SlideShare uma empresa Scribd logo
O AUTISMO NA ESCOLA
 A inclusão escolar de crianças com transtorno do espectro autista (TEA)
demanda uma parceria entre os pais, a creche/escola e os profissionais que
acompanham a criança, como psicóloga, fonoaudióloga, mediadora, entre
outros. No entanto, a inclusão é muito além da presença física da criança em
sala de aula, é preciso que ela faça parte da turma, interaja com os
professores e com as demais crianças, compreenda as questões pedagógicas,
e se desenvolva de acordo com as suas particularidades. Perante a isso,
destacamos a importância da presença de um mediador escolar, em busca de
auxiliar no processo de desenvolvimento da aprendizagem e de habilidades,
realizando as adaptações necessárias
 Rodrigues; Spencer (2015, p.12) corroboram com as autoras, afirmando que:
“Temos a certeza de que antes de discutir níveis, denominações, causas de
autismo, melhor será interagir com os considerados autistas, conviver com
eles, vislumbrando sempre as potencialidades que precisam ser reveladas e as
capacidades que precisam ser desenvolvidas”
 A criança diagnosticada com transtorno do espectro autista possui direito a
um mediador escolar, um profissional capacitado para auxiliar o sujeito na
comunicação verbal e não verbal, competências e habilidades, aspectos
pedagógicos, ludicidade e na interação social com os seus pares. A Lei 12.764
(BRASIL, 2012) deixa explícito que: "Em casos de comprovada necessidade, a
pessoa com transtorno do espectro autista incluída nas classes comuns de
ensino regular, terá direito a acompanhante especializado." Porém, até o ano
de 2015, este profissional era custeado pelos pais da criança, apenas a partir
de 2016, por meio da Lei Brasileira de Inclusão, as escolas passaram a
contratar estagiários das áreas de pedagogia e psicologia, entre outras, para
atuarem observando e dando suporte as crianças incluídas.
 A Convenção Internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência (2006)
junto da Declaração de Salamanca (1994) são os principais documentos que
consolidam a educação inclusiva, por meio da inserção da educação especial na
estrutura de "uma educação para todos", garantindo assim a inclusão das crianças
com necessidades educativas especiais. A Declaração de Salamanca ressalta que o
lugar das pessoas com necessidades educativas especiais é na escola, e não mais
em casa. Elas devem estar matriculadas nas escolas regulares e serem incluídas,
salvo os casos em que as crianças precisam primeiramente ficar em uma escola
especial. Importante destacar a necessidade que a escola se adapte as
especificidades das crianças, e não ao contrário, como temos visto em muitas
escolas. As escolas precisam ser acessíveis, ter uma proposta inclusiva, professores
preparados e flexíveis para lidar com as diferentes necessidades, e ofertar
mediadores escolares para auxiliarem na inclusão, promovendo assim um ambiente
em que possam brincar, interagir com outras crianças e desenvolverem os seus
conhecimentos.
 mediador é o responsável pela interação entre a criança e todas as pessoas do
ambiente escolar. Também é a pessoa que passa mais tempo com a criança na
escola e que faz “a ponte” sobre os desenvolvimentos com os pais e os
terapeutas. Cabe ao mediador acompanhar a criança em todos os ambientes
da escola, desde a entrada da criança em sala, as aulas, e a saída,
priorizando sempre o seu desenvolvimento integral. Assim, em certas
circunstâncias o mediador deve começar a se afastar para que a criança possa
adquirir a autonomia, e nos momentos precisos retornar a interceder com o
objetivo de que ela adquira uma aprendizagem significativa (MOUSINHO et al,
2010):
 “O mediador é aquele que no processo de aprendizagem favorece a
interpretação do estímulo ambiental, chamando a atenção para os seus
aspectos cruciais, atribuindo significado à informação recebida, possibilitando
que a mesma aprendizagem de regras e princípios sejam aplicados às novas
aprendizagens, tornando o estímulo ambiental relevante e significativo,
favorecendo o desenvolvimento. A principal função do mediador é ser o
intermediário entre a criança e as situações vivenciadas por ela, onde se
depara com dificuldades de interpretação e ação”.
 Na realização do planejamento e do Plano Educacional Individualizado (PEI)
para os alunos é preciso que o professor e o mediador elaborem atividades
relacionadas a rotina diária dessa criança atividades que estimulem a
classificação, associação e generalização de palavras e conceitos, estimulando
sempre a comunicação, socialização e a realização das atividades,
reforçando-o sempre ao concluí-las (CUNHA, 2015).
 Para Cunha (2015) as estereotipias apresentadas podem se expressar por uma
dificuldade na comunicação, para informar a outra pessoa sobre sua
felicidade, frustração, emoção, ou ansiedade. O movimento estereotipado
surge devido ao contato sensorial com determinado objeto/ambiente,
perante o estímulo e sensação qual o objeto proporciona, em que a criança
acaba reagindo por uma repetição e compulsão. Contudo, por realizar a
estereotipia, o indivíduo se priva de experiências motoras bloqueando certas
habilidades. Mediante a isso é necessário inibir essas manifestações
modificando-as para movimentos mais adequados, em busca de uma auto-
regulação e processos na área motora, comunicativa e cognitiva. Como, por
exemplo, modificar a estereotipia do movimento flapping por bater palmas.
ABA na educação
 Essa abordagem estuda o comportamento, entendido como relação entre
classes de estímulos (público e privado, histórico e imediato, social e não
social) e classes de respostas de um organismo biologicamente constituído,
ambas definidas por suas funções (CARVALHO NETO; ALVES; BAPTISTA, 2007).
O comportamento é um processo (muda ao longo do tempo). Comportamentos
apresentados em diferentes momentos podem ser similares em termos de
forma e função. Contudo, não são iguais. O termo classe enfatiza justamente
essa característica do comportamento. O que pode ser dito é que uma
variedade de estímulos (uma classe) possui determinada função em relação a
um conjunto de respostas (outra classe). O termo resposta é utilizado para
destacar um dos componentes da relação comportamental; diz respeito a uma
determinada ação do organismo num determinado momento. Portanto, é
menos abrangente que o termo comportamento.
 Ao planejar suas aulas e durante sua realização, o professor deve criar muitas
situações para que os alunos possam participar. A participação é essencial
para que o professor tenha feedback imediato sobre o que, quanto e como
seus alunos estão aprendendo. Além disso, é uma oportunidade de reforçar os
comportamentos esperados, isto é, que se aproximam dos objetivos traçados.
A importância reside no fato de que, nessa condição descrita, o professor
pode reforçar imediatamente o comportamento após sua apresentação. A
proximidade temporal entre uma resposta e a consequência que ela produz é
crucial para o estabelecimento mais rápido e fidedigno de uma relação
comportamental, o que significa aprendizado mais eficaz, eficiente e
gratificante. Uma aula exclusivamente expositiva e que não dá oportunidades
de participação clara e consistente do aluno inviabiliza o reforçamento dos
comportamentos que demonstram concretamente seu aprendizado.
 Reforçar é essencial, mas o professor precisa tomar cuidado com o tipo de reforço que utiliza
e com os comportamentos que são reforçados. No processo de ensino, o reforço deve ser
condicionado à apresentação, pelo aluno, de comportamentos que se aproximem dos
comportamentos-objetivo estabelecidos pelo professor, ou que efetivamente sejam
demonstrações desses comportamentos-objetivo. Podemos dizer, então, que o professor
precisa ter critérios claros de reforçamento, de modo a fortalecer apenas demonstrações
reais de evolução e/ou de aprendizado. O critério é claro quando conhecemos os resultados
que o aluno deve alcançar numa determinada circunstância. No que diz respeito ao tipo de
reforçador, é necessário ressaltar que reforço não é só nota, prêmio ou estrelinha colada no
caderno. Essas são consequências artificiais/arbitrárias, pois são extrínsecas à situação de
aprendizagem. Podem ser utilizadas no início da aprendizagem, mas não devem ser
empregadas de tal forma que o aluno só estude para obter prêmios ou evitar reprovação.
Portanto, ao definir os reforçadores, é importante cuidar para não empregar apenas (ou por
longos períodos) reforçadores artificiais. É preciso desenvolver procedimento de ensino para
realizar a transferência do controle do comportamento por reforçadores artificiais para
reforçadores naturais. Em algum momento, é essencial que o aluno se torne sensível a
reforçadores naturais da situação de aprendizagem, tais como indicações de progresso na sua
capacidade de resolver problemas matemáticos ou entender o que está escrito num texto,
confirmação de acerto, aprovação social, entre outros. A questão central do planejamento de
contingências de reforço não reside somente na quantidade, mas na utilização efetiva e
consciente (porque planejada) pelo professor dos reforçadores que estão disponíveis no
contexto de uma sala de aula.
 É essencial que o professor planeje situações para exigir respostas de
observação e de imitação por parte do seu aluno. As respostas de observação
fornecem parâmetros ao professor de que o aluno está com a atenção voltada
para aquilo que ele pretende ensinar.
 No que concerne a avaliações e erros, é especialmente importante que o
professor esteja atento, por dois motivos: o erro indica ao professor que o seu
procedimento de ensino não está sendo efetivo e que algo em seu
planejamento de ensino precisa ser revisto - desde os procedimentos de
ensino às formas de avaliação da aprendizagem do aluno. Essa condição é
bastante séria, pois como lembram Kubo e Botomé (2001), caso o professor
não ensine, o aluno provavelmente demorará muito tempo e terá um custo
muito alto até descobrir qual o comportamento correto em relação, por
exemplo, a uma situação--problema em matemática. Se o custo for muito alto
e o valor do aprender muito baixo, é quase certo que o aluno desistirá.
Concomitantemente, o erro deve servir de alerta ao professor, pois, quando
acontece em grande quantidade, pode desmotivar o aluno, afastando-o dos
estudos. A rigor, errar tem caráter aversivo e, portanto, isso pode diminuir a
probabilidade de que o aluno continue apresentando os comportamentos que
estão sendo consistentemente punidos.
 As primeiras propostas comportamentais voltadas ao ensino surgiram nos anos
1950 a partir do trabalho de Skinner (1953) que discutiu o uso de princípios
comportamentais na sala de aula. Inicialmente, esse autor identificou uma
série de problemas na educação norte-americana de seu tempo. Esses
problemas são também frequentes no Brasil. Dois exemplos são: (a)
professores raramente utilizam reforço positivo em sala de aula ou utilizam-
no de forma não planejada e/ou não consistente (o reforço vem atrasado ou é
incerto); (b) não há ênfase na modelagem de respostas, de modo que os
comportamentos-objetivo demoram a ocorrer.
 1. Conteúdo da disciplina ou do curso organizado em pequenas partes, cada uma
delas constituindo unidades de ensino.
 2. Requisito de perfeição em cada unidade para que o aluno possa prosseguir, ou
seja, o aluno só poderá avançar quando demonstrar domínio completo da unidade
precedente.
 3. Unidades mais avançadas englobam o que foi ensinado em unidades anteriores.
 4. Uso de diversas avaliações ao longo da disciplina, que servem para certificar
que o aluno dominou uma unidade e para informar ao professor e sua equipe se a
programação de ensino em vigor está sendo eficaz.
 5. Ritmo individualizado, permitindo ao aluno prosseguir com velocidade adequada
à sua habilidade e à sua disponibilidade de tempo.
 6. Feedback imediato em relação à produção do aluno e às suas avaliações/testes.
 7. Uso de palestras e demonstrações como veículo de motivação, ao invés de fonte
primordial de informação.
 8. Ênfase dada à palavra escrita nas comunicações entre professores e alunos.
 9. Uso de monitores, permitindo repetição de testes, avaliação imediata, tutela
inevitável, e acentuada ênfase no aspecto social do processo educacional.
 Reconheça o comportamento como uma comunicação Sempre procure
entender a intenção comunicativa do comportamento e construa modos
alternativos de comunicação para o aluno. • Pense preventivamente e
proativamente • Estabeleça um plano de comportamento de sala de aula para
todos os estudantes para conseguir os comportamentos esperados; •
Desenvolver um Plano Individual de Apoio de Comportamento Positivo para
cada aluno com autismo
 Forneça um retorno específico do comportamento: amplos elogios e uma
grande recompensa . Cative seus alunos sendo bom e elogiando (ex: “Foi
maravilhoso como você andou no corredor e ficou na fila. Me dá um toque
aqui!”) • Forneça organização de apoio às transições
 Comunique expectativas, use diário e planejamentos de curto prazo, alerte
para as mudanças de rotina ou de pessoal, prepare o aluno para eventos
inesperados, como simulações de incêndio, saídas ou de dia de passeio,
substitutos, etc. • Ofereça escolhas e proporcione ao aluno algum controle
(por exemplo, "Qual destes devemos trabalhar primeiro: matemática ou
leitura?" Ou "Você quer fazer 10 problemas de matemática ou 15 problemas
de matemática?») Mesmo que o aluno não tenha uma escolha verdadeira, ele
vai sentir que ele tem algum controle e que não é dirigido ao longo a cada
passo do seu dia. • Considere as necessidades sensoriais e intervenções
 Respeite o espaço e pessoal do aluno e ensine-o a reconhecer e respeitar o
espaço pessoal dos outros. • Forneça uma base ou local, onde o aluno se sinta
seguro e possa reagruparse, acalmar-se ou escapar de situações esmagadoras
ou de uma sobrecarga sensorial, como uma sala separada, uma tenda ou um
canto dentro de uma sala de aula ou um determinado professor ou
administrador no escritório . Ensinar ativamente ao aluno como e quando usar
esta estratégia, usando suportes visuais ou cartões de sugestão, conforme
necessário. • Prática, flexibilidade e auto-monitorização quando o estudante
está calmo e procurar fornecer um quadro “calmo e pronto para participar”. •
Utilize uma parada como uma forma de retornar a um estado de calma ou como
uma recompensa por "bom funcionamento", mas esteja atento sobre como e
quando as pausas são dadas. Providenciar uma pausa durante uma atividade
menos preferida pode ajudar a destruir esse comportamento negativo, uma vez
que se torna uma estratégia para o aluno (por exemplo, "Se eu gritar, eu
consigo evitar a aula de matemática e sentar-se no saco de feijão !”). Ensine ao
aluno solicitar uma pausa antes que ele agir usando uma sugestão visual
 Ofereça opções de comunicação que buscam dar ao estudante uma
oportunidade de expressar emoções, confusão ou a sua perspectiva.
 Ensine e proporcione ao aluno uma lista de estratégias para se acalmar
quando ansioso, estressado ou com raiva.
 Quando eu estou estressado, eu posso: • Respirar fundo • Contar até 10 •
Repetir uma mensagem positiva • Apertar uma bola • Pedir ajuda • Pedir para
dar um tempo • Pedir permissão para ir para a sala 10
 Conheça o estilo de aprendizagem do aluno e garanta que as modificações /
acomodações são suficientes e adequadas, de modo a aumentar a competência e
motivação e minimizar sua frustração. • Use modelagem de vídeo para mostrar os
comportamentos desejados, ou para comparar ou avaliar com o aluno o seu
comportamento em uma situação-alvo (ou seja, "este é o caminho de seus colegas
no corredor. Isto é como você anda no corredor O que você poderia ser capaz de
fazer para de forma diferente? Como podemos ajudá-lo a alcançar este objetivo?»)
• Avalie os comportamentos que precisam ser alterados, considerando os fatores
anteriores ao momento em que o comportamento ocorreu, os detalhes do
comportamento em si, e os acontecimentos que se seguiram, conversar com outras
pessoas para obter sua perspectiva, e desenvolver uma compreensão da função do
comportamento (para que isso serve?) para que um comportamento de
substituição ou estratégia pode ser desenvolvida. Mobilize o apoio de especialistas
em analisar comportamentos que precisam ser abordados.
Adaptações
 - Flexibilidade: garantir aos alunos que não se sintam obrigados a aprender no
mesmo tempo que os alunos ditos normais (BAPTISTA; BOSA, 2002);
 - Acomodação: o professor deve realizar ações para facilitar a maneira que os
alunos autistas irão realizar suas atividades escolares, preparando os demais
alunos da sala para o modo de se comunicar e de se relacionar com o aluno
autista, por exemplo, para que possa se sentir bem e aprender com qualidade
e participação (BAPTISTA; BOSA, 2002);
 - Trabalho simultâneo, cooperativo e participativo: o aluno precisa de um
direcionamento pedagógico planejado com critérios e especificidades, ou
seja, o professor deve se preocupar com os alunos normais e com os alunos
autistas da mesma forma, com planejamento de atividades e com a
responsabilidade de estar participando do processo de inclusão de alunos
autistas (BAPTISTA; BOSA, 2002).
Levar em consideração
 - aspectos de desenvolvimento biológico, intelectual, motor, emocional,
social, comunicação e linguagem; - nível de competência curricular –
capacidades do aluno; - estilo da aprendizagem – formas como se aprende e
ambientes.
 O PEI é um instrumento para o planejamento colaborativo entre a escola, a
comunidade e o aluno, deste modo, pensemos nos contextos onde vão
decorrer as aprendizagens, a participação em atividades pedagógicas da
escola, de modo a envolver outros profissionais da comunidade escolar e, se
possível (e condizente), os familiares e outras parcerias.
__________________________________________________________________
PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM
 Indicar as habilidades gerais e as expectativas de aprendizagem individuais
pertinentes ao aluno e previstos para serem trabalhados para o período
estabelecido
 Trabalhar os descritores de habilidades gerais que se esperam dos alunos e as
expectativas de aprendizagem individuais significa conciliar estratégia(s) e
instrumento(s) na/para a quebra de barreiras auxiliando o aluno da Educação
Especial no acesso ao currículo oficial.
Indicar dos conteúdos, os objetivos e as
habilidades a serem desenvolvidas.
 Precisamos nos perguntar: O que o aluno poderá aprender neste período? Que
atividades poderão ser desenvolvidas?
Estratégias
 Indicar as tecnologias de apoio a serem utilizadas pelo aluno, as estratégias
pedagógicas de ensino e as adaptações de materiais e conteúdos de modo a
privilegiar a aprendizagem do mesmo. Precisamos nos questionar, novamente,
quanto às barreiras (arquitetônicas, físicas, atitudinais, cognitivas, sensoriais,
comportamentais) fazendo com que os limites sejam transpostos e o foco se
dê nas possibilidades quanto ao desenvolvimento do processo de ensino-
aprendizagem
Profissionais envolvidos
 O PEI garante o desenvolvimento da autonomia, o pensar em modos de vida
independente e a busca clara, harmoniosa e intensificada ao propormos um
paralelo das atividades curriculares na classe especial com as proposições do
currículo oficial.
 Periodo a ser avaliado
 Indicar os critérios, os instrumentos para os momentos de avaliação deste PEI.
 Indicar mudanças a serem consideradas para a elaboração do próximo PEI.
Compartilhar o PEI
 FAMILIA
 ESCOLA
 PROFISSIONAIS
PRÁTICAS DE INCLUSÃO
 NÃO EXISTE INCLUSÃO SEM PEI E SEM ADAPTAÇÃO CURRICULAR
 O mediador de PEI com relação a este parâmetro deve: o Estar aberto para as
variadas respostas que virão dos alunos. o Definir o que é importante,
destacando dados que são relevantes dos irrelevantes. o Analisar com cuidado
a Modalidade que é importante, porque assim o mediador poderá inclusive
propor a construção de outros materiais, relacionando os conteúdos que
pretende ensinar e as formas de exposição dos estímulos (modalidades) que o
indivíduo opere da melhor forma. Sem essa análise o mediador corre o risco
de definir o resultado do aluno como fracasso quando, por exemplo, em uma
situação de analogia, que seja apresentada em modalidade numérica e o
aluno apresente dificuldade. Isso necessariamente não indica um possível
fracasso do aluno para lidar com analogias, pois quando o estímulo for
apresentado em outra modalidade, por exemplo, figurativa ou verbal ele
pode apresentar um bom desempenho em lidar com analogias.
 A criança com Transtorno do Espectro Autista deve ser acompanhada e
avaliada em todos os seus aspectos de aprendizagem. A avaliação no
ambiente escolar vai além das notas/menções dos estudantes. Deve ser vista
com a função de diagnosticar e acompanhar o crescimento do estudante no
seu processo de ensino/aprendizagem permitindo que o professor conheça as
potencialidades e dificuldades do estudante no seu aspecto cognitivo e
psicomotor
 contexto de sala de aula, os instrumentos para fazer a mensuração da
aprendizagem do estudante com TEA são muitos importantes, pois, através do
diagnóstico o professor obterá um conhecimento prévio sobre a aprendizagem
obtida pelo estudante, traçará novas formas de aprendizagem, possibilitando
uma reflexão sobre o processo de aprendizagem desses estudantes.
ALFABETIZAÇÃO
 O processo de alfabetização e letramento é essencial para que o sujeito
consiga interagir na sociedade, isso porque o código linguístico se constitui de
signos arbitrários convencionados socialmente, utilizados para transmitir uma
ideia ou um ponto de vista, desenvolvendo comportamentos e habilidades de
uso competente da leitura e da escrita em práticas sociais. Assim, é por meio
da alfabetização e do letramento que o sujeito se torna capaz de perceber e
compreender as mais diversas situações de interação que ocorrem na
sociedade, conseguindo analisar crítica e reflexivamente a sua realidade, bem
como modificá-la
 É importante ressaltar que, assim como a linguagem oral, o processo de
alfabetização e letramento é essencial para a consolidação das relações
interpessoais, especialmente para os alunos com TEA. É necessário que sejam
estimuladas suas habilidades de comunicação e expressão, para que consigam
interagir socialmente e compreender a sua realidade e agir sobre ela,
minimizando, dessa forma, as barreiras trazidas pelo transtorno. Dessa
maneira, principalmente nas séries iniciais do ensino fundamental, o aluno
com TEA precisa de um ensino direcionado, que consiga auxiliá-lo na
interiorização da linguagem social e exteriorização do pensamento, de modo
a assimilar os signos arbitrários convencionados socialmente e usá-los de
modo intencional e autônomo. É em busca dessas especificidades que este
estudo se faz relevante
DICA
 ESTRUTURADO + MÉTODO FÔNICO
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO
MATEMÁTICA
 CONCRETO
 DAR SIGNIFICADO
 A partir de então, o professor poderá trabalhar de forma mais concreta o
raciocínio lógico. Diante desse quadro, se torna interessante o professor implantar
em suas práticas pedagógicas métodos e recursos que chamem a atenção do aluno,
tornando o aprender mais interessante e prazeroso. Isso se dá especialmente
quando se associa o conhecimento a assuntos que estejam relacionados com o dia-
dia da criança, ou mesmo assuntos de seu interesse (SILVA, 2014). A autora
defende que a criança autista necessita de atividades lúdicas e concretas,
incitando ainda mais o raciocínio lógico. Numerais, sequenciamentos, pareamentos
adições e subtrações são mais bem apreendidos se estiverem ligados à vida social
e afetiva do aprendente com autismo. Tanto na Linguagem como na Matemática,
ele aprende a generalizar classificar, organizar sequenciar. Dessa forma, ainda é
possível trabalhar com blocos lógicos, caixa de cores, barras coloridas que
indiquem unidades numéricas e encaixes geométricos, dentre outros materiais,
para o desenvolvimento do pensamento lógico matemático (CUNHA, 2013 apud
SILVA 2014, p. 78).
VAMOS ANALISAR
 Recebi uma criança autista com 6 anos de idade, não ler, comportamento
agressivo, atraso na fala, hiper sensibilidade, sabe apenas de 1 ate 10. O que
fazer?
 Recebi um adolescente autista, 14 anos de idade, escreve apenas o nome,
não ler, conta até o 30, apresenta esteriotipia. O que fazer?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
UNIME
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Raline Guimaraes
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
Adaptar e Incluir
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
SimoneHelenDrumond
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
Daniel Rodrigues de Lima
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
Zélia Cordeiro
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
Vera Zacharias
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
guest1f39a4
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Thiago de Almeida
 
Relação Família Escola
Relação Família EscolaRelação Família Escola
Relação Família Escola
Joaquim Colôa
 
FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHE
FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHEFORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHE
FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHE
ProfessorPrincipiante
 
AEE
AEEAEE
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação EspecialOrientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Autismo
AutismoAutismo
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxO Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
paInformatica
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
Genilson Costa e Silva
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
Instituto Consciência GO
 

Mais procurados (20)

Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Relação Família Escola
Relação Família EscolaRelação Família Escola
Relação Família Escola
 
FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHE
FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHEFORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHE
FORMAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O SER PROFESSOR DE CRECHE
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação EspecialOrientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxO Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
A Escola na Perspectiva da Educação Inclusiva construção do projeto pedagógic...
 

Semelhante a AUTISMO NA ESCOLA

Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
O papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEs
O papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEsO papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEs
O papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEs
Rosemeire Fernanda
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
helio123456
 
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
Centro Neurológico de Teresópolis
 
Ensaio eliane modulo iv
Ensaio eliane  modulo ivEnsaio eliane  modulo iv
Ensaio eliane modulo iv
Vania Mendes
 
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica PedagógicaEducação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Ensaio eliane modulo iv
Ensaio eliane  modulo ivEnsaio eliane  modulo iv
Ensaio eliane modulo iv
Vania Mendes
 
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
FAMETRO/SEDUC
 
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Cristina Ferreira
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de Aprendizagem
Kelly Vanderlei
 
Planejamento e avaliação na educação do sistema prisional
Planejamento e avaliação na educação do sistema prisionalPlanejamento e avaliação na educação do sistema prisional
Planejamento e avaliação na educação do sistema prisional
anjalylopes
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
mkbariotto
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
Apresentação pnaic1
Apresentação pnaic1Apresentação pnaic1
Apresentação pnaic1
Magda Marques
 
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
Elisângela Feitosa
 
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogicaTrabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Islane Uefs
 
Artigo10 didatica-na-relacao-professor-aluno
Artigo10 didatica-na-relacao-professor-alunoArtigo10 didatica-na-relacao-professor-aluno
Artigo10 didatica-na-relacao-professor-aluno
UFRJ
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
jeconiaseandreia
 
ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO PARA UM BOM RELACIONAM...
ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO  PARA UM BOM RELACIONAM...ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO  PARA UM BOM RELACIONAM...
ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO PARA UM BOM RELACIONAM...
christianceapcursos
 

Semelhante a AUTISMO NA ESCOLA (20)

Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
O papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEs
O papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEsO papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEs
O papel da equipe multidisciplinar na inclusão de alunos com NEEs
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
 
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
 
Ensaio eliane modulo iv
Ensaio eliane  modulo ivEnsaio eliane  modulo iv
Ensaio eliane modulo iv
 
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica PedagógicaEducação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
 
Ensaio eliane modulo iv
Ensaio eliane  modulo ivEnsaio eliane  modulo iv
Ensaio eliane modulo iv
 
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
 
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de Aprendizagem
 
Planejamento e avaliação na educação do sistema prisional
Planejamento e avaliação na educação do sistema prisionalPlanejamento e avaliação na educação do sistema prisional
Planejamento e avaliação na educação do sistema prisional
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Apresentação pnaic1
Apresentação pnaic1Apresentação pnaic1
Apresentação pnaic1
 
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
 
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogicaTrabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
Trabalho de conclusão de curso pós coordenação pedagogica
 
Artigo10 didatica-na-relacao-professor-aluno
Artigo10 didatica-na-relacao-professor-alunoArtigo10 didatica-na-relacao-professor-aluno
Artigo10 didatica-na-relacao-professor-aluno
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
 
ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO PARA UM BOM RELACIONAM...
ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO  PARA UM BOM RELACIONAM...ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO  PARA UM BOM RELACIONAM...
ENTENDER AS ETAPAS DA ADOLESCÊNCIA É O PRIMEIRO PASSO PARA UM BOM RELACIONAM...
 

Último

APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

AUTISMO NA ESCOLA

  • 1. O AUTISMO NA ESCOLA
  • 2.  A inclusão escolar de crianças com transtorno do espectro autista (TEA) demanda uma parceria entre os pais, a creche/escola e os profissionais que acompanham a criança, como psicóloga, fonoaudióloga, mediadora, entre outros. No entanto, a inclusão é muito além da presença física da criança em sala de aula, é preciso que ela faça parte da turma, interaja com os professores e com as demais crianças, compreenda as questões pedagógicas, e se desenvolva de acordo com as suas particularidades. Perante a isso, destacamos a importância da presença de um mediador escolar, em busca de auxiliar no processo de desenvolvimento da aprendizagem e de habilidades, realizando as adaptações necessárias
  • 3.  Rodrigues; Spencer (2015, p.12) corroboram com as autoras, afirmando que: “Temos a certeza de que antes de discutir níveis, denominações, causas de autismo, melhor será interagir com os considerados autistas, conviver com eles, vislumbrando sempre as potencialidades que precisam ser reveladas e as capacidades que precisam ser desenvolvidas”
  • 4.  A criança diagnosticada com transtorno do espectro autista possui direito a um mediador escolar, um profissional capacitado para auxiliar o sujeito na comunicação verbal e não verbal, competências e habilidades, aspectos pedagógicos, ludicidade e na interação social com os seus pares. A Lei 12.764 (BRASIL, 2012) deixa explícito que: "Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista incluída nas classes comuns de ensino regular, terá direito a acompanhante especializado." Porém, até o ano de 2015, este profissional era custeado pelos pais da criança, apenas a partir de 2016, por meio da Lei Brasileira de Inclusão, as escolas passaram a contratar estagiários das áreas de pedagogia e psicologia, entre outras, para atuarem observando e dando suporte as crianças incluídas.
  • 5.  A Convenção Internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência (2006) junto da Declaração de Salamanca (1994) são os principais documentos que consolidam a educação inclusiva, por meio da inserção da educação especial na estrutura de "uma educação para todos", garantindo assim a inclusão das crianças com necessidades educativas especiais. A Declaração de Salamanca ressalta que o lugar das pessoas com necessidades educativas especiais é na escola, e não mais em casa. Elas devem estar matriculadas nas escolas regulares e serem incluídas, salvo os casos em que as crianças precisam primeiramente ficar em uma escola especial. Importante destacar a necessidade que a escola se adapte as especificidades das crianças, e não ao contrário, como temos visto em muitas escolas. As escolas precisam ser acessíveis, ter uma proposta inclusiva, professores preparados e flexíveis para lidar com as diferentes necessidades, e ofertar mediadores escolares para auxiliarem na inclusão, promovendo assim um ambiente em que possam brincar, interagir com outras crianças e desenvolverem os seus conhecimentos.
  • 6.  mediador é o responsável pela interação entre a criança e todas as pessoas do ambiente escolar. Também é a pessoa que passa mais tempo com a criança na escola e que faz “a ponte” sobre os desenvolvimentos com os pais e os terapeutas. Cabe ao mediador acompanhar a criança em todos os ambientes da escola, desde a entrada da criança em sala, as aulas, e a saída, priorizando sempre o seu desenvolvimento integral. Assim, em certas circunstâncias o mediador deve começar a se afastar para que a criança possa adquirir a autonomia, e nos momentos precisos retornar a interceder com o objetivo de que ela adquira uma aprendizagem significativa (MOUSINHO et al, 2010):
  • 7.  “O mediador é aquele que no processo de aprendizagem favorece a interpretação do estímulo ambiental, chamando a atenção para os seus aspectos cruciais, atribuindo significado à informação recebida, possibilitando que a mesma aprendizagem de regras e princípios sejam aplicados às novas aprendizagens, tornando o estímulo ambiental relevante e significativo, favorecendo o desenvolvimento. A principal função do mediador é ser o intermediário entre a criança e as situações vivenciadas por ela, onde se depara com dificuldades de interpretação e ação”.
  • 8.  Na realização do planejamento e do Plano Educacional Individualizado (PEI) para os alunos é preciso que o professor e o mediador elaborem atividades relacionadas a rotina diária dessa criança atividades que estimulem a classificação, associação e generalização de palavras e conceitos, estimulando sempre a comunicação, socialização e a realização das atividades, reforçando-o sempre ao concluí-las (CUNHA, 2015).
  • 9.  Para Cunha (2015) as estereotipias apresentadas podem se expressar por uma dificuldade na comunicação, para informar a outra pessoa sobre sua felicidade, frustração, emoção, ou ansiedade. O movimento estereotipado surge devido ao contato sensorial com determinado objeto/ambiente, perante o estímulo e sensação qual o objeto proporciona, em que a criança acaba reagindo por uma repetição e compulsão. Contudo, por realizar a estereotipia, o indivíduo se priva de experiências motoras bloqueando certas habilidades. Mediante a isso é necessário inibir essas manifestações modificando-as para movimentos mais adequados, em busca de uma auto- regulação e processos na área motora, comunicativa e cognitiva. Como, por exemplo, modificar a estereotipia do movimento flapping por bater palmas.
  • 10. ABA na educação  Essa abordagem estuda o comportamento, entendido como relação entre classes de estímulos (público e privado, histórico e imediato, social e não social) e classes de respostas de um organismo biologicamente constituído, ambas definidas por suas funções (CARVALHO NETO; ALVES; BAPTISTA, 2007). O comportamento é um processo (muda ao longo do tempo). Comportamentos apresentados em diferentes momentos podem ser similares em termos de forma e função. Contudo, não são iguais. O termo classe enfatiza justamente essa característica do comportamento. O que pode ser dito é que uma variedade de estímulos (uma classe) possui determinada função em relação a um conjunto de respostas (outra classe). O termo resposta é utilizado para destacar um dos componentes da relação comportamental; diz respeito a uma determinada ação do organismo num determinado momento. Portanto, é menos abrangente que o termo comportamento.
  • 11.  Ao planejar suas aulas e durante sua realização, o professor deve criar muitas situações para que os alunos possam participar. A participação é essencial para que o professor tenha feedback imediato sobre o que, quanto e como seus alunos estão aprendendo. Além disso, é uma oportunidade de reforçar os comportamentos esperados, isto é, que se aproximam dos objetivos traçados. A importância reside no fato de que, nessa condição descrita, o professor pode reforçar imediatamente o comportamento após sua apresentação. A proximidade temporal entre uma resposta e a consequência que ela produz é crucial para o estabelecimento mais rápido e fidedigno de uma relação comportamental, o que significa aprendizado mais eficaz, eficiente e gratificante. Uma aula exclusivamente expositiva e que não dá oportunidades de participação clara e consistente do aluno inviabiliza o reforçamento dos comportamentos que demonstram concretamente seu aprendizado.
  • 12.  Reforçar é essencial, mas o professor precisa tomar cuidado com o tipo de reforço que utiliza e com os comportamentos que são reforçados. No processo de ensino, o reforço deve ser condicionado à apresentação, pelo aluno, de comportamentos que se aproximem dos comportamentos-objetivo estabelecidos pelo professor, ou que efetivamente sejam demonstrações desses comportamentos-objetivo. Podemos dizer, então, que o professor precisa ter critérios claros de reforçamento, de modo a fortalecer apenas demonstrações reais de evolução e/ou de aprendizado. O critério é claro quando conhecemos os resultados que o aluno deve alcançar numa determinada circunstância. No que diz respeito ao tipo de reforçador, é necessário ressaltar que reforço não é só nota, prêmio ou estrelinha colada no caderno. Essas são consequências artificiais/arbitrárias, pois são extrínsecas à situação de aprendizagem. Podem ser utilizadas no início da aprendizagem, mas não devem ser empregadas de tal forma que o aluno só estude para obter prêmios ou evitar reprovação. Portanto, ao definir os reforçadores, é importante cuidar para não empregar apenas (ou por longos períodos) reforçadores artificiais. É preciso desenvolver procedimento de ensino para realizar a transferência do controle do comportamento por reforçadores artificiais para reforçadores naturais. Em algum momento, é essencial que o aluno se torne sensível a reforçadores naturais da situação de aprendizagem, tais como indicações de progresso na sua capacidade de resolver problemas matemáticos ou entender o que está escrito num texto, confirmação de acerto, aprovação social, entre outros. A questão central do planejamento de contingências de reforço não reside somente na quantidade, mas na utilização efetiva e consciente (porque planejada) pelo professor dos reforçadores que estão disponíveis no contexto de uma sala de aula.
  • 13.  É essencial que o professor planeje situações para exigir respostas de observação e de imitação por parte do seu aluno. As respostas de observação fornecem parâmetros ao professor de que o aluno está com a atenção voltada para aquilo que ele pretende ensinar.
  • 14.  No que concerne a avaliações e erros, é especialmente importante que o professor esteja atento, por dois motivos: o erro indica ao professor que o seu procedimento de ensino não está sendo efetivo e que algo em seu planejamento de ensino precisa ser revisto - desde os procedimentos de ensino às formas de avaliação da aprendizagem do aluno. Essa condição é bastante séria, pois como lembram Kubo e Botomé (2001), caso o professor não ensine, o aluno provavelmente demorará muito tempo e terá um custo muito alto até descobrir qual o comportamento correto em relação, por exemplo, a uma situação--problema em matemática. Se o custo for muito alto e o valor do aprender muito baixo, é quase certo que o aluno desistirá. Concomitantemente, o erro deve servir de alerta ao professor, pois, quando acontece em grande quantidade, pode desmotivar o aluno, afastando-o dos estudos. A rigor, errar tem caráter aversivo e, portanto, isso pode diminuir a probabilidade de que o aluno continue apresentando os comportamentos que estão sendo consistentemente punidos.
  • 15.  As primeiras propostas comportamentais voltadas ao ensino surgiram nos anos 1950 a partir do trabalho de Skinner (1953) que discutiu o uso de princípios comportamentais na sala de aula. Inicialmente, esse autor identificou uma série de problemas na educação norte-americana de seu tempo. Esses problemas são também frequentes no Brasil. Dois exemplos são: (a) professores raramente utilizam reforço positivo em sala de aula ou utilizam- no de forma não planejada e/ou não consistente (o reforço vem atrasado ou é incerto); (b) não há ênfase na modelagem de respostas, de modo que os comportamentos-objetivo demoram a ocorrer.
  • 16.  1. Conteúdo da disciplina ou do curso organizado em pequenas partes, cada uma delas constituindo unidades de ensino.  2. Requisito de perfeição em cada unidade para que o aluno possa prosseguir, ou seja, o aluno só poderá avançar quando demonstrar domínio completo da unidade precedente.  3. Unidades mais avançadas englobam o que foi ensinado em unidades anteriores.  4. Uso de diversas avaliações ao longo da disciplina, que servem para certificar que o aluno dominou uma unidade e para informar ao professor e sua equipe se a programação de ensino em vigor está sendo eficaz.  5. Ritmo individualizado, permitindo ao aluno prosseguir com velocidade adequada à sua habilidade e à sua disponibilidade de tempo.  6. Feedback imediato em relação à produção do aluno e às suas avaliações/testes.  7. Uso de palestras e demonstrações como veículo de motivação, ao invés de fonte primordial de informação.  8. Ênfase dada à palavra escrita nas comunicações entre professores e alunos.  9. Uso de monitores, permitindo repetição de testes, avaliação imediata, tutela inevitável, e acentuada ênfase no aspecto social do processo educacional.
  • 17.  Reconheça o comportamento como uma comunicação Sempre procure entender a intenção comunicativa do comportamento e construa modos alternativos de comunicação para o aluno. • Pense preventivamente e proativamente • Estabeleça um plano de comportamento de sala de aula para todos os estudantes para conseguir os comportamentos esperados; • Desenvolver um Plano Individual de Apoio de Comportamento Positivo para cada aluno com autismo
  • 18.  Forneça um retorno específico do comportamento: amplos elogios e uma grande recompensa . Cative seus alunos sendo bom e elogiando (ex: “Foi maravilhoso como você andou no corredor e ficou na fila. Me dá um toque aqui!”) • Forneça organização de apoio às transições
  • 19.  Comunique expectativas, use diário e planejamentos de curto prazo, alerte para as mudanças de rotina ou de pessoal, prepare o aluno para eventos inesperados, como simulações de incêndio, saídas ou de dia de passeio, substitutos, etc. • Ofereça escolhas e proporcione ao aluno algum controle (por exemplo, "Qual destes devemos trabalhar primeiro: matemática ou leitura?" Ou "Você quer fazer 10 problemas de matemática ou 15 problemas de matemática?») Mesmo que o aluno não tenha uma escolha verdadeira, ele vai sentir que ele tem algum controle e que não é dirigido ao longo a cada passo do seu dia. • Considere as necessidades sensoriais e intervenções
  • 20.  Respeite o espaço e pessoal do aluno e ensine-o a reconhecer e respeitar o espaço pessoal dos outros. • Forneça uma base ou local, onde o aluno se sinta seguro e possa reagruparse, acalmar-se ou escapar de situações esmagadoras ou de uma sobrecarga sensorial, como uma sala separada, uma tenda ou um canto dentro de uma sala de aula ou um determinado professor ou administrador no escritório . Ensinar ativamente ao aluno como e quando usar esta estratégia, usando suportes visuais ou cartões de sugestão, conforme necessário. • Prática, flexibilidade e auto-monitorização quando o estudante está calmo e procurar fornecer um quadro “calmo e pronto para participar”. • Utilize uma parada como uma forma de retornar a um estado de calma ou como uma recompensa por "bom funcionamento", mas esteja atento sobre como e quando as pausas são dadas. Providenciar uma pausa durante uma atividade menos preferida pode ajudar a destruir esse comportamento negativo, uma vez que se torna uma estratégia para o aluno (por exemplo, "Se eu gritar, eu consigo evitar a aula de matemática e sentar-se no saco de feijão !”). Ensine ao aluno solicitar uma pausa antes que ele agir usando uma sugestão visual
  • 21.  Ofereça opções de comunicação que buscam dar ao estudante uma oportunidade de expressar emoções, confusão ou a sua perspectiva.  Ensine e proporcione ao aluno uma lista de estratégias para se acalmar quando ansioso, estressado ou com raiva.
  • 22.  Quando eu estou estressado, eu posso: • Respirar fundo • Contar até 10 • Repetir uma mensagem positiva • Apertar uma bola • Pedir ajuda • Pedir para dar um tempo • Pedir permissão para ir para a sala 10
  • 23.  Conheça o estilo de aprendizagem do aluno e garanta que as modificações / acomodações são suficientes e adequadas, de modo a aumentar a competência e motivação e minimizar sua frustração. • Use modelagem de vídeo para mostrar os comportamentos desejados, ou para comparar ou avaliar com o aluno o seu comportamento em uma situação-alvo (ou seja, "este é o caminho de seus colegas no corredor. Isto é como você anda no corredor O que você poderia ser capaz de fazer para de forma diferente? Como podemos ajudá-lo a alcançar este objetivo?») • Avalie os comportamentos que precisam ser alterados, considerando os fatores anteriores ao momento em que o comportamento ocorreu, os detalhes do comportamento em si, e os acontecimentos que se seguiram, conversar com outras pessoas para obter sua perspectiva, e desenvolver uma compreensão da função do comportamento (para que isso serve?) para que um comportamento de substituição ou estratégia pode ser desenvolvida. Mobilize o apoio de especialistas em analisar comportamentos que precisam ser abordados.
  • 24. Adaptações  - Flexibilidade: garantir aos alunos que não se sintam obrigados a aprender no mesmo tempo que os alunos ditos normais (BAPTISTA; BOSA, 2002);  - Acomodação: o professor deve realizar ações para facilitar a maneira que os alunos autistas irão realizar suas atividades escolares, preparando os demais alunos da sala para o modo de se comunicar e de se relacionar com o aluno autista, por exemplo, para que possa se sentir bem e aprender com qualidade e participação (BAPTISTA; BOSA, 2002);  - Trabalho simultâneo, cooperativo e participativo: o aluno precisa de um direcionamento pedagógico planejado com critérios e especificidades, ou seja, o professor deve se preocupar com os alunos normais e com os alunos autistas da mesma forma, com planejamento de atividades e com a responsabilidade de estar participando do processo de inclusão de alunos autistas (BAPTISTA; BOSA, 2002).
  • 25. Levar em consideração  - aspectos de desenvolvimento biológico, intelectual, motor, emocional, social, comunicação e linguagem; - nível de competência curricular – capacidades do aluno; - estilo da aprendizagem – formas como se aprende e ambientes.
  • 26.  O PEI é um instrumento para o planejamento colaborativo entre a escola, a comunidade e o aluno, deste modo, pensemos nos contextos onde vão decorrer as aprendizagens, a participação em atividades pedagógicas da escola, de modo a envolver outros profissionais da comunidade escolar e, se possível (e condizente), os familiares e outras parcerias. __________________________________________________________________
  • 27. PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM  Indicar as habilidades gerais e as expectativas de aprendizagem individuais pertinentes ao aluno e previstos para serem trabalhados para o período estabelecido  Trabalhar os descritores de habilidades gerais que se esperam dos alunos e as expectativas de aprendizagem individuais significa conciliar estratégia(s) e instrumento(s) na/para a quebra de barreiras auxiliando o aluno da Educação Especial no acesso ao currículo oficial.
  • 28. Indicar dos conteúdos, os objetivos e as habilidades a serem desenvolvidas.  Precisamos nos perguntar: O que o aluno poderá aprender neste período? Que atividades poderão ser desenvolvidas?
  • 29. Estratégias  Indicar as tecnologias de apoio a serem utilizadas pelo aluno, as estratégias pedagógicas de ensino e as adaptações de materiais e conteúdos de modo a privilegiar a aprendizagem do mesmo. Precisamos nos questionar, novamente, quanto às barreiras (arquitetônicas, físicas, atitudinais, cognitivas, sensoriais, comportamentais) fazendo com que os limites sejam transpostos e o foco se dê nas possibilidades quanto ao desenvolvimento do processo de ensino- aprendizagem
  • 30. Profissionais envolvidos  O PEI garante o desenvolvimento da autonomia, o pensar em modos de vida independente e a busca clara, harmoniosa e intensificada ao propormos um paralelo das atividades curriculares na classe especial com as proposições do currículo oficial.
  • 31.  Periodo a ser avaliado  Indicar os critérios, os instrumentos para os momentos de avaliação deste PEI.
  • 32.  Indicar mudanças a serem consideradas para a elaboração do próximo PEI.
  • 33. Compartilhar o PEI  FAMILIA  ESCOLA  PROFISSIONAIS
  • 34. PRÁTICAS DE INCLUSÃO  NÃO EXISTE INCLUSÃO SEM PEI E SEM ADAPTAÇÃO CURRICULAR
  • 35.  O mediador de PEI com relação a este parâmetro deve: o Estar aberto para as variadas respostas que virão dos alunos. o Definir o que é importante, destacando dados que são relevantes dos irrelevantes. o Analisar com cuidado a Modalidade que é importante, porque assim o mediador poderá inclusive propor a construção de outros materiais, relacionando os conteúdos que pretende ensinar e as formas de exposição dos estímulos (modalidades) que o indivíduo opere da melhor forma. Sem essa análise o mediador corre o risco de definir o resultado do aluno como fracasso quando, por exemplo, em uma situação de analogia, que seja apresentada em modalidade numérica e o aluno apresente dificuldade. Isso necessariamente não indica um possível fracasso do aluno para lidar com analogias, pois quando o estímulo for apresentado em outra modalidade, por exemplo, figurativa ou verbal ele pode apresentar um bom desempenho em lidar com analogias.
  • 36.  A criança com Transtorno do Espectro Autista deve ser acompanhada e avaliada em todos os seus aspectos de aprendizagem. A avaliação no ambiente escolar vai além das notas/menções dos estudantes. Deve ser vista com a função de diagnosticar e acompanhar o crescimento do estudante no seu processo de ensino/aprendizagem permitindo que o professor conheça as potencialidades e dificuldades do estudante no seu aspecto cognitivo e psicomotor
  • 37.  contexto de sala de aula, os instrumentos para fazer a mensuração da aprendizagem do estudante com TEA são muitos importantes, pois, através do diagnóstico o professor obterá um conhecimento prévio sobre a aprendizagem obtida pelo estudante, traçará novas formas de aprendizagem, possibilitando uma reflexão sobre o processo de aprendizagem desses estudantes.
  • 38. ALFABETIZAÇÃO  O processo de alfabetização e letramento é essencial para que o sujeito consiga interagir na sociedade, isso porque o código linguístico se constitui de signos arbitrários convencionados socialmente, utilizados para transmitir uma ideia ou um ponto de vista, desenvolvendo comportamentos e habilidades de uso competente da leitura e da escrita em práticas sociais. Assim, é por meio da alfabetização e do letramento que o sujeito se torna capaz de perceber e compreender as mais diversas situações de interação que ocorrem na sociedade, conseguindo analisar crítica e reflexivamente a sua realidade, bem como modificá-la
  • 39.  É importante ressaltar que, assim como a linguagem oral, o processo de alfabetização e letramento é essencial para a consolidação das relações interpessoais, especialmente para os alunos com TEA. É necessário que sejam estimuladas suas habilidades de comunicação e expressão, para que consigam interagir socialmente e compreender a sua realidade e agir sobre ela, minimizando, dessa forma, as barreiras trazidas pelo transtorno. Dessa maneira, principalmente nas séries iniciais do ensino fundamental, o aluno com TEA precisa de um ensino direcionado, que consiga auxiliá-lo na interiorização da linguagem social e exteriorização do pensamento, de modo a assimilar os signos arbitrários convencionados socialmente e usá-los de modo intencional e autônomo. É em busca dessas especificidades que este estudo se faz relevante
  • 40. DICA  ESTRUTURADO + MÉTODO FÔNICO
  • 43.  A partir de então, o professor poderá trabalhar de forma mais concreta o raciocínio lógico. Diante desse quadro, se torna interessante o professor implantar em suas práticas pedagógicas métodos e recursos que chamem a atenção do aluno, tornando o aprender mais interessante e prazeroso. Isso se dá especialmente quando se associa o conhecimento a assuntos que estejam relacionados com o dia- dia da criança, ou mesmo assuntos de seu interesse (SILVA, 2014). A autora defende que a criança autista necessita de atividades lúdicas e concretas, incitando ainda mais o raciocínio lógico. Numerais, sequenciamentos, pareamentos adições e subtrações são mais bem apreendidos se estiverem ligados à vida social e afetiva do aprendente com autismo. Tanto na Linguagem como na Matemática, ele aprende a generalizar classificar, organizar sequenciar. Dessa forma, ainda é possível trabalhar com blocos lógicos, caixa de cores, barras coloridas que indiquem unidades numéricas e encaixes geométricos, dentre outros materiais, para o desenvolvimento do pensamento lógico matemático (CUNHA, 2013 apud SILVA 2014, p. 78).
  • 44. VAMOS ANALISAR  Recebi uma criança autista com 6 anos de idade, não ler, comportamento agressivo, atraso na fala, hiper sensibilidade, sabe apenas de 1 ate 10. O que fazer?
  • 45.  Recebi um adolescente autista, 14 anos de idade, escreve apenas o nome, não ler, conta até o 30, apresenta esteriotipia. O que fazer?