SlideShare uma empresa Scribd logo
As Revoluções Inglesas do Século
XVII
A Revolução Puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• Durante os reinados da dinastia Tudor, a
Inglaterra viveu um grande desenvolvimento
de sua economia. Sob o comando do rei
Henrique VIII e depois, da rainha Elizabeth I, a
burguesia britânica viveu anos de grande
crescimento econômico.
A Dinastia Tudor:
Henrique VIII:
Elizabeth I:
• No entanto, os pequenos comerciantes
acabaram sendo prejudicados. As vantagens
da política econômica da Inglaterra só
beneficiavam uma pequena parte da
burguesia que tinha um bom relacionamento
com as autoridades da época.
• No campo, a velha economia agrícola voltada
para o abastecimento sofria grandes
transformações. As terras passaram por um
grande processo de especulação econômica
por causa da necessidade da burguesia por
matérias-primas. Foi nesse período que
começou a política dos cercamentos; que era
uma maneira de aumentar a produção de
matéria-prima(algodão, lã, etc).
• Os cercamentos eram a apropriação das terras
coletivas e devolutas (terra devoluta é terra
que pertence ao governo). Com isso, vários
camponeses e pequenos proprietários de
terra sofreram uma terrível perda que os
deixou cada vez mais pobres e acabaram
tendo que ir para a cidade em busca de
trabalho.
Cercamentos:
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
Família expulsa de sua casa:
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
Plantação de algodão:
Os cercamentos ou Enclosures:
• Além disso havia ainda muitos problemas
entre católicos e protestantes que dividiam a
sociedade britânica em mais uma delicada
questão histórica. As tensões sociais e a
situação da monarquia britânica pioraram
quando, em 1603, a dinastia Stuart assumiu o
trono inglês.
Elizabeth I:
• A Rainha Elizabeth I nunca se casou nem teve
filhos; portanto, quando morreu em 1603, seu
primo Jaime Stuart, rei da Escócia assumiu o
trono da Inglaterra. Influenciados por uma
forte tradição católica os reis da família Stuart
acabaram alimentando disputas de caráter
econômico e religioso.
Dinastia Stuart:
Jaime I:
Jaime I:
• Dessa forma, começaram as disputas entre o
Parlamento, de visão liberal e composta por
burgueses protestantes; e o reis da Dinastia
Stuart, que eram católicos e queriam ter
autoridade absoluta.
Parlamento Inglês:
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• A chegada dos Stuart ao trono significou uma
grande transformação no cenário político da
Inglaterra. Abandonando as medidas liberais
dos Tudor, o rei Jaime I era a favor do poder
absoluto. Além disso, preferia o catolicismo,
porque acreditava que os católicos eram
favoráveis ao inquestionável poder do rei.
• Para organizar o absolutismo na Inglaterra,
Jaime I defendia que a dominação britânica
sob a Irlanda deveria ser feita exatamente
como era no tempo do feudalismo. Além
disso, criou monopólio sobre a produção de
tecidos, ou seja, só pessoas autorizadas por
ele podiam fabricar tecidos.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• Além de enriquecer ainda mais, teve uma
forte influência política e era independente da
aprovação do Parlamento inglês. No campo
religioso privilegiou os súditos católicos.
• Em 1625, Jaime I morreu e seu filho Carlos I
assumiu o trono. Durante seu reinado, Carlos I
foi obrigado a convocar o Parlamento para a
aprovação de gastos com conflitos e guerras.
Carlos I:
Carlos I e sua família:
• O Parlamento não era favorável a Carlos I e
ele foi pressionado a assinar a Petição de
Direitos. Nesse documento, o rei se
comprometia a prestar contas ao Parlamento
e colocar as questões financeiras e militares
sob o domínio do parlamento. Indiferente a
tais exigências, o rei preferiu dissolver o
Parlamento britânico.
Parlamento:
Sede do Parlamento Inglês:
• Anos mais tarde, Carlos I resolveu
restabelecer um antigo tributo: o Ship Money.
Esse imposto, que antes era cobrado em
algumas zonas portuárias, deveria ser cobrado
em todo o território inglês.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• Tal lei desfavorecia a burguesia, que seria
obrigada a limitar seus lucros para pagar este
imposto. Forçado por uma guerra a convocar
o Parlamento em 1640, o rei mais uma vez
levou à tona o conflito existente entre a sua
autoridade e o interesse parlamentar.
• Nesse momento, o Parlamento radicalizou sua
postura exigindo total controle sobre as
questões religiosas e tributárias. Além disso,
reivindicou a constante convocação das
autoridades parlamentares.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• Em resposta, Carlos I ameaçou mais uma vez
acabar com o Parlamento. Inconformados
com a decisão do rei, os líderes do Parlamento
convocaram a formação de um exército que
garantisse a existência do parlamento
britânico. Era o início da Revolução Puritana.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
Carlos I:
• Protegendo-se da reação popular, Carlos I
dirigiu-se à cidade de Oxford para organizar
um exército capaz de combater as tropas do
parlamento. Dessa forma, estabeleceu-se uma
guerra civil onde as tropas reais enfrentavam
as frentes populares armadas pelo
parlamento.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• Esses populares, de maioria puritana
(calvinistas), formaram um grande exército
que via na luta um meio de superar suas
dificuldades econômicas. Nomeados como
integrantes do Exército de Novo Tipo, esses
populares começaram a participar do
processo revolucionário inglês.
Oliver Cronwell:
• Liderados por Oliver Cromwell, os
combatentes revolucionários dividiram-se em
duas facções políticas: os diggers e os
levellers. Os primeiros defendiam uma
reforma agrária espontânea que garantisse o
acesso dos camponeses à terra.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
Niveladores:
• Já o levellers buscavam a total igualdade
jurídica entre os cidadãos e a liberdade de
culto religioso. Dessa maneira, as camadas
populares inglesas se fizeram presentes no
debate político da época.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• As vitórias dos exércitos de Cromwell foram
um importante passo para as conquistas dos
ideais democráticos defendidos pelos diggers
e levellers.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• No momento em que os mais moderados
arquitetavam a desmobilização do exército de
Novo Tipo, as tropas foram convocadas a
lutarem mais uma vez contra as tropas da
realeza. Nesse confronto, o rei Carlos I foi
capturado e decapitado, em janeiro de 1649.
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
• Exercendo grande dominação política, os
exércitos decretaram o fim da monarquia
inglesa e a proclamação de um governo
republicano. Nesse novo governo, os
moderados foram excluídos do parlamento e
Oliver Cromwell foi aclamado como
presidente do novo Conselho de Estado ou
Commonwealth.
• Acumulando poderes políticos em mãos,
Cromwell não atendeu às exigências do
exército que o colocou no poder. Dessa
maneira, criou uma ditadura que excluiu os
populares das instituições políticas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

[c7s]2011 revolução inglesa
[c7s]2011  revolução inglesa[c7s]2011  revolução inglesa
[c7s]2011 revolução inglesa
7 de Setembro
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
martinha10
 
[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa
7 de Setembro
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Professor de História
 
Revolução inglesa (Revolução Puritana)
Revolução inglesa (Revolução Puritana)Revolução inglesa (Revolução Puritana)
Revolução inglesa (Revolução Puritana)
AleckVictor
 
A REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVII
A REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVIIA REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVII
A REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVII
Isabella Silva
 
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Daniel Alves Bronstrup
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
Nelia Salles Nantes
 
Revolução inglesa 8 ano
Revolução inglesa   8 anoRevolução inglesa   8 ano
Revolução inglesa 8 ano
Alcidon Cunha
 
Revolução Puritana
Revolução PuritanaRevolução Puritana
Revolução Puritana
Leonardo Caputo
 
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair AguilarRevolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
Fatima Freitas
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
Revolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrialRevolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrial
Simone Borges
 
As 13 colônias e a crise do absolutismo
As 13 colônias e a crise do absolutismoAs 13 colônias e a crise do absolutismo
As 13 colônias e a crise do absolutismo
Nilton Silva Jardim Junior
 
História - Antigo Regime e Revolução Inglesa
História - Antigo Regime e Revolução InglesaHistória - Antigo Regime e Revolução Inglesa
História - Antigo Regime e Revolução Inglesa
Victoria Souza
 

Mais procurados (17)

[c7s]2011 revolução inglesa
[c7s]2011  revolução inglesa[c7s]2011  revolução inglesa
[c7s]2011 revolução inglesa
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Revolução inglesa (Revolução Puritana)
Revolução inglesa (Revolução Puritana)Revolução inglesa (Revolução Puritana)
Revolução inglesa (Revolução Puritana)
 
A REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVII
A REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVIIA REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVII
A REVOLUÇÃO INGLESA DO SÉCULO XVII
 
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
Revolução inglesa 8 ano
Revolução inglesa   8 anoRevolução inglesa   8 ano
Revolução inglesa 8 ano
 
Revolução Puritana
Revolução PuritanaRevolução Puritana
Revolução Puritana
 
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair AguilarRevolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Inglesa - Prof. Altair Aguilar
 
Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Revolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrialRevolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrial
 
As 13 colônias e a crise do absolutismo
As 13 colônias e a crise do absolutismoAs 13 colônias e a crise do absolutismo
As 13 colônias e a crise do absolutismo
 
História - Antigo Regime e Revolução Inglesa
História - Antigo Regime e Revolução InglesaHistória - Antigo Regime e Revolução Inglesa
História - Antigo Regime e Revolução Inglesa
 

Destaque

Resumo Tp5 Unid 17 18
Resumo   Tp5   Unid 17 18Resumo   Tp5   Unid 17 18
Resumo Tp5 Unid 17 18
Ramilson Saldanha
 
A história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibéricaA história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibérica
Sofia Veras
 
Universidad tecnica
Universidad tecnicaUniversidad tecnica
Universidad tecnica
stefyb1996
 
A chegada dos europeus na áfrica
A chegada dos europeus  na áfricaA chegada dos europeus  na áfrica
A chegada dos europeus na áfrica
Nelia Salles Nantes
 
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de UberlãndiaInfluências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Larissa Silva
 
A chegada dos europeus na áfrica
A chegada dos europeus  na áfricaA chegada dos europeus  na áfrica
A chegada dos europeus na áfrica
Nelia Salles Nantes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Pérysson Nogueira
 
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Seduc MT
 
2 aula 6 revoluções inglesas do séc. 17
2   aula 6 revoluções inglesas do séc. 172   aula 6 revoluções inglesas do séc. 17
2 aula 6 revoluções inglesas do séc. 17
profdu
 

Destaque (9)

Resumo Tp5 Unid 17 18
Resumo   Tp5   Unid 17 18Resumo   Tp5   Unid 17 18
Resumo Tp5 Unid 17 18
 
A história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibéricaA história do islamismo na península ibérica
A história do islamismo na península ibérica
 
Universidad tecnica
Universidad tecnicaUniversidad tecnica
Universidad tecnica
 
A chegada dos europeus na áfrica
A chegada dos europeus  na áfricaA chegada dos europeus  na áfrica
A chegada dos europeus na áfrica
 
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de UberlãndiaInfluências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
 
A chegada dos europeus na áfrica
A chegada dos europeus  na áfricaA chegada dos europeus  na áfrica
A chegada dos europeus na áfrica
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
Projeto "Escola educada, escola bem cuidada" . Conservação e preservação do p...
 
2 aula 6 revoluções inglesas do séc. 17
2   aula 6 revoluções inglesas do séc. 172   aula 6 revoluções inglesas do séc. 17
2 aula 6 revoluções inglesas do séc. 17
 

Semelhante a As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana

As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritanaAs revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
Nelia Salles Nantes
 
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritanaAs revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
Nelia Salles Nantes
 
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritanaAs revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
historiando
 
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e  gloriosaRevoluções na inglaterra. puritana e  gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
Ricardo Diniz campos
 
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na EuropaREVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
Ricardo Diniz campos
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Pedro Kangombe
 
A revolucao inglesa
A revolucao inglesaA revolucao inglesa
A revolucao inglesa
Lucas pk'
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
Nelia Salles Nantes
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
Nelia Salles Nantes
 
Revoluçao inglesa
Revoluçao inglesaRevoluçao inglesa
Revoluçao inglesa
Vinicius Pereira
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Anchieta Souza
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
Nelia Salles Nantes
 
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa11 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
flaviaLION
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
historiando
 
Revolução inglesa iii
Revolução inglesa iiiRevolução inglesa iii
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
13_ines_silva
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
13_ines_silva
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Rafael Camargo
 

Semelhante a As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana (20)

As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritanaAs revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
 
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritanaAs revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
 
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii   rev. puritanaAs revoluções inglesas do século xvii   rev. puritana
As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana
 
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e  gloriosaRevoluções na inglaterra. puritana e  gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
 
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na EuropaREVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
A revolucao inglesa
A revolucao inglesaA revolucao inglesa
A revolucao inglesa
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
Revoluçao inglesa
Revoluçao inglesaRevoluçao inglesa
Revoluçao inglesa
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa11 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
Revolução inglesa iii
Revolução inglesa iiiRevolução inglesa iii
Revolução inglesa iii
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 

Mais de Nelia Salles Nantes

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017
Nelia Salles Nantes
 
O período regencial 2017
O período regencial   2017O período regencial   2017
O período regencial 2017
Nelia Salles Nantes
 
Brasil 1945 1964 -
Brasil 1945   1964 -Brasil 1945   1964 -
Brasil 1945 1964 -
Nelia Salles Nantes
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
Nelia Salles Nantes
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
Nelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
Nelia Salles Nantes
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017
Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
2ª guerra 1942 a 1945   imagens2ª guerra 1942 a 1945   imagens
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
Nelia Salles Nantes
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanha
Nelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
Nelia Salles Nantes
 
A 2ª guerra mundial 2017
A 2ª guerra mundial   2017A 2ª guerra mundial   2017
A 2ª guerra mundial 2017
Nelia Salles Nantes
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
Nelia Salles Nantes
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
Nelia Salles Nantes
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
Nelia Salles Nantes
 
Os regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaOs regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europa
Nelia Salles Nantes
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017
Nelia Salles Nantes
 
O despotismo esclarecido 2017
O despotismo esclarecido   2017O despotismo esclarecido   2017
O despotismo esclarecido 2017
Nelia Salles Nantes
 
O iluminismo 2017
O iluminismo   2017O iluminismo   2017
O iluminismo 2017
Nelia Salles Nantes
 
A república velha 2017
A república velha   2017A república velha   2017
A república velha 2017
Nelia Salles Nantes
 

Mais de Nelia Salles Nantes (20)

A ditadura militar no brasil 2017
A ditadura militar no brasil   2017A ditadura militar no brasil   2017
A ditadura militar no brasil 2017
 
O período regencial 2017
O período regencial   2017O período regencial   2017
O período regencial 2017
 
Brasil 1945 1964 -
Brasil 1945   1964 -Brasil 1945   1964 -
Brasil 1945 1964 -
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
2 guerra japão e estados unidos - 2017
2 guerra   japão e estados unidos - 20172 guerra   japão e estados unidos - 2017
2 guerra japão e estados unidos - 2017
 
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -20172ª guerra em imagens   do dia d ao fim da guerra na europa -2017
2ª guerra em imagens do dia d ao fim da guerra na europa -2017
 
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
2ª guerra 1942 a 1945   imagens2ª guerra 1942 a 1945   imagens
2ª guerra 1942 a 1945 imagens
 
2ª guerra áfrica italia e alemanha
2ª guerra    áfrica italia e alemanha2ª guerra    áfrica italia e alemanha
2ª guerra áfrica italia e alemanha
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A 2ª guerra mundial 2017
A 2ª guerra mundial   2017A 2ª guerra mundial   2017
A 2ª guerra mundial 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Os regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europaOs regimes totalitários na europa
Os regimes totalitários na europa
 
A crise de 1929 e o new deal 2017
A crise de 1929 e o new deal   2017A crise de 1929 e o new deal   2017
A crise de 1929 e o new deal 2017
 
O despotismo esclarecido 2017
O despotismo esclarecido   2017O despotismo esclarecido   2017
O despotismo esclarecido 2017
 
O iluminismo 2017
O iluminismo   2017O iluminismo   2017
O iluminismo 2017
 
A república velha 2017
A república velha   2017A república velha   2017
A república velha 2017
 

Último

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 

As revoluções inglesas do século xvii rev. puritana

  • 1. As Revoluções Inglesas do Século XVII A Revolução Puritana
  • 3. • Durante os reinados da dinastia Tudor, a Inglaterra viveu um grande desenvolvimento de sua economia. Sob o comando do rei Henrique VIII e depois, da rainha Elizabeth I, a burguesia britânica viveu anos de grande crescimento econômico.
  • 7. • No entanto, os pequenos comerciantes acabaram sendo prejudicados. As vantagens da política econômica da Inglaterra só beneficiavam uma pequena parte da burguesia que tinha um bom relacionamento com as autoridades da época.
  • 8. • No campo, a velha economia agrícola voltada para o abastecimento sofria grandes transformações. As terras passaram por um grande processo de especulação econômica por causa da necessidade da burguesia por matérias-primas. Foi nesse período que começou a política dos cercamentos; que era uma maneira de aumentar a produção de matéria-prima(algodão, lã, etc).
  • 9. • Os cercamentos eram a apropriação das terras coletivas e devolutas (terra devoluta é terra que pertence ao governo). Com isso, vários camponeses e pequenos proprietários de terra sofreram uma terrível perda que os deixou cada vez mais pobres e acabaram tendo que ir para a cidade em busca de trabalho.
  • 12. Família expulsa de sua casa:
  • 18. Os cercamentos ou Enclosures:
  • 19. • Além disso havia ainda muitos problemas entre católicos e protestantes que dividiam a sociedade britânica em mais uma delicada questão histórica. As tensões sociais e a situação da monarquia britânica pioraram quando, em 1603, a dinastia Stuart assumiu o trono inglês.
  • 21. • A Rainha Elizabeth I nunca se casou nem teve filhos; portanto, quando morreu em 1603, seu primo Jaime Stuart, rei da Escócia assumiu o trono da Inglaterra. Influenciados por uma forte tradição católica os reis da família Stuart acabaram alimentando disputas de caráter econômico e religioso.
  • 25. • Dessa forma, começaram as disputas entre o Parlamento, de visão liberal e composta por burgueses protestantes; e o reis da Dinastia Stuart, que eram católicos e queriam ter autoridade absoluta.
  • 28. • A chegada dos Stuart ao trono significou uma grande transformação no cenário político da Inglaterra. Abandonando as medidas liberais dos Tudor, o rei Jaime I era a favor do poder absoluto. Além disso, preferia o catolicismo, porque acreditava que os católicos eram favoráveis ao inquestionável poder do rei.
  • 29. • Para organizar o absolutismo na Inglaterra, Jaime I defendia que a dominação britânica sob a Irlanda deveria ser feita exatamente como era no tempo do feudalismo. Além disso, criou monopólio sobre a produção de tecidos, ou seja, só pessoas autorizadas por ele podiam fabricar tecidos.
  • 32. • Além de enriquecer ainda mais, teve uma forte influência política e era independente da aprovação do Parlamento inglês. No campo religioso privilegiou os súditos católicos.
  • 33. • Em 1625, Jaime I morreu e seu filho Carlos I assumiu o trono. Durante seu reinado, Carlos I foi obrigado a convocar o Parlamento para a aprovação de gastos com conflitos e guerras.
  • 35. Carlos I e sua família:
  • 36. • O Parlamento não era favorável a Carlos I e ele foi pressionado a assinar a Petição de Direitos. Nesse documento, o rei se comprometia a prestar contas ao Parlamento e colocar as questões financeiras e militares sob o domínio do parlamento. Indiferente a tais exigências, o rei preferiu dissolver o Parlamento britânico.
  • 38. Sede do Parlamento Inglês:
  • 39. • Anos mais tarde, Carlos I resolveu restabelecer um antigo tributo: o Ship Money. Esse imposto, que antes era cobrado em algumas zonas portuárias, deveria ser cobrado em todo o território inglês.
  • 41. • Tal lei desfavorecia a burguesia, que seria obrigada a limitar seus lucros para pagar este imposto. Forçado por uma guerra a convocar o Parlamento em 1640, o rei mais uma vez levou à tona o conflito existente entre a sua autoridade e o interesse parlamentar.
  • 42. • Nesse momento, o Parlamento radicalizou sua postura exigindo total controle sobre as questões religiosas e tributárias. Além disso, reivindicou a constante convocação das autoridades parlamentares.
  • 44. • Em resposta, Carlos I ameaçou mais uma vez acabar com o Parlamento. Inconformados com a decisão do rei, os líderes do Parlamento convocaram a formação de um exército que garantisse a existência do parlamento britânico. Era o início da Revolução Puritana.
  • 48. • Protegendo-se da reação popular, Carlos I dirigiu-se à cidade de Oxford para organizar um exército capaz de combater as tropas do parlamento. Dessa forma, estabeleceu-se uma guerra civil onde as tropas reais enfrentavam as frentes populares armadas pelo parlamento.
  • 53. • Esses populares, de maioria puritana (calvinistas), formaram um grande exército que via na luta um meio de superar suas dificuldades econômicas. Nomeados como integrantes do Exército de Novo Tipo, esses populares começaram a participar do processo revolucionário inglês.
  • 55. • Liderados por Oliver Cromwell, os combatentes revolucionários dividiram-se em duas facções políticas: os diggers e os levellers. Os primeiros defendiam uma reforma agrária espontânea que garantisse o acesso dos camponeses à terra.
  • 58. • Já o levellers buscavam a total igualdade jurídica entre os cidadãos e a liberdade de culto religioso. Dessa maneira, as camadas populares inglesas se fizeram presentes no debate político da época.
  • 60. • As vitórias dos exércitos de Cromwell foram um importante passo para as conquistas dos ideais democráticos defendidos pelos diggers e levellers.
  • 62. • No momento em que os mais moderados arquitetavam a desmobilização do exército de Novo Tipo, as tropas foram convocadas a lutarem mais uma vez contra as tropas da realeza. Nesse confronto, o rei Carlos I foi capturado e decapitado, em janeiro de 1649.
  • 66. • Exercendo grande dominação política, os exércitos decretaram o fim da monarquia inglesa e a proclamação de um governo republicano. Nesse novo governo, os moderados foram excluídos do parlamento e Oliver Cromwell foi aclamado como presidente do novo Conselho de Estado ou Commonwealth.
  • 67. • Acumulando poderes políticos em mãos, Cromwell não atendeu às exigências do exército que o colocou no poder. Dessa maneira, criou uma ditadura que excluiu os populares das instituições políticas.