SlideShare uma empresa Scribd logo
As Estratégias de Alienação do Negro na
Sociedade Brasileira
Ricardo Henrique Rocha (Faculdade Zumbi dos Palmares) reec.ric@gmail.com
Thiago Pereira Ribeiro (Faculdade Zumbi dos Palmares) thigzn@hotmail.com
Renan de Moraes (Faculdade Zumbi dos Palmares) renan_1830@hotmail.com
Ulisses Mormile (Faculdade Zumbi dos Palmares) ulisses.mormile@ig.com.br
São Paulo
2014
Ricardo Henrique Rocha
Thiago Pereira Ribeiro
Renan de Moraes
As Estratégias de Alienação do Negro na
Sociedade Brasileira
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Zumbi dos
Palmares como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em
Administração.
São Paulo
2014
Dedicamos esse trabalho aos nossos pais por terem acreditado na gente.
As Estratégias de Alienação do Negro na Sociedade Brasileira
Agradecemos a deus pela existência, força e capacidade que tem nos
concedido e aos professores pela paciência que tiveram durante esses
quatro anos.
“O nosso sucesso nasce de nossas falhas.”
Chris Galvin
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO ..................................................................................................1 - 3
2. REFERENCIAL TEÓRICO ..............................................................................3 - 4
3. DESENVOLVIMENTO ..................................................................................... 4
3.1 AOS PÉS DA OPORTUNIDADE ......................................................................4 - 5
3.2 O PAÍS AJUDANDO.......................................................................................5 - 6
4. DESIGUALDADE PRA QUEM ? .....................................................................7 - 9
5. O LADO OBSCURO DA ALIENAÇÃO............................................................9 - 11
6. CONCLUSÕES ............................................................................................11 - 13
6.1 ANÁLISE DE RESULTADOS.......................................................................11 - 13
6.2 CONSIDERAÇÕES FINAIS .........................................................................13 - 14
Referências Bibliográficas ........................................................................................ 15 - 16
Resumo:
A sociedade vive um dilema que jamais foi quebrado e ainda transparece até hoje: O
preconceito.Osanosse passarame a situaçãoaindanão mudou.Aspessoaspreferemabafaro
assunto e se deixarem levar pela ignorância de conviver com pessoas que, na visão de alguns
são diferentes porém todos são iguais.Esse trabalho irá analisar dentro do contexto do tripé:
Alienação –Cujoprocessode diminuiçãodacapacidade de agiroupensarde qualquerindivíduo
que seja alienado; Oportunidade – Identificação de pessoas da raça negra que ascenderam e
hoje conquistaram lugares de destaque na sociedade (mesmo ainda sendo a minoria) e por
último,Desigualdade - Processofeitoondeháextremavantagemde umgrupo,classeoucírculo
social sobre os outros. As vantagens de relacionar, analisar e explicar o tripé dentro do tema
ajudará na compreensão de um processo que se arrasta durante décadas.
Palavras chave: Desigualdade, Oportunidade, Alienação, Preconceito.
Abstract
The societylivesadilemmathatwasneverbrokenandstill shinestoday:Preconception.The
yearspassedandthe situationhasnot yetchanged.People prefertosmotheritandget caught
up bythe ignorance of people wholivewiththe visionof some are different, butall are equal.
Thispaperwill analyze withinthe contextof the tripod:Alienation - whose processdecreased
ability toact or thinkof anyindividual whoisalienated;Opportunity - identification of black
people whohave risenandtodaywonprominentplacesinsociety(evenstillthe minority) and
finally,inequality - Case made where there isextremeadvantage of a group,classor social
circle overothers.The advantagestorelate,analyze andexplainthe tripodinside hashelpin
understandingaprocessthatdrags on fordecades.
Key words: Inequality, Opportunity, Alienation, Preconception
1
Introdução
Milharesde pessoassobrevivem emcondiçõesde submissão,sem saberrealmenteoporquê disto.O
conceitode racismo,não somente determinacomotambémsegregaouexclui umadeterminada
pessoa.Este tipode dominaçãopode influenciarconstantemente umapessoae tambémdeclarar
este serhumanocomo umser predestinadoaseguirouviver umestilode vida.
Issonos remete aentendercertasdecisõesacatadasporuma ou nação, que automaticamente tende
a perdersuasculturas ouraízes hereditáriasquandosãoforçadamentemanipuladasaceitamo modo
de vidasementenderoporquê ouprocurar uma explicaçãoconcreta.
No Brasil, temosinúmerascontradiçõese evidenciasde controvérsiashistóricas.Umapopulaçãoque
temmaisde 50% do país pertencentesaraça negra,não tema mínima noçãohistórica ou sensatado
porque estáa maisde 500 anos depoisdoseudescobrimentovivendoemcondiçõesde preconceito.
Entretanto,a alienaçãose utilizade váriastáticas,paraque os negrosbrasileirospermaneçamde
certa formacalados,ocultose despretensiosos emquestõesde metase sonhosentre outrascoisas.
Esta significativatáticade domíniodapopulaçãonegrase torna eficazparaa conclusãode uma
apuração ideológicacolocadanonossotema“As Estratégiasde AlienaçãodoNegronaSociedade
Brasileira”.Face aoexposto,este trabalhotemcomoobjetivoressaltare explicaroporquê dotermo
alienaçãoestarpresente emnossasvidas.Comasociedade estáalienadae comoosnegrosestá
enfrentandoisso.
Sendo assim através deste artigo pretende-se responder a seguinte pergunta:
Comopoderemosviveremsociedadesendoque aprópriasociedadese aliena?e comoficaa questão
do preconceito no Brasil sabendo que ele é oculto a milhares de brasileiros?
Acredita-se que as principaiscausas da alienação seja a necessidade do ser humano Uma vez que as
pessoas precisam conseguir o status desejado para se enquadrar na sociedade, cada vez mais as
pessoasquerempassarpor cima das outras. A ajudaque antesvinhada simplicidade e compaixãoao
próximonãose temmais hoje emdia.Então, domina-se outraspessoas parase conseguiralgo.E isso
pode ser feitoatravésde várias formas.Oportunidade nãodadas as pessoasé uma delas.E issovem
sendo destaque pois, aplicada a minoria (maioria negra porém minoria desigual) negra se torna
estrategicamente uma forma de domínio por outras pessoas. Já o preconceito ocultocomo vemos é
mais uma forma de alienação. Talvez a mais visível por todos. Dominar as pessoas citando que as
mesmas não podem ter acesso, educação, conseguir várias coisas por causa de sua cor. Quando
falamosocultoqueremosdizerque,noBrasil (Incrívelque pareçase dizopaíssempreconceitocontra
a raça negra) issose espalha“ocultamente”.Aspessoasnãopercebemmas,esse detalhe contradizo
2
fato do que o País representa. Se realmente não existe preconceitoneste país porque vemosvários
casos nas mídias e na sociedade em geral? Explicamos a partir daí o termo oculto.
Este é um trabalho sobre as estratégias de alenação do negro na sociedade brasileira. Estamos
evidenciandoestratégiase quaisos rumosnossopaís esta levando,porque aindapraticamosissoem
todososcantos deste país.Este temafoi escolhidopoisesteassuntoé de sumaimportancia,vistoque
a hoje emdiaa populaçãonegrae a sociedade estátotalmentealienada.Enãosabemoporque disto.
É preciso repensar sobre esse tema e ter a certeza de que um país como o Brasil pode ter igualdade
seja por cor, raça, religião etc.
A metodologiadotrabalhoserádescritiva,combase de estudode casoe pesquisasbibliográficas para
elaboração do referencial teorico.
Segundo os autores Marconi e Lakastos (2007) “ pesquisa bibliografica são todos os processos que
envolvemosprimeirosfatossendoelesveridicosounão,mas sendoproveitosospara utilizarmosem
umaformade pesquisacientifica.”Podemosencontraremarquivosde utilidade públicaoude utilidade
particular.Nelapode terfontesque podemsernãoescritascomoé ocasode fotografias,pinturasetc.
PesquisaBibliográficanadamaisé doque todoolevantamentode bibliográficasquejáforamutilizadas
anteriormente.Podemtersidospublicadasdeváriasformascomolivrose revistassendoque,oslivros
são os mais procurados pois temos fácil acesso a eles em bibliotécas e de sua maioria são gratuitos.
Até os que não são gratuitos te seu valor baixo tendo um custo beneficio bem razoável para o
estudante.Asrevistassãobemdivulgadas.Porcontadasuadivulgaçãopodemosterfacilacessoaelas
também.Suafinalidadeé fazercomque opesquisadortenhafacilacessoaomateriale entrede cabeça
na pesquisa. O pesquiador pode fazer sua pesquisa ao seu modo porém auxiliado de suas ideias. Se
algumacoisavingardissoelepoderecorreraoutrosmateriaisparaauxilio.Assimapesquisapodeficar
mais interessante e o pesquisador fica mais a vontade com o seu desenvolvimento. Sendo essa o
primeiro grande passo para a pesquisa cientifica.
A pesquisa bibliográfica tem como objetivo ser o grande passo para construirmos uma especie de
orientação padronizadade investigaçãoouseja,apósa escolhade umassunto,precisamosfazeruma
revisãobibliograficadotemaque estamosapontando.Tudoissonosajudade algumaformanaescolha
de um método que melhor atende as nossas expecttivas e também nos traz um conhecimento das
vertentes que temos para autenticar a nossa pesquisa.
Nós escolhemos esse método de estudo de caso porque, segundo Yin (2005), “ a forma de se fazer
pesquisa cujo padrão seja investigativo devido a fatos que extraimos da vida real.” Tudo pode
acontecerdentrodessecontextoouseja,podemosterumavisãomaisclarae concisatrazendoanossa
pesquisa referencia em verdades tonando a mesma mais proveitosa de se fazer.
3
Temoscomodefiniçãooestudode casosendoumtipode pesquisaondepodemosanalisaromaximos
de dados que tivermos a nossa disposição. Em vários cenários em várias situações podemos extrair
essesdados,paratermosuma noçãodo contextocomoum todoe da situaçãovivida.Podem,é claro,
servir de base para outras pesquisas futuras. O intuito deste estudo é estimular o entendimentoe
sugerir possibilidades e questionamentos para que se possa desenvolver a pesquisa mais
tranquilamente.Podemosesclarecerassimumaouumconjuntode decisõestomadase mostrara sua
implementação e os resultados que conseguimos alcançar.
1. Referencial Teórico
SegundoBarros (2009) “A alienaçãotrata-se do mistériode serou não ser,pois uma pessoaalienada
carece de si mesmo,tornando-sesuapróprianegação.Alienação refere-seàdiminuiçãodacapacidade
dosindivíduosempensaremagirporsi próprios.”Logo,oautordeixaclaroque adominaçãode outras
pessoaspor causa de um propósitopessoal já mostra que é precisopensar sobre esse conceito.Isso
já nos acompanha a muito tempo e desde o tempo da escravidão. Isso – a alienação – serviu de
desculpaparaque a raça negrapudesse serdominada.Váriosartigosjáfalamsobreisso.Quandouma
pessoa é alienada, o processo é feito em várias formas tais como: a) diminuição da capacidade do
individuoque estásendoalienadoempensar.Emacreditarque ele consegue.Que elepode simfazer
a diferença no mundo. Isso é tirado das pessoas que são dominadas. Talvez a principal arma dos
dominadores porque agindo assim a pessoa que está sendo alienda não encontra mais forças para
conseguirlevaravidaque levavaantes.Umaverdadeiralavagemcerebral.Issofoi umdosfatoresque
levaramaescravidãonoBrasil.b) OProcessomandatório.Esseprocessoé aconsequenciadoprocesso
já citado acima. Depoisque o alienadojá entraem estadode negação de si próprio,a pessoarecebe
ordenssubliminarmente oudireta,jáque,paraelatanto faz.Ela não se importamaiscom elamesma
e, se o alienador mostrar outro caminho para o alienado a probabilidade do alienado aceitar esse
caminho (considerando que o alienado não tem “mais nada a perder”) é muito grande. Esses são
apenas dois processos dos vários existentes.
4
Para Raygadas (2004), “A desigualdade é estruturadanasdistinçõessociaise culturais.Tambémpode
serdefinidocomoadivisãode tarefas,postosdetrabalhoe profissões.A sociedadenãotem igualdade.
Há uma grande diferençaentre acessoà educação e cultura,particularmente nasesferaseconômica,
política e educacional.” Isso se mostra bem claro aos olhos de um país onde a desigualdade reina
totalmente. Em um governo onde as pessoas não são tratadas igualmente, o conceito acima deixa
claro a várias areas em que o Brasil se mostra totalmente despreparado. E por que isso? muito
provavelmente para o favorecimentodos mais ricos. O autor revela também que existe distinções
sociais e culturais. Existe porque, dentro do contexto de desigualdade, o social não pode se misturar
com ocultural porque asvezesquemganhaculturasãoaspessoasque sãofavorecidascombenefícios
e outros aspectos que tange a desigualdade (um ganha menos e outro ganha mais). É interessante
salientarque ofator“ganhar” não é só financeiramente massimabordandooutrosconceitos.Divisão
de trabalhose oportunidadestambémsustentamesse conceitoe oacessoàeducação.Para fazermos
a amarração desse conceitobase voltamosasatençõesde desigualdade e apontamosduasvertentes
importantes:Desigualdade social- segundoCohen(1981) – “onde sociedadesnãopartilhamomesmo
objetivo em vários aspectos” e desigualdade racial – Heringer (2001) – “que aponta a dificuldade de
inserçãodo negro na sociedade fazendodelaumasociedade totalmente desigual de raça, de cultura
entre outrascoisas.”Certode nossosatos,hojeoBrasil se mostratotalmentedesigualemváriasáreas.
O que não conseguimos entender é o porquê da postura desigual. Seria interessante para quem
promove a desigualdade que continue assim? o cenário se mostra totalmente a favor.
Seguindoa linhade raciocínio de Costa Ribeiro(2008) falarsobre oportunidade neste contextoé um
pouco difícil.“A desigualdade de oportunidade paraessesindivíduospobresdepende principalmente
de sua origemde classe.”Comoexplanabemoautor,asclassessuperioresmaisfavorecidasnoBrasil.
Juntandocom a questãoda cor isso ficaainda mais visível. Essacaracterística fica bemclara quando
jovens negros precisamde mais oportunidades de trabalho e as vezes por conta da cor acaba sendo
um pontonegativoemprocessos.Issoé simplesde constatarhaja vistaas grandesempresasque,no
seuquadrode funcionáriosemsuagrande maioriasãobrancos.A questãonãoé a sóa cor da pele.Os
negroscarregam issodesde os temposde escravidão.A questãoé a igualdade entre todosos serese
issotambémcondizcomoportunidadeiguais.Oautortambémdeixaclaroque afaltade oportunidade
de trabalho,de estudo,estáligadadiretamenteadesigualdade racial e queacabandocomissoelimina
inclusive essa questão que aqui colocamos: a falta de oportunidade.
2. Desenvolvimento
3.1 Aos pés da oportunidade
Lima (2009) dizque “O Brasil de 2009 é, certamente,outropaísdepoisdoperíodode escravidão.
Apesardisso,“osnegroscontinuamemsituaçãode desigualdade,ocupandoasfunções menos
qualificadasnomercadode trabalho,semacessoàsterras ancestralmenteocupadasnocampo,e na
condiçãode maioresagentese vítimasda violêncianasperiferiasdasgrandescidades”. Oautorfaz
5
uma comparação com o períodode escravidãoe o Brasil até o ano de 2009. Ele deixaclaroque
algunsfatosaindanão mudarammesmopassandomuitotempo.A visãoque se temde mudança foi
a mesmavisãode que tudo seriamelhorpósliberdadedosescravos.Issopode parecerestranhomas
emcontrapartida,mesmo osescravosganhandoa liberdade,aoportunidadede mudarde vidasófoi
sendoconcedidaaospoucos.Atualmenteexiste váriasmaneirasde se crescernavida.O contextode
sociedade estámaisamplo.Aspessoasse ajudame se importammaiscomo alheio.Issonãotinha
no passado.Até que pontoa oportunidade pode chegarapopulaçãonegrae pobres?váriosfatores
influenciamemumaresposta.Vamosaelas:
3.2 O País Ajudando:
No País da “Diversidade”váriascaracterísticasque vivenciamosaolongododianos deixamclaroque
estamosbematrás de outrospaísesmais desenvolvidos.Issonãotirao fato de que,empaíses
desenvolvidosnãoexistamracismofaltade oportunidadeparaas pessoasmaispobresmaso Brasil
se destaca pelafaltade desigualdade.Fatosque acimade tudo,transparecemverdade e nosdeixam
confusossobre quemsomose o que queremos.Comopodemosajudarunsaosoutrossendoque
váriosfatoresinfluenciamessadecisão?Podemosresponderfacilmente.Umadasideiasé a
realizaçãode medidaspara que a desigualdadesejareduzida.Aproximandoopobre de uma
realidade que ele jamaissonhoue é direitodoestadogarantirisso.Maso próprionão faz.Não é
interessanteparaeles.Queremopovoalienadoosuficiente e que escutamordense asexecute.
SegundoCamargo(2010) “O conceitode desigualdade social é umguarda-chuvaque compreende
diversostiposde desigualdades,desdedesigualdade de oportunidade,resultado,etc.,até
desigualdadede escolaridade,de renda,de gênero,etc.De modogeral,adesigualdadeeconômica–
a mais conhecida–é chamada imprecisamente de desigualdadesocial,dadapeladistribuição
desigual de renda.NoBrasil,adesigualdadesocial temsidoumcartãode visitaparao mundo,poisé
um dospaísesmais desiguais.SegundodadosdaONU,em2005 o Brasil era a 8º nação maisdesigual
do mundo.Oíndice Gini,que mede a desigualdade de renda,divulgouem2009 que a do Brasil caiu
de 0,58 para 0,52 (quantomaispróximode 1, maiora desigualdade),porémestáaindamais
gritante.”OAutor deixaclaroa existênciasde váriostiposde desigualdade e grande maioriadesses
tiposatingemonossopaís. Um dos paísesmaisdesiguaisdomundonãomantéma paridade entre as
classessociaise tambémnãoestabelece reformaspolíticasnecessárias paraque o brasileirode baixa
rendaconsigaperceberque de fatosua vidaestámudando.Abordandoadesigualdadede
oportunidade,osbrasileirosque nãoconseguemboasoportunidadesde empregoe educação,
acessoà cultura,ficam totalmente àmercê dasclassessociaisque detémamaioriadarenda.Logo a
mesmaclasse pode desfrutardosmelhoressaláriosporque possui cultura,educaçãoe oportunidade.
Se tivéssemosachance de concederoportunidade igualparatodoso país não estariadesse jeito.A
palavradesigualdadetalveznãose aplicariaaonossopaís.Isso eraimpostodesde osescravos.Nos
deparamostambémcomum detalhe muitoimportante:amaioriadapopulaçãopobre brasileirasão
negros.Issose prova na estatística;
6
A maiormédiasalarial dosnegrosestána regiãocentrooeste.Osdadosmostramuma realidade
impostaa muitosanos.Condiçãocujoos fatorescomodesigualdade porexemploafetame muito
nestamédia.
7
4. Desigualdade pra quem ?
“No momentodaabolição,foramsupridasas barreirasformaisque a escravidãoofereciaà
competiçãodosnegroscom osbrancos pelasposiçõessociais.Masquandoos portõesforamabertos
e se facultaaos negroso ingressonacorrida,os brancosjá estãoquilômetrosadiante.Essaé a
condiçãoinicial.Paraque osnegrossuperemadesvantagemimpostaporela,é precisoque,acada
geração,percorram umadistanciamaiordo que a percorridapelosbrancos.Se não conseguemfazê-
lo,a desigualdade racial existentenomomentodaaberturadosportõespersiste.”(Osório2003).
SegundoOsórioadesigualdaderacial começa,e vema tona nomomentoemque oficialmente e por
lei a libertaçãodosescravosnoBrasil em 13 de Maio de 1888, que seriapara inserirosnegrosna
sociedade e se tornarum paishomogêneoe sem“desigualdadeentre asraças e classes”.Porémhá
muitascontroversasnestahistoriade “fimde desigualdade”,pelofatode que a aboliçãoda
escravaturadobrouos fatoresdesiguaisentreosnegrosque eramescravose os brancosem todosos
sentidossociais.
Começandopelotrabalho,comofimda escravidãoosnegrospara viverteriamque trabalhare ter
seusdireitosigualitáriosade um cidadãobrasileiro,masque pessoa(branco) ousava,oumelhor,
confiavaemcontratar um negropara trabalharem seuestabelecimento,comercio,industriaou
qualqueratividadedomercadode trabalhona época?Pouquíssimos,poisosnegrosnãoeramvisto
com “bonsolhos”,não tinhamestudo,tinhamculturase fé diferentes.Tudoissocontribuiuparaeles
estaremmaisdistantesdosbrancos.
“O negrode cor maisescura parece sero que emergiumaisrecentementedaescravidãoe porisso
ocupa aindaos degrausmaisbaixosdavidaeconômicae social,sofrendocommaisintensidade o
preconceitode classe”(PIERSON 1945). O autor reflete nospensamentosde Osório2008, poisfala-
se da dificuldadesemque onegroencontrapelafrente nasociedade,naqual se encontravaperdido
nos degraussóciais e economicasdavida,daí entãoconcretizandoumpreconceitode classes,na
qual os negrossempre estiveramnamaisbaixadelas,mesmotendosuasqualidadese aptidões
individuaispodendocompetirde formaigualitáriacomosbrancos, osnegrossempre ficarammuito
atrás, por seremde umaclasse excluídae de etnianegra,e porser províncias da escravidão.
“É fatoconhecidonopanoramadas desigualdadesbrasileirasque háumadesigualdaderacial
considerável nopaís.Pretose pardos,doravante denominadosnegros,têmmenosque ametade da
rendadomiciliarpercapitade brancos.Trata-se de umadesigualdadeparticularmentedetestável
dado que,comotemsidodestacadoeminúmerosestudos,parte significativadelanãoé atribuível a
nenhumamedidade méritoouesforço,sendopuramente resultadode descriminaçõespassadasou
presentes.”( SOARES 2007) O autor dizque ao contrarioda épocada aboliçãoque de certa forma
não havia“desigualdade”,poisosnegrosnãotinhamcomo que competircom osbrancos, masnas
atualidadesé umadesigualdade muitoconsiderável,masonde osnegrosjáestãobrigandopor
8
espaçona sociedade e nomercadode trabalho,mesmonãosendovalorizadosde formaigual
perante a méritosouesforços,ouaté mesmoestudos.
“Contudo,nosúltimosanos,umatendenciapositivavemsendoobservada:adesigualdade racial,
medidapelarazãode rendasentre brancose negros,estácaindo.O gráficoI mostraa razão entre as
rendasdomiciliarespercapitade brancose negros,parao períodode 20 anos (1987-2007), durante
o qual a PNADcoletouinformaçõessobre cor/raçapara todaa amostra.O gráficomostra claramente
que após oscilardurante doze anosemtorno de 2,4 , esse indicadorde desigualdade racial começou
a cair após 2001.Em 2007, essatendênciacontinuoue arazão de rendaschegoua 2,06. Ouseja,a
populaçãobranca aindavive comum poucomaisque o dobro da rendadisponível,namédia,paraa
populaçãonegra.Noentanto,a tendênciarecente temsidode diminuiçãodessadiferença” (SOARES
2007) SegundoSoares,ograude evoluçãodosnegrosvematodo o vapore muitotrabalhopara
tentarchegar ao pontoque não possahaverdiferenças,até ostemposatuaiselessubirammuitos
degraus,muitasdificuldadesmasjátiveramumaevoluçãomonstruosaemcomparaçãoaos tempos
da abolição,porémemcomparaçãopara chegarmosna mesmalinhadosbrancos faltaum pouco
maisque a metade,masa tendênciaé essa,atravésde informação,educaçãoe estudososnegros
estãono caminhocerto,hoje temosEmpresários,diretores,gerentesnegrosemdiversossegmentos,
mas aindao que prevalece sãooscargos baixoscomofaxineiro,lixeiroe etc,poisnãoforamtodos os
negrosque seguiramamesmalinhade idéias,masnemtodaspor escolha,maspor faltade opção,
porque a base do trabalhohoje é o estudo,é o aprendizado,é informação.Eiratrás dissodificulta
quandotemque ir atrás comida,roupa e um tetopara se abrigar,alimentarsuafamília.Uns
conseguiramoutrosaindanão,mas estaporcentagemsóvemcrescendocomo tempoe dedicação
dos negrosque vemquebrandobarreirase classes,mostrandoque a pigmentaçãode suapele nãoé
capaz de aumentarou diminuirseuK.Ioucapacidade paraexecutarqualquercargoou funçãode um
branco,isto nostemposatuaisde uma formacamufladajá é mostravae provada,mas não
oficializada,porbairros,escolase ainda háuma hierarquiaeconômicagrande emque osnegros
estãoinferioresaosbrancos.
“Compreendendoasdesigualdadesraciaiscomoprodutode umamploe complexoprocessode
reproduçãode iniqüidadese de hierarquiassociais,seuenfrentamentonãodeve ficar restritoa
açõesque possamser implementadasporumnúcleoespecificodaação publica.Oreconhecimento
da desigualdaderacial e danecessidade de seuenfrentamento,assimcomodaeliminaçãodo
preconceitoe dadiscriminaçãoraciaispressupõeoreconhecimentode que esse problemaperpassa
os maisdiferentesespaçosdavidasocial.”(JACCOUD2002).
Jacooudcompara a desigualdade comumprodutoque ambostemum ciclo,umpropósito,um
públicoalvonocaso no caso do produto,e quandoé estabelecidooseué ali que ele fica,ali que ele
permanece,nãotemopçãode mudança, de regredirouprosseguir,e é assimque osnegrosforam
jogadospeladesigualdade,inseridosnabase maisbaixada pirâmide hierárquica.Partindodeste
principioque houve aconfiançae capacidade de enfrentareste principioque nãoeraengolidoe nem
acomodadopara os negrosna sociedade.Desigualdade,preconceitoe discriminaçãoaçõespúblicas
que se tornam visível paraa vidasocial,e camufladapara a populaçãonegraem seuespaçosocial.
“[...] a incapacidade coletivade umaorganizaçãoemproverum serviçoapropriadoouprofissional as
pessoasdevidoasuacor, cultura ouorigemracial/étnica.[...]Elepode servistooudetectadoem
processos,atitudese comportamentosque contribuemparaa discriminaçãopormeiode
9
preconceitonãointencional,ignorância,desatençãoe estereótiposracistasque prejudicam
determinadosgruposraciais/étnicos,sejamelesminoriasounão”(WERNECK2004) Segundo
Werneckestametodologiasocial “anti-negra”jáé inseridanaspolíticassociaisdonossopais,pois
quandoé medidoesforçosoucapacidadespelasuaetnia,culturae etc.Independente doâmbito
intencional ounão,asociedade (branca) jánasce e é estruturadaemuma classe a qual os negros
“não temvez”,não podemfazerparte do mesmogrupo,damesmaclasse,domesmopatamar social,
cultural e econômico.Uma intelectualidadedosbrancosa se julgaremsuperiorespeladiferençade
pigmentoemsuapele.
E dessaforma elesvãolevandoemtodososquesitosde sociedade,naeducaçãopúblicaé o exemplo
maisclaro onde se temdesigualdade,poisquandose olhaonível daeducação públicaé muitobaixo
e de péssimaqualidadeemquestãode formaçãoaté o2° grau. Poréma maiscontrovérsiasãoas
universidades publicasparaformaçãodoensinosuperior,tidascomosimplesmente asmelhoresem
questãode qualidade e consideradasde médioe altonível,sóque sótemacessoquemrecebeue/ou
buscoboas formaçõese um ensinode qualidade.Que nocasoas classesa cima,os que tiveram
acessoa escolaparticulares.SIM,há exceções,maspouquíssimas.Ascotasvieramparainseriro
negroemum lugar que nãoé dele de habitatnatural,nãotemidentidade,nãohácomo se misturar.
São doismundosdiferentes,masque estãolutandoparaserum só.
5. O Lado Obscuro da Alienação
No século21 temosdiversasformasde entendermosahistóriade maneirageral.Issotemnos
comprometidohárealizarmosumaserie de pesquisasnabuscade concretizarfatosatuaise
conseguirassimexemplificarmosaatual situaçãode determinadospovos e classesoutribos,fatoé
que hereditariamente,sabemosque opovojudeuaté hoje é consideradoumpovoricosoberano
devidoaosconteúdosbíblicos.Trataremestaquestãode formanatural partindodoprincipiode um
determinadogrupoque possivelmenteforamabençoadospordeus e poresse motivopossui grande
parte da riquezaou habilidadeparatratar de negócios.
SegundoDebord(1967) “existe umaalienação mundial sociale racial que impõe,determinae
valorizaumcerto tipode ser humanoouraça.” Aoanalisaro espetáculo, fala-se emcertamedidaa
próprialinguagem,Deborddizque “esta alienaçãorecíprocaé a essênciae osustento
da sociedade existente”pode se dizerque estacitaçãonada masé do que uma atualização do
mundoatual no qual vivemos.Este mundo é tãocapitalistaque de umaforma supostamente
moderada,ensinaque cadaserhumanopossui umafunção na terra,porémalgunsmaisprivilegiados
do que outros.
Ao analisarestafrase de Debordficouesclarecidogrande parte dasduvidasdomundoatual, das
nações de grande porte e estabilidade e que simplesmente utilizaramalgunsoutrospovospara
colonizaçãoe exploração,intensificandoseulegadoe suasoberania.
10
De fatoissose resume na sociedade atual tendoemvistaque todospaísesdependemde sua
economiainternaparaseudesenvolvimentoe expansão,sendoassimficaregistradaumaincógnita
pertinente neste artigo: comoumanação,tribo ouraça pode competir de certaforma coodernar
seusprópriospassossendoque odesejosde metascomumaeconomiaque supostamentedepende
de tomadas de decisões de seuscolonizadoresouexploradores?
SegundoHobsbawm,“Tanto,utilizaram-secomofonte históricaalgunsaspectosimportantesda
Sociedade modernae discute aideiade alienaçãoque emergiu, pormeiode doisexpoentesdo
pensamentosociológicocontemporâneo: Delineou-seocenárioemque se desenvolveuoprocesso
de alienaçãodohomemna sociedade moderna.”
Conclui-se que anadamaissomosdo que uma sociedade antigaque mesmoapósavançostemos
aindasequelas e marcasde um passadosombrioe de umahegemoniaintensaaté osdiasde hoje.
Issose reflete emcargos,posiçõesestruturas e basesfamiliarese financeiras.
Em todosos campos de uma sociedade acarretandoemconsequênciasinadequadase propositaisde
uma maioria.
A influenciaé tãoseveraque jovensnegrosde todasasperiferiasdosestadosbrasileirosnão
conseguemse imaginaremumavidacom melhorescondiçõesfuturas e issose deve aomundono
qual essaspessoassempre estiverampresentesem umuniversoparaleloamargemda sociedade,
particularmente euentendoque pessoasnegrasnãosãovistasouvidasoumuitomenosnotadasno
Brasil até porque grande parte desta populaçãonãosabe, nãose vê e nãose assume comonegra,
issose deve ao processode alienaçãoe imposiçãonoqual fomoscolocadosouimpostoscomo
decorrerdo tempo.
O termomoreno,a miscigenaçãoforçadanosanos40 com a vindadoimigranteseuropeusexpulsos
de seuspaíses,para tentar embranquecernossopais, se esconde atrásde um cenáriode pobrezae
misériaalémdabaixaestimaintroduzidanestapopulaçãoescravizada.
SegundoWEBER (1920) discute bastante essasituação,poisos“indivíduospensamque otrabalhoé
uma atividade acimade tudoe todos,e que elespossuemodeverde servirooutro.Comodiznosso
sociólogo,aforça de trabalhoserá o ápice para a alienaçãodosoutrosindivíduos,poiscadaum
desempenharáaquiloque conseguiremdianteumsistema que lhesoprimiráotempotodo,porisso
o sistemacapitalistadivide osindivíduosemduasclassesdiferentes,onde umairáservire a outra irá
desempenharopapel apenasde lucrarsempre semse importarcom os interessesdosoutros.”
Essa abordagemde Marx traduz a realidade docontinenteafricanoe dorestante dasnaçõesnas
quaisseuspovosestãosituados.
Tratando deste universoáfricatemosumaanalise autocritica,porque muitose falasobre este povo
se a percepçãode suahistoriapois existempaísesafricanosque foramexploradossemqualquer
explicação.
Se tiramoscomo base grande parte dospaísesque foram colonizadosouque supostamente foram
descobertos,logodescobrimosque estespaíses até entãonãotinhamreinados ouumademocracia
estabelecida, masnocaso de paísesafricanosvemosexatamenteocontrario,paísesque até então
11
tinhamseusreinadose monarquiasdefinidasforamobrigadosase auto submeteremhápaísesque
obtiveramumaautonomiamaiordaigrejae de umpoderbélicoe religioso.
SegundoFeuerbach(1841) “A religiãoé umaformade alienaçãoque projetaosconceitosdoideal
humanoemum sersupremo”, entende-seque nãosósistemacapitalistamas areligiãonãosó
contribui comotambémauxiliaalgunsgenocídiosalémde favorecerestadose reinadoscolocandoa
populaçãosempre emsegundoplanofavorecendooenriquecimentode umaminoriaparaque uma
maioriacontinue produzindoopoder. Estaquestãomurmuraaté ostemposatuaisclaramente se
notarmosas guerrasconvencionaisentre ooriente médioe oocidente,aturbulênciaque assolaos
paísesque se segregaramde grandespotencias,issotudotendeadirecionarpordoisfatoresclarose
relevantesoiniciodestasnaçõese adivergênciade religiosidade. Este processode alienaçãonada
maisé do que umplanoestratégicoe para a integradominaçãoe alienaçãode umpovo.
6. Conclusões
6.1 Análise de Resultados
Ao decorrerdotrabalhovimos as condiçõesque onegrose encontrana atual sociedade.A alienação
deixaclaroas condições que vivemos,de puradesigualdade e faltade oportunidade.Tivemosavisão
que a sociedade tambémnãosabe lidarcoma situação.Oproblemaestáinseridodentroda
sociedade onde permanence ocultoaté hoje.De nadaadiantaapresentaressadurarealidade coma
faltade novosdesafiosparaenfrentare diminuiroimpactosobre aspessoasmaispobrese de cor.
Retrato antigo de um cenário atual
O que mudou?
12
Em 2014 já são grandesas mudançasentre o cenárioque apresentamosde anosatrascom o atual.A
sociedade,apesardadesiguladade aindapersistir,játemomolde dasmudançasque foram feitas
atravésdos anos.Oportunidadesestãosendoconcedidasaquemantesnuncapode tentar;
Igualdade emcondiçoesde trabalhoe educação;vozativae espaçona sociedade paraexporsuas
ideiasentre outros.Aindanãoé o suficiente masjáé um avanço enorme.
Por que mudou?
Graças a medidascomo:
 Lei que Pune o Racismo: A Medida de número 7.716 de 1989 que virou lei e que fez
milhões de pessoas refletirem a questão até os dias atuais: Qual a diferença de negros e
brancos a não ser a cor da pele ? e chegaram a seguinte resposta: Literalmente nada.
Infelizmente tiveram que punir essas pessoas que insistem em “errar a resposta” da
pergunta. Mas felizmente para muitos de nós, foi a medida que encontramos para
tentarmos nos igualar ao resto dos seres humanos.
 Igualdade na educação e trabalho: Condiçoes para impor a iguadade entre negros e
brancos como:
 Cotas, que ajudaram muitos negros a entrar na faculdade. Para muitos o discurso
de “não precisa! todos nós não somos iguais perante a lei ?” funciona como
valvula de escape de pessoas que simplesmente não concordam com as medidas.
 Empregabilidade: Dando mais condições de estudo muito provavelmente o jovem
negro pode se colocar melhor no Mercado de trabalho.
Medidascomoessasafetamsima sociedade comoumtodo.A Desigualdade estásendolentamente
diminuidaporémé precisofazercadavezmais.Paracombatermoscom efetividade afaltade
desigualdade,aalienaçãoabusivade pessoassobre outraspessoasque sãodesprovidasde
informaçãoe a falta de oportunidade,é precisoinvestiremeducação.Informaçãoé aschave para
abrir novasportase construirassima igualdade entre aspessoas.
Seria viável aplicar o mesmosprocedimentosde melhoriano futuro ?
Sim.Asbasesque temospara mudar esse cenárioatual taiscomoeducação,acessoa inclusãoentre
outras medidasque forçamamudança, esperamosque esse cenárionãose repita.A tendênciaé que
13
issomude mesmoque lentamente.Depoisde umcenárioideal (questamoslonge de atingirisso) a
ideiaé que essasmedidasnasquaisusamosatualmentenãovenhammais serusadasnofuturo.Isso
porque essasmedidas serãode praxe.Assimesperamos.
ConsideraçõesFinais
As mudançasque vemoshoje nãoagradammuitoaos olhos.Claroque emanos,o que se praticaaqui
em questões de cidadania, as condições que ajudaram os negros a evoluirem a mudar de vida e a
conseguir escrever sua história diferente de anos atrás onde você era condicionado a fazer algo que
nãoqueria.Issosempre foi“fardopreto”.Aspessoasque se julgavammelhoresemtodasascondições
que “montavam” em cima dos escravos em época de escravatura hoje são as mesmas pessoas que
tiram a oportunidade de quemquer estudar,que mostra que a desigualdade está rondandoa todos
que tiveram esse passado cruel.A quem estamos enganando?eis a questão. O fato é que mudanças
trouxeramesperança.Aquelaque nãose tinhaemtemposdificeis.A visãoque tiramosda pesquisaé
mostrar que muita coisano tripé está errada justamente pelasociedade.A sociedade impõe oerroe
somente elapode arrumar. De fato muitacoisa mudou.Se filhohoje pode frequentarumaescolade
boa qualidade (que aindasimnão é aquelaqualidade que você esperadevidoaopreconceitovelado
que temos mais a falta dos governantes não atuando em questões básicas) pode frequentar uma
faculdade.Naquestãoda educação por exemploascotas salvarammuita gente!há quemdigaque é
contra mas se parar pra pensar, quais medidas estão foram tomadas para a inclusão do negro no
ensinosuperioremdezanos?nenhuma!menosnegrosnafaculdade que é igual a parcela de pobres.
Entãopodemosconcluirqueissoé umatodealienação.Quandonãooferecemosasmesmascondições
para aspessoastaiscomoacasa própriaporexemplo:porque opobre nãopodeterumacasapropria?
porque obviamente ganha menosque uma pessoa rica. Mas porque ela é rica? porquê as condições
sempre são favoraveis a eles. Além de uma estrutura, um sistema, literalmente montada para
beneficio da classe A. Desigualdade.
As mudanças propostas nada mais são aquelas já existentes mas a competência para coloca-las em
pratica é a questão. O mundo cada vez mais globalizado, com questões maiores que essa que
trouxemos a tona (sim! é questão antiga!) como sustentabilidade ou uma crise hidrica que abrange
um país inteiro,tratarde um asuntodessesé quase que insanoouseja,nãoera para existir.Mas está
ai,criandocada vezmaisespaçonoséculo21.De ummodogeral nossaopiniãose defineemmudança
e conscientizaçãode váriaspessoasmostrandoque é possivel incluir medidasde altopadrãode modo
que beneficiasse atodososbrasileiros.Issosebaseiaematossimplese começacomumsimplesgesto:
mostrar o papel do negro na sociedade. O papel dele é igual a papel de qualquer outra pessoa. Não
deveriahaveressaseparaçãomasissoé historico.Nósacreditamosemmudançae nofuturoseriaum
cenário perfeito se não houvesse mais desigualdade entre os povos, e que a alienação desta forma
negativa não influenciasse as pessoas. Devemos trabalhar para conseguir essa mudança. E todos
precisamserincluidos.Oque fazde você um serhumanodotado de sabedoria?aqueleque consegue
passar isso para frente. E isso só depende de nós. Concluimos que só assim poderemos exigir dos
nossos governantes, medidas de inclusão do negro. A pauta que todos querem que mude são
14
consequênciasde umpassadoque não foi tão bom há anos atrás. O que se esperaé que muitacoisa
que jáfoi feitae que estácomobase para que negrospossamterlugarde destaque comocombate ao
racismo velado seja mantido e aprimorado atrvés dos anos. A sociedade que também inclui o alto
escalão (que deveria sofrer as primeiras mudanças pois tivemoso recente caso do ministro joaquim
barbosaque sofreuracismoem seupropriotribunal) noqual,nãovemostantamudançaassim.Resta
saberse esse tipode inclusãovemde cimaparabaixoque emnossaopiniãoseriaocerto.Masdápara
aplicar isso de baixo para cima da piramide social sem problemas se não sofrermos barreiras. E se
sofrermos,precisaremosnovamente quebra-las.Omomentoé de reflexãoe todasas esferassociais.
O ser humanoestáemprimeirolugare devemosdeixarissoclaroparatodos.Muitos aindavivemem
estado alienado porque infelizmente não sabe seu papel, a história da sua cor, sua ideologia não é
levada a sério. Pensar deste jeito leva o ser humano a ser um ser alienado por outras ideias.
15
ReferênciasBibliográficas
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho
científico. Quatro ed. São Paulo: Atlas, 2007.
http://pesquisabibliografica.blogspot.com.br/2004/06/introduo.html#more.
Acessoem26 mai. 2014
BARROS, José D'Assunção. O conceito de Alienação no jovem Marx.pt. Tempo Social, revista de
sociologia da USP, v. 23, n. 1, p.223-245.
Lawrence E. Cohen; James R. Klugel and keneth C. Land. Disponivel em:
(1981) "Social Inequality and Predatory Criminal Victimization: An Exposition and Test of a Formal
Theory". American Sociological Review46 (5). DOI:10.2307/2094935. ISSN 00031224. Acesso em 05
Out. 2014
Heringer,Rosana.Mapeamentode Açõese Discursosde Combate asDesigualdadesRaciaisnoBrasil.
C. 23, P.291-324. Ano2001.
RIBEIRO, Costa Carlos Antonio. Estruturas de Classes e Mobilidade Social no Brasil.
Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 23, num. 66 p. 194-197. Ano 2008
http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/ibge-mostra-a-persistencia-de-dois-brasis
Grafico. Fonte IBGE.Ano 2010.
Orson Camargo. 2010. Disponível em:
http://www.brasilescola.com/sociologia/classes-sociais.htm. Acesso em 18 Out. 2014
OSÓRIO,R.GMobilidadesocialsobaperspectivadadistribuiçãode renda.2003.Dissertação(Mestrado
em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Universidade de Brasilia, Brasilia, 2003.
16
PIERSON, D. Brancos e Pretos na Bahia: estudo de contato racial. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, 1945. Pg 24
SOARES, Fábio Veras ET AL. Programas de transferência de renda no Brasil: impactos sobre
desigualdade. In: PAES DE BARROS, Ricardo; FOGUEL, Miguel Nathan; ULYSSEA, Gabriel(org.).
Desigualdade de renda no Brasil: uma analise da queda recente. V.8, P. 83-115. Ano 2006.
JACCOUD, Luciana; BEGHIN, Nathalie. Desigualdades raciais no Brasil: um balanço da intervenção
governamental. Brasilia: Ipea, Ano 2002.
WERNECK, Jurema. Iniquidades raciais em saúde e políticas de enfrentamento: as experiências de
Candá, EstadosUnidos,África do Sul e ReinoUnido.In: LOPES, F.(org.).Saude dapopulaçãonegra no
Brasil: contribuições para a promoção de equidade. Brasilia: Funasa/MS. Ano 2004.
Debord, Guy. A sociedade no espetáculo. cap, 7 p. 15. Ano 1967.
Hobsbawm, Eric J. A era das Revoluções (1848).
WEBER, Marx. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Ano 1920.
Feuerbach, Ludwig. A essência do cristianismo. cap 2,p.12. Ano 1841
Lima, A. Venício. A Grande Mídia e a Desigualdade Racial.
Dialogos de Perplexidade – Reflexões Críticas sobre a Mídia. p. 79-109. Ano 2009.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a As Estratégias de Alienação do Negro na Sociedade Brasileira

Neurocomunicando se
Neurocomunicando seNeurocomunicando se
Neurocomunicando se
Sergio Spritzer
 
Será que nos falta huma nidade.pdf
Será que nos falta huma       nidade.pdfSerá que nos falta huma       nidade.pdf
Será que nos falta huma nidade.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Será que nos falta humanidad e.pdf
Será que nos falta humanidad           e.pdfSerá que nos falta humanidad           e.pdf
Será que nos falta humanidad e.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Kele Santos
 
Workshop de Design Thinking - Chico Adelano
Workshop de Design Thinking - Chico AdelanoWorkshop de Design Thinking - Chico Adelano
Workshop de Design Thinking - Chico Adelano
Chico Adelano
 
Informativo de abril de 2012
Informativo de abril de 2012Informativo de abril de 2012
Informativo de abril de 2012
Norton Tavares
 
Minimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalho
Minimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalhoMinimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalho
Minimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalho
ThoughtWorks Brasil
 
DissertaçãO
DissertaçãODissertaçãO
DissertaçãO
ilk Sala4
 
Monografia Alone Pedagogia 2011
Monografia Alone Pedagogia 2011Monografia Alone Pedagogia 2011
Monografia Alone Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Andreia Campos
 
O racismo
O racismoO racismo
O racismo
osempenhados
 
Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2
Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2
Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2
Juliana Aguiar
 
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
LOCIMAR MASSALAI
 

Semelhante a As Estratégias de Alienação do Negro na Sociedade Brasileira (13)

Neurocomunicando se
Neurocomunicando seNeurocomunicando se
Neurocomunicando se
 
Será que nos falta huma nidade.pdf
Será que nos falta huma       nidade.pdfSerá que nos falta huma       nidade.pdf
Será que nos falta huma nidade.pdf
 
Será que nos falta humanidad e.pdf
Será que nos falta humanidad           e.pdfSerá que nos falta humanidad           e.pdf
Será que nos falta humanidad e.pdf
 
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
 
Workshop de Design Thinking - Chico Adelano
Workshop de Design Thinking - Chico AdelanoWorkshop de Design Thinking - Chico Adelano
Workshop de Design Thinking - Chico Adelano
 
Informativo de abril de 2012
Informativo de abril de 2012Informativo de abril de 2012
Informativo de abril de 2012
 
Minimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalho
Minimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalhoMinimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalho
Minimanual do respeito e da diversidade no ambiente de trabalho
 
DissertaçãO
DissertaçãODissertaçãO
DissertaçãO
 
Monografia Alone Pedagogia 2011
Monografia Alone Pedagogia 2011Monografia Alone Pedagogia 2011
Monografia Alone Pedagogia 2011
 
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem
 
O racismo
O racismoO racismo
O racismo
 
Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2
Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2
Feedback rede social_proposta_diagnostico_instrugen_2016_2
 
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
ENTRE TRAMAS E DRAMAS: o fazer, o pensar e o sentir de Assistentes Sociais e ...
 

Mais de Ricardo Rocha

Ohio University - Marketing Executive Program
Ohio University - Marketing Executive ProgramOhio University - Marketing Executive Program
Ohio University - Marketing Executive Program
Ricardo Rocha
 
Ohio University - Business English
Ohio University - Business EnglishOhio University - Business English
Ohio University - Business English
Ricardo Rocha
 
Economia Étnica
Economia ÉtnicaEconomia Étnica
Economia Étnica
Ricardo Rocha
 
PróLíder 2018
PróLíder 2018PróLíder 2018
PróLíder 2018
Ricardo Rocha
 
Governo Aberto nas Mídias Sociais
Governo Aberto nas Mídias SociaisGoverno Aberto nas Mídias Sociais
Governo Aberto nas Mídias Sociais
Ricardo Rocha
 
YLAI Courses
YLAI CoursesYLAI Courses
YLAI Courses
Ricardo Rocha
 
Branded content
Branded contentBranded content
Branded content
Ricardo Rocha
 

Mais de Ricardo Rocha (7)

Ohio University - Marketing Executive Program
Ohio University - Marketing Executive ProgramOhio University - Marketing Executive Program
Ohio University - Marketing Executive Program
 
Ohio University - Business English
Ohio University - Business EnglishOhio University - Business English
Ohio University - Business English
 
Economia Étnica
Economia ÉtnicaEconomia Étnica
Economia Étnica
 
PróLíder 2018
PróLíder 2018PróLíder 2018
PróLíder 2018
 
Governo Aberto nas Mídias Sociais
Governo Aberto nas Mídias SociaisGoverno Aberto nas Mídias Sociais
Governo Aberto nas Mídias Sociais
 
YLAI Courses
YLAI CoursesYLAI Courses
YLAI Courses
 
Branded content
Branded contentBranded content
Branded content
 

Último

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 

As Estratégias de Alienação do Negro na Sociedade Brasileira

  • 1. As Estratégias de Alienação do Negro na Sociedade Brasileira Ricardo Henrique Rocha (Faculdade Zumbi dos Palmares) reec.ric@gmail.com Thiago Pereira Ribeiro (Faculdade Zumbi dos Palmares) thigzn@hotmail.com Renan de Moraes (Faculdade Zumbi dos Palmares) renan_1830@hotmail.com Ulisses Mormile (Faculdade Zumbi dos Palmares) ulisses.mormile@ig.com.br
  • 2. São Paulo 2014 Ricardo Henrique Rocha Thiago Pereira Ribeiro Renan de Moraes
  • 3. As Estratégias de Alienação do Negro na Sociedade Brasileira Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Zumbi dos Palmares como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Administração. São Paulo
  • 5. Dedicamos esse trabalho aos nossos pais por terem acreditado na gente.
  • 7. Agradecemos a deus pela existência, força e capacidade que tem nos concedido e aos professores pela paciência que tiveram durante esses quatro anos.
  • 8. “O nosso sucesso nasce de nossas falhas.” Chris Galvin
  • 9. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ..................................................................................................1 - 3 2. REFERENCIAL TEÓRICO ..............................................................................3 - 4 3. DESENVOLVIMENTO ..................................................................................... 4 3.1 AOS PÉS DA OPORTUNIDADE ......................................................................4 - 5 3.2 O PAÍS AJUDANDO.......................................................................................5 - 6 4. DESIGUALDADE PRA QUEM ? .....................................................................7 - 9 5. O LADO OBSCURO DA ALIENAÇÃO............................................................9 - 11 6. CONCLUSÕES ............................................................................................11 - 13 6.1 ANÁLISE DE RESULTADOS.......................................................................11 - 13 6.2 CONSIDERAÇÕES FINAIS .........................................................................13 - 14 Referências Bibliográficas ........................................................................................ 15 - 16
  • 10. Resumo: A sociedade vive um dilema que jamais foi quebrado e ainda transparece até hoje: O preconceito.Osanosse passarame a situaçãoaindanão mudou.Aspessoaspreferemabafaro assunto e se deixarem levar pela ignorância de conviver com pessoas que, na visão de alguns são diferentes porém todos são iguais.Esse trabalho irá analisar dentro do contexto do tripé: Alienação –Cujoprocessode diminuiçãodacapacidade de agiroupensarde qualquerindivíduo que seja alienado; Oportunidade – Identificação de pessoas da raça negra que ascenderam e hoje conquistaram lugares de destaque na sociedade (mesmo ainda sendo a minoria) e por último,Desigualdade - Processofeitoondeháextremavantagemde umgrupo,classeoucírculo social sobre os outros. As vantagens de relacionar, analisar e explicar o tripé dentro do tema ajudará na compreensão de um processo que se arrasta durante décadas. Palavras chave: Desigualdade, Oportunidade, Alienação, Preconceito. Abstract The societylivesadilemmathatwasneverbrokenandstill shinestoday:Preconception.The yearspassedandthe situationhasnot yetchanged.People prefertosmotheritandget caught
  • 11. up bythe ignorance of people wholivewiththe visionof some are different, butall are equal. Thispaperwill analyze withinthe contextof the tripod:Alienation - whose processdecreased ability toact or thinkof anyindividual whoisalienated;Opportunity - identification of black people whohave risenandtodaywonprominentplacesinsociety(evenstillthe minority) and finally,inequality - Case made where there isextremeadvantage of a group,classor social circle overothers.The advantagestorelate,analyze andexplainthe tripodinside hashelpin understandingaprocessthatdrags on fordecades. Key words: Inequality, Opportunity, Alienation, Preconception
  • 12. 1 Introdução Milharesde pessoassobrevivem emcondiçõesde submissão,sem saberrealmenteoporquê disto.O conceitode racismo,não somente determinacomotambémsegregaouexclui umadeterminada pessoa.Este tipode dominaçãopode influenciarconstantemente umapessoae tambémdeclarar este serhumanocomo umser predestinadoaseguirouviver umestilode vida. Issonos remete aentendercertasdecisõesacatadasporuma ou nação, que automaticamente tende a perdersuasculturas ouraízes hereditáriasquandosãoforçadamentemanipuladasaceitamo modo de vidasementenderoporquê ouprocurar uma explicaçãoconcreta. No Brasil, temosinúmerascontradiçõese evidenciasde controvérsiashistóricas.Umapopulaçãoque temmaisde 50% do país pertencentesaraça negra,não tema mínima noçãohistórica ou sensatado porque estáa maisde 500 anos depoisdoseudescobrimentovivendoemcondiçõesde preconceito. Entretanto,a alienaçãose utilizade váriastáticas,paraque os negrosbrasileirospermaneçamde certa formacalados,ocultose despretensiosos emquestõesde metase sonhosentre outrascoisas. Esta significativatáticade domíniodapopulaçãonegrase torna eficazparaa conclusãode uma apuração ideológicacolocadanonossotema“As Estratégiasde AlienaçãodoNegronaSociedade Brasileira”.Face aoexposto,este trabalhotemcomoobjetivoressaltare explicaroporquê dotermo alienaçãoestarpresente emnossasvidas.Comasociedade estáalienadae comoosnegrosestá enfrentandoisso. Sendo assim através deste artigo pretende-se responder a seguinte pergunta: Comopoderemosviveremsociedadesendoque aprópriasociedadese aliena?e comoficaa questão do preconceito no Brasil sabendo que ele é oculto a milhares de brasileiros? Acredita-se que as principaiscausas da alienação seja a necessidade do ser humano Uma vez que as pessoas precisam conseguir o status desejado para se enquadrar na sociedade, cada vez mais as pessoasquerempassarpor cima das outras. A ajudaque antesvinhada simplicidade e compaixãoao próximonãose temmais hoje emdia.Então, domina-se outraspessoas parase conseguiralgo.E isso pode ser feitoatravésde várias formas.Oportunidade nãodadas as pessoasé uma delas.E issovem sendo destaque pois, aplicada a minoria (maioria negra porém minoria desigual) negra se torna estrategicamente uma forma de domínio por outras pessoas. Já o preconceito ocultocomo vemos é mais uma forma de alienação. Talvez a mais visível por todos. Dominar as pessoas citando que as mesmas não podem ter acesso, educação, conseguir várias coisas por causa de sua cor. Quando falamosocultoqueremosdizerque,noBrasil (Incrívelque pareçase dizopaíssempreconceitocontra a raça negra) issose espalha“ocultamente”.Aspessoasnãopercebemmas,esse detalhe contradizo
  • 13. 2 fato do que o País representa. Se realmente não existe preconceitoneste país porque vemosvários casos nas mídias e na sociedade em geral? Explicamos a partir daí o termo oculto. Este é um trabalho sobre as estratégias de alenação do negro na sociedade brasileira. Estamos evidenciandoestratégiase quaisos rumosnossopaís esta levando,porque aindapraticamosissoem todososcantos deste país.Este temafoi escolhidopoisesteassuntoé de sumaimportancia,vistoque a hoje emdiaa populaçãonegrae a sociedade estátotalmentealienada.Enãosabemoporque disto. É preciso repensar sobre esse tema e ter a certeza de que um país como o Brasil pode ter igualdade seja por cor, raça, religião etc. A metodologiadotrabalhoserádescritiva,combase de estudode casoe pesquisasbibliográficas para elaboração do referencial teorico. Segundo os autores Marconi e Lakastos (2007) “ pesquisa bibliografica são todos os processos que envolvemosprimeirosfatossendoelesveridicosounão,mas sendoproveitosospara utilizarmosem umaformade pesquisacientifica.”Podemosencontraremarquivosde utilidade públicaoude utilidade particular.Nelapode terfontesque podemsernãoescritascomoé ocasode fotografias,pinturasetc. PesquisaBibliográficanadamaisé doque todoolevantamentode bibliográficasquejáforamutilizadas anteriormente.Podemtersidospublicadasdeváriasformascomolivrose revistassendoque,oslivros são os mais procurados pois temos fácil acesso a eles em bibliotécas e de sua maioria são gratuitos. Até os que não são gratuitos te seu valor baixo tendo um custo beneficio bem razoável para o estudante.Asrevistassãobemdivulgadas.Porcontadasuadivulgaçãopodemosterfacilacessoaelas também.Suafinalidadeé fazercomque opesquisadortenhafacilacessoaomateriale entrede cabeça na pesquisa. O pesquiador pode fazer sua pesquisa ao seu modo porém auxiliado de suas ideias. Se algumacoisavingardissoelepoderecorreraoutrosmateriaisparaauxilio.Assimapesquisapodeficar mais interessante e o pesquisador fica mais a vontade com o seu desenvolvimento. Sendo essa o primeiro grande passo para a pesquisa cientifica. A pesquisa bibliográfica tem como objetivo ser o grande passo para construirmos uma especie de orientação padronizadade investigaçãoouseja,apósa escolhade umassunto,precisamosfazeruma revisãobibliograficadotemaque estamosapontando.Tudoissonosajudade algumaformanaescolha de um método que melhor atende as nossas expecttivas e também nos traz um conhecimento das vertentes que temos para autenticar a nossa pesquisa. Nós escolhemos esse método de estudo de caso porque, segundo Yin (2005), “ a forma de se fazer pesquisa cujo padrão seja investigativo devido a fatos que extraimos da vida real.” Tudo pode acontecerdentrodessecontextoouseja,podemosterumavisãomaisclarae concisatrazendoanossa pesquisa referencia em verdades tonando a mesma mais proveitosa de se fazer.
  • 14. 3 Temoscomodefiniçãooestudode casosendoumtipode pesquisaondepodemosanalisaromaximos de dados que tivermos a nossa disposição. Em vários cenários em várias situações podemos extrair essesdados,paratermosuma noçãodo contextocomoum todoe da situaçãovivida.Podem,é claro, servir de base para outras pesquisas futuras. O intuito deste estudo é estimular o entendimentoe sugerir possibilidades e questionamentos para que se possa desenvolver a pesquisa mais tranquilamente.Podemosesclarecerassimumaouumconjuntode decisõestomadase mostrara sua implementação e os resultados que conseguimos alcançar. 1. Referencial Teórico SegundoBarros (2009) “A alienaçãotrata-se do mistériode serou não ser,pois uma pessoaalienada carece de si mesmo,tornando-sesuapróprianegação.Alienação refere-seàdiminuiçãodacapacidade dosindivíduosempensaremagirporsi próprios.”Logo,oautordeixaclaroque adominaçãode outras pessoaspor causa de um propósitopessoal já mostra que é precisopensar sobre esse conceito.Isso já nos acompanha a muito tempo e desde o tempo da escravidão. Isso – a alienação – serviu de desculpaparaque a raça negrapudesse serdominada.Váriosartigosjáfalamsobreisso.Quandouma pessoa é alienada, o processo é feito em várias formas tais como: a) diminuição da capacidade do individuoque estásendoalienadoempensar.Emacreditarque ele consegue.Que elepode simfazer a diferença no mundo. Isso é tirado das pessoas que são dominadas. Talvez a principal arma dos dominadores porque agindo assim a pessoa que está sendo alienda não encontra mais forças para conseguirlevaravidaque levavaantes.Umaverdadeiralavagemcerebral.Issofoi umdosfatoresque levaramaescravidãonoBrasil.b) OProcessomandatório.Esseprocessoé aconsequenciadoprocesso já citado acima. Depoisque o alienadojá entraem estadode negação de si próprio,a pessoarecebe ordenssubliminarmente oudireta,jáque,paraelatanto faz.Ela não se importamaiscom elamesma e, se o alienador mostrar outro caminho para o alienado a probabilidade do alienado aceitar esse caminho (considerando que o alienado não tem “mais nada a perder”) é muito grande. Esses são apenas dois processos dos vários existentes.
  • 15. 4 Para Raygadas (2004), “A desigualdade é estruturadanasdistinçõessociaise culturais.Tambémpode serdefinidocomoadivisãode tarefas,postosdetrabalhoe profissões.A sociedadenãotem igualdade. Há uma grande diferençaentre acessoà educação e cultura,particularmente nasesferaseconômica, política e educacional.” Isso se mostra bem claro aos olhos de um país onde a desigualdade reina totalmente. Em um governo onde as pessoas não são tratadas igualmente, o conceito acima deixa claro a várias areas em que o Brasil se mostra totalmente despreparado. E por que isso? muito provavelmente para o favorecimentodos mais ricos. O autor revela também que existe distinções sociais e culturais. Existe porque, dentro do contexto de desigualdade, o social não pode se misturar com ocultural porque asvezesquemganhaculturasãoaspessoasque sãofavorecidascombenefícios e outros aspectos que tange a desigualdade (um ganha menos e outro ganha mais). É interessante salientarque ofator“ganhar” não é só financeiramente massimabordandooutrosconceitos.Divisão de trabalhose oportunidadestambémsustentamesse conceitoe oacessoàeducação.Para fazermos a amarração desse conceitobase voltamosasatençõesde desigualdade e apontamosduasvertentes importantes:Desigualdade social- segundoCohen(1981) – “onde sociedadesnãopartilhamomesmo objetivo em vários aspectos” e desigualdade racial – Heringer (2001) – “que aponta a dificuldade de inserçãodo negro na sociedade fazendodelaumasociedade totalmente desigual de raça, de cultura entre outrascoisas.”Certode nossosatos,hojeoBrasil se mostratotalmentedesigualemváriasáreas. O que não conseguimos entender é o porquê da postura desigual. Seria interessante para quem promove a desigualdade que continue assim? o cenário se mostra totalmente a favor. Seguindoa linhade raciocínio de Costa Ribeiro(2008) falarsobre oportunidade neste contextoé um pouco difícil.“A desigualdade de oportunidade paraessesindivíduospobresdepende principalmente de sua origemde classe.”Comoexplanabemoautor,asclassessuperioresmaisfavorecidasnoBrasil. Juntandocom a questãoda cor isso ficaainda mais visível. Essacaracterística fica bemclara quando jovens negros precisamde mais oportunidades de trabalho e as vezes por conta da cor acaba sendo um pontonegativoemprocessos.Issoé simplesde constatarhaja vistaas grandesempresasque,no seuquadrode funcionáriosemsuagrande maioriasãobrancos.A questãonãoé a sóa cor da pele.Os negroscarregam issodesde os temposde escravidão.A questãoé a igualdade entre todosos serese issotambémcondizcomoportunidadeiguais.Oautortambémdeixaclaroque afaltade oportunidade de trabalho,de estudo,estáligadadiretamenteadesigualdade racial e queacabandocomissoelimina inclusive essa questão que aqui colocamos: a falta de oportunidade. 2. Desenvolvimento 3.1 Aos pés da oportunidade Lima (2009) dizque “O Brasil de 2009 é, certamente,outropaísdepoisdoperíodode escravidão. Apesardisso,“osnegroscontinuamemsituaçãode desigualdade,ocupandoasfunções menos qualificadasnomercadode trabalho,semacessoàsterras ancestralmenteocupadasnocampo,e na condiçãode maioresagentese vítimasda violêncianasperiferiasdasgrandescidades”. Oautorfaz
  • 16. 5 uma comparação com o períodode escravidãoe o Brasil até o ano de 2009. Ele deixaclaroque algunsfatosaindanão mudarammesmopassandomuitotempo.A visãoque se temde mudança foi a mesmavisãode que tudo seriamelhorpósliberdadedosescravos.Issopode parecerestranhomas emcontrapartida,mesmo osescravosganhandoa liberdade,aoportunidadede mudarde vidasófoi sendoconcedidaaospoucos.Atualmenteexiste váriasmaneirasde se crescernavida.O contextode sociedade estámaisamplo.Aspessoasse ajudame se importammaiscomo alheio.Issonãotinha no passado.Até que pontoa oportunidade pode chegarapopulaçãonegrae pobres?váriosfatores influenciamemumaresposta.Vamosaelas: 3.2 O País Ajudando: No País da “Diversidade”váriascaracterísticasque vivenciamosaolongododianos deixamclaroque estamosbematrás de outrospaísesmais desenvolvidos.Issonãotirao fato de que,empaíses desenvolvidosnãoexistamracismofaltade oportunidadeparaas pessoasmaispobresmaso Brasil se destaca pelafaltade desigualdade.Fatosque acimade tudo,transparecemverdade e nosdeixam confusossobre quemsomose o que queremos.Comopodemosajudarunsaosoutrossendoque váriosfatoresinfluenciamessadecisão?Podemosresponderfacilmente.Umadasideiasé a realizaçãode medidaspara que a desigualdadesejareduzida.Aproximandoopobre de uma realidade que ele jamaissonhoue é direitodoestadogarantirisso.Maso próprionão faz.Não é interessanteparaeles.Queremopovoalienadoosuficiente e que escutamordense asexecute. SegundoCamargo(2010) “O conceitode desigualdade social é umguarda-chuvaque compreende diversostiposde desigualdades,desdedesigualdade de oportunidade,resultado,etc.,até desigualdadede escolaridade,de renda,de gênero,etc.De modogeral,adesigualdadeeconômica– a mais conhecida–é chamada imprecisamente de desigualdadesocial,dadapeladistribuição desigual de renda.NoBrasil,adesigualdadesocial temsidoumcartãode visitaparao mundo,poisé um dospaísesmais desiguais.SegundodadosdaONU,em2005 o Brasil era a 8º nação maisdesigual do mundo.Oíndice Gini,que mede a desigualdade de renda,divulgouem2009 que a do Brasil caiu de 0,58 para 0,52 (quantomaispróximode 1, maiora desigualdade),porémestáaindamais gritante.”OAutor deixaclaroa existênciasde váriostiposde desigualdade e grande maioriadesses tiposatingemonossopaís. Um dos paísesmaisdesiguaisdomundonãomantéma paridade entre as classessociaise tambémnãoestabelece reformaspolíticasnecessárias paraque o brasileirode baixa rendaconsigaperceberque de fatosua vidaestámudando.Abordandoadesigualdadede oportunidade,osbrasileirosque nãoconseguemboasoportunidadesde empregoe educação, acessoà cultura,ficam totalmente àmercê dasclassessociaisque detémamaioriadarenda.Logo a mesmaclasse pode desfrutardosmelhoressaláriosporque possui cultura,educaçãoe oportunidade. Se tivéssemosachance de concederoportunidade igualparatodoso país não estariadesse jeito.A palavradesigualdadetalveznãose aplicariaaonossopaís.Isso eraimpostodesde osescravos.Nos deparamostambémcomum detalhe muitoimportante:amaioriadapopulaçãopobre brasileirasão negros.Issose prova na estatística;
  • 17. 6 A maiormédiasalarial dosnegrosestána regiãocentrooeste.Osdadosmostramuma realidade impostaa muitosanos.Condiçãocujoos fatorescomodesigualdade porexemploafetame muito nestamédia.
  • 18. 7 4. Desigualdade pra quem ? “No momentodaabolição,foramsupridasas barreirasformaisque a escravidãoofereciaà competiçãodosnegroscom osbrancos pelasposiçõessociais.Masquandoos portõesforamabertos e se facultaaos negroso ingressonacorrida,os brancosjá estãoquilômetrosadiante.Essaé a condiçãoinicial.Paraque osnegrossuperemadesvantagemimpostaporela,é precisoque,acada geração,percorram umadistanciamaiordo que a percorridapelosbrancos.Se não conseguemfazê- lo,a desigualdade racial existentenomomentodaaberturadosportõespersiste.”(Osório2003). SegundoOsórioadesigualdaderacial começa,e vema tona nomomentoemque oficialmente e por lei a libertaçãodosescravosnoBrasil em 13 de Maio de 1888, que seriapara inserirosnegrosna sociedade e se tornarum paishomogêneoe sem“desigualdadeentre asraças e classes”.Porémhá muitascontroversasnestahistoriade “fimde desigualdade”,pelofatode que a aboliçãoda escravaturadobrouos fatoresdesiguaisentreosnegrosque eramescravose os brancosem todosos sentidossociais. Começandopelotrabalho,comofimda escravidãoosnegrospara viverteriamque trabalhare ter seusdireitosigualitáriosade um cidadãobrasileiro,masque pessoa(branco) ousava,oumelhor, confiavaemcontratar um negropara trabalharem seuestabelecimento,comercio,industriaou qualqueratividadedomercadode trabalhona época?Pouquíssimos,poisosnegrosnãoeramvisto com “bonsolhos”,não tinhamestudo,tinhamculturase fé diferentes.Tudoissocontribuiuparaeles estaremmaisdistantesdosbrancos. “O negrode cor maisescura parece sero que emergiumaisrecentementedaescravidãoe porisso ocupa aindaos degrausmaisbaixosdavidaeconômicae social,sofrendocommaisintensidade o preconceitode classe”(PIERSON 1945). O autor reflete nospensamentosde Osório2008, poisfala- se da dificuldadesemque onegroencontrapelafrente nasociedade,naqual se encontravaperdido nos degraussóciais e economicasdavida,daí entãoconcretizandoumpreconceitode classes,na qual os negrossempre estiveramnamaisbaixadelas,mesmotendosuasqualidadese aptidões individuaispodendocompetirde formaigualitáriacomosbrancos, osnegrossempre ficarammuito atrás, por seremde umaclasse excluídae de etnianegra,e porser províncias da escravidão. “É fatoconhecidonopanoramadas desigualdadesbrasileirasque háumadesigualdaderacial considerável nopaís.Pretose pardos,doravante denominadosnegros,têmmenosque ametade da rendadomiciliarpercapitade brancos.Trata-se de umadesigualdadeparticularmentedetestável dado que,comotemsidodestacadoeminúmerosestudos,parte significativadelanãoé atribuível a nenhumamedidade méritoouesforço,sendopuramente resultadode descriminaçõespassadasou presentes.”( SOARES 2007) O autor dizque ao contrarioda épocada aboliçãoque de certa forma não havia“desigualdade”,poisosnegrosnãotinhamcomo que competircom osbrancos, masnas atualidadesé umadesigualdade muitoconsiderável,masonde osnegrosjáestãobrigandopor
  • 19. 8 espaçona sociedade e nomercadode trabalho,mesmonãosendovalorizadosde formaigual perante a méritosouesforços,ouaté mesmoestudos. “Contudo,nosúltimosanos,umatendenciapositivavemsendoobservada:adesigualdade racial, medidapelarazãode rendasentre brancose negros,estácaindo.O gráficoI mostraa razão entre as rendasdomiciliarespercapitade brancose negros,parao períodode 20 anos (1987-2007), durante o qual a PNADcoletouinformaçõessobre cor/raçapara todaa amostra.O gráficomostra claramente que após oscilardurante doze anosemtorno de 2,4 , esse indicadorde desigualdade racial começou a cair após 2001.Em 2007, essatendênciacontinuoue arazão de rendaschegoua 2,06. Ouseja,a populaçãobranca aindavive comum poucomaisque o dobro da rendadisponível,namédia,paraa populaçãonegra.Noentanto,a tendênciarecente temsidode diminuiçãodessadiferença” (SOARES 2007) SegundoSoares,ograude evoluçãodosnegrosvematodo o vapore muitotrabalhopara tentarchegar ao pontoque não possahaverdiferenças,até ostemposatuaiselessubirammuitos degraus,muitasdificuldadesmasjátiveramumaevoluçãomonstruosaemcomparaçãoaos tempos da abolição,porémemcomparaçãopara chegarmosna mesmalinhadosbrancos faltaum pouco maisque a metade,masa tendênciaé essa,atravésde informação,educaçãoe estudososnegros estãono caminhocerto,hoje temosEmpresários,diretores,gerentesnegrosemdiversossegmentos, mas aindao que prevalece sãooscargos baixoscomofaxineiro,lixeiroe etc,poisnãoforamtodos os negrosque seguiramamesmalinhade idéias,masnemtodaspor escolha,maspor faltade opção, porque a base do trabalhohoje é o estudo,é o aprendizado,é informação.Eiratrás dissodificulta quandotemque ir atrás comida,roupa e um tetopara se abrigar,alimentarsuafamília.Uns conseguiramoutrosaindanão,mas estaporcentagemsóvemcrescendocomo tempoe dedicação dos negrosque vemquebrandobarreirase classes,mostrandoque a pigmentaçãode suapele nãoé capaz de aumentarou diminuirseuK.Ioucapacidade paraexecutarqualquercargoou funçãode um branco,isto nostemposatuaisde uma formacamufladajá é mostravae provada,mas não oficializada,porbairros,escolase ainda háuma hierarquiaeconômicagrande emque osnegros estãoinferioresaosbrancos. “Compreendendoasdesigualdadesraciaiscomoprodutode umamploe complexoprocessode reproduçãode iniqüidadese de hierarquiassociais,seuenfrentamentonãodeve ficar restritoa açõesque possamser implementadasporumnúcleoespecificodaação publica.Oreconhecimento da desigualdaderacial e danecessidade de seuenfrentamento,assimcomodaeliminaçãodo preconceitoe dadiscriminaçãoraciaispressupõeoreconhecimentode que esse problemaperpassa os maisdiferentesespaçosdavidasocial.”(JACCOUD2002). Jacooudcompara a desigualdade comumprodutoque ambostemum ciclo,umpropósito,um públicoalvonocaso no caso do produto,e quandoé estabelecidooseué ali que ele fica,ali que ele permanece,nãotemopçãode mudança, de regredirouprosseguir,e é assimque osnegrosforam jogadospeladesigualdade,inseridosnabase maisbaixada pirâmide hierárquica.Partindodeste principioque houve aconfiançae capacidade de enfrentareste principioque nãoeraengolidoe nem acomodadopara os negrosna sociedade.Desigualdade,preconceitoe discriminaçãoaçõespúblicas que se tornam visível paraa vidasocial,e camufladapara a populaçãonegraem seuespaçosocial. “[...] a incapacidade coletivade umaorganizaçãoemproverum serviçoapropriadoouprofissional as pessoasdevidoasuacor, cultura ouorigemracial/étnica.[...]Elepode servistooudetectadoem processos,atitudese comportamentosque contribuemparaa discriminaçãopormeiode
  • 20. 9 preconceitonãointencional,ignorância,desatençãoe estereótiposracistasque prejudicam determinadosgruposraciais/étnicos,sejamelesminoriasounão”(WERNECK2004) Segundo Werneckestametodologiasocial “anti-negra”jáé inseridanaspolíticassociaisdonossopais,pois quandoé medidoesforçosoucapacidadespelasuaetnia,culturae etc.Independente doâmbito intencional ounão,asociedade (branca) jánasce e é estruturadaemuma classe a qual os negros “não temvez”,não podemfazerparte do mesmogrupo,damesmaclasse,domesmopatamar social, cultural e econômico.Uma intelectualidadedosbrancosa se julgaremsuperiorespeladiferençade pigmentoemsuapele. E dessaforma elesvãolevandoemtodososquesitosde sociedade,naeducaçãopúblicaé o exemplo maisclaro onde se temdesigualdade,poisquandose olhaonível daeducação públicaé muitobaixo e de péssimaqualidadeemquestãode formaçãoaté o2° grau. Poréma maiscontrovérsiasãoas universidades publicasparaformaçãodoensinosuperior,tidascomosimplesmente asmelhoresem questãode qualidade e consideradasde médioe altonível,sóque sótemacessoquemrecebeue/ou buscoboas formaçõese um ensinode qualidade.Que nocasoas classesa cima,os que tiveram acessoa escolaparticulares.SIM,há exceções,maspouquíssimas.Ascotasvieramparainseriro negroemum lugar que nãoé dele de habitatnatural,nãotemidentidade,nãohácomo se misturar. São doismundosdiferentes,masque estãolutandoparaserum só. 5. O Lado Obscuro da Alienação No século21 temosdiversasformasde entendermosahistóriade maneirageral.Issotemnos comprometidohárealizarmosumaserie de pesquisasnabuscade concretizarfatosatuaise conseguirassimexemplificarmosaatual situaçãode determinadospovos e classesoutribos,fatoé que hereditariamente,sabemosque opovojudeuaté hoje é consideradoumpovoricosoberano devidoaosconteúdosbíblicos.Trataremestaquestãode formanatural partindodoprincipiode um determinadogrupoque possivelmenteforamabençoadospordeus e poresse motivopossui grande parte da riquezaou habilidadeparatratar de negócios. SegundoDebord(1967) “existe umaalienação mundial sociale racial que impõe,determinae valorizaumcerto tipode ser humanoouraça.” Aoanalisaro espetáculo, fala-se emcertamedidaa próprialinguagem,Deborddizque “esta alienaçãorecíprocaé a essênciae osustento da sociedade existente”pode se dizerque estacitaçãonada masé do que uma atualização do mundoatual no qual vivemos.Este mundo é tãocapitalistaque de umaforma supostamente moderada,ensinaque cadaserhumanopossui umafunção na terra,porémalgunsmaisprivilegiados do que outros. Ao analisarestafrase de Debordficouesclarecidogrande parte dasduvidasdomundoatual, das nações de grande porte e estabilidade e que simplesmente utilizaramalgunsoutrospovospara colonizaçãoe exploração,intensificandoseulegadoe suasoberania.
  • 21. 10 De fatoissose resume na sociedade atual tendoemvistaque todospaísesdependemde sua economiainternaparaseudesenvolvimentoe expansão,sendoassimficaregistradaumaincógnita pertinente neste artigo: comoumanação,tribo ouraça pode competir de certaforma coodernar seusprópriospassossendoque odesejosde metascomumaeconomiaque supostamentedepende de tomadas de decisões de seuscolonizadoresouexploradores? SegundoHobsbawm,“Tanto,utilizaram-secomofonte históricaalgunsaspectosimportantesda Sociedade modernae discute aideiade alienaçãoque emergiu, pormeiode doisexpoentesdo pensamentosociológicocontemporâneo: Delineou-seocenárioemque se desenvolveuoprocesso de alienaçãodohomemna sociedade moderna.” Conclui-se que anadamaissomosdo que uma sociedade antigaque mesmoapósavançostemos aindasequelas e marcasde um passadosombrioe de umahegemoniaintensaaté osdiasde hoje. Issose reflete emcargos,posiçõesestruturas e basesfamiliarese financeiras. Em todosos campos de uma sociedade acarretandoemconsequênciasinadequadase propositaisde uma maioria. A influenciaé tãoseveraque jovensnegrosde todasasperiferiasdosestadosbrasileirosnão conseguemse imaginaremumavidacom melhorescondiçõesfuturas e issose deve aomundono qual essaspessoassempre estiverampresentesem umuniversoparaleloamargemda sociedade, particularmente euentendoque pessoasnegrasnãosãovistasouvidasoumuitomenosnotadasno Brasil até porque grande parte desta populaçãonãosabe, nãose vê e nãose assume comonegra, issose deve ao processode alienaçãoe imposiçãonoqual fomoscolocadosouimpostoscomo decorrerdo tempo. O termomoreno,a miscigenaçãoforçadanosanos40 com a vindadoimigranteseuropeusexpulsos de seuspaíses,para tentar embranquecernossopais, se esconde atrásde um cenáriode pobrezae misériaalémdabaixaestimaintroduzidanestapopulaçãoescravizada. SegundoWEBER (1920) discute bastante essasituação,poisos“indivíduospensamque otrabalhoé uma atividade acimade tudoe todos,e que elespossuemodeverde servirooutro.Comodiznosso sociólogo,aforça de trabalhoserá o ápice para a alienaçãodosoutrosindivíduos,poiscadaum desempenharáaquiloque conseguiremdianteumsistema que lhesoprimiráotempotodo,porisso o sistemacapitalistadivide osindivíduosemduasclassesdiferentes,onde umairáservire a outra irá desempenharopapel apenasde lucrarsempre semse importarcom os interessesdosoutros.” Essa abordagemde Marx traduz a realidade docontinenteafricanoe dorestante dasnaçõesnas quaisseuspovosestãosituados. Tratando deste universoáfricatemosumaanalise autocritica,porque muitose falasobre este povo se a percepçãode suahistoriapois existempaísesafricanosque foramexploradossemqualquer explicação. Se tiramoscomo base grande parte dospaísesque foram colonizadosouque supostamente foram descobertos,logodescobrimosque estespaíses até entãonãotinhamreinados ouumademocracia estabelecida, masnocaso de paísesafricanosvemosexatamenteocontrario,paísesque até então
  • 22. 11 tinhamseusreinadose monarquiasdefinidasforamobrigadosase auto submeteremhápaísesque obtiveramumaautonomiamaiordaigrejae de umpoderbélicoe religioso. SegundoFeuerbach(1841) “A religiãoé umaformade alienaçãoque projetaosconceitosdoideal humanoemum sersupremo”, entende-seque nãosósistemacapitalistamas areligiãonãosó contribui comotambémauxiliaalgunsgenocídiosalémde favorecerestadose reinadoscolocandoa populaçãosempre emsegundoplanofavorecendooenriquecimentode umaminoriaparaque uma maioriacontinue produzindoopoder. Estaquestãomurmuraaté ostemposatuaisclaramente se notarmosas guerrasconvencionaisentre ooriente médioe oocidente,aturbulênciaque assolaos paísesque se segregaramde grandespotencias,issotudotendeadirecionarpordoisfatoresclarose relevantesoiniciodestasnaçõese adivergênciade religiosidade. Este processode alienaçãonada maisé do que umplanoestratégicoe para a integradominaçãoe alienaçãode umpovo. 6. Conclusões 6.1 Análise de Resultados Ao decorrerdotrabalhovimos as condiçõesque onegrose encontrana atual sociedade.A alienação deixaclaroas condições que vivemos,de puradesigualdade e faltade oportunidade.Tivemosavisão que a sociedade tambémnãosabe lidarcoma situação.Oproblemaestáinseridodentroda sociedade onde permanence ocultoaté hoje.De nadaadiantaapresentaressadurarealidade coma faltade novosdesafiosparaenfrentare diminuiroimpactosobre aspessoasmaispobrese de cor. Retrato antigo de um cenário atual O que mudou?
  • 23. 12 Em 2014 já são grandesas mudançasentre o cenárioque apresentamosde anosatrascom o atual.A sociedade,apesardadesiguladade aindapersistir,játemomolde dasmudançasque foram feitas atravésdos anos.Oportunidadesestãosendoconcedidasaquemantesnuncapode tentar; Igualdade emcondiçoesde trabalhoe educação;vozativae espaçona sociedade paraexporsuas ideiasentre outros.Aindanãoé o suficiente masjáé um avanço enorme. Por que mudou? Graças a medidascomo:  Lei que Pune o Racismo: A Medida de número 7.716 de 1989 que virou lei e que fez milhões de pessoas refletirem a questão até os dias atuais: Qual a diferença de negros e brancos a não ser a cor da pele ? e chegaram a seguinte resposta: Literalmente nada. Infelizmente tiveram que punir essas pessoas que insistem em “errar a resposta” da pergunta. Mas felizmente para muitos de nós, foi a medida que encontramos para tentarmos nos igualar ao resto dos seres humanos.  Igualdade na educação e trabalho: Condiçoes para impor a iguadade entre negros e brancos como:  Cotas, que ajudaram muitos negros a entrar na faculdade. Para muitos o discurso de “não precisa! todos nós não somos iguais perante a lei ?” funciona como valvula de escape de pessoas que simplesmente não concordam com as medidas.  Empregabilidade: Dando mais condições de estudo muito provavelmente o jovem negro pode se colocar melhor no Mercado de trabalho. Medidascomoessasafetamsima sociedade comoumtodo.A Desigualdade estásendolentamente diminuidaporémé precisofazercadavezmais.Paracombatermoscom efetividade afaltade desigualdade,aalienaçãoabusivade pessoassobre outraspessoasque sãodesprovidasde informaçãoe a falta de oportunidade,é precisoinvestiremeducação.Informaçãoé aschave para abrir novasportase construirassima igualdade entre aspessoas. Seria viável aplicar o mesmosprocedimentosde melhoriano futuro ? Sim.Asbasesque temospara mudar esse cenárioatual taiscomoeducação,acessoa inclusãoentre outras medidasque forçamamudança, esperamosque esse cenárionãose repita.A tendênciaé que
  • 24. 13 issomude mesmoque lentamente.Depoisde umcenárioideal (questamoslonge de atingirisso) a ideiaé que essasmedidasnasquaisusamosatualmentenãovenhammais serusadasnofuturo.Isso porque essasmedidas serãode praxe.Assimesperamos. ConsideraçõesFinais As mudançasque vemoshoje nãoagradammuitoaos olhos.Claroque emanos,o que se praticaaqui em questões de cidadania, as condições que ajudaram os negros a evoluirem a mudar de vida e a conseguir escrever sua história diferente de anos atrás onde você era condicionado a fazer algo que nãoqueria.Issosempre foi“fardopreto”.Aspessoasque se julgavammelhoresemtodasascondições que “montavam” em cima dos escravos em época de escravatura hoje são as mesmas pessoas que tiram a oportunidade de quemquer estudar,que mostra que a desigualdade está rondandoa todos que tiveram esse passado cruel.A quem estamos enganando?eis a questão. O fato é que mudanças trouxeramesperança.Aquelaque nãose tinhaemtemposdificeis.A visãoque tiramosda pesquisaé mostrar que muita coisano tripé está errada justamente pelasociedade.A sociedade impõe oerroe somente elapode arrumar. De fato muitacoisa mudou.Se filhohoje pode frequentarumaescolade boa qualidade (que aindasimnão é aquelaqualidade que você esperadevidoaopreconceitovelado que temos mais a falta dos governantes não atuando em questões básicas) pode frequentar uma faculdade.Naquestãoda educação por exemploascotas salvarammuita gente!há quemdigaque é contra mas se parar pra pensar, quais medidas estão foram tomadas para a inclusão do negro no ensinosuperioremdezanos?nenhuma!menosnegrosnafaculdade que é igual a parcela de pobres. Entãopodemosconcluirqueissoé umatodealienação.Quandonãooferecemosasmesmascondições para aspessoastaiscomoacasa própriaporexemplo:porque opobre nãopodeterumacasapropria? porque obviamente ganha menosque uma pessoa rica. Mas porque ela é rica? porquê as condições sempre são favoraveis a eles. Além de uma estrutura, um sistema, literalmente montada para beneficio da classe A. Desigualdade. As mudanças propostas nada mais são aquelas já existentes mas a competência para coloca-las em pratica é a questão. O mundo cada vez mais globalizado, com questões maiores que essa que trouxemos a tona (sim! é questão antiga!) como sustentabilidade ou uma crise hidrica que abrange um país inteiro,tratarde um asuntodessesé quase que insanoouseja,nãoera para existir.Mas está ai,criandocada vezmaisespaçonoséculo21.De ummodogeral nossaopiniãose defineemmudança e conscientizaçãode váriaspessoasmostrandoque é possivel incluir medidasde altopadrãode modo que beneficiasse atodososbrasileiros.Issosebaseiaematossimplese começacomumsimplesgesto: mostrar o papel do negro na sociedade. O papel dele é igual a papel de qualquer outra pessoa. Não deveriahaveressaseparaçãomasissoé historico.Nósacreditamosemmudançae nofuturoseriaum cenário perfeito se não houvesse mais desigualdade entre os povos, e que a alienação desta forma negativa não influenciasse as pessoas. Devemos trabalhar para conseguir essa mudança. E todos precisamserincluidos.Oque fazde você um serhumanodotado de sabedoria?aqueleque consegue passar isso para frente. E isso só depende de nós. Concluimos que só assim poderemos exigir dos nossos governantes, medidas de inclusão do negro. A pauta que todos querem que mude são
  • 25. 14 consequênciasde umpassadoque não foi tão bom há anos atrás. O que se esperaé que muitacoisa que jáfoi feitae que estácomobase para que negrospossamterlugarde destaque comocombate ao racismo velado seja mantido e aprimorado atrvés dos anos. A sociedade que também inclui o alto escalão (que deveria sofrer as primeiras mudanças pois tivemoso recente caso do ministro joaquim barbosaque sofreuracismoem seupropriotribunal) noqual,nãovemostantamudançaassim.Resta saberse esse tipode inclusãovemde cimaparabaixoque emnossaopiniãoseriaocerto.Masdápara aplicar isso de baixo para cima da piramide social sem problemas se não sofrermos barreiras. E se sofrermos,precisaremosnovamente quebra-las.Omomentoé de reflexãoe todasas esferassociais. O ser humanoestáemprimeirolugare devemosdeixarissoclaroparatodos.Muitos aindavivemem estado alienado porque infelizmente não sabe seu papel, a história da sua cor, sua ideologia não é levada a sério. Pensar deste jeito leva o ser humano a ser um ser alienado por outras ideias.
  • 26. 15 ReferênciasBibliográficas MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. Quatro ed. São Paulo: Atlas, 2007. http://pesquisabibliografica.blogspot.com.br/2004/06/introduo.html#more. Acessoem26 mai. 2014 BARROS, José D'Assunção. O conceito de Alienação no jovem Marx.pt. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 23, n. 1, p.223-245. Lawrence E. Cohen; James R. Klugel and keneth C. Land. Disponivel em: (1981) "Social Inequality and Predatory Criminal Victimization: An Exposition and Test of a Formal Theory". American Sociological Review46 (5). DOI:10.2307/2094935. ISSN 00031224. Acesso em 05 Out. 2014 Heringer,Rosana.Mapeamentode Açõese Discursosde Combate asDesigualdadesRaciaisnoBrasil. C. 23, P.291-324. Ano2001. RIBEIRO, Costa Carlos Antonio. Estruturas de Classes e Mobilidade Social no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 23, num. 66 p. 194-197. Ano 2008 http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/ibge-mostra-a-persistencia-de-dois-brasis Grafico. Fonte IBGE.Ano 2010. Orson Camargo. 2010. Disponível em: http://www.brasilescola.com/sociologia/classes-sociais.htm. Acesso em 18 Out. 2014 OSÓRIO,R.GMobilidadesocialsobaperspectivadadistribuiçãode renda.2003.Dissertação(Mestrado em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Universidade de Brasilia, Brasilia, 2003.
  • 27. 16 PIERSON, D. Brancos e Pretos na Bahia: estudo de contato racial. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945. Pg 24 SOARES, Fábio Veras ET AL. Programas de transferência de renda no Brasil: impactos sobre desigualdade. In: PAES DE BARROS, Ricardo; FOGUEL, Miguel Nathan; ULYSSEA, Gabriel(org.). Desigualdade de renda no Brasil: uma analise da queda recente. V.8, P. 83-115. Ano 2006. JACCOUD, Luciana; BEGHIN, Nathalie. Desigualdades raciais no Brasil: um balanço da intervenção governamental. Brasilia: Ipea, Ano 2002. WERNECK, Jurema. Iniquidades raciais em saúde e políticas de enfrentamento: as experiências de Candá, EstadosUnidos,África do Sul e ReinoUnido.In: LOPES, F.(org.).Saude dapopulaçãonegra no Brasil: contribuições para a promoção de equidade. Brasilia: Funasa/MS. Ano 2004. Debord, Guy. A sociedade no espetáculo. cap, 7 p. 15. Ano 1967. Hobsbawm, Eric J. A era das Revoluções (1848). WEBER, Marx. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Ano 1920. Feuerbach, Ludwig. A essência do cristianismo. cap 2,p.12. Ano 1841 Lima, A. Venício. A Grande Mídia e a Desigualdade Racial. Dialogos de Perplexidade – Reflexões Críticas sobre a Mídia. p. 79-109. Ano 2009.