SlideShare uma empresa Scribd logo
PARA LER “BOLA” NO PAÍS DO FUTEBOL: DISCUSSÃO, ANÁLISE E
                                     COMPARAÇÃO.




                    ¹ Autor (a): Louise Anne de Santana – Universidade Federal do Ceará

                          louisecoordenadora@gmail.com/louisepedagogia@hotmail.com




          O processo de ensino–aprendizagem da língua portuguesa é complexo, não
bastando a este fazer um plano de aula, descrever a atividade e realiza-la, o desafio do
ensino requer também estarmos atentos ao suporte que ele vai necessitar em casa, e no
processo de fixação posterior para que a aprendizagem seja de fato completa. Foi
pensando nestes pontos importantes e significativos que optamos por fazer uma breve
análise e promover discussões acerca da escolha do livro didático para a 1ª Série do
Ensino Fundamental I, série em que alunos e professores concretizam o desafio do
letramento e da alfabetização. O livro didático é diretamente responsável por este
conhecimento e prática, é ele que aproxima os familiares e responsáveis da criança das
discussões que estão sendo feitas em sala, do progresso destes pequenos no processo de
ensino–aprendizagem da escrita e da leitura, além de fazer o convite, na casa do próprio
aluno para que o conhecimento ministrado ultrapasse os muros da escola. Para nos
auxiliar nesta discussão iremos nos basear no estudo e na reflexão que fundamenta o
PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) e o PNLD (Programa Nacional do Livro
Didático), e apresentaremos a partir desses dois documentos a análise, discussão e
comparação de dois livros referentes ao ensino de Letramento e Alfabetização para a 1ª
Série do Ensino Fundamental I. Esperamos contribuir com o aprimoramento da nossa
formação como profissionais que tem por desafio o exercício da leitura, comparação, e
reflexão da prática e dos instrumentos que buscam auxiliar á esta.




      ¹ Graduanda do 7º semestre do curso de Pedagogia Noturno da Universidade Federal do Ceará,
Monitora da Coordenadoria de Formação de Células Cooperativas, Monitora voluntária de Política
Educacional I.




                                                                                              1
PARA LER “BOLA” NO PAÍS DO FUTEBOL: DISCUSSÃO, ANÁLISE E
                                  COMPARAÇÃO.

       A escolha do livro didático de Língua Portuguesa para a 1ª Série do Ensino
                                   Fundamental I.

                      1. O pedagogo e a escolha do livro didático.

        Quando optamos pela profissão de pedagogo assumimos um compromisso
social que nos responsabiliza pelo bem mais precioso que temos em nosso país, nossas
crianças; Seu entendimento de mundo, sua percepção, a identificação das coisas, sua
nomenclatura, o significado que é atribuído á cada nome, forma e cor, todas estas
incríveis descobertas contará com cada um de nós, munidos de nosso olhar e de nossos
cuidados, equipados com a vontade de fazer um Brasil melhor.

        É a partir dessa constatação que também assumimos junto ao compromisso
anterior outro, o de zelarmos por este ofício, o de não esquecer jamais de sermos todos
os dias estudantes, curiosos, questionadores, dispostos a aprender, e a não aprender
também. Ao avaliar a tão falada práxis também nos deparamos com uma avaliação
pessoal, do quanto estamos verdadeiramente dispostos ao ofício do ensino, que nos
remete ao árduo, cansativo e prazeroso desafio do aprender.

        Com o passar da prática, no entanto, cansamos, ás vezes desistimos, nos
remanejamos a outras tarefas, e alguns de nós infelizmente esquecemos-nos de
pequenos detalhes, que fazem toda a diferença nos resultados que buscamos ao final do
ano letivo. Para além do plano de aula, das atividades tão cuidadosamente elaboradas e
executadas, existe outro elemento indispensável na busca por estes objetivos, o livro
didático, que nos auxiliará no reforço do conteúdo ministrado em sala, que irá ajudar ás
nossas crianças a fixar o conhecimento, e que fará o importante convite á família para
também embarcar com a criança, ali, em casa mesmo, na viagem pela busca do saber.

        A participação do pedagogo nesta escolha é indispensável, posto que seja como
escolher um companheiro de luta, algo em que se confie e em que verdadeiramente o
pedagogo se perceba ainda que ausente, mas que leve sua marca junto ao aprendizado
que o aluno desenvolve para além dos muros da escola. Por conta desses tão

                                                                                      2
significantes motivos, optamos por também discutir esta escolha, posto que a mesma
perpasse por uma avaliação da prática e também um convite ao desafio da leitura,
observação e comparação do material de trabalho por parte deste profissional.

        É um convite para que o pedagogo se deixe encantar, tanto quanto ele gostaria
que seus alunos e alunas também se envolvessem com o universo do livro didático.

        Para nos auxiliar na discussão acerca da escolha do livro didático iremos
consultar e saber o que versam documentos que orientam a nós pedagogos neste
exercício, que direcionam e nos mostram o que considerar e qual a importância de cada
item minuciosamente observado para esta escolha.

                   2. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN).
   1) O que é o PCN?

        Os Parâmetros Curriculares Nacionais constituem um referencial de qualidade
para a educação no Ensino Fundamental em todo o País. Sua função é orientar e garantir
a coerência dos investimentos no sistema educacional, socializando discussões,
pesquisas e recomendações, subsidiando a participação de técnicos e professores
brasileiros, principalmente daqueles que se encontram mais isolados, com menor
contato com a produção pedagógica atual.

        Por sua natureza aberta, configuram uma proposta flexível, a ser concretizada
nas decisões regionais e locais sobre currículos e sobre programas de transformação da
realidade educacional empreendidos pelas autoridades governamentais, pelas escolas e
pelos professores. Não configuram, portanto, um modelo curricular homogêneo e
impositivo, que se sobreporia à competência político - executiva dos Estados e
Municípios, à diversidade sociocultural das diferentes regiões do País ou à autonomia
de professores e equipes pedagógicas.

        O PCN é um importante referencial para a educação do ensino fundamental de
todo o Brasil. Ele não foi criado para ditar a forma da educação em nosso país, ou impor
o mesmo método e prática em todas as regiões do país, afinal temos artigos na própria
constituição federal e na LDB que nos lembram de trabalhar com as especificidades e
regionalidades de nosso país, mas o PCN vem na tentativa de orientar e dar sentido e
coerência ao nosso sistema educacional como um todo. Foi um instrumento criado para

                                                                                       3
socializar as pesquisas, discussões e recomendações acerca das práticas pedagógicas
atuais em nosso país.

   2) O processo de elaboração do PCN

        O processo de elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais teve início a
partir do estudo de propostas curriculares de Estados e Municípios brasileiros, da
análise realizada pela Fundação Carlos Chagas sobre os currículos oficiais e do contato
com informações relativas a experiências de outros países. Foram analisados subsídios
oriundos do Plano Decenal de Educação, de pesquisas nacionais e internacionais, dados
estatísticos sobre desempenho de alunos do ensino fundamental, bem como experiências
de sala de aula difundidas em encontros, seminários e publicações.

        Formulou-se, então, uma proposta inicial que, apresentada em versão
preliminar, passou por um processo de discussão em âmbito nacional, em 1995 e 1996,
do qual participaram docentes de universidades públicas e particulares, técnicos de
secretarias estaduais e municipais de educação, de instituições representativas de
diferentes áreas de conhecimento, especialistas e educadores.

        Os pareceres recebidos, além das análises críticas e sugestões em relação ao
conteúdo dos documentos, em sua quase totalidade, apontaram a necessidade de uma
política de implementação da proposta educacional inicialmente explicitada.

        É importante colocar que no processo de formulação do PCN houve um
envolvimento de vários setores da sociedade, a partir da análise dos documentos e da
elaboração de pareceres que sugeriram diversas possibilidades de atuação das
universidades e das faculdades de educação para a melhoria do ensino nas séries
iniciais, as quais estão sendo incorporadas na elaboração de novos programas de
formação de professores, vinculados à implementação dos Parâmetros Curriculares
Nacionais.

   3) Função do PCN:

        Cada criança ou jovem brasileiro, mesmo de locais com pouca infraestrutura e
condições socioeconômicas desfavoráveis, deve ter acesso ao conjunto de
conhecimentos socialmente elaborados e reconhecidos como necessários para o
exercício da cidadania para deles poder usufruir. Se existem diferenças socioculturais

                                                                                      4
marcantes, que determinam diferentes necessidades de aprendizagem, existe também
aquilo que é comum a todos, que um aluno de qualquer lugar do Brasil, do interior ou
do litoral, de uma grande cidade ou da zona rural, deve ter o direito de aprender e esse
direito deve ser garantido pelo Estado.

           É nesse sentido que o estabelecimento de uma referência curricular comum
para todo o País, ao mesmo tempo em que fortalece a unidade nacional e a
responsabilidade do Governo Federal com a educação, busca garantir, também, o
respeito à diversidade que é marca cultural do País, mediante a possibilidade de
adaptações que integrem as diferentes dimensões da prática educacional.

   4) A LDB e o PCN:

           A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Federal n. 9.394),
aprovada em 20 de dezembro de 1996, consolidou e ampliou o dever do poder público
para com a educação em geral e em particular para com o ensino fundamental. Assim,
vê-se no art. 22 dessa lei que a educação básica, da qual o ensino fundamental é parte
integrante, deve assegurar a todos “a formação comum indispensável para o exercício
da cidadania e fornecer-lhes meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores”,
fato que confere ao ensino fundamental, ao mesmo tempo, um caráter de terminalidade
e de continuidade.

           Essa LDB reforçou a necessidade de se propiciar a todos a formação básica
comum, o que pressupõe a formulação de um conjunto de diretrizes capaz de nortear os
currículos e seus conteúdos mínimos, incumbência que, nos termos do art. 9º, inciso IV,
é remetida para a União. Para dar conta desse amplo objetivo, a LDB consolida a
organização curricular de modo a conferir uma maior flexibilidade no trato dos
componentes curriculares, reafirmando desse modo o princípio da base nacional comum
(Parâmetros Curriculares Nacionais), a ser complementada por uma parte diversificada
em cada sistema de ensino e escola na prática, repetindo o art. 210 da Constituição
Federal.

           Em linha de síntese, pode-se afirmar que o currículo, tanto para o ensino
fundamental quanto para o ensino            médio, deve obrigatoriamente propiciar
oportunidades para o estudo da língua portuguesa, da matemática, do mundo físico e
natural e da realidade social e política, enfatizando-se o conhecimento do Brasil.
                                                                                       5
É importante colocar que o surgimento e o aprimoramento do PCN estão
diretamente vinculados á promulgação da Lei de Diretrizes e Base da Educação
Brasileira, que levou o país a uma reflexão acerca da formação básica comum em toda a
União. Vale–se ressaltar que apesar dessa “formação comum” há também uma maior
flexibilidade para se trabalhar as peculiaridades locais, a especificidade dos planos dos
estabelecimentos de ensino e as diferenças individuais dos alunos.

   5) A relação PCN, áreas, conteúdos e Livro Didático:
            Área

           O tratamento da área e de seus conteúdos integra uma série de conhecimentos
de diferentes disciplinas, que contribuem para a construção de instrumentos de
compreensão e intervenção na realidade em que vivem os alunos. A concepção da área
evidencia a natureza dos conteúdos tratados, definindo claramente o corpo de
conhecimentos e o objeto de aprendizagem, favorecendo aos alunos uma construção de
representações sobre o que estudam. Essa caracterização da área é importante também
para que os professores possam se situar dentro de um conjunto definido e
conceitualizado de conhecimentos que pretendam que seus alunos aprendam condição
esta, necessária para proceder a encaminhamentos que auxiliem as aprendizagens com
sucesso.

           Se avaliarmos como importante definir os contornos das áreas, é também
essencial que estes se fundamentem em uma concepção que os integre conceitualmente,
e essa integração seja efetivada na prática didática.

           O delineamento da área de abordagem é essencial para que os instrumentos que
auxiliam no processo de aprendizagem sejam construídos e utilizados de maneira
qualificada. Isso está diretamente relacionado á perspectiva de linearidade na construção
não só dos objetivos que se espera de uma criança no processo do aprender, mas
também de uma continuidade dos objetos que irão permear a construção deste
conhecimento. È para além do desafio de definição dos conteúdos também o desafio de
contextualização de aproximação do que se espera daquilo que também a criança está
disposta ou por questões culturais ou formativas a oferecer.




                                                                                        6
     Conteúdos

           Os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem uma mudança de enfoque em
relação aos conteúdos curriculares: ao invés de um ensino em que o conteúdo seja visto
com um fim em si mesmo, o que se propõe é um ensino em que o conteúdo seja visto
como meio para que os alunos desenvolvam as capacidades que lhes permitam produzir
e usufruir dos bens culturais, sociais e econômicos.

           É a formação do aluno numa perspectiva continuada, nunca findada, e na
verdade é este o real processo de aprendizagem recorrente, em que nem professor nem
aluno sente que tudo está completo, havia antes uma necessidade de que os conteúdos
viessem a sanar todos os problemas antecessores a fase em que a criança estava, mas
não é assim. O conhecimento não é degenerativo, em que para aprender algo, tudo o que
antes havia torna–se inválido, pelo contrário, o conhecimento é acumulativo, e os
conteúdos por sua vez devem ser da mesma maneira. O aluno não está isento da
sociedade e contextualizar a mesma, dar sentido a esta em sala de aula e envolve-la com
o que é ensinado tem sido o grande desafio do professor.

            Livro Didático

           Todo material é fonte de informação, mas nenhum deve ser utilizado com
exclusividade. É importante haver diversidade de materiais para que os conteúdos
possam ser tratados da maneira mais ampla possível.

           O livro didático é um material de forte influência na prática brasileira de
ensino. É preciso que os professores estejam atentos à qualidade, à coerência e a
eventuais restrições que apresentem em relação aos objetivos educacionais propostos.
Além disso, é importante considerar que o livro didático não deve ser o único material a
ser utilizado, pois a variedade de fontes de informação é que contribuirá para o aluno ter
uma visão ampla do conhecimento.

           Há uma real necessidade de nos aprofundarmos em conhecer o nosso grande
parceiro de trabalho, o livro didático, mas o mesmo, não deve ser tudo, a escolha do
livro didático é imprescindível, pois este material vai permear toda a relação de
aprendizagem que o aluno vai desenvolver durante todo um ano, mas é importante
ressaltar que nada melhor do que a sensibilidade do professor para trazer adequações

                                                                                        7
pertinentes à necessidade de contextualização que os textos ou as atividades propostas
pelo livro venham a trazer.

    6) Os PCN e as orientações quanto ao ensino da Língua Portuguesa

              Para o tratamento didático dos conteúdos é preciso considerar também o
estabelecimento de relações internas ao bloco e entre blocos. Exemplificando: os blocos
de conteúdos de Língua Portuguesa são língua oral, língua escrita, análise e reflexão
sobre a língua; é possível aprender sobre a língua escrita sem necessariamente
estabelecer uma relação direta com a língua oral; por outro lado, não é possível aprender
a analisar e a refletir sobre a língua sem o apoio da língua oral, ou da escrita. Dessa
forma, a inter-relação dos elementos de um bloco, ou entre blocos, é determinada pelo
objeto da aprendizagem, configurado pela proposta didática realizada pelo professor.

              É mais uma vez chamar atenção para que, na abordagem da língua nada é
absoluto, não há um método perfeito que vai tornar este ou aquele indivíduo apto a
exercer o poder de fala e compreensão de uma hora para a outra. O Essencial neste caso
é realmente uma inter – relação entre o que se deve ensinar e o que se pode aprender. A
língua está em um eterno movimento e pode a qualquer hora mudar, e para que ela não
se dissolva, porque ela é um bem diluído, é necessário que a oralidade e a escrita
caminhem juntas e consigam sempre dialogar e propor uma á outra a análise e a
reflexão.

    7) Os PCN e os Objetivos Gerais para o Ensino Fundamental:


               Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes
                situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de
                tomar decisões coletivas;

              A importância da oralidade para as relações interpessoais dentro do convívio
social.

               Utilizar as diferentes linguagens — verbais, matemática, gráfica, plástica e
                corporal — como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias,
                interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e
                privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação;

                                                                                          8
O poder da comunicação para expressar–se, trazer ao conhecimento do outro o
que você é, quem é e como deseja se definir. É a oportunidade de dar a si próprio, ás
suas vontades, ações e convicções um nome, para a criança é o próprio processo de
reconhecimento como ser social e sociável.

                    3. O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD).
   1) Um Breve Histórico acerca do PNLD

           O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) é o mais antigo dos
programas voltados à distribuição de obras didáticas aos estudantes da rede pública de
ensino brasileira e iniciou-se, com outra denominação, em 1929. Ao longo desses 80
anos, o programa foi aperfeiçoado e teve diferentes nomes e formas de execução.
Atualmente, o PNLD é voltado à educação básica brasileira, tendo como única exceção
os alunos da educação infantil.

   2) Seleção de Material Didático para o Ensino da Língua Portuguesa:
  I.      Relativos à natureza do material textual selecionado

           O conjunto de textos que um LDP oferece para o ensino-aprendizagem de
Língua Portuguesa deve justificar-se pela qualidade da experiência de leitura que possa
propiciar ao aluno, contribuindo para a sua formação como leitor proficiente, inclusive
como leitor literário. Uma coletânea deve, portanto:

        Estar isenta tanto de fragmentos sem unidade de sentido quanto de pseudotextos,
         redigidos com propósitos exclusivamente didáticos;
        Ser representativa da heterogeneidade própria da cultura da escrita – inclusive
         no que diz respeito a autoria, a registros, estilos e variedades (sociais e
         regionais) linguísticas do Português –, de forma a permitir ao aluno a percepção
         de semelhanças e diferenças entre tipos de textos e gêneros diversos,
         pertencentes a esferas socialmente mais significativas de uso da linguagem;
        Ser adequada – do ponto de vista da extensão, da temática e da complexidade
         linguística – ao nível de escolarização em jogo;
        Incluir, de forma significativa e equilibrada, em relação aos demais, textos da
         tradição literária de língua portuguesa (especialmente os da literatura brasileira);
        Incentivar professores e alunos a buscarem textos e informações fora dos limites
         do próprio livro didático.

                                                                                            9
II.      Relativos ao trabalho com o texto

           No trabalho com o texto, em qualquer de suas dimensões (leitura e
compreensão, produção de textos orais e escritos, construção de conhecimentos
linguísticos), é fundamental a diversidade de estratégias, assim como a articulação entre
os vários aspectos envolvidos, de forma a garantir a progressão nos estudos. Além
desses, em cada um dos componentes de Língua Portuguesa outros critérios afiguram-se
fundamentais para garantir à coleção um desempenho ao menos satisfatório, em termos
metodológicos.

Leitura

           As atividades de compreensão e interpretação do texto têm como objetivo final
a formação do leitor (inclusive a do leitor literário) e o desenvolvimento da proficiência
em leitura. Portanto, só podem constituir-se como tais na medida em que:

         Encararem a leitura como uma situação de interlocução leitor/autor/texto
          socialmente contextualizada;
         Respeitarem as convenções e os modos de ler próprios dos diferentes gêneros,
          tanto literários quanto não literários;
         Desenvolverem estratégias e capacidades de leitura, tanto as relacionadas aos
          gêneros propostos, quanto as inerentes ao nível de proficiência que se pretende
          levar o aluno a atingir.

Produção de textos escritos
           As propostas de produção escrita devem visar à formação do produtor de texto
e, portanto, ao desenvolvimento da proficiência em escrita. Nesse sentido, não podem
deixar de:

         Considerar a escrita como uma prática socialmente situada propondo ao aluno,
          portanto, condições plausíveis de produção do texto;
         Abordar a escrita como processo, de forma a ensinar explicitamente os
          procedimentos envolvidos no planejamento, na produção e na revisão e reescrita
          dos textos;
         Explorar a produção de gêneros ao mesmo tempo diversos e pertinentes para a
          consecução dos objetivos estabelecidos pelo nível de ensino visado;


                                                                                       10
     Desenvolver as estratégias de produção relacionadas tanto ao gênero proposto
         quanto ao grau de proficiência que se pretende levar o aluno a atingir.

III.     Relativos ao trabalho com a oralidade

           A linguagem oral, que o aluno chega à escola dominando satisfatoriamente, no
que diz respeito a demandas de seu convívio social imediato, é o instrumento por meio
do qual se efetivam tanto a interação professor-aluno quanto o processo de ensino-
aprendizagem. Será com o apoio dessa experiência prévia que o aprendiz não só
desvendará o funcionamento da língua escrita como estenderá o domínio da fala para
novas situações e contextos, inclusive no que diz respeito a situações escolares como as
exposições orais e os seminários. Assim, caberá ao LDP, no que diz respeito a esse
quesito:

        Recorrer à oralidade nas estratégias didáticas de abordagem da leitura e da
         produção de textos;
        Valorizar e efetivamente trabalhar a variação e a heterogeneidade linguísticas,
         situando nesse contexto sociolinguístico o ensino das normas urbanas de
         prestígio;
        Propiciar o desenvolvimento das capacidades e formas discursivas relacionadas
         aos usos da linguagem oral próprios das situações formais e/ou públicas
         pertinentes ao nível de ensino em foco.
IV.      Relativos ao trabalho com os conhecimentos linguísticos
           O trabalho com os conhecimentos linguísticos tem por objetivo levar o aluno a
refletir sobre aspectos da língua e da linguagem relevantes para o desenvolvimento tanto
da proficiência oral e escrita quanto da capacidade de analisar fatos de língua e de
linguagem. Por isso mesmo, seus conteúdos e atividades devem:

        Abordar os diferentes tipos de conhecimentos linguísticos em situações de uso,
         articulando-os com a leitura, a produção de textos e o exercício da linguagem
         oral;
        Considerar e respeitar as variedades regionais e sociais da língua, promovendo o
         estudo das normas urbanas de prestígio nesse contexto sociolinguístico;
        Estimular a reflexão e propiciar a construção dos conceitos abordados;



                                                                                      11
4. Análise, Discussão e Comparação de Livros da 1ª Série do Ensino
                                   Fundamental I.

        Iremos apresentar a seguir uma análise discutida de dois livros da 1ª Série do
Ensino Fundamental I, e também faremos uma comparação entre os livros apresentados.


                                        Optei por analisar inicialmente este livro, Novo Eu
                               Gosto – 6 anos de Célia Passos e Zeneide Silva, e
                               infelizmente observamos que ele está destoante com as
                               indicações do PNLD que já foram aqui expostas. Ele não
                               traz a partir de suas atividades e discussões uma perspectiva
                               de aperfeiçoamento da formação como leitor e produtor de
                               textos escritos para as crianças sugeridas na faixa etária
                               abordada.

                                        O PNLD indica que o sumário de um livro didático
                               de Português reflita claramente a organização dos conteúdos
                               e atividades propostas, além de permitir a rápida localização
                               das informações; O que observamos, no entanto, é uma
                               descrição de palavras que nem sequer sugerem o conteúdo
                               abordado nestas unidades, não torna nem mesmo o decorrer
                               do livro convidativo a leitura, no tocante ao professor e
                               também ao aluno.


                                           O PNLD sugere que os textos expostos para
                                consulta em um livro de estudo da Língua Portuguesa não
                                traga pseudotextos, que tenham sido redigidos com
                                propósitos exclusivamente didáticos; É o que observamos
                                nas propostas de textos de estudo e atividades sugeridas
                                pelo livro e apresentadas a seguir.

                                No tocante ás atividades sugeridas propostas é que tratam –
                                se apenas de réplicas de palavras em uma perspectiva de
                                memorização de pequenas regras de escrita.




                                                                                     12
A legibilidade gráfica adequada para o nível de
                            escolaridade visado, do ponto de vista do desenho e do
                            tamanho das letras sugeridos pelo PNLD é claro ao colocar
                            que o espaçamento entre letras, palavras e linhas também
                            irá influenciar para a compreensão da criança no tocante á
                            promoção da leitura e contextualização; Ele também é claro
                            com relação ao formato, no tocante a dimensões e
                            disposição dos textos na página; Vemos, no entanto, um
                            texto exprimido e sem um aprofundamento que traga
                            significado para o processo de aprendizagem da criança.

                                        Outra crítica que fazemos aos textos expostos para
                            abordagem do conteúdo propostos pelo livro é que eles não
                            levam em consideração as recomendações do PNLD no
                            tocante a formular textos que incentivem professores e
                            alunos a buscarem textos e informações fora dos limites do
                            próprio livro didático. Até porque as atividades propostas
                            para uma “fixação” do texto também não trazem essa
                            abertura.


                                                                   Quanto ao estudo do
                                                          texto   proposto      pelo    livro
                                                          abordado sentimos falta de
                                                          três    importantes      aspectos
                                                          elencados pelo PNLD:

                                                                A    leitura    deve       ser
                                                          encarada como uma situação
                                                          de                    interlocução
                                                          leitor/autor/texto socialmente
                                                          contextualizada;
 O recomendável é que se desenvolva e se respeite a partir da leitura proposta as
   convenções e os modos de ler próprios dos diferentes gêneros, tanto literários
   quanto não literários;

                                                                                       13
Isso é observado na proposta de texto que o livro traz, mas não é explorado
nas atividades propostas para o estudo do texto, em que se pede do aluno respostas
fechadas e de acordo com a grafia do texto.

       O texto deve trazer estratégias e capacidades de leitura, tanto as relacionadas
         aos gêneros propostos, quanto as inerentes ao nível de proficiência que se
         pretende levar o aluno a atingir.

  O que se pode observar a partir do texto extraído do livro é que este objetivo não é
  buscado na proposta do texto, que é extenso para o nível sugerido, ou na atividade de
  “fixação” do mesmo.
         Após essa avaliação do livro apresentado e fundamentada no PCN e no PNLD,
documentos que versam sobre a importância e os padrões do livro didático no processo
de ensino-aprendizagem de nossos alunos, foi possível perceber que este livro não está
apto a ser adotado como recurso didático no ensino de Língua Portuguesa na 1ª Série do
Ensino Fundamental I, afinal, as contradições com as propostas feitas pelo PNLD,
documento de consulta e uso do profissional que recomenda critérios ao livro didático, e
também o PCN, que trata de questões da aprendizagem que o aluno deve adquirir e
exercer ao final do ano letivo, são muitas.

         Reinteramos aqui a importância do olhar do pedagogo, do envolver-se, do se
perceber aprendendo e entendendo o percurso que seu educando faria ao ter como
auxílio de sua aprendizagem um livro didático como o apresentado anteriormente.

         Mas vamos em frente, a seguir um segundo livro para nossa apreciação e
discussão:

                                                              Nós escolhemos esses
                                                     dois livros porque um é a
                                                     complementação      do    outro,
                                                     ambos são abordados no 1º ano
                                                     e   trazem    uma    abordagem
                                                     completa e bastante enriquecida
                                                     da experiência de Letramento e
                                                     Alfabetização para Crianças.


                                                                                        14
Á partir do próprio Sumário observa-se
como a abordagem é diferenciada, a preocupação
de apresentar as letras e trazer uma aproximação a
partir da contextualização deste momento com a
realidade em que a própria criança está inserida.

            O estudo das vogais é feito de modo
 diversificado, e também respeitando a sugestão
 de respeito a regionalidades e especificidades
 locais. Os desenhos são desenhos próximos da
 realidade da criança e pertinentes ao seu
 entendimento, contextualização e convívio.

            A abordagem do alfabeto por vezes é
  trabalhada      no   processo   de   Letramento        e
  Alfabetização, esta atividade traz a perspectiva de
  linearidade na construção do alfabeto e de sentido
  na colocação das letras, facilitando o processo de
  visualização, memorização e aprendizagem.              O
  livro também traz atividades que trazem a
  utilização das letras do alfabeto na formulação de
  palavras cotidianas dos alunos, além de trabalhar a
  oralidade a partir da abordagem sonora das letras e
  das palavras.

            No livro 2 inicia-se um aprimoramento da
 criança,     começando     com    uma    abordagem
 diferenciada para cada dígrafo, além de trazer as
 atividades com uma linguagem bem específica para
 a idade abordada. É um livro interessante, fácil de
 compreender e com atividades objetivas, mas que
 buscam a contextualização com a faixa etária e com
 a perspectiva de especificidades da própria
 formação da criança.

                                                    15
Este tipo de atividade traz para a criança o desafio de
começar a utilizar de maneira mais completa tudo que ela já
observou, como letras, sílabas e palavras, e também de
começar a observar que estas palavras fazem parte de um
outro conjunto o de frases. Achamos enquanto equipe bastante
interessante o    método   utilizado   para    promover        uma
compreensão de todo por parte das crianças, que as frases são
um conjunto de palavras com significado.

         A partir da abordagem de letras, palavras e de sua
aplicação em frases, o livro também propõe a compreensão
do sentido que estas frases trazem, do que é ser uma frase que
contenha palavras como sim e que são afirmativas. Enfim, foi
um fato que também nos chamou atenção, a metodologia
adotada pelo livro para fazer essa interação entre frases e
sentidos a partir da abordagem da pontuação.

         Com a aproximação textual já iniciada com o uso
das frases, neste momento o livro sugere um novo desafio o
de classificar as palavras nas frases, de maneira leve e com
uma abordagem bastante dinâmica, observamos aqui o
estudo do verbo e dos significados de plural e singular em
sua utilização.


          Nas últimas unidades do livro temos então a
 famosa produção textual, que coloca para o aluno o
 desafio de juntar todo o conhecimento adquirido e de dar
 sentido a um emaranhado de letras, frases e por
 consequência ao que vem a ser o próprio texto. Mais uma
 vez vale–se ressaltar a abordagem pedagógica dinâmica e
 diferenciada que o livro traz, além de uma sugestão de
 produção textual a partir de elementos cotidianos da
 vivência da criança.



                                                          16
Com a leitura e análise deste livro podemos observar outra abordagem do
processo de letramento e alfabetização da criança, com uma abordagem diversificada e
atividades que se relacionam com a realidade da criança e com a fase de aprendizagem
vivida por ela. Porém é importante chamar a atenção para os dizeres evangélicos
impressos nas páginas de conteúdo do livro e vale-se ressaltar que para estar de acordo
com as discussões do PNLD e as diretrizes do PCN bem como os atuais parâmetros
curriculares do nosso país falta neste livro o cumprimento da compreensão de estado
laico adotada pelo Brasil, é necessário salientar que em um livro didático, abordado em
uma escola, que é lugar de todos e todas, dizeres que fazem referência a uma única
religião e Deus não venham impressos, afinal, temos em nossas salas de aula crianças de
famílias diferentes que possuem orientações quer sejam religiosas, culturais e sexuais
também diferentes. No entanto, o livro trata da criança e de seu processo de aquisição e
aprimoramento das letras, da leitura e da compreensão desta de maneira bastante ampla
e diversificada, dando suporte para um trabalho didático enriquecido e aprimorado para
o pedagogo em sala e para além desta.

                                        Conclusão

        Após todo o estudo do PCN e do PNLD, a abordagem destes direcionada a
importância do livro didático e análise de dois livros de Língua Portuguesa da 1ª Série
do Ensino Fundamental I, esperamos ter contribuído com o aprimoramento da nossa
formação como um todo. Porque foi exatamente isso que aconteceu comigo, a partir do
exercício de ler, comparar, refletir e também opinar acerca de um dos principais
integrantes do nosso material de trabalho: o Livro Didático.

        É realmente imprescindível perceber que será o livro o responsável por
trabalhar com o aluno nos espaços fora da escola, é ele que o aluno mostra aos pais
como símbolo e troféu de seus avanços no processo de aprendizagem, é ele que dirá aos
pais acerca do árduo e prazeroso trabalho do pedagogo com o seu filho em sala.

        O livro só não é o bastante, é preciso planejar, exercitar, aplicar, avaliar, e ler,
compreender, encantar-se e encantar para que nossa tão importante missão seja
cumprida, mas sei que estamos no caminho certo, refletir sobre este novo aspecto me
abriu também outros horizontes, me alertou sobre uma formação cada vez mais
complexa e inovadora, e este é o convite que faço com este trabalho.

                                                                                         17
Agradecimentos

        Deixo aqui meus sinceros e carinhosos agradecimentos ás professoras Ana
Paula Medeiros, que sempre me incentiva a ver-me além de minha graduação, e a Ana
Iório, ambas me ensinaram a ler de um jeito especial, novo e diferente nossa prática e
exercício enquanto pedagoga, na disciplina de Ensino da Língua Portuguesa, onde tive a
oportunidade de fazer este estudo e desenvolver sobre orientação delas estas reflexões.

        Agradeço também ás minhas companheiras e amigas de viagem Ana Caroline
Ribeiro, Kariane Lima Marques, Mayara Alves de Castro e o amigo Anderson Viana,
afinal, foi com estes que em equipe descobrimos como é importante termos consciência
de quem nos acompanhará durante todo um ano letivo e quem nos representará junto a
nossos alunos e suas famílias.

        A um querido amor que me incentivou a escrever estes pensamentos, e que leu,
página a página, sempre opinando e parabenizando-me a cada parágrafo.

        Ao meu doce mestre Messias Dieb que um dia ensinou a uma curiosa monitora
de Metodologia Científica a escrever, pesquisar, construir em cima de minha prática.

        E aos que lerem e interessarem-se e encantarem-se e assumirem como seus o
tão importante e especial ofício de perceber-se dia-a-dia como um pedagogo, leia-se, um
eterno aprendiz, intrigado e sempre curioso, querendo nunca deixar de descobrir.

                                      Bibliografia

        PNLD - Guia de livros didáticos: PNLD 2011: Língua Portuguesa. – Brasília:
Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010.

         PCN - Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros
curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF,
1997.

        BARGUIL, Paulo Meireles. O Homem e a conquista dos espaços – o que os
alunos e os professores fazem, sentem e aprendem na escola. Fortaleza, Gráfica e
Editora LCR, 2006.




                                                                                       18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação pnaic professores alfabetizadores
Apresentação pnaic professores alfabetizadoresApresentação pnaic professores alfabetizadores
Apresentação pnaic professores alfabetizadores
José Gonçalves Soares Neto
 
Formação 2 ciclo alfabetização
Formação 2 ciclo alfabetização Formação 2 ciclo alfabetização
Formação 2 ciclo alfabetização
weleslima
 
Apresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricularApresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricular
Eunice Mendes de Oliveira
 
Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...
Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...
Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...
Vanilza Teixeira
 
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
miesbella
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
ElieneDias
 
Pcn 02 LíNgua Portuguesa
Pcn   02   LíNgua PortuguesaPcn   02   LíNgua Portuguesa
Pcn 02 LíNgua Portuguesa
literatoliberato
 
1 encontro 1 e 2 momento 2015
1 encontro 1 e 2 momento 20151 encontro 1 e 2 momento 2015
1 encontro 1 e 2 momento 2015
Adriana De Almeida Braga
 
Pnaic caderno
Pnaic cadernoPnaic caderno
Pnaic caderno
Daniela Menezes
 
Slides 1o dia pacto e caderno apresentacao 1
Slides 1o dia   pacto e caderno apresentacao 1Slides 1o dia   pacto e caderno apresentacao 1
Slides 1o dia pacto e caderno apresentacao 1
Wilma Freire
 
Apresentação pnaic
Apresentação   pnaicApresentação   pnaic
Apresentação pnaic
Aline Caixeta
 
Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015
Luciane Natural
 
Bncc ppp
Bncc pppBncc ppp

Mais procurados (13)

Apresentação pnaic professores alfabetizadores
Apresentação pnaic professores alfabetizadoresApresentação pnaic professores alfabetizadores
Apresentação pnaic professores alfabetizadores
 
Formação 2 ciclo alfabetização
Formação 2 ciclo alfabetização Formação 2 ciclo alfabetização
Formação 2 ciclo alfabetização
 
Apresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricularApresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricular
 
Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...
Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...
Cead 20131 pedagogia_pr_-_pedagogia_-_educacao_e_diversidade_-_nr_(a2_ead071)...
 
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
 
Pcn 02 LíNgua Portuguesa
Pcn   02   LíNgua PortuguesaPcn   02   LíNgua Portuguesa
Pcn 02 LíNgua Portuguesa
 
1 encontro 1 e 2 momento 2015
1 encontro 1 e 2 momento 20151 encontro 1 e 2 momento 2015
1 encontro 1 e 2 momento 2015
 
Pnaic caderno
Pnaic cadernoPnaic caderno
Pnaic caderno
 
Slides 1o dia pacto e caderno apresentacao 1
Slides 1o dia   pacto e caderno apresentacao 1Slides 1o dia   pacto e caderno apresentacao 1
Slides 1o dia pacto e caderno apresentacao 1
 
Apresentação pnaic
Apresentação   pnaicApresentação   pnaic
Apresentação pnaic
 
Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015
 
Bncc ppp
Bncc pppBncc ppp
Bncc ppp
 

Semelhante a Artigo semana de pedagogia - pdf

interdisciplinaridade
interdisciplinaridadeinterdisciplinaridade
interdisciplinaridade
Rhaykaisa
 
Ano 1 unidade_2
Ano 1 unidade_2Ano 1 unidade_2
Ano 1 unidade_2
Daniela Menezes
 
Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)
Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)
Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)
Elisabete José Soares
 
Ler e escrever 5º ano
Ler e escrever 5º anoLer e escrever 5º ano
Ler e escrever 5º ano
Wesley Galassi
 
Ano 1 unidade_2_miolo
Ano 1 unidade_2_mioloAno 1 unidade_2_miolo
Ano 1 unidade_2_miolo
Fabiana Barbom Mendes
 
Portifolio
PortifolioPortifolio
Portifolio
Maria Cruz
 
Pauta 1ª aula parte 2- 9 de maio
Pauta  1ª aula parte 2- 9 de maioPauta  1ª aula parte 2- 9 de maio
Pauta 1ª aula parte 2- 9 de maio
adridaleffi121212
 
1º encontro
1º encontro1º encontro
1º encontro
SolVenezzani
 
Cbc anos finais - ensino religioso
Cbc   anos finais - ensino religiosoCbc   anos finais - ensino religioso
Cbc anos finais - ensino religioso
Antônio Fernandes
 
Anexo 038 relato aluna simone
Anexo 038   relato aluna simoneAnexo 038   relato aluna simone
Anexo 038 relato aluna simone
Regina Helena Souza Ferreira
 
Adoleta professor
Adoleta professorAdoleta professor
Adoleta professor
Elaine Chica
 
Pnaic mat caderno 1_pg001-072
Pnaic mat caderno 1_pg001-072Pnaic mat caderno 1_pg001-072
Pnaic mat caderno 1_pg001-072
Claudia Angela da Silva
 
Pnaic encontro 1 20
Pnaic encontro 1 20Pnaic encontro 1 20
Orientações professor
 Orientações professor Orientações professor
Orientações professor
gabriellehdasilva
 
Oc ns
Oc nsOc ns
Oc ns
Pedro Lima
 
Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]
Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]
Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]
Erica Zibetti
 
Book volume 01_internet
Book volume 01_internetBook volume 01_internet
Book volume 01_internet
Luiz Dias
 
2º encontro
2º encontro2º encontro
2º encontro
SolVenezzani
 
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
EC306norte
 
Curso fnde trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...
Curso fnde   trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...Curso fnde   trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...
Curso fnde trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...
Pyter Sky
 

Semelhante a Artigo semana de pedagogia - pdf (20)

interdisciplinaridade
interdisciplinaridadeinterdisciplinaridade
interdisciplinaridade
 
Ano 1 unidade_2
Ano 1 unidade_2Ano 1 unidade_2
Ano 1 unidade_2
 
Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)
Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)
Lereescrever5ano 140404210656-phpapp01 (1)
 
Ler e escrever 5º ano
Ler e escrever 5º anoLer e escrever 5º ano
Ler e escrever 5º ano
 
Ano 1 unidade_2_miolo
Ano 1 unidade_2_mioloAno 1 unidade_2_miolo
Ano 1 unidade_2_miolo
 
Portifolio
PortifolioPortifolio
Portifolio
 
Pauta 1ª aula parte 2- 9 de maio
Pauta  1ª aula parte 2- 9 de maioPauta  1ª aula parte 2- 9 de maio
Pauta 1ª aula parte 2- 9 de maio
 
1º encontro
1º encontro1º encontro
1º encontro
 
Cbc anos finais - ensino religioso
Cbc   anos finais - ensino religiosoCbc   anos finais - ensino religioso
Cbc anos finais - ensino religioso
 
Anexo 038 relato aluna simone
Anexo 038   relato aluna simoneAnexo 038   relato aluna simone
Anexo 038 relato aluna simone
 
Adoleta professor
Adoleta professorAdoleta professor
Adoleta professor
 
Pnaic mat caderno 1_pg001-072
Pnaic mat caderno 1_pg001-072Pnaic mat caderno 1_pg001-072
Pnaic mat caderno 1_pg001-072
 
Pnaic encontro 1 20
Pnaic encontro 1 20Pnaic encontro 1 20
Pnaic encontro 1 20
 
Orientações professor
 Orientações professor Orientações professor
Orientações professor
 
Oc ns
Oc nsOc ns
Oc ns
 
Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]
Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]
Pcnem [linguagens, códigos e suas tecnologias]
 
Book volume 01_internet
Book volume 01_internetBook volume 01_internet
Book volume 01_internet
 
2º encontro
2º encontro2º encontro
2º encontro
 
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
Projeto de Intervenção Socioeducativa - 2011
 
Curso fnde trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...
Curso fnde   trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...Curso fnde   trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...
Curso fnde trabalho final - competencias básicas - itauan e cristina viana ...
 

Mais de Suyanne Costa

Resume master
Resume masterResume master
Resume master
Suyanne Costa
 
Agronomia
AgronomiaAgronomia
Agronomia
Suyanne Costa
 
42175629 lista-de-exercicios-03-porticos
42175629 lista-de-exercicios-03-porticos42175629 lista-de-exercicios-03-porticos
42175629 lista-de-exercicios-03-porticos
Suyanne Costa
 
Edital agropolos
Edital  agropolosEdital  agropolos
Edital agropolos
Suyanne Costa
 
Relatorio tijuca boa vista
Relatorio tijuca boa vistaRelatorio tijuca boa vista
Relatorio tijuca boa vista
Suyanne Costa
 
Movimentos sociais no campo analise textual
Movimentos sociais no campo   analise textualMovimentos sociais no campo   analise textual
Movimentos sociais no campo analise textual
Suyanne Costa
 
Interligação de técnicas agroecologica e textos
Interligação de técnicas agroecologica e textosInterligação de técnicas agroecologica e textos
Interligação de técnicas agroecologica e textos
Suyanne Costa
 

Mais de Suyanne Costa (7)

Resume master
Resume masterResume master
Resume master
 
Agronomia
AgronomiaAgronomia
Agronomia
 
42175629 lista-de-exercicios-03-porticos
42175629 lista-de-exercicios-03-porticos42175629 lista-de-exercicios-03-porticos
42175629 lista-de-exercicios-03-porticos
 
Edital agropolos
Edital  agropolosEdital  agropolos
Edital agropolos
 
Relatorio tijuca boa vista
Relatorio tijuca boa vistaRelatorio tijuca boa vista
Relatorio tijuca boa vista
 
Movimentos sociais no campo analise textual
Movimentos sociais no campo   analise textualMovimentos sociais no campo   analise textual
Movimentos sociais no campo analise textual
 
Interligação de técnicas agroecologica e textos
Interligação de técnicas agroecologica e textosInterligação de técnicas agroecologica e textos
Interligação de técnicas agroecologica e textos
 

Artigo semana de pedagogia - pdf

  • 1. PARA LER “BOLA” NO PAÍS DO FUTEBOL: DISCUSSÃO, ANÁLISE E COMPARAÇÃO. ¹ Autor (a): Louise Anne de Santana – Universidade Federal do Ceará louisecoordenadora@gmail.com/louisepedagogia@hotmail.com O processo de ensino–aprendizagem da língua portuguesa é complexo, não bastando a este fazer um plano de aula, descrever a atividade e realiza-la, o desafio do ensino requer também estarmos atentos ao suporte que ele vai necessitar em casa, e no processo de fixação posterior para que a aprendizagem seja de fato completa. Foi pensando nestes pontos importantes e significativos que optamos por fazer uma breve análise e promover discussões acerca da escolha do livro didático para a 1ª Série do Ensino Fundamental I, série em que alunos e professores concretizam o desafio do letramento e da alfabetização. O livro didático é diretamente responsável por este conhecimento e prática, é ele que aproxima os familiares e responsáveis da criança das discussões que estão sendo feitas em sala, do progresso destes pequenos no processo de ensino–aprendizagem da escrita e da leitura, além de fazer o convite, na casa do próprio aluno para que o conhecimento ministrado ultrapasse os muros da escola. Para nos auxiliar nesta discussão iremos nos basear no estudo e na reflexão que fundamenta o PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) e o PNLD (Programa Nacional do Livro Didático), e apresentaremos a partir desses dois documentos a análise, discussão e comparação de dois livros referentes ao ensino de Letramento e Alfabetização para a 1ª Série do Ensino Fundamental I. Esperamos contribuir com o aprimoramento da nossa formação como profissionais que tem por desafio o exercício da leitura, comparação, e reflexão da prática e dos instrumentos que buscam auxiliar á esta. ¹ Graduanda do 7º semestre do curso de Pedagogia Noturno da Universidade Federal do Ceará, Monitora da Coordenadoria de Formação de Células Cooperativas, Monitora voluntária de Política Educacional I. 1
  • 2. PARA LER “BOLA” NO PAÍS DO FUTEBOL: DISCUSSÃO, ANÁLISE E COMPARAÇÃO. A escolha do livro didático de Língua Portuguesa para a 1ª Série do Ensino Fundamental I. 1. O pedagogo e a escolha do livro didático. Quando optamos pela profissão de pedagogo assumimos um compromisso social que nos responsabiliza pelo bem mais precioso que temos em nosso país, nossas crianças; Seu entendimento de mundo, sua percepção, a identificação das coisas, sua nomenclatura, o significado que é atribuído á cada nome, forma e cor, todas estas incríveis descobertas contará com cada um de nós, munidos de nosso olhar e de nossos cuidados, equipados com a vontade de fazer um Brasil melhor. É a partir dessa constatação que também assumimos junto ao compromisso anterior outro, o de zelarmos por este ofício, o de não esquecer jamais de sermos todos os dias estudantes, curiosos, questionadores, dispostos a aprender, e a não aprender também. Ao avaliar a tão falada práxis também nos deparamos com uma avaliação pessoal, do quanto estamos verdadeiramente dispostos ao ofício do ensino, que nos remete ao árduo, cansativo e prazeroso desafio do aprender. Com o passar da prática, no entanto, cansamos, ás vezes desistimos, nos remanejamos a outras tarefas, e alguns de nós infelizmente esquecemos-nos de pequenos detalhes, que fazem toda a diferença nos resultados que buscamos ao final do ano letivo. Para além do plano de aula, das atividades tão cuidadosamente elaboradas e executadas, existe outro elemento indispensável na busca por estes objetivos, o livro didático, que nos auxiliará no reforço do conteúdo ministrado em sala, que irá ajudar ás nossas crianças a fixar o conhecimento, e que fará o importante convite á família para também embarcar com a criança, ali, em casa mesmo, na viagem pela busca do saber. A participação do pedagogo nesta escolha é indispensável, posto que seja como escolher um companheiro de luta, algo em que se confie e em que verdadeiramente o pedagogo se perceba ainda que ausente, mas que leve sua marca junto ao aprendizado que o aluno desenvolve para além dos muros da escola. Por conta desses tão 2
  • 3. significantes motivos, optamos por também discutir esta escolha, posto que a mesma perpasse por uma avaliação da prática e também um convite ao desafio da leitura, observação e comparação do material de trabalho por parte deste profissional. É um convite para que o pedagogo se deixe encantar, tanto quanto ele gostaria que seus alunos e alunas também se envolvessem com o universo do livro didático. Para nos auxiliar na discussão acerca da escolha do livro didático iremos consultar e saber o que versam documentos que orientam a nós pedagogos neste exercício, que direcionam e nos mostram o que considerar e qual a importância de cada item minuciosamente observado para esta escolha. 2. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). 1) O que é o PCN? Os Parâmetros Curriculares Nacionais constituem um referencial de qualidade para a educação no Ensino Fundamental em todo o País. Sua função é orientar e garantir a coerência dos investimentos no sistema educacional, socializando discussões, pesquisas e recomendações, subsidiando a participação de técnicos e professores brasileiros, principalmente daqueles que se encontram mais isolados, com menor contato com a produção pedagógica atual. Por sua natureza aberta, configuram uma proposta flexível, a ser concretizada nas decisões regionais e locais sobre currículos e sobre programas de transformação da realidade educacional empreendidos pelas autoridades governamentais, pelas escolas e pelos professores. Não configuram, portanto, um modelo curricular homogêneo e impositivo, que se sobreporia à competência político - executiva dos Estados e Municípios, à diversidade sociocultural das diferentes regiões do País ou à autonomia de professores e equipes pedagógicas. O PCN é um importante referencial para a educação do ensino fundamental de todo o Brasil. Ele não foi criado para ditar a forma da educação em nosso país, ou impor o mesmo método e prática em todas as regiões do país, afinal temos artigos na própria constituição federal e na LDB que nos lembram de trabalhar com as especificidades e regionalidades de nosso país, mas o PCN vem na tentativa de orientar e dar sentido e coerência ao nosso sistema educacional como um todo. Foi um instrumento criado para 3
  • 4. socializar as pesquisas, discussões e recomendações acerca das práticas pedagógicas atuais em nosso país. 2) O processo de elaboração do PCN O processo de elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais teve início a partir do estudo de propostas curriculares de Estados e Municípios brasileiros, da análise realizada pela Fundação Carlos Chagas sobre os currículos oficiais e do contato com informações relativas a experiências de outros países. Foram analisados subsídios oriundos do Plano Decenal de Educação, de pesquisas nacionais e internacionais, dados estatísticos sobre desempenho de alunos do ensino fundamental, bem como experiências de sala de aula difundidas em encontros, seminários e publicações. Formulou-se, então, uma proposta inicial que, apresentada em versão preliminar, passou por um processo de discussão em âmbito nacional, em 1995 e 1996, do qual participaram docentes de universidades públicas e particulares, técnicos de secretarias estaduais e municipais de educação, de instituições representativas de diferentes áreas de conhecimento, especialistas e educadores. Os pareceres recebidos, além das análises críticas e sugestões em relação ao conteúdo dos documentos, em sua quase totalidade, apontaram a necessidade de uma política de implementação da proposta educacional inicialmente explicitada. É importante colocar que no processo de formulação do PCN houve um envolvimento de vários setores da sociedade, a partir da análise dos documentos e da elaboração de pareceres que sugeriram diversas possibilidades de atuação das universidades e das faculdades de educação para a melhoria do ensino nas séries iniciais, as quais estão sendo incorporadas na elaboração de novos programas de formação de professores, vinculados à implementação dos Parâmetros Curriculares Nacionais. 3) Função do PCN: Cada criança ou jovem brasileiro, mesmo de locais com pouca infraestrutura e condições socioeconômicas desfavoráveis, deve ter acesso ao conjunto de conhecimentos socialmente elaborados e reconhecidos como necessários para o exercício da cidadania para deles poder usufruir. Se existem diferenças socioculturais 4
  • 5. marcantes, que determinam diferentes necessidades de aprendizagem, existe também aquilo que é comum a todos, que um aluno de qualquer lugar do Brasil, do interior ou do litoral, de uma grande cidade ou da zona rural, deve ter o direito de aprender e esse direito deve ser garantido pelo Estado. É nesse sentido que o estabelecimento de uma referência curricular comum para todo o País, ao mesmo tempo em que fortalece a unidade nacional e a responsabilidade do Governo Federal com a educação, busca garantir, também, o respeito à diversidade que é marca cultural do País, mediante a possibilidade de adaptações que integrem as diferentes dimensões da prática educacional. 4) A LDB e o PCN: A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Federal n. 9.394), aprovada em 20 de dezembro de 1996, consolidou e ampliou o dever do poder público para com a educação em geral e em particular para com o ensino fundamental. Assim, vê-se no art. 22 dessa lei que a educação básica, da qual o ensino fundamental é parte integrante, deve assegurar a todos “a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhes meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores”, fato que confere ao ensino fundamental, ao mesmo tempo, um caráter de terminalidade e de continuidade. Essa LDB reforçou a necessidade de se propiciar a todos a formação básica comum, o que pressupõe a formulação de um conjunto de diretrizes capaz de nortear os currículos e seus conteúdos mínimos, incumbência que, nos termos do art. 9º, inciso IV, é remetida para a União. Para dar conta desse amplo objetivo, a LDB consolida a organização curricular de modo a conferir uma maior flexibilidade no trato dos componentes curriculares, reafirmando desse modo o princípio da base nacional comum (Parâmetros Curriculares Nacionais), a ser complementada por uma parte diversificada em cada sistema de ensino e escola na prática, repetindo o art. 210 da Constituição Federal. Em linha de síntese, pode-se afirmar que o currículo, tanto para o ensino fundamental quanto para o ensino médio, deve obrigatoriamente propiciar oportunidades para o estudo da língua portuguesa, da matemática, do mundo físico e natural e da realidade social e política, enfatizando-se o conhecimento do Brasil. 5
  • 6. É importante colocar que o surgimento e o aprimoramento do PCN estão diretamente vinculados á promulgação da Lei de Diretrizes e Base da Educação Brasileira, que levou o país a uma reflexão acerca da formação básica comum em toda a União. Vale–se ressaltar que apesar dessa “formação comum” há também uma maior flexibilidade para se trabalhar as peculiaridades locais, a especificidade dos planos dos estabelecimentos de ensino e as diferenças individuais dos alunos. 5) A relação PCN, áreas, conteúdos e Livro Didático:  Área O tratamento da área e de seus conteúdos integra uma série de conhecimentos de diferentes disciplinas, que contribuem para a construção de instrumentos de compreensão e intervenção na realidade em que vivem os alunos. A concepção da área evidencia a natureza dos conteúdos tratados, definindo claramente o corpo de conhecimentos e o objeto de aprendizagem, favorecendo aos alunos uma construção de representações sobre o que estudam. Essa caracterização da área é importante também para que os professores possam se situar dentro de um conjunto definido e conceitualizado de conhecimentos que pretendam que seus alunos aprendam condição esta, necessária para proceder a encaminhamentos que auxiliem as aprendizagens com sucesso. Se avaliarmos como importante definir os contornos das áreas, é também essencial que estes se fundamentem em uma concepção que os integre conceitualmente, e essa integração seja efetivada na prática didática. O delineamento da área de abordagem é essencial para que os instrumentos que auxiliam no processo de aprendizagem sejam construídos e utilizados de maneira qualificada. Isso está diretamente relacionado á perspectiva de linearidade na construção não só dos objetivos que se espera de uma criança no processo do aprender, mas também de uma continuidade dos objetos que irão permear a construção deste conhecimento. È para além do desafio de definição dos conteúdos também o desafio de contextualização de aproximação do que se espera daquilo que também a criança está disposta ou por questões culturais ou formativas a oferecer. 6
  • 7. Conteúdos Os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem uma mudança de enfoque em relação aos conteúdos curriculares: ao invés de um ensino em que o conteúdo seja visto com um fim em si mesmo, o que se propõe é um ensino em que o conteúdo seja visto como meio para que os alunos desenvolvam as capacidades que lhes permitam produzir e usufruir dos bens culturais, sociais e econômicos. É a formação do aluno numa perspectiva continuada, nunca findada, e na verdade é este o real processo de aprendizagem recorrente, em que nem professor nem aluno sente que tudo está completo, havia antes uma necessidade de que os conteúdos viessem a sanar todos os problemas antecessores a fase em que a criança estava, mas não é assim. O conhecimento não é degenerativo, em que para aprender algo, tudo o que antes havia torna–se inválido, pelo contrário, o conhecimento é acumulativo, e os conteúdos por sua vez devem ser da mesma maneira. O aluno não está isento da sociedade e contextualizar a mesma, dar sentido a esta em sala de aula e envolve-la com o que é ensinado tem sido o grande desafio do professor.  Livro Didático Todo material é fonte de informação, mas nenhum deve ser utilizado com exclusividade. É importante haver diversidade de materiais para que os conteúdos possam ser tratados da maneira mais ampla possível. O livro didático é um material de forte influência na prática brasileira de ensino. É preciso que os professores estejam atentos à qualidade, à coerência e a eventuais restrições que apresentem em relação aos objetivos educacionais propostos. Além disso, é importante considerar que o livro didático não deve ser o único material a ser utilizado, pois a variedade de fontes de informação é que contribuirá para o aluno ter uma visão ampla do conhecimento. Há uma real necessidade de nos aprofundarmos em conhecer o nosso grande parceiro de trabalho, o livro didático, mas o mesmo, não deve ser tudo, a escolha do livro didático é imprescindível, pois este material vai permear toda a relação de aprendizagem que o aluno vai desenvolver durante todo um ano, mas é importante ressaltar que nada melhor do que a sensibilidade do professor para trazer adequações 7
  • 8. pertinentes à necessidade de contextualização que os textos ou as atividades propostas pelo livro venham a trazer. 6) Os PCN e as orientações quanto ao ensino da Língua Portuguesa Para o tratamento didático dos conteúdos é preciso considerar também o estabelecimento de relações internas ao bloco e entre blocos. Exemplificando: os blocos de conteúdos de Língua Portuguesa são língua oral, língua escrita, análise e reflexão sobre a língua; é possível aprender sobre a língua escrita sem necessariamente estabelecer uma relação direta com a língua oral; por outro lado, não é possível aprender a analisar e a refletir sobre a língua sem o apoio da língua oral, ou da escrita. Dessa forma, a inter-relação dos elementos de um bloco, ou entre blocos, é determinada pelo objeto da aprendizagem, configurado pela proposta didática realizada pelo professor. É mais uma vez chamar atenção para que, na abordagem da língua nada é absoluto, não há um método perfeito que vai tornar este ou aquele indivíduo apto a exercer o poder de fala e compreensão de uma hora para a outra. O Essencial neste caso é realmente uma inter – relação entre o que se deve ensinar e o que se pode aprender. A língua está em um eterno movimento e pode a qualquer hora mudar, e para que ela não se dissolva, porque ela é um bem diluído, é necessário que a oralidade e a escrita caminhem juntas e consigam sempre dialogar e propor uma á outra a análise e a reflexão. 7) Os PCN e os Objetivos Gerais para o Ensino Fundamental:  Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas; A importância da oralidade para as relações interpessoais dentro do convívio social.  Utilizar as diferentes linguagens — verbais, matemática, gráfica, plástica e corporal — como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação; 8
  • 9. O poder da comunicação para expressar–se, trazer ao conhecimento do outro o que você é, quem é e como deseja se definir. É a oportunidade de dar a si próprio, ás suas vontades, ações e convicções um nome, para a criança é o próprio processo de reconhecimento como ser social e sociável. 3. O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). 1) Um Breve Histórico acerca do PNLD O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) é o mais antigo dos programas voltados à distribuição de obras didáticas aos estudantes da rede pública de ensino brasileira e iniciou-se, com outra denominação, em 1929. Ao longo desses 80 anos, o programa foi aperfeiçoado e teve diferentes nomes e formas de execução. Atualmente, o PNLD é voltado à educação básica brasileira, tendo como única exceção os alunos da educação infantil. 2) Seleção de Material Didático para o Ensino da Língua Portuguesa: I. Relativos à natureza do material textual selecionado O conjunto de textos que um LDP oferece para o ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa deve justificar-se pela qualidade da experiência de leitura que possa propiciar ao aluno, contribuindo para a sua formação como leitor proficiente, inclusive como leitor literário. Uma coletânea deve, portanto:  Estar isenta tanto de fragmentos sem unidade de sentido quanto de pseudotextos, redigidos com propósitos exclusivamente didáticos;  Ser representativa da heterogeneidade própria da cultura da escrita – inclusive no que diz respeito a autoria, a registros, estilos e variedades (sociais e regionais) linguísticas do Português –, de forma a permitir ao aluno a percepção de semelhanças e diferenças entre tipos de textos e gêneros diversos, pertencentes a esferas socialmente mais significativas de uso da linguagem;  Ser adequada – do ponto de vista da extensão, da temática e da complexidade linguística – ao nível de escolarização em jogo;  Incluir, de forma significativa e equilibrada, em relação aos demais, textos da tradição literária de língua portuguesa (especialmente os da literatura brasileira);  Incentivar professores e alunos a buscarem textos e informações fora dos limites do próprio livro didático. 9
  • 10. II. Relativos ao trabalho com o texto No trabalho com o texto, em qualquer de suas dimensões (leitura e compreensão, produção de textos orais e escritos, construção de conhecimentos linguísticos), é fundamental a diversidade de estratégias, assim como a articulação entre os vários aspectos envolvidos, de forma a garantir a progressão nos estudos. Além desses, em cada um dos componentes de Língua Portuguesa outros critérios afiguram-se fundamentais para garantir à coleção um desempenho ao menos satisfatório, em termos metodológicos. Leitura As atividades de compreensão e interpretação do texto têm como objetivo final a formação do leitor (inclusive a do leitor literário) e o desenvolvimento da proficiência em leitura. Portanto, só podem constituir-se como tais na medida em que:  Encararem a leitura como uma situação de interlocução leitor/autor/texto socialmente contextualizada;  Respeitarem as convenções e os modos de ler próprios dos diferentes gêneros, tanto literários quanto não literários;  Desenvolverem estratégias e capacidades de leitura, tanto as relacionadas aos gêneros propostos, quanto as inerentes ao nível de proficiência que se pretende levar o aluno a atingir. Produção de textos escritos As propostas de produção escrita devem visar à formação do produtor de texto e, portanto, ao desenvolvimento da proficiência em escrita. Nesse sentido, não podem deixar de:  Considerar a escrita como uma prática socialmente situada propondo ao aluno, portanto, condições plausíveis de produção do texto;  Abordar a escrita como processo, de forma a ensinar explicitamente os procedimentos envolvidos no planejamento, na produção e na revisão e reescrita dos textos;  Explorar a produção de gêneros ao mesmo tempo diversos e pertinentes para a consecução dos objetivos estabelecidos pelo nível de ensino visado; 10
  • 11. Desenvolver as estratégias de produção relacionadas tanto ao gênero proposto quanto ao grau de proficiência que se pretende levar o aluno a atingir. III. Relativos ao trabalho com a oralidade A linguagem oral, que o aluno chega à escola dominando satisfatoriamente, no que diz respeito a demandas de seu convívio social imediato, é o instrumento por meio do qual se efetivam tanto a interação professor-aluno quanto o processo de ensino- aprendizagem. Será com o apoio dessa experiência prévia que o aprendiz não só desvendará o funcionamento da língua escrita como estenderá o domínio da fala para novas situações e contextos, inclusive no que diz respeito a situações escolares como as exposições orais e os seminários. Assim, caberá ao LDP, no que diz respeito a esse quesito:  Recorrer à oralidade nas estratégias didáticas de abordagem da leitura e da produção de textos;  Valorizar e efetivamente trabalhar a variação e a heterogeneidade linguísticas, situando nesse contexto sociolinguístico o ensino das normas urbanas de prestígio;  Propiciar o desenvolvimento das capacidades e formas discursivas relacionadas aos usos da linguagem oral próprios das situações formais e/ou públicas pertinentes ao nível de ensino em foco. IV. Relativos ao trabalho com os conhecimentos linguísticos O trabalho com os conhecimentos linguísticos tem por objetivo levar o aluno a refletir sobre aspectos da língua e da linguagem relevantes para o desenvolvimento tanto da proficiência oral e escrita quanto da capacidade de analisar fatos de língua e de linguagem. Por isso mesmo, seus conteúdos e atividades devem:  Abordar os diferentes tipos de conhecimentos linguísticos em situações de uso, articulando-os com a leitura, a produção de textos e o exercício da linguagem oral;  Considerar e respeitar as variedades regionais e sociais da língua, promovendo o estudo das normas urbanas de prestígio nesse contexto sociolinguístico;  Estimular a reflexão e propiciar a construção dos conceitos abordados; 11
  • 12. 4. Análise, Discussão e Comparação de Livros da 1ª Série do Ensino Fundamental I. Iremos apresentar a seguir uma análise discutida de dois livros da 1ª Série do Ensino Fundamental I, e também faremos uma comparação entre os livros apresentados. Optei por analisar inicialmente este livro, Novo Eu Gosto – 6 anos de Célia Passos e Zeneide Silva, e infelizmente observamos que ele está destoante com as indicações do PNLD que já foram aqui expostas. Ele não traz a partir de suas atividades e discussões uma perspectiva de aperfeiçoamento da formação como leitor e produtor de textos escritos para as crianças sugeridas na faixa etária abordada. O PNLD indica que o sumário de um livro didático de Português reflita claramente a organização dos conteúdos e atividades propostas, além de permitir a rápida localização das informações; O que observamos, no entanto, é uma descrição de palavras que nem sequer sugerem o conteúdo abordado nestas unidades, não torna nem mesmo o decorrer do livro convidativo a leitura, no tocante ao professor e também ao aluno. O PNLD sugere que os textos expostos para consulta em um livro de estudo da Língua Portuguesa não traga pseudotextos, que tenham sido redigidos com propósitos exclusivamente didáticos; É o que observamos nas propostas de textos de estudo e atividades sugeridas pelo livro e apresentadas a seguir. No tocante ás atividades sugeridas propostas é que tratam – se apenas de réplicas de palavras em uma perspectiva de memorização de pequenas regras de escrita. 12
  • 13. A legibilidade gráfica adequada para o nível de escolaridade visado, do ponto de vista do desenho e do tamanho das letras sugeridos pelo PNLD é claro ao colocar que o espaçamento entre letras, palavras e linhas também irá influenciar para a compreensão da criança no tocante á promoção da leitura e contextualização; Ele também é claro com relação ao formato, no tocante a dimensões e disposição dos textos na página; Vemos, no entanto, um texto exprimido e sem um aprofundamento que traga significado para o processo de aprendizagem da criança. Outra crítica que fazemos aos textos expostos para abordagem do conteúdo propostos pelo livro é que eles não levam em consideração as recomendações do PNLD no tocante a formular textos que incentivem professores e alunos a buscarem textos e informações fora dos limites do próprio livro didático. Até porque as atividades propostas para uma “fixação” do texto também não trazem essa abertura. Quanto ao estudo do texto proposto pelo livro abordado sentimos falta de três importantes aspectos elencados pelo PNLD:  A leitura deve ser encarada como uma situação de interlocução leitor/autor/texto socialmente contextualizada;  O recomendável é que se desenvolva e se respeite a partir da leitura proposta as convenções e os modos de ler próprios dos diferentes gêneros, tanto literários quanto não literários; 13
  • 14. Isso é observado na proposta de texto que o livro traz, mas não é explorado nas atividades propostas para o estudo do texto, em que se pede do aluno respostas fechadas e de acordo com a grafia do texto.  O texto deve trazer estratégias e capacidades de leitura, tanto as relacionadas aos gêneros propostos, quanto as inerentes ao nível de proficiência que se pretende levar o aluno a atingir. O que se pode observar a partir do texto extraído do livro é que este objetivo não é buscado na proposta do texto, que é extenso para o nível sugerido, ou na atividade de “fixação” do mesmo. Após essa avaliação do livro apresentado e fundamentada no PCN e no PNLD, documentos que versam sobre a importância e os padrões do livro didático no processo de ensino-aprendizagem de nossos alunos, foi possível perceber que este livro não está apto a ser adotado como recurso didático no ensino de Língua Portuguesa na 1ª Série do Ensino Fundamental I, afinal, as contradições com as propostas feitas pelo PNLD, documento de consulta e uso do profissional que recomenda critérios ao livro didático, e também o PCN, que trata de questões da aprendizagem que o aluno deve adquirir e exercer ao final do ano letivo, são muitas. Reinteramos aqui a importância do olhar do pedagogo, do envolver-se, do se perceber aprendendo e entendendo o percurso que seu educando faria ao ter como auxílio de sua aprendizagem um livro didático como o apresentado anteriormente. Mas vamos em frente, a seguir um segundo livro para nossa apreciação e discussão: Nós escolhemos esses dois livros porque um é a complementação do outro, ambos são abordados no 1º ano e trazem uma abordagem completa e bastante enriquecida da experiência de Letramento e Alfabetização para Crianças. 14
  • 15. Á partir do próprio Sumário observa-se como a abordagem é diferenciada, a preocupação de apresentar as letras e trazer uma aproximação a partir da contextualização deste momento com a realidade em que a própria criança está inserida. O estudo das vogais é feito de modo diversificado, e também respeitando a sugestão de respeito a regionalidades e especificidades locais. Os desenhos são desenhos próximos da realidade da criança e pertinentes ao seu entendimento, contextualização e convívio. A abordagem do alfabeto por vezes é trabalhada no processo de Letramento e Alfabetização, esta atividade traz a perspectiva de linearidade na construção do alfabeto e de sentido na colocação das letras, facilitando o processo de visualização, memorização e aprendizagem. O livro também traz atividades que trazem a utilização das letras do alfabeto na formulação de palavras cotidianas dos alunos, além de trabalhar a oralidade a partir da abordagem sonora das letras e das palavras. No livro 2 inicia-se um aprimoramento da criança, começando com uma abordagem diferenciada para cada dígrafo, além de trazer as atividades com uma linguagem bem específica para a idade abordada. É um livro interessante, fácil de compreender e com atividades objetivas, mas que buscam a contextualização com a faixa etária e com a perspectiva de especificidades da própria formação da criança. 15
  • 16. Este tipo de atividade traz para a criança o desafio de começar a utilizar de maneira mais completa tudo que ela já observou, como letras, sílabas e palavras, e também de começar a observar que estas palavras fazem parte de um outro conjunto o de frases. Achamos enquanto equipe bastante interessante o método utilizado para promover uma compreensão de todo por parte das crianças, que as frases são um conjunto de palavras com significado. A partir da abordagem de letras, palavras e de sua aplicação em frases, o livro também propõe a compreensão do sentido que estas frases trazem, do que é ser uma frase que contenha palavras como sim e que são afirmativas. Enfim, foi um fato que também nos chamou atenção, a metodologia adotada pelo livro para fazer essa interação entre frases e sentidos a partir da abordagem da pontuação. Com a aproximação textual já iniciada com o uso das frases, neste momento o livro sugere um novo desafio o de classificar as palavras nas frases, de maneira leve e com uma abordagem bastante dinâmica, observamos aqui o estudo do verbo e dos significados de plural e singular em sua utilização. Nas últimas unidades do livro temos então a famosa produção textual, que coloca para o aluno o desafio de juntar todo o conhecimento adquirido e de dar sentido a um emaranhado de letras, frases e por consequência ao que vem a ser o próprio texto. Mais uma vez vale–se ressaltar a abordagem pedagógica dinâmica e diferenciada que o livro traz, além de uma sugestão de produção textual a partir de elementos cotidianos da vivência da criança. 16
  • 17. Com a leitura e análise deste livro podemos observar outra abordagem do processo de letramento e alfabetização da criança, com uma abordagem diversificada e atividades que se relacionam com a realidade da criança e com a fase de aprendizagem vivida por ela. Porém é importante chamar a atenção para os dizeres evangélicos impressos nas páginas de conteúdo do livro e vale-se ressaltar que para estar de acordo com as discussões do PNLD e as diretrizes do PCN bem como os atuais parâmetros curriculares do nosso país falta neste livro o cumprimento da compreensão de estado laico adotada pelo Brasil, é necessário salientar que em um livro didático, abordado em uma escola, que é lugar de todos e todas, dizeres que fazem referência a uma única religião e Deus não venham impressos, afinal, temos em nossas salas de aula crianças de famílias diferentes que possuem orientações quer sejam religiosas, culturais e sexuais também diferentes. No entanto, o livro trata da criança e de seu processo de aquisição e aprimoramento das letras, da leitura e da compreensão desta de maneira bastante ampla e diversificada, dando suporte para um trabalho didático enriquecido e aprimorado para o pedagogo em sala e para além desta. Conclusão Após todo o estudo do PCN e do PNLD, a abordagem destes direcionada a importância do livro didático e análise de dois livros de Língua Portuguesa da 1ª Série do Ensino Fundamental I, esperamos ter contribuído com o aprimoramento da nossa formação como um todo. Porque foi exatamente isso que aconteceu comigo, a partir do exercício de ler, comparar, refletir e também opinar acerca de um dos principais integrantes do nosso material de trabalho: o Livro Didático. É realmente imprescindível perceber que será o livro o responsável por trabalhar com o aluno nos espaços fora da escola, é ele que o aluno mostra aos pais como símbolo e troféu de seus avanços no processo de aprendizagem, é ele que dirá aos pais acerca do árduo e prazeroso trabalho do pedagogo com o seu filho em sala. O livro só não é o bastante, é preciso planejar, exercitar, aplicar, avaliar, e ler, compreender, encantar-se e encantar para que nossa tão importante missão seja cumprida, mas sei que estamos no caminho certo, refletir sobre este novo aspecto me abriu também outros horizontes, me alertou sobre uma formação cada vez mais complexa e inovadora, e este é o convite que faço com este trabalho. 17
  • 18. Agradecimentos Deixo aqui meus sinceros e carinhosos agradecimentos ás professoras Ana Paula Medeiros, que sempre me incentiva a ver-me além de minha graduação, e a Ana Iório, ambas me ensinaram a ler de um jeito especial, novo e diferente nossa prática e exercício enquanto pedagoga, na disciplina de Ensino da Língua Portuguesa, onde tive a oportunidade de fazer este estudo e desenvolver sobre orientação delas estas reflexões. Agradeço também ás minhas companheiras e amigas de viagem Ana Caroline Ribeiro, Kariane Lima Marques, Mayara Alves de Castro e o amigo Anderson Viana, afinal, foi com estes que em equipe descobrimos como é importante termos consciência de quem nos acompanhará durante todo um ano letivo e quem nos representará junto a nossos alunos e suas famílias. A um querido amor que me incentivou a escrever estes pensamentos, e que leu, página a página, sempre opinando e parabenizando-me a cada parágrafo. Ao meu doce mestre Messias Dieb que um dia ensinou a uma curiosa monitora de Metodologia Científica a escrever, pesquisar, construir em cima de minha prática. E aos que lerem e interessarem-se e encantarem-se e assumirem como seus o tão importante e especial ofício de perceber-se dia-a-dia como um pedagogo, leia-se, um eterno aprendiz, intrigado e sempre curioso, querendo nunca deixar de descobrir. Bibliografia PNLD - Guia de livros didáticos: PNLD 2011: Língua Portuguesa. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. PCN - Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. BARGUIL, Paulo Meireles. O Homem e a conquista dos espaços – o que os alunos e os professores fazem, sentem e aprendem na escola. Fortaleza, Gráfica e Editora LCR, 2006. 18