SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal da Paraíba
Centro de Ciências Agrárias
Programa de Pós-graduação em Agronomia
Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes
Vigor de Sementes
AREIA - PB
2023
Vigor de Sementes
Profa. Dra. Edna Ursulino Alves
Doutoranda: Lucy Gleide da Silva
Introdução
Sem condições
favoráveis para
germinação
Redução na porcentagem de
germinação
Microrganismos
no solo
GENÉTICO FISIOLÓGICO
Diferenças entre Entre lotes de uma mesma
Conceitos de Vigor
Diferenças entre
duas linhagens
Entre lotes de uma mesma
linhagem, cultivar ou espécie
Deve-se lembrar que o vigor
fisiológico depende do genético e das
condições que as plantas e sementes
são submetidas
Aspectos de interesse do
agricultor, de acordo com o
Conceitos de Vigor
Potencial de
Armazenamento
Capacidade de
Emergência
agricultor, de acordo com o
Comitê de Vigor da Associação
Internacional de Tecnologistas
de Sementes (ISTA)
Sobrevivência das
Plântulas
Potencial de Produção
Definições Variáveis
Vigor de sementes é a soma daquelas propriedades que
determinam o nível potencial de atividade e desempenho de uma
semente ou de um lote de sementes durante a germinação e a
emergência de plântula (ISTA, 1981)
Conceitos de Vigor
Associação Oficinal de Analistas de Sementes (AOSA)
emergência de plântula (ISTA, 1981)
Vigor de sementes compreende aquelas propriedades que
determinam o potencial para uma emergência rápida e uniforme e
para o desenvolvimento de plântulas normais sob uma ampla faixa
de condições ambientais (AOSA, 1983)
Associação Internacional de Tecnologistas de Sementes (ISTA)
Exemplo hipotético de germinação de sementes e emergência de plântulas de
dois lotes de sementes.
Lotes de
sementes
Germinação
(%)
Emergência em campo (%)
Campo 1 Campo 2 Campo 3
Condições Pouco Muito
Conceitos de Vigor
Condições
favoráveis
Pouco
desfavoráveis
Muito
desfavoráveis
A 90 88 80 70
B 90 87 60 40
Genético
Durante a Produção
Danos Mecânicos
Microrganismos e Insetos
Fatores que Afetam o Vigor
Microrganismos e Insetos
Condições Ambientais (Armazenamento)
Densidade e Tamanho da Semente
Idade da Semente
Baixas Temperaturas Durante a Embebição
 O genótipo da planta determina parcialmente o vigor das
sementes
GENÉTICO
Híbrido Poliplóides
Fatores que Afetam o Vigor
Germinação e crescimento mais rápido
Taxa respiratória maior
Conservação de energia (mitocôndrios)
Durante a Produção
Fatores que Afetam o Vigor
Condições ambientais Formação da semente
Reservas
acumuladas
Translocação de material
fotossintetizado
Durante a Produção
Fatores que Afetam o Vigor
Formação da flor e fertilização
Crescimento indeterminado
Não ocorre ao mesmo tempo
Vigor de sementes (%) de diferentes rácemos de três cultivares
de mamoneira (ZINK et al., citados por SICHMANN et al., 1978).
Durante a Produção
Formação da flor e fertilização
Fatores que Afetam o Vigor
Cultivares
Vigor (Primeira contagem de germinação - %)
Primário Secundário Terciário Quaternário
IAC-38 98 85 85 95
Guarani 99 98 76 78
Campinas 98 85 91 -
Durante a Produção
Desenvolvimento da semente
Fatores que Afetam o Vigor
Quanto maior for a reserva de nutrientes, maior será o vigor
da plântula
ÁGUA TEMPERATURA
ENERGIA
LUMINOSA
Durante a Produção
Desenvolvimento da semente
Fatores que Afetam o Vigor
Composição química
Processos de
desenvolvimento
Eficiência
fotossintética
NUTRIENTES
Durante a Produção
Desenvolvimento da semente
Fatores que Afetam o Vigor
FOTOPERÍODO
NUTRIENTES
Maturidade da semente
Diferentes estágios de maturação
Durante a Produção
Fatores que Afetam o Vigor
Crescimento indeterminado
Exposição de efeitos climáticas
Sementes que não se encontram
completamente maduras podem germinar,
não resultando em plântulas tão vigorosas
DANOS MECÂNICOS
Colheita
Processamento
Manuseio/Semeadura
Fatores que Afetam o Vigor
Microrganismos e Insetos
CAMPO MATURAÇÃO ARMAZENAMENTO
Condições favoráveis
Fatores que Afetam o Vigor
Tratamentos com produtos químicos ou naturais
Concentração adequada
Condições ambientais durante o armazenamento
UMIDADE RELATIVA DO AR TEMPERATURA
Fatores que Afetam o Vigor
Manter baixa a atividade respiratória
Densidade e tamanho
Fatores que Afetam o Vigor
Idade da semente
Condições ambientais Deterioração Perca do vigor
Fatores que Afetam o Vigor
Percas de viabilidade e vigor das
sementes com o decorrer do tempo.
Baixas temperaturas
durante a embebição
Espécies de cultivo de verão Injúrias
Redução na sobrevivência Redução no porte da planta
Momentâneas
Prolongadas
Fatores que Afetam o Vigor
Redução na sobrevivência
Redução na massa seca
Redução na altura
Redução no porte da planta
Retardo da frutificação
Redução na qualidade da fibra
Classificação
Um teste de vigor ideal deve ser rápido, fácil, não exigir
equipamentos complexos, devendo ser aplicável para uma
semente como um lote delas e com eficiência para detectar tanto
pequenas como grandes diferenças de vigor
Métodos para testar o Vigor
Classificação
Fisiológicos Bioquímicos
Avaliam aspecto de
germinação ou crescimento
da plântula, tanto em
condições favoráveis, como
de estresse
Determinam uma reação química
ou um processo, como atividade
enzimática ou respiratória,
relacionados com a capacidade
de germinação
Classificação dos Testes de Vigor
• Primeira contagem de germinação
Velocidade de germinação
Testes de
• Velocidade de germinação
• Taxa de crescimento da plântulas
• Massa verde e seca das plântulas
• Classificação do vigor de plântulas
Crescimento e
Avaliação da
Plântula
• Envelhecimento acelerado
• Teste de deterioração controlada
Classificação dos Testes de Vigor
• Teste de frio
• Germinação a temperatura subótima
• Teste do tijolo moído ou de Hiltner e Ihssen
• Estresse osmótico
Testes de
Estresse
• Tetrazólio
• Tetrazólio da camada de aleurona
Classificação dos Testes de Vigor
• Condutividade elétrica
• Respiração
• Atividade da descarboxilase do ácido
glutâmico (GADA)
• Conteúdo de adenosina trifosfato (ATP)
Testes de
Bioquímicos
Testes Recomendados Pela Ista (PERRY, 1981)
 Taxa de crescimento de plântulas
 Classificação do vigor de plântulas
 Envelhecimento acelerado
 Teste de frio
 Teste de frio
 Teste do tijolo moído ou de Hiltner & Ihssen
 Teste de deterioração controlada
 Tetrazólio
 Tetrazólio da camada de aleurona
 Condutividade elétrica
Testes Recomendados Pela Ista (AOSA, 1983)
 Classificação do vigor de plântulas
 Taxa de crescimento de plântulas
 Envelhecimento acelerado
 Teste de frio
 Germinação a temperatura subótima
 Tetrazólio
 Condutividade elétrica
Teste de
Tetrazólio
Teste bioquímico que determina a viabilidade e vigor das
sementes, as quais são embebidas em uma solução incolor de
2,3,5 trifenil cloreto ou brometo de tetrazólio, indicadora do
Classificação dos Testes de Vigor
processo de respiração
2,3,5 trifenil cloreto de tetrazólio
O teste baseia-se na atividade das enzimas desidrogenases, as
quais catalizam as reações respiratórias nas mitocôndrias,
durante a glicólise e o ciclo de Krebs
Estas enzimas, particularmente a desidrogenase do ácido málico,
Classificação dos Testes de Vigor Teste de
Tetrazólio
Estas enzimas, particularmente a desidrogenase do ácido málico,
reduzem o sal de tetrazólio nos tecidos vivos
Quando a semente é imersa na solução incolor de tetrazólio, esta
é difundida através dos tecidos, ocorrendo nas células vivas a
reação de redução que resulta na formação de um composto
vermelho, estável e não-difusível, conhecido por trifenilformazan
A coloração resultante da reação é uma indicação positiva da
Classificação dos Testes de Vigor Teste de
Tetrazólio
viabilidade através da detecção da respiração a nível celular.
Os tecidos não viáveis não reagem e, consequentemente, não
são coloridos.
Semente morta
Teste de Tetrazólio
Danos por impactos mecânicos
Danos por picadas de percevejos
Danos por umidade
Semente morta
Nas sementes mortas não
há coloração devido a
ausência do sistema
autônomo de enzimas
Médio vigor
Teste de Tetrazólio
Sementes de milho
(DEVRIES e GOGGI,
2018)
Alto vigor
Baixo vigor Não há coloração do
endosperma porque não tem
o sistema autônomo de
enzimas
Viáveis Viáveis
Teste de Tetrazólio
Não há coloração do endosperma porque não
tem o sistema autônomo de enzimas
Sementes de triticale (SOUZA et al., 2010) Sementes de aveia (GRZYBOWSKI et
al., 2011)
Não Viáveis Não Viáveis
Não há coloração do
endosperma porque não tem o
sistema autônomo de enzimas
Corte da semente de sorgo
Viáveis
Teste de Tetrazólio
Destaque para o escutelo
(b.1), coleóptilo (b.2), plúmula
(b.3), mesocotila(b.4), raiz
(b.5) e coleorhiza (b.6).
Fruto de sorgo seco “Cariopse”
Sementes de sorgo após coloração com tetrazólio: sementes
viáveis (A, B, C e D) e sementes não viáveis (E, F, G e H).
Viáveis
Não Viáveis
Teste de Envelhecimento Acelerado
Utilizado para predizer o
potencial de armazenamento de
sementes
Avalia o grau de tolerância
Sementes colocadas sobre as telas em camadas simples,
preenchendo todo o fundo (A) e (B); sementes nas caixas
gerbox dentro da câmara de envelhecimento acelerado (C);
visor da câmara com informações de tempo restante e
temperatura (D) (KLAUMANN et al., 2021).
Avalia o grau de tolerância
das sementes à elevada
umidade relativa (100%) e
temperatura (41 a 45°C),
estabelecendo que as
amostras de sementes de
maior vigor são aquelas
com germinação superior,
após esse procedimento
 CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Germinação de
sementes. In: CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. (ED).
Sementes: Ciência, tecnologia e produção. 5.ed.
Jaboticabal: FUNEP, 2012. p. 224-238.
Referências
VIGOR
Universidade Federal da Paraíba
Centro de Ciências Agrárias
Programa de Pós-graduação em Agronomia
Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes
Profa. Dra. Edna Ursulino Alves
Doutoranda: Lucy Gleide da Silva
AREIA - PB
2023

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes

Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
UERGS
 
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptxAULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
JeanMarcelo21
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdfApresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
mt2sem1920leeisel
 
Aula6-Daniella.pdf
Aula6-Daniella.pdfAula6-Daniella.pdf
Aula6-Daniella.pdf
ElvisRicardo12
 
Teste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdfTeste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdf
DiegoAntoniodomingos
 
Uvas
UvasUvas
Alimentos Transgênicos
Alimentos TransgênicosAlimentos Transgênicos
Alimentos Transgênicos
Adilson P Motta Motta
 
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família RosaceaeEnraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Aleksander Westphal Muniz
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
Nathalia Carvalho
 
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
adrianaqalmeida
 
Análises de Grãos
Análises de GrãosAnálises de Grãos
Análises de Grãos
Marcel Thomas
 
5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes
rrodrigues57
 
Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...
Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...
Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...
AcessoMacauba
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
Az. O.
 
primeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdf
primeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdfprimeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdf
primeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdf
angelolopes111
 
abc23
abc23abc23
Milho
MilhoMilho
Milho
agropatos
 
Grupo 2sementes ppt
Grupo 2sementes  pptGrupo 2sementes  ppt
Grupo 2sementes ppt
Venesa Santos
 
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Jose Carvalho
 

Semelhante a Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes (20)

Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
 
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptxAULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
 
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdfApresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
 
Aula6-Daniella.pdf
Aula6-Daniella.pdfAula6-Daniella.pdf
Aula6-Daniella.pdf
 
Teste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdfTeste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdf
 
Uvas
UvasUvas
Uvas
 
Alimentos Transgênicos
Alimentos TransgênicosAlimentos Transgênicos
Alimentos Transgênicos
 
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família RosaceaeEnraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
Enraizamento in vitro de frutíferas da família Rosaceae
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
 
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
Métodos qualitativos para determinação de características bioquímicas e fisio...
 
Análises de Grãos
Análises de GrãosAnálises de Grãos
Análises de Grãos
 
5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes
 
Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...
Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...
Estimativas de parâmetros genéticos da germinação de macaúba (acrocomia acule...
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
primeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdf
primeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdfprimeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdf
primeira-apresentac3a7c3a3o-de-armazenamento.pdf
 
abc23
abc23abc23
abc23
 
Milho
MilhoMilho
Milho
 
Grupo 2sementes ppt
Grupo 2sementes  pptGrupo 2sementes  ppt
Grupo 2sementes ppt
 
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
 

Mais de WeltonAgostinhoDias1

Apresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdf
Apresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdfApresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdf
Apresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdf
WeltonAgostinhoDias1
 
FERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificação
FERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificaçãoFERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificação
FERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificação
WeltonAgostinhoDias1
 
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidênciaPalestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
WeltonAgostinhoDias1
 
Manual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUAL
Manual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUALManual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUAL
Manual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUAL
WeltonAgostinhoDias1
 
AULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS AR
AULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS ARAULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS AR
AULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS AR
WeltonAgostinhoDias1
 
Slides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdf
Slides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdfSlides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdf
Slides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdf
WeltonAgostinhoDias1
 

Mais de WeltonAgostinhoDias1 (6)

Apresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdf
Apresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdfApresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdf
Apresentação Curso de Perícia para Seguro Agrícola - SAFRASAFE.pdf
 
FERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificação
FERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificaçãoFERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificação
FERRUGEM 2019 manual ferrugem controle identificação
 
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidênciaPalestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
 
Manual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUAL
Manual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUALManual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUAL
Manual Pragas da Soja - Embrapa - SOJA - MANUAL
 
AULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS AR
AULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS ARAULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS AR
AULA BIOTECNOLOID DEDE FEJIJIJIA PRA ESSAS COISAS AR
 
Slides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdf
Slides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdfSlides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdf
Slides - Ferrugem 2020 - Estudo de caso - doenças ferrugem.pdf
 

Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes

  • 1. Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-graduação em Agronomia Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Vigor de Sementes AREIA - PB 2023 Vigor de Sementes Profa. Dra. Edna Ursulino Alves Doutoranda: Lucy Gleide da Silva
  • 2. Introdução Sem condições favoráveis para germinação Redução na porcentagem de germinação Microrganismos no solo
  • 3. GENÉTICO FISIOLÓGICO Diferenças entre Entre lotes de uma mesma Conceitos de Vigor Diferenças entre duas linhagens Entre lotes de uma mesma linhagem, cultivar ou espécie Deve-se lembrar que o vigor fisiológico depende do genético e das condições que as plantas e sementes são submetidas
  • 4. Aspectos de interesse do agricultor, de acordo com o Conceitos de Vigor Potencial de Armazenamento Capacidade de Emergência agricultor, de acordo com o Comitê de Vigor da Associação Internacional de Tecnologistas de Sementes (ISTA) Sobrevivência das Plântulas Potencial de Produção
  • 5. Definições Variáveis Vigor de sementes é a soma daquelas propriedades que determinam o nível potencial de atividade e desempenho de uma semente ou de um lote de sementes durante a germinação e a emergência de plântula (ISTA, 1981) Conceitos de Vigor Associação Oficinal de Analistas de Sementes (AOSA) emergência de plântula (ISTA, 1981) Vigor de sementes compreende aquelas propriedades que determinam o potencial para uma emergência rápida e uniforme e para o desenvolvimento de plântulas normais sob uma ampla faixa de condições ambientais (AOSA, 1983) Associação Internacional de Tecnologistas de Sementes (ISTA)
  • 6. Exemplo hipotético de germinação de sementes e emergência de plântulas de dois lotes de sementes. Lotes de sementes Germinação (%) Emergência em campo (%) Campo 1 Campo 2 Campo 3 Condições Pouco Muito Conceitos de Vigor Condições favoráveis Pouco desfavoráveis Muito desfavoráveis A 90 88 80 70 B 90 87 60 40
  • 7. Genético Durante a Produção Danos Mecânicos Microrganismos e Insetos Fatores que Afetam o Vigor Microrganismos e Insetos Condições Ambientais (Armazenamento) Densidade e Tamanho da Semente Idade da Semente Baixas Temperaturas Durante a Embebição
  • 8.  O genótipo da planta determina parcialmente o vigor das sementes GENÉTICO Híbrido Poliplóides Fatores que Afetam o Vigor Germinação e crescimento mais rápido Taxa respiratória maior Conservação de energia (mitocôndrios)
  • 9. Durante a Produção Fatores que Afetam o Vigor Condições ambientais Formação da semente Reservas acumuladas Translocação de material fotossintetizado
  • 10. Durante a Produção Fatores que Afetam o Vigor Formação da flor e fertilização Crescimento indeterminado Não ocorre ao mesmo tempo
  • 11. Vigor de sementes (%) de diferentes rácemos de três cultivares de mamoneira (ZINK et al., citados por SICHMANN et al., 1978). Durante a Produção Formação da flor e fertilização Fatores que Afetam o Vigor Cultivares Vigor (Primeira contagem de germinação - %) Primário Secundário Terciário Quaternário IAC-38 98 85 85 95 Guarani 99 98 76 78 Campinas 98 85 91 -
  • 12. Durante a Produção Desenvolvimento da semente Fatores que Afetam o Vigor Quanto maior for a reserva de nutrientes, maior será o vigor da plântula
  • 13. ÁGUA TEMPERATURA ENERGIA LUMINOSA Durante a Produção Desenvolvimento da semente Fatores que Afetam o Vigor Composição química Processos de desenvolvimento Eficiência fotossintética
  • 14. NUTRIENTES Durante a Produção Desenvolvimento da semente Fatores que Afetam o Vigor FOTOPERÍODO NUTRIENTES
  • 15. Maturidade da semente Diferentes estágios de maturação Durante a Produção Fatores que Afetam o Vigor Crescimento indeterminado Exposição de efeitos climáticas Sementes que não se encontram completamente maduras podem germinar, não resultando em plântulas tão vigorosas
  • 17. Microrganismos e Insetos CAMPO MATURAÇÃO ARMAZENAMENTO Condições favoráveis Fatores que Afetam o Vigor Tratamentos com produtos químicos ou naturais Concentração adequada
  • 18. Condições ambientais durante o armazenamento UMIDADE RELATIVA DO AR TEMPERATURA Fatores que Afetam o Vigor Manter baixa a atividade respiratória
  • 19. Densidade e tamanho Fatores que Afetam o Vigor
  • 20. Idade da semente Condições ambientais Deterioração Perca do vigor Fatores que Afetam o Vigor Percas de viabilidade e vigor das sementes com o decorrer do tempo.
  • 21. Baixas temperaturas durante a embebição Espécies de cultivo de verão Injúrias Redução na sobrevivência Redução no porte da planta Momentâneas Prolongadas Fatores que Afetam o Vigor Redução na sobrevivência Redução na massa seca Redução na altura Redução no porte da planta Retardo da frutificação Redução na qualidade da fibra
  • 22. Classificação Um teste de vigor ideal deve ser rápido, fácil, não exigir equipamentos complexos, devendo ser aplicável para uma semente como um lote delas e com eficiência para detectar tanto pequenas como grandes diferenças de vigor Métodos para testar o Vigor Classificação Fisiológicos Bioquímicos Avaliam aspecto de germinação ou crescimento da plântula, tanto em condições favoráveis, como de estresse Determinam uma reação química ou um processo, como atividade enzimática ou respiratória, relacionados com a capacidade de germinação
  • 23. Classificação dos Testes de Vigor • Primeira contagem de germinação Velocidade de germinação Testes de • Velocidade de germinação • Taxa de crescimento da plântulas • Massa verde e seca das plântulas • Classificação do vigor de plântulas Crescimento e Avaliação da Plântula
  • 24. • Envelhecimento acelerado • Teste de deterioração controlada Classificação dos Testes de Vigor • Teste de frio • Germinação a temperatura subótima • Teste do tijolo moído ou de Hiltner e Ihssen • Estresse osmótico Testes de Estresse
  • 25. • Tetrazólio • Tetrazólio da camada de aleurona Classificação dos Testes de Vigor • Condutividade elétrica • Respiração • Atividade da descarboxilase do ácido glutâmico (GADA) • Conteúdo de adenosina trifosfato (ATP) Testes de Bioquímicos
  • 26. Testes Recomendados Pela Ista (PERRY, 1981)  Taxa de crescimento de plântulas  Classificação do vigor de plântulas  Envelhecimento acelerado  Teste de frio  Teste de frio  Teste do tijolo moído ou de Hiltner & Ihssen  Teste de deterioração controlada  Tetrazólio  Tetrazólio da camada de aleurona  Condutividade elétrica
  • 27. Testes Recomendados Pela Ista (AOSA, 1983)  Classificação do vigor de plântulas  Taxa de crescimento de plântulas  Envelhecimento acelerado  Teste de frio  Germinação a temperatura subótima  Tetrazólio  Condutividade elétrica
  • 28. Teste de Tetrazólio Teste bioquímico que determina a viabilidade e vigor das sementes, as quais são embebidas em uma solução incolor de 2,3,5 trifenil cloreto ou brometo de tetrazólio, indicadora do Classificação dos Testes de Vigor processo de respiração 2,3,5 trifenil cloreto de tetrazólio
  • 29. O teste baseia-se na atividade das enzimas desidrogenases, as quais catalizam as reações respiratórias nas mitocôndrias, durante a glicólise e o ciclo de Krebs Estas enzimas, particularmente a desidrogenase do ácido málico, Classificação dos Testes de Vigor Teste de Tetrazólio Estas enzimas, particularmente a desidrogenase do ácido málico, reduzem o sal de tetrazólio nos tecidos vivos Quando a semente é imersa na solução incolor de tetrazólio, esta é difundida através dos tecidos, ocorrendo nas células vivas a reação de redução que resulta na formação de um composto vermelho, estável e não-difusível, conhecido por trifenilformazan
  • 30. A coloração resultante da reação é uma indicação positiva da Classificação dos Testes de Vigor Teste de Tetrazólio viabilidade através da detecção da respiração a nível celular. Os tecidos não viáveis não reagem e, consequentemente, não são coloridos.
  • 31. Semente morta Teste de Tetrazólio Danos por impactos mecânicos Danos por picadas de percevejos Danos por umidade Semente morta Nas sementes mortas não há coloração devido a ausência do sistema autônomo de enzimas
  • 32. Médio vigor Teste de Tetrazólio Sementes de milho (DEVRIES e GOGGI, 2018) Alto vigor Baixo vigor Não há coloração do endosperma porque não tem o sistema autônomo de enzimas
  • 33. Viáveis Viáveis Teste de Tetrazólio Não há coloração do endosperma porque não tem o sistema autônomo de enzimas Sementes de triticale (SOUZA et al., 2010) Sementes de aveia (GRZYBOWSKI et al., 2011) Não Viáveis Não Viáveis
  • 34. Não há coloração do endosperma porque não tem o sistema autônomo de enzimas Corte da semente de sorgo Viáveis Teste de Tetrazólio Destaque para o escutelo (b.1), coleóptilo (b.2), plúmula (b.3), mesocotila(b.4), raiz (b.5) e coleorhiza (b.6). Fruto de sorgo seco “Cariopse” Sementes de sorgo após coloração com tetrazólio: sementes viáveis (A, B, C e D) e sementes não viáveis (E, F, G e H). Viáveis Não Viáveis
  • 35. Teste de Envelhecimento Acelerado Utilizado para predizer o potencial de armazenamento de sementes Avalia o grau de tolerância Sementes colocadas sobre as telas em camadas simples, preenchendo todo o fundo (A) e (B); sementes nas caixas gerbox dentro da câmara de envelhecimento acelerado (C); visor da câmara com informações de tempo restante e temperatura (D) (KLAUMANN et al., 2021). Avalia o grau de tolerância das sementes à elevada umidade relativa (100%) e temperatura (41 a 45°C), estabelecendo que as amostras de sementes de maior vigor são aquelas com germinação superior, após esse procedimento
  • 36.  CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Germinação de sementes. In: CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. (ED). Sementes: Ciência, tecnologia e produção. 5.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. p. 224-238. Referências
  • 37. VIGOR Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-graduação em Agronomia Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Profa. Dra. Edna Ursulino Alves Doutoranda: Lucy Gleide da Silva AREIA - PB 2023