SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA – CCET
DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DCOMP

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E
COMUNICAÇÃO DO HOSPITAL XPTO

SÃO CRISTÓVÃO - SE
2014
Autores
Alef Menezes dos Santos
André Teixeira de Frades
Danilo Gois dos Anjos
Edton de Oliveira Lemos
Juliane Martins Cabral

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E
COMUNICAÇÃO DO HOSPITAL XPTO

Trabalho referente à parte do conteúdo
programático da disciplina Gestão da
Informação do 4º período do curso
Bacharelado em Sistemas de Informação da
Universidade Federal de Sergipe, ministrada
pelo professor Dr. Rogério Patrício Chagas do
Nascimento.

SÃO CRISTÓVÃO - SE
2014
SUMÁRIO

1. Apresentação
1.1 Apresentação Formal da organização
1.1.1 Missão
1.1.2 Visão
1.1.3 Valores
1.1.4 Objetivos Organizacionais
1.1.5 Estrutura Organizacional
1.2 Estado da Arte em TIC
1.3 Metodologia de Análise do PETIC
1.4 Cenário desejado para TIC na Organização
2. Desenvolvimento
2.1 Dados
2.2 Software
2.3 Hardware
2.4 Telecomunicações
2.5 Gestão de Pessoas
3. Conclusão
3.1 Gráfico Custo x Importância
3.2 Mapa de Gantt
4. Comentários Finais
1. APRESENTAÇÃO

1.1 Apresentação Formal da Organização

O Hospital XPTO é um órgão real, que em nosso trabalho será referenciado com tal
nome fictício por opção do gestor de TIC do mesmo. Fornece prestação de serviços
hospitalares à comunidade, é um dos maiores hospitais públicos da região nordeste e principal
porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS) para os casos de alta complexidade do
estado. Possui em seu quadro funcional aproximadamente 3,2 mil funcionários, dos quais
1.722 estatutários e 1.512 celetistas contratados por meio de concurso público. Deste total,
543 são médicos (270 do quadro efetivo), distribuídos em diversas especialidades como
clínica geral, pediatria, ortopedia, cardiologia, oncologia, cirurgias geral, plástica, torácica e
vascular.

1.1.1 Missão
Prestar assistência hospitalar e ambulatorial de alta complexidade, de forma integral,
humanizada e ética, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população.

1.1.2 Visão
Ser reconhecido nacionalmente como hospital público de excelência em gestão,
assistência e humanização da atenção à saúde.
1.1.3 Valores
Excelência: Prestação de serviços com eficiência, resolutividade, economicidade,
efetividade e qualidade;
Humanização: Humanização no atendimento ao usuário, nos processos e nas relações
de trabalho;
Ética: Respeito a valores e princípios socialmente validados;
Valorização do SUS: Incorporação de princípios e preceitos;
Profissionalização das atividades: Incorporação nos processos de trabalho das
melhores práticas e a qualificação do pessoal;
Transparência: Decisão colegiada e disponibilizada à sociedade em geral;
Cooperação: Incorporação de parceiros na gestão e execução dos serviços de saúde;
Valorização dos recursos regionais disponíveis: Pessoas, empresas e serviços.

4
1.1.4 Objetivos Organizacionais
Após visita à empresa, o grupo analisou o seu funcionamento e a partir da metodologia
PETIC alinhou quatro objetivos essenciais. Esses objetivos serão utilizados no processo de
analise dos cinco grandes pilares de TIC e nas melhorias propostas para alinhar a empresa em
tais finalidades. A seguir na Tabela 1 encontramos os objetivos alinhados com sua respectiva
numeração.

Tabela 1 – Levantamento dos objetivos da organização.

1.1.5 Estrutura Organizacional (Setor de TIC)
A Imagem 1mostra o organograma do setor de CPD do Hospital XPTO, bem como a
divisão de função dos funcionários. Como exigido pelo Chefe do setor, o nome de cada
funcionário não foi divulgado.

Imagem 1 – Organograma do CPD do Hospital XPTO

5
1.2 Estado da Arte em TIC
Depois de uma visita ao hospital, o grupo analisou todos os processos que foram
previamente definidos na metodologia PETIC. Assim, pudemos propor novas tecnologias que
deveriam ser adquiridas para melhor desempenho da organização. Porém, por ser um órgão
público a aquisição de novas tecnologias é muito difícil, e a tecnologia básica para seu
funcionamento já se encontra defasada. No entanto, dentre as diversas propostas presentes
neste documento destacamos a implementação do Data Warehouse, a unificação dos bancos
de dados atuais, a instalação de um software de comunicação gratuito e um tipo diferente de
rede sem fio que atende às necessidades do hospital.

1.3 Metodologia de Análise da PETIC
A metodologia de análise para fazer o Plano Estratégico da Tecnologia de Informação
e Comunicação (PETIC) tem como objetivo fazer com que os alunos elaborem um
planejamento estratégico de tecnologia de informação em diferentes órgãos ou empresas. A
PETIC tem como propósito auxiliar a organização a atingir suas metas através do
planejamento estruturado de suas TIC, produzindo mais, com menos esforço.
Em nossa aplicação da metodologia,houvea divisão dascinco grandesáreas da
Tecnologia de Informação e Comunicação (Pessoas, Software, Hardware, Dadose
Telecomunicações). Emnosso grupo de trabalho, composto de cinco integrantes, dividemos
cada área com um respectivo integrante: Edton de Oliveira Lemos (Dados),Danilo Gois dos
Anjos (Software), André Teixeira de Frades (Hardware), Alef Menezes dos Santos
(Telecomunicações) e por fim Juliane Martins Cabral (Gestão de Pessoas).
Para que pudéssemos aplicar a metodologia foi realizada uma visita ao hospital com
todos os integrantes do grupo, onde utilizamos o aplicativo para dispositivos
androidMobiPetic, desenvolvido pelo professor Rogério juntamente com seus alunos de
iniciação cientifica para entrevistar o chefe do setor e definir assim a maturidade dos cinco
grandes pilares da PETIC, além de fazer questionamentos levantados por nós para levantar
detalhes sobre as tecnologias, equipamentos, processos e etc. da organização.
Após essa apresentação, ouvimos as críticas e sugestões do professor. Infelizmente o
grupo não pôde voltar ao hospital devido às festividades de fim de ano, então as dúvidas
foram esclarecidas com o chefe de setor de TIC via telefone. A partir daí, iniciou-se o
alinhamento dos objetivos da organização com os processos de TIC, a definição de
importâncias desses processos para a organização, a sugestão de ações de melhoria com
analise de custo das mesmas e por fim estabelecendo prazos para implementação destas
melhorias.

1.4 Cenário Desejado para a TIC na Organização:
Encontramos o Centro de Processamento de Dadosdo hospital em um estado bem
abaixo do esperado. O CPD se encontra com o básico para funcionar e com muita
instabilidade. Neste documento vamos propor diversas ações de melhoria que buscam fazer
com que o mesmo atinja um estado satisfatório, para fornecer serviços de maneira mais
eficiente e com menor custo.
Destacamos propostas na infraestrutura física que se encontra extremamente
desordenada e no quadro de funcionários que está pouco capacitado. Queremos propor um
6
ambiente de trabalho organizado e um pessoal mais capacitado para realizar as tarefas
rotineiras de maneira mais eficiente e de qualidade.

2.Desenvolvimento

2.1 Dados
O cenário de dados na empresa encontra-se em níveis mínimos e satisfatórios de
maturidade, ainda mostra deficiências em seu armazenamento e estabilidade. Três servidores
novos já foram adquiridos pelo hospital, mas ainda não foram instalados. Após a instalação
desses novos servidores, sugerimos a unificação de banco de dados, pois os dados são
distribuídos entre diversos BD’s, isso poderia gerar algum tipo de desatualização nos
arquivos. Também sugerimos melhorar o controle de acesso dos funcionários aos dados da
empresa. Por ser uma empresa pública com uma grande quantidade de empregados acessando
e modificando dados,existe uma exposição a alterações não autorizadas. Segue a maturidade
dos processos de TIC na tabela 2.

Tabela 2 – Maturidade da área de Dados

7
Na Tabela 2.1 é apresentada as propostas para alinhar os processos analisados na
Tabela 2 com os objetivos organizacionais.

Tabela 2.1 – Ações estratégicas da área de Dados

Como já citado anteriormente destacamos mais importância na Unificação dos Banco
de Dados, que atualmente está divido em seis. Isso gera muito retrabalho, falta de
organização, além de possível incoerência dos dados. O Controle de Acesso também possui
importância, como é mostrado na Tabela 2, encontra-se em estado mínimo de maturidade.
Uma empresa com mais de 3 mil funcionários, que podem ou não acessar esses dados, precisa
de um pouco mais de controle para garantir a integridade da informação.

2.2 Software
O hospital segue um padrão de softwares a serem instalados nas máquinas. Esses
softwares variam de acordo com o posto/graduação do usuário da estação de trabalho.Têm-se
como sistema operacional instalado cópias ilegais do Windows7, pois a política de
licenciamento de softwares que existia parou de funcionar, mas em compensação todas as
máquinas usam BrOffice e outros softwares livres fornecidos pelo governo.
A Tabela 3 mostra a ligação dos processos com os objetivos da organização e quais os
níveis de maturidade para cada um deles.
8
Tabela 3 – Maturidade da área de Software

A partir destas informações, montamos o Catálogo de Ações que nos indicam quais
são os processos que necessitam de melhorias e quais são as ações a serem tomadas para
solucionar ou deixarem em nível de usabilidade. A Tabela 3.1 ilustra as sugestões,
destacando a implementação do SYSAID, programa gratuito que garantiria um processo ideal
de manutenção corretiva através da abertura de chamados.

Tabela 3.1 – Ações estratégicas da área de Software

9
Na Tabela 3.1 também mostra o desenvolvimento de software como mais importante,
pois muita coisa que é feita manualmente hoje, ou em programas defasados, com um software
desenvolvido dentro da própria organização esses processos se tornariam mais eficientes e
com menos custo.

2.3 Hardware
Neste tópico será abordado a área de Hardware, que representa os computadores,
nobreaks, servidores, impressoras, entre outros, diretamente envolvidos nas funções de
processamento de dados ou comunicação.
Atualmente, o CPD do hospital conta com um servidor com 15 anos de uso (prestes a
sersubstituídos por 3 novos da IBM) o mesmo auxilia no gerenciamento das informações das
estações de trabalho. Essas por sua vez são máquinas velhas em sua grande maioria, que
juntamente com uma rede física antiga dificultam o controle de hardware e bom
funcionamento da organização.
Geradores de energia auxiliam o CPD para contornar uma eventual queda elétrica para
que não possa danificar os equipamentos e ocasionar perca de dados, porém estes funcionam
de maneira instável e priorizam os equipamentos médicos. A seguir, na Tabela 4, está o
alinhamento de objetivos e níveis de maturidade:

Tabela 4 – Maturidade da área de Hardware

10
Tabela 4 – Maturidade da área deHardware

A partir destas informações, montamos o Catálogo de Ações, este nos indica quais são
os processos que necessitam de melhorias, e quais são as ações a serem tomadas para
solucionar, ou deixar em nível de usabilidade, tais processos. A Tabela 4.1 ilustra as
sugestões de melhoria.

Tabela 4.1 – Ações estratégicas da área de Hardware

11
Tabela 4.1 - Ações Estratégicas da área Hardware

Da Tabela 4.1é importante salientar que a compra de Nobreaks amenizariam
problemas com os geradores e que melhorando a política de aquisição de equipamentos
resolveria a maior parte dos problemas da área. Além disto, a manutenção preventiva deve ser
melhorada com uma ação que partiria da área gestão de pessoas.

2.4 Telecomunicações
O pilar de telecomunicações é responsável por manter uma comunicação entre os
sistemas e os usuários de forma segura, rápida e eficiente. Podemos subdividir a área de
telecomunicações em: Voz, Escrita, Redes e Internet. Em cada área poderiam ser sugeridas
melhorias, no entanto, devido a situação atual da empresa e do meio em que ela se encontra,
foram sugeridas melhorias de forma acessíveis a organização para manter o funcionamento
atual ou que tem um alto grau de importância.
Alguns processos são inexistentes, porém tem uma grande importância, tanto em
eficiência como em interesse do gestor. Dentre eles política de segurança, proxy e
disponibilidade de servidor (a qual será resolvida com a implementação dos novos
servidores).
O hospital encontra-se com processos tanto em estado ideal de maturidade como
outrosinexistentes, segue na Tabela 5a situação atual da organização (níveis de maturidade):

12
Tabela 5 – Maturidade da área de Telecomunicações

13
Após observar a situação atual da empresa, veremos as melhorias sugeridas para este
pilar na figura 10.

Tabela 5.1 – Ações estratégicas da área de Telecomunicações

Da Tabela 5.1 destaca-se a implementação do Skype, que para as necessidades do
hospital seria gratuito e de fácil instalação. A situação atual em telecomunicações, segundo o
gestor, está em estado satisfatório.

2.5 Pessoas
Como dito anteriormente o corpo técnico do CPD é composto por um analista de
sistemas, o único concursado e que desempenha o papel de chefe do setor, um técnico de
telefonia e outros quatro técnicos de suporte.Esta quantidade de pessoas é pequena comparada
ao número de estações de trabalho, o que impossibilita algumas atividades de interesse do
gestor, como por exemplo, a manutenção preventiva.
Os funcionários do setor são de uma empresa terceirizada. Ocorre a falta de
treinamento técnico gerando um problema, pois a tecnologia da informação do hospital está
em mãos de pessoas não treinadas para o serviço. Aliados a más condições do espaço físico,
de remuneração, entre outros problemas afetam a organização como um todo.
A Tabela 6 nos mostra a ligação dos processos de Gestão de Pessoas com os objetivos
da organização e seu respectivo valor de maturidade.
14
Tabela 6 – Maturidade da área de Gestão de Pessoas

15
ATabela 6.1 mostra as ações propostas para os processos de maior
importância:

Tabela 6.1 – Ações estratégicas da área de Gestão de Pessoas

Na Tabela 6.1 chamamos a atenção para a ergonomia das instalações, que
surpreendentemente para uma instituição que preza pela saúde,não possui nenhuma
ergonomia ou conforto para seus funcionários. A situação atual é deplorável e não atende o
mínimo para o bem estar dos funcionários. Portanto, destacamos a reforma da infraestrutura
física do CPD. É necessária a reformular todo o ambiente, para dividir espaço de trabalho e
almoxarifado. Também é necessária a troca de todos os móveis para melhorar o conforto, e
consequentemente, a eficiência dos funcionários.

3.Conclusão
3.1 Gráfico Custo x Importância
Uma vez que todos os processos e seus estados ideais foram definidos falta relacionar os
custos e importâncias dessas atividades. Para isso utilizamos o Gráfico Importância xCusto.
16
Este auxilia na definição das prioridades através do custo benefício. Para montar o gráfico foi
necessário alinhar as ações estratégicas, que seguem na Tabela 7:

D1
D2
D3
D4
S1
S2
S3
H1
H2
H3
H4
H5
T1
T2
T3
T4
T5
P1
P2
P3
P4

Implementar o Data Warehouse;
Unificar os bancos de dados existentes;
Melhorar a estabilidade do servidor;
Melhorar o controle de acesso e a segurança do BD;
Renovar a licença de contratos de software da empresa;
Implementar o SYSAid;
Criar softwares no próprio hospital;
Dar autonomia ao setor de TI para realizar compras;
Compra de novos equipamentos;
Realizar manutenção preventiva;
Assegurar os equipamentos;
ImplementarRfid;
Implementar o Skype em toda a empresa;
Reestruturar a rede física;
Compra de aparelhos Wi-fi especiais;
Inserir uma política de proxy;
Utilizar os novos servidores;
Dividir claramente as tarefas;
Melhorar a remuneração;
Capacitação dos funcionários;
Modificações no ambiente de trabalho.
Tabela 7 – Alinhamento dos processos de melhoria

Na Imagem 2 temos a distribuição das ações estratégicas presentes na Tabela
7 de acordo com o seu valor e com o seu grau de importância que foi aferido nas tabelas de
maturidade presentes do tópico 2 deste documento.

Imagem 2 – Gráfico Importância x Custo

17
3.2 Mapa deGannt
Uma vez numeradas e definidas a ordem das ações que serão realizadas chega a hora de
elaborar o mapa de Gannt. A Imagem 3 descreve de maneira visual como as atividades de um
projeto devem decorrer, definimos um período de 3 anos, divididos semestralmente.
Relacionando a Tabela 7, a Imagem 2 e a Imagem 3, elaboramos o tempo em que cada ação
poderia ser implementada. No mapa de Gannt da Imagem 3 podemos visualizar os custos
estimados para sua realização, em que períododeveriam ser realizadas, além do tempo
estimado.

Imagem 3 – Mapa de Gannt

Pelo fato de ser um órgão público, priorizamos as ações que são gratuitas. Muitas
foram deixadas para o início de 2015, que será quando a nova administração, escolhida nas
eleições de 2014, assumirão o governo. Assim, pode-se haver uma abertura maior a melhorias
que atual gestão se recusa a fazer.

18
4. Comentários Finais
A aplicação da metodologia PETIC em uma empresa real nos possibilitou adquirir
experiência em como os departamentos de tecnologia da informação e comunicação
funcionam atualmente. Esse tipo de experiência nos complementa como estudantes de
computação e como futuros profissionais de Tecnologia da Informação.
A principal importância desse trabalho é de possibilitar uma melhoria no setor de TIC
do hospital em questão, atualmente o maior do estado. Isso traria melhorias no funcionamento
da organização como um todo, e consequentemente um atendimento melhor a população. A
PETIC visa mostrar aos responsáveis do CPD do hospital os principais problemas e as
possíveis melhorias com o menor custo.
Por conta de toda a burocracia em vigor na empresa, não tivemos acesso a muitas
informações para aprofundar mais as ações de melhoria. Mas a visita que o Chefe do CPD do
hospital nos forneceu, possibilitou aplicar um pouco da PETIC para realizarmos o trabalho.
Agradecemos a este, e também agradecemos ao Prof. Dr. Rogério pelas críticas e sugestões
para a elaboração do manuscrito.

19

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Apresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTO
Apresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTOApresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTO
Apresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTO
André Teixeira
 
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
diegofarias2014
 
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
luke9999
 
Organizacoes Digitais e SI
Organizacoes  Digitais e SIOrganizacoes  Digitais e SI
Organizacoes Digitais e SI
Rogerio P C do Nascimento
 
PETIC - Hospital XPTO - Primeiro Seminário
PETIC - Hospital XPTO - Primeiro SeminárioPETIC - Hospital XPTO - Primeiro Seminário
PETIC - Hospital XPTO - Primeiro Seminário
Edton Lemos
 
Guia petic 2.0 - Treinamento
Guia petic 2.0 - TreinamentoGuia petic 2.0 - Treinamento
Guia petic 2.0 - Treinamento
luke9999
 
PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...
PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...
PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...
Wagner Silva
 
Aula9 TESI UFS Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa
Aula9 TESI UFS  Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa Aula9 TESI UFS  Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa
Aula9 TESI UFS Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa
Rogerio P C do Nascimento
 
Aula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e Organizaçõesfs
Aula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e OrganizaçõesfsAula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e Organizaçõesfs
Aula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e Organizaçõesfs
Rogerio P C do Nascimento
 
Fitec propaganda
Fitec propagandaFitec propaganda
Fitec propaganda
luke9999
 
apresentação final PETIC
apresentação final PETIC apresentação final PETIC
apresentação final PETIC
Wesley Melo
 
SI e Estratégias de Negócios
SI e Estratégias de NegóciosSI e Estratégias de Negócios
SI e Estratégias de Negócios
Rogerio P C do Nascimento
 
ARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETICARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETIC
Alef Vinicius
 
Aula8 TESI UFS PDSI Redesenho da Organizacao com os SI
Aula8 TESI UFS   PDSI Redesenho da Organizacao com os SIAula8 TESI UFS   PDSI Redesenho da Organizacao com os SI
Aula8 TESI UFS PDSI Redesenho da Organizacao com os SI
Rogerio P C do Nascimento
 
Artefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastorArtefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastor
Wesley Melo
 
Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...
Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...
Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...
Rogerio P C do Nascimento
 
Artefato final
Artefato finalArtefato final
Artefato final
rafahreis
 
Plano Director de Sistemas de Informação
Plano Director de Sistemas de InformaçãoPlano Director de Sistemas de Informação
Plano Director de Sistemas de Informação
Germano Magalhães
 
Disciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhD
Disciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhDDisciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhD
Disciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhD
Rogerio P C do Nascimento
 
ICT Strategic Planning
ICT Strategic PlanningICT Strategic Planning
ICT Strategic Planning
Suzie Vesper
 

Destaque (20)

Apresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTO
Apresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTOApresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTO
Apresentação Final - Petic 2.0 - Hospital XPTO
 
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
 
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0Lucas de marchi   guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
Lucas de marchi guia petic 2.0 - secomp versao 1.0
 
Organizacoes Digitais e SI
Organizacoes  Digitais e SIOrganizacoes  Digitais e SI
Organizacoes Digitais e SI
 
PETIC - Hospital XPTO - Primeiro Seminário
PETIC - Hospital XPTO - Primeiro SeminárioPETIC - Hospital XPTO - Primeiro Seminário
PETIC - Hospital XPTO - Primeiro Seminário
 
Guia petic 2.0 - Treinamento
Guia petic 2.0 - TreinamentoGuia petic 2.0 - Treinamento
Guia petic 2.0 - Treinamento
 
PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...
PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...
PETIC: Conceitos, Fundamentos, Guia e Sua Aplicação na Universidade Federal d...
 
Aula9 TESI UFS Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa
Aula9 TESI UFS  Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa Aula9 TESI UFS  Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa
Aula9 TESI UFS Continuacao Redesenho e Planejamento da Arquitetura da Empresa
 
Aula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e Organizaçõesfs
Aula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e OrganizaçõesfsAula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e Organizaçõesfs
Aula2 TESI UFS: Conceito de Informação > SI e Organizaçõesfs
 
Fitec propaganda
Fitec propagandaFitec propaganda
Fitec propaganda
 
apresentação final PETIC
apresentação final PETIC apresentação final PETIC
apresentação final PETIC
 
SI e Estratégias de Negócios
SI e Estratégias de NegóciosSI e Estratégias de Negócios
SI e Estratégias de Negócios
 
ARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETICARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETIC
 
Aula8 TESI UFS PDSI Redesenho da Organizacao com os SI
Aula8 TESI UFS   PDSI Redesenho da Organizacao com os SIAula8 TESI UFS   PDSI Redesenho da Organizacao com os SI
Aula8 TESI UFS PDSI Redesenho da Organizacao com os SI
 
Artefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastorArtefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastor
 
Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...
Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...
Disciplina Gestão da Informação | DCOMP, UFS | Prof. Dr. Rogério PC do Nascim...
 
Artefato final
Artefato finalArtefato final
Artefato final
 
Plano Director de Sistemas de Informação
Plano Director de Sistemas de InformaçãoPlano Director de Sistemas de Informação
Plano Director de Sistemas de Informação
 
Disciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhD
Disciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhDDisciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhD
Disciplina Gerencia de Projetos - Prof. Rogerio P C do Nascimento, PhD
 
ICT Strategic Planning
ICT Strategic PlanningICT Strategic Planning
ICT Strategic Planning
 

Semelhante a Artefato petic do gt1 2014 2016 - versão final

Sistemas integrados
Sistemas integradosSistemas integrados
Sistemas integrados
Samuel Ribeiro
 
Artefato
ArtefatoArtefato
Artefato
Celso Bomfim
 
Reprojeto da organização com sistemas de informação
Reprojeto da organização com sistemas de informaçãoReprojeto da organização com sistemas de informação
Reprojeto da organização com sistemas de informação
Marcelo Carvalho
 
Documento PETIC 2.0
Documento PETIC 2.0Documento PETIC 2.0
Documento PETIC 2.0
20901922
 
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
Haroldo Borges da Costa
 
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
Haroldo Borges da Costa
 
Tcc conrado e geni 2009
Tcc conrado e geni 2009Tcc conrado e geni 2009
Tcc conrado e geni 2009
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...
SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...
SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...
ferbsi
 
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Portfolio em grupo ads - 6. semestre enviar
Portfolio em grupo  ads - 6. semestre enviarPortfolio em grupo  ads - 6. semestre enviar
Portfolio em grupo ads - 6. semestre enviar
edinaldo lopes da cr lopes
 
Modelo elaboracao tcc_monografia_2016
Modelo elaboracao tcc_monografia_2016Modelo elaboracao tcc_monografia_2016
Modelo elaboracao tcc_monografia_2016
edinaldo lopes da cr lopes
 
Sld 1
Sld 1Sld 1
Sld 1
spawally
 
3036-10910-1-PB
3036-10910-1-PB3036-10910-1-PB
3036-10910-1-PB
Bruno Ceolin
 
Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)
Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)
Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)
Jerônimo Medina Madruga
 
Manuscrito Tesi Final
Manuscrito Tesi FinalManuscrito Tesi Final
Manuscrito Tesi Final
Kharylim Machado Sea
 
Manuscrito Final
Manuscrito FinalManuscrito Final
Manuscrito Final
Thadeu Henrique
 
Síntese da Dissertação
Síntese da DissertaçãoSíntese da Dissertação
Síntese da Dissertação
Claudio Mesquita
 
PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0
Jean Carlos Ramos
 
2° atividade de informática.docx
2° atividade de informática.docx2° atividade de informática.docx
2° atividade de informática.docx
Ulisses Rodrigues
 
Execução e Controle
Execução e ControleExecução e Controle
Execução e Controle
Pricila Yessayan
 

Semelhante a Artefato petic do gt1 2014 2016 - versão final (20)

Sistemas integrados
Sistemas integradosSistemas integrados
Sistemas integrados
 
Artefato
ArtefatoArtefato
Artefato
 
Reprojeto da organização com sistemas de informação
Reprojeto da organização com sistemas de informaçãoReprojeto da organização com sistemas de informação
Reprojeto da organização com sistemas de informação
 
Documento PETIC 2.0
Documento PETIC 2.0Documento PETIC 2.0
Documento PETIC 2.0
 
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
 
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
 
Tcc conrado e geni 2009
Tcc conrado e geni 2009Tcc conrado e geni 2009
Tcc conrado e geni 2009
 
SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...
SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...
SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE PRODUTOS E/OU SERVIÇOS EM EMPRESA...
 
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
 
Portfolio em grupo ads - 6. semestre enviar
Portfolio em grupo  ads - 6. semestre enviarPortfolio em grupo  ads - 6. semestre enviar
Portfolio em grupo ads - 6. semestre enviar
 
Modelo elaboracao tcc_monografia_2016
Modelo elaboracao tcc_monografia_2016Modelo elaboracao tcc_monografia_2016
Modelo elaboracao tcc_monografia_2016
 
Sld 1
Sld 1Sld 1
Sld 1
 
3036-10910-1-PB
3036-10910-1-PB3036-10910-1-PB
3036-10910-1-PB
 
Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)
Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)
Sistema de Integração de Informações Médicas (SIIM)
 
Manuscrito Tesi Final
Manuscrito Tesi FinalManuscrito Tesi Final
Manuscrito Tesi Final
 
Manuscrito Final
Manuscrito FinalManuscrito Final
Manuscrito Final
 
Síntese da Dissertação
Síntese da DissertaçãoSíntese da Dissertação
Síntese da Dissertação
 
PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0
 
2° atividade de informática.docx
2° atividade de informática.docx2° atividade de informática.docx
2° atividade de informática.docx
 
Execução e Controle
Execução e ControleExecução e Controle
Execução e Controle
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Artefato petic do gt1 2014 2016 - versão final

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA – CCET DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DCOMP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO HOSPITAL XPTO SÃO CRISTÓVÃO - SE 2014
  • 2. Autores Alef Menezes dos Santos André Teixeira de Frades Danilo Gois dos Anjos Edton de Oliveira Lemos Juliane Martins Cabral PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO HOSPITAL XPTO Trabalho referente à parte do conteúdo programático da disciplina Gestão da Informação do 4º período do curso Bacharelado em Sistemas de Informação da Universidade Federal de Sergipe, ministrada pelo professor Dr. Rogério Patrício Chagas do Nascimento. SÃO CRISTÓVÃO - SE 2014
  • 3. SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Apresentação Formal da organização 1.1.1 Missão 1.1.2 Visão 1.1.3 Valores 1.1.4 Objetivos Organizacionais 1.1.5 Estrutura Organizacional 1.2 Estado da Arte em TIC 1.3 Metodologia de Análise do PETIC 1.4 Cenário desejado para TIC na Organização 2. Desenvolvimento 2.1 Dados 2.2 Software 2.3 Hardware 2.4 Telecomunicações 2.5 Gestão de Pessoas 3. Conclusão 3.1 Gráfico Custo x Importância 3.2 Mapa de Gantt 4. Comentários Finais
  • 4. 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Apresentação Formal da Organização O Hospital XPTO é um órgão real, que em nosso trabalho será referenciado com tal nome fictício por opção do gestor de TIC do mesmo. Fornece prestação de serviços hospitalares à comunidade, é um dos maiores hospitais públicos da região nordeste e principal porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS) para os casos de alta complexidade do estado. Possui em seu quadro funcional aproximadamente 3,2 mil funcionários, dos quais 1.722 estatutários e 1.512 celetistas contratados por meio de concurso público. Deste total, 543 são médicos (270 do quadro efetivo), distribuídos em diversas especialidades como clínica geral, pediatria, ortopedia, cardiologia, oncologia, cirurgias geral, plástica, torácica e vascular. 1.1.1 Missão Prestar assistência hospitalar e ambulatorial de alta complexidade, de forma integral, humanizada e ética, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população. 1.1.2 Visão Ser reconhecido nacionalmente como hospital público de excelência em gestão, assistência e humanização da atenção à saúde. 1.1.3 Valores Excelência: Prestação de serviços com eficiência, resolutividade, economicidade, efetividade e qualidade; Humanização: Humanização no atendimento ao usuário, nos processos e nas relações de trabalho; Ética: Respeito a valores e princípios socialmente validados; Valorização do SUS: Incorporação de princípios e preceitos; Profissionalização das atividades: Incorporação nos processos de trabalho das melhores práticas e a qualificação do pessoal; Transparência: Decisão colegiada e disponibilizada à sociedade em geral; Cooperação: Incorporação de parceiros na gestão e execução dos serviços de saúde; Valorização dos recursos regionais disponíveis: Pessoas, empresas e serviços. 4
  • 5. 1.1.4 Objetivos Organizacionais Após visita à empresa, o grupo analisou o seu funcionamento e a partir da metodologia PETIC alinhou quatro objetivos essenciais. Esses objetivos serão utilizados no processo de analise dos cinco grandes pilares de TIC e nas melhorias propostas para alinhar a empresa em tais finalidades. A seguir na Tabela 1 encontramos os objetivos alinhados com sua respectiva numeração. Tabela 1 – Levantamento dos objetivos da organização. 1.1.5 Estrutura Organizacional (Setor de TIC) A Imagem 1mostra o organograma do setor de CPD do Hospital XPTO, bem como a divisão de função dos funcionários. Como exigido pelo Chefe do setor, o nome de cada funcionário não foi divulgado. Imagem 1 – Organograma do CPD do Hospital XPTO 5
  • 6. 1.2 Estado da Arte em TIC Depois de uma visita ao hospital, o grupo analisou todos os processos que foram previamente definidos na metodologia PETIC. Assim, pudemos propor novas tecnologias que deveriam ser adquiridas para melhor desempenho da organização. Porém, por ser um órgão público a aquisição de novas tecnologias é muito difícil, e a tecnologia básica para seu funcionamento já se encontra defasada. No entanto, dentre as diversas propostas presentes neste documento destacamos a implementação do Data Warehouse, a unificação dos bancos de dados atuais, a instalação de um software de comunicação gratuito e um tipo diferente de rede sem fio que atende às necessidades do hospital. 1.3 Metodologia de Análise da PETIC A metodologia de análise para fazer o Plano Estratégico da Tecnologia de Informação e Comunicação (PETIC) tem como objetivo fazer com que os alunos elaborem um planejamento estratégico de tecnologia de informação em diferentes órgãos ou empresas. A PETIC tem como propósito auxiliar a organização a atingir suas metas através do planejamento estruturado de suas TIC, produzindo mais, com menos esforço. Em nossa aplicação da metodologia,houvea divisão dascinco grandesáreas da Tecnologia de Informação e Comunicação (Pessoas, Software, Hardware, Dadose Telecomunicações). Emnosso grupo de trabalho, composto de cinco integrantes, dividemos cada área com um respectivo integrante: Edton de Oliveira Lemos (Dados),Danilo Gois dos Anjos (Software), André Teixeira de Frades (Hardware), Alef Menezes dos Santos (Telecomunicações) e por fim Juliane Martins Cabral (Gestão de Pessoas). Para que pudéssemos aplicar a metodologia foi realizada uma visita ao hospital com todos os integrantes do grupo, onde utilizamos o aplicativo para dispositivos androidMobiPetic, desenvolvido pelo professor Rogério juntamente com seus alunos de iniciação cientifica para entrevistar o chefe do setor e definir assim a maturidade dos cinco grandes pilares da PETIC, além de fazer questionamentos levantados por nós para levantar detalhes sobre as tecnologias, equipamentos, processos e etc. da organização. Após essa apresentação, ouvimos as críticas e sugestões do professor. Infelizmente o grupo não pôde voltar ao hospital devido às festividades de fim de ano, então as dúvidas foram esclarecidas com o chefe de setor de TIC via telefone. A partir daí, iniciou-se o alinhamento dos objetivos da organização com os processos de TIC, a definição de importâncias desses processos para a organização, a sugestão de ações de melhoria com analise de custo das mesmas e por fim estabelecendo prazos para implementação destas melhorias. 1.4 Cenário Desejado para a TIC na Organização: Encontramos o Centro de Processamento de Dadosdo hospital em um estado bem abaixo do esperado. O CPD se encontra com o básico para funcionar e com muita instabilidade. Neste documento vamos propor diversas ações de melhoria que buscam fazer com que o mesmo atinja um estado satisfatório, para fornecer serviços de maneira mais eficiente e com menor custo. Destacamos propostas na infraestrutura física que se encontra extremamente desordenada e no quadro de funcionários que está pouco capacitado. Queremos propor um 6
  • 7. ambiente de trabalho organizado e um pessoal mais capacitado para realizar as tarefas rotineiras de maneira mais eficiente e de qualidade. 2.Desenvolvimento 2.1 Dados O cenário de dados na empresa encontra-se em níveis mínimos e satisfatórios de maturidade, ainda mostra deficiências em seu armazenamento e estabilidade. Três servidores novos já foram adquiridos pelo hospital, mas ainda não foram instalados. Após a instalação desses novos servidores, sugerimos a unificação de banco de dados, pois os dados são distribuídos entre diversos BD’s, isso poderia gerar algum tipo de desatualização nos arquivos. Também sugerimos melhorar o controle de acesso dos funcionários aos dados da empresa. Por ser uma empresa pública com uma grande quantidade de empregados acessando e modificando dados,existe uma exposição a alterações não autorizadas. Segue a maturidade dos processos de TIC na tabela 2. Tabela 2 – Maturidade da área de Dados 7
  • 8. Na Tabela 2.1 é apresentada as propostas para alinhar os processos analisados na Tabela 2 com os objetivos organizacionais. Tabela 2.1 – Ações estratégicas da área de Dados Como já citado anteriormente destacamos mais importância na Unificação dos Banco de Dados, que atualmente está divido em seis. Isso gera muito retrabalho, falta de organização, além de possível incoerência dos dados. O Controle de Acesso também possui importância, como é mostrado na Tabela 2, encontra-se em estado mínimo de maturidade. Uma empresa com mais de 3 mil funcionários, que podem ou não acessar esses dados, precisa de um pouco mais de controle para garantir a integridade da informação. 2.2 Software O hospital segue um padrão de softwares a serem instalados nas máquinas. Esses softwares variam de acordo com o posto/graduação do usuário da estação de trabalho.Têm-se como sistema operacional instalado cópias ilegais do Windows7, pois a política de licenciamento de softwares que existia parou de funcionar, mas em compensação todas as máquinas usam BrOffice e outros softwares livres fornecidos pelo governo. A Tabela 3 mostra a ligação dos processos com os objetivos da organização e quais os níveis de maturidade para cada um deles. 8
  • 9. Tabela 3 – Maturidade da área de Software A partir destas informações, montamos o Catálogo de Ações que nos indicam quais são os processos que necessitam de melhorias e quais são as ações a serem tomadas para solucionar ou deixarem em nível de usabilidade. A Tabela 3.1 ilustra as sugestões, destacando a implementação do SYSAID, programa gratuito que garantiria um processo ideal de manutenção corretiva através da abertura de chamados. Tabela 3.1 – Ações estratégicas da área de Software 9
  • 10. Na Tabela 3.1 também mostra o desenvolvimento de software como mais importante, pois muita coisa que é feita manualmente hoje, ou em programas defasados, com um software desenvolvido dentro da própria organização esses processos se tornariam mais eficientes e com menos custo. 2.3 Hardware Neste tópico será abordado a área de Hardware, que representa os computadores, nobreaks, servidores, impressoras, entre outros, diretamente envolvidos nas funções de processamento de dados ou comunicação. Atualmente, o CPD do hospital conta com um servidor com 15 anos de uso (prestes a sersubstituídos por 3 novos da IBM) o mesmo auxilia no gerenciamento das informações das estações de trabalho. Essas por sua vez são máquinas velhas em sua grande maioria, que juntamente com uma rede física antiga dificultam o controle de hardware e bom funcionamento da organização. Geradores de energia auxiliam o CPD para contornar uma eventual queda elétrica para que não possa danificar os equipamentos e ocasionar perca de dados, porém estes funcionam de maneira instável e priorizam os equipamentos médicos. A seguir, na Tabela 4, está o alinhamento de objetivos e níveis de maturidade: Tabela 4 – Maturidade da área de Hardware 10
  • 11. Tabela 4 – Maturidade da área deHardware A partir destas informações, montamos o Catálogo de Ações, este nos indica quais são os processos que necessitam de melhorias, e quais são as ações a serem tomadas para solucionar, ou deixar em nível de usabilidade, tais processos. A Tabela 4.1 ilustra as sugestões de melhoria. Tabela 4.1 – Ações estratégicas da área de Hardware 11
  • 12. Tabela 4.1 - Ações Estratégicas da área Hardware Da Tabela 4.1é importante salientar que a compra de Nobreaks amenizariam problemas com os geradores e que melhorando a política de aquisição de equipamentos resolveria a maior parte dos problemas da área. Além disto, a manutenção preventiva deve ser melhorada com uma ação que partiria da área gestão de pessoas. 2.4 Telecomunicações O pilar de telecomunicações é responsável por manter uma comunicação entre os sistemas e os usuários de forma segura, rápida e eficiente. Podemos subdividir a área de telecomunicações em: Voz, Escrita, Redes e Internet. Em cada área poderiam ser sugeridas melhorias, no entanto, devido a situação atual da empresa e do meio em que ela se encontra, foram sugeridas melhorias de forma acessíveis a organização para manter o funcionamento atual ou que tem um alto grau de importância. Alguns processos são inexistentes, porém tem uma grande importância, tanto em eficiência como em interesse do gestor. Dentre eles política de segurança, proxy e disponibilidade de servidor (a qual será resolvida com a implementação dos novos servidores). O hospital encontra-se com processos tanto em estado ideal de maturidade como outrosinexistentes, segue na Tabela 5a situação atual da organização (níveis de maturidade): 12
  • 13. Tabela 5 – Maturidade da área de Telecomunicações 13
  • 14. Após observar a situação atual da empresa, veremos as melhorias sugeridas para este pilar na figura 10. Tabela 5.1 – Ações estratégicas da área de Telecomunicações Da Tabela 5.1 destaca-se a implementação do Skype, que para as necessidades do hospital seria gratuito e de fácil instalação. A situação atual em telecomunicações, segundo o gestor, está em estado satisfatório. 2.5 Pessoas Como dito anteriormente o corpo técnico do CPD é composto por um analista de sistemas, o único concursado e que desempenha o papel de chefe do setor, um técnico de telefonia e outros quatro técnicos de suporte.Esta quantidade de pessoas é pequena comparada ao número de estações de trabalho, o que impossibilita algumas atividades de interesse do gestor, como por exemplo, a manutenção preventiva. Os funcionários do setor são de uma empresa terceirizada. Ocorre a falta de treinamento técnico gerando um problema, pois a tecnologia da informação do hospital está em mãos de pessoas não treinadas para o serviço. Aliados a más condições do espaço físico, de remuneração, entre outros problemas afetam a organização como um todo. A Tabela 6 nos mostra a ligação dos processos de Gestão de Pessoas com os objetivos da organização e seu respectivo valor de maturidade. 14
  • 15. Tabela 6 – Maturidade da área de Gestão de Pessoas 15
  • 16. ATabela 6.1 mostra as ações propostas para os processos de maior importância: Tabela 6.1 – Ações estratégicas da área de Gestão de Pessoas Na Tabela 6.1 chamamos a atenção para a ergonomia das instalações, que surpreendentemente para uma instituição que preza pela saúde,não possui nenhuma ergonomia ou conforto para seus funcionários. A situação atual é deplorável e não atende o mínimo para o bem estar dos funcionários. Portanto, destacamos a reforma da infraestrutura física do CPD. É necessária a reformular todo o ambiente, para dividir espaço de trabalho e almoxarifado. Também é necessária a troca de todos os móveis para melhorar o conforto, e consequentemente, a eficiência dos funcionários. 3.Conclusão 3.1 Gráfico Custo x Importância Uma vez que todos os processos e seus estados ideais foram definidos falta relacionar os custos e importâncias dessas atividades. Para isso utilizamos o Gráfico Importância xCusto. 16
  • 17. Este auxilia na definição das prioridades através do custo benefício. Para montar o gráfico foi necessário alinhar as ações estratégicas, que seguem na Tabela 7: D1 D2 D3 D4 S1 S2 S3 H1 H2 H3 H4 H5 T1 T2 T3 T4 T5 P1 P2 P3 P4 Implementar o Data Warehouse; Unificar os bancos de dados existentes; Melhorar a estabilidade do servidor; Melhorar o controle de acesso e a segurança do BD; Renovar a licença de contratos de software da empresa; Implementar o SYSAid; Criar softwares no próprio hospital; Dar autonomia ao setor de TI para realizar compras; Compra de novos equipamentos; Realizar manutenção preventiva; Assegurar os equipamentos; ImplementarRfid; Implementar o Skype em toda a empresa; Reestruturar a rede física; Compra de aparelhos Wi-fi especiais; Inserir uma política de proxy; Utilizar os novos servidores; Dividir claramente as tarefas; Melhorar a remuneração; Capacitação dos funcionários; Modificações no ambiente de trabalho. Tabela 7 – Alinhamento dos processos de melhoria Na Imagem 2 temos a distribuição das ações estratégicas presentes na Tabela 7 de acordo com o seu valor e com o seu grau de importância que foi aferido nas tabelas de maturidade presentes do tópico 2 deste documento. Imagem 2 – Gráfico Importância x Custo 17
  • 18. 3.2 Mapa deGannt Uma vez numeradas e definidas a ordem das ações que serão realizadas chega a hora de elaborar o mapa de Gannt. A Imagem 3 descreve de maneira visual como as atividades de um projeto devem decorrer, definimos um período de 3 anos, divididos semestralmente. Relacionando a Tabela 7, a Imagem 2 e a Imagem 3, elaboramos o tempo em que cada ação poderia ser implementada. No mapa de Gannt da Imagem 3 podemos visualizar os custos estimados para sua realização, em que períododeveriam ser realizadas, além do tempo estimado. Imagem 3 – Mapa de Gannt Pelo fato de ser um órgão público, priorizamos as ações que são gratuitas. Muitas foram deixadas para o início de 2015, que será quando a nova administração, escolhida nas eleições de 2014, assumirão o governo. Assim, pode-se haver uma abertura maior a melhorias que atual gestão se recusa a fazer. 18
  • 19. 4. Comentários Finais A aplicação da metodologia PETIC em uma empresa real nos possibilitou adquirir experiência em como os departamentos de tecnologia da informação e comunicação funcionam atualmente. Esse tipo de experiência nos complementa como estudantes de computação e como futuros profissionais de Tecnologia da Informação. A principal importância desse trabalho é de possibilitar uma melhoria no setor de TIC do hospital em questão, atualmente o maior do estado. Isso traria melhorias no funcionamento da organização como um todo, e consequentemente um atendimento melhor a população. A PETIC visa mostrar aos responsáveis do CPD do hospital os principais problemas e as possíveis melhorias com o menor custo. Por conta de toda a burocracia em vigor na empresa, não tivemos acesso a muitas informações para aprofundar mais as ações de melhoria. Mas a visita que o Chefe do CPD do hospital nos forneceu, possibilitou aplicar um pouco da PETIC para realizarmos o trabalho. Agradecemos a este, e também agradecemos ao Prof. Dr. Rogério pelas críticas e sugestões para a elaboração do manuscrito. 19