SlideShare uma empresa Scribd logo
Terceirização
COMO PARCERIA
ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Alfredo Bottone
junho/2013
1. Conceito
2. Histórico da terceirização no Brasil
3. Lei e jurisprudência
4. O que e por que terceirizar
5. Cuidados e riscos na terceirização
6. Primarização – quando vale a pena
7. A gestão de terceiros
8. Recomendações relevantes
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Índice
Terceirização
1. CONCEITO
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
É delegar a terceiro a realização de atividades ou tarefas de responsabilidade
do contratante.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
O que significa terceirizar?
2. HISTÓRICO DA TERCEIRIZAÇÃO
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Lei n. 5.645/70 – normatiza relação de trabalho e trata do vínculo junto ao segmento
público (administração direta e indireta da União, dos Estados e Municípios).
Lei n. 6.019/74 – trata dos serviços temporários, apresenta um entendimento sobre a
terceirização e seus procedimentos.
Lei n. 7.102/83 – vigilância bancária por empresas terceirizadas (especializadas no
segmentos e mais aptas para atender tais serviços de forma permanente).
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Decreto-lei n. 200/67 (art. 10) – objetivo: distinção na
Administração Pública o nível de direção do de execução.
Devido às alterações e à assimilação do costume de passar para uma terceira pessoa a
atividade que não seria a principal da empresa, surgiu o conceito “terceirizador” para
centenas de atividades.
As empresas nacionais observaram que os benefícios de delegar tais funções eram enormes e
cada vez mais interessantes, devido a vários fatores que incluem até mesmo a relação com os
empregados.
Forma genérica da terceirização acabou gerando discussões de ordem jurídica. A
jurisprudência migrou de uma posição incialmente (década de 70) tímida para uma posição
mais rígida e firme na década de 90. Súmulas 256/86 e 331/93 foram as referências.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Avanço da terceirização no Brasil
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Segmento abriga cerca de 68% de seus trabalhadores com carteira assinada – é maior que o da
indústria, sendo esta considerada a atividade que mais formaliza seus empregados.
Mais do que uma tendência, a prestação de serviços especializados é uma realidade
no Brasil;
Modalidade que contribui para a formalização do
mercado de trabalho, amplia o formal, moderniza as relações de trabalho, agrega eficiência ao
processo produtivo brasileiro e, como consequência, eleva a competitividade das empresas
nacionais frente aos seus agressivos
concorrentes internacionais.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Avanço da terceirização no Brasil
Trabalho temporário se transformou em porta de entrada para o mercado, sobretudo
para os jovens em situação de primeiro emprego e aos desempregados.
No ano passado, a demanda por temporários se situou em média mensal que
superou 900 mil pessoas/dia.
Brasil é o quarto no ranking dessa modalidade, atrás
dos Estados Unidos, Japão e Reino Unido.
Trabalho temporário se transformou em porta de entrada para o mercado, sobretudo
para os jovens em situação de primeiro emprego e aos desempregados.
No ano passado, a demanda por temporários se situou em média mensal que
superou 900 mil pessoas/dia.
Brasil é o quarto no ranking dessa modalidade, atrás
dos Estados Unidos, Japão e Reino Unido.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
3. LEI E JURISPRUDÊNCIA
• Concessão de serviços públicos – parágrafo 1º do art. 25 da Lei 8987/95 –
liberdade para terceirizar qualquer atividade.
Contudo, os tribunais não têm adotado esse entendimento pacificamente.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
“Art. 25. Incumbe à concessionária a execução do serviço concedido, cabendo-lhe
responder por todos os prejuízos causados...
Par.1º - Sem prejuízo da responsabilidade a que se refere este artigo, a concessionária
poderá contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes,
acessórias ou complementares ao serviço concedido, bem como a implementação
de projetos associados.”
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
TST Enunciado nº 331 - Revisão da Súmula nº 256 - Res. 23/1993, DJ 21, 28.12.1993 e
04.01.1994 - Alterada (Inciso IV) - Res. 96/2000, DJ 18, 19 e 20.09.2000 - Mantida -
Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003
Contrato de Prestação de Serviços - Legalidade
I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo
diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei
nº 6.019, de 03.01.1974).
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera vínculo
de emprego com os órgãos da administração pública direta, indireta ou fundacional (art.
37, II, da CF/1988). (Revisão do Enunciado nº 256 - TST)
III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância
(Lei nº 7.102, de 20-06-1983), de conservação e limpeza, bem como a de serviços
especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade
e a subordinação direta.
IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a
responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços, quanto àquelas obrigações,
inclusive quanto aos órgãos da administração direta, das autarquias, das fundações
públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista, desde que hajam
participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (art.
71 da Lei nº 8.666, de 21.06.1993). (Alterado pela Res. 96/2000, DJ 18.09.2000)
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Projeto de Lei 4.330/04 (Dep. Sandro Mabel): não formação de vínculo entre tomador e
terceiro, responsabilidade subsidiária, e responsabilidade solidária no caso de ausência de
fiscalização – estava arquivado há 7 anos e no dia 6 de junho foi aprovado pela Comissão
de Trabalho, de Administração e Serviço Público, por 17 a 7. Aguarda-se parecer na
Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania.
Permite terceirização de atividades fins.
Se aprovado derrubará enunciado 331 do TST.
4. O QUE E POR QUE TERCEIRIZAR
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Atividades que não fazem parte do core business da empresa.
Atividades que outros fazem melhor e que conseguem acompanhar o
desenvolvimento tecnológico on time.
Produtos de fácil disponibilidade no mercado e de baixo valor agregado para a
contratante.
O que terceirizar?
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Por que terceirizar
• Custos – geralmente, o terceiro tem custo menor, mas cuidado para não terceirizar
ao menor custo.
• Pode-se exigir maior responsabilidade de um prestador de serviços (pessoa jurídica)
do que em relação a um empregado do quadro próprio.
• Redução de demandas concorrentes (recrutamento, seleção, treinamento, folha de
pagamento, etc.) em relação a empregados que não atuam na atividade fim da
empresa.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Por que terceirizar
• Mitigação de Riscos: muitas vezes, as funções não essenciais podem tornar-se fator
crítico e que necessitam de intervenção especializada, que o negócio pode faltar.
• Flexibilidade: no caso da função não-core precisar de mão de obra adicional para
atividades extraordinárias e temporárias. Opção pode ser prazo determinado
(quadro próprio) ou mão de obra temporária.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
5. CUIDADOS E RISCOS NA
TERCEIRIZAÇÃO
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
• As barreiras linguísticas: Quando uma função que precisa de tratamento das chamadas é
terceirizada para uma localização externa e a primeira língua da nação é diferente do país
que terceiriza a função, pode levar à baixa qualidade de gestão de chamadas. Sendo em
outra região do país já traz alguma complicação. Ex.: call center.
• Responsabilidade Social: Quando a terceirização de um processo gera significativa
desmobilização de mão de obra num determinado local, isso pode gerar desgaste da
imagem da empresa.
• Conhecimento da empresa: O empregado do quadro próprio, geralmente, terá uma melhor
compreensão das nuances de uma função, ou seja, em princípio, teria um melhor
conhecimento da empresa e seus negócios, em comparação com um terceiro.
• Rotatividade de pessoal: Geralmente, a rotatividade da mão de obra no terceiro é
muito maior do quem em relação ao quadro próprio, afetando a qualidade e
continuidade da qualidade na prestação do serviço.
• Engajamento do pessoal terceirizado: Dificilmente, o comprometimento e
engajamento dos empregados terceirizados será igual ao do quadro próprio.
Salários e benefícios normalmente são menores e as possibilidades de carreira são
menores em relação à empresa contratante.
Fica então a indagação: ainda assim as empresas preferem terceirizar? Existe alguma coisa que
contradiz os pontos negativos levantados contra a terceirização?
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
6. PRIMARIZAÇÃO
QUANDO VALE A PENA
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
• Questões estratégicas do negócio – core business; possibilidade de expansão, etc.
• Revisão de metas e processos – sinergias, ganho de produtividade,
• Custo/benefícios
• Negociação sindicatos – flexibilização para incluir no quadro próprio certas
atividades, com menor custo.
Por que primarizar algumas atividades?
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
7. GESTÃO DOS TERCEIROS
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Gestão de terceiros
Instrumentos de:
• Aderência à visão e missão da contratante;
• Desenvolvimento do terceiro (gestão, segurança e tecnologia);
• Parceria – duração do contrato, rentabilidade (ganha/ganha);
• Controle, para evitar riscos trabalhistas e previdenciários.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Código de ética
Aplicar o Código de Ética da contratante, orientando os contratados e respectivos
empregados sobre sua importância para conduzir os caminhos, atitudes e
compromissos com a contratante.
Código de ética deve fazer parte do contrato de prestação de serviço, prevendo
inclusive a divulgação junto aos empregados da contratada.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Código de ética
Compartilhar:
• Visão da contratante
• Missão da empresa contratante
• Princípios que norteiam o código
• Guia prático – aborda várias questões do dia a dia e não pode pairar dúvida para
quem age em nome da contratante.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Responsabilidade social
Recomendação de inclusão no contrato de prestação de serviços:
“A contratante se compromete a observar e cumprir as questões relativas à saúde,
segurança dos colaboradores, bem como em relação ao comportamento ético com os
clientes e respeito ao meio ambiente.”
Fazer menção também a questões sobre proibição do trabalho do menor, proibição do trabalho
escravo, meio ambiente.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Responsabilidade social
As empresas terceirizadas devem efetuar um trabalho de qualidade dentro do
respeito à Lei e às normas internacionais em vigor. Exemplos: proibição do
trabalho das crianças, não discriminação (diversidade), proibição de qualquer
forma de trabalho escravo, não violação às leis ambientais e apoio às causa
sociais que a contratante atua.
O terceiro reflete na sociedade a imagem da contratante.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Responsabilidade social
Qualquer falta grave e não corrigida após observação pela contratante, em matéria
de saúde e segurança dos empregados, de comportamento ético para com os
clientes e de respeito ao meio ambiente deverá acarretar a penalidade, inclusive a
interrupção conforme o grau de gravidade, das relações com a empresa terceirizada,
dentro do respeito das obrigações contratuais.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
Responsabilidade social
Especificamente em relação à segurança dos empregados das empresas terceirizadas, estas
deverão apresentar um relatório dos acidentes do trabalho ocorridos no exercício de suas
atividades e as medidas adotadas. Algumas atividades (exemplo: SIPAT) convêm que
sejam integradas entre contratante e contratada.
A empresa terceirizada deve exigir a mesma posição em relação a uma eventual
quarteirização.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
O que não se admite na terceirização
• Efetuar qualquer terceirização irregular, ou seja, apenas com a denominação de
terceirização, mas sendo mera alocação de mão-de-obra ou contratação de pseudo
autônomos.
• Falta de controle da subcontratação.
• Ausência de profissionalismo – identidade com a marca perante o cliente com risco
de danos comerciais e legais.
• Não agregar qualquer valor ao processo produtivo.
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
8. RECOMENDAÇÕES RELEVANTES
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
FASE DE ESCOLHA DO PARCEIRO
a) Pré-qualificação
b) Visitas técnicas nos pré-qualificados (equipe mista)
c) Qualificação prévia
d) Verificar situação financeira, trabalhista e fiscal
e) Definir parceiro, sem que preço seja fator único ou de peso muito maior que os
demais elementos
Parceria nesse processo: área de compras, área cliente (gestora do contrato), RH e
Jurídico.
NA ELABORAÇÃO DO CONTRATO
É um dos principais investimentos que se deve fazer em temos de tempo e envolvimento
das áreas chave responsáveis pela terceirização. Além da redação ser clara, precisa e
completa, deve conter, entre outros itens:
a) Definir responsabilidade das partes
b) Seguro fiança ou caução
c) Propriedade intelectual – deixar claro a quem pertence
d) Software utilizado – deve estar licenciado, mesmo que não seja da contratante
e) Tudo o que for produzido deve pertencer à contratante
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
NA ELABORAÇÃO DO CONTRATO
f) Níveis de serviço – SLA (Service Level Agreement)
g) Métricas realistas e negociadas entre as partes
h) Certificações que serão aceitas para os colaboradores especializados ou que trabalhem
em área de risco
i) Penalidades no descumprimento da obrigação de fazer
j) Fórum e/ou arbitragem no caso de litígio
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
Gestão dos riscos trabalhistas
a) Contratar serviços e não mão de obra – exceto o previsto em lei
b) Não contratar PJ apenas para reduzir custo – cuidado com contratação de ex-empregados que se
tornam terceiros
c) Não estabelecer subordinação com contratado
d) Exigir o cumprimento das obrigações trabalhistas e encargos – exigir comprovação (cuidado especial)
e auditar
e) Questões de segurança e saúde devem ser rigorosamente exigidas - não incorrer na culpa in elegendo
e/ou na culpa in vigilando
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
Gestão dos riscos trabalhistas
f) Chamar à lide no caso de empregado de terceiro acionar a contratante
g) Não interferir na contratação e gestão dos empregados dos terceiros
h) Aferir no terceiro: segurança, clima, rotatividade, produtividade, queixas no comitê de ética, não
conformidade nas inspeções de segurança, etc.
i) Treinar os gestores responsáveis pelos contratos
Responsabilidades
a) Compras
b) Jurídico
c) RH
d) Gestores
e) Auditoria
f) Financeiro
PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
©
Recomendação de pesquisa
International Association of Outsourcing Professionals
(http://www.iaop.org/Firmbuilder/Articles/34/200/945)
OBRIGADO!
E-mail: alfredo.bottone@terra.com.br
Site: www.alfredobottone.com.br
Livro: Insights de um RH Estratégico (Editora Schoba)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Alfredo Bottone - Tercerização como parceria estratégica sem riscos

Portifolio
PortifolioPortifolio
Portifolio
Andréia Cruz
 
Terceirização
TerceirizaçãoTerceirização
Terceirização
niltonpedreira
 
Junho e julho de 2017
Junho e julho de 2017Junho e julho de 2017
Junho e julho de 2017
Aportesol
 
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
FecomercioSP
 
IN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratos
IN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratosIN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratos
IN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratos
Daniel Barral
 
A Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública Municipal
A Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública MunicipalA Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública Municipal
A Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública Municipal
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...
A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...
A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...
Instituto Besc
 
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Priscila Novacek Biagini
 
Terceirização de Serviços: Desafios e Oportunidades
Terceirização de Serviços: Desafios e OportunidadesTerceirização de Serviços: Desafios e Oportunidades
Terceirização de Serviços: Desafios e Oportunidades
Pactum Consultoria Empresarial
 
Proposta de redação: A terceirização do trabalho no brasil
Proposta de redação: A terceirização do trabalho no brasilProposta de redação: A terceirização do trabalho no brasil
Proposta de redação: A terceirização do trabalho no brasil
ma.no.el.ne.ves
 
Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...
Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...
Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Manual NR-12.pdf
Manual NR-12.pdfManual NR-12.pdf
Manual NR-12.pdf
AgenildoAlvesSoares1
 
Contratos de Facção
Contratos de Facção Contratos de Facção
Contratos de Facção
Bessa Advogados
 
TERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDE
TERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDETERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDE
TERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDE
AnaCampos219
 
Dossie terceirizacao e desenvolvimento
Dossie terceirizacao e  desenvolvimentoDossie terceirizacao e  desenvolvimento
Dossie terceirizacao e desenvolvimento
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Nota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da Terceirização
Nota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da TerceirizaçãoNota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da Terceirização
Nota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da Terceirização
Marcelo Auler
 
Terceirização na adm. pública
Terceirização na adm. públicaTerceirização na adm. pública
Terceirização na adm. pública
rodrigocp1986
 
Aula 3 terceirização
Aula 3   terceirizaçãoAula 3   terceirização
Aula 3 terceirização
Antonio Lobosco
 
10.16
10.1610.16
DIEESE Nota tec112terceirizacao
DIEESE Nota tec112terceirizacaoDIEESE Nota tec112terceirizacao
DIEESE Nota tec112terceirizacao
Daniel Reis Duarte Pousa
 

Semelhante a Alfredo Bottone - Tercerização como parceria estratégica sem riscos (20)

Portifolio
PortifolioPortifolio
Portifolio
 
Terceirização
TerceirizaçãoTerceirização
Terceirização
 
Junho e julho de 2017
Junho e julho de 2017Junho e julho de 2017
Junho e julho de 2017
 
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
 
IN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratos
IN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratosIN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratos
IN SLTI/MPOG 6 e seus impactos na fiscalização de contratos
 
A Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública Municipal
A Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública MunicipalA Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública Municipal
A Lei da Terceirização e suas aplicações na Gestão Pública Municipal
 
A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...
A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...
A Terceirização Como Modelo De Inclusão Social, por Osmani Teixeira de Abreu,...
 
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
 
Terceirização de Serviços: Desafios e Oportunidades
Terceirização de Serviços: Desafios e OportunidadesTerceirização de Serviços: Desafios e Oportunidades
Terceirização de Serviços: Desafios e Oportunidades
 
Proposta de redação: A terceirização do trabalho no brasil
Proposta de redação: A terceirização do trabalho no brasilProposta de redação: A terceirização do trabalho no brasil
Proposta de redação: A terceirização do trabalho no brasil
 
Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...
Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...
Administradores, Capital Humano e a Excelência de Conhecimentos para Terceiri...
 
Manual NR-12.pdf
Manual NR-12.pdfManual NR-12.pdf
Manual NR-12.pdf
 
Contratos de Facção
Contratos de Facção Contratos de Facção
Contratos de Facção
 
TERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDE
TERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDETERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDE
TERCEIRIZAÇÃO DE RECURSO HUMANO NA ÁREA DE SAÚDE
 
Dossie terceirizacao e desenvolvimento
Dossie terceirizacao e  desenvolvimentoDossie terceirizacao e  desenvolvimento
Dossie terceirizacao e desenvolvimento
 
Nota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da Terceirização
Nota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da TerceirizaçãoNota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da Terceirização
Nota Técnica do MPT sobre o Projeto de Lei da Terceirização
 
Terceirização na adm. pública
Terceirização na adm. públicaTerceirização na adm. pública
Terceirização na adm. pública
 
Aula 3 terceirização
Aula 3   terceirizaçãoAula 3   terceirização
Aula 3 terceirização
 
10.16
10.1610.16
10.16
 
DIEESE Nota tec112terceirizacao
DIEESE Nota tec112terceirizacaoDIEESE Nota tec112terceirizacao
DIEESE Nota tec112terceirizacao
 

Último

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
João de Paula Ribeiro Neto
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 

Último (8)

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 

Alfredo Bottone - Tercerização como parceria estratégica sem riscos

  • 1. Terceirização COMO PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Alfredo Bottone junho/2013
  • 2. 1. Conceito 2. Histórico da terceirização no Brasil 3. Lei e jurisprudência 4. O que e por que terceirizar 5. Cuidados e riscos na terceirização 6. Primarização – quando vale a pena 7. A gestão de terceiros 8. Recomendações relevantes PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Índice Terceirização
  • 4. É delegar a terceiro a realização de atividades ou tarefas de responsabilidade do contratante. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS O que significa terceirizar?
  • 5. 2. HISTÓRICO DA TERCEIRIZAÇÃO PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 6. Lei n. 5.645/70 – normatiza relação de trabalho e trata do vínculo junto ao segmento público (administração direta e indireta da União, dos Estados e Municípios). Lei n. 6.019/74 – trata dos serviços temporários, apresenta um entendimento sobre a terceirização e seus procedimentos. Lei n. 7.102/83 – vigilância bancária por empresas terceirizadas (especializadas no segmentos e mais aptas para atender tais serviços de forma permanente). PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Decreto-lei n. 200/67 (art. 10) – objetivo: distinção na Administração Pública o nível de direção do de execução.
  • 7. Devido às alterações e à assimilação do costume de passar para uma terceira pessoa a atividade que não seria a principal da empresa, surgiu o conceito “terceirizador” para centenas de atividades. As empresas nacionais observaram que os benefícios de delegar tais funções eram enormes e cada vez mais interessantes, devido a vários fatores que incluem até mesmo a relação com os empregados. Forma genérica da terceirização acabou gerando discussões de ordem jurídica. A jurisprudência migrou de uma posição incialmente (década de 70) tímida para uma posição mais rígida e firme na década de 90. Súmulas 256/86 e 331/93 foram as referências. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 8. Avanço da terceirização no Brasil PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Segmento abriga cerca de 68% de seus trabalhadores com carteira assinada – é maior que o da indústria, sendo esta considerada a atividade que mais formaliza seus empregados. Mais do que uma tendência, a prestação de serviços especializados é uma realidade no Brasil; Modalidade que contribui para a formalização do mercado de trabalho, amplia o formal, moderniza as relações de trabalho, agrega eficiência ao processo produtivo brasileiro e, como consequência, eleva a competitividade das empresas nacionais frente aos seus agressivos concorrentes internacionais.
  • 9. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Avanço da terceirização no Brasil Trabalho temporário se transformou em porta de entrada para o mercado, sobretudo para os jovens em situação de primeiro emprego e aos desempregados. No ano passado, a demanda por temporários se situou em média mensal que superou 900 mil pessoas/dia. Brasil é o quarto no ranking dessa modalidade, atrás dos Estados Unidos, Japão e Reino Unido.
  • 10. Trabalho temporário se transformou em porta de entrada para o mercado, sobretudo para os jovens em situação de primeiro emprego e aos desempregados. No ano passado, a demanda por temporários se situou em média mensal que superou 900 mil pessoas/dia. Brasil é o quarto no ranking dessa modalidade, atrás dos Estados Unidos, Japão e Reino Unido. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 11. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS 3. LEI E JURISPRUDÊNCIA
  • 12. • Concessão de serviços públicos – parágrafo 1º do art. 25 da Lei 8987/95 – liberdade para terceirizar qualquer atividade. Contudo, os tribunais não têm adotado esse entendimento pacificamente. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 13. “Art. 25. Incumbe à concessionária a execução do serviço concedido, cabendo-lhe responder por todos os prejuízos causados... Par.1º - Sem prejuízo da responsabilidade a que se refere este artigo, a concessionária poderá contratar com terceiros o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou complementares ao serviço concedido, bem como a implementação de projetos associados.” PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 14. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS TST Enunciado nº 331 - Revisão da Súmula nº 256 - Res. 23/1993, DJ 21, 28.12.1993 e 04.01.1994 - Alterada (Inciso IV) - Res. 96/2000, DJ 18, 19 e 20.09.2000 - Mantida - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003 Contrato de Prestação de Serviços - Legalidade I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974).
  • 15. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da administração pública direta, indireta ou fundacional (art. 37, II, da CF/1988). (Revisão do Enunciado nº 256 - TST) III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de 20-06-1983), de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta.
  • 16. IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços, quanto àquelas obrigações, inclusive quanto aos órgãos da administração direta, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista, desde que hajam participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (art. 71 da Lei nº 8.666, de 21.06.1993). (Alterado pela Res. 96/2000, DJ 18.09.2000) PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 17. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Projeto de Lei 4.330/04 (Dep. Sandro Mabel): não formação de vínculo entre tomador e terceiro, responsabilidade subsidiária, e responsabilidade solidária no caso de ausência de fiscalização – estava arquivado há 7 anos e no dia 6 de junho foi aprovado pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público, por 17 a 7. Aguarda-se parecer na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania. Permite terceirização de atividades fins. Se aprovado derrubará enunciado 331 do TST.
  • 18. 4. O QUE E POR QUE TERCEIRIZAR PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 19. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Atividades que não fazem parte do core business da empresa. Atividades que outros fazem melhor e que conseguem acompanhar o desenvolvimento tecnológico on time. Produtos de fácil disponibilidade no mercado e de baixo valor agregado para a contratante. O que terceirizar?
  • 20. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Por que terceirizar • Custos – geralmente, o terceiro tem custo menor, mas cuidado para não terceirizar ao menor custo. • Pode-se exigir maior responsabilidade de um prestador de serviços (pessoa jurídica) do que em relação a um empregado do quadro próprio. • Redução de demandas concorrentes (recrutamento, seleção, treinamento, folha de pagamento, etc.) em relação a empregados que não atuam na atividade fim da empresa.
  • 21. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Por que terceirizar • Mitigação de Riscos: muitas vezes, as funções não essenciais podem tornar-se fator crítico e que necessitam de intervenção especializada, que o negócio pode faltar. • Flexibilidade: no caso da função não-core precisar de mão de obra adicional para atividades extraordinárias e temporárias. Opção pode ser prazo determinado (quadro próprio) ou mão de obra temporária.
  • 22. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS 5. CUIDADOS E RISCOS NA TERCEIRIZAÇÃO
  • 23. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS • As barreiras linguísticas: Quando uma função que precisa de tratamento das chamadas é terceirizada para uma localização externa e a primeira língua da nação é diferente do país que terceiriza a função, pode levar à baixa qualidade de gestão de chamadas. Sendo em outra região do país já traz alguma complicação. Ex.: call center. • Responsabilidade Social: Quando a terceirização de um processo gera significativa desmobilização de mão de obra num determinado local, isso pode gerar desgaste da imagem da empresa. • Conhecimento da empresa: O empregado do quadro próprio, geralmente, terá uma melhor compreensão das nuances de uma função, ou seja, em princípio, teria um melhor conhecimento da empresa e seus negócios, em comparação com um terceiro.
  • 24. • Rotatividade de pessoal: Geralmente, a rotatividade da mão de obra no terceiro é muito maior do quem em relação ao quadro próprio, afetando a qualidade e continuidade da qualidade na prestação do serviço. • Engajamento do pessoal terceirizado: Dificilmente, o comprometimento e engajamento dos empregados terceirizados será igual ao do quadro próprio. Salários e benefícios normalmente são menores e as possibilidades de carreira são menores em relação à empresa contratante. Fica então a indagação: ainda assim as empresas preferem terceirizar? Existe alguma coisa que contradiz os pontos negativos levantados contra a terceirização? PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 25. 6. PRIMARIZAÇÃO QUANDO VALE A PENA PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 26. • Questões estratégicas do negócio – core business; possibilidade de expansão, etc. • Revisão de metas e processos – sinergias, ganho de produtividade, • Custo/benefícios • Negociação sindicatos – flexibilização para incluir no quadro próprio certas atividades, com menor custo. Por que primarizar algumas atividades? PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS
  • 27. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS 7. GESTÃO DOS TERCEIROS
  • 28. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Gestão de terceiros Instrumentos de: • Aderência à visão e missão da contratante; • Desenvolvimento do terceiro (gestão, segurança e tecnologia); • Parceria – duração do contrato, rentabilidade (ganha/ganha); • Controle, para evitar riscos trabalhistas e previdenciários.
  • 29. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Código de ética Aplicar o Código de Ética da contratante, orientando os contratados e respectivos empregados sobre sua importância para conduzir os caminhos, atitudes e compromissos com a contratante. Código de ética deve fazer parte do contrato de prestação de serviço, prevendo inclusive a divulgação junto aos empregados da contratada.
  • 30. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Código de ética Compartilhar: • Visão da contratante • Missão da empresa contratante • Princípios que norteiam o código • Guia prático – aborda várias questões do dia a dia e não pode pairar dúvida para quem age em nome da contratante.
  • 31. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Responsabilidade social Recomendação de inclusão no contrato de prestação de serviços: “A contratante se compromete a observar e cumprir as questões relativas à saúde, segurança dos colaboradores, bem como em relação ao comportamento ético com os clientes e respeito ao meio ambiente.” Fazer menção também a questões sobre proibição do trabalho do menor, proibição do trabalho escravo, meio ambiente.
  • 32. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Responsabilidade social As empresas terceirizadas devem efetuar um trabalho de qualidade dentro do respeito à Lei e às normas internacionais em vigor. Exemplos: proibição do trabalho das crianças, não discriminação (diversidade), proibição de qualquer forma de trabalho escravo, não violação às leis ambientais e apoio às causa sociais que a contratante atua. O terceiro reflete na sociedade a imagem da contratante.
  • 33. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Responsabilidade social Qualquer falta grave e não corrigida após observação pela contratante, em matéria de saúde e segurança dos empregados, de comportamento ético para com os clientes e de respeito ao meio ambiente deverá acarretar a penalidade, inclusive a interrupção conforme o grau de gravidade, das relações com a empresa terceirizada, dentro do respeito das obrigações contratuais.
  • 34. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS Responsabilidade social Especificamente em relação à segurança dos empregados das empresas terceirizadas, estas deverão apresentar um relatório dos acidentes do trabalho ocorridos no exercício de suas atividades e as medidas adotadas. Algumas atividades (exemplo: SIPAT) convêm que sejam integradas entre contratante e contratada. A empresa terceirizada deve exigir a mesma posição em relação a uma eventual quarteirização.
  • 35. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS © O que não se admite na terceirização • Efetuar qualquer terceirização irregular, ou seja, apenas com a denominação de terceirização, mas sendo mera alocação de mão-de-obra ou contratação de pseudo autônomos. • Falta de controle da subcontratação. • Ausência de profissionalismo – identidade com a marca perante o cliente com risco de danos comerciais e legais. • Não agregar qualquer valor ao processo produtivo.
  • 36. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS © 8. RECOMENDAÇÕES RELEVANTES
  • 37. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS © FASE DE ESCOLHA DO PARCEIRO a) Pré-qualificação b) Visitas técnicas nos pré-qualificados (equipe mista) c) Qualificação prévia d) Verificar situação financeira, trabalhista e fiscal e) Definir parceiro, sem que preço seja fator único ou de peso muito maior que os demais elementos Parceria nesse processo: área de compras, área cliente (gestora do contrato), RH e Jurídico.
  • 38. NA ELABORAÇÃO DO CONTRATO É um dos principais investimentos que se deve fazer em temos de tempo e envolvimento das áreas chave responsáveis pela terceirização. Além da redação ser clara, precisa e completa, deve conter, entre outros itens: a) Definir responsabilidade das partes b) Seguro fiança ou caução c) Propriedade intelectual – deixar claro a quem pertence d) Software utilizado – deve estar licenciado, mesmo que não seja da contratante e) Tudo o que for produzido deve pertencer à contratante PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS ©
  • 39. NA ELABORAÇÃO DO CONTRATO f) Níveis de serviço – SLA (Service Level Agreement) g) Métricas realistas e negociadas entre as partes h) Certificações que serão aceitas para os colaboradores especializados ou que trabalhem em área de risco i) Penalidades no descumprimento da obrigação de fazer j) Fórum e/ou arbitragem no caso de litígio PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS ©
  • 40. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS © Gestão dos riscos trabalhistas a) Contratar serviços e não mão de obra – exceto o previsto em lei b) Não contratar PJ apenas para reduzir custo – cuidado com contratação de ex-empregados que se tornam terceiros c) Não estabelecer subordinação com contratado d) Exigir o cumprimento das obrigações trabalhistas e encargos – exigir comprovação (cuidado especial) e auditar e) Questões de segurança e saúde devem ser rigorosamente exigidas - não incorrer na culpa in elegendo e/ou na culpa in vigilando
  • 41. PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS © Gestão dos riscos trabalhistas f) Chamar à lide no caso de empregado de terceiro acionar a contratante g) Não interferir na contratação e gestão dos empregados dos terceiros h) Aferir no terceiro: segurança, clima, rotatividade, produtividade, queixas no comitê de ética, não conformidade nas inspeções de segurança, etc. i) Treinar os gestores responsáveis pelos contratos
  • 42. Responsabilidades a) Compras b) Jurídico c) RH d) Gestores e) Auditoria f) Financeiro PARCERIA ESTRATÉGICA SEM RISCOS ©
  • 43. Recomendação de pesquisa International Association of Outsourcing Professionals (http://www.iaop.org/Firmbuilder/Articles/34/200/945)