SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
Produção Mecânica III 
1 
Profº Villardo 
Profº :Villardo 
E-Mail: prof.rvillardo@gmail.com
Produção Mecânica III 
2 
Profº Villardo 
ESTRUTURA DA MATÉRIA 
Toda matéria é constituída de moléculas e átomos, sendo que este é considerado como unidade fundamental do material metálico. 
Estrutura da Matéria
Produção Mecânica III 
3 
Profº Villardo 
LIGAÇÕES ATÔMICAS 
Nos fluidos os átomos 
localizam-se ao acaso, livremente. 
Nos sólidos eles são mantidos 
juntos por forças interatômicas e 
cada elemento é constituído 
somente de átomos do mesmo 
tamanho. Veja, a seguir, as 
principais ligações: 
Estrutura da Matéria
Produção Mecânica III 
4 
Profº Villardo 
Iônica ou Heteropolar: átomos dos elementos de valência facilmente liberam esses elétrons, tornando-se íons carregados positivamente; 
Estrutura da Matéria
Produção Mecânica III 
5 
Profº Villardo 
Covalente ou Homopolar: um átomo compartilha seus elétrons com outros átomos adjacentes; 
Estrutura da Matéria
Produção Mecânica III 
6 
Profº Villardo 
LIGAÇÕES ATÔMICAS (Cont.) 
Metálica: os elétrons são compartilhados por vários átomos. Assim admite-se que o átomo encontra-se constantemente no estado de perder, ganhar e dividir elétrons-valência com os átomos adjacentes. 
Nota: Nossos estudos serão centrados nesta ligação. 
Estrutura da Matéria
Produção Mecânica III 
7 
Profº Villardo 
Estrutura da Matéria 
Ligação Metálica: É a ligação química que ocorre nos METAIS e nas LIGAS METÁLICAS. Devido os metais apresentarem baixa energia de ionização e alta eletropositividade, possuem grande facilidade em perder elétrons da sua camada de valência, formando cátions. Na Ligação Metálica temos uma quantidade muito grande destes cátions envolvidos por uma quantidade enorme de elétrons livres. Dizemos que os cátions estão envolvidos por um "MAR DE ELÉTRONS".
Produção Mecânica III 
8 
Profº Villardo 
Estrutura da Matéria 
Água 
Resumo
Produção Mecânica III 
9 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
10 
Profº Villardo 
Como isso se aplica aos materiais que nós conhecemos???
Produção Mecânica III 
11 
Profº Villardo 
Muito simples... Tudo que vemos acontecer, começa onde não vemos
Produção Mecânica III 
12 
Profº Villardo 
NUCLEAÇÃO E CRESCIMENTO DE GRÃOS A estrutura cristalina dos metais presente no estado sólido deixa de existir no estado líquido. A solidificação dos metais se dá de duas maneiras, são elas: 
 Amórfica; 
 Cristalina.
Produção Mecânica III 
13 
Profº Villardo 
Líquido 
Tranzição (L + S) 
Sólido 
Resfriando 
Solidificação dos Metais
Produção Mecânica III 
14 
Profº Villardo 
NUCLEAÇÃO E CRESCIMENTO DE GRÃOS 
Quando um metal no estado líquido sofre resfriamento lento e contínuo, os átomos do mesmo, que neste estado não estão ordenados, começam, abaixo da temperatura de solidificação, a novamente se ordenarem a partir de núcleos. Com a diminuição da temperatura, os núcleos formados crescem surgindo também novos núcleos. 
As partículas sólidas originadas nos núcleos são denominadas grãos.
Produção Mecânica III 
15 
Profº Villardo 
NUCLEAÇÃO E CRESCIMENTO DE GRÃOS
Produção Mecânica III 
16 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
17 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
18 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
19 
Profº Villardo 
PRINCÍPIOS DE METALURGIA GERAL 
Os metais no estado sólido apresentam estrutura cristalina, formada a partir da reprodução de uma disposição típica de átomos (célula unitária). 
Na temperatura ambiente os átomos ocupam as suas posições determinadas pela célula unitária e se mantém vibrando em torno destas posições de equilíbrio. Com o aumento da temperatura as vibrações aumentam até que ocorre a quebra das ligações metálicas. 
São dois os arranjos atômicos de ordenação dos metais: 
Estrutura Cristalina
Produção Mecânica III 
20 
Profº Villardo 
Sistema cristalino cúbico de corpo centrado (CCC) 
O cubo tem oito átomos dispostos nos vértices e um no centro. 
Exemplos de Metais CCC: ferro à temperatura ambiente, o titânio a alta temperatura e o cromo em qualquer temperatura. 
Estrutura Cristalina
Produção Mecânica III 
21 
Profº Villardo 
Estrutura Cristalina 
CCC
Produção Mecânica III 
22 
Profº Villardo 
Sistema cristalino cúbico de face centrada (CFC) 
O cubo tem oito átomos dispostos nos vértices e seis átomos dispostos no centro das faces. 
Exemplo de metais CFC: níquel, alumínio e cobre. 
Estrutura Cristalina
Produção Mecânica III 
23 
Profº Villardo 
Porção da rede Cristalina 
Célula Unitária 
Representação Esquemática 
Estrutura Cristalina
Produção Mecânica III 
24 
Profº Villardo 
Estrutura Cristalina 
CFC
Produção Mecânica III 
25 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
26 
Profº Villardo 
ALOTROPIA 
É a propriedade que certos metais apresentam de possuírem reticulados cristalinos conforme a variação da temperatura. 
Alotropia do Ferro Puro 
É a mudança (rearranjo) na estrutura cristalina decorrente de aquecimento ou resfriamento.
Produção Mecânica III 
27 
Profº Villardo 
Alotropia 
Arranjo Atômico dos Carbono
Produção Mecânica III 
28 
Profº Villardo 
Alotropia 
ºC 
t(seg) 
~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~~~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ 
1535º 
1390º 
912º 
Ferro Fundido (Líquido) 
CCC δ 
CFC γ 
CCC α 
770°C Pto de Curie 
O Fe deixa de ser Magnético 
Resfriamento 
Aquecimento
Produção Mecânica III 
29 
Profº Villardo 
Difusão: é a caminhada dos átomos na rede cristalina. Pode ser por: 
 Inserção (fig. a); 
 Substituição (fig. b). 
Difusão
Produção Mecânica III 
30 
Profº Villardo 
Aumentando-se a temperatura de um metal ou liga metálica, no estado sólido, ocorrerá uma maior vibração dos átomos em torno da sua posição de equilíbrio. Cada átomo, ao vibrar, pode se deslocar de sua posição inicial trocando inclusive a posição com outro átomo. 
A movimentação atômica no estado sólido é um fenômeno denominado difusão, sendo esta tanto maior quanto maior a temperatura. 
Difusão
Produção Mecânica III 
31 
Profº Villardo 
Difusão
Produção Mecânica III 
32 
Profº Villardo 
Difusão 
1ª) Deve haver espaço livre adjacente; 
2ª) O átomo deve possuir energia suficiente para quebrar as ligações químicas e causar uma distorção no reticulado cristalino. 
Mas observe: Para ocorrer a movimentação atômica são necessárias 2 condições:
Produção Mecânica III 
33 
Profº Villardo 
Difusão 
460 
2155 – 2540 
CCC 
2600 
Molibdênio 
240 
808 – 884 
CCC 
1530 
Ferro- 
293 
900 – 1200 
CFC 
1452 
Níquel 
196 
700 – 990 
CFC 
1083 
Cobre 
165 
400 – 610 
CFC 
660 
Alumínio 
91,6 
240 – 418 
HC 
419 
Zinco 
Energia de Ativação (kJ/mol) 
T estudadas (oC) 
Estrutura 
cristalina 
T 
de fusão 
(oC) 
Metal
Produção Mecânica III 
34 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
35 
Profº Villardo 
Influência do Carbono 
A solubilidade do Carbono na rede cristalina do ferro cresce com a temperatura e sofre um aumento repentino na transformação   , porque os espaços interatômicas aumentam com a recristalização. 
Se a capacidade de dissolução da rede do ferro for ultrapassada formam-se os carbonetos (Fe3C) chamados de CEMENTITA. 
Efeitos dos Elementos de Liga
Produção Mecânica III 
36 
Profº Villardo 
A estrutura cristalina, rede, de um metal puro é, teoricamente, uniforme em todas as direções. À medida que existam impurezas num metal puro, a estrutura cristalina passa a formar uma solução sólida, que poderá ser: 
Substitucional: formada por átomos de natureza diferente porém com dimensões semelhantes aos átomos do metal puro. Estes vão deslocar os átomos de metal puro de seus lugares originais substituindo- os 
Intersticial: Formada por átomos de natureza e dimensões diferentes do metal puro. Por exemplo: átomos de carbono, oxigênio e hidrogênio ocupam posições intersticiais aos átomos da rede de ferro. 
Efeitos dos Elementos de Liga
Produção Mecânica III 
37 
Profº Villardo 
Efeitos dos Elementos de Liga
Produção Mecânica III 
38 
Profº Villardo 
Átomo de Carbono 
ocupando um 
interstício 
na estrutura ccc do 
Ferro 
Estrutura Cristalina
Produção Mecânica III 
39 
Profº Villardo 
As distorções geradas pela introdução de átomos de natureza diferente dificulta o deslocamento dos átomos tornando o metal mais resistente. 
Este mecanismo, explica o aumento de resistência dos aços pela adição de elementos de liga. 
Efeitos dos Elementos de Liga
Produção Mecânica III 
40 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
41 
Profº Villardo 
Austenita  Solução sólida de carbono no ferro , estável acima de 723º; não magnético. 
Ferrita  Ferro no estado , contendo, em solução, traços de carbono; excelente resistência ao choque e elevado alongamento. 
Constituintes dos Aços
Produção Mecânica III 
42 
Profº Villardo 
Cementita  Carboneto de ferro; dureza elevada nos aços de alto % de carbono. 
Perlita  É a mistura mecânica de 12% ferrita e 88% Cementita, em forma de laminas finas. 
Constituintes dos Aços
Produção Mecânica III 
Diagrama de Equilíbrio Fe-C (Fe-Fe3C) 
Aço 
0,77 
2,11 
4,3 
1535 
723° 
ºC 
%C 
9120 
Liquidus 
6,7 
Solidus 
Zona de Transição (ZT) 
Líq. + Sól. 
(ZT) 
Líq. + Sól. 
1130° 
Ferro Fundido 
(Fofo) 
Eutético 
A1 
1390° 
CCC 
Fase δ 
CFC 
Fase γ 
CCC 
Fase α 
Hipereutetóide 
Hipoeutetóide 
Eutetóide 
Perlita 
P + Fe3C 
F(α) + P 
Austenita (γ) 
Ferrita 
Hipereutético 
Hipoeutético
Produção Mecânica III 
44 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
45 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
46 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
47 
Profº Villardo
Produção Mecânica III 
48 
Profº Villardo 
Variações Rápidas da Temperatura 
Ao contrário do que ocorre nas variações lentas de temperatura, o carbono não tem tempo suficiente para a total difusão, é onde ocorre, para um aço eutetoide, a formação da martensita, em lugar da perlita. 
Altera completamente as linhas de transformações. 
Constituintes dos Aços
Produção Mecânica III 
49 
Profº Villardo 
1. LANCASTER, J.F., Metallurgy of Welding, George Allen & Unwin, Londres, 1987, pp.12, 20-52. 
2. CHRIESTENSEN, N. et al. "Distribution of temperature in arc welding", British WeldingJournal, 12, 1965, pp. 54-74. 
3. STOUT R.D., DOTY, W.D’O. Weldability of Steels. Welding Research Council, NovaIorque, 1978, 399p. 
4. UDIN, H. et al., Welding for Engineers, John Wiley & Sons, Nova York, 1954, pp. 112-135. 
5. WELLS, A.A. "Heat flow in welding", Welding Jounal, Maio 1952, pp. 263s-267s. 
6. ADAMS JR, C.M. "Cooling rates and peak temperatures in fusion welding", Welding Journal, Maio 1958, pp. 210s-215s. 
7. GRONG, O. Metallurgical Modelling of Welding, The Institute of Materials, Londres,1997, cap. 1. 
8. LONDOÑO, A.J.R. Precipitação de fases intermetálicas e de austenita secundária na ZACde soldagens multipasse de aços inoxidáveis duplex, Tese de Doutorado, Poli-USP, Outubro de 2001, 241p. 
9. KOU, S., LEE, Y. "Three-dimensional heat flow and solidification during autogenous GTAwelding of aluminum plates, Metall. Trans. A, 16A, 1983, pp. 2245-2253. 
10. BLODGETT, O.W. "Calculating cooling rates by computer programming", WeldingJournal, 63, 3, 1984, pp. 19-34. 
11. SHARIR, Y. et al. "Computation of temperatures in thin thantalum sheet welding", Metall. Trans. B, 11B, 1980, pp. 258-265. Metalurgia da Soldagem -3.29 
12. PERDIGÃO, S.C. "Ciclos térmicos de soldagem", Metalurgia ABM, 38, 295, 1982, pp. 349-353. 
13. PHILLIPS, R.H. "In-situ determination of transformation in the weld heat affected zone",Welding Journal, 62, 1, 1983, pp. 12s-18s. 
14. AMERICAN WELDING SOCIETY, Welding Handbook, vol. 1, 8ª Ed., AWS, Miami,1987, pp. 66- 87. 
15. IRSID, Soudalité des Aciers an C-Mn et Microallies, Relatório final, jun. 1976, pp. 9-10. 16. OKUMURA, T., TANIGUCHI, C., Engenharia de Soldagem e Aplicações, LTC, Rio deJaneiro, 1982, pp. 67-70. 
17. SAKIRO, Y., HORIKAWA, K., KAMURA, H. “Welding Heat Input Limit of RolledSteels for Building Structures based on Simulated HAZ Tests” Transactions of theJWRI 30(1), 2001, p. 127- 134. 
18. BHADESHIA, H.K.D.H., “Reliability of weld microstructure and properties calculations”, Welding Journal, Setembro de 2004, p. 237s-243s. 
Referências Bibliográficas
Produção Mecânica III 
50 
Profº Villardo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (19)

Metalografia
MetalografiaMetalografia
Metalografia
 
Metais e Não-Metais
Metais e Não-MetaisMetais e Não-Metais
Metais e Não-Metais
 
Condução solubilidade
Condução solubilidadeCondução solubilidade
Condução solubilidade
 
Os metais e as suas propriedades
Os metais e as suas propriedadesOs metais e as suas propriedades
Os metais e as suas propriedades
 
Ligas metálicas odontológicas
Ligas metálicas odontológicasLigas metálicas odontológicas
Ligas metálicas odontológicas
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
 
48127
4812748127
48127
 
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
 
Cc 5 ligas_metalicas
Cc 5 ligas_metalicasCc 5 ligas_metalicas
Cc 5 ligas_metalicas
 
Ligação metálica
Ligação metálicaLigação metálica
Ligação metálica
 
Aula lig metalica_2014
Aula lig metalica_2014Aula lig metalica_2014
Aula lig metalica_2014
 
Apresentação final
Apresentação finalApresentação final
Apresentação final
 
Características do aço e ferro fundido
Características do aço e ferro fundidoCaracterísticas do aço e ferro fundido
Características do aço e ferro fundido
 
Aplicações da eletrolise
Aplicações  da eletroliseAplicações  da eletrolise
Aplicações da eletrolise
 
143971273 apostila-materiais
143971273 apostila-materiais143971273 apostila-materiais
143971273 apostila-materiais
 
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicasAula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
Aula sobre ligaã§ãµes iã´nicas
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
 
Eletrólise aplicações
Eletrólise    aplicaçõesEletrólise    aplicações
Eletrólise aplicações
 
Eletrólise_ Aplicações
Eletrólise_ AplicaçõesEletrólise_ Aplicações
Eletrólise_ Aplicações
 

Semelhante a Aula 2 estrutura cristalina

Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalinaRoberto Villardo
 
1a corrosão extraçao ions cloreto
1a   corrosão extraçao ions cloreto1a   corrosão extraçao ions cloreto
1a corrosão extraçao ions cloretoJho05
 
Trb0807 cobem 2001_villar
Trb0807 cobem 2001_villarTrb0807 cobem 2001_villar
Trb0807 cobem 2001_villarKarina Mello
 
AULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA
AULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICAAULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA
AULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICAJairGaldino4
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13restinho
 
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicDesenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicJho05
 
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8   eletrólitos e não eletrólitosLista 8   eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitosColegio CMC
 
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
Aula05   diagrama de fases ferro carbonoAula05   diagrama de fases ferro carbono
Aula05 diagrama de fases ferro carbonofdsm
 
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdfAula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdfHelosaVictorino
 
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção eAços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção eAdelmo SEAV Ribeiro Moreira
 
Mat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópiaMat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópiaElias Aniceto
 

Semelhante a Aula 2 estrutura cristalina (20)

Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
1a corrosão extraçao ions cloreto
1a   corrosão extraçao ions cloreto1a   corrosão extraçao ions cloreto
1a corrosão extraçao ions cloreto
 
Trb0807 cobem 2001_villar
Trb0807 cobem 2001_villarTrb0807 cobem 2001_villar
Trb0807 cobem 2001_villar
 
Aula_2_ICM_Lig_Qui.pdf
Aula_2_ICM_Lig_Qui.pdfAula_2_ICM_Lig_Qui.pdf
Aula_2_ICM_Lig_Qui.pdf
 
Solidificação
SolidificaçãoSolidificação
Solidificação
 
Ligaã§ãµes metã¡licas
Ligaã§ãµes metã¡licasLigaã§ãµes metã¡licas
Ligaã§ãµes metã¡licas
 
Ligaã§ãµes metã¡licas
Ligaã§ãµes metã¡licasLigaã§ãµes metã¡licas
Ligaã§ãµes metã¡licas
 
AULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA
AULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICAAULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA
AULA DE AÇO E FERRO FUNDIDO VOLTADO PARA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA
 
Ferros Fundidos
Ferros FundidosFerros Fundidos
Ferros Fundidos
 
Ligação metálica
Ligação metálicaLigação metálica
Ligação metálica
 
Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13Ferro acoconceitos13
Ferro acoconceitos13
 
Ferro acoconceitos
Ferro acoconceitosFerro acoconceitos
Ferro acoconceitos
 
Estampagem.
Estampagem.Estampagem.
Estampagem.
 
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalicDesenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
Desenh estrut apostila03(texto)estrmetalic
 
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8   eletrólitos e não eletrólitosLista 8   eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitos
 
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
Aula05   diagrama de fases ferro carbonoAula05   diagrama de fases ferro carbono
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
 
Aula 2 propriedades mecanicas
Aula 2  propriedades mecanicasAula 2  propriedades mecanicas
Aula 2 propriedades mecanicas
 
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdfAula 8- Ferros Fundidos.pdf
Aula 8- Ferros Fundidos.pdf
 
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção eAços inoxidáveis duplex e super duplex   obtenção e
Aços inoxidáveis duplex e super duplex obtenção e
 
Mat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópiaMat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópia
 

Mais de Roberto Villardo

Mais de Roberto Villardo (14)

Aula 1 conjuntos
Aula 1   conjuntosAula 1   conjuntos
Aula 1 conjuntos
 
Aula 6 - trat térmico
Aula 6 - trat térmicoAula 6 - trat térmico
Aula 6 - trat térmico
 
Aula 3 diagr das fases
Aula 3   diagr das fasesAula 3   diagr das fases
Aula 3 diagr das fases
 
Aula 4 ferro
Aula 4   ferroAula 4   ferro
Aula 4 ferro
 
Aula de desenho 3 escalas
Aula de desenho 3   escalasAula de desenho 3   escalas
Aula de desenho 3 escalas
 
Aula de desenho 2 vistas
Aula de desenho 2   vistasAula de desenho 2   vistas
Aula de desenho 2 vistas
 
Solda aula 3- processos
Solda   aula 3- processosSolda   aula 3- processos
Solda aula 3- processos
 
Solda aula 1 - term e simb
Solda   aula 1 - term e simbSolda   aula 1 - term e simb
Solda aula 1 - term e simb
 
Solda aula 2 - simbologia
Solda   aula 2 - simbologiaSolda   aula 2 - simbologia
Solda aula 2 - simbologia
 
Solda aula 1 - term e simb
Solda   aula 1 - term e simbSolda   aula 1 - term e simb
Solda aula 1 - term e simb
 
Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicasMetalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
 
Minha aula metalografia
Minha aula   metalografiaMinha aula   metalografia
Minha aula metalografia
 
Aula de desenho 1
Aula de desenho 1Aula de desenho 1
Aula de desenho 1
 

Último

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 

Aula 2 estrutura cristalina

  • 1. Produção Mecânica III 1 Profº Villardo Profº :Villardo E-Mail: prof.rvillardo@gmail.com
  • 2. Produção Mecânica III 2 Profº Villardo ESTRUTURA DA MATÉRIA Toda matéria é constituída de moléculas e átomos, sendo que este é considerado como unidade fundamental do material metálico. Estrutura da Matéria
  • 3. Produção Mecânica III 3 Profº Villardo LIGAÇÕES ATÔMICAS Nos fluidos os átomos localizam-se ao acaso, livremente. Nos sólidos eles são mantidos juntos por forças interatômicas e cada elemento é constituído somente de átomos do mesmo tamanho. Veja, a seguir, as principais ligações: Estrutura da Matéria
  • 4. Produção Mecânica III 4 Profº Villardo Iônica ou Heteropolar: átomos dos elementos de valência facilmente liberam esses elétrons, tornando-se íons carregados positivamente; Estrutura da Matéria
  • 5. Produção Mecânica III 5 Profº Villardo Covalente ou Homopolar: um átomo compartilha seus elétrons com outros átomos adjacentes; Estrutura da Matéria
  • 6. Produção Mecânica III 6 Profº Villardo LIGAÇÕES ATÔMICAS (Cont.) Metálica: os elétrons são compartilhados por vários átomos. Assim admite-se que o átomo encontra-se constantemente no estado de perder, ganhar e dividir elétrons-valência com os átomos adjacentes. Nota: Nossos estudos serão centrados nesta ligação. Estrutura da Matéria
  • 7. Produção Mecânica III 7 Profº Villardo Estrutura da Matéria Ligação Metálica: É a ligação química que ocorre nos METAIS e nas LIGAS METÁLICAS. Devido os metais apresentarem baixa energia de ionização e alta eletropositividade, possuem grande facilidade em perder elétrons da sua camada de valência, formando cátions. Na Ligação Metálica temos uma quantidade muito grande destes cátions envolvidos por uma quantidade enorme de elétrons livres. Dizemos que os cátions estão envolvidos por um "MAR DE ELÉTRONS".
  • 8. Produção Mecânica III 8 Profº Villardo Estrutura da Matéria Água Resumo
  • 9. Produção Mecânica III 9 Profº Villardo
  • 10. Produção Mecânica III 10 Profº Villardo Como isso se aplica aos materiais que nós conhecemos???
  • 11. Produção Mecânica III 11 Profº Villardo Muito simples... Tudo que vemos acontecer, começa onde não vemos
  • 12. Produção Mecânica III 12 Profº Villardo NUCLEAÇÃO E CRESCIMENTO DE GRÃOS A estrutura cristalina dos metais presente no estado sólido deixa de existir no estado líquido. A solidificação dos metais se dá de duas maneiras, são elas:  Amórfica;  Cristalina.
  • 13. Produção Mecânica III 13 Profº Villardo Líquido Tranzição (L + S) Sólido Resfriando Solidificação dos Metais
  • 14. Produção Mecânica III 14 Profº Villardo NUCLEAÇÃO E CRESCIMENTO DE GRÃOS Quando um metal no estado líquido sofre resfriamento lento e contínuo, os átomos do mesmo, que neste estado não estão ordenados, começam, abaixo da temperatura de solidificação, a novamente se ordenarem a partir de núcleos. Com a diminuição da temperatura, os núcleos formados crescem surgindo também novos núcleos. As partículas sólidas originadas nos núcleos são denominadas grãos.
  • 15. Produção Mecânica III 15 Profº Villardo NUCLEAÇÃO E CRESCIMENTO DE GRÃOS
  • 16. Produção Mecânica III 16 Profº Villardo
  • 17. Produção Mecânica III 17 Profº Villardo
  • 18. Produção Mecânica III 18 Profº Villardo
  • 19. Produção Mecânica III 19 Profº Villardo PRINCÍPIOS DE METALURGIA GERAL Os metais no estado sólido apresentam estrutura cristalina, formada a partir da reprodução de uma disposição típica de átomos (célula unitária). Na temperatura ambiente os átomos ocupam as suas posições determinadas pela célula unitária e se mantém vibrando em torno destas posições de equilíbrio. Com o aumento da temperatura as vibrações aumentam até que ocorre a quebra das ligações metálicas. São dois os arranjos atômicos de ordenação dos metais: Estrutura Cristalina
  • 20. Produção Mecânica III 20 Profº Villardo Sistema cristalino cúbico de corpo centrado (CCC) O cubo tem oito átomos dispostos nos vértices e um no centro. Exemplos de Metais CCC: ferro à temperatura ambiente, o titânio a alta temperatura e o cromo em qualquer temperatura. Estrutura Cristalina
  • 21. Produção Mecânica III 21 Profº Villardo Estrutura Cristalina CCC
  • 22. Produção Mecânica III 22 Profº Villardo Sistema cristalino cúbico de face centrada (CFC) O cubo tem oito átomos dispostos nos vértices e seis átomos dispostos no centro das faces. Exemplo de metais CFC: níquel, alumínio e cobre. Estrutura Cristalina
  • 23. Produção Mecânica III 23 Profº Villardo Porção da rede Cristalina Célula Unitária Representação Esquemática Estrutura Cristalina
  • 24. Produção Mecânica III 24 Profº Villardo Estrutura Cristalina CFC
  • 25. Produção Mecânica III 25 Profº Villardo
  • 26. Produção Mecânica III 26 Profº Villardo ALOTROPIA É a propriedade que certos metais apresentam de possuírem reticulados cristalinos conforme a variação da temperatura. Alotropia do Ferro Puro É a mudança (rearranjo) na estrutura cristalina decorrente de aquecimento ou resfriamento.
  • 27. Produção Mecânica III 27 Profº Villardo Alotropia Arranjo Atômico dos Carbono
  • 28. Produção Mecânica III 28 Profº Villardo Alotropia ºC t(seg) ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~~~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ 1535º 1390º 912º Ferro Fundido (Líquido) CCC δ CFC γ CCC α 770°C Pto de Curie O Fe deixa de ser Magnético Resfriamento Aquecimento
  • 29. Produção Mecânica III 29 Profº Villardo Difusão: é a caminhada dos átomos na rede cristalina. Pode ser por:  Inserção (fig. a);  Substituição (fig. b). Difusão
  • 30. Produção Mecânica III 30 Profº Villardo Aumentando-se a temperatura de um metal ou liga metálica, no estado sólido, ocorrerá uma maior vibração dos átomos em torno da sua posição de equilíbrio. Cada átomo, ao vibrar, pode se deslocar de sua posição inicial trocando inclusive a posição com outro átomo. A movimentação atômica no estado sólido é um fenômeno denominado difusão, sendo esta tanto maior quanto maior a temperatura. Difusão
  • 31. Produção Mecânica III 31 Profº Villardo Difusão
  • 32. Produção Mecânica III 32 Profº Villardo Difusão 1ª) Deve haver espaço livre adjacente; 2ª) O átomo deve possuir energia suficiente para quebrar as ligações químicas e causar uma distorção no reticulado cristalino. Mas observe: Para ocorrer a movimentação atômica são necessárias 2 condições:
  • 33. Produção Mecânica III 33 Profº Villardo Difusão 460 2155 – 2540 CCC 2600 Molibdênio 240 808 – 884 CCC 1530 Ferro- 293 900 – 1200 CFC 1452 Níquel 196 700 – 990 CFC 1083 Cobre 165 400 – 610 CFC 660 Alumínio 91,6 240 – 418 HC 419 Zinco Energia de Ativação (kJ/mol) T estudadas (oC) Estrutura cristalina T de fusão (oC) Metal
  • 34. Produção Mecânica III 34 Profº Villardo
  • 35. Produção Mecânica III 35 Profº Villardo Influência do Carbono A solubilidade do Carbono na rede cristalina do ferro cresce com a temperatura e sofre um aumento repentino na transformação   , porque os espaços interatômicas aumentam com a recristalização. Se a capacidade de dissolução da rede do ferro for ultrapassada formam-se os carbonetos (Fe3C) chamados de CEMENTITA. Efeitos dos Elementos de Liga
  • 36. Produção Mecânica III 36 Profº Villardo A estrutura cristalina, rede, de um metal puro é, teoricamente, uniforme em todas as direções. À medida que existam impurezas num metal puro, a estrutura cristalina passa a formar uma solução sólida, que poderá ser: Substitucional: formada por átomos de natureza diferente porém com dimensões semelhantes aos átomos do metal puro. Estes vão deslocar os átomos de metal puro de seus lugares originais substituindo- os Intersticial: Formada por átomos de natureza e dimensões diferentes do metal puro. Por exemplo: átomos de carbono, oxigênio e hidrogênio ocupam posições intersticiais aos átomos da rede de ferro. Efeitos dos Elementos de Liga
  • 37. Produção Mecânica III 37 Profº Villardo Efeitos dos Elementos de Liga
  • 38. Produção Mecânica III 38 Profº Villardo Átomo de Carbono ocupando um interstício na estrutura ccc do Ferro Estrutura Cristalina
  • 39. Produção Mecânica III 39 Profº Villardo As distorções geradas pela introdução de átomos de natureza diferente dificulta o deslocamento dos átomos tornando o metal mais resistente. Este mecanismo, explica o aumento de resistência dos aços pela adição de elementos de liga. Efeitos dos Elementos de Liga
  • 40. Produção Mecânica III 40 Profº Villardo
  • 41. Produção Mecânica III 41 Profº Villardo Austenita  Solução sólida de carbono no ferro , estável acima de 723º; não magnético. Ferrita  Ferro no estado , contendo, em solução, traços de carbono; excelente resistência ao choque e elevado alongamento. Constituintes dos Aços
  • 42. Produção Mecânica III 42 Profº Villardo Cementita  Carboneto de ferro; dureza elevada nos aços de alto % de carbono. Perlita  É a mistura mecânica de 12% ferrita e 88% Cementita, em forma de laminas finas. Constituintes dos Aços
  • 43. Produção Mecânica III Diagrama de Equilíbrio Fe-C (Fe-Fe3C) Aço 0,77 2,11 4,3 1535 723° ºC %C 9120 Liquidus 6,7 Solidus Zona de Transição (ZT) Líq. + Sól. (ZT) Líq. + Sól. 1130° Ferro Fundido (Fofo) Eutético A1 1390° CCC Fase δ CFC Fase γ CCC Fase α Hipereutetóide Hipoeutetóide Eutetóide Perlita P + Fe3C F(α) + P Austenita (γ) Ferrita Hipereutético Hipoeutético
  • 44. Produção Mecânica III 44 Profº Villardo
  • 45. Produção Mecânica III 45 Profº Villardo
  • 46. Produção Mecânica III 46 Profº Villardo
  • 47. Produção Mecânica III 47 Profº Villardo
  • 48. Produção Mecânica III 48 Profº Villardo Variações Rápidas da Temperatura Ao contrário do que ocorre nas variações lentas de temperatura, o carbono não tem tempo suficiente para a total difusão, é onde ocorre, para um aço eutetoide, a formação da martensita, em lugar da perlita. Altera completamente as linhas de transformações. Constituintes dos Aços
  • 49. Produção Mecânica III 49 Profº Villardo 1. LANCASTER, J.F., Metallurgy of Welding, George Allen & Unwin, Londres, 1987, pp.12, 20-52. 2. CHRIESTENSEN, N. et al. "Distribution of temperature in arc welding", British WeldingJournal, 12, 1965, pp. 54-74. 3. STOUT R.D., DOTY, W.D’O. Weldability of Steels. Welding Research Council, NovaIorque, 1978, 399p. 4. UDIN, H. et al., Welding for Engineers, John Wiley & Sons, Nova York, 1954, pp. 112-135. 5. WELLS, A.A. "Heat flow in welding", Welding Jounal, Maio 1952, pp. 263s-267s. 6. ADAMS JR, C.M. "Cooling rates and peak temperatures in fusion welding", Welding Journal, Maio 1958, pp. 210s-215s. 7. GRONG, O. Metallurgical Modelling of Welding, The Institute of Materials, Londres,1997, cap. 1. 8. LONDOÑO, A.J.R. Precipitação de fases intermetálicas e de austenita secundária na ZACde soldagens multipasse de aços inoxidáveis duplex, Tese de Doutorado, Poli-USP, Outubro de 2001, 241p. 9. KOU, S., LEE, Y. "Three-dimensional heat flow and solidification during autogenous GTAwelding of aluminum plates, Metall. Trans. A, 16A, 1983, pp. 2245-2253. 10. BLODGETT, O.W. "Calculating cooling rates by computer programming", WeldingJournal, 63, 3, 1984, pp. 19-34. 11. SHARIR, Y. et al. "Computation of temperatures in thin thantalum sheet welding", Metall. Trans. B, 11B, 1980, pp. 258-265. Metalurgia da Soldagem -3.29 12. PERDIGÃO, S.C. "Ciclos térmicos de soldagem", Metalurgia ABM, 38, 295, 1982, pp. 349-353. 13. PHILLIPS, R.H. "In-situ determination of transformation in the weld heat affected zone",Welding Journal, 62, 1, 1983, pp. 12s-18s. 14. AMERICAN WELDING SOCIETY, Welding Handbook, vol. 1, 8ª Ed., AWS, Miami,1987, pp. 66- 87. 15. IRSID, Soudalité des Aciers an C-Mn et Microallies, Relatório final, jun. 1976, pp. 9-10. 16. OKUMURA, T., TANIGUCHI, C., Engenharia de Soldagem e Aplicações, LTC, Rio deJaneiro, 1982, pp. 67-70. 17. SAKIRO, Y., HORIKAWA, K., KAMURA, H. “Welding Heat Input Limit of RolledSteels for Building Structures based on Simulated HAZ Tests” Transactions of theJWRI 30(1), 2001, p. 127- 134. 18. BHADESHIA, H.K.D.H., “Reliability of weld microstructure and properties calculations”, Welding Journal, Setembro de 2004, p. 237s-243s. Referências Bibliográficas
  • 50. Produção Mecânica III 50 Profº Villardo