SlideShare uma empresa Scribd logo
DIVERSIDADE TEXTUAL
3º MÓDULO DO CICLO FORMATIVO MUNICIPAL
Eixo Educação Infantil
O APM DEVERÁ INSERIR A SUA PROPOSIÇÃO.
.
CHEGADA / CONEXÃO E
BOAS-VINDAS
PARTIMOS DA REALIZAÇÃO DE OFICINAS PEDAGÓGICAS PARA PROPOR A INVESTIGAÇÃO DE CONCEITOS E PROBLEMAS
SOLUCIONÁVEIS, POR MEIO DE LEITURAS, ATIVIDADES DE REGISTROS, EXIBIÇÃO DE FILMES E LEITURA DE IMAGENS.
APRESENTAÇÃO
Rotinas de Leitura e escrita no cotidiano da Educação
Infantil
INVESTIGAÇÃO
O tema “DIVERSIDADE TEXTUAL”
O trabalho por meio de oficina é uma oportunidade de:
REFLEXÃO
FORMAÇÃO DO
PENSAMENTO
CONSTRUÇÃO DO
CONHECIMENTO
OBJETIVOS
Ampliar o olhar para as diferentes situações de leitura de texto que devem ser propostas às
crianças na educação infantil;
Aprofundar os critérios para escolha dos textos a serem trabalhados nas instituições de
Educação Infantil.
Reconhecer a importância do trabalho com diferentes gêneros textuais (literários, informativos,
instrucionais/prescritivos, epistolar) no cotidiano da Educação Infantil para as aprendizagens
das crianças sobre o que os caracterizam e suas funções;
CONTEÚDO
S
O trabalho com diferentes gêneros textuais (literários, informativos, instrucionais/prescritivos,
epistolar) no cotidiano da Educação Infantil para as aprendizagens das crianças sobre o que
os caracterizam e suas funções;
As diferentes situações de leitura de texto que devem ser propostas às crianças na
educação infantil;
Critérios para escolha dos textos a serem trabalhados nas instituições de Educação Infantil.
AGENDA
ACOLHIDA
1
CONTEÚDOS
3
CONTRATO DIDÁTICO/COMBINADOS
4
FORMAÇÃO LEITORA
5
PAUTA FORMATIVA/AGENDA
6
OBJETIVOS
2
AVALIAÇÃO E ENCAMINHAMENTOS
7
Ter pontualidade e assiduidade ao longo de toda a jornada da Oficina;
Expressar compromisso, respeito e colaboração com todos do grupo;
Participar efetivamente nas elaborações e produções propostas com criatividade;
Socializar e compartilhar suas opiniões e experiências;
Escutar o outro com atenção e generosidade;
Cuidar dos espaços utilizados mantendo a limpeza e a organização;
Ter uma postura avaliativa pautada na análise e na reflexão.
Nosso contrato
didático...
FORMAÇÃO LEITORA EM
LITERATURA INFANTIL
Inserir a imagem do livro e
uma foto do autor/a
Inserir a sinopse do livro
Conversa
literária
📚 Link para baixar o material em pdf:
https://drive.google.com/drive/folders/1Dl56RI7_p
EHh29AqntxIZ8ZsamQuF0TA?usp=sharing
TRILHAS - PARA ABRIR O APETITE
POÉTICO
Considerando uma turma de E.I. e a faixa etária
das crianças dessa turma ou grupo, quais os
livros e gêneros que você acredita que
precisaria ter nas salas de referência (canto de
leitura, biblioteca de sala etc) para desenvolver
um trabalho com qualidade?
Faça uma lista para responder.
PERGUNTA DO
DIA
Para pensar sobre a
diversidade textual...
Observe os textos a seguir e responda.
Qual gênero textual pertence e
que conteúdo é abordado em cada texto?
Faça suas anotações para
partilhar;
Vamos discutir com o grupo?
CONSIGNA 2
TEXTO 1
TEXTO 2
TEXTO 3
TEXTO 4
TEXTO 4
APROFUNDAMENTO
TEÓRICO
DIVERSIDADE
TEXTUAL
📚 In: Caderno de Apresentação: Projeto Trilhas. p. 05.
As crianças, quando expostas ao contato sistemático com livros e diferentes textos,
descobrem muitas informações sobre a linguagem escrita.
Sua aprendizagem é sempre resultante daquilo que são capazes de deduzir a partir do que o
ambiente lhes oferece. O que pode fazer a diferença é o professor atuar no espaço da sala, criando
condições para influir sobre as fontes de informação que serão disponibilizadas e propiciando
situações-problema que convidem as crianças a dar respostas a partir do que recebem.
É assim que se avança, se aprende e se estabelece um vínculo saudável e estimulante com os livros e
com o conhecimento.
Como nos ensina Bakhtin, gêneros textuais definem-se principalmente por sua FUNÇÃO SOCIAL
MAS O QUE É GÊNERO
TEXTUAL?
📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova
Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-te
São textos que se realizam por uma razão determinada em uma SITUAÇÃO COMUNICATIVA (um contexto)
para promover uma interação específica.
Explicando melhor :
Isso significa que, a cada vez que produzo um texto, seleciono um gênero.
Isso vale das trocas mais prosaicas do cotidiano:
MAS O QUE É GÊNERO
TEXTUAL?
📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova
Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-te
Uma das principais características dos gêneros é o fato de serem enunciados que apresentam relativa
estabilidade.
É esse aspecto que permite, justamente, com que sejam compreendidos.
PASSANDO PELAS MENSAGENS ELETRÔNICAS
ENTREVISTAS
(ORAIS E
ESCRITAS)
BULAS DE
REMÉDIO
CORDÉI
S
DISSERTAÇÕES
ROMANCE
S
PIADAS
📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola.
https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textual
FATORES A CONSIDERAR NO TRABALHO
EM SALA
 Quais as razões para selecionar determinado gênero;
 Quais características o configuram;
 Quais as funções específicas do gênero selecionado;
 Quais objetivos de aprendizagem (específicos à área) o gênero selecionado
propicia atingir junto a seu grupo de alunos;
 Que saberes prévios e estratégias de leitura ativa o gênero selecionado mobiliza.
📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola.
https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textua l
DIVERSIDADE
TEXTUAL
De fato, há grande consenso quanto ao interesse em se explorar a noção de gênero
textual em contexto didático.
Entretanto, para que essa atividade seja proveitosa, é necessário que o professor
esteja bastante consciente de alguns fatores:
Leia a citação de Emília Ferreiro e a seguir responda.
“[...] a escrita é importante na escola pelo fato de
que é importante fora da escola, não o contrário.”
Faça suas anotações para
partilhar;
Vamos discutir com o grupo?
Vocês concordam com essa frase? Por quê?
Quais seriam esses textos fora da escola que
precisam estar dentro dela?
As práticas com a
diversidade textual
podem ser espontâneas
ou proposta pelo/a
professor/a e devem
fazer parte do campo da
vida pública.
Como trazer a DIVERSIDADE TEXTUAL
para o contexto da Educação Infantil?
Podem também escrever um
bilhete, por meio do/a
professor/a como escriba,
solicitando algo para as
famílias ou para o/a diretor/a.
Como trazer a DIVERSIDADE TEXTUAL
para o contexto da Educação Infantil?
A outra opção é o/a
professor/a criar um
enredo que, de alguma
maneira, leve a situação
social para dentro da
sala.
Por exemplo:
 convidar as crianças a prepararem
uma receita;
 a aprenderem um novo jogo ou
brincadeira, em que elas terão de
acompanhar a leitura do texto
instrucional com as regras;
 ou a brincarem de lanchonete e
pedirem para escrever o cardápio,
entre várias possibilidades.
📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola.
https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textua l
CAMPOS PARA PENSAR A
DIVERSIDADE TEXTUAL
Vida
Cotidiana
Refere-se à participação em situações de leitura e escrita
em que o contexto são atividades vivenciadas no dia a
dia de crianças nos ambientes doméstico e escolar. Os
gêneros, são mais simples e podem incluir: listas (de
chamada, de ingredientes, de compras etc.), bilhetes,
convites, cartas, regras de jogos e brincadeiras, receitas,
instruções de montagem etc.
CAMPOS PARA PENSAR A
DIVERSIDADE TEXTUAL
Artístico-
literário
Relativo a situações de leitura, fruição e produção de textos
literários e artísticos.
Exemplos: contos, poemas e outros textos em verso, poemas
visuais, tirinhas, quadrinhos e fábulas, dentre outros.
Especial importância para os gêneros ligados a brincadeiras
infantis, como lenga-lengas, parlendas, cantigas de roda etc.
📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola.
https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textual
CAMPOS PARA PENSAR A
DIVERSIDADE TEXTUAL
Estudo e
pesquisa
📚 In: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/41/quais-textos-usar-durante-a-
alfabetizacao-inicial
Envolve situações de leitura e escrita que proporcionem ao
aluno conhecer textos expositivos e argumentativos,
linguagens e práticas relacionadas ao estudo, à pesquisa e à
divulgação científica.
Exemplos: enunciados de tarefas escolares, diagramas,
relatos de experimentos, entrevistas, verbetes de
enciclopédia infantil, enquetes, registros de experimentações
e infográficos.
CAMPOS PARA PENSAR A
DIVERSIDADE TEXTUAL
Vida
pública
📚 In: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/41/quais-textos-usar-durante-a-
alfabetizacao-inicial
Prevê a participação em situações de leitura e escrita,
especialmente de textos das esferas jornalística, publicitária e
reivindicatória, contemplando temas que impactam a cidadania e o
exercício de direitos.
Exemplos: fotolegendas, manchetes e lides em notícias, álbum de
fotos digital noticioso, slogans, anúncios publicitários e textos de
campanhas de conscientização destinados ao público infantil,
cartazes informativos, avisos e folhetos, regras e regulamentos que
organizam a vida na comunidade escolar, comentários em sites
para crianças.
Atividade
em grupo
A partir de um kit de livros recebido, quais deles o/a
professor/a poderia utilizar para alcançar a intencionalidade
pedagógica proposta para o seu grupo?
Grupo 1:
Em uma turma multietária as crianças
demonstram muito interesse sobre
animais, seja em suas falas sobre seus
animais de estimação, seja em
situações de encontro com os bichinhos
na escola. Pensando nisso, quais livros
você escolheria para compor a
biblioteca da sala?
Grupo 2:
Pensando em uma turma de crianças
de 4 e 5 anos, quais livros do acervo
apresentado você escolheria para
serem lidos com as crianças ao longo
de um mês, considerando a
necessidade de apresentar uma
diversidade de textos e a
heterogeneidade de interesses da
turma.
Grupo3:
Pensando na biblioteca de sala de
uma turma de crianças de 2 e 3
anos, quais livros do acervo
apresentado você escolheria para
fazer parte dessa biblioteca,
considerando que ela ficaria fixa
durante um semestre.
CONSIGNA 3 CONSIGNA 4 CONSIGNA 5
Socialização
QUALIDADE E DIVERSIDADE
LITERÁRIA
📚 Para saber mais:
Bibliodiversidade: o que é e como promover
https://www.arvore.com.br/blog/bibliodiversidade-o-que
Criar uma seleção que permita à criança conhecer histórias de diversas
culturas, ilustrações de diversos estilos, autores de diferentes países e obras
de editoras grandes e pequenas. A importância da bibliodiversidade reside
no fato de que, com ela, os pequenos entram em contato com diferentes
culturas, etnias, estéticas e formam um olhar aguçado para ler ilustrações e
textos cada vez mais complexos e desafiadores, além de ampliar seu
conhecimento de mundo.
QUALIDADE E DIVERSIDADE
LITERÁRIA
 Idade e Complexidade da Leitura
 Conteúdo Relevante
 Narrativa Atraente
 Qualidade Literária
 Ilustrações de Qualidade e diversificadas
 Diversidade e Inclusão
 Variedade de Gêneros Literários e de Temas
 Recomendações de Especialistas
 Interatividade e formatos variados
 Clássicos da Literatura Infantil
 Feedback das Crianças
Quais parâmetros e
critérios podem ser
utilizados na seleção de
livros de qualidade para
a educação infantil?
📚 Para saber mais:
COMO ESCOLHER LIVROS INFANTIS PARA AMPLIAÇÃO DO ACERVO?: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp-
content/uploads/2020/07/INFORMATIVO-2-CRIT%C3%89RIOS-DE-ESCOLHA-DE-LIVROS-PARTE-1_AV05-REV-CG.pdf
📚 Como selecionar bons livros literários: https://gestaoescolar.org.br/conteudo/573/como-selecionar-bons-livros-literarios
QUALIDADE E DIVERSIDADE
LITERÁRIA
QUALIDADE E DIVERSIDADE
LITERÁRIA
QUALIDADE E DIVERSIDADE
LITERÁRIA
QUALIDADE E DIVERSIDADE
LITERÁRIA
COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE
SALA?
É preciso abandonar qualquer pretensão de análise exaustiva, e facilitar as escolhas, partindo, em
primeiro lugar, das listas e resenhas das revistas especializadas, bem como intercambiando as
leituras entre a equipe docente.
Na atualidade, a tarefa de seleção dos livros e textos resulta mais necessária do que nunca, já que
o mercado editorial põe a nosso alcance uma lista interminável de obras, que aumenta
continuamente ano após ano.
📚 In: Teberosky, Ana e Colomer, Teresa. Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista. p. 146.
COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE
SALA?
É necessário, pois, constituir um acervo de livros que funcione como um referente
coletivo e permitir ao mesmo tempo, com uma margem mais ou menos ampla, a
novidade e a experimentação, mantendo sempre ativos aqueles livros que
satisfazem plenamente as necessidades literárias das crianças que têm somente
essa idade para lê-los "como crianças".
📚 In: Teberosky, Ana e Colomer, Teresa. Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista. p. 147.
COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE
SALA?
Os livros oferecem às
crianças as formas pré-
fixadas nas quais sua cultura
fala sobre o mundo, de modo
que uma boa biblioteca deve
contar com diferentes tipos
de obra:
 Mitos e lendas
 Fábulas
 Histórias heroicas
 Histórias clássicos
 Histórias com repetições
 Histórias com acumulações
 Histórias de animais
 Histórias com engano
📚 Lista produzida com base no projeto Trilhas e no livro " Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista", págs. 149 - 155.
COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE
SALA?
Os livros oferecem às
crianças as formas pré-
fixadas nas quais sua cultura
fala sobre o mundo, de modo
que uma boa biblioteca deve
contar com diferentes tipos
de obra:
 Quadrinhos
 Histórias sem palavras
 Pop-up ou livros jogos
 Enciclopédias e livros de
conhecimentos
 Abecedários
📚 Lista produzida com base no projeto Trilhas e no livro " Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista", págs. 149 - 155.
COMPARTILHAMENTO
DE EXPERIÊNCIA
TEMPO/ ESPAÇO NA INSITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO
INFANITL PARA PROMOÇÃO DA MEDIAÇÃO DE
LEIUTRA
As instituições desenvolvem muitas ações de investimento em leitura por meio
de trabalhos em sala de aula como atividades permanentes, sequências
didáticas e projetos didáticos. Porém, para formar uma comunidade de
leitores, é preciso seguir qualificando as ações de sala de aula e empreender
esforços na implementação de projetos institucionais de leitura envolvendo
toda a comunidade escolar e as famílias para que, juntos, todos promovam o
encontro das crianças com os livros literários.
TEMPO/ ESPAÇO NA INSITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO
INFANITL PARA PROMOÇÃO DA MEDIAÇÃO DE
LEIUTRA
“A problemática apresentada pela formação do leitor, longe de ser específica
de determinadas séries, é comum a toda a instituição escolar. O desafio de
dar sentido à leitura tem, então, uma dimensão institucional e, se essa
dimensão é assumida, se a instituição como tal se encarrega da análise do
problema, se seus integrantes em conjunto elaboram e levam à prática
projetos direcionados a enfrentá-lo, começa a se tornar possível encurtar a
distância entre os propósitos e a realidade”.
Delia Lerner (2002)
TEMPO/ ESPAÇO NA INSITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO
INFANITL PARA PROMOÇÃO DA MEDIAÇÃO DE
LEIUTRA
Sessões simultâneas de leitura:
Trata-se de uma estratégia idealizada pela professora argentina Claudia Molinari, a sessão simultânea de leitura
consiste em integrar a escola em um único projeto literário, sem divisão por turmas. Cada professor seleciona um
livro e expõe em um cartaz a sua escolha, convidando as crianças a lerem essa obra. São as crianças que decidem
qual livro irão ler e discutir. "Há uma premissa de que o professor não pode ser identificado, porque o critério de
escolha das crianças precisa ser a história.” Depois dessa etapa, o que acontece é que os grupos ficam misturados.
No dia da sessão simultânea de leitura, as turmas não são agrupadas por série ou idade, mas reunidas seguindo os
livros selecionados, o que faz com que cada professor trabalhe com crianças de diferentes turmas. Nessa prática o
ponto de destaque é o que ocorre após a leitura. Quando as crianças retornam às suas salas, cada um terá
vivenciado uma leitura singular, e o compartilhamento dessas experiências ajuda a instigar o interesse por outras
obras. Em alguns casos, os pais também são convidados a participar, incluindo a família na comunidade escolar
leitora.)
📚 Para saber mais:
Projeto Entorno 2009 - parte 2: Sessões simultâneas de leitura
https://novaescola.org.br/conteudo/3955/projeto-entorno-2009-parte-2-sessoes-simultaneas-de-leitura
Inserir o vídeo Sessões simultâneas de leitura - Projeto Entorno 2009 (parte 2)
https://www.youtube.com/watch?v=nDSQq6Ymwa4
Compartilhamento de experiência
ESTAÇÕES DE LEITURA:
UM BOM LUGAR PRA LER UM LIVRO
Estações de leitura são ambientes especialmente
constituídos para acolher, orientar e lançar sujeitos
nas promissoras, mas intrincadas e desafiantes
malhas da cultura letrada”
Edmir Perrotti
Compartilhamento de experiência
Escola em Maceió cria “restaurante da leitura” para estimular alunos
a ler
Escola pública em Teresina incentiva a leitura com um piquenique
literário
Compartilhamento de experiência
Leitura na Praça- São Luiz Gonzaga - RS
Compartilhamento de experiência
Espaço ao ar livre no Paraná Espaço circunscrito
Compartilhamento de experiência
Pensando com a cabeça de um professor/a:
Considerando uma turma de E.I. e a faixa etária das
crianças dessa turma ou grupo, quais os livros e
gêneros que você acredita que precisaria ter nas salas
de referência (canto de leitura, biblioteca de sala etc)
para desenvolver um trabalho com qualidade? Faça
uma lista para responder.
RETOMADA DA PERGUNTA
DO DIA
Retome o seu registro inicial individual para a pergunta do dia.
A partir da reflexão gerada pela atividade em grupo olhe novamente para sua própria
lista.
Com o conhecimento que tem agora, atualize a sua lista pensando na mesma
pergunta.
INSERIR A ORIENTAÇÃO
/PROPOSTA/LINK DA AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO DO
DIA
DISPONÍVEL EM:
https://www.youtube.com/watch?v=GSBRgrLf1Pw
DESPEDIDA
BANCO ITAÚ. Projeto Leia com uma Criança. Disponível em: https://www.euleioparaumacrianca.com.br/leia-para-uma-crianca/. Acesso em: 20 Set. 2023.
BRASIL, Guia PNLD Literário 2020 Ministério da Educação. Brasília. 2020.
CADERNO DE APRESENTAÇÃO. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas)
CADERNO DE ESTUDOS – Trilhas para abrir o apetite poético. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas) CADERNO DE ORIENTAÇÕES – histórias rimadas. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas)
CADERNO DE ORIENTAÇÕES – canções. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas)
CADERNO DE ORIENTAÇÕES – parlendas. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas)
CADERNO DE ORIENTAÇÕES – poemas. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas)
COMO ESCOLHER LIVROS INFANTIS PARA AMPLIAÇÃO DO ACERVO?: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/07/INFORMATIVO-2-CRIT%C3%89RIOS-DE-ESCOLHA-DE-LIVROS-PARTE-
1_AV05-REV-CG.pdf
LERNER, Délia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Tradução: Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2002.
NOVA ESCOLA. Campos para pensar a diversidade textual. Disponível em https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/41/quais-textos-usar-durante-a-alfabetizacao-inicial. Acesso em 30 ago. de 2023.
_______________. O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Disponível em https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textual. Acesso em 30 ago. de 2023.
PERROTTI, E. ESTAÇÕES DE LEITURA, DISPOSITIVOS DE MEDIAÇÃO CULTURAL E A LUTA PELA PALAVRA. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 26, n. 3, p. 93–112, 2016. DOI: 10.14572/nuances.
v26i3.3750. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/3750. Acesso em: 20 set. 2023.
Seduc Maranhão. Aprender: Dentro e Fora da Escola | Brincar com as palavras. YouTube, 13 de jul. de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZGi2EkpjaLU. Acesso em: 23 de set de 2023.
______________. Aprender: Dentro e Fora da Escola | Parlendas para brincar. YouTube, 07 de jul. de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZGi2EkpjaLU. Acesso em: 23 de set de 2023.
TEBEROSKY, A.; COLOMER, T. Aprender a ler e escrever – uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2003.
REFERÊNCI
AS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação 3º Encontro Presencial_Ciclo Formativo Municipal_Pauta Docência (1).pptx

A produção de textos na escola
A produção de textos na escolaA produção de textos na escola
A produção de textos na escola
Thayse Guimarães
 
Projeto FALE - EEFM Mª Conceição de Araújo
Projeto FALE - EEFM Mª Conceição de AraújoProjeto FALE - EEFM Mª Conceição de Araújo
Projeto FALE - EEFM Mª Conceição de Araújo
mcaraujo08
 
3 ª ReplicaçãO Leitura3
3 ª ReplicaçãO   Leitura33 ª ReplicaçãO   Leitura3
3 ª ReplicaçãO Leitura3
maxteles2004
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
Claudio Pessoa
 
Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1
cfvila
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Rosemary Batista
 
255 4
255 4255 4
Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2
Aprender com prazer
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
Lais Renata
 
Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Jhosyrene Oliveira
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
proletramentoalfa
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesa
josivaldopassos
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
Bete Feliciano
 
Ot curriculo[1]
Ot curriculo[1]Ot curriculo[1]
Ot curriculo[1]
diretoriabraganca
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
RaabedosSantosBorges
 
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.pptDialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
EdileneBarbosa18
 
Projeto didatico lendo o mundo
Projeto didatico lendo o mundoProjeto didatico lendo o mundo
Projeto didatico lendo o mundo
Mari Santos
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Naysa Taboada
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Naysa Taboada
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
elannialins
 

Semelhante a Apresentação 3º Encontro Presencial_Ciclo Formativo Municipal_Pauta Docência (1).pptx (20)

A produção de textos na escola
A produção de textos na escolaA produção de textos na escola
A produção de textos na escola
 
Projeto FALE - EEFM Mª Conceição de Araújo
Projeto FALE - EEFM Mª Conceição de AraújoProjeto FALE - EEFM Mª Conceição de Araújo
Projeto FALE - EEFM Mª Conceição de Araújo
 
3 ª ReplicaçãO Leitura3
3 ª ReplicaçãO   Leitura33 ª ReplicaçãO   Leitura3
3 ª ReplicaçãO Leitura3
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1Slide jornada 1 - Fundamental 1
Slide jornada 1 - Fundamental 1
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
255 4
255 4255 4
255 4
 
Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
 
Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01Generostextuais3 130820223103-phpapp01
Generostextuais3 130820223103-phpapp01
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesa
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
Ot curriculo[1]
Ot curriculo[1]Ot curriculo[1]
Ot curriculo[1]
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
 
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.pptDialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
Dialogo sobre AlfabetizAÇÃO- SLIDES.ppt
 
Projeto didatico lendo o mundo
Projeto didatico lendo o mundoProjeto didatico lendo o mundo
Projeto didatico lendo o mundo
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Apresentação 3º Encontro Presencial_Ciclo Formativo Municipal_Pauta Docência (1).pptx

  • 1. DIVERSIDADE TEXTUAL 3º MÓDULO DO CICLO FORMATIVO MUNICIPAL Eixo Educação Infantil
  • 2. O APM DEVERÁ INSERIR A SUA PROPOSIÇÃO. . CHEGADA / CONEXÃO E BOAS-VINDAS
  • 3. PARTIMOS DA REALIZAÇÃO DE OFICINAS PEDAGÓGICAS PARA PROPOR A INVESTIGAÇÃO DE CONCEITOS E PROBLEMAS SOLUCIONÁVEIS, POR MEIO DE LEITURAS, ATIVIDADES DE REGISTROS, EXIBIÇÃO DE FILMES E LEITURA DE IMAGENS. APRESENTAÇÃO Rotinas de Leitura e escrita no cotidiano da Educação Infantil INVESTIGAÇÃO O tema “DIVERSIDADE TEXTUAL” O trabalho por meio de oficina é uma oportunidade de: REFLEXÃO FORMAÇÃO DO PENSAMENTO CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO
  • 4. OBJETIVOS Ampliar o olhar para as diferentes situações de leitura de texto que devem ser propostas às crianças na educação infantil; Aprofundar os critérios para escolha dos textos a serem trabalhados nas instituições de Educação Infantil. Reconhecer a importância do trabalho com diferentes gêneros textuais (literários, informativos, instrucionais/prescritivos, epistolar) no cotidiano da Educação Infantil para as aprendizagens das crianças sobre o que os caracterizam e suas funções;
  • 5. CONTEÚDO S O trabalho com diferentes gêneros textuais (literários, informativos, instrucionais/prescritivos, epistolar) no cotidiano da Educação Infantil para as aprendizagens das crianças sobre o que os caracterizam e suas funções; As diferentes situações de leitura de texto que devem ser propostas às crianças na educação infantil; Critérios para escolha dos textos a serem trabalhados nas instituições de Educação Infantil.
  • 6. AGENDA ACOLHIDA 1 CONTEÚDOS 3 CONTRATO DIDÁTICO/COMBINADOS 4 FORMAÇÃO LEITORA 5 PAUTA FORMATIVA/AGENDA 6 OBJETIVOS 2 AVALIAÇÃO E ENCAMINHAMENTOS 7
  • 7. Ter pontualidade e assiduidade ao longo de toda a jornada da Oficina; Expressar compromisso, respeito e colaboração com todos do grupo; Participar efetivamente nas elaborações e produções propostas com criatividade; Socializar e compartilhar suas opiniões e experiências; Escutar o outro com atenção e generosidade; Cuidar dos espaços utilizados mantendo a limpeza e a organização; Ter uma postura avaliativa pautada na análise e na reflexão. Nosso contrato didático...
  • 9. Inserir a imagem do livro e uma foto do autor/a
  • 10. Inserir a sinopse do livro
  • 12. 📚 Link para baixar o material em pdf: https://drive.google.com/drive/folders/1Dl56RI7_p EHh29AqntxIZ8ZsamQuF0TA?usp=sharing TRILHAS - PARA ABRIR O APETITE POÉTICO
  • 13. Considerando uma turma de E.I. e a faixa etária das crianças dessa turma ou grupo, quais os livros e gêneros que você acredita que precisaria ter nas salas de referência (canto de leitura, biblioteca de sala etc) para desenvolver um trabalho com qualidade? Faça uma lista para responder. PERGUNTA DO DIA
  • 14. Para pensar sobre a diversidade textual...
  • 15. Observe os textos a seguir e responda. Qual gênero textual pertence e que conteúdo é abordado em cada texto? Faça suas anotações para partilhar; Vamos discutir com o grupo? CONSIGNA 2
  • 22. DIVERSIDADE TEXTUAL 📚 In: Caderno de Apresentação: Projeto Trilhas. p. 05. As crianças, quando expostas ao contato sistemático com livros e diferentes textos, descobrem muitas informações sobre a linguagem escrita. Sua aprendizagem é sempre resultante daquilo que são capazes de deduzir a partir do que o ambiente lhes oferece. O que pode fazer a diferença é o professor atuar no espaço da sala, criando condições para influir sobre as fontes de informação que serão disponibilizadas e propiciando situações-problema que convidem as crianças a dar respostas a partir do que recebem. É assim que se avança, se aprende e se estabelece um vínculo saudável e estimulante com os livros e com o conhecimento.
  • 23. Como nos ensina Bakhtin, gêneros textuais definem-se principalmente por sua FUNÇÃO SOCIAL MAS O QUE É GÊNERO TEXTUAL? 📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-te São textos que se realizam por uma razão determinada em uma SITUAÇÃO COMUNICATIVA (um contexto) para promover uma interação específica. Explicando melhor : Isso significa que, a cada vez que produzo um texto, seleciono um gênero.
  • 24. Isso vale das trocas mais prosaicas do cotidiano: MAS O QUE É GÊNERO TEXTUAL? 📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-te Uma das principais características dos gêneros é o fato de serem enunciados que apresentam relativa estabilidade. É esse aspecto que permite, justamente, com que sejam compreendidos. PASSANDO PELAS MENSAGENS ELETRÔNICAS ENTREVISTAS (ORAIS E ESCRITAS) BULAS DE REMÉDIO CORDÉI S DISSERTAÇÕES ROMANCE S PIADAS
  • 25. 📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textual FATORES A CONSIDERAR NO TRABALHO EM SALA
  • 26.  Quais as razões para selecionar determinado gênero;  Quais características o configuram;  Quais as funções específicas do gênero selecionado;  Quais objetivos de aprendizagem (específicos à área) o gênero selecionado propicia atingir junto a seu grupo de alunos;  Que saberes prévios e estratégias de leitura ativa o gênero selecionado mobiliza. 📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textua l DIVERSIDADE TEXTUAL De fato, há grande consenso quanto ao interesse em se explorar a noção de gênero textual em contexto didático. Entretanto, para que essa atividade seja proveitosa, é necessário que o professor esteja bastante consciente de alguns fatores:
  • 27. Leia a citação de Emília Ferreiro e a seguir responda. “[...] a escrita é importante na escola pelo fato de que é importante fora da escola, não o contrário.” Faça suas anotações para partilhar; Vamos discutir com o grupo? Vocês concordam com essa frase? Por quê? Quais seriam esses textos fora da escola que precisam estar dentro dela?
  • 28. As práticas com a diversidade textual podem ser espontâneas ou proposta pelo/a professor/a e devem fazer parte do campo da vida pública. Como trazer a DIVERSIDADE TEXTUAL para o contexto da Educação Infantil? Podem também escrever um bilhete, por meio do/a professor/a como escriba, solicitando algo para as famílias ou para o/a diretor/a.
  • 29. Como trazer a DIVERSIDADE TEXTUAL para o contexto da Educação Infantil? A outra opção é o/a professor/a criar um enredo que, de alguma maneira, leve a situação social para dentro da sala. Por exemplo:  convidar as crianças a prepararem uma receita;  a aprenderem um novo jogo ou brincadeira, em que elas terão de acompanhar a leitura do texto instrucional com as regras;  ou a brincarem de lanchonete e pedirem para escrever o cardápio, entre várias possibilidades.
  • 30. 📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textua l CAMPOS PARA PENSAR A DIVERSIDADE TEXTUAL Vida Cotidiana Refere-se à participação em situações de leitura e escrita em que o contexto são atividades vivenciadas no dia a dia de crianças nos ambientes doméstico e escolar. Os gêneros, são mais simples e podem incluir: listas (de chamada, de ingredientes, de compras etc.), bilhetes, convites, cartas, regras de jogos e brincadeiras, receitas, instruções de montagem etc.
  • 31. CAMPOS PARA PENSAR A DIVERSIDADE TEXTUAL Artístico- literário Relativo a situações de leitura, fruição e produção de textos literários e artísticos. Exemplos: contos, poemas e outros textos em verso, poemas visuais, tirinhas, quadrinhos e fábulas, dentre outros. Especial importância para os gêneros ligados a brincadeiras infantis, como lenga-lengas, parlendas, cantigas de roda etc. 📚 In: O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Revista Nova Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textual
  • 32. CAMPOS PARA PENSAR A DIVERSIDADE TEXTUAL Estudo e pesquisa 📚 In: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/41/quais-textos-usar-durante-a- alfabetizacao-inicial Envolve situações de leitura e escrita que proporcionem ao aluno conhecer textos expositivos e argumentativos, linguagens e práticas relacionadas ao estudo, à pesquisa e à divulgação científica. Exemplos: enunciados de tarefas escolares, diagramas, relatos de experimentos, entrevistas, verbetes de enciclopédia infantil, enquetes, registros de experimentações e infográficos.
  • 33. CAMPOS PARA PENSAR A DIVERSIDADE TEXTUAL Vida pública 📚 In: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/41/quais-textos-usar-durante-a- alfabetizacao-inicial Prevê a participação em situações de leitura e escrita, especialmente de textos das esferas jornalística, publicitária e reivindicatória, contemplando temas que impactam a cidadania e o exercício de direitos. Exemplos: fotolegendas, manchetes e lides em notícias, álbum de fotos digital noticioso, slogans, anúncios publicitários e textos de campanhas de conscientização destinados ao público infantil, cartazes informativos, avisos e folhetos, regras e regulamentos que organizam a vida na comunidade escolar, comentários em sites para crianças.
  • 35. A partir de um kit de livros recebido, quais deles o/a professor/a poderia utilizar para alcançar a intencionalidade pedagógica proposta para o seu grupo? Grupo 1: Em uma turma multietária as crianças demonstram muito interesse sobre animais, seja em suas falas sobre seus animais de estimação, seja em situações de encontro com os bichinhos na escola. Pensando nisso, quais livros você escolheria para compor a biblioteca da sala? Grupo 2: Pensando em uma turma de crianças de 4 e 5 anos, quais livros do acervo apresentado você escolheria para serem lidos com as crianças ao longo de um mês, considerando a necessidade de apresentar uma diversidade de textos e a heterogeneidade de interesses da turma. Grupo3: Pensando na biblioteca de sala de uma turma de crianças de 2 e 3 anos, quais livros do acervo apresentado você escolheria para fazer parte dessa biblioteca, considerando que ela ficaria fixa durante um semestre. CONSIGNA 3 CONSIGNA 4 CONSIGNA 5
  • 37. QUALIDADE E DIVERSIDADE LITERÁRIA 📚 Para saber mais: Bibliodiversidade: o que é e como promover https://www.arvore.com.br/blog/bibliodiversidade-o-que Criar uma seleção que permita à criança conhecer histórias de diversas culturas, ilustrações de diversos estilos, autores de diferentes países e obras de editoras grandes e pequenas. A importância da bibliodiversidade reside no fato de que, com ela, os pequenos entram em contato com diferentes culturas, etnias, estéticas e formam um olhar aguçado para ler ilustrações e textos cada vez mais complexos e desafiadores, além de ampliar seu conhecimento de mundo.
  • 38. QUALIDADE E DIVERSIDADE LITERÁRIA  Idade e Complexidade da Leitura  Conteúdo Relevante  Narrativa Atraente  Qualidade Literária  Ilustrações de Qualidade e diversificadas  Diversidade e Inclusão  Variedade de Gêneros Literários e de Temas  Recomendações de Especialistas  Interatividade e formatos variados  Clássicos da Literatura Infantil  Feedback das Crianças Quais parâmetros e critérios podem ser utilizados na seleção de livros de qualidade para a educação infantil? 📚 Para saber mais: COMO ESCOLHER LIVROS INFANTIS PARA AMPLIAÇÃO DO ACERVO?: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp- content/uploads/2020/07/INFORMATIVO-2-CRIT%C3%89RIOS-DE-ESCOLHA-DE-LIVROS-PARTE-1_AV05-REV-CG.pdf 📚 Como selecionar bons livros literários: https://gestaoescolar.org.br/conteudo/573/como-selecionar-bons-livros-literarios
  • 43. COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE SALA? É preciso abandonar qualquer pretensão de análise exaustiva, e facilitar as escolhas, partindo, em primeiro lugar, das listas e resenhas das revistas especializadas, bem como intercambiando as leituras entre a equipe docente. Na atualidade, a tarefa de seleção dos livros e textos resulta mais necessária do que nunca, já que o mercado editorial põe a nosso alcance uma lista interminável de obras, que aumenta continuamente ano após ano. 📚 In: Teberosky, Ana e Colomer, Teresa. Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista. p. 146.
  • 44. COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE SALA? É necessário, pois, constituir um acervo de livros que funcione como um referente coletivo e permitir ao mesmo tempo, com uma margem mais ou menos ampla, a novidade e a experimentação, mantendo sempre ativos aqueles livros que satisfazem plenamente as necessidades literárias das crianças que têm somente essa idade para lê-los "como crianças". 📚 In: Teberosky, Ana e Colomer, Teresa. Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista. p. 147.
  • 45. COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE SALA? Os livros oferecem às crianças as formas pré- fixadas nas quais sua cultura fala sobre o mundo, de modo que uma boa biblioteca deve contar com diferentes tipos de obra:  Mitos e lendas  Fábulas  Histórias heroicas  Histórias clássicos  Histórias com repetições  Histórias com acumulações  Histórias de animais  Histórias com engano 📚 Lista produzida com base no projeto Trilhas e no livro " Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista", págs. 149 - 155.
  • 46. COMO FORMAR UMA BIBLIOTECA DE SALA? Os livros oferecem às crianças as formas pré- fixadas nas quais sua cultura fala sobre o mundo, de modo que uma boa biblioteca deve contar com diferentes tipos de obra:  Quadrinhos  Histórias sem palavras  Pop-up ou livros jogos  Enciclopédias e livros de conhecimentos  Abecedários 📚 Lista produzida com base no projeto Trilhas e no livro " Aprender a ler e a escrever: Uma proposta construtivista", págs. 149 - 155.
  • 48. TEMPO/ ESPAÇO NA INSITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANITL PARA PROMOÇÃO DA MEDIAÇÃO DE LEIUTRA As instituições desenvolvem muitas ações de investimento em leitura por meio de trabalhos em sala de aula como atividades permanentes, sequências didáticas e projetos didáticos. Porém, para formar uma comunidade de leitores, é preciso seguir qualificando as ações de sala de aula e empreender esforços na implementação de projetos institucionais de leitura envolvendo toda a comunidade escolar e as famílias para que, juntos, todos promovam o encontro das crianças com os livros literários.
  • 49. TEMPO/ ESPAÇO NA INSITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANITL PARA PROMOÇÃO DA MEDIAÇÃO DE LEIUTRA “A problemática apresentada pela formação do leitor, longe de ser específica de determinadas séries, é comum a toda a instituição escolar. O desafio de dar sentido à leitura tem, então, uma dimensão institucional e, se essa dimensão é assumida, se a instituição como tal se encarrega da análise do problema, se seus integrantes em conjunto elaboram e levam à prática projetos direcionados a enfrentá-lo, começa a se tornar possível encurtar a distância entre os propósitos e a realidade”. Delia Lerner (2002)
  • 50. TEMPO/ ESPAÇO NA INSITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANITL PARA PROMOÇÃO DA MEDIAÇÃO DE LEIUTRA Sessões simultâneas de leitura: Trata-se de uma estratégia idealizada pela professora argentina Claudia Molinari, a sessão simultânea de leitura consiste em integrar a escola em um único projeto literário, sem divisão por turmas. Cada professor seleciona um livro e expõe em um cartaz a sua escolha, convidando as crianças a lerem essa obra. São as crianças que decidem qual livro irão ler e discutir. "Há uma premissa de que o professor não pode ser identificado, porque o critério de escolha das crianças precisa ser a história.” Depois dessa etapa, o que acontece é que os grupos ficam misturados. No dia da sessão simultânea de leitura, as turmas não são agrupadas por série ou idade, mas reunidas seguindo os livros selecionados, o que faz com que cada professor trabalhe com crianças de diferentes turmas. Nessa prática o ponto de destaque é o que ocorre após a leitura. Quando as crianças retornam às suas salas, cada um terá vivenciado uma leitura singular, e o compartilhamento dessas experiências ajuda a instigar o interesse por outras obras. Em alguns casos, os pais também são convidados a participar, incluindo a família na comunidade escolar leitora.) 📚 Para saber mais: Projeto Entorno 2009 - parte 2: Sessões simultâneas de leitura https://novaescola.org.br/conteudo/3955/projeto-entorno-2009-parte-2-sessoes-simultaneas-de-leitura
  • 51. Inserir o vídeo Sessões simultâneas de leitura - Projeto Entorno 2009 (parte 2) https://www.youtube.com/watch?v=nDSQq6Ymwa4 Compartilhamento de experiência
  • 52. ESTAÇÕES DE LEITURA: UM BOM LUGAR PRA LER UM LIVRO Estações de leitura são ambientes especialmente constituídos para acolher, orientar e lançar sujeitos nas promissoras, mas intrincadas e desafiantes malhas da cultura letrada” Edmir Perrotti Compartilhamento de experiência
  • 53. Escola em Maceió cria “restaurante da leitura” para estimular alunos a ler Escola pública em Teresina incentiva a leitura com um piquenique literário Compartilhamento de experiência
  • 54. Leitura na Praça- São Luiz Gonzaga - RS Compartilhamento de experiência
  • 55. Espaço ao ar livre no Paraná Espaço circunscrito Compartilhamento de experiência
  • 56. Pensando com a cabeça de um professor/a: Considerando uma turma de E.I. e a faixa etária das crianças dessa turma ou grupo, quais os livros e gêneros que você acredita que precisaria ter nas salas de referência (canto de leitura, biblioteca de sala etc) para desenvolver um trabalho com qualidade? Faça uma lista para responder. RETOMADA DA PERGUNTA DO DIA Retome o seu registro inicial individual para a pergunta do dia. A partir da reflexão gerada pela atividade em grupo olhe novamente para sua própria lista. Com o conhecimento que tem agora, atualize a sua lista pensando na mesma pergunta.
  • 57. INSERIR A ORIENTAÇÃO /PROPOSTA/LINK DA AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DO DIA
  • 59. BANCO ITAÚ. Projeto Leia com uma Criança. Disponível em: https://www.euleioparaumacrianca.com.br/leia-para-uma-crianca/. Acesso em: 20 Set. 2023. BRASIL, Guia PNLD Literário 2020 Ministério da Educação. Brasília. 2020. CADERNO DE APRESENTAÇÃO. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas) CADERNO DE ESTUDOS – Trilhas para abrir o apetite poético. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas) CADERNO DE ORIENTAÇÕES – histórias rimadas. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas) CADERNO DE ORIENTAÇÕES – canções. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas) CADERNO DE ORIENTAÇÕES – parlendas. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas) CADERNO DE ORIENTAÇÕES – poemas. São Paulo: Natura, [2009] (Projeto Trilhas) COMO ESCOLHER LIVROS INFANTIS PARA AMPLIAÇÃO DO ACERVO?: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/07/INFORMATIVO-2-CRIT%C3%89RIOS-DE-ESCOLHA-DE-LIVROS-PARTE- 1_AV05-REV-CG.pdf LERNER, Délia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Tradução: Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2002. NOVA ESCOLA. Campos para pensar a diversidade textual. Disponível em https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/41/quais-textos-usar-durante-a-alfabetizacao-inicial. Acesso em 30 ago. de 2023. _______________. O conceito de gênero textual e seu uso em aula. Disponível em https://novaescola.org.br/conteudo/194/o-que-e-um-genero-textual. Acesso em 30 ago. de 2023. PERROTTI, E. ESTAÇÕES DE LEITURA, DISPOSITIVOS DE MEDIAÇÃO CULTURAL E A LUTA PELA PALAVRA. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 26, n. 3, p. 93–112, 2016. DOI: 10.14572/nuances. v26i3.3750. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/3750. Acesso em: 20 set. 2023. Seduc Maranhão. Aprender: Dentro e Fora da Escola | Brincar com as palavras. YouTube, 13 de jul. de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZGi2EkpjaLU. Acesso em: 23 de set de 2023. ______________. Aprender: Dentro e Fora da Escola | Parlendas para brincar. YouTube, 07 de jul. de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZGi2EkpjaLU. Acesso em: 23 de set de 2023. TEBEROSKY, A.; COLOMER, T. Aprender a ler e escrever – uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2003. REFERÊNCI AS