SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
CIRCULANTE
CIRCULANTE
Qual a função do técnico de enfermagem circulante?
Na sala de cirurgia, os técnicos e auxiliares
de Enfermagem desempenham o papel de circulante de
cirurgia, ou seja, realizam procedimentos específicos,
especialmente a segurança do paciente, para o desenvolvimento
do ato anestésico e do ato cirúrgico, sendo responsáveis por
atuar em todas as cirurgias.
A função do circulante é de auxiliar o instrumentador, buscar
materiais que faltaram na mesa ou que foram solicitados de
ultima hora, e é responsável pelo recebimento do paciente,
balanço hídrico e folha de sala
A circulação da sala cirúrgica é o procedimento desenvolvido pela
equipe de enfermagem, durante todo o procedimento cirúrgico, com o
objetivo de garantir condições funcionais e técnicas para o adequado
andamento do procedimento cirúrgico, oferecendo segurança ao
paciente.
Esta atividade é responsabilidade da equipe de enfermagem podendo
ser realizada pelo enfermeiro, pelo técnico ou pelo auxiliar de
enfermagem. Geralmente o enfermeiro responsável pelo centro
cirúrgico é quem designa o profissional responsável por montar e
circular a sala cirúrgica.
O instrumentador pode auxiliar nesta montagem, pois conhece os
materiais e equipamentos utilizados pela sua equipe cirúrgica,
agilizando e prevendo as necessidades de cada procedimento cirúrgico.
Circulação na Sala Cirúrgica
•Receber o paciente, apresentar-se e conferir sua identificação com o seu
prontuário;
•Conferir os exames realizados pelo paciente;
•Realizar a monitorização do paciente;
•Auxiliar o médico anestesista na indução anestésica;
•Auxiliar a equipe cirúrgica a paramentar-se;
•Ligar os equipamentos cirúrgicos;
•Posicionar o foco cirúrgico;
•Aproximar o hamper próximo a equipe cirúrgica;
•Realizar a contagem do número de compressas utilizadas nos procedimentos
cirúrgicos com abertura da cavidade abdominal;
•Manter a sala cirúrgica em ordem;
•Estar atento as solicitações da equipe cirúrgica;
•Reorganizar a sala cirúrgica.
Responsabilidades do Circulante
INSTRUMENTOS CIRURGICOS
Pinça Dente de Rato
é projetada para manter o tecido que às vezes é macio e irregular. Este
tipo de pinça é fabricados com “dentes” em miniatura que engrenam,
prendendo assim o tecido e produzindo um aperto firme.
Afastador Farabeuf
Tem com função afastar
pele, músculos e tecidos
superficiais.
Pinça Backhaus
Tem como função
fixar o campo
cirúrgico.
Pinça Allis
é um instrumento
Cirúrgico utilizado para a
manipulação de tecidos
mais robustos, intestino e
músculos, além de
auxiliar na remoção de
tecidos do organismo.
Pinça Collin
Indicado para
assepsia em
geral, possui
função de prender
e segurar.
Pinça Kelly reta
são utilizadas para
pinçamento de
material cirúrgico como
fios e drenos; também
utilizada na hemostasia.
Pinça Kelly Curva
são utilizadas para
pinçamento de vasos
e tecidos delicados
fazendo a hemostasia
Tesoura Cirúrgica
feitas para serem
usadas em
procedimentos
cirúrgicos que
necessitam fazer
uma divisão ou
corte dos tecidos
Pinça Cheron
é utilizada para
realização da anti-
sepsia do paciente por
possuir hastes longas,
assegurando que o
instrumentador não se
contamine. Ex:
Ginecologia
Pinça Anatômica
A Pinça Anatômica
Dissecção serve,
principalmente, para
segurar tecidos
delicados no ato da
dissecção. Assim,
garante um
procedimento
tranquilo e eficiente.
Cabo para bisturi
Apoio para o
bisturi
Pinça Kocher
sua maior capacidade de reter
tecidos, devido ao formato com
um par de dentes em sua
extremidade. Ela pode ser reta
ou curva, em tamanhos
variados, mas só deve ser
utilizada em casos em que as
outras pinças realmente não
funcionem, uma vez que o risco
de causar traumas ao tecido é
maior.
Lavagem das mãos no Centro
Cirúrgico
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf

4preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-211212193741
4preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-2112121937414preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-211212193741
4preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-211212193741
mary brito
 
4ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10
4ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-104ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10
4ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10
mary brito
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ssuser80ae40
 
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
concursohub
 

Semelhante a AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf (20)

Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01
 
atribuições da equipe 3.pptx
atribuições da equipe 3.pptxatribuições da equipe 3.pptx
atribuições da equipe 3.pptx
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
 
Enfermagem em Centro Cirúrgico na prática
Enfermagem em Centro Cirúrgico na práticaEnfermagem em Centro Cirúrgico na prática
Enfermagem em Centro Cirúrgico na prática
 
APRESENTAÇÃO CENTRO CIRÚRGicoICO (1).pptx
APRESENTAÇÃO CENTRO CIRÚRGicoICO (1).pptxAPRESENTAÇÃO CENTRO CIRÚRGicoICO (1).pptx
APRESENTAÇÃO CENTRO CIRÚRGicoICO (1).pptx
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
4preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-211212193741
4preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-2112121937414preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-211212193741
4preginaenfcirrgicatextocentrocirrgico14 10-211212193741
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
4ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10
4ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-104ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10
4ºp regina enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10
 
4ºp_regina_enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10.pdf
4ºp_regina_enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10.pdf4ºp_regina_enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10.pdf
4ºp_regina_enf_cirúrgica_texto_centro_cirúrgico_14-10.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
aula 04 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 04 - assistencia cirúrgica vmv.pptxaula 04 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 04 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
 
3ª AULA ENFERMAGEM CIRURGICA -INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA.pdf
3ª AULA ENFERMAGEM CIRURGICA -INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA.pdf3ª AULA ENFERMAGEM CIRURGICA -INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA.pdf
3ª AULA ENFERMAGEM CIRURGICA -INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA.pdf
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
 
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 

Mais de VanessaAlvesDeSouza4

AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptxAULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 

Mais de VanessaAlvesDeSouza4 (17)

AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptxAULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
 
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdfAula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
 
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdfAula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
 
Hepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdfHepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdf
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
 
educação em saúde e humanização
educação em saúde e humanizaçãoeducação em saúde e humanização
educação em saúde e humanização
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
Patologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptxPatologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptx
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdfAula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
 
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxAULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 

AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf

  • 2. CIRCULANTE Qual a função do técnico de enfermagem circulante? Na sala de cirurgia, os técnicos e auxiliares de Enfermagem desempenham o papel de circulante de cirurgia, ou seja, realizam procedimentos específicos, especialmente a segurança do paciente, para o desenvolvimento do ato anestésico e do ato cirúrgico, sendo responsáveis por atuar em todas as cirurgias. A função do circulante é de auxiliar o instrumentador, buscar materiais que faltaram na mesa ou que foram solicitados de ultima hora, e é responsável pelo recebimento do paciente, balanço hídrico e folha de sala
  • 3. A circulação da sala cirúrgica é o procedimento desenvolvido pela equipe de enfermagem, durante todo o procedimento cirúrgico, com o objetivo de garantir condições funcionais e técnicas para o adequado andamento do procedimento cirúrgico, oferecendo segurança ao paciente. Esta atividade é responsabilidade da equipe de enfermagem podendo ser realizada pelo enfermeiro, pelo técnico ou pelo auxiliar de enfermagem. Geralmente o enfermeiro responsável pelo centro cirúrgico é quem designa o profissional responsável por montar e circular a sala cirúrgica. O instrumentador pode auxiliar nesta montagem, pois conhece os materiais e equipamentos utilizados pela sua equipe cirúrgica, agilizando e prevendo as necessidades de cada procedimento cirúrgico. Circulação na Sala Cirúrgica
  • 4. •Receber o paciente, apresentar-se e conferir sua identificação com o seu prontuário; •Conferir os exames realizados pelo paciente; •Realizar a monitorização do paciente; •Auxiliar o médico anestesista na indução anestésica; •Auxiliar a equipe cirúrgica a paramentar-se; •Ligar os equipamentos cirúrgicos; •Posicionar o foco cirúrgico; •Aproximar o hamper próximo a equipe cirúrgica; •Realizar a contagem do número de compressas utilizadas nos procedimentos cirúrgicos com abertura da cavidade abdominal; •Manter a sala cirúrgica em ordem; •Estar atento as solicitações da equipe cirúrgica; •Reorganizar a sala cirúrgica. Responsabilidades do Circulante
  • 5.
  • 6.
  • 8. Pinça Dente de Rato é projetada para manter o tecido que às vezes é macio e irregular. Este tipo de pinça é fabricados com “dentes” em miniatura que engrenam, prendendo assim o tecido e produzindo um aperto firme.
  • 9. Afastador Farabeuf Tem com função afastar pele, músculos e tecidos superficiais.
  • 10. Pinça Backhaus Tem como função fixar o campo cirúrgico.
  • 11. Pinça Allis é um instrumento Cirúrgico utilizado para a manipulação de tecidos mais robustos, intestino e músculos, além de auxiliar na remoção de tecidos do organismo.
  • 12. Pinça Collin Indicado para assepsia em geral, possui função de prender e segurar.
  • 13. Pinça Kelly reta são utilizadas para pinçamento de material cirúrgico como fios e drenos; também utilizada na hemostasia.
  • 14. Pinça Kelly Curva são utilizadas para pinçamento de vasos e tecidos delicados fazendo a hemostasia
  • 15. Tesoura Cirúrgica feitas para serem usadas em procedimentos cirúrgicos que necessitam fazer uma divisão ou corte dos tecidos
  • 16. Pinça Cheron é utilizada para realização da anti- sepsia do paciente por possuir hastes longas, assegurando que o instrumentador não se contamine. Ex: Ginecologia
  • 17. Pinça Anatômica A Pinça Anatômica Dissecção serve, principalmente, para segurar tecidos delicados no ato da dissecção. Assim, garante um procedimento tranquilo e eficiente.
  • 18. Cabo para bisturi Apoio para o bisturi
  • 19. Pinça Kocher sua maior capacidade de reter tecidos, devido ao formato com um par de dentes em sua extremidade. Ela pode ser reta ou curva, em tamanhos variados, mas só deve ser utilizada em casos em que as outras pinças realmente não funcionem, uma vez que o risco de causar traumas ao tecido é maior.
  • 20.
  • 21. Lavagem das mãos no Centro Cirúrgico