SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 1
INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA
APLICADA AO CUIDADO
Prof. Ms. Felipe Saraiva Nunes de Pinho
www.felipepinho.com
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I:
• IDENTIFICAÇÃO DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS E AFETIVOS RELACIONADOS AO PACIENTE E
FAMÍLIA NOS CUIDADOS EM SAÚDE,
• SOFRIMENTO PSÍQUICO E ASPECTOS PSICOLÓGICOS ASSOCIADOS AO PROCESSO DE ADOECER,
DOR, MORTE E PERDAS (PERDA DA SAÚDE E OUTROS LUTOS).
• DISCUSSÃO DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA RELAÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM
COM O PACIENTE, COM A FAMÍLIA DO PACIENTE E COM A EQUIPE MULTI E INTERDISCIPLINAR
DE SAÚDE, NOS VÁRIOS CONTEXTOS DE CUIDADOS (DOMICILIAR, AMBULATORIAL,
HOSPITALAR) DAS ORGANOPATOLOGIAS E PSICOPATOLOGIAS.
UNIDADE II:
• CARACTERIZAÇÃO DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS CONDICIONANTES DE UM ATENDIMENTO
HUMANIZADO AO PACIENTE E SUA FAMÍLIA.
• CONTRIBUIÇÕES DA ANTROPOLOGIA MÉDICA NA DISCUSSÃO DOS ASPECTOS CULTURAIS E
SOCIAIS RELACIONADOS AO PROCESSO DE ADOECER;
• RELAÇÃO DO ENFERMEIRO E DEMAIS PROFISSIONAIS DE SAÚDE COM O PACIENTE E FAMÍLIA;
• HUMANIZAÇÃO E CUIDADOS PALIATIVOS.
• DISCUSSÃO DA IMPORTÂNCIA DO CUIDADO COM O CUIDADOR.
O diagnóstico da OMS
• As principais causas de morte nos países desenvolvidos
estão relacionadas às enfermidades cardíacas, diabetes,
acidentes vasculares cerebrais e câncer ;
• Prevê-se que em 2030, as doenças não transmissíveis
sejam responsáveis por 75% das mortes, entre elas câncer,
que aumentará de 7,4 milhões de óbitos em 2004 para
11,8 milhões em 2030;
• Essas enfermidades estão relacionadas com o estilo de
vida, com nossos hábitos e comportamentos, ou seja,
nossos hábitos alimentares, fumo, ingestão de bebidas
alcoólicas, sedentarismo, estresse, alienação social etc.
Mudança de Paradigma
nas Ciências da Saúde
• Modelo Biomédico:
 Estruturando durante o século XIX;
 Influenciado pelo Paradigma Newtoniano-
cartesiano.
 É reducionista: reduz o processo saúde-doença
apenas aos aspectos e variáveis biológicas e
somáticas.
 Considera que toda doença é causada por um
patógeno.
Mudança de Paradigma
nas Ciências da Saúde
O modelo biomédico é o modelo vigente da
atuação na saúde e é regido por variáveis
biológicas que analisam o corpo como uma
máquina, através da relação causa-efeito,
minimizando aspectos sociais, psicológicos e as
dimensões humanas da doença. É caracterizado
por diagnósticos que determinam o modo de
tratamento, monopolizado pelo médico, no qual
se privilegia a doença e não o doente. (ESCOLA
BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA. Paula
Carolina Salles Leite. Número 75).
Mudança de Paradigma
nas Ciências da Saúde
• A crítica ao modelo Biomédico.
• As enfermidades como multicausais.
• A identificação dos múltiplos fatores que estão
relacionados ao processo saúde-doença.
• A atitude multidisciplinar, interdisciplinar e
transdisciplinar em saúde.
• A perspectiva biopsicossocial – ecológica e
espiritual do ser humano.
Criticas e Alternativas ao
Modelo Biomédico
• Modelo Biopsicossocial – espiritual e ecológico.
• Saúde Coletiva: enfatiza aspectos socioculturais e
ambientais, como Política, Economia, Cultura.
• Psicossomática: enfatiza os aspectos psicológicos
e inconscientes no surgimento das doenças.
• Psiconeuroimunologia: defende a interação
entre comportamento e os sistemas
nervoso, endócrino e imunológico no processo
saúde-doença.
A Psicologia:
O estudo do ser humano
por trás da enfermidade
Subjetividade é o conjunto de
característica de um sujeito, aquilo
que é pessoal, individual e singular. É
nossa vida interior.
"É o mundo de ideias, significados e emoções
construídos internamente pelo sujeito a partir de
suas relações sociais, de sua experiência e
história de vida, e de sua constituição
biológica”. (BOCK, 2002)
A Psicologia e o estudo da subjetividade
O Imaginário e o Adoecer
• A Psicologia busca compreender:
Os fatores subjetivos que estão
relacionados à enfermidade (ao adoecer) e
ao sofrimento decorrente.
A vivência do real e o imaginário da
pessoa.
Como a doença afeta o imaginário e o
significado existencial da pessoa e a
percepção que tem de si mesma.
O adoecer nos revela
• O extremo desamparo que é o destino humano.
• A fragilidade da condição humana.
• Sofrimento físico e sofrimento psicológico. A
doença é muito maior que os sintomas físicos.
• A hospitalização obriga a pessoa a repensar a
sua realidade existencial.
NECESSIDADES
(fisiológicas)
DEMANDAS
(psicológicas)
x
O hospital e a coisificação do cuidado
• Predomínio de intervenções técnicas,
mecânicas e coisificadoras do ser humano.
• Não há espaço para as demandas subjetivas.
• Ênfase no utilitarismo financeiro, no
pragmatismo do cuidado.
• Rotinas e procedimentos robóticos.
• “Paciente” como passivo.
Enfermidade e Subjetividade
• Toda enfermidade é sempre:
Resignificada pela própria pessoa.
Uma experiência (vivência) individual.
• O que significa adoecer?
Perder a fluidez e a rotina cotidiana.
Deixar de ser um pessoa produtiva e útil.
• Toda doença é única e vivenciada de forma única
pela pessoa.
• “Negar a dor do outro é negar a sua própria
realidade”.
Mente + Corpo
• O modelo Biomédico enfatiza apenas as dimensões e variáveis
biológicas.
• Contra esse modelo alguns teóricos, inspirados pelas teorias
psicanalíticas e da psicossomática, propuseram que toda
doença é fruto de um processo de somatização (conversão do
conflito interpsíquico em sintoma físico pela descarga da
energia psíquica, a Libido, no corpo).
• Essa perspectiva algumas vezes denominada de psicologismo
é outra forma extrema e unicausal de compreender o
processo saúde-doença.
• Por isso é importante compreender que toda doença é
pluricausal.
A identidade e a doença
• Representação que temos de nós mesmos.
• Influências:
– História de vida;
– Imagem corporal.
• A doença e a hospitalização podem gerar
importantes modificações na identidade
pessoal, ocasionando conflitos emocionais e
crise de identidade.
BIBLIOGRAFIA UTILIZADA
• BOCK, Ana Mercês Bahia, FURTADO, Odair,
TEXEIRA, Maria de Lourdes Trassi. Psicologias:
uma introdução ao estudo da Psicologia. 13.
ed., São Paulo: Saraiva, 2002.
• ANGERAMI – CAMON. E a Psicologia entrou
no Hospital. Ed. Pioneira, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
Adriana Emidio
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
Aroldo Gavioli
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
Simone Elisa Heitor
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
Aroldo Gavioli
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Maria Gabriela Gomes Cavalcante
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Aroldo Gavioli
 
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
MarianaPerson
 
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outroPsicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Cintia Colotoni
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
Inaiara Bragante
 
A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
Joanna de Angelis lopes
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Taianna Ribeiro
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
Gabriel Jefferson Oliveira
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitosAula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitos
Futuros Medicos
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 2ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem  2ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem  2ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 2ª aula
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Modulo I – psicologia no contexto da humanização
Modulo I – psicologia no contexto da humanizaçãoModulo I – psicologia no contexto da humanização
Modulo I – psicologia no contexto da humanização
Artur Mamed
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 1ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem  1ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem  1ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 1ª aula
Gabriel Jefferson Oliveira
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
 
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outroPsicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Aula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitosAula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitos
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 2ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem  2ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem  2ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 2ª aula
 
Modulo I – psicologia no contexto da humanização
Modulo I – psicologia no contexto da humanizaçãoModulo I – psicologia no contexto da humanização
Modulo I – psicologia no contexto da humanização
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 1ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem  1ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem  1ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 1ª aula
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 

Semelhante a Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado

Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Federal State University of Rio de Janeiro
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
CarlaAlves362153
 
Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúde
Psicologia_2015
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
Denílson Maia
 
Aula modelo biomedico biopsicossocial
Aula modelo biomedico biopsicossocial Aula modelo biomedico biopsicossocial
Aula modelo biomedico biopsicossocial
Gizelly
 
Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....
Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....
Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....
FagnerCruz10
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
Rondinelli Salvador Silva
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
lucassoares41810
 
Joana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoaJoana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoa
comunidadedepraticas
 
O process
O processO process
O process
Eliana da Silva
 
Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?
Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?
Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?
CENAT Cursos
 
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AriltonGomes
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
rosemendes2001hotmai
 
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúdeAspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Vanessa Paiva
 
Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019
LaraLopes42
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
Paula Brustolin Xavier
 
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Virgilio Garcia Moreira
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
BrendoArruda
 
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdfAULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
RonaldoAlves895997
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
JessiellyGuimares
 

Semelhante a Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado (20)

Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
 
Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúde
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
 
Aula modelo biomedico biopsicossocial
Aula modelo biomedico biopsicossocial Aula modelo biomedico biopsicossocial
Aula modelo biomedico biopsicossocial
 
Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....
Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....
Slide da aula sobre Psicossomática explicando origem do tema e problemáticas....
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
 
Joana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoaJoana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoa
 
O process
O processO process
O process
 
Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?
Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?
Medicalização: o que ela faz para uma nova abordagem em saúde mental?
 
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
 
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptxPSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
PSICOLOGIA APLICADA AÞ_ SAAÞ_DE.pptx
 
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúdeAspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
 
Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
 
AULA 1.pdf
AULA 1.pdfAULA 1.pdf
AULA 1.pdf
 
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdfAULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
AULA APRESENTAÇÃO PROCESSO HISTÓRICO DA PSIQUIATRIA E DA SAÚDE MENTAL.pdf
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
 

Mais de Felipe Saraiva Nunes de Pinho

Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Comportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacionalComportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
comportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacionalcomportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Perspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativasPerspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativas
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
A psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacionalA psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Ética, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologiaÉtica, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Existência e Eticidade
Existência e EticidadeExistência e Eticidade
Existência e Eticidade
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Ética nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidadeÉtica nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidade
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
O modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber rossO modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber ross
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
A síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normalA síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normal
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Mais de Felipe Saraiva Nunes de Pinho (20)

Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
 
Comportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacionalComportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacional
 
comportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacionalcomportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacional
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
 
Perspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativasPerspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativas
 
A psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacionalA psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacional
 
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
 
Ética, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologiaÉtica, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologia
 
Existência e Eticidade
Existência e EticidadeExistência e Eticidade
Existência e Eticidade
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
 
Ética nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidadeÉtica nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidade
 
O modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber rossO modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber ross
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
A síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normalA síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normal
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 

Último

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado

  • 1. AULA 1 INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA APLICADA AO CUIDADO Prof. Ms. Felipe Saraiva Nunes de Pinho www.felipepinho.com
  • 2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE I: • IDENTIFICAÇÃO DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS E AFETIVOS RELACIONADOS AO PACIENTE E FAMÍLIA NOS CUIDADOS EM SAÚDE, • SOFRIMENTO PSÍQUICO E ASPECTOS PSICOLÓGICOS ASSOCIADOS AO PROCESSO DE ADOECER, DOR, MORTE E PERDAS (PERDA DA SAÚDE E OUTROS LUTOS). • DISCUSSÃO DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA RELAÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM COM O PACIENTE, COM A FAMÍLIA DO PACIENTE E COM A EQUIPE MULTI E INTERDISCIPLINAR DE SAÚDE, NOS VÁRIOS CONTEXTOS DE CUIDADOS (DOMICILIAR, AMBULATORIAL, HOSPITALAR) DAS ORGANOPATOLOGIAS E PSICOPATOLOGIAS. UNIDADE II: • CARACTERIZAÇÃO DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS CONDICIONANTES DE UM ATENDIMENTO HUMANIZADO AO PACIENTE E SUA FAMÍLIA. • CONTRIBUIÇÕES DA ANTROPOLOGIA MÉDICA NA DISCUSSÃO DOS ASPECTOS CULTURAIS E SOCIAIS RELACIONADOS AO PROCESSO DE ADOECER; • RELAÇÃO DO ENFERMEIRO E DEMAIS PROFISSIONAIS DE SAÚDE COM O PACIENTE E FAMÍLIA; • HUMANIZAÇÃO E CUIDADOS PALIATIVOS. • DISCUSSÃO DA IMPORTÂNCIA DO CUIDADO COM O CUIDADOR.
  • 3. O diagnóstico da OMS • As principais causas de morte nos países desenvolvidos estão relacionadas às enfermidades cardíacas, diabetes, acidentes vasculares cerebrais e câncer ; • Prevê-se que em 2030, as doenças não transmissíveis sejam responsáveis por 75% das mortes, entre elas câncer, que aumentará de 7,4 milhões de óbitos em 2004 para 11,8 milhões em 2030; • Essas enfermidades estão relacionadas com o estilo de vida, com nossos hábitos e comportamentos, ou seja, nossos hábitos alimentares, fumo, ingestão de bebidas alcoólicas, sedentarismo, estresse, alienação social etc.
  • 4. Mudança de Paradigma nas Ciências da Saúde • Modelo Biomédico:  Estruturando durante o século XIX;  Influenciado pelo Paradigma Newtoniano- cartesiano.  É reducionista: reduz o processo saúde-doença apenas aos aspectos e variáveis biológicas e somáticas.  Considera que toda doença é causada por um patógeno.
  • 5. Mudança de Paradigma nas Ciências da Saúde O modelo biomédico é o modelo vigente da atuação na saúde e é regido por variáveis biológicas que analisam o corpo como uma máquina, através da relação causa-efeito, minimizando aspectos sociais, psicológicos e as dimensões humanas da doença. É caracterizado por diagnósticos que determinam o modo de tratamento, monopolizado pelo médico, no qual se privilegia a doença e não o doente. (ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA. Paula Carolina Salles Leite. Número 75).
  • 6. Mudança de Paradigma nas Ciências da Saúde • A crítica ao modelo Biomédico. • As enfermidades como multicausais. • A identificação dos múltiplos fatores que estão relacionados ao processo saúde-doença. • A atitude multidisciplinar, interdisciplinar e transdisciplinar em saúde. • A perspectiva biopsicossocial – ecológica e espiritual do ser humano.
  • 7. Criticas e Alternativas ao Modelo Biomédico • Modelo Biopsicossocial – espiritual e ecológico. • Saúde Coletiva: enfatiza aspectos socioculturais e ambientais, como Política, Economia, Cultura. • Psicossomática: enfatiza os aspectos psicológicos e inconscientes no surgimento das doenças. • Psiconeuroimunologia: defende a interação entre comportamento e os sistemas nervoso, endócrino e imunológico no processo saúde-doença.
  • 8. A Psicologia: O estudo do ser humano por trás da enfermidade
  • 9. Subjetividade é o conjunto de característica de um sujeito, aquilo que é pessoal, individual e singular. É nossa vida interior. "É o mundo de ideias, significados e emoções construídos internamente pelo sujeito a partir de suas relações sociais, de sua experiência e história de vida, e de sua constituição biológica”. (BOCK, 2002) A Psicologia e o estudo da subjetividade
  • 10. O Imaginário e o Adoecer • A Psicologia busca compreender: Os fatores subjetivos que estão relacionados à enfermidade (ao adoecer) e ao sofrimento decorrente. A vivência do real e o imaginário da pessoa. Como a doença afeta o imaginário e o significado existencial da pessoa e a percepção que tem de si mesma.
  • 11. O adoecer nos revela • O extremo desamparo que é o destino humano. • A fragilidade da condição humana. • Sofrimento físico e sofrimento psicológico. A doença é muito maior que os sintomas físicos. • A hospitalização obriga a pessoa a repensar a sua realidade existencial. NECESSIDADES (fisiológicas) DEMANDAS (psicológicas) x
  • 12. O hospital e a coisificação do cuidado • Predomínio de intervenções técnicas, mecânicas e coisificadoras do ser humano. • Não há espaço para as demandas subjetivas. • Ênfase no utilitarismo financeiro, no pragmatismo do cuidado. • Rotinas e procedimentos robóticos. • “Paciente” como passivo.
  • 13. Enfermidade e Subjetividade • Toda enfermidade é sempre: Resignificada pela própria pessoa. Uma experiência (vivência) individual. • O que significa adoecer? Perder a fluidez e a rotina cotidiana. Deixar de ser um pessoa produtiva e útil. • Toda doença é única e vivenciada de forma única pela pessoa. • “Negar a dor do outro é negar a sua própria realidade”.
  • 14. Mente + Corpo • O modelo Biomédico enfatiza apenas as dimensões e variáveis biológicas. • Contra esse modelo alguns teóricos, inspirados pelas teorias psicanalíticas e da psicossomática, propuseram que toda doença é fruto de um processo de somatização (conversão do conflito interpsíquico em sintoma físico pela descarga da energia psíquica, a Libido, no corpo). • Essa perspectiva algumas vezes denominada de psicologismo é outra forma extrema e unicausal de compreender o processo saúde-doença. • Por isso é importante compreender que toda doença é pluricausal.
  • 15. A identidade e a doença • Representação que temos de nós mesmos. • Influências: – História de vida; – Imagem corporal. • A doença e a hospitalização podem gerar importantes modificações na identidade pessoal, ocasionando conflitos emocionais e crise de identidade.
  • 16. BIBLIOGRAFIA UTILIZADA • BOCK, Ana Mercês Bahia, FURTADO, Odair, TEXEIRA, Maria de Lourdes Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo da Psicologia. 13. ed., São Paulo: Saraiva, 2002. • ANGERAMI – CAMON. E a Psicologia entrou no Hospital. Ed. Pioneira, 2003.