SlideShare uma empresa Scribd logo
Teoria da Personalidade
Docente Andréa R.Souza
Email:andreasouza1@professor.multivix.edu.br
• Apresentação da Ementa;
• Dinâmica de integração(cada aluno se apresentará falando
como sua personalidade influenciou na escolha da sua
graduação).
B1
• ATIVIDADES AVALIATIVA
Estudo Dirigido valor:2,0
Mapa Mental valor :2,5
Data de entrega 22/04
A Natureza da Teoria da Personalidade
Cap.1
• Todos têm uma personalidade e a sua vai ajudar a determinar os limites do
sucesso e das realizações na sua vida. Tudo o que você conseguiu até agora,
tudo o que espera conseguir, se vai ser um bom cônjuge, bom pai ou boa mãe
e até mesmo seu estado geral de saúde podem ser influenciados pela sua
personalidade e pela das pessoas com quem você interage.
• Sua personalidade pode limitar ou expandir suas opções e escolhas, impedi-lo de
partilhar certas experiências, ou permitir que você saiba aproveitá-las. Ela restringe
certas pessoas, e abre o mundo para outras.
• Quantas vezes você já descreveu alguém como tendo uma personalidade
maravilhosa? Com isso você está querendo dizer que essa pessoa é afável,
agradável, boa companhia e alguém com quem é fácil se dar bem – o tipo de
pessoa que selecionaria como amiga, companheira de quarto, colega de
viagem ou colega de trabalho.
Enquanto você julga a personalidade dos outros, eles também estão julgando
a sua.
Essas opiniões mútuas que moldam tanto a vida dos julgadores
como a dos julgados são dadas inúmeras vezes no decorrer da
nossa vida, sempre que nos deparamos com uma situação social
que exige interação com novas pessoas. Obviamente, a quantidade
e a variedade de situações sociais de que você está disposto a
participar também são determinadas pela sua personalidade – por
exemplo, a sua relativa sociabilidade ou timidez.
• Somente no final da década de 1930 o estudo da personalidade
foi formalizado e sistematizado na Psicologia norte americana,
principalmente com o trabalho de Gordon Allport, da
Universidade de Harvard.
Cinco fontes de influência sobre a teoria da personalidade:
• 1. Observação clínica (Freud, Jung)
• 2. Tradição Gestáltica ((Kurt Lewin)
• 3. Psicologia Experimental (Skinner)
• 4. Teoria da Aprendizagem (Bandura
5. A genética e a fisiologia (Eysenck)
Enquanto os teóricos da personalidade estavam tirando suas ideias mais
importantes principalmente da experiência clínica (Charcot, Freud, Janet,
McDougall e Stern), os psicólogos experimentais (Helmholtz, Pavlov,
Thorndike, Watson e Wundt) estavam prestando atenção aos achados do
laboratório experimental.
A Psicologia se desenvolveu no século XIX, como fruto da filosofia e da
fisiologia experimental. Os primeiros teóricos da teoria da personalidade
(Freud, Jung) tinham formação em medicina, mas trabalhavam também como
psicoterapeutas
Duas generalizações referentes a teoria da personalidade:
1. A teoria da personalidade ocupou um papel dissidente no
desenvolvimento da Psicologia. Os teóricos da personalidade foram
rebeldes em sua época: rebeldes na medicina e na ciência
experimental, rebeldes contra ideias convencionais e práticas usuais.
2. As teorias da personalidade são funcionais em sua orientação. É uma
teoria integrativa. Foi o teórico da personalidade que nos tempos
iniciais da Psicologia lidou com questões que, para a pessoa comum,
pareciam estar no âmago de uma ciência psicológica bem-sucedida. (O
teórico da personalidade queria saber por que alguns indivíduos
desenvolviam sintomas neuróticos incapacitantes na ausência de
patologia orgânica, qual era o papel do trauma infantil no ajustamento
adulto, em que condições a saúde mental poderia ser recuperada e
quais eram as maiores motivações subjacentes aos comportamentos
humanos)
Os teóricos da personalidade costumavam atribuir um papel crucial aos
processos motivacionais, eles perceberam que era a chave para o
entendimento do comportamento humano em sua totalidade.
A maioria dos psicólogos da personalidade insistia que a pessoa deveria
ser vista como uma pessoa inteira funcionando em um habitat natural.
O teórico da personalidade vai montar o quebra-cabeça (apresentado
pelos achados distintos de estudos separados dentro de várias
especialidades que constituem a Psicologia).
O que é personalidade?
Personalidade vem da palavra latina persona que se refere a máscara utilizada pelos atores em
uma peça. Cada vez mais, muitos de nós usamos outra face, não pessoalmente, mas através da
internet em sites de redes sociais, como o Facebook.
Como resultado, outra definição de nossa personalidade pode ser a forma como os outros nos
veem on-line.É claro que, como sabemos, nem sempre somos honestos na forma como nos
apresentamos pessoalmente, em especial quando conhecemos pessoas novas que desejamos
impressionar, como uma “paquera” ou um empregador.
Com pessoas que já conhecemos há certo tempo, com aqueles com os quais nos
sentimos seguros e que não representam uma ameaça, podemos ser menos propensos a fingir.
Frequentemente utilizamos a palavra personalidade ao descrevermos outras pessoas e a nós
mesmos. Poderemos até ter uma ideia se examinarmos o que queremos ao utilizar a palavra
eu.
Ao dizer eu, na verdade você está resumindo tudo sobre si mesma – do que gosta ou não ,os
seus temores e virtudes, pontos fortes e fracos. A palavra eu é o que o diferencia como
indivíduo, separadamente de todos os outros. Quando uma teoria é confirmada, ela se torna
um fato. Na nossa visão, as teorias nunca são verdadeiras ou falsas. Uma teoria é um conjunto
de convenções criado pelo teórico. A teoria deve conduzir à expansão sistemática do
conhecimento referente aos fenômenos de interesse
A aceitação ou rejeição da teoria é determinada por sua utilidade. A utilidade tem dois
componentes: verificabilidade e abrangência. A verificabilidade se refere a capacidade da teoria
de gerar predições que são confirmadas quando coletamos os dados empíricos relevantes. A
abrangência se refere ao alcance dessas derivações. As teorias sempre começam com algo que
foi observado e relatado até o momento. As teorias precisam ter simplicidade ou parcimônia.
A simplicidade como oposta à complexidade, é uma questão de valor ou preferência pessoal na
teorização da personalidade. Também outra função da teoria é evitar que o observador fique
ofuscado pela complexidade total dos eventos naturais ou concretos.
A teoria deve estar preparada para lidar com qualquer fenômeno comportamental que possua
significado para o indivíduo.
A maioria das teorias carece de clareza, elas não são apresentadas de uma maneira direta e
ordenada.
As teorias da personalidade apresentam um agrupamento de atitudes
(suposições) referentes ao comportamento que de uma maneira ampla limita os tipos de
investigação a serem considerados cruciais ou
importantes. Além de estimular certos tipos gerais de pesquisa, elas também oferecem parâmetros
ou dimensões específicas consideradas importantes na exploração desses problemas.
Em outras palavras, a capacidade dessas teorias de gerar ideias, de
estimular a curiosidade, de despertar dúvidas, ou de levar a convicções resultou em um sadio
florescimento de investigação.
As teorias de Personalidade são teorias que tentam lidar com todos os fenômenos comportamentais
de importância demonstrada pode ser referida como uma teoria geral do comportamento. Segundo
HALL et al (2000), existe uma multiplicidade de teorias da Personalidade, a confusão aumenta
quando lhe dizem que é impossível afirmar qual teoria está certa ou é melhor do que as outras.
Cada teoria da Personalidade enfatiza diferentes componentes do comportamento; nesse sentido
podemos apresentar 4 famílias de teorias da Personalidade:
1. Teorias Psicodinâmicas: enfatiza os motivos inconscientes e o conflito
intrapsíquico resultante.
2. Teorias Estruturais: focalizam as diferentes tendências comportamentais que caracterizam os
indivíduos.
3. Teorias Experimentais: observa a maneira pela qual a pessoa percebe a
realidade e experiencia seu mundo.
4. Teorias da Aprendizagem: enfatizam a base aprendida das tendências de respostas, com
uma ênfase no processo de aprendizagem.
Em síntese, as teorias de Personalidade são tentativas de formular ou representar aspectos
significativos do comportamento dos indivíduos e que a produtividade dessas tentativas deve ser
julgada principalmente em termos de quão efetivamente elas servem como um estímulo para a
pesquisa.
Bibliografia
HALL, LINDZEY, CAMPBELL Teorias da Personalidade - 4.ed. – Porto Alegre: Artmed, 2000.
SCHULTZ, SCHULTZ Teorias da Personalidade – 3. ed. - São Paulo, SP: Cengage Learning, 2015.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx

A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
Gabriel De Oliveira Soares
 
Apostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologiaApostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologia
mgmedeiros
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Jordano Santos Cerqueira
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
João Carlos Gomes
 
Aula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdfAula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdf
KellyBatista20
 
Teoria humanista
Teoria humanistaTeoria humanista
Teoria humanista
Silvia Marina Anaruma
 
Psic doc1 m1
Psic doc1 m1Psic doc1 m1
Psic doc1 m1
psicologiaazambuja
 
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptxPSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
AndraRibeiroSouza
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Texto 1
Texto 1Texto 1
Psi edu
Psi eduPsi edu
Psi edu
Ivone Reges
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Psicanalise e instituições.pptx
Psicanalise e instituições.pptxPsicanalise e instituições.pptx
Psicanalise e instituições.pptx
LucimaraRabel
 
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfAULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
MirnaKathary1
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
Chrys Souza
 
PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
Vitor Manuel de Carvalho
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x AplicadaPesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Hilma Khoury
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
Suellen Souza Machado
 

Semelhante a AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx (20)

A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
A aprendizagem na perspectiva humanista: Carl R. Rogers - Ferreira.
 
Apostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologiaApostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologia
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
 
Aula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdfAula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdf
 
Teoria humanista
Teoria humanistaTeoria humanista
Teoria humanista
 
Psic doc1 m1
Psic doc1 m1Psic doc1 m1
Psic doc1 m1
 
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptxPSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
 
Texto 1
Texto 1Texto 1
Texto 1
 
Psi edu
Psi eduPsi edu
Psi edu
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Psicanalise e instituições.pptx
Psicanalise e instituições.pptxPsicanalise e instituições.pptx
Psicanalise e instituições.pptx
 
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfAULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
 
PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x AplicadaPesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
 

AULA INTRODUTORIA T.DA PERSONALIDADE 2022 .pptx

  • 1. Teoria da Personalidade Docente Andréa R.Souza Email:andreasouza1@professor.multivix.edu.br
  • 2. • Apresentação da Ementa; • Dinâmica de integração(cada aluno se apresentará falando como sua personalidade influenciou na escolha da sua graduação). B1 • ATIVIDADES AVALIATIVA Estudo Dirigido valor:2,0 Mapa Mental valor :2,5 Data de entrega 22/04
  • 3. A Natureza da Teoria da Personalidade Cap.1 • Todos têm uma personalidade e a sua vai ajudar a determinar os limites do sucesso e das realizações na sua vida. Tudo o que você conseguiu até agora, tudo o que espera conseguir, se vai ser um bom cônjuge, bom pai ou boa mãe e até mesmo seu estado geral de saúde podem ser influenciados pela sua personalidade e pela das pessoas com quem você interage. • Sua personalidade pode limitar ou expandir suas opções e escolhas, impedi-lo de partilhar certas experiências, ou permitir que você saiba aproveitá-las. Ela restringe certas pessoas, e abre o mundo para outras.
  • 4. • Quantas vezes você já descreveu alguém como tendo uma personalidade maravilhosa? Com isso você está querendo dizer que essa pessoa é afável, agradável, boa companhia e alguém com quem é fácil se dar bem – o tipo de pessoa que selecionaria como amiga, companheira de quarto, colega de viagem ou colega de trabalho. Enquanto você julga a personalidade dos outros, eles também estão julgando a sua.
  • 5. Essas opiniões mútuas que moldam tanto a vida dos julgadores como a dos julgados são dadas inúmeras vezes no decorrer da nossa vida, sempre que nos deparamos com uma situação social que exige interação com novas pessoas. Obviamente, a quantidade e a variedade de situações sociais de que você está disposto a participar também são determinadas pela sua personalidade – por exemplo, a sua relativa sociabilidade ou timidez.
  • 6. • Somente no final da década de 1930 o estudo da personalidade foi formalizado e sistematizado na Psicologia norte americana, principalmente com o trabalho de Gordon Allport, da Universidade de Harvard. Cinco fontes de influência sobre a teoria da personalidade: • 1. Observação clínica (Freud, Jung) • 2. Tradição Gestáltica ((Kurt Lewin) • 3. Psicologia Experimental (Skinner) • 4. Teoria da Aprendizagem (Bandura
  • 7. 5. A genética e a fisiologia (Eysenck) Enquanto os teóricos da personalidade estavam tirando suas ideias mais importantes principalmente da experiência clínica (Charcot, Freud, Janet, McDougall e Stern), os psicólogos experimentais (Helmholtz, Pavlov, Thorndike, Watson e Wundt) estavam prestando atenção aos achados do laboratório experimental. A Psicologia se desenvolveu no século XIX, como fruto da filosofia e da fisiologia experimental. Os primeiros teóricos da teoria da personalidade (Freud, Jung) tinham formação em medicina, mas trabalhavam também como psicoterapeutas
  • 8. Duas generalizações referentes a teoria da personalidade: 1. A teoria da personalidade ocupou um papel dissidente no desenvolvimento da Psicologia. Os teóricos da personalidade foram rebeldes em sua época: rebeldes na medicina e na ciência experimental, rebeldes contra ideias convencionais e práticas usuais. 2. As teorias da personalidade são funcionais em sua orientação. É uma teoria integrativa. Foi o teórico da personalidade que nos tempos iniciais da Psicologia lidou com questões que, para a pessoa comum, pareciam estar no âmago de uma ciência psicológica bem-sucedida. (O teórico da personalidade queria saber por que alguns indivíduos desenvolviam sintomas neuróticos incapacitantes na ausência de patologia orgânica, qual era o papel do trauma infantil no ajustamento adulto, em que condições a saúde mental poderia ser recuperada e quais eram as maiores motivações subjacentes aos comportamentos humanos)
  • 9. Os teóricos da personalidade costumavam atribuir um papel crucial aos processos motivacionais, eles perceberam que era a chave para o entendimento do comportamento humano em sua totalidade. A maioria dos psicólogos da personalidade insistia que a pessoa deveria ser vista como uma pessoa inteira funcionando em um habitat natural. O teórico da personalidade vai montar o quebra-cabeça (apresentado pelos achados distintos de estudos separados dentro de várias especialidades que constituem a Psicologia).
  • 10. O que é personalidade? Personalidade vem da palavra latina persona que se refere a máscara utilizada pelos atores em uma peça. Cada vez mais, muitos de nós usamos outra face, não pessoalmente, mas através da internet em sites de redes sociais, como o Facebook. Como resultado, outra definição de nossa personalidade pode ser a forma como os outros nos veem on-line.É claro que, como sabemos, nem sempre somos honestos na forma como nos apresentamos pessoalmente, em especial quando conhecemos pessoas novas que desejamos impressionar, como uma “paquera” ou um empregador. Com pessoas que já conhecemos há certo tempo, com aqueles com os quais nos sentimos seguros e que não representam uma ameaça, podemos ser menos propensos a fingir.
  • 11. Frequentemente utilizamos a palavra personalidade ao descrevermos outras pessoas e a nós mesmos. Poderemos até ter uma ideia se examinarmos o que queremos ao utilizar a palavra eu. Ao dizer eu, na verdade você está resumindo tudo sobre si mesma – do que gosta ou não ,os seus temores e virtudes, pontos fortes e fracos. A palavra eu é o que o diferencia como indivíduo, separadamente de todos os outros. Quando uma teoria é confirmada, ela se torna um fato. Na nossa visão, as teorias nunca são verdadeiras ou falsas. Uma teoria é um conjunto de convenções criado pelo teórico. A teoria deve conduzir à expansão sistemática do conhecimento referente aos fenômenos de interesse A aceitação ou rejeição da teoria é determinada por sua utilidade. A utilidade tem dois componentes: verificabilidade e abrangência. A verificabilidade se refere a capacidade da teoria de gerar predições que são confirmadas quando coletamos os dados empíricos relevantes. A abrangência se refere ao alcance dessas derivações. As teorias sempre começam com algo que foi observado e relatado até o momento. As teorias precisam ter simplicidade ou parcimônia. A simplicidade como oposta à complexidade, é uma questão de valor ou preferência pessoal na teorização da personalidade. Também outra função da teoria é evitar que o observador fique ofuscado pela complexidade total dos eventos naturais ou concretos.
  • 12. A teoria deve estar preparada para lidar com qualquer fenômeno comportamental que possua significado para o indivíduo. A maioria das teorias carece de clareza, elas não são apresentadas de uma maneira direta e ordenada. As teorias da personalidade apresentam um agrupamento de atitudes (suposições) referentes ao comportamento que de uma maneira ampla limita os tipos de investigação a serem considerados cruciais ou importantes. Além de estimular certos tipos gerais de pesquisa, elas também oferecem parâmetros ou dimensões específicas consideradas importantes na exploração desses problemas. Em outras palavras, a capacidade dessas teorias de gerar ideias, de estimular a curiosidade, de despertar dúvidas, ou de levar a convicções resultou em um sadio florescimento de investigação.
  • 13. As teorias de Personalidade são teorias que tentam lidar com todos os fenômenos comportamentais de importância demonstrada pode ser referida como uma teoria geral do comportamento. Segundo HALL et al (2000), existe uma multiplicidade de teorias da Personalidade, a confusão aumenta quando lhe dizem que é impossível afirmar qual teoria está certa ou é melhor do que as outras. Cada teoria da Personalidade enfatiza diferentes componentes do comportamento; nesse sentido podemos apresentar 4 famílias de teorias da Personalidade: 1. Teorias Psicodinâmicas: enfatiza os motivos inconscientes e o conflito intrapsíquico resultante. 2. Teorias Estruturais: focalizam as diferentes tendências comportamentais que caracterizam os indivíduos. 3. Teorias Experimentais: observa a maneira pela qual a pessoa percebe a realidade e experiencia seu mundo. 4. Teorias da Aprendizagem: enfatizam a base aprendida das tendências de respostas, com uma ênfase no processo de aprendizagem.
  • 14. Em síntese, as teorias de Personalidade são tentativas de formular ou representar aspectos significativos do comportamento dos indivíduos e que a produtividade dessas tentativas deve ser julgada principalmente em termos de quão efetivamente elas servem como um estímulo para a pesquisa. Bibliografia HALL, LINDZEY, CAMPBELL Teorias da Personalidade - 4.ed. – Porto Alegre: Artmed, 2000. SCHULTZ, SCHULTZ Teorias da Personalidade – 3. ed. - São Paulo, SP: Cengage Learning, 2015.