SlideShare uma empresa Scribd logo
TRABALHO REALIZADO POR:
CATARINA MARQUES 8ºB Nº1
MARIANA RIBEIRO 8º B Nº10
PAULA AGOSTINHO 8ºB Nº13
  SARA GERALDO 8ºB Nº19
  SARA CORREIA 8ºB Nº20
•   Introdução____________________________3
•   A arte e a mentalidade barrocas __________4
•   Principais características_________________5
•   Arquitectura, escultura e pintura__________8
•   Conclusão___________________________12
•   Bibliografia__________________________13
• Este trabalho tem como tema “A arte barroca” e é realizado
  para a disciplina de Artes, tendo a finalidade de fazer com
  que, procurando informação, nós aprendamos mais sobre
  este tema. Com ele pretendemos ficar a conhecer melhor
  este estilo artístico.
• O nome “barroco” deriva da palavra espanhola barueco (que
  simbolizava uma pérola de forma irregular). Apenas nos inícios
  do século XX é que o barroco é devidamente reconhecido. Este
  novo estilo artístico nasceu em Itália (Roma) ao longo do século
  XVIII, a partir das experiências maneiristas se expandiu para
  outros países europeus.
• As principais características desta arte são:
   -gosto pelo movimento, com a aplicação
  de volumes, curvas e
  contracurvas, sensualidade das formas e
  contraste de cor, luz e sombra;
   -expressão de sentimentos através de um
  dramatismo invulgar;
   -decoração sumptuosa com um horror ao
  vazio;
   -ilusões de óptica utilizando a perspectiva
  e planos assimétricos.
• Todos estes
  aspectos
  reflectem-se
  numa nova
  mentalidade
  presente na
  arte, na
  literatura e na
  música.
• Este estilo artístico mantém a estrutura da
  arte renascentista, mas distingue-se desta nas
  formas e na decoração. A exuberante
  decoração das igrejas barrocas, o luxo dos
  materiais utilizados e a exaltação das
  esculturas de figuras religiosas serviam os
  interesses da Contra-Reforma. A beleza das
  igrejas barrocas atraía os fiéis, servindo de
  instrumento de combate ao Protestantismo.
• A arquitectura barroca, aplicada sobretudo
  em igrejas, é caracterizada por uma
  grandiosidade e riqueza na decoração através
  da utilização de esculturas, pinturas e talha
  dourada. Em Portugal, também se aplicava ao
  azulejo.
• A escultura e a pintura barrocas foram artes
  decorativas da arquitectura barroca. A escultura é
  caracterizada por um dramatismo
  invulgar, exuberância das formas e expressões e pela
  sensação de movimento. A pintura barroca aplica
  uma riqueza de cor, contrastes de luz, movimento e
  dramatismo das figuras e das cenas. O holandês
  Rembrandt, o flamengo Rubens, os espanhóis
  Velázquez e Murillo e o português Vieira Lusitano
  são os principais pintores barrocos.
• Borromini e Bernini foram os principais arquitectos
  barrocos. Em Portugal, o Barroco atingiu o seu
  apogeu com D. João V com a construção do Palácio-
  Convento de Mafra, do arquitecto Ludovice, a
  Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra e o
  Aqueduto das Águas Livres. Nicolau Nasoni foi
  outro arquitecto de grande importância, com obras
  como a Torre dos Clérigos , o Palácio do Freixo, no
  Porto, e o Solar de Mateus, em Vila Real. Braga é
  uma das cidades com mais manifestações
  barrocas, destacando-se o Santuário do Bom Jesus.
• A fase final da arquitectura barroca é
  designada de rococó, devido ao exagero
  ornamental.
• A realização deste trabalho foi bastante proveitosa. Com ele
  descobrimos o verdadeiro sentido do barroco e conhecemos
  melhor muitos dos artistas destas época, bem como as suas
  obras. Apesar de tudo esta pesquisa levou-nos a descobrir
  bastantes coisas novas e fez-nos encontrar um outro lado dos
  criadores de arte do barroco.
•   www.pituresco.com
•   www.faroldasletras.no.sapo.pt
•   www.portoturismo.pt
•   www.banners.portugaltravelguide.com
•   www.turinta.pt
•   www.graudez.com.br
•   www.theatro.ocrocodilo.com.br
•   www.historiadaarte.com.br
•   http://www.scielo.br
•   http://www.geocities.com
• OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco, CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula
  , Novo História 8, Texto Editores, Lisboa, 2007.
• MAIA, Cristina, BRANDÃO, Isabel Paulos, Viva a História ! 8, Porto
  Editora, 2007.
• CRISANTO, Natércia, SIMÕES, Isabel, MENDES, J. Amado, Olhar a História
  8, Porto Editora, 2003.
• Enciclopédia da História, Porto Editora Multimédia, 2003.
Jogos de luz e
                          cor




                                           A
                                           R
                                           Q
                                           U
                                           I
                                           T
                                           E
                Arte do
                                           C
                retrato
                                           T
                                           U
                                           R
                                           A

Cores quentes
Igreja de Santa Maria della Salute
Rembrandt          Velázquez Vieira Lusitano   Borromini Nicolau Nasoni      Ludovice




                    Palácio-Covento Biblioteca Joanina
Santuário do        de Mafra        da Universidade de Aqueduto das       Torre dos Clérigos
Bom Jesus                           Coimbra            Águas Livres
               9                                                                  Solar
                                         Palácio do                               de
 10                                      Freixo                                   Mateus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte e cultura nas minas
Arte e cultura nas minasArte e cultura nas minas
Arte e cultura nas minas
Rubens Júnior
 
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de AssisO Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
Thaís Rodrigues
 
A arte romanica
A arte romanicaA arte romanica
A arte romanica
valenciaana
 
A arte romanica
A arte romanicaA arte romanica
A arte romanica
valenciaana
 
A Arquitetura Barroca
A Arquitetura BarrocaA Arquitetura Barroca
A Arquitetura Barroca
Iga Almeida
 
Arquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasilArquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasil
Willians Martins
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
Vítor Santos
 
Lisboa - Portugal
Lisboa - PortugalLisboa - Portugal
Lisboa - Portugal
Bruno Dinardi
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca espanha
Salamanca   espanhaSalamanca   espanha
Neoclassicismo no Brasil
Neoclassicismo no BrasilNeoclassicismo no Brasil
Neoclassicismo no Brasil
Adriana Araujo
 
Aprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixabaAprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixaba
CLARA LUIZA MIRANDA
 
Arte século xx 5º período
Arte século xx 5º períodoArte século xx 5º período
Arte século xx 5º período
Doug Caesar
 
Estilo barroco
Estilo barrocoEstilo barroco
Estilo barroco
Joao Soares
 
Release mack 2011 texto
Release mack 2011 textoRelease mack 2011 texto
Release mack 2011 texto
Mozaik Arte, Design e Tecnologia
 
Vila penteado hoje
Vila penteado hojeVila penteado hoje
Vila penteado hoje
Carlos Elson Cunha
 
Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal
Carlos Vieira
 
Ecletismo no brasil na segunda metade do séc
Ecletismo no brasil na segunda metade do sécEcletismo no brasil na segunda metade do séc
Ecletismo no brasil na segunda metade do séc
Rafael Santos
 
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1aSlide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Edenilson Conceição
 
Lisboa Portugal
Lisboa PortugalLisboa Portugal
Lisboa Portugal
Amadeu Wolff
 

Mais procurados (20)

Arte e cultura nas minas
Arte e cultura nas minasArte e cultura nas minas
Arte e cultura nas minas
 
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de AssisO Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
 
A arte romanica
A arte romanicaA arte romanica
A arte romanica
 
A arte romanica
A arte romanicaA arte romanica
A arte romanica
 
A Arquitetura Barroca
A Arquitetura BarrocaA Arquitetura Barroca
A Arquitetura Barroca
 
Arquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasilArquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasil
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
 
Lisboa - Portugal
Lisboa - PortugalLisboa - Portugal
Lisboa - Portugal
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Salamanca espanha
Salamanca   espanhaSalamanca   espanha
Salamanca espanha
 
Neoclassicismo no Brasil
Neoclassicismo no BrasilNeoclassicismo no Brasil
Neoclassicismo no Brasil
 
Aprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixabaAprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixaba
 
Arte século xx 5º período
Arte século xx 5º períodoArte século xx 5º período
Arte século xx 5º período
 
Estilo barroco
Estilo barrocoEstilo barroco
Estilo barroco
 
Release mack 2011 texto
Release mack 2011 textoRelease mack 2011 texto
Release mack 2011 texto
 
Vila penteado hoje
Vila penteado hojeVila penteado hoje
Vila penteado hoje
 
Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal
 
Ecletismo no brasil na segunda metade do séc
Ecletismo no brasil na segunda metade do sécEcletismo no brasil na segunda metade do séc
Ecletismo no brasil na segunda metade do séc
 
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1aSlide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
 
Lisboa Portugal
Lisboa PortugalLisboa Portugal
Lisboa Portugal
 

Semelhante a Arte barroca

15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
sofiasimao
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
www.historiadasartes.com
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Sandra Alves
 
Case MMM
Case MMMCase MMM
O barroco na europa e em portugal
O barroco na europa e em portugalO barroco na europa e em portugal
O barroco na europa e em portugal
marcoiffsantos7
 
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docxA Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
ronaldocamilo8
 
Barroco em Portugal
Barroco em Portugal Barroco em Portugal
Barroco em Portugal
tetiana turyk
 
8o. Ano arte barroca no brasil
8o. Ano  arte barroca no brasil  8o. Ano  arte barroca no brasil
8o. Ano arte barroca no brasil
ArtesElisa
 
Inf historia 11
Inf historia 11Inf historia 11
Inf historia 11
Izaac Erder
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
Eugenia silva
 
A cultura e o iluminismo em portugal face à europa
A cultura e o iluminismo em portugal face à europaA cultura e o iluminismo em portugal face à europa
A cultura e o iluminismo em portugal face à europa
Carolina Dinis Carneiro
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
Zeneide Cordeiro
 
O Estilo Barroco: o Palácio Nacional de Queluz
O Estilo Barroco: o Palácio Nacional de QueluzO Estilo Barroco: o Palácio Nacional de Queluz
O Estilo Barroco: o Palácio Nacional de Queluz
Susana Simões
 
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Januário Esteves
 
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelotRiqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Jhoritza
 
Trabalho de história da arte
Trabalho de história da arteTrabalho de história da arte
Trabalho de história da arte
Marcos Pires
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
Ana Barreiros
 
São cristóvão
São cristóvãoSão cristóvão
São cristóvão
Fatima de Luzie Cavalcante
 
B Arroco E Maneirismo
B Arroco E ManeirismoB Arroco E Maneirismo
B Arroco E Maneirismo
Isidro Santos
 
Marian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdf
Marian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdfMarian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdf
Marian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdf
MarcelaBelo1
 

Semelhante a Arte barroca (20)

15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
Case MMM
Case MMMCase MMM
Case MMM
 
O barroco na europa e em portugal
O barroco na europa e em portugalO barroco na europa e em portugal
O barroco na europa e em portugal
 
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docxA Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
 
Barroco em Portugal
Barroco em Portugal Barroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
8o. Ano arte barroca no brasil
8o. Ano  arte barroca no brasil  8o. Ano  arte barroca no brasil
8o. Ano arte barroca no brasil
 
Inf historia 11
Inf historia 11Inf historia 11
Inf historia 11
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
A cultura e o iluminismo em portugal face à europa
A cultura e o iluminismo em portugal face à europaA cultura e o iluminismo em portugal face à europa
A cultura e o iluminismo em portugal face à europa
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
O Estilo Barroco: o Palácio Nacional de Queluz
O Estilo Barroco: o Palácio Nacional de QueluzO Estilo Barroco: o Palácio Nacional de Queluz
O Estilo Barroco: o Palácio Nacional de Queluz
 
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
 
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelotRiqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
 
Trabalho de história da arte
Trabalho de história da arteTrabalho de história da arte
Trabalho de história da arte
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
São cristóvão
São cristóvãoSão cristóvão
São cristóvão
 
B Arroco E Maneirismo
B Arroco E ManeirismoB Arroco E Maneirismo
B Arroco E Maneirismo
 
Marian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdf
Marian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdfMarian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdf
Marian Rabello e os Azulejos Murais Experiências em Arte Pública.pdf
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

Arte barroca

  • 1. TRABALHO REALIZADO POR: CATARINA MARQUES 8ºB Nº1 MARIANA RIBEIRO 8º B Nº10 PAULA AGOSTINHO 8ºB Nº13 SARA GERALDO 8ºB Nº19 SARA CORREIA 8ºB Nº20
  • 2. Introdução____________________________3 • A arte e a mentalidade barrocas __________4 • Principais características_________________5 • Arquitectura, escultura e pintura__________8 • Conclusão___________________________12 • Bibliografia__________________________13
  • 3. • Este trabalho tem como tema “A arte barroca” e é realizado para a disciplina de Artes, tendo a finalidade de fazer com que, procurando informação, nós aprendamos mais sobre este tema. Com ele pretendemos ficar a conhecer melhor este estilo artístico.
  • 4. • O nome “barroco” deriva da palavra espanhola barueco (que simbolizava uma pérola de forma irregular). Apenas nos inícios do século XX é que o barroco é devidamente reconhecido. Este novo estilo artístico nasceu em Itália (Roma) ao longo do século XVIII, a partir das experiências maneiristas se expandiu para outros países europeus.
  • 5. • As principais características desta arte são: -gosto pelo movimento, com a aplicação de volumes, curvas e contracurvas, sensualidade das formas e contraste de cor, luz e sombra; -expressão de sentimentos através de um dramatismo invulgar; -decoração sumptuosa com um horror ao vazio; -ilusões de óptica utilizando a perspectiva e planos assimétricos.
  • 6. • Todos estes aspectos reflectem-se numa nova mentalidade presente na arte, na literatura e na música.
  • 7. • Este estilo artístico mantém a estrutura da arte renascentista, mas distingue-se desta nas formas e na decoração. A exuberante decoração das igrejas barrocas, o luxo dos materiais utilizados e a exaltação das esculturas de figuras religiosas serviam os interesses da Contra-Reforma. A beleza das igrejas barrocas atraía os fiéis, servindo de instrumento de combate ao Protestantismo.
  • 8. • A arquitectura barroca, aplicada sobretudo em igrejas, é caracterizada por uma grandiosidade e riqueza na decoração através da utilização de esculturas, pinturas e talha dourada. Em Portugal, também se aplicava ao azulejo.
  • 9. • A escultura e a pintura barrocas foram artes decorativas da arquitectura barroca. A escultura é caracterizada por um dramatismo invulgar, exuberância das formas e expressões e pela sensação de movimento. A pintura barroca aplica uma riqueza de cor, contrastes de luz, movimento e dramatismo das figuras e das cenas. O holandês Rembrandt, o flamengo Rubens, os espanhóis Velázquez e Murillo e o português Vieira Lusitano são os principais pintores barrocos.
  • 10. • Borromini e Bernini foram os principais arquitectos barrocos. Em Portugal, o Barroco atingiu o seu apogeu com D. João V com a construção do Palácio- Convento de Mafra, do arquitecto Ludovice, a Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra e o Aqueduto das Águas Livres. Nicolau Nasoni foi outro arquitecto de grande importância, com obras como a Torre dos Clérigos , o Palácio do Freixo, no Porto, e o Solar de Mateus, em Vila Real. Braga é uma das cidades com mais manifestações barrocas, destacando-se o Santuário do Bom Jesus.
  • 11. • A fase final da arquitectura barroca é designada de rococó, devido ao exagero ornamental.
  • 12. • A realização deste trabalho foi bastante proveitosa. Com ele descobrimos o verdadeiro sentido do barroco e conhecemos melhor muitos dos artistas destas época, bem como as suas obras. Apesar de tudo esta pesquisa levou-nos a descobrir bastantes coisas novas e fez-nos encontrar um outro lado dos criadores de arte do barroco.
  • 13. www.pituresco.com • www.faroldasletras.no.sapo.pt • www.portoturismo.pt • www.banners.portugaltravelguide.com • www.turinta.pt • www.graudez.com.br • www.theatro.ocrocodilo.com.br • www.historiadaarte.com.br • http://www.scielo.br • http://www.geocities.com • OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco, CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula , Novo História 8, Texto Editores, Lisboa, 2007. • MAIA, Cristina, BRANDÃO, Isabel Paulos, Viva a História ! 8, Porto Editora, 2007. • CRISANTO, Natércia, SIMÕES, Isabel, MENDES, J. Amado, Olhar a História 8, Porto Editora, 2003. • Enciclopédia da História, Porto Editora Multimédia, 2003.
  • 14. Jogos de luz e cor A R Q U I T E Arte do C retrato T U R A Cores quentes
  • 15. Igreja de Santa Maria della Salute
  • 16. Rembrandt Velázquez Vieira Lusitano Borromini Nicolau Nasoni Ludovice Palácio-Covento Biblioteca Joanina Santuário do de Mafra da Universidade de Aqueduto das Torre dos Clérigos Bom Jesus Coimbra Águas Livres 9 Solar Palácio do de 10 Freixo Mateus