SlideShare uma empresa Scribd logo
As diferenças entre fazer publicidade e cinema são enormes, mas têm vindo a diminuir com tempo. Vou primeiro tentar descrever as características intrínsecas de cada um destes meios e depois explicar de que forma tem vindo a crescer para se tornarem complementares.<br />O cinema é por tradição um exercício mais lúdico, mais romântico, talvez. À excepção, é claro dos grandes estúdios de Hollywood, que muito cedo aprenderam a angariar talentos, e a alimentar a sua própria popularidade numa espécie de publicidade das suas estrelas e do modo de vida dos norte americanos.<br />Em todas as demais escolas, o cinema é tradicionalmente feito de forma quase artesanal, sendo muitas vezes realizado por equipas e orçamentos reduzidos, tendo pouco ou nenhum compromisso além da visão dos seus realizadores, que muitas vezes abraçam os filmes como a obra de uma vida. <br />Assim muito do que conhecemos como linguagem audiovisual foi sendo construída por visionários do cinema de autor, ou chamado cinema de guerrilha, que muitas vezes rejeitavam quaisquer influências externas a não ser aquelas que eles próprios reconhecem como fundamentais para a mensagem que pretendem passar.<br />Reconheço que não sei muito sobre o cinema português, mas acredito que a sua história seja semelhante a do cinema brasileiro, já que aquele me é quase desconhecido, não por resistência minha, mas por limitações óbvias de difusão. Exceptuando algumas épocas douradas, cinema brasileiro padece do mesmo mal, pouco importa a qualidade inegável de muito do que é produzido quando chega ao conhecimento do publico. Acredito que a iniciativa do douro film harvest, com o perdão do trocadilho, possa ajudar a inaugurar uma nova era dourada do cinema em Portugal.<br />Quando falamos de publicidade, e aprendi isso através de algumas décadas em agências e, depois em algumas direcções do grupo media do rio de Janeiro, sabe-se que esta dava muito pouco espaço á genialidade individual do realizador audiovisual, além da necessária para realizar uma visão que geralmente não e a dele.<br />O objectivo era invariavelmente expor uma marca, segundo uma determinada estratégia, para alcançar um objectivo predefinido. E não se brincava com a marca, não havia espaço para licenças poéticas.<br />Com o passar do tempo, algumas coisas passaram a acontecer. Não que se posso cometer qualquer loucura na publicidade, mas a exposição da marca começou a dar espaço às associações a conceitos. Muitas vezes peças publicitárias passaram a dedicar-se quase integralmente a um conceito, sendo apenas assinadas pela marca. Ou ate, as vezes, sem sequer ser assinadas. Começou a brincar-se com a marca, a fazer-se associações mais livres e, agora damos boas risadas ou emocionamo-nos a ver publicidade. <br />O cinema en geral talvez rendendo-se um pouco ao exemplo dos estúdios norte americanos, que nunca conheceram limites de difusão, passou a brincar com marcas que começaram a investir nessa modalidade de média e a dar mais fôlego a essas mesmas produções.<br />È algo bastante natural que, quando uma marca se associa a um conceito e o filme se propõe a trabalhar esse conceito, os dois de alguma forma dialoguem, permitindo assim um maior conhecimento do grande público de ambos. Um trabalho “win win”.<br />Claro que nada disso é uma história escrita em pedra. Ao mesmo tempo, que jamais acabará a publicidade a marcas de retalho, de mera exposição de preço e de produto, jamais acabarão os filmes de arte, reclusos a públicos e espaços mais selectos que poderão passar anos a ser filmados sem um verdadeiro compromisso comercial. Hoje, cinema e publicidade são inegavelmente complementares. As marcas de grande abrangência procuram associações conceptuais, e os filmes de grande abrangência procuram as marcas que premeiam o imaginário dos conceitos que trabalham, de forma natural.<br />Este trabalho nem sempre é feito, e por vezes surge como agressivo aos olhos do espectador. Por isso e necessário saber identificar oportunidades de associação, e possíveis tons na citação comercial dentro de uma obra de entretenimento. Assim como na publicidade não se pode mergulhar em devaneios e deixar de ser vendedor, de dar resultados.<br />Existem ainda alguns obstáculos para que esse diálogo se amplie, e vou tentar listar alguns.<br /> As marcas em geral ainda têm uma visão muito imediatista da necessidade de retorno dos seus investimentos. Os realizadores por vezes ao abraçar os filmes como obras-primas não cumprem prazos nem compromissos, e deixam os responsáveis pelo investimento inseguros e receosos quanto a grandes custos financeiros.<br />Acredito que, com uma maior do processo de criação de uma longa-metragem, de um lado, e um maior compromisso com o comprimento dos acordos, do outro, as associações de marca e conteúdo tendam a ser a modalidade de cultura mais difundida nos próximos tempos.<br />Notem, por favor, que nada do que aqui escrevo é juízo de valor, e reconheço em profundidade as necessidades e qualidades dos quatro polos aqui analisados. <br />A publicidade de marcas de consumo tem o seu fundamento e qualidade, assim como a propaganda conceptual. O cinema de autor, com toda a sua profundidade e independência, é vital para a renovação do olhar no cinema, e o cinema chamado comercial é essencial para que se solidifiquem esses novos olhares, dando amplo conhecimento ao público em geral.<br />Estou, sim, muito feliz por ver uma publicidade a marcas de grande consumo e retalho mais conceptual mais vendedora, um cinema de autor mais difundido e um cinema comercial de maior profundidade.<br />Que tempo maravilhoso e cheio de oportunidades estamos a viver.<br />António alaby<br />Estratega e gestor de comunicação brasileiro e também professor de cinema, tendo trabalhado em diversas agencias de publicidade. Actualmente é sócio director da midia 1 comunicação, uma empresa consultora de media. Ministrou o douro film harvest 2010 a master class “cinema: que media é essa?”<br />Bibiliografia<br />Alaby, António (2010), “As Diferenças entre a Publicidade e o Cinema”. Revista Marketeer, 171 114 - 115<br />
As diferenças entre a Publicidade e o Cinema
As diferenças entre a Publicidade e o Cinema
As diferenças entre a Publicidade e o Cinema

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de um anúncio publicitário
Análise de um anúncio publicitárioAnálise de um anúncio publicitário
Análise de um anúncio publicitário
Albergaria
 
Publicidade nas décadas de 80 e 90
Publicidade nas décadas de 80 e 90 Publicidade nas décadas de 80 e 90
Publicidade nas décadas de 80 e 90
Gustavo Costa
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
Rosalina Simão Nunes
 
Dicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação PublicitáriaDicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação Publicitária
Joedes Ribeiro
 
O slogan
O sloganO slogan
O slogan
Josué Brazil
 
Portfolio Eduardo Navarro
Portfolio Eduardo NavarroPortfolio Eduardo Navarro
Portfolio Eduardo Navarro
Eduardo Navarro
 
Criação de anúncio - Revista e Jornal
Criação de anúncio - Revista e JornalCriação de anúncio - Revista e Jornal
Criação de anúncio - Revista e Jornal
Breno Brito
 
50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda
FURB / IELUSC / Exit
 
Case Young Lions 2008_Liane Santi
Case Young Lions 2008_Liane SantiCase Young Lions 2008_Liane Santi
Case Young Lions 2008_Liane Santi
Liane Santi
 
Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...
Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...
Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...
Mauro Sérgio
 

Mais procurados (10)

Análise de um anúncio publicitário
Análise de um anúncio publicitárioAnálise de um anúncio publicitário
Análise de um anúncio publicitário
 
Publicidade nas décadas de 80 e 90
Publicidade nas décadas de 80 e 90 Publicidade nas décadas de 80 e 90
Publicidade nas décadas de 80 e 90
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
 
Dicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação PublicitáriaDicas de Redação Publicitária
Dicas de Redação Publicitária
 
O slogan
O sloganO slogan
O slogan
 
Portfolio Eduardo Navarro
Portfolio Eduardo NavarroPortfolio Eduardo Navarro
Portfolio Eduardo Navarro
 
Criação de anúncio - Revista e Jornal
Criação de anúncio - Revista e JornalCriação de anúncio - Revista e Jornal
Criação de anúncio - Revista e Jornal
 
50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda50 Anos Propaganda
50 Anos Propaganda
 
Case Young Lions 2008_Liane Santi
Case Young Lions 2008_Liane SantiCase Young Lions 2008_Liane Santi
Case Young Lions 2008_Liane Santi
 
Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...
Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...
Oficina sobre Slogan - Ninguém nunca falou tanto sobre três, quatro palavras ...
 

Destaque

Conceitos das Relações Públicas
Conceitos das Relações PúblicasConceitos das Relações Públicas
Conceitos das Relações Públicas
lacerdadacosta
 
" A Globalização e a Comunicação Intercultural no Mundo dos Negócios"
" A Globalização e a Comunicação Intercultural  no Mundo dos Negócios"" A Globalização e a Comunicação Intercultural  no Mundo dos Negócios"
" A Globalização e a Comunicação Intercultural no Mundo dos Negócios"
lacerdadacosta
 
As diferenças entre a publicidade e o cinema
As diferenças entre a publicidade e o cinemaAs diferenças entre a publicidade e o cinema
As diferenças entre a publicidade e o cinema
lacerdadacosta
 
Conceitos de Relações Públicas
 Conceitos de Relações Públicas Conceitos de Relações Públicas
Conceitos de Relações Públicas
lacerdadacosta
 
Imagem Pessoal e Postura Profissional
Imagem Pessoal e Postura ProfissionalImagem Pessoal e Postura Profissional
Imagem Pessoal e Postura Profissional
lacerdadacosta
 
Curriculum Vitae
Curriculum VitaeCurriculum Vitae
Curriculum Vitae
lacerdadacosta
 
Globalização Comercial e Financeira
Globalização Comercial e FinanceiraGlobalização Comercial e Financeira
Globalização Comercial e Financeira
lacerdadacosta
 
Gestão da Inovação
Gestão da InovaçãoGestão da Inovação
Gestão da Inovação
lacerdadacosta
 
Google Adwords
Google AdwordsGoogle Adwords
Google Adwords
lacerdadacosta
 
Gestão da Inovação & Inovação Produto
Gestão da Inovação & Inovação ProdutoGestão da Inovação & Inovação Produto
Gestão da Inovação & Inovação Produto
lacerdadacosta
 
Relações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da EmpresaRelações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da Empresa
lacerdadacosta
 
O Poder da Imagem na Imprensa
O Poder da Imagem na ImprensaO Poder da Imagem na Imprensa
O Poder da Imagem na Imprensa
lacerdadacosta
 

Destaque (12)

Conceitos das Relações Públicas
Conceitos das Relações PúblicasConceitos das Relações Públicas
Conceitos das Relações Públicas
 
" A Globalização e a Comunicação Intercultural no Mundo dos Negócios"
" A Globalização e a Comunicação Intercultural  no Mundo dos Negócios"" A Globalização e a Comunicação Intercultural  no Mundo dos Negócios"
" A Globalização e a Comunicação Intercultural no Mundo dos Negócios"
 
As diferenças entre a publicidade e o cinema
As diferenças entre a publicidade e o cinemaAs diferenças entre a publicidade e o cinema
As diferenças entre a publicidade e o cinema
 
Conceitos de Relações Públicas
 Conceitos de Relações Públicas Conceitos de Relações Públicas
Conceitos de Relações Públicas
 
Imagem Pessoal e Postura Profissional
Imagem Pessoal e Postura ProfissionalImagem Pessoal e Postura Profissional
Imagem Pessoal e Postura Profissional
 
Curriculum Vitae
Curriculum VitaeCurriculum Vitae
Curriculum Vitae
 
Globalização Comercial e Financeira
Globalização Comercial e FinanceiraGlobalização Comercial e Financeira
Globalização Comercial e Financeira
 
Gestão da Inovação
Gestão da InovaçãoGestão da Inovação
Gestão da Inovação
 
Google Adwords
Google AdwordsGoogle Adwords
Google Adwords
 
Gestão da Inovação & Inovação Produto
Gestão da Inovação & Inovação ProdutoGestão da Inovação & Inovação Produto
Gestão da Inovação & Inovação Produto
 
Relações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da EmpresaRelações Públicas Internas da Empresa
Relações Públicas Internas da Empresa
 
O Poder da Imagem na Imprensa
O Poder da Imagem na ImprensaO Poder da Imagem na Imprensa
O Poder da Imagem na Imprensa
 

Semelhante a As diferenças entre a Publicidade e o Cinema

Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadasCerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Jean Michel Gallo Soldatelli
 
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadasCerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Jean Michel Gallo Soldatelli
 
Língua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooffLíngua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooff
mcaroll
 
Aula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O RoteiroAula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O Roteiro
Fernando
 
ApresentaçãO Publicidade
ApresentaçãO PublicidadeApresentaçãO Publicidade
ApresentaçãO Publicidade
MARIA NOGUE
 
Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.
Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.
Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.
Isis Noguti
 
Língua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooffLíngua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooff
mcaroll
 
TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2
TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2
TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2
Cíntia Dal Bello
 
PPA 7 - branded content (1).pdf
PPA 7 - branded content (1).pdfPPA 7 - branded content (1).pdf
PPA 7 - branded content (1).pdf
BeatrizBeraldo2
 
Brand Experience
Brand ExperienceBrand Experience
Brand Experience
Gustavo Fontes
 
Goncalves gisela-publicidade-social
Goncalves gisela-publicidade-socialGoncalves gisela-publicidade-social
Goncalves gisela-publicidade-social
Atomy Brasil
 
O filme comercial
O filme comercialO filme comercial
O filme comercial
Heliandra Ferreira
 
Sua Marca Vai Ser Um Sucesso
Sua Marca Vai Ser Um SucessoSua Marca Vai Ser Um Sucesso
Sua Marca Vai Ser Um Sucesso
Beto Lima Branding
 
Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016
Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016
Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016
Tatiana Vidonscky
 
A difícil vida de uma marca no século XXI
A difícil vida de uma marca no século XXIA difícil vida de uma marca no século XXI
A difícil vida de uma marca no século XXI
Jean Michel Gallo Soldatelli
 
6 macrotendências na CCXP19
6 macrotendências na CCXP196 macrotendências na CCXP19
6 macrotendências na CCXP19
Fernanda Magniccaro
 
Atendimento publicitário uma visão
Atendimento publicitário uma visãoAtendimento publicitário uma visão
Atendimento publicitário uma visão
Eduardo Forbes
 
Pós Tesarac
Pós TesaracPós Tesarac
Pós Tesarac
Eduardo Natario
 
Seminário pablo mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!
Seminário pablo   mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!Seminário pablo   mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!
Seminário pablo mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!
Patricia Giusfredi
 
Revista Job! n°14
Revista Job! n°14Revista Job! n°14
Revista Job! n°14
Galo Digital
 

Semelhante a As diferenças entre a Publicidade e o Cinema (20)

Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadasCerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
 
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadasCerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
Cerveja, varejo e a publicidade no conto de fadas
 
Língua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooffLíngua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooff
 
Aula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O RoteiroAula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O Roteiro
 
ApresentaçãO Publicidade
ApresentaçãO PublicidadeApresentaçãO Publicidade
ApresentaçãO Publicidade
 
Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.
Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.
Comunicação por Conteúdo. Conceitos e cases.
 
Língua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooffLíngua portuguesa tania hooooooff
Língua portuguesa tania hooooooff
 
TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2
TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2
TPP - Roteiro de Estudos AV3 - 2014/2
 
PPA 7 - branded content (1).pdf
PPA 7 - branded content (1).pdfPPA 7 - branded content (1).pdf
PPA 7 - branded content (1).pdf
 
Brand Experience
Brand ExperienceBrand Experience
Brand Experience
 
Goncalves gisela-publicidade-social
Goncalves gisela-publicidade-socialGoncalves gisela-publicidade-social
Goncalves gisela-publicidade-social
 
O filme comercial
O filme comercialO filme comercial
O filme comercial
 
Sua Marca Vai Ser Um Sucesso
Sua Marca Vai Ser Um SucessoSua Marca Vai Ser Um Sucesso
Sua Marca Vai Ser Um Sucesso
 
Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016
Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016
Tatiana Vidonscky - Young Lions 2016
 
A difícil vida de uma marca no século XXI
A difícil vida de uma marca no século XXIA difícil vida de uma marca no século XXI
A difícil vida de uma marca no século XXI
 
6 macrotendências na CCXP19
6 macrotendências na CCXP196 macrotendências na CCXP19
6 macrotendências na CCXP19
 
Atendimento publicitário uma visão
Atendimento publicitário uma visãoAtendimento publicitário uma visão
Atendimento publicitário uma visão
 
Pós Tesarac
Pós TesaracPós Tesarac
Pós Tesarac
 
Seminário pablo mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!
Seminário pablo   mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!Seminário pablo   mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!
Seminário pablo mkt guerrilha e buzz mkt - Agência Right Now!
 
Revista Job! n°14
Revista Job! n°14Revista Job! n°14
Revista Job! n°14
 

As diferenças entre a Publicidade e o Cinema

  • 1. As diferenças entre fazer publicidade e cinema são enormes, mas têm vindo a diminuir com tempo. Vou primeiro tentar descrever as características intrínsecas de cada um destes meios e depois explicar de que forma tem vindo a crescer para se tornarem complementares.<br />O cinema é por tradição um exercício mais lúdico, mais romântico, talvez. À excepção, é claro dos grandes estúdios de Hollywood, que muito cedo aprenderam a angariar talentos, e a alimentar a sua própria popularidade numa espécie de publicidade das suas estrelas e do modo de vida dos norte americanos.<br />Em todas as demais escolas, o cinema é tradicionalmente feito de forma quase artesanal, sendo muitas vezes realizado por equipas e orçamentos reduzidos, tendo pouco ou nenhum compromisso além da visão dos seus realizadores, que muitas vezes abraçam os filmes como a obra de uma vida. <br />Assim muito do que conhecemos como linguagem audiovisual foi sendo construída por visionários do cinema de autor, ou chamado cinema de guerrilha, que muitas vezes rejeitavam quaisquer influências externas a não ser aquelas que eles próprios reconhecem como fundamentais para a mensagem que pretendem passar.<br />Reconheço que não sei muito sobre o cinema português, mas acredito que a sua história seja semelhante a do cinema brasileiro, já que aquele me é quase desconhecido, não por resistência minha, mas por limitações óbvias de difusão. Exceptuando algumas épocas douradas, cinema brasileiro padece do mesmo mal, pouco importa a qualidade inegável de muito do que é produzido quando chega ao conhecimento do publico. Acredito que a iniciativa do douro film harvest, com o perdão do trocadilho, possa ajudar a inaugurar uma nova era dourada do cinema em Portugal.<br />Quando falamos de publicidade, e aprendi isso através de algumas décadas em agências e, depois em algumas direcções do grupo media do rio de Janeiro, sabe-se que esta dava muito pouco espaço á genialidade individual do realizador audiovisual, além da necessária para realizar uma visão que geralmente não e a dele.<br />O objectivo era invariavelmente expor uma marca, segundo uma determinada estratégia, para alcançar um objectivo predefinido. E não se brincava com a marca, não havia espaço para licenças poéticas.<br />Com o passar do tempo, algumas coisas passaram a acontecer. Não que se posso cometer qualquer loucura na publicidade, mas a exposição da marca começou a dar espaço às associações a conceitos. Muitas vezes peças publicitárias passaram a dedicar-se quase integralmente a um conceito, sendo apenas assinadas pela marca. Ou ate, as vezes, sem sequer ser assinadas. Começou a brincar-se com a marca, a fazer-se associações mais livres e, agora damos boas risadas ou emocionamo-nos a ver publicidade. <br />O cinema en geral talvez rendendo-se um pouco ao exemplo dos estúdios norte americanos, que nunca conheceram limites de difusão, passou a brincar com marcas que começaram a investir nessa modalidade de média e a dar mais fôlego a essas mesmas produções.<br />È algo bastante natural que, quando uma marca se associa a um conceito e o filme se propõe a trabalhar esse conceito, os dois de alguma forma dialoguem, permitindo assim um maior conhecimento do grande público de ambos. Um trabalho “win win”.<br />Claro que nada disso é uma história escrita em pedra. Ao mesmo tempo, que jamais acabará a publicidade a marcas de retalho, de mera exposição de preço e de produto, jamais acabarão os filmes de arte, reclusos a públicos e espaços mais selectos que poderão passar anos a ser filmados sem um verdadeiro compromisso comercial. Hoje, cinema e publicidade são inegavelmente complementares. As marcas de grande abrangência procuram associações conceptuais, e os filmes de grande abrangência procuram as marcas que premeiam o imaginário dos conceitos que trabalham, de forma natural.<br />Este trabalho nem sempre é feito, e por vezes surge como agressivo aos olhos do espectador. Por isso e necessário saber identificar oportunidades de associação, e possíveis tons na citação comercial dentro de uma obra de entretenimento. Assim como na publicidade não se pode mergulhar em devaneios e deixar de ser vendedor, de dar resultados.<br />Existem ainda alguns obstáculos para que esse diálogo se amplie, e vou tentar listar alguns.<br /> As marcas em geral ainda têm uma visão muito imediatista da necessidade de retorno dos seus investimentos. Os realizadores por vezes ao abraçar os filmes como obras-primas não cumprem prazos nem compromissos, e deixam os responsáveis pelo investimento inseguros e receosos quanto a grandes custos financeiros.<br />Acredito que, com uma maior do processo de criação de uma longa-metragem, de um lado, e um maior compromisso com o comprimento dos acordos, do outro, as associações de marca e conteúdo tendam a ser a modalidade de cultura mais difundida nos próximos tempos.<br />Notem, por favor, que nada do que aqui escrevo é juízo de valor, e reconheço em profundidade as necessidades e qualidades dos quatro polos aqui analisados. <br />A publicidade de marcas de consumo tem o seu fundamento e qualidade, assim como a propaganda conceptual. O cinema de autor, com toda a sua profundidade e independência, é vital para a renovação do olhar no cinema, e o cinema chamado comercial é essencial para que se solidifiquem esses novos olhares, dando amplo conhecimento ao público em geral.<br />Estou, sim, muito feliz por ver uma publicidade a marcas de grande consumo e retalho mais conceptual mais vendedora, um cinema de autor mais difundido e um cinema comercial de maior profundidade.<br />Que tempo maravilhoso e cheio de oportunidades estamos a viver.<br />António alaby<br />Estratega e gestor de comunicação brasileiro e também professor de cinema, tendo trabalhado em diversas agencias de publicidade. Actualmente é sócio director da midia 1 comunicação, uma empresa consultora de media. Ministrou o douro film harvest 2010 a master class “cinema: que media é essa?”<br />Bibiliografia<br />Alaby, António (2010), “As Diferenças entre a Publicidade e o Cinema”. Revista Marketeer, 171 114 - 115<br />