SlideShare uma empresa Scribd logo
FARMACOLOGIA
Prof.MSc Daniele Cazoni BAlthazar
FARMACOLOGIA
 “ O desejo de ingerir medicamentos e a
principal característica que distingue o homem
dos animais”
 William Osler ( médico canadense )
FARMACOLOGIA
 Por que?
 MELHORAR SUA QUALIDADE DE VIDA
 ALIVIAR OU SE POSSÍVEL ABOLIR A DOR
 PROLONGAR A VIDA
 ...
 1. Nem sempre logram o resultado desejado
 2. Muitas vezes só alcançam o alívio ou consolo do
paciente
 3. Do ponto de vista histórico existem relatos muito
antigos sobre o uso de drogas no tratamento de
enfermidades
FARMACOLOGIA
É a ciência que estuda as interações
entre os compostos químicos com o
organismo vivo ou sistema biológico,
resultando em um efeito maléfico
(tóxico) ou benéfico ( medicamento ).
FARMACOLOGIA – DROGA IDEAL
FARMACOLOGIA E SUAS
VERTENTES
FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES
 Farmacogenética: trata-se do estudo das
influências genéticas sobre as respostas a
fármacos. Originalmente, a farmacogenética
tratava das reações farmacológicas
idiossincrásicas familiares, em que os indivíduos
afetados exibiam uma resposta anormal –
habitualmente adversa – a uma classe de fármaco.
Hoje um dia, abrange variações mais amplas na
resposta a fármacos a banse genética é mais
complexa.
 Farmacogenômica: Este novo termo superpõese à
farmacogenética, descrevendo o uso da informação genética
para orientar a escolha da terapia farmacológica numa base
individual. A pressuposição de base é a de que o possível
prever diferenças na resposta a agentes terapêuticos entre
indivíduos a partir de sua constituição genética. A partir deste
princípio, a descoberta das variações gênicas específicas
associadas a uma resposta terapêutica boa ou inadequada a
determinado fármaco deverá permitir a individualização das
escolhas terapêuticas com base no genótipo do indivíduo. A
farmacogenômica é, em sua essência, um ramo da
farmacogenética com boa dose de liberdade. Até o momento,
o conceito é, em grande parte, teórico; entretanto, se for
comprovada a sua validade, as consequências para a
terapêutica serão de longo alcance.
FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES
FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES
 Farmacoepidemiologia: Trata-se do estudo dos efeitos
dos fármacos em nível populacional. Ocupa-se com a
variabilidade dos efeitos farmacológicos entre indivíduos de
uma determinada população e entre populações. Constitui um
tópico cada vez mais importante para as autoridades
regulamentadoras, que decidem se um novo fármaco pode ou
não ser aprovado para uso terapêutico. A variabilidade entre
indivíduos ou populações tem um efeito adverso sobre a
utilidade de um fármaco, embora seu nível de efeito médio
possa ser satisfatório. Os estudos farmacoepidemiológicos
também consideram a aderência do paciente ao tratamento e
outros fatores pertinentes quando o fármaco é utilizado em
condições reais.
FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES
 Farmacoeconomia: Este ramo da economia da
saúde visa quantificar, em termos econômicos, o
custo e o benefício das substâncias utilizadas
terapeuticamente. Surgiu em decorrência da
preocupação de muitos governos em fornecer uma
assistência à saúde a partir dos impostos de renda.
Levando questões sobre quais os tipos de
procedimentos terapêuticos mais convenientes em
termos monetários.
INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA
FARMACOLOGIA BÁSICA
 Fármaco: substância de estrutura química definida
que quando em um sistema biológico, modifica
uma ou mais funções fisiológicas.
 Droga: matéria-prima de origem mineral, vegetal ou
animal que contém um ou mais fármacos.
FARMACOLOGIA BÁSICA
Farmacologia
Farmacodin
âmica
Farmacocín
ética
FARMACOLOGIA BÁSICA
 FARMACOCINÉTICA: ABSORÇÃO,
DISTRIBUIÇÃO, METABOLISMO E EXCREÇÃO
DE FARMACOS
 FARMACODINÂMICA: ESTUDA OS EFEITOS
FISIOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E MECANISMO
DE AÇÃO DOS FÁRMACOS
 VEÍCULO FARMACOLÓGICO: meio em que a
droga se encontra dispersa
 FORMA FARMACÊUTICA: forma como a droga se
apresenta para uso
 EX:
 COMPRIMIDOS
 CÁPSULAS
 DRÁGEAS
 INJETÁVEIS
 LÍQUIDOS
 POMADAS OU CREMES
FARMACOLOGIA - DEFINIÇÕES
FARMACOLOGIA - DEFNIÇÕES
 DOSE: é a quantidade de droga administrada
 BIODISPONIBILIDADE: é a fração de um fármaco
administrado que é evado à circulação sistêmica
 BIOEQUIVALÊNCIA: quando um fármaco pode ser
substituído por outro sem consequências clínicas
adversas.
FARMACOLOGIA- DEFINIÇÕES
 TEMPO 1/2 VIDA: é o tempo ncessário para que a
concentração plasmática do fármaco chegue em 50
%. É utilizado para o cálculo da posologia.
 ESTADO DE EQUILIBRIO ESTÁVEL: indica
quando o fármaco atinge a concentração
terapêutica.
FARMACOLOGIA
Atua sobre proteínas-alvo:
 Enzimas
 Transportadores
 Canais de ions
 Receptores
FARMACOLOGIA
 Especificidade: Recíproca entre substâncias e
ligantes. (subst se liga somente em determinados
alvos e os alvos só reconhecem determinada
substancia)
 Nenhum fármaco é totalmente específico: o
aumento da dose faz com que ele atue em outros
alvos diferentes peovocando efeitos colaterais.
FARMACOLOGIA
 Interação Fármaco – Receptor:
A tendência de um fármaco se ligar a um receptor é
determinada pela sua afinidade, enquanto a
tendência, uma vez ligada. De ativar o receptor é
indicada pela sua eficácia
FARMACOLOGIA
Droga A
agonista
Droga B
antagonista
+
+
R
R
AR
AR
AR Respos
ta
Nenhums
Resposta
Ocupação
regulada pela
afinidade
Ativação
regulada pela
eficácia
FARMACOLOGIA
 Agonistas: causam alterações na função celular,
produzindo vários tipos de efeitos.
 Antagonistas. Substância que se liga ao receptor
sem causar ativação impedindo consequentemente
a ligação do agonista.
FARMACOLOGIA
 Antagonismos:
 Antagonismo químico: duas substâncias se
combinam em solução , perdendo-se o efeito do
fármaco ativo. Ex: Uso de agentes quelantes
(dimercaprol)que se ligam a metais pesados
reduzindo sua toxicidade
FARMACOLOGIA
 Antagonismo farmacocinético: o Antagonista reduz
efetivamente a concentração do fármaco ativo em
seu local de ação. Podendo ser:
 Através do aumento da velocidade de degradação
do fármaco ativo. Ex: Warfarin + Fenobarbital = -
efeito do warfarin;
 Redução da velocidade de absorção da
susbstância ativa ;
 Aumento na taxa de excreção renal
FARMACOLOGIA
Antagonismo competitivo: ambos os fármacos se
ligam aos mesmos receptores (reversível ou
irreversível)
Antagonismo fisiológico: substâncias de ações
opostas tendem anular uma o efeito da outra. Ex:
histamina atua sobre os receptores das células
parietais da mucosa gástrica estimulando a
secreção de ácido, enquanto o omeprazol bloqueia
esse efeito ao inibir a bomba de prótons.
FARMACOLOGIA
Dessensibilização e Taquifilaxia:
 Diminuição do efeito de um fármaco que ocorre
gradualmente quando administrado de modo
contínuo ou repetidamente.
FARMACOLOGIA
Mecanismos envolvidos
 Alterações nos receptores
 Perda de recepores: exposição prolongada reduz o
número de receptores expressos na superfície
celular.
 Aumento do metabolismo da substância.
Substâncias como etanol e barbitúricos quando
administradas repetidamente, aparecem em
concentrações plasmáticas reduzidas.
FARMACOLOGIA
 Exaustão de mediadores : a dessensibilização está
associada à depleção de uma substância
intermediária essencial. Ex: Anfetaminas atuam
através da liberação de aminas nas termnações
nervosas, portanto apresentam elevada taquifilaxia
devido à depleção das reservas de aminas.
FARMACOLOGIA
 Adaptação fisiológica: Pode ocorrer uma
diminuição do efeito de um fármaco, devido à sua
anulação por uma resposta homeostátia. Ex:
Redução de efeitos colaterias como náuseas e
sonolência de alguns fármacos quando se dá a
administração contínua.
FARMACOLOGIA
Farmacocinética: Estuda quantitativamente
a cronologia dos processos metabólicos da
absorção, distribuição, biotransformação
e eliminação.
 Absorção
 Distribuição
 Biotransformação
 Excreção
FARMACOCINÉTICA
 MODELOS FARMACOCINÉTICOS:
1- Corpo é imaginado como um só
compartimento, onde a droga penetra e onde é
eliminada
2- Corpo formado por 2 compartimentos: um
central – representado pelo sangue e o
periférico - tecidos
MODELO FARMACOCINÉTICO 1
MODELO FARMACOCINÉTICO 2
FARMACOCINÉTICA
 Transferência da droga de um compartimento
para o outro segue regras da cinética – que esta
relacionada com a velocidade de transferência
REGRAS DA FARMACOCINÉTICA
REGRAS DA FARMACOCINÉTICA
REGRAS DA FARMACOCINÉTICA
FARMACOLOGIA
Fatores relacionados ao
paciente
Estados fisiopatológicos
Idade
Sexo
Tabagismo
Consumo de Alcool
Uso de outros Medicamentos
Anemias
Disfunção hepática
Doenças renais
Insuficiência Cardíaca
Infecção
Queimaduras
Febre
Fatores que podem influenciar os processos farmacocinéticos
FARMACOLOGIA
 Absorção
 É o processo pelo qual o medicamento,
principalmente administrado por via oral,
intramuscular ou retal, chegam, sem sofrer
alterações, ao meio tissular, de onde se distribuirão
pelo corpo, em geral atrtavés do sangue.
 Fatores que influenciam a absorção: características
físico-químicas da substância ativa, propriedades
da formulação farmacêutica e processos
fisiológicos característicos do paciente
FARMACOLOGIA
 Distribuição
 Após alcançar a circulação sistêmica , a passagem
do fármaco ou sua captação por qualquer tecido
dependem de vários fatores: propriedades físico-
químicas, tamanho molecular, solubilidade e
tamanho do tecido e fluxo sanguíneo tecidual.
DISTRIBUIÇÃO DOS FÁRMACOS
 FÁRMACOS LIGADOS À PROTEÍNAS E
HIDROSSOLÚVEIS FICAM PRINCIPALMENTE
NO COMPARTIMENTO PLASMÁTICO
 FÁRMACOS LIPOSSOLÚVEIS ACUMULAM-SE
NO TECIDO ADIPOSO
BIOTRANSFORMAÇÃO
 O fígado é o principal órgão de biotransformação de
medicamentos, embora algumas drogas sejam
biotransformadas no plasma, intestino (como o salbutamol
que é biotransformado no intestino) ou outro órgão.
 Atualmente, tem sido criticados por alguns autores as
palavras metabolismo, metabolizado, e metabolização,
referindo que devem ser substituídas por biotransformação e
biotransformado.
 A biotransformação (metabolismo) das drogas que ocorre no
fígado envolve dois tipos de
 reações bioquímicas, conhecidos como reações de fase I e
de fase II (ou metabolismo I, e,
 metabolismo II).
BIOTRANSFORMAÇÃO
 Freqüentemente, elas ocorrem em seqüência, mas,
não invariavelmente, e, consistem em reações
enzimáticas que normalmente acontecem no
fígado. O retículo endoplasmático da célula
hepática é degradado em fragmentos muito
pequenos.
 A biotransformação realizada pelo fígado é menos
importante para as drogas polares (ionizadas),
tendo em vista que estas atravessam mais
lentamente a membrana plasmática do hepatócito
do que as não polares.
BIOTRANSFORMAÇÃO
 Assim, as drogas polares são excretadas em maior
proporção pela urina, de forma inalterada.
Enquanto os fármacos lipossolúveis (ou lipofílicos
ou não polares) não são excretados de modo
eficiente pelo rim, pois, a maioria é reabsorvida
pelo túbulo distal voltando à circulação sistêmica.
BIOTRANSFORMAÇÃO
 As reações de fase I consistem principalmente
em oxidação, redução ou hidrólise, e, os
produtos, com freqüência, são mais reativos
quimicamente, entretanto, essas reações químicas
podem resultar na inativação de um fármaco.
 Após as reações da Fase I, alguns medicamentos
também podem se tornar mais tóxicos ou
carcinogênicos do que a droga original. Muitas
enzimas hepáticas participam da biotransformação
das drogas da fase I, incluindo o sistema citocromo P-
450 que importância fundamental. Se o metabólito (produto
resultante do metabolismo) não for facilmente excretado
ocorre a reação da II fase subseqüente.
BIOTRANSFORMAÇÃO
 O sistema citocromo P-450 contém um grupo de
isoenzimas contendo ferro que ativa o oxigênio
molecular em uma forma capaz de interagir com
substratos orgânicos, e, assim, cataliza uma
quantidade diversificada de reações oxidativas
envolvidas na biotransformação do medicamento
que sofre redução e oxidação durante o seu ciclo
catalítico.
BIOTRANSFORMAÇÃO
 A maioria das interações medicamentosas que ocorrem na
biotransformação está relacionadas com a estimulação
(indução) ou inibição do sistema citocromo P-450
microssomial hepático.
 Por exemplo, o fármaco fenobarbital (Gardenal)
(medicamento anticonvulsivante) é um potente indutor
(estimulador) das enzimas do citocromo P-450 hepático, o
que provoca interações medicamentosas levando à redução
das concentrações plasmáticas e aumento da eliminação de
vários medicamentos, como doo cloranfenicol (fármaco
antibiótico), da fenitoína (anticonvulsivante), e, de outros
como os anticoncepcionais orais, e, dos
corticosteróides, assim, conseqüentemente, pode reduzir os
efeitos terapêuticos destes
fármacos.
BIOTRANSFORMAÇÃO
 Enquanto a cimetidina (Tagamet) (medicamento
que reduz a secreção do ácido clorídrico no
estomago) pode provocar interações
medicamentosas porque pode inibir enzimas
(inibição do metabolismo) do sistema citocromo P-
450 diminuindo a biotransformação, e,
conseqüentemente, a eliminação de outros
fármacos, o que pode provocar a toxicidade destes
medicamentos sendo necessário o reajuste da
dosagem (nestes casos, diminuir a dose), como por
exemplo, do propranolol, diltiazem (Cardizem)
(Balcor), (medicamentos anti-hipertensivos), e,
de medicamentos anticoagulantes.
BIOTRANSFORMAÇÃO
 As reações de fase II envolvem a conjugação que,
normalmente, resulta em compostos inativos, e facilmente
excretáveis, embora com exceções. A glicuronidação
(também chamada de glicuronização) é a reação de
conjugação mais comum e a mais importante, embora possa
ocorrer outra conjugação nesta fase que pode ser acetilação,
sulfatação ou amidação.
 Como os recém-nascidos são deficientes deste sistema de
conjugação, além de suas funções renais que não estão
completamente desenvolvidas, deve ser evitado o uso de
alguns fármacos, como por exemplo, o cloranfenicol que
pode se acumular no organismo provocando depressão da
respiração, colapso cardiovascular, cianose e morte. Como
provoca a cianose, também é denominada de Síndrome
cinzenta do recém-nascido.
ELIMINAÇÃO
 Eliminação:
 Os fármacos são eliminados do organismo por
biotransformação e excreção .
 Rins e fígado:
 Fígado: biotransformação – enzimas capazes de
reduzir, oxidar, hidrolisar ou conjugar compostos
 Rins: excreção dos fármacos e seus metabólitos:
fármacos excretados na bile e eliminados nas fezes
ELIMINAÇÃO DOS FÁRMACOS
 RINS  GRANDE MAIORIA DOS FÁRMACOS
 PULMÕES AGENTES VOLÁTEIS OU
GASOSOS
 SISTEMA BILIAR EXCRETADAS PELA BILE
ATRAVÉS DO FÍGADO SOFRE REABSORÇÃO
INTESTINAL
FARMACODINÂMICA
Estuda os efeitos bioquímicos e fisiológicos dos
fármacos e seus mecanismos de ação.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
SUBLINGUAL:
 INSTABILIDADE COM pH BAIXO
 DROGAS RAPIDAMENTE METABOLIZADAS
PELO FÍGADO
ORAL
 DROGAS ABSORVIDAS NO ESTÔMAGO
 MAIORIA ABSORVIDA APÓS O ESFÍNCTER
PILÓRICO.
 FATORES:
 MOTILIDADE GASTROINTESTINAL
 pH GASTROINTESTINAL
 TAMANHO DA PARTÍCULA
 INTERAÇÃO QUÍMICA COM
 CONTEÚDO INTESTINAL
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
RETAL
 SOFREM EFEITO DE PRIMEIRA PASSAGEM
 IMPOSSIBILIDADE DE DEGLUTIR
 FÁRMACOS QUE PROVOCAM
 IRRITAÇÃO GÁSTRICA
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
CUTÂNEA:
 MÁ ABSORÇÃO
 EFEITO LOCAL
INALATÓRIA:
 VIA RÁPIDA DE ADMINISTRAÇÃO E
ELIMINAÇÃO
 DROGAS QUE POSSUEM EFEITO PULMONAR
E DEVE-SE EVITAR EFEITOS SISTÊMICOS
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - INJETÁVEIS
INTRAVENOSA:
 MAIS RÁPIDA DAS VIAS
 ATINGE PRIMEIRO OS PULMÕES
SUBCUTÂNEA E INTRAMUSCULAR:
 MAIS RÁPIDA QUE A VIA ORAL
 DIFUSÃO ATRAVÉS TECIDO
 REMOÇÃO PELO FLUXO SANGÜÍNEO
 INTRATECAL ADMINISTRADO NO
 ESPAÇO SUBARACNÓIDE ATRAVÉS DE PUNÇÃO
LOMBAR
 EX: ANESTÉSICO REGIONAL
 ANTIBIÓTICOS EM MENINGITE
OBRIGADA!!!!
Boa Semana!!!!!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula 01 de introdução as leucemias. Geral

Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
ArtthurPereira2
 
Aula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdfAula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdf
CasimiroCampos
 
Farmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdfFarmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdf
FabianaAlessandro2
 
MedResumos 2013 - Introduçao à farmacologia
MedResumos 2013   - Introduçao à farmacologiaMedResumos 2013   - Introduçao à farmacologia
MedResumos 2013 - Introduçao à farmacologia
Maiara Lima
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TalinaCarladaSilva1
 
Farmacologia Geral - Exercícios.doc
Farmacologia Geral - Exercícios.docFarmacologia Geral - Exercícios.doc
Farmacologia Geral - Exercícios.doc
Allyf Ferreira
 
Farmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdfFarmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdf
FabianaAlessandro2
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
LanaMonteiro8
 
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptxAula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
MoniqueSilva303698
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
Marcelo Zanotti da Silva
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
Glaudstone Agra
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagemNoções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
EloiVasconcelos2
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
Leonardo Souza
 
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Jucie Vasconcelos
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Sidney Arcanjo
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Sidney Arcanjo
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21
JooPedroCamposDeMora
 

Semelhante a aula 01 de introdução as leucemias. Geral (20)

Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
 
Aula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdfAula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdf
 
Farmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdfFarmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdf
 
MedResumos 2013 - Introduçao à farmacologia
MedResumos 2013   - Introduçao à farmacologiaMedResumos 2013   - Introduçao à farmacologia
MedResumos 2013 - Introduçao à farmacologia
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
 
Farmacologia Geral - Exercícios.doc
Farmacologia Geral - Exercícios.docFarmacologia Geral - Exercícios.doc
Farmacologia Geral - Exercícios.doc
 
Farmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdfFarmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdf
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
 
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptxAula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagemNoções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
Noções básicas de farmacologia para técnicos em enfermagem
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
 
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
Resumo farmaco-completo-120625132441-phpapp02
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21
 

Último

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (7)

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

aula 01 de introdução as leucemias. Geral

  • 2.
  • 3. FARMACOLOGIA  “ O desejo de ingerir medicamentos e a principal característica que distingue o homem dos animais”  William Osler ( médico canadense )
  • 4. FARMACOLOGIA  Por que?  MELHORAR SUA QUALIDADE DE VIDA  ALIVIAR OU SE POSSÍVEL ABOLIR A DOR  PROLONGAR A VIDA  ...  1. Nem sempre logram o resultado desejado  2. Muitas vezes só alcançam o alívio ou consolo do paciente  3. Do ponto de vista histórico existem relatos muito antigos sobre o uso de drogas no tratamento de enfermidades
  • 5. FARMACOLOGIA É a ciência que estuda as interações entre os compostos químicos com o organismo vivo ou sistema biológico, resultando em um efeito maléfico (tóxico) ou benéfico ( medicamento ).
  • 8. FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES  Farmacogenética: trata-se do estudo das influências genéticas sobre as respostas a fármacos. Originalmente, a farmacogenética tratava das reações farmacológicas idiossincrásicas familiares, em que os indivíduos afetados exibiam uma resposta anormal – habitualmente adversa – a uma classe de fármaco. Hoje um dia, abrange variações mais amplas na resposta a fármacos a banse genética é mais complexa.
  • 9.  Farmacogenômica: Este novo termo superpõese à farmacogenética, descrevendo o uso da informação genética para orientar a escolha da terapia farmacológica numa base individual. A pressuposição de base é a de que o possível prever diferenças na resposta a agentes terapêuticos entre indivíduos a partir de sua constituição genética. A partir deste princípio, a descoberta das variações gênicas específicas associadas a uma resposta terapêutica boa ou inadequada a determinado fármaco deverá permitir a individualização das escolhas terapêuticas com base no genótipo do indivíduo. A farmacogenômica é, em sua essência, um ramo da farmacogenética com boa dose de liberdade. Até o momento, o conceito é, em grande parte, teórico; entretanto, se for comprovada a sua validade, as consequências para a terapêutica serão de longo alcance. FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES
  • 10. FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES  Farmacoepidemiologia: Trata-se do estudo dos efeitos dos fármacos em nível populacional. Ocupa-se com a variabilidade dos efeitos farmacológicos entre indivíduos de uma determinada população e entre populações. Constitui um tópico cada vez mais importante para as autoridades regulamentadoras, que decidem se um novo fármaco pode ou não ser aprovado para uso terapêutico. A variabilidade entre indivíduos ou populações tem um efeito adverso sobre a utilidade de um fármaco, embora seu nível de efeito médio possa ser satisfatório. Os estudos farmacoepidemiológicos também consideram a aderência do paciente ao tratamento e outros fatores pertinentes quando o fármaco é utilizado em condições reais.
  • 11. FARMACOLOGIA E SUAS VERTENTES  Farmacoeconomia: Este ramo da economia da saúde visa quantificar, em termos econômicos, o custo e o benefício das substâncias utilizadas terapeuticamente. Surgiu em decorrência da preocupação de muitos governos em fornecer uma assistência à saúde a partir dos impostos de renda. Levando questões sobre quais os tipos de procedimentos terapêuticos mais convenientes em termos monetários.
  • 13. FARMACOLOGIA BÁSICA  Fármaco: substância de estrutura química definida que quando em um sistema biológico, modifica uma ou mais funções fisiológicas.  Droga: matéria-prima de origem mineral, vegetal ou animal que contém um ou mais fármacos.
  • 15. FARMACOLOGIA BÁSICA  FARMACOCINÉTICA: ABSORÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, METABOLISMO E EXCREÇÃO DE FARMACOS  FARMACODINÂMICA: ESTUDA OS EFEITOS FISIOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E MECANISMO DE AÇÃO DOS FÁRMACOS
  • 16.  VEÍCULO FARMACOLÓGICO: meio em que a droga se encontra dispersa  FORMA FARMACÊUTICA: forma como a droga se apresenta para uso  EX:  COMPRIMIDOS  CÁPSULAS  DRÁGEAS  INJETÁVEIS  LÍQUIDOS  POMADAS OU CREMES FARMACOLOGIA - DEFINIÇÕES
  • 17. FARMACOLOGIA - DEFNIÇÕES  DOSE: é a quantidade de droga administrada  BIODISPONIBILIDADE: é a fração de um fármaco administrado que é evado à circulação sistêmica  BIOEQUIVALÊNCIA: quando um fármaco pode ser substituído por outro sem consequências clínicas adversas.
  • 18. FARMACOLOGIA- DEFINIÇÕES  TEMPO 1/2 VIDA: é o tempo ncessário para que a concentração plasmática do fármaco chegue em 50 %. É utilizado para o cálculo da posologia.  ESTADO DE EQUILIBRIO ESTÁVEL: indica quando o fármaco atinge a concentração terapêutica.
  • 19. FARMACOLOGIA Atua sobre proteínas-alvo:  Enzimas  Transportadores  Canais de ions  Receptores
  • 20. FARMACOLOGIA  Especificidade: Recíproca entre substâncias e ligantes. (subst se liga somente em determinados alvos e os alvos só reconhecem determinada substancia)  Nenhum fármaco é totalmente específico: o aumento da dose faz com que ele atue em outros alvos diferentes peovocando efeitos colaterais.
  • 21. FARMACOLOGIA  Interação Fármaco – Receptor: A tendência de um fármaco se ligar a um receptor é determinada pela sua afinidade, enquanto a tendência, uma vez ligada. De ativar o receptor é indicada pela sua eficácia
  • 22. FARMACOLOGIA Droga A agonista Droga B antagonista + + R R AR AR AR Respos ta Nenhums Resposta Ocupação regulada pela afinidade Ativação regulada pela eficácia
  • 23. FARMACOLOGIA  Agonistas: causam alterações na função celular, produzindo vários tipos de efeitos.  Antagonistas. Substância que se liga ao receptor sem causar ativação impedindo consequentemente a ligação do agonista.
  • 24. FARMACOLOGIA  Antagonismos:  Antagonismo químico: duas substâncias se combinam em solução , perdendo-se o efeito do fármaco ativo. Ex: Uso de agentes quelantes (dimercaprol)que se ligam a metais pesados reduzindo sua toxicidade
  • 25. FARMACOLOGIA  Antagonismo farmacocinético: o Antagonista reduz efetivamente a concentração do fármaco ativo em seu local de ação. Podendo ser:  Através do aumento da velocidade de degradação do fármaco ativo. Ex: Warfarin + Fenobarbital = - efeito do warfarin;  Redução da velocidade de absorção da susbstância ativa ;  Aumento na taxa de excreção renal
  • 26. FARMACOLOGIA Antagonismo competitivo: ambos os fármacos se ligam aos mesmos receptores (reversível ou irreversível) Antagonismo fisiológico: substâncias de ações opostas tendem anular uma o efeito da outra. Ex: histamina atua sobre os receptores das células parietais da mucosa gástrica estimulando a secreção de ácido, enquanto o omeprazol bloqueia esse efeito ao inibir a bomba de prótons.
  • 27. FARMACOLOGIA Dessensibilização e Taquifilaxia:  Diminuição do efeito de um fármaco que ocorre gradualmente quando administrado de modo contínuo ou repetidamente.
  • 28. FARMACOLOGIA Mecanismos envolvidos  Alterações nos receptores  Perda de recepores: exposição prolongada reduz o número de receptores expressos na superfície celular.  Aumento do metabolismo da substância. Substâncias como etanol e barbitúricos quando administradas repetidamente, aparecem em concentrações plasmáticas reduzidas.
  • 29. FARMACOLOGIA  Exaustão de mediadores : a dessensibilização está associada à depleção de uma substância intermediária essencial. Ex: Anfetaminas atuam através da liberação de aminas nas termnações nervosas, portanto apresentam elevada taquifilaxia devido à depleção das reservas de aminas.
  • 30. FARMACOLOGIA  Adaptação fisiológica: Pode ocorrer uma diminuição do efeito de um fármaco, devido à sua anulação por uma resposta homeostátia. Ex: Redução de efeitos colaterias como náuseas e sonolência de alguns fármacos quando se dá a administração contínua.
  • 31. FARMACOLOGIA Farmacocinética: Estuda quantitativamente a cronologia dos processos metabólicos da absorção, distribuição, biotransformação e eliminação.  Absorção  Distribuição  Biotransformação  Excreção
  • 32. FARMACOCINÉTICA  MODELOS FARMACOCINÉTICOS: 1- Corpo é imaginado como um só compartimento, onde a droga penetra e onde é eliminada 2- Corpo formado por 2 compartimentos: um central – representado pelo sangue e o periférico - tecidos
  • 35. FARMACOCINÉTICA  Transferência da droga de um compartimento para o outro segue regras da cinética – que esta relacionada com a velocidade de transferência
  • 39. FARMACOLOGIA Fatores relacionados ao paciente Estados fisiopatológicos Idade Sexo Tabagismo Consumo de Alcool Uso de outros Medicamentos Anemias Disfunção hepática Doenças renais Insuficiência Cardíaca Infecção Queimaduras Febre Fatores que podem influenciar os processos farmacocinéticos
  • 40. FARMACOLOGIA  Absorção  É o processo pelo qual o medicamento, principalmente administrado por via oral, intramuscular ou retal, chegam, sem sofrer alterações, ao meio tissular, de onde se distribuirão pelo corpo, em geral atrtavés do sangue.  Fatores que influenciam a absorção: características físico-químicas da substância ativa, propriedades da formulação farmacêutica e processos fisiológicos característicos do paciente
  • 41. FARMACOLOGIA  Distribuição  Após alcançar a circulação sistêmica , a passagem do fármaco ou sua captação por qualquer tecido dependem de vários fatores: propriedades físico- químicas, tamanho molecular, solubilidade e tamanho do tecido e fluxo sanguíneo tecidual.
  • 42. DISTRIBUIÇÃO DOS FÁRMACOS  FÁRMACOS LIGADOS À PROTEÍNAS E HIDROSSOLÚVEIS FICAM PRINCIPALMENTE NO COMPARTIMENTO PLASMÁTICO  FÁRMACOS LIPOSSOLÚVEIS ACUMULAM-SE NO TECIDO ADIPOSO
  • 43. BIOTRANSFORMAÇÃO  O fígado é o principal órgão de biotransformação de medicamentos, embora algumas drogas sejam biotransformadas no plasma, intestino (como o salbutamol que é biotransformado no intestino) ou outro órgão.  Atualmente, tem sido criticados por alguns autores as palavras metabolismo, metabolizado, e metabolização, referindo que devem ser substituídas por biotransformação e biotransformado.  A biotransformação (metabolismo) das drogas que ocorre no fígado envolve dois tipos de  reações bioquímicas, conhecidos como reações de fase I e de fase II (ou metabolismo I, e,  metabolismo II).
  • 44. BIOTRANSFORMAÇÃO  Freqüentemente, elas ocorrem em seqüência, mas, não invariavelmente, e, consistem em reações enzimáticas que normalmente acontecem no fígado. O retículo endoplasmático da célula hepática é degradado em fragmentos muito pequenos.  A biotransformação realizada pelo fígado é menos importante para as drogas polares (ionizadas), tendo em vista que estas atravessam mais lentamente a membrana plasmática do hepatócito do que as não polares.
  • 45. BIOTRANSFORMAÇÃO  Assim, as drogas polares são excretadas em maior proporção pela urina, de forma inalterada. Enquanto os fármacos lipossolúveis (ou lipofílicos ou não polares) não são excretados de modo eficiente pelo rim, pois, a maioria é reabsorvida pelo túbulo distal voltando à circulação sistêmica.
  • 46. BIOTRANSFORMAÇÃO  As reações de fase I consistem principalmente em oxidação, redução ou hidrólise, e, os produtos, com freqüência, são mais reativos quimicamente, entretanto, essas reações químicas podem resultar na inativação de um fármaco.  Após as reações da Fase I, alguns medicamentos também podem se tornar mais tóxicos ou carcinogênicos do que a droga original. Muitas enzimas hepáticas participam da biotransformação das drogas da fase I, incluindo o sistema citocromo P- 450 que importância fundamental. Se o metabólito (produto resultante do metabolismo) não for facilmente excretado ocorre a reação da II fase subseqüente.
  • 47. BIOTRANSFORMAÇÃO  O sistema citocromo P-450 contém um grupo de isoenzimas contendo ferro que ativa o oxigênio molecular em uma forma capaz de interagir com substratos orgânicos, e, assim, cataliza uma quantidade diversificada de reações oxidativas envolvidas na biotransformação do medicamento que sofre redução e oxidação durante o seu ciclo catalítico.
  • 48. BIOTRANSFORMAÇÃO  A maioria das interações medicamentosas que ocorrem na biotransformação está relacionadas com a estimulação (indução) ou inibição do sistema citocromo P-450 microssomial hepático.  Por exemplo, o fármaco fenobarbital (Gardenal) (medicamento anticonvulsivante) é um potente indutor (estimulador) das enzimas do citocromo P-450 hepático, o que provoca interações medicamentosas levando à redução das concentrações plasmáticas e aumento da eliminação de vários medicamentos, como doo cloranfenicol (fármaco antibiótico), da fenitoína (anticonvulsivante), e, de outros como os anticoncepcionais orais, e, dos corticosteróides, assim, conseqüentemente, pode reduzir os efeitos terapêuticos destes fármacos.
  • 49. BIOTRANSFORMAÇÃO  Enquanto a cimetidina (Tagamet) (medicamento que reduz a secreção do ácido clorídrico no estomago) pode provocar interações medicamentosas porque pode inibir enzimas (inibição do metabolismo) do sistema citocromo P- 450 diminuindo a biotransformação, e, conseqüentemente, a eliminação de outros fármacos, o que pode provocar a toxicidade destes medicamentos sendo necessário o reajuste da dosagem (nestes casos, diminuir a dose), como por exemplo, do propranolol, diltiazem (Cardizem) (Balcor), (medicamentos anti-hipertensivos), e, de medicamentos anticoagulantes.
  • 50. BIOTRANSFORMAÇÃO  As reações de fase II envolvem a conjugação que, normalmente, resulta em compostos inativos, e facilmente excretáveis, embora com exceções. A glicuronidação (também chamada de glicuronização) é a reação de conjugação mais comum e a mais importante, embora possa ocorrer outra conjugação nesta fase que pode ser acetilação, sulfatação ou amidação.  Como os recém-nascidos são deficientes deste sistema de conjugação, além de suas funções renais que não estão completamente desenvolvidas, deve ser evitado o uso de alguns fármacos, como por exemplo, o cloranfenicol que pode se acumular no organismo provocando depressão da respiração, colapso cardiovascular, cianose e morte. Como provoca a cianose, também é denominada de Síndrome cinzenta do recém-nascido.
  • 51. ELIMINAÇÃO  Eliminação:  Os fármacos são eliminados do organismo por biotransformação e excreção .  Rins e fígado:  Fígado: biotransformação – enzimas capazes de reduzir, oxidar, hidrolisar ou conjugar compostos  Rins: excreção dos fármacos e seus metabólitos: fármacos excretados na bile e eliminados nas fezes
  • 52. ELIMINAÇÃO DOS FÁRMACOS  RINS  GRANDE MAIORIA DOS FÁRMACOS  PULMÕES AGENTES VOLÁTEIS OU GASOSOS  SISTEMA BILIAR EXCRETADAS PELA BILE ATRAVÉS DO FÍGADO SOFRE REABSORÇÃO INTESTINAL
  • 53. FARMACODINÂMICA Estuda os efeitos bioquímicos e fisiológicos dos fármacos e seus mecanismos de ação.
  • 55. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO SUBLINGUAL:  INSTABILIDADE COM pH BAIXO  DROGAS RAPIDAMENTE METABOLIZADAS PELO FÍGADO
  • 56. ORAL  DROGAS ABSORVIDAS NO ESTÔMAGO  MAIORIA ABSORVIDA APÓS O ESFÍNCTER PILÓRICO.  FATORES:  MOTILIDADE GASTROINTESTINAL  pH GASTROINTESTINAL  TAMANHO DA PARTÍCULA  INTERAÇÃO QUÍMICA COM  CONTEÚDO INTESTINAL VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
  • 57. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO RETAL  SOFREM EFEITO DE PRIMEIRA PASSAGEM  IMPOSSIBILIDADE DE DEGLUTIR  FÁRMACOS QUE PROVOCAM  IRRITAÇÃO GÁSTRICA
  • 58. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO CUTÂNEA:  MÁ ABSORÇÃO  EFEITO LOCAL INALATÓRIA:  VIA RÁPIDA DE ADMINISTRAÇÃO E ELIMINAÇÃO  DROGAS QUE POSSUEM EFEITO PULMONAR E DEVE-SE EVITAR EFEITOS SISTÊMICOS
  • 59. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO - INJETÁVEIS INTRAVENOSA:  MAIS RÁPIDA DAS VIAS  ATINGE PRIMEIRO OS PULMÕES SUBCUTÂNEA E INTRAMUSCULAR:  MAIS RÁPIDA QUE A VIA ORAL  DIFUSÃO ATRAVÉS TECIDO  REMOÇÃO PELO FLUXO SANGÜÍNEO  INTRATECAL ADMINISTRADO NO  ESPAÇO SUBARACNÓIDE ATRAVÉS DE PUNÇÃO LOMBAR  EX: ANESTÉSICO REGIONAL  ANTIBIÓTICOS EM MENINGITE