SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
ARQUITETURA E
ORGANIZAÇÃO DE
COMPUTADORES
Aula presencial
Introdução
 A arquitetura de um computador é a teoria por
detrás do desenho de um computador.
 É a estrutura e a organização do hardware, ou
seja, refere-se ao funcionamento interno do
computador.
 Arquitetura x Organização
Arquitetura x Organização
 Arquitetura refere-se aos atributos que são
visíveis para o programador, ou seja, os
atributos que tem impacto direto na execução
do programa.
 Atributos:
 Conjunto de instruções
 Número de bits
 Mecanismos de E/S
Arquitetura x Organização
 Organização diz respeito às unidades
operacionais e suas interconexões que
implementam as especificações de sua
arquitetura, ou seja, como as características
da arquitetura será implementada.
 Atributos:
 Sinais de controle
 Tecnologia de memória, tecnologia de
transistores etc.
Arquitetura x Organização
 Especificar se um computador deve ou não ter
uma instrução de multiplicação constitui uma
decisão de projeto de ...
 Definir se essa instrução será implementada
por uma unidade específica de multiplicação
ou por um mecanismo que utiliza
repetidamente sua unidade de soma é uma
decisão de ...
Arquitetura
Organização
Arquitetura x Organização
 Exemplo
 Todo processador Intel da família x86
compartilham a mesma arquitetura básica.
 No entanto, a organização difere de uma versão
para outra.
 Conclusão
 uma organização deve ser projetada para
implementar uma especificação particular de
arquitetura.
Sistemas numéricos
Sistemas numéricos
 O sistema numérico mais conhecido é o
decimal (base 10).
 Porém, existem outros sistemas numéricos:
 Binário (base 2)
 Octal (base 8)
 Hexadecimal (base 16)
Sistemas numéricos
 Qual sistema numérico é utilizado nos
computadores?
Sistema binário
 Por quê é utilizado o sistema binário e não o
decimal, o qual lidamos no dia-a-dia?
Porque o sistema decimal seria muito difícil
de implementar com circuitos digitais
Sistema numérico base 10
 Utiliza 10 algarismos (símbolos) para
representar qualquer quantidade.
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9
 Como a base é 10, para cada posição à
esquerda, o peso vai ser 10 vezes maior do que
a posição à direita.
(5248)10 = 5 x 103 + 2 x 102 + 4 x 101 + 8 x 100
Sistema numérico binário (base 2)
 É aquele que utiliza somente dois algarismos
para representar qualquer quantidade.
0 1
 O termo bit vem das palavras binary digit.
(01001)2
Sistema numérico hexadecimal
(base 16)
 É utilizado nos projetos computacionais
(hardware e software).
 É utilizado por ser mais próximo da base 10.
 Fácil conversão para sistema binário.
 É composto por 16 símbolos:
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 A B C D E F
2FA1H
(2FA1)16
10 11 12 13 14 15
Conversão de qualquer base
para Decimal
 A forma de decompor um número, chamada lei de
formação:
N = An-1 X Bn-1 + An-2 X Bn-2 + ... + A0 X B0
onde:
N = número em base decimal
An = algarismo
Bn = base
n = posição do algarismo que vale zero para a posição
mais a direita (menos significativa).
Portas lógicas e circuitos
Operações lógicas
 As operações lógicas são estudadas pela
álgebra de boole (George Boole)
 A álgebra de Boole trabalha com apenas duas
grandezas: falso ou verdadeiro.
 As duas grandezas são representadas por 0
(falso) e 1 (verdadeiro).
 Nos circuitos lógicos do computador, os sinais
binários são representados por níveis de
tensão.
Portas lógicas
 As portas lógicas são os elementos mais
básicos e elementares de um sistema de
computação.
 Elas são responsáveis por realizar as
operações lógicas sobre os bits.
 Os valores de entrada e saída são números
binários.
 Cada porta lógica realiza uma tarefa trivial.
Portas lógicas
 NOT: inverte a entrada.
Expressão: x = a’ ou x = a
Portas lógicas
 OR: retorna 1 se uma das entradas é 1.
Expressão: x = a + b
Portas lógicas
 AND: retorna 1 se ambas as entradas são 1.
Expressão: x = a x b
Portas lógicas
 NOR: é uma porta OR e uma porta NOT
combinadas. O resultado é exatamente o
inverso da porta OR.
Expressão: x = (a + b)’
Portas lógicas
 NAND: é uma porta AND e uma porta NOT
combinadas. O resultado é exatamente o
inverso da porta AND.
Expressão: x = (a x b)’
Portas lógicas
 XOR: retorna 1 somente se uma das entradas
é 1.
Expressão: x = a  b
Portas lógicas
 NXOR: é uma porta XOR e uma porta NOT
combinadas. O resultado é exatamente o inverso
da porta XOR.
Expressão: x = a  b
a
b
x
NXOR
1
0
0
1
Portas lógicas
 Combinações de portas NAND podem ser
usadas para simular todas as outras.
 Por este motivo, a porta NAND é considerada
uma porta universal.
 Isso significa que qualquer circuito pode ser
expresso pela combinação de portas NAND.
Portas lógicas
NOT
AND
OR
Circuitos
 As portas lógicas são encontradas no
mercado encapsuladas em chips de silício.
Circuitos
 É um conjunto de portas lógicas interligadas
para resolver um problema maior.
 Para facilitar o desenvolvimento, em primeiro
lugar, deve-se montar uma expressão
booleana e, em seguida, partir para a
implementação do circuito propriamente dito.
Como converter uma tabela verdade em um
circuito lógico?
Circuitos
a b ci co
0 0 0 0
0 0 1 0
0 1 0 0
0 1 1 1
1 0 0 0
1 0 1 1
1 1 0 1
1 1 1 1
a
b
ci
co
????
Soma de MinTermos
 Para cada saída, fazer uma soma de
produtos, ou seja, a função de chaveamento é
uma soma (OR) de produtos (AND) de
variáveis e variáveis complementadas.
 Deve-se considerar apenas as saídas “1” e
ignorar as saídas “0”.
 Após encontrar a função de chaveamento,
desenhar o circuito.
a b s
0 0 0
0 1 1
1 0 0
1 1 1
s = a’ b + a b
Soma de MinTermos
 Vocês fazem:
 Dado a seguinte tabela verdade, encontrar a
função de chaveamento e em seguida construir
o circuito lógico.
z = x2’ x1’ x0 + x2’ x1 x0’ + x2 x1’ x0’ + x2 x1 x0
Circuito meio-somador
 Tabela Verdade:
 Circuito:
A B X Y
0 0 0 0
0 1 0 1
1 0 0 1
1 1 1 0
Versão simplificada
X = A . B
Y = A’ . B + A’ . B
Processadores
Processador
 A função de um computador é executar tarefas
com a finalidade de resolver problemas.
 Uma tarefa pode ser executada por meio de
uma seqüência ordenada de instruções de
máquina.
 O processador é o componente responsável
pelo processamento de instruções e de dados.
Processador
 O processador é constituído por centenas de
transistores.
 As portas lógicas são implementadas
fisicamente por meio de transistores.
Diferentes encapsulamento de transistores.
Processador
 O processador é dividido em três partes:
Componentes do Processador
 ULA (Unidade Lógica e Aritmética)
 É onde as operações lógicas e aritméticas são
realizadas.
 Unidade de controle
 Controla a execução de qualquer instrução
dentro do processador.
 Define o que tem que ser feito a cada momento.
 Decodifica a instrução e gera os sinais de
controle para as unidades funcionais.
Componentes do Processador
 Registradores
 Pequenas memórias dentro do processador.
 Armazenam dados que estão sendo executados
no momento.
 Dois tipos:
 Registradores de propósito geral
 Registradores específicos
Exemplos de Unidades
Funcionais
Microprocessador Intel 4004 com 2300 transistores (1971)
Microprocessador Intel 8080 com 6000 transistores (1974)
Pentium IV com 55.000.000 transistores (2001).
Pastilha de silício com 20 cm de diâmetro contendo 165 processadores P4.
Itanium com 2 bilhões de transistores (2008)
Barramento
 Conjunto de condutores por meio dos quais as
informações trafegam de uma parte do
computador para outra
Instruções
 Representação elementar que gera uma ação
em um computador.
 Determina o que o computador deve fazer
naquele instante. Um programa é composto
por muitas instruções, que são executadas de
forma ordenada pelo processador.
 Estrutura de uma instrução
00000010001100100100000000100000
add $t0, $s1, $s2
Tipos de instruções
 Matemáticas e lógicas
 Soma, subtração, and, or...
 Movimentação de dados
 registrador – registrador; registrador – memória;
memória – registrador.
 Entrada/Saída
 Controle
 Instruções de salto
Execução das instruções
Monociclo
Busca Le Reg. Mem.
ULA Esc. Reg
Execução das instruções
Multiciclo
Busca Le Reg. Mem.
ULA Esc. Reg
 Exemplo de Lavanderia
 Tem-se os volumes A, B, C e D de roupas para
lavar, secar e passar
 A lavadora leva 30 minutos
 A secadora leva 40 minutos
 A passadeira leva 20 minutos
A B C D
Pipeline é natural
• A lavanderia sequencial leva 6 horas para 4 volumes
A
B
C
D
30 40 20 30 40 20 30 40 20 30 40 20
6 7 8 9 10 11 Meia noite
T
a
s
k
O
r
d
e
r
Tempo
Lavanderia Sequencial
Lavanderia em Pipeline
• Lavanderia em Pipeline leva 3.5 horas
A
B
C
D
6 7 8 9 10 11 Meia noite
o
r
d
e
m
Tempo
30 40 40 40 40 20
Execução das instruções -
Pipeline
Paralelismo
 O processador perde muito tempo aguardando
os dados da memória.
 Para melhorar o desempenho do sistema,
utiliza-se o paralelismo.
 Pode ocorrer em dois níveis
 Nível de instrução – pipeline
 Nível de hardware – mais de um processador
Paralelismo
 Multiprocessador
 Processadores interligados que executam
instruções do mesmo programa e que
compartilham a mesma memória.
 Multicomputador
 O mesmo que o anterior, porém, além da
memória compartilhada, possui também uma
memória própria.
 Trabalha como se fosse um outro computador,
portanto, melhorando o desempenho.
Paralelismo
Multiprocessador Multicomputador
Conjunto de instruções
 CISC (Complex Instruction Set Computer)
 Possui como característica um grande número de
instruções.
 Idéia: quanto mais instruções fossem
implementas no computador, melhor seria o
desempenho.
 Porém, a maior parte das instruções utilizadas
são simples e quase sempre as mesmas
Conjunto de instruções
 RISC (Reduced Instruction Set Computer)
 Possui número reduzido de instruções
 São mais simples do que as CISC
 Instruções mais complexas são implementadas
pelo software.
 Tempo de execução menor que a CISC, ou seja,
as instruções RISC são executadas mais rápidas.
 Entretanto, um programa em RISC utiliza mais
instruções para fazer a mesma coisa.
 Mesmo assim, o RISC é mais rápido.
Memória
Tipos de memória
 RAM (Random Access Memory)
 É uma memória volátil de escrita e leitura.
 É aleatória porque permite o acesso direto ao
dado que será lido ou escrito, sem a necessidade
de passar por todas as outras posições de
memória.
 Estática (SRAM): armazenada em FLIP-FLOP.
 Dinâmica (DRAM): armazenada em capacitor,
necessitando de refresh.
Tipos de memória
 ROM (Read Only Memory)
 É uma memória apenas de leitura, e não-volátil.
 Os dados são previamente gravados pelos
fabricantes.
 as instruções de um processador
 um programa de controle de temperatura em um
microcontrolador.
Tipos de memória
 PROM (Programmable Read Only Memory)
 É uma memória somente leitura programável e
não-volátil.
 Sua programação pode ser feita pelo próprio
usuário por meio de um dispositivo apropriado
denominado gravador.
 Uma vez gravado, não pode ser mais alterado
nem apagado.
Tipos de memória
 EPROM (Erasable Programmable Read
Only Memory)
 É uma memória somente leitura programável e
apagável e não-volátil.
 Pode ser programada pelo usuário e, com
determinado tempo de exposição à luz
ultravioleta em certo ponto do chip, todo seu
conteúdo é apagado, podendo, portanto ser
reprogramado novamente
Tipos de memória
 EEPROM (Eletric Erasable Programmable
Read Only Memory)
 É uma memória somente leitura programável e
apagável e não-volátil.
 Pode ser programada pelo usuário e pode ser
apagada utilizando sinais elétricos ao invés de
luz ultravioleta.
Tipos de memória
 Flash
 É uma evolução da memória EEPROM.
 Enquanto a EEPROM precisa ser totalmente
apagada para ser reprogramada, a memória
Flash pode ser apagada parcialmente,
proporcionando, assim, maior facilidade na hora
de fazer alterações em sua programação.
 Muito utilizada em celulares, palms, câmeras
digitais, videogames etc.
Hierarquia de memórias

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ArqOrgCom.ppt

Exercícios de computação
Exercícios de computaçãoExercícios de computação
Exercícios de computação
carlajennifer
 
Introducao Computacao Slide 2
Introducao Computacao Slide 2Introducao Computacao Slide 2
Introducao Computacao Slide 2
Duílio Andrade
 
Aritmetica Computacional
Aritmetica ComputacionalAritmetica Computacional
Aritmetica Computacional
elliando dias
 
119178832 141.computador
119178832 141.computador119178832 141.computador
119178832 141.computador
Pelo Siro
 

Semelhante a ArqOrgCom.ppt (20)

Microprogramacao
MicroprogramacaoMicroprogramacao
Microprogramacao
 
Microprogramacao
MicroprogramacaoMicroprogramacao
Microprogramacao
 
slide arq H & S (1) (1).pdfslide arq H & S
slide arq H & S (1) (1).pdfslide arq H & Sslide arq H & S (1) (1).pdfslide arq H & S
slide arq H & S (1) (1).pdfslide arq H & S
 
Aula 7 conjunto de instrucoes
Aula 7   conjunto de instrucoesAula 7   conjunto de instrucoes
Aula 7 conjunto de instrucoes
 
Programação básica de microcontroladores
Programação básica de microcontroladoresProgramação básica de microcontroladores
Programação básica de microcontroladores
 
Exercícios de computação
Exercícios de computaçãoExercícios de computação
Exercícios de computação
 
Arquitetura e Manutenção de Computadores
Arquitetura e Manutenção de ComputadoresArquitetura e Manutenção de Computadores
Arquitetura e Manutenção de Computadores
 
Introducao Computacao Slide 2
Introducao Computacao Slide 2Introducao Computacao Slide 2
Introducao Computacao Slide 2
 
SISTEMAS digitais SISTEMAS DE NUMERAÇÃO
SISTEMAS digitais SISTEMAS DE NUMERAÇÃOSISTEMAS digitais SISTEMAS DE NUMERAÇÃO
SISTEMAS digitais SISTEMAS DE NUMERAÇÃO
 
Aritmetica Computacional
Aritmetica ComputacionalAritmetica Computacional
Aritmetica Computacional
 
Clp
ClpClp
Clp
 
Roteiro IOC 03_2
Roteiro IOC 03_2Roteiro IOC 03_2
Roteiro IOC 03_2
 
Apostila de montagem e manutenção de computadores emi mario gurgel
Apostila de montagem e manutenção de computadores emi mario gurgelApostila de montagem e manutenção de computadores emi mario gurgel
Apostila de montagem e manutenção de computadores emi mario gurgel
 
Sistemas_Digitais_2017.pdf
Sistemas_Digitais_2017.pdfSistemas_Digitais_2017.pdf
Sistemas_Digitais_2017.pdf
 
historia dos computadores e sistemas numéricos
historia dos computadores e sistemas numéricoshistoria dos computadores e sistemas numéricos
historia dos computadores e sistemas numéricos
 
Pic aula1
Pic   aula1Pic   aula1
Pic aula1
 
119178832 141.computador
119178832 141.computador119178832 141.computador
119178832 141.computador
 
Princípios de Sistemas da Informação Unidade 1 Unip
Princípios de Sistemas da Informação Unidade 1 UnipPrincípios de Sistemas da Informação Unidade 1 Unip
Princípios de Sistemas da Informação Unidade 1 Unip
 
Técnicas de Prototipação II - Physical Computing - Aula 01
Técnicas de Prototipação II - Physical Computing - Aula 01Técnicas de Prototipação II - Physical Computing - Aula 01
Técnicas de Prototipação II - Physical Computing - Aula 01
 
Unidades de Informacao, Sistemas Numericos
Unidades de Informacao, Sistemas NumericosUnidades de Informacao, Sistemas Numericos
Unidades de Informacao, Sistemas Numericos
 

Mais de Patrícia Melo (16)

Java Fundamentos Estrutura de Controle
Java Fundamentos Estrutura de ControleJava Fundamentos Estrutura de Controle
Java Fundamentos Estrutura de Controle
 
Conceitos Iniciais LP I
Conceitos Iniciais LP IConceitos Iniciais LP I
Conceitos Iniciais LP I
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
 
Engenharia de Software - Requisito.pptx
Engenharia de Software - Requisito.pptxEngenharia de Software - Requisito.pptx
Engenharia de Software - Requisito.pptx
 
Ciencia.ppt
Ciencia.pptCiencia.ppt
Ciencia.ppt
 
A Informação E Dados.pptx
A Informação E Dados.pptxA Informação E Dados.pptx
A Informação E Dados.pptx
 
IP_Notas01.ppt
IP_Notas01.pptIP_Notas01.ppt
IP_Notas01.ppt
 
03modelos.ppt
03modelos.ppt03modelos.ppt
03modelos.ppt
 
Aula 09b.ppt
Aula 09b.pptAula 09b.ppt
Aula 09b.ppt
 
TOF.ppt
TOF.pptTOF.ppt
TOF.ppt
 
MidCell-apresentacao.ppt
MidCell-apresentacao.pptMidCell-apresentacao.ppt
MidCell-apresentacao.ppt
 
middlewareReflexivo.ppt
middlewareReflexivo.pptmiddlewareReflexivo.ppt
middlewareReflexivo.ppt
 
Relógios Lógicos
Relógios LógicosRelógios Lógicos
Relógios Lógicos
 
A Informação e sua representação- Parte 1 Sistemas de numeração e conversão d...
A Informação e sua representação- Parte 1 Sistemas de numeração e conversão d...A Informação e sua representação- Parte 1 Sistemas de numeração e conversão d...
A Informação e sua representação- Parte 1 Sistemas de numeração e conversão d...
 
4-Introducao programacao-convertido.pptx
4-Introducao programacao-convertido.pptx4-Introducao programacao-convertido.pptx
4-Introducao programacao-convertido.pptx
 
03modelos (1).ppt
03modelos (1).ppt03modelos (1).ppt
03modelos (1).ppt
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 

ArqOrgCom.ppt

  • 2. Introdução  A arquitetura de um computador é a teoria por detrás do desenho de um computador.  É a estrutura e a organização do hardware, ou seja, refere-se ao funcionamento interno do computador.  Arquitetura x Organização
  • 3. Arquitetura x Organização  Arquitetura refere-se aos atributos que são visíveis para o programador, ou seja, os atributos que tem impacto direto na execução do programa.  Atributos:  Conjunto de instruções  Número de bits  Mecanismos de E/S
  • 4. Arquitetura x Organização  Organização diz respeito às unidades operacionais e suas interconexões que implementam as especificações de sua arquitetura, ou seja, como as características da arquitetura será implementada.  Atributos:  Sinais de controle  Tecnologia de memória, tecnologia de transistores etc.
  • 5. Arquitetura x Organização  Especificar se um computador deve ou não ter uma instrução de multiplicação constitui uma decisão de projeto de ...  Definir se essa instrução será implementada por uma unidade específica de multiplicação ou por um mecanismo que utiliza repetidamente sua unidade de soma é uma decisão de ... Arquitetura Organização
  • 6. Arquitetura x Organização  Exemplo  Todo processador Intel da família x86 compartilham a mesma arquitetura básica.  No entanto, a organização difere de uma versão para outra.  Conclusão  uma organização deve ser projetada para implementar uma especificação particular de arquitetura.
  • 8. Sistemas numéricos  O sistema numérico mais conhecido é o decimal (base 10).  Porém, existem outros sistemas numéricos:  Binário (base 2)  Octal (base 8)  Hexadecimal (base 16)
  • 9. Sistemas numéricos  Qual sistema numérico é utilizado nos computadores? Sistema binário  Por quê é utilizado o sistema binário e não o decimal, o qual lidamos no dia-a-dia? Porque o sistema decimal seria muito difícil de implementar com circuitos digitais
  • 10. Sistema numérico base 10  Utiliza 10 algarismos (símbolos) para representar qualquer quantidade. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9  Como a base é 10, para cada posição à esquerda, o peso vai ser 10 vezes maior do que a posição à direita. (5248)10 = 5 x 103 + 2 x 102 + 4 x 101 + 8 x 100
  • 11. Sistema numérico binário (base 2)  É aquele que utiliza somente dois algarismos para representar qualquer quantidade. 0 1  O termo bit vem das palavras binary digit. (01001)2
  • 12. Sistema numérico hexadecimal (base 16)  É utilizado nos projetos computacionais (hardware e software).  É utilizado por ser mais próximo da base 10.  Fácil conversão para sistema binário.  É composto por 16 símbolos: 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 A B C D E F 2FA1H (2FA1)16 10 11 12 13 14 15
  • 13. Conversão de qualquer base para Decimal  A forma de decompor um número, chamada lei de formação: N = An-1 X Bn-1 + An-2 X Bn-2 + ... + A0 X B0 onde: N = número em base decimal An = algarismo Bn = base n = posição do algarismo que vale zero para a posição mais a direita (menos significativa).
  • 14. Portas lógicas e circuitos
  • 15. Operações lógicas  As operações lógicas são estudadas pela álgebra de boole (George Boole)  A álgebra de Boole trabalha com apenas duas grandezas: falso ou verdadeiro.  As duas grandezas são representadas por 0 (falso) e 1 (verdadeiro).  Nos circuitos lógicos do computador, os sinais binários são representados por níveis de tensão.
  • 16. Portas lógicas  As portas lógicas são os elementos mais básicos e elementares de um sistema de computação.  Elas são responsáveis por realizar as operações lógicas sobre os bits.  Os valores de entrada e saída são números binários.  Cada porta lógica realiza uma tarefa trivial.
  • 17. Portas lógicas  NOT: inverte a entrada. Expressão: x = a’ ou x = a
  • 18. Portas lógicas  OR: retorna 1 se uma das entradas é 1. Expressão: x = a + b
  • 19. Portas lógicas  AND: retorna 1 se ambas as entradas são 1. Expressão: x = a x b
  • 20. Portas lógicas  NOR: é uma porta OR e uma porta NOT combinadas. O resultado é exatamente o inverso da porta OR. Expressão: x = (a + b)’
  • 21. Portas lógicas  NAND: é uma porta AND e uma porta NOT combinadas. O resultado é exatamente o inverso da porta AND. Expressão: x = (a x b)’
  • 22. Portas lógicas  XOR: retorna 1 somente se uma das entradas é 1. Expressão: x = a  b
  • 23. Portas lógicas  NXOR: é uma porta XOR e uma porta NOT combinadas. O resultado é exatamente o inverso da porta XOR. Expressão: x = a  b a b x NXOR 1 0 0 1
  • 24. Portas lógicas  Combinações de portas NAND podem ser usadas para simular todas as outras.  Por este motivo, a porta NAND é considerada uma porta universal.  Isso significa que qualquer circuito pode ser expresso pela combinação de portas NAND.
  • 26. Circuitos  As portas lógicas são encontradas no mercado encapsuladas em chips de silício.
  • 27. Circuitos  É um conjunto de portas lógicas interligadas para resolver um problema maior.  Para facilitar o desenvolvimento, em primeiro lugar, deve-se montar uma expressão booleana e, em seguida, partir para a implementação do circuito propriamente dito.
  • 28. Como converter uma tabela verdade em um circuito lógico? Circuitos a b ci co 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 1 1 1 1 0 0 0 1 0 1 1 1 1 0 1 1 1 1 1 a b ci co ????
  • 29. Soma de MinTermos  Para cada saída, fazer uma soma de produtos, ou seja, a função de chaveamento é uma soma (OR) de produtos (AND) de variáveis e variáveis complementadas.  Deve-se considerar apenas as saídas “1” e ignorar as saídas “0”.  Após encontrar a função de chaveamento, desenhar o circuito. a b s 0 0 0 0 1 1 1 0 0 1 1 1 s = a’ b + a b
  • 30. Soma de MinTermos  Vocês fazem:  Dado a seguinte tabela verdade, encontrar a função de chaveamento e em seguida construir o circuito lógico. z = x2’ x1’ x0 + x2’ x1 x0’ + x2 x1’ x0’ + x2 x1 x0
  • 31. Circuito meio-somador  Tabela Verdade:  Circuito: A B X Y 0 0 0 0 0 1 0 1 1 0 0 1 1 1 1 0 Versão simplificada X = A . B Y = A’ . B + A’ . B
  • 33. Processador  A função de um computador é executar tarefas com a finalidade de resolver problemas.  Uma tarefa pode ser executada por meio de uma seqüência ordenada de instruções de máquina.  O processador é o componente responsável pelo processamento de instruções e de dados.
  • 34. Processador  O processador é constituído por centenas de transistores.  As portas lógicas são implementadas fisicamente por meio de transistores. Diferentes encapsulamento de transistores.
  • 35. Processador  O processador é dividido em três partes:
  • 36. Componentes do Processador  ULA (Unidade Lógica e Aritmética)  É onde as operações lógicas e aritméticas são realizadas.  Unidade de controle  Controla a execução de qualquer instrução dentro do processador.  Define o que tem que ser feito a cada momento.  Decodifica a instrução e gera os sinais de controle para as unidades funcionais.
  • 37. Componentes do Processador  Registradores  Pequenas memórias dentro do processador.  Armazenam dados que estão sendo executados no momento.  Dois tipos:  Registradores de propósito geral  Registradores específicos
  • 39. Microprocessador Intel 4004 com 2300 transistores (1971)
  • 40. Microprocessador Intel 8080 com 6000 transistores (1974)
  • 41. Pentium IV com 55.000.000 transistores (2001).
  • 42.
  • 43. Pastilha de silício com 20 cm de diâmetro contendo 165 processadores P4.
  • 44. Itanium com 2 bilhões de transistores (2008)
  • 45. Barramento  Conjunto de condutores por meio dos quais as informações trafegam de uma parte do computador para outra
  • 46. Instruções  Representação elementar que gera uma ação em um computador.  Determina o que o computador deve fazer naquele instante. Um programa é composto por muitas instruções, que são executadas de forma ordenada pelo processador.  Estrutura de uma instrução 00000010001100100100000000100000 add $t0, $s1, $s2
  • 47. Tipos de instruções  Matemáticas e lógicas  Soma, subtração, and, or...  Movimentação de dados  registrador – registrador; registrador – memória; memória – registrador.  Entrada/Saída  Controle  Instruções de salto
  • 48. Execução das instruções Monociclo Busca Le Reg. Mem. ULA Esc. Reg
  • 49. Execução das instruções Multiciclo Busca Le Reg. Mem. ULA Esc. Reg
  • 50.  Exemplo de Lavanderia  Tem-se os volumes A, B, C e D de roupas para lavar, secar e passar  A lavadora leva 30 minutos  A secadora leva 40 minutos  A passadeira leva 20 minutos A B C D Pipeline é natural
  • 51. • A lavanderia sequencial leva 6 horas para 4 volumes A B C D 30 40 20 30 40 20 30 40 20 30 40 20 6 7 8 9 10 11 Meia noite T a s k O r d e r Tempo Lavanderia Sequencial
  • 52. Lavanderia em Pipeline • Lavanderia em Pipeline leva 3.5 horas A B C D 6 7 8 9 10 11 Meia noite o r d e m Tempo 30 40 40 40 40 20
  • 54. Paralelismo  O processador perde muito tempo aguardando os dados da memória.  Para melhorar o desempenho do sistema, utiliza-se o paralelismo.  Pode ocorrer em dois níveis  Nível de instrução – pipeline  Nível de hardware – mais de um processador
  • 55. Paralelismo  Multiprocessador  Processadores interligados que executam instruções do mesmo programa e que compartilham a mesma memória.  Multicomputador  O mesmo que o anterior, porém, além da memória compartilhada, possui também uma memória própria.  Trabalha como se fosse um outro computador, portanto, melhorando o desempenho.
  • 57. Conjunto de instruções  CISC (Complex Instruction Set Computer)  Possui como característica um grande número de instruções.  Idéia: quanto mais instruções fossem implementas no computador, melhor seria o desempenho.  Porém, a maior parte das instruções utilizadas são simples e quase sempre as mesmas
  • 58. Conjunto de instruções  RISC (Reduced Instruction Set Computer)  Possui número reduzido de instruções  São mais simples do que as CISC  Instruções mais complexas são implementadas pelo software.  Tempo de execução menor que a CISC, ou seja, as instruções RISC são executadas mais rápidas.  Entretanto, um programa em RISC utiliza mais instruções para fazer a mesma coisa.  Mesmo assim, o RISC é mais rápido.
  • 60. Tipos de memória  RAM (Random Access Memory)  É uma memória volátil de escrita e leitura.  É aleatória porque permite o acesso direto ao dado que será lido ou escrito, sem a necessidade de passar por todas as outras posições de memória.  Estática (SRAM): armazenada em FLIP-FLOP.  Dinâmica (DRAM): armazenada em capacitor, necessitando de refresh.
  • 61. Tipos de memória  ROM (Read Only Memory)  É uma memória apenas de leitura, e não-volátil.  Os dados são previamente gravados pelos fabricantes.  as instruções de um processador  um programa de controle de temperatura em um microcontrolador.
  • 62. Tipos de memória  PROM (Programmable Read Only Memory)  É uma memória somente leitura programável e não-volátil.  Sua programação pode ser feita pelo próprio usuário por meio de um dispositivo apropriado denominado gravador.  Uma vez gravado, não pode ser mais alterado nem apagado.
  • 63. Tipos de memória  EPROM (Erasable Programmable Read Only Memory)  É uma memória somente leitura programável e apagável e não-volátil.  Pode ser programada pelo usuário e, com determinado tempo de exposição à luz ultravioleta em certo ponto do chip, todo seu conteúdo é apagado, podendo, portanto ser reprogramado novamente
  • 64. Tipos de memória  EEPROM (Eletric Erasable Programmable Read Only Memory)  É uma memória somente leitura programável e apagável e não-volátil.  Pode ser programada pelo usuário e pode ser apagada utilizando sinais elétricos ao invés de luz ultravioleta.
  • 65. Tipos de memória  Flash  É uma evolução da memória EEPROM.  Enquanto a EEPROM precisa ser totalmente apagada para ser reprogramada, a memória Flash pode ser apagada parcialmente, proporcionando, assim, maior facilidade na hora de fazer alterações em sua programação.  Muito utilizada em celulares, palms, câmeras digitais, videogames etc.

Notas do Editor

  1. Binary digit
  2. Uma instrução define como será a atividade do processador para executar uma tarefa como, por exemplo, somar dois números inteiros.
  3. Essa pastilha inteira em 165 processadores. Os que estão nos cantos são cortados e jogados fora. Cada quadrado é um processador P4 mostrado na Figura anterior.
  4. Exemplo de instrução no processor MIPS. No caso do MIPS, o opcode contem 6 bits.
  5. Quem controla a entrada da próxima instrução é a UNIDADE de CONTROLE. Busca na memória Busca do operando na memória 1 único ciclo de clock. Busca: 2ns LeReg: 1ns ULA: 2ns Mem: 2ns EscReg: 1ns Portanto, tempo de ciclo de 8ns Tempo total: 24ns
  6. Tempo total: 30 ns Vantagem: instruções menores utilizam menos ciclos que as instruções maiores. Nesse momento não ocorre o Pipeline. Os estágios funcionam sequencialmente
  7. A lavadora Sequencial Multiciclo
  8. Tempo total: 14ns Os estágios funcionam paralelamente
  9. De baixo para cima: Capacidade diminui; velocidade aumenta; custo por megabyte aumenta; a memória está mais próxima do processador