SlideShare uma empresa Scribd logo
Literatura de Cordel
Você sabe o que é cordel?
É uma forma de arte escrita que é bem tradi-
cional. É poesia popular muito usada no
Nordeste.
Quem fez estas estrofes falando sobre
a literatura de cordel foi o pernambu-
cano José Francisco Borges. Nascido
no ano de 1934, é hoje reconhecido
não só no Brasil, mas também em
vários outros países. Como Leandro
Gomes de Barros, ele também “ga-
nhava o seu pão de cada dia” fazendo
e vendendo cordéis.
O cordel veio da Europa
no fim do século passado
no Nordeste do Brasil
ele foi bem implantado
e os poetas conseguiram
com ele bom resultado
Leandro Gomes de Barros
O patrono da poesia
Fez desta literatura
Um mundo de alegria
E com isso ele ganhava
O seu pão de cada dia.
Para conhecer como as estrofes dos
cordéis são construídas, volte à poesia.
Agora observe:
Quantos versos tem
cada estrofe?
Elas são chamadas de sextilhas.
Por que será?
Repare que as rimas não estão presentes
em todos os versos.
Marque as linhas dos versos que têm rimas.
O esquema de rima usado nestas sextilhas é
A B C B D B... Mistério!
O que será que querem dizer estas letras?
Vamos decifrar juntos?
Repare:
Eu vou contar uma história A
De um pavão misterioso B
Que levantou voo na Grécia C
Com um rapaz corajoso B
Raptando uma condessa D
Filha de um conde orgulhoso. B
O que você descobriu?
O que há de comum nos versos marcados
com a letra B?
Literatura de Cordel - 2
Vamos tentar de novo? Desta vez, você coloca as letras.
O grande artista Edmundo
desenhou uma invenção
fazendo um aeroplano
de pequena dimensão
fabricado de alumínio
com importante armação.
Romance do Pavão Misterioso, João Melquíades Ferreira
Coloque abaixo o esquema de rima desta sextilha.
José Francisco Borges, o famoso J. Borges, hoje é mais conhecido pelas suas xilogravu-
ras. Você pode visitar seu ateliê em Bezerros, PE.
Mas... o que são
xilogravuras?
Você mesmo vai descobrir,
veja:
Xilo
palavra de origem grega que
significa madeira
Gravura
técnica de impressão
Xilogravura de J. Borges. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/escola/modules/noticias/
article.php?storyid=220>. Acesso em: 18 de abril de 2011.
Literatura de Cordel - 3
De que nos fala a literatura de cordel?
Antigamente, contavam histórias muito antigas, com temas de guerra, de amor, de conquistas
marítimas, de reis e rainhas... No Nordeste, como no início do século XIX não havia jornais,
rádio ou televisão, os cordéis passaram a falar também sobre os acontecimentos recentes.
Há ainda outros temas como os de religião, de cangaceiros, de assombração, os de exemplo,
entre outros.
Agora você vai identificar qual o grupo de tema que os cordéis abaixo tratam.
Coloque os temas abaixo de cada capa.
Literatura de Cordel - 4
Agora, que tal fazer um folheto de cordel?
Você vai precisar de :
Algumas folhas de papel reciclado tamanho A4 (ou coloridas)•
1 bandeja de isopor (usada para colocar frutas ou frios)•
Tinta guache preta•
1 palito de churrasco•
Tesoura•
1 rolinho de espuma•
1 pincel largo•
1 grampo de pendurar roupa em varal.•
Escolha um tema.1.
Faça estrofes em forma de sextilhas falando sobre o assunto.2.
Escolha um título para seu cordel.3.
Dobre uma folha de papel em 4.4.
Recorte as partes (de cima ou de baixo) para liberar as folhas do cordel.5.
Tire as bordas da bandeja de isopor e deixe-a do tamanho de seu cordel.6.
Faça sua capa no isopor desenhando com caneta e colocando acima o título e abaixo seu7.
nome e a data; ATENÇÃO! Para imprimir, você precisará escrever ao contrário!
Com o palito de churrasco, cubra o desenho e a escrita. Você precisa afundar bem o palito8.
para fixar o que deseja imprimir.
Espalhe a guache por toda a placa de isopor com a ajuda do rolinho de espuma.9.
Depois de ter preenchido a bandeja inteirinha, pegue uma folha e a pressione, passando10.
uma régua sobre toda a região da placa pintada.
Devagar, puxe a folha e veja como a impressão sai perfeita, como se fosse mesmo uma11.
xilo.
Escreva suas poesias nas páginas restantes.12.
Grampeie as folhas e...13.
Pronto, seu cordel está terminado!14.
Finalmente, você poderá pendurá-lo, junto aos outros cordéis que você fizer ou que outros
fizerem, num grande cordão amarrado na sala, assim:
Afinal, é dessa forma de expor os cordéis que surgiu o nome... CORDEL.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Produzindo texto
Produzindo textoProduzindo texto
Produzindo texto
Mary Alvarenga
 
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Produção textual
Produção textual Produção textual
Produção textual
Mary Alvarenga
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Rose Tavares
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Mary Alvarenga
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Mary Alvarenga
 
Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas
Mary Alvarenga
 
Frases para ordenar menino maluquinho
Frases para ordenar menino maluquinhoFrases para ordenar menino maluquinho
Frases para ordenar menino maluquinho
Cláudia Borges
 
Apostila para trabalhar textos variados
Apostila para trabalhar  textos variadosApostila para trabalhar  textos variados
Apostila para trabalhar textos variados
Isa ...
 
Números decimais
Números decimais Números decimais
Números decimais
Mary Alvarenga
 
Matemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua PortuguesaMatemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua PortuguesaIsa ...
 
Substantivo coletivo atividades 4
Substantivo coletivo atividades 4Substantivo coletivo atividades 4
Substantivo coletivo atividades 4arlan2000
 
Problematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operaçõesProblematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operações
Mary Alvarenga
 
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemática pdf
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemática pdfAtividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemática pdf
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemática pdf
André Moraes
 
Gênero textual: Cordel
Gênero textual: CordelGênero textual: Cordel
Gênero textual: Cordel
Mary Alvarenga
 
Pena religião 5 ano
Pena religião 5 anoPena religião 5 ano
Pena religião 5 ano
Zenaide Miranda da Rocha
 

Mais procurados (20)

Produzindo texto
Produzindo textoProduzindo texto
Produzindo texto
 
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
 
Produção textual
Produção textual Produção textual
Produção textual
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
 
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
 
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
 
Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas
 
Frases para ordenar menino maluquinho
Frases para ordenar menino maluquinhoFrases para ordenar menino maluquinho
Frases para ordenar menino maluquinho
 
Apostila para trabalhar textos variados
Apostila para trabalhar  textos variadosApostila para trabalhar  textos variados
Apostila para trabalhar textos variados
 
Avaliação bimestral de historia
Avaliação bimestral de historiaAvaliação bimestral de historia
Avaliação bimestral de historia
 
Números decimais
Números decimais Números decimais
Números decimais
 
Matemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua PortuguesaMatemática/Língua Portuguesa
Matemática/Língua Portuguesa
 
Substantivo coletivo atividades 4
Substantivo coletivo atividades 4Substantivo coletivo atividades 4
Substantivo coletivo atividades 4
 
Problematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operaçõesProblematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operações
 
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemática pdf
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemática pdfAtividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemática pdf
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemática pdf
 
Gênero textual: Cordel
Gênero textual: CordelGênero textual: Cordel
Gênero textual: Cordel
 
Pena religião 5 ano
Pena religião 5 anoPena religião 5 ano
Pena religião 5 ano
 

Destaque

Literatura de cordel 4º ano
Literatura de cordel 4º anoLiteratura de cordel 4º ano
Literatura de cordel 4º ano
Cirleide Nascimento
 
English Speaking Countries
English Speaking CountriesEnglish Speaking Countries
English Speaking Countriesiduncan007
 
English speaking countries
English speaking countriesEnglish speaking countries
English speaking countrieschavez2015
 
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo - Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Renata Marani Dourado Marques
 
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens ReligiosoAvaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Lúcia Maia
 
Atividade Avaliativa de Ciências
Atividade Avaliativa de CiênciasAtividade Avaliativa de Ciências
Atividade Avaliativa de Ciências
Paulo Alves de Araujo
 

Destaque (9)

Cartilha cordel completa
Cartilha cordel completaCartilha cordel completa
Cartilha cordel completa
 
Literatura de cordel 4º ano
Literatura de cordel 4º anoLiteratura de cordel 4º ano
Literatura de cordel 4º ano
 
Prova 6º c artes
Prova 6º c artesProva 6º c artes
Prova 6º c artes
 
English Speaking Countries
English Speaking CountriesEnglish Speaking Countries
English Speaking Countries
 
English speaking countries
English speaking countriesEnglish speaking countries
English speaking countries
 
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo - Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
 
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - ArteXILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
 
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens ReligiosoAvaliação do 4º ano de Ens Religioso
Avaliação do 4º ano de Ens Religioso
 
Atividade Avaliativa de Ciências
Atividade Avaliativa de CiênciasAtividade Avaliativa de Ciências
Atividade Avaliativa de Ciências
 

Semelhante a atividade-literatura-de-cordel-celpe

C o r d e l bnb final
C o r d e l   bnb finalC o r d e l   bnb final
C o r d e l bnb final
Margarida Ferreira
 
Tem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemasTem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemaslinguaefala
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Gracita Fraga
 
Fichas de avaliação língua portuguesa 2o ano
Fichas de avaliação língua portuguesa 2o anoFichas de avaliação língua portuguesa 2o ano
Fichas de avaliação língua portuguesa 2o ano
ZoraidaSilva3
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Kássia Mendes
 
Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016
EMEF Guilherme de Almeida
 
Artes atividades-130227220357-phpapp01
Artes atividades-130227220357-phpapp01Artes atividades-130227220357-phpapp01
Artes atividades-130227220357-phpapp01
Alcilane Tostes
 
Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1Teresa Maia
 
Manoel de Barros
Manoel de BarrosManoel de Barros
Poemas Tem Gato na Tuba
Poemas Tem Gato na TubaPoemas Tem Gato na Tuba
Poemas Tem Gato na Tuba
MariGiopato
 
Ppt apto para slide share lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agosto
Ppt apto para slide share  lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agostoPpt apto para slide share  lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agosto
Ppt apto para slide share lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agosto
EglePinho
 
Criação de literatura de cordel - Seduc.
Criação de literatura de cordel - Seduc.Criação de literatura de cordel - Seduc.
Criação de literatura de cordel - Seduc.
MarcusEuricoPereiraF
 
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno. Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Celeste Gregório Lopes
 
Sinopses obras projeto_leitura_11
Sinopses obras projeto_leitura_11Sinopses obras projeto_leitura_11
Sinopses obras projeto_leitura_11
Lurdes Meneses
 
Brincadeiras
BrincadeirasBrincadeiras
Brincadeiras
VIVIANEMOC2013
 
Catálogo nº4
Catálogo nº4Catálogo nº4
Catálogo nº4
Conceição Norberto
 
Literatura de Cordel
Literatura de Cordel Literatura de Cordel
Literatura de Cordel
Amélia Luiz de Lima
 

Semelhante a atividade-literatura-de-cordel-celpe (20)

C o r d e l bnb final
C o r d e l   bnb finalC o r d e l   bnb final
C o r d e l bnb final
 
Tem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemasTem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemas
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Fichas de avaliação língua portuguesa 2o ano
Fichas de avaliação língua portuguesa 2o anoFichas de avaliação língua portuguesa 2o ano
Fichas de avaliação língua portuguesa 2o ano
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016
 
Artes atividades-130227220357-phpapp01
Artes atividades-130227220357-phpapp01Artes atividades-130227220357-phpapp01
Artes atividades-130227220357-phpapp01
 
Poetas do século xx
Poetas do século xx Poetas do século xx
Poetas do século xx
 
Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1Baile da biblioteca1
Baile da biblioteca1
 
Manoel de Barros
Manoel de BarrosManoel de Barros
Manoel de Barros
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
 
Poemas Tem Gato na Tuba
Poemas Tem Gato na TubaPoemas Tem Gato na Tuba
Poemas Tem Gato na Tuba
 
Ppt apto para slide share lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agosto
Ppt apto para slide share  lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agostoPpt apto para slide share  lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agosto
Ppt apto para slide share lingua portuguesa- semana de 17 a 21 de agosto
 
Criação de literatura de cordel - Seduc.
Criação de literatura de cordel - Seduc.Criação de literatura de cordel - Seduc.
Criação de literatura de cordel - Seduc.
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
 
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno. Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
 
Sinopses obras projeto_leitura_11
Sinopses obras projeto_leitura_11Sinopses obras projeto_leitura_11
Sinopses obras projeto_leitura_11
 
Brincadeiras
BrincadeirasBrincadeiras
Brincadeiras
 
Catálogo nº4
Catálogo nº4Catálogo nº4
Catálogo nº4
 
Literatura de Cordel
Literatura de Cordel Literatura de Cordel
Literatura de Cordel
 

Mais de Luisa Cristina Rothe Mayer

Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
López estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativa
López estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativaLópez estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativa
López estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativa
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricularFeldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Dussel 2010 el currículum
Dussel 2010 el currículumDussel 2010 el currículum
Dussel 2010 el currículum
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Dussel 2005 escuela igualdad diversidad
Dussel 2005 escuela igualdad diversidadDussel 2005 escuela igualdad diversidad
Dussel 2005 escuela igualdad diversidad
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos airesDiseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Camilloni y otros El saber didáctico
Camilloni y otros El saber didáctico Camilloni y otros El saber didáctico
Camilloni y otros El saber didáctico
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - AlénEl valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Daniel Cassany - describir el escribir entero
Daniel Cassany - describir el escribir enteroDaniel Cassany - describir el escribir entero
Daniel Cassany - describir el escribir entero
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrolloDaniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Daniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escritoDaniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escrito
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Carles tomas i puig del hipertexto al hipermedia
Carles tomas i puig del hipertexto al hipermediaCarles tomas i puig del hipertexto al hipermedia
Carles tomas i puig del hipertexto al hipermedia
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discursoCalsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacionBenveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Beaugrande dressler - Introducción a la lingüística del texto
Beaugrande dressler - Introducción a la lingüística del textoBeaugrande dressler - Introducción a la lingüística del texto
Beaugrande dressler - Introducción a la lingüística del texto
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Bajtín - el problema de los géneros discursivos
Bajtín - el problema de los géneros discursivosBajtín - el problema de los géneros discursivos
Bajtín - el problema de los géneros discursivos
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Arnoux - La lectura y la escritura en la universidad
Arnoux - La lectura y la escritura en la universidadArnoux - La lectura y la escritura en la universidad
Arnoux - La lectura y la escritura en la universidad
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Paratexto - Maite Alvarado
Paratexto - Maite AlvaradoParatexto - Maite Alvarado
Paratexto - Maite Alvarado
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Um bom professor_faz_toda_diferenca
Um bom professor_faz_toda_diferencaUm bom professor_faz_toda_diferenca
Um bom professor_faz_toda_diferenca
Luisa Cristina Rothe Mayer
 

Mais de Luisa Cristina Rothe Mayer (20)

Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
 
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
 
López estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativa
López estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativaLópez estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativa
López estrada deslauriers 2011 entrevista cualitativa
 
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricularFeldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
 
Dussel 2010 el currículum
Dussel 2010 el currículumDussel 2010 el currículum
Dussel 2010 el currículum
 
Dussel 2005 escuela igualdad diversidad
Dussel 2005 escuela igualdad diversidadDussel 2005 escuela igualdad diversidad
Dussel 2005 escuela igualdad diversidad
 
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos airesDiseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
 
Camilloni y otros El saber didáctico
Camilloni y otros El saber didáctico Camilloni y otros El saber didáctico
Camilloni y otros El saber didáctico
 
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - AlénEl valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
 
Daniel Cassany - describir el escribir entero
Daniel Cassany - describir el escribir enteroDaniel Cassany - describir el escribir entero
Daniel Cassany - describir el escribir entero
 
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrolloDaniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
 
Daniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escritoDaniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escrito
 
Carles tomas i puig del hipertexto al hipermedia
Carles tomas i puig del hipertexto al hipermediaCarles tomas i puig del hipertexto al hipermedia
Carles tomas i puig del hipertexto al hipermedia
 
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discursoCalsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
 
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacionBenveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
 
Beaugrande dressler - Introducción a la lingüística del texto
Beaugrande dressler - Introducción a la lingüística del textoBeaugrande dressler - Introducción a la lingüística del texto
Beaugrande dressler - Introducción a la lingüística del texto
 
Bajtín - el problema de los géneros discursivos
Bajtín - el problema de los géneros discursivosBajtín - el problema de los géneros discursivos
Bajtín - el problema de los géneros discursivos
 
Arnoux - La lectura y la escritura en la universidad
Arnoux - La lectura y la escritura en la universidadArnoux - La lectura y la escritura en la universidad
Arnoux - La lectura y la escritura en la universidad
 
Paratexto - Maite Alvarado
Paratexto - Maite AlvaradoParatexto - Maite Alvarado
Paratexto - Maite Alvarado
 
Um bom professor_faz_toda_diferenca
Um bom professor_faz_toda_diferencaUm bom professor_faz_toda_diferenca
Um bom professor_faz_toda_diferenca
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
o que está acontecendo no Rio grande do Sul
o que está acontecendo no Rio grande do Sulo que está acontecendo no Rio grande do Sul
o que está acontecendo no Rio grande do Sul
CarlaInsStaub
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
MÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptx
MÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptxMÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptx
MÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptx
Martin M Flynn
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptx
Slides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptxSlides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptx
Slides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docx
PlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docxPlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docx
PlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docx
MatildesBraga1
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
o que está acontecendo no Rio grande do Sul
o que está acontecendo no Rio grande do Sulo que está acontecendo no Rio grande do Sul
o que está acontecendo no Rio grande do Sul
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
MÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptx
MÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptxMÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptx
MÁRTIRES DE UGANDA Convertem-se ao Cristianismo - 1885-1887.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Slides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptx
Slides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptxSlides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptx
Slides Lição 10, CPAD, Desenvolvendo uma Consciência de Santidade, 2Tr24.pptx
 
PlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docx
PlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docxPlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docx
PlanejamentoAnual_GEO_2024_EMPFG_FRCPA1MA_26-05-2024_09h47min.docx
 

atividade-literatura-de-cordel-celpe

  • 1. Literatura de Cordel Você sabe o que é cordel? É uma forma de arte escrita que é bem tradi- cional. É poesia popular muito usada no Nordeste. Quem fez estas estrofes falando sobre a literatura de cordel foi o pernambu- cano José Francisco Borges. Nascido no ano de 1934, é hoje reconhecido não só no Brasil, mas também em vários outros países. Como Leandro Gomes de Barros, ele também “ga- nhava o seu pão de cada dia” fazendo e vendendo cordéis. O cordel veio da Europa no fim do século passado no Nordeste do Brasil ele foi bem implantado e os poetas conseguiram com ele bom resultado Leandro Gomes de Barros O patrono da poesia Fez desta literatura Um mundo de alegria E com isso ele ganhava O seu pão de cada dia. Para conhecer como as estrofes dos cordéis são construídas, volte à poesia. Agora observe: Quantos versos tem cada estrofe? Elas são chamadas de sextilhas. Por que será? Repare que as rimas não estão presentes em todos os versos. Marque as linhas dos versos que têm rimas. O esquema de rima usado nestas sextilhas é A B C B D B... Mistério! O que será que querem dizer estas letras? Vamos decifrar juntos? Repare: Eu vou contar uma história A De um pavão misterioso B Que levantou voo na Grécia C Com um rapaz corajoso B Raptando uma condessa D Filha de um conde orgulhoso. B O que você descobriu? O que há de comum nos versos marcados com a letra B?
  • 2. Literatura de Cordel - 2 Vamos tentar de novo? Desta vez, você coloca as letras. O grande artista Edmundo desenhou uma invenção fazendo um aeroplano de pequena dimensão fabricado de alumínio com importante armação. Romance do Pavão Misterioso, João Melquíades Ferreira Coloque abaixo o esquema de rima desta sextilha. José Francisco Borges, o famoso J. Borges, hoje é mais conhecido pelas suas xilogravu- ras. Você pode visitar seu ateliê em Bezerros, PE. Mas... o que são xilogravuras? Você mesmo vai descobrir, veja: Xilo palavra de origem grega que significa madeira Gravura técnica de impressão Xilogravura de J. Borges. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/escola/modules/noticias/ article.php?storyid=220>. Acesso em: 18 de abril de 2011.
  • 3. Literatura de Cordel - 3 De que nos fala a literatura de cordel? Antigamente, contavam histórias muito antigas, com temas de guerra, de amor, de conquistas marítimas, de reis e rainhas... No Nordeste, como no início do século XIX não havia jornais, rádio ou televisão, os cordéis passaram a falar também sobre os acontecimentos recentes. Há ainda outros temas como os de religião, de cangaceiros, de assombração, os de exemplo, entre outros. Agora você vai identificar qual o grupo de tema que os cordéis abaixo tratam. Coloque os temas abaixo de cada capa.
  • 4. Literatura de Cordel - 4 Agora, que tal fazer um folheto de cordel? Você vai precisar de : Algumas folhas de papel reciclado tamanho A4 (ou coloridas)• 1 bandeja de isopor (usada para colocar frutas ou frios)• Tinta guache preta• 1 palito de churrasco• Tesoura• 1 rolinho de espuma• 1 pincel largo• 1 grampo de pendurar roupa em varal.• Escolha um tema.1. Faça estrofes em forma de sextilhas falando sobre o assunto.2. Escolha um título para seu cordel.3. Dobre uma folha de papel em 4.4. Recorte as partes (de cima ou de baixo) para liberar as folhas do cordel.5. Tire as bordas da bandeja de isopor e deixe-a do tamanho de seu cordel.6. Faça sua capa no isopor desenhando com caneta e colocando acima o título e abaixo seu7. nome e a data; ATENÇÃO! Para imprimir, você precisará escrever ao contrário! Com o palito de churrasco, cubra o desenho e a escrita. Você precisa afundar bem o palito8. para fixar o que deseja imprimir. Espalhe a guache por toda a placa de isopor com a ajuda do rolinho de espuma.9. Depois de ter preenchido a bandeja inteirinha, pegue uma folha e a pressione, passando10. uma régua sobre toda a região da placa pintada. Devagar, puxe a folha e veja como a impressão sai perfeita, como se fosse mesmo uma11. xilo. Escreva suas poesias nas páginas restantes.12. Grampeie as folhas e...13. Pronto, seu cordel está terminado!14. Finalmente, você poderá pendurá-lo, junto aos outros cordéis que você fizer ou que outros fizerem, num grande cordão amarrado na sala, assim: Afinal, é dessa forma de expor os cordéis que surgiu o nome... CORDEL.