SlideShare uma empresa Scribd logo
1	
  
	
  
Aspectos	
  cognitivos	
  e	
  invenção	
  na	
  improvisação	
  teatral	
  e	
  sua	
  influência	
  na	
  criação	
  de	
  
movimentos	
  expressivos	
  em	
  dança	
  
RIBEIRO,	
  Mônica	
  Medeiros1	
  e	
  MUNIZ,	
  Mariana2	
  
Resumo:
Este trabalho pretende desenvolver uma reflexão comparativa entre a teoria da improvisação teatral e os
aspectos cognitivos e sua influência na criação de movimentos expressivos em dança. Para tanto, foi feita
uma revisão bibliográfica sobre improvisação e aspectos cognitivos da invenção e realizou-se uma
observação da disciplina “Estudos Corporais A” do curso de Graduação em Teatro da EBA/UFMG com a
finalidade de analisar os mecanismos da criação improvisada a partir de motores iniciais relacionados ao
movimento.
Palavras-chave: Cognição. Invenção. Improvisação. Movimento expressivo.
Abstract:
This work aims to develop a comparative reflection between the theory of theatrical improvisation and
cognitive aspects and their influence on the creation of expressive movements in dance. To this end, we
performed a literature review on cognitive aspects of improvisation and invention and has been an
observation of the course "The Body Studies" Course in Undergraduate Theatre EBA / UFMG in order to
analyze the mechanisms of creation from the Improvised Initial engine related to the movement.
Keywords: Cognition. Invention. Improvisation. Expressive movement.

A improvisação ocorre no movimento relacional com o colega, com aquele que
assiste, com o ambiente visual, sonoro, ou seja, com o outro. A prática improvisacional
tanto no teatro quanto na dança implica em uma contínua renovação do olhar de si e dos
outros. Esse movimento de renovação depende de um ato perceptivo que é também
cognoscitivo. Perceber envolve não somente a recepção dos estímulos e o
processamento da informação como também o armazenamento, a simulação da ação e a
antecipação de situações (Berthoz, 2000). Renovar o olhar implica em repensar a
percepção em termos de cognição.
A invenção, muito relacionada à criação, é tomada aqui no sentido dado por
Kastrup (2007) de um processo de problematização que aproveita qualquer desvio ou
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
1

	
  Atriz-bailarina. Mestre em Letras: Literatura e outros Sistemas Semióticos( UFMG). Doutoranda em
Artes: Ensino de Arte (UFMG). Professora da Graduação em Teatro da EBA/UFMG.

2

Atriz e diretora teatral. Doutora em História,Teoria e Prática do Teatro (Universidad de Alcalá).
Professora da Graduação em Teatro e Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG.

	
  
2	
  
	
  

desestabilização no padrão estabelecido no momento da improvisação ou de relação
com o ambiente ou o colega para gerar transformações.
O motivo deste texto decorre da vivência como docente, na sala de aula da
disciplina “Estudos Corporais A”, do curso de graduação em Teatro da EBA. O
conteúdo programático dessa disciplina correlaciona conceitos básicos de preparação
corporal como alongamento, aquecimento, coordenação motora, com processos de
criação de maneira prática a partir dos fatores de movimento instaurados por Rudolf
Laban3 e a rítmica corporal de acordo com as proposições de Ione de Medeiros4·. Por
meio do exercício de criação de movimentos próprios e de seqüências de movimentos,
os alunos apresentaram ao longo do semestre cinco partituras de movimentos que
culminaram em uma partitura/coreografia final. Essa criação foi operacionalizada com a
técnica de improvisação e as fases de seu processo foram abertas à fruição do público
acadêmico e extra-acadêmico.
Além dessa atividade docente, a participação como aluna das discussões e da
prática realizadas na disciplina “História, Teoria e Prática da Improvisação”, cursada no
doutorado da pós-graduação em Artes da Escola de Belas Artes e ministrada pela
professora Mariana Muniz, efetivou a realização do presente texto em versão reduzida e
trabalhada para este primeiro número do “Caderno de Licenciatura”.5 6
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
3

	
  Tempo, Espaço, Peso e Fluência (RENGEL, 2000).

4

	
  Ione de Medeiros é pianista e professora de musicalização, e diretora do grupo Oficcina Multimédia da
Fundação de Educação Artística de Belo Horizonte (1973 -2010 ).” A rítmica corporal trabalhada por
Ione tem muitas afinidades com os preceitos de Dalcroze, embora ela jamais tenha tido contato com sua
obra. Ione vem desenvolvendo esses exercícios desde inicio de sua trajetória a partir dos anos setenta,
quando em conjunto com outros professores de música da Fundação de educação Artística – Maria
Amélia Martins, Rosa Lúcia dos Mares Guia, Edla Lobão Lacerda, José Adolfo Moura, Lina Márcia
Pinheiro Moreira e Anita Patusco - , vivenciou os primórdios daquilo que viria a ser sua própria
abordagem de rítmica corporal” (MEDEIROS, 2007).Posteriormente deu continuidade a essa pesquisa do
aprendizado de musica por meio da expressão corporal na Fundação de educação Artística, no Instituto
Decroly e no Centro Pedagógico da UFMG. Sua referência teórica foi Britha Glathe-Seifert (1969).
Ressalta-se que seus exercícios de rítmica corporal são a base do trabalho de preparação de atores do
Grupo Oficcina Multimédia.

5

	
  A professora Dra. Mariana Muniz realizou a orientação e revisão participativa deste texto, e, portanto,
assina o presente como segundo autor.	
  

6

	
  Foi publicado nos Anais da Reunião Científica de 2009 da ABRACE um resumo expandido com tema
oriundo do trabalho realizado em função da disciplina “História, Teoria e Prática da Improvisação”
cursada na pós graduação da EBA .

	
  
3	
  
	
  

A partir da observação participante7 realizada como professora-propositora
inicio uma reflexão acerca de alguns aspectos cognitivos e da invenção na improvisação
em sala de aula com o objetivo de problematizar a seguinte questão: Quais poderiam ser
os elementos cognitivos presentes no exercício da improvisação em artes cênicas?

Metodologia
Como método de pesquisa para a elaboração deste trabalho foi realizada
inicialmente uma revisão bibliográfica8 com os descritores improvisação e cognição,
assim como a análise qualitativa durante a observação participante na sala de aula da
disciplina “Estudos Corporais A”.
Improvisação e cognição
Tanto na arte teatral quanto na dança, a improvisação opera como instrumento
de formação, como ferramenta para criação de espetáculos e como espetáculo em si
(MUNIZ, 2004, pg.35). No âmbito dessa reflexão e da prática observada em sala de aula
a improvisação foi utilizada tanto para que os alunos se apropriassem dos elementos de
movimento de Laban e das proposições de Medeiros abordados no decorrer da
disciplina quanto para que descobrissem os elementos expressivos da sequênciapartitura de movimentos que seria apresentada ao público no espaço da sala de aula e,
por vezes, em espaços escolhidos por cada aluno-criador nas proximidades do prédio da
EBA/UFMG.
Os elementos labanianos experimentados por meio da improvisação foram o
tempo, o espaço e o peso. Quanto ao tempo foram trabalhadas a duração do movimento,
a velocidade e a pausa. Do fator espaço, foram selecionadas as direções, os caminhos, o
tamanho e os planos. Do peso, o peso leve, firme e pesado, como variantes do grau de
tônus muscular requerido na realização motora e o acento9. A rítmica corporal
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
7
	
  “A observação participante é uma técnica de pesquisa que pressupõe a não neutralidade do pesquisador
em relação ao seu objeto de estudo” (RIZZINI, 1999, pg. 71).
	
  É importante ressaltar que esta pesquisa sobre aspectos cognitivos na aprendizagem do movimento
expressivo no âmbito das Artes Cênicas faz parte do meu trabalho de investigação de doutorado em Arte:
Ensino de Arte que está no seu 19° mês , sob a orientação da profa. Dra. Lúcia Pimentel na EBA/UFMG.

8

9

	
  O acento tem na sua aplicação no movimento mais relação com o fator peso por se tratar de uma
intensificação no tônus muscular para expressar uma ênfase no movimento coerente com uma intensidade
mais forte.	
  

	
  
4	
  
	
  

contribuiu para a conscientização da regularidade do pulso, para a percepção do
andamento, das direções no espaço, da dinâmica das coreografias, das noções de
simetria, assimetria, simultaneidade, alternância, sucessão pausa e acento, assim como
para a configuração de partituras de duração, gráficos de intensidade.
A partir da revisão bibliográfica realizada pode-se dizer que uma das condições
essenciais da improvisação é a abertura e disponibilidade do improvisador para a
relação com o outro. Não é um estado de passividade, pois a receptividade é
intencionalizada. O propósito é gerar e dar continuidade a uma espécie de jogo. “A
improvisação deve operar como um jogo que tem como objetivo solucionar um
problema priorizando mais o processo de solução do que o resultado desta” (Spolin,
2003, pg.341). É necessário estar ativo para “[...] receber de outra pessoa, concentrar-se
nos demais. Aí radicará a raiz da criação, seu ponto de partida. Não faço nada sem estar
provocado pelo que faz ou não faz a outra pessoa. Não concentro em mim mesmo, mas
sim no outro” (LAYTON, 1990, pg. 18 apud MUNIZ, 2004, pg.35).
Conforme dito no inicio deste texto, esse jogo improvisacional ocorre na relação
com o outro, compreendendo este não somente como o colega improvisador, mas
também como o ambiente e o público. Constitui-se uma escuta propicia à improvisação,
imbuída de intuição e disponibilidade para jogar. Como sugere Muniz (2004) é
necessária a manutenção de uma escuta ativa que aproveita o acaso e o casual de
maneira adequada para a cena.
A improvisação utilizada era iniciada com a proposição de uma regra de execução
de movimento. Sugere-se que a regra seja compreendida como um fator orientador, e
não limitador, que facilita a criação do movimento sendo contextualizada dentro de um
dinamismo que permite a alteração desta em razão dos estímulos surgidos durante o
exercício. Vale ressaltar que a aprendizagem é também a escolha de foco atencional o
que já implica uma eliminação de possibilidades outras que não aquela que se pretende
trabalhar. A regra de execução de movimento foi o motor das improvisações. De
acordo com Muniz (2004, pg.284), “o motor é a chispa inicial, é a premissa com a qual
se decide trabalhar a improvisação [...]”. Segundo Robert Gravel e Jan –Marc Lavergne
(1989) este estímulo, que posteriormente seria denominado motor, é a ideia que permite
a ação surgir e ressurgir e a improvisação avançar dentro da lógica da proposta inicial e
de seu desenvolvimento. A regra é, neste caso, a própria ideia de movimento, uma ideiaação. Esta ideia-ação está sempre em relação aos conceitos estudados e a partir dela se
	
  
5	
  
	
  

desenrola a improvisação. Funciona como um eixo para o qual sempre se pode recorrer
mas que ao mesmo tempo permite digressões em muitas direções. A regra para
execução de movimentos tem uma condição de estrutura aberta visto que estabelece um
padrão de movimento e que, na repetição desta espécie de ‘ordem’, o mesmo padrão vai
se transformando continuamente ainda que mantenha uma memória do primeiro padrão
provocado por esse estímulo.
Como exemplo de regras de execução do movimento utilizadas na sala de aula temse:
1- Movimentar-se criando ‘nós’ com as parte do corpo e desfazendo-os.
2- Movimentar-se visando tocar as extremidades de um iscosaedro10, imaginando
que este se amplia até os limites dos membros e se recolhe.
3- Movimentar em dupla de maneira simultânea/alternada aleatoriamente pelo
espaço da sala.
4- Trabalhar movimentos em torção e flexo-extensão no primeiro pulso do
compasso ternário da música com um acento no primeiro tempo-forte e desintensificação muscular nos dois tempos subseqüentes.
Todos esses motores improvisacionais visam ao estabelecimento de relações entre
os alunos, o espaço e os conceitos trabalhados. O procedimento utilizado para tratar
com as regras-motores foi a ideia de problematização. A improvisação aqui, motivada
por regras de movimentos e realizadas a partir da ideia de problematização não tem
como objetivo, como o é para Spolin (2003), a resolução de um problema. O que se
pretende é tratar o motor da improvisação como um problema que funciona como
motivador de processos criativos. A resolução será alcançada a cada momento em que
se realiza o procedimento proposto pela regra e a cada articulação efetuada neste fazer.
É o mesmo problema de que fala Kastrup (2007, pg. 117), um “problema que não tem o
sentido negativo de lacuna ou falta, mas o sentido positivo de exigência de criação”.
Trata-se de experimentar a criação ativamente com um comportamento de investigador.
O que caracteriza esta abordagem que prioriza a problematização é a não resolução, a
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
10

	
  Icosaedro é um poliedro de vinte faces. Esta figura foi utilizada pro Rudolf Laban nos seus estudos de
movimento. Para maiores informações ver o livro : LABAN, Rudolf. Dança Educativa Moderna. São
Paulo: Ícone, 1990.

	
  
6	
  
	
  

não estabilização de um padrão, mas sim a permanência num estado de variação
contínua.
Após o tempo dado às improvisações, os alunos-criadores deveriam rememorar
os movimentos que mais lhes interessaram e iniciar o processo de composição da
sequência-partitura de movimentos expressivos.
Na realização deste tipo de prática corporal sugere-se que o tipo de cognição
requerido seja aquele proposto por Kastrup (2007) quando correlaciona cognição a um
processo dotado de uma inventividade intrínseca, um processo de diferenciação em
relação a si mesma. A cognição é comumente associada à ideia de resolução de
problemas11. Na abordagem proposta por Kastrup a noção de inventividade é intrínseca
à cognição. A inventividade é um constante processo de problematização, a própria
criação de problemas que aproveita os desvios, as desestabilizações para gerar
transformações (Kastrup, 2007).
Desta noção de invenção, que estaria inerente aos processos cognitivos, se
aproxima a conceituação de criatividade dada por Wissink (2001, pg. 7) como
habilidade de perceber, em qualquer evento, diversos aspectos que poderiam ser
colocados dentro de padrões diferentes e de gerar questões por meio da criação de um
novo padrão através da recombinação entre seus itens. Quando Wissink apresenta a
criatividade a partir da teoria dos sistemas dinâmicos, também aproxima esse conceito
da inventividade de Kastrup. O processo criativo acontece com e em um sujeito num
contexto de mudança. “Mas em um conceito de mudança o sistema está sujeito tanto a
distúrbios internos quanto externos que movimentam o sistema para fora de sua corrente
estável, dando a oportunidade de entrar em outro estado estável” (WISSINK, 2001; pg.
32). Como um sistema dinâmico, em constante transformação, a cognição, com sua
inventividade inerente, sofre ‘perturbações’ que podem produzir novos estados. Essas
perturbações são ora internas, ora externas, ou ambas simultaneamente e estar aberto a
elas é condição desse tipo de sistema.
Vale ressaltar que invenção é aqui tratada a partir de sua etimologia latina invenire – que “significa compor com restos arqueológicos. Inventar é garimpar o que
restava escondido, oculto, mas que, ao serem removidas as camadas históricas que o
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
11

	
  “A essência da cognição enfoca-s essencialmente na sua propensibilidade para a resolução de
problemas, numa palavra, a essência da adaptabilidade criativa da espécie humana” (Fonseca, 2007,
pg.17).

	
  
7	
  
	
  

encobriam, revela-se como já estando lá” (KASTRUP, 2004, pg. 13). A importância
dada ao que não se pode ver num primeiro momento, evidencia o valor dado à memória,
que, como um aspecto cognitivo, é re-inventada a cada vez que se recorre a ela. Essa
recursividade da invenção pertencente aos domínios cognitivos e ocorre em consonância
com as modulações emocionais, ou seja, com o viver do sujeito no mundo, com sua
impressão da experiência.
Wissink (2001) propõe a mudança, o envolvimento de processos mentais, o
conhecimento prévio de campo epistemológico, a apropriação e a validade como
características do processo de criação. Ele também atenta para a grande importância que
tem a motivação intrínseca, aquela que é interna ao próprio aluno-criador, no
desenvolvimento de um alto nível de criatividade. Essa motivação é influenciada pela
externa, mas depende muito do sujeito criador que a alimenta a partir da consciência da
necessidade de apropriação corpórea dos elementos teóricos estudados mencionados no
início deste texto. Isso implica uma atitude interessada, disponível para receber e
processar as perturbações ambientais com intuito de aproveitá-las no ato criativo. “O
meio comparece perturbando, e não transmitindo informações. Perturbar significa
afetar, colocar problema” (KASTRUP, 2007, pg. 133).
Na sala de aula
A observação participante realizada na sala de aula possibilitou a percepção das
seguintes dificuldades na realização da improvisação como técnica para apropriação dos
elementos motores e para criação de elementos expressivos para as sequênciaspartituras. A primeira dificuldade encontrada foi a capacidade de manutenção da
atenção durante a improvisação prolongada. A atenção requerida durante a
improvisação é um tipo de atenção que se alterna entre atenção focada e difusa,
promovendo um movimento circular da concentração que permite estar consciente de si,
do outro e aberto ao acaso. O desenvolvimento perceptivo possibilitador da escolha de
movimentos para posterior organização coreográfica também se mostrou deficiente,
assim como a capacidade de construção de uma estrutura móvel, em constante
transformação, mas dotada de coerência interna.
Discussão

	
  
8	
  
	
  

Ao estudar uma possível relação entre as características propostas por Wissink
(2001) – mudança, presença de envolvimento de processos mentais, conhecimento
prévio do campo e validade -, o conceito de invenção retomado por Kastrup (2007) e os
preceitos de improvisação propostos por Johnstone (2000) sugere-se que, ainda que
oriundos de diferentes áreas, há estreita afinidade entre eles.
Iniciando pela característica de mudança, pode-se inferir que estar em
movimento, ou percebendo o movimento externo e interno seja do corpo, dos objetos,
dos outros, ou dos próprios pensamentos é uma das condições necessárias à criação na
improvisação. O movimento pode ser compreendido como potência de transformação
de um estado a outro. A improvisação possui uma condição de transformação que não
prescinde do inesperado. Deve haver uma abertura consciente e intencionalizada que é a
própria escuta. Conforme Muniz (2004) a escuta em cena é ativa e visa avançar a ação e
manter o interesse. A escuta propicia a aceitação de propostas que, de acordo com
Johnstone (2000), é fundamental para o prosseguimento da ação. Com a ideia de
oferecimento de propostas para o outro, vem a importância do elemento surpresa. A
utilização intencional dessas surpresas é chamada de quebra de rotinas por Johnstone
(apud MUNIZ, 2004, pg. 274). A quebra de rotina provê movimento, mudança e auxilia
na construção dramatúrgica que acontece no “calor da ação” (MUNIZ, 2004, pg. 276).
Sugere-se também que os processos mentais que se destacam na prática da
improvisação são as chamadas funções executivas. Essas são um conjunto de
habilidades que, de forma integrada, permitem ao indivíduo direcionar comportamentos
a metas, avaliar a eficiência e adequação desses comportamentos, abandonar estratégias
ineficazes em prol de outras mais eficientes e, deste modo, resolver problemas
imediatos de médio e longo prazo (FUENTES, D.; MALLOY-DINIZ, 2008). Neste
grupo estão planejamento, controle inibitório, tomada de decisões, flexibilidade
cognitiva, planejamento, solução de problemas, memória operacional e atenção,
controle sobre o afeto, motivação, categorização e fluência. Aborda-se aqui a atenção
devido à sua influência em todo e qualquer processo de aprendizagem, pois de acordo
com os estudos sobre a atenção, ela é condição para a efetivação da memória. Só se faz
memória daquilo que foi objeto de nossa atenção em determinado momento. Na
improvisação deve ocorrer um recorte atencional, onde “ o que escutamos o filtramos de
acordo com nossas intenções e objetivos”(MUNIZ, 2004, pg. 272).

	
  
9	
  
	
  

No entanto, vale lembrar que “o prestar atenção é apenas um dos atos de um
processo complexo, que inclui modulações da cognição e da própria intencionalidade da
consciência” (KASTRUP, 2004, pg. 14). A intencionalidade está relacionada com a
motivação e com os objetivos do sujeito durante o exercício. A intencionalidade
encontra seu motor na curiosidade. E o cultivo da curiosidade é feito por meio do
treinamento.
Com relação à característica dada por Wissink (2001) chamada de conhecimento
de campo reitera-se que a improvisação não é espontânea, ainda que seja necessário
propiciar a imaginação e a espontaneidade num primeiro momento da prática
improvisacional. Os alunos-criadores aprendem diversos procedimentos técnicos os
quais lhes permitem entrar e permanecer no jogo da improvisação.12
A validade, a quarta característica proposta por Wissink, pode ser equivalente à
aceitação de Johnstone e o pacto com o publico. Ela é referenciada por valores culturais
e pode ser percebida na relação entre ator/bailarino-público.

Conclusão
A aprendizagem que ocorre no exercício da improvisação possui uma lógica
circular que, ainda segundo Kastrup (2004), aponta para o inacabamento do processo. A
condição de uma atenção que oscila entre focada e difusa, entre concentrada em
aspectos internos e externos ao aluno-criador pode auxiliar nessas experiências de
problematização, experiências de invenção.
Retomar os conceitos relacionados a processos de criação, das ciências da
cognição, e da improvisação, a partir do ponto de vista do teatro, auxilia na reflexão
sobre a improvisação e a prática inventiva na criação de sequências de movimentos
expressivos em dança.
Referências Bibliográficas
BERTHOZ A. (2000). The Brain’s Sense of Movement. USA: Harvard University Press.
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
12
	
  Ver JOHSTONE, Keith. Impro: Improvisación y el Teatro. Chile: Cuatro Vientos editorial, 2000.
	
  

	
  
10	
  
	
  

FONSECA, V. Cognição, Neuropsicologia e Aprendizagem: abordagem
neuropsicológica e psicopedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
FUENTES, Daniel (Org.) ; MALLOY-DINIZ, Leandro Fernandes (Org.) ; Camargos,
C.P. (Org.) ; COSENSA, R.M. (Org.) . Neuropsicologia: teoria e Prática. Porto Alegre:
Artmed, 2008.
GRAVEL, R.; LAVERGNE,JM. Impro II: exercices et analyses.Montreal:Lemeac,
1989. 127p.
JHONSTONE, Keith. Impro: improvisación y el teatro. Cuatro Vientos Editorial.
Santiago de Chile, 2000.
KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo. Uma introdução do tempo e do
coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.
KASTRUP, Virginia. A aprendizagem da atenção na cognição inventiva. Psicologia e
sociedade, 16(3): 7-16; set/dez.2004.
LAYTON, William. ¿Por qué? Trampolín del actor. Fundamentos. Madri: 1990.
MEDEIROS, Ione de. Grupo Oficcina Multimédia: 30 anos de integração das artes no
teatro. Belo Horizonte:I.T. Medeiros, 2007.	
  
MUNIZ, M. La improvisación como espetáculo: principales experiementos y técnicas
de aprendizaje del actor-improvisador”. Tese Doutoral. Universidad de Alcalá. Alcalá
de Henares: 2004. 395p.
RENGEL, Lenira. Dicionário Laban. São Paulo: Annablume, 2003.
RIZZINI, Irma. Pesquisando: guia de metodologias de pesquisa para programas sociais.
Irma Rizzini, Monica Rabello de Castro, Carla Silvana Daniel Sartor. Rio de
Janeiro:USU Ed. Universitária, 1999.
SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. 4 ed. Tradução Ingrid Dormien Koudela.
São Paulo: Perspectiva, 2003.
WISSINK, Geert.CREATIVITY AND COGNITION: A study of creativity within the
framework of cognitive science, artificial intelligence and the dynamical system theory.
Amsterdam, July 10th, 2001. Department of Psychology, University of Amsterdam.
Supervisor: Saskia Jaarsveld, 2001.

	
  

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na criação de movimentos expressivos em dança revista lamparina 2010

A caixa dos ritmos
A caixa dos ritmosA caixa dos ritmos
A caixa dos ritmos
pibiduergsmontenegro
 
Arte de ensinar
Arte de ensinarArte de ensinar
Arte de ensinar
Nivia Almeida
 
Arte de ensinar
Arte de ensinarArte de ensinar
Arte de ensinar
Nivia Almeida
 
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de DançaPoesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Seduc MT
 
XIII_ABEM_2004_303_310.pdf
XIII_ABEM_2004_303_310.pdfXIII_ABEM_2004_303_310.pdf
XIII_ABEM_2004_303_310.pdf
DboraMares1
 
Laban
Laban Laban
Laban
Victor Dias
 
Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]
Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]
Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]
grupointerartes
 
Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.
Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.
Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.
liriamorays
 
Artigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividadeArtigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividade
Geisiclarineta
 
Artigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividadeArtigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividade
Geisiclarineta
 
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdfAnte_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Contemplo Cia de Dança
 
Educação musical e pne
Educação musical e pneEducação musical e pne
Educação musical e pne
Patricia Bampi
 
Rev7 artigo2 movimento_improvisado
Rev7 artigo2 movimento_improvisadoRev7 artigo2 movimento_improvisado
Rev7 artigo2 movimento_improvisado
Gerar E Nutrir
 
Ida mara freire_22
Ida mara freire_22Ida mara freire_22
Ida mara freire_22
Sonia Borges
 
Beraldi luciana tcc
Beraldi luciana tccBeraldi luciana tcc
Beraldi luciana tcc
Alessandra Bertão Ribas
 
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana ÉramoDissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Universidade das Quebradas
 
MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...
MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...
MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...
liriamorays
 
07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na
07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na
07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na
Marly Rodrigues
 
Dança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimentoDança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimento
Marleila Barros
 
"Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ...
"Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ..."Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ...
"Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ...
Telma João Santos
 

Semelhante a Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na criação de movimentos expressivos em dança revista lamparina 2010 (20)

A caixa dos ritmos
A caixa dos ritmosA caixa dos ritmos
A caixa dos ritmos
 
Arte de ensinar
Arte de ensinarArte de ensinar
Arte de ensinar
 
Arte de ensinar
Arte de ensinarArte de ensinar
Arte de ensinar
 
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de DançaPoesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
 
XIII_ABEM_2004_303_310.pdf
XIII_ABEM_2004_303_310.pdfXIII_ABEM_2004_303_310.pdf
XIII_ABEM_2004_303_310.pdf
 
Laban
Laban Laban
Laban
 
Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]
Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]
Exemplo formataçãotexto-engrup edança[1]
 
Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.
Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.
Conectividade na cena improvisada: ideias no/do corpo que dança.
 
Artigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividadeArtigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividade
 
Artigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividadeArtigo técnica musical e expressividade
Artigo técnica musical e expressividade
 
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdfAnte_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
 
Educação musical e pne
Educação musical e pneEducação musical e pne
Educação musical e pne
 
Rev7 artigo2 movimento_improvisado
Rev7 artigo2 movimento_improvisadoRev7 artigo2 movimento_improvisado
Rev7 artigo2 movimento_improvisado
 
Ida mara freire_22
Ida mara freire_22Ida mara freire_22
Ida mara freire_22
 
Beraldi luciana tcc
Beraldi luciana tccBeraldi luciana tcc
Beraldi luciana tcc
 
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana ÉramoDissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
 
MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...
MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...
MORAIS, Líria de A. A conectividade entre dançarinos na cena de dança improvi...
 
07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na
07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na
07 06 12_teatro_do_oprimido_e_teatro-educacao_construindo_caminhos_na
 
Dança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimentoDança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimento
 
"Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ...
"Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ..."Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ...
"Matemática e Movimento em Performance: um estudo de caso" Conference Paper, ...
 

Mais de marianamuniz32

La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...
La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...
La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...
marianamuniz32
 
Relação improvisador público - mariana muniz
Relação improvisador público - mariana munizRelação improvisador público - mariana muniz
Relação improvisador público - mariana muniz
marianamuniz32
 
Dramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisaçãoDramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisação
marianamuniz32
 
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...
marianamuniz32
 
Improvisar espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008
Improvisar   espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008Improvisar   espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008
Improvisar espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008
marianamuniz32
 
Artigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantesArtigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantes
marianamuniz32
 
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
marianamuniz32
 

Mais de marianamuniz32 (7)

La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...
La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...
La relación de la presencia aurática del actor y los vídeos del youtube en la...
 
Relação improvisador público - mariana muniz
Relação improvisador público - mariana munizRelação improvisador público - mariana muniz
Relação improvisador público - mariana muniz
 
Dramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisaçãoDramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisação
 
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...
 
Improvisar espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008
Improvisar   espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008Improvisar   espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008
Improvisar espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008
 
Artigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantesArtigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantes
 
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
 

Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na criação de movimentos expressivos em dança revista lamparina 2010

  • 1. 1     Aspectos  cognitivos  e  invenção  na  improvisação  teatral  e  sua  influência  na  criação  de   movimentos  expressivos  em  dança   RIBEIRO,  Mônica  Medeiros1  e  MUNIZ,  Mariana2   Resumo: Este trabalho pretende desenvolver uma reflexão comparativa entre a teoria da improvisação teatral e os aspectos cognitivos e sua influência na criação de movimentos expressivos em dança. Para tanto, foi feita uma revisão bibliográfica sobre improvisação e aspectos cognitivos da invenção e realizou-se uma observação da disciplina “Estudos Corporais A” do curso de Graduação em Teatro da EBA/UFMG com a finalidade de analisar os mecanismos da criação improvisada a partir de motores iniciais relacionados ao movimento. Palavras-chave: Cognição. Invenção. Improvisação. Movimento expressivo. Abstract: This work aims to develop a comparative reflection between the theory of theatrical improvisation and cognitive aspects and their influence on the creation of expressive movements in dance. To this end, we performed a literature review on cognitive aspects of improvisation and invention and has been an observation of the course "The Body Studies" Course in Undergraduate Theatre EBA / UFMG in order to analyze the mechanisms of creation from the Improvised Initial engine related to the movement. Keywords: Cognition. Invention. Improvisation. Expressive movement. A improvisação ocorre no movimento relacional com o colega, com aquele que assiste, com o ambiente visual, sonoro, ou seja, com o outro. A prática improvisacional tanto no teatro quanto na dança implica em uma contínua renovação do olhar de si e dos outros. Esse movimento de renovação depende de um ato perceptivo que é também cognoscitivo. Perceber envolve não somente a recepção dos estímulos e o processamento da informação como também o armazenamento, a simulação da ação e a antecipação de situações (Berthoz, 2000). Renovar o olhar implica em repensar a percepção em termos de cognição. A invenção, muito relacionada à criação, é tomada aqui no sentido dado por Kastrup (2007) de um processo de problematização que aproveita qualquer desvio ou                                                                                                                         1  Atriz-bailarina. Mestre em Letras: Literatura e outros Sistemas Semióticos( UFMG). Doutoranda em Artes: Ensino de Arte (UFMG). Professora da Graduação em Teatro da EBA/UFMG. 2 Atriz e diretora teatral. Doutora em História,Teoria e Prática do Teatro (Universidad de Alcalá). Professora da Graduação em Teatro e Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG.  
  • 2. 2     desestabilização no padrão estabelecido no momento da improvisação ou de relação com o ambiente ou o colega para gerar transformações. O motivo deste texto decorre da vivência como docente, na sala de aula da disciplina “Estudos Corporais A”, do curso de graduação em Teatro da EBA. O conteúdo programático dessa disciplina correlaciona conceitos básicos de preparação corporal como alongamento, aquecimento, coordenação motora, com processos de criação de maneira prática a partir dos fatores de movimento instaurados por Rudolf Laban3 e a rítmica corporal de acordo com as proposições de Ione de Medeiros4·. Por meio do exercício de criação de movimentos próprios e de seqüências de movimentos, os alunos apresentaram ao longo do semestre cinco partituras de movimentos que culminaram em uma partitura/coreografia final. Essa criação foi operacionalizada com a técnica de improvisação e as fases de seu processo foram abertas à fruição do público acadêmico e extra-acadêmico. Além dessa atividade docente, a participação como aluna das discussões e da prática realizadas na disciplina “História, Teoria e Prática da Improvisação”, cursada no doutorado da pós-graduação em Artes da Escola de Belas Artes e ministrada pela professora Mariana Muniz, efetivou a realização do presente texto em versão reduzida e trabalhada para este primeiro número do “Caderno de Licenciatura”.5 6                                                                                                                         3  Tempo, Espaço, Peso e Fluência (RENGEL, 2000). 4  Ione de Medeiros é pianista e professora de musicalização, e diretora do grupo Oficcina Multimédia da Fundação de Educação Artística de Belo Horizonte (1973 -2010 ).” A rítmica corporal trabalhada por Ione tem muitas afinidades com os preceitos de Dalcroze, embora ela jamais tenha tido contato com sua obra. Ione vem desenvolvendo esses exercícios desde inicio de sua trajetória a partir dos anos setenta, quando em conjunto com outros professores de música da Fundação de educação Artística – Maria Amélia Martins, Rosa Lúcia dos Mares Guia, Edla Lobão Lacerda, José Adolfo Moura, Lina Márcia Pinheiro Moreira e Anita Patusco - , vivenciou os primórdios daquilo que viria a ser sua própria abordagem de rítmica corporal” (MEDEIROS, 2007).Posteriormente deu continuidade a essa pesquisa do aprendizado de musica por meio da expressão corporal na Fundação de educação Artística, no Instituto Decroly e no Centro Pedagógico da UFMG. Sua referência teórica foi Britha Glathe-Seifert (1969). Ressalta-se que seus exercícios de rítmica corporal são a base do trabalho de preparação de atores do Grupo Oficcina Multimédia. 5  A professora Dra. Mariana Muniz realizou a orientação e revisão participativa deste texto, e, portanto, assina o presente como segundo autor.   6  Foi publicado nos Anais da Reunião Científica de 2009 da ABRACE um resumo expandido com tema oriundo do trabalho realizado em função da disciplina “História, Teoria e Prática da Improvisação” cursada na pós graduação da EBA .  
  • 3. 3     A partir da observação participante7 realizada como professora-propositora inicio uma reflexão acerca de alguns aspectos cognitivos e da invenção na improvisação em sala de aula com o objetivo de problematizar a seguinte questão: Quais poderiam ser os elementos cognitivos presentes no exercício da improvisação em artes cênicas? Metodologia Como método de pesquisa para a elaboração deste trabalho foi realizada inicialmente uma revisão bibliográfica8 com os descritores improvisação e cognição, assim como a análise qualitativa durante a observação participante na sala de aula da disciplina “Estudos Corporais A”. Improvisação e cognição Tanto na arte teatral quanto na dança, a improvisação opera como instrumento de formação, como ferramenta para criação de espetáculos e como espetáculo em si (MUNIZ, 2004, pg.35). No âmbito dessa reflexão e da prática observada em sala de aula a improvisação foi utilizada tanto para que os alunos se apropriassem dos elementos de movimento de Laban e das proposições de Medeiros abordados no decorrer da disciplina quanto para que descobrissem os elementos expressivos da sequênciapartitura de movimentos que seria apresentada ao público no espaço da sala de aula e, por vezes, em espaços escolhidos por cada aluno-criador nas proximidades do prédio da EBA/UFMG. Os elementos labanianos experimentados por meio da improvisação foram o tempo, o espaço e o peso. Quanto ao tempo foram trabalhadas a duração do movimento, a velocidade e a pausa. Do fator espaço, foram selecionadas as direções, os caminhos, o tamanho e os planos. Do peso, o peso leve, firme e pesado, como variantes do grau de tônus muscular requerido na realização motora e o acento9. A rítmica corporal                                                                                                                         7  “A observação participante é uma técnica de pesquisa que pressupõe a não neutralidade do pesquisador em relação ao seu objeto de estudo” (RIZZINI, 1999, pg. 71).  É importante ressaltar que esta pesquisa sobre aspectos cognitivos na aprendizagem do movimento expressivo no âmbito das Artes Cênicas faz parte do meu trabalho de investigação de doutorado em Arte: Ensino de Arte que está no seu 19° mês , sob a orientação da profa. Dra. Lúcia Pimentel na EBA/UFMG. 8 9  O acento tem na sua aplicação no movimento mais relação com o fator peso por se tratar de uma intensificação no tônus muscular para expressar uma ênfase no movimento coerente com uma intensidade mais forte.    
  • 4. 4     contribuiu para a conscientização da regularidade do pulso, para a percepção do andamento, das direções no espaço, da dinâmica das coreografias, das noções de simetria, assimetria, simultaneidade, alternância, sucessão pausa e acento, assim como para a configuração de partituras de duração, gráficos de intensidade. A partir da revisão bibliográfica realizada pode-se dizer que uma das condições essenciais da improvisação é a abertura e disponibilidade do improvisador para a relação com o outro. Não é um estado de passividade, pois a receptividade é intencionalizada. O propósito é gerar e dar continuidade a uma espécie de jogo. “A improvisação deve operar como um jogo que tem como objetivo solucionar um problema priorizando mais o processo de solução do que o resultado desta” (Spolin, 2003, pg.341). É necessário estar ativo para “[...] receber de outra pessoa, concentrar-se nos demais. Aí radicará a raiz da criação, seu ponto de partida. Não faço nada sem estar provocado pelo que faz ou não faz a outra pessoa. Não concentro em mim mesmo, mas sim no outro” (LAYTON, 1990, pg. 18 apud MUNIZ, 2004, pg.35). Conforme dito no inicio deste texto, esse jogo improvisacional ocorre na relação com o outro, compreendendo este não somente como o colega improvisador, mas também como o ambiente e o público. Constitui-se uma escuta propicia à improvisação, imbuída de intuição e disponibilidade para jogar. Como sugere Muniz (2004) é necessária a manutenção de uma escuta ativa que aproveita o acaso e o casual de maneira adequada para a cena. A improvisação utilizada era iniciada com a proposição de uma regra de execução de movimento. Sugere-se que a regra seja compreendida como um fator orientador, e não limitador, que facilita a criação do movimento sendo contextualizada dentro de um dinamismo que permite a alteração desta em razão dos estímulos surgidos durante o exercício. Vale ressaltar que a aprendizagem é também a escolha de foco atencional o que já implica uma eliminação de possibilidades outras que não aquela que se pretende trabalhar. A regra de execução de movimento foi o motor das improvisações. De acordo com Muniz (2004, pg.284), “o motor é a chispa inicial, é a premissa com a qual se decide trabalhar a improvisação [...]”. Segundo Robert Gravel e Jan –Marc Lavergne (1989) este estímulo, que posteriormente seria denominado motor, é a ideia que permite a ação surgir e ressurgir e a improvisação avançar dentro da lógica da proposta inicial e de seu desenvolvimento. A regra é, neste caso, a própria ideia de movimento, uma ideiaação. Esta ideia-ação está sempre em relação aos conceitos estudados e a partir dela se  
  • 5. 5     desenrola a improvisação. Funciona como um eixo para o qual sempre se pode recorrer mas que ao mesmo tempo permite digressões em muitas direções. A regra para execução de movimentos tem uma condição de estrutura aberta visto que estabelece um padrão de movimento e que, na repetição desta espécie de ‘ordem’, o mesmo padrão vai se transformando continuamente ainda que mantenha uma memória do primeiro padrão provocado por esse estímulo. Como exemplo de regras de execução do movimento utilizadas na sala de aula temse: 1- Movimentar-se criando ‘nós’ com as parte do corpo e desfazendo-os. 2- Movimentar-se visando tocar as extremidades de um iscosaedro10, imaginando que este se amplia até os limites dos membros e se recolhe. 3- Movimentar em dupla de maneira simultânea/alternada aleatoriamente pelo espaço da sala. 4- Trabalhar movimentos em torção e flexo-extensão no primeiro pulso do compasso ternário da música com um acento no primeiro tempo-forte e desintensificação muscular nos dois tempos subseqüentes. Todos esses motores improvisacionais visam ao estabelecimento de relações entre os alunos, o espaço e os conceitos trabalhados. O procedimento utilizado para tratar com as regras-motores foi a ideia de problematização. A improvisação aqui, motivada por regras de movimentos e realizadas a partir da ideia de problematização não tem como objetivo, como o é para Spolin (2003), a resolução de um problema. O que se pretende é tratar o motor da improvisação como um problema que funciona como motivador de processos criativos. A resolução será alcançada a cada momento em que se realiza o procedimento proposto pela regra e a cada articulação efetuada neste fazer. É o mesmo problema de que fala Kastrup (2007, pg. 117), um “problema que não tem o sentido negativo de lacuna ou falta, mas o sentido positivo de exigência de criação”. Trata-se de experimentar a criação ativamente com um comportamento de investigador. O que caracteriza esta abordagem que prioriza a problematização é a não resolução, a                                                                                                                         10  Icosaedro é um poliedro de vinte faces. Esta figura foi utilizada pro Rudolf Laban nos seus estudos de movimento. Para maiores informações ver o livro : LABAN, Rudolf. Dança Educativa Moderna. São Paulo: Ícone, 1990.  
  • 6. 6     não estabilização de um padrão, mas sim a permanência num estado de variação contínua. Após o tempo dado às improvisações, os alunos-criadores deveriam rememorar os movimentos que mais lhes interessaram e iniciar o processo de composição da sequência-partitura de movimentos expressivos. Na realização deste tipo de prática corporal sugere-se que o tipo de cognição requerido seja aquele proposto por Kastrup (2007) quando correlaciona cognição a um processo dotado de uma inventividade intrínseca, um processo de diferenciação em relação a si mesma. A cognição é comumente associada à ideia de resolução de problemas11. Na abordagem proposta por Kastrup a noção de inventividade é intrínseca à cognição. A inventividade é um constante processo de problematização, a própria criação de problemas que aproveita os desvios, as desestabilizações para gerar transformações (Kastrup, 2007). Desta noção de invenção, que estaria inerente aos processos cognitivos, se aproxima a conceituação de criatividade dada por Wissink (2001, pg. 7) como habilidade de perceber, em qualquer evento, diversos aspectos que poderiam ser colocados dentro de padrões diferentes e de gerar questões por meio da criação de um novo padrão através da recombinação entre seus itens. Quando Wissink apresenta a criatividade a partir da teoria dos sistemas dinâmicos, também aproxima esse conceito da inventividade de Kastrup. O processo criativo acontece com e em um sujeito num contexto de mudança. “Mas em um conceito de mudança o sistema está sujeito tanto a distúrbios internos quanto externos que movimentam o sistema para fora de sua corrente estável, dando a oportunidade de entrar em outro estado estável” (WISSINK, 2001; pg. 32). Como um sistema dinâmico, em constante transformação, a cognição, com sua inventividade inerente, sofre ‘perturbações’ que podem produzir novos estados. Essas perturbações são ora internas, ora externas, ou ambas simultaneamente e estar aberto a elas é condição desse tipo de sistema. Vale ressaltar que invenção é aqui tratada a partir de sua etimologia latina invenire – que “significa compor com restos arqueológicos. Inventar é garimpar o que restava escondido, oculto, mas que, ao serem removidas as camadas históricas que o                                                                                                                         11  “A essência da cognição enfoca-s essencialmente na sua propensibilidade para a resolução de problemas, numa palavra, a essência da adaptabilidade criativa da espécie humana” (Fonseca, 2007, pg.17).  
  • 7. 7     encobriam, revela-se como já estando lá” (KASTRUP, 2004, pg. 13). A importância dada ao que não se pode ver num primeiro momento, evidencia o valor dado à memória, que, como um aspecto cognitivo, é re-inventada a cada vez que se recorre a ela. Essa recursividade da invenção pertencente aos domínios cognitivos e ocorre em consonância com as modulações emocionais, ou seja, com o viver do sujeito no mundo, com sua impressão da experiência. Wissink (2001) propõe a mudança, o envolvimento de processos mentais, o conhecimento prévio de campo epistemológico, a apropriação e a validade como características do processo de criação. Ele também atenta para a grande importância que tem a motivação intrínseca, aquela que é interna ao próprio aluno-criador, no desenvolvimento de um alto nível de criatividade. Essa motivação é influenciada pela externa, mas depende muito do sujeito criador que a alimenta a partir da consciência da necessidade de apropriação corpórea dos elementos teóricos estudados mencionados no início deste texto. Isso implica uma atitude interessada, disponível para receber e processar as perturbações ambientais com intuito de aproveitá-las no ato criativo. “O meio comparece perturbando, e não transmitindo informações. Perturbar significa afetar, colocar problema” (KASTRUP, 2007, pg. 133). Na sala de aula A observação participante realizada na sala de aula possibilitou a percepção das seguintes dificuldades na realização da improvisação como técnica para apropriação dos elementos motores e para criação de elementos expressivos para as sequênciaspartituras. A primeira dificuldade encontrada foi a capacidade de manutenção da atenção durante a improvisação prolongada. A atenção requerida durante a improvisação é um tipo de atenção que se alterna entre atenção focada e difusa, promovendo um movimento circular da concentração que permite estar consciente de si, do outro e aberto ao acaso. O desenvolvimento perceptivo possibilitador da escolha de movimentos para posterior organização coreográfica também se mostrou deficiente, assim como a capacidade de construção de uma estrutura móvel, em constante transformação, mas dotada de coerência interna. Discussão  
  • 8. 8     Ao estudar uma possível relação entre as características propostas por Wissink (2001) – mudança, presença de envolvimento de processos mentais, conhecimento prévio do campo e validade -, o conceito de invenção retomado por Kastrup (2007) e os preceitos de improvisação propostos por Johnstone (2000) sugere-se que, ainda que oriundos de diferentes áreas, há estreita afinidade entre eles. Iniciando pela característica de mudança, pode-se inferir que estar em movimento, ou percebendo o movimento externo e interno seja do corpo, dos objetos, dos outros, ou dos próprios pensamentos é uma das condições necessárias à criação na improvisação. O movimento pode ser compreendido como potência de transformação de um estado a outro. A improvisação possui uma condição de transformação que não prescinde do inesperado. Deve haver uma abertura consciente e intencionalizada que é a própria escuta. Conforme Muniz (2004) a escuta em cena é ativa e visa avançar a ação e manter o interesse. A escuta propicia a aceitação de propostas que, de acordo com Johnstone (2000), é fundamental para o prosseguimento da ação. Com a ideia de oferecimento de propostas para o outro, vem a importância do elemento surpresa. A utilização intencional dessas surpresas é chamada de quebra de rotinas por Johnstone (apud MUNIZ, 2004, pg. 274). A quebra de rotina provê movimento, mudança e auxilia na construção dramatúrgica que acontece no “calor da ação” (MUNIZ, 2004, pg. 276). Sugere-se também que os processos mentais que se destacam na prática da improvisação são as chamadas funções executivas. Essas são um conjunto de habilidades que, de forma integrada, permitem ao indivíduo direcionar comportamentos a metas, avaliar a eficiência e adequação desses comportamentos, abandonar estratégias ineficazes em prol de outras mais eficientes e, deste modo, resolver problemas imediatos de médio e longo prazo (FUENTES, D.; MALLOY-DINIZ, 2008). Neste grupo estão planejamento, controle inibitório, tomada de decisões, flexibilidade cognitiva, planejamento, solução de problemas, memória operacional e atenção, controle sobre o afeto, motivação, categorização e fluência. Aborda-se aqui a atenção devido à sua influência em todo e qualquer processo de aprendizagem, pois de acordo com os estudos sobre a atenção, ela é condição para a efetivação da memória. Só se faz memória daquilo que foi objeto de nossa atenção em determinado momento. Na improvisação deve ocorrer um recorte atencional, onde “ o que escutamos o filtramos de acordo com nossas intenções e objetivos”(MUNIZ, 2004, pg. 272).  
  • 9. 9     No entanto, vale lembrar que “o prestar atenção é apenas um dos atos de um processo complexo, que inclui modulações da cognição e da própria intencionalidade da consciência” (KASTRUP, 2004, pg. 14). A intencionalidade está relacionada com a motivação e com os objetivos do sujeito durante o exercício. A intencionalidade encontra seu motor na curiosidade. E o cultivo da curiosidade é feito por meio do treinamento. Com relação à característica dada por Wissink (2001) chamada de conhecimento de campo reitera-se que a improvisação não é espontânea, ainda que seja necessário propiciar a imaginação e a espontaneidade num primeiro momento da prática improvisacional. Os alunos-criadores aprendem diversos procedimentos técnicos os quais lhes permitem entrar e permanecer no jogo da improvisação.12 A validade, a quarta característica proposta por Wissink, pode ser equivalente à aceitação de Johnstone e o pacto com o publico. Ela é referenciada por valores culturais e pode ser percebida na relação entre ator/bailarino-público. Conclusão A aprendizagem que ocorre no exercício da improvisação possui uma lógica circular que, ainda segundo Kastrup (2004), aponta para o inacabamento do processo. A condição de uma atenção que oscila entre focada e difusa, entre concentrada em aspectos internos e externos ao aluno-criador pode auxiliar nessas experiências de problematização, experiências de invenção. Retomar os conceitos relacionados a processos de criação, das ciências da cognição, e da improvisação, a partir do ponto de vista do teatro, auxilia na reflexão sobre a improvisação e a prática inventiva na criação de sequências de movimentos expressivos em dança. Referências Bibliográficas BERTHOZ A. (2000). The Brain’s Sense of Movement. USA: Harvard University Press.                                                                                                                         12  Ver JOHSTONE, Keith. Impro: Improvisación y el Teatro. Chile: Cuatro Vientos editorial, 2000.    
  • 10. 10     FONSECA, V. Cognição, Neuropsicologia e Aprendizagem: abordagem neuropsicológica e psicopedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. FUENTES, Daniel (Org.) ; MALLOY-DINIZ, Leandro Fernandes (Org.) ; Camargos, C.P. (Org.) ; COSENSA, R.M. (Org.) . Neuropsicologia: teoria e Prática. Porto Alegre: Artmed, 2008. GRAVEL, R.; LAVERGNE,JM. Impro II: exercices et analyses.Montreal:Lemeac, 1989. 127p. JHONSTONE, Keith. Impro: improvisación y el teatro. Cuatro Vientos Editorial. Santiago de Chile, 2000. KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo. Uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. KASTRUP, Virginia. A aprendizagem da atenção na cognição inventiva. Psicologia e sociedade, 16(3): 7-16; set/dez.2004. LAYTON, William. ¿Por qué? Trampolín del actor. Fundamentos. Madri: 1990. MEDEIROS, Ione de. Grupo Oficcina Multimédia: 30 anos de integração das artes no teatro. Belo Horizonte:I.T. Medeiros, 2007.   MUNIZ, M. La improvisación como espetáculo: principales experiementos y técnicas de aprendizaje del actor-improvisador”. Tese Doutoral. Universidad de Alcalá. Alcalá de Henares: 2004. 395p. RENGEL, Lenira. Dicionário Laban. São Paulo: Annablume, 2003. RIZZINI, Irma. Pesquisando: guia de metodologias de pesquisa para programas sociais. Irma Rizzini, Monica Rabello de Castro, Carla Silvana Daniel Sartor. Rio de Janeiro:USU Ed. Universitária, 1999. SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. 4 ed. Tradução Ingrid Dormien Koudela. São Paulo: Perspectiva, 2003. WISSINK, Geert.CREATIVITY AND COGNITION: A study of creativity within the framework of cognitive science, artificial intelligence and the dynamical system theory. Amsterdam, July 10th, 2001. Department of Psychology, University of Amsterdam. Supervisor: Saskia Jaarsveld, 2001.