SlideShare uma empresa Scribd logo
Resumo: “AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL”<br />Desde sempre que a nossa sociedade tem sofrido constantes evoluções e mutações, podemos verificar esta evolução em diversos campos da sociedade. Desde a concepção do mundo, a imprensa após Gutenberg e a evolução das tecnologias da informação e da comunicação. <br /> Neste caso iremos falar mais especificamente das TIC nas escolas e na evolução da TIC nas escolas.<br />A Escola pública surge no auge da Revolução Industrial, pois nesta altura sentiu-se a necessidade de dar resposta às alterações que decorriam nessa época.<br />A Revolução Industrial trouxe a concentração de operários nos subúrbios das cidades, trabalho precário, ordenados baixíssimos que apenas permitiam a sobrevivência das pessoas que trabalhavam, nesta época surge a consciência desta situação e aliada essa consciência com a actividade sindical fez com que os dirigentes tivessem noção da necessidade de novas medidas para tentar acalmar esta situação.<br />Nesta altura dá-se a generalização da escolaridade, trazendo várias vantagens, nomeadamente a formação de “novos Homens”.<br />Aliada a esta generalização da escolaridade, surge o problema do tipo de escola que fosse capaz de responder àquilo que a Sociedade vivia no momento, ou seja, à Sociedade Industrial, surge um ensino em massa, onde imperavam a arregimentação, a falta de individualismo, as normas rígidas de classes e de lugares e o papel autoritário do professor. O modelo de educação era regido pensando no futuro das crianças, ou seja, as fábricas.<br />A escola encontrava-se orientada a cultura industrial, pois desde as campainhas, a sincronização, a concentração num edifício fechado, as classes e a separação por idades, as classes sociais (professores - alunos). A esses podemos acrescentar a divisão analítica do currículo que desemboca num sistema de um professor para cada disciplina, a autoridade do professor representante do futuro empregador ou do Estado. <br />Este modelo de escola mantém-se até meados do século XX, altura em que se dá a Guerra Fria, daqui saem dois grandes grupos político-militares, surgem grandes alterações, tecnologias de novo tipo, baseadas na informação e na cibernética, que vão ditar grandes mudanças nas décadas seguintes.<br />Na década de 50 ocorreram vários desenvolvimentos tecnológicos e também se dá nesta altura, uma paranóica corrida aos armamentos, que passava pela luta pela supremacia na corrida espacial. Em 1957, a União Soviética lança o primeiro Sputnik, vencendo então esta disputa, este facto fez com que os políticos norte-americanos responsabilizassem os currículos escolares em matemática e ciências por esta ultrapassagem.<br />Começa então aqui a surgir a preocupação do controlo de qualidade dos sistemas escolares. Surgem então várias teorias, dando origem a obras de referência que propõem ferramentas “científicas” de avaliação com o formato de taxonomias dos objectivos pedagógicos.<br />Nos anos seguintes as opiniões sobre o que poderia melhorar o ensino divergem, acreditava-se que o ensino melhoraria se melhorassem também a formação dos docentes e do sistema de controlo e avaliação escolar, podemos ainda hoje verificar este espírito na prática diária de muitos professores.<br />Apesar do Sputnik ter abalado a confiança dos americanos no sistema educativo este facto não foi suficiente para provocar as grandes alterações.<br />Quanto à introdução das TIC nas escolas, esta já se foi verificando desde 1927 com S. Pressey e a máquina para corrigir testes de escolha múltipla, em 1950 com B. F. Skinner e a máquina de ensinar, sempre baseados no conceito de que a aprendizagem poderia ser dividida em partes, sendo a mesma a soma dessas partes.<br />No inicio dos anos sessenta foram criados vários programas de instrução programada e começou a popularizar-se a expressão “ensino assistido por computador”, como consequência do advento do computador.<br />Surge nesta altura também, o nome de Seymour Papert, que está ligado à criação da linguagem Logo, por ter liderado o grupo que a desenvolveu, no Massachussets Institute of Technology, na segunda metade dos anos sessenta. O Logo é importante pois é considerado um projecto pedagógico de utilização de computadores na educação. Papert, distinguia Logo de EAC, pois enquanto o EAC era um substituto do docente, o Logo era algo que potenciava ao docente a sua capacidade de ensinar.<br />Papert propõe com o Logo uma passagem do modelo instrucionista para o modelo construcionista, modelo este que fosse capaz de responder a uma sociedade em constantes mutações.<br />Ainda nos anos sessenta T. S. Kuhn (1962), diz-nos que uma crise implica a reflexão e mudança de paradigma. Nesta fase dá-se a consciência desta crise e da necessidade de não só de reflexão como de acção. <br />Em 1975 surge M. Apple (1975), com uma teoria crítica, problematizando a escola e tudo o que ela representa, a partir dos contextos político, cultural e económico. Com esta situação começa a ter-se consciência que a escola já não serve para o que servia antigamente, isto é, já não serve para “preparar para a vida”. Associada a esta consciência surgem também questões para o que escola servirá.<br />Pedagogos como Papert e visionários como Toffler dizem-nos que é necessário alterar a forma como encaramos a escola, ou seja, a mesma deveria ser visto como um local onde se aprende a aprender, não onde se recebem instruções, um local onde se disponibilizam ferramentas para os alunos pesquisarem e chegarem às suas próprias conclusões e não um local onde é simplesmente debitada informação.<br />Surge a necessidade de um novo paradigma, este foi imaginado, inventado para responder a necessidades muito concretas, segundo uma perspectiva económica de se conseguir o máximo (de instrução) com o mínimo (de investimento), por pessoas que, na opinião de Toffler lograram uma solução genial.<br />Nesta fase, ocorre uma mudança na forma como são encarados os papéis de aluno e professor, onde aos alunos, por parte dos professores, deverão ser fornecidas ferramentas para que estes possam construir conhecimento.<br />Papert defende que a construção de conhecimentos assenta nos seguintes pressupostos: uma aprendizagem situada, negociação social do conhecimento e a colaboração. Estes pressupostos estão também patentes na teoria de Vigotsky, pois este considerava a existência, na mente de cada aprendiz, de uma Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP), que representa a diferença entre o que o aprendiz pode fazer individualmente e aquilo que é capaz de atingir com a ajuda de uma pessoa mais capaz, como o professor, ou em colaboração com outro (s) aprendiz (es) mais aptos na matéria.<br />Academia Nacional de Ciências e a Academia Nacional de Engenheiros (dos E. U. A.), vinte anos depois, lançou um dos seus estudos, onde se debateram questões relacionadas com o papel das tecnologias nas escolas, onde participaram professores, líderes do mundo dos negócios, fabricantes de hardware e de software para a educação, negócios e entretenimento, e funcionários públicos, num total de mais de setecentos intervenientes.<br />Desta conferência surgiu um livro, neste é abordada a questão da desadequação da escola à nova realidade pós-industrial.<br />
AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL
AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL
AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

N107a08
N107a08N107a08
Tempos e contratempos do ensino supletivo
Tempos e contratempos do ensino supletivoTempos e contratempos do ensino supletivo
Tempos e contratempos do ensino supletivo
slucarz
 
O manifesto dos_pioneiros
O manifesto dos_pioneirosO manifesto dos_pioneiros
O manifesto dos_pioneiros
lidiane98
 
Manifesto dos pioneiros
Manifesto dos pioneirosManifesto dos pioneiros
Manifesto dos pioneiros
Priscila Aristimunha
 
Aula 1 - Fundamentos da Educação
Aula 1 - Fundamentos da EducaçãoAula 1 - Fundamentos da Educação
Aula 1 - Fundamentos da Educação
Tiago Gomes
 
A reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freire
A  reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freireA  reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freire
A reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freire
Priscila Aristimunha
 
Fundamentos da educação
Fundamentos da educaçãoFundamentos da educação
Fundamentos da educação
Carolina Sgrillo Ed Fisíca Licenciatura
 
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
PROIDDBahiana
 
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Editora Moderna
 
Formação continuada pais e professores
Formação continuada pais e professoresFormação continuada pais e professores
Formação continuada pais e professores
Wilma Barbosa
 
Jean piaget psicologia e pedagogia
Jean piaget    psicologia e pedagogiaJean piaget    psicologia e pedagogia
Jean piaget psicologia e pedagogia
Veronica Mesquita
 
Educação transformadora
Educação transformadoraEducação transformadora
Educação transformadora
Werkson Azeredo
 

Mais procurados (12)

N107a08
N107a08N107a08
N107a08
 
Tempos e contratempos do ensino supletivo
Tempos e contratempos do ensino supletivoTempos e contratempos do ensino supletivo
Tempos e contratempos do ensino supletivo
 
O manifesto dos_pioneiros
O manifesto dos_pioneirosO manifesto dos_pioneiros
O manifesto dos_pioneiros
 
Manifesto dos pioneiros
Manifesto dos pioneirosManifesto dos pioneiros
Manifesto dos pioneiros
 
Aula 1 - Fundamentos da Educação
Aula 1 - Fundamentos da EducaçãoAula 1 - Fundamentos da Educação
Aula 1 - Fundamentos da Educação
 
A reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freire
A  reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freireA  reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freire
A reforma do ensino medio manual prático para trair paulo freire
 
Fundamentos da educação
Fundamentos da educaçãoFundamentos da educação
Fundamentos da educação
 
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
 
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
 
Formação continuada pais e professores
Formação continuada pais e professoresFormação continuada pais e professores
Formação continuada pais e professores
 
Jean piaget psicologia e pedagogia
Jean piaget    psicologia e pedagogiaJean piaget    psicologia e pedagogia
Jean piaget psicologia e pedagogia
 
Educação transformadora
Educação transformadoraEducação transformadora
Educação transformadora
 

Semelhante a AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL

Inovar é preciso concepções de inovações em educação
Inovar é preciso  concepções de inovações em educaçãoInovar é preciso  concepções de inovações em educação
Inovar é preciso concepções de inovações em educação
ivesmaria
 
Citelli, a. o.inflexoes educomu desconhecido
Citelli, a. o.inflexoes educomu   desconhecidoCitelli, a. o.inflexoes educomu   desconhecido
Citelli, a. o.inflexoes educomu desconhecido
ETEC Piedade
 
Marcos davi and gabriel araujo
Marcos davi and gabriel araujoMarcos davi and gabriel araujo
Marcos davi and gabriel araujo
testeeee0111
 
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
PROIDDBahiana
 
Nóvoa educação 2021 para uma história do futuro
Nóvoa educação 2021 para uma história do futuroNóvoa educação 2021 para uma história do futuro
Nóvoa educação 2021 para uma história do futuro
José Matias Alves
 
A Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olhares
A Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olharesA Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olhares
A Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olhares
catherineee
 
Como surgiu a didática
Como surgiu a didáticaComo surgiu a didática
Como surgiu a didática
Karina Mareci
 
Aula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdf
Aula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdfAula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdf
Aula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdf
jonathanmartins084
 
A Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova Escola
A Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova EscolaA Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova Escola
A Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova Escola
Katia Monteiro
 
05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web
05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web
05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web
crisstsantos
 
Reflexoes ed integral
Reflexoes ed integralReflexoes ed integral
Reflexoes ed integral
Bruno Grisolia
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Silvana Mara
 
Literacia Dos Media E Biblioteca Escolar Lusocom
Literacia Dos Media  E Biblioteca Escolar  LusocomLiteracia Dos Media  E Biblioteca Escolar  Lusocom
Literacia Dos Media E Biblioteca Escolar Lusocom
Cassia Furtado
 
Educação na cibercultura
Educação na ciberculturaEducação na cibercultura
Educação na cibercultura
Telma da Silva Barbosa
 
Excertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. Brunner
Excertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. BrunnerExcertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. Brunner
Excertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. Brunner
LOCIMAR MASSALAI
 
O ensino na sociedade do conhecimento
O ensino na sociedade do conhecimentoO ensino na sociedade do conhecimento
O ensino na sociedade do conhecimento
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Educacao como processo_de_desenvolvimento
Educacao como processo_de_desenvolvimentoEducacao como processo_de_desenvolvimento
Educacao como processo_de_desenvolvimento
http://blogdomarcosmoraes.blogspot.com.br/
 
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdfAdeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Denise De Ramos
 
Apresentação mestrado olga métodos de evolução curricular
Apresentação mestrado olga métodos de evolução curricularApresentação mestrado olga métodos de evolução curricular
Apresentação mestrado olga métodos de evolução curricular
AllanHollandyHolland
 
2º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/2014
2º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/20142º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/2014
2º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/2014
Mônica Cristina Souza
 

Semelhante a AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL (20)

Inovar é preciso concepções de inovações em educação
Inovar é preciso  concepções de inovações em educaçãoInovar é preciso  concepções de inovações em educação
Inovar é preciso concepções de inovações em educação
 
Citelli, a. o.inflexoes educomu desconhecido
Citelli, a. o.inflexoes educomu   desconhecidoCitelli, a. o.inflexoes educomu   desconhecido
Citelli, a. o.inflexoes educomu desconhecido
 
Marcos davi and gabriel araujo
Marcos davi and gabriel araujoMarcos davi and gabriel araujo
Marcos davi and gabriel araujo
 
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavalletDocencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
Docencia no-ensino-superior-pimenta-anastasiou-cavallet
 
Nóvoa educação 2021 para uma história do futuro
Nóvoa educação 2021 para uma história do futuroNóvoa educação 2021 para uma história do futuro
Nóvoa educação 2021 para uma história do futuro
 
A Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olhares
A Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olharesA Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olhares
A Escola e a Abordagem Comparada. Novas realidades e novos olhares
 
Como surgiu a didática
Como surgiu a didáticaComo surgiu a didática
Como surgiu a didática
 
Aula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdf
Aula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdfAula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdf
Aula 2 4a FEUSP A instituição escolar.pdf
 
A Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova Escola
A Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova EscolaA Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova Escola
A Sociedade do Trabalho e os Movimentos por uma Nova Escola
 
05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web
05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web
05 educacao sociedade_e_trabalho_-_atualiz_2007_-_web
 
Reflexoes ed integral
Reflexoes ed integralReflexoes ed integral
Reflexoes ed integral
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Literacia Dos Media E Biblioteca Escolar Lusocom
Literacia Dos Media  E Biblioteca Escolar  LusocomLiteracia Dos Media  E Biblioteca Escolar  Lusocom
Literacia Dos Media E Biblioteca Escolar Lusocom
 
Educação na cibercultura
Educação na ciberculturaEducação na cibercultura
Educação na cibercultura
 
Excertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. Brunner
Excertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. BrunnerExcertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. Brunner
Excertos do livro “O Processo da Educação” de Jerome S. Brunner
 
O ensino na sociedade do conhecimento
O ensino na sociedade do conhecimentoO ensino na sociedade do conhecimento
O ensino na sociedade do conhecimento
 
Educacao como processo_de_desenvolvimento
Educacao como processo_de_desenvolvimentoEducacao como processo_de_desenvolvimento
Educacao como processo_de_desenvolvimento
 
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdfAdeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
 
Apresentação mestrado olga métodos de evolução curricular
Apresentação mestrado olga métodos de evolução curricularApresentação mestrado olga métodos de evolução curricular
Apresentação mestrado olga métodos de evolução curricular
 
2º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/2014
2º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/20142º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/2014
2º Encontro do Curso do Proinfo Integrado TICs. 22/04/2014
 

Mais de Virginia Moura

Trabalho conselho ministros
Trabalho conselho ministrosTrabalho conselho ministros
Trabalho conselho ministros
Virginia Moura
 
Jogo Matemática
Jogo MatemáticaJogo Matemática
Jogo Matemática
Virginia Moura
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Virginia Moura
 
Nativos e imigrantes digitais
Nativos e imigrantes digitaisNativos e imigrantes digitais
Nativos e imigrantes digitais
Virginia Moura
 
Inteligências Múltiplas
Inteligências MúltiplasInteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
Virginia Moura
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
Virginia Moura
 

Mais de Virginia Moura (6)

Trabalho conselho ministros
Trabalho conselho ministrosTrabalho conselho ministros
Trabalho conselho ministros
 
Jogo Matemática
Jogo MatemáticaJogo Matemática
Jogo Matemática
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Nativos e imigrantes digitais
Nativos e imigrantes digitaisNativos e imigrantes digitais
Nativos e imigrantes digitais
 
Inteligências Múltiplas
Inteligências MúltiplasInteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
 

AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL

  • 1. Resumo: “AS TIC ABRINDO CAMINHO A UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL”<br />Desde sempre que a nossa sociedade tem sofrido constantes evoluções e mutações, podemos verificar esta evolução em diversos campos da sociedade. Desde a concepção do mundo, a imprensa após Gutenberg e a evolução das tecnologias da informação e da comunicação. <br /> Neste caso iremos falar mais especificamente das TIC nas escolas e na evolução da TIC nas escolas.<br />A Escola pública surge no auge da Revolução Industrial, pois nesta altura sentiu-se a necessidade de dar resposta às alterações que decorriam nessa época.<br />A Revolução Industrial trouxe a concentração de operários nos subúrbios das cidades, trabalho precário, ordenados baixíssimos que apenas permitiam a sobrevivência das pessoas que trabalhavam, nesta época surge a consciência desta situação e aliada essa consciência com a actividade sindical fez com que os dirigentes tivessem noção da necessidade de novas medidas para tentar acalmar esta situação.<br />Nesta altura dá-se a generalização da escolaridade, trazendo várias vantagens, nomeadamente a formação de “novos Homens”.<br />Aliada a esta generalização da escolaridade, surge o problema do tipo de escola que fosse capaz de responder àquilo que a Sociedade vivia no momento, ou seja, à Sociedade Industrial, surge um ensino em massa, onde imperavam a arregimentação, a falta de individualismo, as normas rígidas de classes e de lugares e o papel autoritário do professor. O modelo de educação era regido pensando no futuro das crianças, ou seja, as fábricas.<br />A escola encontrava-se orientada a cultura industrial, pois desde as campainhas, a sincronização, a concentração num edifício fechado, as classes e a separação por idades, as classes sociais (professores - alunos). A esses podemos acrescentar a divisão analítica do currículo que desemboca num sistema de um professor para cada disciplina, a autoridade do professor representante do futuro empregador ou do Estado. <br />Este modelo de escola mantém-se até meados do século XX, altura em que se dá a Guerra Fria, daqui saem dois grandes grupos político-militares, surgem grandes alterações, tecnologias de novo tipo, baseadas na informação e na cibernética, que vão ditar grandes mudanças nas décadas seguintes.<br />Na década de 50 ocorreram vários desenvolvimentos tecnológicos e também se dá nesta altura, uma paranóica corrida aos armamentos, que passava pela luta pela supremacia na corrida espacial. Em 1957, a União Soviética lança o primeiro Sputnik, vencendo então esta disputa, este facto fez com que os políticos norte-americanos responsabilizassem os currículos escolares em matemática e ciências por esta ultrapassagem.<br />Começa então aqui a surgir a preocupação do controlo de qualidade dos sistemas escolares. Surgem então várias teorias, dando origem a obras de referência que propõem ferramentas “científicas” de avaliação com o formato de taxonomias dos objectivos pedagógicos.<br />Nos anos seguintes as opiniões sobre o que poderia melhorar o ensino divergem, acreditava-se que o ensino melhoraria se melhorassem também a formação dos docentes e do sistema de controlo e avaliação escolar, podemos ainda hoje verificar este espírito na prática diária de muitos professores.<br />Apesar do Sputnik ter abalado a confiança dos americanos no sistema educativo este facto não foi suficiente para provocar as grandes alterações.<br />Quanto à introdução das TIC nas escolas, esta já se foi verificando desde 1927 com S. Pressey e a máquina para corrigir testes de escolha múltipla, em 1950 com B. F. Skinner e a máquina de ensinar, sempre baseados no conceito de que a aprendizagem poderia ser dividida em partes, sendo a mesma a soma dessas partes.<br />No inicio dos anos sessenta foram criados vários programas de instrução programada e começou a popularizar-se a expressão “ensino assistido por computador”, como consequência do advento do computador.<br />Surge nesta altura também, o nome de Seymour Papert, que está ligado à criação da linguagem Logo, por ter liderado o grupo que a desenvolveu, no Massachussets Institute of Technology, na segunda metade dos anos sessenta. O Logo é importante pois é considerado um projecto pedagógico de utilização de computadores na educação. Papert, distinguia Logo de EAC, pois enquanto o EAC era um substituto do docente, o Logo era algo que potenciava ao docente a sua capacidade de ensinar.<br />Papert propõe com o Logo uma passagem do modelo instrucionista para o modelo construcionista, modelo este que fosse capaz de responder a uma sociedade em constantes mutações.<br />Ainda nos anos sessenta T. S. Kuhn (1962), diz-nos que uma crise implica a reflexão e mudança de paradigma. Nesta fase dá-se a consciência desta crise e da necessidade de não só de reflexão como de acção. <br />Em 1975 surge M. Apple (1975), com uma teoria crítica, problematizando a escola e tudo o que ela representa, a partir dos contextos político, cultural e económico. Com esta situação começa a ter-se consciência que a escola já não serve para o que servia antigamente, isto é, já não serve para “preparar para a vida”. Associada a esta consciência surgem também questões para o que escola servirá.<br />Pedagogos como Papert e visionários como Toffler dizem-nos que é necessário alterar a forma como encaramos a escola, ou seja, a mesma deveria ser visto como um local onde se aprende a aprender, não onde se recebem instruções, um local onde se disponibilizam ferramentas para os alunos pesquisarem e chegarem às suas próprias conclusões e não um local onde é simplesmente debitada informação.<br />Surge a necessidade de um novo paradigma, este foi imaginado, inventado para responder a necessidades muito concretas, segundo uma perspectiva económica de se conseguir o máximo (de instrução) com o mínimo (de investimento), por pessoas que, na opinião de Toffler lograram uma solução genial.<br />Nesta fase, ocorre uma mudança na forma como são encarados os papéis de aluno e professor, onde aos alunos, por parte dos professores, deverão ser fornecidas ferramentas para que estes possam construir conhecimento.<br />Papert defende que a construção de conhecimentos assenta nos seguintes pressupostos: uma aprendizagem situada, negociação social do conhecimento e a colaboração. Estes pressupostos estão também patentes na teoria de Vigotsky, pois este considerava a existência, na mente de cada aprendiz, de uma Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP), que representa a diferença entre o que o aprendiz pode fazer individualmente e aquilo que é capaz de atingir com a ajuda de uma pessoa mais capaz, como o professor, ou em colaboração com outro (s) aprendiz (es) mais aptos na matéria.<br />Academia Nacional de Ciências e a Academia Nacional de Engenheiros (dos E. U. A.), vinte anos depois, lançou um dos seus estudos, onde se debateram questões relacionadas com o papel das tecnologias nas escolas, onde participaram professores, líderes do mundo dos negócios, fabricantes de hardware e de software para a educação, negócios e entretenimento, e funcionários públicos, num total de mais de setecentos intervenientes.<br />Desta conferência surgiu um livro, neste é abordada a questão da desadequação da escola à nova realidade pós-industrial.<br />