SlideShare uma empresa Scribd logo
Ex.
Outras Receitas Operacionais
-São as “antigas” Receitas Extra-operacionais Ex:
Venda de Imobilizado
Outras Despesas Operacionais
-São as “antigas” Despesas Extra-Operacionais Ex:
Depreciação acelerada de bens
Resultado decorrente de baixa de ativos que constituem a unidade operacional
descontinuada
131
132
- Resultado da venda de máquina que servia para a produção de itens que deixaram de
ser produzidos/oferecidos aos clientes
Demonstração do Resultado Abrangente - DRA
Resultado do Período
(+ ou -) Itens do Resultado Abrangente (ORA)
(=) Resultado Abrangente Total
Os únicos ítens ORA no IFRS para PMEs são:
1.Alguns ganhos e perdas variações cambiais;
2.Algumas alterações no valor justo de hedge
3.Alguns ganhos e perdas atuariais.
Exemplo de demonstração das mutações do patrimônio líquido com
evidenciação dos outros resultados abrangentes e da demonstração do
resultado abrangente (Res.CFC 1273/2010
O exemplo a seguir é ilustrativo de como poderia ser apresentada a demonstração
de resultados abrangentes do período, introduzida por esta Norma, utilizando-se a
Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido que já é usualmente elaborada
no Brasil.
Deve ser notado que, conforme a definição dada no início da Norma:
“Resultado abrangente é a mutação que ocorre no patrimônio líquido durante um
período que resulta de transações e outros eventos que não são derivados de
transações com os sócios na sua qualidade de proprietários”.
Ou seja, todas as mutações patrimoniais, que não sejam as transações de capital
com os sócios, integram a Demonstração do Resultado Abrangente, ou seja, a
mutação do patrimônio líquido é formada por apenas dois conjuntos de valores:
transações de capital com os sócios (na sua qualidade de proprietários) e resultado
abrangente total.
E o resultado abrangente total é formado, por sua vez, de três componentes: o
resultado líquido do período, os outros resultados abrangentes e o efeito de
reclassificações dos outros resultados abrangentes para o resultado do período.
133
134
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO
Receita Bruta
(-) Deduções de Vendas
Receita Líquida
(-) CPV
Lucro Bruto
(-) Desp.Administrativas
(-) Desp.Comerciais
(-) Desp.Financeiras
Resultado Líquido do Período
(+ - ) Resultados Abrangentes
Resultado Abrangente Total do Período
Pressupostos Básicos das Demonstrações Contábeis
Regime de Competência
para permitir a confrontação das despesas com as receitas a que se
relacionam.
Continuidade
- para evidenciar que a entidade está em pleno exercício de suas atividades.
Adequação à norma “Contabilidade para PMEs”
A entidade cujas demonstrações contábeis estiverem em conformidade com esta
Norma deve fazer uma declaração explicita e sem reservas dessa
conformidade nas suas notas explicativas.
135
Informação que deve ser apresentada no
balanço patrimonial
O balanço patrimonial deve incluir, no mínimo, o seguinte:
caixa e equivalentes de caixa;
contas a receber e outros recebíveis;
ativos financeiros;
estoques;
ativo imobilizado;
propriedades para investimento, mensurada pelo valor justo por meio do
resultado;
Informação que deve ser apresentada no balanço patrimonial
ativos intangíveis;
ativos biológicos, mensurados pelo custo menos depreciação acumulada e
perdas por desvalorização;
investimentos em coligadas e controladas;
investimentos em empreendimentos controlados em conjunto
Informação que deve ser apresentada no balanço patrimonial
fornecedores e outras contas a pagar;
passivos financeiros;
passivos e ativos relativos a tributos correntes;
tributos diferidos ativos e passivos;
provisões;
patrimônio líquido.
DISTINÇÃO ENTRE CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE
A entidade deve classificar como ativo circulante quando:
a)Espera realizar o ativo ou pretender vendê-lo ou consumí-lo durante o ciclo
operacional normal da entidade;
b) O ativo for mantido essencialmente com a finalidade de negociação;
c)Esperar realizar o ativo no período de até doze meses após a data d a
demonstração contábil.
A entidade deve classificar um passivo como circulante quando:
a) Espera liquidar o passivo durante o ciclo normal da entidade;
b) O passivo for mantido essencialmente com a finalidade de negociação;
c) O passivo for exigível no período de até 12 meses após a data das
demonstrações contábeis ou
d) A entidade não tiver direito incondicional de diferir a liquidação do passivo
durante pelo menos doze meses após a data de divulgação.
Notas Explicativas: Reserva de reavaliação:
A Lei 11638/07 é valida apenas para as S/A e empresas de grande porte. Assim, o
CPC 37 destaca que, a partir de 2010 todas as chamadas garndes e S/As devem
seguir os padrões técnicos do IFRS, que no Brasil é o CPC, completos. Nesse
sentido, as reservas de reavaliação devem ser estornadas completamente, pois no
Brasil, não há mais reservas de reavaliação, pois são proibidas pela lei, apesar de
existir nas IFRS. Assim, para seguir o padrão técnico do CPC, as empresas devem
estornar todas as reavaliações anteriores.
Porem, a única oportunidade de avaliar os ativos imobilizados por exemplo, seriam
na adoção inicial das normas internacionais,onde neste momento, a empresa , por
intermedio do contabilista, solicitara laudos técnicos para verificar qual é o valor
justo dos imobilizados, rever a taxa de depreciação e analisar o valor residual do
ativo.
Exemplo:
Computador....... 2.000,00 (valor da nota fiscal)
Depreciação ...... 20% a.a. taxa fiscal...... (800,00)
Valor fiscal 1.200
136
Para a contabilidade , apos laudo:
Qual é o valor justo do computador?
Laudo: R$ 850,00
Quanto tempo de uso no dpto contábil há ainda?
Laudo: 1 ano ou seja, 100% em 12 meses.
Valor residual apos 1 ano de uso: R$ 100,00 Assim,
a depreciação será:
850,00 - 100,00(residual)= 750,00 (valor depreciável).
O informe acima, também é para as PME conforme CPC PME - Res. CFC 1255/09 e
CPC Ativo Imobilizado.
Pontos polêmicos da nova lei
Vigência e aplicação da Lei 10.638 para empresas que não possuem o exercício
social
coincidente com o ano-calendário;
Como definir e caracterizar “Conjunto de Sociedades sob Controle Comum“?;
Resposta: Conjunto de sociedas sob controle comum são aqueles que, empresa A, é
controladora de B porem a B controla C,D,E e F, assim, a empresa A te
m
controles indiretos sobre as C,D,E e F.Isso é controle comum.
Qual o tratamento a ser dado para as operações de transformação, incorporação,
fusão ou cisão? A nova lei eliminou a previsão para amortização do ágio?;
Resposta: O CPC 37 trata desse assunto e ja existem diversas normas da CVM
sobre o assunto.
Como serão tratadas as operações de incorporação, fusão ou cisão ocorridas
anteriormente à vigência da Lei 10.638?;
Resposta: De acordo com as leis brasileira, a vigência da lei, em regra geral, vale a
partir de quando foi sancionada e publicada. Assim, antes da Lei 11638/07, valem as
leis anteriores. Após a convergência as normas internacionais de contabilidade, o
administrador e contabilista habilitado devem seguir o CPC que trata do assunto ou
norma da CVM.
137
Ajustes retrospectivos decorrentes de mudanças nas práticas contábeis;
Resposta: Ajustes por correções e erros foi extinto do PL. Não existe nas IFRS essa
conta.
Ausência de normas objetivas sobre arrendamento mercantil;
Resposta: No Brasil já existe a norma sobre arrendamento mercantil que é a lei
6099/74 , arrendamento de veiculo é a lei 11649/04.
Para fins fiscais é o art.356 do RIR/95.
Para fins contábeis temos ainda o CPC 23.
As “sociedades limitadas” de grande porte deverão publicar as demonstrações
financeiras?
Resposta: Essa ainda é duvida. Não há regulamentação clara sobre o assunto, mas ja
existe projeto de Lei para isso no Congresso é o PL 7553/10.
Mas ainda não é lei.... é apenas projeto.
Aspectos tributários
As S/A e empresas de grande porte, ao seguir a Lie 11638/07, não vão pagar
menos ou mais tributos pois em 2008 o governo sancionou a MP 449 e depois
converteu-a na Lei 11941/09 , da qual criou o RTT. A partir do momento em que
essas empresas optarem ao RTT na DIPJ , nasce a neutralidade fiscal, ou seja,
recolherão seus tributos conforme a lei fiscal, independente da forma normativa
desenvolvida na contabilidade.
O mesmo vale para as PME.
DISTINÇÃO ENTRE
CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE
A entidade deve classificar todos os outros ativos ou passivos em não
circulantes.
Obrigação:
138
Informação Comparativa
Exceto quando a norma permitir ou exigir de outra forma, a entidade deve
divulgar informação comparativa com respeito ao período anterior para
todos os valores apresentados nas demonstrações contábeis do período
corrente. (Seção 3 - item 3.14)
139
IMPORTANTE
EVIDENCIAR NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E EVIDENCIAR NAS
NOTAS EXPLICATIVAS
Identificação das Demonstrações Contábeis
A entidade deve identificar claramente cada demonstração contábil e as notas
explicativas e distingui-las de outras informações eventualmente apresentadas no
mesmo documento. Precisam ser evidenciados:
1.O nome da entidade, bem como qualquer modificação que possa ter
havido na identificação desde o exercício anterior.
2.Se as demonstrações contábeis se referem a uma entidade individual ou a um
grupo de entidades.
3.A data do encerramento do período de divulgação coberto pelas
demonstrações.
4. A moeda de apresentação.
5.O nível de arredondamento, se existente, usado na apresentação das
demonstrações.
Notas Explicativas
As notas explicativas devem apresentar informações acerca das bases de
elaboração das demonstrações contábeis e das práticas contábeis específicas
como:
-informações que não tenham sido apresentadas em outras partes das
demonstrações, mas que sejam relevantes para compreendê-las.
-notas sistemáticas, indicando cada item das demonstrações com a
referência da respectiva informação nas notas.
-a declaração de que as demonstrações contábeis foram elaboradas em
conformidade com a NBCT 15.41
-o resumo das principais Práticas Contábeis utilizadas (a base de
mensuração e outras relevantes).
-informações de auxílio aos itens apresentados nas demonstrações, na
ordem em que cada conta é apresentada no relatório.
- quaisquer outras informações relevantes.
E ainda:
Informação sobre o Julgamento que a administração utilizou no processo de
aplicação das práticas contábeis e que possuem efeito significativo nos
valores reconhecidos nas demonstrações contábeis;
Informação sobre as principais fontes de incerteza de estimativas
(pressupostos relativos ao futuro).
140

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)
Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)
Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)
Marcelo Linhares
 
DVA1 .:. www.tc58n.wordpress.com
DVA1 .:. www.tc58n.wordpress.comDVA1 .:. www.tc58n.wordpress.com
DVA1 .:. www.tc58n.wordpress.com
Claudio Parra
 
Lei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursos
Lei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursosLei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursos
Lei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursos
Gabrielrabelo87
 
[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)
[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)
[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)
gpossati
 
MCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte IIMCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte II
gpossati
 
95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador
95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador
95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador
Ednl Mazzetto Mazzetto
 
Cpc destaques
Cpc destaquesCpc destaques
Cpc destaques
suelen23
 
Cpc 26 apresentacao
Cpc 26   apresentacaoCpc 26   apresentacao
Cpc 26 apresentacao
ronaldo dos santos silva
 
Resumo dos CPCs
Resumo dos CPCsResumo dos CPCs
Resumo dos CPCs
Odair Junior Bergamo
 
Dva
DvaDva
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
Moore Stephens Brasil
 
Contabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - CorreçãoContabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - Correção
Gabrielrabelo87
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
zeramento contabil
 
Estrutura das demonstraçoes
Estrutura das demonstraçoesEstrutura das demonstraçoes
Estrutura das demonstraçoes
kleber_yvan
 
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
Profacp
 
Dmpl e dlpa
Dmpl e dlpaDmpl e dlpa
Dmpl e dlpa
simuladocontabil
 
Exercicio dlpa
Exercicio dlpaExercicio dlpa
Exercicio dlpa
David Stanhy
 
Partes relacionadas
Partes relacionadasPartes relacionadas
Partes relacionadas
Anna Beatriz
 
Tc58 demonstraes financeiras.22.10.13 www.tc58n.wordpress.com
Tc58   demonstraes financeiras.22.10.13  www.tc58n.wordpress.comTc58   demonstraes financeiras.22.10.13  www.tc58n.wordpress.com
Tc58 demonstraes financeiras.22.10.13 www.tc58n.wordpress.com
Claudio Parra
 

Mais procurados (19)

Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)
Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)
Reconhecimento de Receitas e Despesas (CPC 30 e CPC17)
 
DVA1 .:. www.tc58n.wordpress.com
DVA1 .:. www.tc58n.wordpress.comDVA1 .:. www.tc58n.wordpress.com
DVA1 .:. www.tc58n.wordpress.com
 
Lei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursos
Lei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursosLei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursos
Lei 6404 Esquematizada e Atualizada para concursos
 
[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)
[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)
[Infográfico] Teste de recuperabilidade (CPC 01)
 
MCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte IIMCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte II
 
95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador
95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador
95 demonstracoes contabeis_obrigatorias_site_manual_do_contador
 
Cpc destaques
Cpc destaquesCpc destaques
Cpc destaques
 
Cpc 26 apresentacao
Cpc 26   apresentacaoCpc 26   apresentacao
Cpc 26 apresentacao
 
Resumo dos CPCs
Resumo dos CPCsResumo dos CPCs
Resumo dos CPCs
 
Dva
DvaDva
Dva
 
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
 
Contabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - CorreçãoContabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - Correção
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
 
Estrutura das demonstraçoes
Estrutura das demonstraçoesEstrutura das demonstraçoes
Estrutura das demonstraçoes
 
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
 
Dmpl e dlpa
Dmpl e dlpaDmpl e dlpa
Dmpl e dlpa
 
Exercicio dlpa
Exercicio dlpaExercicio dlpa
Exercicio dlpa
 
Partes relacionadas
Partes relacionadasPartes relacionadas
Partes relacionadas
 
Tc58 demonstraes financeiras.22.10.13 www.tc58n.wordpress.com
Tc58   demonstraes financeiras.22.10.13  www.tc58n.wordpress.comTc58   demonstraes financeiras.22.10.13  www.tc58n.wordpress.com
Tc58 demonstraes financeiras.22.10.13 www.tc58n.wordpress.com
 

Destaque

Conteúdo programático departamento pessoal
Conteúdo programático departamento pessoalConteúdo programático departamento pessoal
Conteúdo programático departamento pessoal
Homero Alves de Lima
 
Aula 08 departamento pessoal
Aula 08 departamento pessoalAula 08 departamento pessoal
Aula 08 departamento pessoal
Homero Alves de Lima
 
Conteúdo programático qsms
Conteúdo programático qsmsConteúdo programático qsms
Conteúdo programático qsms
Homero Alves de Lima
 
Aula 09 departamento pessoal
Aula 09 departamento pessoalAula 09 departamento pessoal
Aula 09 departamento pessoal
Homero Alves de Lima
 
Aula 10 departamento pessoal
Aula 10 departamento pessoalAula 10 departamento pessoal
Aula 10 departamento pessoal
Homero Alves de Lima
 
Conteúdo programático técnicas de secretariado
Conteúdo programático técnicas de secretariadoConteúdo programático técnicas de secretariado
Conteúdo programático técnicas de secretariado
Homero Alves de Lima
 
Conteúdo Programático Auxiliar de Plataforma
Conteúdo Programático Auxiliar de PlataformaConteúdo Programático Auxiliar de Plataforma
Conteúdo Programático Auxiliar de Plataforma
Homero Alves de Lima
 
Aula 01 auxiliar de escritório
Aula 01 auxiliar de escritórioAula 01 auxiliar de escritório
Aula 01 auxiliar de escritório
Homero Alves de Lima
 
Geologia
Geologia Geologia
Geologia
Diego Alves
 
Aula 05 departamento pessoal
Aula 05 departamento pessoalAula 05 departamento pessoal
Aula 05 departamento pessoal
Homero Alves de Lima
 
Aula 05 auxiliar de escritório
Aula 05 auxiliar de escritórioAula 05 auxiliar de escritório
Aula 05 auxiliar de escritório
Homero Alves de Lima
 
Aula 03 departamento pessoal
Aula 03 departamento pessoalAula 03 departamento pessoal
Aula 03 departamento pessoal
Homero Alves de Lima
 
Aula 06 auxiliar de escritório
Aula 06 auxiliar de escritórioAula 06 auxiliar de escritório
Aula 06 auxiliar de escritório
Homero Alves de Lima
 
Aula 11 auxiliar de contabilidade
Aula 11 auxiliar de contabilidadeAula 11 auxiliar de contabilidade
Aula 11 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Aula 04 auxiliar de escritório
Aula 04 auxiliar de escritórioAula 04 auxiliar de escritório
Aula 04 auxiliar de escritório
Homero Alves de Lima
 
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) lAula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
Homero Alves de Lima
 
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) llAula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Homero Alves de Lima
 
Aula 09 secretariado
Aula 09 secretariadoAula 09 secretariado
Aula 09 secretariado
Homero Alves de Lima
 
Aula 10 secretariado
Aula 10 secretariadoAula 10 secretariado
Aula 10 secretariado
Homero Alves de Lima
 
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Homero Alves de Lima
 

Destaque (20)

Conteúdo programático departamento pessoal
Conteúdo programático departamento pessoalConteúdo programático departamento pessoal
Conteúdo programático departamento pessoal
 
Aula 08 departamento pessoal
Aula 08 departamento pessoalAula 08 departamento pessoal
Aula 08 departamento pessoal
 
Conteúdo programático qsms
Conteúdo programático qsmsConteúdo programático qsms
Conteúdo programático qsms
 
Aula 09 departamento pessoal
Aula 09 departamento pessoalAula 09 departamento pessoal
Aula 09 departamento pessoal
 
Aula 10 departamento pessoal
Aula 10 departamento pessoalAula 10 departamento pessoal
Aula 10 departamento pessoal
 
Conteúdo programático técnicas de secretariado
Conteúdo programático técnicas de secretariadoConteúdo programático técnicas de secretariado
Conteúdo programático técnicas de secretariado
 
Conteúdo Programático Auxiliar de Plataforma
Conteúdo Programático Auxiliar de PlataformaConteúdo Programático Auxiliar de Plataforma
Conteúdo Programático Auxiliar de Plataforma
 
Aula 01 auxiliar de escritório
Aula 01 auxiliar de escritórioAula 01 auxiliar de escritório
Aula 01 auxiliar de escritório
 
Geologia
Geologia Geologia
Geologia
 
Aula 05 departamento pessoal
Aula 05 departamento pessoalAula 05 departamento pessoal
Aula 05 departamento pessoal
 
Aula 05 auxiliar de escritório
Aula 05 auxiliar de escritórioAula 05 auxiliar de escritório
Aula 05 auxiliar de escritório
 
Aula 03 departamento pessoal
Aula 03 departamento pessoalAula 03 departamento pessoal
Aula 03 departamento pessoal
 
Aula 06 auxiliar de escritório
Aula 06 auxiliar de escritórioAula 06 auxiliar de escritório
Aula 06 auxiliar de escritório
 
Aula 11 auxiliar de contabilidade
Aula 11 auxiliar de contabilidadeAula 11 auxiliar de contabilidade
Aula 11 auxiliar de contabilidade
 
Aula 04 auxiliar de escritório
Aula 04 auxiliar de escritórioAula 04 auxiliar de escritório
Aula 04 auxiliar de escritório
 
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) lAula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
 
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) llAula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
 
Aula 09 secretariado
Aula 09 secretariadoAula 09 secretariado
Aula 09 secretariado
 
Aula 10 secretariado
Aula 10 secretariadoAula 10 secretariado
Aula 10 secretariado
 
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
 

Semelhante a Aula 14 auxiliar de contabilidade

Demonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquido
Demonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquidoDemonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquido
Demonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquido
saleteturra
 
Teoria das demonstrações contabeis
Teoria das demonstrações contabeisTeoria das demonstrações contabeis
Teoria das demonstrações contabeis
flacelorio
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Paulomenger
 
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptxAula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
SheilaCortes2
 
Aula 15 auxiliar de contabilidade
Aula 15 auxiliar de contabilidadeAula 15 auxiliar de contabilidade
Aula 15 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressaoA2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
Roberta Faria
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Universidade Pedagogica
 
Atps contabilidade intermediária
Atps   contabilidade intermediáriaAtps   contabilidade intermediária
Atps contabilidade intermediária
daianeareas
 
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiaoAps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Sebastião Matos
 
Nbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeis
Nbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeisNbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeis
Nbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeis
bpdiascapixaba
 
175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14
Faculdade de Itaituba
 
Contabilidade i 11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercício
Contabilidade i   11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercícioContabilidade i   11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercício
Contabilidade i 11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercício
geral contabil
 
Cpc 11638 sap
Cpc 11638 sapCpc 11638 sap
Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11
Allyne Keyth
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
simuladocontabil
 
Contabilidade respostas 025
Contabilidade respostas 025Contabilidade respostas 025
Contabilidade respostas 025
geral contabil
 
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributaçãoDemonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Dejane Silva Santana Andrade
 
Slides FINANÇAS
Slides FINANÇASSlides FINANÇAS
Slides FINANÇAS
Igor Gabriel Lima
 
Contabilidade 025
Contabilidade 025Contabilidade 025
Contabilidade 025
apostilacontabil
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
ssusercc81d3
 

Semelhante a Aula 14 auxiliar de contabilidade (20)

Demonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquido
Demonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquidoDemonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquido
Demonstracao das-mutacoes-do-patrimonio-liquido
 
Teoria das demonstrações contabeis
Teoria das demonstrações contabeisTeoria das demonstrações contabeis
Teoria das demonstrações contabeis
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptxAula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
 
Aula 15 auxiliar de contabilidade
Aula 15 auxiliar de contabilidadeAula 15 auxiliar de contabilidade
Aula 15 auxiliar de contabilidade
 
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressaoA2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
 
Atps contabilidade intermediária
Atps   contabilidade intermediáriaAtps   contabilidade intermediária
Atps contabilidade intermediária
 
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiaoAps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
 
Nbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeis
Nbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeisNbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeis
Nbc tsp 1_apresentação das demonstrações contábeis
 
175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14175 cpc 09_rev 14
175 cpc 09_rev 14
 
Contabilidade i 11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercício
Contabilidade i   11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercícioContabilidade i   11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercício
Contabilidade i 11 - unidade xi – demonstração do resultado do exercício
 
Cpc 11638 sap
Cpc 11638 sapCpc 11638 sap
Cpc 11638 sap
 
Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
 
Contabilidade respostas 025
Contabilidade respostas 025Contabilidade respostas 025
Contabilidade respostas 025
 
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributaçãoDemonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
 
Slides FINANÇAS
Slides FINANÇASSlides FINANÇAS
Slides FINANÇAS
 
Contabilidade 025
Contabilidade 025Contabilidade 025
Contabilidade 025
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 

Mais de Homero Alves de Lima

Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotel
Homero Alves de Lima
 
Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresa
Homero Alves de Lima
 
Sumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enemSumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enem
Homero Alves de Lima
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redação
Homero Alves de Lima
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
Homero Alves de Lima
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
Homero Alves de Lima
 
Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
Homero Alves de Lima
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 

Mais de Homero Alves de Lima (20)

Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotel
 
Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresa
 
Sumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enemSumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enem
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologias
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
 
Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redação
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
 
Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
 

Último

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Aula 14 auxiliar de contabilidade

  • 1. Ex. Outras Receitas Operacionais -São as “antigas” Receitas Extra-operacionais Ex: Venda de Imobilizado Outras Despesas Operacionais -São as “antigas” Despesas Extra-Operacionais Ex: Depreciação acelerada de bens Resultado decorrente de baixa de ativos que constituem a unidade operacional descontinuada 131
  • 2. 132 - Resultado da venda de máquina que servia para a produção de itens que deixaram de ser produzidos/oferecidos aos clientes Demonstração do Resultado Abrangente - DRA Resultado do Período (+ ou -) Itens do Resultado Abrangente (ORA) (=) Resultado Abrangente Total Os únicos ítens ORA no IFRS para PMEs são: 1.Alguns ganhos e perdas variações cambiais; 2.Algumas alterações no valor justo de hedge 3.Alguns ganhos e perdas atuariais. Exemplo de demonstração das mutações do patrimônio líquido com evidenciação dos outros resultados abrangentes e da demonstração do resultado abrangente (Res.CFC 1273/2010 O exemplo a seguir é ilustrativo de como poderia ser apresentada a demonstração de resultados abrangentes do período, introduzida por esta Norma, utilizando-se a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido que já é usualmente elaborada no Brasil.
  • 3. Deve ser notado que, conforme a definição dada no início da Norma: “Resultado abrangente é a mutação que ocorre no patrimônio líquido durante um período que resulta de transações e outros eventos que não são derivados de transações com os sócios na sua qualidade de proprietários”. Ou seja, todas as mutações patrimoniais, que não sejam as transações de capital com os sócios, integram a Demonstração do Resultado Abrangente, ou seja, a mutação do patrimônio líquido é formada por apenas dois conjuntos de valores: transações de capital com os sócios (na sua qualidade de proprietários) e resultado abrangente total. E o resultado abrangente total é formado, por sua vez, de três componentes: o resultado líquido do período, os outros resultados abrangentes e o efeito de reclassificações dos outros resultados abrangentes para o resultado do período. 133
  • 4. 134 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO Receita Bruta (-) Deduções de Vendas Receita Líquida (-) CPV Lucro Bruto (-) Desp.Administrativas (-) Desp.Comerciais (-) Desp.Financeiras Resultado Líquido do Período (+ - ) Resultados Abrangentes Resultado Abrangente Total do Período Pressupostos Básicos das Demonstrações Contábeis Regime de Competência para permitir a confrontação das despesas com as receitas a que se relacionam. Continuidade - para evidenciar que a entidade está em pleno exercício de suas atividades. Adequação à norma “Contabilidade para PMEs” A entidade cujas demonstrações contábeis estiverem em conformidade com esta Norma deve fazer uma declaração explicita e sem reservas dessa conformidade nas suas notas explicativas.
  • 5. 135 Informação que deve ser apresentada no balanço patrimonial O balanço patrimonial deve incluir, no mínimo, o seguinte: caixa e equivalentes de caixa; contas a receber e outros recebíveis; ativos financeiros; estoques; ativo imobilizado; propriedades para investimento, mensurada pelo valor justo por meio do resultado; Informação que deve ser apresentada no balanço patrimonial ativos intangíveis; ativos biológicos, mensurados pelo custo menos depreciação acumulada e perdas por desvalorização; investimentos em coligadas e controladas; investimentos em empreendimentos controlados em conjunto Informação que deve ser apresentada no balanço patrimonial fornecedores e outras contas a pagar; passivos financeiros; passivos e ativos relativos a tributos correntes; tributos diferidos ativos e passivos; provisões; patrimônio líquido. DISTINÇÃO ENTRE CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE
  • 6. A entidade deve classificar como ativo circulante quando: a)Espera realizar o ativo ou pretender vendê-lo ou consumí-lo durante o ciclo operacional normal da entidade; b) O ativo for mantido essencialmente com a finalidade de negociação; c)Esperar realizar o ativo no período de até doze meses após a data d a demonstração contábil. A entidade deve classificar um passivo como circulante quando: a) Espera liquidar o passivo durante o ciclo normal da entidade; b) O passivo for mantido essencialmente com a finalidade de negociação; c) O passivo for exigível no período de até 12 meses após a data das demonstrações contábeis ou d) A entidade não tiver direito incondicional de diferir a liquidação do passivo durante pelo menos doze meses após a data de divulgação. Notas Explicativas: Reserva de reavaliação: A Lei 11638/07 é valida apenas para as S/A e empresas de grande porte. Assim, o CPC 37 destaca que, a partir de 2010 todas as chamadas garndes e S/As devem seguir os padrões técnicos do IFRS, que no Brasil é o CPC, completos. Nesse sentido, as reservas de reavaliação devem ser estornadas completamente, pois no Brasil, não há mais reservas de reavaliação, pois são proibidas pela lei, apesar de existir nas IFRS. Assim, para seguir o padrão técnico do CPC, as empresas devem estornar todas as reavaliações anteriores. Porem, a única oportunidade de avaliar os ativos imobilizados por exemplo, seriam na adoção inicial das normas internacionais,onde neste momento, a empresa , por intermedio do contabilista, solicitara laudos técnicos para verificar qual é o valor justo dos imobilizados, rever a taxa de depreciação e analisar o valor residual do ativo. Exemplo: Computador....... 2.000,00 (valor da nota fiscal) Depreciação ...... 20% a.a. taxa fiscal...... (800,00) Valor fiscal 1.200
  • 7. 136
  • 8. Para a contabilidade , apos laudo: Qual é o valor justo do computador? Laudo: R$ 850,00 Quanto tempo de uso no dpto contábil há ainda? Laudo: 1 ano ou seja, 100% em 12 meses. Valor residual apos 1 ano de uso: R$ 100,00 Assim, a depreciação será: 850,00 - 100,00(residual)= 750,00 (valor depreciável). O informe acima, também é para as PME conforme CPC PME - Res. CFC 1255/09 e CPC Ativo Imobilizado. Pontos polêmicos da nova lei Vigência e aplicação da Lei 10.638 para empresas que não possuem o exercício social coincidente com o ano-calendário; Como definir e caracterizar “Conjunto de Sociedades sob Controle Comum“?; Resposta: Conjunto de sociedas sob controle comum são aqueles que, empresa A, é controladora de B porem a B controla C,D,E e F, assim, a empresa A te m controles indiretos sobre as C,D,E e F.Isso é controle comum. Qual o tratamento a ser dado para as operações de transformação, incorporação, fusão ou cisão? A nova lei eliminou a previsão para amortização do ágio?; Resposta: O CPC 37 trata desse assunto e ja existem diversas normas da CVM sobre o assunto. Como serão tratadas as operações de incorporação, fusão ou cisão ocorridas anteriormente à vigência da Lei 10.638?; Resposta: De acordo com as leis brasileira, a vigência da lei, em regra geral, vale a partir de quando foi sancionada e publicada. Assim, antes da Lei 11638/07, valem as leis anteriores. Após a convergência as normas internacionais de contabilidade, o administrador e contabilista habilitado devem seguir o CPC que trata do assunto ou norma da CVM. 137
  • 9. Ajustes retrospectivos decorrentes de mudanças nas práticas contábeis; Resposta: Ajustes por correções e erros foi extinto do PL. Não existe nas IFRS essa conta. Ausência de normas objetivas sobre arrendamento mercantil; Resposta: No Brasil já existe a norma sobre arrendamento mercantil que é a lei 6099/74 , arrendamento de veiculo é a lei 11649/04. Para fins fiscais é o art.356 do RIR/95. Para fins contábeis temos ainda o CPC 23. As “sociedades limitadas” de grande porte deverão publicar as demonstrações financeiras? Resposta: Essa ainda é duvida. Não há regulamentação clara sobre o assunto, mas ja existe projeto de Lei para isso no Congresso é o PL 7553/10. Mas ainda não é lei.... é apenas projeto. Aspectos tributários As S/A e empresas de grande porte, ao seguir a Lie 11638/07, não vão pagar menos ou mais tributos pois em 2008 o governo sancionou a MP 449 e depois converteu-a na Lei 11941/09 , da qual criou o RTT. A partir do momento em que essas empresas optarem ao RTT na DIPJ , nasce a neutralidade fiscal, ou seja, recolherão seus tributos conforme a lei fiscal, independente da forma normativa desenvolvida na contabilidade. O mesmo vale para as PME. DISTINÇÃO ENTRE CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE A entidade deve classificar todos os outros ativos ou passivos em não circulantes. Obrigação: 138
  • 10. Informação Comparativa Exceto quando a norma permitir ou exigir de outra forma, a entidade deve divulgar informação comparativa com respeito ao período anterior para todos os valores apresentados nas demonstrações contábeis do período corrente. (Seção 3 - item 3.14) 139 IMPORTANTE EVIDENCIAR NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E EVIDENCIAR NAS NOTAS EXPLICATIVAS Identificação das Demonstrações Contábeis A entidade deve identificar claramente cada demonstração contábil e as notas explicativas e distingui-las de outras informações eventualmente apresentadas no mesmo documento. Precisam ser evidenciados: 1.O nome da entidade, bem como qualquer modificação que possa ter havido na identificação desde o exercício anterior. 2.Se as demonstrações contábeis se referem a uma entidade individual ou a um grupo de entidades. 3.A data do encerramento do período de divulgação coberto pelas demonstrações. 4. A moeda de apresentação. 5.O nível de arredondamento, se existente, usado na apresentação das demonstrações.
  • 11. Notas Explicativas As notas explicativas devem apresentar informações acerca das bases de elaboração das demonstrações contábeis e das práticas contábeis específicas como: -informações que não tenham sido apresentadas em outras partes das demonstrações, mas que sejam relevantes para compreendê-las. -notas sistemáticas, indicando cada item das demonstrações com a referência da respectiva informação nas notas. -a declaração de que as demonstrações contábeis foram elaboradas em conformidade com a NBCT 15.41 -o resumo das principais Práticas Contábeis utilizadas (a base de mensuração e outras relevantes). -informações de auxílio aos itens apresentados nas demonstrações, na ordem em que cada conta é apresentada no relatório. - quaisquer outras informações relevantes. E ainda: Informação sobre o Julgamento que a administração utilizou no processo de aplicação das práticas contábeis e que possuem efeito significativo nos valores reconhecidos nas demonstrações contábeis; Informação sobre as principais fontes de incerteza de estimativas (pressupostos relativos ao futuro). 140