SlideShare uma empresa Scribd logo
Efeito estufa e alterações
climáticas globais
Cap. 16 (Miller, 2007)
Mestrando Marcelo Gomes
contato: marcelobiosul@hotmail.com
1
2
Princípios de Ecologia - M.2013
Efeito estufa e alterações climáticas globais :
1) A mudança climática no passado e o Efeito estufa
natural (Principais gases)
2) Mudanças climáticas e atividades humanas
3) Possíveis efeitos de um mundo mais quente
4) Lidando com o aquecimento global
5) A redução da camada de ozônio
3
Princípios de Ecologia - M.2013
Alterações Climáticas:
Estudo de Caso:
A erupção cataclísmica do monte Pinatubo.
(Junho de 1991) -Filipinas .
Aerossóis
dióxido de enxofre e outro gases
Emitidos na atmosfera circularam o
Globo e reduziram a luz solar
Resfriou a atmosfera por 15 meses.
Modelos Climáticos globais
4
Princípios de Ecologia - M.2013
Alterações Climáticas Naturais:
Aerossóis podem atingir camadas muito altas.
Pinatubo Lançou 20 mil ton. de Ácido sulfúrico, houve
a diminuição de 0,6ºC da temperatura média global.
Alterações Climáticas Natural:
História da Terra,
Períodos de aquecimento e resfriamento globais
durante os 4,7 bilhões de anos:
Atividade vulcânica, movimento de continentes, choques com meteoritos.
5
Princípios de Ecologia - M.2013
6
Princípios de Ecologia - M.2013
Deriva Continental:
História da Terra: 600 milhões de anos.
Fonte: http://jan.ucc.nau.edu/~rcb7/mollglobe.html
7
Princípios de Ecologia - M.2013
Durante os últimos 900 mil anos, a
temperatura média da troposfera passou
por longos períodos de resfriamento e
aquecimento global.
PERÍODOS GLACIAIS E INTERGLACIAIS
8
Princípios de Ecologia - M.2013
Nos períodos glaciais o gelo cobriu grande parte da
superfície terrestre.
Nos últimos 12 mil anos vivemos em período
interglacial caracterizado por temperatura
estáveis
9
Princípios de Ecologia - M.2013
As mudanças de temperatura são estimadas por:
Análise de Radioisótopos e rochas, plâncton, e
sedimentos oceânicos.
Núcleo de gelo e geleiras antigas. diferentes
profundidades por meio de buracos
perfurados.
E medições de
temperatura
10
Princípios de Ecologia - M.2013
Núcleos de gelos
Extraídos de perfurações nas geleiras antigas em
vários locais da Antártica e Groelândia podem ser
analisados para obter informação sobre os climas no
passado.
11
Princípios de Ecologia - M.2013
Um testemunho de gelo, é uma amostra da acumulação
de neve e gelo durante diversos anos que recristalizou e
aprisionou bolhas de ar de vários períodos diferentes.
A composição destes testemunhos, especialmente a presença
de isótopos de hidrogênio e oxigênio, e também dos gases
dióxido de carbono e metano, permite investigar as
variações climáticas com o tempo.
12
Princípios de Ecologia - M.2013
"Durante 650.000 anos, o CO2 atmosférico nunca esteve
acima desta linha... até agora."
http://falardotempo.blogspot.com.br
13
Princípios de Ecologia - M.2013
O efeito estufa natural
Certos gases da atmosfera
absorvem calor e aquecem a
baixa atmosfera, aquecendo a
troposfera e a superfície
terrestre.
Teoria atmosférica aceita.
Químico Svante Arrhenius.
ABSORÇÃO EMISSÃO
Fonte: Adaptado de google
16
Princípios de Ecologia - M.2013
Principais Gases
Efeito Estufa (GEEs):
Vapor de água, dióxido de
Carbono (CO2), CH4 .
Os cientistas têm analisado as
concentrações de GEEs em
bolhas presas em várias
profundidades no gelo glacial
Mudanças nível, correlação,
temperatura média global.
17
Princípios de Ecologia - M.2013
18
Princípios de Ecologia - M.2013
Mudanças climáticas e atividades
humanas :
Desde 1961 as concentrações de gases efeito estufa –
CO2, CH4 e N2O – aumentam vertiginosamente.
Mudanças climáticas
Liberação GEEs.
Balanço entre emissão e absorção desses gases.
CO2
CH4
CFCs
N2O
20
Princípios de Ecologia - M.2013
Noções básicas sobre ciclo do Carbono
(I)
Fonte: Instituto Nacional de pesquisas Espaciais - Inpe
21
Princípios de Ecologia - M.2013
Noções básicas sobre ciclo do Carbono
(II)
Fonte: Instituto Nacional de pesquisas Espaciais - Inpe
22
Princípios de Ecologia - M.2013
Noções básicas sobre ciclo do Carbono
(III)
Fonte: Instituto Nacional de pesquisas Espaciais - Inpe
23
Princípios de Ecologia - M.2013
CO2:
1980- 280(ppm)
2000 - 380(ppm)
Prevê-se que os níveis de CO2
ultrapassem 500 ppm e provoquem o
aquecimento significativo do planeta .
24
Princípios de Ecologia - M.2013
Potencias emissoras de CO2
4,6% da população mundial – 25% das emissões
globais de CO2.
União Europeia 12%, China 11%, Rússia 7%.
Prevê-se que a china por volta de 2025 ultrapasse os
Estados unidos.
25
Princípios de Ecologia - M.2013
26
Princípios de Ecologia - M.2013
27
Princípios de Ecologia - M.2013
Intergovernamental
Painel de mudanças
Climáticas (IPCC)
Primeira: Séc XX, o mais quente nos
últimos mil anos.
Segunda: a média das temperaturas
se elevo 0,6oC a 0,8oC.
Terceira: Derretimento de geleiras.
Superfície escuras – reflexivas.
Quarta: Derretimento de
permafrost. (emissão de CO2 e CH4).
28
Princípios de Ecologia - M.2013
IPCC
Sexta: Aumento dos níveis do Oceanos ( 0,1 a 0,2m desde o
século passado).
29
Princípios de Ecologia - M.2013
Consenso Científico
A maioria dos meteorologistas concordam que as
atividades humanas influenciaram as recentes
transformações observadas no clima e levarão a a outras
mudanças climáticas significativas durante o século.
Modelos matemáticos:
(interações: Luz do sol, nuvens, correntes oceânicas,
Concentrações de gases na Terra). Super Computadores.
Possíveis mudanças futuras.
Muito provável (90 a 99%)
Provável (66 a 88%)
30
Princípios de Ecologia - M.2013
Economia e Ética. Por que nos
preocupar com uma terra mais
quente!
Pouco tempo para lidar com efeitos nocivos.
A preocupação não é só com a mudança mas a
velocidade que ela ocorre!
A maioria das mudanças no passado levaram
milhares de anos.
31
Princípios de Ecologia - M.2013
As mudanças poderá alterar:
Disponibilidade dos recursos hídricos.
Taxas de avoporação e transpiração.
32
Princípios de Ecologia - M.2013
As mudanças poderá alterar:
Alterar correntes marinhas.
33
Princípios de Ecologia - M.2013
As mudanças poderá alterar:
Inundar áreas costeiras, cidades baixas, biomas,
Áreas de cultivo...
Doenças tropicais transmitidas por água e por
insetos
34
Princípios de Ecologia - M.2013
Alguns fatores que afetam a
temperatura da terra:
1. Correntes oceânicas
2. Cobertura de Nuvens
3. Poluição do Ar exterior
4 Níveis mais altos de CO2 na
Fotossíntese
5 Troposfera mais quente e CH4
35
Princípios de Ecologia - M.2013
1 - Os oceanos podem armazenar mais
CO2?
Há incerteza sobre quanto CO2 e calor os oceanos
removem da troposfera.
Os oceanos removem 48% do CO2 atmosférico.
Absorvem calor – treanferência de calor, conexão de
correntes marítima. Circulação de água impulsionada por
ventos e diferença de densidade de água.
36
Princípios de Ecologia - M.2013
2. Efeito da Cobertura de Nuvens:
Temperaturas mais quentes criam mais nuvens que
poderiam aquecer e resfriar a troposfera, mas não
sabemos qual efeito será dominante.
Efeito de aquecimento – absorver e liberar calor.
Efeito de resfriamento – refletir a luz solar.
37
Princípios de Ecologia - M.2013
2. Efeito da Cobertura de Nuvens:
Imagens infravermelha de rastros de condensação deixado
por aviões.
Confirmação dos resultados – Mais da metade do
aquecimento no hemisfério Norte.
38
Princípios de Ecologia - M.2013
3. Efeito da Poluição do Ar:
Poluentes aerossóis e fuligem produzidos pelas atividades
podem aquecer ou resfriar a atmosfera.
Aerossóis = gotículas microscópicas de partículas sólidas
Segundo estudos, emissões de aerossóis na atmosfera
estão diminuindo especialmente nos países desenvolvidos
39
Princípios de Ecologia - M.2013
3. Efeito da Poluição do Ar:
40
Princípios de Ecologia - M.2013
3. Efeito da Poluição do Ar:
http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=2352
41
Princípios de Ecologia - M.2013
4. Efeito de Níveis Mais Altos de CO2 na
Fotossíntese:
Aumento do CO2 na troposfera poderia aumentar a
fotossíntese, mas vários fatores poderiam limitar esse
efeito.
42
Princípios de Ecologia - M.2013
4. Efeito de Níveis Mais Altos de CO2 na
Fotossíntese:
Alguns estudos sugerem aumento na taxa de fotossíntese,
com solo apropriado, isso ajudaria desacelerar o
aquecimento global.
Efeitos temporário:
1º - Assim que as plantas atingissem a maturidade
diminuiria taxa de absorção de CO2.
2ª - O carbono seria devolvido com a decomposição da
posterior da planta.
43
Princípios de Ecologia - M.2013
5. Efeito de um Troposfera mais quente
com emissões de Metano:
O Ar mais quente libera mais metano de Fontes Naturais.
Estudos de derretimento no Canadá, Alasca, China e
Mongólia.
44
Princípios de Ecologia - M.2013
Possíveis efeitos de um mundo mais
quente.
O aumento da temperatura global pode ter efeitos
benéficos e nocivos, mas as nações pobres nos
trópicos sofreria mais.
Efeitos benéficos Efeitos Indesejáveis
Invernos menos
rigorosos
Calor excessivo
Mais precipitação
(em áreas secas)
Falta de água
Menos precipitação
(em áreas úmidas)
Aumento de incêndio
florestais
Aumento na produção
de alimento
Redução produção de
alimentos
45
Princípios de Ecologia - M.2013
Possíveis efeitos de um mundo mais
quente.
O aumento das doenças e população de pragas que
floresceriam em climas quentes.
População de animais que não poderiam sofrer
redução.
Perdas populacionais e extinção prematura.
46
Princípios de Ecologia - M.2013
Possíveis efeitos de um mundo mais
quente.
Alterações e clima regional ameaçariam parques,
reserva de animais selvagens, áreas úmidas e recifes
de corais.
Perda de Biodiversidade.
47
Princípios de Ecologia - M.2013
Programa Nações Unidas para o Meio
Ambiente
Um relatório 2004, estimou que pelo menos 1 milhão
de espécies poderia enfrentar a extinção prematura
por volta de 2050.
48
Princípios de Ecologia - M.2013
De acordo com IPCC os ecossistemas com mais
probabilidade de serem prejudicados são:
ÁREAS COSTEIRAS ÚMIDAS
TUNDRA ÁRTICA
CUMES DE ALTAS MONTANHAS
49
Princípios de Ecologia - M.2013
De acordo com IPCC os ecossistemas com mais
probabilidade de serem prejudicados são:
RECIFES DE CORAIS
50
Princípios de Ecologia - M.2013
Aumento do Nível do Mar
De acordo com Relatório IPCC 2001 prevê-se um
aumento médio mundial do mar entre 9 e 88
centímetros.
Efeitos:
Ameaça à metade dos estuários
Distúrbio de áreas de pesca
Inundação de ilhas baixas (ilhas maldivas)
Inundação de planícies cultivadas
Contaminação de Aquíferos
Inundação de áreas costeiras, com densa população
humana
51
Princípios de Ecologia - M.2013
Aumento do Nível do Mar
Mais de 100 milhões de pessoas no mundo vivem a
91cm do nível do mar. Segundo estudo de Janos
Bogardi esse número deve ir para dois milhões de por
volta de 2050.
52
Princípios de Ecologia - M.2013
Aumento do Nível do Mar
Segundo dados
coletados em portos
ao longo da costa
brasileira, o nível do
mar está aumentando
no Brasil cerca de 40
cm por século,
ou 4 mm/ano.
(Maptolab) Instituto
Oceanográfico (IO) da
USP
http://www.usp.br/agen/?p=23869
53
Princípios de Ecologia - M.2013
Aumento do Nível do Mar
Comediante – Barco Casa “ A estratégia de Noé!.
54
Princípios de Ecologia - M.2013
O efeito Nocivo do Aquecimento
Global moderado, de acordo com o IPCC, recairá sobre
as pessoas e economias de nações tropicais e
subtropicais mais pobres. Sem recurso tecnológico
para se adaptar.
Segundo estudo realizado em 2003 por Poul Raiter a
mudança climática mata prematuramente 150 mil
pessoas.
55
Princípios de Ecologia - M.2013
Lidando com a ameaça do
aquecimento global.
Por que é tão difícil lidar com a questão climática?
Pois há muitas causas e algumas pouco conhecidas.
Efeitos desiguais de longo prazo e há controvérsias de
como deve ser tratado
56
Princípios de Ecologia - M.2013
Lidando com a ameaça do
aquecimento global.
O problema:
O grau de certeza científica é baixo
Requer cooperação Internacional
Problema a longo prazo – o Quanto
estamos dispostos a sacrificar o
agora mas que pode melhorar a
vida de nossos filhos, gerações
distantes, animais e plantas.
57
Princípios de Ecologia - M.2013
Lidando com a ameaça do
aquecimento global.
O problema:
A distribuição desses impactos não são distribuídas de
maneira uniformes.
Haverá ganhadores e perdedores
Ações que reduzem a ameaça climática podem
desordenar economias e estilo de vida.
59
Princípios de Ecologia - M.2013
A redução da Camada de Ozônio
O uso extensivo de vários produtos químicos de longa
vida reduziu os níveis de ozônio na estratosfera
60
Princípios de Ecologia - M.2013
Efeitos da redução da Camada de
Ozônio
Na saúde humana:
Alimentos:
Vida selvagem:
Poluição:
Aquecimento:
61
Princípios de Ecologia - M.2013
Qual são nossas opções:
Há três ecolas de pensamentos:
1ª) . A estratégia “esperar para ver” - melhor
compreensão do sistema climático - Decisões
políticas.
2ª) . Agir agora para reduzirmos os riscos da mudança
climática decorrentes do aquecimento global.
3ª) . Agir como parte de uma estratégia de não
arrependimento – Ações chaves-necessárias.
62
Princípios de Ecologia - M.2013
Reduzindo a ameaça:
Três estratégias:
Melhorar a eficiência energética para reduzir o uso de
combustíveis fósseis.
Trocar combustíveis fósseis a base de Carbono por
recursos energéticos renováveis sem carbono.
Isolar e armazenar carbono no solo, na vegetação,
subsolo e fundos oceânicos.
63
Princípios de Ecologia - M.2013
Removendo e Armazenando CO2:
Tècnicas:
Plantio de árvores.
Sequestro por plantas, rasteiras, gramíneas.
Cultivar sem aragem.
64
Princípios de Ecologia - M.2013
Estratégias de Governo:
Taxas sobre o Carbono por emissão de combustíveis
fósseis.
Nivelar as condições econômicas – subsídios a
tecnologias eficientes.
Transferências de tecnologias – eficiência energética
65
Princípios de Ecologia - M.2013
Protocolo de Kyoto:
1997 – 161 Nações - Encontra-se no Japão. Tratado
para desaceleração do aquecimento global.
39 países a redução de CO2,CH4,N2O.
Permitia a negociação de GEEs.
Estabelecer limites – multas.
Plantar árvores - créditos – bancos - vender para
empresas.
66
Princípios de Ecologia - M.2013
As energias Renováveis :
67
Princípios de Ecologia - M.2013
Alguns artigos:
O aquecimento global tem o potencial de causar altas
taxas de evaporação e intensificar o transporte de grandes
quantidades de vapor de água na atmosfera, provavelmente
acelerando o ciclo hidrológico global
(Zhang et al. 2010).
Uma das mais significativas consequências do aquecimento
global poderá ser um aumento na magnitude e frequência dos
extremos de precipitação através do acréscimo dos níveis de
umidade na atmosfera e/ou atividades convectivas de grande
escala (Shouraseni e Robert 2004).
Zhang, Q.; Xu, C.Y.; Zhang, Z.; Chen, X.; Han, Z. 2010.
Precipitation extremes in a karst region: a case study in the Guizhou province, southwest China. Theoretical
and Applied Climatology, 101: 53 – 65.
Shouraseni, S.R.; Robert, C.B.J.R. 2004. Trends in extreme daily precipitation indices in India. International
Journal of Climatology, 24: 457–466

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
Gabriela de Lima
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
Simone Peixoto
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
As rochas (Ciências 6º ano)
As rochas (Ciências 6º ano)As rochas (Ciências 6º ano)
As rochas (Ciências 6º ano)
Ewerton Marinho
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
laiszanatta
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
7 de Setembro
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
Roberto Bagatini
 
Poluiçao do ar
Poluiçao do arPoluiçao do ar
Poluiçao do ar
escolaodeteribaroli
 
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e PropriedadesIV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
Rebeca Vale
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Fatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticosFatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticos
Marcia Bantim
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Renata Oliveira
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Luiz Henrique Ferreira
 
Condições que permitem a existência de vida na terra
Condições que permitem a existência de vida na terraCondições que permitem a existência de vida na terra
Condições que permitem a existência de vida na terra
Ana Castro
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
Karol Maia
 
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Ronaldo Santana
 

Mais procurados (20)

Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
As rochas (Ciências 6º ano)
As rochas (Ciências 6º ano)As rochas (Ciências 6º ano)
As rochas (Ciências 6º ano)
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
 
Poluiçao do ar
Poluiçao do arPoluiçao do ar
Poluiçao do ar
 
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e PropriedadesIV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Fatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticosFatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticos
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento da água
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Condições que permitem a existência de vida na terra
Condições que permitem a existência de vida na terraCondições que permitem a existência de vida na terra
Condições que permitem a existência de vida na terra
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: introdução à biologia [1° Ano Ensino Médio]
 

Destaque

Slides efeito estufa
Slides efeito estufaSlides efeito estufa
Slides efeito estufa
gilvaniamsilva
 
O Aquecimento Global e o Efeito estufa
O Aquecimento Global e o Efeito estufaO Aquecimento Global e o Efeito estufa
O Aquecimento Global e o Efeito estufa
tiagofl
 
Mudanças Climáticas e Consumo Responsável
Mudanças Climáticas e Consumo ResponsávelMudanças Climáticas e Consumo Responsável
Mudanças Climáticas e Consumo Responsável
Thiago Peixoto
 
Biologia 3 introdução a ecologia
Biologia 3   introdução a ecologiaBiologia 3   introdução a ecologia
Biologia 3 introdução a ecologia
Filho João Evangelista
 
Slides ecologia
Slides ecologiaSlides ecologia
Slides ecologia
Juliana Vasconcelos
 
Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...
Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...
Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...
Myris Silva
 
Clase 3 ecología y medio ambiente
Clase 3 ecología y medio ambienteClase 3 ecología y medio ambiente
Clase 3 ecología y medio ambiente
MARÍA CUSTODIO VILLANUEVA
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
Colégio Batista de Mantena
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Magali Feldmann
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
Annalu Jannuzzi
 
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Roney Gusmão
 
Aula da 5ª série efeito estufa 2008
Aula da 5ª série efeito estufa 2008Aula da 5ª série efeito estufa 2008
Aula da 5ª série efeito estufa 2008
Lusiane Carvalho da Silva
 
Efeito De Estufa
Efeito De EstufaEfeito De Estufa
Efeito De Estufa
guest45de82
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Janainajessicanicole
 
O Efeito de Estufa
O Efeito de EstufaO Efeito de Estufa
O Efeito de Estufa
guest6226ea1
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
FRANCISCO COSTA
 
Preservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio AmbientePreservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio Ambiente
Pedro
 
Conceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia AulaConceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia Aula
CPM
 
Aquecimento Global
Aquecimento  GlobalAquecimento  Global
Aquecimento Global
Pdrs
 
Ecossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º anoEcossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º ano
Fernanda Reis Dias
 

Destaque (20)

Slides efeito estufa
Slides efeito estufaSlides efeito estufa
Slides efeito estufa
 
O Aquecimento Global e o Efeito estufa
O Aquecimento Global e o Efeito estufaO Aquecimento Global e o Efeito estufa
O Aquecimento Global e o Efeito estufa
 
Mudanças Climáticas e Consumo Responsável
Mudanças Climáticas e Consumo ResponsávelMudanças Climáticas e Consumo Responsável
Mudanças Climáticas e Consumo Responsável
 
Biologia 3 introdução a ecologia
Biologia 3   introdução a ecologiaBiologia 3   introdução a ecologia
Biologia 3 introdução a ecologia
 
Slides ecologia
Slides ecologiaSlides ecologia
Slides ecologia
 
Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...
Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...
Mudanças Climáticas Globais e Consequências para o Brasil - Dr. Carlos Nobre ...
 
Clase 3 ecología y medio ambiente
Clase 3 ecología y medio ambienteClase 3 ecología y medio ambiente
Clase 3 ecología y medio ambiente
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
 
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
 
Aula da 5ª série efeito estufa 2008
Aula da 5ª série efeito estufa 2008Aula da 5ª série efeito estufa 2008
Aula da 5ª série efeito estufa 2008
 
Efeito De Estufa
Efeito De EstufaEfeito De Estufa
Efeito De Estufa
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
O Efeito de Estufa
O Efeito de EstufaO Efeito de Estufa
O Efeito de Estufa
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Preservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio AmbientePreservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio Ambiente
 
Conceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia AulaConceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia Aula
 
Aquecimento Global
Aquecimento  GlobalAquecimento  Global
Aquecimento Global
 
Ecossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º anoEcossistemas 6º ano
Ecossistemas 6º ano
 

Semelhante a Aula 4 efeito estufa alterações climáticas globais

Créditos de carbono
Créditos de carbonoCréditos de carbono
Créditos de carbono
Cesar Abreu
 
Aquecimento Global - Keydian Teixeira
Aquecimento Global - Keydian TeixeiraAquecimento Global - Keydian Teixeira
Aquecimento Global - Keydian Teixeira
Keydian Vergasta Teixeira
 
Slides quimica bezerra
Slides quimica bezerraSlides quimica bezerra
Slides quimica bezerra
gestaoambientalUNESA
 
EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL
EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBALEFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL
EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL
gestaoambientalUNESA
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Gabriele Mello
 
Aquecimento global ines 9.4
Aquecimento global ines 9.4Aquecimento global ines 9.4
Aquecimento global ines 9.4
Mayjö .
 
Mudanças climáticas globais
Mudanças climáticas globaisMudanças climáticas globais
Mudanças climáticas globais
Ezequias Guimaraes
 
Ambientalismo empresarial
Ambientalismo empresarialAmbientalismo empresarial
Ambientalismo empresarial
Rafael Art
 
Todos Contra O Aquecimento Global
Todos Contra O Aquecimento GlobalTodos Contra O Aquecimento Global
Todos Contra O Aquecimento Global
eduardocorral
 
4 efeito estufa e aquecimento global
4   efeito estufa e aquecimento global4   efeito estufa e aquecimento global
4 efeito estufa e aquecimento global
elydef
 
Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013
Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013
Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013
Silvio Araujo de Sousa
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
demar
 
Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...
Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...
Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...
Marcelo Gomes
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
claudiapinto7a
 
Aquecimento global ana flávia e carolina
Aquecimento global ana flávia e carolinaAquecimento global ana flávia e carolina
Aquecimento global ana flávia e carolina
Cristiane Tavolaro
 
Aquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUE
Aquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUEAquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUE
Aquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUE
Mussagy Sidine Massango
 
C iclo c
C iclo cC iclo c
C iclo c
ADÃO Graciano
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
vaniamendes
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
paulo moura
 
Introdução a geoengenharia
Introdução a geoengenhariaIntrodução a geoengenharia
Introdução a geoengenharia
PET. EAA
 

Semelhante a Aula 4 efeito estufa alterações climáticas globais (20)

Créditos de carbono
Créditos de carbonoCréditos de carbono
Créditos de carbono
 
Aquecimento Global - Keydian Teixeira
Aquecimento Global - Keydian TeixeiraAquecimento Global - Keydian Teixeira
Aquecimento Global - Keydian Teixeira
 
Slides quimica bezerra
Slides quimica bezerraSlides quimica bezerra
Slides quimica bezerra
 
EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL
EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBALEFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL
EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Aquecimento global ines 9.4
Aquecimento global ines 9.4Aquecimento global ines 9.4
Aquecimento global ines 9.4
 
Mudanças climáticas globais
Mudanças climáticas globaisMudanças climáticas globais
Mudanças climáticas globais
 
Ambientalismo empresarial
Ambientalismo empresarialAmbientalismo empresarial
Ambientalismo empresarial
 
Todos Contra O Aquecimento Global
Todos Contra O Aquecimento GlobalTodos Contra O Aquecimento Global
Todos Contra O Aquecimento Global
 
4 efeito estufa e aquecimento global
4   efeito estufa e aquecimento global4   efeito estufa e aquecimento global
4 efeito estufa e aquecimento global
 
Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013
Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013
Aquecimento Global - Vestibular e Enem 2013
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
 
Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...
Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...
Projeto emissão de metano em banhado subtropical pgbac (final) cleber e marce...
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Aquecimento global ana flávia e carolina
Aquecimento global ana flávia e carolinaAquecimento global ana flávia e carolina
Aquecimento global ana flávia e carolina
 
Aquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUE
Aquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUEAquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUE
Aquecimento global UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOCAMBIQUE
 
C iclo c
C iclo cC iclo c
C iclo c
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
 
Introdução a geoengenharia
Introdução a geoengenhariaIntrodução a geoengenharia
Introdução a geoengenharia
 

Mais de Marcelo Gomes

Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Marcelo Gomes
 
Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior
Marcelo Gomes
 
Aula 3 poluição atmosférica
Aula 3   poluição atmosféricaAula 3   poluição atmosférica
Aula 3 poluição atmosférica
Marcelo Gomes
 
Aula 2 principais causas de perda de biodiversidade
Aula 2  principais causas de perda de biodiversidadeAula 2  principais causas de perda de biodiversidade
Aula 2 principais causas de perda de biodiversidade
Marcelo Gomes
 
Aula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambientalAula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambiental
Marcelo Gomes
 
Aproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia Humana
Aproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia HumanaAproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia Humana
Aproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia Humana
Marcelo Gomes
 
Pré vestibulares populares
Pré vestibulares popularesPré vestibulares populares
Pré vestibulares populares
Marcelo Gomes
 
Caderno de receitas do Guerreiro da Luz
Caderno de receitas do Guerreiro da LuzCaderno de receitas do Guerreiro da Luz
Caderno de receitas do Guerreiro da Luz
Marcelo Gomes
 
Futuyma evolução ciência e sociedade
Futuyma   evolução ciência e sociedadeFutuyma   evolução ciência e sociedade
Futuyma evolução ciência e sociedade
Marcelo Gomes
 
Areias do Albardão
Areias do AlbardãoAreias do Albardão
Areias do Albardão
Marcelo Gomes
 
Percepção Ambiental TAIM (marcelo)
Percepção Ambiental TAIM   (marcelo)Percepção Ambiental TAIM   (marcelo)
Percepção Ambiental TAIM (marcelo)
Marcelo Gomes
 
Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02
Marcelo Gomes
 
Fritjof capra a teia da vida (pdf)
Fritjof capra   a teia da vida (pdf)Fritjof capra   a teia da vida (pdf)
Fritjof capra a teia da vida (pdf)
Marcelo Gomes
 
Estudo 2 (phytoplankton)
Estudo 2 (phytoplankton)Estudo 2 (phytoplankton)
Estudo 2 (phytoplankton)
Marcelo Gomes
 
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
Marcelo Gomes
 
Reflexões do estágio 2011 marcelo
Reflexões do estágio 2011   marceloReflexões do estágio 2011   marcelo
Reflexões do estágio 2011 marcelo
Marcelo Gomes
 
Aula 1 fundamentos de genética
Aula 1   fundamentos de genética  Aula 1   fundamentos de genética
Aula 1 fundamentos de genética
Marcelo Gomes
 
Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011
Marcelo Gomes
 
Análise de livros didáticos de biologia
Análise de livros didáticos de biologia Análise de livros didáticos de biologia
Análise de livros didáticos de biologia
Marcelo Gomes
 
Escola Porto seguro pdf
Escola Porto seguro pdfEscola Porto seguro pdf
Escola Porto seguro pdf
Marcelo Gomes
 

Mais de Marcelo Gomes (20)

Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
 
Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior
 
Aula 3 poluição atmosférica
Aula 3   poluição atmosféricaAula 3   poluição atmosférica
Aula 3 poluição atmosférica
 
Aula 2 principais causas de perda de biodiversidade
Aula 2  principais causas de perda de biodiversidadeAula 2  principais causas de perda de biodiversidade
Aula 2 principais causas de perda de biodiversidade
 
Aula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambientalAula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambiental
 
Aproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia Humana
Aproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia HumanaAproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia Humana
Aproximações teóricas entre a prática do Surf e Ecologia Humana
 
Pré vestibulares populares
Pré vestibulares popularesPré vestibulares populares
Pré vestibulares populares
 
Caderno de receitas do Guerreiro da Luz
Caderno de receitas do Guerreiro da LuzCaderno de receitas do Guerreiro da Luz
Caderno de receitas do Guerreiro da Luz
 
Futuyma evolução ciência e sociedade
Futuyma   evolução ciência e sociedadeFutuyma   evolução ciência e sociedade
Futuyma evolução ciência e sociedade
 
Areias do Albardão
Areias do AlbardãoAreias do Albardão
Areias do Albardão
 
Percepção Ambiental TAIM (marcelo)
Percepção Ambiental TAIM   (marcelo)Percepção Ambiental TAIM   (marcelo)
Percepção Ambiental TAIM (marcelo)
 
Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02
 
Fritjof capra a teia da vida (pdf)
Fritjof capra   a teia da vida (pdf)Fritjof capra   a teia da vida (pdf)
Fritjof capra a teia da vida (pdf)
 
Estudo 2 (phytoplankton)
Estudo 2 (phytoplankton)Estudo 2 (phytoplankton)
Estudo 2 (phytoplankton)
 
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
 
Reflexões do estágio 2011 marcelo
Reflexões do estágio 2011   marceloReflexões do estágio 2011   marcelo
Reflexões do estágio 2011 marcelo
 
Aula 1 fundamentos de genética
Aula 1   fundamentos de genética  Aula 1   fundamentos de genética
Aula 1 fundamentos de genética
 
Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011
 
Análise de livros didáticos de biologia
Análise de livros didáticos de biologia Análise de livros didáticos de biologia
Análise de livros didáticos de biologia
 
Escola Porto seguro pdf
Escola Porto seguro pdfEscola Porto seguro pdf
Escola Porto seguro pdf
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 

Aula 4 efeito estufa alterações climáticas globais

  • 1. Efeito estufa e alterações climáticas globais Cap. 16 (Miller, 2007) Mestrando Marcelo Gomes contato: marcelobiosul@hotmail.com 1
  • 2. 2 Princípios de Ecologia - M.2013 Efeito estufa e alterações climáticas globais : 1) A mudança climática no passado e o Efeito estufa natural (Principais gases) 2) Mudanças climáticas e atividades humanas 3) Possíveis efeitos de um mundo mais quente 4) Lidando com o aquecimento global 5) A redução da camada de ozônio
  • 3. 3 Princípios de Ecologia - M.2013 Alterações Climáticas: Estudo de Caso: A erupção cataclísmica do monte Pinatubo. (Junho de 1991) -Filipinas . Aerossóis dióxido de enxofre e outro gases Emitidos na atmosfera circularam o Globo e reduziram a luz solar Resfriou a atmosfera por 15 meses. Modelos Climáticos globais
  • 4. 4 Princípios de Ecologia - M.2013 Alterações Climáticas Naturais: Aerossóis podem atingir camadas muito altas. Pinatubo Lançou 20 mil ton. de Ácido sulfúrico, houve a diminuição de 0,6ºC da temperatura média global.
  • 5. Alterações Climáticas Natural: História da Terra, Períodos de aquecimento e resfriamento globais durante os 4,7 bilhões de anos: Atividade vulcânica, movimento de continentes, choques com meteoritos. 5 Princípios de Ecologia - M.2013
  • 6. 6 Princípios de Ecologia - M.2013 Deriva Continental: História da Terra: 600 milhões de anos. Fonte: http://jan.ucc.nau.edu/~rcb7/mollglobe.html
  • 7. 7 Princípios de Ecologia - M.2013 Durante os últimos 900 mil anos, a temperatura média da troposfera passou por longos períodos de resfriamento e aquecimento global. PERÍODOS GLACIAIS E INTERGLACIAIS
  • 8. 8 Princípios de Ecologia - M.2013 Nos períodos glaciais o gelo cobriu grande parte da superfície terrestre. Nos últimos 12 mil anos vivemos em período interglacial caracterizado por temperatura estáveis
  • 9. 9 Princípios de Ecologia - M.2013 As mudanças de temperatura são estimadas por: Análise de Radioisótopos e rochas, plâncton, e sedimentos oceânicos. Núcleo de gelo e geleiras antigas. diferentes profundidades por meio de buracos perfurados. E medições de temperatura
  • 10. 10 Princípios de Ecologia - M.2013 Núcleos de gelos Extraídos de perfurações nas geleiras antigas em vários locais da Antártica e Groelândia podem ser analisados para obter informação sobre os climas no passado.
  • 11. 11 Princípios de Ecologia - M.2013 Um testemunho de gelo, é uma amostra da acumulação de neve e gelo durante diversos anos que recristalizou e aprisionou bolhas de ar de vários períodos diferentes. A composição destes testemunhos, especialmente a presença de isótopos de hidrogênio e oxigênio, e também dos gases dióxido de carbono e metano, permite investigar as variações climáticas com o tempo.
  • 12. 12 Princípios de Ecologia - M.2013 "Durante 650.000 anos, o CO2 atmosférico nunca esteve acima desta linha... até agora." http://falardotempo.blogspot.com.br
  • 13. 13 Princípios de Ecologia - M.2013 O efeito estufa natural Certos gases da atmosfera absorvem calor e aquecem a baixa atmosfera, aquecendo a troposfera e a superfície terrestre. Teoria atmosférica aceita. Químico Svante Arrhenius.
  • 14.
  • 16. 16 Princípios de Ecologia - M.2013 Principais Gases Efeito Estufa (GEEs): Vapor de água, dióxido de Carbono (CO2), CH4 . Os cientistas têm analisado as concentrações de GEEs em bolhas presas em várias profundidades no gelo glacial Mudanças nível, correlação, temperatura média global.
  • 18. 18 Princípios de Ecologia - M.2013 Mudanças climáticas e atividades humanas : Desde 1961 as concentrações de gases efeito estufa – CO2, CH4 e N2O – aumentam vertiginosamente.
  • 19. Mudanças climáticas Liberação GEEs. Balanço entre emissão e absorção desses gases. CO2 CH4 CFCs N2O
  • 20. 20 Princípios de Ecologia - M.2013 Noções básicas sobre ciclo do Carbono (I) Fonte: Instituto Nacional de pesquisas Espaciais - Inpe
  • 21. 21 Princípios de Ecologia - M.2013 Noções básicas sobre ciclo do Carbono (II) Fonte: Instituto Nacional de pesquisas Espaciais - Inpe
  • 22. 22 Princípios de Ecologia - M.2013 Noções básicas sobre ciclo do Carbono (III) Fonte: Instituto Nacional de pesquisas Espaciais - Inpe
  • 23. 23 Princípios de Ecologia - M.2013 CO2: 1980- 280(ppm) 2000 - 380(ppm) Prevê-se que os níveis de CO2 ultrapassem 500 ppm e provoquem o aquecimento significativo do planeta .
  • 24. 24 Princípios de Ecologia - M.2013 Potencias emissoras de CO2 4,6% da população mundial – 25% das emissões globais de CO2. União Europeia 12%, China 11%, Rússia 7%. Prevê-se que a china por volta de 2025 ultrapasse os Estados unidos.
  • 27. 27 Princípios de Ecologia - M.2013 Intergovernamental Painel de mudanças Climáticas (IPCC) Primeira: Séc XX, o mais quente nos últimos mil anos. Segunda: a média das temperaturas se elevo 0,6oC a 0,8oC. Terceira: Derretimento de geleiras. Superfície escuras – reflexivas. Quarta: Derretimento de permafrost. (emissão de CO2 e CH4).
  • 28. 28 Princípios de Ecologia - M.2013 IPCC Sexta: Aumento dos níveis do Oceanos ( 0,1 a 0,2m desde o século passado).
  • 29. 29 Princípios de Ecologia - M.2013 Consenso Científico A maioria dos meteorologistas concordam que as atividades humanas influenciaram as recentes transformações observadas no clima e levarão a a outras mudanças climáticas significativas durante o século. Modelos matemáticos: (interações: Luz do sol, nuvens, correntes oceânicas, Concentrações de gases na Terra). Super Computadores. Possíveis mudanças futuras. Muito provável (90 a 99%) Provável (66 a 88%)
  • 30. 30 Princípios de Ecologia - M.2013 Economia e Ética. Por que nos preocupar com uma terra mais quente! Pouco tempo para lidar com efeitos nocivos. A preocupação não é só com a mudança mas a velocidade que ela ocorre! A maioria das mudanças no passado levaram milhares de anos.
  • 31. 31 Princípios de Ecologia - M.2013 As mudanças poderá alterar: Disponibilidade dos recursos hídricos. Taxas de avoporação e transpiração.
  • 32. 32 Princípios de Ecologia - M.2013 As mudanças poderá alterar: Alterar correntes marinhas.
  • 33. 33 Princípios de Ecologia - M.2013 As mudanças poderá alterar: Inundar áreas costeiras, cidades baixas, biomas, Áreas de cultivo... Doenças tropicais transmitidas por água e por insetos
  • 34. 34 Princípios de Ecologia - M.2013 Alguns fatores que afetam a temperatura da terra: 1. Correntes oceânicas 2. Cobertura de Nuvens 3. Poluição do Ar exterior 4 Níveis mais altos de CO2 na Fotossíntese 5 Troposfera mais quente e CH4
  • 35. 35 Princípios de Ecologia - M.2013 1 - Os oceanos podem armazenar mais CO2? Há incerteza sobre quanto CO2 e calor os oceanos removem da troposfera. Os oceanos removem 48% do CO2 atmosférico. Absorvem calor – treanferência de calor, conexão de correntes marítima. Circulação de água impulsionada por ventos e diferença de densidade de água.
  • 36. 36 Princípios de Ecologia - M.2013 2. Efeito da Cobertura de Nuvens: Temperaturas mais quentes criam mais nuvens que poderiam aquecer e resfriar a troposfera, mas não sabemos qual efeito será dominante. Efeito de aquecimento – absorver e liberar calor. Efeito de resfriamento – refletir a luz solar.
  • 37. 37 Princípios de Ecologia - M.2013 2. Efeito da Cobertura de Nuvens: Imagens infravermelha de rastros de condensação deixado por aviões. Confirmação dos resultados – Mais da metade do aquecimento no hemisfério Norte.
  • 38. 38 Princípios de Ecologia - M.2013 3. Efeito da Poluição do Ar: Poluentes aerossóis e fuligem produzidos pelas atividades podem aquecer ou resfriar a atmosfera. Aerossóis = gotículas microscópicas de partículas sólidas Segundo estudos, emissões de aerossóis na atmosfera estão diminuindo especialmente nos países desenvolvidos
  • 39. 39 Princípios de Ecologia - M.2013 3. Efeito da Poluição do Ar:
  • 40. 40 Princípios de Ecologia - M.2013 3. Efeito da Poluição do Ar: http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=2352
  • 41. 41 Princípios de Ecologia - M.2013 4. Efeito de Níveis Mais Altos de CO2 na Fotossíntese: Aumento do CO2 na troposfera poderia aumentar a fotossíntese, mas vários fatores poderiam limitar esse efeito.
  • 42. 42 Princípios de Ecologia - M.2013 4. Efeito de Níveis Mais Altos de CO2 na Fotossíntese: Alguns estudos sugerem aumento na taxa de fotossíntese, com solo apropriado, isso ajudaria desacelerar o aquecimento global. Efeitos temporário: 1º - Assim que as plantas atingissem a maturidade diminuiria taxa de absorção de CO2. 2ª - O carbono seria devolvido com a decomposição da posterior da planta.
  • 43. 43 Princípios de Ecologia - M.2013 5. Efeito de um Troposfera mais quente com emissões de Metano: O Ar mais quente libera mais metano de Fontes Naturais. Estudos de derretimento no Canadá, Alasca, China e Mongólia.
  • 44. 44 Princípios de Ecologia - M.2013 Possíveis efeitos de um mundo mais quente. O aumento da temperatura global pode ter efeitos benéficos e nocivos, mas as nações pobres nos trópicos sofreria mais. Efeitos benéficos Efeitos Indesejáveis Invernos menos rigorosos Calor excessivo Mais precipitação (em áreas secas) Falta de água Menos precipitação (em áreas úmidas) Aumento de incêndio florestais Aumento na produção de alimento Redução produção de alimentos
  • 45. 45 Princípios de Ecologia - M.2013 Possíveis efeitos de um mundo mais quente. O aumento das doenças e população de pragas que floresceriam em climas quentes. População de animais que não poderiam sofrer redução. Perdas populacionais e extinção prematura.
  • 46. 46 Princípios de Ecologia - M.2013 Possíveis efeitos de um mundo mais quente. Alterações e clima regional ameaçariam parques, reserva de animais selvagens, áreas úmidas e recifes de corais. Perda de Biodiversidade.
  • 47. 47 Princípios de Ecologia - M.2013 Programa Nações Unidas para o Meio Ambiente Um relatório 2004, estimou que pelo menos 1 milhão de espécies poderia enfrentar a extinção prematura por volta de 2050.
  • 48. 48 Princípios de Ecologia - M.2013 De acordo com IPCC os ecossistemas com mais probabilidade de serem prejudicados são: ÁREAS COSTEIRAS ÚMIDAS TUNDRA ÁRTICA CUMES DE ALTAS MONTANHAS
  • 49. 49 Princípios de Ecologia - M.2013 De acordo com IPCC os ecossistemas com mais probabilidade de serem prejudicados são: RECIFES DE CORAIS
  • 50. 50 Princípios de Ecologia - M.2013 Aumento do Nível do Mar De acordo com Relatório IPCC 2001 prevê-se um aumento médio mundial do mar entre 9 e 88 centímetros. Efeitos: Ameaça à metade dos estuários Distúrbio de áreas de pesca Inundação de ilhas baixas (ilhas maldivas) Inundação de planícies cultivadas Contaminação de Aquíferos Inundação de áreas costeiras, com densa população humana
  • 51. 51 Princípios de Ecologia - M.2013 Aumento do Nível do Mar Mais de 100 milhões de pessoas no mundo vivem a 91cm do nível do mar. Segundo estudo de Janos Bogardi esse número deve ir para dois milhões de por volta de 2050.
  • 52. 52 Princípios de Ecologia - M.2013 Aumento do Nível do Mar Segundo dados coletados em portos ao longo da costa brasileira, o nível do mar está aumentando no Brasil cerca de 40 cm por século, ou 4 mm/ano. (Maptolab) Instituto Oceanográfico (IO) da USP http://www.usp.br/agen/?p=23869
  • 53. 53 Princípios de Ecologia - M.2013 Aumento do Nível do Mar Comediante – Barco Casa “ A estratégia de Noé!.
  • 54. 54 Princípios de Ecologia - M.2013 O efeito Nocivo do Aquecimento Global moderado, de acordo com o IPCC, recairá sobre as pessoas e economias de nações tropicais e subtropicais mais pobres. Sem recurso tecnológico para se adaptar. Segundo estudo realizado em 2003 por Poul Raiter a mudança climática mata prematuramente 150 mil pessoas.
  • 55. 55 Princípios de Ecologia - M.2013 Lidando com a ameaça do aquecimento global. Por que é tão difícil lidar com a questão climática? Pois há muitas causas e algumas pouco conhecidas. Efeitos desiguais de longo prazo e há controvérsias de como deve ser tratado
  • 56. 56 Princípios de Ecologia - M.2013 Lidando com a ameaça do aquecimento global. O problema: O grau de certeza científica é baixo Requer cooperação Internacional Problema a longo prazo – o Quanto estamos dispostos a sacrificar o agora mas que pode melhorar a vida de nossos filhos, gerações distantes, animais e plantas.
  • 57. 57 Princípios de Ecologia - M.2013 Lidando com a ameaça do aquecimento global. O problema: A distribuição desses impactos não são distribuídas de maneira uniformes. Haverá ganhadores e perdedores Ações que reduzem a ameaça climática podem desordenar economias e estilo de vida.
  • 58.
  • 59. 59 Princípios de Ecologia - M.2013 A redução da Camada de Ozônio O uso extensivo de vários produtos químicos de longa vida reduziu os níveis de ozônio na estratosfera
  • 60. 60 Princípios de Ecologia - M.2013 Efeitos da redução da Camada de Ozônio Na saúde humana: Alimentos: Vida selvagem: Poluição: Aquecimento:
  • 61. 61 Princípios de Ecologia - M.2013 Qual são nossas opções: Há três ecolas de pensamentos: 1ª) . A estratégia “esperar para ver” - melhor compreensão do sistema climático - Decisões políticas. 2ª) . Agir agora para reduzirmos os riscos da mudança climática decorrentes do aquecimento global. 3ª) . Agir como parte de uma estratégia de não arrependimento – Ações chaves-necessárias.
  • 62. 62 Princípios de Ecologia - M.2013 Reduzindo a ameaça: Três estratégias: Melhorar a eficiência energética para reduzir o uso de combustíveis fósseis. Trocar combustíveis fósseis a base de Carbono por recursos energéticos renováveis sem carbono. Isolar e armazenar carbono no solo, na vegetação, subsolo e fundos oceânicos.
  • 63. 63 Princípios de Ecologia - M.2013 Removendo e Armazenando CO2: Tècnicas: Plantio de árvores. Sequestro por plantas, rasteiras, gramíneas. Cultivar sem aragem.
  • 64. 64 Princípios de Ecologia - M.2013 Estratégias de Governo: Taxas sobre o Carbono por emissão de combustíveis fósseis. Nivelar as condições econômicas – subsídios a tecnologias eficientes. Transferências de tecnologias – eficiência energética
  • 65. 65 Princípios de Ecologia - M.2013 Protocolo de Kyoto: 1997 – 161 Nações - Encontra-se no Japão. Tratado para desaceleração do aquecimento global. 39 países a redução de CO2,CH4,N2O. Permitia a negociação de GEEs. Estabelecer limites – multas. Plantar árvores - créditos – bancos - vender para empresas.
  • 66. 66 Princípios de Ecologia - M.2013 As energias Renováveis :
  • 67. 67 Princípios de Ecologia - M.2013 Alguns artigos: O aquecimento global tem o potencial de causar altas taxas de evaporação e intensificar o transporte de grandes quantidades de vapor de água na atmosfera, provavelmente acelerando o ciclo hidrológico global (Zhang et al. 2010). Uma das mais significativas consequências do aquecimento global poderá ser um aumento na magnitude e frequência dos extremos de precipitação através do acréscimo dos níveis de umidade na atmosfera e/ou atividades convectivas de grande escala (Shouraseni e Robert 2004). Zhang, Q.; Xu, C.Y.; Zhang, Z.; Chen, X.; Han, Z. 2010. Precipitation extremes in a karst region: a case study in the Guizhou province, southwest China. Theoretical and Applied Climatology, 101: 53 – 65. Shouraseni, S.R.; Robert, C.B.J.R. 2004. Trends in extreme daily precipitation indices in India. International Journal of Climatology, 24: 457–466

Notas do Editor

  1. Diversidade Biológica ou Biodiuversidade Formada por 4 componentes: 1) Diversidade funcional 2) Diversidade genética 3) Diversidade ecológica 4) Diversidade de espécies
  2. Diversidade Biológica ou Biodiuversidade Formada por 4 componentes: 1) Diversidade funcional 2) Diversidade genética 3) Diversidade ecológica 4) Diversidade de espécies
  3. Diversidade Biológica ou Biodiuversidade Formada por 4 componentes: 1) Diversidade funcional 2) Diversidade genética 3) Diversidade ecológica 4) Diversidade de espécies
  4. Diversidade Biológica ou Biodiuversidade Formada por 4 componentes: 1) Diversidade funcional 2) Diversidade genética 3) Diversidade ecológica 4) Diversidade de espécies
  5. Diversidade Biológica ou Biodiuversidade Formada por 4 componentes: 1) Diversidade funcional 2) Diversidade genética 3) Diversidade ecológica 4) Diversidade de espécies
  6. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfe
  7. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  8. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  9. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  10. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  11. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  12. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  13. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  14. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  15. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  16. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  17. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  18. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  19. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  20. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  21. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  22. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  23. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  24. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  25. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  26. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  27. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  28. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  29. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  30. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  31. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  32. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  33. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  34. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  35. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  36. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  37. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  38. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  39. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  40. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  41. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  42. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  43. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  44. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  45. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  46. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  47. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  48. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  49. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  50. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  51. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  52. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  53. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  54. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  55. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  56. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  57. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  58. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  59. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfera é dividida em diversas camadas esféricas que (dif de temperatura) (radiação solar)
  60. Vivemos na atmosfera, na parte mais inferior: A atmosfe