SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 06 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
BARROCO NO BRASIL
1. DIVISÃO DA LITERATURA BRASILEIRA
Como já vimos em outras aulas, as manifestações literárias são
dividas didaticamente, em grandes eras e em períodos menores,
chamados estilos de época, escolas ou ainda movimentos literários. Tal
divisão também acontece com a Literatura Brasileira que apresenta duas
grandes eras:
ERA COLONIAL
ERA NACIONAL
A primeira grande era, a ERA COLONIAL, tem início com a vinda
dos primeiros portugueses, em 1500, e se estende até 1808 com a
chegada da família real ao Rio de Janeiro. A ERA NACIONAL tem início
em 1836, com o Romantismo e se estende até os dias de hoje. O
período entre 1808 a 1836 é conhecido como Período de Transição e
envolve todo o processo de independência política.
Essas eras também apresentam subdivisões. Vejamos como está
dividida a era colonial.
ERA COLONIAL
Quinhentismo (século XVI)
Barroco (século XVII)
Arcadismo (século XVIII)
Os primeiros textos produzidos em solo brasileiro não são
considerados como exemplos de manifestações literárias, caracterizam-
se mais como textos históricos. Eram textos informativos voltados para
a conquista material, para as descobertas da nova terra, ou textos
escritos pelos jesuítas, voltados para a catequese. Esses textos fazem
parte do chamado Quinhentismo brasileiro.
Não há um consenso quanto à primeira manifestação de uma
literatura realmente brasileira. Alguns consideram o Barroco essa
primeira manifestação de uma literatura realmente brasileira. Outros
estudiosos preferem falar em literatura brasileira somente a partir do
Romantismo, ou seja, a partir do século XVIII. Mas num aspecto todos
concordam, é no Barroco que encontramos não só um o primeiro, mas
um dos mais talentosos poetas brasileiros – Gregório de Matos.
O movimento Barroco compreende um longo período que se
estende de 1601, com a publicação do poema Prosopopéia, de Bento
Teixeira até meados do século XVIII (1768), com a fundação da
Arcádia Ultramarina, em Vila Rica, Minas Gerais e a publicação do livro
Obras Poéticas de Cláudio Manuel da Costa.
O termo Barroco no Brasil compreende duas grandes
manifestações: o Barroco Literário e Arquitetônico do século XVII,
principalmente na Bahia, e o Barroco mineiro do século XVIII, conhecido
como Barroco tardio, contemporâneo do Arcadismo.
O que nos interessa é esse Barroco Literário. Vejamos esta
imagem:
Casa de Engenho, Frans Post (1612-1680)
As manifestações brasileiras desse período refletem a visão de
mundo e a estrutura de um país-colônia, marcado pelo ciclo econômico
açucareiro. As poucas atividades culturais concentravam-se em
Salvador, Bahia e em Recife, Pernambuco.
A produção barroca no Brasil foi muito influenciada pelo Barroco
europeu. E você se lembra do que foi o Barroco?
O Barroco, como já vimos, foi o movimento estético literário do
conflito, dos impulsos contraditórios, do contraste entre claro/escuro,
alma/corpo, céu/inferno, bom/mau. O Barroco foi arte do jogo de
palavras e de idéias, que visavam surpreender o leitor não só através da
construção cuidadosa do texto, marcado várias vezes por uma
linguagem excessivamente rebuscada, mas também através de um alto
poder de raciocínio lógico.
Esse jogo, essa atitude lúdica nos faz lembrar das duas faces
barrocas:
Cultismo
BARROCO
Conceptismo
CULTISMO ou Gongorismo= Corresponde ao jogo de palavras
e imagens visando ao rebuscamento da forma do texto, à
ornamentação e à erudição vocabular Nessa vertente barroca é comum
o uso exagerado das figuras de linguagem, como metáforas, antíteses,
hipérboles, hipérbatos, entre outras. O cultismo também é chamado
de Gongorismo, por ter sido muito influenciado pelo poeta espanhol
Luís de Gôngora.
CONCEPTISMO ou Quevedismo = Corresponde ao jogo de
idéias e de conceitos, pautado no raciocínio lógico, visando ao
convencimento à argumentação. O conceptismo também é chamado
de Quevedismo, por ter sido muito influenciado pelo também
espanhol, Francisco Quevedo.
O cultismo e o conceptismo também influenciaram nossos
escritores. Vejamos os principais autores do Barroco no Brasil:
Bento Teixeira
Padre Antônio Vieira
Gregório de Matos
Bento Teixeira, assim como o Padre Antônio Vieira não era
brasileiro, ao contrário do que se pensou durante muito tempo, ambos
eram portugueses que passaram algum tempo no Brasil. Bento Teixeira
destaca-se por ser o autor do marco inicial do Barroco no Brasil, mas
seu poema épico Prosopopéia não provocou muito reconhecimento na
colônia. É uma imitação de Os Lusíadas, o que era muito comum na
época, também escrito em decassílabos e dispostos em oitava rima.
Padre Antônio Vieira, como já vimos, embora escrevendo no Brasil
apresentava a visão de mundo do homem europeu.
2. GREGÓRIO DE MATOS
Gregório de Matos - o grande representante do Barroco no Brasil.
Gregório de Matos, filho de uma família abastada nasceu na
Bahia, mas foi para Portugal, onde se diplomou em Direito. De volta ao
Brasil firma-se como o primeiro poeta brasileiro. Assim como outros
poetas, também teve uma vida atribulada e polêmica, sempre metido
em desavenças com pessoas poderosas e influentes.
Graças às suas sátiras, marcadas pela linguagem maliciosa, direta
e muitas vezes ferina, recebeu o apelido de Boca do Inferno.
Existem muitas dúvidas quanto à autenticidade de sua obra, isto
porque Gregório de Matos não publicou nada em vida, não deixou
nenhum texto autografado ou produzido de próprio punho. Sua obra
permaneceu praticamente inédita até o início do século XX quando a
Academia Brasileira de Letras publicou seis volumes com sua produção.
A diversidade e o antagonismo do espírito Barroco também estão
presentes em Gregório de Matos. Vejamos as principais características
de sua obra.
DUALISMO = Refletindo o dualismo barroco oscilou entre o
sagrado e o profano. Ora demonstrava aversão pelo sagrado, pelo
religioso, escrevendo textos sensuais e pornográficos, ora seus poemas
apresentavam uma profunda devoção a Deus e aos santos.
INSATISFAÇÃO = Vários textos mostram sua insatisfação com a
vida na colônia e sua inadaptação ao ambiente baiano, freqüentemente
criticado.
FUGACIDADE = Gregório de Matos deixou claro sua consciência
sobre a transitoriedade da vida. Seus textos mostram freqüentemente
as vaidades humanas como insignificantes e passageiras.
OUSADIA = Ao contrário do Padre Antônio Vieira que apresentava
um caráter mais conservador, com uma visão européia, Gregório de
Matos é considerado um poeta inovador e irreverente. Mesmo adepto do
cultismo, também cultivou o jogo de idéias presente no conceptismo.
Embora conhecido como poeta satírico, criticando não só as pessoas,
mas também as instituições da época, Gregório de Matos apresenta uma
obra vasta:
SACRA
POESIA LÍRICA AMOROSA
ENCOMIÁSTICA
POESIA SATÍRICA
POESIA SACRA = Ou religiosa é marcada pelo conflito gerado
entre a vida mundana e o a vida espiritual. Entre a consciência do
pecado e o desejo de salvação. Vejamos um fragmento de sua poesia
religiosa:
“ ... Esta razão me obriga a confiar,
Que, por mais que pequei, neste conflito
Espero em vosso amor de me salvar.”
POESIA AMOROSA = Na poesia amorosa, também encontramos
a dualidade barroca oscilando entre o amor elevado, espiritual e o
sensualismo e o erotismo do amor carnal. Vejamos dois fragmentos de
sua poesia amorosa, em que o autor define o amor:
“ Ardor em firme coração nascido;
Pranto por belos olhos derramado;
Incêndio em mares de água disfarçado;
Rio de neve em fogo convertido:
Tu, que em um peito abrasas escondido;
Tu, que em um rosto corres desatado;
Quando fogo, em cristais aprisionado;
Quando cristal, em chamas derretido.”
------XXXXXX------
“O Amor é finalmente
um embaraço de pernas,
uma união de barrigas,
um breve tremor de artérias.
Uma confusão de bocas,
Uma batalha de veias, um rebuliço de ancas;
Quem diz outra coisa, é besta.”
Gregório de Matos também escreveu textos de circunstância,
laudatórios, destinados a elogiar pessoas importantes da época, é a
chamada POESIA ENCOMIÁSTICA. Em suas sátiras, criticou os vários
tipos humanos de sua época, os costumes, os primeiros colonos
nascidos no Brasil, conhecidos como “caramurus” e principalmente o
relaxamento moral da Bahia, numa posição de recusa em relação à
exploração da colônia. Vejamos um exemplo de sua sátira:
“Que os brasileiros são bestas
E estão sempre a trabalhar
Toda a vida por manter
Maganos de Portugal”
3 – EXERCÍCIOS
1- (UNIV. CAXIAS DO SUL) – Escolha a alternativa que completa de
forma correta a frase abaixo.
A poesia de Gregório de Matos, associada ao ________________,
Pode ser dividida em __________________, ________________ e
________________.
a) Barroco lírica religiosa satírica
b) Romantismo épica lírica religiosa
c) Parnasianismo lírica satírica nacionalista
d) Barroco satírica lírica épica
e) Arcadismo indianista religiosa satírica
R: a
2-(FAC. DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DO PARÁ)
Sabe-se que o Barroco produziu uma literatura que expressa o
conflito do homem em face a vida. Em que verso de Gregório de Matos
Guerra se verificam alguns traços do conflito antes referido, a ponto de
ele tentar e fusão dos opostos?
a) “ Não vira em minha vida a formosura...”
b) “ Quem vira uma tal flor que não a cortara ”
c) “ E na alegria, sinta-se tristeza ”
d) “ Ouvia falar nela cada dia ”
e) “ Olhos meus, disse então, por defender-me ”
R: c
3- (SANTA CASA-SP)
A preocupação com a brevidade da vida induz o poeta barroco a
assumir uma atitude que:
a) descrê da misericórdia divina e contesta os valores da religião;
b) desiste de lutar contra o tempo, menosprezando a mocidade e
a beleza;
c) se deixa sub-julgar pelo desânimo e pela apatia dos céticos;
d) se revolta contra os insondáveis desígnios de Deus;
e) quer gozar ao máximo seus dias, enquanto a mocidade dura.
R: e
4- (FUVEST–SP) “...tem no temperamento a exaltação que há de
caracterizar os românticos, e foge, mais de uma vez, aos temas
literários da Arcádia, mas obedece aos princípios da estética
expressional do Neoclassicismo setecentista ...”
( Hernâni Cidade )
a) Camilo Pessanha c) Bernadim Ribeiro e) Barbosa du Bocage
b) Antero de Quental d) João de Deus
R: e
5- (FUVEST–SP) “ Em arte aos de Minerva se não rendem
Teus alvos, curtos dedos melindrosos.”
Indique a característica presente nos versos acima, de autoria de
Bocage:
a) Uso de pseudônimos
b) Rompimento com os clássicos
c) Recurso à mitologia greco-romana
d) Predominância de subjetivismo
e) Tema pastoril
R: c
6- (FUVEST) “ Razão feroz, o coração me indagas,
De meus erros a sombra esclarecendo,
E vás nele (ai de mim!) palpando, e vendo
De agudas ânsias venenosas chagas:”
O Pré-romantismo é uma fase de transição do Arcadismo para o
Romantismo. Aponte no fragmento deste soneto de Bocage uma
característica árcade e outra romântica.
R: A invocação da Razão e a forma do poema são árcades; o pessoalismo e o
sofrimento são românticos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Impressionismo neo e pos
Impressionismo neo e posImpressionismo neo e pos
Impressionismo neo e pos
jeanecsc
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Colégio Santa Luzia
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
Isaque Marques Pascoal
 
A Geração de Orpheu
A Geração de OrpheuA Geração de Orpheu
A Geração de Orpheu
complementoindirecto
 
Trabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua Inglesa
Trabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua InglesaTrabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua Inglesa
Trabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua Inglesa
Suellen Nascimento
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Andréia Peixoto
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
Eliete Sampaio Farneda
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Ivana Mayrink
 
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e SurrealismoVanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Colégio Santa Luzia
 
Barroco Brasileiro
Barroco  BrasileiroBarroco  Brasileiro
Barroco Brasileiro
Thalles Yvson
 
Hip hop
Hip hopHip hop
Hip hop
DeaaSouza
 
Aula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismoAula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismo
Elizabeth Vicente da Silva
 
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo NetoMorte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Rafael Leite
 
A música e as linguagens artísticas
A música e as linguagens artísticasA música e as linguagens artísticas
A música e as linguagens artísticas
adrianajoris
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
Paulo Rodrigues
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Lú Carvalho
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
jojopaiva
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Lucas Nascimento
 

Mais procurados (20)

Impressionismo neo e pos
Impressionismo neo e posImpressionismo neo e pos
Impressionismo neo e pos
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
 
A Geração de Orpheu
A Geração de OrpheuA Geração de Orpheu
A Geração de Orpheu
 
Trabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua Inglesa
Trabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua InglesaTrabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua Inglesa
Trabalhando a Diversidade na Sala de Aula de Língua Inglesa
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e SurrealismoVanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
 
Barroco Brasileiro
Barroco  BrasileiroBarroco  Brasileiro
Barroco Brasileiro
 
Hip hop
Hip hopHip hop
Hip hop
 
Aula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismoAula sobre o arcadismo
Aula sobre o arcadismo
 
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo NetoMorte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
 
A música e as linguagens artísticas
A música e as linguagens artísticasA música e as linguagens artísticas
A música e as linguagens artísticas
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 

Semelhante a Aula 06 barroco no brasil

Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Jonatas Carlos
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
Alecio Marcelo Vaz Vaz
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
Ma Hildebrand de Araujo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Lú Carvalho
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana TavaresBarroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
peterloco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Movimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no BrasilMovimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no Brasil
Murilo Donini
 
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó
carlosbidu
 
Barroco
BarrocoBarroco
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
CamilaOliveira83116
 
literatura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdf
literatura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdfliteratura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdf
literatura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdf
Carlos100coliCoimbra
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Literatura barroca
Literatura barrocaLiteratura barroca
Literatura barroca
daniel ferreira
 
Barroco brasileiro.pptx
Barroco brasileiro.pptxBarroco brasileiro.pptx
Barroco brasileiro.pptx
AdriellyWannessa
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 

Semelhante a Aula 06 barroco no brasil (20)

Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana TavaresBarroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
Barroco | Literatura | Profª Luciana Tavares
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Movimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no BrasilMovimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no Brasil
 
Barroco & Rococó
Barroco & Rococó Barroco & Rococó
Barroco & Rococó
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
literatura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdf
literatura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdfliteratura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdf
literatura-barroco1-101103152934-phpapp01.pdf
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Literatura barroca
Literatura barrocaLiteratura barroca
Literatura barroca
 
Barroco brasileiro.pptx
Barroco brasileiro.pptxBarroco brasileiro.pptx
Barroco brasileiro.pptx
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Aula 06 barroco no brasil

  • 1. AULA 06 – LITERATURA PROFª Edna Prado BARROCO NO BRASIL 1. DIVISÃO DA LITERATURA BRASILEIRA Como já vimos em outras aulas, as manifestações literárias são dividas didaticamente, em grandes eras e em períodos menores, chamados estilos de época, escolas ou ainda movimentos literários. Tal divisão também acontece com a Literatura Brasileira que apresenta duas grandes eras: ERA COLONIAL ERA NACIONAL A primeira grande era, a ERA COLONIAL, tem início com a vinda dos primeiros portugueses, em 1500, e se estende até 1808 com a chegada da família real ao Rio de Janeiro. A ERA NACIONAL tem início em 1836, com o Romantismo e se estende até os dias de hoje. O período entre 1808 a 1836 é conhecido como Período de Transição e envolve todo o processo de independência política. Essas eras também apresentam subdivisões. Vejamos como está dividida a era colonial.
  • 2. ERA COLONIAL Quinhentismo (século XVI) Barroco (século XVII) Arcadismo (século XVIII) Os primeiros textos produzidos em solo brasileiro não são considerados como exemplos de manifestações literárias, caracterizam- se mais como textos históricos. Eram textos informativos voltados para a conquista material, para as descobertas da nova terra, ou textos escritos pelos jesuítas, voltados para a catequese. Esses textos fazem parte do chamado Quinhentismo brasileiro. Não há um consenso quanto à primeira manifestação de uma literatura realmente brasileira. Alguns consideram o Barroco essa primeira manifestação de uma literatura realmente brasileira. Outros estudiosos preferem falar em literatura brasileira somente a partir do Romantismo, ou seja, a partir do século XVIII. Mas num aspecto todos concordam, é no Barroco que encontramos não só um o primeiro, mas um dos mais talentosos poetas brasileiros – Gregório de Matos. O movimento Barroco compreende um longo período que se estende de 1601, com a publicação do poema Prosopopéia, de Bento Teixeira até meados do século XVIII (1768), com a fundação da Arcádia Ultramarina, em Vila Rica, Minas Gerais e a publicação do livro Obras Poéticas de Cláudio Manuel da Costa. O termo Barroco no Brasil compreende duas grandes manifestações: o Barroco Literário e Arquitetônico do século XVII, principalmente na Bahia, e o Barroco mineiro do século XVIII, conhecido como Barroco tardio, contemporâneo do Arcadismo.
  • 3. O que nos interessa é esse Barroco Literário. Vejamos esta imagem: Casa de Engenho, Frans Post (1612-1680) As manifestações brasileiras desse período refletem a visão de mundo e a estrutura de um país-colônia, marcado pelo ciclo econômico açucareiro. As poucas atividades culturais concentravam-se em Salvador, Bahia e em Recife, Pernambuco. A produção barroca no Brasil foi muito influenciada pelo Barroco europeu. E você se lembra do que foi o Barroco? O Barroco, como já vimos, foi o movimento estético literário do conflito, dos impulsos contraditórios, do contraste entre claro/escuro, alma/corpo, céu/inferno, bom/mau. O Barroco foi arte do jogo de palavras e de idéias, que visavam surpreender o leitor não só através da construção cuidadosa do texto, marcado várias vezes por uma linguagem excessivamente rebuscada, mas também através de um alto poder de raciocínio lógico.
  • 4. Esse jogo, essa atitude lúdica nos faz lembrar das duas faces barrocas: Cultismo BARROCO Conceptismo CULTISMO ou Gongorismo= Corresponde ao jogo de palavras e imagens visando ao rebuscamento da forma do texto, à ornamentação e à erudição vocabular Nessa vertente barroca é comum o uso exagerado das figuras de linguagem, como metáforas, antíteses, hipérboles, hipérbatos, entre outras. O cultismo também é chamado de Gongorismo, por ter sido muito influenciado pelo poeta espanhol Luís de Gôngora. CONCEPTISMO ou Quevedismo = Corresponde ao jogo de idéias e de conceitos, pautado no raciocínio lógico, visando ao convencimento à argumentação. O conceptismo também é chamado de Quevedismo, por ter sido muito influenciado pelo também espanhol, Francisco Quevedo. O cultismo e o conceptismo também influenciaram nossos escritores. Vejamos os principais autores do Barroco no Brasil: Bento Teixeira Padre Antônio Vieira Gregório de Matos Bento Teixeira, assim como o Padre Antônio Vieira não era brasileiro, ao contrário do que se pensou durante muito tempo, ambos eram portugueses que passaram algum tempo no Brasil. Bento Teixeira destaca-se por ser o autor do marco inicial do Barroco no Brasil, mas seu poema épico Prosopopéia não provocou muito reconhecimento na colônia. É uma imitação de Os Lusíadas, o que era muito comum na época, também escrito em decassílabos e dispostos em oitava rima.
  • 5. Padre Antônio Vieira, como já vimos, embora escrevendo no Brasil apresentava a visão de mundo do homem europeu. 2. GREGÓRIO DE MATOS Gregório de Matos - o grande representante do Barroco no Brasil. Gregório de Matos, filho de uma família abastada nasceu na Bahia, mas foi para Portugal, onde se diplomou em Direito. De volta ao Brasil firma-se como o primeiro poeta brasileiro. Assim como outros poetas, também teve uma vida atribulada e polêmica, sempre metido em desavenças com pessoas poderosas e influentes. Graças às suas sátiras, marcadas pela linguagem maliciosa, direta e muitas vezes ferina, recebeu o apelido de Boca do Inferno. Existem muitas dúvidas quanto à autenticidade de sua obra, isto porque Gregório de Matos não publicou nada em vida, não deixou nenhum texto autografado ou produzido de próprio punho. Sua obra permaneceu praticamente inédita até o início do século XX quando a Academia Brasileira de Letras publicou seis volumes com sua produção. A diversidade e o antagonismo do espírito Barroco também estão presentes em Gregório de Matos. Vejamos as principais características de sua obra.
  • 6. DUALISMO = Refletindo o dualismo barroco oscilou entre o sagrado e o profano. Ora demonstrava aversão pelo sagrado, pelo religioso, escrevendo textos sensuais e pornográficos, ora seus poemas apresentavam uma profunda devoção a Deus e aos santos. INSATISFAÇÃO = Vários textos mostram sua insatisfação com a vida na colônia e sua inadaptação ao ambiente baiano, freqüentemente criticado. FUGACIDADE = Gregório de Matos deixou claro sua consciência sobre a transitoriedade da vida. Seus textos mostram freqüentemente as vaidades humanas como insignificantes e passageiras. OUSADIA = Ao contrário do Padre Antônio Vieira que apresentava um caráter mais conservador, com uma visão européia, Gregório de Matos é considerado um poeta inovador e irreverente. Mesmo adepto do cultismo, também cultivou o jogo de idéias presente no conceptismo. Embora conhecido como poeta satírico, criticando não só as pessoas, mas também as instituições da época, Gregório de Matos apresenta uma obra vasta: SACRA POESIA LÍRICA AMOROSA ENCOMIÁSTICA POESIA SATÍRICA POESIA SACRA = Ou religiosa é marcada pelo conflito gerado entre a vida mundana e o a vida espiritual. Entre a consciência do pecado e o desejo de salvação. Vejamos um fragmento de sua poesia religiosa: “ ... Esta razão me obriga a confiar, Que, por mais que pequei, neste conflito Espero em vosso amor de me salvar.”
  • 7. POESIA AMOROSA = Na poesia amorosa, também encontramos a dualidade barroca oscilando entre o amor elevado, espiritual e o sensualismo e o erotismo do amor carnal. Vejamos dois fragmentos de sua poesia amorosa, em que o autor define o amor: “ Ardor em firme coração nascido; Pranto por belos olhos derramado; Incêndio em mares de água disfarçado; Rio de neve em fogo convertido: Tu, que em um peito abrasas escondido; Tu, que em um rosto corres desatado; Quando fogo, em cristais aprisionado; Quando cristal, em chamas derretido.” ------XXXXXX------ “O Amor é finalmente um embaraço de pernas, uma união de barrigas, um breve tremor de artérias. Uma confusão de bocas, Uma batalha de veias, um rebuliço de ancas; Quem diz outra coisa, é besta.” Gregório de Matos também escreveu textos de circunstância, laudatórios, destinados a elogiar pessoas importantes da época, é a chamada POESIA ENCOMIÁSTICA. Em suas sátiras, criticou os vários tipos humanos de sua época, os costumes, os primeiros colonos nascidos no Brasil, conhecidos como “caramurus” e principalmente o relaxamento moral da Bahia, numa posição de recusa em relação à exploração da colônia. Vejamos um exemplo de sua sátira: “Que os brasileiros são bestas E estão sempre a trabalhar Toda a vida por manter Maganos de Portugal”
  • 8. 3 – EXERCÍCIOS 1- (UNIV. CAXIAS DO SUL) – Escolha a alternativa que completa de forma correta a frase abaixo. A poesia de Gregório de Matos, associada ao ________________, Pode ser dividida em __________________, ________________ e ________________. a) Barroco lírica religiosa satírica b) Romantismo épica lírica religiosa c) Parnasianismo lírica satírica nacionalista d) Barroco satírica lírica épica e) Arcadismo indianista religiosa satírica R: a 2-(FAC. DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DO PARÁ) Sabe-se que o Barroco produziu uma literatura que expressa o conflito do homem em face a vida. Em que verso de Gregório de Matos Guerra se verificam alguns traços do conflito antes referido, a ponto de ele tentar e fusão dos opostos? a) “ Não vira em minha vida a formosura...” b) “ Quem vira uma tal flor que não a cortara ” c) “ E na alegria, sinta-se tristeza ” d) “ Ouvia falar nela cada dia ” e) “ Olhos meus, disse então, por defender-me ” R: c 3- (SANTA CASA-SP) A preocupação com a brevidade da vida induz o poeta barroco a assumir uma atitude que: a) descrê da misericórdia divina e contesta os valores da religião;
  • 9. b) desiste de lutar contra o tempo, menosprezando a mocidade e a beleza; c) se deixa sub-julgar pelo desânimo e pela apatia dos céticos; d) se revolta contra os insondáveis desígnios de Deus; e) quer gozar ao máximo seus dias, enquanto a mocidade dura. R: e 4- (FUVEST–SP) “...tem no temperamento a exaltação que há de caracterizar os românticos, e foge, mais de uma vez, aos temas literários da Arcádia, mas obedece aos princípios da estética expressional do Neoclassicismo setecentista ...” ( Hernâni Cidade ) a) Camilo Pessanha c) Bernadim Ribeiro e) Barbosa du Bocage b) Antero de Quental d) João de Deus R: e 5- (FUVEST–SP) “ Em arte aos de Minerva se não rendem Teus alvos, curtos dedos melindrosos.” Indique a característica presente nos versos acima, de autoria de Bocage: a) Uso de pseudônimos b) Rompimento com os clássicos c) Recurso à mitologia greco-romana d) Predominância de subjetivismo e) Tema pastoril R: c 6- (FUVEST) “ Razão feroz, o coração me indagas, De meus erros a sombra esclarecendo, E vás nele (ai de mim!) palpando, e vendo De agudas ânsias venenosas chagas:” O Pré-romantismo é uma fase de transição do Arcadismo para o Romantismo. Aponte no fragmento deste soneto de Bocage uma característica árcade e outra romântica. R: A invocação da Razão e a forma do poema são árcades; o pessoalismo e o sofrimento são românticos