SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia
Tempo Geológico
Deriva Continental
Tectônica de Placas
Rochas
Agentes Transformadores
Relevo
Tempo Geológico
• É como chamamos as várias Eras e
períodos que situam cronologicamente os
eventos ocorridos na Terra.
• (Terra com “T” = Planeta Terra. terra com
“t”= terra, chão, solo)
• A história da humanidade foi dividida em
idades, organizadas em períodos de anos,
séculos e milênios.
• Para organizá-la, os cientistas tiveram que
usar outra escala de tempo, dividida em
bilhões, milhões e anos. Chamamos de
Escala do Tempo Geológico.
• Essa escala é internacional, conhecida e
usada pelo mundo inteiro.
Tempo Geológico é divido assim:
• Big Bang: Origem do Universo.
• Origem da Terra: 4,5 Bilhões de Anos.
• Era Pré-Cambriano: 670 Milhões de
Anos.
• Era Paleozoico: Dividido em 6 períodos;
Cambriano, Ordoviciano, Siluriano,
Devoniano, Carbonífero e Permiano.
• Era Mesozoico: dividido em 3 períodos;
Triássico, Jurássico e Cretácio.
• Era Cenozoico: dividido em 2 períodos;
Terciário e Quaternário.
Atualmente estamos na Era Cenozoico, no
período Quaternário.
Teoria da Deriva Continental
A Deriva Continental é um conceito que
começou a ser elaborado por volta dos
séculos XVI e XVII, quando alguns
cientistas europeus observaram a grande
semelhança entra as bordas dos
continentes, como se eles se encaixassem
como um quebra-cabeça.
PANGEIA
Há 250 milhões de
anos:
Uma massa de terra
(Pangeia) envolta por
um só oceano
(Pantalassa).
LAURÁSIA E GONDWANA
A Pangeia começou a se rachar há
200 milhões de anos. Uma canal
oceânico dividiu o continente em
duas partes, Gondwana ao Sul e
Laurásia, ao norte. E Foi se
separando até a configuração de
hoje.
O movimento das placas tectônicas
• Placas tectônicas são gigantescos blocos
que integram a camada sólida externa da
Terra, ou seja, a litosfera (crosta terrestre
mais a parte superior do manto).
• Elas estão em constante movimentação (se
movimentam sobre o magma do manto),
podendo se afastar ou se aproximar umas
das outras.
Os Limites das placas tectônicas
são Classificados em:
• Limite Convergente: as placas tectônicas
convergem, ou seja se chocam, provocando a
formação de cadeias montanhosas.
• Limite Divergente: as placas tectônicas
divergem, ou seja, se distanciam, como visto
entre os continentes Sul – Americano e
Africano.
• Limite Transformante: as placas tectônicas se
deslocam paralelamente em sentidos opostos,
separando-se.
Aula Geografia
Aula Geografia
• O movimento dessas placas pode ter como
consequências os terremotos, tsunamis e
vulcões, além do aparecimento dos
dobramentos modernos, que dão origem
ás altas cadeias de montanhas.
• O território brasileiro não apresenta
dobramentos modernos. Mas, não
significa estar livre de abalos sísmicos.
Rochas
• Rocha Magmáticas ou Ígneas: São aquelas
que se originam do resfriamento e
solidificação do magma. Há rochas que
formam a base da crosta terrestre e são
muito antigas, mas como a pressão do
manto é constante, ela continuam sendo
produzidas até hoje.
Aula Geografia
• Rochas Sedimentares – São originadas de
deposito de detritos de outras rochas e de
material orgânico, vão se acumulando uns
sobre os outros, ao longo do Tempo
Geológico, e se compactando. Nesse tipo
de rocha, devido aos materiais orgânicos,
podemos encontrar materiais fósseis.
Aula Geografia
• Rochas metamórficas – São originadas de
transformações causadas pelo aumento da
pressão e da temperatura provocado pela
tensão do magma nos pontos mais frágeis
da crosta, modificando estrutura química
ou física das rochas pré-existentes e
transformando-as.
Aula Geografia
Relevo
Agentes Internos ou Endógenos
Tectonismo ou Diastrofismo
• São distorções provocadas por forças do interior
da Terra que atuam de forma lenta e prolongada
na crosta terrestre. Ocasionam, entre outras
deformações, falhas e dobramentos na superfície,
produzindo diversas feições de relevo. Quando as
pressões são exercidas de forma horizontal sobre
as camadas de rocha de grande plasticidade,
provocam o encurvamento ou dobramento das
camadas rochosas. Essas pressões são chamadas
de orogênese e podem estar associadas às falhas,
compondo as grandes cadeias montanhosas, como
os Andes, o Himalaia, os Alpes, os Pirineus, as
Montanhas Rochosas, etc.
Vulcanismo
• Nas regiões de borda de contato a atividade tectônica
costuma ser intensa. Prova disso são os diversos
vulcões em atividade localizados nessas áreas. Nelas as
camadas rochosas podem apresentar fissuras causadas
pela pressão interna do manto, por onde o magma
extravasa na forma de lava. O extravasamento do
magma, chamado erupção, pode recobrir extensas
áreas de terreno ou originar cones vulcânicos. É pela
solidificação da lava vulcânica que se originam as
rochas magmáticas. A grande concentração de vulcões
em atividade na borda da placa do Pacífico levou os
especialistas a denominar a região de Círculo ou
Cinturão de Fogo.
Abalos Sísmicos
• São movimentos naturais da crosta terrestre
que se propagam através de vibrações. Em
nosso planeta, a maioria dos chamados
sismos ou terremotos ocorre nas bordas de
contato das placas tectônicas. Essas áreas
apresentam rochas que estão sob intensa
pressão pela força do atrito entre as placas
litosféricas. Quando o limite de resistência de
uma camada é atingido, as rochas se rompem
e provocam deslocamentos, criando falhas e
ondas sísmicas que se propagam em todas as
direções.
Agentes Externos ou Exógenos
• Em síntese, pode-se afirmar que os
agentes exógenos realizam ação dupla: por
um lado, efetuam o desgaste e a destruição
das rochas e do relevo e, por outro, são
responsáveis pela construção de novas
formas de relevo.
Intemperismo ou Meteorização
• O conjunto de processos que provocam a alteração e a
decomposição das rochas – resultado da ação dos
agentes externos – recebe o nome de intemperismo ou
meteorização e apresenta-se em três formas:
• químico – resulta sobretudo da ação da água que, em
contato com os minerais, altera a composição química
das rochas, resultando em formas mais arredondadas
de relevo;
• físico – desagregação ou desintegração mecânica das
rochas resultante da grande variação de temperatura
(verão e inverno; dia e noite), originando formas de
relevo caracterizadas por arestas e sedimentos
grosseiros;
• biológico – ação dos seres vivos gerando a aceleração
dos processos físicos e químicos sobre as rochas.
Erosão
• O processo de modelagem da paisagem, de
remoção e transporte de sedimentos é
chamado de erosão. A deposição deste
material em um novo local é denominada
sedimentação.
Erosão pluvial (chuvas)
• Provocam deslizamentos de encostas,
enxurradas, desgastam o terreno e
formam depósitos sedimentares;
Erosão fluvial (rios)
• Em seu curso, os rios escavam leitos,
formam vales, destroem e transportam
sedimentos, depositando-os em novas
feições de relevo tais como as planícies e
os deltas;
Erosão marinha (mares)
• A partir da deposição de sedimentos em
áreas litorâneas formam-se as praias, os
tômbolos (depósitos de areia que ligam
uma ilha ao continente), as restingas e
lagunas; e como resultado da destruição
(abrasão marinha), formam-se as falésias;
Aula Geografia
Erosão glacial (geleiras)
• O congelamento e o degelo atuam
fragmentando as rochas por ação
mecânica e formando grandes vales em
forma de U ou V, chamados fiordes,
enquanto que os fragmentos rochosos
acumulados nos sopés das montanhas são
chamados de morainas.
Aula Geografia
Erosão eólica (ventos)
• Mais intenso em regiões desérticas
gerando as paisagens de dunas.
Aula Geografia
Continua...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A dinâmica da terra a formação do relevo e suas formas
A dinâmica da terra   a formação do relevo e suas formasA dinâmica da terra   a formação do relevo e suas formas
A dinâmica da terra a formação do relevo e suas formas
Wesley Torres
 
Estruturaerochas
EstruturaerochasEstruturaerochas
Estruturaerochas
Professor
 
Estrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiroEstrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiro
dela28
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
Suely Takahashi
 
Os Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - GeografiaOs Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - Geografia
Antonio Pinto Pereira
 
Dinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevoDinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevo
João José Ferreira Tojal
 
Litosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua DinâmicasLitosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua Dinâmicas
Isabelegeografia
 
Litosfera e relevo
Litosfera e relevoLitosfera e relevo
Litosfera e relevo
flaviocosac
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
Ana Castro
 
Estrutura geológica do Brasil
Estrutura geológica do BrasilEstrutura geológica do Brasil
Estrutura geológica do Brasil
Kamila Joyce
 
Geografia a formacao do relevo, suas formas e diferentes tipos
Geografia   a formacao do relevo, suas formas e diferentes tiposGeografia   a formacao do relevo, suas formas e diferentes tipos
Geografia a formacao do relevo, suas formas e diferentes tipos
Gustavo Soares
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
Josimar Nunes
 
As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.
As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.
As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.
Jones Godinho
 
8 a aula geo cpvem relevo-i
8 a aula geo cpvem   relevo-i8 a aula geo cpvem   relevo-i
8 a aula geo cpvem relevo-i
Wellington Moreira
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
profleofonseca
 
Agentes internos
Agentes internosAgentes internos
Agentes internos
Juliano Fernandes
 
relevo gênese e evolução
relevo gênese e evolução relevo gênese e evolução
relevo gênese e evolução
neto lopes
 
DinâMica GeolóGica E Formas Da Litosfera
DinâMica GeolóGica E Formas Da LitosferaDinâMica GeolóGica E Formas Da Litosfera
DinâMica GeolóGica E Formas Da Litosfera
Rodrigo Leão
 
Tectonica de placas
Tectonica de placasTectonica de placas
Tectonica de placas
J R Messias
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
rsaloes
 

Mais procurados (20)

A dinâmica da terra a formação do relevo e suas formas
A dinâmica da terra   a formação do relevo e suas formasA dinâmica da terra   a formação do relevo e suas formas
A dinâmica da terra a formação do relevo e suas formas
 
Estruturaerochas
EstruturaerochasEstruturaerochas
Estruturaerochas
 
Estrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiroEstrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiro
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Os Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - GeografiaOs Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - Geografia
 
Dinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevoDinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevo
 
Litosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua DinâmicasLitosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua Dinâmicas
 
Litosfera e relevo
Litosfera e relevoLitosfera e relevo
Litosfera e relevo
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
 
Estrutura geológica do Brasil
Estrutura geológica do BrasilEstrutura geológica do Brasil
Estrutura geológica do Brasil
 
Geografia a formacao do relevo, suas formas e diferentes tipos
Geografia   a formacao do relevo, suas formas e diferentes tiposGeografia   a formacao do relevo, suas formas e diferentes tipos
Geografia a formacao do relevo, suas formas e diferentes tipos
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
 
As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.
As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.
As marcas do tempo geológico: Estrutura geológica e formas do relevo terrestre.
 
8 a aula geo cpvem relevo-i
8 a aula geo cpvem   relevo-i8 a aula geo cpvem   relevo-i
8 a aula geo cpvem relevo-i
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Agentes internos
Agentes internosAgentes internos
Agentes internos
 
relevo gênese e evolução
relevo gênese e evolução relevo gênese e evolução
relevo gênese e evolução
 
DinâMica GeolóGica E Formas Da Litosfera
DinâMica GeolóGica E Formas Da LitosferaDinâMica GeolóGica E Formas Da Litosfera
DinâMica GeolóGica E Formas Da Litosfera
 
Tectonica de placas
Tectonica de placasTectonica de placas
Tectonica de placas
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 

Destaque

Geologia 2
Geologia 2Geologia 2
Geologia 2
Adsson Luz
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da  crosta terrestreDinâmica da  crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
vitor moraes ribeiro
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
Portal do Vestibulando
 
Crosta terrestre
Crosta terrestreCrosta terrestre
Crosta terrestre
Evandro Vilas Boas Coelho
 
A deriva continental
A deriva continentalA deriva continental
A deriva continental
cienciaactivazorelle
 
The State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B Companies
The State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B CompaniesThe State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B Companies
The State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B Companies
Mattermark
 

Destaque (6)

Geologia 2
Geologia 2Geologia 2
Geologia 2
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da  crosta terrestreDinâmica da  crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Crosta terrestre
Crosta terrestreCrosta terrestre
Crosta terrestre
 
A deriva continental
A deriva continentalA deriva continental
A deriva continental
 
The State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B Companies
The State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B CompaniesThe State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B Companies
The State of Sales & Marketing at the 50 Fastest-Growing B2B Companies
 

Semelhante a Aula Geografia

Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
espacoaberto
 
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptxCOMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
CamilaVieira250531
 
A Estrutura da terra
A Estrutura da terra A Estrutura da terra
A Estrutura da terra
Colégio Nova Geração COC
 
Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010
landipaula
 
Geo sagrada 1 ano
Geo sagrada 1 anoGeo sagrada 1 ano
Geo sagrada 1 ano
Jose Luiz de Oliveira
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
AULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.pptAULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.ppt
andreiasaraujogr
 
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo TerrestreFormação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
Mauricio Martins
 
Litosfera 110419124325-phpapp02
Litosfera 110419124325-phpapp02Litosfera 110419124325-phpapp02
Litosfera 110419124325-phpapp02
Regis Barbosa Batista
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Relevo novo
Relevo novo Relevo novo
Relevo novo
Marcelo Caetano
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
rdbtava
 
Construção do modulado terrestre
Construção do modulado terrestreConstrução do modulado terrestre
Construção do modulado terrestre
Adriana Gomes Messias
 
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Jose Luiz de Oliveira
 
Cap. 5 Crosta Terrestre
Cap. 5 Crosta TerrestreCap. 5 Crosta Terrestre
Cap. 5 Crosta Terrestre
RodrigoOliveiraSilva8
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Fernando Bueno
 
Aula1 - Megaestruturas
Aula1 - MegaestruturasAula1 - Megaestruturas
Aula1 - Megaestruturas
Leonardo Felipe
 
Aula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continentalAula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continental
Tiago Marinho
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
Ronaldo Assis
 

Semelhante a Aula Geografia (20)

Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptxCOMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
COMPOSIÇÃO DA TERRA.pptx
 
A Estrutura da terra
A Estrutura da terra A Estrutura da terra
A Estrutura da terra
 
Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010
 
Geo sagrada 1 ano
Geo sagrada 1 anoGeo sagrada 1 ano
Geo sagrada 1 ano
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
AULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.pptAULA 3 - A Terra e suas características.ppt
AULA 3 - A Terra e suas características.ppt
 
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo TerrestreFormação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
 
Litosfera 110419124325-phpapp02
Litosfera 110419124325-phpapp02Litosfera 110419124325-phpapp02
Litosfera 110419124325-phpapp02
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Relevo novo
Relevo novo Relevo novo
Relevo novo
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Construção do modulado terrestre
Construção do modulado terrestreConstrução do modulado terrestre
Construção do modulado terrestre
 
Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)Planeta terra Turmas (11 e 12)
Planeta terra Turmas (11 e 12)
 
Cap. 5 Crosta Terrestre
Cap. 5 Crosta TerrestreCap. 5 Crosta Terrestre
Cap. 5 Crosta Terrestre
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
 
Aula1 - Megaestruturas
Aula1 - MegaestruturasAula1 - Megaestruturas
Aula1 - Megaestruturas
 
Aula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continentalAula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continental
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Aula Geografia

  • 1. Geografia Tempo Geológico Deriva Continental Tectônica de Placas Rochas Agentes Transformadores Relevo
  • 2. Tempo Geológico • É como chamamos as várias Eras e períodos que situam cronologicamente os eventos ocorridos na Terra. • (Terra com “T” = Planeta Terra. terra com “t”= terra, chão, solo)
  • 3. • A história da humanidade foi dividida em idades, organizadas em períodos de anos, séculos e milênios. • Para organizá-la, os cientistas tiveram que usar outra escala de tempo, dividida em bilhões, milhões e anos. Chamamos de Escala do Tempo Geológico. • Essa escala é internacional, conhecida e usada pelo mundo inteiro.
  • 4. Tempo Geológico é divido assim: • Big Bang: Origem do Universo. • Origem da Terra: 4,5 Bilhões de Anos. • Era Pré-Cambriano: 670 Milhões de Anos. • Era Paleozoico: Dividido em 6 períodos; Cambriano, Ordoviciano, Siluriano, Devoniano, Carbonífero e Permiano.
  • 5. • Era Mesozoico: dividido em 3 períodos; Triássico, Jurássico e Cretácio. • Era Cenozoico: dividido em 2 períodos; Terciário e Quaternário. Atualmente estamos na Era Cenozoico, no período Quaternário.
  • 6. Teoria da Deriva Continental A Deriva Continental é um conceito que começou a ser elaborado por volta dos séculos XVI e XVII, quando alguns cientistas europeus observaram a grande semelhança entra as bordas dos continentes, como se eles se encaixassem como um quebra-cabeça.
  • 7. PANGEIA Há 250 milhões de anos: Uma massa de terra (Pangeia) envolta por um só oceano (Pantalassa).
  • 8. LAURÁSIA E GONDWANA A Pangeia começou a se rachar há 200 milhões de anos. Uma canal oceânico dividiu o continente em duas partes, Gondwana ao Sul e Laurásia, ao norte. E Foi se separando até a configuração de hoje.
  • 9. O movimento das placas tectônicas • Placas tectônicas são gigantescos blocos que integram a camada sólida externa da Terra, ou seja, a litosfera (crosta terrestre mais a parte superior do manto). • Elas estão em constante movimentação (se movimentam sobre o magma do manto), podendo se afastar ou se aproximar umas das outras.
  • 10. Os Limites das placas tectônicas são Classificados em: • Limite Convergente: as placas tectônicas convergem, ou seja se chocam, provocando a formação de cadeias montanhosas. • Limite Divergente: as placas tectônicas divergem, ou seja, se distanciam, como visto entre os continentes Sul – Americano e Africano. • Limite Transformante: as placas tectônicas se deslocam paralelamente em sentidos opostos, separando-se.
  • 13. • O movimento dessas placas pode ter como consequências os terremotos, tsunamis e vulcões, além do aparecimento dos dobramentos modernos, que dão origem ás altas cadeias de montanhas. • O território brasileiro não apresenta dobramentos modernos. Mas, não significa estar livre de abalos sísmicos.
  • 14. Rochas • Rocha Magmáticas ou Ígneas: São aquelas que se originam do resfriamento e solidificação do magma. Há rochas que formam a base da crosta terrestre e são muito antigas, mas como a pressão do manto é constante, ela continuam sendo produzidas até hoje.
  • 16. • Rochas Sedimentares – São originadas de deposito de detritos de outras rochas e de material orgânico, vão se acumulando uns sobre os outros, ao longo do Tempo Geológico, e se compactando. Nesse tipo de rocha, devido aos materiais orgânicos, podemos encontrar materiais fósseis.
  • 18. • Rochas metamórficas – São originadas de transformações causadas pelo aumento da pressão e da temperatura provocado pela tensão do magma nos pontos mais frágeis da crosta, modificando estrutura química ou física das rochas pré-existentes e transformando-as.
  • 21. Agentes Internos ou Endógenos Tectonismo ou Diastrofismo • São distorções provocadas por forças do interior da Terra que atuam de forma lenta e prolongada na crosta terrestre. Ocasionam, entre outras deformações, falhas e dobramentos na superfície, produzindo diversas feições de relevo. Quando as pressões são exercidas de forma horizontal sobre as camadas de rocha de grande plasticidade, provocam o encurvamento ou dobramento das camadas rochosas. Essas pressões são chamadas de orogênese e podem estar associadas às falhas, compondo as grandes cadeias montanhosas, como os Andes, o Himalaia, os Alpes, os Pirineus, as Montanhas Rochosas, etc.
  • 22. Vulcanismo • Nas regiões de borda de contato a atividade tectônica costuma ser intensa. Prova disso são os diversos vulcões em atividade localizados nessas áreas. Nelas as camadas rochosas podem apresentar fissuras causadas pela pressão interna do manto, por onde o magma extravasa na forma de lava. O extravasamento do magma, chamado erupção, pode recobrir extensas áreas de terreno ou originar cones vulcânicos. É pela solidificação da lava vulcânica que se originam as rochas magmáticas. A grande concentração de vulcões em atividade na borda da placa do Pacífico levou os especialistas a denominar a região de Círculo ou Cinturão de Fogo.
  • 23. Abalos Sísmicos • São movimentos naturais da crosta terrestre que se propagam através de vibrações. Em nosso planeta, a maioria dos chamados sismos ou terremotos ocorre nas bordas de contato das placas tectônicas. Essas áreas apresentam rochas que estão sob intensa pressão pela força do atrito entre as placas litosféricas. Quando o limite de resistência de uma camada é atingido, as rochas se rompem e provocam deslocamentos, criando falhas e ondas sísmicas que se propagam em todas as direções.
  • 24. Agentes Externos ou Exógenos • Em síntese, pode-se afirmar que os agentes exógenos realizam ação dupla: por um lado, efetuam o desgaste e a destruição das rochas e do relevo e, por outro, são responsáveis pela construção de novas formas de relevo.
  • 25. Intemperismo ou Meteorização • O conjunto de processos que provocam a alteração e a decomposição das rochas – resultado da ação dos agentes externos – recebe o nome de intemperismo ou meteorização e apresenta-se em três formas: • químico – resulta sobretudo da ação da água que, em contato com os minerais, altera a composição química das rochas, resultando em formas mais arredondadas de relevo; • físico – desagregação ou desintegração mecânica das rochas resultante da grande variação de temperatura (verão e inverno; dia e noite), originando formas de relevo caracterizadas por arestas e sedimentos grosseiros; • biológico – ação dos seres vivos gerando a aceleração dos processos físicos e químicos sobre as rochas.
  • 26. Erosão • O processo de modelagem da paisagem, de remoção e transporte de sedimentos é chamado de erosão. A deposição deste material em um novo local é denominada sedimentação.
  • 27. Erosão pluvial (chuvas) • Provocam deslizamentos de encostas, enxurradas, desgastam o terreno e formam depósitos sedimentares;
  • 28. Erosão fluvial (rios) • Em seu curso, os rios escavam leitos, formam vales, destroem e transportam sedimentos, depositando-os em novas feições de relevo tais como as planícies e os deltas;
  • 29. Erosão marinha (mares) • A partir da deposição de sedimentos em áreas litorâneas formam-se as praias, os tômbolos (depósitos de areia que ligam uma ilha ao continente), as restingas e lagunas; e como resultado da destruição (abrasão marinha), formam-se as falésias;
  • 31. Erosão glacial (geleiras) • O congelamento e o degelo atuam fragmentando as rochas por ação mecânica e formando grandes vales em forma de U ou V, chamados fiordes, enquanto que os fragmentos rochosos acumulados nos sopés das montanhas são chamados de morainas.
  • 33. Erosão eólica (ventos) • Mais intenso em regiões desérticas gerando as paisagens de dunas.