. Cormófitas: apresentam raiz, caule e folhas

     Tecidos condutores:
    1. Xilema: transporta seiva bruta
    2. Floema: transporta seiva elaborada

     Presença de Tecido condutor:
    1. Avasculares: não apresentam tecidos condutores e o transporte é feito célula a célula
    2. Vasculares: apresentam vasos condutores de seiva

     Órgãos Reprodutores:
      1. Criptógamas: não há flores (algas, briófitas e pteridófitas)
      2. Fanerógamas: há flores (angiospermas e gimnospermas)

Reprodução:
 Ciclo haplodiplobionte: Em um mesmo ciclo de vida há alternáncia de uma fase de
  indivíduos diplóides com uma fase de indivíduos haplóides. Fala-se em alternância de
  geração ou metagênese. Nos indivíduos diplóides, em estruturas especializadas,
  algumas células sofrem meiose dando origem a células haplóides que se diferenciam
  em esporos. Estes são liberados da planta e, ao se fixarem em local adequado, darão
  origem a indivíduos haplóides, através de várias divisões mitóticas. Algumas células
  desses indivíduos haplóides diferenciam-se em gametas, células haplóides. Estes
  podem sofrer fecundação, originando um zigoto diplóide que, mitoses sucessivas, dará
  origem a indivíduo diplóide, reiniciando o ciclo. Nesse caso, a meiose é espórica ou
  intermediária. Nesse ciclo de vida, há alternância de uma fase com indivíduos
  diplóides, que formam esporos haplóides através de meiose, com uma fase de
  indivíduos haplóides que produzem gametas por diferenciação celular. Os indivíduos
  diplóides, por produzirem esporos, são denominados esporófitos haplóides, por
  produzirem gametas, são denominados gametófitos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Rita Galrito
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
Leandro De Lima
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
João Bastos
 
Fungos - 7º ano - aula 1
Fungos - 7º ano - aula 1Fungos - 7º ano - aula 1
Fungos - 7º ano - aula 1
André Garrido
 
940 aula fungos
940 aula fungos940 aula fungos
940 aula fungos
Karoteno Onurb Karoteno
 
7º ano cap 8 reino dos fungos
7º ano cap 8  reino dos fungos7º ano cap 8  reino dos fungos
7º ano cap 8 reino dos fungos
ISJ
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Helder Pires
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Marina Soares
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
paula aragao
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
guestaef3f66
 
Biologia fungos
Biologia fungosBiologia fungos
Biologia fungos
Fabio Gabriel
 
Material 7ª semana
Material 7ª semanaMaterial 7ª semana
Material 7ª semana
Gislaine Egidio
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
FungosFungos
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Aula 2 ClassificaçãO Dos Fungos
Aula 2 ClassificaçãO Dos FungosAula 2 ClassificaçãO Dos Fungos
Aula 2 ClassificaçãO Dos Fungos
Igor Machado Moura
 

Mais procurados (19)

Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos - 7º ano - aula 1
Fungos - 7º ano - aula 1Fungos - 7º ano - aula 1
Fungos - 7º ano - aula 1
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
940 aula fungos
940 aula fungos940 aula fungos
940 aula fungos
 
7º ano cap 8 reino dos fungos
7º ano cap 8  reino dos fungos7º ano cap 8  reino dos fungos
7º ano cap 8 reino dos fungos
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Biologia fungos
Biologia fungosBiologia fungos
Biologia fungos
 
Material 7ª semana
Material 7ª semanaMaterial 7ª semana
Material 7ª semana
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Aula 2 ClassificaçãO Dos Fungos
Aula 2 ClassificaçãO Dos FungosAula 2 ClassificaçãO Dos Fungos
Aula 2 ClassificaçãO Dos Fungos
 

Destaque

Bésame mucho de Javier Daulte
Bésame mucho de Javier DaulteBésame mucho de Javier Daulte
Bésame mucho de Javier Daulte
itzhelthiflorez
 
Redes sociales
Redes  socialesRedes  sociales
Redes sociales
alejiithaydanieliitha
 
Jovenes Iv Unidad I
Jovenes Iv Unidad IJovenes Iv Unidad I
Jovenes Iv Unidad I
Jesus Vargas
 
Tesis (spanish)
Tesis (spanish)Tesis (spanish)
Tesis (spanish)
Gabriel Zapata
 
Dn12 u3 a6_dzlm
Dn12 u3 a6_dzlmDn12 u3 a6_dzlm
Dn12 u3 a6_dzlm
ZuLii Lemus
 
Deus Instrui Seus Adoradores
Deus Instrui Seus AdoradoresDeus Instrui Seus Adoradores
Deus Instrui Seus Adoradores
Rogério Nunes
 
Yume no tamashii o espírito do sonho - rafael akira
Yume no tamashii   o espírito do sonho - rafael akiraYume no tamashii   o espírito do sonho - rafael akira
Yume no tamashii o espírito do sonho - rafael akira
rafaelak
 
Contabilidad gerencial y costos
Contabilidad gerencial y costosContabilidad gerencial y costos
Contabilidad gerencial y costosJose Tuesta
 
Formación ciudadana fundamento
Formación ciudadana fundamentoFormación ciudadana fundamento
Formación ciudadana fundamento
Ivan Reiiezz
 
Escola Professora Eglé Cordeiro Machado Pinto
Escola Professora Eglé Cordeiro Machado PintoEscola Professora Eglé Cordeiro Machado Pinto
Escola Professora Eglé Cordeiro Machado Pinto
escolaegle
 
Singleuropeanact
SingleuropeanactSingleuropeanact
Singleuropeanact
Nanor
 
A ViláG HéT CsodáJáNak Egyike
A ViláG HéT CsodáJáNak EgyikeA ViláG HéT CsodáJáNak Egyike
A ViláG HéT CsodáJáNak Egyike
Palik Mária
 
El consumo responsable
El consumo responsableEl consumo responsable
El consumo responsable
Nikray
 
Aprendizaje colaborativo
Aprendizaje colaborativoAprendizaje colaborativo
Aprendizaje colaborativo
Laurarmesto
 
Clase primera semana
Clase primera semanaClase primera semana
Clase primera semanaJose Tuesta
 
Tudo sobreafiliados guiacompleto
Tudo sobreafiliados guiacompletoTudo sobreafiliados guiacompleto
Tudo sobreafiliados guiacompleto
Tibério Santos
 
Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014
Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014
Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014
cmspg
 
Ccpr cnddhh peru107 okis
Ccpr  cnddhh peru107 okisCcpr  cnddhh peru107 okis
Ccpr cnddhh peru107 okis
Julio Rojas Gutierrez
 
C5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.Gopikrishna
C5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.GopikrishnaC5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.Gopikrishna
C5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.Gopikrishna
ocasiconference
 
The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT
The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT
The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT
Chris Dancy
 

Destaque (20)

Bésame mucho de Javier Daulte
Bésame mucho de Javier DaulteBésame mucho de Javier Daulte
Bésame mucho de Javier Daulte
 
Redes sociales
Redes  socialesRedes  sociales
Redes sociales
 
Jovenes Iv Unidad I
Jovenes Iv Unidad IJovenes Iv Unidad I
Jovenes Iv Unidad I
 
Tesis (spanish)
Tesis (spanish)Tesis (spanish)
Tesis (spanish)
 
Dn12 u3 a6_dzlm
Dn12 u3 a6_dzlmDn12 u3 a6_dzlm
Dn12 u3 a6_dzlm
 
Deus Instrui Seus Adoradores
Deus Instrui Seus AdoradoresDeus Instrui Seus Adoradores
Deus Instrui Seus Adoradores
 
Yume no tamashii o espírito do sonho - rafael akira
Yume no tamashii   o espírito do sonho - rafael akiraYume no tamashii   o espírito do sonho - rafael akira
Yume no tamashii o espírito do sonho - rafael akira
 
Contabilidad gerencial y costos
Contabilidad gerencial y costosContabilidad gerencial y costos
Contabilidad gerencial y costos
 
Formación ciudadana fundamento
Formación ciudadana fundamentoFormación ciudadana fundamento
Formación ciudadana fundamento
 
Escola Professora Eglé Cordeiro Machado Pinto
Escola Professora Eglé Cordeiro Machado PintoEscola Professora Eglé Cordeiro Machado Pinto
Escola Professora Eglé Cordeiro Machado Pinto
 
Singleuropeanact
SingleuropeanactSingleuropeanact
Singleuropeanact
 
A ViláG HéT CsodáJáNak Egyike
A ViláG HéT CsodáJáNak EgyikeA ViláG HéT CsodáJáNak Egyike
A ViláG HéT CsodáJáNak Egyike
 
El consumo responsable
El consumo responsableEl consumo responsable
El consumo responsable
 
Aprendizaje colaborativo
Aprendizaje colaborativoAprendizaje colaborativo
Aprendizaje colaborativo
 
Clase primera semana
Clase primera semanaClase primera semana
Clase primera semana
 
Tudo sobreafiliados guiacompleto
Tudo sobreafiliados guiacompletoTudo sobreafiliados guiacompleto
Tudo sobreafiliados guiacompleto
 
Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014
Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014
Relatório de Atividades do CMS de 12/09/14 a 26/09/2014
 
Ccpr cnddhh peru107 okis
Ccpr  cnddhh peru107 okisCcpr  cnddhh peru107 okis
Ccpr cnddhh peru107 okis
 
C5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.Gopikrishna
C5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.GopikrishnaC5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.Gopikrishna
C5 Hidden Homelessness in Newcomer Communities_S.Gopikrishna
 
The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT
The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT
The Power of Social - Revolutions, Disasters and Tomorrows IT
 

Semelhante a Avaliação parcial de Biologia II

Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
Isabella Silva
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Lorena Siqueira
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
Markelly Marques
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Ikaro Slipk
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Fungos resumão principais características
Fungos resumão principais característicasFungos resumão principais características
Fungos resumão principais características
Alberto Fruck
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Matheus Felipe
 
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Albano Novaes
 
Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
Jose Luis Lopez Carrillo
 
Fungos
FungosFungos
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
AdemirSantos70
 
Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia
jtvedy
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos
Pelo Siro
 
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
Plínio Gonçalves
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
Pelo Siro
 

Semelhante a Avaliação parcial de Biologia II (20)

Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Fungos resumão principais características
Fungos resumão principais característicasFungos resumão principais características
Fungos resumão principais características
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
 
Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
 
Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia Algas verdes trabalho de biologia
Algas verdes trabalho de biologia
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos
 
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
 

Mais de Isabella Silva

Hist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_micaHist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_mica
Isabella Silva
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
Isabella Silva
 
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestreLista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Isabella Silva
 
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Isabella Silva
 
Efeito doppler sv
Efeito doppler svEfeito doppler sv
Efeito doppler sv
Isabella Silva
 
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_svMovimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Isabella Silva
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
InglêsInglês
Impressionismo pré pas
Impressionismo pré  pasImpressionismo pré  pas
Impressionismo pré pas
Isabella Silva
 
Impressionismo 01
Impressionismo   01Impressionismo   01
Impressionismo 01
Isabella Silva
 
Fotografia atualizada
Fotografia atualizadaFotografia atualizada
Fotografia atualizada
Isabella Silva
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Isabella Silva
 
Revisão de visuais
Revisão de visuaisRevisão de visuais
Revisão de visuais
Isabella Silva
 
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestreRevisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Isabella Silva
 
Digitalizar0012
Digitalizar0012Digitalizar0012
Digitalizar0012
Isabella Silva
 
Adverbios
AdverbiosAdverbios
Adverbios
Isabella Silva
 
Revisão coordenadas
Revisão coordenadasRevisão coordenadas
Revisão coordenadas
Isabella Silva
 
Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
Isabella Silva
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
Isabella Silva
 
Parcial biologia
Parcial   biologiaParcial   biologia
Parcial biologia
Isabella Silva
 

Mais de Isabella Silva (20)

Hist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_micaHist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_mica
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
 
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestreLista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
 
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
 
Efeito doppler sv
Efeito doppler svEfeito doppler sv
Efeito doppler sv
 
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_svMovimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
 
Impressionismo pré pas
Impressionismo pré  pasImpressionismo pré  pas
Impressionismo pré pas
 
Impressionismo 01
Impressionismo   01Impressionismo   01
Impressionismo 01
 
Fotografia atualizada
Fotografia atualizadaFotografia atualizada
Fotografia atualizada
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Revisão de visuais
Revisão de visuaisRevisão de visuais
Revisão de visuais
 
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestreRevisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
 
Digitalizar0012
Digitalizar0012Digitalizar0012
Digitalizar0012
 
Adverbios
AdverbiosAdverbios
Adverbios
 
Revisão coordenadas
Revisão coordenadasRevisão coordenadas
Revisão coordenadas
 
Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Parcial biologia
Parcial   biologiaParcial   biologia
Parcial biologia
 

Avaliação parcial de Biologia II

  • 1. Avaliação parcial de Biologia II - 27 de agosto de 2012 Conteúdo:  Reino Fungi  Reino Plantae Reino Fungi Durante muito tempo os fungos foram considerados plantas, mas atualmente sabe-se que eles são tão diferentes das plantas como dos animais, merecendo, por isso, o seu próprio reino – Reino Fungi. Motivos marcantes pelo qual os fungos foram expulsos do reino vegetal:  Estrutura: Assim como as células vegetais, as dos fungos também são envolvidas por uma parede celular, porém a parede destes é composta por quitina e não por celulose.  Os vegetais são autótrofos, os fungos são heterótrofos (precisam da matéria orgânica que pode ser obtida por parasitismo, mutualismo como os liquens, decomposição - saprófagos, entre outras formas). Os fungos podem ser tanto uni quanto pluricelulares. Se forem uni são chamados de leveduras e se reproduzem comumente por brotamento. Os pluri formam filamentos chamados hifas. Essas hifas podem apresentar os núcleos todos em um mesmo compartimento; sem separação – são as chamadas hifas não septadas ou cenocíticas. Já outros fungos apresentam septos dentro das hifas – são as chamadas hifas septadas. O corpo de um cogumelo é todo feito de hifas. Esse conjunto de hifas é chamado de micélio. Os fungos não formam tecidos assim o corpo de um fungo pluricelular é um corpo micelial. O micélio pode ser chamado reprodutor (que é responsável pela reprodução) ou vegetativo (que é responsável pela nutrição e fixação). Fisiologia dos fungos:  Alimentação: os fungos são heterótrofos por absorção. Como os fungos possuem a parede celular de quitina eles não conseguem realizar processos como o de fagocitose, assim, para se alimentar, eles secretam enzimas para fora de seu corpo e essas enzimas quebram as macromoléculas em micromoléculas e então absorvem as micromoléculas.  Reprodução: Pode acontecer de forma assexuada por brotamento como nas leveduras ou por fragmentação. A reprodução pode ocorrer também por meio de esporos (o que é mais usual). Estes esporos podem ser produzidos por meio assexuado ou por meio sexuado. Assexuados e não meióticos: Zoósporos (aquático), Aplanósporos (terrestre) e Conidiósporos (forma conídica). Sexuados e surgem de uma meiose: Ascósporos e Basidiósporos. No meio sexuado (ciclo haplodiplobionte) eles são produzidos inicialmente pela fusão de hifas (plasmogamia) que formam uma única hifa dicariótica por possuir os dois núcleos. Depois é formada uma estrutura denominada corpo de frutificação, todo formado por hifas dicarióticas. Na ponta dessas hifas ocorre um fenômeno chamado de cariogamia, que é a fusão dos dois núcleos (os núcleos dos dois fungos se fundem e formam um núcleo diploide). Esse núcleo sofre uma meiose
  • 2. gerando quatro núcleos haploides e cada um desses núcleos haploides irá formam um esporo. Para esse esporo germinar ele deve cair em um terreno rico em água e matéria orgânica. Os fungos geralmente habitam em locais úmidos ou ambientes aquáticos. A disciplina dentro da biologia que estuda os fungos é a micologia. Os fungos possuem reservas de glicogênio. Os fungos desempenham um papel essencial na decomposição da matéria orgânica e têm papéis fundamentais nas trocas e ciclos de nutrientes. São desde há muito tempo utilizados como uma fonte direta de alimentação, como no caso dos cogumelos e trufas, como agentes levedantes no pão, e na fermentação de vários produtos alimentares, como o vinho, a cerveja, e o molho de soja. Desde a década de 1940, os fungos são usados na produção de antibióticos, e, mais recentemente, várias enzimas produzidas por fungos são usadas industrialmente e em detergentes. São também usados como agentes biológicos no controlo de ervas daninhas e pragas agrícolas. O reino dos fungos abrange uma enorme diversidade de táxons, com ecologias, estratégias de ciclos de vida e morfologias variadas, que vão desde os quitrídios aquáticos unicelulares aos grandes cogumelos. A classificação dos fungos é feita principalmente á base das estruturas reprodutoras, que são as mais diferenciadas do seu ciclo de vida, e no tipo de hifas. Deste modo, têm-se os seguintes filos: Filo Oomycota: Contendo cerca de 580 espécies, inclui os chamados fungos aquáticos, na sua maioria saprófitos. Estes fungos são filamentosos, com hifas multinucleadas. Apresentam celulose na parede celular, não quitina, ao contrário do que seria de esperar. A reprodução destes fungos difere bastante da dos restantes grupos. Produzem esporos assexuados
  • 3. biflagelados, que os verdadeiros fungos nunca produzem. A reprodução sexuada inclui a produção de oogónios com oosferas e anterídeos com núcleos masculinos. Da fecundação resulta o oósporo, um esporo de parede resistente, que dá nome ao táxon. Filo Zygomycota: Com 765 espécies conhecidas, são fungos terrestres, a maioria saprófita ou parasita. Apresentam parede celular com quitina e hifas cenocíticas. A reprodução sexuada origina zigosporos no interior de um zigosporângio, de estrutura muito semelhante a um esporângioforo. Pertence a este filo o bolor negro do pão ou da fruta, uma séria ameaça a qualquer material armazenado úmido e rico em glicídos. Filo Ascomycota: Apresentam hifas septadas dicarióticas ou parcialmente septadas. Parede celular com quitina. Produzem assexuadamente conídios ou exósporos em conidióforos. A designação do filo deriva da estrutura produtora dos esporos sexuados, o ascocarpo, em forma de saco. Pertencem a este filo as leveduras, os únicos fungos deste grupo não filamentosos; Filo Basidiomycota: Muito importantes na decomposição de substratos vegetais, atingem 2/3 da biomassa não animal dos solos. São fungos filamentosos, com hifas septadas perfuradas e dicarióticas e com parede quitinosa. A estrutura produtora de esporos sexuados, o basidiocarpo, é vulgarmente conhecida por cogumelo. Este resulta da fusão de dois micélios diferentes e irá produzir basídios, células em forma de clava e separadas do restante micélio por septos. Deles, formam-se os basidiósporos, grupos de 4 e presos por pequenos pedúnculos; Filo Deuteromycota: Este filo inclui todos os fungos em que não seja conhecida, ou esta seja ignorada para motivos taxonômicos, a reprodução sexuada, como por exemplo, os fungos pertencentes ao gênero Penicillium. Este gênero é um dos casos em que a fase sexuada é conhecida, mas não é considerada na sua classificação devido a sua elevada semelhança com outros organismos deste filo. Por este motivo este filo também é designado por Fungi Imperfecti ou fungos imperfeitos. Doenças causadas por fungos: As micoses que aparecem comumente nos homens são doenças provocadas por fungos. As mais comuns ocorrem na pele, podendo-se manifestar em qualquer parte da superfície do corpo. São comuns as micoses do couro cabeludo e da barba (ptiríase), das unhas e as que causam as frieiras (pé-de-atleta). As micoses podem afetar também as mucosas como a da boca. É o caso do sapinho, muito comum em crianças. Essa doença se manifesta por múltiplos pontos brancos na mucosa. Existem, também, fungos que parasitam o interior do organismo, como é o caso do fungo causador da histoplasmose, doença grave que ataca os pulmões. Reino Plantae As plantas são seres pluricelulares e eucariontes. Nesses aspectos elas são semelhantes aos animais e a muitos tipos de fungos; entretanto, têm uma característica que as distingue desses seres - são autotróficas (produzem o próprio alimento pelo processo da fotossíntese). Utilizando a luz, ou seja, a energia luminosa, as plantas produzem a glicose, matéria orgânica formada a partir da água e do gás carbônico que obtêm do alimento, e liberam o gás oxigênio.
  • 4. As plantas, juntamente com outros seres fotossintetizantes, são produtoras de matéria orgânica que nutre a maioria dos seres vivos da Terra, atuando na base das cadeias alimentares. Ao fornecer o gás oxigênio ao ambiente, as plantas também contribuem para a manutenção da vida dos seres que, assim como elas próprias, utilizam esse gás na respiração. Fotossíntese – é um processo físico-químico realizado pelos seres vivos clorofilados, em que eles utilizam dióxido de carbono e água, para obter glicose através da energia da luz. Etapas da fotossíntese:  Fase clara ou fotoquímica – acontece na presença da luz. Quebra da molécula de água (realizada nos tilacóides) e consumo do CO2  Fase escura (ocorre no estroma) – só ocorrem reações químicas sem a presença de luz – acontece durante o dia e a noite Produção de oxigênio / produção de energia da célula Consumo dos produtos metabolizados na 1ª etapa e formação da energia para a planta resultando na formação da molécula de água e na liberação do oxigênio. ATP – energia da planta – é gerado pela quebra da glicose FÓRMULA DA FOTOSSÍNTESE: LUZ CO2 + H2O C6H12O6 + H2O + O2 CLOROPLASTOS Segundo a hipótese mais aceita, elas evoluíram a partir de ancestrais protistas. Provavelmente, esses ancestrais seriam tipos de algas pertencentes ao grupo dos protistas que se desenvolveram na água. Foram observadas semelhanças entre alguns tipos de clorofila que existem tanto nas algas verdes como nas plantas. A partir dessas e de outras semelhanças, supõe-se que as algas verdes aquáticas são ancestrais diretas das plantas. Há cerca de 500 milhões de anos, as plantas iniciaram a ocupação do ambiente terrestre. Este ambiente oferece às plantas vantagens como: maior facilidade na captação da luz, já que ela não chega às grandes profundidades da água, e facilidade da troca de gases, devido à maior concentração de gás carbônico e gás oxigênio na atmosfera. Esses fatores são importantes no processo da respiração e da fotossíntese. Mas e quanto a presença da água, tão necessária à vida?  Ao compararmos o ambiente terrestre com o ambiente aquático, verificamos que no terrestre a quantidade de água sob a forma líquida é bem menor e também que a maior parte dela está acumulada no interior do solo. Como, então, as plantas sobrevivem no ambiente terrestre?  Isso é possível porque elas apresentam adaptações que lhes possibilitam desenvolver no ambiente terrestre e ocupá-lo eficientemente. As plantas adaptadas ao ambiente terrestre apresentam, por exemplo, estruturas que permitem a absorção de água
  • 5. presente no solo e outras estruturas que impedem a perda excessiva se água. Veremos mais adiante como isso ocorre. Devemos lembrar que alguns grupos de plantas continuaram sobrevivendo em ambiente aquático. Características gerais para a conquista do meio terrestre:  Independência da água para a reprodução  Formação de talo – estrutura rígida de sustentação  Retirada de água e nutrientes do solo por meio de estruturas bem definidas  Dispersão vegetal por várias formas – adaptação e conquista  Impermeabilização vegetal – ceras  Embrião protegido  Diferentes formas de reprodução O reino das plantas é constituído de organismos pluricelulares, eucariontes, autótrofos fotossintetizantes. É necessário definir outros critérios que possibilitem a classificação das plantas para organizá- las em grupos menos abrangentes que o reino. Em geral, os cientistas consideram como critérios importantes:  A característica da planta ser vascular ou avascular, isto é, a presença ou não de vasos condutores de água e sais minerais (seiva bruta) e matéria orgânica (a seiva elaborada);  Ter ou não estruturas reprodutoras (semente, fruto e flor) ou ausência delas. Componentes do reino Plantae  Algas Pluricelulares – clorófitas  Briófitas – musgos e hepáticas  Pteridófitas – samambaias e avencas  Gimnospermas – pinheiros e cipestres  Angiospermas – lírio, milho, amendoim, laranjeira... Algas Clorófitas – precursoras das plantas terrestres – características da evolução:  Talo  Caule  Tecidos verdadeiros  Estrutura de reprodução Briófitas:  Pequeno porte  Solos úmidos e sombreados  Também existem espécies de água doce. São avasculares  Corpo é dotado de rizóide, caulóide e filóide  Dependem da água para reprodução
  • 6. Pteridófitas:  Locais úmidos e sombreados  Dependem da água para fecundação  Raízes, caules e folhas  São vasculares – vasos condutores  Estrutura de reprodução visível  Ex.: samambaias, avencas e cavalinhas Gminosperma:  Vegetais intermediários  Médio e grande porte  Excelentes tecidos condutores  Locais de clima frio e temperado  Raiz, caule e folha, sementes, mas não tem frutos  Reprodução: estróbilos (cones)  Semente: proteção, reserva – adaptação à vida terrestre  Ex.: pinheiros e cipestres. Angiosperma:  Vegatais superiores  Distribuídos em todo o globo  Raiz, caule, folha, flor, fruto e semente  Semente protegida pelo fruto: 1. Monocotiledônea: apenas um cotilédone. Nutrição: endosperma 2. Dicotiledônea: dois cotilédones, que nutrem o embrião. Classificação:  Organização do corpo: 1. Talófita: não apresentam raiz, caule e folha. Algas e Briófitas* 2. Cormófitas: apresentam raiz, caule e folhas  Tecidos condutores: 1. Xilema: transporta seiva bruta 2. Floema: transporta seiva elaborada  Presença de Tecido condutor: 1. Avasculares: não apresentam tecidos condutores e o transporte é feito célula a célula 2. Vasculares: apresentam vasos condutores de seiva  Órgãos Reprodutores: 1. Criptógamas: não há flores (algas, briófitas e pteridófitas) 2. Fanerógamas: há flores (angiospermas e gimnospermas) Reprodução:
  • 7.  Ciclo haplodiplobionte: Em um mesmo ciclo de vida há alternáncia de uma fase de indivíduos diplóides com uma fase de indivíduos haplóides. Fala-se em alternância de geração ou metagênese. Nos indivíduos diplóides, em estruturas especializadas, algumas células sofrem meiose dando origem a células haplóides que se diferenciam em esporos. Estes são liberados da planta e, ao se fixarem em local adequado, darão origem a indivíduos haplóides, através de várias divisões mitóticas. Algumas células desses indivíduos haplóides diferenciam-se em gametas, células haplóides. Estes podem sofrer fecundação, originando um zigoto diplóide que, mitoses sucessivas, dará origem a indivíduo diplóide, reiniciando o ciclo. Nesse caso, a meiose é espórica ou intermediária. Nesse ciclo de vida, há alternância de uma fase com indivíduos diplóides, que formam esporos haplóides através de meiose, com uma fase de indivíduos haplóides que produzem gametas por diferenciação celular. Os indivíduos diplóides, por produzirem esporos, são denominados esporófitos haplóides, por produzirem gametas, são denominados gametófitos.