SlideShare uma empresa Scribd logo
Teorias da Comunicação
Estudos Culturais Ingleses – I
Prof. Ms. Elizeu Silva
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
A perspectiva cultural inglesa surge no início dos anos 1960, na
Universidade de Birmingham, com a criação do Center for
Contemporary Cultural Studies (CCCS).
Desde o início estabelece uma linha interdisciplinar de investigação,
interessada em pensar as relações entre cultura e sociedade.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
A tradição do pensamento até então vigente nos estudos sobre
sociedade e cultura na Inglaterra apresentava uma visão
conservadora e elitista da cultura – lamentando o impacto da
Revolução Industrial sobre a cultura nacional. Na perspectiva desses
estudos, a industrialização comprometia a cultura.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Para Frank Raymond Leavis (1895-1978), defensor dos valores
culturais tradicionais, a cultura de massa industrialmente produzida
degrada a cultura nacional. Em 1932 ele funda a revista Scrutiny
como “tribuna de uma cruzada moral e intelectual contra o
‘embrutecimento’ praticado pela mídia e pela publicidade”, com
objetivo de deter a degenerescência da cultura.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Os estudos culturais inaugurados pelo CCCS participa do debate
relacionado ao papel da cultura nas sociedades, mas optam por uma
abordagem que incluía estudos sobre produção, consumo e
construção de sentidos dos bens culturais no seio das classes
populares. Representa, dessa forma, uma mudança de paradigma.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Três eixos fundadores do CCCS, estabelecidos nos
anos 1960, vão se opor frontalmente à perspectiva
elitista dos estudos da cultura até então
predominantes na Inglaterra:
Richard Hoggart defende em “As utilizações da
cultura” (1957) que a classe trabalhadora apresenta
um universo cultural próprio, não sendo adequado,
portanto, estudar este universo na perspectiva da
cultura de elite.
Richard Hoggart (1918-2014)
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Hoggart mostrou como a classe operária cria, no seu “encontro”
com os processos de industrialização e urbanização, formas
culturais específicas e, ao fazê-lo, mostrou que a produção e o
consumo culturais expressam as relações sociais básicas, as formas
de vida de uma dada sociedade. A cultura é vista como expressão
dos processos sociais básicos.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Hoggart interessa-se pelo modo como o desenvolvimento
industrial e tecnológico estavam transformando a cultura
como um todo.
Ele lamenta os efeitos dessa relação entre sociedade
industrial e cultura, mas rejeita uma postura determinista
sobre as relações entre cultura de massa e cultura da classe
operária.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Raymond Williams, em “Cultura e Sociedade”
(1958) defende que a cultura deve ser pensada
como todo um modo de vida, não se limitando a
aspectos como modo de morar, de se vestir ou de
ocupar o tempo de lazer.
Williams amplia a noção de cultura no intuito de
refletir sobre (e valorizar) a cultura da classe
trabalhadora.
Raymond Williams
(1921-1988)
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Para Williams, a cultura da classe trabalhadora é, antes de tudo,
social (no sentido em que cria instituições) do que individual
(ligada ao trabalho intelectual e imaginativo).
Considerada no contexto da sociedade, essa cultura representa uma
realização criadora notável.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Em 1969 a direção do CCCS é entregue ao
teórico cultural e sociólogo jamaicano Stuart
Hall, radicado em Londres desde 1951.
Stuart Hall permanece na direção do Centro até
1979, quando transfere a direção para Richard
Johnson.
As bases teóricas do CCCS foram, desde o
princípio, o marxismo, o estruturalismo e a
semiologia/semiótica.
Stuart Hall (1932-2014)
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
A teoria marxista vê a organização da vida social a partir das relações
entre a base e a superestrutura.
Por BASE (ou ESTRUTURA) referem-se às forças produtivas e às
relações sociais de produção. São as formas como os sujeitos se
organizam para conseguir os bens de que precisam para viver.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
A SUPERESTRUTURA diz respeito à dimensão ideológica que atua
como pano de fundo para as atividades da estrutura. Dela fazem parte
instituições políticas, concepções religiosas, sistemas culturais,
códigos morais e estéticos, sistemas legais, conhecimentos filosóficos
e científicos, e representações coletivas.
As ideias formadas na SUPERESTRUTURA adquirem efetividade na
BASE/ESTRUTURA.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Os Estudos Culturais assumem o modelo BASE-
SUPERESTRUTURA visando destacar a importância da
economia (e do capitalismo) na organização social.
Contudo, eles relativizam o papel da SUPERESTRUTURA
como determinante da cultura. Para eles, a cultura deve ser
pensada a partir de sua autonomia relativa: sofre, sim,
influência das relações econômicas, mas não pode ser
entendida como mero reflexo delas.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Inspirados no ESTRUTURALISMO, os teóricos de Birmingham
entendem a sociedade como uma totalidade complexa, cujas partes
se interligam em relação de dependência mútua.
A cultura, uma das partes da totalidade social, também é vista
como estrutura complexa que deve ser analisada a partir de suas
interconexões (internas e externas).
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Defendem que ela está relacionada à dimensão econômica da
sociedade, mas que deve ser pensada a partir de sua autonomia
relativa.
Na SEMIOLOGIA buscam referências para a compreensão da
cultura a partir das linguagens e da produção simbólica,
reconhecendo a heterogeneidade e a multiplicidade dos
significados.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Rejeitam a perspectiva Hipodérmica norteamericana baseada
na ideia de estímulo-resposta e na passividade das audiências.
Particularmente sob Stuart Hall, o CCCS como o campo da
cultura oferecia, ao mesmo tempo, instrumentos de dominação
pelas classes dominantes e recursos para a resistência e a luta.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Ao mesmo tempo em que olhavam para a opressão dos textos
(produtos culturais), os pesquisadores percebiam
possibilidades de resistência através de subculturas, de
condutas desviantes, de sociabilidades operárias.
Além de se dedicarem a essa perspectiva política da cultura,
os pesquisadores também ao papel do contexto sócio-histórico
na configuração dos produtos culturais.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
As pesquisas demonstram especial interesse para com a
recepção dos produtos culturais, considerando a subjetividade
das leituras e as estratégias interpretativas das audiências.
Destacam, dessa forma, aspectos das identidades, das
subjetividades, e das leituras que os sujeitos fazem dos
produtos culturais.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Os estudos de Birmingham vão gerar desdobramentos em
vários outros países, com destaque para os EUA, Austrália, no
Brasil e em outros países latino-americanos.
O interesse pela análise dos textos midiáticos, pelos estudos
de recepção, e pelos processos de construção de identidades
foi adotado por muitos estudiosos brasileiros.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Análises sobre televisão, cinema, rádio, jornal, envolvendo
discursos e recepção, bem como os contextos em que esses
meios se inserem surgiram no país a partir de contribuições da
perspectiva inglesa.
ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I
Bibliografia recomendada
FRANÇA, Vera V.; SIMÕES, Paula G. Curso básico de teorias da comunicação.
Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2016.
HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte:
Editora UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.
SANTOS, J. L. O que é cultura. São Paulo, Col. Primeiros Passos, 16ª edição,
Ed. Brasiliense, 1996
WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. Lisboa, Ed. Presença, 1999

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria Hipodermica
Teoria Hipodermica Teoria Hipodermica
Teoria Hipodermica
nanasimao
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Ana Dall'Agnol
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
aulasdejornalismo
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Elizeu Nascimento Silva
 
Mass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismoMass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismo
richard_romancini
 
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva CulturológicaAula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Elizeu Nascimento Silva
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalista
rodcassio
 
Aula3 Pesquisa Norte Americana Teoria Hipodermica
Aula3 Pesquisa Norte Americana Teoria HipodermicaAula3 Pesquisa Norte Americana Teoria Hipodermica
Aula3 Pesquisa Norte Americana Teoria Hipodermica
Valéria da Costa
 
Panorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoPanorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das Comunicação
Marcelo Freire
 
Teoria Empirico experimental
Teoria Empirico experimental Teoria Empirico experimental
Teoria Empirico experimental
nanasimao
 
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneasAula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda SettingAula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Elizeu Nascimento Silva
 
Paradigma midiológico
Paradigma midiológicoParadigma midiológico
Paradigma midiológico
Laércio Góes
 
Teoria hipodermica
Teoria hipodermicaTeoria hipodermica
Teoria hipodermica
Weicker Gutierrez
 
A teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agendaA teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agenda
Joana Sousa Fernandes
 
Agendamento - teorias da comunicação
Agendamento - teorias da comunicaçãoAgendamento - teorias da comunicação
Agendamento - teorias da comunicação
Laércio Góes
 
Aula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria FuncionalistaAula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria Funcionalista
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02   Teoria Hipodérmica da ComunicaçãoAula 02   Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
Elizeu Nascimento Silva
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
UNIP. Universidade Paulista
 
Teoria da comunicação Unidade II
Teoria da comunicação Unidade IITeoria da comunicação Unidade II
Teoria da comunicação Unidade II
Harutchy
 

Mais procurados (20)

Teoria Hipodermica
Teoria Hipodermica Teoria Hipodermica
Teoria Hipodermica
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
 
Mass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismoMass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismo
 
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva CulturológicaAula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalista
 
Aula3 Pesquisa Norte Americana Teoria Hipodermica
Aula3 Pesquisa Norte Americana Teoria HipodermicaAula3 Pesquisa Norte Americana Teoria Hipodermica
Aula3 Pesquisa Norte Americana Teoria Hipodermica
 
Panorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das ComunicaçãoPanorama das Teorias das Comunicação
Panorama das Teorias das Comunicação
 
Teoria Empirico experimental
Teoria Empirico experimental Teoria Empirico experimental
Teoria Empirico experimental
 
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneasAula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
 
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda SettingAula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
 
Paradigma midiológico
Paradigma midiológicoParadigma midiológico
Paradigma midiológico
 
Teoria hipodermica
Teoria hipodermicaTeoria hipodermica
Teoria hipodermica
 
A teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agendaA teoria do agendamento ou agenda
A teoria do agendamento ou agenda
 
Agendamento - teorias da comunicação
Agendamento - teorias da comunicaçãoAgendamento - teorias da comunicação
Agendamento - teorias da comunicação
 
Aula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria FuncionalistaAula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria Funcionalista
 
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02   Teoria Hipodérmica da ComunicaçãoAula 02   Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
 
Teoria da comunicação Unidade II
Teoria da comunicação Unidade IITeoria da comunicação Unidade II
Teoria da comunicação Unidade II
 

Semelhante a Aula 9B_Estudos Culturais Ingleses

Teoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade VTeoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade V
Harutchy
 
Cultura e vida social
Cultura e vida socialCultura e vida social
Cultura e vida social
EEBMiguelCouto
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
WillianVieira54
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Péricles Penuel
 
Estudos Culturais
Estudos CulturaisEstudos Culturais
Estudos Culturais
Dandan Gouveia Bonne
 
Sociologia v
Sociologia vSociologia v
Sociologia v
andrea almeida
 
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptxtcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
JooVictorBarroso2
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
UNEB
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
aulasgege
 
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
Sociologia  EJA CULTURA_aula_1Sociologia  EJA CULTURA_aula_1
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
Miro Santos
 
Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)
Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)
Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)
Leandro Lopes
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
UNIP. Universidade Paulista
 
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIACULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
Dennis De Oliveira Sinnedos
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
MARIADAASSUNOSIMOESF
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
AleTavares2
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
Edvilson Itb
 
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educaçãoReflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Professor Gilson Nunes
 
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASSA CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
DomingosJunior22
 

Semelhante a Aula 9B_Estudos Culturais Ingleses (20)

Teoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade VTeoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade V
 
Cultura e vida social
Cultura e vida socialCultura e vida social
Cultura e vida social
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
Estudos Culturais
Estudos CulturaisEstudos Culturais
Estudos Culturais
 
Sociologia v
Sociologia vSociologia v
Sociologia v
 
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptxtcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
Sociologia  EJA CULTURA_aula_1Sociologia  EJA CULTURA_aula_1
Sociologia EJA CULTURA_aula_1
 
Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)
Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)
Estudos culturais ana carolina escosteguy (Willian)
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
 
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIACULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
CULTURA, DOMINAÇÃO E IDEOLOGIA
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educaçãoReflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
 
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASSA CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
 

Mais de Elizeu Nascimento Silva

Unidade 03 Ainda a tal objetividade
Unidade 03 Ainda a tal objetividadeUnidade 03 Ainda a tal objetividade
Unidade 03 Ainda a tal objetividade
Elizeu Nascimento Silva
 
Unidade02 quem fala no jornalismo
Unidade02 quem fala no jornalismoUnidade02 quem fala no jornalismo
Unidade02 quem fala no jornalismo
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 14 Armand Mattelart - Globalização da Comunicação
Aula 14   Armand Mattelart - Globalização da ComunicaçãoAula 14   Armand Mattelart - Globalização da Comunicação
Aula 14 Armand Mattelart - Globalização da Comunicação
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart HallAula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dadosAula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 03 - Fórmula Editorial
Aula 03 - Fórmula EditorialAula 03 - Fórmula Editorial
Aula 03 - Fórmula Editorial
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 02 Edição de Revistas - Público-alvo
Aula 02   Edição de Revistas - Público-alvoAula 02   Edição de Revistas - Público-alvo
Aula 02 Edição de Revistas - Público-alvo
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 01 edição de revistas
Aula 01   edição de revistasAula 01   edição de revistas
Aula 01 edição de revistas
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 03 ética e legislação jor
Aula 03   ética e legislação jorAula 03   ética e legislação jor
Aula 03 ética e legislação jor
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
Aula 04   ética e legislação JornalismoAula 04   ética e legislação Jornalismo
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 05 Briefing
Aula 05   BriefingAula 05   Briefing
Aula 05 Briefing
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão
Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrãoAula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão
Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 03 - Infodesign - Cor-padrão
Aula 03 - Infodesign - Cor-padrãoAula 03 - Infodesign - Cor-padrão
Aula 03 - Infodesign - Cor-padrão
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 02 impressão de dados variáveis
Aula 02   impressão de dados variáveisAula 02   impressão de dados variáveis
Aula 02 impressão de dados variáveis
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 02 infodesign
Aula 02   infodesignAula 02   infodesign
Aula 02 infodesign
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 01 Infodesign
Aula 01   InfodesignAula 01   Infodesign
Aula 01 Infodesign
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 06 linguagem visual
Aula 06   linguagem visualAula 06   linguagem visual
Aula 06 linguagem visual
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 07 impressão 3 d
Aula 07   impressão 3 dAula 07   impressão 3 d
Aula 07 impressão 3 d
Elizeu Nascimento Silva
 

Mais de Elizeu Nascimento Silva (20)

Unidade 03 Ainda a tal objetividade
Unidade 03 Ainda a tal objetividadeUnidade 03 Ainda a tal objetividade
Unidade 03 Ainda a tal objetividade
 
Unidade02 quem fala no jornalismo
Unidade02 quem fala no jornalismoUnidade02 quem fala no jornalismo
Unidade02 quem fala no jornalismo
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
 
Aula 14 Armand Mattelart - Globalização da Comunicação
Aula 14   Armand Mattelart - Globalização da ComunicaçãoAula 14   Armand Mattelart - Globalização da Comunicação
Aula 14 Armand Mattelart - Globalização da Comunicação
 
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart HallAula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
 
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dadosAula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
 
Aula 03 - Fórmula Editorial
Aula 03 - Fórmula EditorialAula 03 - Fórmula Editorial
Aula 03 - Fórmula Editorial
 
Aula 02 Edição de Revistas - Público-alvo
Aula 02   Edição de Revistas - Público-alvoAula 02   Edição de Revistas - Público-alvo
Aula 02 Edição de Revistas - Público-alvo
 
Aula 01 edição de revistas
Aula 01   edição de revistasAula 01   edição de revistas
Aula 01 edição de revistas
 
Aula 03 ética e legislação jor
Aula 03   ética e legislação jorAula 03   ética e legislação jor
Aula 03 ética e legislação jor
 
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
Aula 04   ética e legislação JornalismoAula 04   ética e legislação Jornalismo
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
 
Aula 05 Briefing
Aula 05   BriefingAula 05   Briefing
Aula 05 Briefing
 
Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão
Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrãoAula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão
Aula 04 - Infodesign - Alfabeto-padrão
 
Aula 03 - Infodesign - Cor-padrão
Aula 03 - Infodesign - Cor-padrãoAula 03 - Infodesign - Cor-padrão
Aula 03 - Infodesign - Cor-padrão
 
Aula 02 impressão de dados variáveis
Aula 02   impressão de dados variáveisAula 02   impressão de dados variáveis
Aula 02 impressão de dados variáveis
 
Aula 02 infodesign
Aula 02   infodesignAula 02   infodesign
Aula 02 infodesign
 
Aula 01 Infodesign
Aula 01   InfodesignAula 01   Infodesign
Aula 01 Infodesign
 
Aula 06 linguagem visual
Aula 06   linguagem visualAula 06   linguagem visual
Aula 06 linguagem visual
 
Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
 
Aula 07 impressão 3 d
Aula 07   impressão 3 dAula 07   impressão 3 d
Aula 07 impressão 3 d
 

Último

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Aula 9B_Estudos Culturais Ingleses

  • 1. Teorias da Comunicação Estudos Culturais Ingleses – I Prof. Ms. Elizeu Silva
  • 2. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I A perspectiva cultural inglesa surge no início dos anos 1960, na Universidade de Birmingham, com a criação do Center for Contemporary Cultural Studies (CCCS). Desde o início estabelece uma linha interdisciplinar de investigação, interessada em pensar as relações entre cultura e sociedade.
  • 3. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I A tradição do pensamento até então vigente nos estudos sobre sociedade e cultura na Inglaterra apresentava uma visão conservadora e elitista da cultura – lamentando o impacto da Revolução Industrial sobre a cultura nacional. Na perspectiva desses estudos, a industrialização comprometia a cultura.
  • 4. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Para Frank Raymond Leavis (1895-1978), defensor dos valores culturais tradicionais, a cultura de massa industrialmente produzida degrada a cultura nacional. Em 1932 ele funda a revista Scrutiny como “tribuna de uma cruzada moral e intelectual contra o ‘embrutecimento’ praticado pela mídia e pela publicidade”, com objetivo de deter a degenerescência da cultura.
  • 5. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Os estudos culturais inaugurados pelo CCCS participa do debate relacionado ao papel da cultura nas sociedades, mas optam por uma abordagem que incluía estudos sobre produção, consumo e construção de sentidos dos bens culturais no seio das classes populares. Representa, dessa forma, uma mudança de paradigma.
  • 6. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Três eixos fundadores do CCCS, estabelecidos nos anos 1960, vão se opor frontalmente à perspectiva elitista dos estudos da cultura até então predominantes na Inglaterra: Richard Hoggart defende em “As utilizações da cultura” (1957) que a classe trabalhadora apresenta um universo cultural próprio, não sendo adequado, portanto, estudar este universo na perspectiva da cultura de elite. Richard Hoggart (1918-2014)
  • 7. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Hoggart mostrou como a classe operária cria, no seu “encontro” com os processos de industrialização e urbanização, formas culturais específicas e, ao fazê-lo, mostrou que a produção e o consumo culturais expressam as relações sociais básicas, as formas de vida de uma dada sociedade. A cultura é vista como expressão dos processos sociais básicos.
  • 8. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Hoggart interessa-se pelo modo como o desenvolvimento industrial e tecnológico estavam transformando a cultura como um todo. Ele lamenta os efeitos dessa relação entre sociedade industrial e cultura, mas rejeita uma postura determinista sobre as relações entre cultura de massa e cultura da classe operária.
  • 9. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Raymond Williams, em “Cultura e Sociedade” (1958) defende que a cultura deve ser pensada como todo um modo de vida, não se limitando a aspectos como modo de morar, de se vestir ou de ocupar o tempo de lazer. Williams amplia a noção de cultura no intuito de refletir sobre (e valorizar) a cultura da classe trabalhadora. Raymond Williams (1921-1988)
  • 10. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Para Williams, a cultura da classe trabalhadora é, antes de tudo, social (no sentido em que cria instituições) do que individual (ligada ao trabalho intelectual e imaginativo). Considerada no contexto da sociedade, essa cultura representa uma realização criadora notável.
  • 11. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Em 1969 a direção do CCCS é entregue ao teórico cultural e sociólogo jamaicano Stuart Hall, radicado em Londres desde 1951. Stuart Hall permanece na direção do Centro até 1979, quando transfere a direção para Richard Johnson. As bases teóricas do CCCS foram, desde o princípio, o marxismo, o estruturalismo e a semiologia/semiótica. Stuart Hall (1932-2014)
  • 12. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I A teoria marxista vê a organização da vida social a partir das relações entre a base e a superestrutura. Por BASE (ou ESTRUTURA) referem-se às forças produtivas e às relações sociais de produção. São as formas como os sujeitos se organizam para conseguir os bens de que precisam para viver.
  • 13. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I A SUPERESTRUTURA diz respeito à dimensão ideológica que atua como pano de fundo para as atividades da estrutura. Dela fazem parte instituições políticas, concepções religiosas, sistemas culturais, códigos morais e estéticos, sistemas legais, conhecimentos filosóficos e científicos, e representações coletivas. As ideias formadas na SUPERESTRUTURA adquirem efetividade na BASE/ESTRUTURA.
  • 14. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Os Estudos Culturais assumem o modelo BASE- SUPERESTRUTURA visando destacar a importância da economia (e do capitalismo) na organização social. Contudo, eles relativizam o papel da SUPERESTRUTURA como determinante da cultura. Para eles, a cultura deve ser pensada a partir de sua autonomia relativa: sofre, sim, influência das relações econômicas, mas não pode ser entendida como mero reflexo delas.
  • 15. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Inspirados no ESTRUTURALISMO, os teóricos de Birmingham entendem a sociedade como uma totalidade complexa, cujas partes se interligam em relação de dependência mútua. A cultura, uma das partes da totalidade social, também é vista como estrutura complexa que deve ser analisada a partir de suas interconexões (internas e externas).
  • 16. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Defendem que ela está relacionada à dimensão econômica da sociedade, mas que deve ser pensada a partir de sua autonomia relativa. Na SEMIOLOGIA buscam referências para a compreensão da cultura a partir das linguagens e da produção simbólica, reconhecendo a heterogeneidade e a multiplicidade dos significados.
  • 17. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Rejeitam a perspectiva Hipodérmica norteamericana baseada na ideia de estímulo-resposta e na passividade das audiências. Particularmente sob Stuart Hall, o CCCS como o campo da cultura oferecia, ao mesmo tempo, instrumentos de dominação pelas classes dominantes e recursos para a resistência e a luta.
  • 18. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Ao mesmo tempo em que olhavam para a opressão dos textos (produtos culturais), os pesquisadores percebiam possibilidades de resistência através de subculturas, de condutas desviantes, de sociabilidades operárias. Além de se dedicarem a essa perspectiva política da cultura, os pesquisadores também ao papel do contexto sócio-histórico na configuração dos produtos culturais.
  • 19. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I As pesquisas demonstram especial interesse para com a recepção dos produtos culturais, considerando a subjetividade das leituras e as estratégias interpretativas das audiências. Destacam, dessa forma, aspectos das identidades, das subjetividades, e das leituras que os sujeitos fazem dos produtos culturais.
  • 20. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Os estudos de Birmingham vão gerar desdobramentos em vários outros países, com destaque para os EUA, Austrália, no Brasil e em outros países latino-americanos. O interesse pela análise dos textos midiáticos, pelos estudos de recepção, e pelos processos de construção de identidades foi adotado por muitos estudiosos brasileiros.
  • 21. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Análises sobre televisão, cinema, rádio, jornal, envolvendo discursos e recepção, bem como os contextos em que esses meios se inserem surgiram no país a partir de contribuições da perspectiva inglesa.
  • 22. ESTUDOS CULTURAIS INGLESES – I Bibliografia recomendada FRANÇA, Vera V.; SIMÕES, Paula G. Curso básico de teorias da comunicação. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2016. HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003. SANTOS, J. L. O que é cultura. São Paulo, Col. Primeiros Passos, 16ª edição, Ed. Brasiliense, 1996 WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. Lisboa, Ed. Presença, 1999