SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO AO DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO Prof.Dra. Angélica Carlini www.carliniadvogados.com.br/artigos [email_address]
DIREITO ADMINISTRATIVO Definição – É o conjunto de normas, princípios e costumes jurídicos que de forma harmônica regula a atuação dos órgãos e dos agentes públicos, bem como das atividades públicas que tenham por objetivo realizar de forma concreta os fins desejados pelo Estado.
FONTES DO DIREITO ADMINISTRATIVOS Lei – fonte primária, abrange a Constituição Federal, as Emendas Constitucionais, as Leis Complementares e Ordinárias, e os regulamentos executivos; Jurisprudência; Costumes; Doutrina.
PRINCÍPIOS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Estão determinados no artigo 37 da Constituição Federal. São eles: legalidade, moralidade, impessoalidade e finalidade, publicidade, eficiência, continuidade dos serviços públicos, motivação, indisponibilidade, tutela e autotutela da administração pública, razoabilidade e proporcionalidade, segurança jurídica, supremacia do interesse público, igualdade ou isonomia, especialidade e presunção de legitimidade ou veracidade.
PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Todo administrador está vinculado à uma determinação legal e por isso, não pode praticar qualquer ato que não esteja previsto na lei; Atos praticados fora da lei serão atos inválidos, que podem responsabilizar o autor na esfera disciplinar, civil e criminal; A vontade pessoal do administrador não pode prevalecer sobre a lei.
PRINCÍPIO DA MORALIDADE Os administradores públicos devem pautar seus atos pela atenção às regras de moralidade pública; Esta moralidade constitui um dos pressupostos de validade de todo ato da Administração Pública; O responsável pela prática de atos imorais serão responsabilizados.
PRINCÍPIO DA IMPESSOALIDADE E FINALIDADE Todos os atos praticados pela Administração Pública deverão ser dirigidos aos administrados, ou seja, todo o ato praticado deverá ter uma finalidade pública; Não serão aceitos atos com caráter de pessoalidade, ou seja, para atender interesses pessoais ou de grupos específicos.
PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE É o dever de divulgação oficial de todos os atos, contratos, bem como dos demais instrumentos que forem celebrados pela administração pública; A veiculação deverá ser feita em por órgãos oficiais de imprensa para que só depois disso passem a ter validade; É requisito de eficácia e moralidade dos atos administrativos.
PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA Os atos da administração pública devem ser praticados com perfeição para garantir que sejam eficientes; Devem alcançar o objetivo pretendido de forma que a atividade desenvolvida atenda perfeitamente o interesse público que a motivou.
PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS Os serviços públicos não poderão ser interrompidos; Devem ter a devida regularidade; Desse princípio decorre a impossibilidade dos funcionários da administração pública praticarem greve nos serviços necessários e imprescindíveis.
PRINCÍPIO DA MOTIVAÇÃO É obrigação dos administradores públicos motivarem todos os atos que editam, sejam eles gerais ou de efeitos concretos; Motivar significa mencionar o dispositivo legal aplicável ao caso concreto, ou seja, relacionar os fatos que concretamente levaram à aplicação daquele dispositivo legal.
PRINCÍPIO DA INDISPONIBILIDADE Todos os interesses, bens e serviços públicos não estão à disposição dos órgãos públicos. A função da administração pública é geri-los e não utilizá-los em proveito dos administradores; A administração pública somente pode dispor por meio de autorização decorrente de lei; Todos os interesses, bens e serviços pertencem à sociedade e não aos administradores.
PRINCÍPIO DA TUTELA E DA AUTOTUTELA DA ADMINISTRAÇÃO. A administração pública fica obrigada a se autopoliciar em relação aos seus atos, levando em consideração o mérito e a legalidade; O sistema de controle de atos da administração é judicial, ou seja, ao Judiciário cabe a revisão das decisões tomadas no âmbito da administração pública, no tocante à sua legalidade; Mas a própria administração pode anular os atos ilegais, ou revogar os atos válidos e eficazes quando se mostrarem inoportunos para os fins buscados pela própria administração.
PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE A administração pública deve praticar atos que sejam considerados razoáveis, ou seja, não deve cometer excessos ou escassez, para não prejudicar a sociedade.
PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA Veda a Administração Pública mudar a interpretação que havia dado a lei; Depois de apresentar um entendimento sobre uma determinada lei, a Administração Pública não pode apresentar um novo entendimento e anular o ato praticado anteriormente, sob pretexto de que a interpretação foi equivocada; Só o Poder Judiciário poderá modificar essa intepretação.
PRINCÍPIO DA SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO O interesse público deve sempre ser superior ao interesse privado; A Administração Pública não pode deixar de atender o interesse público, de toda a sociedade, em favor de interesse privado. A prática de ato administrativo que contrarie esse princípio gera responsabilidade.
PRINCÍPIO DA IGUALDADE OU DA ISONOMIA Todos têm direito de receber da Administração Pública tratamento igual, porque de acordo com a Constituição Federal, artigo quinto, todos são iguais perante a lei; Os eventuais benefícios só poderão decorrer de determinação legal, como acontece com o atendimento privilegiado para crianças, gestantes, idosos, portadores de necessidades especiais, doentes, etc.
PRINCÍPIO DA ESPECIALIDADE Os órgãos da Administração Pública devem cumprir rigorosamente a finalidade para a qual foram criados; É vedada a prática de tarefas estranhas para as quais foram legalmente destinados; A Administração Pública está sempre vinculada à legalidade estrita.
PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DA LEGITIMIDADE OU VERACIDADE Todos os atos da administração pública gozam de presunção de legitimidade e veracidade, porque em tese a Administração Pública só pratica atos que a lei determina; A presunção é relativa e admite prova em contrário.
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – ÓRGÃO QUE A COMPÕEM. Administração Pública é o conjunto de entidades e de órgãos incumbidos de realizar a atividade administrativa; Tem por objetivo a satisfação de todas as necessidades coletivas, bem como dos fins objetivados pelo Estado em prol da coletividade.
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRETA  DIRETA – é aquela formada por entes integrantes da federação e seus respectivos órgãos.  Os entes políticos são a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios que atuam por meio de seus setores especializados de competência.
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA É o grupo de pessoas jurídicas de direito público ou privado, criadas a partir de lei específica, que atuam de forma paralela à Administração direta, prestando serviços públicos ou explorando atividades econômicas; Podem ser autarquias, fundações, sociedades de economia mista e empresas públicas.
TERCEIRO SETOR É o setor composto pelas sociedades paraestatais que incluem as organizações sociais e os serviços sociais autônomos; Inclui também as pessoas jurídicas que atuam em prol do interesse coletivo; São pessoas jurídicas de direito privado e integram a administração pública indireta, atuando em conjunto com a Administração Pública na prestação de serviços públicos.
ATOS ADMINISTRATIVOS Segundo Hely Lopes Meirelles,  “É  toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que, agindo nessa qualidade tenha por fim imediato aquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e declarar direitos, ou impor obrigações aos administrados ou a si própria.”
GRAU DE LIBERDADE DOS ATOS ADMINISTRATIVOS VINCULADO – quando não há liberdade para o administrador, porque o ato está estritamente vinculado à lei; DISCRICIONÁRIO – viabiliza escolha para o administrador público, que terá uma margem de liberdade para atuar, porém sempre dentro do que prevê a legislação.
ATOS ADMINISTRATIVOS IMPORTANTES PERMISSÃO – é o ato administrativo negocial por meio do qual o Poder Público faculta ao particular a execução de serviços de interesse coletivo, ou o uso especial de bens públicos, a título gratuito ou remunerado, desde que obedecidas as regras impostas pela Administração Pública.
ATOS ADMINISTRATIVOS IMPORTANTES AUTORIZAÇÃO – é o ato administrativo discricionário por meio do qual a Administração Pública autoriza determinada pessoa a realizar algo que normalmente seria proibido, mas que em face de dadas circunstâncias se torna permitido em prol do interesse público.
ATOS ADMINISTRATIVOS IMPORTANTES CONCESSÃO – é o ato vinculado ou discricionário por meio do qual a Administração Pública concede a alguém o exercício de uma atividade material.
EXTERIORIZAÇÃO DOS ATOS ADMINISTRATIVOS Decretos; Portarias; Alvarás; Resoluções; Pareceres; Ordem de Serviço; Ofício; e,  Despacho.
AGENTES PÚBLICOS São todas as pessoas incumbidas, de forma definitiva ou transitória, do exercício de alguma função estatal; Normalmente, desempenham funções do órgão da administração ao qual estão vinculadas, mas excepcionalmente podem ser alocadas em funções para as quais não tenham o cargo.
CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS Agentes políticos  –titulares dos cargos estruturais à organização política do país, ou seja, Presidente da República, Governadores, Prefeitos, vices, ministros, secretários, senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores.
CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS FUNCIONÁRIO PÚBLICO – servidor que titulariza um cargo e está sob regime estatutário; EMPREGADO PÚBLICO – servidor que tem a titularidade de um cargo, mas está sob regime da CLT, que não é no entanto, o mesmo regime da iniciativa privada. É investido por concurso público.
CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS SERVIDORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO – são aqueles que prestam serviços por um período certo e determinado, em decorrência de uma situação excepcional, visando atender ao interesse público; Não são nomeados em caráter efetivo; COLABORADORES – jurados, mesários de eleição, recrutados para o serviço militar, entre outros.
PRINCIPAIS DIREITOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS EFETIVIDADE – cargos que pressupõem aprovação em concurso público e situação de permanência. Não acontece com os comissionados, que são livremente nomeados, porém em caráter provisório. ESTABILIDADE – permanência do servidor público que satisfaz o estágio probatório. É o direito de permanência após atendimento de requisitos determinados por lei.
RESPONSABILIDADE DO ESTADO A Constituição Federal determina que as pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos, responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou de culpa.
RESPONSABILIDADE DO ESTADO É objetiva ou subjetiva? Para alguns é sempre OBJETIVA, ou seja, não depende da prova de culpa, somente da prova do fato e do dano; Para outros estudiosos pode ser SUBJETIVA no caso de omissão, porque na falta de prestação do serviço ou na prestação deficiente, deve haver prova dessa falta ou da deficiência; Em geral, o Judiciário tem decidido pela responsabilidade OBJETIVA.
ERRO JUDICIAL  O Estado responderá por erro judicial nos termos do disposto no artigo quinto, inciso LXXV da Constituição Federal; O erro judicial ficará caracterizado quando houver sentença prolatada além dos limites da lei, bem como nos casos de fraude ou dolo do magistrado; presos que ficarem detidos além do tempo fixado na sentença; O Estado responde ainda por leis inconstitucionais que venham a causar danos a terceiros.
RESPONSABILIDADE DO ESTADO POR DANO NUCLEAR O Estado responde pelos prejuízos causados a terceiros, decorrentes de atividades nucleares; As atividades nucleares em território nacional terão que ter, necessariamente, caráter pacífico e dependem de prévia autorização do Congresso Nacional.
LICITAÇÃO  É o procedimento administrativo vinculado, por meio do qual a Administração Pública seleciona a proposta mais vantajosa para realizar a contratação da qual está necessitando; É utilizada para contratação de obras, serviços, compras, locações, alienações, concessões, permissões, entre outros; É obrigatória para a administração direta, para autarquias, fundações públicas, empresas públicas, sociedades de economia mista, e todas as entidades controladas direta ou indiretamente pelo poder público.
LICITAÇÃO É regida pela Lei 8.666/93; Deve atender aos princípios previstos no artigo terceiro da lei: legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade, probidade administrativa e vinculação ao instrumento convocatório e julgamento objetivo.
DISPENSA DE LICITAÇÃO Só pode ser realizada nos  expressos previstos na lei; Alguns exemplos: venda de bens a outro órgão da Administração Pública, permuta de bens entre órgãos da Administração Pública; doação de bens a outros órgãos da Administração Pública; dação em pagamento para quitar dívida da Administração Pública.
DISPENSA DE LICITAÇÃO Nos casos de guerra ou grave perturbação; Quando a União tiver que intervir no domínio econômico para regular preços ou normalizar o abastecimento; Nos casos de emergência ou calamidade pública; Para adquirir bens ou serviços prestados por outros órgãos da própria Administração Pública; Quando houver possibilidade de comprometimento da segurança nacional; Para compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento de finalidades precípuas da Adm.Pública, desde que eles estejam em preço compatível como valor do mercado segundo avaliação prévia; Outros previstos em lei.
INEXIGIBILIDADE DA LICITAÇÃO Para todos os casos previstos no artigo 25 da lei; Exemplos: aquisição de materiais, equipamentos ou gêneros que só possam ser fornecidos por produtor, empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a preferência de marca e exigida a comprovação de exclusividade; Para contratação de serviços técnicos de natureza singular, com profissionais ou empresas de notória especialização; Para contratação de profissionais do setor artístico, diretamente ou através de empresário exclusivo, desde que consagrado pela crítica especializada ou pela opinião pública.
CONTRATO ADMINISTRATIVO É todo acordo de vontades, firmado livremente pelas partes e que cria para elas direitos e obrigações; É negócio bilateral e comutativo, porque cria obrigações mútuas e vincula as pessoas; Só se pode contratar sob objeto lícito e em forma prevista ou não vedada em lei; Os contratos públicos são regidos por normas e princípios próprios da Adm. Pública e se valem do direito privado apenas em caráter supletivo.
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS A Adm. Pública tem a prerrogativa de modificar os contratos unilateralmente, para melhor adequação às finalidades de interesse público, respeitados os direitos do contratado previstos no próprio contrato; A Adm. Pública tem ainda o direito de rescindir unilateralmente caso não haja o cumprimento de cláusulas contratuais, especificações, projetos ou prazos, ou por razões de interesse público.
LIMITAÇÃO AO DIREITO DE PROPRIEDADE A propriedade é um direito do cidadão brasileiro, conforme determina a Constituição Federal; O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, em conformidade com a lei própria, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, evitada a poluição do ar e das águas; Mas o proprietário pode ser desapropriado, por necessidade ou utilidade pública ou interesse social, bem como por requisição em caso de perigo público eminente.
MEIOS DE INTERVENÇÃO NO DIREITO DE PROPRIEDADE REQUISIÇÃO – quando o Poder Público no caso de urgência utiliza bens de particulares, móveis ou imóveis, sem necessidade de autorização judicial e de forma transitória. Haverá reparação ao proprietário pelos danos causados; OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA – utilização transitória, remunerada ou gratuita, de bens particulares pelo poder público, para a execução de obras, serviços ou atividades públicas ou de interesse público; Normalmente ocorre para depósito de equipamentos destinados a realização de obras e serviços nas vizinhanças da propriedade particular.
LIMITAÇÃO ADMINISTRATIVA É toda imposição geral, gratuita, unilateral e de ordem pública condicionadora do exercício de direitos ou de atividades particulares às exigências do bem estar social; Exemplo: rodízio de veículos!
SERVIDÃO É o ônus real de uso imposto pela administração pública à propriedade particular para assegurar a realização e a conservação de obras e serviços públicos, ou de utilidade pública, mediante indenização dos prejuízos efetivamente suportados pelo proprietário.
TOMBAMENTO É uma forma de garantir uma determinada propriedade fique protegida por ser patrimônio cultural brasileiro; O tombamento obriga o proprietário a conservar o bem, aceitar a fiscalização do Poder Público, impede obras que retirem a visibilidade do bem tombado e atribuem o direito de indenização pelas despesas extraordinárias realizadas para a conservação do bem.
DESAPROPRIAÇÃO É a transferência compulsória da propriedade particular (ou pública de entidade de grau inferior para a superior) para o Poder Público, por utilidade ou necessidade pública, ou por interesse social, mediante prévia e justa indenização; É o instrumento que o Estado utiliza para remover obstáculos à execução de obras e serviços públicos; para implementar planos de urbanização; para preservar o meio ambiente contra a devastação e poluição e para realizar justiça social com a distribuição de bens inadequadamente utilizados pela iniciativa privada.
UTILIDADE OU NECESSIDADE PÚBLICA Segurança Nacional; Defesa do Estado; Socorro público em caso de calamidade; Salubridade pública; Criação e melhoramento de centros de população, seu abastecimento regular de meios de subsistência; Aproveitamento industrial de minas e jazidas minerais, de águas e da energia elétrica; Assistência pública a obras de higiêne, casas de saúde, clínicas, estações de climas e fontes medicinais; Exploração e conservação de espaços públicos; E outros previstos em lei.
INTERESSE SOCIAL Para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos a partir do segundo ano da sua emissão; As benfeitorias úteis e necessárias serão indenizadas em dinheiro; Não serão desapropriadas para esse fim a pequena e a média propriedade, conforme definição legal, e a propriedade produtiva.
FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE Em conformidade com o artigo 186 da CF/88, a função social da propriedade é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei; Requisitos – aproveitamento racional e adequado; utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente; observância das disposições que regulam as relações de trabalho; e, a exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.
BENS PÚBLICOS São bens públicos:  Os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças; Os de uso especial, tais como edifícios ou terrenos destinados a serviço ou estabelecimento da administração federal, estadual, territorial ou municipal, inclusive as autarquias; Os dominicais ou dominiais, aqueles sob os quais o Estado exerce domínio, sem destinação específica.
REGIME JURÍDICO Inalienabilidade; Impenhorabilidade; Imprescritibilidade.
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA São atos ilícitos praticados contra bens públicos, que tem como consequência prejuízo ao erário público; Podem resultar em suspensão de direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e na gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 7 ato administrativo
Aula 7   ato administrativoAula 7   ato administrativo
Aula 7 ato administrativo
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Esquemas, mapas mentais administração pública
Esquemas, mapas mentais   administração públicaEsquemas, mapas mentais   administração pública
Esquemas, mapas mentais administração pública
Glauber Araújo
 
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estadoEntendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estado
Genani Kovalski
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
Adeildo Caboclo
 
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituaisDireito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Carlos José Teixeira Toledo
 
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo  apostila-resumo bom para concursosDireito administrativo  apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
leticia_sa
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumão
Paula Tavares
 
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
Resumao completo direito administrativo   direito administrativoResumao completo direito administrativo   direito administrativo
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
IDM - Inteligência de Mercado Consultoria
 
Aula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativaAula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativa
André Laubenstein Pereira
 
Direito Constitucional
Direito ConstitucionalDireito Constitucional
Direito Constitucional
Superprovas Software
 
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Laisy Quesado
 
Entendeu direito ou quer que desenhe atos administrativos
Entendeu direito ou quer que desenhe   atos administrativosEntendeu direito ou quer que desenhe   atos administrativos
Entendeu direito ou quer que desenhe atos administrativos
Genani Kovalski
 
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoDireito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Carlos José Teixeira Toledo
 
Serviços públicos
Serviços públicosServiços públicos
Serviços públicos
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
ClaudiaRabelo
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Daniel Oliveira
 
Resumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cfResumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cf
Jully Oliver
 
fontes+do+direito
 fontes+do+direito fontes+do+direito
fontes+do+direito
Netosaimon Silva
 
Direito empresarial i aula 2
Direito empresarial i   aula 2Direito empresarial i   aula 2
Direito empresarial i aula 2
Fabiano Manquevich
 
Empresas públicas
Empresas públicasEmpresas públicas
Empresas públicas
Tassya Nazareth
 

Mais procurados (20)

Aula 7 ato administrativo
Aula 7   ato administrativoAula 7   ato administrativo
Aula 7 ato administrativo
 
Esquemas, mapas mentais administração pública
Esquemas, mapas mentais   administração públicaEsquemas, mapas mentais   administração pública
Esquemas, mapas mentais administração pública
 
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estadoEntendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estado
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
 
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituaisDireito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
Direito Administrativo - Aula 2 - História e elementos conceituais
 
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo  apostila-resumo bom para concursosDireito administrativo  apostila-resumo bom para concursos
Direito administrativo apostila-resumo bom para concursos
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumão
 
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
Resumao completo direito administrativo   direito administrativoResumao completo direito administrativo   direito administrativo
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
 
Aula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativaAula sobre improbidade administrativa
Aula sobre improbidade administrativa
 
Direito Constitucional
Direito ConstitucionalDireito Constitucional
Direito Constitucional
 
Aula 01 direito das obrigações - introdução
Aula 01   direito das obrigações - introduçãoAula 01   direito das obrigações - introdução
Aula 01 direito das obrigações - introdução
 
Entendeu direito ou quer que desenhe atos administrativos
Entendeu direito ou quer que desenhe   atos administrativosEntendeu direito ou quer que desenhe   atos administrativos
Entendeu direito ou quer que desenhe atos administrativos
 
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoDireito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
 
Serviços públicos
Serviços públicosServiços públicos
Serviços públicos
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
 
Resumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cfResumo art. 37 a 41 cf
Resumo art. 37 a 41 cf
 
fontes+do+direito
 fontes+do+direito fontes+do+direito
fontes+do+direito
 
Direito empresarial i aula 2
Direito empresarial i   aula 2Direito empresarial i   aula 2
Direito empresarial i aula 2
 
Empresas públicas
Empresas públicasEmpresas públicas
Empresas públicas
 

Semelhante a Aula Direito Administrativo

Direito administrativo resumo
Direito administrativo resumoDireito administrativo resumo
Direito administrativo resumo
João Ricardo
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
Rafael Erdmann
 
noções de direito administrativo - tecnico adm
noções de direito administrativo - tecnico admnoções de direito administrativo - tecnico adm
noções de direito administrativo - tecnico adm
Fátima De Lima Fatima
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
Claudio Michel De Oliveira Santos Santos
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
Wallyson Fernandes
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
Josué dos Santos Costa Júnior
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
Francinildo R. Fonseca Froz
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
kamyllaltf
 
Curso de Direito Administrativo.pptx
Curso de Direito Administrativo.pptxCurso de Direito Administrativo.pptx
Curso de Direito Administrativo.pptx
GoogleServicesInc
 
Adm administrativo
Adm administrativoAdm administrativo
Adm administrativo
Luís Antonio Urbano
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
Fábio Silva
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
Fábio Silva
 
Resumao administrativo
Resumao administrativoResumao administrativo
Resumao administrativo
Danilo Saravy
 
Princípios esquema
Princípios   esquemaPrincípios   esquema
Princípios esquema
Dizerodireito
 
Princípios esquema
Princípios   esquemaPrincípios   esquema
Princípios esquema
marcioandre777
 
Administrativo
AdministrativoAdministrativo
Administrativo
marcelo capistrano
 
Apostila dir administrativo
Apostila dir administrativoApostila dir administrativo
Apostila dir administrativo
arigabal
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
APMBA
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
APMBA
 
Curso de direito administrativo
Curso de direito administrativoCurso de direito administrativo
Curso de direito administrativo
AldembarSarmento
 

Semelhante a Aula Direito Administrativo (20)

Direito administrativo resumo
Direito administrativo resumoDireito administrativo resumo
Direito administrativo resumo
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
 
noções de direito administrativo - tecnico adm
noções de direito administrativo - tecnico admnoções de direito administrativo - tecnico adm
noções de direito administrativo - tecnico adm
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
 
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
7   noções de direito administrativo - tecnico adm7   noções de direito administrativo - tecnico adm
7 noções de direito administrativo - tecnico adm
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Curso de Direito Administrativo.pptx
Curso de Direito Administrativo.pptxCurso de Direito Administrativo.pptx
Curso de Direito Administrativo.pptx
 
Adm administrativo
Adm administrativoAdm administrativo
Adm administrativo
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Resumao administrativo
Resumao administrativoResumao administrativo
Resumao administrativo
 
Princípios esquema
Princípios   esquemaPrincípios   esquema
Princípios esquema
 
Princípios esquema
Princípios   esquemaPrincípios   esquema
Princípios esquema
 
Administrativo
AdministrativoAdministrativo
Administrativo
 
Apostila dir administrativo
Apostila dir administrativoApostila dir administrativo
Apostila dir administrativo
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
 
Curso de direito administrativo
Curso de direito administrativoCurso de direito administrativo
Curso de direito administrativo
 

Mais de Grupo VAHALI

Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Grupo VAHALI
 
ApresentaçãO AdministraçãO Funenseg (Set2009)
ApresentaçãO AdministraçãO   Funenseg      (Set2009)ApresentaçãO AdministraçãO   Funenseg      (Set2009)
ApresentaçãO AdministraçãO Funenseg (Set2009)
Grupo VAHALI
 
Texto Oral e Escrito
Texto Oral e EscritoTexto Oral e Escrito
Texto Oral e Escrito
Grupo VAHALI
 
Retórica 1
Retórica 1Retórica 1
Retórica 1
Grupo VAHALI
 
Redação II Concordãncia
Redação II ConcordãnciaRedação II Concordãncia
Redação II Concordãncia
Grupo VAHALI
 
Percurso Argumentativo Retorico
Percurso Argumentativo RetoricoPercurso Argumentativo Retorico
Percurso Argumentativo Retorico
Grupo VAHALI
 
Curiosidades Lingüíticas IV PontuaçãO
Curiosidades Lingüíticas IV PontuaçãOCuriosidades Lingüíticas IV PontuaçãO
Curiosidades Lingüíticas IV PontuaçãO
Grupo VAHALI
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
Grupo VAHALI
 
Aula Graduação Dir.Constitucional
Aula Graduação Dir.ConstitucionalAula Graduação Dir.Constitucional
Aula Graduação Dir.Constitucional
Grupo VAHALI
 
Curiosidades Lingüísticas I e II
Curiosidades Lingüísticas I e IICuriosidades Lingüísticas I e II
Curiosidades Lingüísticas I e II
Grupo VAHALI
 
Curiosidades Lingüísticas
Curiosidades  LingüísticasCuriosidades  Lingüísticas
Curiosidades Lingüísticas
Grupo VAHALI
 
Saúde Suplementar 2009 Maio
Saúde Suplementar   2009 MaioSaúde Suplementar   2009 Maio
Saúde Suplementar 2009 Maio
Grupo VAHALI
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Grupo VAHALI
 
Aula Fontes Do Direito
Aula   Fontes Do DireitoAula   Fontes Do Direito
Aula Fontes Do Direito
Grupo VAHALI
 
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Grupo VAHALI
 
Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3
Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3
Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3
Grupo VAHALI
 

Mais de Grupo VAHALI (16)

Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
 
ApresentaçãO AdministraçãO Funenseg (Set2009)
ApresentaçãO AdministraçãO   Funenseg      (Set2009)ApresentaçãO AdministraçãO   Funenseg      (Set2009)
ApresentaçãO AdministraçãO Funenseg (Set2009)
 
Texto Oral e Escrito
Texto Oral e EscritoTexto Oral e Escrito
Texto Oral e Escrito
 
Retórica 1
Retórica 1Retórica 1
Retórica 1
 
Redação II Concordãncia
Redação II ConcordãnciaRedação II Concordãncia
Redação II Concordãncia
 
Percurso Argumentativo Retorico
Percurso Argumentativo RetoricoPercurso Argumentativo Retorico
Percurso Argumentativo Retorico
 
Curiosidades Lingüíticas IV PontuaçãO
Curiosidades Lingüíticas IV PontuaçãOCuriosidades Lingüíticas IV PontuaçãO
Curiosidades Lingüíticas IV PontuaçãO
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
 
Aula Graduação Dir.Constitucional
Aula Graduação Dir.ConstitucionalAula Graduação Dir.Constitucional
Aula Graduação Dir.Constitucional
 
Curiosidades Lingüísticas I e II
Curiosidades Lingüísticas I e IICuriosidades Lingüísticas I e II
Curiosidades Lingüísticas I e II
 
Curiosidades Lingüísticas
Curiosidades  LingüísticasCuriosidades  Lingüísticas
Curiosidades Lingüísticas
 
Saúde Suplementar 2009 Maio
Saúde Suplementar   2009 MaioSaúde Suplementar   2009 Maio
Saúde Suplementar 2009 Maio
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
 
Aula Fontes Do Direito
Aula   Fontes Do DireitoAula   Fontes Do Direito
Aula Fontes Do Direito
 
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
 
Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3
Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3
Artigo 5 Da Constituio Federal 1193627426867250 3
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Aula Direito Administrativo

  • 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO Prof.Dra. Angélica Carlini www.carliniadvogados.com.br/artigos [email_address]
  • 2. DIREITO ADMINISTRATIVO Definição – É o conjunto de normas, princípios e costumes jurídicos que de forma harmônica regula a atuação dos órgãos e dos agentes públicos, bem como das atividades públicas que tenham por objetivo realizar de forma concreta os fins desejados pelo Estado.
  • 3. FONTES DO DIREITO ADMINISTRATIVOS Lei – fonte primária, abrange a Constituição Federal, as Emendas Constitucionais, as Leis Complementares e Ordinárias, e os regulamentos executivos; Jurisprudência; Costumes; Doutrina.
  • 4. PRINCÍPIOS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Estão determinados no artigo 37 da Constituição Federal. São eles: legalidade, moralidade, impessoalidade e finalidade, publicidade, eficiência, continuidade dos serviços públicos, motivação, indisponibilidade, tutela e autotutela da administração pública, razoabilidade e proporcionalidade, segurança jurídica, supremacia do interesse público, igualdade ou isonomia, especialidade e presunção de legitimidade ou veracidade.
  • 5. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Todo administrador está vinculado à uma determinação legal e por isso, não pode praticar qualquer ato que não esteja previsto na lei; Atos praticados fora da lei serão atos inválidos, que podem responsabilizar o autor na esfera disciplinar, civil e criminal; A vontade pessoal do administrador não pode prevalecer sobre a lei.
  • 6. PRINCÍPIO DA MORALIDADE Os administradores públicos devem pautar seus atos pela atenção às regras de moralidade pública; Esta moralidade constitui um dos pressupostos de validade de todo ato da Administração Pública; O responsável pela prática de atos imorais serão responsabilizados.
  • 7. PRINCÍPIO DA IMPESSOALIDADE E FINALIDADE Todos os atos praticados pela Administração Pública deverão ser dirigidos aos administrados, ou seja, todo o ato praticado deverá ter uma finalidade pública; Não serão aceitos atos com caráter de pessoalidade, ou seja, para atender interesses pessoais ou de grupos específicos.
  • 8. PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE É o dever de divulgação oficial de todos os atos, contratos, bem como dos demais instrumentos que forem celebrados pela administração pública; A veiculação deverá ser feita em por órgãos oficiais de imprensa para que só depois disso passem a ter validade; É requisito de eficácia e moralidade dos atos administrativos.
  • 9. PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA Os atos da administração pública devem ser praticados com perfeição para garantir que sejam eficientes; Devem alcançar o objetivo pretendido de forma que a atividade desenvolvida atenda perfeitamente o interesse público que a motivou.
  • 10. PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS Os serviços públicos não poderão ser interrompidos; Devem ter a devida regularidade; Desse princípio decorre a impossibilidade dos funcionários da administração pública praticarem greve nos serviços necessários e imprescindíveis.
  • 11. PRINCÍPIO DA MOTIVAÇÃO É obrigação dos administradores públicos motivarem todos os atos que editam, sejam eles gerais ou de efeitos concretos; Motivar significa mencionar o dispositivo legal aplicável ao caso concreto, ou seja, relacionar os fatos que concretamente levaram à aplicação daquele dispositivo legal.
  • 12. PRINCÍPIO DA INDISPONIBILIDADE Todos os interesses, bens e serviços públicos não estão à disposição dos órgãos públicos. A função da administração pública é geri-los e não utilizá-los em proveito dos administradores; A administração pública somente pode dispor por meio de autorização decorrente de lei; Todos os interesses, bens e serviços pertencem à sociedade e não aos administradores.
  • 13. PRINCÍPIO DA TUTELA E DA AUTOTUTELA DA ADMINISTRAÇÃO. A administração pública fica obrigada a se autopoliciar em relação aos seus atos, levando em consideração o mérito e a legalidade; O sistema de controle de atos da administração é judicial, ou seja, ao Judiciário cabe a revisão das decisões tomadas no âmbito da administração pública, no tocante à sua legalidade; Mas a própria administração pode anular os atos ilegais, ou revogar os atos válidos e eficazes quando se mostrarem inoportunos para os fins buscados pela própria administração.
  • 14. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE A administração pública deve praticar atos que sejam considerados razoáveis, ou seja, não deve cometer excessos ou escassez, para não prejudicar a sociedade.
  • 15. PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA Veda a Administração Pública mudar a interpretação que havia dado a lei; Depois de apresentar um entendimento sobre uma determinada lei, a Administração Pública não pode apresentar um novo entendimento e anular o ato praticado anteriormente, sob pretexto de que a interpretação foi equivocada; Só o Poder Judiciário poderá modificar essa intepretação.
  • 16. PRINCÍPIO DA SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO O interesse público deve sempre ser superior ao interesse privado; A Administração Pública não pode deixar de atender o interesse público, de toda a sociedade, em favor de interesse privado. A prática de ato administrativo que contrarie esse princípio gera responsabilidade.
  • 17. PRINCÍPIO DA IGUALDADE OU DA ISONOMIA Todos têm direito de receber da Administração Pública tratamento igual, porque de acordo com a Constituição Federal, artigo quinto, todos são iguais perante a lei; Os eventuais benefícios só poderão decorrer de determinação legal, como acontece com o atendimento privilegiado para crianças, gestantes, idosos, portadores de necessidades especiais, doentes, etc.
  • 18. PRINCÍPIO DA ESPECIALIDADE Os órgãos da Administração Pública devem cumprir rigorosamente a finalidade para a qual foram criados; É vedada a prática de tarefas estranhas para as quais foram legalmente destinados; A Administração Pública está sempre vinculada à legalidade estrita.
  • 19. PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DA LEGITIMIDADE OU VERACIDADE Todos os atos da administração pública gozam de presunção de legitimidade e veracidade, porque em tese a Administração Pública só pratica atos que a lei determina; A presunção é relativa e admite prova em contrário.
  • 20. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – ÓRGÃO QUE A COMPÕEM. Administração Pública é o conjunto de entidades e de órgãos incumbidos de realizar a atividade administrativa; Tem por objetivo a satisfação de todas as necessidades coletivas, bem como dos fins objetivados pelo Estado em prol da coletividade.
  • 21. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRETA DIRETA – é aquela formada por entes integrantes da federação e seus respectivos órgãos. Os entes políticos são a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios que atuam por meio de seus setores especializados de competência.
  • 22. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA É o grupo de pessoas jurídicas de direito público ou privado, criadas a partir de lei específica, que atuam de forma paralela à Administração direta, prestando serviços públicos ou explorando atividades econômicas; Podem ser autarquias, fundações, sociedades de economia mista e empresas públicas.
  • 23. TERCEIRO SETOR É o setor composto pelas sociedades paraestatais que incluem as organizações sociais e os serviços sociais autônomos; Inclui também as pessoas jurídicas que atuam em prol do interesse coletivo; São pessoas jurídicas de direito privado e integram a administração pública indireta, atuando em conjunto com a Administração Pública na prestação de serviços públicos.
  • 24. ATOS ADMINISTRATIVOS Segundo Hely Lopes Meirelles, “É toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que, agindo nessa qualidade tenha por fim imediato aquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e declarar direitos, ou impor obrigações aos administrados ou a si própria.”
  • 25. GRAU DE LIBERDADE DOS ATOS ADMINISTRATIVOS VINCULADO – quando não há liberdade para o administrador, porque o ato está estritamente vinculado à lei; DISCRICIONÁRIO – viabiliza escolha para o administrador público, que terá uma margem de liberdade para atuar, porém sempre dentro do que prevê a legislação.
  • 26. ATOS ADMINISTRATIVOS IMPORTANTES PERMISSÃO – é o ato administrativo negocial por meio do qual o Poder Público faculta ao particular a execução de serviços de interesse coletivo, ou o uso especial de bens públicos, a título gratuito ou remunerado, desde que obedecidas as regras impostas pela Administração Pública.
  • 27. ATOS ADMINISTRATIVOS IMPORTANTES AUTORIZAÇÃO – é o ato administrativo discricionário por meio do qual a Administração Pública autoriza determinada pessoa a realizar algo que normalmente seria proibido, mas que em face de dadas circunstâncias se torna permitido em prol do interesse público.
  • 28. ATOS ADMINISTRATIVOS IMPORTANTES CONCESSÃO – é o ato vinculado ou discricionário por meio do qual a Administração Pública concede a alguém o exercício de uma atividade material.
  • 29. EXTERIORIZAÇÃO DOS ATOS ADMINISTRATIVOS Decretos; Portarias; Alvarás; Resoluções; Pareceres; Ordem de Serviço; Ofício; e, Despacho.
  • 30. AGENTES PÚBLICOS São todas as pessoas incumbidas, de forma definitiva ou transitória, do exercício de alguma função estatal; Normalmente, desempenham funções do órgão da administração ao qual estão vinculadas, mas excepcionalmente podem ser alocadas em funções para as quais não tenham o cargo.
  • 31. CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS Agentes políticos –titulares dos cargos estruturais à organização política do país, ou seja, Presidente da República, Governadores, Prefeitos, vices, ministros, secretários, senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores.
  • 32. CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS FUNCIONÁRIO PÚBLICO – servidor que titulariza um cargo e está sob regime estatutário; EMPREGADO PÚBLICO – servidor que tem a titularidade de um cargo, mas está sob regime da CLT, que não é no entanto, o mesmo regime da iniciativa privada. É investido por concurso público.
  • 33. CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS SERVIDORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO – são aqueles que prestam serviços por um período certo e determinado, em decorrência de uma situação excepcional, visando atender ao interesse público; Não são nomeados em caráter efetivo; COLABORADORES – jurados, mesários de eleição, recrutados para o serviço militar, entre outros.
  • 34. PRINCIPAIS DIREITOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS EFETIVIDADE – cargos que pressupõem aprovação em concurso público e situação de permanência. Não acontece com os comissionados, que são livremente nomeados, porém em caráter provisório. ESTABILIDADE – permanência do servidor público que satisfaz o estágio probatório. É o direito de permanência após atendimento de requisitos determinados por lei.
  • 35. RESPONSABILIDADE DO ESTADO A Constituição Federal determina que as pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos, responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou de culpa.
  • 36. RESPONSABILIDADE DO ESTADO É objetiva ou subjetiva? Para alguns é sempre OBJETIVA, ou seja, não depende da prova de culpa, somente da prova do fato e do dano; Para outros estudiosos pode ser SUBJETIVA no caso de omissão, porque na falta de prestação do serviço ou na prestação deficiente, deve haver prova dessa falta ou da deficiência; Em geral, o Judiciário tem decidido pela responsabilidade OBJETIVA.
  • 37. ERRO JUDICIAL O Estado responderá por erro judicial nos termos do disposto no artigo quinto, inciso LXXV da Constituição Federal; O erro judicial ficará caracterizado quando houver sentença prolatada além dos limites da lei, bem como nos casos de fraude ou dolo do magistrado; presos que ficarem detidos além do tempo fixado na sentença; O Estado responde ainda por leis inconstitucionais que venham a causar danos a terceiros.
  • 38. RESPONSABILIDADE DO ESTADO POR DANO NUCLEAR O Estado responde pelos prejuízos causados a terceiros, decorrentes de atividades nucleares; As atividades nucleares em território nacional terão que ter, necessariamente, caráter pacífico e dependem de prévia autorização do Congresso Nacional.
  • 39. LICITAÇÃO É o procedimento administrativo vinculado, por meio do qual a Administração Pública seleciona a proposta mais vantajosa para realizar a contratação da qual está necessitando; É utilizada para contratação de obras, serviços, compras, locações, alienações, concessões, permissões, entre outros; É obrigatória para a administração direta, para autarquias, fundações públicas, empresas públicas, sociedades de economia mista, e todas as entidades controladas direta ou indiretamente pelo poder público.
  • 40. LICITAÇÃO É regida pela Lei 8.666/93; Deve atender aos princípios previstos no artigo terceiro da lei: legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade, probidade administrativa e vinculação ao instrumento convocatório e julgamento objetivo.
  • 41. DISPENSA DE LICITAÇÃO Só pode ser realizada nos expressos previstos na lei; Alguns exemplos: venda de bens a outro órgão da Administração Pública, permuta de bens entre órgãos da Administração Pública; doação de bens a outros órgãos da Administração Pública; dação em pagamento para quitar dívida da Administração Pública.
  • 42. DISPENSA DE LICITAÇÃO Nos casos de guerra ou grave perturbação; Quando a União tiver que intervir no domínio econômico para regular preços ou normalizar o abastecimento; Nos casos de emergência ou calamidade pública; Para adquirir bens ou serviços prestados por outros órgãos da própria Administração Pública; Quando houver possibilidade de comprometimento da segurança nacional; Para compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento de finalidades precípuas da Adm.Pública, desde que eles estejam em preço compatível como valor do mercado segundo avaliação prévia; Outros previstos em lei.
  • 43. INEXIGIBILIDADE DA LICITAÇÃO Para todos os casos previstos no artigo 25 da lei; Exemplos: aquisição de materiais, equipamentos ou gêneros que só possam ser fornecidos por produtor, empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a preferência de marca e exigida a comprovação de exclusividade; Para contratação de serviços técnicos de natureza singular, com profissionais ou empresas de notória especialização; Para contratação de profissionais do setor artístico, diretamente ou através de empresário exclusivo, desde que consagrado pela crítica especializada ou pela opinião pública.
  • 44. CONTRATO ADMINISTRATIVO É todo acordo de vontades, firmado livremente pelas partes e que cria para elas direitos e obrigações; É negócio bilateral e comutativo, porque cria obrigações mútuas e vincula as pessoas; Só se pode contratar sob objeto lícito e em forma prevista ou não vedada em lei; Os contratos públicos são regidos por normas e princípios próprios da Adm. Pública e se valem do direito privado apenas em caráter supletivo.
  • 45. CONTRATOS ADMINISTRATIVOS A Adm. Pública tem a prerrogativa de modificar os contratos unilateralmente, para melhor adequação às finalidades de interesse público, respeitados os direitos do contratado previstos no próprio contrato; A Adm. Pública tem ainda o direito de rescindir unilateralmente caso não haja o cumprimento de cláusulas contratuais, especificações, projetos ou prazos, ou por razões de interesse público.
  • 46. LIMITAÇÃO AO DIREITO DE PROPRIEDADE A propriedade é um direito do cidadão brasileiro, conforme determina a Constituição Federal; O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, em conformidade com a lei própria, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, evitada a poluição do ar e das águas; Mas o proprietário pode ser desapropriado, por necessidade ou utilidade pública ou interesse social, bem como por requisição em caso de perigo público eminente.
  • 47. MEIOS DE INTERVENÇÃO NO DIREITO DE PROPRIEDADE REQUISIÇÃO – quando o Poder Público no caso de urgência utiliza bens de particulares, móveis ou imóveis, sem necessidade de autorização judicial e de forma transitória. Haverá reparação ao proprietário pelos danos causados; OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA – utilização transitória, remunerada ou gratuita, de bens particulares pelo poder público, para a execução de obras, serviços ou atividades públicas ou de interesse público; Normalmente ocorre para depósito de equipamentos destinados a realização de obras e serviços nas vizinhanças da propriedade particular.
  • 48. LIMITAÇÃO ADMINISTRATIVA É toda imposição geral, gratuita, unilateral e de ordem pública condicionadora do exercício de direitos ou de atividades particulares às exigências do bem estar social; Exemplo: rodízio de veículos!
  • 49. SERVIDÃO É o ônus real de uso imposto pela administração pública à propriedade particular para assegurar a realização e a conservação de obras e serviços públicos, ou de utilidade pública, mediante indenização dos prejuízos efetivamente suportados pelo proprietário.
  • 50. TOMBAMENTO É uma forma de garantir uma determinada propriedade fique protegida por ser patrimônio cultural brasileiro; O tombamento obriga o proprietário a conservar o bem, aceitar a fiscalização do Poder Público, impede obras que retirem a visibilidade do bem tombado e atribuem o direito de indenização pelas despesas extraordinárias realizadas para a conservação do bem.
  • 51. DESAPROPRIAÇÃO É a transferência compulsória da propriedade particular (ou pública de entidade de grau inferior para a superior) para o Poder Público, por utilidade ou necessidade pública, ou por interesse social, mediante prévia e justa indenização; É o instrumento que o Estado utiliza para remover obstáculos à execução de obras e serviços públicos; para implementar planos de urbanização; para preservar o meio ambiente contra a devastação e poluição e para realizar justiça social com a distribuição de bens inadequadamente utilizados pela iniciativa privada.
  • 52. UTILIDADE OU NECESSIDADE PÚBLICA Segurança Nacional; Defesa do Estado; Socorro público em caso de calamidade; Salubridade pública; Criação e melhoramento de centros de população, seu abastecimento regular de meios de subsistência; Aproveitamento industrial de minas e jazidas minerais, de águas e da energia elétrica; Assistência pública a obras de higiêne, casas de saúde, clínicas, estações de climas e fontes medicinais; Exploração e conservação de espaços públicos; E outros previstos em lei.
  • 53. INTERESSE SOCIAL Para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos a partir do segundo ano da sua emissão; As benfeitorias úteis e necessárias serão indenizadas em dinheiro; Não serão desapropriadas para esse fim a pequena e a média propriedade, conforme definição legal, e a propriedade produtiva.
  • 54. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE Em conformidade com o artigo 186 da CF/88, a função social da propriedade é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei; Requisitos – aproveitamento racional e adequado; utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente; observância das disposições que regulam as relações de trabalho; e, a exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.
  • 55. BENS PÚBLICOS São bens públicos: Os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças; Os de uso especial, tais como edifícios ou terrenos destinados a serviço ou estabelecimento da administração federal, estadual, territorial ou municipal, inclusive as autarquias; Os dominicais ou dominiais, aqueles sob os quais o Estado exerce domínio, sem destinação específica.
  • 56. REGIME JURÍDICO Inalienabilidade; Impenhorabilidade; Imprescritibilidade.
  • 57. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA São atos ilícitos praticados contra bens públicos, que tem como consequência prejuízo ao erário público; Podem resultar em suspensão de direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e na gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.