SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL Dom José de haas
ALUNO(A)__________________________________Nº___ SÉRIE : 2º ANO TURMA_____
DATA __________ VALOR_____________ PONTOS OBTIDOS______
PROFª. VERA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA
INSTRUÇÕES GERAIS
Leia atentamente os textos antes de responder às questões;
Não rasure a prova;
Use lápis preto ou caneta preta;
Confira se você assinou.
IRACEMA
José de Alencar
Nasceu o dia e expirou.
Já brilha na cabana de Araquém o fogo, companheiro da noite. Correm lentas e
silenciosas no azul do céu, as estrelas, filhas da lua, que esperam a volta da mãe ausente.
Martim se embala docemente; e como a alva rede que vai e vem, sua vontade oscila de
um a outro pensamento. Lá o espera a virgem loura dos castos afetos; aqui lhe sorri a virgem
morena dos ardentes amores.
Iracema recosta-se langue ao punho da rede; seus olhos negros e fúlgidos, ternos olhos
de sabiá, buscam o estrangeiro e lhe entram n'alma. O cristão sorri; a virgem palpita; como o
saí[1]
, fascinado pela serpente, vai declinando o lascivo talhe, que se debruça enfim sobre o
peito do guerreiro.
Já o estrangeiro a preme ao seio; e o lábio ávido busca o lábio que o espera, para
celebrar nesse ádito d'alma, o himeneu do amor.
No recanto escuro o velho Pajé, imerso em funda contemplação e alheio às cousas deste
mundo, soltou um gemido doloroso Pressentira o coração o que não viram os olhos? Ou foi
algum funesto presságio para a raça de seus filhos, que assim ecoou n'alma de Araquém?
Ninguém o soube.
O cristão repetiu do seio a virgem indiana. Ele não deixará o rasto da desgraça na
cabana hospedeira. Cerra os olhos para não ver; e enche sua alma com o nome e a veneração
de seu Deus:
— Cristo!... Cristo!...
Volta a serenidade ao seio do guerreiro branco, mas todas as vezes que seu olhar pousa
sobre a virgem tabajara, ele sente correr-lhe pelas veias uma onda de ardente chama. Assim
quando a criança imprudente revolve o brasido de intenso fogo, saltam as faúlhas inflamadas
que lhe queimam as faces.
Fecha os olhos o cristão, mas na sombra de seu pensamento surge a imagem da virgem,
talvez mais bela. Embalde chama o sono às pálpebras fatigadas; abrem-se, malgrado seu.
Desce-lhe do céu ao atribulado pensamento uma inspiração.
— Virgem formosa do sertão, esta é a ultima noite que teu hóspede dorme na cabana de
Araquém, onde nunca viera, para teu bem e seu. Faze que seu sono seja alegre e feliz.
— Manda; Iracema te obedece. Que pode ela para tua alegria?
O cristão falou submisso, para que não o ouvisse o velho Pajé:
— A virgem de Tupã guarda os sonhos da jurema que são doces e saborosos!
Um triste sorriso pungiu os lábios de Iracema:
— O estrangeiro vai viver para sempre à cintura da virgem[2]
branca; nunca mais seus
olhos verão a filha de Araquém, e ele já quer que o sono feche suas pálpebras, e que o sonho o
leve à terra de seus irmãos!
— O sono é o descanso do guerreiro, disse Martim; e o sonho a alegria d'alma. O
estrangeiro não quer levar consigo a tristeza da terra hospedeira, nem deixá-la no coração de
Iracema!
A virgem ficou imóvel.
— Vai, e torna com o vinho de Tupã.
Quando Iracema foi de volta, já o Pajé não estava na cabana; tirou a virgem do seio o
vaso que ali trazia oculto sob a carioba[3]
de algodão entretecida de penas. Martim lho arrebatou
das mãos, e libou as gotas do verde e amargo licor.
Agora podia viver com Iracema, e colher em seus lábios o beijo, que ali viçava entre
sorrisos, como o fruto na corola da flor. Podia amá-la, e sugar desse amor o mel e o perfume,
sem deixar veneno no seio da virgem.
O gozo era vida, pois o sentia mais forte e intenso; o mal era sonho e ilusão, que da
virgem não possuia senão a imagem.
Iracema afastara-se opressa e suspirosa.
Abriram-se os braços do guerreiro adormecido e seus lábios; o nome da virgem ressoou
docemente.
A juruti, que divaga pela floresta, ouve o terno arrulho do companheiro; bate as asas, e
voa a conchegar-se ao tépido ninho. Assim a virgem do sertão, aninhou-se nos braços do
guerreiro.
Quando veio a manhã, ainda achou Iracema ali debruçada, qual borboleta que dormiu no
seio do formoso cacto. Em seu lindo semblante acendia o pejo vivos rubores; e como entre os
arrebóis da manhã cintila o primeiro raio do sol, em suas faces incendidas rutilava o primeiro
sorriso da esposa, aurora de fruído amor.
A jandaia fugira ao romper d'alva e para não tornar mais à cabana.
Vendo Martim a virgem unida ao seu coração, cuidou que o sonho continuava; cerrou os olhos
para torná-los a abrir.
A pocema dos guerreiros, troando pelo vale, o arrancou ao doce engano; sentiu que já
não sonhava, mas vivia. Sua mão cruel abafou nos lábios da virgem o beijo que ali se
espanejava.
— Os beijos de Iracema são doces no sonho; o guerreiro branco encheu deles sua alma.
Na vida, os lábios da virgem de Tupã amargam e doem como o espinho da jurema.
A filha de Araquém escondeu no coração a sua ventura. Ficou tímida e inquieta, como a
ave que pressente a borrasca no horizonte. Afastou-se rápida, e partiu.
As águas do rio banharam o corpo casto da recente esposa.
Tupã já não tinha sua virgem na terra dos tabajaras.
1. No primeiro parágrafo, assinale a opção que corresponde ao significado da palavra expirou,
segundo o pensamento do autor. “ Nasceu o dia e expirou.”
a) Exalar o último suspiro.
b) Findar.
c) Expelir
d) Respirar.
2. Analisando o texto, identifique qual das alternativas abaixo é correta:
a) Martim ama Iracema e deseja desposá-la.
b) O pensamento de Martim oscila entre Iracema e outra mulher .
c) Não existe nenhuma outra mulher na vida de Martim.
d) Iracema é uma virgem loura de castos afetos.
3- “Volta a serenidade ao seio do guerreiro branco, mas todas as vezes que seu olhar pousa
sobre a virgem tabajara, ele sente correr-lhe pelas veias uma onda de ardente chama.”
Das alternativas abaixo, aquela que melhor reproduz o período acima é:
a) “... branco, porém todas as vezes que seu olhar...”
b) “...branco, mas também todas as vezes que seu olhar...”
c) “...branco, logo todas as vezes que seu olhar...”
d) “...branco, porque todas as vezes que seu olhar...
4- Araquém, de acordo com o texto, é:
a) Pajé da tribo Tupã.
b) dono da cabana do fogo.
c) pai de Iracema.
d) amigo de Martim.
5- Assinale a alternativa em que se destaca incorretamente a expressão a que se refere o
termo sublinhado:
a) “O cristão falou submisso, para que não o ouvisse o velho pajé.” / Martim.
b) “...buscam o estrangeiro e lhe entram n’alma.” / Virgem formosa do sertão.
c) “...esta é a última noite que teu hóspede dorme na cabana de Araquém...” / Pajé da tribo.
d) “... saltam as faúlhas inflamadas que lhe queimam as faces. / Martim.
6- Das alternativas abaixo, assinale aquela que não está sendo usada com sentido metafórico:
a) “Correm lentas e silenciosas no azul do céu, as estrelas, filhas da lua, que
esperam a volta da mãe ausente.”
b) “...todas as vezes que seu olhar pousa sobre a virgem tabajara, ele sente correr-lhe pelas
veias uma onda de chama ardente.
c)“ A virgem de Tupã guarda os sonhos de jurema que são doces e saborosos!”
d) “Embalde chama o sono às pálpebras fatigadas; abrem-se, malgrado seu.”
7- De acordo com o texto, é correto afirmar que
a) Martim evoca o nome de Deus aleatoriamente.
O velho Pajé teve um funesto presságio.
c) Martim tenta afastar Iracema de si.
d) Martim está sem sono e não consegui dormir.
8- . Das alternativas abaixo, assinale a que não indica dúvida quanto aos fatos narrados:
a) O Pajé desconfia do romance entre Martim e Iracema e finge não saber.
b) O pensamento de Martim está inteiramente voltado para Iracema.
c) Iracema está fascinada pelo estrangeiro.
d) O cristão aproximar-se da Virgem sem nenhum ressentimento.
9. O Texto para esta prova foi retirado do livro “Iracema”. Esta obra é classificada como:
a) Romance Histórico c) Romance Regionalista
b) Romance Urbano d) Romance Indianista
10-.Assinale a alternativa que corresponda ao Movimento Literário da Literatura Brasileira ao
qual José de Alencar pertenceu.
a) Romantismo c) Realismo
b) Arcadismo d) Naturalismo
11. Indique qual dos autores não pertence ao Movimento Literário acima assinalado.
a) Manuel Antônio de Almeida c) Joaquim Manuel de Macedo
b) Gonçalves de Magalhães d) Cláudio Manuel da Costa
12 . Indique a alternativa que corresponda, respectivamente, aos romances indianistas,
regionalistas e urbanos:
a) Lucíola, Ubirajara, O Sertanejo.
b) Iracema, Senhora, O Guarani.
c) O Guarani, O Gaúcho, Lucíola.
d) O Sertanejo, O Gaúcho, Iracema.
13 . O item que não apresenta características do Movimento Literário ao qual José de Alencar
pertencia é:
a) Nacionalismo c) Mal do século
b) Paganismo d) Indianismo
14 . Identifique qual das alternativas não corresponde como figura de destaque do romance
romântico:
a) Taunay – Inocência
b) Bernardo Guimarães – A Escrava Isaura
c) Joaquim Manuel de Macedo – A Moreninha
d) Aluísio Azevedo – O Mulato
15 . Assinale a opção que contém somente obras de José de Alencar.
a. O Tronco do Ipê, Cinco Minutos. A Viuvinha, Memórias Póstumas de Brás Cubas.
b. Quincas Borba, Iracema, O Guarani, O Tronco do Ipê.
c. A Pata da Gazela, Cinco Minutos, As Minas da Prata.
d. Memórias Póstumas de Brás Cubas, Lucíola, O Guarani.
16 .“A Virgem dos Lábios de Mel apaixona-se por Martim, guerreiro português. Os dois amantes
fogem em companhia de Poti e vivem um belíssimo amor na floresta...”.
A partir desse fato, o que acontece de importante na vida do jovem casal que, segundo os
românticos, simboliza a união do branco e do índio?
17-No terceiro parágrafo, o autor cita dois ideais de mulher da época. Em que assemelham e
em que se diferenciam?
18- O narrador pergunta se Araquém teria tido algum “ presságio para a raça de seus filhos”, ao
presenciar o beijo de Iracema e Martim . Em sua opinião, qual teria sido esse presságio?
19- Releia os parágrafos 8 e 11 e explique por que Martim não podia unir-se a Iracema?
20- A Jandaia era companheira inseparável de Iracema. Explique o significado simbólico de sua
fuga, considerando o contexto em que ela ocorre.
BOA PROVA!!!!!!!!!!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 
Bocage
BocageBocage
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
rafabebum
 
MACARIO
MACARIOMACARIO
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileiraProva 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
cavip
 
Treinamento de questões abertas de literatura, 01
Treinamento de questões abertas de literatura, 01Treinamento de questões abertas de literatura, 01
Treinamento de questões abertas de literatura, 01
ma.no.el.ne.ves
 
13. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 1013. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 10
ma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagarana
ma.no.el.ne.ves
 
Amadis de Gaula
Amadis de GaulaAmadis de Gaula
Amadis de Gaula
Maria Gomes
 
A narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosaA narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosa
ma.no.el.ne.ves
 
Prova 3º ano
Prova 3º anoProva 3º ano
Prova 3º ano
Wanda Mello
 
Segunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia românticaSegunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 
Espumas flutuantes
Espumas flutuantesEspumas flutuantes
Espumas flutuantes
victoriaevangelista
 
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
ma.no.el.ne.ves
 
12. tqa ufmg 2012, 09
12. tqa ufmg 2012, 0912. tqa ufmg 2012, 09
12. tqa ufmg 2012, 09
ma.no.el.ne.ves
 
Prosa no brasil
Prosa no brasilProsa no brasil
Prosa no brasil
rafabebum
 
Castro Alves
Castro  AlvesCastro  Alves
Castro Alves
030577
 
Martins Fontes Apresentação
Martins Fontes   ApresentaçãoMartins Fontes   Apresentação
Martins Fontes Apresentação
marinhofontes
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Sequência Didática Produção de Texto
Sequência Didática Produção de TextoSequência Didática Produção de Texto
Sequência Didática Produção de Texto
Maria Cristina
 

Mais procurados (20)

Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
 
MACARIO
MACARIOMACARIO
MACARIO
 
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileiraProva 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
 
Treinamento de questões abertas de literatura, 01
Treinamento de questões abertas de literatura, 01Treinamento de questões abertas de literatura, 01
Treinamento de questões abertas de literatura, 01
 
13. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 1013. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 10
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagarana
 
Amadis de Gaula
Amadis de GaulaAmadis de Gaula
Amadis de Gaula
 
A narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosaA narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosa
 
Prova 3º ano
Prova 3º anoProva 3º ano
Prova 3º ano
 
Segunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia românticaSegunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia romântica
 
Espumas flutuantes
Espumas flutuantesEspumas flutuantes
Espumas flutuantes
 
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
 
12. tqa ufmg 2012, 09
12. tqa ufmg 2012, 0912. tqa ufmg 2012, 09
12. tqa ufmg 2012, 09
 
Prosa no brasil
Prosa no brasilProsa no brasil
Prosa no brasil
 
Castro Alves
Castro  AlvesCastro  Alves
Castro Alves
 
Martins Fontes Apresentação
Martins Fontes   ApresentaçãoMartins Fontes   Apresentação
Martins Fontes Apresentação
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Sequência Didática Produção de Texto
Sequência Didática Produção de TextoSequência Didática Produção de Texto
Sequência Didática Produção de Texto
 

Semelhante a Avaliação i racema

Unic 04 - iracema-1865-2019-pr wsf
Unic 04 - iracema-1865-2019-pr wsfUnic 04 - iracema-1865-2019-pr wsf
Unic 04 - iracema-1865-2019-pr wsf
Welington Fernandes
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
vestibular
 
Iracema material
Iracema   materialIracema   material
Iracema material
rafabebum
 
Aula definitiva iracema
Aula definitiva iracemaAula definitiva iracema
Aula definitiva iracema
Zofia Santos
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Aline Bicudo
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
iracema.pdf1222222222222222222222222222222222
iracema.pdf1222222222222222222222222222222222iracema.pdf1222222222222222222222222222222222
iracema.pdf1222222222222222222222222222222222
miguelmv076
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
gueste624265
 
05 iracema 1183555388
05 iracema 118355538805 iracema 1183555388
05 iracema 1183555388
taluane
 
Camões
CamõesCamões
Trabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçaoTrabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçao
Abel Marcelino
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
Seduc/AM
 
Iracema - Alencar
Iracema  - AlencarIracema  - Alencar
Iracema - Alencar
julykathy
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
Adilson P Motta Motta
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Seduc/AM
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
Jerônimo Ferreira
 
Álvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemasÁlvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemas
Diana Kelly Alves Oliveira
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Ajudar Pessoas
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Myrtes Folegatti
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Confraria Paranaense
 

Semelhante a Avaliação i racema (20)

Unic 04 - iracema-1865-2019-pr wsf
Unic 04 - iracema-1865-2019-pr wsfUnic 04 - iracema-1865-2019-pr wsf
Unic 04 - iracema-1865-2019-pr wsf
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Iracema material
Iracema   materialIracema   material
Iracema material
 
Aula definitiva iracema
Aula definitiva iracemaAula definitiva iracema
Aula definitiva iracema
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
iracema.pdf1222222222222222222222222222222222
iracema.pdf1222222222222222222222222222222222iracema.pdf1222222222222222222222222222222222
iracema.pdf1222222222222222222222222222222222
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
05 iracema 1183555388
05 iracema 118355538805 iracema 1183555388
05 iracema 1183555388
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Trabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçaoTrabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçao
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
 
Iracema - Alencar
Iracema  - AlencarIracema  - Alencar
Iracema - Alencar
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
 
Álvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemasÁlvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemas
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
 

Mais de VERA OLIVEIRA

Avaliação 6 ano
Avaliação  6 anoAvaliação  6 ano
Avaliação 6 ano
VERA OLIVEIRA
 
Funcao d linguagem
Funcao d linguagemFuncao d linguagem
Funcao d linguagem
VERA OLIVEIRA
 
Prova livro
Prova livroProva livro
Prova livro
VERA OLIVEIRA
 
Ativ oraçóes
Ativ oraçóesAtiv oraçóes
Ativ oraçóes
VERA OLIVEIRA
 
Avaliações e.mgramatica
Avaliações  e.mgramaticaAvaliações  e.mgramatica
Avaliações e.mgramatica
VERA OLIVEIRA
 
Avaliação 1
Avaliação 1Avaliação 1
Avaliação 1
VERA OLIVEIRA
 
Atividades de-verbos-
Atividades de-verbos-Atividades de-verbos-
Atividades de-verbos-
VERA OLIVEIRA
 
Análise do conto
Análise do contoAnálise do conto
Análise do conto
VERA OLIVEIRA
 
Texto informativo
Texto informativoTexto informativo
Texto informativo
VERA OLIVEIRA
 
Coerrencia coesão
Coerrencia coesãoCoerrencia coesão
Coerrencia coesão
VERA OLIVEIRA
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
VERA OLIVEIRA
 
Apostila gramatica
Apostila gramaticaApostila gramatica
Apostila gramatica
VERA OLIVEIRA
 
Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]
Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]
Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]
VERA OLIVEIRA
 
Poemas para dramatizar
Poemas para dramatizarPoemas para dramatizar
Poemas para dramatizar
VERA OLIVEIRA
 

Mais de VERA OLIVEIRA (14)

Avaliação 6 ano
Avaliação  6 anoAvaliação  6 ano
Avaliação 6 ano
 
Funcao d linguagem
Funcao d linguagemFuncao d linguagem
Funcao d linguagem
 
Prova livro
Prova livroProva livro
Prova livro
 
Ativ oraçóes
Ativ oraçóesAtiv oraçóes
Ativ oraçóes
 
Avaliações e.mgramatica
Avaliações  e.mgramaticaAvaliações  e.mgramatica
Avaliações e.mgramatica
 
Avaliação 1
Avaliação 1Avaliação 1
Avaliação 1
 
Atividades de-verbos-
Atividades de-verbos-Atividades de-verbos-
Atividades de-verbos-
 
Análise do conto
Análise do contoAnálise do conto
Análise do conto
 
Texto informativo
Texto informativoTexto informativo
Texto informativo
 
Coerrencia coesão
Coerrencia coesãoCoerrencia coesão
Coerrencia coesão
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
 
Apostila gramatica
Apostila gramaticaApostila gramatica
Apostila gramatica
 
Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]
Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]
Dinamica historia do_chapeuzinho_vermelho-1[1]
 
Poemas para dramatizar
Poemas para dramatizarPoemas para dramatizar
Poemas para dramatizar
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 

Avaliação i racema

  • 1. ESCOLA ESTADUAL Dom José de haas ALUNO(A)__________________________________Nº___ SÉRIE : 2º ANO TURMA_____ DATA __________ VALOR_____________ PONTOS OBTIDOS______ PROFª. VERA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÕES GERAIS Leia atentamente os textos antes de responder às questões; Não rasure a prova; Use lápis preto ou caneta preta; Confira se você assinou. IRACEMA José de Alencar Nasceu o dia e expirou. Já brilha na cabana de Araquém o fogo, companheiro da noite. Correm lentas e silenciosas no azul do céu, as estrelas, filhas da lua, que esperam a volta da mãe ausente. Martim se embala docemente; e como a alva rede que vai e vem, sua vontade oscila de um a outro pensamento. Lá o espera a virgem loura dos castos afetos; aqui lhe sorri a virgem morena dos ardentes amores. Iracema recosta-se langue ao punho da rede; seus olhos negros e fúlgidos, ternos olhos de sabiá, buscam o estrangeiro e lhe entram n'alma. O cristão sorri; a virgem palpita; como o saí[1] , fascinado pela serpente, vai declinando o lascivo talhe, que se debruça enfim sobre o peito do guerreiro. Já o estrangeiro a preme ao seio; e o lábio ávido busca o lábio que o espera, para celebrar nesse ádito d'alma, o himeneu do amor. No recanto escuro o velho Pajé, imerso em funda contemplação e alheio às cousas deste mundo, soltou um gemido doloroso Pressentira o coração o que não viram os olhos? Ou foi algum funesto presságio para a raça de seus filhos, que assim ecoou n'alma de Araquém? Ninguém o soube. O cristão repetiu do seio a virgem indiana. Ele não deixará o rasto da desgraça na cabana hospedeira. Cerra os olhos para não ver; e enche sua alma com o nome e a veneração de seu Deus: — Cristo!... Cristo!... Volta a serenidade ao seio do guerreiro branco, mas todas as vezes que seu olhar pousa sobre a virgem tabajara, ele sente correr-lhe pelas veias uma onda de ardente chama. Assim quando a criança imprudente revolve o brasido de intenso fogo, saltam as faúlhas inflamadas que lhe queimam as faces. Fecha os olhos o cristão, mas na sombra de seu pensamento surge a imagem da virgem, talvez mais bela. Embalde chama o sono às pálpebras fatigadas; abrem-se, malgrado seu. Desce-lhe do céu ao atribulado pensamento uma inspiração. — Virgem formosa do sertão, esta é a ultima noite que teu hóspede dorme na cabana de Araquém, onde nunca viera, para teu bem e seu. Faze que seu sono seja alegre e feliz. — Manda; Iracema te obedece. Que pode ela para tua alegria? O cristão falou submisso, para que não o ouvisse o velho Pajé: — A virgem de Tupã guarda os sonhos da jurema que são doces e saborosos! Um triste sorriso pungiu os lábios de Iracema: — O estrangeiro vai viver para sempre à cintura da virgem[2] branca; nunca mais seus olhos verão a filha de Araquém, e ele já quer que o sono feche suas pálpebras, e que o sonho o leve à terra de seus irmãos! — O sono é o descanso do guerreiro, disse Martim; e o sonho a alegria d'alma. O estrangeiro não quer levar consigo a tristeza da terra hospedeira, nem deixá-la no coração de Iracema! A virgem ficou imóvel.
  • 2. — Vai, e torna com o vinho de Tupã. Quando Iracema foi de volta, já o Pajé não estava na cabana; tirou a virgem do seio o vaso que ali trazia oculto sob a carioba[3] de algodão entretecida de penas. Martim lho arrebatou das mãos, e libou as gotas do verde e amargo licor. Agora podia viver com Iracema, e colher em seus lábios o beijo, que ali viçava entre sorrisos, como o fruto na corola da flor. Podia amá-la, e sugar desse amor o mel e o perfume, sem deixar veneno no seio da virgem. O gozo era vida, pois o sentia mais forte e intenso; o mal era sonho e ilusão, que da virgem não possuia senão a imagem. Iracema afastara-se opressa e suspirosa. Abriram-se os braços do guerreiro adormecido e seus lábios; o nome da virgem ressoou docemente. A juruti, que divaga pela floresta, ouve o terno arrulho do companheiro; bate as asas, e voa a conchegar-se ao tépido ninho. Assim a virgem do sertão, aninhou-se nos braços do guerreiro. Quando veio a manhã, ainda achou Iracema ali debruçada, qual borboleta que dormiu no seio do formoso cacto. Em seu lindo semblante acendia o pejo vivos rubores; e como entre os arrebóis da manhã cintila o primeiro raio do sol, em suas faces incendidas rutilava o primeiro sorriso da esposa, aurora de fruído amor. A jandaia fugira ao romper d'alva e para não tornar mais à cabana. Vendo Martim a virgem unida ao seu coração, cuidou que o sonho continuava; cerrou os olhos para torná-los a abrir. A pocema dos guerreiros, troando pelo vale, o arrancou ao doce engano; sentiu que já não sonhava, mas vivia. Sua mão cruel abafou nos lábios da virgem o beijo que ali se espanejava. — Os beijos de Iracema são doces no sonho; o guerreiro branco encheu deles sua alma. Na vida, os lábios da virgem de Tupã amargam e doem como o espinho da jurema. A filha de Araquém escondeu no coração a sua ventura. Ficou tímida e inquieta, como a ave que pressente a borrasca no horizonte. Afastou-se rápida, e partiu. As águas do rio banharam o corpo casto da recente esposa. Tupã já não tinha sua virgem na terra dos tabajaras. 1. No primeiro parágrafo, assinale a opção que corresponde ao significado da palavra expirou, segundo o pensamento do autor. “ Nasceu o dia e expirou.” a) Exalar o último suspiro. b) Findar. c) Expelir d) Respirar. 2. Analisando o texto, identifique qual das alternativas abaixo é correta: a) Martim ama Iracema e deseja desposá-la. b) O pensamento de Martim oscila entre Iracema e outra mulher . c) Não existe nenhuma outra mulher na vida de Martim. d) Iracema é uma virgem loura de castos afetos. 3- “Volta a serenidade ao seio do guerreiro branco, mas todas as vezes que seu olhar pousa sobre a virgem tabajara, ele sente correr-lhe pelas veias uma onda de ardente chama.” Das alternativas abaixo, aquela que melhor reproduz o período acima é: a) “... branco, porém todas as vezes que seu olhar...” b) “...branco, mas também todas as vezes que seu olhar...” c) “...branco, logo todas as vezes que seu olhar...” d) “...branco, porque todas as vezes que seu olhar...
  • 3. 4- Araquém, de acordo com o texto, é: a) Pajé da tribo Tupã. b) dono da cabana do fogo. c) pai de Iracema. d) amigo de Martim. 5- Assinale a alternativa em que se destaca incorretamente a expressão a que se refere o termo sublinhado: a) “O cristão falou submisso, para que não o ouvisse o velho pajé.” / Martim. b) “...buscam o estrangeiro e lhe entram n’alma.” / Virgem formosa do sertão. c) “...esta é a última noite que teu hóspede dorme na cabana de Araquém...” / Pajé da tribo. d) “... saltam as faúlhas inflamadas que lhe queimam as faces. / Martim. 6- Das alternativas abaixo, assinale aquela que não está sendo usada com sentido metafórico: a) “Correm lentas e silenciosas no azul do céu, as estrelas, filhas da lua, que esperam a volta da mãe ausente.” b) “...todas as vezes que seu olhar pousa sobre a virgem tabajara, ele sente correr-lhe pelas veias uma onda de chama ardente. c)“ A virgem de Tupã guarda os sonhos de jurema que são doces e saborosos!” d) “Embalde chama o sono às pálpebras fatigadas; abrem-se, malgrado seu.” 7- De acordo com o texto, é correto afirmar que a) Martim evoca o nome de Deus aleatoriamente. O velho Pajé teve um funesto presságio. c) Martim tenta afastar Iracema de si. d) Martim está sem sono e não consegui dormir. 8- . Das alternativas abaixo, assinale a que não indica dúvida quanto aos fatos narrados: a) O Pajé desconfia do romance entre Martim e Iracema e finge não saber. b) O pensamento de Martim está inteiramente voltado para Iracema. c) Iracema está fascinada pelo estrangeiro. d) O cristão aproximar-se da Virgem sem nenhum ressentimento. 9. O Texto para esta prova foi retirado do livro “Iracema”. Esta obra é classificada como: a) Romance Histórico c) Romance Regionalista b) Romance Urbano d) Romance Indianista 10-.Assinale a alternativa que corresponda ao Movimento Literário da Literatura Brasileira ao qual José de Alencar pertenceu. a) Romantismo c) Realismo b) Arcadismo d) Naturalismo 11. Indique qual dos autores não pertence ao Movimento Literário acima assinalado. a) Manuel Antônio de Almeida c) Joaquim Manuel de Macedo b) Gonçalves de Magalhães d) Cláudio Manuel da Costa 12 . Indique a alternativa que corresponda, respectivamente, aos romances indianistas, regionalistas e urbanos: a) Lucíola, Ubirajara, O Sertanejo. b) Iracema, Senhora, O Guarani. c) O Guarani, O Gaúcho, Lucíola. d) O Sertanejo, O Gaúcho, Iracema.
  • 4. 13 . O item que não apresenta características do Movimento Literário ao qual José de Alencar pertencia é: a) Nacionalismo c) Mal do século b) Paganismo d) Indianismo 14 . Identifique qual das alternativas não corresponde como figura de destaque do romance romântico: a) Taunay – Inocência b) Bernardo Guimarães – A Escrava Isaura c) Joaquim Manuel de Macedo – A Moreninha d) Aluísio Azevedo – O Mulato 15 . Assinale a opção que contém somente obras de José de Alencar. a. O Tronco do Ipê, Cinco Minutos. A Viuvinha, Memórias Póstumas de Brás Cubas. b. Quincas Borba, Iracema, O Guarani, O Tronco do Ipê. c. A Pata da Gazela, Cinco Minutos, As Minas da Prata. d. Memórias Póstumas de Brás Cubas, Lucíola, O Guarani. 16 .“A Virgem dos Lábios de Mel apaixona-se por Martim, guerreiro português. Os dois amantes fogem em companhia de Poti e vivem um belíssimo amor na floresta...”. A partir desse fato, o que acontece de importante na vida do jovem casal que, segundo os românticos, simboliza a união do branco e do índio? 17-No terceiro parágrafo, o autor cita dois ideais de mulher da época. Em que assemelham e em que se diferenciam? 18- O narrador pergunta se Araquém teria tido algum “ presságio para a raça de seus filhos”, ao presenciar o beijo de Iracema e Martim . Em sua opinião, qual teria sido esse presságio? 19- Releia os parágrafos 8 e 11 e explique por que Martim não podia unir-se a Iracema? 20- A Jandaia era companheira inseparável de Iracema. Explique o significado simbólico de sua fuga, considerando o contexto em que ela ocorre. BOA PROVA!!!!!!!!!!!!!