SlideShare uma empresa Scribd logo
22/03/2015
1
Universidade da Região da Campanha
Centro de Ciências Rurais
Curso de Medicina Veterinária
Disciplina de Clínica de Pequenos Animais
Neonatologia – Pediatria e Geriatria
Profª Regina Pereira Reiniger
Bagé, 2015.
Dúvidas Frequentes em neonatologia!!!
Dúvidas Frequentes!!!
-Minha cadela tá no cio...como faço??
-Qual o período de gestação???
-A ninhada é grande e agora???
-A cadela não quer mais cuidar dos
filhotes...
-Tem filhotes que não estão
mamando?????
-?????
-Quando vermifugar?
-Quando vacinar?
NEONATOLOGIA
FASES DE DESENVOLVIMENTO
. FASE NEONATAL – 1 ª e 2ª semana de vida;
. FASE DE TRANSIÇÃO – 3ª semana de vida;
. FASE DE SOCIALIZAÇÃO – 4ª a 10ª;
. FASE JUVENIL - 10ª semana até puberdade;
. FASE DE ADOLESCÊNCIA - depois dos 6 meses de idade.
NEONATOLOGIA
Neonatos
. Apresentam funções hepáticas e renais imaturas – cuidado com
protocolos anestésicos e tratamentos.
. Número elevado de mortes nesse período.
. A mãe é responsável pelos neonatos.
. A temperatura indicada 29,4ºC – são pecilotérmicos.
NEONATOLOGIA
. ABERTURA DOS OLHOS – 15 DIAS DE VIDA
. ABERTURA DO MEATO ACÚSTICO – 10 A 14 DIAS DE VIDA
.REAÇÃO AO ESTÍMULO SONORO – 3ª A 4ª SEMANA DE VIDA.
. GANHO DE PESO
. EXAME CLÍNICO
. INGESTÃO DE ALIMENTOS SÓLIDOS – A PARTIR DO 28º DIA DE VIDA
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
22/03/2015
2
NEONATOLOGIA
. GANHO DE PESO – 5 a 10% de seu peso ao nascimento, em 10 a 12
dias devem apresentar o dobro do peso de nascimento.
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
Variação do peso ao nascimento:
-Yorkshire – 100-130g
- Cocker – 200-400g
-Boxer e Labrador– 300-400g
-Pastor Alemão – 400-500g
-Golden Retriver- 400-600g
NEONATOLOGIA
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
Características Neonatos Adultos
Temperatura Retal (ºC) 36-37 37,5-39,5
Frequência Cardíaca (bpm) 173-220 70-160
Frequência Respiratória (mrp) 15-35 10-40
NEONATOLOGIA
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
Reflexos:
. Sucção
. Termotropismo
.Anogenital
.Estimulação do focinho
.Aprumo Vestibular
.Dor
CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS
-1ªs Três semanas de vida – só amamentação
-Importância do colostro
-Observar se todos os neonatos mamam de forma regular.
-Casos – suplementação com leite arificial.
CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS
-Casos – suplementação com leite artificial.
-Receita do leite artificial (quantidade para 1 litro):
-800ml de leite integral
-200ml de creme de leite
-4 colheres de sopa de Calcigenol
-1 colher de sopa de Vitaminer líquido
-OBS: até os 15 dias de idade, adicionar 1 colher de sopa de óleo
de fígado de bacalhau.
-Da 3ª até a 4ª semanas de vida, engrossar o leite, utilizando 3
colheres de sopa de leite em pó para cada copo de leite de vaca,
Idade Horário nº de refeições
1 – 6 meses M - 1/2 dia - T - N 4
6-12 meses M – T - N 3
Acima de 12 m M – T 2
CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS
Alimentação sólida
22/03/2015
3
CAUSAS DE MORTALIDADE NEONATAL
- Síndrome do cachorro debilitado (definha)
- Síndrome do leite tóxico
-Síndrome do cachorro nadador
VACINAÇÃO
-Não se deve ter um protocolo vacinal para todos os
animais. Deve-se sempre levar em consideração a
idade e estilo de vida do cão ou do gato. A repetição
anual também deve ser avaliada, alguns protocolos
recomendam vacinação anual, outros a cada três anos.
-O objetivo de vacinar filhotes é proporcionar a
imunidade ativa o mais cedo possível. Os anticorpos
de origem materna começam a diminuir entre nove a
12 semanas de idade. Na maioria dos protocolos
vacinais deve-se iniciar a vacinação entre oito a nove
semanas de idade e repetir no período de três a quatro
semanas.
VACINAÇÃO
-Vacina contra:
-1 Cinomose,
-2 Parvovirose,
-3 Coronavirose,
-4 Hepatite Infecciosa,
-5 Leptospirose,
-6 Adenovírus
-7 Parainfluenza
VACINAÇÃO
V6  V8 (2 sorovar L.) V10 (4 sorovar L.)  V11 (5 s)
Na verdade proteção contra 7 doenças,
O que varia é o nº de sorovares de Leptospira
1ª dose – 45 dias de vida
2ª dose – 75 dias de vida
3ª dose – 105 dias de vida
OBS: intervalos de 21 a 30 dias
Após vacinação anual
-Raiva - 1ª dose –(4 ou) 6 meses de vida – reforço anual
VACINAÇÃO
-Giárdia - 1ª dose – 45 dias
- 2ª dose – 75 dias
-Reforço anual
-Traquiobronquite – “tosse dos canis”
intranasal – aplicação única
injetável – reforço em 30 dias
Reforço anual.
VACINAÇÃO EM FELINOS
- Iniciar aos 60 dias com a aplicação da 1ª dose da vacina
Tríplice Felina
(Herpesvirus, Calicivírus e Panleucopenia Felina)
Reforço 30 dias após a 1ª dose.
-Aos 4 meses, aplica‐se a vacinação anti‐rábica.
-Há um reforço anual para cada vacina.
-A imunidade gerada pelas doses de vacinas não é
duradoura, por isso há necessidade de revacinações anuais
22/03/2015
4
PARASITAS
-VERMíFUGOS
-Inicio 21 dias de vida- repetir após 15 dias.
-Se anemia e debilitação – tratar antes do vermífugo
-ECTOPARASITAS
-Utilizar se necessário após a 2ª semana de vida,
desde que apresentem peso superior a 1Kg.
GERIATRIA
-É o ramo da ciência que estuda e/ou trata dos
problemas relacionados ao avanço da idade.
-Envelhecimento – deterioração dos processos
fisiológicos corporais, que predispõem a doenças.
-Geralmente nunca apresentam uma doença única, mas
sim uma combinação de várias patologias.
GERIATRIA
- A partir de 8 anos de idade – cuidados do idoso;
-Começam a apresentar:
-Pelos grisalhos;
-Perda da visão e audição;
-Diminuição da performance em atividades físicas
-Podem apresentar fraqueza física, problemas de
pele, de obesidade, diabetes, problemas hormonais e
cardíacos.
GERIATRIA
- Principal efeito da senilidade
desidratação tecidual, com perda líquida e diminuição
da sensação de sede em virtude de menor número de
osmoreceptores do hipotálamo.
 perda do teor de colágeno, aumento da fragilidade
dos tecidos, perda da flexibilidade osteomuscular, perda
da tonicidade muscular, deterioração das células
nervosas, espessamento do cristalino, enrugamento da
pele e redução da capacidade de sobreviver ao
estresse.
GERIATRIA
EXPECTATIVA DE VIDA
- A idade limite difere inicialmente quanto ao porte,
podendo se estender aos 13 anos para Golden Retrivier
e 18 para Pinscher. Os cães de maior porte devido a
predisposição genética, tendem a sobreviver menos que
os pequenos.
GERIATRIA
EXPECTATIVA DE VIDA
-Considerar geriátricos:
Porte pequeno (< 9,0 Kg) – aos11,5 anos
Porte médio ( 9,1-23 Kg) – 10,2 anos
Porte grande (23,1-40 Kg) – 8,9 anos
Porte gigante (>40Kg) – 7,5 anos
22/03/2015
5
GERIATRIA
ALIMENTAÇÃO
-Objetivo – diminuir o ritmo e impedir a progressão de
mudanças metabólicas associadas com a idade e,
aumentar a longevidade como preservar a qualidade de
vida.
-Envelhecimento – mudança do metabolismo e
diminuição das necessidades calóricas, decréscimo
médio de 20%.
GERIATRIA
ALIMENTAÇÃO
-Devido ao decréscimo de atividades – não se
recomenda alimentá-los com o mesmo volume de
comida oferecida quando jovens devido a facilidade de
tornarem-se obesos.
-Recomenda-se oferecer ração específica para a idade 2
vezes ao dia.
-Evitar  petiscos e guloseimas humanas.
-Cuidar a dentição  comidas pastosas
-Água – 250ml/10Kg de peso ao dia
GERIATRIA
COMPORTAMENTO
-Letargia, sonolência, brinca menos, reclamação na hora
do passeio.
-Demonstram sinais de estresse na separação:
escavação, arranhaduras e mastigação de móveis.
-Depressão e urinam mais a noite.
-Choram, latem e uivam excessivamente quando estão
sozinhos.
-Drogas ansiolíticas se necessário.
GERIATRIA
DOENÇAS
-Exames de rotina a cada 6 meses;
-Aumenta a predisposição para doenças infecciosas e
neoplásicas.
-Problemas mais comuns: osteopatias, enfermidades
renais, hepatopatias, oculares e cardíacas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
ReginaReiniger
 
Deformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosDeformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinos
Pedro Augusto
 
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatosDoença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
Carolina Trochmann
 
Timpanismo
TimpanismoTimpanismo
Timpanismo
Camilla Lima
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
Marília Gomes
 
Estudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cãesEstudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cães
Leonora Mello
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
Raimundo Tostes
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Digestório13.03.15
Digestório13.03.15Digestório13.03.15
Digestório13.03.15
Jefferson Pastuszak
 
Melhoramento genetico (brazil)
Melhoramento genetico (brazil)Melhoramento genetico (brazil)
Melhoramento genetico (brazil)
razasbovinasdecolombia
 
Apostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet QualittasApostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet Qualittas
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
UFSC
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
iaavila
 
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
AgroTalento
 
Medicina veterinária
Medicina veterináriaMedicina veterinária
Medicina veterinária
Jose Neto
 
Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias
Cibele Carvalho
 
Aula Digestivo 6 2010 1
Aula Digestivo 6 2010 1Aula Digestivo 6 2010 1
Aula Digestivo 6 2010 1
UFPEL
 

Mais procurados (20)

Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
 
Deformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosDeformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinos
 
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatosDoença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
 
Timpanismo
TimpanismoTimpanismo
Timpanismo
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
 
Estudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cãesEstudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cães
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Digestório13.03.15
Digestório13.03.15Digestório13.03.15
Digestório13.03.15
 
Melhoramento genetico (brazil)
Melhoramento genetico (brazil)Melhoramento genetico (brazil)
Melhoramento genetico (brazil)
 
Apostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet QualittasApostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet Qualittas
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
 
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
 
Medicina veterinária
Medicina veterináriaMedicina veterinária
Medicina veterinária
 
Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias Ultrassonografia veterinária em emergencias
Ultrassonografia veterinária em emergencias
 
Aula Digestivo 6 2010 1
Aula Digestivo 6 2010 1Aula Digestivo 6 2010 1
Aula Digestivo 6 2010 1
 

Destaque

“NIVEL DE FRAGILIDAD Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL AD...
“NIVEL DE FRAGILIDAD  Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL  AD...“NIVEL DE FRAGILIDAD  Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL  AD...
“NIVEL DE FRAGILIDAD Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL AD...
Maria MOCARRO AGUILAR
 
Cardiopatias
CardiopatiasCardiopatias
Cardiopatias
ReginaReiniger
 
Cães geriátricos
Cães geriátricosCães geriátricos
Cães geriátricos
Hospital Veterinário do Porto
 
Cuidados de saúde em animais geriatricos
Cuidados de saúde em animais geriatricosCuidados de saúde em animais geriatricos
Cuidados de saúde em animais geriatricos
Hospital Veterinário do Porto
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Leonora Mello
 
Diapositivas sopegg fotos marzo 2014 final(1)
Diapositivas sopegg   fotos marzo 2014 final(1)Diapositivas sopegg   fotos marzo 2014 final(1)
Diapositivas sopegg fotos marzo 2014 final(1)
Maria MOCARRO AGUILAR
 
Manual de informacion para profesionales autocuidado de la salud para el ad...
Manual de informacion para profesionales   autocuidado de la salud para el ad...Manual de informacion para profesionales   autocuidado de la salud para el ad...
Manual de informacion para profesionales autocuidado de la salud para el ad...
SoniaDaisy SanchezPolo
 

Destaque (7)

“NIVEL DE FRAGILIDAD Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL AD...
“NIVEL DE FRAGILIDAD  Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL  AD...“NIVEL DE FRAGILIDAD  Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL  AD...
“NIVEL DE FRAGILIDAD Y CARACTERÍSTICAS MENTALES: EMOCIONAL Y MEMORIA DEL AD...
 
Cardiopatias
CardiopatiasCardiopatias
Cardiopatias
 
Cães geriátricos
Cães geriátricosCães geriátricos
Cães geriátricos
 
Cuidados de saúde em animais geriatricos
Cuidados de saúde em animais geriatricosCuidados de saúde em animais geriatricos
Cuidados de saúde em animais geriatricos
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Diapositivas sopegg fotos marzo 2014 final(1)
Diapositivas sopegg   fotos marzo 2014 final(1)Diapositivas sopegg   fotos marzo 2014 final(1)
Diapositivas sopegg fotos marzo 2014 final(1)
 
Manual de informacion para profesionales autocuidado de la salud para el ad...
Manual de informacion para profesionales   autocuidado de la salud para el ad...Manual de informacion para profesionales   autocuidado de la salud para el ad...
Manual de informacion para profesionales autocuidado de la salud para el ad...
 

Semelhante a Aula 2 neonatologia pediatria e geriatria

03 saúde da criança 2012
03  saúde da criança 201203  saúde da criança 2012
03 saúde da criança 2012
Cleverson Ribeiro
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Medicamentos usdados em pediatria
Medicamentos usdados em pediatriaMedicamentos usdados em pediatria
Medicamentos usdados em pediatria
Josimar Vieira Protasio
 
PUERICULTURA.pdf
PUERICULTURA.pdfPUERICULTURA.pdf
PUERICULTURA.pdf
Natália Fernandes
 
Protocolos NICU
Protocolos NICUProtocolos NICU
Protocolos NICU
Antonio Souto
 
Alimentação complementar do lactente, pré escolar e escolar
Alimentação complementar do lactente, pré escolar e escolarAlimentação complementar do lactente, pré escolar e escolar
Alimentação complementar do lactente, pré escolar e escolar
Rachel V.
 
Puericultura para o médico de família
Puericultura para o médico de famíliaPuericultura para o médico de família
Puericultura para o médico de família
MÔNICA AMÉLIA MEDEIROS DA LIMA
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
GrazieleMenzani
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
AgriPoint
 
A Roda Dos Alimentos
A Roda Dos AlimentosA Roda Dos Alimentos
A Roda Dos Alimentos
Helena Borralho
 
sistema digestivo
sistema digestivosistema digestivo
sistema digestivo
bonixe
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Cristian Carla de Campos
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Como preparar papa para filhotes
Como preparar papa para filhotesComo preparar papa para filhotes
Como preparar papa para filhotes
Alcon Pet
 
Apresentacao Introducao Alimentar.pdf
Apresentacao Introducao Alimentar.pdfApresentacao Introducao Alimentar.pdf
Apresentacao Introducao Alimentar.pdf
ricaFlorentino1
 
SaúDe Da Mulher
SaúDe Da MulherSaúDe Da Mulher
SaúDe Da Mulher
reanata1yan
 
SaúDe Da Mulher
SaúDe Da MulherSaúDe Da Mulher
SaúDe Da Mulher
guestb4c2093d
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
WerbertCosta1
 
Os cuidados com_o_filhote
Os cuidados com_o_filhoteOs cuidados com_o_filhote
Os cuidados com_o_filhote
Diego Garcia
 
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptxUFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
FranciscoAntunes41
 

Semelhante a Aula 2 neonatologia pediatria e geriatria (20)

03 saúde da criança 2012
03  saúde da criança 201203  saúde da criança 2012
03 saúde da criança 2012
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Medicamentos usdados em pediatria
Medicamentos usdados em pediatriaMedicamentos usdados em pediatria
Medicamentos usdados em pediatria
 
PUERICULTURA.pdf
PUERICULTURA.pdfPUERICULTURA.pdf
PUERICULTURA.pdf
 
Protocolos NICU
Protocolos NICUProtocolos NICU
Protocolos NICU
 
Alimentação complementar do lactente, pré escolar e escolar
Alimentação complementar do lactente, pré escolar e escolarAlimentação complementar do lactente, pré escolar e escolar
Alimentação complementar do lactente, pré escolar e escolar
 
Puericultura para o médico de família
Puericultura para o médico de famíliaPuericultura para o médico de família
Puericultura para o médico de família
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
 
A Roda Dos Alimentos
A Roda Dos AlimentosA Roda Dos Alimentos
A Roda Dos Alimentos
 
sistema digestivo
sistema digestivosistema digestivo
sistema digestivo
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Como preparar papa para filhotes
Como preparar papa para filhotesComo preparar papa para filhotes
Como preparar papa para filhotes
 
Apresentacao Introducao Alimentar.pdf
Apresentacao Introducao Alimentar.pdfApresentacao Introducao Alimentar.pdf
Apresentacao Introducao Alimentar.pdf
 
SaúDe Da Mulher
SaúDe Da MulherSaúDe Da Mulher
SaúDe Da Mulher
 
SaúDe Da Mulher
SaúDe Da MulherSaúDe Da Mulher
SaúDe Da Mulher
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
 
Os cuidados com_o_filhote
Os cuidados com_o_filhoteOs cuidados com_o_filhote
Os cuidados com_o_filhote
 
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptxUFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
 

Mais de ReginaReiniger

Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscularAula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
ReginaReiniger
 
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscularAula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
ReginaReiniger
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animais
ReginaReiniger
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
ReginaReiniger
 
Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2
ReginaReiniger
 
Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1
ReginaReiniger
 
Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2
ReginaReiniger
 
Aula 3 dermatologia i 2015
Aula 3 dermatologia i  2015Aula 3 dermatologia i  2015
Aula 3 dermatologia i 2015
ReginaReiniger
 
Poligrafo laboratorio 2014
Poligrafo laboratorio  2014Poligrafo laboratorio  2014
Poligrafo laboratorio 2014
ReginaReiniger
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
ReginaReiniger
 
Hematologia interpretação eritrograma
Hematologia   interpretação eritrogramaHematologia   interpretação eritrograma
Hematologia interpretação eritrograma
ReginaReiniger
 
Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015
ReginaReiniger
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
ReginaReiniger
 
Aula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínicoAula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínico
ReginaReiniger
 
Aula hemoterapia
Aula hemoterapiaAula hemoterapia
Aula hemoterapia
ReginaReiniger
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
ReginaReiniger
 
Sistema circulatório aula 1
Sistema circulatório   aula 1Sistema circulatório   aula 1
Sistema circulatório aula 1
ReginaReiniger
 
Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015
ReginaReiniger
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
ReginaReiniger
 
Aula 9 tecido nervoso
Aula  9  tecido nervosoAula  9  tecido nervoso
Aula 9 tecido nervoso
ReginaReiniger
 

Mais de ReginaReiniger (20)

Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscularAula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
 
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscularAula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
Aula 1 organizacao didatica da disciplina e tecido muscular
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animais
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
 
Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2Disturbio do sistema digestorio parte 2
Disturbio do sistema digestorio parte 2
 
Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1
 
Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2
 
Aula 3 dermatologia i 2015
Aula 3 dermatologia i  2015Aula 3 dermatologia i  2015
Aula 3 dermatologia i 2015
 
Poligrafo laboratorio 2014
Poligrafo laboratorio  2014Poligrafo laboratorio  2014
Poligrafo laboratorio 2014
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
 
Hematologia interpretação eritrograma
Hematologia   interpretação eritrogramaHematologia   interpretação eritrograma
Hematologia interpretação eritrograma
 
Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
 
Aula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínicoAula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínico
 
Aula hemoterapia
Aula hemoterapiaAula hemoterapia
Aula hemoterapia
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
 
Sistema circulatório aula 1
Sistema circulatório   aula 1Sistema circulatório   aula 1
Sistema circulatório aula 1
 
Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015Poligrafo histologia animal ii 2015
Poligrafo histologia animal ii 2015
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Aula 9 tecido nervoso
Aula  9  tecido nervosoAula  9  tecido nervoso
Aula 9 tecido nervoso
 

Aula 2 neonatologia pediatria e geriatria

  • 1. 22/03/2015 1 Universidade da Região da Campanha Centro de Ciências Rurais Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Clínica de Pequenos Animais Neonatologia – Pediatria e Geriatria Profª Regina Pereira Reiniger Bagé, 2015. Dúvidas Frequentes em neonatologia!!! Dúvidas Frequentes!!! -Minha cadela tá no cio...como faço?? -Qual o período de gestação??? -A ninhada é grande e agora??? -A cadela não quer mais cuidar dos filhotes... -Tem filhotes que não estão mamando????? -????? -Quando vermifugar? -Quando vacinar? NEONATOLOGIA FASES DE DESENVOLVIMENTO . FASE NEONATAL – 1 ª e 2ª semana de vida; . FASE DE TRANSIÇÃO – 3ª semana de vida; . FASE DE SOCIALIZAÇÃO – 4ª a 10ª; . FASE JUVENIL - 10ª semana até puberdade; . FASE DE ADOLESCÊNCIA - depois dos 6 meses de idade. NEONATOLOGIA Neonatos . Apresentam funções hepáticas e renais imaturas – cuidado com protocolos anestésicos e tratamentos. . Número elevado de mortes nesse período. . A mãe é responsável pelos neonatos. . A temperatura indicada 29,4ºC – são pecilotérmicos. NEONATOLOGIA . ABERTURA DOS OLHOS – 15 DIAS DE VIDA . ABERTURA DO MEATO ACÚSTICO – 10 A 14 DIAS DE VIDA .REAÇÃO AO ESTÍMULO SONORO – 3ª A 4ª SEMANA DE VIDA. . GANHO DE PESO . EXAME CLÍNICO . INGESTÃO DE ALIMENTOS SÓLIDOS – A PARTIR DO 28º DIA DE VIDA CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
  • 2. 22/03/2015 2 NEONATOLOGIA . GANHO DE PESO – 5 a 10% de seu peso ao nascimento, em 10 a 12 dias devem apresentar o dobro do peso de nascimento. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS Variação do peso ao nascimento: -Yorkshire – 100-130g - Cocker – 200-400g -Boxer e Labrador– 300-400g -Pastor Alemão – 400-500g -Golden Retriver- 400-600g NEONATOLOGIA CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS Características Neonatos Adultos Temperatura Retal (ºC) 36-37 37,5-39,5 Frequência Cardíaca (bpm) 173-220 70-160 Frequência Respiratória (mrp) 15-35 10-40 NEONATOLOGIA CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS Reflexos: . Sucção . Termotropismo .Anogenital .Estimulação do focinho .Aprumo Vestibular .Dor CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS -1ªs Três semanas de vida – só amamentação -Importância do colostro -Observar se todos os neonatos mamam de forma regular. -Casos – suplementação com leite arificial. CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS -Casos – suplementação com leite artificial. -Receita do leite artificial (quantidade para 1 litro): -800ml de leite integral -200ml de creme de leite -4 colheres de sopa de Calcigenol -1 colher de sopa de Vitaminer líquido -OBS: até os 15 dias de idade, adicionar 1 colher de sopa de óleo de fígado de bacalhau. -Da 3ª até a 4ª semanas de vida, engrossar o leite, utilizando 3 colheres de sopa de leite em pó para cada copo de leite de vaca, Idade Horário nº de refeições 1 – 6 meses M - 1/2 dia - T - N 4 6-12 meses M – T - N 3 Acima de 12 m M – T 2 CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS Alimentação sólida
  • 3. 22/03/2015 3 CAUSAS DE MORTALIDADE NEONATAL - Síndrome do cachorro debilitado (definha) - Síndrome do leite tóxico -Síndrome do cachorro nadador VACINAÇÃO -Não se deve ter um protocolo vacinal para todos os animais. Deve-se sempre levar em consideração a idade e estilo de vida do cão ou do gato. A repetição anual também deve ser avaliada, alguns protocolos recomendam vacinação anual, outros a cada três anos. -O objetivo de vacinar filhotes é proporcionar a imunidade ativa o mais cedo possível. Os anticorpos de origem materna começam a diminuir entre nove a 12 semanas de idade. Na maioria dos protocolos vacinais deve-se iniciar a vacinação entre oito a nove semanas de idade e repetir no período de três a quatro semanas. VACINAÇÃO -Vacina contra: -1 Cinomose, -2 Parvovirose, -3 Coronavirose, -4 Hepatite Infecciosa, -5 Leptospirose, -6 Adenovírus -7 Parainfluenza VACINAÇÃO V6  V8 (2 sorovar L.) V10 (4 sorovar L.)  V11 (5 s) Na verdade proteção contra 7 doenças, O que varia é o nº de sorovares de Leptospira 1ª dose – 45 dias de vida 2ª dose – 75 dias de vida 3ª dose – 105 dias de vida OBS: intervalos de 21 a 30 dias Após vacinação anual -Raiva - 1ª dose –(4 ou) 6 meses de vida – reforço anual VACINAÇÃO -Giárdia - 1ª dose – 45 dias - 2ª dose – 75 dias -Reforço anual -Traquiobronquite – “tosse dos canis” intranasal – aplicação única injetável – reforço em 30 dias Reforço anual. VACINAÇÃO EM FELINOS - Iniciar aos 60 dias com a aplicação da 1ª dose da vacina Tríplice Felina (Herpesvirus, Calicivírus e Panleucopenia Felina) Reforço 30 dias após a 1ª dose. -Aos 4 meses, aplica‐se a vacinação anti‐rábica. -Há um reforço anual para cada vacina. -A imunidade gerada pelas doses de vacinas não é duradoura, por isso há necessidade de revacinações anuais
  • 4. 22/03/2015 4 PARASITAS -VERMíFUGOS -Inicio 21 dias de vida- repetir após 15 dias. -Se anemia e debilitação – tratar antes do vermífugo -ECTOPARASITAS -Utilizar se necessário após a 2ª semana de vida, desde que apresentem peso superior a 1Kg. GERIATRIA -É o ramo da ciência que estuda e/ou trata dos problemas relacionados ao avanço da idade. -Envelhecimento – deterioração dos processos fisiológicos corporais, que predispõem a doenças. -Geralmente nunca apresentam uma doença única, mas sim uma combinação de várias patologias. GERIATRIA - A partir de 8 anos de idade – cuidados do idoso; -Começam a apresentar: -Pelos grisalhos; -Perda da visão e audição; -Diminuição da performance em atividades físicas -Podem apresentar fraqueza física, problemas de pele, de obesidade, diabetes, problemas hormonais e cardíacos. GERIATRIA - Principal efeito da senilidade desidratação tecidual, com perda líquida e diminuição da sensação de sede em virtude de menor número de osmoreceptores do hipotálamo.  perda do teor de colágeno, aumento da fragilidade dos tecidos, perda da flexibilidade osteomuscular, perda da tonicidade muscular, deterioração das células nervosas, espessamento do cristalino, enrugamento da pele e redução da capacidade de sobreviver ao estresse. GERIATRIA EXPECTATIVA DE VIDA - A idade limite difere inicialmente quanto ao porte, podendo se estender aos 13 anos para Golden Retrivier e 18 para Pinscher. Os cães de maior porte devido a predisposição genética, tendem a sobreviver menos que os pequenos. GERIATRIA EXPECTATIVA DE VIDA -Considerar geriátricos: Porte pequeno (< 9,0 Kg) – aos11,5 anos Porte médio ( 9,1-23 Kg) – 10,2 anos Porte grande (23,1-40 Kg) – 8,9 anos Porte gigante (>40Kg) – 7,5 anos
  • 5. 22/03/2015 5 GERIATRIA ALIMENTAÇÃO -Objetivo – diminuir o ritmo e impedir a progressão de mudanças metabólicas associadas com a idade e, aumentar a longevidade como preservar a qualidade de vida. -Envelhecimento – mudança do metabolismo e diminuição das necessidades calóricas, decréscimo médio de 20%. GERIATRIA ALIMENTAÇÃO -Devido ao decréscimo de atividades – não se recomenda alimentá-los com o mesmo volume de comida oferecida quando jovens devido a facilidade de tornarem-se obesos. -Recomenda-se oferecer ração específica para a idade 2 vezes ao dia. -Evitar  petiscos e guloseimas humanas. -Cuidar a dentição  comidas pastosas -Água – 250ml/10Kg de peso ao dia GERIATRIA COMPORTAMENTO -Letargia, sonolência, brinca menos, reclamação na hora do passeio. -Demonstram sinais de estresse na separação: escavação, arranhaduras e mastigação de móveis. -Depressão e urinam mais a noite. -Choram, latem e uivam excessivamente quando estão sozinhos. -Drogas ansiolíticas se necessário. GERIATRIA DOENÇAS -Exames de rotina a cada 6 meses; -Aumenta a predisposição para doenças infecciosas e neoplásicas. -Problemas mais comuns: osteopatias, enfermidades renais, hepatopatias, oculares e cardíacas.