SlideShare uma empresa Scribd logo
Argumento da causa primeira

Argumento da causa primeira
Argumento cosmológico é um raciocínio
filosófico que visa a buscar uma causa
primeira (ou uma causa sem causa) para o
Universo[1]. Por extensão, esse argumento é
frequentemente utilizado para a existência de
um ser incondicionado e supremo,
identificado como Deus.
A premissa básica é que, já que há um
universo em vez de nenhum, ele deve ter sido
causado por algo ou alguém além dele
mesmo. E essa primeira causa deve ser Deus.
Esse raciocínio baseia-se na lei da
causalidade, que diz que toda coisa finita ou
contingente é causada agora por algo além de
si mesma.
Esse argumento é tradicionalmente conhecido
como argumento a partir da causalidade
universal, argumento da causa primeira,
O raciocínio cosmológico afirma que tudo que começou a existir tem uma causa.
Se o Universo veio a existir, então nem sempre ele existiu. Logo, o Universo tem
argumento causal ou o argumento da
uma causa primeira.
existência. Qualquer que seja o termo
empregado, há três variantes básicas do
argumento cosmológico, cada uma com distinções sutis, mas importantes: os argumentos da causa (causalidade), da
essência (essencialidade), do devir (tornando-se), além do argumento da contingência.
Esse raciocínio tem sido utilizado por vários teólogos e filósofos ao longo dos séculos, desde a Grécia Antiga com
Platão e Aristóteles, passando pela Idade Média com São Tomás de Aquino, até a atualidade com William Lane
Craig[2], Alexander Pruss[3], Timothy O'Connor[4], Stephen Davis, Robert Koons e Richard Swinburne.

Argumento
Há duas formas básicas do argumento cosmológico: a horizontal, ou argumento cosmológico Kalam, e a vertical. O
argumento cosmológico horizontal baseia seu raciocínio numa causa do início do Universo. O argumento
cosmológico vertical baseia seu raciocínio no Universo existente agora. O primeiro diz que o Universo existe
conforme uma causa originadora enquanto o segundo diz que ele existe conforme uma causa sustentadora. Formas
diferentes do argumento cosmológico combinam ambas as dimensões.
Parte-se da premissa geral de que tudo o que veio a existir possui uma causa. Ora, o Universo veio a existir, nem
sempre existiu, logo ele possui uma causa. De fato, cada ente possui uma causa, que também possui uma causa e
assim por diante. Entretanto, não é possível recuar infinitamente numa série de causas, pois assim o Universo nem
poderia começar. Sendo impossível a regressão infinita, deve haver uma causa primeira, que é necessariamente
incausada.
Essa versão do argumento cosmológico pode ser expressa com um silogismo formal:
• Tudo que começa a existir tem uma causa.
• O Universo começou a existir.
• Portanto, o Universo teve uma causa.

1
Argumento da causa primeira
A outra versão do argumento tem as seguintes premissas e conclusão:
• Toda parte do Universo é dependente.
• Se toda parte é dependente, então todo o Universo também deve ser dependente.
• Logo, todo o Universo é dependente agora de algum ser independente dele para sua existência atual.
Existem críticas, a primeira é que as premissas não são necessariamente verdadeiras, não se pode dizer que tudo
precisa ter causa e que o Universo teve um começo. A segunda é que a própria causalidade não é um conceito
pacificado em filosofia como explicou David Hume. Existem também modelos de causalidade não lineares como na
teoria do caos, nos quais cada evento é causa e efeito de outro. Por fim, aventa-se a possibilidade de uma regressão
infinita como na teoria M, segundo a qual o Universo não possui começo nem fim.[5][6]

Ligações externas
• (em português) Filedu [7] - Porque não sou Cristão, sobre o argumento da Causa primeira (Bertrand Russell).
Acessado em 8/02/2012.
• (em português) Teísmo [8] - Considerações sobre o Porque não sou Cristão de Russell – "A Causa primeira".
Acessado em 8/02/2012.

Referências
[1] Norman Geisler. Argumento Cosmológico. In: Enciclopédia Apologética. São Paulo: Vida, 2002;
[2] O Novo Ateísmo e cinco argumentos para a existência de Deus (http:/ / pt. scribd. com/ doc/ 36215706/
O-Novo-Ateismo-e-Os-Argumentos-Para-a-Existencia-de-Deus-William-Lane-Craig);
[3] Alexander Pruss. The Principle os Sufficiente Reason: A Reassessment. Cambridge: Cambridge University Press, 2006;
[4] Timothy O'Connor. Theism and Ultimate Explanation: The Necessary Shape of Contingency. Oxford: Blackwell, 2008;
[5] Argumentos para provar a exstência de Deus (http:/ / www. filedu. com/ anunesseraquedeusexiste. html). Acessado em 24 de outubro de
2011.
[6] Reflexão de Bertrand ussel (http:/ / teismo. net/ ?p=746). Acessado em 24 de outubro de 2011.
[7] http:/ / www. filedu. com/ brussellporquenaosoucristao. html
[8] http:/ / teismo. net/ ?p=746

2
Fontes e Editores da Página

Fontes e Editores da Página
Argumento da causa primeira  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?oldid=37014477  Contribuidores: Bruninhor, Leandro LV, Renato de carvalho ferreira, Yanguas, 2 edições anónimas

Fontes, Licenças e Editores da Imagem
Ficheiro:00Galaxy NGC1300.jpg  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:00Galaxy_NGC1300.jpg  Licença: Creative Commons Attribution-Sharealike 3.0  Contribuidores:
S. Ivanov

Licença
Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0
//creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/

3

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a rgmnt d cs prmr

Slide 02
Slide   02Slide   02
A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420
A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420
A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420
Daniel de Melo
 
Apresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de DeusApresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de Deus
paulomanesantos
 
Porquê Deus? Uma causa inicial
Porquê Deus? Uma causa inicialPorquê Deus? Uma causa inicial
Porquê Deus? Uma causa inicial
Apologética em Português
 
Através de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofiaAtravés de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofia
Etienne Salles
 
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Bernardo Motta
 
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin) Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Jerbialdo
 
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
O nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d dsO nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d ds
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
cdbbb
 
Criacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoCriacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismo
Olavo Neto
 
2° aula
2° aula2° aula
A existência de deus
A existência de deusA existência de deus
A existência de deus
Antonio Ferreira
 
Tomás de aquino e as 5 vias victor a a pereira
Tomás de aquino e as 5 vias   victor a a pereiraTomás de aquino e as 5 vias   victor a a pereira
Tomás de aquino e as 5 vias victor a a pereira
Victor468156
 
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docxAPOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
AcrianinhoOAcreExist
 
O mundo!
O mundo!O mundo!
A existência de deus
A existência de deusA existência de deus
A existência de deus
antonio ferreira
 
A CRIAÇÃO
A CRIAÇÃOA CRIAÇÃO
A CRIAÇÃO
DigenesSoares3
 
A CRIAÇÃO
A CRIAÇÃOA CRIAÇÃO
A CRIAÇÃO
DigenesSoares3
 
Cartesiano plano
Cartesiano planoCartesiano plano
Cartesiano plano
José Silva
 
Prova a existência de deus
Prova a existência de deusProva a existência de deus
Prova a existência de deus
Alexandre Borges
 
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
rinogaetano
 

Semelhante a rgmnt d cs prmr (20)

Slide 02
Slide   02Slide   02
Slide 02
 
A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420
A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420
A081 EAE DM - COSMOGONIAS E AS CONCEPÇÕES DO UNIVERSO 20170420
 
Apresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de DeusApresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de Deus
 
Porquê Deus? Uma causa inicial
Porquê Deus? Uma causa inicialPorquê Deus? Uma causa inicial
Porquê Deus? Uma causa inicial
 
Através de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofiaAtravés de leis da física e da filosofia
Através de leis da física e da filosofia
 
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
 
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin) Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
Ensaios sobre Ateísmo (Michael Martin)
 
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
O nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d dsO nvo atsmo  s rgmnts pr  exstnc d ds
O nvo atsmo s rgmnts pr exstnc d ds
 
Criacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoCriacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismo
 
2° aula
2° aula2° aula
2° aula
 
A existência de deus
A existência de deusA existência de deus
A existência de deus
 
Tomás de aquino e as 5 vias victor a a pereira
Tomás de aquino e as 5 vias   victor a a pereiraTomás de aquino e as 5 vias   victor a a pereira
Tomás de aquino e as 5 vias victor a a pereira
 
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docxAPOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
 
O mundo!
O mundo!O mundo!
O mundo!
 
A existência de deus
A existência de deusA existência de deus
A existência de deus
 
A CRIAÇÃO
A CRIAÇÃOA CRIAÇÃO
A CRIAÇÃO
 
A CRIAÇÃO
A CRIAÇÃOA CRIAÇÃO
A CRIAÇÃO
 
Cartesiano plano
Cartesiano planoCartesiano plano
Cartesiano plano
 
Prova a existência de deus
Prova a existência de deusProva a existência de deus
Prova a existência de deus
 
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
 

Último

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 

Último (20)

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 

rgmnt d cs prmr

  • 1. Argumento da causa primeira Argumento da causa primeira Argumento cosmológico é um raciocínio filosófico que visa a buscar uma causa primeira (ou uma causa sem causa) para o Universo[1]. Por extensão, esse argumento é frequentemente utilizado para a existência de um ser incondicionado e supremo, identificado como Deus. A premissa básica é que, já que há um universo em vez de nenhum, ele deve ter sido causado por algo ou alguém além dele mesmo. E essa primeira causa deve ser Deus. Esse raciocínio baseia-se na lei da causalidade, que diz que toda coisa finita ou contingente é causada agora por algo além de si mesma. Esse argumento é tradicionalmente conhecido como argumento a partir da causalidade universal, argumento da causa primeira, O raciocínio cosmológico afirma que tudo que começou a existir tem uma causa. Se o Universo veio a existir, então nem sempre ele existiu. Logo, o Universo tem argumento causal ou o argumento da uma causa primeira. existência. Qualquer que seja o termo empregado, há três variantes básicas do argumento cosmológico, cada uma com distinções sutis, mas importantes: os argumentos da causa (causalidade), da essência (essencialidade), do devir (tornando-se), além do argumento da contingência. Esse raciocínio tem sido utilizado por vários teólogos e filósofos ao longo dos séculos, desde a Grécia Antiga com Platão e Aristóteles, passando pela Idade Média com São Tomás de Aquino, até a atualidade com William Lane Craig[2], Alexander Pruss[3], Timothy O'Connor[4], Stephen Davis, Robert Koons e Richard Swinburne. Argumento Há duas formas básicas do argumento cosmológico: a horizontal, ou argumento cosmológico Kalam, e a vertical. O argumento cosmológico horizontal baseia seu raciocínio numa causa do início do Universo. O argumento cosmológico vertical baseia seu raciocínio no Universo existente agora. O primeiro diz que o Universo existe conforme uma causa originadora enquanto o segundo diz que ele existe conforme uma causa sustentadora. Formas diferentes do argumento cosmológico combinam ambas as dimensões. Parte-se da premissa geral de que tudo o que veio a existir possui uma causa. Ora, o Universo veio a existir, nem sempre existiu, logo ele possui uma causa. De fato, cada ente possui uma causa, que também possui uma causa e assim por diante. Entretanto, não é possível recuar infinitamente numa série de causas, pois assim o Universo nem poderia começar. Sendo impossível a regressão infinita, deve haver uma causa primeira, que é necessariamente incausada. Essa versão do argumento cosmológico pode ser expressa com um silogismo formal: • Tudo que começa a existir tem uma causa. • O Universo começou a existir. • Portanto, o Universo teve uma causa. 1
  • 2. Argumento da causa primeira A outra versão do argumento tem as seguintes premissas e conclusão: • Toda parte do Universo é dependente. • Se toda parte é dependente, então todo o Universo também deve ser dependente. • Logo, todo o Universo é dependente agora de algum ser independente dele para sua existência atual. Existem críticas, a primeira é que as premissas não são necessariamente verdadeiras, não se pode dizer que tudo precisa ter causa e que o Universo teve um começo. A segunda é que a própria causalidade não é um conceito pacificado em filosofia como explicou David Hume. Existem também modelos de causalidade não lineares como na teoria do caos, nos quais cada evento é causa e efeito de outro. Por fim, aventa-se a possibilidade de uma regressão infinita como na teoria M, segundo a qual o Universo não possui começo nem fim.[5][6] Ligações externas • (em português) Filedu [7] - Porque não sou Cristão, sobre o argumento da Causa primeira (Bertrand Russell). Acessado em 8/02/2012. • (em português) Teísmo [8] - Considerações sobre o Porque não sou Cristão de Russell – "A Causa primeira". Acessado em 8/02/2012. Referências [1] Norman Geisler. Argumento Cosmológico. In: Enciclopédia Apologética. São Paulo: Vida, 2002; [2] O Novo Ateísmo e cinco argumentos para a existência de Deus (http:/ / pt. scribd. com/ doc/ 36215706/ O-Novo-Ateismo-e-Os-Argumentos-Para-a-Existencia-de-Deus-William-Lane-Craig); [3] Alexander Pruss. The Principle os Sufficiente Reason: A Reassessment. Cambridge: Cambridge University Press, 2006; [4] Timothy O'Connor. Theism and Ultimate Explanation: The Necessary Shape of Contingency. Oxford: Blackwell, 2008; [5] Argumentos para provar a exstência de Deus (http:/ / www. filedu. com/ anunesseraquedeusexiste. html). Acessado em 24 de outubro de 2011. [6] Reflexão de Bertrand ussel (http:/ / teismo. net/ ?p=746). Acessado em 24 de outubro de 2011. [7] http:/ / www. filedu. com/ brussellporquenaosoucristao. html [8] http:/ / teismo. net/ ?p=746 2
  • 3. Fontes e Editores da Página Fontes e Editores da Página Argumento da causa primeira  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?oldid=37014477  Contribuidores: Bruninhor, Leandro LV, Renato de carvalho ferreira, Yanguas, 2 edições anónimas Fontes, Licenças e Editores da Imagem Ficheiro:00Galaxy NGC1300.jpg  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:00Galaxy_NGC1300.jpg  Licença: Creative Commons Attribution-Sharealike 3.0  Contribuidores: S. Ivanov Licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 //creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/ 3