SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula
Programada
Biologia
Tema:
Ecologia
Relações Ecológicas
1) Introdução
A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica
são genericamente denominadas relações ecológicas, e costumam ser
classificadas pelos biólogos em intra-específicas, interespecíficas, harmônicas e
desarmônicas.
 Relações intra-específicas: São as que se estabelecem entre indivíduos de
uma mesma espécie.
 Relações interespecíficas: São as que se estabelecem entre indivíduos de
espécies diferentes.
 Relações harmônicas: Pelo menos uma das espécies se beneficia e não há
prejuízo para nenhuma das partes associadas.
 Relações desarmônicas: Uma ou ambas as espécies são prejudicadas.
Relações Ecológicas
2) Resumo
Relações Harmônicas
Intra-Específica Colônias
Sociedades
Interespecífica
Mutualismo
Protocooperação
Comensalismo
Relações Desarmônicas
Intra-Específica Competição intra-específica
Canibalismo
Interespecífica
Competição interespecífica
Predatismo
Parasitismo
Amensalismo
Relações Ecológicas
3) Relações Intra-específicas Harmônicas
I) Colônia: São associações entre indivíduos da mesma espécie, unidos
fisicamente entre si, podendo ou não ocorrer divisão de trabalho.
Ex: Corais, , caravela
II) Sociedade: São associações entre indivíduos da mesma espécie, organizados
de modo cooperativo e não ligados anatomicamente.
Ex: sociedade dos insetos: abelhas, formigas, vespas.
Obs.: Na sociedade das abelhas as funções dos indivíduos são bem definidas,
havendo três castas sociais: rainha, zangão e operárias.
Relações Ecológicas
3) Relações Intra-específicas Harmônicas
I) Colônia - Caravela
Relações Ecológicas
3) Relações Intra-específicas Harmônicas
II) Sociedade: Abelhas
Relações Ecológicas
4) Relações Interespecíficas Harmônicas
I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária
à sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos.
Ex:
o Líquens: associação entre algas e fungos.
o Micorrizas: associação entre fungos e vegetais.
Relações Ecológicas
Fungos e vegetais
4) Relações Interespecíficas Harmônicas
I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária
à sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos.
Ex:
o Cupins e Protozoários.
o Boi e bactérias.
Relações Ecológicas
4) Relações Interespecíficas Harmônicas
II) Protocooperação: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes em
que ambos se beneficiam, mas a existência não é obrigatória.
Ex:
o Paguro e anêmonas do mar
o Boi e pássaro anu
o Pássaro palito e jacaré
o Insetos polinizadores e angiospermas
Relações Ecológicas
4) Relações Interespecíficas Harmônicas
III) Comensalismo: É a associação entre espécies diferentes, na qual uma
espécie é beneficiada sem causar prejuízo ou benefício a outra.
 Comensalismo típico: Relação em que uma espécie se alimenta de restos
alimentares de outra, sem prejudicá-la. Ex: Abutres, que aproveitam restos
das presas dos leões, tubarão e rêmora.
 Inquilinismo: Relação ecológica em que uma espécie inquilina vive sobre
ou no interior de uma espécie hospedeira, sem prejudicá-la. Nos vegetais
essa associação recebe o nome de epifitismo. Ex: Bromélias.
Relações Ecológicas
5) Relações Intra-específicas Desarmônicas
I) Competição Intra-específica: Ocorre entre indivíduos da mesma espécie, e é
motivada por disputas por território, alimento e companheiro sexual.
Obs.: A competição é um fator que regula o tamanho da população
II) Canibalismo: Relação na qual um organismo se alimenta de outro da mesma
espécie.
Ex: Louva-Deus; Aranha viúva negra.
Relações Ecológicas
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
6) Relações Interespecíficas Desarmônicas
I) Competição Interespecífica: Ocorre entre indivíduos de espécies diferentes.
Geralmente ocorre quando duas espécies apresentam sobreposição de nichos
ecológicos.
 A disputa pelo mesmo recurso ambiental é um importante fator no
controle do tamanho das populações.
 Quando uma competição é muito severa uma das espécies pode ser
eliminada (extinta) ou obrigada a emigrar.
 A introdução de espécies exóticas têm causado graves impactos ambientais
devido ao fato dessas espécies competirem pelos mesmos recurso que
espécies nativas.
Relações Ecológicas
6) Relações Interespecíficas Desarmônicas
I) Competição Interespecífica
Relações Ecológicas
Paramécios cultivados isolados
apresentam elevada densidade
populacional
Cultivados juntos a espécie de
Paramecium caudatum tem sua
população reduzida devido à intensa
competição com Paramecium aurelia.
6) Relações Interespecíficas Desarmônicas
II) Predatismo: Ocorre quando organismo predadores matam indivíduos da
população de presas para deles se alimentarem.
Ex: Leões e girafas.
Obs.: A relação presa-predador pode ser um fator regulador da densidade
populacional de ambos.
Presa
Predador
Nº de indivíduos
Tempo
Relações Ecológicas
6) Relações Interespecíficas Desarmônicas
II) Predatismo:
Relações Ecológicas
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
6) Relações Interespecíficas Desarmônicas
III) Parasitismo: Relação na qual uma das espécies, o parasita, obtêm nutrientes
e moradia no corpo de indivíduos vivos da espécie hospedeira.
Endoparasitismo: O parasita vive no interior do corpo do hospedeiro.
Ex: Protozoários flagelados e cupim.
Ectoparasitismo: Quando o parasita vive na superfície do hospedeiro.
Ex: Piolho e homem.
Holoparasita: Planta parasita que obtém seiva bruta e elaborada as custas da
planta hospedeira. Ex: Cipó-chumbo.
Hemiparasita: Planta parasita que obtém somente seiva bruta as custas da
planta hospedeira. Ex: Erva de passarinho.
Relações Ecológicas
 O parasitismo é fator regulador do tamanho de uma população.
 Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes para
sobreviverem.
6) Relações Interespecíficas Desarmônicas
III) Parasitismo
Erva-de-passarinho Cipó chumbo
Pernilongo
Relações Ecológicas
6) Relações Interespecíficas Desarmônicas
IV) Amensalismo: Também chamado de antibiose, uma espécie denominada
inibidora libera substâncias que impedem o crescimento e a reprodução de
outra denominada amensal.
Ex: Algas pirrófitas e animais marinhos (Maré vermelha).
Algas Pirrófitas
Relações Ecológicas
Resumo
Relações Ecológicas
(+) espécie beneficiada
(-) espécie prejudicada
7) Formas Especiais de Adaptação
a) Camuflagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o
ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma.
b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual uma espécie se beneficia por
assemelhar-se a outras
Relações Ecológicas
7) Formas Especiais de Adaptação
a) Camuflagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o
ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma.
Relações Ecológicas
7) Formas Especiais de Adaptação
Relações Ecológicas
7) Formas Especiais de Adaptação
b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual uma espécie se beneficia por
assemelhar-se a outras
Relações Ecológicas
7) Formas Especiais de Adaptação
b) Mimetismo
Relações Ecológicas
7) Formas Especiais de Adaptação
c) Aposematismo: Forma de adaptação na qual uma espécie exibe cores
chamativas para advertir seus possíveis predadores quanto a seu paladar
desagradável ou pelo veneno que possui.
Relações Ecológicas
5) Relações Ecológicas - Exercícios
1) A associação de bactérias que vivem na pança de mamíferos ruminantes, com esses
animais, é classificada como:
a) Comensalismo
b) Amensalismo
c) Inquilinismo
d) Parasitismo
e) Mutualismo
2) (UFMG) Para proteger os ovos das galinhas, o homem mata o gambá. A relação
ecológica que se estabelece entre o homem e o gambá, denomina-se:
a) Competição
b) Mutualismo
c) Parasitismo
d) Predação
e) Protocooperação
Resposta: Letra e
Resposta: Letra d
Relações Ecológicas
5) Relações Ecológicas - Exercícios
3) (FUVEST) Várias espécies de eucaliptos produzem certas substâncias que, dissolvidas
pelas águas da chuva e transportadas dessa maneira ao solo, dificultam o crescimento
de outros vegetais. Por essa razão, muitas florestas de eucaliptos no Brasil não
possuem plantas herbáceas ou gramíneas à sua sombra. O fato descrito ilustra um
exemplo de:
a) Competição intra-específica
b) Mutualismo
c) Comensalismo
d) Predatismo
e) Amensalismo
4) (PUC-MG) Não é relação harmônica interespecífica
a) Protocooperação
b) Inquilinismo
c) Mutualismo
d) Sociedade
e) Comensalismo
Resposta: Letra e
Resposta: Letra d
Relações Ecológicas
5) Relações Ecológicas - Exercícios
5) (UFMG) Podem organizar-se em sociedades
a) As aranhas
b) Os besouros
c) Os gafanhotos
d) As traças
e) As vespas
6) (PUC-MG) Não é relação harmônica intra-específica
a) Sociedade
b) Colônia
c) Canibalismo
d) Mutualismo
Resposta: Letra e
Resposta: Letra d
Relações Ecológicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
Rebeca Vale
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Conceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia AulaConceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia Aula
CPM
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
URCA
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
Fatima Comiotto
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
Gabriela de Lima
 
Interações ecológicas (1).pptx
Interações ecológicas (1).pptxInterações ecológicas (1).pptx
Interações ecológicas (1).pptx
karolaineferreira3
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Cleonice Lima
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
Rosalia Azambuja
 
Cadeias Alimentares
Cadeias AlimentaresCadeias Alimentares
Cadeias Alimentares
Raquel Figueiredo
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Marcos Santos
 
Hábitat e nicho
Hábitat e nichoHábitat e nicho
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
Ana Paula Garcia
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
GMarques99
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
Gabriela de Lima
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Nelson Costa
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
Killer Max
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Silvana Sanches
 
Cadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentarCadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentar
Estude Mais
 
Ecologia de Populações
Ecologia de PopulaçõesEcologia de Populações
Ecologia de Populações
Gabriela de Lima
 

Mais procurados (20)

V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Conceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia AulaConceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia Aula
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Interações ecológicas (1).pptx
Interações ecológicas (1).pptxInterações ecológicas (1).pptx
Interações ecológicas (1).pptx
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
 
Cadeias Alimentares
Cadeias AlimentaresCadeias Alimentares
Cadeias Alimentares
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemas
 
Hábitat e nicho
Hábitat e nichoHábitat e nicho
Hábitat e nicho
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
Cadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentarCadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentar
 
Ecologia de Populações
Ecologia de PopulaçõesEcologia de Populações
Ecologia de Populações
 

Semelhante a Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt

Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
Marcia Bantim
 
Biologia Relações Ecologicas
Biologia Relações EcologicasBiologia Relações Ecologicas
Biologia Relações Ecologicas
Eduardo Da Silva Sousa
 
13 - ecologia II
13 - ecologia II13 - ecologia II
13 - ecologia II
Marcus Magarinho
 
Relacoes Ecologicas 2.ppt
Relacoes Ecologicas 2.pptRelacoes Ecologicas 2.ppt
Relacoes Ecologicas 2.ppt
ANAMARIADEOLIVEIRARO2
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
PatriciaZanoli
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
URCA
 
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
FranciscoSallas1
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
helder raposo
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsxAula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
FranciscoSallas1
 
2 relações ecológicas
2   relações ecológicas2   relações ecológicas
2 relações ecológicas
Nataliana Cabral
 
Cap 6 um jeito de se virar no ambiente
Cap 6 um jeito de se virar no ambienteCap 6 um jeito de se virar no ambiente
Cap 6 um jeito de se virar no ambiente
Sarah Lemes
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
eebniltonkucker
 
Relações entre seres vivos de uma comunidade 1
Relações entre seres vivos de uma comunidade 1Relações entre seres vivos de uma comunidade 1
Relações entre seres vivos de uma comunidade 1
Beth_bio
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
crisbassanimedeiros
 
129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicas129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicas
Viviane Godoi
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
Raquel Alves
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
Lilia Nascimento
 

Semelhante a Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt (20)

Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
 
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Biologia Relações Ecologicas
Biologia Relações EcologicasBiologia Relações Ecologicas
Biologia Relações Ecologicas
 
13 - ecologia II
13 - ecologia II13 - ecologia II
13 - ecologia II
 
Relacoes Ecologicas 2.ppt
Relacoes Ecologicas 2.pptRelacoes Ecologicas 2.ppt
Relacoes Ecologicas 2.ppt
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
 
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsxAula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
 
2 relações ecológicas
2   relações ecológicas2   relações ecológicas
2 relações ecológicas
 
Cap 6 um jeito de se virar no ambiente
Cap 6 um jeito de se virar no ambienteCap 6 um jeito de se virar no ambiente
Cap 6 um jeito de se virar no ambiente
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Relações entre seres vivos de uma comunidade 1
Relações entre seres vivos de uma comunidade 1Relações entre seres vivos de uma comunidade 1
Relações entre seres vivos de uma comunidade 1
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
 
129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicas129876887788470 relacoes ecologicas
129876887788470 relacoes ecologicas
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 

Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt

  • 2. 1) Introdução A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações ecológicas, e costumam ser classificadas pelos biólogos em intra-específicas, interespecíficas, harmônicas e desarmônicas.  Relações intra-específicas: São as que se estabelecem entre indivíduos de uma mesma espécie.  Relações interespecíficas: São as que se estabelecem entre indivíduos de espécies diferentes.  Relações harmônicas: Pelo menos uma das espécies se beneficia e não há prejuízo para nenhuma das partes associadas.  Relações desarmônicas: Uma ou ambas as espécies são prejudicadas. Relações Ecológicas
  • 3. 2) Resumo Relações Harmônicas Intra-Específica Colônias Sociedades Interespecífica Mutualismo Protocooperação Comensalismo Relações Desarmônicas Intra-Específica Competição intra-específica Canibalismo Interespecífica Competição interespecífica Predatismo Parasitismo Amensalismo Relações Ecológicas
  • 4. 3) Relações Intra-específicas Harmônicas I) Colônia: São associações entre indivíduos da mesma espécie, unidos fisicamente entre si, podendo ou não ocorrer divisão de trabalho. Ex: Corais, , caravela II) Sociedade: São associações entre indivíduos da mesma espécie, organizados de modo cooperativo e não ligados anatomicamente. Ex: sociedade dos insetos: abelhas, formigas, vespas. Obs.: Na sociedade das abelhas as funções dos indivíduos são bem definidas, havendo três castas sociais: rainha, zangão e operárias. Relações Ecológicas
  • 5. 3) Relações Intra-específicas Harmônicas I) Colônia - Caravela Relações Ecológicas
  • 6. 3) Relações Intra-específicas Harmônicas II) Sociedade: Abelhas Relações Ecológicas
  • 7. 4) Relações Interespecíficas Harmônicas I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária à sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos. Ex: o Líquens: associação entre algas e fungos. o Micorrizas: associação entre fungos e vegetais. Relações Ecológicas Fungos e vegetais
  • 8. 4) Relações Interespecíficas Harmônicas I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária à sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos. Ex: o Cupins e Protozoários. o Boi e bactérias. Relações Ecológicas
  • 9. 4) Relações Interespecíficas Harmônicas II) Protocooperação: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que ambos se beneficiam, mas a existência não é obrigatória. Ex: o Paguro e anêmonas do mar o Boi e pássaro anu o Pássaro palito e jacaré o Insetos polinizadores e angiospermas Relações Ecológicas
  • 10. 4) Relações Interespecíficas Harmônicas III) Comensalismo: É a associação entre espécies diferentes, na qual uma espécie é beneficiada sem causar prejuízo ou benefício a outra.  Comensalismo típico: Relação em que uma espécie se alimenta de restos alimentares de outra, sem prejudicá-la. Ex: Abutres, que aproveitam restos das presas dos leões, tubarão e rêmora.  Inquilinismo: Relação ecológica em que uma espécie inquilina vive sobre ou no interior de uma espécie hospedeira, sem prejudicá-la. Nos vegetais essa associação recebe o nome de epifitismo. Ex: Bromélias. Relações Ecológicas
  • 11. 5) Relações Intra-específicas Desarmônicas I) Competição Intra-específica: Ocorre entre indivíduos da mesma espécie, e é motivada por disputas por território, alimento e companheiro sexual. Obs.: A competição é um fator que regula o tamanho da população II) Canibalismo: Relação na qual um organismo se alimenta de outro da mesma espécie. Ex: Louva-Deus; Aranha viúva negra. Relações Ecológicas
  • 13. 6) Relações Interespecíficas Desarmônicas I) Competição Interespecífica: Ocorre entre indivíduos de espécies diferentes. Geralmente ocorre quando duas espécies apresentam sobreposição de nichos ecológicos.  A disputa pelo mesmo recurso ambiental é um importante fator no controle do tamanho das populações.  Quando uma competição é muito severa uma das espécies pode ser eliminada (extinta) ou obrigada a emigrar.  A introdução de espécies exóticas têm causado graves impactos ambientais devido ao fato dessas espécies competirem pelos mesmos recurso que espécies nativas. Relações Ecológicas
  • 14. 6) Relações Interespecíficas Desarmônicas I) Competição Interespecífica Relações Ecológicas Paramécios cultivados isolados apresentam elevada densidade populacional Cultivados juntos a espécie de Paramecium caudatum tem sua população reduzida devido à intensa competição com Paramecium aurelia.
  • 15. 6) Relações Interespecíficas Desarmônicas II) Predatismo: Ocorre quando organismo predadores matam indivíduos da população de presas para deles se alimentarem. Ex: Leões e girafas. Obs.: A relação presa-predador pode ser um fator regulador da densidade populacional de ambos. Presa Predador Nº de indivíduos Tempo Relações Ecológicas
  • 16. 6) Relações Interespecíficas Desarmônicas II) Predatismo: Relações Ecológicas
  • 18. 6) Relações Interespecíficas Desarmônicas III) Parasitismo: Relação na qual uma das espécies, o parasita, obtêm nutrientes e moradia no corpo de indivíduos vivos da espécie hospedeira. Endoparasitismo: O parasita vive no interior do corpo do hospedeiro. Ex: Protozoários flagelados e cupim. Ectoparasitismo: Quando o parasita vive na superfície do hospedeiro. Ex: Piolho e homem. Holoparasita: Planta parasita que obtém seiva bruta e elaborada as custas da planta hospedeira. Ex: Cipó-chumbo. Hemiparasita: Planta parasita que obtém somente seiva bruta as custas da planta hospedeira. Ex: Erva de passarinho. Relações Ecológicas  O parasitismo é fator regulador do tamanho de uma população.  Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes para sobreviverem.
  • 19. 6) Relações Interespecíficas Desarmônicas III) Parasitismo Erva-de-passarinho Cipó chumbo Pernilongo Relações Ecológicas
  • 20. 6) Relações Interespecíficas Desarmônicas IV) Amensalismo: Também chamado de antibiose, uma espécie denominada inibidora libera substâncias que impedem o crescimento e a reprodução de outra denominada amensal. Ex: Algas pirrófitas e animais marinhos (Maré vermelha). Algas Pirrófitas Relações Ecológicas
  • 21. Resumo Relações Ecológicas (+) espécie beneficiada (-) espécie prejudicada
  • 22. 7) Formas Especiais de Adaptação a) Camuflagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma. b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual uma espécie se beneficia por assemelhar-se a outras Relações Ecológicas
  • 23. 7) Formas Especiais de Adaptação a) Camuflagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma. Relações Ecológicas
  • 24. 7) Formas Especiais de Adaptação Relações Ecológicas
  • 25. 7) Formas Especiais de Adaptação b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual uma espécie se beneficia por assemelhar-se a outras Relações Ecológicas
  • 26. 7) Formas Especiais de Adaptação b) Mimetismo Relações Ecológicas
  • 27. 7) Formas Especiais de Adaptação c) Aposematismo: Forma de adaptação na qual uma espécie exibe cores chamativas para advertir seus possíveis predadores quanto a seu paladar desagradável ou pelo veneno que possui. Relações Ecológicas
  • 28. 5) Relações Ecológicas - Exercícios 1) A associação de bactérias que vivem na pança de mamíferos ruminantes, com esses animais, é classificada como: a) Comensalismo b) Amensalismo c) Inquilinismo d) Parasitismo e) Mutualismo 2) (UFMG) Para proteger os ovos das galinhas, o homem mata o gambá. A relação ecológica que se estabelece entre o homem e o gambá, denomina-se: a) Competição b) Mutualismo c) Parasitismo d) Predação e) Protocooperação Resposta: Letra e Resposta: Letra d Relações Ecológicas
  • 29. 5) Relações Ecológicas - Exercícios 3) (FUVEST) Várias espécies de eucaliptos produzem certas substâncias que, dissolvidas pelas águas da chuva e transportadas dessa maneira ao solo, dificultam o crescimento de outros vegetais. Por essa razão, muitas florestas de eucaliptos no Brasil não possuem plantas herbáceas ou gramíneas à sua sombra. O fato descrito ilustra um exemplo de: a) Competição intra-específica b) Mutualismo c) Comensalismo d) Predatismo e) Amensalismo 4) (PUC-MG) Não é relação harmônica interespecífica a) Protocooperação b) Inquilinismo c) Mutualismo d) Sociedade e) Comensalismo Resposta: Letra e Resposta: Letra d Relações Ecológicas
  • 30. 5) Relações Ecológicas - Exercícios 5) (UFMG) Podem organizar-se em sociedades a) As aranhas b) Os besouros c) Os gafanhotos d) As traças e) As vespas 6) (PUC-MG) Não é relação harmônica intra-específica a) Sociedade b) Colônia c) Canibalismo d) Mutualismo Resposta: Letra e Resposta: Letra d Relações Ecológicas