SlideShare uma empresa Scribd logo
Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências da Saúde
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE
ENFERMAGEM NO POS PARTO
Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira
NATAL/RN
2018
 “O período do ciclo grávido puerperal em que as
modificações locais e sistêmicas provocadas pela gravidez
e parto no organismo da mulher, retornam a situação do
estado pré-gravídico” (M.S.)
Aula 8 _-_pos_parto
 Imediato: 1º ao 10º dia
◦ Risco: 1ª as 24 horas – hemorragias
 Tardio: 11º ao 42º dia
◦ Risco: Infecções
 Remoto: após 43º dia
◦ Risco: Infecções
# Quarto período (Greemberg) Primeiras 2
horas
hemorragias
• Regressão anátomofisiológicas
I - FENÔMENOS INVOLUTIVOS (Locais e Gerais)
• Nova situação
II - ADAPTAÇÕES PSICOLÓGICAS
• Lactação
III - FENÔMENOS EVOLUTIVOS
Involução uterina
 Após o parto, o local da placenta tem
um diâmetro de 8 a 9 cm e fica com os
seios venosos abertos.
Involução uterina
 Um tamponamento dos vasos pela
compressão do miométrio - em
seguida os trombos que impedirão a
perda sanguínea
 Atinge a cicatriz umbilical após o
parto e regride em torno de 1 cm
ao dia.
 10º dia- abaixo da sínfise pubiana
 6ª e 8ª sem. - posição, tamanho e
peso original(60g)
 A liberação de ocitocina em
resposta à sucção apressa o
processo involutivo.
 Durante a amamentação, a
ocitocina estimula o útero a
contrair-se e a mulher pode sentir
cólicas, sendo considerado
fisiológico
 Endométrio - Regenera-se: 03 semanas-exceto a área da
placenta que leva de 6 a 7 semanas
 Períneo: Depende da condução, proteção e da ocorrência
de epsiotomia ou lacerações.
 Vários dias após o parto, fica sensível e traumatizado.
◦ Compressa fria, diminui o desconforto.
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
 Distendidos e edemaciados no
parto.
 Orifício externo: abertura redonda
e regular- fenda irregular e
transversa
 Vagina: Após o parto, edemaciada /
orifício vaginal dilata-se quando a
pressão intra-abdominal fica
aumentada
 Nas primeiras 48 horas
desaparecem o edema e congestão
 Em torno do 15º dia ocorre a
regressão máxima da vagina
 Perdas vaginais após o parto constituídas por secreções
uterinas e vaginais, sangue e revestimento uterino.
 Tipos de lóquios
◦ Lóquios rubros(1 a 3 dias)
◦ Lóquios serosos (4 a 9 dias)
◦ Lóquios brancos (10 dias até 5ª a 6ª sem.)
 Odor: Lembra sangue menstrual
 Volume total de lóquios: 150 – 400mL
ESTADO GERAL
 Exaustão e relaxamento: hidratação e/ou alimentação,
esforços
 Calafrios e tremores imediatamente após o parto: resposta
nervosa ou a alterações vasomotoras. Não tem relação
com a temperatura ambiente.
ESTADO GERAL
 Sudorese: É a forma que o corpo tem de eliminar o
excesso de líquidos acumulados durante a gestação.
 A diástase abdominal:
afastamento do músculo reto
abdominal pelo estiramento
causado pelo crescimento do
útero.
 Os músculos abdominais formam
um apoio elástico para o
conteúdo abdominal e o útero
grávido em crescimento estira os
músculos abdominais deixam
um espaço no final da gestação.
 O mito em relação à cinta é que, usando ela, a barriga vai
voltar mais rapidamente ao lugar.
 Ela (barriga) tem seu tempo para voltar ao normal, o
organismo vai se adaptando à ausência da gravidez.
 Alguns obstetras acham que o uso do acessório pode até
atrapalhar esse processo natural.
 Se o objetivo é recuperar a musculatura, é preferível que a
mulher faça exercícios abdominais,
 Temperatura: 1ª 24 horas: até 38°C - esforço e
desidratação
◦ Após as 24 horas é sugestivo de infecção.
 Pulso: Bradicardia (7 a 10º dia - 50-70 bat/min.) -
Redução do volume sanguíneo
 Pressão Arterial: Semelhante ao 3º trimestre da gravidez
◦ Baixa: hemorragia / Alta: pré-eclâmpsia
 Frequência Respiratória: Restabelecida - descompressão
do diafragma
 Imediatamente após o parto: 4 a 5 Kg
◦ Retirada do feto ( 3,5kg)
◦ Placenta (0,5 kg)
◦ Líquido amniótico e sangue (1 Kg)
 Próximos 10 dias: mais 2,5 Kg diurese e sudorese
◦ Eliminação do líquido retido no organismo
 Sede e fome
 Constipação: diminuição da motilidade gastrointestinal,
efeitos da anestesia, relaxamento da musculatura
abdominal
◦ Restabelece em torno de 4 dias
 Hemorroidas dolorosas( período expulsivo)
 Esvaziamento gástrico - descompressão
 Até o 5º dia  eliminação de 2 a 3 litros de líquidos
acumulados
 Eliminação de 1.500 a 2.500ml de urina nas primeiras 6
horas
 Dificuldade inicial de micção  usar meios simples de
estimular
 A diurese deve ser vigiada nas primeiras 48 a 72 horas
Lactação
Ocitocina
Ejeção do
leite
Prolactina
Produção de
leite
 Estágios do pós parto
◦ Período de Introspecção
◦ Período de Controle da situação.
◦ Período de volta ao lar: Depressão pós parto
Mudanças de
humor
Conflito sobre o
papel materno
Problemas
socioeconômicos
e familiares
Perdas de fetos
anteriores
Gestações sem
sucesso
Desconfortos
físicos
Óbito fetal Filhos especiais
 “Toques suaves, palavras
sinceras e trabalho
compartilhado, são notas
que compõem a melodia da
humanização”
(Oliveira,2001)
VANTAGENS
 Favorece o aleitamento materno;
 Fortalece laços afetivos entre mãe,
filho e familiares;
 Observação constante do filho pela
mãe e comunicação com a equipe;
VANTAGENS
 Demonstração prática pela equipe
dos cuidados ao recém-nascido e à
puérpera;
 Contribui com a diminuição do índice
de infecção hospitalar;
 Facilita a troca de informações da
mãe com toda a equipe de saúde.
 Auxiliar no estabelecimento da unidade familiar;
 Ajudar e apoiar o retorno da mulher ao estado pré-gravídico;
 Orientar a mulher e a família sobre os cuidados com o recém-
nascido;
 Orientar a mulher sobre o autocuidado;
 Avaliar o estado de saúde da mulher e do RN;
 Avaliar o retorno das condições pré-gravídicas;
 Avaliar e apoiar o aleitamento materno;
 Orientar o planejamento familiar;
 Identificar situações de risco ou intercorrências;
 Estimular a interação da mãe com o RN;
• Simetria, tipos de mamilos, sensibilidade, lactação,
ingurgitamento, fissuras, colostro.
Mamas
• Localização, tamanho, consistência.
Útero
• Quantidade, cor, odor, presença de coágulos.
Lóquios
• Edema, hematomas, lacerações, epsiorrafia.
Região vulvo-perineal
• Pesquisar sinais de trombose venosa pesquisando o sinal de Homans,
dores e edema.
Membros inferiores
Sangramentos vaginais persistentes
Mau odor nos lóquios
Temperatura acima de 38°C
Dor localizada, aumento da sensibilidade nos MMII
Dor ou aumento da sensibilidade abdominal ou pélvica
Mamas
doloridas
Mamilos
fissurados
Dor na
epsiorrafia
Micção
dolorosa
 Deve reiniciar gradualmente
 Evitar peso e atividades cansativas como, subir e descer
escadas ou limpar casa
 Aconselhar a dormir uma ou duas vezes durante o dia.
Aproveitar períodos em que o recém nascido esteja
dormindo;
 A primeira relação sexual, após o parto, talvez, seja um
pouco desconfortável: ressecamento ou à lubrificação
reduzida da vagina
 Atividade sexual: quando a mulher estiver disposta
 Cessarem os lóquios;
 Cicatrizado totalmente a episiorrafia.
 Aconselhar a usar lubrificante a base de água nas relações
para evitar o atrito e a dor.
 Usar camisinha
 Os pais quando não estão preparados para as mudanças
no relacionamento, no novo estilo de vida e nos papeis
relacionados com a integração de um novo membro na
família, terão muitas dificuldades para efetuarem a
transição necessária.
 O nível de maturidade da mãe, o contato reduzido da mãe
com o filho no caso de prematuros ou a falta de um
sistema de apoio ou a saúde prejudicada, podem interferir
nessa adaptação.
 As mães nos dias de hoje tendem a ser menos
dependentes e mais capazes de assumirem a
responsabilidade no autocuidado, graças a diversos
fatores como:
◦ Menor quantidade de medicação administrada durante o
trabalho de parto
◦ Deambulação precoce, o alojamento conjunto e o maior apoio
do pai, do companheiro ou da família.
Aula 8 _-_pos_parto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
Diana Rodrigues
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
Rejane Durães
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
UEA - Universidade do Estado do Amazonas
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
jusantos_
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
Alinebrauna Brauna
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Prof Ana Paula Gonçalves
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
SUELLEN SILVA
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
Enayad
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
Jamilly Onofre
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Michelle Santos
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Regiane Ribeiro
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
Natasha Louise
 

Mais procurados (20)

Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 

Semelhante a Aula 8 _-_pos_parto

Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Luciana de Paula
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Luciana de Paula
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
WerbertCosta1
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
jhenicacamila123
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Bruno Oliveira
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
RaphaellaMed1
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
Juliana Costa
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
GrazieleMenzani
 
gestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.pptgestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.ppt
Eltonfreire8
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
Praxis Educativa
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
EdileideJesus1
 
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Gustavo Henrique
 
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
MagnoSouza37
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
DokiNorkis
 
Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidez
marianagusmao39
 
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEMGESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
LuanMiguelCosta
 
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
MykaCordeiro
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 

Semelhante a Aula 8 _-_pos_parto (20)

Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
 
gestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.pptgestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.ppt
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
 
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
 
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidez
 
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEMGESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
 
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 

Mais de Gustavo Henrique

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
Gustavo Henrique
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Gustavo Henrique
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Gustavo Henrique
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Gustavo Henrique
 
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionaisAula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Gustavo Henrique
 
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetalAula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Gustavo Henrique
 
Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
Gustavo Henrique
 
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manhaAula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Gustavo Henrique
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Gustavo Henrique
 
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hmAula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Gustavo Henrique
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Gustavo Henrique
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
Gustavo Henrique
 
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundoPsiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Gustavo Henrique
 
Exame psiquico
Exame psiquicoExame psiquico
Exame psiquico
Gustavo Henrique
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Gustavo Henrique
 
Aula de Farnacologia CEPRN 6
Aula de Farnacologia CEPRN 6Aula de Farnacologia CEPRN 6
Aula de Farnacologia CEPRN 6
Gustavo Henrique
 

Mais de Gustavo Henrique (20)

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
 
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionaisAula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
 
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetalAula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
 
Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
 
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manhaAula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
 
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hmAula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundoPsiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
 
Exame psiquico
Exame psiquicoExame psiquico
Exame psiquico
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Aula de Farnacologia CEPRN 6
Aula de Farnacologia CEPRN 6Aula de Farnacologia CEPRN 6
Aula de Farnacologia CEPRN 6
 

Aula 8 _-_pos_parto

  • 1. Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO POS PARTO Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira NATAL/RN 2018
  • 2.  “O período do ciclo grávido puerperal em que as modificações locais e sistêmicas provocadas pela gravidez e parto no organismo da mulher, retornam a situação do estado pré-gravídico” (M.S.)
  • 4.  Imediato: 1º ao 10º dia ◦ Risco: 1ª as 24 horas – hemorragias  Tardio: 11º ao 42º dia ◦ Risco: Infecções  Remoto: após 43º dia ◦ Risco: Infecções # Quarto período (Greemberg) Primeiras 2 horas hemorragias
  • 5. • Regressão anátomofisiológicas I - FENÔMENOS INVOLUTIVOS (Locais e Gerais) • Nova situação II - ADAPTAÇÕES PSICOLÓGICAS • Lactação III - FENÔMENOS EVOLUTIVOS
  • 6. Involução uterina  Após o parto, o local da placenta tem um diâmetro de 8 a 9 cm e fica com os seios venosos abertos.
  • 7. Involução uterina  Um tamponamento dos vasos pela compressão do miométrio - em seguida os trombos que impedirão a perda sanguínea
  • 8.  Atinge a cicatriz umbilical após o parto e regride em torno de 1 cm ao dia.
  • 9.  10º dia- abaixo da sínfise pubiana  6ª e 8ª sem. - posição, tamanho e peso original(60g)
  • 10.  A liberação de ocitocina em resposta à sucção apressa o processo involutivo.
  • 11.  Durante a amamentação, a ocitocina estimula o útero a contrair-se e a mulher pode sentir cólicas, sendo considerado fisiológico
  • 12.  Endométrio - Regenera-se: 03 semanas-exceto a área da placenta que leva de 6 a 7 semanas  Períneo: Depende da condução, proteção e da ocorrência de epsiotomia ou lacerações.  Vários dias após o parto, fica sensível e traumatizado. ◦ Compressa fria, diminui o desconforto.
  • 17.  Distendidos e edemaciados no parto.  Orifício externo: abertura redonda e regular- fenda irregular e transversa
  • 18.  Vagina: Após o parto, edemaciada / orifício vaginal dilata-se quando a pressão intra-abdominal fica aumentada  Nas primeiras 48 horas desaparecem o edema e congestão  Em torno do 15º dia ocorre a regressão máxima da vagina
  • 19.  Perdas vaginais após o parto constituídas por secreções uterinas e vaginais, sangue e revestimento uterino.  Tipos de lóquios ◦ Lóquios rubros(1 a 3 dias) ◦ Lóquios serosos (4 a 9 dias) ◦ Lóquios brancos (10 dias até 5ª a 6ª sem.)
  • 20.  Odor: Lembra sangue menstrual  Volume total de lóquios: 150 – 400mL
  • 21. ESTADO GERAL  Exaustão e relaxamento: hidratação e/ou alimentação, esforços  Calafrios e tremores imediatamente após o parto: resposta nervosa ou a alterações vasomotoras. Não tem relação com a temperatura ambiente.
  • 22. ESTADO GERAL  Sudorese: É a forma que o corpo tem de eliminar o excesso de líquidos acumulados durante a gestação.
  • 23.  A diástase abdominal: afastamento do músculo reto abdominal pelo estiramento causado pelo crescimento do útero.
  • 24.  Os músculos abdominais formam um apoio elástico para o conteúdo abdominal e o útero grávido em crescimento estira os músculos abdominais deixam um espaço no final da gestação.
  • 25.  O mito em relação à cinta é que, usando ela, a barriga vai voltar mais rapidamente ao lugar.  Ela (barriga) tem seu tempo para voltar ao normal, o organismo vai se adaptando à ausência da gravidez.
  • 26.  Alguns obstetras acham que o uso do acessório pode até atrapalhar esse processo natural.  Se o objetivo é recuperar a musculatura, é preferível que a mulher faça exercícios abdominais,
  • 27.  Temperatura: 1ª 24 horas: até 38°C - esforço e desidratação ◦ Após as 24 horas é sugestivo de infecção.  Pulso: Bradicardia (7 a 10º dia - 50-70 bat/min.) - Redução do volume sanguíneo
  • 28.  Pressão Arterial: Semelhante ao 3º trimestre da gravidez ◦ Baixa: hemorragia / Alta: pré-eclâmpsia  Frequência Respiratória: Restabelecida - descompressão do diafragma
  • 29.  Imediatamente após o parto: 4 a 5 Kg ◦ Retirada do feto ( 3,5kg) ◦ Placenta (0,5 kg) ◦ Líquido amniótico e sangue (1 Kg)  Próximos 10 dias: mais 2,5 Kg diurese e sudorese ◦ Eliminação do líquido retido no organismo
  • 30.  Sede e fome  Constipação: diminuição da motilidade gastrointestinal, efeitos da anestesia, relaxamento da musculatura abdominal ◦ Restabelece em torno de 4 dias  Hemorroidas dolorosas( período expulsivo)  Esvaziamento gástrico - descompressão
  • 31.  Até o 5º dia  eliminação de 2 a 3 litros de líquidos acumulados  Eliminação de 1.500 a 2.500ml de urina nas primeiras 6 horas  Dificuldade inicial de micção  usar meios simples de estimular  A diurese deve ser vigiada nas primeiras 48 a 72 horas
  • 33.  Estágios do pós parto ◦ Período de Introspecção ◦ Período de Controle da situação. ◦ Período de volta ao lar: Depressão pós parto
  • 34. Mudanças de humor Conflito sobre o papel materno Problemas socioeconômicos e familiares Perdas de fetos anteriores Gestações sem sucesso Desconfortos físicos Óbito fetal Filhos especiais
  • 35.  “Toques suaves, palavras sinceras e trabalho compartilhado, são notas que compõem a melodia da humanização” (Oliveira,2001)
  • 36. VANTAGENS  Favorece o aleitamento materno;  Fortalece laços afetivos entre mãe, filho e familiares;  Observação constante do filho pela mãe e comunicação com a equipe;
  • 37. VANTAGENS  Demonstração prática pela equipe dos cuidados ao recém-nascido e à puérpera;  Contribui com a diminuição do índice de infecção hospitalar;  Facilita a troca de informações da mãe com toda a equipe de saúde.
  • 38.  Auxiliar no estabelecimento da unidade familiar;  Ajudar e apoiar o retorno da mulher ao estado pré-gravídico;  Orientar a mulher e a família sobre os cuidados com o recém- nascido;  Orientar a mulher sobre o autocuidado;  Avaliar o estado de saúde da mulher e do RN;
  • 39.  Avaliar o retorno das condições pré-gravídicas;  Avaliar e apoiar o aleitamento materno;  Orientar o planejamento familiar;  Identificar situações de risco ou intercorrências;  Estimular a interação da mãe com o RN;
  • 40. • Simetria, tipos de mamilos, sensibilidade, lactação, ingurgitamento, fissuras, colostro. Mamas • Localização, tamanho, consistência. Útero
  • 41. • Quantidade, cor, odor, presença de coágulos. Lóquios • Edema, hematomas, lacerações, epsiorrafia. Região vulvo-perineal • Pesquisar sinais de trombose venosa pesquisando o sinal de Homans, dores e edema. Membros inferiores
  • 42. Sangramentos vaginais persistentes Mau odor nos lóquios Temperatura acima de 38°C Dor localizada, aumento da sensibilidade nos MMII Dor ou aumento da sensibilidade abdominal ou pélvica
  • 44.  Deve reiniciar gradualmente  Evitar peso e atividades cansativas como, subir e descer escadas ou limpar casa  Aconselhar a dormir uma ou duas vezes durante o dia. Aproveitar períodos em que o recém nascido esteja dormindo;
  • 45.  A primeira relação sexual, após o parto, talvez, seja um pouco desconfortável: ressecamento ou à lubrificação reduzida da vagina  Atividade sexual: quando a mulher estiver disposta  Cessarem os lóquios;  Cicatrizado totalmente a episiorrafia.
  • 46.  Aconselhar a usar lubrificante a base de água nas relações para evitar o atrito e a dor.  Usar camisinha
  • 47.  Os pais quando não estão preparados para as mudanças no relacionamento, no novo estilo de vida e nos papeis relacionados com a integração de um novo membro na família, terão muitas dificuldades para efetuarem a transição necessária.
  • 48.  O nível de maturidade da mãe, o contato reduzido da mãe com o filho no caso de prematuros ou a falta de um sistema de apoio ou a saúde prejudicada, podem interferir nessa adaptação.
  • 49.  As mães nos dias de hoje tendem a ser menos dependentes e mais capazes de assumirem a responsabilidade no autocuidado, graças a diversos fatores como: ◦ Menor quantidade de medicação administrada durante o trabalho de parto ◦ Deambulação precoce, o alojamento conjunto e o maior apoio do pai, do companheiro ou da família.