SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E
TECNOLOGIA DO MARANHÃO-IFMA CAMPUS-
BURITICUPU
CURSO DO LICENCIATURA EM BIOLOGIA
ATIVIDADES PRÁTICAS E O ENSINO DE CITOLOGIA PARA O 8° ANO
DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO NA UNIDADE
INTEGRADA PROFª VALDEANAALMEIDA DOS REIS, BURITICUPU-MA
ACADÊMICO: MARCIO CARNEIRO DO NASCIMENTO
ORIENTADOR: PROFº. Me. JESUÍNO DA SILVA COSTA MARTINS
BURITICUPU-MA
SETEMBRO, 2019
INTRODUÇÃO
• O presente trabalho propôs desenvolver e averiguar o papel
das atividades práticas.
• Se elas contribuíram ou não para o processo de ensino e
aprendizagem dos alunos.
• Foram propostas diversas atividades aos participantes, desde
pesquisas bibliográficas, produção de maquetes de células
animal e vegetal, até a finalização com aula prática de
observação de células no laboratório de Biologia do IFMA,
Campus Buriticupu- MA.
• Dessa forma, utilizar metodologias visando aproximar os
alunos da ciência, da investigação, da observação, proporciona
uma nova visão do mundo.
• A Citologia vem a se torna um tema de suma importância, pois
através da percepção sobre o funcionamento de uma única
célula, compreendemos como o ar que respiramos e o alimento
que comemos são utilizados, por exemplo, além de saber como
uma nova vida se forma e quais os tipos de vida existentes no
nosso planeta ( BRASIL, 1997).
• Daí nota-se o quão é importante e necessário uma pesquisa que
visa observar como está o aprendizado dos alunos com relação
aos conteúdos sobre células.
• O ensino fundamental constitui, para a grande maioria
dos estudantes, o primeiro contato com o ensino de
Ciências. Trabalhar com saberes sistematizado e,
portanto, a própria forma de sua organização e
apresentação, requer uma prática educativa em que não
somente conteúdos teóricos sejam desenvolvidos (
CARLAN, 2013).
• Segundo os PCN’s ( BRASIL, 1997), ensinar ciências é
observar, experimentar, construir. É fazer o aluno sentir
a si mesmo e conhecer também o mundo onde vive
entendendo e respeitando a vida, podendo colocar em
prática os conhecimentos adquiridos como forma de
preservação à vida.
• É no ensino fundamental que os alunos se deparam
com o conceito de célula, a partir do sétimo ano, onde
os mesmos têm acesso ao conceito global de célula e
sua importância. Já no oitavo ano, as organelas
celulares, divisão celular e o funcionamento da célula
são o foco do conteúdo ( BRASIL, 1998).
• Assim, a BNCC propõe a superação da fragmentação
radicalmente disciplinar do conhecimento, o estímulo à
sua aplicação na vida real, a importância do contexto
para dar sentido ao que se aprende e o protagonismo
do estudante em sua aprendizagem e na construção de
seu projeto de vida ( BRASIL, 2015, p.17).
• Dessa forma, o processo investigativo dever ser entendido
como elemento central na formação dos estudantes, em um
sentido mais amplo, e cujo desenvolvimento deve ser atrelado a
situações didáticas planejadas ao longo de toda a educação
básica, de modo a possibilitar aos alunos revisitar de forma
reflexiva seus conhecimentos e sua compreensão acerca do
mundo em que vivem ( BRASIL, 2015,p. 320).
ALUNO ATIVIDADES
PRÁTICAS
CITOLOGIA
PROBLEMÁTICA
OBJETIVOS DA PESQUISA
OBJETIVO GERAL
• Verificar a possível relevância das atividades práticas
no Ciências no ensino fundamental ll.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• Discutir sobre o papel das atividades práticas no
ensino fundamental II.
• Analisar a importância da aula prática no laboratório
de Biologia quanto à visualização de células no
microscópio óptico.
METODOLOGIA
LOCAL DA PESQUISA:
• A referida pesquisa foi realizada na Unidade Integrada
Prof.ª Valdeana Almeida dos Reis
PÚBLICO ALVO:
• Foi realizada com os alunos do 8º ano do ensino
fundamental II.
TÉCNICA DE COLETA DE DADOS:
• Trata-se de uma pesquisa qualitativa e quantitativa por meio
da aplicação de questionário.
LOCAL DA PESQUISA
A escola Valdeana Almeida dos Reis está
localizada na rua Santa Mônica, bairro
Terra Bela
A escola atende aproximadamente 1000
alunos
RESULTADOS E DISCUSSÕES
• Os resultados apresentados baseiam-se em um questionário
com 4 questões aplicado a 25 alunos de uma turma de 8ºano do
ensino fundamental II, logo após a consolidação do projeto
“Células”.
• O questionamento 1 avaliou o “auxílio da aula prática na
compreensão do conteúdo”
Nesse questionamento os dados totalizaram 100% sim, ou seja, os
25 alunos e consequentemente 0% não, 0 alunos. Portanto, os
alunos afirmaram que foi satisfatório e positivo, pois a
visualização das células foi concretizada.
O questionamento 2 avaliou os “temas/termos
abordados” por meio dos itens ruim, regular, bom, ótimo e
excelente.
• Os dados desse questionamento apontaram o item bom
com maior percentual, de 36%, ou seja, 09 alunos,
seguido da opção execelente , 32%, com 08 alunos, para
ótimo, 24%, totalizando 06 alunos, para regular, 8%, com
02 alunos e ruím, totalizou 0%, portanto, 0 aluno.
• No geral, os resultados obtidos aqui indicam maiores
percentuais para bom, excelente e ótimo implicando dizer
que os alunos se mostraram estimulados no desafio
proposto pelo projeto.
• Eles aproveitaram para aprender, compartilhar e tirar
dúvidas sobre os termos mais comentados entre eles, que
foi DNA, células procariontes e eucariontes, organelas e
núcleo.
• Assim notou-se a busca em saber mais a fundo, pois trata
de assuntos relevantes sobre a estrutura biológica da
vida.
• Todos esses temas foram bastante explorados tanto nas
atividades práticas como na aula prática.
O questionamento 3 avaliou “maior dificuldade
apresentada durante execução da aula prática” por meio
dos itens estruturas celulares, manuseio do microscópio,
elementos do microscópio e tipos celulares.
• Os dados para esse questionamento apontaram como
maior dificuldade as estruturas celulares, com 56%,
correspondendo a 14 alunos, seguido de 20% para
manuseio do microscópio, que corresponde a 05
alunos, 12% ficaram para elementos do microscópio
e 12% para tipos celulares, ambos correspondendo a
03 alunos.
• O dado de maior percentual representa a dificuldade que os
alunos tem quanto à abstração dessas estruturas.
• A célula apresenta dimensões ínfimas , mesmo parecendo
visível somente na imaginação deles ou na tentativa de suas
representações e explicações no livro texto que utilizam na
escola.
• Essas dificuldades são retratadas nas nomenclaturas e
consequentemente muito mais na compreensão de suas
funções.
• Tais estruturas, conhecidas como organelas
citoplasmáticas ou membranosas apresentam
nomes pouco conhecidos.
• Que o instrumento utilizado, no caso o
microscópio óptico, não é possível a sua
visualização.
• Sendo possível somente como o microscópio
eletrônico.
Também se destacou os dados sobre manuseio do
microscópio, esse fato foi muito observado durante a
prática, pois muitos apresentaram:
• Demoraram no foco da imagem da célula, porque por
diversas vezes muitos invertiam a função das partes
do microscópio.
• Isso que ocorreu é compreensível, pois se trata de
uma tarefa não tão simples assim, já que todos nunca
havia manuseado antes um microscópio e nem ao
menos visto.
• Os outros percentuais não foram tão relevantes nos
quesitos avaliados.
O questionamento 4 avaliou “de modo geral o projeto
Células” por meio dos itens ruim, regular, bom, ótimo e
excelente.
• Nesse questionamento pontuaram apenas os quesitos
bom, ótimo e excelente.
• Os dados totalizaram 56% para excelente, com 14
alunos, 40% para ótimo, para 10 alunos e finalizando,
com 4%, para 1 aluno, o item bom. Os demais
respectivamente totalizaram 0%.
• Todos os dados representam a realidade, pois o
projeto teve todas as suas etapas cumpridas, desde
os prazos para as 4 etapas (que foram de 15 dias,
para cada etapas).
• Do empenho dos alunos e gestores da escola até a
aceitação pela direção e pelos profissionais do
IFMA.
• A instituição avaliou o projeto e concordou com a
etapa da aula prática, nos recebendo da melhor
forma possível.
• Foram designados pessoal da instituição para nos
acompanhar em todos os momentos.
• Isso significou muito para os alunos, pois foram
assistidos com um projeto que lhes deu a
possibilidade de conhecer células e muito o que se
tem para aprender a cerca do assunto.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• Conclui-se ao final de todo esse trabalho que não se deve dar
tanta ênfase somente ao repasse de conteúdos, mas sim a
contextualizar as atividades e os conteúdos, em especial no
que se refere ao ensino de Citologia. Par muitos, ensinar é
transmitir conhecimentos, mas para os alunos de hoje, o que
tá sendo ensinado tem que significar algo, relacionado e
aproveitado na sua vida. Portanto, quando pensamos em
como aprendemos é que conseguimos contextualizá-los.
• Com o resultado do trabalho, fica evidente a contribuição
das atividades práticas ao ensino de ciências, no que se
refere ao conteúdo de citologia, se caracteriza de suma
importância, pois a compreensão, a assimilação e lucidez dos
alunos é maior visto que os fatores que regem a vida, que
regem o próprio corpo, o nosso planeta, são melhores
discutidos e explorados.
• Nesse momento é de suma importância que o resultado
desperte a atenção e atitudes concretas dos gestores públicos
locais, dos professores, afim de que disponibilizem meios,
recursos e parcerias para dar, garantir e ampliar aos alunos o
acesso a um ensino também pautado na prática e na
experimentação.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências
Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília:
MEC/SEF, 1997.
_______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências
Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília:
MEC/SEF, 1998.
________. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências
Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília:
MEC/SEF, 2000.
_______. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares
nacionais. Brasília, DF, 1998a.
_______. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais.
Brasília, DF, 1998b. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf.Acesso em
13.08.2017
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CARLAN, Francele de Abrel. O Uso de Ferramentas de
Informática e Sua Aplicação em Atividades Didáticas
Experimentais Para melhoria do Ensino de Biologia.
Dissertação (Mestrado em educação em ciências) 2009
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS,
Brasil, 2009.In:MAIA, Sheila Fernandes Tavares. A
contribuição do software educacional célula no conteúdo de
citologia na 1° série do ensino médio a luz da teoria da
aprendizagem significativa. Estado de Roraima. Universidade
Estadual de Roraima – UERR. Pró-Reitoria de Pesquisa e pós-
graduação – PROPES. Programa de pós-graduação em ensino de
ciências – PPGEC. Boa Vista – RR. 2016. Disponível em:
http://uerr.edu.br/ppgec/wpcontent/uploads/2017/08/DISSERTA
%C3%87%C3%83O-2016-SHEILA-FERNANDES-TAVARES-
MAIA.pdf. Acesso em 20.08.2017.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação MONOMAR1809.pptx foi aprovado

A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
bio_fecli
 
Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibid
pibidbio
 
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
Anderson Oliveira
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projeto
pibidbio
 
O ensino de ciências na 5ª série através da experimentação
O ensino de ciências na 5ª série através da experimentaçãoO ensino de ciências na 5ª série através da experimentação
O ensino de ciências na 5ª série através da experimentação
blogplec
 
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Marcia Moreira
 
Artigo
Artigo Artigo
Artigo
Fenilda
 
Investigando a contribuição de atividades experimentais nas
Investigando a contribuição de atividades experimentais nasInvestigando a contribuição de atividades experimentais nas
Investigando a contribuição de atividades experimentais nas
pibidbio
 
Discussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticasDiscussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticas
Nilberto Nascimento
 
O ensino-aprendizagem como investigação:
O ensino-aprendizagem como investigação:O ensino-aprendizagem como investigação:
O ensino-aprendizagem como investigação:
coisasblog
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistas
pibidbio
 
Participação nec educere 2017
Participação nec educere 2017Participação nec educere 2017
Participação nec educere 2017
Marta Fischer
 
Apresentação artigo1
Apresentação artigo1Apresentação artigo1
Apresentação artigo1
Leonor
 
Projeto final
Projeto finalProjeto final
Projeto final
Márcia Geany Maia
 
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize BarrosApresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Universidade Federal de Pernambuco
 
Budel
BudelBudel
Portifólio clicia
 Portifólio clicia Portifólio clicia
Portifólio clicia
monalisaqueiroz
 
Apresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adamsApresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adams
Simara Nunes
 
Metodologia das ciências naturais
Metodologia das ciências  naturaisMetodologia das ciências  naturais
Metodologia das ciências naturais
Israel serique
 
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações queA aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
pibidbio
 

Semelhante a Apresentação MONOMAR1809.pptx foi aprovado (20)

A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
 
Slides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibidSlides apresentação do projeto pibid
Slides apresentação do projeto pibid
 
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
 
Slides projeto
Slides projetoSlides projeto
Slides projeto
 
O ensino de ciências na 5ª série através da experimentação
O ensino de ciências na 5ª série através da experimentaçãoO ensino de ciências na 5ª série através da experimentação
O ensino de ciências na 5ª série através da experimentação
 
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
 
Artigo
Artigo Artigo
Artigo
 
Investigando a contribuição de atividades experimentais nas
Investigando a contribuição de atividades experimentais nasInvestigando a contribuição de atividades experimentais nas
Investigando a contribuição de atividades experimentais nas
 
Discussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticasDiscussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticas
 
O ensino-aprendizagem como investigação:
O ensino-aprendizagem como investigação:O ensino-aprendizagem como investigação:
O ensino-aprendizagem como investigação:
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistas
 
Participação nec educere 2017
Participação nec educere 2017Participação nec educere 2017
Participação nec educere 2017
 
Apresentação artigo1
Apresentação artigo1Apresentação artigo1
Apresentação artigo1
 
Projeto final
Projeto finalProjeto final
Projeto final
 
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize BarrosApresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
 
Budel
BudelBudel
Budel
 
Portifólio clicia
 Portifólio clicia Portifólio clicia
Portifólio clicia
 
Apresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adamsApresentação pibid fernanda welter adams
Apresentação pibid fernanda welter adams
 
Metodologia das ciências naturais
Metodologia das ciências  naturaisMetodologia das ciências  naturais
Metodologia das ciências naturais
 
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações queA aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
 

Mais de MarcioNascimento873348

0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
MarcioNascimento873348
 
1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj
1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj
1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj
MarcioNascimento873348
 
2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt
2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt
2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt
MarcioNascimento873348
 
Slides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkk
Slides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkkSlides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkk
Slides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkk
MarcioNascimento873348
 
Fichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdf
Fichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdfFichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdf
Fichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdf
MarcioNascimento873348
 
Modelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkk
Modelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkkModelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkk
Modelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkk
MarcioNascimento873348
 
Ciências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
Ciências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbCiências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
Ciências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
MarcioNascimento873348
 

Mais de MarcioNascimento873348 (7)

0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
 
1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj
1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj
1.0_aula_ Medidas SI.ppt jjjjjjjjjjjjjjjj
 
2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt
2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt
2.0_aula_Materia,substancia e mistura.ppt
 
Slides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkk
Slides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkkSlides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkk
Slides com conteúdo - Unidade I.pdfkkkkkkkkkkkkkk
 
Fichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdf
Fichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdfFichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdf
Fichas-de-leitura-simples Cursivashhhhhhhhhhhh 24.pdf
 
Modelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkk
Modelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkkModelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkk
Modelo de Slide de Apresentação.pptxkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Ciências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
Ciências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbCiências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
Ciências.pptxbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Último

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

Apresentação MONOMAR1809.pptx foi aprovado

  • 1. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO-IFMA CAMPUS- BURITICUPU CURSO DO LICENCIATURA EM BIOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS E O ENSINO DE CITOLOGIA PARA O 8° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO NA UNIDADE INTEGRADA PROFª VALDEANAALMEIDA DOS REIS, BURITICUPU-MA ACADÊMICO: MARCIO CARNEIRO DO NASCIMENTO ORIENTADOR: PROFº. Me. JESUÍNO DA SILVA COSTA MARTINS BURITICUPU-MA SETEMBRO, 2019
  • 2. INTRODUÇÃO • O presente trabalho propôs desenvolver e averiguar o papel das atividades práticas. • Se elas contribuíram ou não para o processo de ensino e aprendizagem dos alunos. • Foram propostas diversas atividades aos participantes, desde pesquisas bibliográficas, produção de maquetes de células animal e vegetal, até a finalização com aula prática de observação de células no laboratório de Biologia do IFMA, Campus Buriticupu- MA.
  • 3. • Dessa forma, utilizar metodologias visando aproximar os alunos da ciência, da investigação, da observação, proporciona uma nova visão do mundo. • A Citologia vem a se torna um tema de suma importância, pois através da percepção sobre o funcionamento de uma única célula, compreendemos como o ar que respiramos e o alimento que comemos são utilizados, por exemplo, além de saber como uma nova vida se forma e quais os tipos de vida existentes no nosso planeta ( BRASIL, 1997). • Daí nota-se o quão é importante e necessário uma pesquisa que visa observar como está o aprendizado dos alunos com relação aos conteúdos sobre células.
  • 4. • O ensino fundamental constitui, para a grande maioria dos estudantes, o primeiro contato com o ensino de Ciências. Trabalhar com saberes sistematizado e, portanto, a própria forma de sua organização e apresentação, requer uma prática educativa em que não somente conteúdos teóricos sejam desenvolvidos ( CARLAN, 2013). • Segundo os PCN’s ( BRASIL, 1997), ensinar ciências é observar, experimentar, construir. É fazer o aluno sentir a si mesmo e conhecer também o mundo onde vive entendendo e respeitando a vida, podendo colocar em prática os conhecimentos adquiridos como forma de preservação à vida.
  • 5. • É no ensino fundamental que os alunos se deparam com o conceito de célula, a partir do sétimo ano, onde os mesmos têm acesso ao conceito global de célula e sua importância. Já no oitavo ano, as organelas celulares, divisão celular e o funcionamento da célula são o foco do conteúdo ( BRASIL, 1998). • Assim, a BNCC propõe a superação da fragmentação radicalmente disciplinar do conhecimento, o estímulo à sua aplicação na vida real, a importância do contexto para dar sentido ao que se aprende e o protagonismo do estudante em sua aprendizagem e na construção de seu projeto de vida ( BRASIL, 2015, p.17).
  • 6. • Dessa forma, o processo investigativo dever ser entendido como elemento central na formação dos estudantes, em um sentido mais amplo, e cujo desenvolvimento deve ser atrelado a situações didáticas planejadas ao longo de toda a educação básica, de modo a possibilitar aos alunos revisitar de forma reflexiva seus conhecimentos e sua compreensão acerca do mundo em que vivem ( BRASIL, 2015,p. 320).
  • 8. OBJETIVOS DA PESQUISA OBJETIVO GERAL • Verificar a possível relevância das atividades práticas no Ciências no ensino fundamental ll. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Discutir sobre o papel das atividades práticas no ensino fundamental II. • Analisar a importância da aula prática no laboratório de Biologia quanto à visualização de células no microscópio óptico.
  • 9. METODOLOGIA LOCAL DA PESQUISA: • A referida pesquisa foi realizada na Unidade Integrada Prof.ª Valdeana Almeida dos Reis PÚBLICO ALVO: • Foi realizada com os alunos do 8º ano do ensino fundamental II. TÉCNICA DE COLETA DE DADOS: • Trata-se de uma pesquisa qualitativa e quantitativa por meio da aplicação de questionário.
  • 10. LOCAL DA PESQUISA A escola Valdeana Almeida dos Reis está localizada na rua Santa Mônica, bairro Terra Bela A escola atende aproximadamente 1000 alunos
  • 11. RESULTADOS E DISCUSSÕES • Os resultados apresentados baseiam-se em um questionário com 4 questões aplicado a 25 alunos de uma turma de 8ºano do ensino fundamental II, logo após a consolidação do projeto “Células”. • O questionamento 1 avaliou o “auxílio da aula prática na compreensão do conteúdo” Nesse questionamento os dados totalizaram 100% sim, ou seja, os 25 alunos e consequentemente 0% não, 0 alunos. Portanto, os alunos afirmaram que foi satisfatório e positivo, pois a visualização das células foi concretizada.
  • 12. O questionamento 2 avaliou os “temas/termos abordados” por meio dos itens ruim, regular, bom, ótimo e excelente. • Os dados desse questionamento apontaram o item bom com maior percentual, de 36%, ou seja, 09 alunos, seguido da opção execelente , 32%, com 08 alunos, para ótimo, 24%, totalizando 06 alunos, para regular, 8%, com 02 alunos e ruím, totalizou 0%, portanto, 0 aluno. • No geral, os resultados obtidos aqui indicam maiores percentuais para bom, excelente e ótimo implicando dizer que os alunos se mostraram estimulados no desafio proposto pelo projeto.
  • 13. • Eles aproveitaram para aprender, compartilhar e tirar dúvidas sobre os termos mais comentados entre eles, que foi DNA, células procariontes e eucariontes, organelas e núcleo. • Assim notou-se a busca em saber mais a fundo, pois trata de assuntos relevantes sobre a estrutura biológica da vida. • Todos esses temas foram bastante explorados tanto nas atividades práticas como na aula prática.
  • 14. O questionamento 3 avaliou “maior dificuldade apresentada durante execução da aula prática” por meio dos itens estruturas celulares, manuseio do microscópio, elementos do microscópio e tipos celulares. • Os dados para esse questionamento apontaram como maior dificuldade as estruturas celulares, com 56%, correspondendo a 14 alunos, seguido de 20% para manuseio do microscópio, que corresponde a 05 alunos, 12% ficaram para elementos do microscópio e 12% para tipos celulares, ambos correspondendo a 03 alunos.
  • 15. • O dado de maior percentual representa a dificuldade que os alunos tem quanto à abstração dessas estruturas. • A célula apresenta dimensões ínfimas , mesmo parecendo visível somente na imaginação deles ou na tentativa de suas representações e explicações no livro texto que utilizam na escola. • Essas dificuldades são retratadas nas nomenclaturas e consequentemente muito mais na compreensão de suas funções.
  • 16. • Tais estruturas, conhecidas como organelas citoplasmáticas ou membranosas apresentam nomes pouco conhecidos. • Que o instrumento utilizado, no caso o microscópio óptico, não é possível a sua visualização. • Sendo possível somente como o microscópio eletrônico.
  • 17. Também se destacou os dados sobre manuseio do microscópio, esse fato foi muito observado durante a prática, pois muitos apresentaram: • Demoraram no foco da imagem da célula, porque por diversas vezes muitos invertiam a função das partes do microscópio. • Isso que ocorreu é compreensível, pois se trata de uma tarefa não tão simples assim, já que todos nunca havia manuseado antes um microscópio e nem ao menos visto. • Os outros percentuais não foram tão relevantes nos quesitos avaliados.
  • 18. O questionamento 4 avaliou “de modo geral o projeto Células” por meio dos itens ruim, regular, bom, ótimo e excelente. • Nesse questionamento pontuaram apenas os quesitos bom, ótimo e excelente. • Os dados totalizaram 56% para excelente, com 14 alunos, 40% para ótimo, para 10 alunos e finalizando, com 4%, para 1 aluno, o item bom. Os demais respectivamente totalizaram 0%.
  • 19. • Todos os dados representam a realidade, pois o projeto teve todas as suas etapas cumpridas, desde os prazos para as 4 etapas (que foram de 15 dias, para cada etapas). • Do empenho dos alunos e gestores da escola até a aceitação pela direção e pelos profissionais do IFMA. • A instituição avaliou o projeto e concordou com a etapa da aula prática, nos recebendo da melhor forma possível.
  • 20. • Foram designados pessoal da instituição para nos acompanhar em todos os momentos. • Isso significou muito para os alunos, pois foram assistidos com um projeto que lhes deu a possibilidade de conhecer células e muito o que se tem para aprender a cerca do assunto.
  • 21. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Conclui-se ao final de todo esse trabalho que não se deve dar tanta ênfase somente ao repasse de conteúdos, mas sim a contextualizar as atividades e os conteúdos, em especial no que se refere ao ensino de Citologia. Par muitos, ensinar é transmitir conhecimentos, mas para os alunos de hoje, o que tá sendo ensinado tem que significar algo, relacionado e aproveitado na sua vida. Portanto, quando pensamos em como aprendemos é que conseguimos contextualizá-los.
  • 22. • Com o resultado do trabalho, fica evidente a contribuição das atividades práticas ao ensino de ciências, no que se refere ao conteúdo de citologia, se caracteriza de suma importância, pois a compreensão, a assimilação e lucidez dos alunos é maior visto que os fatores que regem a vida, que regem o próprio corpo, o nosso planeta, são melhores discutidos e explorados.
  • 23. • Nesse momento é de suma importância que o resultado desperte a atenção e atitudes concretas dos gestores públicos locais, dos professores, afim de que disponibilizem meios, recursos e parcerias para dar, garantir e ampliar aos alunos o acesso a um ensino também pautado na prática e na experimentação.
  • 24. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. _______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. ________. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 2000. _______. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília, DF, 1998a. _______. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília, DF, 1998b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf.Acesso em 13.08.2017 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 25. CARLAN, Francele de Abrel. O Uso de Ferramentas de Informática e Sua Aplicação em Atividades Didáticas Experimentais Para melhoria do Ensino de Biologia. Dissertação (Mestrado em educação em ciências) 2009 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, 2009.In:MAIA, Sheila Fernandes Tavares. A contribuição do software educacional célula no conteúdo de citologia na 1° série do ensino médio a luz da teoria da aprendizagem significativa. Estado de Roraima. Universidade Estadual de Roraima – UERR. Pró-Reitoria de Pesquisa e pós- graduação – PROPES. Programa de pós-graduação em ensino de ciências – PPGEC. Boa Vista – RR. 2016. Disponível em: http://uerr.edu.br/ppgec/wpcontent/uploads/2017/08/DISSERTA %C3%87%C3%83O-2016-SHEILA-FERNANDES-TAVARES- MAIA.pdf. Acesso em 20.08.2017.