SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto de Educação Tecnológica
Pós-graduação
Gestão de Negócios - Turma nº 36
22/10/2015
Inovar para satisfazer:
Desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Wagner Tironi Pinto
Analista de Sistemas
wtironi@gmail.com
RESUMO
Este artigo pretende demonstrar a importância da inovação em serviço e que a aplicação de
técnicas de qualidade pode auxiliar na elaboração de ações que visam promover a melhoria
do serviço ofertado e favorecer a elevação da satisfação do cliente.
Palavras-chave: Inovação; Serviço; Estratégia; Qualidade;
1 INTRODUÇÃO
O atual momento da economia brasileira demonstra que estamos em meio a uma crise
econômica e política que está afetando toda a sociedade. De acordo com as previsões do
mercado (EM Digital, 2015), a perspectiva para o próximo ano não é um cenário diferente do
atual. A tendência observada demonstra que a recuperação da economia será lenta e
gradual.
É neste contexto que as empresas estão buscando alternativas para reduzir o impacto deste
momento em suas atividades e conseguir se manter no mercado. As empresas estão
focadas em basicamente reduzir os custos e ao mesmo tempo manter ou até elevar a
satisfação dos clientes. Tudo isso sem perder a qualidade do produto ou do serviço que é
oferecido.
A opção por focar em inovação tem sido uma necessidade que as empresas estão
procurando desenvolver em suas atividades. Para ESTEVES (2015) a inovação é “(...)
2
cuidar para que as organizações permaneçam competitivas (...)”. Já para FALCONI (2015)
“(...) inovar depende muito mais de atitude do que apenas recursos financeiros”.
Ou seja, a inovação é uma característica que a organização precisa desenvolver para a
própria sobrevivência e que não demanda somente recursos financeiros. É necessário o
apoio da alta gestão e de seus colaboradores para melhorar os padrões vigentes para
resultar em um ganho de valor para a empresa.
1.1 Justificativa
A partir da análise dos conceitos da inovação em serviço, pretende-se desenvolver uma
pesquisa bibliográfica sobre o tema, bem como pesquisar como se pode identificar a
percepção do cliente e como a organização pode identificar e solucionar os problemas
observados. Baseado neste material, serão elaboradas as boas práticas para o
desenvolvimento de uma estratégia para promover a inovação e consequentemente
proporcionar as condições favoráveis para se elevar o grau de satisfação do cliente.
1.2 Objetivos
Os objetivos deste trabalho são:
a) definir os conceitos sobre a inovação em serviço;
b) apresentar algumas das técnicas ou das ferramentas que podem ser utilizadas para
evidenciar, dentro de uma organização, os pontos de melhoria;
c) apresentar algumas das técnicas ou das ferramentas que podem ser utilizadas para
desenvolver as soluções, dentro de uma organização;
d) desenvolver as boas práticas para elaborar as estratégias necessárias para fornecer
condições para elevar a satisfação do cliente.
1.3 Metodologia
A metodologia utilizada para o desenvolvimento do trabalho consistiu em uma
pesquisa bibliográfica e também exploratória do tema de inovação em serviço. Após
descrever os pontos relevantes, foi possível identificar quais os conceitos básicos e
como podem ser aplicados em uma organização.
3
2 REVISÃO DE LITERATURA
2.1 Inovação em Serviço
A inovação de serviço é um conceito que tem como foco a entrega de valor para o cliente. O
setor de serviço é reconhecido por sua forte participação na economia brasileira e por
apresentar um perfil dinâmico de constante mudança (PORTAL BRASIL, 2015). KUBOTA
(2006, p.350) descreve que “(...) o setor de serviços é inovativo, apesar de as inovações
apresentarem, em geral, um caráter menos tecnológico (...)”.
A mudança que a inovação provoca deve ser “(...) reproduzível e realizada mais de uma vez. ”
(KUBOTA, 2006, p.351). Ainda KUBOTA (apud OECD, 2006, P.352) salienta as outras
características relacionadas a inovação de serviço como: o nível menor de investimento em
P&D em contrapartida a aquisição de conhecimento; à dificuldade em conseguir a mão-de-
obra existe uma preocupação em reter e desenvolvimento do colaborador na organização.
A inovação de serviço está enquadrada em quatro tipos como descreve KUBOTA (2006):
 Produto: a transformação do serviço/produto ofertado;
 Processo: a adequação dos procedimentos que são executados na organização;
 Organizacional: reestruturação das diretrizes internas da organização, com foco na
qualidade total;
 Mercado: alteração da área de atuação no mercado.
Já GALLOUJ e WEINSTEIN (1997) afirmam que a inovação pode ser caracterizada pelos
seguintes modelos:
 Radical: criação de um produto totalmente novo;
 Aperfeiçoamento: melhorias em alguns aspectos do produto sem que ocorra alguma
alteração significativa na estrutura principal;
 Incremental: é disponibilizado um novo recurso ou uma pequena alteração no
produto sem que ocorra alguma alteração significativa na estrutura principal;
 Ad hoc: a inovação é realizada em conjunto com o cliente;
 Recombinação: é uma readequação do produto, agregando com outra tecnologia ou
o com própria expertise da organização que possibilita uma nova abordagem;
 Formalização: é o amadurecimento do produto, referente a sua trajetória natural.
4
2.2 Identificação e análise do problema
Atualmente, o mercado já utiliza uma série de ferramentas para o controle de qualidade que
permite identificar e analisar o problema, com o foco na entrega de valor para o cliente.
Neste trabalho serão descritos apenas 3 (três) técnicas para identificar, priorizar, realizar a
análise do problema e propor ações para mitigar ou resolver a situação reportada.
2.2.1 Brainstorm
O Brainstorm é uma ferramenta que normalmente é utilizada em momento inicial para que
sejam identificadas situações sobre o tema a ser debatido. A “tempestade mental” consiste
em organizar um grupo para explorar ao máximo o tema, no qual deve ser o foco da
discussão.
O grupo deve ter liberdade para discorrer sobre o tema, sem que haja interferência e todas
as ideias serão consideradas para debate. Estas ideias são listadas e cada membro deste
grupo deve propor uma nova ideia até que não existam mais propostas. A partir desta lista
de ideias, o grupo deve eleger o item mais pertinente para ser priorizado.
2.2.2 Diagrama de Ishikawa (Análise da causa e efeito)
O diagrama de Ishikawa ou diagrama de causa e efeito, também conhecido com o
diagrama de espinha de peixe é utilizado para “(...) organizar o raciocínio e a discussão do
problema sobre as causas de um problema (...) e os efeitos decorrentes (...)” (PORTAL
ADMINISTRAÇÃO, 2015).
O objetivo desta ferramenta é fazer que o grupo análise o problema que seja estimulado a
identificação dos fatores que ocasionam esta situação. Após a análise dos 6 (seis)
aspectos que compõe o diagrama, será possível estruturar as causas e efeitos do
problema e o grupo terá informações para evidenciar a causa da origem do problema. A
partir da causa origem, será possível elaborar a solução que elimine ou reduza o impacto
do problema em questão.
5
2.2.3 Plano de ação (5W2H)
O plano de ação (5W2H) é uma ferramenta para mapear as atividades e definir o que
deverá ser feito, quem fará, o período do tempo, em qual setor/área da organização, a
motivação da atividade, como deverá ser executada a atividade e qual será o custo da
atividade (SOBRE ADMINISTRAÇÃO, 2015).
Esta ferramenta é facilmente elaborada pois pode ser desenvolvida um uma simples tabela
(ver Tabela 1) e fica claro para todos os envolvidos, qual é a responsabilidade de cada
membro do grupo e o objeto que deve ser alcançado.
O que? Porquê? Quem? Quando? Onde? Como? Quanto?
A atividade
a ser
realizada
Objetivo
da
atividade
Responsável
por realizar
A data de
conclusão
Local que
deverá ser
realizada
Como
deve ser
feito
O custo
da
atividade
Tabela 1 – Exemplo de tabela de plano de ação
3 UTILIZANDO AS TÉCNICAS PARA A ANÁLISE DE PROBLEMA
A premissa para a realização da análise dos problemas, além de reunir um grupo de
colaboradores que estejam cientes da situação e com respaldo dos gestores é que a
solução deve ser alinhada com a estratégia da organização e que resulte a entrega de valor
para o cliente (ESTRADA, DE ALMEIDA, 2007).
A primeira técnica que pode ser utilizada é o Brainstorm. Como já citado, a reunião deverá
produzir uma lista com várias ocorrências. Deve ser frisado que todas as ideias
apresentadas deverão ser registradas, sem que ocorra um cerceamento ou formatação da
proposta. A partir desta lista, o grupo deverá eleger a anomalia que é considerada a mais
crítica a ser tratada e que estava relacionada ao problema que está na pauta da discussão.
A figura 1 apresenta um exemplo de parte de uma planilha com os resultados do Brainstorm.
Figura 1 – Exemplo de planilha com item do Brainstorm
Definida a anomalia que será priorizada, deverá ser realizado o diagnóstico para identificar
as principais causas para a ocorrência da anomalia. Uma das técnicas que pode ser
6
aplicada é o diagrama de Ishikawa (Figura 2), que é uma ferramenta visual e que facilita o
debate para identificar a causa raiz do problema e qual a possível origem.
Figura 2 – Exemplo do diagrama do Ishikawa
Após a identificação das causas que ocorrem e resultam na anomalia, possibilita a
elaboração de um plano de ação para eliminar ou mitigar a causa quando for possível. O
plano de ação deve descrever com o máximo de clareza que for possível, o que deve ser
feito, o responsável, o prazo para conclusão e como deve será realizada a ação proposta
(um exemplo pode ser visto na Figura 3).
Figura 3 – Exemplo do plano de ação
4 APLICANDO A ANÁLISE DO PROBLEMA PARA INOVAR
Após a aplicação das técnicas, as ações a serem realizadas deverão resultar uma melhoria
na organização. Com o auxílio do plano de ação, é possível realizar o acompanhamento da
atividade e validar os resultados.
As melhorias a serem realizadas poderão ser inovações a serem implementadas. Com base
nas figuras que foram utilizadas como exemplo, podemos ponderar os resultados das ações
que poderiam ser enquadradas como inovações:
7
a) a criação do procedimento para a abertura do chamado: tipo organizacional de
aperfeiçoamento;
b) a validação do procedimento com o cliente: tipo organizacional via ad-hoc com o apoio
do cliente;
c) adaptar a ferramenta de abertura chamados: tipo organizacional do tipo incremental.
Podemos considerar que uma estratégia de relacionamento com o cliente é importante para
manter e fortalece uma parceria forte para que ocorra a melhoria continua dos
procedimentos e que resulte em uma qualidade no serviço que é prestado.
5 CONCLUSÕES
Como o descrito neste artigo a utilização de algumas das ferramentas como o brainstorm,
(que auxilia a identificar quais são os problemas), o diagrama do Ishikawa (auxilia na
classificação dos problemas) e o plano de ação (a definição das responsabilidades, a data
de entrega e o resultado esperado) são recursos simples e com a aplicabilidade em diversas
situações.
Os resultados esperados como a utilização são a solução ou a mitigação de um problema
que está prejudicando a operação de uma organização. E como consequência desenvolver
as inovações em serviço que “(...) tendem a serem simples e incrementais” (KUBOTA, 2006,
p. 352).
A inovação para este caso tende a ser incremental, ou seja, oferecer um novo recurso ou
realizar a melhoria em um recurso que o serviço já possui. Deste modo, tornar a operação
mais eficiente e que resulte em uma elevação na percepção de valor pelo cliente para que
seja transformado em satisfação.
Portanto, com exemplos de ferramentas que podem ser utilizadas por qualquer grupo de
trabalho e com o apoio dos gestores da organização, existe uma perspectiva que favoreça a
melhoria do serviço que é oferecido e que possibilite em resultados práticos na qualidade da
realização e a entrega do serviço.
8
REFERÊNCIAS
DE VARGAS, Eduardo Raupp; ZAWISLAK, Paulo Antônio; Inovação em Serviços no
Paradigma da Economia do Aprendizado: a Pertinência de uma Dimensão Espacial na
Abordagem dos Sistemas de Inovação - Revista de Administração Contemporânea, vol.10
no.1 Curitiba Jan./Mar. 2006;
EM Digital - Bancos reveem previsões para o PIB e já falam em recessão até em 2016.
Disponível em:
http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2015/07/16/internas_economia,669009/bancos-
reveem-previsoes-para-o-pib-e-ja-falam-em-recessao-ate-em-2016.shtml. Acessado em: 30
Jul. 2015.
ESTEVES, Sofia. O que é inovação? Disponível em: http://exame.abril.com.br/rede-de-
blogs/carreira-em-geracoes/2014/05/24/o-que-e-inovacao/. Acessado em: 09 Set. 2015
ESTRADA, Rolando Juan Soliz; DE ALMEIDA, Martinho Isnard Ribeiro. A eficiência
e a eficácia da gestão estratégica: do planejamento estratégico à mudança
organizacional. Revista de Ciências da Administração • v. 9, n. 19, p. 147-178,
set./dez. 2007.
FALCONI, Vicente. É possível inovar sem gastar dinheiro - Gestão a Vista. Disponível
em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1010/noticias/e-possivel-inovar-sem-
gastar-dinheiro. Acessado em: 29 Jul. 2015.
FDC – Inovação em Serviços. Disponível em:
http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Documents/infografico.pdf. Acessado
em: 09 Ago. 2015.
GALLOUJ, Fa'iz; WEINSTEIN, Olivier. Innovation in services. Research Policy, v. 26, p.
537-556, 1997.
KUBOTA, Luis Claudio; As Kibs e a inovação tecnológica das firmas de serviços. -
Economia e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 2 (36), p. 349-369, ago. 2009.
MEIRELES, Manuel. Ferramentas Administrativas para identificar, observar e analisar
problemas: Organizações com foco no cliente. São Paulo: Editora Arte & Ciência, 2001.
PORTAL ADMINISTRAÇÃO; Diagrama de Ishikawa – Causa e Efeito. Disponível em:
http://www.portal-administracao.com/2014/08/diagrama-de-ishikawa-causa-e-efeito.html.
Acessado em 12 Ago. 2015
PORTAL BRASIL – Setor de comércio e serviços é o que mais gera emprego e renda.
Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2009/11/setor-de-comercio-e-
servicos-e-o-que-mais-gera-emprego-e-renda. Acessado em 02 Ago. 2015.
SOBRE ADMINISTRAÇÃO; O que é o 5W2H e como ele é utilizado? Disponível em:
http://www.sobreadministracao.com/o-que-e-o-5w2h-e-como-ele-e-utilizado/. Acessado em:
12 Ago. 2015.
Ano de entrega
Autorização de Divulgação de Artigo Técnico
AUTORIZAÇÃO DE PUBLICAÇÃO
AUTORIZO A PUBLICAÇÃO DO ARTIGO TÉCNICO NA INTERNET,
JORNAIS E REVISTAS TÉCNICAS EDITADAS PELO IETEC.
NÃO AUTORIZO A PUBLICAÇÃO OU DIVULGAÇÃO DO ARTIGO
TÉCNICO.
BELO HORIZONTE, _26_/_10_/_2015
CURSO: ___GESTÃO DE NEGÓCIOS___________________________________
SEMESTRE/ANO: __2º / 2015_________________________________________
TURMA: _____36____________
TÍTULO DO ARTIGO:
Inovar para satisfazer: Desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos
clientes
NOME DO AUTOR (LEGÍVEL)
Wagner Tironi Pinto_______________
ASSINATURA
_____ ________________
X

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FERRAMENTAS DA QUALIDADE
FERRAMENTAS DA QUALIDADEFERRAMENTAS DA QUALIDADE
FERRAMENTAS DA QUALIDADE
VALDEMAR SILVA DE ALMEIDA
 
Capítulo 4 - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4  - Análise e Solução de ProblemasCapítulo 4  - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4 - Análise e Solução de Problemas
Saulo Oliveira
 
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemasOficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
Leonardo
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Sergio Dias
 
Lean manuf
Lean manufLean manuf
Lean manuf
Thaiany Ribeiro
 
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
Anderson Tiago
 
Ferramentas
FerramentasFerramentas
Ferramentas
Tħiago Ivo Pereira
 
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processosCapítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Saulo Oliveira
 
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetivaPriorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
Jefferson Affonso - PMP®, ITIL®, MCTS®, MBA
 
Relatório A3
Relatório A3Relatório A3
Relatório A3
Clovis Gonçalves
 
Masp
MaspMasp
Pdca p-g
Pdca p-gPdca p-g
PDCA MASP
PDCA MASPPDCA MASP
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestãoAmostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Orlando Lima Treinamentos
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Luiz Claudio Santana
 
2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo
2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo
2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo
Fernando Monteiro D'Andrea
 
345
345345
Alinhando Processos com Estratégia 2011
Alinhando Processos com Estratégia 2011Alinhando Processos com Estratégia 2011
Alinhando Processos com Estratégia 2011
wingscreative
 
Apresentao ferramentas da_qualidade_sergio_franca
Apresentao ferramentas da_qualidade_sergio_francaApresentao ferramentas da_qualidade_sergio_franca
Apresentao ferramentas da_qualidade_sergio_franca
Fernanda Farias
 
Apostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para iniciantesApostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para iniciantes
eadsigma1
 

Mais procurados (20)

FERRAMENTAS DA QUALIDADE
FERRAMENTAS DA QUALIDADEFERRAMENTAS DA QUALIDADE
FERRAMENTAS DA QUALIDADE
 
Capítulo 4 - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4  - Análise e Solução de ProblemasCapítulo 4  - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4 - Análise e Solução de Problemas
 
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemasOficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Lean manuf
Lean manufLean manuf
Lean manuf
 
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
10ecd48bac7a6e14dfc859ce6c8890ef
 
Ferramentas
FerramentasFerramentas
Ferramentas
 
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processosCapítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
 
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetivaPriorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
 
Relatório A3
Relatório A3Relatório A3
Relatório A3
 
Masp
MaspMasp
Masp
 
Pdca p-g
Pdca p-gPdca p-g
Pdca p-g
 
PDCA MASP
PDCA MASPPDCA MASP
PDCA MASP
 
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestãoAmostra do E-book 50 ferramentas de gestão
Amostra do E-book 50 ferramentas de gestão
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo
2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo
2012 10-22 - aula 11 - dominando o processo
 
345
345345
345
 
Alinhando Processos com Estratégia 2011
Alinhando Processos com Estratégia 2011Alinhando Processos com Estratégia 2011
Alinhando Processos com Estratégia 2011
 
Apresentao ferramentas da_qualidade_sergio_franca
Apresentao ferramentas da_qualidade_sergio_francaApresentao ferramentas da_qualidade_sergio_franca
Apresentao ferramentas da_qualidade_sergio_franca
 
Apostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para iniciantesApostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para iniciantes
 

Semelhante a Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes

Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
Marcelo Ribas
 
O Pensamento A3
O Pensamento A3O Pensamento A3
O Pensamento A3
Emilio Mesa Junior
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
Gerisval Pessoa
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Gerisval Pessoa
 
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
Amanda Bispo
 
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de NegóciosUma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
José Vieira
 
Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...
Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...
Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...
Diogo Rocha Ferreira de Menezes
 
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
Ink_conteudos
 
Ferramentas de gestao
Ferramentas de gestaoFerramentas de gestao
Ferramentas de gestao
Itamar Pereira Rezende
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
Reinalvo Orecic
 
apostila3.pdf
apostila3.pdfapostila3.pdf
apostila3.pdf
Fabiano Favretto
 
O que os olhos não vêem
O que os olhos não vêemO que os olhos não vêem
O que os olhos não vêem
CLT Valuebased Services
 
Gestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logísticaGestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logística
deividp9
 
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
luke9999
 
Análise das metodologias para definição de escopo em Lean Startups
Análise das metodologias para definição de escopo em Lean StartupsAnálise das metodologias para definição de escopo em Lean Startups
Análise das metodologias para definição de escopo em Lean Startups
Alexandre Rocha Lima e Marcondes
 
Programa de Sugestões
Programa de SugestõesPrograma de Sugestões
Programa de Sugestões
Caio Santiago
 
UM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOS
UM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOSUM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOS
UM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOS
Carlos Fernando Jung
 
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdfEbook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
MichellePereira97
 
Paloma costa mba gestao de projetos
Paloma costa   mba gestao de projetosPaloma costa   mba gestao de projetos
Paloma costa mba gestao de projetos
Paloma Costa
 
Relatório A3
Relatório A3Relatório A3
Relatório A3
Camila Oliveira
 

Semelhante a Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes (20)

Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
 
O Pensamento A3
O Pensamento A3O Pensamento A3
O Pensamento A3
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
 
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeitoDiagrama de causa e efeito
Diagrama de causa e efeito
 
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de NegóciosUma abordagem geral da Análise de Negócios
Uma abordagem geral da Análise de Negócios
 
Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...
Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...
Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK...
 
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 5
 
Ferramentas de gestao
Ferramentas de gestaoFerramentas de gestao
Ferramentas de gestao
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
 
apostila3.pdf
apostila3.pdfapostila3.pdf
apostila3.pdf
 
O que os olhos não vêem
O que os olhos não vêemO que os olhos não vêem
O que os olhos não vêem
 
Gestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logísticaGestão da qualidade na logística
Gestão da qualidade na logística
 
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
 
Análise das metodologias para definição de escopo em Lean Startups
Análise das metodologias para definição de escopo em Lean StartupsAnálise das metodologias para definição de escopo em Lean Startups
Análise das metodologias para definição de escopo em Lean Startups
 
Programa de Sugestões
Programa de SugestõesPrograma de Sugestões
Programa de Sugestões
 
UM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOS
UM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOSUM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOS
UM MODELO PARA GESTÃO DE GRUPOS PARTICIPATIVOS
 
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdfEbook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
Ebook-Ferramentas para Gestão da qualidade.pdf
 
Paloma costa mba gestao de projetos
Paloma costa   mba gestao de projetosPaloma costa   mba gestao de projetos
Paloma costa mba gestao de projetos
 
Relatório A3
Relatório A3Relatório A3
Relatório A3
 

Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes

  • 1. Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Negócios - Turma nº 36 22/10/2015 Inovar para satisfazer: Desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes Wagner Tironi Pinto Analista de Sistemas wtironi@gmail.com RESUMO Este artigo pretende demonstrar a importância da inovação em serviço e que a aplicação de técnicas de qualidade pode auxiliar na elaboração de ações que visam promover a melhoria do serviço ofertado e favorecer a elevação da satisfação do cliente. Palavras-chave: Inovação; Serviço; Estratégia; Qualidade; 1 INTRODUÇÃO O atual momento da economia brasileira demonstra que estamos em meio a uma crise econômica e política que está afetando toda a sociedade. De acordo com as previsões do mercado (EM Digital, 2015), a perspectiva para o próximo ano não é um cenário diferente do atual. A tendência observada demonstra que a recuperação da economia será lenta e gradual. É neste contexto que as empresas estão buscando alternativas para reduzir o impacto deste momento em suas atividades e conseguir se manter no mercado. As empresas estão focadas em basicamente reduzir os custos e ao mesmo tempo manter ou até elevar a satisfação dos clientes. Tudo isso sem perder a qualidade do produto ou do serviço que é oferecido. A opção por focar em inovação tem sido uma necessidade que as empresas estão procurando desenvolver em suas atividades. Para ESTEVES (2015) a inovação é “(...)
  • 2. 2 cuidar para que as organizações permaneçam competitivas (...)”. Já para FALCONI (2015) “(...) inovar depende muito mais de atitude do que apenas recursos financeiros”. Ou seja, a inovação é uma característica que a organização precisa desenvolver para a própria sobrevivência e que não demanda somente recursos financeiros. É necessário o apoio da alta gestão e de seus colaboradores para melhorar os padrões vigentes para resultar em um ganho de valor para a empresa. 1.1 Justificativa A partir da análise dos conceitos da inovação em serviço, pretende-se desenvolver uma pesquisa bibliográfica sobre o tema, bem como pesquisar como se pode identificar a percepção do cliente e como a organização pode identificar e solucionar os problemas observados. Baseado neste material, serão elaboradas as boas práticas para o desenvolvimento de uma estratégia para promover a inovação e consequentemente proporcionar as condições favoráveis para se elevar o grau de satisfação do cliente. 1.2 Objetivos Os objetivos deste trabalho são: a) definir os conceitos sobre a inovação em serviço; b) apresentar algumas das técnicas ou das ferramentas que podem ser utilizadas para evidenciar, dentro de uma organização, os pontos de melhoria; c) apresentar algumas das técnicas ou das ferramentas que podem ser utilizadas para desenvolver as soluções, dentro de uma organização; d) desenvolver as boas práticas para elaborar as estratégias necessárias para fornecer condições para elevar a satisfação do cliente. 1.3 Metodologia A metodologia utilizada para o desenvolvimento do trabalho consistiu em uma pesquisa bibliográfica e também exploratória do tema de inovação em serviço. Após descrever os pontos relevantes, foi possível identificar quais os conceitos básicos e como podem ser aplicados em uma organização.
  • 3. 3 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Inovação em Serviço A inovação de serviço é um conceito que tem como foco a entrega de valor para o cliente. O setor de serviço é reconhecido por sua forte participação na economia brasileira e por apresentar um perfil dinâmico de constante mudança (PORTAL BRASIL, 2015). KUBOTA (2006, p.350) descreve que “(...) o setor de serviços é inovativo, apesar de as inovações apresentarem, em geral, um caráter menos tecnológico (...)”. A mudança que a inovação provoca deve ser “(...) reproduzível e realizada mais de uma vez. ” (KUBOTA, 2006, p.351). Ainda KUBOTA (apud OECD, 2006, P.352) salienta as outras características relacionadas a inovação de serviço como: o nível menor de investimento em P&D em contrapartida a aquisição de conhecimento; à dificuldade em conseguir a mão-de- obra existe uma preocupação em reter e desenvolvimento do colaborador na organização. A inovação de serviço está enquadrada em quatro tipos como descreve KUBOTA (2006):  Produto: a transformação do serviço/produto ofertado;  Processo: a adequação dos procedimentos que são executados na organização;  Organizacional: reestruturação das diretrizes internas da organização, com foco na qualidade total;  Mercado: alteração da área de atuação no mercado. Já GALLOUJ e WEINSTEIN (1997) afirmam que a inovação pode ser caracterizada pelos seguintes modelos:  Radical: criação de um produto totalmente novo;  Aperfeiçoamento: melhorias em alguns aspectos do produto sem que ocorra alguma alteração significativa na estrutura principal;  Incremental: é disponibilizado um novo recurso ou uma pequena alteração no produto sem que ocorra alguma alteração significativa na estrutura principal;  Ad hoc: a inovação é realizada em conjunto com o cliente;  Recombinação: é uma readequação do produto, agregando com outra tecnologia ou o com própria expertise da organização que possibilita uma nova abordagem;  Formalização: é o amadurecimento do produto, referente a sua trajetória natural.
  • 4. 4 2.2 Identificação e análise do problema Atualmente, o mercado já utiliza uma série de ferramentas para o controle de qualidade que permite identificar e analisar o problema, com o foco na entrega de valor para o cliente. Neste trabalho serão descritos apenas 3 (três) técnicas para identificar, priorizar, realizar a análise do problema e propor ações para mitigar ou resolver a situação reportada. 2.2.1 Brainstorm O Brainstorm é uma ferramenta que normalmente é utilizada em momento inicial para que sejam identificadas situações sobre o tema a ser debatido. A “tempestade mental” consiste em organizar um grupo para explorar ao máximo o tema, no qual deve ser o foco da discussão. O grupo deve ter liberdade para discorrer sobre o tema, sem que haja interferência e todas as ideias serão consideradas para debate. Estas ideias são listadas e cada membro deste grupo deve propor uma nova ideia até que não existam mais propostas. A partir desta lista de ideias, o grupo deve eleger o item mais pertinente para ser priorizado. 2.2.2 Diagrama de Ishikawa (Análise da causa e efeito) O diagrama de Ishikawa ou diagrama de causa e efeito, também conhecido com o diagrama de espinha de peixe é utilizado para “(...) organizar o raciocínio e a discussão do problema sobre as causas de um problema (...) e os efeitos decorrentes (...)” (PORTAL ADMINISTRAÇÃO, 2015). O objetivo desta ferramenta é fazer que o grupo análise o problema que seja estimulado a identificação dos fatores que ocasionam esta situação. Após a análise dos 6 (seis) aspectos que compõe o diagrama, será possível estruturar as causas e efeitos do problema e o grupo terá informações para evidenciar a causa da origem do problema. A partir da causa origem, será possível elaborar a solução que elimine ou reduza o impacto do problema em questão.
  • 5. 5 2.2.3 Plano de ação (5W2H) O plano de ação (5W2H) é uma ferramenta para mapear as atividades e definir o que deverá ser feito, quem fará, o período do tempo, em qual setor/área da organização, a motivação da atividade, como deverá ser executada a atividade e qual será o custo da atividade (SOBRE ADMINISTRAÇÃO, 2015). Esta ferramenta é facilmente elaborada pois pode ser desenvolvida um uma simples tabela (ver Tabela 1) e fica claro para todos os envolvidos, qual é a responsabilidade de cada membro do grupo e o objeto que deve ser alcançado. O que? Porquê? Quem? Quando? Onde? Como? Quanto? A atividade a ser realizada Objetivo da atividade Responsável por realizar A data de conclusão Local que deverá ser realizada Como deve ser feito O custo da atividade Tabela 1 – Exemplo de tabela de plano de ação 3 UTILIZANDO AS TÉCNICAS PARA A ANÁLISE DE PROBLEMA A premissa para a realização da análise dos problemas, além de reunir um grupo de colaboradores que estejam cientes da situação e com respaldo dos gestores é que a solução deve ser alinhada com a estratégia da organização e que resulte a entrega de valor para o cliente (ESTRADA, DE ALMEIDA, 2007). A primeira técnica que pode ser utilizada é o Brainstorm. Como já citado, a reunião deverá produzir uma lista com várias ocorrências. Deve ser frisado que todas as ideias apresentadas deverão ser registradas, sem que ocorra um cerceamento ou formatação da proposta. A partir desta lista, o grupo deverá eleger a anomalia que é considerada a mais crítica a ser tratada e que estava relacionada ao problema que está na pauta da discussão. A figura 1 apresenta um exemplo de parte de uma planilha com os resultados do Brainstorm. Figura 1 – Exemplo de planilha com item do Brainstorm Definida a anomalia que será priorizada, deverá ser realizado o diagnóstico para identificar as principais causas para a ocorrência da anomalia. Uma das técnicas que pode ser
  • 6. 6 aplicada é o diagrama de Ishikawa (Figura 2), que é uma ferramenta visual e que facilita o debate para identificar a causa raiz do problema e qual a possível origem. Figura 2 – Exemplo do diagrama do Ishikawa Após a identificação das causas que ocorrem e resultam na anomalia, possibilita a elaboração de um plano de ação para eliminar ou mitigar a causa quando for possível. O plano de ação deve descrever com o máximo de clareza que for possível, o que deve ser feito, o responsável, o prazo para conclusão e como deve será realizada a ação proposta (um exemplo pode ser visto na Figura 3). Figura 3 – Exemplo do plano de ação 4 APLICANDO A ANÁLISE DO PROBLEMA PARA INOVAR Após a aplicação das técnicas, as ações a serem realizadas deverão resultar uma melhoria na organização. Com o auxílio do plano de ação, é possível realizar o acompanhamento da atividade e validar os resultados. As melhorias a serem realizadas poderão ser inovações a serem implementadas. Com base nas figuras que foram utilizadas como exemplo, podemos ponderar os resultados das ações que poderiam ser enquadradas como inovações:
  • 7. 7 a) a criação do procedimento para a abertura do chamado: tipo organizacional de aperfeiçoamento; b) a validação do procedimento com o cliente: tipo organizacional via ad-hoc com o apoio do cliente; c) adaptar a ferramenta de abertura chamados: tipo organizacional do tipo incremental. Podemos considerar que uma estratégia de relacionamento com o cliente é importante para manter e fortalece uma parceria forte para que ocorra a melhoria continua dos procedimentos e que resulte em uma qualidade no serviço que é prestado. 5 CONCLUSÕES Como o descrito neste artigo a utilização de algumas das ferramentas como o brainstorm, (que auxilia a identificar quais são os problemas), o diagrama do Ishikawa (auxilia na classificação dos problemas) e o plano de ação (a definição das responsabilidades, a data de entrega e o resultado esperado) são recursos simples e com a aplicabilidade em diversas situações. Os resultados esperados como a utilização são a solução ou a mitigação de um problema que está prejudicando a operação de uma organização. E como consequência desenvolver as inovações em serviço que “(...) tendem a serem simples e incrementais” (KUBOTA, 2006, p. 352). A inovação para este caso tende a ser incremental, ou seja, oferecer um novo recurso ou realizar a melhoria em um recurso que o serviço já possui. Deste modo, tornar a operação mais eficiente e que resulte em uma elevação na percepção de valor pelo cliente para que seja transformado em satisfação. Portanto, com exemplos de ferramentas que podem ser utilizadas por qualquer grupo de trabalho e com o apoio dos gestores da organização, existe uma perspectiva que favoreça a melhoria do serviço que é oferecido e que possibilite em resultados práticos na qualidade da realização e a entrega do serviço.
  • 8. 8 REFERÊNCIAS DE VARGAS, Eduardo Raupp; ZAWISLAK, Paulo Antônio; Inovação em Serviços no Paradigma da Economia do Aprendizado: a Pertinência de uma Dimensão Espacial na Abordagem dos Sistemas de Inovação - Revista de Administração Contemporânea, vol.10 no.1 Curitiba Jan./Mar. 2006; EM Digital - Bancos reveem previsões para o PIB e já falam em recessão até em 2016. Disponível em: http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2015/07/16/internas_economia,669009/bancos- reveem-previsoes-para-o-pib-e-ja-falam-em-recessao-ate-em-2016.shtml. Acessado em: 30 Jul. 2015. ESTEVES, Sofia. O que é inovação? Disponível em: http://exame.abril.com.br/rede-de- blogs/carreira-em-geracoes/2014/05/24/o-que-e-inovacao/. Acessado em: 09 Set. 2015 ESTRADA, Rolando Juan Soliz; DE ALMEIDA, Martinho Isnard Ribeiro. A eficiência e a eficácia da gestão estratégica: do planejamento estratégico à mudança organizacional. Revista de Ciências da Administração • v. 9, n. 19, p. 147-178, set./dez. 2007. FALCONI, Vicente. É possível inovar sem gastar dinheiro - Gestão a Vista. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1010/noticias/e-possivel-inovar-sem- gastar-dinheiro. Acessado em: 29 Jul. 2015. FDC – Inovação em Serviços. Disponível em: http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Documents/infografico.pdf. Acessado em: 09 Ago. 2015. GALLOUJ, Fa'iz; WEINSTEIN, Olivier. Innovation in services. Research Policy, v. 26, p. 537-556, 1997. KUBOTA, Luis Claudio; As Kibs e a inovação tecnológica das firmas de serviços. - Economia e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 2 (36), p. 349-369, ago. 2009. MEIRELES, Manuel. Ferramentas Administrativas para identificar, observar e analisar problemas: Organizações com foco no cliente. São Paulo: Editora Arte & Ciência, 2001. PORTAL ADMINISTRAÇÃO; Diagrama de Ishikawa – Causa e Efeito. Disponível em: http://www.portal-administracao.com/2014/08/diagrama-de-ishikawa-causa-e-efeito.html. Acessado em 12 Ago. 2015 PORTAL BRASIL – Setor de comércio e serviços é o que mais gera emprego e renda. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2009/11/setor-de-comercio-e- servicos-e-o-que-mais-gera-emprego-e-renda. Acessado em 02 Ago. 2015. SOBRE ADMINISTRAÇÃO; O que é o 5W2H e como ele é utilizado? Disponível em: http://www.sobreadministracao.com/o-que-e-o-5w2h-e-como-ele-e-utilizado/. Acessado em: 12 Ago. 2015.
  • 9. Ano de entrega Autorização de Divulgação de Artigo Técnico AUTORIZAÇÃO DE PUBLICAÇÃO AUTORIZO A PUBLICAÇÃO DO ARTIGO TÉCNICO NA INTERNET, JORNAIS E REVISTAS TÉCNICAS EDITADAS PELO IETEC. NÃO AUTORIZO A PUBLICAÇÃO OU DIVULGAÇÃO DO ARTIGO TÉCNICO. BELO HORIZONTE, _26_/_10_/_2015 CURSO: ___GESTÃO DE NEGÓCIOS___________________________________ SEMESTRE/ANO: __2º / 2015_________________________________________ TURMA: _____36____________ TÍTULO DO ARTIGO: Inovar para satisfazer: Desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes NOME DO AUTOR (LEGÍVEL) Wagner Tironi Pinto_______________ ASSINATURA _____ ________________ X