SlideShare uma empresa Scribd logo
Carlos Morais
Maria Fernanda Brasete
Rosa Lídia Coimbra

Departamento de Línguas e Culturas
Universidade de Aveiro
I.
A evolução da escrita
Etimologia vs. Fonética
• Primeira fase - puramente fonética
• Segunda fase - ortografia etimológica
      • aborrecer grafava-se abhorrescer (de ab-horreo).
      • grafias divergentes: filosofia, philosophia, filosophia,
        philosofia...
Séculos XVI a XIX
Ortografia etimológica




  Imagem de um anúncio publicitário do século XIX. Disponível em: http://altinopolisminhaterra.blogspot.com/.
Séculos XVI a XIX
Ortografia etimológica




         Texto que descreve um acahado arqueológico no Cadaval.
Placa que se encontra numa das ruas da cidade do Porto.
Foto de Manuel de Sousa, disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Placa_pre-1911_(Porto).jpg
Terceira fase - ortografia fonética

  Séculos XX-XXI
  Acordos ortográficos

           Ortografia fonética


                 1911


               1945-1973


                 1990
Os acordos ortográficos…
• …não alteram a pronúncia de nenhuma palavra.
• …não têm a ver com variações de uso ou significado de palavras.
• …não estabelecem regras de sintaxe.


LOGO:
- As 2 variedades do Português (Europeu e Brasileiro) continuarão a
   existir.
II.

A HISTÓRIA DO ACORDO
Séculos XX-XXI
Acordos ortográficos
1911
1. eliminação dos dígrafos
        • ‘th’ > ‘t’ (theologia > teologia)
        • ‘ph’ > ‘f’ (pharmacia > farmácia; phosphoro > fósforo)
        • ‘ch’ > ‘c’ (echzemas > eczemas)
        • ‘rh’ > ‘r’ (rhetorica > retórica)

2. y > i (lyrio > lírio)
3. eliminação das consoantes dobradas, com exceção de rr e ss
  (castello, offender);
4. eliminação de consoantes mudas (auctor > autor; phleugma >
  fleuma);
5. regularização da acentuação gráfica (introdução do acento gráfico
   nas esdrúxulas. Ex.: patriótico)
Contestação à reforma de 1911
Teixeira de Pascoaes:

Na palavra lagryma, (...) a forma da y é lacrymal;
estabelece (...) a harmonia entre a sua expressão
graphica ou plastica e a sua expressão psychologica;
substituindo-lhe o y pelo i é offender as regras da
Esthetica. Na palavra abysmo, é a forma do y que
lhe dá profundidade, escuridão, mysterio... Escrevel-
a com i latino é fechar a boca do abysmo, é
transformal-o numa superficie banal.
Contestação à reforma de 1911
Teixeira de Pascoaes:

[...]
A palavra Phantasma, por exemplo,
Escrita com F perde todo o seu
Aspecto espectral e misterioso;
Theologia escrita só com T,
Perde o seu sinal de
Transcendência divina.
Mas já não acontece o mesmo
Nas palavras Teatro, Fotografia...;
Aquelas são complexas e profundas,
Estas são simples e claras.
[...]                        In, A Águia
Contestação à reforma de 1911
Fernando Pessoa:

Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho,
porém, num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha
patria é a lingua portugueza. Nada me pesaria que
invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me
incommodassem pessoalmente, Mas odeio, com odio
verdadeiro, com o unico odio que sinto, não quem
escreve mal portuguez, não quem não sabe syntaxe, não
quem escreve em orthographia simplificada, mas a
pagina mal escripta, como pessoa propria, a syntaxe
errada, como gente em que se bata, a orthographia sem
ipsilon, como escarro directo que me enoja
independentemente de quem o cuspisse.
ORTOGRAFIA - EVOLUÇÃO
Aquelle psalmo evoca                               Aquele salmo evoca
admiràvelmente os lyrios que na                    admiràvelmente os lírios que na
próxima Primavera hão-de nascer                    próxima Primavera hão-de nascer
no meu jardim predilecto.                          no meu jardim predilecto.

                Ortografia correta do séc. XIX.           Ortografia correta depois da primeira reforma
                                                                                    ortográfica de 1911.



Aquele salmo evoca                                 Aquele salmo evoca
admiravelmente os lírios que na                    admiravelmente os lírios que na
próxima Primavera hão-de nascer                    próxima primavera hão de nascer
no meu jardim predilecto.                          no meu jardim predileto.

       Ortografia correta a partir de 1945-1973.   Ortografia correta segundo o novo acordo ortográfico
                                                                                                (1990).
ACORDO DE 1990

Entrada em vigor:
Seguindo o disposto numa reunião da Comunidade dos Países de Língua
   Portuguesa (CPLP), realizada em julho de 2004 em São Tomé e
   Príncipe, ficou decidido que, para o novo acordo entrar em vigor, bastaria
   que três países o ratificassem.
O Brasil em outubro de 2004, Cabo Verde em abril de 2005 e São Tomé e
   Príncipe em novembro de 2006 ratificaram o acordo, estando assim
   reunidas as condições para a implementação do novo acordo ortográfico.
Em Portugal, este acordo foi ratificado pelo Governo a 6 de março de
  2008.
A implementação do acordo ortográfico entrou imediatamente em vigor,
   seguindo-se um período de 6 anos de adaptação, em que são
   permitidas as duas ortografias.
ACORDO DE 1990
   Objetivos:   • Unificar a ortografia da língua
                portuguesa que, atualmente, é
                o único idioma do ocidente que
                tem duas grafias oficiais — a
                do Brasil e a de Portugal”;
                •Resolver 97% das diferenças
                ortográficas;
                •Facilitar a circulação de
                materiais, como documentos
                oficiais e livros;
                •Unificar a língua de cerca de
                230 milhões de falantes;
                •Defender a língua portugue-
                sa e o seu prestígio inter-
                nacional.
III.

ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990

       Síntese das mudanças
ALFABETO
O alfabeto passa a ser constituído por 26 letras

• são introduzidas mais três consoantes:

   ‘k’ (capa ou cá) - kantiano

   ‘w’ (dâblio ou dáblio) - Wagner

   ‘y’ (ípsilon ou i grego) - York
Letra H
Em português europeu o ‘h’ inicial usa-se:

     1. por respeito à etimologia
           Ex.: haver; hélice hera; hoje; hora; homem.

     2. por convenção
           Ex.: Hum!; Hã?; Hem?.

NOTA: O ‘h’ inicial suprime-se :
     a) quando, apesar da etimologia, a sua supressão está inteiramente
     consagrada pelo uso;
          Ex.: erva e não herva (ervanário; herbáceo)

     b) em posição interior, quando sujeito ao processo de aglutinação
     com o elemento anterior.
           Ex.: reabitar; desumano.
Consoantes Mudas
aproximação da grafia à fonética
 se as consoantes são pronunciadas na língua
padrão, não se suprimem:
   Ex.: pacto; impacto; convicto; ficção; adepto; rapto; erupção.

 se as consoantes não são pronunciadas na língua
padrão, suprimem-se
   •   ‘cç’ > ‘c’
   •   ‘cç’ > ‘ç’
   •   ‘ct’ > ‘t’
   •   ‘pc’ > ‘c’
   •   ‘pç’ > ‘ç’
   •   ‘pt’ > ‘t’
Consoantes Mudas

       ‘cc’ → ‘c’                ‘cç’ → ‘ç’             ‘ct’ → ‘t’
Accionar – acionar         Acção – ação         Actual – atual
Coleccionar – colecionar   Colecção – coleção   Colectivo – coletivo
Direccional – direcional   Direcção – direção   Directo – direto
Fraccionar – fracionar     Fracção – fração     Electricidade – eletricidade
Leccionar – lecionar       Injecção – injeção   Factor – fator
Proteccionismo -           Objecção – objeção   Objectivo – objetivo
protecionismo              Selecção - seleção   Projecto – projeto



Mas, mantêm-se:

Faccioso                   Convicção            Bactéria
Ficcional                  Ficção               Compacto
Occitânico                 Sucção               Pacto
Consoantes Mudas

       ‘pc’ → ‘c’                     ‘pç’ → ‘ç’                  ‘pt’ → ‘t’
Adopcionismo – adocionismo     Acepção – aceção           Adoptar – adotar
Concepcional – concecional     Adopção – adoção           Baptizar – batizar
Decepcionar – dececionar       Decepção - deceção         Contraceptivo – contracetivo
Excepcional – excecional       Excepção – exceção         Egipto – Egito
Percepcionar – percecionar     Intercepção – interceção   Óptimo – ótimo
Recepcionista - rececionista   Recepção - receção         Susceptível - suscetível


Mas, mantêm-se:

Egípcio                        Corrupção                  Apto
Núpcias                        Erupção                    Eucalipto
Opcional                       Opção                      Rapto
Consoantes Mudas

Com o desaparecimento do p, o m > n


 ‘mpc’ > ‘nc’    assumpcionista / assuncionista

 ‘mpç’ > ‘nç’    assumpção / assunção

 ‘mpt’ > ‘nt’    peremptório / perentório
Consoantes Mudas

DUPLA GRAFIA


• ct ou t: característico / caraterístico; sector / setor
• cc ou c: infeccioso / infecioso; perfeccionista / perfecionista
• cç ou ç: intersecção / interseção
• pc ou c: decepcionar / dececionar; excepcional / excecional
• pç ou ç: concepção / conceção
• pt ou t: apocalíptico / apocalítico; conceptual / concetual
ACENTUAÇÃO

Supressão do acento

1. Formas verbais terminadas em – êem > – eem
   (3.ª pessoa do plural)

  crêem > creem
  descrêem > descreem
  lêem > leem
  relêem > releem
  vêem > veem
  revêem > reveem
ACENTUAÇÃO

Supressão do acento

2. palavras graves com ditongo tónico: ‘ói’ > ‘oi’

   asteróide > asteroide
   heróico > heroico
   espermatozóide > espermatozoide
   jibóia > jiboia
   jóia > joia
   paranóico > paranoico
ACENTUAÇÃO

Supressão do acento

3. Formas verbais de arguir e redarguir: ‘ú’ > ‘u’

   argúis > arguis
   argúem > arguem
   argúam > arguam
   redargúem > redarguem
   redargúam > redarguam
ACENTUAÇÃO

Supressão do acento
4. palavras graves que perdem o acento

   pára > para
   péla > pela
   pélo, pêlo > pelo
   pólo > polo
   côa > coa
   pêra > pera
ACENTUAÇÃO

DUPLA GRAFIA

1.ª pessoa do plural do pretérito perfeito (1.ª conjugação)

   amámos ou amamos (ontem)

   passeámos ou passeamos (ontem)

   viajámos ou viajamos (ontem)
HÍFEN
USA-SE O HÍFEN

1. Nas palavras derivadas, quando o radical começa por h
   Ex.: anti-herói, anti-humano (cf. desumano)

2. Quando a última letra do prefixo é igual à primeira do radical
   Ex.: contra-ataque (cf. contraespionagem), inter-racial,
   hiper-realista (cf. hipermercado)

EXCEÇÃO:
Com o prefixo co-, (tal como acontecia com re-, pre-, pro-) elimina-
  se sempre o hífen
  co-piloto > copiloto (cf. coordenador)
  co-autor > coautor
  reeducar
  preencher
  proactivo > proativo (cf. pró-ativo)
HÍFEN
USA-SE O HÍFEN
3. Com os prefixos pré-, pró-, pós-, ex-, vice-, aquém, além- e
    recém-
   pré-seleção, pré-operatório
   pró-ativo (cf. proativo), pró-reitor
   pós-graduação, pós-concecional
   ex-aluno, ex-selecionador
   vice-diretor, vice-coordenador
   aquém-Pirinéus
   além-mar
   recém-nascido
4. Com os prefixos circum- e pan- (quando a palavra seguinte
    começa por vogal, h, m ou n)
   circum-navegação (cf. circunscrito)
   pan-africano
   pan-helénico
HÍFEN
USA-SE O HÍFEN

5. Nas palavras compostas que designam espécies botânicas
   couve-flor
   abóbora-menina
   andorinha-do-mar
6. Nas palavras compostas, sem formas de ligação e com
    autonomia
   ano-luz
   azul-escuro
   guarda-chuva
   segunda-feira
   decreto-lei
7. Na ênclise e na tmese
   dou-te
   dar-te-ei
HÍFEN
USA-SE O HÍFEN
8. Em todos os compostos com os advérbios bem e mal, quando
    se segue um radical começado por vogal ou por ‘h’.
 Ex.: bem-aventurado; bem-humorado; mal-afortunado; mal-estar;
        mal-humorado.

Nota:
O advérbio bem e mal podem, no entanto, aglutinar-se com
 radicais começados por consoante
 Ex.: benfazejo; benfeitor; benquerença; malvisto; malfeitor;
        malnascido (cf. bem-nascido).
HÍFEN
NÃO SE USA O HÍFEN

1. nas formas monossilábidas do verbo haver
   hei de (cf. haveria de)
   hás de (cf. haverias de)
   há de (cf. haveria de)
   hão de (cf. haveriam de)

2. em algumas locuções
   fim de semana
   cor de vinho
   cão de guarda

NOTA: Excluem-se formas já consagradas pelo uso, como: água-
  de-colónia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-
  de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.
HÍFEN
NÃO SE USA O HÍFEN
3. Em palavras em que se perdeu a noção de composição
   mandachuva
   paraquedas
4. Nas palavras formadas por prefixos terminados em vogal
    diferente da que inicia o radical
   agroindustrial
   antiaéreo
   extraescolar
   infraestrutura
   hidroelétrico
5. Nas palavras com sufixo terminado por vogal e radical iniciado
    por r ou s, duplicam-se estas consoantes
   antirreflexo
   minissaia
   contrarrelógio
   ultrassecreto
MAIÚSCULAS / MINÚSCULAS

PASSAM A SER ESCRITAS COM MINÚSCULA

1. Os meses: janeiro, março, abril…

2. As estações: outono, verão, primavera, inverno

3. Os pontos cardeais e colaterais: norte, sudoeste (mas não nas
   abreviaturas: SW, N, S)

4. As palavras fulano, beltrano e sicrano
MAIÚSCULAS / MINÚSCULAS
É OPCIONAL O USO DE MAIÚSCULA OU DE MINÚSCULA

1. Nas formas de tratamento: professor /Professor, santa Cecília /
   Santa Cecília, cardeal D. Policarpo / Cardeal D. Policarpo

2. Nas palavras que designam lugares ou edifícios: avenida da
   Liberdade /Avenida da Liberdade, rua Direita / Rua Direita, palácio da
   Ajuda / Palácio da Ajuda

3. Nos nomes de domínios de saber, cursos e disciplinas:
   português / Português, matemática / Matemática, engenharia
   eletrónica e de telecomunicações /Engenharia Eletrónica e de
   Telecomunicações

4. Nos títulos: Manhã Submersa / Manhã submersa (a primeira palavra é
   sempre maiúscula)
MAIÚSCULAS / MINÚSCULAS
A LETRA MAIÚSCULA INICIAL MANTÉM-SE


1. nos antropónimos, mitónimos e topónimos:
    António, Lisboa, Tejo, Vénus

2. nos nomes que designam instituições:
    Segurança Social; Governo Civil.

3. nos nomes de festas e festividades:
    Natal; Páscoa; Ramadão; Todos os Santos.

4. em siglas, símbolos ou abreviaturas:
    FAO; NATO; ONU; CO2; Sr.; V. Ex.ª.
NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO




≠
NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO NA WEB

• Portal da Língua Portuguesa
   – Vocabulário em Mudança:
   http://www.portaldalinguaportuguesa.org/?action=novoac
      ordo&act=list&version=all
• Lince - conversor para a nova ortografia (Portal da
  Língua Portuguesa)
   http://www.portaldalinguaportuguesa.org/?action=lince
• Conversor de texto – Porto Editora
   http://www.portoeditora.pt/acordo-ortografico/conversor-
      texto/
• Blogue novUAcordo
  http://novuacordo.blogs.ua.sapo.pt/
Bibliografia
   •   Acordo Ortográfico – O Que Muda, As Novas Regras, Todas as Palavras que Mudam.
       Porto: Porto Editora.
   •   Guia do Acordo Ortográfico. Brasil: Editora Moderna, LTDA.
   •   Guia Prático para Perceber o Acordo Ortográfico. Visão. In, http://aeiou.visao.pt/guia-
       pratico-para-perceber-o-acordo-ortografico=f543282 (Consultado em: 31.03.2011).
   •   KRESS, Gunther (1979). “The Social Values of Speech and Writing”. FOWLER et
       al., 46-62.
   •   CRUZ-FERREIRA, M. (1999). “Portuguese (European)”. In Handbook of the
       International Phonetic Association. Cambridge University Press. pp. 126-130 (apud:
       Silva, Susana Capitão (2007). Traços Acústicos e Perceptivos de Sons Não Verbais e
       da Fala. Dissertação de Mestrado, Universidade de Aveiro).

Webgrafia
   História da Escrita, http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/historiadaescrita.htm
   História da Escrita, http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_escrita
   Origem do Alfabeto, http://www.pesquisasnota10.hpg.ig.com.br/portu/41.htm
   Ortografia brasileira, http://www.radames.manosso.nom.br/gramatica/ortografia/grafemas.htm
   Santos, A. http://www.amigosdolivro.com.br/lermais_materias.php?cd_materias=5666
   Wikipédia. Reforma Ortográfica de 1911. In, http://pt.wikipedia.org/wiki/Reforma_Ortogr%C3%A1fica_de_1911
Universidade de Aveiro | Departamento de Línguas e Culturas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fonética e Fonologia
Fonética e FonologiaFonética e Fonologia
Fonética e Fonologia
Marcos Feliciano
 
Mas, mais, más
Mas, mais, másMas, mais, más
Mas, mais, más
Deisy Quintero
 
Modulo 01 morfemas
Modulo 01 morfemasModulo 01 morfemas
Modulo 01 morfemas
Dolores Cruz
 
Advérbios em Espanhol
Advérbios em EspanholAdvérbios em Espanhol
Advérbios em Espanhol
GabriellaBarreto18
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
Carolina Loçasso Pereira
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Ademir Teixeira de Freitas
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
Bernadete Carrijo Oliveira
 
Novo Acordo Ortografico
Novo Acordo OrtograficoNovo Acordo Ortografico
Novo Acordo Ortografico
deathie
 
Ppt hiperónimos
Ppt   hiperónimosPpt   hiperónimos
Ppt hiperónimos
Cristina Fontes
 
A literatura brasileira
A literatura  brasileiraA literatura  brasileira
A literatura brasileira
Chrys Novaes
 
Artigos definidos e indefinidos teoria
Artigos definidos e indefinidos   teoriaArtigos definidos e indefinidos   teoria
Artigos definidos e indefinidos teoria
Jaqueline Moura
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
Eliane Sapiraim Durão
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Nivaldo Marques
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
Hélio Consolaro
 
Verbo www.professorpalmito.com.br
Verbo www.professorpalmito.com.brVerbo www.professorpalmito.com.br
Verbo www.professorpalmito.com.br
Prof Palmito Rocha
 
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEMComo estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
Flexão e grau do substantivo
Flexão e grau do substantivoFlexão e grau do substantivo
Flexão e grau do substantivo
ma.no.el.ne.ves
 
Redação Enem
Redação EnemRedação Enem
Redação Enem
Fabricio Souza
 
Esolas literarias
Esolas literariasEsolas literarias
Esolas literarias
Agenor Neto
 

Mais procurados (20)

Fonética e Fonologia
Fonética e FonologiaFonética e Fonologia
Fonética e Fonologia
 
Mas, mais, más
Mas, mais, másMas, mais, más
Mas, mais, más
 
Modulo 01 morfemas
Modulo 01 morfemasModulo 01 morfemas
Modulo 01 morfemas
 
Advérbios em Espanhol
Advérbios em EspanholAdvérbios em Espanhol
Advérbios em Espanhol
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
 
Novo Acordo Ortografico
Novo Acordo OrtograficoNovo Acordo Ortografico
Novo Acordo Ortografico
 
Ppt hiperónimos
Ppt   hiperónimosPpt   hiperónimos
Ppt hiperónimos
 
A literatura brasileira
A literatura  brasileiraA literatura  brasileira
A literatura brasileira
 
Artigos definidos e indefinidos teoria
Artigos definidos e indefinidos   teoriaArtigos definidos e indefinidos   teoria
Artigos definidos e indefinidos teoria
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
 
Verbo www.professorpalmito.com.br
Verbo www.professorpalmito.com.brVerbo www.professorpalmito.com.br
Verbo www.professorpalmito.com.br
 
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEMComo estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
 
Flexão e grau do substantivo
Flexão e grau do substantivoFlexão e grau do substantivo
Flexão e grau do substantivo
 
Redação Enem
Redação EnemRedação Enem
Redação Enem
 
Esolas literarias
Esolas literariasEsolas literarias
Esolas literarias
 

Semelhante a Apresentação Novo Acordo Ortográfico

Acordo ortográfico.pdf
Acordo ortográfico.pdfAcordo ortográfico.pdf
Acordo ortográfico.pdf
mariasaborida
 
Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográfico
mariasaborida
 
A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990
A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990
A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990
Elisabete Tavares
 
Acordo ortografico
Acordo ortografico Acordo ortografico
Acordo ortografico
Elisabete Tavares
 
Acentuação gráfica português prof jailton
Acentuação gráfica português prof jailtonAcentuação gráfica português prof jailton
Acentuação gráfica português prof jailton
compulsiveboy
 
Atual adapt grelha_novo_acordo_ort
Atual adapt grelha_novo_acordo_ortAtual adapt grelha_novo_acordo_ort
Atual adapt grelha_novo_acordo_ort
at the school
 
Acentuacao grafica
Acentuacao graficaAcentuacao grafica
Acentuacao grafica
Dai Novaes
 
Dia da Lingua Materna - 21 Fevereiro
Dia da Lingua Materna  - 21 FevereiroDia da Lingua Materna  - 21 Fevereiro
Dia da Lingua Materna - 21 Fevereiro
Fraga Digital
 
Conferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa EditoraConferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa Editora
paulasalvador
 
Acordo ortografico-lisboa-editora 3
Acordo ortografico-lisboa-editora 3Acordo ortografico-lisboa-editora 3
Acordo ortografico-lisboa-editora 3
Iris Santos
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
Engracia Cavalcante
 
Atividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográfico
Atividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográficoAtividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográfico
Atividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográfico
anne carolyne
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
cepmaio
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
Alvaro Morais
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
cepmaio
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
cepmaio
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
cepmaio
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
Alvaro Morais
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
cepmaio
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
cepmaio
 

Semelhante a Apresentação Novo Acordo Ortográfico (20)

Acordo ortográfico.pdf
Acordo ortográfico.pdfAcordo ortográfico.pdf
Acordo ortográfico.pdf
 
Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográfico
 
A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990
A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990
A Nova Ortografia pós Acordo Ortográfico de 1990
 
Acordo ortografico
Acordo ortografico Acordo ortografico
Acordo ortografico
 
Acentuação gráfica português prof jailton
Acentuação gráfica português prof jailtonAcentuação gráfica português prof jailton
Acentuação gráfica português prof jailton
 
Atual adapt grelha_novo_acordo_ort
Atual adapt grelha_novo_acordo_ortAtual adapt grelha_novo_acordo_ort
Atual adapt grelha_novo_acordo_ort
 
Acentuacao grafica
Acentuacao graficaAcentuacao grafica
Acentuacao grafica
 
Dia da Lingua Materna - 21 Fevereiro
Dia da Lingua Materna  - 21 FevereiroDia da Lingua Materna  - 21 Fevereiro
Dia da Lingua Materna - 21 Fevereiro
 
Conferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa EditoraConferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa Editora
 
Acordo ortografico-lisboa-editora 3
Acordo ortografico-lisboa-editora 3Acordo ortografico-lisboa-editora 3
Acordo ortografico-lisboa-editora 3
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
 
Atividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográfico
Atividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográficoAtividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográfico
Atividade sobre acentuação gráfica e o novo acordo ortográfico
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 

Mais de Marisa Paço

RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...
RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...
RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...
Marisa Paço
 
Publishing scientific research
Publishing scientific researchPublishing scientific research
Publishing scientific research
Marisa Paço
 
A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...
Marisa Paço
 
A escrita científica nov11
A escrita científica nov11A escrita científica nov11
A escrita científica nov11
Marisa Paço
 
Biografia
BiografiaBiografia
Biografia
Marisa Paço
 
Textos explicativos expositivos
Textos explicativos expositivosTextos explicativos expositivos
Textos explicativos expositivos
Marisa Paço
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
Marisa Paço
 
Clc introdução
Clc   introduçãoClc   introdução
Clc introdução
Marisa Paço
 
Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...
Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...
Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...
Marisa Paço
 
Exercícios Novo Acordo Ortográfico
Exercícios Novo Acordo OrtográficoExercícios Novo Acordo Ortográfico
Exercícios Novo Acordo Ortográfico
Marisa Paço
 
Cábula do Acordo Ortográfico
Cábula do Acordo OrtográficoCábula do Acordo Ortográfico
Cábula do Acordo Ortográfico
Marisa Paço
 
Aveiro project presentation
Aveiro project presentationAveiro project presentation
Aveiro project presentation
Marisa Paço
 
Descodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietcDescodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietc
Marisa Paço
 
Autobiografia xpto
Autobiografia xptoAutobiografia xpto
Autobiografia xpto
Marisa Paço
 
Nível Secundário
Nível SecundárioNível Secundário
Nível Secundário
Marisa Paço
 
Nível Básico
Nível BásicoNível Básico
Nível Básico
Marisa Paço
 

Mais de Marisa Paço (17)

RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...
RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...
RedeSIDEdu – A NETWORK TO SUPPORT THE SUPERVISION OF RESEARCH AND DEVELOPMENT...
 
Publishing scientific research
Publishing scientific researchPublishing scientific research
Publishing scientific research
 
A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...A ordem do expor em géneros académicos...
A ordem do expor em géneros académicos...
 
A escrita científica nov11
A escrita científica nov11A escrita científica nov11
A escrita científica nov11
 
Biografia
BiografiaBiografia
Biografia
 
Textos explicativos expositivos
Textos explicativos expositivosTextos explicativos expositivos
Textos explicativos expositivos
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
 
Cidade roma
Cidade romaCidade roma
Cidade roma
 
Clc introdução
Clc   introduçãoClc   introdução
Clc introdução
 
Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...
Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...
Apresentação do artigo “The relationship between teaching and learning concep...
 
Exercícios Novo Acordo Ortográfico
Exercícios Novo Acordo OrtográficoExercícios Novo Acordo Ortográfico
Exercícios Novo Acordo Ortográfico
 
Cábula do Acordo Ortográfico
Cábula do Acordo OrtográficoCábula do Acordo Ortográfico
Cábula do Acordo Ortográfico
 
Aveiro project presentation
Aveiro project presentationAveiro project presentation
Aveiro project presentation
 
Descodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietcDescodificação referencial clc-ietc
Descodificação referencial clc-ietc
 
Autobiografia xpto
Autobiografia xptoAutobiografia xpto
Autobiografia xpto
 
Nível Secundário
Nível SecundárioNível Secundário
Nível Secundário
 
Nível Básico
Nível BásicoNível Básico
Nível Básico
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 

Apresentação Novo Acordo Ortográfico

  • 1. Carlos Morais Maria Fernanda Brasete Rosa Lídia Coimbra Departamento de Línguas e Culturas Universidade de Aveiro
  • 3. Etimologia vs. Fonética • Primeira fase - puramente fonética • Segunda fase - ortografia etimológica • aborrecer grafava-se abhorrescer (de ab-horreo). • grafias divergentes: filosofia, philosophia, filosophia, philosofia...
  • 4. Séculos XVI a XIX Ortografia etimológica Imagem de um anúncio publicitário do século XIX. Disponível em: http://altinopolisminhaterra.blogspot.com/.
  • 5. Séculos XVI a XIX Ortografia etimológica Texto que descreve um acahado arqueológico no Cadaval.
  • 6. Placa que se encontra numa das ruas da cidade do Porto. Foto de Manuel de Sousa, disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Placa_pre-1911_(Porto).jpg
  • 7. Terceira fase - ortografia fonética Séculos XX-XXI Acordos ortográficos Ortografia fonética 1911 1945-1973 1990
  • 8. Os acordos ortográficos… • …não alteram a pronúncia de nenhuma palavra. • …não têm a ver com variações de uso ou significado de palavras. • …não estabelecem regras de sintaxe. LOGO: - As 2 variedades do Português (Europeu e Brasileiro) continuarão a existir.
  • 10. Séculos XX-XXI Acordos ortográficos 1911 1. eliminação dos dígrafos • ‘th’ > ‘t’ (theologia > teologia) • ‘ph’ > ‘f’ (pharmacia > farmácia; phosphoro > fósforo) • ‘ch’ > ‘c’ (echzemas > eczemas) • ‘rh’ > ‘r’ (rhetorica > retórica) 2. y > i (lyrio > lírio) 3. eliminação das consoantes dobradas, com exceção de rr e ss (castello, offender); 4. eliminação de consoantes mudas (auctor > autor; phleugma > fleuma); 5. regularização da acentuação gráfica (introdução do acento gráfico nas esdrúxulas. Ex.: patriótico)
  • 11. Contestação à reforma de 1911 Teixeira de Pascoaes: Na palavra lagryma, (...) a forma da y é lacrymal; estabelece (...) a harmonia entre a sua expressão graphica ou plastica e a sua expressão psychologica; substituindo-lhe o y pelo i é offender as regras da Esthetica. Na palavra abysmo, é a forma do y que lhe dá profundidade, escuridão, mysterio... Escrevel- a com i latino é fechar a boca do abysmo, é transformal-o numa superficie banal.
  • 12. Contestação à reforma de 1911 Teixeira de Pascoaes: [...] A palavra Phantasma, por exemplo, Escrita com F perde todo o seu Aspecto espectral e misterioso; Theologia escrita só com T, Perde o seu sinal de Transcendência divina. Mas já não acontece o mesmo Nas palavras Teatro, Fotografia...; Aquelas são complexas e profundas, Estas são simples e claras. [...] In, A Águia
  • 13. Contestação à reforma de 1911 Fernando Pessoa: Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha patria é a lingua portugueza. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incommodassem pessoalmente, Mas odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio que sinto, não quem escreve mal portuguez, não quem não sabe syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a pagina mal escripta, como pessoa propria, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ipsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse.
  • 14. ORTOGRAFIA - EVOLUÇÃO Aquelle psalmo evoca Aquele salmo evoca admiràvelmente os lyrios que na admiràvelmente os lírios que na próxima Primavera hão-de nascer próxima Primavera hão-de nascer no meu jardim predilecto. no meu jardim predilecto. Ortografia correta do séc. XIX. Ortografia correta depois da primeira reforma ortográfica de 1911. Aquele salmo evoca Aquele salmo evoca admiravelmente os lírios que na admiravelmente os lírios que na próxima Primavera hão-de nascer próxima primavera hão de nascer no meu jardim predilecto. no meu jardim predileto. Ortografia correta a partir de 1945-1973. Ortografia correta segundo o novo acordo ortográfico (1990).
  • 15. ACORDO DE 1990 Entrada em vigor: Seguindo o disposto numa reunião da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), realizada em julho de 2004 em São Tomé e Príncipe, ficou decidido que, para o novo acordo entrar em vigor, bastaria que três países o ratificassem. O Brasil em outubro de 2004, Cabo Verde em abril de 2005 e São Tomé e Príncipe em novembro de 2006 ratificaram o acordo, estando assim reunidas as condições para a implementação do novo acordo ortográfico. Em Portugal, este acordo foi ratificado pelo Governo a 6 de março de 2008. A implementação do acordo ortográfico entrou imediatamente em vigor, seguindo-se um período de 6 anos de adaptação, em que são permitidas as duas ortografias.
  • 16. ACORDO DE 1990 Objetivos: • Unificar a ortografia da língua portuguesa que, atualmente, é o único idioma do ocidente que tem duas grafias oficiais — a do Brasil e a de Portugal”; •Resolver 97% das diferenças ortográficas; •Facilitar a circulação de materiais, como documentos oficiais e livros; •Unificar a língua de cerca de 230 milhões de falantes; •Defender a língua portugue- sa e o seu prestígio inter- nacional.
  • 17. III. ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 Síntese das mudanças
  • 18. ALFABETO O alfabeto passa a ser constituído por 26 letras • são introduzidas mais três consoantes: ‘k’ (capa ou cá) - kantiano ‘w’ (dâblio ou dáblio) - Wagner ‘y’ (ípsilon ou i grego) - York
  • 19. Letra H Em português europeu o ‘h’ inicial usa-se: 1. por respeito à etimologia Ex.: haver; hélice hera; hoje; hora; homem. 2. por convenção Ex.: Hum!; Hã?; Hem?. NOTA: O ‘h’ inicial suprime-se : a) quando, apesar da etimologia, a sua supressão está inteiramente consagrada pelo uso; Ex.: erva e não herva (ervanário; herbáceo) b) em posição interior, quando sujeito ao processo de aglutinação com o elemento anterior. Ex.: reabitar; desumano.
  • 20. Consoantes Mudas aproximação da grafia à fonética se as consoantes são pronunciadas na língua padrão, não se suprimem: Ex.: pacto; impacto; convicto; ficção; adepto; rapto; erupção. se as consoantes não são pronunciadas na língua padrão, suprimem-se • ‘cç’ > ‘c’ • ‘cç’ > ‘ç’ • ‘ct’ > ‘t’ • ‘pc’ > ‘c’ • ‘pç’ > ‘ç’ • ‘pt’ > ‘t’
  • 21. Consoantes Mudas ‘cc’ → ‘c’ ‘cç’ → ‘ç’ ‘ct’ → ‘t’ Accionar – acionar Acção – ação Actual – atual Coleccionar – colecionar Colecção – coleção Colectivo – coletivo Direccional – direcional Direcção – direção Directo – direto Fraccionar – fracionar Fracção – fração Electricidade – eletricidade Leccionar – lecionar Injecção – injeção Factor – fator Proteccionismo - Objecção – objeção Objectivo – objetivo protecionismo Selecção - seleção Projecto – projeto Mas, mantêm-se: Faccioso Convicção Bactéria Ficcional Ficção Compacto Occitânico Sucção Pacto
  • 22. Consoantes Mudas ‘pc’ → ‘c’ ‘pç’ → ‘ç’ ‘pt’ → ‘t’ Adopcionismo – adocionismo Acepção – aceção Adoptar – adotar Concepcional – concecional Adopção – adoção Baptizar – batizar Decepcionar – dececionar Decepção - deceção Contraceptivo – contracetivo Excepcional – excecional Excepção – exceção Egipto – Egito Percepcionar – percecionar Intercepção – interceção Óptimo – ótimo Recepcionista - rececionista Recepção - receção Susceptível - suscetível Mas, mantêm-se: Egípcio Corrupção Apto Núpcias Erupção Eucalipto Opcional Opção Rapto
  • 23. Consoantes Mudas Com o desaparecimento do p, o m > n ‘mpc’ > ‘nc’ assumpcionista / assuncionista ‘mpç’ > ‘nç’ assumpção / assunção ‘mpt’ > ‘nt’ peremptório / perentório
  • 24. Consoantes Mudas DUPLA GRAFIA • ct ou t: característico / caraterístico; sector / setor • cc ou c: infeccioso / infecioso; perfeccionista / perfecionista • cç ou ç: intersecção / interseção • pc ou c: decepcionar / dececionar; excepcional / excecional • pç ou ç: concepção / conceção • pt ou t: apocalíptico / apocalítico; conceptual / concetual
  • 25. ACENTUAÇÃO Supressão do acento 1. Formas verbais terminadas em – êem > – eem (3.ª pessoa do plural) crêem > creem descrêem > descreem lêem > leem relêem > releem vêem > veem revêem > reveem
  • 26. ACENTUAÇÃO Supressão do acento 2. palavras graves com ditongo tónico: ‘ói’ > ‘oi’ asteróide > asteroide heróico > heroico espermatozóide > espermatozoide jibóia > jiboia jóia > joia paranóico > paranoico
  • 27. ACENTUAÇÃO Supressão do acento 3. Formas verbais de arguir e redarguir: ‘ú’ > ‘u’ argúis > arguis argúem > arguem argúam > arguam redargúem > redarguem redargúam > redarguam
  • 28. ACENTUAÇÃO Supressão do acento 4. palavras graves que perdem o acento pára > para péla > pela pélo, pêlo > pelo pólo > polo côa > coa pêra > pera
  • 29. ACENTUAÇÃO DUPLA GRAFIA 1.ª pessoa do plural do pretérito perfeito (1.ª conjugação) amámos ou amamos (ontem) passeámos ou passeamos (ontem) viajámos ou viajamos (ontem)
  • 30. HÍFEN USA-SE O HÍFEN 1. Nas palavras derivadas, quando o radical começa por h Ex.: anti-herói, anti-humano (cf. desumano) 2. Quando a última letra do prefixo é igual à primeira do radical Ex.: contra-ataque (cf. contraespionagem), inter-racial, hiper-realista (cf. hipermercado) EXCEÇÃO: Com o prefixo co-, (tal como acontecia com re-, pre-, pro-) elimina- se sempre o hífen co-piloto > copiloto (cf. coordenador) co-autor > coautor reeducar preencher proactivo > proativo (cf. pró-ativo)
  • 31. HÍFEN USA-SE O HÍFEN 3. Com os prefixos pré-, pró-, pós-, ex-, vice-, aquém, além- e recém- pré-seleção, pré-operatório pró-ativo (cf. proativo), pró-reitor pós-graduação, pós-concecional ex-aluno, ex-selecionador vice-diretor, vice-coordenador aquém-Pirinéus além-mar recém-nascido 4. Com os prefixos circum- e pan- (quando a palavra seguinte começa por vogal, h, m ou n) circum-navegação (cf. circunscrito) pan-africano pan-helénico
  • 32. HÍFEN USA-SE O HÍFEN 5. Nas palavras compostas que designam espécies botânicas couve-flor abóbora-menina andorinha-do-mar 6. Nas palavras compostas, sem formas de ligação e com autonomia ano-luz azul-escuro guarda-chuva segunda-feira decreto-lei 7. Na ênclise e na tmese dou-te dar-te-ei
  • 33. HÍFEN USA-SE O HÍFEN 8. Em todos os compostos com os advérbios bem e mal, quando se segue um radical começado por vogal ou por ‘h’. Ex.: bem-aventurado; bem-humorado; mal-afortunado; mal-estar; mal-humorado. Nota: O advérbio bem e mal podem, no entanto, aglutinar-se com radicais começados por consoante Ex.: benfazejo; benfeitor; benquerença; malvisto; malfeitor; malnascido (cf. bem-nascido).
  • 34. HÍFEN NÃO SE USA O HÍFEN 1. nas formas monossilábidas do verbo haver hei de (cf. haveria de) hás de (cf. haverias de) há de (cf. haveria de) hão de (cf. haveriam de) 2. em algumas locuções fim de semana cor de vinho cão de guarda NOTA: Excluem-se formas já consagradas pelo uso, como: água- de-colónia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé- de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.
  • 35. HÍFEN NÃO SE USA O HÍFEN 3. Em palavras em que se perdeu a noção de composição mandachuva paraquedas 4. Nas palavras formadas por prefixos terminados em vogal diferente da que inicia o radical agroindustrial antiaéreo extraescolar infraestrutura hidroelétrico 5. Nas palavras com sufixo terminado por vogal e radical iniciado por r ou s, duplicam-se estas consoantes antirreflexo minissaia contrarrelógio ultrassecreto
  • 36. MAIÚSCULAS / MINÚSCULAS PASSAM A SER ESCRITAS COM MINÚSCULA 1. Os meses: janeiro, março, abril… 2. As estações: outono, verão, primavera, inverno 3. Os pontos cardeais e colaterais: norte, sudoeste (mas não nas abreviaturas: SW, N, S) 4. As palavras fulano, beltrano e sicrano
  • 37. MAIÚSCULAS / MINÚSCULAS É OPCIONAL O USO DE MAIÚSCULA OU DE MINÚSCULA 1. Nas formas de tratamento: professor /Professor, santa Cecília / Santa Cecília, cardeal D. Policarpo / Cardeal D. Policarpo 2. Nas palavras que designam lugares ou edifícios: avenida da Liberdade /Avenida da Liberdade, rua Direita / Rua Direita, palácio da Ajuda / Palácio da Ajuda 3. Nos nomes de domínios de saber, cursos e disciplinas: português / Português, matemática / Matemática, engenharia eletrónica e de telecomunicações /Engenharia Eletrónica e de Telecomunicações 4. Nos títulos: Manhã Submersa / Manhã submersa (a primeira palavra é sempre maiúscula)
  • 38. MAIÚSCULAS / MINÚSCULAS A LETRA MAIÚSCULA INICIAL MANTÉM-SE 1. nos antropónimos, mitónimos e topónimos: António, Lisboa, Tejo, Vénus 2. nos nomes que designam instituições: Segurança Social; Governo Civil. 3. nos nomes de festas e festividades: Natal; Páscoa; Ramadão; Todos os Santos. 4. em siglas, símbolos ou abreviaturas: FAO; NATO; ONU; CO2; Sr.; V. Ex.ª.
  • 40. NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO NA WEB • Portal da Língua Portuguesa – Vocabulário em Mudança: http://www.portaldalinguaportuguesa.org/?action=novoac ordo&act=list&version=all • Lince - conversor para a nova ortografia (Portal da Língua Portuguesa) http://www.portaldalinguaportuguesa.org/?action=lince • Conversor de texto – Porto Editora http://www.portoeditora.pt/acordo-ortografico/conversor- texto/ • Blogue novUAcordo http://novuacordo.blogs.ua.sapo.pt/
  • 41. Bibliografia • Acordo Ortográfico – O Que Muda, As Novas Regras, Todas as Palavras que Mudam. Porto: Porto Editora. • Guia do Acordo Ortográfico. Brasil: Editora Moderna, LTDA. • Guia Prático para Perceber o Acordo Ortográfico. Visão. In, http://aeiou.visao.pt/guia- pratico-para-perceber-o-acordo-ortografico=f543282 (Consultado em: 31.03.2011). • KRESS, Gunther (1979). “The Social Values of Speech and Writing”. FOWLER et al., 46-62. • CRUZ-FERREIRA, M. (1999). “Portuguese (European)”. In Handbook of the International Phonetic Association. Cambridge University Press. pp. 126-130 (apud: Silva, Susana Capitão (2007). Traços Acústicos e Perceptivos de Sons Não Verbais e da Fala. Dissertação de Mestrado, Universidade de Aveiro). Webgrafia História da Escrita, http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/historiadaescrita.htm História da Escrita, http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_escrita Origem do Alfabeto, http://www.pesquisasnota10.hpg.ig.com.br/portu/41.htm Ortografia brasileira, http://www.radames.manosso.nom.br/gramatica/ortografia/grafemas.htm Santos, A. http://www.amigosdolivro.com.br/lermais_materias.php?cd_materias=5666 Wikipédia. Reforma Ortográfica de 1911. In, http://pt.wikipedia.org/wiki/Reforma_Ortogr%C3%A1fica_de_1911
  • 42. Universidade de Aveiro | Departamento de Línguas e Culturas