SlideShare uma empresa Scribd logo
09/09/2013
1
Escolha da espécie forrageira
Qual a melhor
espécie
forrageira?
 Resistente à geada;
 Resistente à seca;
 Resistente à pragas (cigarrinha);
 Resistente à doenças;
 Resistente ao pastejo;
 Resistente ao fogo;
 Produza semente;
 Pouco exigente em nutrientes;
 Tolerante ao Alumínio;
 Tolerante à solos encharcados;
 Alta produção de forragem;
 Alto valor nutritivo da forragem produzida;
 Permite consórcios;
 Não apresente princípios tóxicos;
 Silagem de alta qualidade;
 Feno de alta qualidade;
 Perene e persistente;
 Alta velocidade de cobertura de solo, etc
FORRAGEIRA IDEAL:
Existe uma
espécie assim ?
Fatores a serem considerados na
escolha da espécie forrageira
• Adaptação ao clima da região;
• Tipo de solo: relevo,umidade, fertilidade;
• Resistência ao pastejo, hábito de crescimento;
• Produção de matéria seca por ano, valor nutritivo,
disponibilidade de área;
• Período de produção;
• Categoria animal ou ganho preconizado;
• Necessidade de consorciação;
• Facilidade de manejo;
Cfa - Clima subtropical, verões quentes,
geadas pouco frequentes e tendência
de concentração das chuvas nos meses
de verão, contudo sem estação seca
definida.
Cfb - Clima temperado
propriamente dito; temperatura
média no mês mais quente abaixo
de 22 ºC, verões frescos, e sem
estação seca definida.
09/09/2013
2
Sudoeste do Paraná 42 Municípios
Cfb
Cfa Existem 18 microclimas no
sudoeste do PR
09/09/2013
3
Relevo
Leguminosa prostrada Gramínea prostrada
Leguminosa ereta Gramínea ereta
Diferenças morfológicas em relação a forma de crescimento
Pennisetum x Cynodon
Pioneiro x Tifton
09/09/2013
4
Ervilhaca x Pioneiro
SOBRESSEMEADURA DE ERVILHACA EM CAPIM-ELEFANTE
SOBRESSEMEADURA DE AVEIA E AZEVÉM EM
TIFTON
Como identificar/classificar uma Pastagem
Ciclo de vida
•Perenes
•Anuais
Forma de crescimento
•Eretas
•Estoloníferas
•Rizomatozas
1. Gramíneas
2. Leguminosas
Forma de propagação
•Sementes
•Mudas
•Mudas e sementes
Épocas de crescimento
•Verão
•Inverno
Ciclo de vida
• Anuais – milheto, sorgo, papuã, aveia, azevém
– Florescem e morrem no primeiro e único ano da sua
vida
• Bianuais – trevo vermelho, guandu
– Só florescem no segundo ano
• Perenes – Tifton, Estrela Africana, Pioneiro, etc.
– Levam 1 ou mais tempo para se reproduzir;
– Apenas alguns de seus perfilhos diferenciam
09/09/2013
5
Época de crescimento
• Hibernal - Ex: Trevos, ervilhaca, aveia, azevém
– Crescimento de outono, inverno e primavera
– Temperatura ótima desenvolvimento 18 a 25 oC
• Estival - Ex: Brachiarias, Panicuns, Cynodon.
– Crescimento de primavera e verão
– Temperatura ótima desenvolvimento 28 a 35 oC
• Temperatura de base: abaixo dela as plantas
param de produzir
– Trigo = 4 oC Aveia, Azevém = 3 oC
– Mombaça = 15 oC, Aruana = 12 oC
Gramíneas perenes e anuais
HEMARTRIA
TIFTON 85
MOMBAÇA
Festuca Hemartria
Tifton 85
Mombaça
Centeio
Como identificar/classificar uma Pastagem
Quanto a finalidade
1. Qualidade – valor proteico
2. Quantidade - volumoso
Quanto às Exigências, de
•Ao solo
•Umidade
•temperaturas
Alto valor protéico
09/09/2013
6
Alta produtividade
Panicun
Elefante
Estrela
B. decumbens
B. humidicola
Hemarthria
Jesuíta
Modificado de (Corsy, 1988)
Qualidade da forragem
Alfafa
Tiftons e Coast Cross
Escada descendente ou escala da ilusão
Cada espécie apresenta !!
• Manejo específico;
– Altura, massa de forragem, descanso..
• Exigência em termos de T oC, umidade,
nutrientes
• Local e situação mais adequada;
• Dinâmica de produção
– Distribuição da produção no tempo;
– Resposta a nutrientes
• Capacidade produtiva diferente
Pastagens cultivadas de verão
Nível de importância
Espécies Nomes comuns (BR) PR SC RS
Gramíneas perenes de verão
Panicum maximum Colonião ++ + +
Brachiaria brizanta Brizanta, braquiária +++ + +
Brachiaria spp. braquiária, humidicola,
decumbens
+ + +
Digitária decumbens Pangola + + ++
Cynodon spp. Estrela, coast-cros, tifton +++ + ++
Axenopus compressus Missioneira, jesuíta ++ +++ +++
Pennisetum clandestinum Quicuio + + +
Pennisetum purpureum Capim elefante + + +
Paspalum saurae Pensacola ++ ++ +++
Hemartria altissima Hemartria ++ ++ +
Setaria sphacelata Setária + + +
Chloris gayana Rhodes + + +
Gramíneas anuais de verão
Pennisetum americanum Milheto +++ +++ +++
Sorghum spp. Sorgo + + ++
Euchlaena mexican Teosinto, dente de burro + + +
Brachiaria plantaginea Papuã ++ + +
Fonte: Nabinger, C. et. al. (1999)
Nível de importância
Espécies Nomes comuns (BR) PR SC RS
Gramíneas anuais de inverno
Lolium multiflorum Azevém +++ +++ +++
Avena strigosa Aveia preta +++ +++ +++
Avena sativa Aveia branca +++ ++ +
Secale cereale Centeio ++ ++ +
x Triticosecale Triticale ++ + +
Hordeum vulgare Cevada + + +
Gramíneas perenes de inverno
Festuca arundinaceae Festuca + + +
Bromus catharticus Cevadilha + + +
Dactylis glomerata Capim dos pomares + + +
Falaris tuberosa Falaris + + +
Leguminosa anual de inverno
Vicia sativa ++ ++ ++
Vicia villosa + + +
Trifolium vesiculosum Trevo vesiculoso ++ ++ +++
Trifolium subterraneum Trevo subterrâneo + + +
Leguminosa perene de inverno
Trifolium repens Trevo branco ++ + +++
Trifolium pratense Trevo vermelho ++ ++ ++
Lotus corniculatus Cornichão ++ ++ ++
Medicago sativa Alfafa + + +
Pastagens cultivadas de Inverno
Gramíneas
Perenes
Anuais
Inverno
Verão
Inverno
Verão
Festuca, Phalaris, Dactylis,
Andropogon
Cynodon spp, Panicum spp,
Pennisetum spp, Brachiaria spp.
Leguminosas
Perenes
Anuais
Inverno
Verão
Inverno
Verão Arachys spp, Leucena,
Stylosanthes, Medicago sativa
Lolium, Avena spp, Secale spp.
Sorghun spp, Pennisetum spp.
Vicia spp, Trifolium spp, Lupinus
spp.
Lab lab spp, Cajanus cajan spp.
Trifolium spp, Lotus spp.
As plantas forrageiras são classificadas em gramíneas e leguminosas,
perenes e anuais ambas possuindo espécies de inverno e verão
09/09/2013
7
Vencedor Tanzânia MombaçaBrachiaria
CoastcrossTifton Elefante Cana
Sorgo Milheto Azévem Aveia
Trevo branco Trevo vermelho Cornichão
AmendoimErvilhaca Alfafa
Guandu Leucena Estilosante
B. Brizantha – Arachys pintoi
09/09/2013
8
09/09/2013
9
Cynodon spp
Coast-cross
Tifton 68
Tifton 85
Produção de MS e eficiência de conversão do N em Coast-cross
Kg N/ha/ano MS t/ha/ano Kg MS/kg N
0 12,0 -
200 24,4 62
400 32,6 51
600 35,4 39
Monteiro (1996)
09/09/2013
10
TIFTON 85
• Lotação: 8,3 unidade animal por hectare.
09/09/2013
11
Lotação: 8,3 Unidade animal por hectare. Lotação 8,3 unidade animal por hectare.
• Pressão de Pastejo/Resíduo Mínimo 5 a 15 cm altura/1500 a 2000 kg de matéria seca por
hectare
09/09/2013
12
09/09/2013
13
Panicum maximum
Vencedor Tanzânia Mombaça
09/09/2013
14
09/09/2013
15
Aruana
09/09/2013
16
09/09/2013
17
Pennisetum clandestinum
KIKUIO
GRAMÍNEAS ANUAIS DE VERÃO
09/09/2013
18
09/09/2013
19
Arachys pintoi
AMENDOIM FORRAGEIRO
09/09/2013
20
PASTEJO INTENSIVO DE ALFAFA
09/09/2013
21
Formação Área de Alfafa
09/09/2013
22
09/09/2013
23
Alfafa – Adelino Dariz – Rio Bonito do Iguaçu, PR Alfafa – Adelino Dariz – Rio Bonito do Iguaçu, PR
GRAMÍNEAS ANUAIS DE INVERNO
09/09/2013
24
09/09/2013
25
AVEIA BRANCA
09/09/2013
26
LEGUMINOSAS ANUAIS DE INVERNO
ERVILHACA – Vicia sativa e Vilosa
09/09/2013
27
TREVO
BRANCO
Trevo branco
TREVO
VERMELHO
TREVO VERMELHO
09/09/2013
28
TREVO
VESICULOSO
Cornichão - Lotus corniculatus
Germoplasma 20/10/2006 20/12/2006 07/01/2007 Total
Cornichão San Gabriel 2.481 ab 4.549 a 4.210 ab 11.239 a
Cornichão San Gabriel Ijuí 1.884 abcde 4.553 a 4.887 a 11.327 a
Cornichão El Rincon 1.175 e 1.677 f 3.036 bcd 5.888 c
Cornichão UFRGS 2.106 abcd 4.721 a 4.721 a 10.573 a
Trevo vermelho Quiñequelli 2.722 a 2.890 cd 8.159 b 8.159 b
Trevo vermelho UFRGS 1.858 abcde 3.728 b 2.101 d 7.687 b
Trevo vermelho Quiñequelli Ijuí 2.257 abc 2.812 cd 3.218 bcd 8.287 b
Trevo vermelho Kenland 2.045 abcde 3.007 cb 2.848 bcd 7.900 b
Trevo vermelho Nova Sanatana 2.238 abc 3.260 cb 3.387 bcd 8.885 b
Trevo branco Bagé 1.517 cde 2.070 edf 0 e 3.587 d
Trevo branco UFRGS 1.755 bcde 1.847 ef 0 e 3.602 d
Trevo branco Jacuí 1.229 de 1.448 f 0 e 2.677 d
Trevo branco Zapican 1.607 bcde 2.524 cde 0 e 4.131 cd
Trevo branco Yí 1.665 bcde 2.666 cd 0 e 4.331 cd
Média 1.897 3.042 2.263 7.202
C.V 29,4 20,0 20,6 16,8
Produção de forragem de diferentes genótipos de cornichão,
trevo branco e trevo vermelho de junho de 2006 a janeiro de
2007. Pato Branco
09/09/2013
29
Germoplasma PB (%) FDN FDA NDT
Cornichão San Gabriel 11,6 d 59,9 a 40,6 a 59,4 c
Cornichão San Gabriel Ijuí 11,5 d 59,9 a 40,6 a 59,4 c
Cornichão El Rincon 12,0 cd 52,8 ab 37,8 ab 61,4 bc
Trevo vermelho Quiñequelli 13,1 cd 52,9 ab 39,8 ab 60,0 bc
Trevo vermelho UFRGS 13,0 cd 53,0 ab 40,3 a 59,6 c
Trevo vermelho Quiñequelli Ijuí 13,4 bcd 52,8 ab 40,2 a 59,7 c
Trevo vermelho Kenland 12,5 cd 52,6 ab 39,4 ab 60,2 bc
Trevo vermelho Nova Sanatana 13,5 bcd 52,8 ab 39,0 ab 60,6 bc
Trevo branco Bagé 17,3 a 39,1 cd 31,5 bc 65,7 ab
Trevo branco UFRGS 16,4 ab 43,2 cd 33,6 abc 64,3 abc
Trevo branco Jacuí 14,9 abc 47,3 cd 35,3 abc 63,1 abc
Trevo branco Zapican 16,3 ab 43,7 cd 32,6 abc 65,0 abc
Trevo branco Yí 17,7 a 38,5 d 28,6 c 67,8 a
CV. 7,46 5,75 7,49 3,12
Desmodium ovalifolium
UTILIZAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA
ALIMENTAÇÃO ANIMAL
09/09/2013
30
09/09/2013
31
09/09/2013
32
VANTAGENS
• Alta produção (até 120 t/ha);
• Baixo custo por kg de MS produzida;
• Acima de 60% NDT
• Perene (renovação talvez necessária a partir do
quarto ano);
• Mantém valor nutritivo por longos períodos após a
maturação;
• Cana picada ou silagem;
• É bem aceita e consumida pelos animais.
DESVANTAGENS
• Baixa PB (2% a 3% na MS) e minerais;
• Necessidade de adição de fonte NNP e/ou NP;
• Alto FDN – limitação de consumo.
09/09/2013
33
COMO USAR?
• Pequenos plantéis, colheita manual e transporte em
carretas/carroças para ser picada em picadeiras
estacionárias, próximas do local de fornecimento;
• Rebanhos maiores, usam máquinas forrageiras que
cortam, picam e carregam em uma única operação.
09/09/2013
34
• Uso associado com uma fonte NNP (90% uréia +
10% sulf. amônio) = Ganhos de até 300 g/cab./dia;
• Na fase de adaptação, usar apenas 0,5 kg da
mistura para 100 kg de cana picada;
• Adaptados, 1 kg para cada 100 kg de cana fresca
picada.
A aplicação da mistura sobre a cana é feita
da seguinte forma:
• Para cada 100 kg de massa de cana picada,
aplicar a mistura uréia + sulfato de amônio diluída
em 3-4 litros de água, com a ajuda de um
regador;
• Essa distribuição deve ser a mais uniforme
possível.
INTOXICAÇÃO POR URÉIA
• Tremores musculares
• Respiração acelerada
• Incoordenação
• Convulsões
• Morte
Principais
variedades
NA 5679
CB 45-3
RB 855113
RB 855536
RB 867515
SP 803280
SP 791011
SP 811763
SP 791011
CÁLCULO DA ÁREA
Supondo-se:
– produtividade esperada de massa verde de
120 t/ha
– número de animais - 100
– período de suplementação - 150 dias
– peso médio/cabeça - 300 kg
– fornecimento diário - à vontade (6% do peso
vivo/cab./dia de massa verde)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
Rogger Wins
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
Andréa Vasconcelos
 
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Agricultura Sao Paulo
 
Milho
MilhoMilho
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Matheus Majela
 
Palestra José Braz Matiello - Manejo do Cafeeiro
Palestra José Braz Matiello - Manejo do CafeeiroPalestra José Braz Matiello - Manejo do Cafeeiro
Palestra José Braz Matiello - Manejo do Cafeeiro
Revista Cafeicultura
 
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Antonio Davi Vaz Lima
 
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
Ana Flavia Garcia Moraes
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
Ernane Nogueira Nunes
 
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliçasSeminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
Thiago Azevedo de Oliveira
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique Reis
 
Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da Mandioca
João Felix
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
Saul Ramos
 
Café do plantio a colheita
Café do plantio a colheitaCafé do plantio a colheita
Café do plantio a colheita
GETA - UFG
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
Janeiro Ousa
 
A cultura do_feij_o
A cultura do_feij_oA cultura do_feij_o
A cultura do_feij_o
Monique Batista Carpenedo
 

Mais procurados (20)

Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
 
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
 
Milho
MilhoMilho
Milho
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
 
Palestra José Braz Matiello - Manejo do Cafeeiro
Palestra José Braz Matiello - Manejo do CafeeiroPalestra José Braz Matiello - Manejo do Cafeeiro
Palestra José Braz Matiello - Manejo do Cafeeiro
 
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
 
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliçasSeminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
Cultura da Mandioca
Cultura da MandiocaCultura da Mandioca
Cultura da Mandioca
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 
Café do plantio a colheita
Café do plantio a colheitaCafé do plantio a colheita
Café do plantio a colheita
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
 
A cultura do_feij_o
A cultura do_feij_oA cultura do_feij_o
A cultura do_feij_o
 

Semelhante a Aula espécie forrageira

Alimentação das criações na seca
Alimentação das criações na secaAlimentação das criações na seca
Alimentação das criações na seca
Lenildo Araujo
 
ABC Alimentação das criações na seca
ABC Alimentação das criações na secaABC Alimentação das criações na seca
ABC Alimentação das criações na seca
Lenildo Araujo
 
Recomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação Procafé
Recomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação ProcaféRecomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação Procafé
Recomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação Procafé
Luiz Valeriano
 
A cultura do figo
A cultura do figoA cultura do figo
A cultura do figo
Magno Abreu
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Revista Cafeicultura
 
Luiz fazuoli contribuições das cultivares bahia
Luiz fazuoli contribuições das cultivares  bahiaLuiz fazuoli contribuições das cultivares  bahia
Luiz fazuoli contribuições das cultivares bahia
Revista Cafeicultura
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
pauloweimann
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
Geagra UFG
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
pauloweimann
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
Lenildo Araujo
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
Leonardo Martins Santana
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
Lenildo Araujo
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
pauloweimann
 
Fazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinio
Fazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinioFazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinio
Fazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinio
Revista Cafeicultura
 
Colecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do AlgarveColecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do Algarve
Armindo Rosa
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Savio Marinho
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
EduardaAmaral11
 
Abc abacaxi
Abc abacaxiAbc abacaxi
Abc abacaxi
pauloweimann
 
Criação racional de abelhas
Criação racional de abelhasCriação racional de abelhas
Criação racional de abelhas
Jefferson Bandero
 
Mandioca02
Mandioca02Mandioca02

Semelhante a Aula espécie forrageira (20)

Alimentação das criações na seca
Alimentação das criações na secaAlimentação das criações na seca
Alimentação das criações na seca
 
ABC Alimentação das criações na seca
ABC Alimentação das criações na secaABC Alimentação das criações na seca
ABC Alimentação das criações na seca
 
Recomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação Procafé
Recomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação ProcaféRecomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação Procafé
Recomendação de Cultivares de Café - Curso Pós-graduação Fundação Procafé
 
A cultura do figo
A cultura do figoA cultura do figo
A cultura do figo
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
 
Luiz fazuoli contribuições das cultivares bahia
Luiz fazuoli contribuições das cultivares  bahiaLuiz fazuoli contribuições das cultivares  bahia
Luiz fazuoli contribuições das cultivares bahia
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
 
Fazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinio
Fazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinioFazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinio
Fazuoli - Variedades de cafe arabica para regiao do cerrado mineiro patrocinio
 
Colecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do AlgarveColecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do Algarve
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
 
Abc abacaxi
Abc abacaxiAbc abacaxi
Abc abacaxi
 
Criação racional de abelhas
Criação racional de abelhasCriação racional de abelhas
Criação racional de abelhas
 
Mandioca02
Mandioca02Mandioca02
Mandioca02
 

Último

CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 

Último (20)

CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 

Aula espécie forrageira

  • 1. 09/09/2013 1 Escolha da espécie forrageira Qual a melhor espécie forrageira?  Resistente à geada;  Resistente à seca;  Resistente à pragas (cigarrinha);  Resistente à doenças;  Resistente ao pastejo;  Resistente ao fogo;  Produza semente;  Pouco exigente em nutrientes;  Tolerante ao Alumínio;  Tolerante à solos encharcados;  Alta produção de forragem;  Alto valor nutritivo da forragem produzida;  Permite consórcios;  Não apresente princípios tóxicos;  Silagem de alta qualidade;  Feno de alta qualidade;  Perene e persistente;  Alta velocidade de cobertura de solo, etc FORRAGEIRA IDEAL: Existe uma espécie assim ? Fatores a serem considerados na escolha da espécie forrageira • Adaptação ao clima da região; • Tipo de solo: relevo,umidade, fertilidade; • Resistência ao pastejo, hábito de crescimento; • Produção de matéria seca por ano, valor nutritivo, disponibilidade de área; • Período de produção; • Categoria animal ou ganho preconizado; • Necessidade de consorciação; • Facilidade de manejo; Cfa - Clima subtropical, verões quentes, geadas pouco frequentes e tendência de concentração das chuvas nos meses de verão, contudo sem estação seca definida. Cfb - Clima temperado propriamente dito; temperatura média no mês mais quente abaixo de 22 ºC, verões frescos, e sem estação seca definida.
  • 2. 09/09/2013 2 Sudoeste do Paraná 42 Municípios Cfb Cfa Existem 18 microclimas no sudoeste do PR
  • 3. 09/09/2013 3 Relevo Leguminosa prostrada Gramínea prostrada Leguminosa ereta Gramínea ereta Diferenças morfológicas em relação a forma de crescimento Pennisetum x Cynodon Pioneiro x Tifton
  • 4. 09/09/2013 4 Ervilhaca x Pioneiro SOBRESSEMEADURA DE ERVILHACA EM CAPIM-ELEFANTE SOBRESSEMEADURA DE AVEIA E AZEVÉM EM TIFTON Como identificar/classificar uma Pastagem Ciclo de vida •Perenes •Anuais Forma de crescimento •Eretas •Estoloníferas •Rizomatozas 1. Gramíneas 2. Leguminosas Forma de propagação •Sementes •Mudas •Mudas e sementes Épocas de crescimento •Verão •Inverno Ciclo de vida • Anuais – milheto, sorgo, papuã, aveia, azevém – Florescem e morrem no primeiro e único ano da sua vida • Bianuais – trevo vermelho, guandu – Só florescem no segundo ano • Perenes – Tifton, Estrela Africana, Pioneiro, etc. – Levam 1 ou mais tempo para se reproduzir; – Apenas alguns de seus perfilhos diferenciam
  • 5. 09/09/2013 5 Época de crescimento • Hibernal - Ex: Trevos, ervilhaca, aveia, azevém – Crescimento de outono, inverno e primavera – Temperatura ótima desenvolvimento 18 a 25 oC • Estival - Ex: Brachiarias, Panicuns, Cynodon. – Crescimento de primavera e verão – Temperatura ótima desenvolvimento 28 a 35 oC • Temperatura de base: abaixo dela as plantas param de produzir – Trigo = 4 oC Aveia, Azevém = 3 oC – Mombaça = 15 oC, Aruana = 12 oC Gramíneas perenes e anuais HEMARTRIA TIFTON 85 MOMBAÇA Festuca Hemartria Tifton 85 Mombaça Centeio Como identificar/classificar uma Pastagem Quanto a finalidade 1. Qualidade – valor proteico 2. Quantidade - volumoso Quanto às Exigências, de •Ao solo •Umidade •temperaturas Alto valor protéico
  • 6. 09/09/2013 6 Alta produtividade Panicun Elefante Estrela B. decumbens B. humidicola Hemarthria Jesuíta Modificado de (Corsy, 1988) Qualidade da forragem Alfafa Tiftons e Coast Cross Escada descendente ou escala da ilusão Cada espécie apresenta !! • Manejo específico; – Altura, massa de forragem, descanso.. • Exigência em termos de T oC, umidade, nutrientes • Local e situação mais adequada; • Dinâmica de produção – Distribuição da produção no tempo; – Resposta a nutrientes • Capacidade produtiva diferente Pastagens cultivadas de verão Nível de importância Espécies Nomes comuns (BR) PR SC RS Gramíneas perenes de verão Panicum maximum Colonião ++ + + Brachiaria brizanta Brizanta, braquiária +++ + + Brachiaria spp. braquiária, humidicola, decumbens + + + Digitária decumbens Pangola + + ++ Cynodon spp. Estrela, coast-cros, tifton +++ + ++ Axenopus compressus Missioneira, jesuíta ++ +++ +++ Pennisetum clandestinum Quicuio + + + Pennisetum purpureum Capim elefante + + + Paspalum saurae Pensacola ++ ++ +++ Hemartria altissima Hemartria ++ ++ + Setaria sphacelata Setária + + + Chloris gayana Rhodes + + + Gramíneas anuais de verão Pennisetum americanum Milheto +++ +++ +++ Sorghum spp. Sorgo + + ++ Euchlaena mexican Teosinto, dente de burro + + + Brachiaria plantaginea Papuã ++ + + Fonte: Nabinger, C. et. al. (1999) Nível de importância Espécies Nomes comuns (BR) PR SC RS Gramíneas anuais de inverno Lolium multiflorum Azevém +++ +++ +++ Avena strigosa Aveia preta +++ +++ +++ Avena sativa Aveia branca +++ ++ + Secale cereale Centeio ++ ++ + x Triticosecale Triticale ++ + + Hordeum vulgare Cevada + + + Gramíneas perenes de inverno Festuca arundinaceae Festuca + + + Bromus catharticus Cevadilha + + + Dactylis glomerata Capim dos pomares + + + Falaris tuberosa Falaris + + + Leguminosa anual de inverno Vicia sativa ++ ++ ++ Vicia villosa + + + Trifolium vesiculosum Trevo vesiculoso ++ ++ +++ Trifolium subterraneum Trevo subterrâneo + + + Leguminosa perene de inverno Trifolium repens Trevo branco ++ + +++ Trifolium pratense Trevo vermelho ++ ++ ++ Lotus corniculatus Cornichão ++ ++ ++ Medicago sativa Alfafa + + + Pastagens cultivadas de Inverno Gramíneas Perenes Anuais Inverno Verão Inverno Verão Festuca, Phalaris, Dactylis, Andropogon Cynodon spp, Panicum spp, Pennisetum spp, Brachiaria spp. Leguminosas Perenes Anuais Inverno Verão Inverno Verão Arachys spp, Leucena, Stylosanthes, Medicago sativa Lolium, Avena spp, Secale spp. Sorghun spp, Pennisetum spp. Vicia spp, Trifolium spp, Lupinus spp. Lab lab spp, Cajanus cajan spp. Trifolium spp, Lotus spp. As plantas forrageiras são classificadas em gramíneas e leguminosas, perenes e anuais ambas possuindo espécies de inverno e verão
  • 7. 09/09/2013 7 Vencedor Tanzânia MombaçaBrachiaria CoastcrossTifton Elefante Cana Sorgo Milheto Azévem Aveia Trevo branco Trevo vermelho Cornichão AmendoimErvilhaca Alfafa Guandu Leucena Estilosante B. Brizantha – Arachys pintoi
  • 9. 09/09/2013 9 Cynodon spp Coast-cross Tifton 68 Tifton 85 Produção de MS e eficiência de conversão do N em Coast-cross Kg N/ha/ano MS t/ha/ano Kg MS/kg N 0 12,0 - 200 24,4 62 400 32,6 51 600 35,4 39 Monteiro (1996)
  • 10. 09/09/2013 10 TIFTON 85 • Lotação: 8,3 unidade animal por hectare.
  • 11. 09/09/2013 11 Lotação: 8,3 Unidade animal por hectare. Lotação 8,3 unidade animal por hectare. • Pressão de Pastejo/Resíduo Mínimo 5 a 15 cm altura/1500 a 2000 kg de matéria seca por hectare
  • 23. 09/09/2013 23 Alfafa – Adelino Dariz – Rio Bonito do Iguaçu, PR Alfafa – Adelino Dariz – Rio Bonito do Iguaçu, PR GRAMÍNEAS ANUAIS DE INVERNO
  • 26. 09/09/2013 26 LEGUMINOSAS ANUAIS DE INVERNO ERVILHACA – Vicia sativa e Vilosa
  • 28. 09/09/2013 28 TREVO VESICULOSO Cornichão - Lotus corniculatus Germoplasma 20/10/2006 20/12/2006 07/01/2007 Total Cornichão San Gabriel 2.481 ab 4.549 a 4.210 ab 11.239 a Cornichão San Gabriel Ijuí 1.884 abcde 4.553 a 4.887 a 11.327 a Cornichão El Rincon 1.175 e 1.677 f 3.036 bcd 5.888 c Cornichão UFRGS 2.106 abcd 4.721 a 4.721 a 10.573 a Trevo vermelho Quiñequelli 2.722 a 2.890 cd 8.159 b 8.159 b Trevo vermelho UFRGS 1.858 abcde 3.728 b 2.101 d 7.687 b Trevo vermelho Quiñequelli Ijuí 2.257 abc 2.812 cd 3.218 bcd 8.287 b Trevo vermelho Kenland 2.045 abcde 3.007 cb 2.848 bcd 7.900 b Trevo vermelho Nova Sanatana 2.238 abc 3.260 cb 3.387 bcd 8.885 b Trevo branco Bagé 1.517 cde 2.070 edf 0 e 3.587 d Trevo branco UFRGS 1.755 bcde 1.847 ef 0 e 3.602 d Trevo branco Jacuí 1.229 de 1.448 f 0 e 2.677 d Trevo branco Zapican 1.607 bcde 2.524 cde 0 e 4.131 cd Trevo branco Yí 1.665 bcde 2.666 cd 0 e 4.331 cd Média 1.897 3.042 2.263 7.202 C.V 29,4 20,0 20,6 16,8 Produção de forragem de diferentes genótipos de cornichão, trevo branco e trevo vermelho de junho de 2006 a janeiro de 2007. Pato Branco
  • 29. 09/09/2013 29 Germoplasma PB (%) FDN FDA NDT Cornichão San Gabriel 11,6 d 59,9 a 40,6 a 59,4 c Cornichão San Gabriel Ijuí 11,5 d 59,9 a 40,6 a 59,4 c Cornichão El Rincon 12,0 cd 52,8 ab 37,8 ab 61,4 bc Trevo vermelho Quiñequelli 13,1 cd 52,9 ab 39,8 ab 60,0 bc Trevo vermelho UFRGS 13,0 cd 53,0 ab 40,3 a 59,6 c Trevo vermelho Quiñequelli Ijuí 13,4 bcd 52,8 ab 40,2 a 59,7 c Trevo vermelho Kenland 12,5 cd 52,6 ab 39,4 ab 60,2 bc Trevo vermelho Nova Sanatana 13,5 bcd 52,8 ab 39,0 ab 60,6 bc Trevo branco Bagé 17,3 a 39,1 cd 31,5 bc 65,7 ab Trevo branco UFRGS 16,4 ab 43,2 cd 33,6 abc 64,3 abc Trevo branco Jacuí 14,9 abc 47,3 cd 35,3 abc 63,1 abc Trevo branco Zapican 16,3 ab 43,7 cd 32,6 abc 65,0 abc Trevo branco Yí 17,7 a 38,5 d 28,6 c 67,8 a CV. 7,46 5,75 7,49 3,12 Desmodium ovalifolium UTILIZAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL
  • 32. 09/09/2013 32 VANTAGENS • Alta produção (até 120 t/ha); • Baixo custo por kg de MS produzida; • Acima de 60% NDT • Perene (renovação talvez necessária a partir do quarto ano); • Mantém valor nutritivo por longos períodos após a maturação; • Cana picada ou silagem; • É bem aceita e consumida pelos animais. DESVANTAGENS • Baixa PB (2% a 3% na MS) e minerais; • Necessidade de adição de fonte NNP e/ou NP; • Alto FDN – limitação de consumo.
  • 33. 09/09/2013 33 COMO USAR? • Pequenos plantéis, colheita manual e transporte em carretas/carroças para ser picada em picadeiras estacionárias, próximas do local de fornecimento; • Rebanhos maiores, usam máquinas forrageiras que cortam, picam e carregam em uma única operação.
  • 34. 09/09/2013 34 • Uso associado com uma fonte NNP (90% uréia + 10% sulf. amônio) = Ganhos de até 300 g/cab./dia; • Na fase de adaptação, usar apenas 0,5 kg da mistura para 100 kg de cana picada; • Adaptados, 1 kg para cada 100 kg de cana fresca picada. A aplicação da mistura sobre a cana é feita da seguinte forma: • Para cada 100 kg de massa de cana picada, aplicar a mistura uréia + sulfato de amônio diluída em 3-4 litros de água, com a ajuda de um regador; • Essa distribuição deve ser a mais uniforme possível. INTOXICAÇÃO POR URÉIA • Tremores musculares • Respiração acelerada • Incoordenação • Convulsões • Morte Principais variedades NA 5679 CB 45-3 RB 855113 RB 855536 RB 867515 SP 803280 SP 791011 SP 811763 SP 791011 CÁLCULO DA ÁREA Supondo-se: – produtividade esperada de massa verde de 120 t/ha – número de animais - 100 – período de suplementação - 150 dias – peso médio/cabeça - 300 kg – fornecimento diário - à vontade (6% do peso vivo/cab./dia de massa verde)