SlideShare uma empresa Scribd logo
NUTRIÇÃO NORMAL E DIETÉTICA
ALIMENTAÇÃO INFANTIL, DO ADOLESCENTE E DA
GESTANTE
Prof. Mestra Eurídice Farias Falcão
ALIMENTAÇÃO INFANTIL
INFÂNCIA
•Promoção e consolidação dos hábitos alimentares.
•Incremento das necessidades nutricionais para o
crescimento e desenvolvimento.
QUALIDADE DA ALIMENTAÇÃO
E SAÚDE INFANTIL
• Institui capacidade de aprender;
• Facilita a comunicação;
• Desenvolve o ato de pensar;
• Promove defesa contra doenças;
• Estimula a atividade física;
• Desperta a socialização.
A educação nutricional adequada
no período pré-escolar e escolar
Institui hábitos alimentares corretos
Melhoras nutricionais no início da infância levam
a melhoras no desempenho intelectual durante a
adolescência.
O ingresso à escola
Promove a autonomia alimentar
Consolida os hábitos alimentares
IMPORTÂNCIA
DA ESCOLA
INTERVENÇÃO DE FATORES:
genéticos, sociais e culturais.
Fatores ambientais:
- transmissões sociais intragrupos
família
escola
Imitação
Influência dos companheiros
No processo de socialização
novos hábitos alimentares
REQUISITOS NUTRICIONAIS DIÁRIOS
EM IDADE ESCOLAR
A nutrição é importante para que o organismo
funcione com normalidade
Fatores que afetam uma alimentação adequada:
Aspecto das preparações
Volume de alimentos
Harmonia dos alimentos
Comportamento exemplar familiar
Manter o crescimento adequado;
Evitar o déficit de nutrientes;
Prevenir possíveis problemas de saúde da fase
adulta.
Harmonia
Adequação
Quantidade
Qualidade
Alimentação saudável
OBJETIVOS:
NECESSIDADES NUTRICIONAIS NA INFÂNCIA
PROTEÍNAS
Devem fornecer 15% das necessidades energéticas diárias:
-Manter crescimento adequado
-Imunidade
-Reparação dos tecidos
Proteína de origem animal
Devem fornecer 30% das necessidades energéticas
diárias:
- Gorduras saturadas menos de 10%
- Colesterol menos de 300 mg/dia
Evitar alimentos gordurosos e frituras
LIPÍDIOS
Devem fornecer 55% das necessidades energéticas diárias
(preferência pelos carboidratos complexos):
- Fornecer energia necessária ao cérebro e músculos.
Evitar doces e alimentos industrializados que contenham
açúcar em sua composição.
Evitar sobrecarga de carboidrato repetidamente nas
refeições.
HIDRATOS DE CARBONO
OS ALIMENTOS DEVEM SER BEM
DISTRIBUÍDOS AO LONGO DO DIA:
Desjejum : 20 - 25 % cal
Colação: 10 - 20% cal
Almoço : 35 - 40 % cal
Lanche: 10 - 20 % cal
Jantar: 15 - 25 % cal
Ceia: 10 - 20 % cal
É, ainda, importante:
o número de refeições diárias.
evitar refeições pesadas e de difícil digestão..
Almoço
(1ª refeição do dia)
Jejum prolongado
“Petiscar”
Predispõe diabetes e obesidade
EVITAR
Crianças em jejum ou insuficientemente alimentadas:
Desatentas e agitadas
Sonolentas e fracas
A melhoria da memória está relacionada com a glicemia
O cérebro requer glucose para o seu normal funcionamento
ALIMENTAÇÃO DO ADOLESCENTE
ADOLESCÊNCIA
•Período de alta vulnerabilidade nutricional;
•Momento adequado para uma intervenção nutricional
ativa e participativa.
PRINCÍPIOS DE UMA
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
Aquela que faz bem e promove saúde, devendo ser orientada
e incentivada desde a infância até a idade adulta.
•Baixa renda;
•Exclusão social;
•Escolaridade inadequada;
•Falta ou informação insuficiente sobre os alimentos e
as necessidades nutricionais.
Vários fatores podem inibir a adoção e a prática de uma
alimentação saudável
• Os alimentos devem ser preferencialmente
consumidos em sua forma natural.
• Adequados qualitativa e quantitativamente.
• Preparados de forma a preservar os valores
nutritivos e os aspectos sensoriais.
• Seguros do ponto de vista higiênico sanitário.
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
Tende a seguir os padrões e comportamentos do grupo
social de convívio com possíveis distorções e alterações
alimentares temporárias, como:
• modismos;
• quantidades exageradas;
• rejeição a determinados grupos alimentares.
O HÁBITO ALIMENTAR DO
ADOLESCENTE
•No início da fase adulta, os comportamentos se
estabilizam, dando lugar a um período estável na
alimentação.
•Deve ser sempre orientado ao consumo alimentar
saudável, como prevenção das DCNT.
• Manutenção da saúde
• Desenvolvimento físico e mental
• Redução do risco doença na vida futura
OBJETIVO DO CUIDADO NUTRICIONAL
NA ADOLESCÊNCIA
RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS
DIÁRIAS DE NUTRIENTES
• São valores numéricos de macro e
micronutrientes estimados para o
consumo de nutrientes, sendo utilizados
como parâmetros para o planejamento e
a avaliação de dietas para indivíduos
saudáveis.
RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS
DIÁRIAS DE NUTRIENTES
ZINCO (Zn)
• Essencial para crescimento e maturação sexual.
• Ingestão limitada de alimentos fontes de zinco
pode afetar o crescimento físico, assim como o
desenvolvimento de características sexuais
secundárias.
• Alimentos fontes: crustáceos e outros frutos do
mar, carnes em geral.
• Importante a manutenção diária pelos alimentos.
• Alimentos fortificados.
• Deficiência: anemia, diminuição da absorção dos
nutrientes que pode levar à diarreia.
Alimentos fontes: vegetais verde escuros,
leguminosas, carnes.
ÁCIDO FÓLICO
FIBRAS
• Ação das fibras:
• diminuem a absorção de gorduras;
• aumentam o peristaltismo intestinal;
• atuam no combate ao colesterol;
• regulam o tempo de trânsito intestinal;
• apresentam alto poder de saciedade.
FONTES DE FIBRAS
Grãos integrais
Frutas
Legumes e verduras
USO DE SUPLEMENTOS POR
ADOLESCENTES
O consumo de uma ampla variedade de alimentos é
preferida à suplementação nutricional como um método
para obter as vitaminas e minerais necessários.
•PIRÂMIDE
DOS
ALIMENTOS
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
ALIMENTAÇÃO DA GESTANTE
GESTAÇÃO
Grande vulnerabilidade nutricional;
Mais sujeito a intercorrências decorrentes da má
alimentação;
Período de intenso anabolismo – aumento do
metabolismo basal e das reservas energéticas, além de
intenso crescimento fetal.
Determina aumento das necessidades nutricionais
• O estado nutricional materno no início da
gestação e o ganho ponderal adequado durante o
período gestacional têm repercussões na saúde da
mulher e do bebê, pode inclusive influenciar a
capacidade reprodutiva durante outras gestações.
•O ganho ponderal adequado reduz os riscos de
resultados desfavoráveis na gestação e parto
para mãe e filho.
GESTAÇÃO
(desfechos indesejáveis)
Ganho insuficiente
•Retardo de crescimento intrauterino (RCIU) / BPN
•Prematuridade
•Mortalidade perinatal
EFEITOS DO GANHO INADEQUADO DE PESO
• Incidência de diabetes;
• Hipertensão materna;
• Macrossomia;
• Sofrimento fetal prolongado;
• Trabalho de parto.
Principal responsável pela alta taxa de
morbimortalidade materna e fetal
GANHO EXCESSIVO
• Parto cirúrgico;
• Hemorragia pós-parto/infecção pós-parto;
• Trauma fetal;
• Obesidade pós-parto (materna).
Principal responsável pela alta taxa de
morbimortalidade materna e fetal
GANHO EXCESSIVO
MEDIDAS PARA UMA GESTAÇÃO
SEM INTERCORRÊNCIAS
Assistência pré-natal acessível e de qualidade
já no início da gestação.
• Desde a concepção até 1 ano após o parto.
MEDIDAS PARA UMA GESTAÇÃO
SEM INTERCORRÊNCIAS
Estilo de vida saudável
• Peso adequado para altura;
• Ganho ponderal no período gestacional recomendado;
• Consumo de alimentos variados;
• Suplementação apropriada de micronutrientes;
• NÃO – uso de álcool e/ou cigarros ou qualquer outra
substância danosa.
•Tratar nutricionalmente os desvios ponderais e
doenças comuns do período;
•Incentivar o aleitamento materno;
•Promover atividades que visem a melhoria do
estado nutricional.
OBJETIVO DO CUIDADO
NUTRICIONAL NA GESTAÇÃO
• Orientar:
Hábitos de vida adequados,
Tratar distúrbios e doenças,
Diagnósticos e profilaxia,
Acompanhar crescimento e vitalidade fetais,
Preparar para o parto e lactação.
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf

Requisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolarRequisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolar
Sara Bagagem
 
Requisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolarRequisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolar
Sara Bagagem
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
dianaoskli
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
dianaoskli
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
dianaoskli
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
dianaoskli
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
dianaoskli
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
dianaoskli
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
dianaoskli
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
dianaoskli
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
Carla Neves
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
maria25
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
Carla Neves
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
maria25
 

Semelhante a aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf (14)

Requisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolarRequisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolar
 
Requisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolarRequisitos nutricionais na idade escolar
Requisitos nutricionais na idade escolar
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
 
Habitos Alimentares
Habitos AlimentaresHabitos Alimentares
Habitos Alimentares
 
Alimentacaoe Saude
Alimentacaoe SaudeAlimentacaoe Saude
Alimentacaoe Saude
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
 

Mais de jhordana1

Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............
jhordana1
 
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
jhordana1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
jhordana1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
jhordana1
 
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdfAula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
jhordana1
 
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptxVigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
jhordana1
 
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdfORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
jhordana1
 
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdfVigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
jhordana1
 
alimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infanciaalimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infancia
jhordana1
 
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptxNUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
jhordana1
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
jhordana1
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
jhordana1
 
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptxAgua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
jhordana1
 
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptxTEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
jhordana1
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
jhordana1
 
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptxTeoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
jhordana1
 
Teoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptx
Teoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptxTeoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptx
Teoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptx
jhordana1
 

Mais de jhordana1 (20)

Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............
 
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
 
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdfAula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
 
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptxVigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
 
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdfORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
 
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdfVigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
 
alimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infanciaalimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infancia
 
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptxNUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptxAgua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
 
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptxTEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
 
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptxTeoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
 
Teoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptx
Teoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptxTeoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptx
Teoria das Necessidades Básicas de Virgínia Henderson.pptx
 

Último

Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 

Último (6)

Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 

aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf

  • 1. NUTRIÇÃO NORMAL E DIETÉTICA ALIMENTAÇÃO INFANTIL, DO ADOLESCENTE E DA GESTANTE Prof. Mestra Eurídice Farias Falcão
  • 3. INFÂNCIA •Promoção e consolidação dos hábitos alimentares. •Incremento das necessidades nutricionais para o crescimento e desenvolvimento.
  • 4. QUALIDADE DA ALIMENTAÇÃO E SAÚDE INFANTIL • Institui capacidade de aprender; • Facilita a comunicação; • Desenvolve o ato de pensar; • Promove defesa contra doenças; • Estimula a atividade física; • Desperta a socialização.
  • 5. A educação nutricional adequada no período pré-escolar e escolar Institui hábitos alimentares corretos
  • 6. Melhoras nutricionais no início da infância levam a melhoras no desempenho intelectual durante a adolescência.
  • 7. O ingresso à escola Promove a autonomia alimentar Consolida os hábitos alimentares IMPORTÂNCIA DA ESCOLA INTERVENÇÃO DE FATORES: genéticos, sociais e culturais.
  • 8. Fatores ambientais: - transmissões sociais intragrupos família escola Imitação Influência dos companheiros No processo de socialização novos hábitos alimentares
  • 9. REQUISITOS NUTRICIONAIS DIÁRIOS EM IDADE ESCOLAR A nutrição é importante para que o organismo funcione com normalidade Fatores que afetam uma alimentação adequada: Aspecto das preparações Volume de alimentos Harmonia dos alimentos Comportamento exemplar familiar
  • 10. Manter o crescimento adequado; Evitar o déficit de nutrientes; Prevenir possíveis problemas de saúde da fase adulta. Harmonia Adequação Quantidade Qualidade Alimentação saudável OBJETIVOS:
  • 11. NECESSIDADES NUTRICIONAIS NA INFÂNCIA PROTEÍNAS Devem fornecer 15% das necessidades energéticas diárias: -Manter crescimento adequado -Imunidade -Reparação dos tecidos Proteína de origem animal
  • 12. Devem fornecer 30% das necessidades energéticas diárias: - Gorduras saturadas menos de 10% - Colesterol menos de 300 mg/dia Evitar alimentos gordurosos e frituras LIPÍDIOS
  • 13. Devem fornecer 55% das necessidades energéticas diárias (preferência pelos carboidratos complexos): - Fornecer energia necessária ao cérebro e músculos. Evitar doces e alimentos industrializados que contenham açúcar em sua composição. Evitar sobrecarga de carboidrato repetidamente nas refeições. HIDRATOS DE CARBONO
  • 14. OS ALIMENTOS DEVEM SER BEM DISTRIBUÍDOS AO LONGO DO DIA: Desjejum : 20 - 25 % cal Colação: 10 - 20% cal Almoço : 35 - 40 % cal Lanche: 10 - 20 % cal Jantar: 15 - 25 % cal Ceia: 10 - 20 % cal
  • 15. É, ainda, importante: o número de refeições diárias. evitar refeições pesadas e de difícil digestão..
  • 16. Almoço (1ª refeição do dia) Jejum prolongado “Petiscar” Predispõe diabetes e obesidade EVITAR
  • 17. Crianças em jejum ou insuficientemente alimentadas: Desatentas e agitadas Sonolentas e fracas A melhoria da memória está relacionada com a glicemia O cérebro requer glucose para o seu normal funcionamento
  • 19. ADOLESCÊNCIA •Período de alta vulnerabilidade nutricional; •Momento adequado para uma intervenção nutricional ativa e participativa.
  • 20. PRINCÍPIOS DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Aquela que faz bem e promove saúde, devendo ser orientada e incentivada desde a infância até a idade adulta.
  • 21. •Baixa renda; •Exclusão social; •Escolaridade inadequada; •Falta ou informação insuficiente sobre os alimentos e as necessidades nutricionais. Vários fatores podem inibir a adoção e a prática de uma alimentação saudável
  • 22. • Os alimentos devem ser preferencialmente consumidos em sua forma natural. • Adequados qualitativa e quantitativamente. • Preparados de forma a preservar os valores nutritivos e os aspectos sensoriais. • Seguros do ponto de vista higiênico sanitário. ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
  • 23. Tende a seguir os padrões e comportamentos do grupo social de convívio com possíveis distorções e alterações alimentares temporárias, como: • modismos; • quantidades exageradas; • rejeição a determinados grupos alimentares. O HÁBITO ALIMENTAR DO ADOLESCENTE
  • 24. •No início da fase adulta, os comportamentos se estabilizam, dando lugar a um período estável na alimentação. •Deve ser sempre orientado ao consumo alimentar saudável, como prevenção das DCNT.
  • 25. • Manutenção da saúde • Desenvolvimento físico e mental • Redução do risco doença na vida futura OBJETIVO DO CUIDADO NUTRICIONAL NA ADOLESCÊNCIA
  • 26. RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS DIÁRIAS DE NUTRIENTES • São valores numéricos de macro e micronutrientes estimados para o consumo de nutrientes, sendo utilizados como parâmetros para o planejamento e a avaliação de dietas para indivíduos saudáveis.
  • 28. ZINCO (Zn) • Essencial para crescimento e maturação sexual. • Ingestão limitada de alimentos fontes de zinco pode afetar o crescimento físico, assim como o desenvolvimento de características sexuais secundárias. • Alimentos fontes: crustáceos e outros frutos do mar, carnes em geral.
  • 29. • Importante a manutenção diária pelos alimentos. • Alimentos fortificados. • Deficiência: anemia, diminuição da absorção dos nutrientes que pode levar à diarreia. Alimentos fontes: vegetais verde escuros, leguminosas, carnes. ÁCIDO FÓLICO
  • 30. FIBRAS • Ação das fibras: • diminuem a absorção de gorduras; • aumentam o peristaltismo intestinal; • atuam no combate ao colesterol; • regulam o tempo de trânsito intestinal; • apresentam alto poder de saciedade.
  • 31. FONTES DE FIBRAS Grãos integrais Frutas Legumes e verduras
  • 32. USO DE SUPLEMENTOS POR ADOLESCENTES O consumo de uma ampla variedade de alimentos é preferida à suplementação nutricional como um método para obter as vitaminas e minerais necessários. •PIRÂMIDE DOS ALIMENTOS
  • 36. GESTAÇÃO Grande vulnerabilidade nutricional; Mais sujeito a intercorrências decorrentes da má alimentação; Período de intenso anabolismo – aumento do metabolismo basal e das reservas energéticas, além de intenso crescimento fetal. Determina aumento das necessidades nutricionais
  • 37. • O estado nutricional materno no início da gestação e o ganho ponderal adequado durante o período gestacional têm repercussões na saúde da mulher e do bebê, pode inclusive influenciar a capacidade reprodutiva durante outras gestações.
  • 38. •O ganho ponderal adequado reduz os riscos de resultados desfavoráveis na gestação e parto para mãe e filho. GESTAÇÃO
  • 39. (desfechos indesejáveis) Ganho insuficiente •Retardo de crescimento intrauterino (RCIU) / BPN •Prematuridade •Mortalidade perinatal EFEITOS DO GANHO INADEQUADO DE PESO
  • 40. • Incidência de diabetes; • Hipertensão materna; • Macrossomia; • Sofrimento fetal prolongado; • Trabalho de parto. Principal responsável pela alta taxa de morbimortalidade materna e fetal GANHO EXCESSIVO
  • 41. • Parto cirúrgico; • Hemorragia pós-parto/infecção pós-parto; • Trauma fetal; • Obesidade pós-parto (materna). Principal responsável pela alta taxa de morbimortalidade materna e fetal GANHO EXCESSIVO
  • 42. MEDIDAS PARA UMA GESTAÇÃO SEM INTERCORRÊNCIAS Assistência pré-natal acessível e de qualidade já no início da gestação. • Desde a concepção até 1 ano após o parto.
  • 43. MEDIDAS PARA UMA GESTAÇÃO SEM INTERCORRÊNCIAS Estilo de vida saudável • Peso adequado para altura; • Ganho ponderal no período gestacional recomendado; • Consumo de alimentos variados; • Suplementação apropriada de micronutrientes; • NÃO – uso de álcool e/ou cigarros ou qualquer outra substância danosa.
  • 44. •Tratar nutricionalmente os desvios ponderais e doenças comuns do período; •Incentivar o aleitamento materno; •Promover atividades que visem a melhoria do estado nutricional. OBJETIVO DO CUIDADO NUTRICIONAL NA GESTAÇÃO
  • 45. • Orientar: Hábitos de vida adequados, Tratar distúrbios e doenças, Diagnósticos e profilaxia, Acompanhar crescimento e vitalidade fetais, Preparar para o parto e lactação.