SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Workshop: Relação Produtiva
entre Agricultura e Apicultura
REAVALIAÇÃO AMBIENTAL DE AGROTÓXICOS
NEONICOTINÓIDES E PIRAZOL

Marcio Rosa Rodrigues de Freitas
Coordenador Geral de Avaliação de Substâncias Químicas
IBAMA
Campinas, 30 de outubro de 2013
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

• A Reavaliação de Neonicotinóides e Fipronil
• Contexto da reavaliação – impacto dos agrotóxicos sobre
as abelhas, mortandade e CCD no Brasil
• Estágio Atual e Perspectivas
Síntese dos Efeitos
NEONICOTINOIDES (Imidacloprido, Clotianidina, Tiametoxan)
Alta toxicidade AGUDA

Efeitos tóxicos em doses subletais causando:
- comprometimento de funções fisiológicas e ecológicas tais como:
a memória
aprendizado das abelhas
comportamento das forrageiras dificultando o retorno à colmeia,
redução da atividade forrageadora ou inibindo-a por algumas horas.
interferência no mecanismo de comunicação da direção do alimento entre as abelhas,
enfraquecimento da colônia.
interferência nos mecanismos de defesa das abelhas, tornado-as mais susceptíveis aos
agentes patogênicos.
São sistêmicos, isto é, penetram na planta ficando distribuídos por todas as suas partes
São ALTAMENTE persistentes (½ vida de degradação em solos brasileiros >188 dias)
São TRANSLOCADOS nas plantas tratadas, ficando “mais concentrados” no néctar e pólen
de flores
OBS - devido a persistência e a “localização preferencial” nas partes atrativas das culturas há a necessidade de ser revista a
efetividade dos dizerem “não aplicar no período de floração” no que se refere a culturas com floração duradoura e necessária
(Algodão – possui florescência de 90 dias!) e no que se refere a coincidência do aparecimento da praga DURANTE o período de
floração;
Devido à alta persistência nos solos, o tratamento de sementes é também foco da reavaliação ambiental dos neonicotinóides
Síntese dos Efeitos
FIPRONIL
Não Possui Autorização para Aplicação Aérea no Brasil por solicitação do titular do
registro
Esta relacionado a maioria dos eventos de mortandade de abelhas notificados no
Brasil
É altamente tóxico para abelhas.
Possui efeitos tóxicos em doses subletais:
- afeta funções biológicas essenciais à manutenção e sobrevivência das abelhas;
- interfere na atividade forrageira da abelha,
- afeta a percepção gustativa,
- afeta o aprendizado olfatório,
- afeta a atividade motora e o desempenho da memória a médio e longo prazos.
O Fipronil sofreu restrições em diversos países:

No Uruguai foram cancelados os usos agrícolas permanecendo apenas as
formulações formicidas e tratamento de semente para o arroz.
No Reino Unido foram revogadas todas as autorizações após conclusão da revisão
feita pela UE.
Nos EUA o Fipronil possui uso restrito (RUP- Restricted Use Pesticide), podendo ser
aplicado apenas por profissionais certificados pela Agência.
Na Alemanha não é registrado. Foi concedido apenas o uso emergencial para a
cultura da batata.
Reavaliação Linha do Tempo

Normativa de
reavaliação e
criação
da
equipe
no
IBAMA

MAIO a
OUT 2009

Levantamento de
ocorrências
de
mortandade
de
abelhas no Brasil

FEV A MAR
2010

IBAMA Contrata
consultoria
efeitos
dos
agrotóxicos sobre
abelhas

JULHO
2010

IBAMA Contata
pesquisadores
sobre
mortandades de
abelhas em SP

IBAMA Capacita
6
analistas
ambientais
em
avaliação de risco
na EPA

OUTUBRO
2010

NOVEMBRO
2010
Levantamento de Informações
Resumo dos Levantamentos Realizados pelo IBAMA

•Para o levantamento inicial foram utilizados 128 documentos. Novos documentos
serão incluídos durante o processo de reavaliação.
•(Notícias, Projetos de Lei (municipal, estadual, Senado, Câmara), Legislações locais (Lei municipal), Legislações
internacionais (Diretiva da União Europeia, Comunicado do Ministério da Agricultura da França, Decreto do
Ministério da Saúde da Itália,Decreto do Ministério de Ganaderia, Agricultura y Pesca do Uruguai), Registros
internacionais (Bulas de formulados US EPA, FACT SHEET), Ocorrências (Laudos, Boletim de ocorrência,
Relatório de ensaios, Inquérito policial, Relatório da Prefeitura
Municipal de Brotas), Inquérito Civil e decisão judicial (Portaria e Ofício do MPF e Sentença judicial). Artigos,
Publicações (Relatórios EFSA, APENET, CDPR, Livro, Manual, Palestra, Publicação do IBAMA), Teses,
Dissertação)
Resumo dos Levantamentos Realizados pelo IBAMA
Reavaliação Linha do Tempo

Brasil participa
do
SETAC
Pellston
Workshop nos
EUA.

JANEIRO
2011

Primeira versão
do Comunicado
de Reavaliação

FEV 2011

IBAMA Contata O
MAPA
e
o
SINDAG sobre a
reavaliação
–
proibição
da
aplicação aérea

Abril de
2011

Conclusão
do
trabalho
sobre
monitoramento
de abelhas (prof
Maria Cecilia)

IBAMA participa
de 2 eventos
internacionais:
México e Holanda

MAIO
2011

JUN a NOV
2011
Reavaliação Linha do Tempo

Primeiras
avaliações de
risco utilizando
a metodologia
européia

JANEIRO
2012

Resultados
do
GEF
valoração
econômica
do
serviço
de
polinização

MAR
2012

Participação de
pesquisadores
brasileiros
na
OECD
metodologia
testes em larvas

JUN
2012

Início formal da
Reavaliação
–
Publicação
do
Comunicado

IBAMA
solicita
formalmente ao
MAPA estudo de
produtos
substitutos

JULHO
2012

JUL
2012
Reavaliação Linha do Tempo

Assessoria
Jurídica
do
SINDAG solicita
bases
da
reavaliação.

JULHO
2012

IBAMA
altera
comunicado por
solicitação
das
empresas

SET
2012

ATO 1 IBAMA e
MAPA flexibiliza a
proibição da apl
aérea

OUT
2012

Reunião
com
especialistas
internacionais a
pedido da Bayer
e SINDAG

Publicada INC 01
nova
flexibilização
e
formulação dos
estudos
necessários
à
conclusão
da
reavaliação.

NOV
2012

DEZ
2012
Reavaliação Linha do Tempo

EUROPA
suspende
neonicotinóides
por 2 anos

ABR
2013

Acidente
Rio
Verde – GO com
Tiametoxan

MAIO
2013

Estudo do Dep de
agricultura
dos
EUA
publica
resultados
da
queda
de
população
de
abelhas e EPA
associa
aos
agrotóxicos

MAIO
2013

Discussão
dos
TR
para
contratação dos estudos sobre
algodão
e
pesquisa
da
EMBRAPA
(alternativas
de
manejo para mitigação de risco e
produtos alternativos)

JUL a NOV
2013
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Processo de Reavaliação
Linha do Tempo

4a5
meses

Prazo Total:
120 dias

30 dias

Variável

Esta etapa pode não ser
necessária

30 dias
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Processo de Reavaliação
Linha do Tempo

30 dias

30 dias

Poucos
dias
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

A base cientifica para as restrições adotadas pelo IBAMA é:
- a avaliação de risco às abelhas do imidacloprido com base nos modelos

utilizados pela EPA - agência americana de proteção ambiental e UE, com
base nos protocolos da European and Mediterranean Plant Protection
Organization (EPPO) em uma abordagem do risco tanto dentro quanto fora da
área tratada (deriva);
Foram consideradas as exposições das abelhas Apis mellifera L. por contato
e oral dentro da área tratada, e a exposição das abelhas nativas por via oral
dentro da área tratada e por contato com a deriva fora da área tratada. Além
da exposição pelo contato superficial com a pluma de pulverização, foi
também considerada a exposição das abelhas Apis mellifera L., larvas e
adultas de Melipona quadrifasciata pela via oral, devido à translocação do
imidacloprido até o néctar e pólen das culturas tratadas.
Resumo da Avaliação de Risco
Metodologia utilizada
Quociente de Perigo (Hazard Quotient) - HQ
(representa a dose letal em um hectare tratado)

HQ

Risco

HQ > 2500

indicam a existência de um alto risco, sendo o
uso, portanto, não seguro para abelhas

HQ > 50

indicam que há risco potencial e a significância
desse risco não pode ser apurada sem estudos
adicionais (higher tier tests), sendo requerido o
refinamento da avaliação

Se HQ < 50

considera-se que o risco é aceitável
Resumo da Avaliação de Risco
Metodologia utilizada
Resumo da Avaliação de Risco
Imidacloprido

Principais rotas de exposição pela aplicação de agrotóxicos por
pulverização para abelhas
Resumo da Avaliação de Risco
Imidacloprido

Metodologia utilizada

Culturas: algodão, café, cana-de-açúcar, citros, feijão,
melão maracujá, milho, soja, tomate, trigo
21 produtos e 220 indicações

utilizando as doses máximas recomendadas para aplicações
por pulverização indicadas nas bulas dos produtos formulados,
Os dados de toxicidade para Apis mellifera utilizados nos
cálculos são provenientes dos estudos que foram aportados
pelas empresas registrantes à época do pedido de registro do
produto formulado. Apenas o Quociente de Perigo (HQ) de
contato foi calculado, pois, em virtude da falta de dados de
Doses Letais médias (DL50) orais, não foi possível calcular o
HQ oral.
Resumo da Avaliação de Risco
Resultados
Abordagem 1- Risco para Apis no interior da cultura
Resumo da Avaliação de Risco
Resultados
Abordagem 2- Risco para não Apis, fora da cultura, por aplicação terrestre
Resumo da Avaliação de Risco
Critério
Abordagem 3- Risco para não Apis fora da cultura, por aplicação aérea
Resumo da Avaliação de Risco
Resultados
Abordagem 3- Risco para não Apis fora da cultura, por aplicação aérea
Consequências sobre a Avaliação

Revisão da Portaria IBAMA nº 84-96 como um todo no que se refere a
requisição de estudos adicionais para produtos sistemicos e não-sistemicos
Inclusão do cálculo do HQs para avaliacao de produtos pulverizaveis
Inclusão do cálculo do TER para produtos sistêmicos aplicados via solo via
tronco
Caso indique risco no calculo, requisição de estudos adicionais (resíduos em
folhas, testes de larvas, testes de semicampo ou, caso necessário, de campo)
Discutir a possibilidade de inclusão de testes de toxicidade com espécies
nativas e/ou outros polinizadores
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

O Que está em Andamento:
Resta conhecer os efeitos crônicos/subletais sobre abelhas devido à
possível permanência de resíduos em néctar e pólen devido à
translocação.

CONCLUSÃO:
Estamos estudando e avaliando os efeitos de curto e longo
prazo dessas moléculas sobre abelhas, e não CCD.
Projeto do GEF
O CONTEXTO : EFEITOS SOBRE AS ABELHAS

O fenômeno foi inicialmente identificado na Europa (1998)
Posteriormente nos EUA (2006)
As populações de abelhas vêm declinando naquele país
desde 1947 a taxas de 1% a.a, porém, nos últimos 4 anos
a taxa foi da ordem de 29 a 36% a.a.
Este mesmo fenômeno foi detectado também nos países
da Europa e da Ásia
As causas deste declínio são várias e a maioria delas
conhecidas, à exceção da identificação de um
desaparecimento de colméias até então inusitado e que
ganhou o nome de CCD
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Algumas confusões comuns:
1) redução da população das colônias NÃO É CCD (Desordem de
Colapso das Colonias – DCC em português)
2) Não há evidência cientifica de que o CCD é causado pelos
neonicotinóides

3) Tanto no Brasil (IBAMA, 2012) como na União Européia (EFSA,2013) as
restrições de uso impostas aos neonicotinóides
Deveu-se a:
- efeitos AGUDOS e CRÔNICOS sobre o desenvolvimento e
sobrevivência das colônias de abelhas;
- efeitos sobre as larvas de abelhas e comportamento das abelhas e,
- ao risco de doses subletais das três substâncias.
E NÃO AO FENÔMENO DE CCD.
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Características do CCD
- Ausência de abelhas vivas ou mortas dentro ou perto da
Colméia, mas com a presença de crias e alimentos em
abundância;
- Alimentos e crias não são saqueados por insetos parasitas;
- Não há correlação direta com parasitas conhecidos por
causarem declínio da população;
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Características do CCD
No início do fenômeno:

- quantidade de crias maior do que a capacidade das
operárias em cuidarem das mesmas;
- concentração de operárias novas na populaçõa da
colônia;
- presença da rainha;
- relutância da colônia em consumir o alimento energético
ou proteico fornecido
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Possíveis causas do CCD
- novos inseticidas;
- novos virus das abelhas;
- um novo tipo de nosema (fungo);
- problemas de variabilidade genética;
- ácaro Varroa destructor;
- falta de alimentos;
- fungicidas no alimento das abelhas;
- sistema de manejo intensivo;
- múltiplos fatores que agem em conjunto, aumentando a
sucetibilidade à doenças.
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

CCD no Brasil
- Segundo o MAPA não há até o momento ocorrência do
fenômeno no Brasil;

- A mortandade de abelhas no Brasil está associada a
aplicação de agrotóxicos (principal), consumo de plantas
tóxicas (barbatimão e outras), inanição e doenças
conhecidas (EMBRAPA,2013)
- existem 2 casos de suspeita de CCD
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

CCD no Brasil existem 2 casos de suspeita:
- Altinópolis-SP , agosto/setembro de 2008, apresentou
todas as características de CCD dois casos de perda
repentina de colonias fortes, havia mel, pólen e crias novas
não houve saque e nem traça da cera nos favos durante
dois meses após o desaparecimento, na região foi
identificadoa presença dos vírus IAPV,APV,BQCV e DWV e
em todas as colméias a presença de Nosema ceranae e
Varroa destructor, existindo também lavouras de cana e
aplicação de neonicotinóides.

- Centro oeste de MG, em 2009, um apicultor relatou perdas
com os sintomas de CCD (MESSAGE et al., 2010)
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

A principal diferença entre o CCD e as perdas de enxame
é que no primeiro caso, após o abandono dos favos não há
o ataque imediato dos inimigos naturais, como a traça da
abelha e por abelhas de outras colônias, sugerindo haver
alguma substância tóxica ou repelente na mesma.
(EMBRAPA, 2013)
Estima-se que existam 3000 espécies de abelhas nativas
no Brasil, uma realidade completamente diferente daquela
do hemisfério norte (Silveira, 2002)
No Brasil as Abelhas sem ferrão são responsáveis pela
polinização de 40 a 90% das espécies arbóreas (Kerr, et
al.,1996)
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS
RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Dificuldades de identificação dos
desaparecimento de abelhas no Brasil

fenômenos

de

- ausência/deficiência de programas de monitoramento;
- dados limitados sobre áreas onde espécies locais
requerem proteção;
- dados limitados sobre a sensibilidade das espécies
nativas frente as abelhas africanizadas ou européias;
- ausência de um sistema de notificação de ocorrência de
perdas de enxames;
- mesmo para a apicultura há pouca informação sobre a
produção e a população de abelhas.
ESTÁGIO ATUAL E PERSPECTIVAS

A IMPORTÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DO SETOR AGRÍCOLA

- PRODUTOS ALTERNATIVOS SUBSTITUTOS
- NOVAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS, ALTERNATIVAS DE
MANEJO
- MEDIDAS DE MONITORAMENTO E SISTEMAS DE ALERTA
- MEDIDAS DE MITIGAÇÃO DE RISCO AOS POLINIZADORES

- MAIORES CONHECIMENTOS SOBRE AS ESPÉCIES
NATIVAS E SEUS HÁBITOS
Exemplos de Substitutos Registrados para Aplicação Aérea
Solicitação de Janela do Instituto Mato-grossense do Algodão

PRAGA

Nº de Produtos
Formulados

Nº de ingredientes
ativos

Bemisia tabaci raça B
(mosca branca)

8

5

Alabama argilacea
(lagarta desfolhadora)

85

34

Aphis gossypii (pulgão
do algodoeiro)

35

17

Anthonomus grandis
(bicudo do algodoeiro)

41

16

Fonte: AGROFIT, dez 2012
Exemplos de Substitutos Registrados para Aplicação Aérea
Solicitação de Janela da APROSOJA

PRAGA

Nº de Produtos
Formulados

Nº de ingredientes
ativos

Euchistus heros Algodão
(percevejo marrom)

7

6

Nezara viridula
(percevejo verde)

21

8

Piezodorus guildinii
(percevejo verde
pequeno)

10

5

Fonte: AGROFIT, dez 2012
VENDAS (t) DOS 4 IAs EM REAVALIAÇÃO

6000.00
5476.11
5074.00

5000.00

4000.00

FIPRONIL

3000.00

CLOTIANIDINA
2441.11

IMIDACLOPRIDO

2000.00

TIAMETOXAN
1644.03

1406.62

1399.15

1000.00

1007.28
707.63

0.00
2009

2010

2011

2012

FONTE: RELATÓRIO DE COMERCIALIZAÇÃO-IBAMA (20
POSIÇÃO RELATIVA DOS 4 IAs EM REAVALIAÇÃO

120000.00

*
100000.00

80000.00

Inseticidas

60000.00

TOTAL (4 IAs)
40000.00

20000.00

0.00
2009

2010

2011

2012

FONTE: RELATÓRIO DE COMERCIALIZAÇÃO-IBAMA (2012)
Obrigado!
Marcio Rosa Rodrigues de Freitas
Coordenador Geral de Avaliação de
Substâncias Químicas e Produtos Perigosos
Diretoria de Qualidade Ambiental
E-mail: marcio.freitas@ibama.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra menten agosto 2012
Palestra menten agosto 2012Palestra menten agosto 2012
Palestra menten agosto 2012
Fonte Comunicação
 
vi
vivi
Apresentação samuel roggia embrapa
Apresentação samuel roggia   embrapaApresentação samuel roggia   embrapa
Apresentação samuel roggia embrapa
Oxya Agro e Biociências
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Oxya Agro e Biociências
 
Mod vi fitofarmalogogia
Mod vi fitofarmalogogiaMod vi fitofarmalogogia
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
Andresa Gueiros
 
Manual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolasManual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolas
Robson Peixoto
 
produtos
produtosprodutos
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
Rocha Neto
 
Aprimorando a percepção
Aprimorando a percepçãoAprimorando a percepção
Aprimorando a percepção
Helton Montechesi
 
Aula 4 métodos de controle de doenças
Aula 4   métodos de controle de doençasAula 4   métodos de controle de doenças
Aula 4 métodos de controle de doenças
Nelson Delú-Filho
 
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
ApiculturaeAgricultura
 
I.1 boas praticas fitossanitarias
I.1  boas praticas fitossanitariasI.1  boas praticas fitossanitarias
I.1 boas praticas fitossanitarias
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Boas Práticas Agrícolas no Campo
Boas Práticas Agrícolas no CampoBoas Práticas Agrícolas no Campo
Boas Práticas Agrícolas no Campo
Portal Canal Rural
 
Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...
Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...
Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...
Revista Cafeicultura
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Fábio Baía
 
Ii.3
Ii.3Ii.3
Ii.1
Ii.1Ii.1

Mais procurados (20)

Palestra menten agosto 2012
Palestra menten agosto 2012Palestra menten agosto 2012
Palestra menten agosto 2012
 
vi
vivi
vi
 
Apresentação samuel roggia embrapa
Apresentação samuel roggia   embrapaApresentação samuel roggia   embrapa
Apresentação samuel roggia embrapa
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
 
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
 
Mod vi fitofarmalogogia
Mod vi fitofarmalogogiaMod vi fitofarmalogogia
Mod vi fitofarmalogogia
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
 
Manual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolasManual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolas
 
produtos
produtosprodutos
produtos
 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
 
Aprimorando a percepção
Aprimorando a percepçãoAprimorando a percepção
Aprimorando a percepção
 
Aula 4 métodos de controle de doenças
Aula 4   métodos de controle de doençasAula 4   métodos de controle de doenças
Aula 4 métodos de controle de doenças
 
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
Osmar Malaspina - Impacto de Inseticidas sobre Visitantes Florais em Culturas...
 
I.1 boas praticas fitossanitarias
I.1  boas praticas fitossanitariasI.1  boas praticas fitossanitarias
I.1 boas praticas fitossanitarias
 
Boas Práticas Agrícolas no Campo
Boas Práticas Agrícolas no CampoBoas Práticas Agrícolas no Campo
Boas Práticas Agrícolas no Campo
 
Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...
Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...
Manejo Integrado de Pragas (MIP) e a cafeicultura Maurício José Fornazier (In...
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
 
Ii.3
Ii.3Ii.3
Ii.3
 
Ii.1
Ii.1Ii.1
Ii.1
 

Destaque

Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...
Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...
Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...
Revista Cafeicultura
 
Apresentação Stephan Carvalho - UFU
Apresentação Stephan Carvalho - UFUApresentação Stephan Carvalho - UFU
Apresentação Stephan Carvalho - UFU
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Christoph Schneider - BASF
Apresentação Christoph Schneider - BASFApresentação Christoph Schneider - BASF
Apresentação Christoph Schneider - BASF
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Leandro Bortoluz - Proterra
Apresentação Leandro Bortoluz - ProterraApresentação Leandro Bortoluz - Proterra
Apresentação Leandro Bortoluz - Proterra
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhas
Apresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhasApresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhas
Apresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhas
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Alcindo Alves
Apresentação Alcindo AlvesApresentação Alcindo Alves
Apresentação Alcindo Alves
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Silvia Ligabó - Atuação da indústria de defensivos agrícolas
Apresentação Silvia Ligabó -  Atuação da indústria de defensivos agrícolasApresentação Silvia Ligabó -  Atuação da indústria de defensivos agrícolas
Apresentação Silvia Ligabó - Atuação da indústria de defensivos agrícolas
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Edmundo Marchetti
Apresentação Edmundo MarchettiApresentação Edmundo Marchetti
Apresentação Edmundo Marchetti
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação roberto ramirez bee care
Apresentação roberto ramirez   bee careApresentação roberto ramirez   bee care
Apresentação roberto ramirez bee care
Oxya Agro e Biociências
 
Leonardo machado apresentação cna - campinas
Leonardo machado   apresentação cna - campinasLeonardo machado   apresentação cna - campinas
Leonardo machado apresentação cna - campinas
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Nelson Paim - Sindag Aviação
Apresentação Nelson Paim - Sindag AviaçãoApresentação Nelson Paim - Sindag Aviação
Apresentação Nelson Paim - Sindag Aviação
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadores
Apresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadoresApresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadores
Apresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadores
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Ulisses Antuniassi - UNESP
Apresentação Ulisses Antuniassi - UNESPApresentação Ulisses Antuniassi - UNESP
Apresentação Ulisses Antuniassi - UNESP
Oxya Agro e Biociências
 

Destaque (13)

Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...
Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...
Impactos ambientais e conflitos de usuários de água para irrigação na Califon...
 
Apresentação Stephan Carvalho - UFU
Apresentação Stephan Carvalho - UFUApresentação Stephan Carvalho - UFU
Apresentação Stephan Carvalho - UFU
 
Apresentação Christoph Schneider - BASF
Apresentação Christoph Schneider - BASFApresentação Christoph Schneider - BASF
Apresentação Christoph Schneider - BASF
 
Apresentação Leandro Bortoluz - Proterra
Apresentação Leandro Bortoluz - ProterraApresentação Leandro Bortoluz - Proterra
Apresentação Leandro Bortoluz - Proterra
 
Apresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhas
Apresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhasApresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhas
Apresentação Osmar Malaspina - Estado da arte da pesquisa com abelhas
 
Apresentação Alcindo Alves
Apresentação Alcindo AlvesApresentação Alcindo Alves
Apresentação Alcindo Alves
 
Apresentação Silvia Ligabó - Atuação da indústria de defensivos agrícolas
Apresentação Silvia Ligabó -  Atuação da indústria de defensivos agrícolasApresentação Silvia Ligabó -  Atuação da indústria de defensivos agrícolas
Apresentação Silvia Ligabó - Atuação da indústria de defensivos agrícolas
 
Apresentação Edmundo Marchetti
Apresentação Edmundo MarchettiApresentação Edmundo Marchetti
Apresentação Edmundo Marchetti
 
Apresentação roberto ramirez bee care
Apresentação roberto ramirez   bee careApresentação roberto ramirez   bee care
Apresentação roberto ramirez bee care
 
Leonardo machado apresentação cna - campinas
Leonardo machado   apresentação cna - campinasLeonardo machado   apresentação cna - campinas
Leonardo machado apresentação cna - campinas
 
Apresentação Nelson Paim - Sindag Aviação
Apresentação Nelson Paim - Sindag AviaçãoApresentação Nelson Paim - Sindag Aviação
Apresentação Nelson Paim - Sindag Aviação
 
Apresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadores
Apresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadoresApresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadores
Apresentação Cristiano Menezes - Criação massal de polinizadores
 
Apresentação Ulisses Antuniassi - UNESP
Apresentação Ulisses Antuniassi - UNESPApresentação Ulisses Antuniassi - UNESP
Apresentação Ulisses Antuniassi - UNESP
 

Semelhante a Apresentação Márcio Rosa - Reavaliação ambiental de agrotóxicos neonicotinoides e pirazol

Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...
Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...
Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...
ApiculturaeAgricultura
 
Iv.2.3
Iv.2.3 Iv.2.3
Relatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologio
Relatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologioRelatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologio
Relatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologio
luancamargodesouza
 
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLACOMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Análsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agricultura
Análsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agriculturaAnálsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agricultura
Análsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agricultura
João Siqueira da Mata
 
Palestra ib
Palestra ibPalestra ib
Palestra ib
pecsaa
 
Palestra ib batista
Palestra ib   batistaPalestra ib   batista
Palestra ib batista
pecsaa
 
Relatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeiras
Relatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeirasRelatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeiras
Relatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeiras
Fagner Aquino
 
Protocolo de Intoxicação Exógena/ Agrotóxicos
Protocolo de Intoxicação Exógena/ AgrotóxicosProtocolo de Intoxicação Exógena/ Agrotóxicos
Protocolo de Intoxicação Exógena/ Agrotóxicos
rafasillva
 
Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...
Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...
Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...
victor19a
 
Intoxicação
IntoxicaçãoIntoxicação
Intoxicação
nutecs
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Rodrigo Penna
 
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
TheFoodChallenge
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
João Carraça
 
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagensInstituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Rural Pecuária
 
Agrotoxicos
AgrotoxicosAgrotoxicos
Agrotoxicos
João Junior
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
CarmenRamos248457
 
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
Oxya Agro e Biociências
 
Agrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequênciasAgrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequências
João Siqueira da Mata
 

Semelhante a Apresentação Márcio Rosa - Reavaliação ambiental de agrotóxicos neonicotinoides e pirazol (20)

Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...
Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...
Marcio Freitas - Histórico Do Processo De Reavaliação Ambiental De Agrotóxico...
 
Iv.2.3
Iv.2.3 Iv.2.3
Iv.2.3
 
Relatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologio
Relatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologioRelatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologio
Relatorio de estagio supervisionado 1 - controle biologio
 
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLACOMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
 
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
 
Análsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agricultura
Análsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agriculturaAnálsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agricultura
Análsie da toxidade e da genotoxidade de agrotóxicos utilizados na agricultura
 
Palestra ib
Palestra ibPalestra ib
Palestra ib
 
Palestra ib batista
Palestra ib   batistaPalestra ib   batista
Palestra ib batista
 
Relatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeiras
Relatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeirasRelatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeiras
Relatório - Controle de pragas que estão atacando as laranjeiras
 
Protocolo de Intoxicação Exógena/ Agrotóxicos
Protocolo de Intoxicação Exógena/ AgrotóxicosProtocolo de Intoxicação Exógena/ Agrotóxicos
Protocolo de Intoxicação Exógena/ Agrotóxicos
 
Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...
Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...
Eficácia do glifosato no controle de Cyperus rotundus L. em função do volume ...
 
Intoxicação
IntoxicaçãoIntoxicação
Intoxicação
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
 
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
 
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagensInstituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
 
Agrotoxicos
AgrotoxicosAgrotoxicos
Agrotoxicos
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
 
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
II WSF, São Paulo - Marcelo Lopes da Silva - “ PRAGAS QUARENTENÁRIAS PARA O B...
 
Agrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequênciasAgrotóxicos e as suas consequências
Agrotóxicos e as suas consequências
 

Mais de Oxya Agro e Biociências

Flyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcanaFlyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcana
Oxya Agro e Biociências
 
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESPSegurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia VivaApresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Oxya Agro e Biociências
 
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitaisSegurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Oxya Agro e Biociências
 
Sistema GEDAVE
Sistema GEDAVESistema GEDAVE
Sistema GEDAVE
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAsApresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Oxya Agro e Biociências
 
Boas Práticas Regulatórias
Boas Práticas RegulatóriasBoas Práticas Regulatórias
Boas Práticas Regulatórias
Oxya Agro e Biociências
 
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto RegulatórioBoas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Oxya Agro e Biociências
 
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegaisCampanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Oxya Agro e Biociências
 
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileiraImpacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Oxya Agro e Biociências
 
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no BrasilImpacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Oxya Agro e Biociências
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afinsNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Oxya Agro e Biociências
 
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de AgrotóxicosNovas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Oxya Agro e Biociências
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicosNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Oxya Agro e Biociências
 
Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?
Oxya Agro e Biociências
 
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Oxya Agro e Biociências
 
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVEGestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Oxya Agro e Biociências
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Oxya Agro e Biociências
 
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Oxya Agro e Biociências
 
InovaENFISA - Projeto Agroativo
InovaENFISA - Projeto AgroativoInovaENFISA - Projeto Agroativo
InovaENFISA - Projeto Agroativo
Oxya Agro e Biociências
 

Mais de Oxya Agro e Biociências (20)

Flyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcanaFlyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcana
 
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESPSegurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
 
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia VivaApresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
 
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitaisSegurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
 
Sistema GEDAVE
Sistema GEDAVESistema GEDAVE
Sistema GEDAVE
 
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAsApresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
 
Boas Práticas Regulatórias
Boas Práticas RegulatóriasBoas Práticas Regulatórias
Boas Práticas Regulatórias
 
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto RegulatórioBoas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
 
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegaisCampanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
 
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileiraImpacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
 
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no BrasilImpacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afinsNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
 
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de AgrotóxicosNovas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicosNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
 
Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?
 
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
 
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVEGestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
 
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
 
InovaENFISA - Projeto Agroativo
InovaENFISA - Projeto AgroativoInovaENFISA - Projeto Agroativo
InovaENFISA - Projeto Agroativo
 

Apresentação Márcio Rosa - Reavaliação ambiental de agrotóxicos neonicotinoides e pirazol

  • 1. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Workshop: Relação Produtiva entre Agricultura e Apicultura REAVALIAÇÃO AMBIENTAL DE AGROTÓXICOS NEONICOTINÓIDES E PIRAZOL Marcio Rosa Rodrigues de Freitas Coordenador Geral de Avaliação de Substâncias Químicas IBAMA Campinas, 30 de outubro de 2013
  • 2. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA • A Reavaliação de Neonicotinóides e Fipronil • Contexto da reavaliação – impacto dos agrotóxicos sobre as abelhas, mortandade e CCD no Brasil • Estágio Atual e Perspectivas
  • 3. Síntese dos Efeitos NEONICOTINOIDES (Imidacloprido, Clotianidina, Tiametoxan) Alta toxicidade AGUDA Efeitos tóxicos em doses subletais causando: - comprometimento de funções fisiológicas e ecológicas tais como: a memória aprendizado das abelhas comportamento das forrageiras dificultando o retorno à colmeia, redução da atividade forrageadora ou inibindo-a por algumas horas. interferência no mecanismo de comunicação da direção do alimento entre as abelhas, enfraquecimento da colônia. interferência nos mecanismos de defesa das abelhas, tornado-as mais susceptíveis aos agentes patogênicos. São sistêmicos, isto é, penetram na planta ficando distribuídos por todas as suas partes São ALTAMENTE persistentes (½ vida de degradação em solos brasileiros >188 dias) São TRANSLOCADOS nas plantas tratadas, ficando “mais concentrados” no néctar e pólen de flores OBS - devido a persistência e a “localização preferencial” nas partes atrativas das culturas há a necessidade de ser revista a efetividade dos dizerem “não aplicar no período de floração” no que se refere a culturas com floração duradoura e necessária (Algodão – possui florescência de 90 dias!) e no que se refere a coincidência do aparecimento da praga DURANTE o período de floração; Devido à alta persistência nos solos, o tratamento de sementes é também foco da reavaliação ambiental dos neonicotinóides
  • 4. Síntese dos Efeitos FIPRONIL Não Possui Autorização para Aplicação Aérea no Brasil por solicitação do titular do registro Esta relacionado a maioria dos eventos de mortandade de abelhas notificados no Brasil É altamente tóxico para abelhas. Possui efeitos tóxicos em doses subletais: - afeta funções biológicas essenciais à manutenção e sobrevivência das abelhas; - interfere na atividade forrageira da abelha, - afeta a percepção gustativa, - afeta o aprendizado olfatório, - afeta a atividade motora e o desempenho da memória a médio e longo prazos. O Fipronil sofreu restrições em diversos países: No Uruguai foram cancelados os usos agrícolas permanecendo apenas as formulações formicidas e tratamento de semente para o arroz. No Reino Unido foram revogadas todas as autorizações após conclusão da revisão feita pela UE. Nos EUA o Fipronil possui uso restrito (RUP- Restricted Use Pesticide), podendo ser aplicado apenas por profissionais certificados pela Agência. Na Alemanha não é registrado. Foi concedido apenas o uso emergencial para a cultura da batata.
  • 5. Reavaliação Linha do Tempo Normativa de reavaliação e criação da equipe no IBAMA MAIO a OUT 2009 Levantamento de ocorrências de mortandade de abelhas no Brasil FEV A MAR 2010 IBAMA Contrata consultoria efeitos dos agrotóxicos sobre abelhas JULHO 2010 IBAMA Contata pesquisadores sobre mortandades de abelhas em SP IBAMA Capacita 6 analistas ambientais em avaliação de risco na EPA OUTUBRO 2010 NOVEMBRO 2010
  • 7. Resumo dos Levantamentos Realizados pelo IBAMA •Para o levantamento inicial foram utilizados 128 documentos. Novos documentos serão incluídos durante o processo de reavaliação. •(Notícias, Projetos de Lei (municipal, estadual, Senado, Câmara), Legislações locais (Lei municipal), Legislações internacionais (Diretiva da União Europeia, Comunicado do Ministério da Agricultura da França, Decreto do Ministério da Saúde da Itália,Decreto do Ministério de Ganaderia, Agricultura y Pesca do Uruguai), Registros internacionais (Bulas de formulados US EPA, FACT SHEET), Ocorrências (Laudos, Boletim de ocorrência, Relatório de ensaios, Inquérito policial, Relatório da Prefeitura Municipal de Brotas), Inquérito Civil e decisão judicial (Portaria e Ofício do MPF e Sentença judicial). Artigos, Publicações (Relatórios EFSA, APENET, CDPR, Livro, Manual, Palestra, Publicação do IBAMA), Teses, Dissertação)
  • 8. Resumo dos Levantamentos Realizados pelo IBAMA
  • 9. Reavaliação Linha do Tempo Brasil participa do SETAC Pellston Workshop nos EUA. JANEIRO 2011 Primeira versão do Comunicado de Reavaliação FEV 2011 IBAMA Contata O MAPA e o SINDAG sobre a reavaliação – proibição da aplicação aérea Abril de 2011 Conclusão do trabalho sobre monitoramento de abelhas (prof Maria Cecilia) IBAMA participa de 2 eventos internacionais: México e Holanda MAIO 2011 JUN a NOV 2011
  • 10. Reavaliação Linha do Tempo Primeiras avaliações de risco utilizando a metodologia européia JANEIRO 2012 Resultados do GEF valoração econômica do serviço de polinização MAR 2012 Participação de pesquisadores brasileiros na OECD metodologia testes em larvas JUN 2012 Início formal da Reavaliação – Publicação do Comunicado IBAMA solicita formalmente ao MAPA estudo de produtos substitutos JULHO 2012 JUL 2012
  • 11. Reavaliação Linha do Tempo Assessoria Jurídica do SINDAG solicita bases da reavaliação. JULHO 2012 IBAMA altera comunicado por solicitação das empresas SET 2012 ATO 1 IBAMA e MAPA flexibiliza a proibição da apl aérea OUT 2012 Reunião com especialistas internacionais a pedido da Bayer e SINDAG Publicada INC 01 nova flexibilização e formulação dos estudos necessários à conclusão da reavaliação. NOV 2012 DEZ 2012
  • 12. Reavaliação Linha do Tempo EUROPA suspende neonicotinóides por 2 anos ABR 2013 Acidente Rio Verde – GO com Tiametoxan MAIO 2013 Estudo do Dep de agricultura dos EUA publica resultados da queda de população de abelhas e EPA associa aos agrotóxicos MAIO 2013 Discussão dos TR para contratação dos estudos sobre algodão e pesquisa da EMBRAPA (alternativas de manejo para mitigação de risco e produtos alternativos) JUL a NOV 2013
  • 13. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Processo de Reavaliação Linha do Tempo 4a5 meses Prazo Total: 120 dias 30 dias Variável Esta etapa pode não ser necessária 30 dias
  • 14. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Processo de Reavaliação Linha do Tempo 30 dias 30 dias Poucos dias
  • 15. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA A base cientifica para as restrições adotadas pelo IBAMA é: - a avaliação de risco às abelhas do imidacloprido com base nos modelos utilizados pela EPA - agência americana de proteção ambiental e UE, com base nos protocolos da European and Mediterranean Plant Protection Organization (EPPO) em uma abordagem do risco tanto dentro quanto fora da área tratada (deriva); Foram consideradas as exposições das abelhas Apis mellifera L. por contato e oral dentro da área tratada, e a exposição das abelhas nativas por via oral dentro da área tratada e por contato com a deriva fora da área tratada. Além da exposição pelo contato superficial com a pluma de pulverização, foi também considerada a exposição das abelhas Apis mellifera L., larvas e adultas de Melipona quadrifasciata pela via oral, devido à translocação do imidacloprido até o néctar e pólen das culturas tratadas.
  • 16. Resumo da Avaliação de Risco Metodologia utilizada Quociente de Perigo (Hazard Quotient) - HQ (representa a dose letal em um hectare tratado) HQ Risco HQ > 2500 indicam a existência de um alto risco, sendo o uso, portanto, não seguro para abelhas HQ > 50 indicam que há risco potencial e a significância desse risco não pode ser apurada sem estudos adicionais (higher tier tests), sendo requerido o refinamento da avaliação Se HQ < 50 considera-se que o risco é aceitável
  • 17. Resumo da Avaliação de Risco Metodologia utilizada
  • 18. Resumo da Avaliação de Risco Imidacloprido Principais rotas de exposição pela aplicação de agrotóxicos por pulverização para abelhas
  • 19. Resumo da Avaliação de Risco Imidacloprido Metodologia utilizada Culturas: algodão, café, cana-de-açúcar, citros, feijão, melão maracujá, milho, soja, tomate, trigo 21 produtos e 220 indicações utilizando as doses máximas recomendadas para aplicações por pulverização indicadas nas bulas dos produtos formulados, Os dados de toxicidade para Apis mellifera utilizados nos cálculos são provenientes dos estudos que foram aportados pelas empresas registrantes à época do pedido de registro do produto formulado. Apenas o Quociente de Perigo (HQ) de contato foi calculado, pois, em virtude da falta de dados de Doses Letais médias (DL50) orais, não foi possível calcular o HQ oral.
  • 20. Resumo da Avaliação de Risco Resultados Abordagem 1- Risco para Apis no interior da cultura
  • 21. Resumo da Avaliação de Risco Resultados Abordagem 2- Risco para não Apis, fora da cultura, por aplicação terrestre
  • 22. Resumo da Avaliação de Risco Critério Abordagem 3- Risco para não Apis fora da cultura, por aplicação aérea
  • 23. Resumo da Avaliação de Risco Resultados Abordagem 3- Risco para não Apis fora da cultura, por aplicação aérea
  • 24. Consequências sobre a Avaliação Revisão da Portaria IBAMA nº 84-96 como um todo no que se refere a requisição de estudos adicionais para produtos sistemicos e não-sistemicos Inclusão do cálculo do HQs para avaliacao de produtos pulverizaveis Inclusão do cálculo do TER para produtos sistêmicos aplicados via solo via tronco Caso indique risco no calculo, requisição de estudos adicionais (resíduos em folhas, testes de larvas, testes de semicampo ou, caso necessário, de campo) Discutir a possibilidade de inclusão de testes de toxicidade com espécies nativas e/ou outros polinizadores
  • 25. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA O Que está em Andamento: Resta conhecer os efeitos crônicos/subletais sobre abelhas devido à possível permanência de resíduos em néctar e pólen devido à translocação. CONCLUSÃO: Estamos estudando e avaliando os efeitos de curto e longo prazo dessas moléculas sobre abelhas, e não CCD.
  • 27. O CONTEXTO : EFEITOS SOBRE AS ABELHAS O fenômeno foi inicialmente identificado na Europa (1998) Posteriormente nos EUA (2006) As populações de abelhas vêm declinando naquele país desde 1947 a taxas de 1% a.a, porém, nos últimos 4 anos a taxa foi da ordem de 29 a 36% a.a. Este mesmo fenômeno foi detectado também nos países da Europa e da Ásia As causas deste declínio são várias e a maioria delas conhecidas, à exceção da identificação de um desaparecimento de colméias até então inusitado e que ganhou o nome de CCD
  • 28. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Algumas confusões comuns: 1) redução da população das colônias NÃO É CCD (Desordem de Colapso das Colonias – DCC em português) 2) Não há evidência cientifica de que o CCD é causado pelos neonicotinóides 3) Tanto no Brasil (IBAMA, 2012) como na União Européia (EFSA,2013) as restrições de uso impostas aos neonicotinóides Deveu-se a: - efeitos AGUDOS e CRÔNICOS sobre o desenvolvimento e sobrevivência das colônias de abelhas; - efeitos sobre as larvas de abelhas e comportamento das abelhas e, - ao risco de doses subletais das três substâncias. E NÃO AO FENÔMENO DE CCD.
  • 29. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Características do CCD - Ausência de abelhas vivas ou mortas dentro ou perto da Colméia, mas com a presença de crias e alimentos em abundância; - Alimentos e crias não são saqueados por insetos parasitas; - Não há correlação direta com parasitas conhecidos por causarem declínio da população;
  • 30. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Características do CCD No início do fenômeno: - quantidade de crias maior do que a capacidade das operárias em cuidarem das mesmas; - concentração de operárias novas na populaçõa da colônia; - presença da rainha; - relutância da colônia em consumir o alimento energético ou proteico fornecido
  • 31. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Possíveis causas do CCD - novos inseticidas; - novos virus das abelhas; - um novo tipo de nosema (fungo); - problemas de variabilidade genética; - ácaro Varroa destructor; - falta de alimentos; - fungicidas no alimento das abelhas; - sistema de manejo intensivo; - múltiplos fatores que agem em conjunto, aumentando a sucetibilidade à doenças.
  • 32. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA CCD no Brasil - Segundo o MAPA não há até o momento ocorrência do fenômeno no Brasil; - A mortandade de abelhas no Brasil está associada a aplicação de agrotóxicos (principal), consumo de plantas tóxicas (barbatimão e outras), inanição e doenças conhecidas (EMBRAPA,2013) - existem 2 casos de suspeita de CCD
  • 33. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA CCD no Brasil existem 2 casos de suspeita: - Altinópolis-SP , agosto/setembro de 2008, apresentou todas as características de CCD dois casos de perda repentina de colonias fortes, havia mel, pólen e crias novas não houve saque e nem traça da cera nos favos durante dois meses após o desaparecimento, na região foi identificadoa presença dos vírus IAPV,APV,BQCV e DWV e em todas as colméias a presença de Nosema ceranae e Varroa destructor, existindo também lavouras de cana e aplicação de neonicotinóides. - Centro oeste de MG, em 2009, um apicultor relatou perdas com os sintomas de CCD (MESSAGE et al., 2010)
  • 34. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA A principal diferença entre o CCD e as perdas de enxame é que no primeiro caso, após o abandono dos favos não há o ataque imediato dos inimigos naturais, como a traça da abelha e por abelhas de outras colônias, sugerindo haver alguma substância tóxica ou repelente na mesma. (EMBRAPA, 2013) Estima-se que existam 3000 espécies de abelhas nativas no Brasil, uma realidade completamente diferente daquela do hemisfério norte (Silveira, 2002) No Brasil as Abelhas sem ferrão são responsáveis pela polinização de 40 a 90% das espécies arbóreas (Kerr, et al.,1996)
  • 35. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Dificuldades de identificação dos desaparecimento de abelhas no Brasil fenômenos de - ausência/deficiência de programas de monitoramento; - dados limitados sobre áreas onde espécies locais requerem proteção; - dados limitados sobre a sensibilidade das espécies nativas frente as abelhas africanizadas ou européias; - ausência de um sistema de notificação de ocorrência de perdas de enxames; - mesmo para a apicultura há pouca informação sobre a produção e a população de abelhas.
  • 36. ESTÁGIO ATUAL E PERSPECTIVAS A IMPORTÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DO SETOR AGRÍCOLA - PRODUTOS ALTERNATIVOS SUBSTITUTOS - NOVAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS, ALTERNATIVAS DE MANEJO - MEDIDAS DE MONITORAMENTO E SISTEMAS DE ALERTA - MEDIDAS DE MITIGAÇÃO DE RISCO AOS POLINIZADORES - MAIORES CONHECIMENTOS SOBRE AS ESPÉCIES NATIVAS E SEUS HÁBITOS
  • 37. Exemplos de Substitutos Registrados para Aplicação Aérea Solicitação de Janela do Instituto Mato-grossense do Algodão PRAGA Nº de Produtos Formulados Nº de ingredientes ativos Bemisia tabaci raça B (mosca branca) 8 5 Alabama argilacea (lagarta desfolhadora) 85 34 Aphis gossypii (pulgão do algodoeiro) 35 17 Anthonomus grandis (bicudo do algodoeiro) 41 16 Fonte: AGROFIT, dez 2012
  • 38. Exemplos de Substitutos Registrados para Aplicação Aérea Solicitação de Janela da APROSOJA PRAGA Nº de Produtos Formulados Nº de ingredientes ativos Euchistus heros Algodão (percevejo marrom) 7 6 Nezara viridula (percevejo verde) 21 8 Piezodorus guildinii (percevejo verde pequeno) 10 5 Fonte: AGROFIT, dez 2012
  • 39. VENDAS (t) DOS 4 IAs EM REAVALIAÇÃO 6000.00 5476.11 5074.00 5000.00 4000.00 FIPRONIL 3000.00 CLOTIANIDINA 2441.11 IMIDACLOPRIDO 2000.00 TIAMETOXAN 1644.03 1406.62 1399.15 1000.00 1007.28 707.63 0.00 2009 2010 2011 2012 FONTE: RELATÓRIO DE COMERCIALIZAÇÃO-IBAMA (20
  • 40. POSIÇÃO RELATIVA DOS 4 IAs EM REAVALIAÇÃO 120000.00 * 100000.00 80000.00 Inseticidas 60000.00 TOTAL (4 IAs) 40000.00 20000.00 0.00 2009 2010 2011 2012 FONTE: RELATÓRIO DE COMERCIALIZAÇÃO-IBAMA (2012)
  • 41. Obrigado! Marcio Rosa Rodrigues de Freitas Coordenador Geral de Avaliação de Substâncias Químicas e Produtos Perigosos Diretoria de Qualidade Ambiental E-mail: marcio.freitas@ibama.gov.br